A SEGREGAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA COMO ELEMENTO REESTRUTURADOR DO SISTEMA FERROVIÁRIO DE CARGA NO BRASIL. José Eduardo Saboia Castello Branco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SEGREGAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA COMO ELEMENTO REESTRUTURADOR DO SISTEMA FERROVIÁRIO DE CARGA NO BRASIL. José Eduardo Saboia Castello Branco"

Transcrição

1 A SEGREGAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA COMO ELEMENTO REESTRUTURADOR DO SISTEMA FERROVIÁRIO DE CARGA NO BRASIL José Eduardo Saboia Castello Branco TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES. Aprovada por: Prof. Rômulo Dante Orrico Filho, Dr. Ing. Prof. Hostilio Xavier Ratton Neto, Dr. Prof. Raul de Bonis Almeida Simões, D. Sc. Prof. Enilson Medeiros dos Santos, D. Sc. Prof. Newton Rabello de Castro Júnior, Ph.D. RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL SETEMBRO DE 2008

2 Castello Branco, José Eduardo Saboia A Segregação da Infra-Estrutura como Elemento Reestruturador do Sistema Ferroviário Brasileiro. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE, XIII, 209 p.: il.; 29,7 cm. Orientador: Rômulo Dante Orrico Filho Tese (doutorado) UFRJ/COPPE/Programa de Engenharia de Transportes, Referencias Bibliográficas: p Transporte Ferroviário. 2. Exploração. 3. Segregação da Infra-Estrutura. I. Orrico Filho, Rômulo Dante. II. Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, Programa de Engenharia de Transportes. III. Título. ii

3 AGRADECIMENTOS Aos professores do Programa de Engenharia de Transportes da COPPE/UFRJ, pela oportunidade que tive de assimilar novos conhecimentos, parte dos quais permitiram o desenvolvimento deste trabalho acadêmico. Ao meu orientador, Rômulo Dante Orrico Filho, por ter aceitado o desafio de trabalhar cooperativamente em algo novo, complexo e desafiador. À minha família, pelas horas de convívio trocadas pelas despendidas neste trabalho acadêmico. iii

4 Resumo da Tese apresentada à COPPE/UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Doutor em Ciências (D.Sc.) A SEGREGAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA COMO ELEMENTO REESTRUTURADOR DO SISTEMA FERROVIÁRIO DE CARGA NO BRASIL José Eduardo Saboia Castello Branco Setembro/2008 Orientador: Rômulo Dante Orrico Filho Programa: Engenharia de Transportes Este trabalho desenvolve um novo modelo de exploração ferroviária, aplicável ao sistema de transporte de cargas por esse modo no Brasil, baseado na segregação da infraestrutura, aqui considerada como caso especial de desagregação de estrutura verticalizada (unbundling), gerando uma situação em que a via férrea, de maneira semelhante a uma rodovia, é franqueada, sob certas condições, a novos operadores, estimulando a competição intra-trilhos e conferindo maior eficácia a ativos ferroviários subutilizados. Um detalhado estudo de caso corrobora a viabilidade do modelo proposto, e um novo conjunto de diretrizes institucionais e operacionais é proposto, já que o sistema ferroviário nacional possui peculiaridades que não permitem a simples transposição de práticas similares adotadas em outros países do mundo, em especial as da Comunidade Européia. iv

5 Abstract of Thesis presented to COPPE/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for the degree of Doctor of Science (D.Sc.) THE INFRASTRUCTURE SEGREGATION AS A REESTRUCTURING ELEMENT FOR THE RAILWAY FREIGHT SYSTEM IN BRAZIL José Eduardo Saboia Castello Branco September/2008 Advisor: Rômulo Dante Orrico Filho Department: Transportation Engineering This work develops a new model of railway operation, applicable to freight transportation through this mode in Brazil, based on the segregation of the infrastructure, here considered as special case of a verticalized structure breakdown (unbundling), creating a situation where a railway, in similar way of a highway, is franchised, under certain conditions, to new operators, stimulating competition intra-rails and giving greater efficiency to underutilized railway assets. A comprehensive case study confirms the feasibility of the proposed model, and new institutional and operational guidelines are proposed, as the national rail freight system has peculiarities that do not allow the simple transposition of similar practices adopted by other countries in the world, particularly those in the European Community. v

6 ÍNDICE DO TEXTO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O PROBLEMA RELEVÂNCIA DO ASSUNTO OBJETIVO DO ESTUDO JUSTIFICATIVA METODOLOGIA DE TRABALHO 7 2 DESENVOLVIMENTO FERROVIÁRIO NO BRASIL E NO EXTERIOR 2.1 DIFERENTES FASES DETALHAMENTO DA EVOLUÇÃO América do Norte Europa Ásia e Oceania América do Sul RESUMO 60 3 PROCESSOS DE REESTRUTURAÇÃO 3.1 PRELIMINARES OLIGOPOLIZAÇÃO E PULVERIZAÇÃO Oligopolização (Fusões e Cisões) Cisões sem Segregação da Infra-Estrutura PRIVATIZAÇÕES SEGREGAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA 77 4 ANÁLISE DA POSSÍVEL SEGREGAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL 4.1 PRELIMINARES FUNDAMENTOS ECONÔMICOS GERAIS FUNDAMENTOS ECONÔMICOS ESPECÍFICOS Preliminares 90 vi

7 4.3.2 O Setor de Telecomunicações Os Setores de Eletricidade e de Gás Natural O Setor de Saneamento O Setor Aéreo Resumo PESQUISA AMPLA ENTREVISTAS Justificativa e Metodologia Resultados Obtidos Análise dos Resultados Resumo das Entrevistas ESTUDO DE CASO 5.1 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DO SEGMENTO FERROVIÁRIO A ESTUDAR SEGMENTOS FERROVIÁRIOS ELEGÍVEIS PARA ESTUDO SELEÇÃO DO SEGMENTO A ESTUDAR NOTAS ADICIONAIS SOBRE O CORREDOR CORUMBÁ SANTOS FLUXOS RODOVIÁRIOS E FERROVIÁRIOS NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO CORREDOR ESCOLHIDO ESTIMATIVA DOS NOVOS FLUXOS FERROVIÁRIOS PASSÍVEIS DE CAPTAÇÃO PELOS NOVOS OPERADORES FERROVIÁRIOS ESTIMATIVA DOS CUSTOS DA OPERAÇÃO FERROVIÁRIA SEGREGADA Premissas Básicas Aquisição de Material Rodante Manutenção do Material Rodante Combustível e Lubrificantes Pessoal Operativo Administração Trackright ESTIMATIVA DAS RECEITAS Receitas de Fretes 134 vii

8 5.8.2 Deduções da Receita Depreciação Contribuição Social sobre o Lucro Imposto de Renda Lucro Líquido AVALIAÇÃO FINANCEIRA Questões Básicas Figuras de Mérito - Caso Básico Figuras de Mérito Análise de Sensibilidade Conclusões da Avaliação Financeira do Estudo de Caso AVALIAÇÃO ECONÔMICA Preliminares Fluxo de Caixa e Figuras de Mérito Conclusões da Avaliação Financeira do Estudo de Caso SUGESTÕES PARA IMPLANTAÇÃO DA SEGREGAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL 6.1 ASPECTOS LEGAIS A CONSIDERAR Preliminares Embasamento Legal Segregação da Infra-Estrutura do Ponto de Vista do Poder Concedente Embasamento Legal Segregação da Infra-Estrutura do Ponto de Vista do Concessionário Nota sobre as Parcerias Público-Privadas ARRANJOS INSTITUCIONAIS SUGERIDOS Linhas Existentes e Concedidas Contornos e Variantes em Linhas Existentes e Concedidas Novas Linhas SUGESTÕES PARA TARIFAÇÃO DE VIAS SEGREGADAS Preliminares Aspectos Conceituais Práticas de Tarifação da Infra-Estrutura Proposta para Piso Tarifário no Brasil 170 viii

9 6.3.5 Proposta para Teto Tarifário no Brasil Sugestão para Tarifas Intermediárias no Brasil SUGESTÕES DE CONDICIONANTES DE ACESSO Preliminares Licença do Gestor e do Operador Certificação em Segurança Operacional Certificação de Compatibilidade Acordos Operacionais Práticas Não-Discriminatórias Apuração e Responsabilização de Acidentes CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 7.1 CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES SUGESTÕES PARA FUTUROS TRABALHOS 191 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 192 ix

10 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1: Distribuição da malha ferroviária mundial Figura 2: Evolução da rede ferroviária canadense Figura 3: Mapa das concessões de terras a ferrovias nos EUA Figura 4: Evolução da malha ferroviária norte-americana Figura 5: Distribuição modal nos EUA ao longo do tempo Figura 6: Distribuição modal na Suécia ao longo do tempo Figura 7: Evolução da quilometragem e do lançamento de trilhos na Grã-Bretanha Figura 8: Participação da ferrovia na matriz dos transportes no Japão Figura 9: Malha ferroviária australiana Figura 10: Evolução da taxa de cobertura (%) Figura 11: Investimentos federais Figura 12: Coeficiente de exploração da RFFSA Figura 13: Proprietários das ferrovias locais e regionais nos EUA Figura 14: Espectro crescente da participação privada no setor ferroviário Figura 15: Evolução da produção de transporte na América Latina (tonelada útil x km) Figura 16: Arranjo institucional resultante da segregação da infra-estrutura ferroviária Figura 17: Índice de liberalização ferroviário Figura 18: Excedentes do produtor e do consumidor Figura 19: Eficiência alocativa Figura 20: Ineficiência alocativa do monopólio Figura 21: Modelo de comprador único no setor elétrico Figura 22: Modelo de competição do atacado no setor elétrico Figura 23: Arranjo institucional do sistema de gás natural Figura 24: Arranjo institucional no sistema saneamento Figura 25: Resultados da enquete no sítio da Revista Ferroviária Figura 26: Evolução da distância média de transporte Figura 27: Delimitação das áreas de abrangência do corredor ferroviário Figura 28: Diagrama unifilar da demanda ferroviária Figura 29: Exemplo de vagão hopper fechado para cargas a granel Figura 30: Exemplo de vagão plataforma para contêineres Figura 31: Exemplo de vagão tanque para óleo de soja x

11 Figura 32: Locomotivas estocadas para venda nos EUA Figura 33: Arranjo de segregação no caso de vias já concedidas Figura 34: Arranjo de segregação no caso variantes e contornos da malha concedida Figura 35: Divisão dos investimentos em Carajás Figura 36: Arranjo de segregação no caso novas linhas Figura 37: Arranjo para apuração de acidentes Figura 38: Arranjo para responsabilização por acidentes xi

12 ÍNDICE DAS TABELAS Tabela 1: Quadro-resumo das concessões de terra a ferrovias nos EUA em 1872 Tabela 2: Avaliação financeira dos empreendimentos ferroviários (ex post) Tabela 3: Avaliação econômica dos empreendimentos ferroviários (ex post) Tabela 4: Tarifação da infra-estrutura ferroviária sueca Tabela 5: Arranjo institucional australiano em 1992 Tabela 6: Arranjo institucional australiano em 2005 Tabela 7: Quadro concessional das ferrovias de carga argentinas Tabela 8: Critérios de pontagem no processo de concessionamento argentino Tabela 9: Fases do desenvolvimento ferroviário brasileiro Tabela 10: Direitos e deveres dos concessionários pela Lei 641 Tabela 11: Principais avanços introduzidos pelas legislações de 1873/74 Tabela 12: Titularidade e gestão operacional das ferrovias no período Tabela 13: Empréstimos externos do Brasil em 1928 Tabela 14: Situação institucional e empresarial das ferrovias brasileiras em 1926 Tabela 15: Expansão física do modo rodoviário Tabela 16: Quadro-resumo do processo concessional brasileiro Tabela 17: Causas básicas do declínio ferroviário Tabela 18: Arranjos institucionais dos operadores ferroviários Tabela 19: Fusões e aquisições ferroviárias recentes na área do NAFTA Tabela 20: Panorama das ferrovias locais e regionais nos EUA Tabela 21: Privatizações ferroviárias na América Latina Tabela 22: Evolução da produção de transporte no Brasil (tonelada útil x km) Tabela 23: Privatizações ferroviárias na África Tabela 24: Privatizações ferroviárias na Ásia Tabela 25: Custos incidentes sobre uma infra-estrutura de transporte Tabela 26: Gestores da infra-estrutura ferroviária na CE Tabela 27: Modelagem prevista para o unbundling no Brasil Tabela 28: Estimativa da capacidade operativa de ferrovias Tabela 29: Elegibilidade de segmento ferroviário para estudo de caso Tabela 30: Momento bruto de transporte anual (tkb) Tabela 31: Fluxo de caixa do estudo - caso básico Tabela 32: Análise de sensibilidade xii

13 Tabela 33: Ativos da infra-estrutura ferroviária xiii

14 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O transporte sobre trilhos, iniciado no século XVII em minas de carvão subterrâneas da Inglaterra, expandiu-se para a superfície no início do século XIX, amparado tecnologicamente na Revolução Industrial inglesa, por sua vez alavancada pelas grandes reservas de carvão mineral, minério de ferro, abundância de mão-de-obra barata e expressivo mercado consumidor desse país. No final do século XIX e início do século XX a ferrovia exerceu o monopólio absoluto sobre os transportes terrestres, fato que pode ser ilustrado pelo sentido etimológico do termo via permanente ferroviária, até hoje empregado para designar o conjunto dos elementos que constituem a estrada por onde circularão os veículos ferroviários (trilhos, dormentes, lastro, sublastro, obras de terra, obras-de-arte especiais e obras-de-arte correntes). Nesse contexto, a ferrovia era um meio de transporte permanentemente aberto ao tráfego, enquanto que as rodovias, ou mais apropriadamente caminhos carroçáveis àquela época, eram freqüentemente intransitáveis em períodos de chuvas, neves, degelo etc., o que portanto reforça o caráter monopolista antes citado. Com o advento do transporte rodoviário, e sobretudo após a Primeira Grande Guerra, o transporte ferroviário observou um lento porém constante processo de declínio, em quase todo o mundo, com a exceção dos países ditos socialistas, onde as forças de mercado eram contidas por rígidas e autocráticas políticas públicas, tendo como agentes empresas do Estado. Com a derrocada da opção socialista, no final do século XX, também nesses países observam-se perdas dos mercados ferroviários para seus competidores. De uma maneira geral, a maioria das ferrovias teve sua origem privada. Sua crise, gerada pelas perdas de mercado no século XX, obrigou a intervenções governamentais diversas, num primeiro momento traduzidas pela estatização de empresas, que posteriormente foram agrupadas em malhas regionais ou mesmo numa única empresa nacional estatal. Outros movimentos regulatórios e de reestruturação organizacional e institucional foram postos em prática para fortalecer a ferrovia, como adiante explicitado. Alguns resultados dessas medidas já podem ser mensurados, como a desregulamentação do transporte ferroviário nos EUA, através do Stagger s Act de 1980, que propiciou seu revigoramento, enquanto que outros ainda dependem de um período de maturação. 1

15 No caso brasileiro, todos os cerca de km de ferrovias legados pelo Segundo Império à República foram empreendimentos que começaram privados, estimulados grandemente pelos institutos da garantia de juros e da subvenção quilométrica. Na República Velha, as ferrovias foram pouco a pouco foram sendo absorvidas pela União e pelo Estado de São Paulo, em função de déficits financeiros crescentes. Em 1957, as ferrovias federais foram consolidadas numa única empresa: a Rede Ferroviária Federal S.A. RFFSA; o mesmo ocorrendo com as ferrovias paulistas em 1972, aglutinadas na empresa Ferrovia Paulista S.A. Fepasa. Em 1996, exaurida a capacidade do poder público de financiar tanto o gasto de custeio como o de capital dessas empresas, iniciou-se o processo de concessionamento à iniciativa privada, concluído em 1999 com a federalização seguida de privatização da Fepasa. Decorridos cerca de dez anos do início do processo de concessionamento das ferrovias ao setor privado, observa-se que o modelo ferroviário brasileiro, hoje sob a égide da iniciativa privada, inclusive com algumas concentrações acionárias perigosas, tem apresentado alguns impasses de difícil solução. Como salienta Resende (2005), o principal deles recai sobre a expectativa de investimentos na direção de equipamentos e redes capazes de transportar produtos de maior valor agregado e peso bruto menor, submetidos a processos de beneficiamento ou industrialização. As operações atuais estão excessivamente concentradas em granéis sólidos, com forte ênfase no minério de ferro. E tais operações não garantem alternativas ferroviárias para quem precisa reduzir o custo do transporte ou acessar mercados e portos de interesse. Cálculos feitos pelo autor mostram que a produção do transporte ferroviário brasileiro, no período , expressa em momentos de transporte (toneladas x km úteis tku), cresceu de maneira expressiva, com acréscimo de cerca de 45% no período em questão. Contudo, 80% desse acréscimo derivam do incremento do transporte do complexo minério de ferro (minério bruto e pelotas 70%) e do complexo soja (grãos e farelo 10%), onde a ferrovia já era monopolista ou detentora de expressiva fatia desse mercado de transporte na fase pré-privatização. Isso significa que no período pós-privatização o transporte ferroviário, com algumas exceções como no caso da operadora ALL (Garrido, 2006), concentrou suas ações nos denominados corredores de exportação, por onde fluem os grandes volumes de minério de ferro e soja, em detrimento de outras rotas e mercadorias, fazendo com que a participação das ferrovias na matriz de transporte continue muito baixa, da ordem de 21% (CNT, 2005), considerada como unidade de medição o momento de transporte (tonelada útil x quilômetro). 2

16 1.2 O PROBLEMA A excessiva concentração do transporte ferroviário brasileiro em um reduzido leque de produtos e rotas, embora reforce o típico papel de uma ferrovia grandes volumes a grandes distâncias traz consigo pelo menos dois relevantes aspectos negativos para a sociedade, quais sejam: a ausência de oferta de transporte ferroviário para expressivo contingente de mercadorias, que dessa maneira praticamente só podem ser escoadas pelo modo rodoviário, cujos custos logísticos, para um amplo conjunto de produtos (excluído o minério de ferro dado o caráter do monopolista da ferrovia em relação ao transporte do mesmo), são em média 25% superiores aos do modo ferroviário (Banco Mundial, 1997); o abandono e a subtilização de parte da malha ferroviária brasileira, sendo que no primeiro caso Toller-Gomes (2003) afirma que cerca de 30% das linhas já não teriam mais tráfego, algo corroborado por Pereira (2006), que atesta estarem inoperantes atualmente km de ferrovias. Esse panorama, por seu turno, deriva de um conjunto de situações endógenas e exógenas, a seguir exemplificado. Em primeiro lugar, o transporte ferroviário brasileiro, nas últimas décadas, esteve atrelado em grande medida ao setor siderúrgico, como mostrado no Capítulo 2, adiante mostrado. Portanto, a expansão do transporte ferroviário, nesse segmento, segue uma tendência histórica, acelerada ainda pela desvalorização do real e pelo aumento do consumo de minério de ferro pela China, no período pós-privatização. Em segundo lugar, a evidente necessidade de pronto retorno do investimento por parte das concessionárias privadas. Nesse sentido, a operação com trens unitários de granéis, de menor complexidade e passível de substanciais economias de escala, é a que produz resultados mais rápidos. Em terceiro lugar, o sistema ferroviário brasileiro é marcado por graves impedâncias estruturais, como a ilha de bitola larga no Sudeste rodeada de sistemas de bitola métrica ao Norte e ao Sul, além do concessionamento à iniciativa privada segundo regiões geográficas, fatos que estimulam o transporte intramuros e diminuem a distância média de transporte, tornando a ferrovia menos competitiva ante o caminhão. A título comparativo 3

17 apenas, verifica-se que no Brasil a distância média de transporte é atualmente de 550 km (sem variação no período de pós-privatização), contra km nos EUA (AAR, 2005). Isso tudo mostra que o sistema ferroviário brasileiro, embora revigorado pelo processo de reestruturação via privatização, tem como problemas básicos a concentração de fluxos em poucas commodities e rotas, acarretando a significativa inexistência de oferta de transporte mais barato para produtos que não o minério de ferro e soja, e a conseqüente subtilização ou abandono de vários segmentos da malha. O que está em jogo é, portanto, conferir-se um uso mais eficiente ao sistema ferroviário, que aliás não é uma questão única do Brasil. Nos EUA, a despeito da pujança das suas ferrovias, diversas medidas reestruturadoras foram implementadas para aumentar sua eficiência na segunda metade século XX, variando desde a intervenção estatal no setor privado na década de 70, passando pela total eliminação do transporte de passageiros de média e longa distâncias a cargo setor privado, pela desregulamentação na década de 80 e chegando às mega-fusões da década de 90. Isso porque se estava diante de num cenário onde não se construía um único segmento de ferrovias há décadas e mais de km de linhas tinham sido erradicadas desde o pico de 1916 (AAR, 2005). Na Europa Ocidental, a necessidade de se conferir maior eficiência às ferrovias passou a ser uma questão de sobrevivência desse modo de transporte. De fato, a participação modal das ferrovias no transporte de passageiros (média e longa distâncias) passou de 10,9% para 6,2%, no período (CE, 1996). No caso das ferrovias de carga, a situação ainda é mais dramática, com a participação da ferrovia despencando de 21,1% para 8,4%, no período (CE, 2001). A situação européia, em especial a das ferrovias de carga, chegou a tal ponto que no Livro Branco sobre Transportes na Comunidade Européia é dito que: O declínio da participação modal da ferrovia, no período , se deu num cenário onde a expansão do transporte de passageiros foi de 40% e a do transporte de cargas de 30%. Dessa maneira, não se exclui a possibilidade de novas quedas nessa participação, significando a real possibilidade do transporte ferroviário vir a desaparecer de vários e expressivos segmentos do transporte de mercadorias (CE, 1996). Como parte do processo de soerguimento de suas ferrovias, as autoridades governamentais européias tornaram compulsória, para os países-membro da CE, a segregação da infra-estrutura ferroviária, como adiante detalhado. 4

18 Verifica-se, dessa maneira, que em diversos países do mundo a problemática ferroviária tem gerado uma incessante busca pela maior eficiência desse modo de transporte. O caso brasileiro, dadas suas peculiaridades, apresenta, como já dito, como ineficiência básica o abandono de significativa parte da malha ferroviária existente e a concentração do tráfego em algumas mercadorias e rotas preferenciais, com a ausência de oferta de opção de transporte mais barata a inúmeros segmentos do mercado de fretes. Será esse o problema a tratar neste trabalho acadêmico, à luz das experiências reestruturadoras implantadas em outros países. 1.3 RELEVÂNCIA DO ASSUNTO No subitem anterior definiu-se como problema a tratar a limitação da oferta de transporte ferroviário de carga no Brasil, e, portanto a impossibilidade de se ter fretes mais baratos para a carga geral, fruto da concentração dos esforços das operadoras em poucos fluxos e rotas e do abandono de 30% da malha existente. A relevância do assunto está, portanto, intimamente, de um lado, ao denominado custo Brasil, que majora o custo final das mercadorias, dadas as ineficiências diversas em seus custos logísticos. Em termos financeiros, pode-se estimar, de um lado, o uso ineficaz de ativos no valor de U$ 10 bilhões, representados pela porção da malha ferroviária não mais utilizada pelos atuais concessionários, considerando-se um total de linhas inoperantes de km, valoradas à razão de U$ 1 milhão por quilômetro. De outro lado, uma maior participação da ferrovia no mercado de fretes poderia propiciar reduções no valor dos fretes. Para cada ponto porcentual de aumento das ferrovias na matriz de transportes de carga, capturado ao modo rodoviário, ter-se-ia uma economia de R$ 100 milhões anuais em fretes, cálculo esse que teve como base: valor anual de produção de transporte de 795 bilhões de tku (CNT, 2005); produto médio ferroviário de R$ 36,4 por mil tku (CEL, 2005); valor médio da redução do frete ferroviário em relação ao rodoviário de 25% (Banco Mundial, 1997). Evidentemente, ao valor de economia em fretes poderiam ser adicionadas as externalidades positivas do modo ferroviário frente ao modo rodoviário, tais como redução de acidentes, redução do consumo de combustível e redução do custo operacional de 5

19 manutenção de rodovias (menor desgaste do pavimento), o que realça a relevância do uso mais eficiente das ferrovias, e, por conseguinte, deste trabalho. 1.4 OBJETIVO DO ESTUDO Nos subitens anteriores foram caracterizados, em essência, alguns aspectos relevantes da problemática ferroviária brasileira e a relevância de medidas que visem sua mitigação. Dessa forma o presente trabalho tem como objetivo o estudo de medidas reestruturadoras capazes de potencializar o uso da malha ferroviária existente, como forma de ampliar a oferta de transporte ferroviário, na solução do problema de melhor utilização ao patrimônio público e redução do denominado custo Brasil através de fretes mais baratos. O escopo do trabalho trata exclusivamente do transporte ferroviário de carga, de grande interesse ao desenvolvimento nacional, tendo em vista o caráter marginal do transporte ferroviário de passageiros de média e longa distâncias no Brasil. Nesse sentido, este trabalho visa estudar a aplicabilidade de uma das mais promissoras e revolucionárias medidas reestruturadoras do setor ferroviário: o livre acesso à infra-estrutura ferroviária, tornado compulsório na Europa Ocidental, Austrália e Nova Zelândia, ao final do século XX, denominado na literatura estrangeira por unbundling. Por esse mecanismo, implanta-se a competição intratrilhos, estabelecem-se competências de operadores em certos nichos de mercado e cria-se maior dinâmica operacional, o que deve ser confrontado com a perda de coordenação e de eventuais economias de escala, típicas de empresas ferroviárias verticalizadas. Dados os condicionantes jurídicos que regem as atuais concessões ferroviárias, pretende-se verificar as possibilidades da segregação da infra-estrutura em situações específicas, de forma voluntária, pelo convencimento técnico e econômico de suas vantagens junto às operadoras, procurando-se reduzir conflitos que certamente adviriam de reformulações abruptas nos contratos de concessão. 6

20 1.5 JUSTIFICATIVA Muito embora alguns aspectos que justificam o estudo estejam disseminados nos tópicos anteriores, faz-se necessário frisar que o estudo do unbundling em segmentos selecionados da malha ferroviária brasileira tem como fato gerador a necessidade de se conferir maior eficiência, eficácia e efetividade a esse modo de transporte, algo que o processo de privatização, de per si, não mostra evidências de poder superar quando não estão em jogo grandes fluxos de granéis para a exportação. Mais ainda, deve-se destacar o fato que diversos serviços públicos, operando sob a forma de redes, já adotam o princípio do unbundling, como telecomunicações e energia, onde a infra-estrutura física, em muitos casos, é partilhada por diversos operadores. Portanto a extensão desse conceito à área ferroviária segue uma tendência mundial, não sendo portanto fruto de nenhum modismo ou atividade prospectiva ou exploratória apenas. Destarte, espera-se que esse trabalho, caracterizada sua positividade, possa motivar ferrovias, órgãos reguladores, transportadores de carga em geral e outros atores a aumentar o transporte de carga sobre trilhos no País, em fluxos e corredores que não necessariamente os de exportação, reduzindo as chances de apagões logísticos e minorando o custo Brasil. Ademais, é importante observar que o tema da segregação da infra-estrutura ferroviária é novidade no meio acadêmico nacional, de sorte que as contribuições aportadas por este trabalho certamente estarão grafadas com a marca da originalidade e poderão embasar futuras teses e dissertações na área do transporte de carga sobre trilhos. 1.6 METODOLOGIA DE TRABALHO A metodologia de trabalho desenvolvida envolve: uma retrospectiva do processo de declínio da ferrovia ante os modos de transporte competidores; uma revisão das principais medidas reestruturadoras adotadas mundialmente para reversão ou minoração do declínio antes citado, em especial o unbundling; elaboração de pesquisa de opinião sobre o unbundling; 7

21 entrevistas qualificadas sobre a adequação dessa medida reestruturadora com autoridades, especialistas e clientes da área de transporte de carga, em especial o ferroviário; estudo e simulação de caso de segmento ferroviário com livre acesso; modelagem do setor ferroviário para segregação da infra-estrutura. 8

22 2 DESENVOLVIMENTO FERROVIÁRIO NO BRASIL E NO EXTERIOR 2.1 DIFERENTES FASES O transporte guiado em superfície, que originou o modo ferroviário, vem do tempo dos romanos, tendo sido encontrados vestígios de sulcos em blocos de calcário, formando trilhas para as rodas de carroças com tração animal, usadas na exploração de jazidas de material rochoso (Setti, 2000). O uso de trilhos de madeira como superfície de rolamento, associado a vagonetes com rodas flangeadas, remonta ao século XVI, na Alemanha, como facilitador da movimentação de carvão extraído de minas subterrâneas a curtas distâncias, em geral rumo a canais ou rios navegáveis, fazendo-se uso da tração animal. Essa prática foi rapidamente assimilada pela Grã-Bretanha, que não só a implementou em suas vastas províncias carboníferas, como a estendeu, no início do século XVII, ao transporte de produtos em geral, como foi o caso, por exemplo, da ligação entre Strelley e Wollanton, na região de Nottingham. Ainda com base em Setti (2000), tem-se que em 1776, em minas de carvão de Shropshire, na Inglaterra, os trilhos de madeira são substituídos por trilhos de ferro, de maior durabilidade, cunhando-se então o termo ferrovia. Já no século XIX, em 1801, o governo inglês autoriza o início da operação na Surrey Iron Railway, ligando Wandsworth a Croyden, com tração animal. Essa tração é substituída pela mecânica quando da abertura ao tráfego em 1825 da Stockton e Darlington Railway, Inglaterra, onde foi empregada uma locomotiva a vapor com razoáveis condições de tração e aderência, projetada por George Stephenson, um engenheiro de minas, especialidade precursora de engenharia ferroviária. Após as primeiras experiências na Inglaterra, a ferrovia se expande de forma notável pelos quatro continentes, sobretudo na segunda metade do século XIX e no início do século XX. Segundo Encyclopaedia Britannica (2006), o auge da expansão ferroviária, em termos de extensão, ocorre em 1917, com a existência de cerca de km de linhas implantadas em todo o mundo, das quais 30% situadas na América do Norte. Observe-se, por oportuno, que esse pico é fortemente influenciado pelo ápice da implantação ferroviária nos EUA, ocorrido em 1916, ocasião em que esse país dispunha de uma malha de milhas ( km), conforme levantamento de Hallberg (2004). 9

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Rio de Janeiro, 23 de Agosto de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia Norte Sul

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

Ver também Túnel do Canal da Mancha.

Ver também Túnel do Canal da Mancha. Estrada de ferro, Sistema de transporte sobre trilhos, que compreende a via permanente e outras instalações fixas, o material rodante e o equipamento de tráfego. É também chamado ferrovia ou via férrea.

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Atualmente, o mercado financeiro é caracterizado por altos níveis de volatilidade e incerteza- o que não

Leia mais

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias América anglo-saxônica Diferentes povos construíram duas fortes economias A América Desenvolvida Conhecido também como Novo Mundo, a América é sinônimo de miscigenação, desenvolvimento e mazelas sociais.

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões Miguel Andrade Comitê de Planejamento da ANTF São Paulo, 12 de maio de 2011 TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões www.antf.org.br Associadas ANTF Malhas Sul,

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE FERROVIÁRIO OUTUBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS O transporte ferroviário responde por 20,7% do transporte de cargas no Brasil e por 0,5% do transporte

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Aplicações Móveis em Ferrovias: Aumento de Produtividade e Inclusão Social

Aplicações Móveis em Ferrovias: Aumento de Produtividade e Inclusão Social Aplicações Móveis em Ferrovias: Aumento de Produtividade e Inclusão Social Apesar de todos os avanços implementados nos serviços e na rede ferroviária brasileira, podemos notar problemas que impedem a

Leia mais

3 Privatização dos Aeroportos

3 Privatização dos Aeroportos 27 3 Privatização dos Aeroportos Este capítulo discorre sobre a experiência internacional com a privatização dos aeroportos, a eficiência entre as diversas formas de capital e a estrutura escolhida pelo

Leia mais

PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA

PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA INSTITUTO BESC PAINEL 2015 LUIS HENRIQUE T. BALDEZ Presidente Executivo BRASÍLIA, 07/10/2015 A INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA ESQUEMA DE ANÁLISE RODOVIAS

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 259 Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO Malha Ferroviária Brasileira Transporte Ferroviário O sistema ferroviário brasileiro totaliza 29.706

Leia mais

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade Maio 2009 Por que o Conteiner não vai mais longe na Ferrovia? Painel Ferrovias Contexto Ferrovias - Brasil 11 malhas concedidas à iniciativa privada totalizam

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL As Concessionárias do Transporte Ferroviário de Carga Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Brasília, 31 de Julho de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS

O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS REGULAÇÃO DO OPERADOR FERROVIÁRIO INDEPENDENTE (OFI) EXPOSIÇÃO NA CTLOG / MAPA BRASÍLIA, 07 DE MAIO DE 2014 Luis Henrique T. Baldez Presidente Executivo OBJETIVOS

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal Unificação das associações em uma nova entidade José Perboyre Diretor Financeiro e Administrativo Coordenador do Grupo Permanente de Logística A UBABEF Entidades

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado.

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado. Hamburg Süd encerra 2014 com faturamento de 5,2 bilhões de euros Empresa movimentou, juntamente com a subsidiária Aliança, cerca de 3,4 milhões de contêineres, um aumento de 2% em relação ao período anterior

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano D Montanhas Rochosas

Leia mais

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004 Laudo de Avaliação da Ferronorte Data Base: Novembro de 2004 Contexto Os administradores da Brasil Ferrovias nos solicitam a avaliação do preço das ações da Ferronorte a serem emitidas no aumento de capital

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO DIVISÃO DO CONTINENTE AMERICANO Os países que pertencem a América do Norte são: EUA, Canadá e México. Os países que pertencem a América Anglo Saxônica são: EUA

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

R E L E V O RELEVO ASPECTOS FÍSICOS COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA 27/05/2014. 1 - montanhas 2 - planícies. 3 - planaltos. Setentrional Ocidental.

R E L E V O RELEVO ASPECTOS FÍSICOS COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA 27/05/2014. 1 - montanhas 2 - planícies. 3 - planaltos. Setentrional Ocidental. Alaska Havaí Canadá Estados Unidos Setentrional Ocidental COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA ASPECTOS FÍSICOS 1 - montanhas 2 - planícies 3 - planaltos 1 2 3 R E L E V O RELEVO 1 1) Bacia do Ártico: sofre limitação

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

Commodities Agrícolas - Market Share por Porto

Commodities Agrícolas - Market Share por Porto 1 Destaques 2009 OvolumedaALLnoBrasilcresceu5,8%em2009para35.631bilhõesdeTKU,apesardo difícil cenário de mercado, com forte queda na produção industrial e redução de 12% na produção de produtos agrícolas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Washington Reis) Institui a Política Nacional de Transporte Rodoviário de Combustíveis, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL Tatiana Torres Em um país com tantas deficiências em termos de gestão, investimentos e política pública,

Leia mais

Infraestrutura no Brasil

Infraestrutura no Brasil www.pwc.com.br Infraestrutura no Brasil Como agregar valor e gerenciar a complexidade de ativos de capital, programas ou portfólios de médio a grande porte (greenfield ou brownfield). O contexto de infraestrutura

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

O Canadá é um país de contraste: uma extensa área (9.976.139 km 2 ) e um pequeno número de habitantes pouco mais de 30 milhões.

O Canadá é um país de contraste: uma extensa área (9.976.139 km 2 ) e um pequeno número de habitantes pouco mais de 30 milhões. Canadá O Canadá é um país de contraste: uma extensa área (9.976.139 km 2 ) e um pequeno número de habitantes pouco mais de 30 milhões. 1 A ocupação é dificultada principalmente no norte do país devido

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas 1º Simpósio Nacional de Auditoria de PPPs 15/05/2013 Roteiro da Apresentação 1. Motivação 2. Governo e Infraestrutura 3. Quando

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática Planejamento da fiscalização no TCU Um novo paradigma em prática Competências do TCU(art. 70 e 71 da CF) Art. 70 - A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Título: Impactos dos Novos Empreendimentos de transporte coletivo metropolitano da EMTU/SP nas áreas de concessão da RMSP.

Título: Impactos dos Novos Empreendimentos de transporte coletivo metropolitano da EMTU/SP nas áreas de concessão da RMSP. Título: Impactos dos Novos Empreendimentos de transporte coletivo metropolitano da EMTU/SP nas áreas de concessão da RMSP. Autores: Ivan Carlos Regina ¹; Angelique Joseli de Oliveira¹ ¹ Empresa Metropolitana

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

O poderio norte-americano

O poderio norte-americano A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O poderio norte-americano Nesta aula vamos estudar os Estados Uni- dos da América, a mais importante economia nacional do planeta, e o Canadá, seu vizinho,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas SUFER Gerência de Regulação e Outorga de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Carga - GEROF EVOLUÇÃO

Leia mais

Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB. Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente

Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB. Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente São Paulo, 4 de Dezembro de 4 Apresentação Evento MBC Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente O crescimento do PIB

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres

Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres Secretaria dos Transportes do Estado de São Paulo SECRETARIA DOS TRANSPORTES O Foco da questão: Terminais, Ferrovias e Contêineres Centra-se no intermodalismo,

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/98 Nº 19 Transporte Ferroviário Regional de Passageiros 1. INTRODUÇÃO A história do transporte ferroviário, em escala comercial, principia

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano C Montanhas Rochosas

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GEOGRAFIA - Grupos

Leia mais

FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA

FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA 5ª REUNIÃO PLENÁRIA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES (28/10/2015) APRESENTAÇÃO DAS ANÁLISES E PROPOSTAS DO GT3 ESTRUTURA DO GRUPO DE TRABALHO 3 (GT3) OBJETIVO: Formular

Leia mais

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Brasília, agosto de 2012 Apresentação A Agência Nacional

Leia mais

EcoRodovias anuncia resultado consolidado do 4T05 e de 2005

EcoRodovias anuncia resultado consolidado do 4T05 e de 2005 Release de Resultados EcoRodovias anuncia resultado consolidado do 4T05 e de 2005 EBITDA consolidado de R$ 356,4 milhões e margem EBITDA de 67,5% em 2005 São Paulo, 09 de março de 2006 A Primav EcoRodovias

Leia mais

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 1. Introdução 2. Sistema Ferroviário no Brasil 3. Avaliação dos Principais Corredores Ferroviários 4. Avaliação do Nível de Serviço 5. Conclusões Objetivos Identificar as

Leia mais

MRS - MRS Logística S. A.

MRS - MRS Logística S. A. MRS - MRS Logística S. A. A MRS Logística S. A., vencedora do leilão de desestatização da Malha Sudeste da RFFSA em 20 de setembro de 1996, iniciou suas atividades no dia 1 de dezembro de 1996, constituída

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais