GT 1 JUVENTUDES, PROCESSOS EDUCATIVOS E TRABALHO. TÍTULO: HÁ UMA GRANDE DESORDEM SOB O CÉU, A SITUAÇÃO É EXCELENTE - jovens, trabalho e futuro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GT 1 JUVENTUDES, PROCESSOS EDUCATIVOS E TRABALHO. TÍTULO: HÁ UMA GRANDE DESORDEM SOB O CÉU, A SITUAÇÃO É EXCELENTE - jovens, trabalho e futuro."

Transcrição

1 GT 1 JUVENTUDES, PROCESSOS EDUCATIVOS E TRABALHO. TÍTULO: HÁ UMA GRANDE DESORDEM SOB O CÉU, A SITUAÇÃO É EXCELENTE - jovens, trabalho e futuro. Autora: Maria Isabel Silva Bezerra Linhares (UFC/UVA-GEPCJU) Co-autora: Ana Margarete Pereira (UVA-GEPCJU)

2 HÁ UMA GRANDE DESORDEM SOB O CÉU, A SITUAÇÃO É EXCELENTE 1 - jovens, trabalho e futuro. Maria Isabel S. Bezerra Linhares (UFC/UVA-GEPCJU) 2 Ana Margarete Pereira (UVA-GEPCJU) 3 RESUMO As referências teórico-metodológicas para tomar as trajetórias juvenis como perspectiva metodológica nas reflexões que apresentamos neste artigo, apoiam-se nas produções de Giovanni Alves, Jessé Souza e Richard Sennet e, principalmente, nas produções e reflexões de Machado Pais (2001), daí, adotar a compreensão dos sociólogos da juventude, que adjetivam as transições dos jovens para a vida adulta, de modo a acentuarem a sua vulnerabilidade e imprevisibilidade. O substrato empírico que motivou a busca da compreensão dos caminhos investigativos, que tomam o cotidiano como alavanca para o conhecimento da realidade, ancoram-se na pesquisa sob o título Trajetórias juvenis face aos desafios do mundo do trabalho: experiências sociais e interpretações individuais de jovens sobralenses que buscam o primeiro emprego, da autora deste artigo. O foco de análise da referida investigação centrou-se na questão da juventude das periferias da vida, prováveis trabalhadores precários, que em seu cotidiano, constroem trajetórias, nem sempre lineares, quando enfrentam os desafios do mundo do trabalho na sociedade contemporânea. Palavras-chave: trajetórias juvenis. Primeiro emprego. Mundo do trabalho. 1 INTRODUÇÃO No seu livro intitulado Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro, Machado Pais (2001) analisa a trajetória de jovens portugueses a partir de uma multiplicidade de trabalhos precários, cujas inserções provisórias se constituem as próprias expressões das dificuldades que têm em se integrarem no mercado de trabalho, o que tem levado muitos deles a recorrerem à estratégias cuja singularidade e expressão abala os modos tradicionais de entrada na vida ativa. As experiências vivenciadas por esses jovens, entendidas como vivência precária do emprego e do trabalho, que compreendem trabalho doméstico, eventual, temporário, parcial, oculto ou ilegal, pluriemprego, formas múltiplas de desenrascanço a que a 1 Expressão de Mao Tsé Tung citada por Slavoj Zizek em seu livro Vivendo nos fins dos tempos (2012) ao afirmar que, podemos distinguir os cinco padrões no modo como nossa consciência social trata o apocalipse vindouro. A primeira reação é a negação ideológica de qualquer desordem sob o céu ; a segunda aparece nas explosões de raiva contra as injustiças da nova ordem mundial; seguem-se tentativas de barganhar ( Se mudarmos aqui e ali, a vida talvez possa continuar como antes... ); quando a barganha fracassa, instalam-se a depressão e o afastamento; finalmente, depois de passar pelo ponto zero, não vemos mais as coisas como ameaças, mas como uma oportunidade de recomeçar. Ou, como Mao Tsé-Tung coloca: Há uma grande desordem sob o céu, a situação é excelente. 2 Doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora da Universidade Estadual do Ceará (UVA) e pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Culturas Juvenis (GEPCJU) 3 Graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Culturas Juvenis (GEPCJU)

3 linguagem comum se refere com as sugestivas expressões de ganchos, tachos, e biscates (MACHADO PAIS, 2001, p. 7). O autor propõe uma nova reflexão sociológica em torno dos percursos profissionais dos jovens abordando uma nova concepção de sociologia A Sociologia da Pós-linearidade. A análise linear desenvolve interpretações que abordam o presente e o futuro de forma homogênea, parecendo haver uma necessidade implícita de analisar as descontinuidades através das continuidades. Para as relações que se pretendeu estabelecer aqui, foi dado ênfase ao diálogo com Machado Pais, evocando, por algumas vezes, aproximações com a sociologia da Póslinearidade e com outros autores que tratam da análise crítica do que Giovanni Alves (2012) vem denominando de enigma do precariado e a nova temporalidade histórica do capital. O substrato empírico que motivou a busca da compreensão dos caminhos investigativos, que tomam o cotidiano como alavanca para o conhecimento da realidade, ancoram-se na pesquisa sob o título Trajetórias juvenis face aos desafios do mundo do trabalho: experiências sociais e interpretações individuais de jovens sobralenses que buscam o primeiro emprego, da autora deste artigo. O foco de análise da referida investigação centrou-se na questão da juventude das periferias da vida da cidade de Sobral-Ceará, prováveis trabalhadores precários, que em seu cotidiano, constroem trajetórias, nem sempre lineares, quando enfrentam os desafios do mundo do trabalho, especialmente quando buscam o primeiro emprego. Considerando seus percursos de inserção no mundo do trabalho, das mais diversas formas, seja pela via das políticas públicas, seja como arranjos, que vêm construindo em nome de um futuro melhor. Os caminhos investigativos transitaram pelos pressupostos da pesquisa qualitativa, tomando as trajetórias dos jovens e suas experiências pessoais como perspectiva metodológica e agregando as análises sobre a questão do novo precariado, que é produzida e reproduzida numa lógica perversa capitalista de deterioração do indivíduo encarnado no homo precarius, que segundo Alves (2012), enquanto sujeitos monetários tem aderido a si o fetiche da mercadoria com toda sua carga de intransparência social. 2 JUVENTUDE E TRABALHO: trânsitos pelas periferias da vida e pelo mundo do trabalho Ao se falar em juventude e trabalho, inúmeros estudos apontam para um quadro de complexos dilemas e contradições, que tornaram a compreensão de seu imaginário coletivo

4 um verdadeiro desafio. Para Jessé Souza (2006), este sempre foi um motivo para reflexão nas ciências sociais. Daí, minha inquietação nesse artigo é com uma questão específica no mundo do trabalho contemporâneo: a análise da atual situação do jovem no mercado de trabalho brasileiro, remetendo um olhar mais específico para a realidade de Sobral-CE, onde desenvolvo uma pesquisa intitulada Trajetórias juvenis face aos desafios do mundo do trabalho: experiências sociais e interpretações individuais de jovens sobralenses que buscam o primeiro emprego. Se há constrangimentos no ingresso e progresso do jovem no interior do mercado de trabalho, o agravamento da condição juvenil aparece como inexorável reproduzido pela decadência educacional e pela degradação social. Nesse sentido, o presente artigo traz à reflexão a questão da juventude face ao mundo do trabalho na sociedade contemporânea, tendo como eixo analítico a qualificação profissional, enquanto condição inicial para a busca do primeiro emprego. O objetivo desse artigo se limita a esclarecer o ponto de vista epistemológico que conduzirá à análise acerca da discussão juventude e trabalho no capitalismo contemporâneo (e seus dilemas), à luz dos dados quantitativos presentes nas análises de alguns autores que tratam da questão do desemprego juvenil e da condição do precariado 4 na nova temporalidade histórica do capital. Nos limites desse artigo, tomar-se-á como recorte dessa temática, a reflexão da condição de proletariedade da juventude brasileira, que constroem trajetórias pelo mundo do trabalho, sendo estas ladrilhadas por percursos (in)certos e (in)definidos. Daí, adotar a compreensão dos sociólogos da juventude, que adjetivam as transições dos jovens para a vida adulta, de modo a acentuarem a sua vulnerabilidade e imprevisibilidade (MACHADO PAIS, 2001). Em seu livro Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro, José Machado Pais (2001) traz uma contribuição aos estudos qualitativos sobre a juventude, apresentando uma metodologia formada por entrevistas profundas e etnografias detalhadas em um cenário de largo alcance temático e precisão analítica. Machado Pais adentra a complexidade do trabalho precário na população jovem, em um estudo qualitativo, no qual a rastreia em seus caminhos de redes simbólicas e transjetivas. O autor dá-nos conta de como, segundo ele, a Sociologia deve encarar a realidade que analisa e retrata. De acordo com o autor não é mais possível que se encare o 4 Expressão utilizada por Giovanni Alves para referir a uma camada social da classe do proletariado tardio. Para o autor, trata-se de uma camada social e não não uma classe social (2012)

5 tratamento da realidade juvenil segundo uma visão linear. No desafio de biografar jovens na contemporaneidade, depara-se com o avesso das histórias de vida, do tipo nasceu, frequentou a escola, chegou à universidade, publicou sua primeira obra, ou, pelo contrário, nasceu pobre, desde cedo entrou para as drogas e o crime. Na concepção do autor, é perigoso falar em inclusão em uma sociedade que exclui. Neste aspecto, a realidade é, ao mesmo, tempo sombria e animadora; sombria pela presença constante da ineficácia da Escola em produzir perspectivas, na precariedade e perversidade das relações de trabalho e emprego. O fio de esperança parece justamente refletido na grande energia inventiva dos jovens em batalhar por ideais que quase sempre são incertos ou inexistentes, ou na luta pela própria sobrevivência. Quais esperanças e expectativas movem os jovens na contemporaneidade? Quais planos traçam para seu futuro? Se há um horizonte promissor, quais meios e caminhos traçam para suas vidas? Em entrevistas realizadas pela autora, no final de 2011, com jovens sobralenses 5, que participam do Projeto Primeiro Passo 6, ao serem indagados sobre seus planos para futuro, no que diz respeito à família, escola e ao trabalho, assim responderam: Estudar muito e ter uma boa formação, para que os meus filhos e pais se orgulhem de mim (J1) 7 Ter um bom emprego, fazer faculdade e exercer no mercado de trabalho (J2) conseguir um bom futuro para mim, é dar algo de melhor para minha família e sempre ter a harmonia que tenho com minha família e comigo mesmo. [ ] para meu futuro quero me formar na área de enfermagem (J3) pretendo terminar os estudos, me formar e ter uma vida bem sucedida (J4) não sei (J5) Entre expectativas e incertezas, esses jovens sobralenses creditam no futuro a realização de sonhos, manifestos no emprego e na formação profissional, já que vivenciam no 5 Projeto de pesquisa Trajetórias juvenis face aos desafios do mundo do trabalho: experiências sociais e interpretações individuais de jovens sobralenses que buscam o primeiro emprego, realizado pela autora desse artigo, desde abril de PROJETO PRIMEIRO PASSO é uma inciativa do Governo do Estado do Ceará, que se propõe criar oportunidades voltadas à cidadania, a inclusão social e profissional, proporcionando o aprendizado prático e experiências que possibilitam o crescimento profissional e pessoal dos jovens de comunidades vulneráveis, entre 16 e 22 anos, que estão cursando o Ensino Fundamental II, Educação Especial, Ensino Médio ou que tenha concluído o Ensino Médio na tentativa de promover uma melhoria na qualidade de vida do publico focalizado. De acordo com a idade e nível escolar, o jovem será oportunizado em uma das três linhas de ação: Jovem Aprendiz, Jovem Estagiário e Jovem Bolsista para conquistar sua primeira oportunidade no mercado de trabalho (http://www.stds.ce.gov.br/index.php/projetos/63-projetos/282-pimeiro-passo ) 7 Utilizo as sigla J1, J2, J3, J4, J5, para preservar a identidade dos jovens entrevistados. Importante ressaltar que selecionei apenas cinco entrevistas e algumas respostas desses jovens, como amostra para conduzir as reflexões contidas nesse artigo.

6 presente um emaranhado de desventuras, exclusões e impedimentos, o que inviabiliza a constituição de uma cidadania ativa. No Brasil, temos de 6 a 7 jovens na faixa de 15 a 24 anos no mercado disputando uma vaga. São justamente os jovens filhos de pobres, porque os filhos de ricos, em geral, só ingressam no mercado de trabalho depois dos 25 anos, já concluído o Ensino Superior. Frente a essa realidade torna-se fundamental se ter grandes programas de bolsas de estudo, em escala nacional, para que o jovem se insira no mercado de trabalho mais tardiamente e melhor preparado. Para Alves não se trata apenas de um problema social os vínculos laborais precários, baixos salários, falta de direitos laborais mas sim de um problema existencial que corrói a individualidade pessoal. Na verdade, a precariedade interdita a vida pessoal do sujeito de classe (2012, p. 8), afirma o autor. Para os trabalhadores jovens-adultos escolarizados ou não, que não conseguem se inserir na cidadania salarial construída pelo Estado de Bem-estar social, o principal problema da precariedade é esse futuro incerto, nos dizeres de Alves, um futuro hipotecado. Esta percepção de futuro hipotecado é um traço recorrente no discurso de indignação de jovens/ adultos que construíram sua individualidade pessoal de classe baseada na perspectiva da carreira e perspectiva de consumo. Jessé Souza (2006), em sua obra A invisibilidade da desigualdade brasileira, problematiza a questão da condição psicossocial dos trabalhadores socialmente desqualificados na modernidade periférica, contextualizando tal questão em um universo de intersubjetividade moral e simbólica que naturaliza e perpetua sua condição objetiva precária. Para ele, esta perspectiva tem como pressuposto central o fato de que as relações intersubjetivas modernas são estruturadas por uma hierarquia moral pré-reflexiva do trabalho que naturaliza e reproduz situações objetivas de desigualdade social. No texto organizado por Fabrício Maciel Todo trabalho é digno? Um ensaio sobre moralidade e reconhecimento na modernidade periférica (2006), o autor apresenta uma questão específica no mundo do trabalho contemporâneo, que diz respeito a condição psicossocial de trabalhadores socialmente desqualificados na modernidade periférica, contextualizados em um universo de intersubjetividade moral e simbólica que naturaliza e perpetua sua condição objetiva precária. Esta perspectiva tem como pressuposto central o fato de que as relações intersubjetivas modernas são estruturadas por uma hierarquia moral préreflexiva do trabalho que naturaliza e reproduz situações objetivas de desigualdade social. Segundo o autor, os estudos sobre a desigualdade atualmente têm se dividido em

7 torno das temáticas do trabalho e da exclusão como meios para uma explicação cabal da pobreza material de milhões de pessoas no mundo inteiro. Para ele, os estudos de autores consagrados na temática do trabalho no Brasil também não conseguem avançar de suas interpretações materialistas, que muitas vezes são reafirmação assumida da posição marxista, com o objetivo claro de intervenção política na realidade, o que relega a explicação sociológica a segundo plano. Conforme o autor, estes trabalhos se limitam a descrever a forma como a miséria se agravou a partir da queda do Welfare State na Europa e com o processo de reestruturação produtiva que afetou especialmente a América Latina. O mesmo autor ao buscar entender a divisão do trabalho na vida moderna e, conseqüentemente, os efeitos causados por ela nos indivíduos, se ampara aos estudos de Cunha e Torres (2004), que por sua vez recorrem a Norbert Elias. Este mostrou que na modernidade o trabalho deixou de ser uma atividade vil e passou a ser gerador de dignidade e reconhecimento social, causando assim o surgimento de uma moral única e válida para todos. Os referidos autores entenderam que se filiar ao mercado de trabalho coloca-se como regra universal na busca pelo que Taylor ( 2005) chamou de dignidade. Isso ajuda a explicar por que a dimensão econômica da realidade social não determina, sozinha, a configuração das relações sociais. Afirmam que é preciso entender que o conjunto de valores que se institucionalizou na modernidade nos diz o tempo todo que qualquer forma de reconhecimento pessoal, e conseqüentemente dignidade e auto-estima, só é possível quando conseguimos provar nossa utilidade prática na sociedade de mercado (MACIEL, 2004). Ao analisar a tríade trabalho, identidade e cidadania, Fabrício Maciel afirma que um desafio para a identidade moderna é derivado da lógica de isolamento dos indivíduos modernos acirrada ainda mais pela ideologia da flexibilidade do capitalismo contemporâneo. Diz ser essa uma reflexão empreendida por Richard Sennett em seu livro A corrosão do caráter (2000). Para Sennett o caráter dos indivíduos modernos, o que significa sua individualidade subjetiva, é corroído pelo fato de que a flexibilidade não permite a fixação em um emprego e em decorrência a identificação com uma carreira e projetos sólidos e estáveis, o que é indispensável para a identidade individual moderna. Prossegue afirmando que a relação individual com as ocupações é sempre superficial, o que causa uma dificuldade cognitiva de apego a qualquer projeto coletivo. Essa expectativa baseada na obtenção do diploma de curso superior, para construção de carreira profissional a partir de emprego estável, passa a ser uma miragem na sociedade contemporânea. Essa esperança é presente na fala dos jovens sobralenses entrevistados ao afirmarem, quando falaram sobre escolarização e perspectiva de futuro, assim responderam

8 Iniciei aos 5 anos de idade, quero um futuro bem melhor tendo um bom emprego (J2) Comecei a estudar acho que tinha uns 8 anos de idade e sempre procurei dar o melhor de mim, nunca fiquei reprovado e pretendo ir bem mais além, pretendo me formar e ser um bom profissional. (J4) Nos últimos trinta anos perversos de capitalismo global, sob a nova temporalidade histórica do capital (ALVES, 2012), ocorreu a troca espúria dos sonhos coletivos e utopias sociais que caracterizaram o movimento juvenil da contracultura nos anos 1960 no período de crise do fordismo-taylorismo, pelas utopias pessoais, expectativas e valores-fetiches 8 de mercado disseminados pela ordem burguesa neoliberal. Nos locais de trabalho, a ideologia do taylorismo-fordismo deu lugar ao espírito do toyotismo como nova implicação subjetiva da manipulação do capital. Nas condições do capitalismo global, a garantia do emprego interverteu-se na mera empregabilidade. A palavra de ordem no mundo neoliberal é competitividade. É pela concorrência no mercado que o homem burguês tardio, como autoempreendedor, se afirma como individualidade pessoal de classe. 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Na pesquisa Juventude e Trabalho, sobre jovens, suas trajetórias de vida e horizontes de futuro, presente, em curso na cidade de Sobral (LINHARES, 2011), evidenciou-se que o trabalho é tido mais como uma oportunidade do que escolha pessoal, além do que tem como objetivo primeiro contribuir para as despesas da família e as pessoais. Quando se trata de despesas pessoais os jovens referem aos desejos de consumo que pretendem adquirir, em especial quando pensam num futuro promissor, idealizado a partir da possibilidade de adquirir bens de consumo, que os tornem participantes ativos da sociedade salarial. Referida pesquisa com jovens, com idade entre anos, investiga as suas inquietações de vida, seus tempos de incerteza, tensões que emergem quando o presente se 8 Segundo Alves (2012, p. 5) o plano contingente, o precariado possui afinidades eletivas com a nova ordem do capitalismo manipulatório. Diante das rupturas (ou rachaduras) do metabolismo social da ordem burguesa tardia, surgem novos mecanismos de manipulação e reposição de experiências expectantes e valoresfetiches capazes de permitir a reprodução do capital em escala global. Ora, a crise de reprodução social é momento histórico de afirmação de novos valores-fetiches, sonhos e expectativas de mercado capazes de resignificar o controle estranhado do metabolismo social do capital. Deste modo, sob o capitalismo manipulatório com sua sociedade em rede, dissemina, numa proporção inaudita na história humana, o tráfico de sonhos e expectativas de mercados capazes de criar um novo horizonte de realização pessoal estranhado.

9 confronta com o futuro, em situações de impasse e de ameaças de desemprego. As dificuldades de emprego e as necessidades de sobrevivência explicam porque os jovens procuram recorrer aos mais diversos expedientes, aproveitando trabalhos precários arranjando dinheiro nos limites do legal e do ilegal, do legítimo e do ilegítimo, do formal e do informal, situação essa reforçada pela baixa escolarização e pelas ocupações precárias, quando encontram, que são justificadas tanto por essa condição, como pela baixa qualificação 9 para o mundo do trabalho. Para a presidenta do Conselho Nacional de Juventude, Regina Novaes o casamento entre educação e trabalho, no Brasil, vai mal. Se de um lado há jovens fora do mercado de trabalho porque não estão capacitados, estão fora da escola ou atrasados, de outro, existem jovens que chegam à universidade e também não conseguem se inserir. A incerteza, portanto, está muito mais presente, o que exige tanto novas formas de educação como mecanismos de inserção no mercado de trabalho. O objeto circunscrito na proposta da pesquisa, em curso, remete à discussão contemporânea da crise do trabalho e a inserção de jovens no contexto da (des) institucionalização do sistema de educação profissional para formação de jovens trabalhadores em nível técnico, em função das novas exigências do mercado, relacionando o acesso ou não ao primeiro emprego à qualificação ou desqualificação do trabalhador. As análises apontam que o agravamento do desemprego é um fenômeno que compõe a atual etapa de acumulação capitalista, não sendo uma decorrência direta da qualificação ou da desqualificação do trabalhador. Entende-se que a concepção de qualificação, hoje vigente assume uma dimensão ideológica de configurar-se como condição de possibilidade de trabalho, desviando o eixo das determinações estruturais do desemprego e da precarização do trabalho. Tal concepção revela a atual configuração do Estado e das políticas públicas sociais, de caráter neoliberal, que vêm se distanciando do ponto de vista da efetividade do discurso difundido. Para uma compreensão do debate acerca da qualificação e da requalificação dos jovens e sua condicionada inserção no mundo do trabalho, impõe-se a reconstrução de cenários político-econômico e sociocultural, relacionando processos de qualificação no Brasil a fenômenos mais gerais e remetendo às suas determinações fundamentais. É preciso adentrar em uma reflexão crítica acerca da reestruturação do mundo do 9 A esse repeito ver Erivã Velasco (2007)

10 trabalho, para ingressar naquilo que se considera o eixo central desta pesquisa: a idéia que vem se difundindo de que o fenômeno do desemprego entre jovens pobres é conseqüência da desqualificação técnica do trabalhador e da sua pouca ou inexistente escolarização. Tal idéia vem justificando os altos investimentos de recursos públicos, a exemplo do programa de inclusão de jovens, em suas diversas modalidades (PROJOVEM ADOLESCENTE, PROJOVEM URBANO, PROJOVEM TRABALHADOR e PROJOVEM DO CAMPO), dentre outras iniciativas e políticas públicas, cujo foco principal é a qualificação e formação profissional. REFERÊNCIAS ALVES, Giovanni. O enigma do precariado e anova temporalidade histórica do capital. Disponível em: Acesso em 15/09/2012. CARRETEIRO, Tereza Cristina. A doença como projeto: uma contribuição à análise de formas de filiações e desfiliações sociais. In: Sawaia, Bader. (Org). As Artimanhas da Exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Vozes, GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ/SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL (STDS). Projeto Primeiro Passo. Disponível em: (http://www.stds.ce.gov.br/index.php/projetos/63-projetos/282-pimeiro-passo). Acesso em 28/09/2012. INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS APLICADAS (IPEA). PNAD 2006: Primeiras Análises.Brasília/Rio de Janeiro: IPEA, LINHARES. Maria Isabel S. Bezerra. Trajetórias juvenis face aos desafios do mundo do trabalho: experiências sociais e interpretações individuais de jovens sobralenses que buscam o primeiro emprego (pesquisa em andamento desde abril de 2011). MACIEL, Fabrício. Todo trabalho é digno? Um ensaio sobre a moralidade e reconhecimento na modernidade periférica. In: SOUSA, Jessé (0rg.). A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, PAIS, José Machado. Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro. Porto: AMBAR, 2001 POCHMANN, Márcio. Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos. São Paulo, 2007 (mimeo). A batalha pelo primeiro emprego: a situação atual e perspectivas do jovem no mercado de trabalho brasileiro. 2. ed. São Paulo: Publisher Brasil, 2007

11 SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Tradução Marcos Santarrita. Rio de Janeiro, Record, SOUSA, Jessé (0rg.). A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, TAYLOR, Charles. As fontes do self. São Paulo: Loyola, VELASCO, Erivã Garcia. Jovem e qualificação profissional: programas e trajetórias de jovens em busca do primeiro emprego em Mato Grosso. Tese de doutorado em Políticas Públicas. São Luís, MA, 2007.

V SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE A JUVENTUDE BRASILEIRA. TRAJETÓRIAS INCERTAS: jovens e seus dilemas entre a formação para o trabalho e o desemprego

V SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE A JUVENTUDE BRASILEIRA. TRAJETÓRIAS INCERTAS: jovens e seus dilemas entre a formação para o trabalho e o desemprego V SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE A JUVENTUDE BRASILEIRA TEMA: Territórios interculturais de juventude SUBTEMA: 6 Juventude, processos educativos e trabalho Modalidade: Comunicação Oral TRAJETÓRIAS INCERTAS:

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

APRENDENDO A SER TRABALHADOR: ensaiando os primeiros passos no mundo do trabalho

APRENDENDO A SER TRABALHADOR: ensaiando os primeiros passos no mundo do trabalho APRENDENDO A SER TRABALHADOR: ensaiando os primeiros passos no mundo do trabalho RESUMO Processo de produção do conhecimento: progresso de investigação em curso GT18: Restruturação produtiva, trabalho

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

ATITUDE EMPREENDEDORA

ATITUDE EMPREENDEDORA TEMA DO TRABALHO: ATITUDE EMPREENDEDORA NOME COMPLETO E LEGÍVEL: EMPRESA QUE TRABALHA: FAÇA UM X DIA E TURMA DA SUA SIMULTANEIDADE: 2ª feira ( ) 3ª feira ( ) 4ª feira ( ) 5ª feira ( ) 6ª feira ( ) sábado

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010 CAPA Dreamstime 18 Desenvolvimento março/abril de 2010 Como nossos pais? Bruno De Vizia de Brasília Mudança no perfil etário da população, crescimento econômico e melhor acesso à educação ressaltam importância

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social

A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social Maria Jacinta Carneiro Jovino da Silva 1 RESUMO Aborda a desigualdade social entre as

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL, Thais Nogueira UFMG - thaisgil@terra.com.br- GT: Trabalho e Educação/ 09 Agência Financiadora: FUNADESP Este texto apresenta

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Expectativas e projetos de futuro de jovens estudantes do ensino médio.

Expectativas e projetos de futuro de jovens estudantes do ensino médio. XXVII Congreso de la Asociación Latinoamericana de Sociología. VIII Jornadas de Sociología. Asociación Latinoamericana de Sociología, Buenos Aires, 2009. Expectativas e projetos de futuro de jovens estudantes

Leia mais

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 8 Racismo, preconceito e discriminação racial Objetivos: Apresentar aspectos

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

A criatividade a serviço do saber

A criatividade a serviço do saber A criatividade a serviço do saber Walmir Gomes A escola é o espaço responsável pelo desenvolvimento do homem como sujeito de sua história, ela deve prepará-lo para uma socialização com o meio, no entanto

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO PROGRAMA ADOLESCENTE APRENDIZ EXECUTADO PELO TERCEIRO SETOR, NA VIVENCIA ATUAL DOS BENEFICIÁRIOS QUANTO À SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES COTIDIANAS E DE INSERÇÃO AO TRABALHO.

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA

A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA A relação entre loucura e trabalho esteve e continua presente,

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA

MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 1 MOVIMENTO SOCIAL DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UMA PESQUISA BIBLIOMÉTRICA Autores: SOUZA, Juliana S., mestranda CTS UFSCar; Maria Zanin, professora Doutora CTS USFCar Email dos autores: soares.s.juliana@gmail.com;

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Educação e Políticas Sociais no Brasil

Educação e Políticas Sociais no Brasil lucianapsico@yahoo.com.br Educação e Políticas Sociais no Brasil Este trabalho apresenta resultados parciais de uma dissertação de mestrado que vem sendo desenvolvida no Programa de Pós Graduação da Faculdade

Leia mais

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia Diversidade, ensino de História e as práticas educativas na Educação Básica: uma abordagem histórica. ROSYANE DE OLIVEIRA ABREU A escola pública brasileira enfrenta hoje grandes desafios. A começar pela

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

PROTAGONISMO JUVENIL NO CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA APOSTA QUE PODE DAR CERTO

PROTAGONISMO JUVENIL NO CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA APOSTA QUE PODE DAR CERTO PROTAGONISMO JUVENIL NO CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA APOSTA QUE PODE DAR CERTO RESUMO Em um país com 34 milhões de jovens, pensar em políticas para a juventude, considerando suas multiplicidades

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

PERFIL DOS ALUNOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE TERESINA

PERFIL DOS ALUNOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE TERESINA PERFIL DOS ALUNOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE TERESINA * Kezia Costa de Sousa Nathan da Silva Cunha Universidade Federal do Piauí RESUMO O presente trabalho discute a problemática da Educação de

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média Perguntas e Respostas sobre a Definição da 1 Sumário Afinal, o que é classe média?... 3 Por que a SAE/PR propôs uma definição de classe média?... 3 Para que serve uma definição de classe média?... 3 O

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA RESUMO AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA Antônio Dimas Cardoso 1 Vânia Cássia Miranda Mota 2 As condicionalidades são instrumentos primordiais de controle social para acesso e manutenção

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

A IMAGEM JUVENIL NA PERSPECTIVA DA PRÁTICA DOCENTE: AÇÃO DIDÁTICA NA ESCOLA COMO ESPAÇO DE DIVERSIDADE

A IMAGEM JUVENIL NA PERSPECTIVA DA PRÁTICA DOCENTE: AÇÃO DIDÁTICA NA ESCOLA COMO ESPAÇO DE DIVERSIDADE 00444 A IMAGEM JUVENIL NA PERSPECTIVA DA PRÁTICA DOCENTE: AÇÃO DIDÁTICA NA ESCOLA COMO ESPAÇO DE DIVERSIDADE Mara Regina Zluhan Tânia Regina Raitz Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI RESUMO O presente

Leia mais

Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas. Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail.

Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas. Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail. Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail.com Pressuposto: Direito à Convivência Familiar, um direito fundamental de

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000.

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000. IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE: PROJETO CRESCER CHICO XAVIER - Obra Social do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo CNPJ: 26 943 563/0001-07 ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O CONHECIMENTO ACADÊMICO NA INTERFACE COM O CONHECIMENTO DA PRÁTICA: UM RESGATE NECESSÁRIO

O CONHECIMENTO ACADÊMICO NA INTERFACE COM O CONHECIMENTO DA PRÁTICA: UM RESGATE NECESSÁRIO O CONHECIMENTO ACADÊMICO NA INTERFACE COM O CONHECIMENTO DA PRÁTICA: UM RESGATE NECESSÁRIO Gisela Lange do Amaral UNISINOS / IFSUL Rio-Grandense Agência Financiadora: CNPq/MCTI 1. Introdução Nas últimas

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

OBS.: o tema está articulado ao Saber V enfrentar as incertezas.

OBS.: o tema está articulado ao Saber V enfrentar as incertezas. Aventura do Espírito : a Sociologia e a formação de jovens no Ensino Médio Rosemary de Oliveira Almeida - UECE Felícia Maria de Sousa Lima - Escola de Ensino Médio Liceu Vila Velha Judas Tadeu Pereira

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO

PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO CARIAGA, Maria Helena BURGINSKI, Vanda Micheli Esse trabalho busca realizar algumas reflexões acerca do projeto ético-político

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Entre a favela e uma escola de elite: um estudo sobre trajetórias de jovens participantes do projeto Escola da Comunidade

Entre a favela e uma escola de elite: um estudo sobre trajetórias de jovens participantes do projeto Escola da Comunidade Entre a favela e uma escola de elite: um estudo sobre trajetórias de jovens participantes do projeto Escola da Comunidade Autora: Amanda Prado de Oliveira. Universidade de São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Entrevista com Bernard Charlot

Entrevista com Bernard Charlot Entrevista Entrevista com Bernard Charlot A crise da educação pública brasileira é um dos temas dessa entrevista concedida pelo professor Bernard Charlot, 65 anos, em Juiz de Fora. Doutor em Educação

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR-PESQUISADOR NO COTIDIANO ESCOLAR

IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR-PESQUISADOR NO COTIDIANO ESCOLAR IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR-PESQUISADOR NO COTIDIANO ESCOLAR Stela de Oliveira 1 Mônica Aparecida de Macedo Golba 2 Apoliana Regina Groff 3 RESUMO: Objetivando problematizar a importância de se fazer pesquisa

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças.

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Camila Cerqueira dos Santos SILVA (FE/UFG) camilacerqueira@hotmail.com Ivone Garcia BARBOSA (FE/UFG) ivonegbarbosa@hotmail.com

Leia mais

A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte *

A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte * DOI: 10.1590/1807-57622013.0890 A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte * criação The art of survival or about experience of art El arte de la sobrevivencia o sobre la vivencia del arte Carla

Leia mais