Desenvolvimento Local e Turismo em Tarrafal (Cabo Verde)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento Local e Turismo em Tarrafal (Cabo Verde)"

Transcrição

1 Programa «Management of Social Transformations» Desenvolvimento Local e Turismo em Tarrafal (Cabo Verde) Lições metodológicas a partir de uma experiência local Tarrafal Carlos R. S. Milani, com a participação de Martine Droulers UNESCO, 2002

2 As idéias e opiniões expressas nesta publicação são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem necessariamente o ponto de vista da UNESCO e do PNUD. As apelações utilizadas nesta publicação e a apresentação de dados que dela constam não significam que a UNESCO ou o PNUD tomem partido quanto ao estatuto jurídico dos países, territórios, cidades ou zonas ou ao de suas respectivas autoridades ou quanto a fronteiras ou limites. As fronteiras que constam dos mapas aqui publicados não implicam reconhecimento oficial da UNESCO, do PNUD ou da Organização das Nações Unidas. Em função dos componentes da equipe do projeto, utilizou-se a ortografia da língua portuguesa em vigor no Brasil. Publicado em 2002 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). 7, place de Fontenoy, Paris 07 SP, França UNESCO 2002 Sobre os autores: Carlos Milani é mestre em ciência politica (Universidade de Paris-III) e doutor em sócio-economia do desenvolvimento (EHESS, Paris, 1997). Trabalhou entre 1995 e outubro de 2002 na Divisão de ciências sociais, pesquisa e políticas (Programa MOST) da UNESCO, em Paris. Foi igualmente, entre outubro de 1997 e junho de 2002, professor convidado no Instituto de Estudos Políticos (IEP-Paris) na disciplina de Política e Gestão do Desenvolvimento. Trabalha atualmente na Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (Brasil) como professor convidado e pesquisador associado. Martine Droulers é doutora em geografia e diretora de pesquisas no CNRS-França. Trabalha no Instituto de Altos Estudos da América Latina (IHEAL, Paris). Especialista do desenvolvimento regional e local, tem publicado extensamente sobre o Nordeste e a Amazônia brasileiras.

3 ÍNDICE Introdução 2 Desafios do desenvolvimento do turismo internacional 4 A estratégia de desenvolvimento do turismo em Cabo Verde 8 O Concelho de Tarrafal 12 Conclusões e recomendações: 13 princípios para pensar o turismo em Tarrafal 17 Anexos 22 Bibliografia 27 LISTA DE QUADROS Quadro 1: O turismo nos países em desenvolvimento 6 Quadro 2: Impactos do turismo 8 Quadro 3: Evolução da participação do PIB em % 10 Quadro 4: O enquadramento institucional do turismo no PND Quadro 5: Evolução da população entre 1930 e Quadro 6: Variação da população entre 1930 e Quadro 7 : Distribuição da população residente ativa de 10 e mais anos, por setor de atividade, em Quadro 8 : População residente de 10 e mais anos, segundo a condição perante o trabalho, em Quadro 9: Distribuição da população ocupada segundo a profissão 16

4 2 DESENVOLVIMENTO LOCAL E TURISMO EM TARRAFAL (CABO VERDE) Introdução O presente relatório é o resultado de um projeto em que a Organização das Nações Unidas para a Educaçâo, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) definiram uma plataforma de cooperação visando a estabelecer, com base em métodos quantitativos e qualitativos, uma série de recomendações sobre estratégias de desenvolvimento local e de desenvolvimento turístico em Tarrafal (Ilha de Santiago, Cabo Verde). O projeto partiu do princípio de que o desenvolvimento local de Tarrafal deveria fundar-se na promoção de uma estratégia turística ecológica e socialmente equilibrada, na gestão eficaz dos recursos naturais e na importância de considerarem-se as necessidades sociais e econômicas mais prementes no plano local. Retomando a conhecida equação do eco-desenvolvimento, discutida já no âmbito da Conferência de Estocolmo sobre Meio Ambiente Humano (1972), tratou-se de reafirmar a pertinência do triângulo "economia", "ambiente" e "sociedade": ou seja, a promoção de estratégias de desenvolvimento economicamente viáveis, ambientalmente sustentáveis e socialmente justas. A problemática do meio ambiente foi entendida neste projeto no seu sentido mais amplo: ou seja, aquele que engloba tanto a perspectiva preservacionista (de proteção ambiental e de conservação de ecossistemas e/ou espécies ameaçadas de extinção) quanto a ótica do desenvolvimento sustentável (integrando a noção de responsabilidade diacrônica e sincrônica entre as gerações). Por conseguinte, o projeto levou em consideração diferentes dimensões (sociais, ambientais, econômicas, territoriais) do desenvolvimento em Tarrafal enquanto sítio histórico nacional e regional. A fim de atingir este objetivo, o projeto fundou-se em uma análise quantitativa e qualitativa dos

5 3 principais problemas de desenvolvimento local em Tarrafal. A fim de assegurar a apropriação das propostas feitas no âmbito deste projeto pelos atores sociais, políticos e econômicos locais, adotaram-se métodos participativos e de disseminação dos resultados junto à comunidade local, por intermédio de uma exposição organizada junto à Biblioteca Municipal Bibinha de Cabral (Tarrafal), com o apoio de Philippe Aschman, responsável da cooperação luxemburguesa em Cabo Verde. Foram realizadas duas missões pela equipe do projeto, respectivamente, para a coleta de dados e entrevistas com atores locais, e para a discussão dos resultados provisórios durante seminário de validação, com a participação de autoridades locais e atores sociais implicados no projeto (seminário organizado em fevereiro de 2001). Dois documentos acompanham este relatório: a) painéis cartográficos e pedagógicos, que foram expostos na Biblioteca Bibinha de Cabral ; b) manual de formação básica à cartografia, que foi utilizado e testado em treinamento junto a associações de jovens em Tarrafal (treinamento por Enali Di Biaggi). A equipe do projeto, de caráter interdisciplinar, foi constituída por Martine Droulers (geógrafa), Enali Di Biaggi (geógrafa e cartógrafa), Cristina Mello (especialista em turismo), Sigrid Jaeken (historiadora e voluntária das Nações Unidas na Praia) e Carlos Milani (cientista político e sócioeconomista). Este presente relatório visa a documentar sucintamente a experiência, discutir a metodologia e apresentar os resultados.

6 4 Desafios do desenvolvimento do turismo internacional A indústria turística nasce e desenvolve-se com o sistema capitalista. Tem na sua origem duas deformações básicas: é, do ponto de vista temporal, excessivamente concentrada e distribui-se de modo pouco uniforme no espaço. O turismo, na sua gênese, tende a utilizar o tempo de forma pouco racional (conhecer o máximo no mínimo de tempo possível), provocar congestionamento no espaço (base de sua geração), bem como a extrapolar em volume a cada nova projeção (dificultando e invalidando planos e projetos que visam a orientá-lo e programá-lo). No entanto, é somente a partir dos anos 1960 que o turismo explode como atividade de lazer para milhões de pessoas e como fonte de investimentos produtivos. Desde princípios dos anos 1980, o turismo internacional constitui novo desafio para as organizações que promovem o desenvolvimento no contexto mais geral das transformações sociais contemporâneas. O turismo é tradicionalmente considerado enquanto fenômeno individual (consumo e demanda individuais); no entanto, em razão do número de indivíduos (medidos atualmente em milhões) que estão direta e indiretamente relacionados com este fenômeno, o turismo passa a ter dimensões socio-econômicas evidentes. Em 1996, segundo dados da Organizaçâo Mundial do Turismo, o turismo converte-se na terceira maior indústria mundial, depois das indústria do petróleo e automobilística. O fluxo turístico cresce 4% ao ano na década de 1980, constituindo cerca de 7% do comércio de bens e serviços e 5,5% do PNB mundial. No entanto, não se deve esquecer que o turismo é muito mais que uma indústria de serviços: trata-se de um fenômeno que tem repercussões sobre a base cultural (diálogos interculturais, relações sociais de hospitalidade), parte de uma herança histórica (o patrimônio arquitetônico e histórico) e que se desenvolve em um meio ambiente determinado (efeitos ecológicos e ambientais sobre a paisagem natural). O somatório que esta dinâmica sociocultural gera parte de um fenômeno repleto de subjetividades e

7 5 objetividades, fenômeno este que pode vir a ser consumido, enquanto serviço, por milhões de pessoas. Quais seriam as relações entre turismo e desenvolvimento? Em primeiro lugar, há que lembrar-se que o fenômeno turístico é fonte de enriquecimento e de crescimento econômico graças ao comércio por ele incitado. A difusão do turismo é promovida, assim, em função de razões de ordem eminentemente econômica. O turismo contribui positivamente ao desenvolvimento econômico, podendo, por exemplo: gerar novas exigências de equipamento, alimento e infraestruturas, o que pode induzir a demanda por novas atividades industriais e comerciais (novos mercados); ter impacto positivo na criação de novos empregos (hotelaria, indústrias agroalimentares, agências de viagem, operadores de turismo, escritórios de representação, feiras de artesanato, atividades relacionadas com a recreação, etc.); incrementar o saldo da balança comercial, reduzindo déficits no nível macroeconômico dos países. Em segundo lugar, o turismo participa sobremaneira do processo de promoção do diálogo entre diferentes culturas. O «visitante» e o «visitado» são ambos portadores de culturas freqüentemente distintas, bem como códigos de valores e estilos de vida que não necessariamente se complementam. O comportamento mercadológico determinista que utiliza o turismo como objeto de consumo do sistema econômico desconsidera suas multirreferencialidades, principalmente enquanto relação intercultural. Há que pensar-se que, igualmente no fenômeno turístico, o encontro pode ser muito positivo, mas também ensejar conseqüências nefastas, de regra, para as comunidadesobjeto do fenômeno turístico.

8 6 Em terceiro lugar, deve-se salientar que o turismo se relaciona, no início de seu processo de massificação e de desenvolvimento em grande escala econômica, fundamentalmente com os países centrais da economia-mundo. Os países europeus e da América do Norte, graças ao mercado interno que muito impulsiona o desenvolvimento e a diversificação do turismo, ainda constam da lista dos países mais visitados e nos quais as atividades relacionadas com o turismo cultural e ecológico estão muito avançadas. Quadro 1: O turismo nos países em desenvolvimento A contribuição positiva do turismo para o avanço econômico, social e ambiental dos países em desenvolvimento depende de fatores científicos, técnicos, sociais e político-econômicos. Reconhece-se, via de regra, que o turismo estimula o desenvolvimento de vários setores da economia nacional. O turismo pode acelerar o processo de urbanização por meio do crescimento contínuo da construção civil e reforma de instalações para turistas, o que implica a criação e melhoria das infraestruturas turísticas, mais particularmente em áreas afastadas. O turismo pode levar a aumentar os ganhos do Estado em moedas fortes necessárias para cobrir ou reduzir eventuais déficits na balança de pagamentos e propiciar, assim, o desenvolvimento da economia nacional. Ele pode ser um fator eficiente na redistribuição em termos de relações econômicas internacionais. Isso se explica admitindo que viajar é uma atividade social que surge de excedentes de renda. Conseqüentemente, o fluxo de viagens internacionais mais expressivo ocorre dos países mais ricos em direção a grandes centros internacionais (França, EUA e Espanha) e, em menor importância, aos países em desenvolvimento. Segundo dados da Organização Mundial do Turismo, em 1997, entre os países em desenvolvimento, a China ocupava o 6 lugar em números absolutos de turistas no plano mundial (com 3,89 % do total dos turistas mundiais), o México o 8 lugar, a Tailândia com o 20, a África do Sul o 26, o Egito o 34, o Marrocos com 38 e, dentre os países da África sub-sahariana, o Zimbábue em 60 lugar com cerca de 0,24% do total de turistas mundiais. O desenvolvimento do turismo exige ajustes, uma vez que se trata de um «cluster» econômico não-tradicional. Seu planejamento costuma envolver objetivos conflitivos ou incomensuráveis. Portanto, o setor turístico requer estratégias para ser implementado de modo a favorecer o desenvolvimento de um turismo sustentável e alternativo. Essas estratégias consistem, por exemplo, em colocar o meio ambiente em primeiro lugar; em fazer do turismo um setor de ponta; em reforçar os canais de distribuição no mercado; e, finalmente, em construir um setor privado dinâmico. A coerência dessas estratégias depende de iniciativas conjuntas entre os setores privado, comercial e público. Ela exige a identificação clara dos papéis e responsabilidades. O planejamento estratégico oferece uma abordagem integrada para a gestão do setor e promove um senso comum de propriedade para os inúmeras atores e operadors envolvidos. Esta abordagem produz um leque de indicadores de desempenho, os quais permitem avaliar o desempenho global do setor. As características definidoras do planejamento estratégico são, inter alia, a adoção de uma perspectiva de longo prazo, o desenvolvimento de um plano holístico e integrado que controle o processo de mudança pela definição de metas e um processo de decisão formalizado e centrado no desenvolvimento de recursos humanos. Em 1963, no entanto, as Nações Unidas passam a promover a tese de que o turismo pode também constituir contribuição essencial para o

9 7 crescimento econômico dos chamados países em desenvolvimento (PEDs) 1. A inclusão dos PEDs na lógica do turismo internacional impõe-nos reconsiderá-lo de modo bastante distinto. Em primeiro lugar, no que diz respeito à possibilidade de pensar-se o turismo internacional enquanto expansão do turismo doméstico, pode-se questionar-se até que ponto, nos PEDs, o turismo internacional poderia ser o resultado, como ocorre nos países industrializados, do aumento dos fluxos turísticos nacionais para além das fronteiras: qual seira a capacidade de demanda interna dos PEDs, sobretudo os países menos avançados 2. Em segundo lugar, como considerar a interdependência, no que diz respeito ao fenômeno turístico, das novas relações entre PEDs e países mais desenvolvidos? Como pressupor a utilização do tempo liberado (menos trabalho, mais qualidade de vida) nos países desenvolvidos em proveito de estratégias turísticas nos países em desenvolvimento? Que grau de dependência e de interdependência há entre os dois pólos (oferta e demanda) nos países industrializados e em vias de desenvolvimento? 3 Por conseguinte, questões essenciais devem ser postas quanto à viabilidade de estratégias de desenvolvimento do turismo, sobretudo nos países menos desenvolvidos, carentes de demanda doméstica e pobres em recursos próprios (naturais, financeiros, humanos). Como compatibilizar a necessidade de gerar fontes de renda para comunidades locais, a preservação do meio ambiente e o imperativo ético da eqüidade social? Quais as relações 1 United Nations, Recommendations on International Travel and Tourism, United Nations Conference, Rome, Esta questão nos parece fundamental, visto que, de regra, as infraestruturas turísticas podem desenvolver-se mais rapidamente a partir de incrementos da demanda interna. A importância de um mercado externo, normalmente irregular e sazonal, pode vir a aumentar a lista dos fatores de dependência de países periféricos com relação a países centrais. 3 As motivações dos turistas são evidentemente diversas: aproximação à natureza, alteração da rotina e diminuição das responsabilidades, exercício físico, promover a criatividade, relaxamento, contactos sociais, relações pessoais, procura de emoções e estímulos, auto-aperfeiçoamento, desafios e aventuras, etc. O turismo tende a constituir uma espécie de "não-quotidiano", um dos mecanismos de que a sociedade se dota a fim de repor o equilíbrio social e psicológico. Tal como a arte, o turismo pode ser visto como uma "resposta", uma forma eficaz de permitir (impor) o repouso aos que já não sabem repousar, aos que não conseguem parar de trabalhar. Por isso, além de uma necessidade individual, o turismo pode ser considerado como uma necessidade socialmente induzida: as férias são uma norma social, e o seu destino pode ser um indicador de status social.

10 8 entre turismo e cultura? De que forma o turismo pode contribuir ao diálogo cultural (respeitando a diversidade cultural)? Quais os riscos de uniformização relacionados com padrões globais de consumo turístico? Como repensar o turismo enquanto atividade econômica a partir da perspectiva do desenvolvimento sustentàvel? Como inserir o turismo na equação do desenvolvimento local que está fundada na viabilidade econômica, na eqüidade social e na prudência ecológica? Quadro 2: Impactos do turismo Área Impactos potenciais positivos Impactos potenciais negativos Economia Receitas, empregos, nível de vida da população local, investimento Inflação local, especulação imobiliária, concentração dos investimentos e perda de investimentos alternativos, custos em termos de infraestruturas Turismo e comércio Sociedade e cultura Psicologia Política e administração Meio ambiente Reconhecimento da região, novas infraestruturas, acessibilidade maior Maior empenho dos residentes na promoção dos eventos locais, reforço dos valores e tradições locais Orgulho quanto aos costumes locais, reconhecimento da riqueza da troca com o outro Reconhecimento internacional, desenvolvimento local integrado Novas infraestruturas, conservação de algumas áreas, estratégias de gestão sustentável necessárias Preços mais elevados e reputação junto ao comércio, desenvolvimento descontrolado do comércio local Comercialização sazonal de atividades privadas, alteração dos costumes em função do turismo, custos sociais (prostituição, abuso de drogas e álcool) Atitudes defensivas face a outras culturas, hostilidades por dificuldade de comunicação Mau planejamento, segregação socioespacial Degradação ambiental, poluição, alteração de hábitos alimentares, produção excessiva e sazonal de resíduos sólidos A estratégia de desenvolvimento do turismo em Cabo Verde A República de Cabo Verde está situada a 450 km da costa oeste africana (Dakar, Senegal). Cabo Verde apresenta a configuração de um semicírculo imperfeito, em que as ilhas de Santo Antão, São Vicente, Santa Luzia, São Nicolau, Sal e Boavista constituem o chamado grupo de ilhas de Barlavento, ao passo que as ilhas de Maio, Santiago, Fogo e Brava (ao sul) são designadas como pertencendo ao grupo de Sotavento. A área terrestre total de Cabo Verde é de 4033 km², e a sua zona econômica exclusiva (ZEE) tem uma extensão de 700 mil km².

11 9 As principais dificuldades para o desenvolvimento de Cabo Verde estão relacionadas com o clima tropical seco, precipitações variáveis e escassas. A escassez energética é igualmente um problema central para o desenvolvimento do país. Cabo Verde apresenta poucos recursos minerais: o basalto (pedra para construção civil) é o único minério explorado em grande escala. Os recursos agropecuários são praticamente inexistentes. Desse contexto decorre o alto grau de dependência em relação à cooperação internacional. O potencial de Cabo Verde para o desenvolvimento do turismo está diretamente ligado às boas condições geográficas, humanas e ambientias: o turismo já representa cerca de 4% do PIB, segundo dados de O atual Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) considera o turismo como uma das prioridades do Governo. Outros fatores importantes são a estabilidade política, uma população jovem (23 anos de idade em média, em 2000), bem como uma taxa de alfabetização dos adultos de cerca 85%. Do ponto de vista cultural, há que salientar-se que a identidade caboverdiana (nos termos da historiadora Elisa Andrade) está marcada pela africanidade, pelos laços com o mundo de língua portuguesa, bem como pelas influências atlânticas. Até o presente, a oferta turística em Cabo Verde tem-se fundado no triângulo praia, sol e mar, bem como nas atividades de recreação associadas a estas atrações. A qualidade de serviços é, em geral, baixa e bastante pobre. Há, no entanto, alguns exemplos de novas infraestruturas financiadas sobretudo por investimentos estrangeiros. A entrada de turistas estrangeiros em Cabo Verde triplicou entre 1990 e 1999 (Itália, Portugal, Alemanha e França são os principais países fornecedores de turistas). Segundo o PROMEX (o programa governamental para o turismo), não há dados sobre o perfil dos turistas que vão a Cabo Verde; estima-se, porém, que os turistas sejam mais jovens e em busca de modos de turismo alternativo (ecológico, rural ou verde). No quadro seguinte, apresentase a contribuição do setor na formação do PIB (entre 1989 e 1997), com estimativas para 1999 e 2000 (dados do PROMEX):

12 10 Quadro 3: Evolução da participação do turismo no PIB em % ANO Turismo no PIB % 1,5 2,2 2,2 3,25 3,4 3,55 3,86 Segundo estimativas do Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde (INE), o setor empregava cerca de pessoas em 1997, assim distribuídas: hotelaria: 1067; restauração/bares: 6814; discotecas: 776; e agências de viagem: 112. Entre 1995 e 1999, os estabelecimentos hoteleiros aumentaram de 64 para 87 no país, a capacidade total de alojamento havendo duplicado para, em 2000, cerca de 3590 camas e 1971 quartos. A distribuição dos alojamentos é desigual de acordo com as ilhas: Sal: 44,5% do total; Santiago: 23,1%; São Vicente: 13,4%; e Boavista: 7,3%. De acordo com a Organização Mundial do Turismo, em estudo realizado em 2000, Cabo Verde é caracterizado por um setor turístico que está aquém do potencial nacional 4. Cerca de 67 mil visitantes entraram em Cabo Verde em 1999, tendo permanecido no país em média 8 dias. O PND-1995, prevendo a existência de Zonas de Desenvolvimento Turístico Integrado (ZDTIs, no âmbito das quais Tarrafal não se encontra), salientara que um conjunto importante de políticas, deveria ser posto também ao serviço do turismo. Nesse conjunto, destacou-se, pela sua importância, a política de transportes, a política de saúde e saneamento, a política de infraestruturas (particularmente no campo da energia e do urbanismo), a política da cultura, a política de segurança e a política de formação profissional. 4 Planeamento e Formação Turística, Relatório de Missão, Organização Mundial do Turismo, maio de 2000.

13 11 Quadro 4 : O enquadramento institucional do turismo no PND-1995 O Plano nacional de desenvolvimento para cinco anos, com relação ao turismo em particular, previa que: a) Transportes aéreos No que diz respeito aos transportes aéreos, estava previsto serem criadas condições e adoptadas medidas no sentido de evitar que a freqüência, o preço e a qualidade do serviço funcionem como elementos de inibição do desenvolvimento do turismo. b) Transportes marítimos inter-ilhas Promover o transporte marítimo rápido de passageiros, particularmente nos eixos Sal/Boavista, Praia/Maio e Praia/Fogo/Brava, S. Vicente/Santo Antão e S. Vicente/S. Nicolau. c) Transportes rodoviários Nos programas de construção e manutenção da rede viária, dar maior importância às vias consideradas de interesse turístico. Dar particular atenção à regulamentação das condições mínimas a que devem obedecer os veículos automóveis destinados ao transporte de turistas, bem como a sua exploração, e reforçar as medidas de fiscalização do trânsito e do estado dos veículos referidos. d) Saúde e saneamento Na execução do programa de construção e apetrechamento das infra-estruturas de saúde, dar a maior importância a infraestruturas que têm também por finalidade a prestação de serviço geral ou especializado a turistas. A construção de clínicas e a instalação de consultórios médicos privados, bem como de serviços de urgências e enfermagem, nas zonas turísticas, deveriam beneficiar de incentivos especiais, designadamente na área do crédito e fiscal. e) Cultura O desenvolvimento dos produtos turísticos deveriam seguir dois eixos orientadores e complementares: o meio ambiente e a cultura cabo-verdiana. O Governo deveria promover a criação de um sistema de incentivos capaz de orientar os operadores turísticos e os agentes económicos situados em ramos que se encontram a montante ou a juzante do turismo no sentido de imprimirem um conteúdo cultural marcadamente cabo-verdiano aos produtos que colocam no mercado. f) A formação profissional Implementar um amplo programa de formação profissional capaz de dar cobertura às necessidades do setor. g) As sociedades de desenvolvimento regional No âmbito das políticas públicas de desenvolvimento do turismo, dar destaque à promoção de sociedades de desenvolvimento de "zonas de desenvolvimento turístico", com as quais o Estado poderia assinar convenções de estabelecimento, contratos de concessão ou outra forma de contrato com a finalidade de: efetuar trabalhos de estudo, planeamento e desenvolvimento de infra-estruturas das referidas zonas; promover o investimento e as ZDTI enquanto destinos turísticos; assegurar a gestão das ZDTI (como no caso da Boavista). O Governo deveria considerar parceiros privilegiados para a criação das sociedades referidas os investidores estratégicos, as empresas imobiliárias, as instituições financeiras, os gabinetes especializados de estudos, os municípios e o Estado. h) Fomento do turismo rural Implementar um programa específico de promoção dessa dimensão do turismo, que envolve incentivos fiscais e financeiros ao desenvolvimento do turismo de habitação e de implantação de pequenas unidades hoteleiras nas áreas rurais. Apoiar os promotores desse tipo de turismo na conceção dos projetos, nos domínios da formação profissional e gestão, da informação e da promoção.

14 12 O Concelho de Tarrafal Situado ao norte da Ilha de Santiago em Cabo Verde, Tarrafal conta com cerca de 20 mil habitantes, e apresenta características básicas de uma pequena cidade com alto grau de ruralidade e contradições relacionadas com o processo de urbanização em Cabo Verde. Dados sobre o turismo em Tarrafal são bastante restritos ou inexistentes. Os dados disponíveis dizem respeito fundamentalmente à hotelaria: 7 hotéis ou pousadas, oferecendo no seu conjunto 90 quartos e 252 camas, contando com aproximadamente 70 pessoas empregadas (dados de 2000). A maioria dos estabelecimentos são pequenas pensões, aonde os serviços são praticamente inexistentes. Dois hotéis apenas contam com infraestrutura básica de serviços: o Tarrafal Hotel (grupo Cabetur) e o Aldeamento Turístico Baía Verde. Ambos oferecem 55 quartos e 193 camas, com aproximadamente 75% de taxa de ocupação média. O único serviço de aluguel de carros em Tarrafal é prestado pelo Aldeamento Turístico Baía Verde. Não há agências governamentais ou nãogovernamentais oferecendo cursos de treinamento para empresários locais, ou associações. Também há uma carência de escolas locais na preparação de profissionais qualificados. De acordo com entrevistas realizadas localmente em 2000, o turismo em Tarrafal ocorre fundamentalmente nos fins de semana, quando turistas da Praia e outras cidades da Ilha de Santiago vêm para Tarrafal. As principais atrações de Tarrafal são a praia de areia branca, o Museu de Chão Bom (a ser recuperado e restaurado), a recente descoberta de ossos humanos na Praia Barcuna (sítio histórico), bem como o artesanato, a música e a gastronomia regionais. A idéia de valorizar Tarrafal enquanto ponto de atração turística é promovida pela Municipalidade (Presidência da Câmara), numa estratégia de turismo ecológico e cultural por meio tanto da gestão eficiente dos recursos

15 13 naturais e da recuperação dos patrimônios históricos, como da participação da população na vida cultural e socioeconômica do Concelho. Com suas praias de areia branca, a municipalidade de Tarrafal é um ponto capaz de atrair turistas sobretudo nacionais na ilha de Santiago. O desenvolvimento do setor turístico pode representar, por um lado, uma fonte de renda e de criação de empregos; por outro lado, pode induzir forte pressão sobre os recursos naturais que constituem justamente um dos valores turísticos da Municipalidade, tais como a água, as praias, as árvores, a área costeira. O desenvolvimento do turismo tem efeitos socioeconômicos e socioculturais já perceptíveis e traduz-se também, na estrutura urbana do Município de Tarrafal, em construção civil desordenada, venda de espaços para infra-estruturas turísticas e problemas ambientais. Uma política de proteção e um planejamento da utilização do espaço segundo critérios turísticos, sociais, culturais, históricos e ecológicos são portanto medidas urgentes para harmonizar o desenvolvimento do Município de Tarrafal. A viabilidade estrutural de um projeto de ecoturismo em Tarrafal depende da análise dos impactos socioambientais no plano local. Esta análise implica uma avaliação das estruturas de recepção, a consideração da estratégia de desenvolvimento equilibrado do turismo no plano macroeconômico, a avaliação da disponibilidade dos recursos de água, dos problemas de comunicação interinsular, assim como da questão do abastecimento de Tarrafal. Tarrafal conta com 14,5 % da população de Santiago. A população economicamente ativa (PEA) representa 48.3% do total da população de Tarrafal (entre 15 e 65 anos de idade). A taxa de desemprego, de 13,6%, é a mais baixa do país (dados de 2000). Um total de 2,2% dos empregos situa-se no setor de serviços. De acordo com o Plano Director Municipal de Tarrafal (PDM, 2000), com base em dados de 1990, quanto à profissão da população ocupada, a diferenciação profissional é quase inexistente. Destaca-se o peso dos comerciantes, seguidos dos pescadores e dos operários. Os professores e os funcionários administrativos são, depois destes, os grupos mais representativos. Destes grupos, os professores, os funcionários administrativos

16 14 e os pescadores têm maior peso na Vila do Tarrafal. Os restantes grupos são mais significativos no restante Concelho, ou seja, na área rural. Outra informação que ressalta dos dados recolhidos através do inquérito é a reduzida percentagem, inferior a 50% (ou, mais precisamente, de 42,2%) de agregados cujo rendimento tem origem no trabalho dos seus elementos residentes no País. A maior parte vive de subsídios do Governo ou da assistência social (24,4%), do trabalho dos elementos do agregado de residentes no estrangeiro (20%) e de pensões do país (4,4%) e do estrangeiro (8,3%). Estes valores percentuais compreendem situações cumulativas, isto é, há agregados familiares que têm mais do que uma fonte de rendimento. Quadro 5: Evolução da população entre 1930 e Conc. Tarrafal Ilha Santiago Cabo Verde Fonte: 1º Recenseamento Geral da População e Habitação 1980; 2º Recenseamento Geral da População e Habitação 1990 Quadro 6: Variação da população entre 1930 e / / / / /90 Conc. Tarrafal -22,7 36,5 43,0-0,4-1,9 Ilha Santiago -23,2 50,4 45,4 13,3 20,4 Cabo Verde -18,4 34,8 35,6 9,1 15,5 Fonte: 1º Recenseamento Geral da População e Habitação 1980; 2º Recenseamento Geral da População e Habitação 1990 Quadro 7: Distribuição da população residente ativa de 10 e mais anos, por setor de atividade, em 1990 Primário Secundário Terciário Act. Mal Defin. Total Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Conc , , , , ,0 Tarrafal Ilha Santiago , , , , ,0 Cabo Verde , , , , ,0 Fonte: 2º Recenseamento Geral da População e Habitação 1990 Conclui o PDM de Tarrafal que, com exceção da última década (onde se verificou uma ligeira quebra), nos últimos anos registou-se uma recuperação dos efectivos populacionais; a vila do Tarrafal é no concelho o lugar com maior

17 15 dimensão populacional, tendo assim uma maior importância demográfica. A seca e os movimentos migratórios são os principais fatores de oscilação do crescimento demográfico, este último com maior importância no escalão dos adultos em idade ativa. Atualmente a população tem tendência para o envelhecimento (a percentagem de população jovem é inferior à média nacional). A dimensão média da família registada para o concelho é ligeiramente inferior à verificada para a ilha de Santiago (4,6 e 5 elementos, respectivamente). Há um desequilíbrio entre a população activa feminina e masculina, verificando-se um peso inferior do sexo masculino. O setor primário é a principal área de atividade da população residente no concelho, verificandose uma fraca terciarização. Quadro 8: População residente de 10 e mais anos, segundo a condição perante o trabalho, em 1990 Tarrafal País Abs. % Abs. % Ocupada , ,5 Desempregada que já trabalhou 160 2, ,7 Desempregada que nunca trabalhou 440 5, ,8 Estudantes , ,9 Donas de Casa , ,7 Reformados 64 0, ,8 Incapacitados 108 1, ,4 Outros 225 2, Não Determinados 70 0, ,8 Total , ,0 Fonte: 2º Recenseamento Geral da População e Habitação 1990 Por conseguinte, são desafios claros para o desenvolvimento do turismo em Tarrafal: Integrar Tarrafal no circuito das Ilhas de Cabo Verde; Relacionar Tarrafal com o turismo de praia e montanha; Estimular o desenvolvimento de alianças entre a modesta rede hoteleira e a comunidade de pescadores;

18 16 Trabalhar diretamente com associações de jovens e de produtores ; Melhorar o sistema de estradas e sinais de trânsito ; Melhorar o abastecimento de água e energia elétrica; Revigorar o patrimônio histórico, arquitetônico e cultural enquanto bens públicos da comunidade; Promover cursos de treinamento (códigos de conduta) com respeito ao turismo. Quadro 9: Distribuição da população ocupada segundo a profissão Vila Tarrafal Restante Total Concelho Nº % Nº % Nº % Funcionário 7 9,5 3 7,1 10 8,6 administrativo Professor 10 13,5 3 7, ,2 Operário 11 14,9 7 16, ,5 Comerciante 12 16, , ,3 Pescador 18 24,3 6 14, ,7 Serviços pessoais e 5 6,8 1 2,4 6 5,2 domésticos Monitor jardim infância 2 2,7 1 2,4 3 2,6 Trabalhador em geral 3 4,1 1 2,4 4 3,4 Condutor 4 5,3 2 4,8 6 5,2 Guarda ,1 3 2,6 Outros 2 2, ,7 Total , , ,0 Fonte: Inquérito ao fogo e à família, Dezembro de Pode-se afirmar que, no caso particular de Tarrafal, é inviável pensar a estratégia de promoção do turismo de modo independente das políticas de desenvolvimento local integrado. A estratégia de desenvolvimento turístico em Tarrafal deve comportar : a) a valorização do meio ambiente: evitar a degradação das praias, melhorar a gestão do lixo e resíduos sólidos e proteger as áreas verdes;

19 17 b) a promoção de atividades econômicas para a população local: na área de hotelaria, no campo de atividades culturais e gastronômicas ; c) a capacitação da população local para sustentar esta estratégia : educação ambiental, formação técnica para o emprego, sensibilização à participação democrática e ao emprego. Nessa estratégia, seria importante considerar Tarrafal como uma escala turística na estratégia nacional de desenvolvimento do turismo em Cabo Verde, relacionar o desenvolvimento do turismo em Tarrafal com as atividades turísticas da Praia e em outras localidades de Santiago, bem como desenvolver uma estratégia de turismo de curta duração, de 2 a 3 dias, para turistas originários da Praia, das outras ilhas de Cabo Verde ou das Ilhas Canárias. Conclusões e recomendações: 13 princípios para pensar o turismo em Tarrafal O turismo revela certo caráter de ambiguidade em seu tratamento conceitual. Não apresenta os aspectos de homogeneidade e coesão requeridos para ser definido como um setor econômico ou uma indústria; por isso, a despeito de ser caracterizado com frequência como a "indústria" de viagens e turismo, a denominação mais apropriada é a de atividade econômica e social, pelas motivações que o originam e determinam e pelas implicações e efeitos que exerce nos sub-sistemas econômico, social e físico das regiões receptoras de correntes turísticas, bem como nas de origem dos turistas. A atividade turística, portanto, apresenta uma interdependência estrutural com os diversos segmentos que compõem o tecido sócio-econômico local, sendo por eles influenciado e influenciando-os nos âmbitos político, legal, econômico, social, ambiental e tecnológico.

20 18 Toda atividade compreendida como turística, cuja motivação seja o passeio e o lazer, verifica-se dentro do tempo livre das pessoas, quando elas estão liberadas das suas obrigações de trabalho, familiares e sociais. No entanto, nem toda atividade de lazer que ocorre no tempo livre das pessoas pode ser considerada turística. Algumas atividades são classificadas como turísticas, mas obedecem a outra ordem de motivação que não o lazer, ampliando o tempo ocupado com razões de trabalho e sociais. O turista consome bens e serviços, gastando nas regiões de destino uma parcela de sua renda que foi obtida em seu entorno cotidiano de residência e trabalho, propiciando assim, uma geração de renda adicional e riqueza para os locais visitados. O turismo pode ser tratado, portanto, na perspectiva de uma cadeia de consumos sucessivos, os quais são realizados "in loco" nas regiões receptoras, caracterizando, tecnicamente, operações similares, em seus efeitos, às exportações entre municípios, estados e países. Neste contexto, o turismo gera efeitos multiplicadores nas economias das regiões receptoras. Dentre esses destacamos os chamados efeitos diretos sobre a circulação e a distribuição de renda e geração de empregos, que merecem uma melhor qualificação. Quando um turista paga por algum bem ou serviço consumido no local que visita, está, inicialmente, transferindo parte de sua renda para o fornecedor do bem ou o prestador do serviço (transferência pessoal). Supondo que este turista resida em Paris e esteja visitanto Cabo Verde, ocorre também uma transferência espacial ou territorial de renda. Considerando, porém, que a atividade turística é concentradora do lado da oferta e seletiva do lado da demanda, e que por conta disso, os operadores turísticos, as companhias aéreas e as cadeias hoteleiras, nacionais e internacionais, devem reter uma significativa parcela dos rendimentos econômicos propiciados pelo turismo em uma dada localidade, existe uma estrutura altamente concentradora da renda e da riqueza geradas pelo turismo.

Emprego e Formação Profissional

Emprego e Formação Profissional (%) Emprego e Formação Profissional Panorama: Maio 2010 Emprego: taxa de desemprego a 13,1% em 2010 O Instituto Nacional de Estatística, INE, apresentou os resultados da primeira fase do Inquérito ao Emprego

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO 1999 I. ÁREA ESTATÍSTICA / LINHAS GERAIS DA ACTIVIDADE ESTATÍSTICA NACIONAL 1998-2001 O Conselho Nacional

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO Caracterização da Procura e oferta de emprego e de formação no âmbito da Bolsa de Qualificação e Emprego (BQE) A Bolsa de

Leia mais

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta Agenda O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta O Diagnóstico Turismo marítimo e costeiro Náutica de Recreio 60 Turismo Maritimo e Costeiro 123 Nautica

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 2 CAPÍTULO II Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Capítulo II Sumário As características especiais do Marketing em Hotelaria e Turismo O ambiente

Leia mais

Agenda. Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação

Agenda. Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação Agenda Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Oportunidades Crescimento da procura

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável INTRODUÇÃO Através de várias iniciativas, incluindo as declarações sobre turismo de Manila e Haia, a comunidade internacional confirmou a importância do papel do turismo de veicular o desenvolvimento social

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Segunda alteração do Decreto Regulamentar Regional n.º 22/2007/A, de 25 de Outubro, que aprova o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local Promotores -Empresários em nome individual, estabelecimentos

Leia mais

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI APRESENTAÇÃO Com o intuito de auxiliar destinos turísticos a analisar, conjugar e equilibrar os diversos fatores que, para além da atratividade, contribuem para a evolução

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas 2013 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto

Leia mais

O Turismo no Mundo Actual Uma Indústria Globalizante 28 37 4 abril 24 maio TOTAIS 114 152. Competências Sistematizar técnicometodológicas

O Turismo no Mundo Actual Uma Indústria Globalizante 28 37 4 abril 24 maio TOTAIS 114 152. Competências Sistematizar técnicometodológicas ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 11º ANO ANO 2014/2015 COMPONENTE DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA 1- Elenco Modular Número Designação Duração

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro

Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro Cícero de Souza Lacerda Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Mestre em

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013. Presidente António dos Reis Duarte. Editor Instituto Nacional de Estatística

Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013. Presidente António dos Reis Duarte. Editor Instituto Nacional de Estatística Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Cidade de Lisboa, nº 18, Cx. Postal 116, Praia Tel.: +238

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO

RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO A Revolução industrial iniciou-se no séc. XVIII. Indústria - consiste na transformação de matérias-primas em produtos acabados ou é uma actividade económica que consiste na transformação

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

Relatório Global sobre os Salários 2012/13

Relatório Global sobre os Salários 2012/13 Relatório Global sobre os Salários 212/13 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Principais tendências nos salários A crise continua a refrear os salários Em termos

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo www.pwc.pt Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo 16 Cláudia Coelho Diretora Sustainable Business Solutions da Turismo é um setor estratégico para a economia e sociedade nacional o que se reflete

Leia mais

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS 2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS Este tópico apresenta uma avaliação da capacidade e da qualidade atual dos equipamentos turísticos disponíveis na Área de Planejamento,

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO

1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO 1 1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO As perspetivas de futuro do turismo a nível mundial, incluindo a sua contribuição para o desenvolvimento económico e social, são cada vez mais importantes. Existe

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 Conselho Regional da RLVT Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 19 de fevereiro de 2013 Domínios-Chave Crescimento Inteligente Crescimento Inclusivo Crescimento Sustentável

Leia mais

HELLO CABO VERDE EXPO 2011

HELLO CABO VERDE EXPO 2011 New Bedford, 31 de Janeiro de 2011 HELLO CABO VERDE EXPO 2011 Exposição sobre as Oportunidades de Negócios e Turismo em Cabo Verde New Bedford, MA 27 a 29 de Maio de 2011 OBJECTIVO O objectivo da exposição

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

R e l a t ó r i o d a c o n s u l ta p ú b l i c a. C o m o a p o i o d e :

R e l a t ó r i o d a c o n s u l ta p ú b l i c a. C o m o a p o i o d e : R e l a t ó r i o d a c o n s u l ta p ú b l i c a C o m o a p o i o d e : D e z e m b r o d e 2011 Página 2 de 50 Ficha Técnica E n t i d a d e s p r o m o t o r a s P r o j e t o c o - f i n a n c i

Leia mais

NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos:

NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos: NOTA METODOLÓGICA Título do trabalho: Apoio à Reflexão e Conceção de possíveis ações de Investigação e Desenvolvimento (I&D) a nível nacional e internacional do Centro das Energias Renováveis e Manutenção

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Status da Certificação do

Status da Certificação do Status da Certificação do Turismo Sustentável no Brasil Enabling Developing Countries to Seize Eco-Label Opportunities Projeto de Cooperação em Rotulagem Ambiental Do que vamos falar? Turismo no Brasil

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

16ª Sessão: Resorts Integrados: Da concepção à exploração

16ª Sessão: Resorts Integrados: Da concepção à exploração 16ª Sessão: Resorts Integrados: Da concepção à exploração Luís Correia da Silva Lisboa, 9 de Março de 2013 Faculdade de Direito Universidade de Lisboa A) Definição de Resorts Integrados Espaços de lazer

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva a viagem A preservação

Leia mais

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 1 O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr

PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr 1 Introdução 1 - MASSUr A urbanização sem planejamento tem trazido conseqüências nos diferentes campos apresentando impactos na saúde do indivíduo. Segundo Scaringella (2001) a crise da

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL 2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL A análise realizada tem como base principal as estatísticas oficiais e alguns dados quantitativos de elaboração própria. Focamos a atenção nas mudanças

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL ÍNDICE 1. ANTECEDENTES... 2 2. ORGANIZADORES... 2 3. OBJETIVOS DO FÓRUM... 4 4. PARTICIPANTES... 5 5. PROGRAMA E CONTEÚDOS...

Leia mais