+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO IPSS % GRATUITO % ALTERÁVEL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO IPSS 1 0 0 % GRATUITO 1 0 0 % ALTERÁVEL"

Transcrição

1 C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR Creche Pré-Escolar % GRATUITO Centro de Actividades dos Tempos Livres % ALTERÁVEL Centro de Dia / Noite Serviço de Apoio Domiciliário Estrutura Residencial para Idosos Lar de Infância e Juventude Centro de Acolhimento Temporário Lar Residencial Centro de Actividades Ocupacionais + RÁPIDO Utilize a Colecção de Processos como base para a construção muito mais rápida de software, alterando-os como entender necessário. + ACESSÍVEL Facilita o acesso pelas, beneficiando-as da imediata transferência de know-how, sem afectarem recursos que normalmente não possuem. REDUZA DRASTICAMENTE O CUSTO TOTAL DO SOFTWARE BUSINESS CONTROL SOFTWARE QUER O INICIAL QUER O DE ALTERAÇÃO / MANUTENÇÃO1

2 CONSTRUA O SEU SOFTWARE COMECE QUALQUER PROJECTO COM QUASE TUDO FEITO, FOCANDO-SE DEPOIS EXCLUSIVAMENTE NAQUILO QUE É ÚNICO UTILIZE CONTEÚDOS DE QUALIDADE COM PROVAS DADAS, ALTERANDO APENAS O NECESSÁRIO OS MODELOS DOS PROCESSOS DA COLECÇÃO SÃO TOTALMENTE ABERTOS, PELO QUE SÃO FÁCEIS DE ENTENDER E ALTERAR SEM QUALQUER PROGRAMAÇÃO A COMUNICAÇÃO ENTRE TÉCNICOS E UTILIZADORES É EXTREMAMENTE FACILITADA PELA POSSIBILIDADE DE PODEREM VER RAPIDAMENTE O PRODUTO FINAL OS TEMPOS E CUSTOS DE QUALQUER PROJECTO FICAM SIGNIFICATIVAMENTE REDUZIDOS, BENEFICIANDO AINDA DA INCORPORAÇÃO DAS MELHORES PRÁTICAS DO SECTOR NÃO REINVENTE A RODA... COLECÇÃO Disponibilizamos uma Colecção de Processos pré-modelados no PARTEICO BCS, totalmente gratuitos, alteráveis e prontos a implementar. A Colecção é constituída pelos processos aplicáveis a este sector, e a ele adaptados, dando uma ideia clara do que é possível construir com o PARTEICO BCS. Nas Pequenas e Médias Instituições, estes processos necessitam normalmente de pouca ou até nenhuma alteração, o que permite reduzir ainda mais o tempo e o custo do projecto. Tudo isto para ir ao encontro das Instituições que possuem recursos humanos e financeiros muito limitados e que, na sua grande maioria, não possuem controlos implementados sobre os seus processos de trabalho. 2

3 PROCESSOS GERAIS Utilize o PARTEICO BCS e os Processos desta Colecção para assegurar a conformidade com os mais diversos standards nacionais e internacionais, entre eles: 99MAQRS (ISS) 99EQUASS 99ISO ISO / HACCP 99OHSAS GESTÃO DIRECÇÃO Reunião de Direcção Comunicação Interna MELHORIA CONTÍNUA Sugestão Tratamento de Sugestões Ocorrência MONITORIZAÇÃO AUDITORIA Auditoria Interna Auditoria Externa RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO Constatação Candidatura Recrutamento de Novo Colaborador Subcontratação do Recrutamento Admissão e Acolhimento GESTÃO DE PESSOAL Pedido de Ausência Comunicação de Falta Marcação de Férias Autorização de Deslocação / Despesas Deslocação / Viagem Reembolso de Despesas Pedido de Alterações Participação aos Recursos Humanos ORGANIZAÇÃO Documento Interno Documento Externo Função Qualificação de Auditor Interno Qualificação de Fornecedor Ficha Técnica Ficha PCC ADMINISTRATIVOS CORRESPONDÊNCIA Correspondência Recebida Correspondência Enviada FORMAÇÃO Levantamento Necessidades Formação Necessidade de Formação Plano de Formação Curso de Formação Acção de Formação AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS Avaliação de Competências Avaliação de Desempenho 3

4 PROCESSOS GERAIS APROVISIONAMENTO FORNECEDORES Reclamação a Fornecedor Devolução a Fornecedor Auditoria a Fornecedor Avaliação do Fornecedor COMPRAS Necessidade de Compra Pedido de Cotação Encomenda a Fornecedor LOGÍSTICA ARMAZENAMENTO Stock / Lote Recepção Entrada de Stock Requisição Interna Saída de Stock Transferência de Stock Conferência de Stock (Inventário Físico) SERVIÇOS GERAIS EQUIPAMENTOS Plano de Manutenção Manutenção Participação de Avaria Reparação VIATURAS Manutenção / Revisão Inspecção Periódica Participação de Danos e Avarias Reparação Multa Acidente Requisições e Marcações METROLOGIA EMM Plano de Calibração Calibração / Verificação Interna Calibração / Verificação Externa Plano de Ensaios Ensaio de Parâmetro de Segurança Controlo de PCC Subcontratação de Ensaios COZINHA Ementa Amostra-Testemunho Refeição 4

5 PROCESSOS ESPECÍFICOS CRE Creche PRE Pré-Escolar CATL Centro de Actividades dos Tempos Livres CDN Centro de Dia / Noite SAD Serviço de Apoio Domiciliário ERI Estrutura Residencial para Idosos LIJ Lar de Infância e Juventude CAT Centro de Acolhimento Temporário LR Lar Residencial CAO Centro de Actividades Ocupacionais ADMISSÃO Pré-Inscrição Candidatura Individual Pedido de Admissão Actualização de Lista de Espera Análise de Candidatos Renovação Transição de Valência Actualização de Candidatura CONTRATO Subscrição Alteração Termo INTEGRAÇÃO Acolhimento (LIJ/CAT) Acolhimento Avaliação Diagnóstica (LIJ/CAT) Avaliação Diagnóstica DESENVOLVIMENTO Perfil de Desenvolvimento (criança) Plano Individual PSEI Visitas da Família Tratamento de Incidentes Visitas Avaliação do Utente Saída da Instituição Actividades Socialmente Úteis RESPOSTAS SOCIAIS 5

6 PROCESSOS ESPECÍFICOS RESPOSTAS SOCIAIS CRE Creche PRE Pré-Escolar CATL Centro de Actividades dos Tempos Livres CDN Centro de Dia / Noite SAD Serviço de Apoio Domiciliário ERI Estrutura Residencial para Idosos LIJ Lar de Infância e Juventude CAT Centro de Acolhimento Temporário LR Lar Residencial CAO Centro de Actividades Ocupacionais ACTIVIDADES Recepção e Entrega Diária Actividades de Sala Diligências Pertences Acompanhamento Escolar Saída ao Exterior Projecto Educativo Planeamento de Actividades Tratamento de Roupa Projecto Pedagógico Actividades Regulares Higiene Habitacional Transporte de Utentes Mapa Geral de Actividades Saída ao Exterior (em grupo) Registo de Presenças CUIDADOS PESSOAIS E DE SAÚDE Cuidados de Saúde Guia de Tratamento Apoio Psicossocial Cuidados Pessoais Pedido de Medicação Sinais Vitais Administração Terapêutica GESTÃO DO UTENTE Opinião do Utente Reclamação de Utente 6

7 PROCESSOS ESPECÍFICOS CRE Creche PRE Pré-Escolar CATL Centro de Actividades dos Tempos Livres CDN Centro de Dia / Noite SAD Serviço de Apoio Domiciliário ERI Estrutura Residencial para Idosos LIJ Lar de Infância e Juventude CAT Centro de Acolhimento Temporário LR Lar Residencial CAO Centro de Actividades Ocupacionais VOLUNTARIADO Pedido de Adesão Plano de Voluntariado Acção do Voluntário Relatório de Actividades RESPOSTAS SOCIAIS 7

8 C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO BUSINESS CONTROL SOFTWARE Este documento está sujeito a alterações sem aviso prévio. A PARTEICO não será responsável por eventuais erros ou omissões existentes neste documento. Este documento tem apenas objectivos de informação, sem representar ou constituir garantia de qualquer tipo. As únicas garantias para os produtos e serviços da PARTEICO são aquelas estabelecidas expressamente nas declarações de garantia que acompanham tais produtos ou serviços. Nada neste documento deve ser considerado como constituindo uma garantia adicional. Todos os direitos sobre este documento estão reservados. Para mais informação consulte Rev. 5 PARTEICO Software, S.A. PRAÇA PADRE RICARDO DA ROCHA, Nº8 T Business Control Solutions BRAGA, PORTUGAL F

+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO EMPRESAS 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL

+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO EMPRESAS 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO S ERVIÇOS I NDÚSTRIA C ONSTRUÇÃO MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL D ISTRIBUIÇÃO H OTELARIA T RANSPORTES S AÚDE E DUCAÇÃO

Leia mais

IPSS SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios

IPSS SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO Destinatários Todas as IPSS e entidades equiparadas (misericórdias, casas do povo, associações, cooperativas, fundações, etc ) Instituições certificadas ( ISO 9001

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2009 CAO SÃO VICENTE - ÂNGELA MILHO 1.5 - FICHA DE ACTIVIDADE INSERIDA EM PROGRAMAS E PROJECTOS DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: DINAMIZAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO /SENSIBILIZAÇÃO CÓDIGO:

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança

Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança Um SIG-QAS é um sistema global de uma organização, que inclui práticas, processos e recursos para desenvolvimento e implementação do seu

Leia mais

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade)

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade) Procedimento do SGI PSG-17 (Rastreabilidade) Índice 1. Objectivo 4 2. Campo de Aplicação 4 3. Actividades 4 3.1 1ª Actividade: Identificação e Rastreabilidade 4 3.1.1 Responsabilidades 5 3.2 2ª Actividade:

Leia mais

Filipe Silva filipe.silva@ambidata.pt Ana Sofia Ferreira asferreira@ambidata.pt

Filipe Silva filipe.silva@ambidata.pt Ana Sofia Ferreira asferreira@ambidata.pt Filipe Silva filipe.silva@ambidata.pt Ana Sofia Ferreira asferreira@ambidata.pt Agenda O que é o B-Quality Requisitos da Norma(17025) Vs Soluções Áreas de Acção do B-Quality Colaboradores e responsabilidades

Leia mais

Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level

Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade em Instituições de Apoio Social 1 Programa Apresentação do Grupo SGS Qualidade e Certificação: desmistificação de conceitos Certificação da Qualidade em

Leia mais

Descrição de Funções Biblioteca Municipal de Faro (FBM)

Descrição de Funções Biblioteca Municipal de Faro (FBM) Título da Função: DIRECÇÃO Reporta a: Chefe de Divisão / Directora de Departamento Gerir actividades e pessoal Planeamento e proposta de políticas e estratégias de actuação Proposta de Plano Anual de Actividades

Leia mais

Formação Modular Certificada Acções de Curta Duração 2010

Formação Modular Certificada Acções de Curta Duração 2010 Organização e Gestão 621 Gestão da Produção 50 9ºano 345 - Gestão e Administração 4742 Organização da Manutenção 25 6ºano 521 - Metalurgia Metalomecânica 4563 Preparação do Trabalho, Planeamento e Orçamentação

Leia mais

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução.

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. Apresentação A QIS O Método O Sistema de Gestão Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. 12 Benefícios 4 Razões Referências 1 Consultoria Tecnologia Consultoria Tecnologia Quem somos

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa

Universidade Técnica de Lisboa Anexo 1 Inquérito por questionário aplicado às Directoras Técnicas dos organismos de apoio social do concelho de Caldas da Rainha INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS Universidade Técnica

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Lista de Abreviaturas Capítulo I APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO. Capítulo II SISTEMA DA GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DA QUALIDADE. Lista de Abreviaturas Capítulo I APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO. Capítulo II SISTEMA DA GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE Lista de Abreviaturas Capítulo I APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1. PROMULGAÇÃO PELA MESA ADMINISTRATIVA 2. ELEMENTOS GERAIS 3. SINTESE HISTÓRICA 4. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLITICA DA

Leia mais

Construa e altere o seu software sempre que entender... Sem qualquer programação!!! CONSTRUA O SEU SOFTWARE BUSINESS CONTROL SOFTWARE

Construa e altere o seu software sempre que entender... Sem qualquer programação!!! CONSTRUA O SEU SOFTWARE BUSINESS CONTROL SOFTWARE CONSTRUA O SEU SOFTWARE Construa e altere o seu software sempre que entender... Sem qualquer programação!!! REDUZA DRASTICAMENTE O CUSTO TOTAL DO SOFTWARE BUSINESS CONTROL SOFTWARE QUER O INICIAL QUER

Leia mais

Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional

Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional O módulo de Estrutura e Comunicação Organizacional (ECO), leccionado pelo formador Carlos Pedro Alves Guedes, com total de cinquenta horas. Nesta UFCD abordamos

Leia mais

Sistema de Qualificação das Respostas Sociais. Processo de Certificação

Sistema de Qualificação das Respostas Sociais. Processo de Certificação Sistema de Qualificação das Respostas Sociais Processo de Certificação Sistema de Qualificação - Enquadramento O Sistema de Qualificação das Respostas Sociais é baseado num conjunto de regras, requisitos

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS

CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS Indústria Extractiva e Transformadora de Rocha CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS Empresas - Agregados Rocha Ornamental 1 Certificação de Empresas Referenciais (exemplos): NP EN ISO 9001 (Sistemas de Gestão

Leia mais

Planear. dinamizar. avaliar. orientar. monitorizar

Planear. dinamizar. avaliar. orientar. monitorizar dinamizar Planear orientar avaliar monitorizar Conceito Ankira é uma NOVA Plataforma para A gestão de Estruturas residenciais para idosos. A gestão destes equipamentos assenta em dois pilares fundamentais:

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC http://www.brc.org.uk/standards Luísa Pestana Bastos 1 Referencial Global para a Segurança Alimentar 2 OBJECTIVO Desenvolvido para ajudar as empresas a cumprir

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Guia de Procedimento do Processo de Certificação

Guia de Procedimento do Processo de Certificação Guia de Procedimento do Processo de Certificação ÍNDICE FLUXGRAMA D PRCEDIMENT 2 CANDIDATURA 3 ANÁLISE D PEDID 4 ATRIBUIÇÃ DE EQUIPA DE AUDITRES 4 PLANEAMENT DA AUDITRIA 4 REALIZAÇÃ DA AUDITRIA 5 RELATÓRI

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

QUALIDADE TERCEIRA IDADE

QUALIDADE TERCEIRA IDADE QUALIDADE TERCEIRA IDADE DESCRITIVO DA APLICAÇÃO A TSR - Sistemas de Informação disponibiliza uma vasta gama de software capaz de satisfazer as necessidades dos nossos clientes, com diversas funcionalidades

Leia mais

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 Esta informação destina-se a Estabelecimentos e Apoio Social que queiram exercer atividade. O que é Os estabelecimentos de apoio social

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Processo de actualização anual da Carta Social 2008

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Processo de actualização anual da Carta Social 2008 CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS Processo de actualização anual da Carta Social 2008 Entidades Proprietárias, Entidade Gestora e Equipamentos e Respostas Sociais já existentes na Base

Leia mais

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor)

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Outubro 2006 Direcção Comercial e Gestão de Clientes www.apcer.pt Gonçalo Pires Índice: Certificação de S.G.: Qualidade (NP EN ISO 9001:2000); Ambiente (NP EN

Leia mais

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 1. Acessos e mobilidade 1.1 Garante a existência de rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida 1.2 Mantém atualizada a comunicação visual e sinalética 1.3 Está

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DE REVISÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ATA DE REUNIÃO DE REVISÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ATA DE REUNIÃO DE REVISÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Data: 30 de Abril de 2013 Participantes: António Padrão - representante da Direção Sara Ferreira - gestor da qualidade A APPACDM da Figueira

Leia mais

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 NOTA TÉCNICA Universo de referência Organismos da Administração Pública Central Realização

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Nota justificativa A Câmara Municipal de Vidigueira assume o papel de agente fundamental na aplicação de políticas de protecção social,

Leia mais

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO 1 2 3 4 O contexto incentea DESAFIOS DO NEGÓCIO Um Sistema Integrado ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA A Segurança de Informação SUSTENTAÇÃO

Leia mais

Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar. Jorge Silva, 27 de Março de 2008

Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar. Jorge Silva, 27 de Março de 2008 Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar Jorge Silva, 27 de Março de 2008 AGENDA NP EN ISO 22000:2005 Sistemas de Gestão Segurança Alimentar ERS3002 Qualidade e Segurança

Leia mais

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005 4.1. Requisitos Gerais 4.2. Requisitos da Documentação 4.2.1 4.2.2. Controlo de Documentos Definição do Âmbito SGSA (Manual SGSA...) Controlo processos subcontratados (Instruções, contratos cadernos de

Leia mais

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 1. Acessos 1.1. Acessos e mobilidade 1.1.1. SINAS@Hospitais Garante a existência de rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida 1.1.2. Mantém atualizada a comunicação

Leia mais

MacWin Sistemas Informáticos SA

MacWin Sistemas Informáticos SA MacWin Sistemas Informáticos SA Modtissimo 2013 Confecção Tecelagem Tinturaria Gestão de encomendas MRP - Planeamento de necessidades de materiais Monitorização da produção interna e subcontratada Gestão

Leia mais

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO No seguimento das propostas apresentadas por esta Direcção Regional de Educação para o Plano de Acompanhamento dos Centros de Recursos TIC (CRTIC) no ano de 2011, com uma linha orientadora

Leia mais

Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário

Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário Associação Cultural e Beneficente de Santa Maria Reconhecida de utilidade pública D. R. III série n.º 249 de 29/10/91 Contribuinte N.º 501 272 690

Leia mais

Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar

Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar 29 de Setembro de 2006 Rui Almeida ralmeida@consulai.com Rastreabilidade Higiene e Segurança dos Suplementos Alimentares 29 de Setembro de 2006-1 Agenda Introdução

Leia mais

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral Ministério da Economia e da Inovação DIPLOMAS Decreto-Lei nº 186/2003 de 20 de Agosto Ministério da Economia Decreto-Lei nº 8/2005 de 6 de Janeiro Ministério das Actividades Económicas e do Trabalho Decreto-Lei

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO D E SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE OCUPACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO D E SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE OCUPACIONAL ROCEDIMENTO CONTROLE DE REGISTROS Nº E-SMS-010 Fl. 1/5 Rev. Data Descrição Executado Verificado Aprovado 0 A 20/03/07 02/02/08 Emissão Inicial Revisado logotipo, endereço e razão social da GENRO; Incluído

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ENQUADRAMENTO NA ORGANIZAÇÃO/EMPRESA OBJECTIVO

Leia mais

AS MOTIVAÇÕES DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL

AS MOTIVAÇÕES DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FERNANDES & TERCEIRO,S.A. Um Compromisso com Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social Seminário APCER A Certificação e o Setor Gráfico AS MOTIVAÇÕES DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL Marta Cabral

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3 ÍNDICE I - 1.1 Apresentação do Centro...2 1.2 Direitos......2 1.3 - Deveres...3 1.4 - Organização...3 II Voluntariado 2.1 Apresentação do Voluntário...4 2.2 Perfil do Voluntário...5 2.3 Funções...6 2.4

Leia mais

Serviço de Auditoria. Síntese do Relatório de Atividades do Serviço de Auditoria Interna 2015

Serviço de Auditoria. Síntese do Relatório de Atividades do Serviço de Auditoria Interna 2015 Serviço de Auditoria Síntese do Relatório de Atividades do Serviço de Auditoria Interna 2015 Março 2016 Índice I. Introdução... 3 II. Factos Relevantes... 4 III. Avaliação dos objetivos propostos... 5

Leia mais

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira Constituição de IF Bancária Anexo III Plano de negócios Plano de negócios da instituição financeira De forma a aferir o cumprimento dos requisitos legais estabelecido na Lei das Instituições Financeiras,

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Temas a abordar: Estratégia recente da Comissão: - Relatório Monti - Comunicação de Outubro de 2010 - O IVA europeu - Livro verde

Leia mais

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ref #GRH090 Nº Horas: 48 h Nº de Dias: 8 dias Hora de Início:

Leia mais

APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM

APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM VISÃO DA AMORIM & IRMÃOS, S.A. JOÃO VASCO ALMEIDA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL FAMÍLIA AMORIM CORTIÇA Corticeira, IMOBILIÁRIA Imobiliária, TURISMO Turismo,

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Gestão de Riscos Operacionais

Gestão de Riscos Operacionais 1 Gestão de Riscos Operacionais EHS Business 2016 Rafael Purcell Breckenfeld purcell_breckenfeldrafael@siemens.com (11) 3908-2214 / 99461-3362 16/05/ 2016 Text do footer Restrito / Chemtech Serviços de

Leia mais

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Melhoria da Segurança com o Programa da Acreditação na USF Dafundo Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Segurança Postura de análise crítica guiada pelos requisitos propostos Reconhecimento

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

ALIMENTAR SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios

ALIMENTAR SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO Destinatários Todas as organizações que intervêm nas várias fases da cadeia alimentar ou que estejam directamente ligadas a elas Organizações certificadas ( ISO 9001

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD

CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD AO OBTER UM CÓDIGO DE ACTIVAÇÃO E AO INTRODUZIR O MESMO PARA ACTIVAR A LICENÇA DO PROGRAMA DE SOFTWARE E AO INSTALAR

Leia mais

Portugal-Porto: Serviços de auditoria 2016/S Anúncio de concurso sectores especiais. Serviços

Portugal-Porto: Serviços de auditoria 2016/S Anúncio de concurso sectores especiais. Serviços 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:295595-2016:text:pt:html Portugal-Porto: Serviços de auditoria 2016/S 164-295595 Anúncio de concurso sectores especiais

Leia mais

Software PHC com MapPoint 2007

Software PHC com MapPoint 2007 Software PHC com MapPoint 2007 Descritivo completo A integração entre o Software PHC e o Microsoft MapPoint permite a análise de informação geográfica (mapas, rotas e análise de dispersão), baseada em

Leia mais

CANDIDATURA AO PROGRAMA

CANDIDATURA AO PROGRAMA CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário.

Leia mais

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF?

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF? Sobre Nós Na Take Off somos especialistas em Consultoria nas vertentes de recursos humanos e desenvolvimento de negócio. Atuamos sob metodologias e procedimentos próprios, os quais assentam na melhoria

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Contabilidade e Gestão, Lda O FUTURO DO SEU NEGÓCIO COMEÇA AQUI! CRIAMOS SOLUÇÕES PARA A SUA EMPRESA!

Contabilidade e Gestão, Lda O FUTURO DO SEU NEGÓCIO COMEÇA AQUI! CRIAMOS SOLUÇÕES PARA A SUA EMPRESA! Contabilidade e Gestão, Lda O FUTURO DO SEU NEGÓCIO COMEÇA AQUI! CRIAMOS SOLUÇÕES PARA A SUA EMPRESA! QUEM SOMOS A Gonti, é uma empresa de contabilidade e gestão, especializada na prestação de serviços

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

De Mãos Dadas com a ISO 22000

De Mãos Dadas com a ISO 22000 Funchal, 22 Novembro 2006 De Mãos Dadas - Associação de Solidariedade Social De Mãos Dadas com a ISO 22000 SEMINÁRIO QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR Patrícia Branquinho A De Mãos Dadas QUEM SOMOS? UTENTES

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ENTRE Electra SARL e Electra Norte, Sociedade Unipessoal, S.A. ANEXO III: ACORDO DE NÍVEIS DE SERVIÇO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ENTRE Electra SARL e Electra Norte, Sociedade Unipessoal, S.A. ANEXO III: ACORDO DE NÍVEIS DE SERVIÇO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ENTRE Electra SARL e Electra Norte, Sociedade Unipessoal, S.A. ANEXO III: ACORDO DE NÍVEIS DE SERVIÇO Serviços Financeiros Gestão Financeira Nível de serviço: Condições

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

RELATÓRIO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA MADALENA DO PICO

RELATÓRIO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA MADALENA DO PICO RELATÓRIO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA MADALENA DO PICO 2016 Índice 1. Relatório de Atividades... 3 1.1 Lar Santa Maria Madalena... 3 1.2 Centro de Dia... 3 1.3 Serviço de Apoio Domiciliário... 3

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FORNOS DE ALGODRES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FORNOS DE ALGODRES TELEFONISTA Graça Maria Monteiro Paulo 08:50-11:00 13:00-17:50 Maria Luísa Ferreira Gaspar 09:00-13:00 15:00-18:00 efetua o atendimento geral e encaminha os utentes aos locais pretendidos; assegura o serviço

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS (DESIGNAÇÃO DA ESCOLA) dia de mês de ano SNN SERVIÇOS DE GESTÃO APLICADA, LDA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 METODOLOGIA E CRONOGRAMA... 5 Metodologia...

Leia mais

DESP. 52/SESS/90 DE 16 DE JULHO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA SOCIAL

DESP. 52/SESS/90 DE 16 DE JULHO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA SOCIAL Anterior DESP. 52/SESS/90 DE 16 DE JULHO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA SOCIAL No âmbito da acção social exercida pelo sistema de segurança social, o Dec.- Lei 18/89, de 11-1, definiu, num quadro

Leia mais

União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia. Anúncio de adjudicação de contrato (Directiva 2004/18/CE)

União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia. Anúncio de adjudicação de contrato (Directiva 2004/18/CE) União Europeia Publicação no suplento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxbourg, Luxburgo Fax: +352 29 29 42 670 Correio electrónico: ojs@publications.europa.eu Informação e formulários

Leia mais

PERFORMANCE 70 CL Janelas e portas de correr

PERFORMANCE 70 CL Janelas e portas de correr PERFORMANCE 70 CL Janelas e portas de correr 1 2 PROJECTOS NOVOS E DE REABILITAÇÃO Elevado desempenho térmico Para uso no sector residencial e público Com o melhor desempenho no mercado (com seis patentes

Leia mais

Manual da Qualidade Página 1 de 16

Manual da Qualidade Página 1 de 16 Página 1 de 16 Data Entrada em Vigor Detentores do Documento 13 de Janeiro de 2010 DQ / Servidor Revisão N.º Data da Revisão Descrição da Alteração 1 04.09.2012 Revisão dos requisitos para os setores da

Leia mais

Gerir Processos e Implementar a Qualidade Eficácia e Competitividade

Gerir Processos e Implementar a Qualidade Eficácia e Competitividade AGENDA DA APRESENTAÇÃO 11.00 horas Requisitos das organizações e dos sistemas Objecções do Mercado Modelo de acção 11.20 horas Case-study de pequena empresa - Apresentação da empresa Jorge Livramento Lda

Leia mais

Centro Nacional de Cibersegurança: um desígnio nacional

Centro Nacional de Cibersegurança: um desígnio nacional Cibersegurança: um desígnio nacional AGENDA ENQUADRAMENTO COMISSÃO INSTALADORA CNCSeg LEGISLAÇÃO E CONSTITUIÇÃO ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIBERSEGURANÇA PRINCIPAL DESAFIO PRINCÍPIOS OBJECTIVOS CENTRO NACIONAL

Leia mais

O TOConline é uma plataforma de gestão colaborativa, da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, desenvolvida em parceria com a empresa Cloudware S.A.

O TOConline é uma plataforma de gestão colaborativa, da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, desenvolvida em parceria com a empresa Cloudware S.A. Vendas (faturação) O TOConline é uma plataforma de gestão colaborativa, da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, desenvolvida em parceria com a empresa Cloudware S.A. Com o TOConline pode gerir a sua

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição)

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) Atendendo ao envelhecimento crescente a que se assiste a nível mundial, é imprescindível os cuidadores, formais e informais, dispensarem a formação neste

Leia mais

Solução Integrada para Gestão de Projectos. para Entidades de I&DT APRESENTAÇÃO

Solução Integrada para Gestão de Projectos. para Entidades de I&DT APRESENTAÇÃO Solução Integrada para Gestão de Projectos para Entidades de I&DT APRESENTAÇÃO Sistemas de Informação Produtos e serviços na área dos sistemas de informação ERP Software Apoio à Gestão Engenharia de Software

Leia mais

HACCP no Dom Pedro Baía

HACCP no Dom Pedro Baía HACCP no Dom Pedro Baía HACCP no Dom Pedro Baía O Grupo Dom Pedro é uma sociedade anónima pertencente ao grupo hoteleiro nacional denominado de Dom Pedro Investimentos Turísticos, constituído por 7 hotéis,

Leia mais

FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO!

FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO! FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO! PERSONALIZAÇÃO DA ESTRUTURA DE EQUIPAMENTOS ACOMPANHAMENTO DA OBRA A.T. AGENDAMENTO DE MANUTENÇÃO WIZARD CONTROLE DE A.T POR CONTRATO CONTROLE DE MANUTENÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

Regulamento Geral. Fátima Portugal. Clássicos a Fátima 2016. 24 de Abril 2016. Termos e condições do evento

Regulamento Geral. Fátima Portugal. Clássicos a Fátima 2016. 24 de Abril 2016. Termos e condições do evento Regulamento Geral Clássicos a Fátima 2016 Fátima Portugal 24 de Abril 2016 Termos e condições do evento O presente regulamento poderá sofrer alterações a qualquer momento. Índice 01 - Breve descrição 02

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Processo de Atualização por referência a 31 Dezembro de 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES: Modelo de atualização via Internet O processo de atualização da Carta Social

Leia mais

04/07/2008 Dra. Claudia Meira

04/07/2008 Dra. Claudia Meira 42º Congresso Brasileiro de Patologia Clinica / Medicina Laboratorial 04/07/2008 Não-conformidades: Como tratá-las de forma eficaz? 04/07/2008 04/07/2008 Como classificá-las? A competitividade é a palavra

Leia mais

20 de Janeiro de 2017 Servidor

20 de Janeiro de 2017 Servidor Página 2 de 9 Data Entrada em Vigor Detentores do Documento 20 de Janeiro de 2017 Servidor Revisão N.º Data de Revisão Descrição da Alteração 1 19/04/2017 Alteração do contacto telefónico. 2 23/06/2017

Leia mais

Plano de Formação Vida Ativa. Centro de Formação Profissional de Coimbra. Unidade de Formação

Plano de Formação Vida Ativa. Centro de Formação Profissional de Coimbra. Unidade de Formação Candidatos/as com menos do 9º ano de escolaridade. Percurso 1 Percurso 2 Percurso 3 Percurso 4 Percurso 5 UFCD 0350 Comunicação Comunicação assertiva interpessoal- UFCD 0351 Perfil e funções do atendedor

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB

Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB Registo da Frequência mensal de Utentes Via Web Com efeitos a janeiro de 2013, será descontinuada a utilização da solução informática de contingência, em

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA UC - ENQUADRAMENTO -

SISTEMA DE GESTÃO DA UC - ENQUADRAMENTO - - ENQUADRAMENTO - O que é o Sistema de Gestão da UC? É o conjunto de todos os documentos, procedimentos, sistemas de informação e outras ferramentas de apoio ao planeamento, execução, monitorização e melhoria

Leia mais