CENTRAIS DE RELACIONAMENTO COM OS CLIENTES DO SISTEMA SEBRAE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRAIS DE RELACIONAMENTO COM OS CLIENTES DO SISTEMA SEBRAE"

Transcrição

1 REFERÊNCIIAS PARA IIMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO DE CENTRAIIS DE RELACIIONAMENTO NO ÂMBIITO DO SIISTEMA SEBRAE Brasília/DF, Junho de 2007.

2 APRESENTAÇÃO O documento Referências para Implementação e Operação de Centrais de Relacionamento no Âmbito do Sistema SEBRAE é resultado de trabalho coletivo, com a participação de diversos colaboradores do Sistema e foi construído a luz da prioridade estratégica Revolucionar o Atendimento Individual, com especial destaque para a macro diretriz que prioriza iniciativas destinadas a revolucionar o Atendimento Individual Virtual, visando multiplicar, sem perda de qualidade, a quantidade de empreendedores e MPE atendidas, constante do direcionamento estratégico A adoção de um modelo de construção coletiva, com a participação de diversos agentes do Sistema SEBRAE, buscou o desenvolvimento de um referencial próprio para as Centrais de Relacionamento SEBRAE. Procurou-se, dessa forma, agregar o conhecimento das realidades regionais e respeitar as características e possibilidades locais. A intenção foi de não impor modelos pré-determinados, mas o desenvolvimento de modelo construído de maneira o mais participativa possível. Cabe ressaltar, que a pretensão deste documento é estabelecer referências para o Sistema e que, as etapas de implementação e operação das centrais de relacionamento serão adaptáveis segundo a realidade de cada SEBRAE/UF, em conformidade com o referencial ora proposto. Em sua primeira parte, o documento aborda as referências conceituais das centrais de relacionamento passando a tratar, na segunda parte, das referencias numa dimensão mais operacional. Foram, assim, contemplados diversos aspectos que podem fornecer as bases para a implantação das CENTRAIS DE RELACIONAMENTO COM OS CLIENTES DO SISTEMA SEBRAE, que nasce a partir da idéia fundamental de contribuir para viabilizar a presença do SEBRAE a qualquer hora em qualquer lugar de maneira consistente e harmoniosa em todo o País. Referenciais Módulo I 2/73

3 ORGANIZAÇÃO DO DOCUMENTO Em função da extensão e com o intuito de facilitar a consulta e o manuseio, este documento está dividido em 2 Módulos e Anexos, a saber: O Módulo I Referências Conceituais Apresenta uma Introdução, o capítulo O Telemarketing e a Visão de Central de Relacionamento SEBRAE ; o capítulo Central de Relacionamento X Call Center ; o capítulo Diagnóstico Situacional Resumido Realidade do Sistema SEBRAE ; o capítulo Modelo Conceitual - Central de Relacionamento SEBRAE, que envolve as referências conceituais e estratégicas do Modelo de Atendimento e do Modelo de Call Center e um tópico sobre as Principais Características das Centrais de Relacionamento SEBRAE. O Módulo II Referências Operacionais Apresenta uma Introdução, o capítulo Considerações sobre o Modelo de Contratação enfocando aspectos sobre a implementação de centrais totalmente com recursos próprios e, terceirizadas total ou parcialmente. O capítulo Orientações para o Processo de Migração para o Número Único (0800). O capítulo Considerações sobre Implementação de Centrais de Atendimento apresenta os aspectos a serem considerados em cada um dos componentes do Modelo de Call Center. O capítulo Visão de Futuro apresenta os objetivos futuros das Centrais de Relacionamento SEBRAE, acompanhados de um cronograma estimativo dos objetivos de curto, médio e longo prazos. Os itens subseqüentes, apresentam: Os principais sites sobre call center e legislação e regulamentação do setor; Uma bibliografia básica para a área de atendimento ao cliente e centrais de atendimento; e Os Anexos com: Um glossário com os principais termos utilizados no setor de Centrais Atendimento; O modelo de scritps utilizado pela Central de Atendimento de Santa Catarina; O Código de Ética do Probare - PROGRAMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES E CONSUMIDORES (CALL CENTER/ CONTACT CENTER/ HELP DESK/ SAC/ TELEMARKETING); Referenciais Módulo I 3/73

4 As planilhas de consolidação das Centrais de Atendimento Atuais; A PORTARIA N 09, DE 30 DE MARÇO DE 2007 Aprova o A nexo II da NR-17 Trabalho em Teleatendimento/Telemarketing; e A Descrição dos Tipos de Relatórios de Gestão. Referenciais Módulo I 4/73

5 RESUMO EXECUTIVO A diretriz estratégica da Revolução do Atendimento Individual, particularmente em relação à adoção de número 0800 único, ampliará a visibilidade de todo o sistema SEBRAE perante o mercado, seja pela nova forma de atendimento, pela divulgação que se pretende dar a essa nova estratégia e também pelas metas a serem alcançadas no atendimento telefônico. Nesse novo contexto, novos desafios se apresentarão e os paradigmas atuais de atendimento darão lugar a novos, mais condizentes com a futura realidade da Revolução do Atendimento SEBRAE. O universo de atendimento atual do sistema SEBRAE contempla unidades sem infraestrutura formal de atendimento, até centrais de atendimento já estruturadas, com recursos próprios e/ou terceirizados. Assim, dados os diferentes estágios de desenvolvimento do atendimento dessas unidades, cada uma tem diferentes necessidades, conquanto, o objetivo primário seja um só, o de se adequar às características e pressupostos da Revolução do Atendimento individual. A pluralidade de condições existentes nos SEBRAE/UF, as especificidades locais e características regionais impactarão diretamente na configuração dos ambientes das centrais de relacionamento de cada estado, bem como dos serviços de atendimento a serem prestados num primeiro momento. A realidade das 17 centrais de relacionamento em operação ou em fase de implantação atualmente, cujas características estão consolidadas e apresentadas em anexo neste documento, mostra-nos um quadro bastante elucidativo, em relação aos vários formatos de implementação utilizados, aos tipos de contratação, de serviços de atendimento, de tecnologias de recursos humanos e de tamanho. Referenciais Módulo I 5/73

6 Cabe considerar também os esforços consideráveis que tem sido feitos pelo sistema SEBRAE em prol da concretização da diretriz estratégica de Revolucionar o Atendimento Individual. Esforço do qual este trabalho faz parte. Nesse sentido, este trabalho é fruto de um esforço coletivo e se assenta sobre dos trabalhos que o precederam, particularmente, o Modelo de Atendimento SEBRAE, a partir do qual extrai sua conceituação e suas definições estratégicas. A partir do Modelo de Atendimento deriva-se também o Modelo de Call Center, que busca dar forma e escopo ao contexto das centrais de relacionamento de modo a viabilizar o Modelo de Atendimento. O entendimento sobre a posição que as Centrais de Relacionamento ocupam, a partir do Modelo de Atendimento, está ligado a uma das maneiras pela qual o cliente ingressa no ambiente SEBRAE. Esse posicionamento, juntamente com a adoção do serviço 0880 com número único, refletem a importância do papel das Centrais de Relacionamento para o SEBRAE, pois será através delas que milhares de clientes, existentes e novos passarão a interagir com o SEBRAE. Face ao exposto, buscou-se no documento apresentar características, funcionalidades, serviços, tecnologias e demais aspectos, no sentido de prover um cenário a partir do qual, cada SEBRAE/UF pudesse identificar aqueles aspectos que mais se adequassem à sua realidade. Assim, o documento REFERÊNCIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO DE CENTRAIS DE RELACIONAMENTO NO ÂMBITO DO SISTEMA SEBRAE tem pois, um caráter eminentemente de referência orientativa, ou seja, seu propósito primário é o de tratar, da forma mais ampla possível as possibilidades de implementação de centrais de atendimento para o sistema SEBRAE. Consoante aos objetivos propostos, as considerações apresentadas ao longo do documento não são postuladas em caráter compulsório, mas sim como possibilidades ou opções, que Referenciais Módulo I 6/73

7 podem ser utilizadas no todo ou em parte, e mesmo até agrupadas, como no caso dos serviços e perfis profissionais, onde não se determina a necessidade de todos os serviços e perfis considerados. A título de exemplo, vários serviços podem ser atribuídos a um determinado perfil ou, uma função agregar as atribuições de mais de um perfil profissional. Eventualmente, podem ocorrer alguns casos onde não se aplique perfis ou serviços em função do porte da central ou dos objetivos iniciais. O fator determinante será sempre a realidade dos SEBRAE/UF. Assim, a aplicação ou não de um serviço, perfil ou funcionalidade tecnológica, será determinada em função dos requisitos definidos para as centrais de relacionamento de cada SEBRAE/UF, As variações podem abranger os serviços, o tamanho, a forma de contratação, se próprio ou terceirizado com suas variantes, as funcionalidades tecnológicas, só para citar algumas das particularidades que deverão ser abordadas em cada central de relacionamento dos SEBRAES/UF. Em que pese tal multiplicidade de fatores a serem considerados, deve-se por outro lado, observar que o processo para a implementação de uma central de relacionamento é, em termos práticos, invariante. Há sempre que seguir alguns passos nesse trabalho, a saber: a definição estratégica, a forma de contratação, a definição dos processos, da tecnologia, dos recursos humanos, da infra-estrutura e da gestão. Sob o aspecto operacional, a seqüência de praxe utilizada é: o projeto, a contratação, a implementação, a operação e a gestão. Assim, ressalvando-se as particularidades de cada forma de contratação, e da realidade de cada SEBRAE/UF, aplicam-se em todos os casos as considerações apresentadas nos documentos sobre o Modelo de Atendimento e o Modelo de Call Center. Referenciais Módulo I 7/73

8 MÓDULO I REFERÊNCIAS CONCEITUAIS Referenciais Módulo I 8/73

9 ÍNDICE I.1. INTRODUÇÃO I.1.1. HISTÓRICO I.1.2. O TELEMARKETING E A VISÃO DE CENTRAL DE RELACIONAMENTO SEBRAE I.2. CENTRAL DE RELACIONAMENTO X CALL CENTER I.3. DIAGNÓSTICO SITUACIONAL RESUMIDO A REALIDADE DO SISTEMA SEBRAE I.4. MODELO CONCEITUAL CENTRAL DE RELACIONAMENTO SEBRAE I.4.1. MODELO DE ATENDIMENTO I FUNDAMENTOS DO ATENDIMENTO I PILARES DO ATENDIMENTO I COMPONENTES I CONCEITUAÇAO DOS COMPONENTES DO ATENDIMENTO I VISÃO DO MODELO DE ATENDIMENTO I OBJETIVOS DO MODELO DA CENTRAL DE RELACIONAMENTO SEBRAE. 27 I DIRETRIZES DE ATENDIMENTO I REFERÊNCIAS INSTITUCIONAIS E TÉCNICAS I SEGMENTAÇÃO DOS MERCADOS I COMPONENTES DA ESTRATÉGIA OPERACIONAL DO ATENDIMENTO I ESTRATÉGIA GERAL I O MODELO DE ATENDIMENTO SEBRAE I INSTRUMENTOS DE ATENDIMENTO I CATEGORIAS DE ATENDIMENTO I ABORDAGENS I MÉTRICAS I ESCLARECIMENTOS E DEFINIÇÕES I FLUXO DO PROCESSO DE ATENDIMENTO I CRITÉRIOS PARA REGISTRO/COMPROVAÇÃO DE ATENDIMENTOS.. 55 I PRODUTOS E SERVIÇOS Referenciais Módulo I 9/73

10 I ESTRATÉGIA DE ATENDIMENTO I ESTRATÉGIAS DE MANUTENÇÃO E FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES I.4.2. MODELO DE CALL CENTER I.4.3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CENTRAIS DE RELACIONAMENTO Referenciais Módulo I 10/73

11 I.1. INTRODUÇÃO Ao longo dos anos o SEBRAE implementa melhorias contínuas para aumentar a eficácia e eficiência nos processos de atendimento junto ao segmento das Micro e Pequenas Empresas e Potenciais Empreendedores. Ao definir em seu direcionamento estratégico a priorização do Atendimento Individual, tanto presencial como virtual, visando multiplicar, sem perda de qualidade, a quantidade de empreendedores e MPE atendidas, a Instituição estabeleceu um novo marco em sua história. Um momento de renovação na sua relação com as MPE e com os futuros empresários. A pretensão é ampliar significativamente a capacidade de ação da instituição, por meio de um processo de atendimento individualizado de alta performance, e de um posicionamento que permita aumentar o patamar do apoio, da capacitação, do aconselhamento e da orientação individual, como estratégia para viabilizar o incremento da presença da instituição junto ao seu público. Para garantir a harmonia desse processo de mudança e garantir a qualidade dos serviços prestados pelo SEBRAE, todo o Modelo de Atendimento está sendo redesenhado, considerando, dentre outros fatores, os canais de comunicação atualmente existentes, todas as interfaces com os clientes e suas linhas de produtos. Além disso, novos meios de comunicação, que atendam aos interesses das MPE, estão sendo considerados e incorporados no âmbito de uma estratégia voltada a revolucionar os níveis de atendimento. É nesse contexto, que uma das principais ferramentas será a central de relacionamento SEBRAE. Atualmente conhecida como call center. As Centrais de Relacionamento surgirão como ferramenta poderosa que propiciará ao Cliente SEBRAE acesso à Instituição a qualquer hora em qualquer lugar. Referenciais Módulo I 11/73

12 I.1.1. HISTÓRICO Tudo começou em Berlim, em 1880, quatro anos após Alexander Graham Bell ter patenteado o telefone. Logo após a invenção do telefone, alguns comerciantes começaram a utilizar este meio para oferecer aos seus clientes, que eram cadastrados em cadernetas, ofertas adicionais. No entanto, pela própria limitação do número de terminais instalados na época, o telemarketing só alcançou magnitude nos EUA na década de 60. O Telemarketing foi um marco importante para consolidar a forma de fazer marketing à distância, através do desenvolvimento de tecnologia de telecomunicações. Inicialmente foi utilizado com o propósito de realizar pesquisas e vendas com larga cobertura geográfica e a custos menores do que os vendedores tradicionais. Apenas no início da década de 70 que a Ford Motor Company realizou a primeira atividade organizada de relacionamento em massa pelo telefone, quando cerca de donas-decasa contratadas para qualificar clientes potenciais para os novos modelos de automóveis. Estava iniciada então uma revolução no relacionamento empresa-cliente, que se dá até os dias de hoje. Na década de 80, as grandes empresas começaram a organizar o atendimento a clientes via telefone em grandes estruturas, porém ainda com baixa automação e organização de processos. Para o Call Center, a década de 90 foi caracterizada pela corrida nos números Os clientes cada vez mais chamavam as empresas para novas compras, serviços ou reclamações. Essa foi a década em que a tecnologia se aliou às estratégias de relacionamento com o cliente. Os centros de atendimento proliferaram e centenas de milhares de operadores foram contratados para atender ou ligar para clientes. Só para se ter uma idéia da importância do setor no Brasil, hoje trabalham neste segmento 1 milhão de pessoas. Referenciais Módulo I 12/73

13 O telemarketing, atualmente, é ferramenta de marketing utilizada em empresas de todos os setores da economia, favorecendo, no mercado, o crescimento de empresas especializadas na fabricação e revenda de equipamentos para Call Center, prestadoras de serviços de terceirização de telemarketing e de consultorias. I.1.2. O TELEMARKETING E A VISÃO DE CENTRAL DE RELACIONAMENTO SEBRAE A racionalização dos custos, o aumento da produtividade, a melhoria da qualidade e a permanente busca por patamares mais elevados de resultados deixaram de ser um diferencial de poucos e tornou-se uma condição básica de sobrevivência para todas as instituições, sejam elas públicas ou privadas. A constatação desse fato deve-se a conscientização, cada vez maior, da importância do cliente, pelo próprio cliente, dentro do tênue equilíbrio eco sistêmico existente entre a sociedade consumidora e os setores produtivos. Adicionando a esse fato o acesso a toda e qualquer tipo de informação, a qualquer momento e em qualquer lugar, que a era da sociedade do conhecimento possibilita, temos como resultado uma capacidade de decisão e escolha nunca antes obtida na história da humanidade. Dentro desse cenário surge um interminável, e incessante, círculo de procura por métodos e canais inovadores que possam trazer as instituições a patamares sempre mais elevados de satisfação de seus clientes e, para que essa satisfação seja construída de forma sustentável, é fundamental que tenha como base uma estratégia bem definida de relacionamento com o cliente. A missão do SEBRAE e a abrangência de suas ações tornam imprescindíveis, no momento atual, que seus métodos de operação e suas ferramentas tenham o dinamismo e a eficiência que uma Central de Relacionamento pode proporcionar em função de suas principais possibilidades, quais sejam: Referenciais Módulo I 13/73

14 Criar um canal de comunicação rápido e direto entre as ações da instituição e seus públicos; Aumentar o volume dos atendimentos não presenciais; Aumentar o volume dos atendimentos presenciais; Aumentar a capilaridade do sistema SEBRAE; Alavancar a força de venda dos diversos produtos; Apoiar a promoção de projetos; Auxiliar na formação e atualização dos bancos de contatos de parceiros e clientes; Atender o cliente de forma personalizada e humana; e Fornecer informações com qualidade e conteúdo. O segmento de Call Center segue em franca expansão no mundo. No Brasil recebe investimentos em novas tecnologias, emprega cerca de 1 milhão de pessoas e movimenta atualmente um valor de aproximadamente 8 bilhões de reais por ano. I.2. CENTRAL DE RELACIONAMENTO X CALL CENTER As Centrais de Relacionamento estarão alinhadas com todos os canais de comunicação entre o SEBRAE e o Cliente e, ao longo do tempo, espera-se que a sensação de um ambiente único se estabeleça no Sistema SEBRAE. Para tanto, as ações que hoje se denominam de ações de Call Center migrarão para o ambiente de Central de Relacionamento SEBRAE, assim como acontecerá com as demais interfaces com clientes existentes. Espera-se minimizar alguns aspectos limitadores dessa tecnologia, incorporando novas tecnologias e métodos que permitam um alto grau de pessoalidade no atendimento, acompanhamento dos clientes, medição dos níveis de satisfação em tempo real e a retro alimentação do Sistema, a partir das informações que o próprio cliente disponibilizará. Referenciais Módulo I 14/73

15 Espera-se uma evolução gradual e planejada na operação do Sistema SEBRAE, permitindo, dentro de prazos razoáveis, que o cliente tenha em todas as interfaces com o SEBRAE a mesma sensação, com características e valores únicos, linguagem adequada, formas assertivas e claras de atendimento, compatíveis com as necessidades e desejos do Cliente e com padrões, no mínimo, excelentes. Esta ousadia é fundamental para que não se revista o velho de novo. O que se propõe, para que de fato se revolucione o atendimento, é a partir de uma matriz tecnológica conhecida (o telefone) se crie um novo conceito de atendimento, aprimorando os métodos e convergindo para um Modelo unissonante de Atendimento. Nesse sentido, a Central de Relacionamento, deve ser entendida como o ambiente que retrata os processos de interação da instituição com seus clientes, integrando todos os canais de relacionamento e comunicação: SEBRAE <> CLIENTE. Ou seja, a Central de Relacionamento deve espelhar o Modelo de Call Center adotado, que por sua vez, traduz e espelha o papel que lhe foi destinado no Modelo de Atendimento SEBRAE, assim como todos os pressupostos, diretrizes e prioridades estratégicas da organização. A figura a seguir denota a relação entre estes elementos: REFERÊNCIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO DE CENTRAIS DE RELACIONAMENTO NO ÂMBITO DO SISTEMA SEBRAE Modelo de Call Center Diretrizes; Prioridades Estratégicas; Metas; Ações. Modelo de Atendimento Referenciais Módulo I 15/73

16 I.3. DIAGNÓSTICO SITUACIONAL RESUMIDO A REALIDADE DO SISTEMA SEBRAE Existem no Sistema SEBRAE 15 Unidades de Call Center em operação e duas em fase de implantação. As unidades que possuem estrutura de atendimento com PA s e operadores de teleatendimento utilizam sistema próprio (desenvolvido internamente) ou ainda o sistema SIACNET modificado de suas funções originais. Os sistemas atuam mais fortemente no registro dos atendimentos realizados do que nas informações prestadas ou nas dúvidas existentes. O histórico, quando existente, é de qual tipo de consultoria o cliente fez uso ou ainda o que foi comprado e quando. O perfil encontrado nos sistemas e das próprias centrais de atendimento ao cliente SEBRAE é de venda de algum produto ou serviço, ou seja, tem objetivo principal na comercialização de cursos, seminários, publicações e consultoria. O operador não consegue dar informações padronizadas, pois não possui um script préformatado e unificado. Obs.: Existem tipos de informações que podem ser formatadas em script e outra não. Existem casos onde existem scripts apenas de orientação ao operador, como deve proceder em caso de... ou para..., não se trata de script para a informação do cliente. Em resumo, o acesso às informações não é facilitado. O cliente, geralmente, recebe as informações somente via consultorias, apostilas, curso, etc. Referenciais Módulo I 16/73

17 O Anexo 03 apresenta uma consolidação dos questionamentos realizados junto aos SEBRAE/UF que possuem Centrais de Atendimento ou estão em fase de contratação. I.4. Modelo Conceitual Central de Relacionamento SEBRAE I.4.1. MODELO DE ATENDIMENTO O Modelo de Atendimento nas CENTRAIS DE RELACIONAMENTO SEBRAE representa a forma, a lógica e os processos utilizados, pelos quais a organização aborda, compreende e leva soluções ao público que acessa o SEBRAE por meio de sua central de relacionamento. A denominação central de relacionamento remete, em um primeiro momento, somente às centrais de atendimento telefônico ou Call-Centers, ou ainda Centrais de Atendimento. É de fundamental importância que se vislumbre que a tendência é convergir para um modelo único de atendimento em todo o Sistema SEBRAE, seja por quais meios forem. É prioritário, por tanto, que se cunhe um nome que traga todo o significado dessa convergência. Um nome versátil e de fácil assimilação por todos. Que simbolize O Ambiente SEBRAE de Atendimento. Tal esclarecimento se faz necessário para que não se perca de vista que, apesar deste documento tratar especificamente dos referenciais para o novo Modelo de Atendimento via telefone, a nomenclatura para as centrais de relacionamento deve ser aplicável a todas as interfaces SEBRAE CLIENTE. Ao contatar o SEBRAE, por telefone, internet ou presencialmente, o cliente deverá, após um período adequado, que viabilize o processo de convergência do Modelo de Atendimento, ter a sensação de estar entrando em um ambiente único. A percepção de tal unidade, não deverá se dar somente pela marca, identidade visual ou histórica do SEBRAE, junto à comunidade empresarial e empreendedora, mas, sobretudo, pela excelência e unidade no atendimento. Um SEBRAE unissonante, a qualquer hora e em qualquer lugar. Referenciais Módulo I 17/73

18 CONVERGÊNCIA: UM SEBRAE UNISONANTE É relevante posicionar o documento de REFERÊNCIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO DA CENTRAL DE RELACIONAMENTO dentro do contexto que se pretende para o MODELO DE ATENDIMENTO DO SISTEMA SEBRAE e consoante o Modelo de Call Center. Nos gráficos apresentados a seguir, pretende-se possibilitar a visualização de diferentes momentos de convergência, de sua evolução e o do resultado final que se pretende obter. Tais momentos não serão necessariamente marcados por um mesmo lapso temporal, uma vez que as realidades locais são distintas e devem ser respeitada para que, efetivamente, exista a convergência para um modelo único, harmonioso e com elevado índice de satisfação dos clientes atendidos. VISUALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DO MODELO DE ATENDIMENTO MOMENTO 1 O SEBRAE com múltiplas interfaces com os clientes. Algumas delas com algum nível de inter-relação, outras isoladas, apenas iniciando um processo de integração. Referenciais Módulo I 18/73

19 MOMENTO 2: Já com elevado índice de interação inicia-se processo de convergência para uma interface única entre o SEBRAE e o CLIENTE. MOMENTO 3: O processo de integração e convergência atinge todas as dimensões de interfaces com o cliente. Referenciais Módulo I 19/73

20 CONVERGÊNCIA FINAL Referenciais Módulo I 20/73

21 SEBRAE unissonante. A Qualquer Hora em Qualquer Lugar. Referenciais Módulo I 21/73

22 I FUNDAMENTOS DO ATENDIMENTO Os principais fundamentos que orientam e conferem sentido ao modelo de atendimento são a Missão institucional do SEBRAE e sua Visão de futuro: Referenciais Módulo I 22/73

23 I PILARES DO ATENDIMENTO O atendimento do SEBRAE está estruturado em duas principais vertentes, ou canais de comunicação com o cliente: o atendimento presencial (pilar 1) e o atendimento à distância (pilar 2). Estes são os pilares que dão sustentação a todo o processo de atendimento e apóiam-se sobre os fundamentos Missão e Visão de Futuro. ATENDIMENTO SEBRAE I COMPONENTES Perpassando todo o processo de atendimento, componentes conceituais dão sustentação ao modelo, direcionando-o por meio de conhecimentos nas áreas do Marketing, da Educação e da Comunicação, tendo o enfoque do marketing o papel de promover a conexão entre as demais abordagens. A representação dos pilares envolvidos pelos componentes ( o marketing, a educação e a comunicação) não se constitui em uma escolha aleatória, ela decorre da constatação da existência de relações consistentes entre o processo de atendimento e os referidos componentes. Referenciais Módulo I 23/73

24 Essas relações podem ser compreendidas observando-se que em todo o processo de atendimento é fundamental uma visão crítica do mercado do SEBRAE, dos segmentos que se pretende atingir, da estratégia de relacionamento, do processo educacional que a relação SEBRAE / Cliente representa e da necessidade de uma comunicação efetiva e consistente que permita um adequado processo de interação. Referenciais Módulo I 24/73

25 I CONCEITUAÇAO DOS COMPONENTES DO ATENDIMENTO A. O MARKETING Os conhecimentos do marketing mais relacionados com o modelo e, que lhe conferem um direcionamento voltado ao atendimento das necessidades do cliente, dizem respeito às seguintes questões: o MARKETING DE RELACIONAMENTO É um conjunto de ações sistematizadas por meio do qual o cliente torna-se o centro de toda atenção da organização em tempo integral. Com isso, as organizações podem projetar e lançar ações voltadas aos clientes, buscando sempre que estes estejam cada vez mais próximos de seus produtos e serviços, de forma a utilizá-los e recomendá-los a inúmeras pessoas. o O MERCADO: O AMBIENTE DE MARKETING O contexto do macro ambiente nos aspectos demográficos, econômicos, naturais, políticos legais, tecnológicos, socioculturais e competitivos; o VISÃO DE MERCADO Compreensão da total interdependência e influência recíproca das diversas áreas do SEBRAE, entre desenvolvimento de soluções, oferta e distribuição de produtos e serviços para o público; o MERCADO-ALVO SEGMENTAÇÃO Conjuntos homogêneos de clientes que devem ser identificados como alvo a ser atingido pelo Sistema SEBRAE. Referenciais Módulo I 25/73

26 B. A EDUCAÇÃO Na área de educação, onde se busca adotar uma visão sistêmica e a valorização do processo integrado do conhecimento, incluindo a autonomia no processo de aprendizagem, a criatividade, a intuição, a síntese e o pensamento não linear, destaca-se a concepção integrada do SEBRAE, inspirada na abordagem proposta pela Comissão sobre Educação para o século XXI da UNESCO, que propõe os seguintes pilares-base: O APRENDER A CONHECER APRENDER A FAZER APRENDER A SER / CONVIVER C. A COMUNICAÇÃO No que se refere à comunicação o foco está direcionado para a interação/interatividade, onde estratégias inovadoras são definidas, a partir da decisão de transformar a prática fundamentada na informação, em uma estrutura de atendimento flexível, dinâmica e articulada. A estratégia do atendimento, tendo como componentes fundamentais o marketing, a educação e a comunicação, busca como conseqüência prática, que todos os produtos e serviços oferecidos ao cliente SEBRAE, bem como o instrumental de suporte ao processo de atendimento, considerem sempre as questões inerentes ao marketing, Referenciais Módulo I 26/73

27 tragam consigo uma visão educacional e, produzam uma comunicação adequada ao publico alvo. Cabe destacar que a comunicação ocupa papel de extrema relevância, por ser parte integrante dos próprios produtos e serviços e, por exercer o papel de fio condutor na relação do SEBRAE com seus clientes. I VISÃO DO MODELO DE ATENDIMENTO A partir dos fundamentos, pilares e componentes estabelecidos constrói-se uma visão específica para o modelo de atendimento, que tenha a capacidade de sintetizar de forma objetiva o alvo a ser perseguido, e demonstrar a grandiosidade do desafio a ser vencido: VISÃO DO MODELO DE ATENDIMENTO O público atendido pelo SEBRAE representa uma grande parcela da população, onde as competências para fazer escolhas apropriadas entre empreender ou não e a prática de atividades empresariais encontram-se altamente desenvolvidas. I OBJETIVOS DO MODELO DA CENTRAL DE RELACIONAMENTO SEBRAE Contribuir para uma operação harmoniosa das centrais de relacionamento do Sistema SEBRAE, desenvolvendo uma unidade visual e comunicacional, disponibilizando tecnologias adequadas às demandas dos clientes, possibilitando o atendimento de qualquer cliente Referenciais Módulo I 27/73

28 SEBRAE, a qualquer hora em qualquer lugar, com o mesmo padrão de atendimento, de modo a viabilizar: Estabelecimento de uma relação de acolhimento de todos os clientes que desejarem acessar o SEBRAE; Permanência da marca SEBRAE, na mente do cliente atendido, como uma referência de excelência em atendimento e assertividade no repasse de informações; Disponibilidade para o atendimento de clientes, utilizando as tecnologias mais adequadas para cada tipo de cliente, nos meios que melhor atendam a cada demanda, repassando informações com alto grau de aproveitamento prático; O estabelecimento de um direcionamento único para o Sistema, focando suas atividades em função das necessidades e demandas percebidas de segmentos de público específicos. O incremento da eficácia do atendimento, a partir de um modelo lógico que vincule as necessidades/demandas dos clientes, às soluções mais adequadas, existentes no âmbito do SEBRAE, de parceiros ou aquelas disponíveis no mercado. O armazenamento e processamento de informações relevantes, que permitam um acompanhamento consistente da trajetória de atendimento do cliente no âmbito do Sistema SEBRAE, de maneira a permitir recomendar produtos e serviços, com base em experiências vivenciadas anteriormente e despertar no cliente a sensação de total atenção às suas necessidades. O desenvolvimento de novos produtos e serviços a partir das necessidades e demandas dos clientes, observadas no processo de atendimento. A avaliação constante do processo de atendimento em relação a sua eficiência e dos resultados obtidos (eficácia) e do sentimento e percepção do cliente, a fim de estreitar, continuamente a relação cliente <> SEBRAE; e A plena satisfação do cliente. Referenciais Módulo I 28/73

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA

PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA Coordenadora: Gláucia Centeno 13/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais com

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ.

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ. EDITAL DE CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS Nº 01/2010. PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA UFSJ DE SÃO JOÃO DEL REI (INDETEC) O presente edital regulamenta o processo de recrutamento,

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Internacionalização e Localização de Software AGENDA

Internacionalização e Localização de Software AGENDA Internacionalização e Localização de Software ExpoGestão - 2006 for International Software Business Ernani Ferrari AGENDA Planejando-se a Internacionalização Razões para internacionalizar Abordagens e

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades.

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades. TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de consultoria especializada para desenvolvimento dos serviços técnicos necessários à elaboração da metodologia para a estruturação da Rede de Parceiros para o

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

A EFICÁCIA DE CURSOS A DISTÂNCIA PARA A FORMAÇÃO DE AGENTES DE METROLOGIA LEGAL E FISCAIS DA QUALIDADE

A EFICÁCIA DE CURSOS A DISTÂNCIA PARA A FORMAÇÃO DE AGENTES DE METROLOGIA LEGAL E FISCAIS DA QUALIDADE 1 A EFICÁCIA DE CURSOS A DISTÂNCIA PARA A FORMAÇÃO DE AGENTES DE METROLOGIA LEGAL E FISCAIS DA QUALIDADE Rio de Janeiro, RJ, Maio 2012 Categoria: F - Pesquisa e Avaliação Setor Educacional: 5 Classificação

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais