Saúde e Trabalho: Indicadores de prazer e sofrimento em trabalhadores de Call Center

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Saúde e Trabalho: Indicadores de prazer e sofrimento em trabalhadores de Call Center"

Transcrição

1 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Psicologia Trabalho de Conclusão de Curso Saúde e Trabalho: Indicadores de prazer e sofrimento em trabalhadores de Call Center Aluna: Priscila Cavalcante Freitas Orientador: Prof. MSc. Celso Aleixo de Barros Co-Orientadora: Profª. MSc. Lúcia Henriques Sallorenzo AGRADECIM Brasília - DF

2 SUMÁRIO RESUMO I REFERENCIAL TEÓRICO 1.1 A importância do Trabalho...pág Saúde Mental e Trabalho...pág O Trabalho em Call Center...pág 9 II OBJETIVOS Geral...pág Específico...pág 10 III METODOLOGIA 3.1 Participantes...pág Instrumentos...pág Procedimentos...pág Coleta de Dados...pág Análise de Dados...pág 13 IV RESULTADOS E DISCUSSÃO...pág 13 V CONSIDERAÇÕES FINAIS...pág 21 VI REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...pág 23 VII - ANEXOS...pág 25 2

3 Agradecimentos Primeiramente a Deus pelo dom da vida e pela minha família que sempre esteve ao meu lado me apoiando na realização deste sonho. Em especial ao meu avô Arlindo e minha mãe Shirley que abriram mão de alguns desejos pessoais para ajudar a concluir minha graduação. Ao meu amado pai Bernardino (in memoriam) que sempre acreditou em mim, mesmo que eu duvidava. Ao meu esposo que sempre esteve ao meu lado, com seu carinho e paciência. Agradeço em especial, ao meu Mestre-Orientador, Celso Aleixo de Barros, por todos os puxões de orelha que me ajudaram a crescer e chegar onde estou hoje. Minha sincera e profunda admiração pelo profissional que és. Agradeço em especial a Professora Lúcia Sallorenzo que me orientou nesta reta final. Deixo expresso aqui meu muito obrigada e minha admiração. 3

4 DEDICATÓRIA A minha família que sempre esteve presente me apoiando e me dando forças. 4

5 RESUMO Este trabalho apresenta uma pesquisa sobre os indicadores de risco de adoecimento no trabalho de trabalhadores de um Call Center do DF. A pesquisa aconteceu em dois momentos, sendo o primeiro composto pelo levantamento bibliográfico acerca dos teóricos que abordam o tema da pesquisa, como saúde mental e trabalho. O segundo momento do trabalho consistiu na pesquisa de campo com 30 trabalhadores da organização. O instrumento utilizado foi o Inventário de Trabalho e Riscos de Adoecimento (ITRA), FERREIRA, e MENDES (2009), que é composto por quatro escalas interdependentes para avaliar quatro dimensões da inter-relação trabalho e riscos de adoecimento. Os dados apontam que esses trabalhadores se apresentam em uma avaliação moderada, crítica que pede certa atenção por na maioria dos casos está próximo à margem do que podemos considerar como grave, que chegam a ocasionar o adoecimento destes trabalhadores podendo-se destacar que o ritmo de trabalho é excessivo, as tarefas são repetitivas, usar as mãos e olhos de forma contínua, dores no corpo e os aspectos psíquicos, como: estresse, esgotamento emocional e desvalorização. Palavras-chave: trabalho, adoecimento, atendimento, repetição de tarefas, dores, desgaste, desmotivação. 5

6 I - REFERENCIAL TEÓRICO 1.1 A importância do Trabalho O trabalho é essencial para as pessoas, pois além de ser considerado um meio de subsistência para atender suas necessidades, é também uma forma de inserção do indivíduo na sociedade. Bridges (1995) afirma que o trabalho além de contribuir fortemente para a sobrevivência material dos indivíduos, organiza e estrutura a vida das pessoas dando-lhes uma identidade, proporcionando uma rede de relações e de contatos, estruturando seu tempo e construindo espaço na sociedade através de direitos e obrigações. Enquanto para algumas pessoas o trabalho é visto como uma obrigação ou até mesmo um castigo, para outros trabalharem é a forma encontrada para sentir-se útil e produtivo. Diante disto, o trabalho pode ser considerado uma fonte de prazer ou de sofrimento. Na concepção de Mendes (1999), o trabalho é um encontro com o prazer e o sofrimento instala-se quando a realidade não oferece as possibilidades de gratificação dos desejos. O trabalho em Call Center na maioria dos casos é considerado como uma fonte de sofrimento, pois os indivíduos, durante sua atividade diária, estão sujeitos a sobrecarga de trabalho, pressão excessiva, desvalorização, esforços repetitivos e encontram-se em uma rotina de trabalho que não pode ser alterado devido ter que seguir normas e regras excessivas já existentes, causando assim um alto índice de rotatividade relacionado ao desgaste físico e mental que são submetidos. De acordo com Freud (1990), o sofrimento se configura como uma reação, uma manifestação da insistência em viver em um ambiente que, na maioria das vezes não lhe é favorável. O objetivo deste trabalho é pesquisar acerca da saúde mental no trabalho com o intuito de investigar os indicadores de risco de adoecimento deste ramo, a fim de apontar de maneira sistemática os fatores de risco existente neste contexto de trabalho em busca de formas alternativas de promoção de saúde e motivação aos seus trabalhadores com o intuito de transformar o possível sofrimento deste tipo de atividade em algo prazeroso e motivador, para que esses trabalhadores deixem de ver o trabalho como uma obrigação e passem a ver como uma atividade remunerada que possa fazer com que o mesmo se sinta valorizado. 6

7 1.2 Saúde Mental e Trabalho De acordo com Mendes (2008), o trabalho na sociedade capitalista contemporânea tem assumido diversos sentidos para os trabalhadores, ora oferecendo condições emancipadoras, ora escravizantes. A psicodinâmica do trabalho é uma abordagem científica desenvolvida na França por Christophe Dejours na década de 1990, com o objetivo de estudar as relações dinâmicas entre a organização do trabalho e processos de subjetivação, que se manifestam nas vivências de prazer e sofrimento. Nesse sentido Mendes (2007) e Dejours (1993) afirmam o trabalho não causa sofrimento, é o próprio sofrimento que produz o trabalho. (DEJOURS, 1993, p.103). Dejours (1994) redefine o objetivo do estudo de Psicodinâmica no Trabalho afirma que a saúde é responsável pela criação de estratégias defensivas coletivas e individuais a partir da mobilização subjetiva que se apresenta como uma fonte de vivência do prazer no trabalho tornando-se um meio para lidar com o sofrimento. Martins, Moraes e Lima (2010), indicam que o sofrimento no trabalho é inevitável por acreditar que o trabalho é sempre marcado pelo sofrimento uma vez que coloca o sujeito frente ao real que o conduz num primeiro momento a sensação de fracasso e impotência. Para Mendes (2008),...o prazer-sofrimento são vivências psíquicas que se manifestam por meio de sintomas, os quais estão relacionados com situações muito específicas do trabalho, diferenciando-se para cada indivíduo de acordo com o sentido que ele atribui ao trabalho a partir dos aspectos simbólicos constitutivos da sua subjetividade. (MENDES, 1999, p.51). Mendes (2008) afirma que o prazer é uma possibilidade de ressignificar o sofrimento, uma vez que o trabalho é um lugar de prazer quando permite ao indivíduo aprender algo novo e desenvolver novas formas de realizar suas tarefas entrando em contato com a sua subjetividade, utilizando sua inteligência e o coletivo para transformar as situações causadoras de sofrimento. Nas relações de trabalho que se conhece hoje existem grandes contradições, fazer mais versus fazer bem, trabalhar em equipe versus trabalhar sozinho, atender a normas em que 7

8 não acredita versus perder o emprego, cooperar versus sobrecarregar-se, denunciar práticas das quais discorda versus silenciar. (MENDES, p.10). A partir destas vivências de prazer-sofrimento que o indivíduo é submetido são criadas formas de enfrentar este sofrimento que conhecemos como estratégias defensivas. Dejours e Abdoucheli (1990), afirmam que as estratégias defensivas são mecanismos usados para negar ou minimizar a percepção da realidade que causa o sofrimento, tendo em vista que o prazer não é vivenciado diretamente no trabalho, mas sim resulta das situações que geram sofrimento. (MENDES, 2007 p. 62). Mendes (2008) destaca que o papel do trabalho é oferecer espaço para o reconhecimento, a liberdade e a valorização do trabalhador, o que permite o equilíbrio psíquico, existindo sofrimento e defesa, como um signo da falibilidade dos processos reguladores das relações sociais de trabalho. O individuo está sempre em busca do reconhecimento do trabalho que executa e através deste o mesmo se sentirá motivado a estar em busca de uma constante melhora e a prestar um trabalho de excelência buscando uma identificação com o trabalho que executa. Tamayo (2004) destaca que o homem é um ser trabalhador, o vínculo do homem com o trabalho é inevitável. Segundo o autor, o homem usa o trabalho para se expressar e afirmar-se de forma psicossocial, através dele realiza projetos, sonhos e contribui para a sociedade. Assim como o comportamento humano, o comportamento de trabalho também é aprendido. Todo comportamento deve ser adaptado às condições de uma tarefa ou situação (WISNER, 1994). É importante ressaltar que cada indivíduo apresenta um ritmo diferente para a realização de uma determinada tarefa, sendo evidenciado com o passar do tempo tornando-se constante e aparente a diferença entre quem executa e quem organiza o trabalho. 8

9 1.3 Trabalho em Call Center Na concepção de Abrahão e Torres (2004), o trabalhador deixou de ser o executor e passou a assumir o controle das máquinas, planejadas para minimizar o custo do trabalho e maximizar a produtividade. Wisner (1994) ressalta que a revolução industrial trouxe consigo uma forma fragmentada da participação do homem na produção de bens e serviços fazendo com que a identidade do homem fique obscura. Essa nova forma de organização do trabalho reflete diretamente no trabalhador, ocasionando a deteriorização da saúde mental como um reflexo da organização de trabalho muito rígida. A partir desta questão, começa-se uma reestruturação onde as questões como ritmo de trabalho, conteúdo da tarefa e participação passam a ser vistas com mais atenção. De acordo com Wisner (1987), Dejours (1987), Abrahão e Santos (2004), o serviço de prestação de informações via telefone tem, geralmente, suas bases estruturadas em uma organização de trabalho rígida, influenciada pelos padrões tayloristas, na qual os horários, o ritmo e as pausas são determinados e controlados e as regras não são flexíveis ou adaptáveis. (ABRAHÃO e TORRES, 2004, p. 07). O trabalho organizado pelo taylorismo transformou-se em atividade fragmentada, repetitiva, monótona e desprovida de sentido (HOLZMANN, CATTANI, 2006, p.282), causando assim uma alienação do trabalhador que perde sua autonomia e a capacidade de criar e inovar. Neste sentido o trabalho é fundamental para a existência e pode contribuir para o bem estar ou aparecimento de sintomas que podem afetar a saúde. Dejours, Abdoucheli e Jayet (1999) afirmam que o homem não chega ao seu espaço laboral livre de sofrimentos, angústias, frustrações, alegrias, mas que é detentor de sua história pessoal, que não é deixada no portão da empresa ao chegar e retomada ao sair com expectativas traçadas em cima de seus valores e sua história. O sofrimento pode ser vivenciado quando estas expectativas não são atendidas, bloqueando a realização de seus sonhos e objetivos. Antunes (2003) relata que o trabalho é a fonte de toda produtividade, onde relações interpessoais passam a ser relações entre produtos, assim o trabalho é transformado apenas em um meio de sustento. O trabalho não pode ser visto apenas como forma de sustento, deve 9

10 existir uma identificação com o mesmo, para que o mesmo não passe a ser uma carga, uma obrigação que ele tem que executar, mas que possa estar em busca de mudanças que contribuam para transformar este sofrimento em prazer. Mendes e Abraão (1996) afirmam que o sofrimento faz parte do contexto laboral e a maioria de trabalhadores não associa este sofrimento ao trabalho, mesmo demostrando em seu comportamento a insatisfação. II. Objetivos 2.1 Geral Fatores pessoais, ambientais e sociais são capazes de influenciar o sofrimento psíquico, doenças mentais e físicas. A organização do trabalho determina não só a divisão do trabalho, mas também a divisão dos homens (DEJOURS, ABDOUCHELI e JAYET, p ) Investigar os fatores de risco para o adoecimento de trabalhadores de Call Center. 2.2 Específicos III. Metodologia Investigar o contexto de trabalho de um Call Center; Identificar os indicadores de prazer e sofrimento decorrentes de um trabalho em um Call Center; Identificar os indicadores de custo humano no trabalho; Identificar os indicadores de danos relacionados ao trabalho em um Call Center. No presente estudo, a metodologia utilizada será quantitativo/qualitativo exploratória, onde a partir da análise estatística descritiva será possível identificar a frequências das respostas obtidas no instrumento, enquanto em seguida a análise qualitativa permitirá descrever e interpretar os resultados obtidos a luz dos conceitos teóricos da psicodinâmica do trabalho. 3.1 Participantes A amostra de sujeitos foi constituída por 30 trabalhadores, que atuam na área a mais de um ano, de ambos os sexos e de diferentes faixas etárias. A população foi escolhida aleatoriamente levando-se em consideração os requisitos supracitados, tendo em vista que 10

11 foi solicitado ao supervisor da área uma lista que continha os dados dos colaboradores e a partir daí todos os nomes foram colocados em uma urna para o sorteio dos trabalhadores que comporiam a amostra da pesquisa. Os participantes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. 3.2 Instrumentos De acordo com o objetivo e a metodologia da pesquisa, na coleta de dados foi utilizado o Inventário de Trabalho e Riscos de Adoecimento (ITRA) que foi construído por Ferreira e Mendes cujo objetivo do instrumento é investigar o trabalho e os riscos de adoecimento por ele provocados em termos de representação do contexto de trabalho, exigências (físicas, cognitivas e afetivas), vivências e danos. (MENDES, FERREIRA, 2007, p.112). O ITRA é composto por quatro escalas interdependentes para avaliar quatro dimensões da inter-relação trabalho e risco de adoecimento. De acordo com Ferreira e Mendes (2007), são essas: - Escala de Contexto de Trabalho (ECT), é composta por três fatores: Organização do trabalho, Condições de Trabalho e Relações Socioprofissionais. A escala é de 5 pontos, onde 1=nunca, 2=raramente, 3=às vezes, 4=frequentemente e 5=sempre. Os resultados para a Escala de Contexto de Trabalho se apresentam: Acima de 3,7: avaliação mais negativa; grave. Entre 2,3 e 3,69: avaliação mais moderada; crítico. Abaixo de 2,29: avaliação mais positiva; satisfatória. - Escala de Custo Humano no Trabalho (ECHT), é composta por três fatores: Custo Físico, Custo Cognitivo e Custo Afetivo. A escala é de 5 pontos, onde 1=nunca, 2=raramente, 3=às vezes, 4=frequentemente e 5=sempre. Os resultados para a Escala de Custo Humano no Trabalho se apresentam: Acima de 3,7: avaliação mais negativa; grave. Entre 2,3 e 3,69: avaliação mais moderada; crítico. Abaixo de 2,29: avaliação mais positiva; satisfatória. 11

12 - Escala de Indicadores de Prazer-Sofrimento no Trabalho (EIPST), é composta por quatro fatores: Liberdade de Expressão, Realização Profissional, Esgotamento Profissional e Falta de Reconhecimento. A escala é de 7 pontos e tem por objetivo avaliar nos últimos seis meses a ocorrência das vivências de prazer-sofrimento, onde 0=nenhuma vez, 1=uma vez, 2=duas vezes, 3=três vezes, 4=quatro vezes, 5=cinco vezes e 6=seis vezes. Os resultados para os fatores de prazer se apresentam: Acima de 4,0: avaliação mais positiva; satisfatória. Entre 3,9 e 2,1: avaliação moderada; crítico. Abaixo de 2,0: avaliação para raramente; grave. Os resultados para os fatores de sofrimento se apresentam: Acima de 4,0: avaliação mais negativa; grave. Entre 3,9 e 2,1: avaliação moderada; crítico. Abaixo de 2,0: avaliação menos negativa; satisfatório. - Escala de Avaliação de Danos Relacionados ao Trabalho (EADRT), é composta por três fatores: Danos Físicos, Danos Psicológicos e Danos Cognitivos. A escala é de 7 pontos e objetiva avaliar nos últimos três meses os danos provocados pelo trabalho, onde 0=nenhuma vez, 1=uma vez, 2=duas vezes, 3=três vezes, 4=quatro vezes, 5=cinco vezes e 6=seis vezes. Os resultados para a Escala de Avaliação de Danos relacionados ao Trabalho se apresentam: Acima de 4,1: avaliação mais negativa; presença de doenças ocupacionais. Entre 3,1 e 4,0: avaliação moderada para freqüente; grave. Entre 2,0 e 3,0: avaliação moderada; crítico. Abaixo de 1,9: avaliação mais positiva; suportável. 3.3 Procedimentos Coleta de dados A coleta de dados foi realizada em uma empresa de Call Center, situada no Distrito Federal, que foi escolhida devido à facilidade de acesso da pesquisadora. Foi realizada uma 12

13 visita para apresentar ao responsável pela seção de Recursos Humanos da empresa a proposta do estudo. Em seguida a pesquisadora entrou em contato com os participantes da pesquisa para explicar o instrumento e solicitar a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O instrumento foi entregue lacrado e tendo sido combinada uma data para devolução do instrumento depois de respondido será depositado em uma urna localizada próximo ao relógio de ponto. Na data combinada para a devolução, a responsável pela pesquisa se dirigiu até a empresa para o recolhimento da urna Análise dos dados As respostas obtidas pelos trabalhadores a partir da aplicação do Inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento foram lançadas em uma planilha do Excel para obter-se as médias gerais das escalas, dos fatores, dos itens e o desvio padrão. IV Resultados e Discussão Após a análise do resultado geral obtidos nas quatro escalas, percebe-se que o trabalho realizado em Call Center se apresenta de forma crítica, porém moderada. Segue abaixo, o gráfico com as médias obtidas nas escalas. Percebe-se que a quinta coluna apresenta uma média de 3,38 que representa uma avaliação moderada, porém considerada grave por ocorrer com determinada frequência. Enquanto que para as outras escalas obteve-se uma avaliação moderada, crítica. Gráfico 1: Média das Escalas do ITRA 13

14 Na Escala de Avaliação do Contexto de Trabalho obteve o escore de 3,48 definindo a avaliação como moderada, crítica. Observando-se individualmente os fatores apresentados na primeira escala, obteve-se o seguinte resultado: para o fator Organização do Trabalho 3,58 classificando como moderada crítica; para o fator Condições de Trabalho 3,70 classificando como negativa grave e para o fator Relações Socioprofissionais 2,85 classificando como moderada crítica. 4 3 Organiz 2 3,58 3,7 2,85 Condiçõ 1 0 Relaçõe Sociopr Gráfico 2: Contexto de Trabalho Analisando separadamente, os itens que compõe cada fator da escala, obtém-se a tabela abaixo, que apresenta as médias 4,53 para o item O ritmo de trabalho é excessivo e 4,70 para o item As tarefas são repetitivas, considerados como grave. A partir deste resultado, confirma-se que o serviço de prestação de serviços via telefone tem sua base estruturada em uma organização de trabalho muito rígida, onde as regras não são flexíveis ou adaptáveis (WISNER, DEJOURS, 1987). Mendes (1994) identifica que a organização do trabalho depende de um conjunto de prescrições, dadas pela empresa, que definem um padrão para execução de tarefas. Tabela 1: Escala de Avaliação do contexto de Trabalho ITENS MÉDIAS DESV. PADRÃO O ritmo de trabalho é excessivo 4,53 1,08 As tarefas são cumpridas com pressão de prazos 3,80 1,56 Existe forte cobrança por resultados 3,83 1,59 As normas para execução das tarefas são rígidas 3,37 1,50 Existe fiscalização do desempenho 3,93 1,30 O número de pessoas é insuficiente para se realizar as tarefas 2,97 1,54 Os resultados esperados estão fora da realidade 2,73 1,19 Existe divisão entre quem planeja e quem executa 3,27 1,25 As tarefas são repetitivas 4,70 1,16 Falta tempo para realizar pausas de descanso no trabalho 3,33 1,48 As tarefas executadas sofrem descontinuidade 2,87 1,08 As tarefas não estão claramente definidas 2,33 1,30 A autonomia é inexistente 3,80 1,41 A distribuição das tarefas é injusta 2,63 1,17 14

15 Os funcionários são excluídos das decisões 4,57 1,14 Existem dificuldades na comunicação entre chefia e subordinados 4,10 1,21 Existem disputas profissionais no local de trabalho 4,03 1,22 Falta integração no ambiente de trabalho 1,97 1,44 A comunicação entre funcionários é insatisfatória 2,13 1,07 Falta apoio das chefias para o meu desenvolvimento profissional 2,83 1,10 As informações que preciso para executar minhas tarefas são de 3,00 1,01 difícil acesso As condições de trabalho são precárias 4,27 0,94 O ambiente físico é desconfortável 4,33 1,40 Existe muito barulho no ambiente de trabalho 4,17 1,47 O mobiliário existente no local de trabalho é inadequado 3,17 1,57 Os instrumentos de trabalho são insuficientes para realizar as tarefas O posto/estação de trabalho é inadequado para realização das tarefas Os equipamentos necessários para realização das tarefas são precários 4,03 1,46 3,27 1,52 4,53 1,37 O espaço físico para realizar o trabalho é inadequado 3,50 1,47 As condições de trabalho oferecem riscos á segurança das pessoas 1,93 1,28 O material de consumo é insuficiente 3,83 1,43 De acordo com o resultado obtido na Escala referente ao Contexto de trabalho é possível verificar que o trabalho é operacionalizado e não dispõe dos recursos necessários para o bom desenvolvimento do mesmo. Facas (2009) destaca que o trabalho é constituído de tarefas prescritas, padronização de métodos, ferramentas e tarefas, com uma divisão social e hierárquica do trabalho que utiliza muitos supervisores, de modo a garantir supervisão a cada trabalhador separadamente, tendo como suporte o controle, a punição e as regras de acordo com a tabela que demonstra que as condições de trabalho são desfavoráveis a execução de um trabalho de qualidade. Na Escala de Custo Humano do Trabalho obteve-se o escore 2,92 definindo a avaliação como moderada, crítica. Observando-se individualmente os fatores apresentados na segunda escala, obteve-se o seguinte resultado: para o fator Custo Físico 1,95 considerado como satisfatório; para o fator Custo Cognitivo 3,46 considerado como moderada, porém crítica e para o fator Custo Afetivo 3,58 considerada como moderada, crítica. 15

16 Gráfico 3: Custo Humano do Trabalho Após análise da Escala de Custo Humano no Trabalho, podem-se ressaltar os itens Ter que resolver problemas 4,90, Usar a visão de forma contínua 4,97 e Usar as mãos de forma repetidas 4,67 que são caracterizados como mais negativos considerados graves. Mendes (2007) sistematiza as patologias sociais relacionadas ao trabalho que excede a capacidade das pessoas, neste caso, a patologia de servidão voluntária onde o sujeito se faz instrumento e aliena seu desejo na vontade do outro associado com a patologia da sobrecarga que desencadeia a ocorrência de distúrbios cognitivos caracterizados por confusão mental e o rápido aumento de LER/DORT em trabalhadores jovens. Tabela 2: Escala de Custo Humano do Trabalho ITENS MÉDIAS DESV. PADRÃO Ter controle das emoções 3,57 1,47 Ter que lidar com ordens contraditórias 3,53 1,50 Ter custo emocional 3,37 1,56 Ser obrigado a lidar com a agressividade dos outros 4,20 1,33 Disfarçar os sentimentos 3,40 1,39 Ser obrigado a elogiar as pessoas 1,57 1,60 Ser obrigado a ter bom humor 3,23 1,68 Ser obrigado a cuidar da aparência física 4,53 1,39 Ser bonzinho com os outros 2,43 1,46 Transgredir valores éticos 2,40 1,63 Ser submetido a constrangimentos 2,57 1,31 Ser obrigado a sorrir 4,60 1,55 Desenvolver macetes 4,00 1,57 Ter que resolver problemas 4,90 1,33 Ser obrigado a lidar com imprevistos 0,00 1,26 Fazer previsão de acontecimentos 1,57 1,30 Usar a visão de forma contínua 4,97 1,57 Usar a memória 4,03 1,37 Ter desafios intelectual 2,57 1,33 16

17 Fazer esforço mental 4,50 1,61 Ter concentração mental 4,00 1,65 Usar a criatividade 4,03 1,47 Usar a força física 1,23 1,31 Usar os braços de forma contínua 3,23 1,55 Ficar em posição curvada 1,47 1,03 Caminhar 1,13 1,44 Ser obrigado a ficar em pé 1,20 1,45 Ter que manusear objetos pesados 1,53 0,82 Fazer esforço físico 2,03 1,17 Usar as pernas de forma contínua 1,63 1,52 Usar as mãos de forma repetidas 4,67 1,54 Subir e descer escadas 1,33 1,53 Na Escala de Indicadores de Prazer no Trabalho obteve-se o escore 2,63 definindo a avaliação como moderada, crítica. Observando-se individualmente os dois fatores apresentados na terceira escala, obteve-se o seguinte resultado: para o fator Liberdade de Expressão 3,44 caracterizado como moderado, crítico e para o fator Realização Profissional 1,91 caracterizado como raramente, grave. Gráfico 4: Escala de Indicadores de Prazer no Trabalho Na escala referente aos Indicadores de Prazer no Trabalho, obteve-se o resultado de 4,63 para o item Solidariedade entre colegas e 5,40 para o item Cooperação entre colegas, classificando como mais positiva, porém satisfatória. A partir deste resultado, é possível perceber que existem contradições onde se percebe a empatia ao invés de favorecer a rivalidade entre colegas, a competição e o individualismo. Essas contradições, na maioria das vezes, favorecem a rivalidade entre os colegas, a competição e o individualismo, tendo em vista as estratégias de gestão utilizadas, como os sistemas de avaliação de desempenho (Mendes, 2008, p.11). 17

18 Freud (1930/1974), trabalhar é um dos caminhos para a felicidade. O trabalho pode assumir um papel muito importante na vida do homem transformando-se em uma das dimensões da sua existência. As estratégias criativas são como a criação pelo grupo de trabalho de mecanismos para mudar as situações de trabalho que geram sofrimento; caracterizam-se por comportamentos de cooperação, solidariedade, confiança, participação coletiva e engajamento nas discussões do grupo com o objetivo de provocar mudanças. Tabela 3: Escala de Indicadores de Prazer no Trabalho ITENS MÉDIAS DESV. PADRÃO Liberdade com a chefia para negociar o que precisa 3,33 1,99 Liberdade para falar sobre o meu trabalho com os colegas 3,53 2,63 Solidariedade entre os colegas 4,63 2,07 Confiança entre os colegas 3,83 2,13 Liberdade para expressar minhas opiniões no local de 1,90 2,32 Liberdade para usar a minha criatividade 2,87 2,07 Liberdade para falar sobre o meu trabalho com as chefias 2,00 1,87 Cooperação entre os colegas 5,40 1,97 Satisfação 2,33 1,85 Motivação 1,73 1,87 Orgulho pelo que faço 1,70 1,80 Bem-estar 2,83 1,70 Realização profissional 1,40 1,85 Valorização 1,90 2,09 Reconhecimento 1,67 2,10 Identificação com as minhas tarefas 1,33 1,59 Gratificação pessoal com as minhas atividades 2,27 2,19 Já na Escala de Indicadores de Sofrimento no Trabalho obteve-se o escore 3,00 definindo a avaliação como moderada, crítica. Observando-se individualmente os dois fatores apresentados na terceira escala, obteve-se o seguinte resultado: para o fator Esgotamento Profissional 3,28 e para o fator Falta de Reconhecimento 2,75 caracterizando como moderada, porém critica. 18

19 Gráfico 5: Escala de Sofrimento no Trabalho Na escala referente ao Sofrimento relacionado ao Trabalho, obteve-se o resultado de 4,73 para o item Esgotamento Emocional, 4,80 para o item Estresse e 4,67 para o item Desvalorização caracterizando esses itens para uma avaliação mais negativa, grave. Mendes (2008) afirma que a vivência de sofrimento varia conforme a intensidade das medidas objetivas e subjetivas mobilizadas pelo indivíduo na sua relação com o trabalho: quanto mais forte for esta relação, mais forte será a intensidade da vivência de sofrimento. Para Freud (1920) o sofrimento se configura como uma reação, uma manifestação da insistência em viver em um ambiente que, na maioria das vezes, não lhe é favorável. Tabela 4: Escala de Indicadores de Sofrimento no Trabalho ITENS MÉDIAS DESV. PADRÃO Esgotamento Emocional 4,73 2,20 Estresse 4,80 2,51 Insatisfação 3,30 2,34 Sobrecarga 3,17 2,48 Frustração 3,33 2,51 Insegurança 2,77 2,16 Medo 0,87 2,11 Falta de reconhecimento do meu esforço 4,23 2,33 Falta de reconhecimento do meu desempenho 2,97 2,46 Desvalorização 4,67 2,25 Indignação 1,83 2,45 Inutilidade 2,07 2,25 Desqualificação 0,83 1,72 Injustiça 2,37 2,57 Discriminação 3,03 2,54 19

20 Na Escala de Danos Relacionados ao Trabalho obteve-se o escore 3,38 definindo a avaliação como moderada, porém grave devido à frequência com que ocorrem. Observando-se individualmente os fatores apresentados na quarta escala, obteve-se o seguinte resultado: para o fator Danos Físicos 3,44 caracterizando como moderado frequente, grave; para o fator Danos Psicológicos 3,59 caracterizando como moderado frequente, grave e para o fator Danos Sociais 2,97 caracterizando como moderada, crítico. Gráfico 6: Escala de Danos Relacionados ao Trabalho A partir, da Escala de Danos Relacionados ao Trabalho obteve-se o resultado 2,33 para o item Dores nos braços e 2,52 para o item Dores nas costas, caracterizando esses itens como moderados, porém crítico. Mendes (2004) ressalta que a psicodinâmica do trabalho fornece bases para a psicopatologia: é a partir da análise das situações saudáveis, caracterizadas pelas mediações bem-sucedidas diante das contradições da organização do trabalho, provocadas pelo sofrimento, que se compreendem as patologias, uma vez que a falha dessas mediações impedem a mobilização subjetiva e levam à patologização das defesas. Dejours (1994) afirma que as más condições de trabalho não só trazem prejuízos para o corpo, como também para o espírito. Tabela 5: Escala de Indicadores de Danos relacionados ao Trabalho ITENS MÉDIAS DESV. PADRÃO Dores no corpo 2,32 5,23 Dores nos braços 2,33 5,63 Dor de cabeça 2,20 4,00 Distúrbios respiratórios 1,79 2,33 Distúrbios digestivos 1,53 0,57 Dores nas costas 2,52 5,47 Distúrbios auditivos 2,24 4,37 20

21 Alterações do apetite 1,92 2,47 Distúrbios na visão 2,04 5,03 Alterações do sono 2,51 3,63 Dores nas pernas 2,63 1,43 Distúrbios circulatórios 1,92 1,10 Insensibilidade em relação aos colegas 1,94 1,70 Dificuldades nas relações fora do trabalho 1,62 2,00 Vontade de ficar sozinho 2,33 3,97 Conflitos nas relações familiares 1,87 3,10 Agressividade com os outros 1,74 2,43 Dificuldade com os amigos 1,75 1,80 Impaciência com as pessoas em geral 1,86 5,80 Amargura 1,70 3,07 Sensação de vazio 1,46 3,53 Sentimento de desamparo 2,10 2,80 Mau-humor 1,97 4,97 Vontade de desistir de tudo 2,20 4,53 Tristeza 2,37 3,13 Irritação com tudo 1,84 5,63 Sensação de abandono 1,91 1,33 Duvida sobre a capacidade de fazer as tarefas 1,95 4,10 Solidão 1,94 2,80 De acordo, com os resultados obtidos é possível observar que o trabalho desenvolvido por trabalhadores de Call Center são baseados em rotina que ocasionam desgaste físico e mental desencadeando dores no corpo. Tendo em vista, que o trabalho é mecanizado e os colaboradores não tem espaço para inovar, pois tem que cumprir regras já estabelecidas. V - Considerações finais Este estudo apresentou como resultado a existência de indicadores de riscos de adoecimento nesses trabalhadores de tele atendimento, tendo em vista que a avaliação foi considerada moderada, porém crítica evidenciando a Escala de Avaliação de Danos Relacionados ao Trabalho (EADRT) que se apresenta de forma moderada frequente voltada para a avaliação moderada de forma grave. O estudo ressalta a necessidade de desenvolver técnicas que proporcionem a ressignificação, transformando o sofrimento em prazer. Mendes e Araújo (2007), destacam 21

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Psicologia Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Psicologia Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Psicologia Trabalho de Conclusão de Curso A IDENTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL E O SOFRIMENTO NO TRABALHO UM ESTUDO COM PSICÓLOGOS DE UMA INDÚSTRIA DE BEBIDAS NO DF Autora:

Leia mais

CUSTO HUMANO, PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO: UM ESTUDO COM AERONAUTAS

CUSTO HUMANO, PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO: UM ESTUDO COM AERONAUTAS R. Conex. SIPAER, v. 1, n. 3, jul. 2010. 69 CUSTO HUMANO, PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO: UM ESTUDO COM AERONAUTAS Artigo submetido em 05/05/2010. Aceito para publicação em 05/07/2010. Graziela Velloso

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho Universidade de Brasília -UnB Instituto de Psicologia - IP Departamento de Psicologia Social e do Trabalho - PST Qualidade de Vida no Trabalho Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes Grupo de Estudo e Pesquisa

Leia mais

CUSTO HUMANO NO TRABALHO: avaliação de enfermeiros em Terapia Intensiva àluz da psicodinâmica do trabalho

CUSTO HUMANO NO TRABALHO: avaliação de enfermeiros em Terapia Intensiva àluz da psicodinâmica do trabalho CUSTO HUMANO NO TRABALHO: avaliação de enfermeiros em Terapia Intensiva àluz da psicodinâmica do trabalho Juliana Faria Campos Doutoranda UERJ. Professora Assistente da EEAN/ UFRJ Helena Maria Scherlowski

Leia mais

PRAZER-SOFRIMENTO E ESTRATÉGIAS DEFENSIVAS NO TRABALHO DE LÍDERES DE UMA EMPRESA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PRAZER-SOFRIMENTO E ESTRATÉGIAS DEFENSIVAS NO TRABALHO DE LÍDERES DE UMA EMPRESA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PRAZER-SOFRIMENTO E ESTRATÉGIAS DEFENSIVAS NO TRABALHO DE LÍDERES DE UMA EMPRESA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS Esta pesquisa tem como objetivo compreender quais são as fontes de prazer-sofrimento dos sujeitos

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A DIMENSÃO ORGANIZACIONAL E O PRAZER- SOFRIMENTO NO TRABALHO

REFLEXÃO SOBRE A DIMENSÃO ORGANIZACIONAL E O PRAZER- SOFRIMENTO NO TRABALHO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. REFLEXÃO SOBRE A DIMENSÃO ORGANIZACIONAL E O PRAZER- SOFRIMENTO NO TRABALHO Marina Coutinho de Oliveira (USF) marina_coutinho@ig.com.br Este artigo descreve

Leia mais

O Risco de Adoecimento na Profissão Terapia Ocupacional: Um Estudo em Instituições Hospitalares de Belo Horizonte

O Risco de Adoecimento na Profissão Terapia Ocupacional: Um Estudo em Instituições Hospitalares de Belo Horizonte O Risco de Adoecimento na Profissão Terapia Ocupacional: Um Estudo em Instituições Hospitalares de Belo Horizonte Autoria: Míriam Cândida Silva e Dias, Vera L. Cançado, Cristiana Fernandes De Muÿlder Resumo

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO DE MULHERES MILITARES E SUAS RELAÇÕES COM O PODER

SOFRIMENTO PSÍQUICO DE MULHERES MILITARES E SUAS RELAÇÕES COM O PODER SOFRIMENTO PSÍQUICO DE MULHERES MILITARES E SUAS RELAÇÕES COM O PODER Joice de Lemos Fontes 1 O presente trabalho é fruto de uma pesquisa que objetivou investigar a existência de sofrimento psíquico em

Leia mais

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR Fabiane da Fontoura Messias de Melo 1 Melissa Andréa Vieira de Medeiros 2 Introdução O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado

Leia mais

PSICODINÂMICA DO TRABALHO: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A SAÚDE MENTAL DE DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

PSICODINÂMICA DO TRABALHO: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A SAÚDE MENTAL DE DOCENTES UNIVERSITÁRIOS PSICODINÂMICA DO TRABALHO: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A SAÚDE MENTAL DE DOCENTES UNIVERSITÁRIOS O trabalho provoca influências que repercutem diretamente na constituição do sujeito contemporâneo. As instituições

Leia mais

PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO SOB A ÓTICA DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO SOB A ÓTICA DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO SOB A ÓTICA DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Edílson Miguel Cardoso Maia (Universidade Estadual do Centro-Oeste/UNICENTRO)

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Aspectos Psicodinâmicos da Relação Homem-Trabalho: as contribuições de C. Dejours

Aspectos Psicodinâmicos da Relação Homem-Trabalho: as contribuições de C. Dejours Ana Magnólia Bezerra Mendes Professora A s s i s t e n t e d o D e p t o d e Psicologia da UFPE. M e s t r e e m Psicologia Social e d o Trabalho. U n B necessidade de estudar mais profundamente a relação

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO EM DEJOURS

SOFRIMENTO PSÍQUICO EM DEJOURS SOFRIMENTO PSÍQUICO EM DEJOURS Karina Milanesi 1 Neusa Collet 2 Cláudia Silveira Viera 3 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 3 Resumo: Trata-se de um estudo bibliográfico que tem como objetivo compreender

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002 CO/42 O MAL-ESTAR QUE VEM DA CULTURA ORGANIZACIONAL, Pinheiro, Adriana de Alencar Gomes, Socióloga e Psicóloga,

Leia mais

SOFRIMENTO, PRAZER OU SÍNDROME DE ESTOCOLMO GERENCIAL DE GERENTES BANCÁRIAS?

SOFRIMENTO, PRAZER OU SÍNDROME DE ESTOCOLMO GERENCIAL DE GERENTES BANCÁRIAS? SOFRIMENTO, PRAZER OU SÍNDROME DE ESTOCOLMO GERENCIAL DE GERENTES BANCÁRIAS? Aline de Freitas Oleto (FNH) aline.oleto@mestrado.unihorizontes.br Marlene Catarina de Oliveira Lopes Melo (FNH) lenemelo@unihorizontes.br

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRABALHO E SOFRIMENTO PSÍQUICO DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS

RELAÇÃO ENTRE TRABALHO E SOFRIMENTO PSÍQUICO DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 532 RELAÇÃO ENTRE TRABALHO E SOFRIMENTO PSÍQUICO DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS Kelly Cristina Tesche Rozendo 1, Delza

Leia mais

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO BANCÁRIO Em consequência das mudanças sociais, econômicas e, sobretudo, tecnológicas, a organização do trabalho bancário

Leia mais

Magistério e sofrimento psíquico: contribuição para uma leitura psicanalítica da escola

Magistério e sofrimento psíquico: contribuição para uma leitura psicanalítica da escola On-line ISBN 85-86736-06-6 An. 3 Col. LEPSI IP/FE-USP 2002 Magistério e sofrimento psíquico: contribuição para uma leitura psicanalítica da escola Cláudia Murta 1 Há alguns anos trabalhando em projetos

Leia mais

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Isabel Lopes 1 É um Distúrbio Psíquico de carácter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA Esse trabalho consiste numa pesquisa acerca dos sentidos que os empregados atribuem ao Sistema de Avaliação de Desempenho

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5 Palestrante: Selma Lancman Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Oficina 5 REABILITAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL 29 de Novembro de 2008 Terapeuta Ocupacional.

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

CONTEXTO DE TRABALHO

CONTEXTO DE TRABALHO 1 CAPÍTULO 6 CONTEXTO DE TRABALHO Mário César Ferreira Ana Magnólia Mendes No contexto de intervenção profissional, diagnosticar como os trabalhadores avaliam o seu ambiente de trabalho se constitui em

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1)

Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1) Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1) Introdução Após um percurso de mais de dez anos de pesquisa sobre trauma, violência, exclusão social, herança e transmissão da subjetividade o Grupo de trabalho

Leia mais

ANAIS ANÁLISE DO CONTEXTO DE TRABALHO EM UM DEPARTAMENTO DA SECRETÁRIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE TANGARÁ DA SERRA MT.

ANAIS ANÁLISE DO CONTEXTO DE TRABALHO EM UM DEPARTAMENTO DA SECRETÁRIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE TANGARÁ DA SERRA MT. ANÁLISE DO CONTEXTO DE TRABALHO EM UM DEPARTAMENTO DA SECRETÁRIA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE TANGARÁ DA SERRA MT. ADELICE MINETTO SZNITOWSKI ( adeliceadm@gmail.com ) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-

Leia mais

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR Danielle Satie Kassada 1 ; Fernando Luis Panin Lopes 2 ; Daiane Ayumi Kassada 3 RESUMO: O

Leia mais

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes Universidade de Brasília -UnB Instituto de Psicologia - IP Departamento de Psicologia Social e do Trabalho - PST Só de Pensar em vir Trabalhar, jáj Fico de mau-humor humor : Como implantar um programa

Leia mais

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien.

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien. A LUDICIDADE COMO CAMINHO PARA A RESILIÊNCIA EM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM SITUAÇÃO DE ESTRESSE OCUPACIONAL PEREIRA, Fernanda Almeida UFBA GT-04: Didática Resumo Atualmente, no Brasil, estudos

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organizar, no sentido comum, é colocar uma certa ordem num conjunto de recursos diversos para fazer deles um instrumento ou uma ferramenta a serviço de uma vontade que busca a realização

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem CURITIBA, 2010 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CURITIBA, 2010 1 INTRODUÇÃO A partir do artigo de Freudenberger em 1974, denominado

Leia mais

Sofrimento, Prazer ou Síndrome de Estocolmo Gerencial de Gerentes Bancárias?

Sofrimento, Prazer ou Síndrome de Estocolmo Gerencial de Gerentes Bancárias? Sofrimento, Prazer ou Síndrome de Estocolmo Gerencial de Gerentes Bancárias? Aline de Freitas Oleto Marlene Catarina Lopes de Oliveira Melo 2 ème Congrès TRANSFORMARE 19 20 mars 2012, Paris Sofrimento,

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Kamyla Espíndola Gibram REIS 1 ; Estefânia Paula da SILVA 2 ;

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

O Sentido do Trabalho no Discurso dos Trabalhadores de uma Organização do Terceiro Setor em Belo Horizonte

O Sentido do Trabalho no Discurso dos Trabalhadores de uma Organização do Terceiro Setor em Belo Horizonte O Sentido do Trabalho no Discurso dos Trabalhadores de uma Organização do Terceiro Setor em Belo Horizonte Resumo Eliete Augusta de Souza Viana (Faculdade Novos Horizontes) elietepsi@yahoo.com.br Marília

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

ENTRE O MORAR E O TRABALHAR NA COMUNIDADE: A REALIDADE DE SER ACS

ENTRE O MORAR E O TRABALHAR NA COMUNIDADE: A REALIDADE DE SER ACS ENTRE O MORAR E O TRABALHAR NA COMUNIDADE: A REALIDADE DE SER ACS Autores: Eliane Chaves Vianna ENSP /FIOCRUZ Daniel de Oliveira Costa IESC/UFRJ Regina Helena Simões Barbosa IESC/UFRJ Helena Maria S. Leal

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra UNESP - Botucatu Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Prof. Joel Dutra Professor-Livre Docente da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo FEA-USP,

Leia mais

Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho 26 Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho Rossane Alves de Mancilha Especialista em Gestão da Qualidade de Vida na Empresa - UNICAMP Trabalhar em conjunto é uma copiosa fonte

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

A IMPORTANCIA DO RECONHECIMENTO NO AMBIENTE DE TRABALHO 1

A IMPORTANCIA DO RECONHECIMENTO NO AMBIENTE DE TRABALHO 1 A IMPORTANCIA DO RECONHECIMENTO NO AMBIENTE DE TRABALHO 1 MEGIER, Manoela de Carvalho 2 ; TRAESEL, Elisete Soares 3 1 Trabalho final de graduação (TFG)_UNIFRA 2 Curso de Psicologia do Centro Universitário

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE?

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE? EDITORIAL EDITORIAL INTRODUÇÃO COMBATA O ESTRESSE Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba O estresse é uma das grandes pragas do mundo moderno. Este problema sintetiza

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL

GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL 1 GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL Edelvais Keller 1; Dorli Terezinha de Mello Rosa 2; Jovani Antonio Se 1 cchi

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA RESUMO *Luciano Leal Loureiro ** Jésica Finguer O presente texto busca explicar o que é o projeto

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CONCILIAÇÃO 2013

SEMANA NACIONAL DE CONCILIAÇÃO 2013 SEMANA NACIONAL DE CONCILIAÇÃO 2013 RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO CEJUSC-JEC/BSB DEZEMBRO, 2013. Apresentação O presente documento revela os resultados da Pesquisa de Satisfação do Usuário (PSU)

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Agenda Análise de contexto Conceitos básicos Papel da Pessoa na Gestão da Carreira Análise de Contexto Mudança de Referências

Leia mais

O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA.

O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA. O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA. Autora: Daniele Gruska Benevides Prata; Orientadora: Juliana Brito Cavalcante Universidade Estadual

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Do stress profissional ao burnout

Do stress profissional ao burnout Do stress profissional ao burnout Análise das causas e dos efeitos do stress profissional: do burnout ao coping e à resiliência Instituto Bissaya-Barreto. Seminário Prof. Doutor. Pierre Tap Tradução :

Leia mais

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças.

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Camila Cerqueira dos Santos SILVA (FE/UFG) camilacerqueira@hotmail.com Ivone Garcia BARBOSA (FE/UFG) ivonegbarbosa@hotmail.com

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luana Aparecida Alves da Silva 1 Ana Carolina Rossin¹ Thaís Dresch Eberhardt 2 Leonardo Dresch Eberhardt 3

Leia mais

Trabalho: o sofrimento inevitável e as possibilidades de prazer 1

Trabalho: o sofrimento inevitável e as possibilidades de prazer 1 Trabalho: o sofrimento inevitável e as possibilidades de prazer 1 Ana Paula Lobão Prange 2 O trabalho ocupa um lugar chave na civilização. Não poderíamos pensar na existência humana sem o trabalho, é ele

Leia mais

Danos físicos e psicossociais relacionados ao trabalho do enfermeiro intensivista: uma análise sob a luz da psicodinâmica do trabalho

Danos físicos e psicossociais relacionados ao trabalho do enfermeiro intensivista: uma análise sob a luz da psicodinâmica do trabalho Danos físicos e psicossociais relacionados ao trabalho do enfermeiro intensivista: uma análise sob a luz da psicodinâmica do trabalho Juliana Faria Campos Doutoranda UERJ. Professora Assistente da EEAN/

Leia mais

VIVÊNCIAS DE PRAZER E SOFRIMENTO E ACIDENTES NO TRABALHO

VIVÊNCIAS DE PRAZER E SOFRIMENTO E ACIDENTES NO TRABALHO VIVÊNCIAS DE PRAZER E SOFRIMENTO E ACIDENTES NO TRABALHO Gláucia T. Bardi de Moraes (CEFET/PR) gtbardim@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti (CEFET/PR) lapilatti@pg.cefetpr.br Resumo Neste estudo discute-se

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 O vácuo moral na contemporaneidade: narrativas e experiência da violência no cotidiano laboral Ana Karina Loiola

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NOME DA EMPRESA A pesquisa foi desenvolvida e aplicada pela PERSPECTIVA Consultores Associados. Coordenador Interno: Ricardo Lezana

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

ABSENTEÍSMO DE AUXILIARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO

ABSENTEÍSMO DE AUXILIARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO SBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro nternacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Encontro nte ABSENTEÍSMO DE AUXLARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPTAL GERAL PÚBLCO Erica Macário

Leia mais

Entre o prazer e o sofrimento:

Entre o prazer e o sofrimento: Entre o prazer e o sofrimento: causas e enfrentamento do desgaste mental no trabalho docente Renata Paparelli O mal-estar docente algumas falas Eles [os formuladores das políticas educacionais] têm uma

Leia mais

PESQUISA SOBRE CLIMA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE LABORAL NO CONTEXTO DE EDUCAÇÃO

PESQUISA SOBRE CLIMA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE LABORAL NO CONTEXTO DE EDUCAÇÃO 91 PESQUISA SOBRE CLIMA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE LABORAL NO CONTEXTO DE EDUCAÇÃO Camila Moroti Ribeiro; Karina Dos Reis De Moraes; Thauana Bueno - Bacharelandas em Administração. Centro Universitário

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Revista Pandora Brasil - Nº 61 Abril de 2014 - ISSN 2175-3318 - Arte em terapia

Revista Pandora Brasil - Nº 61 Abril de 2014 - ISSN 2175-3318 - Arte em terapia O USO DAS MANDALAS COMO INSTRUMENTO POTENCIALIZADOR DA CRIATIVIDADE Vanessa Fragosso¹ Resumo Este artigo relata uma experiência vivenciada com professoras da Educação Infantil, através de uma oficina arteterapêutica

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual

Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual Objetivos da aula: Nosso objetivo de hoje é iniciar a análise dos fundamentos do comportamento individual nas organizações e suas possíveis influências sobre

Leia mais

CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL

CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL DATA: 03, 04 e 05 de Setembro de 2014 LOCAL: Centro de Formação 18 de Agosto: Rua Barão de Itapetininga, 163-2º andar Centro de São Paulo. O QUE É ORGANIZACIONAL NA

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PPGAd MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PPGAd MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Nome da Disciplina: Psicodinâmica e Clínica do Trabalho Período Letivo: Segundo Semestre Ano Letivo: 2015 Ementa (no. de encontros: 08) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Entrevista concedida a Lilian Cunha e publicada na revista Você S/A em fev/2005

Entrevista concedida a Lilian Cunha e publicada na revista Você S/A em fev/2005 Espiritualidade no trabalho Ao contrário do que se imagina, ser um profissional mais espiritual não implica em fazer orações antes de iniciar o expediente ou montar capelas e altares na empresa. Tem a

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO Segundo Barros (2004), Dhyana é a palavra em sânscrito que

Leia mais