Tocantins. A Formação e Evolução do Estado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tocantins. A Formação e Evolução do Estado"

Transcrição

1 Tocantins A Formação e Evolução do Estado

2 A Formação Política Os movimentos pela independência do território tocantinense, frente a sua estrutura política vinculada ao Estado de Goiás remonta o período anterior ao fim da monarquia. Em 1821, Joaquim Teotônio Segurado chegou a proclamar a independência do estado, porém o movimento foi rapidamente contido. O movimento pela emancipação fica contido até meados da década de 1950 (1956). Um grupo de representantes da sociedade do Norte de Goiás, liderados pelo Juiz Feliciano Machado Braga passaram a utilizar o dia 13 de maio como o dia da independência do Estado. A repressão implementada pelo Estado de Goiás veio a partir do deslocamento da liderança para uma outra comarca, enfraquecendo o movimento. Em meados da década de 1980 notamos que o governo de José Sarney veta a tentativa de emancipação, visto que tal medida, segundo Sarney, só poderia surgir a partir de uma constituinte.

3 Constituição de 1988 O Estado se Consolida Na Constituição de 1988, notamos a emancipação em 5 de outubro. Em 1 de Janeiro de 1989 a unidade federativa foi instalada oficialmente, sendo Palmas a sua capital. Grande parte do pleito pela emancipação está nas disparidades entre o sul de Goiás mais desenvolvido (recebendo a Capital Federal) e o norte do Estado (atual Tocantis) com uma economia frágil e fortemente tributada. As disparidades visíveis e cobradas pelos políticos e comunidades do norte de Goiás deram lugar a uma ação de emancipação.

4 Características Físicas O Estado encontra-se sobre um relevo majoritariamente de baixa altitude e baixa latitude, tendo como características a existência de três biomas em seu território: Cerrado, Amazônico (extremo norte - Bico do papagaio) e Mata de Cocais (faixa de transição). O clima é caracterizado, na maior parte do território, como clima tropical com estação seca, porém notamos no extremo norte características de clima equatorial (microrregião do bico do Papagaio). Os recursos naturais existentes no Estado, especialmente os minerais, tem vivenciado uma ampliação de sua exploração a partir de um notável crescimento demográfico e econômico nas duas últimas décadas.

5

6 Clima tocantinense A baixa altitude somada a baixa latitude possibilita uma alta temperatura média na região. A continentalidade possibilita a baixa umidade do Estado durante o solstício de inverno. Durante o solstício de inverno (no hemisfério sul) notamos que a ZCIT se fixa, majoritariamente, sobre o hemisfério norte. Este fato reduz a umidade sobre boa parte do Estado durante o inverno. Durante o verão notamos uma elevada pluviosidade marcada pelas chuvas convectivas, sinal de que a ZCIT encontra-se sobre o hemisfério sul.

7 Vegetação

8 Hidrografia O Estado é cortado por duas grande bacias perenes: O Araguaia e o Tocantins. Estas duas bacias dinamizam a economia da Mesorregião ocidental, especialmente o setor agropecuário. Este fato possibilita o entendimento da maior concentração populacional entre as duas bacias, associada a presença da rodovia Bélem-Brasília. A convergência das duas bacias na microrregião do Bico do Papagaio, associada a baixa latitude, explica a maior umidade e a presença de uma vegetação típica da região amazônica.

9 Um dia com Temperatura Normal em Palmas

10 Características Populacionais A população estimada em 2013 para os Estado do Tocantins, segundo o IBGE, é de habitantes, sendo que a contagem estabelecida no censo de 2010 quantificou a população do Estado em um total de habitantes. Notamos seis (6) favelas ( ou aglomerados subnormais) no Estado, onde notamos um total de pessoas fixadas (IBGE 2010). Contudo a ampliação demográfica é um processo recente, visto que antes da emancipação a região representava zona de emigração (saída de pessoas). A expansão da fronteira agrícola associado a a fixação de agroindústrias no Estado (mesorregião Ocidental) tem possibilitado, nas duas últimas décadas, um grande fluxo de pessoas e capitais para a região. IBGE. Contagem da população 2007 A população na faixa de 0 até 14 representa 30,84% do total da população do Estado.

11 Características Populacionais O processo de povoamento do Estado do Tocantins está atrelado ao de Goiás. Nas últimas décadas notamos um forte fluxo populacionais oriundos da região nordeste do país para o Estado. Notamos também uma forte atração do Estado sobre fluxos populacionais dotados de qualificação. Contudo grande parte dos fluxos internos responsáveis pelo alto grau de urbanização do Estado encontram-se vinculados ao êxodo rural proveniente da manutenção de uma forte concentração fundiária, da ociosidade das terras na banda leste do Estado e dos baixos investimentos estatais nos pequenos produtores e na produção familiar.

12 Microrregiões: área e População Microrregião área (km2) População n de Municípios Araguaína ,499 km² Bico do Papagaio ,856 km² Miracema do Tocantins ,860 km² Jalapão ,435 km² Porto Nacional ,989 km² Rio Formoso ,340 km² Gurupi ,292 km² Dianópolis ,643 km²

13 Evolução Urbana O processo de urbanização do Estado do Tocantins não pode ser analisado de forma desconexa da construção da rodovia Bélem-Brasília (BR 153 / BR 226). As características espaciais do processo de urbanização do Estado estão acopladas a linearidade da rodovia Bélem-Brasilia, onde diversas atividades produtivas floresceram potencializando a ocupação ou consolidando uma ocupação pretérita. O êxodo rural possibilitou, mesmo em cidades minúsculas, problemas na estrutura urbana a partir de uma estratificação social do espaço urbano. A partir de 1989, após a emancipação, notamos uma proliferação de municípios. O Tocantins nasceu com 62 municípios. em 1991 surgiram mais 17. Em 2000 o número de municípios saltou para 139.

14

15 A rede Urbana A rede urbana do estado possui uma estrutura clássica, marcada pela integração pela rodovia. A hierarquia urbana que se estabelece na atualidade fixada Palmas como a sede possuindo dois centros regionais conectados diretamente: Porto Nacional e Paraíso do Tocantins (centros sub-regionais). Araguaína surge, mais ao norte, como uma capital regional, projetando-se sobre o Bico-do-Papagaio, em especial sobre Tocantinópolis e Colinas do Tocantins (centros sub-regionais). Gurupi, como um centro regional se projeta sobre o sul, potencializando as atividades agropecuárias fortemente inseridas na lógica do agronegócio.

16 Grau de Urbanização

17 Grau de Urbanização Texto

18 Grau de Urbanização

19 Grau de Urbanização

20 Grau de Urbanização

21 Grau de Urbanização

22 Grau de Urbanização

23 Grau de Urbanização

24 As Mesorregiões Tocantinenses Mesorregião Ocidental Mesorregião Oriental

25 Mesorregião Ocidental Composta por cinco Microrregiões (Bico do Papagaio, Gurupi, Araguaina, Miracema do Tocantins e Rio Formoso), esta mesorregião abriga 93 municípios). Sua estrutura está fortemente vinculada a rodovia Bélem-Brasília (BR 153 e BR 226). Representa a faixa mais dinâmica do Estado, onde notamos a maior concentração populacional e de atividades produtivas. Por ser delimitada pelos rios Araguaia (oeste) e Tocantins (leste) notamos um grande dinamização das atividades agropecuárias.

26 Mesorregião Oriental Esta mesorregião abriga três microrregiões: Palmas, Jalapão e Porto Nacional. Esta três microrregiões possuem um total de 43 municípios. Caracteriza-se como a mesorregião menos desenvolvida, com características econômicas próximas da realidade do sertão nordestino. A questão demográfica da mesorregião tem vivenciado, retirando a capital, um processo gradual de esvaziamento.

27 Palmas: A capital A escolha de um sítio ou de uma cidade já existente para ser a sede do poder do Estado possibilitou intensa mobilidade, especulações e na região. A função administrativa de Palmas se agrega a um fator geopolítico de comandar o processo de ocupação e desenvolvimento econômico da margem direita do rio Tocantins. Evolução Demográfica de Palmas Outro elemento importante na função de Palmas é reduzir a importância política, econômica e demográfica de Gurupi, Porto Nacional e Araguaína. Esta faixa do território (Mesorregião Oriental) possui uma economia e questões sociais muito próximas da realidade do sertão nordestino. A composição demográfica de Palmas está em sintonia com as transformações em curso no Brasil, quanto ao elevado nível de Urbanização. Os atrativos do estado, em especial as carências de uma capital, tem atraído os fluxos migratórios internos e de outras unidades da federação.

28 Características Econômicas da Capital A dinâmica econômica da capital, de certa forma demonstra as transformações econômicas do Estado. Apesar de uma forte representação do setor Primário (agropecuária e extrativismo), notamos uma dinâmica do setor de Terciário (comércio e serviços) na capital, em decorrência de seu caráter administrativo. As atividades primárias ainda mantém uma forte relevância para a economia da capital, absorvendo investimentos e força de trabalho. 34,59% 7,87% 57,53% Setores da Economia Primário Secundário Terciário

29 Elementos Atuais de Integração do Tocantins ao Cenário Brasileiro

30 Os investimentos e fluxos de trabalhadores para os canteiros de obras tem possibilitado uma dinamização da economia das localidades de passagem das linhas. Ferrovias e a Integração de Tocantins O processo de dinamização das ferrovias na última década tem possibilitado ao Estado grandes vantagens. A consolidação de dois braços ferroviários sobre o Estado tende a impulsionar a agropecuária, a agroindústria (agronegócio) e a exploração mineral.

31 A Ferrovia Oeste-Leste (EF 334) Corresponde a um dos novos eixos de escoamento da produção do interior do país para a faixa litorânea. Tem por finalidade dinamizar o escoamento, desafogando os portos do Sul e Sudeste, onde notamos um gargalo. O município de Figueirópolis (mesorregião Ocidental - Microrregião do Gurupi) será beneficiado como a base de conexão entre as ferrovias Norte-Sul e Oeste-Leste.

32 Características Econômicas Setor agropecuário A pecuária possui um forte impacto na economia do Estado e também representa um fator responsável e de justificativa de manutenção do latifúndio. Lembrando que a questão agrária é um dos principais fatores responsáveis pela formação do Estado. Importante ressaltar que o rebanho bovino do Estado é quatro vezes maior que a população absoluta desta unidade da Federação. Bovinos Suinos Aves IBGE - Censo Agropecuário

33 Características Econômicas Setor agropecuário A expansão do agronegócio está possibilitando uma redução gradativa das lavouras voltadas as demandas locais. A redução da produção de feijão é um bom exemplo deste processo que vem se dinamizando no Tocantins, possibilitando um aumento considerável do valor dos alimentos nas despesas do mês. Soja Milho Feijão ton ton ton A cana-de-açúcar também está se expandindo no Estado, substituindo a agricultura alimentar, frente a demanda mundial por etanol. Arroz ton IBGE - Produção Agrícola Municipal

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Complexos Regionais Amazônia: Baixa densidade demográfica e grande cobertura vegetal. 2 3 Complexos Regionais Nordeste: Mais baixos níveis de desenvolvimento

Leia mais

NOVO MAPA NO BRASIL?

NOVO MAPA NO BRASIL? NOVO MAPA NO BRASIL? Como pode acontecer A reconfiguração do mapa do Brasil com os novos Estados e Territórios só será possível após a aprovação em plebiscitos, pelos poderes constituídos dos respectivos

Leia mais

DIVISÃO REGIONAL BRASILEIRA

DIVISÃO REGIONAL BRASILEIRA DIVISÃO REGIONAL BRASILEIRA DIVISÃO REGIONAL O termo região é extremamente utilizado, principalmente na ciência geográfica que representa uma das categorias da Geografia. A palavra região pode ser utilizada

Leia mais

Um novo plano para banda larga abordagem demográfica MCTIC

Um novo plano para banda larga abordagem demográfica MCTIC Um novo plano para banda larga abordagem demográfica MCTIC Localidade Localidade Aglomerado rural Critérios demográficos atuais Toda parcela circunscrita do território nacional que possua um aglomerado

Leia mais

GEOGRAFIA PREPARAÇÃO PARA O IBGE COM QUESTÕES COMENTADAS DA PROVA PARA TÉCNICO EM INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ESTATÍSTICAS DE 2013. Prof.

GEOGRAFIA PREPARAÇÃO PARA O IBGE COM QUESTÕES COMENTADAS DA PROVA PARA TÉCNICO EM INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ESTATÍSTICAS DE 2013. Prof. GEOGRAFIA PREPARAÇÃO PARA O IBGE COM QUESTÕES COMENTADAS DA PROVA PARA TÉCNICO EM INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ESTATÍSTICAS DE 2013 Prof. Rafael Gatto SOBRE O AUTOR Rafael Gatto é professor de Geografia e

Leia mais

01- Analise a figura abaixo e aponte as capitais dos 3 estados que compõem a Região Sul.

01- Analise a figura abaixo e aponte as capitais dos 3 estados que compõem a Região Sul. PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL - PARTE 1 ============================================================================================= 01- Analise

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

Abrange os estados: AM, PA, AP, AC, RR, RO, MT, TO, MA. Planícies e baixos planaltos. Bacia hidrográfica do Rio Amazonas

Abrange os estados: AM, PA, AP, AC, RR, RO, MT, TO, MA. Planícies e baixos planaltos. Bacia hidrográfica do Rio Amazonas MÓDULO 04 PARTE II LOCALIZAÇÃO RELEVO PREDOMINANTE Abrange os estados: AM, PA, AP, AC, RR, RO, MT, TO, MA Planícies e baixos planaltos HIDROGRAFIA SOLO CLIMA VEGETAÇÃO Bacia hidrográfica do Rio Amazonas

Leia mais

Região Nordestina. Cap. 9

Região Nordestina. Cap. 9 Região Nordestina Cap. 9 Divisão Regional -IBGE Eles têm características semelhantes. As primeiras divisões regionais propostas para o país, eram baseadas apenas nos aspectos físicos, ou seja, ligados

Leia mais

Agronegócio em Mato Grosso. Abril 2013

Agronegócio em Mato Grosso. Abril 2013 Agronegócio em Mato Grosso Abril 2013 Brasil Visão Geral Brasil - Visão Geral Area 8,5 milhões km 2 (5º maior) População (2011) 195 milhões (6 º maior) PIB (2011) US$ 2,47 Trilhões (6 ª maior) Produção

Leia mais

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial.

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. Curso Completo Professor João Felipe Geografia Tipos de Clima No Brasil e no Mundo CLIMA EQUATORIAL Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. 1 Apresentam baixas pressões

Leia mais

Sobre a Paraíba. Principais acessos internacionais:

Sobre a Paraíba. Principais acessos internacionais: O Estado da Paraíba Sobre a Paraíba A Paraíba é um Estado brasileiro, localizado no Nordeste do Brasil. Além de ser um território litorâneo, banhado pelo oceano Atlântico, limita-se com três estados: Rio

Leia mais

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Complexo Regional da Amazônia Características gerais Amazônia Internacional Amazônia Legal Internacional Legal 7,0 milhões de Km 2 5,0

Leia mais

A partir dessa análise, é CORRETO afirmar que os escoteiros

A partir dessa análise, é CORRETO afirmar que os escoteiros QUESTÃO 07 Um grupo de escoteiros realizou uma caminhada entre dois acampamentos I e II. Analise este mapa, em que está indicada a localização desses acampamentos, bem como outros elementos que compõem

Leia mais

CONTEXTO linha do tempo

CONTEXTO linha do tempo CONTEXTO linha do tempo CONTEXTO - hoje As terras foram subdivididas em 31 lotes, levando em conta: Localização, acesso e proximidade a centros urbanos Aptidão agrícola mapeamento de tipo de solos, topografia

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES

CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES Introdução O Brasil é um país de dimensões continentais, e a tropicalidade é uma de suas principais características, como já vimos. Ainda que se estenda

Leia mais

Formações vegetais do Brasil. Professora: Jordana Costa

Formações vegetais do Brasil. Professora: Jordana Costa Formações vegetais do Brasil Professora: Jordana Costa As formações vegetais estão diretamente relacionadas aos fatores climáticos, ao tipo de solo e ao relevo. Floresta Amazônica Vegetação do clima

Leia mais

Geografia do Paraná. Paraná Aspectos Econômicos

Geografia do Paraná. Paraná Aspectos Econômicos Aspectos Econômicos Ciclos econômicos Mineração século XVII povoamento do litoral e do primeiro planalto. Tropeirismo séculos XVIII e XIX povoamento do segundo planalto Erva-mate séculos XIX e XX engenhos

Leia mais

Divisão Geoeconômica

Divisão Geoeconômica Divisão Geoeconômica Essa divisão (ou regionalização) foi proposta pelo geógrafo em 1967 (a do IBGE atual se baseia na de 1969). Nela o Brasil é dividido em três regiões econômicas: Amazônia, Nordeste

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 5º PERÍODO PROFº GUSTAVO BARCELOS

ESTUDO DIRIGIDO 5º PERÍODO PROFº GUSTAVO BARCELOS ESTUDO DIRIGIDO 5º PERÍODO PROFº GUSTAVO BARCELOS QUESTIONAMENTOS 1- Diferencie Amazônia Legal e Amazônia Internacional. 2- Caracterize o clima equatorial quanto a temperatura e umidade. 3- Explique o

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza

REGIONALIZAÇÃO DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza REGIONALIZAÇÃO DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza Região Norte Com uma superfície de 3.853.327 km 2, a Região Norte, definida pelo IBGE, corresponde a quase metade do território brasileiro. É formada

Leia mais

AMÉRICA LATINA: ASPECTOS NATURAIS

AMÉRICA LATINA: ASPECTOS NATURAIS AMÉRICA LATINA: ASPECTOS NATURAIS BLOCO 10 AMÉRICA: LOCALIZAÇÃO AMÉRICA: REGIONALIZAÇÃO Regionalização Física Critério: distribuição das terras no sentido Norte-Sul. Dois grandes conjuntos: América do

Leia mais

Fatores climáticos altitude. Inversão de proporcionalidade em relação à temperatura

Fatores climáticos altitude. Inversão de proporcionalidade em relação à temperatura Clima Fatores climáticos altitude Inversão de proporcionalidade em relação à temperatura Maior altitude menor temperatura 23 0 C 30 0 C Altitude Brasil Relevo de pequena variação altimétrica Pequena influência

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 8 5 Unidade 8 Nome: Data: 1. A respeito dos aspectos físicos da região Centro-Oeste, marque V nas alternativas verdadeiras e F nas falsas. a) O clima

Leia mais

População mundial crescerá 34% até 2050.

População mundial crescerá 34% até 2050. Agronegócio no Mundo Protagonista no Cenário Mundial População mundial crescerá 34% até 2050. 10.000 9.000 8.000 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000-9.150 7.670 6.830 195 210 219 2009 2020 2050 Mundo

Leia mais

Clima equatorial quente e úmido o ano todo com baixa variação térmica ( 24e 26 graus). Vegetação composta principalmente da floresta Amazônica e

Clima equatorial quente e úmido o ano todo com baixa variação térmica ( 24e 26 graus). Vegetação composta principalmente da floresta Amazônica e Clima equatorial quente e úmido o ano todo com baixa variação térmica ( 24e 26 graus). Vegetação composta principalmente da floresta Amazônica e alguns trechos de cerrado. O relevo nortista constitui-se

Leia mais

AS SUB-REGIÕES NORDESTINAS

AS SUB-REGIÕES NORDESTINAS Sub-regiões do Nordeste: podem-se distinguir quatro sub-regiões, que se diferenciam por aspectos naturais e econômicos. Zona da Mata Agreste Sertão Meio Norte Litoral oriental Clima tropical úmido ZONA

Leia mais

ÁSIA MONÇÔNICA. Síntese dos Módulos 6, 7 e 8 Livro 1 - Frente 03 Pág. 219.

ÁSIA MONÇÔNICA. Síntese dos Módulos 6, 7 e 8 Livro 1 - Frente 03 Pág. 219. ÁSIA MONÇÔNICA Síntese dos Módulos 6, 7 e 8 Livro 1 - Frente 03 Pág. 219. ÁSIA DE MONÇÕES PAÍSES RIZICULTURA SISTEMA DE JARDINAGEM MONÇÕES E RIZICULTURA A importância das Monções está diretamente relacionada

Leia mais

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO).

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO). PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Complete as

Leia mais

Brasil: diversidades regionais. Brasil Divisão regional segundo o IBGE A REGIÃO SUDESTE

Brasil: diversidades regionais. Brasil Divisão regional segundo o IBGE A REGIÃO SUDESTE REGIÃO SUDESTE Brasil Divisão regional segundo o IBGE A REGIÃO SUDESTE A REGIÃO SUDESTE 10,8% do território nacional 80,3 milhões de habitantes 42,1% da população brasileira Concentra a maior parte da

Leia mais

Provão. Geografia 5 o ano

Provão. Geografia 5 o ano Provão Geografia 5 o ano 81 Para melhor administrá-lo, o Brasil foi dividido em cinco grandes regiões. Cada uma delas tem uma ou mais características, como clima, relevo, economia, modo de vida dos habitantes

Leia mais

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária.

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária. MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO PORTAL DOS CONVÊNIOS SICONV - SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS Nº / ANO DA PROPOSTA: 032134/2015 OBJETO: DADOS DO CONCEDENTE JUSTIFICATIVA: MUNICÍPIO: IBARAMA - RS está

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES CLIMÁTICAS DE LYSIA BERNARDES E

CLASSIFICAÇÕES CLIMÁTICAS DE LYSIA BERNARDES E ARGUMENTO 2017 2º ANO E.M. MÓDULO 44 CLASSIFICAÇÕES CLIMÁTICAS DE LYSIA BERNARDES E KöPPEN Existem várias classificações climáticas. Entre elas, pode ser citada a da geógrafa LYSIA MARIA C. BERNARDES,

Leia mais

Região Norte: Apresentação e aspectos físicos

Região Norte: Apresentação e aspectos físicos Região Norte Região Norte: Apresentação e aspectos físicos Região Norte e Amazônia Com uma superfície de 3.853.327 km 2, a Região Norte, definida pelo IBGE, corresponde a quase metade do território brasileiro.

Leia mais

Geografia. Prof. Franco.

Geografia. Prof. Franco. Geografia Prof. Franco Email: ffrancogeo@bol.com.br BIOMAS Bioma Tundra Taiga (Florestas Boreais) Florestas Temperadas Precipitação e umidade umidade e chuva moderadas umidade e chuva moderadas chuva

Leia mais

Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof Robert Roc

Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof Robert Roc Bacias Hidrográficas Brasileiras As Bacias Brasileiras Região Hidrográfica Amazônica ORIGEM DA BACIA AMAZÔNICA Com a fragmentação da Gondwana notamos o processo de abertura e depressões das áreas interiores

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL

BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================= PARTE 1 01- Identifique as unidades

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA Como pode cair no enem (UFRGS) Considere as seguintes afirmações sobre a Austrália. I) A Austrália não recebe fluxos migratórios significativos, apesar de ser considerado

Leia mais

Duas dessas massas de ar são formadas nas proximidades do Equador:

Duas dessas massas de ar são formadas nas proximidades do Equador: GEOGRAFIA DO BRASIL Massas de ar Além da importância dos fatores climáticos estáticos (latitude e altitude), deve-se destacar também a atuação dos fatores dinâmicos sobre os climas encontrados no território

Leia mais

Exercícios Complementares de Ciências Humanas Geografia Ensino Fundamental. Regiões Brasileiras

Exercícios Complementares de Ciências Humanas Geografia Ensino Fundamental. Regiões Brasileiras de Geografia Exercícios Complementares Regiões Brasileiras 1. O mapa mostra a divisão do Brasil entre as cinco regiões do IBGE. Identifique-as e, na sequência, relacione as características listadas a seguir

Leia mais

Geografia. A Configuração Geográfica do Espaço Paraense. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. A Configuração Geográfica do Espaço Paraense. Professor Luciano Teixeira. Geografia A Configuração Geográfica do Espaço Paraense Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia A CONFIGURAÇÃO GEOGRÁFICA DO ESPAÇO PARAENSE Paisagem Geográfica: A paisagem é

Leia mais

ECO GEOGRAFIA. Prof. Felipe Tahan BIOMAS

ECO GEOGRAFIA. Prof. Felipe Tahan BIOMAS ECO GEOGRAFIA Prof. Felipe Tahan BIOMAS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Os domínios morfoclimáticos representam a combinação de um conjunto de elementos da natureza relevo, clima, vegetação que se inter-relacionam

Leia mais

A AMERICA LATINA SUA NATUREZA E REGIONALIZAÇÃO

A AMERICA LATINA SUA NATUREZA E REGIONALIZAÇÃO A AMERICA LATINA SUA NATUREZA E REGIONALIZAÇÃO O PROCESSO DE COLONIZAÇÃO PORTUGUESES E ESPANHÓIS, LANÇARAM-SE AO MAR E OCUPARAM O CONTINENTE AMERICANO PARA ATENDER OS INTERESSES DA METRÓPOLE; OUTROS POVOS

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Biomas do Brasil. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Professor Alexson Costa Geografia

Biomas do Brasil. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Professor Alexson Costa Geografia Biomas do Brasil Ciências Humanas e suas Tecnologias Professor Alexson Costa Geografia Biomas Biomas: conjunto de diversos ecossistemas. Ecossistemas: conjunto de vida biológico. Biomassa: é quantidade

Leia mais

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Características gerais O Centro-Sul caracteriza-se por ser o centro articulador do território brasileiro, com maior dinamismo industrial,

Leia mais

Aspectos físicos da região Nordeste

Aspectos físicos da região Nordeste Região Nordeste Aspectos físicos da região Nordeste Formada por 9 estados; Área 1 558 196 km² População 53 591 197 hab IBGE/2009 Área 18,25% do território nacional; Diferentes paisagens; Temperaturas elevadas;

Leia mais

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente ANÁLISE E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O SEMIÁRIDO E LITORAL LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE No monitoramento das chuvas que ocorrem sobre o Estado do Rio Grande do Norte é observado que durante o mês de Janeiro

Leia mais

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO Ano V Maio de 2011 Nº 8 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação-AEPA Célula de Estudos e Pesquisas Macroeconômicas, Industriais

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia INSTRUÇÕES GERAIS Geografia Esta atividade propõe uma revisão dos conteúdos estudados ao longo do ano, com destaque para a 2ª etapa. Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Geografia

Leia mais

Hidrografia e Climatologia

Hidrografia e Climatologia Hidrografia e Climatologia Ciências Humanas e suas Tecnologias Professor Alexson Costa Geografia Ficha técnica da água A fórmula química da água é H 2 O; A origem da água na Terra está associada ao processo

Leia mais

Ásia de Monções: Quadro Natural (módulo 06 Livro 01 Frente 03 página 219)

Ásia de Monções: Quadro Natural (módulo 06 Livro 01 Frente 03 página 219) Ásia de Monções: Quadro Natural (módulo 06 Livro 01 Frente 03 página 219) Corresponde á Ásia de Monções: China, Índia, Indonésia, Malásia, Nepal entre outros países do sudeste asiático. ÁSIA ASPECTOS CLIMÁTICOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ricas pitorescas, mas uma vigorosa

Leia mais

Figura 1 Altimetria média de Minas Gerais. (Autor: Carlos Wagner G A Coelho)

Figura 1 Altimetria média de Minas Gerais. (Autor: Carlos Wagner G A Coelho) 16 3. REGIÃO DE ESTUDO Primeiramente, se faz necessário tecer alguns comentários sobre o Estado de Minas Gerais que apresenta particularidades relacionadas ao meio ambiente que contribuíram para o entendimento

Leia mais

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF. Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF. Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba O que é Codevasf? Criada em 1974, a Codevasf é uma empresa pública responsável

Leia mais

GEOGRAFIA DE SANTA CATARINA E BACIAS HIDROGRÁFICAS DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza

GEOGRAFIA DE SANTA CATARINA E BACIAS HIDROGRÁFICAS DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza GEOGRAFIA DE SANTA CATARINA E BACIAS HIDROGRÁFICAS DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza Aspectos físicos: - Posição Geográfica Situada na região sul do Brasil, limita-se ao norte com o estado do PR

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 GEOGRAFIA AGRÁRIA: CONCEITOS E EVOLUÇÃO

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 GEOGRAFIA AGRÁRIA: CONCEITOS E EVOLUÇÃO GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 GEOGRAFIA AGRÁRIA: CONCEITOS E EVOLUÇÃO Como pode cair no enem (FGV) O sistema agrícola denominado Agricultura Irrigada ou Jardinagem, praticado principalmente no Sudeste

Leia mais

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013.

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. O Estado de Goiás Goiás, uma das 27 unidades federativas, está situado na região Centro Oeste do País ocupando uma área

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco Parnamirim/RN. Climas do Brasil. Professores: Daniel Fonseca e Leônidas 7º Anos

Colégio Salesiano Dom Bosco Parnamirim/RN. Climas do Brasil. Professores: Daniel Fonseca e Leônidas 7º Anos Colégio Salesiano Dom Bosco Parnamirim/RN Climas do Brasil Professores: Daniel Fonseca e Leônidas 7º Anos Para entendermos os diversos climas do país O Brasil é um país de grandes dimensões, ocupando aproximadamente

Leia mais

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967).

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967). Prof. Clésio Revolução de 1930 implementação das indústrias de base e fortalecimento das indústrias de bens de consumo (Sudeste); Governo JK (1956-1961) concentração espacial da indústria no Sudeste

Leia mais

1) Observe a imagem a seguir:

1) Observe a imagem a seguir: Exercícios on line Geografia Prof. Dinário Equipe Muriaé 1º Ano 1) Observe a imagem a seguir: Vista do Monte Everest O fator determinante para o clima da área retratada pela imagem é: a) a latitude. b)

Leia mais

A regionalização do território brasileiro

A regionalização do território brasileiro A regionalização do território brasileiro A regionalização tem vários objetivos: Conhecer com detalhes as partes de um todo (o mundo, um país, um estado, um município). Perceber as semelhanças e diferenças

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Política Nacional de Transportes Belém, 01 de setembro de 2015 Ministério dos Transportes - Competências Possui como principais

Leia mais

Geografia Divisão regional do Brasil

Geografia Divisão regional do Brasil Geografia Divisão regional do Brasil Grupo 04 Progressões 213 Atividade 19 O conceito de região Exercícios de Aplicação Reinaldo tronto Reinaldo tronto O que é necessário para a melhor compreensão desse

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2016 TRABALHO DE ESTUDOS INDEPENDENTES

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2016 TRABALHO DE ESTUDOS INDEPENDENTES ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2016 TRABALHO DE ESTUDOS INDEPENDENTES Nome Nº Turma 3º ano Data / / Nota Disciplina GEOGRAFIA Prof. Rodrigo Carvalho Valor 30 Questão 1. Conceitue: a)

Leia mais

LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL

LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL ANEXO 2 LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL Região Norte Mês Semana Título principal FEV. 1ª Como lidar com a resistência de bovinos e ovinos aos antiparasitários

Leia mais

Prognóstico Climático

Prognóstico Climático Prognóstico Climático PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Trimestre: ago/set/out - 2001 O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia - INMET, órgão do Ministério da Agricultura e do Abastecimento,

Leia mais

Expedição 5. A Região Sudeste do Brasil. Geografia Profª Bruna Andrade 7º ano

Expedição 5. A Região Sudeste do Brasil. Geografia Profª Bruna Andrade 7º ano Expedição 5. A Região Sudeste do Brasil Geografia Profª Bruna Andrade 7º ano Introdução. Desde o século XVIII é a principal região econômica do Brasil, a que mais atraiu população de outras regiões do

Leia mais

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C. J. de Oliveira 5

Leia mais

Migrações Brasileiras

Migrações Brasileiras Migrações Brasileiras 1. O enredo do filme Faroeste caboclo, inspirado na letra da canção de Renato Russo, foi contado muitas vezes na literatura brasileira: o retirante que abandona o sertão em busca

Leia mais

Leite de cabra: raças utilizadas e sistemas de alimentação utilizados no Cariri paraibano

Leite de cabra: raças utilizadas e sistemas de alimentação utilizados no Cariri paraibano Página 1 de 5 Caso tenha algum problema na impressão deste artigo tecle Ctrl+P. [15/03/2011] Leite de cabra: raças utilizadas e sistemas de alimentação utilizados no Cariri paraibano O Brasil possui de

Leia mais

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Leandro Freitas Couto Analista de Planejamento e Orçamento 27.07.2016 Retomada do planejamento

Leia mais

a) b) c) d) e) 3 2 1

a) b) c) d) e) 3 2 1 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 7 ª TURMA(S):

Leia mais

Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário

Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário Grãos, Proteína Animal, Floresta Plantada e Palma Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário São Paulo 3/08/2015 Rodrigo C. A. Lima Leila Harfuch Luciane Chiodi Wilson Zambianco

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O DESAFIO DO PAÍS NA ABORDAGEM DO BINÔMIO ÁGUA E ALIMENTO João Martins da Silva Junior Presidente da CNA Fatores que influenciam na produção de alimentos

Leia mais

A indústria de biodiesel no Brasil: desafios e oportunidades futuros

A indústria de biodiesel no Brasil: desafios e oportunidades futuros - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A indústria de biodiesel no Brasil: desafios e oportunidades futuros Leonardo Zilio Assessor Econômico leonardo@abiove.org.br Fortaleza/CE Março

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O mês de janeiro de 2017 foi marcado, logo na primeira semana, por alguns

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL - SANTA ROSA - PRÉ-DIAGNÓSTICO REGIONAL E MUNICIPAL

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL - SANTA ROSA - PRÉ-DIAGNÓSTICO REGIONAL E MUNICIPAL Página 1 de 9 PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL - SANTA ROSA - PRÉ-DIAGNÓSTICO REGIONAL E MUNICIPAL COORDENAÇÃO: Comitê Municipal Assessoria Técnica: FIDENE-UNIJUI Agosto, 2013 Página 2 de

Leia mais

Ocupação Sustentável do Território Nacional pela Ferrovia Associada ao Agronegócio

Ocupação Sustentável do Território Nacional pela Ferrovia Associada ao Agronegócio Ocupação Sustentável do Território Nacional pela Ferrovia Associada ao Agronegócio Superação do gargalo financeiro Superação do gargalo logístico - com fundo colorido 25/09/2017 1 A expansão da produção

Leia mais

Hidrovias: Uma visão do futuro

Hidrovias: Uma visão do futuro Hidrovias: Uma visão do futuro Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 18 de agosto de 2010 I Seminário Portuário Público Privado Latino-Americano Hidrovias: Uma visão do futuro Slide

Leia mais

Geografia. Aspectos Físicos e Geográficos - CE. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Aspectos Físicos e Geográficos - CE. Professor Luciano Teixeira. Geografia Aspectos Físicos e Geográficos - CE Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia ASPECTOS FÍSICOS E GEOGRÁFICOS - CE Clima: O clima do Ceará é predominantemente semiárido,

Leia mais

ÁSIA SUDESTE E MERIDIONAL. ÁSIA SUDESTE e MERIDIONAL RELEVO HIDROGRAFIA. RELEVO e HIDROGRAFIA

ÁSIA SUDESTE E MERIDIONAL. ÁSIA SUDESTE e MERIDIONAL RELEVO HIDROGRAFIA. RELEVO e HIDROGRAFIA ÁSIA SUDESTE E MERIDIONAL -LOCALIZAÇÃO NO MAPA MUNDI - ÁSIA SUDESTE e MERIDIONAL GMT Trópico de Câncer Equador Trópico de Capricórnio 1 2 RELEVO 1) No norte encontra-se uma área com os dobramentos (montanhas)

Leia mais

. 01Questão: (UFRJ-RJ) O texto a seguir se refere aos grandes conjuntos climatobotânicos.

. 01Questão: (UFRJ-RJ) O texto a seguir se refere aos grandes conjuntos climatobotânicos. IV - REVISA CAESP HUMANAS 6ºANO 3ºBIMESTRE Nome: N o Turma: Prof.(ª): ELIELTON FUCKS Data: / /. 01Questão: (UFRJ-RJ) O texto a seguir se refere aos grandes conjuntos climatobotânicos. A vegetação é reflexo

Leia mais

Gargalos logísticos e perspectivas

Gargalos logísticos e perspectivas Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e perspectivas Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia ABN AMRO São Paulo SP 26 de janeiro de 2015 1 Produção de grãos cada vez

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS. Degradação de Biomas. Prof. Me. Cássio Resende de Morais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS. Degradação de Biomas. Prof. Me. Cássio Resende de Morais FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Degradação de Biomas Prof. Me. Cássio Resende de Morais Floresta Amazônica Ocupa 1/3 da América do Sul; Maior floresta

Leia mais

Questões. Geografia Cláudio Hansen 26/11/2014. #VaiTerEspecífica

Questões. Geografia Cláudio Hansen 26/11/2014. #VaiTerEspecífica Questões 1. Na atualidade, o petróleo é um recurso natural de grande importância para o crescimento econômico, representando uma das principais fontes de riqueza e investimento para os países do mundo.

Leia mais

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia Climas Do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia CLIMAS DO BRASIL Tempo x Clima Tempo meteorológico estado momentâneo da atmosfera. Clima sucessão habitual

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DR. WOLFRAM METZLER

COLÉGIO ESTADUAL DR. WOLFRAM METZLER 3 Ano O Brasil e Suas Regiões Região Norte É a maior do Brasil, com uma área de 3.867.886km 2, que corresponde a 45% do território brasileiro. Região pouco povoada e pouco desenvolvida, que possui a maior

Leia mais

Cap. 10. Hidrografia

Cap. 10. Hidrografia Cap. 10. Hidrografia Saneamento básico: sistema de coleta e tratamento de água e esgoto. Hidrografia brasileira OLIVEIRA, Franzé http://www.neputufv.com.br/texto.php?p=softwares Acesso em: 17/05/2011

Leia mais

Migração de retorno no Nordeste brasileiro: uma análise exploratória a partir do Censo Demográfico 2010

Migração de retorno no Nordeste brasileiro: uma análise exploratória a partir do Censo Demográfico 2010 Migração de retorno no Nordeste brasileiro: uma análise exploratória a partir do Censo Demográfico 2010 Apresentação do trabalho final, como requisito do Curso: Análise Espacial de Dados Geográficos Professor:

Leia mais

SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO WALTER ANTÔNIO ADÃO SUPERINTENDENTE DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUARIO E DA SILVICULTURA SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO CENÁRIOS - AGRONEGÓCIO 2

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para

Leia mais

Tempo & Clima. é o estado físico das condições. atmosféricas em um determinado momento e local, podendo variar durante o mesmo dia.

Tempo & Clima. é o estado físico das condições. atmosféricas em um determinado momento e local, podendo variar durante o mesmo dia. Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 As cidades e a urbanização brasileira Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 O que consideramos cidade? No mundo, existem diferentes cidades (tamanhos, densidades demográficas

Leia mais

A pobreza amplia a tragédia

A pobreza amplia a tragédia 01 Figura 1 Figura 2 (MOREIRA, João Carlos e SENE, Eustáquio de. Geografia geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização. São Paulo: Scipione, 2004.) A escala cartográfica é utilizada para estabelecer

Leia mais

Formação Vegetal PROFESSORA NOELINDA NASCIMENTO

Formação Vegetal PROFESSORA NOELINDA NASCIMENTO Formação Vegetal PROFESSORA NOELINDA NASCIMENTO É uma comunidade de plantas e animais, com formas de vidas e condições ambientais semelhantes, cada bioma é representado por um tipo de vegetação. Um bioma

Leia mais