TRABALHO ALIENADO, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: REFLEXOS DESTES PROCESSOS PARA OS TRABALHADORES DE CALL CENTER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO ALIENADO, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: REFLEXOS DESTES PROCESSOS PARA OS TRABALHADORES DE CALL CENTER"

Transcrição

1 TRABALHO ALIENADO, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: REFLEXOS DESTES PROCESSOS PARA OS TRABALHADORES DE CALL CENTER Fabíola Mota Falcão 1 Elly Ângela Ferreira Magalhães 2 Estenio Ericson Botelho de Azevedo 3 Andrea Menezes da Silva 4 Eryka Maria Sousa de Almeida 5 GT 3 - Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo RESUMO: O presente artigo analisa a terceirização e a precarização do trabalho no capitalismo contemporâneo à luz de uma das maiores empresas de call center do País. Apresenta-se como base desta análise a perspectiva materialista histórica que considera o trabalho enquanto categoria fundante do ser social. Nesta mesma linha de análise identifica-se aqui o trabalho alienado como expressão da forma social capitalista. Como tal, na sua forma alienada, o trabalho aparece como coisificação do homem. A empresa objeto desta análise consiste numa empresa anteriormente pública que se privatiza no decurso das últimas duas décadas. Desde o seu processo de privatização, tal empresa tem mostrado uma intensa apropriação dos avanços tecnológicos e das repercussões das alterações do molde produtivo do capital e, ao mesmo tempo, tem aprofundado o processo de precarização do trabalho, trazendo desemprego, péssimas condições de trabalho, aprofundamento das terceirizações e intensa exploração da força de trabalho. Neste sentido, este artigo visa compreender como o setor de serviços, apresentados por alguns autores como não trabalho, põe em forte evidência a abstração do trabalho em sua forma alienada e, consequentemente, o isolamento do trabalhador em meras execuções de atividades que o dissociam de sua condição de livre criação e autoprodução pelo trabalho. PALAVRAS-CHAVE: Trabalho, Precarização, Empresa de Call Center. 1. INTRODUÇÃO Em resposta a crise capitalista, que surgiu com a queda da taxa de lucro, do esgotamento do fordismo, entre outros, nos anos de 1970, ocorre o processo de reestruturação produtiva, forma de restaurar o processo de produção, resultando no modelo toyotista. Assim, essas reconfigurações e remodelações, ocorridas nas últimas décadas do século XX, de um mesmo modo de produção, visou à manutenção do lucro, o aumento da produtividade e de formas de controle da organização do trabalho e do trabalhador, das formas de alienação, 1 Discente do curso de Bacharelado em Serviço Social da Universidade Estadual do Ceará UECE. 2 Discente do curso de Bacharelado em Serviço Social da Universidade Estadual do Ceará UECE. 3 Professor Dr. do curso de Serviço Social da Universidade Estadual do Ceará UECE. 4 Discente do curso de Bacharelado em Serviço Social da Universidade Estadual do Ceará UECE. 5 Discente do curso de Bacharelado em Serviço Social da Universidade Estadual do Ceará UECE.

2 mantendo-os submissos e subjugados. Atualmente, esses elementos se inserem com outros novos, como a intensa precarização do trabalho. Em sintonia com as atuais necessidades do capitalismo, a terceirização está aliada a flexibilização e a precarização do trabalho, dos direitos sociais e trabalhistas. Cosnstitui-se como um processo de reorganização das formas de produção, e como produto da reestruturação produtiva, impôs transformações no trabalho no contexto neoliberal, com fortes rebatimentos para os trabalhadores. A partir da pesquisa bibliográfica, baseada em livros, periódicos e internet, observase que a terceirização se desenvolve, abarcando diversos setores do mercado de trabalho, entre eles o ramo das telecomunicações. A empresa de call center objeto desta análise, desde o início de sua privatização tem aprofundado o processo de terceirização e de precarização do trabalho, trazendo desemprego, péssimas condições de trabalho e intensificando a exploração da força de trabalho. Como base desta análise, apresentaremos a perspectiva materialista histórica que considera o trabalho enquanto categoria fundante do ser social, e nesta mesma linha de análise identifica-se aqui o trabalho alienado como expressão da forma social capitalista. 2. TRABALHO ALIENADO O primeiro ato de trabalho constitui o ser social, mesmo na mais simples troca com a natureza está presente a relação meio e finalidade. Luckács apud LESSA (2007), afirma que é o trabalho, e somente ele, que funda o ser social. As relações sociais que são estabelecidas na influência no desenvolvimento social, como sendo, exclusivamente um ato individual: o trabalho já como ato do indivíduo - é, por sua essência, social: no homem que trabalha se realiza a sua auto-generalização social, a elevação objetiva do homem particular à generalidade. (LESSA, 2007, p.117). Na ontologia lukacsiana os indivíduos constroem a si próprios e a totalidade social à medida que respondem às demandas cotidianas. Luckács (2007) confere à exteriorização 6 o momento positivo pelo qual o homem constrói o ser social (LESSA, 2007), constitui a necessidade básica do homem de modificar o real no processo de sua reprodução, construindo um ambiente cada vez mais social. No entanto, esse momento, admite o autor, nem sempre é positivo, ocorre que em determinados momentos históricos há a transformação de algumas das objetivações em barreiras ao desenvolvimento da humanidade, negando a essência humana, desumanidade criada pelo próprio homem, denominada alienação. A fim de que haja a melhor compreensão desse fenômeno (alienação) destacamos a sociedade capitalista como momento privilegiado para essa análise. Na atual sociedade burguesa capitalista ocorre o processo de alienação nunca antes visto na história humana. A dinâmica econômica passou a definir a ordem social e os indivíduos passaram a se construir em permanente confronto com a estrutura social e com os outros indivíduos, numa disputa individual constituída de uma individualidade egoísta e concorrencial e, construindo uma sociedade desumana (LESSA, 2007). Assim, cada indivíduo tem na sociedade e nos outros indivíduos uma oportunidade ou obstáculo para acumulação do capital e não uma forma da generalidade humana. É o que chamamos de individualismo burguês. Antunes (2009) apresenta-nos o sistema de metabolismo social do capital, seu nascimento como resultado da divisão social que operou a subordinação estrutural do trabalho ao capital (p.21). Os seres sociais tornaram-se mediados entre si e combinados dentro da 6 É fundada pela distinção concreta, real, ontológica (isto é, no plano do ser) entre sujeito e o objeto que vem a ser pela objetivação de uma prévia-ideação. É o momento de transformação da subjetividade sempre associada ao processo de transformação da causalidade, a objetivação. (LESSA, 2007)

3 totalidade social e, um sistema de mediações de segunda ordem sobredeterminou os de ordem básica, mediações de primeira ordem, a saber: As mediações de primeira ordem, cuja finalidade é a preservação das funções vitais da reprodução individual e societal, caracterizam-se: 1) os seres humanos são parte da natureza, devendo realizar suas necessidades elementares por meio do constante intercâmbio com a própria natureza; 2) eles são constituídos de tal modo que não podem sobreviver como indivíduos da espécie à qual pertencem (...) baseados em um intercâmbio sem mediações com a natureza (como fazem os animais), regulados por um comportamento instintivo determinado diretamente pela natureza, por mais complexo que esse comportamento instintivo possa ser. (ANTUNES apud MESZÁROS, P. 22). Afirma ainda Antunes que a emergência do sistema de mediações de segunda ordem corresponde a um período específico da história humana, que afetou profundamente a funcionalidade das mediações de primeira ordem, já que agora, houve a inserção de elementos fetichizadores e alienantes de controle social metabólico, ou seja, a constituição do sistema de capital é idêntica à emergência de suas mediações de segunda ordem (idem: p. 23). Defende também que esse sistema de mediações é facilmente identificável, subordina todas as funções reprodutivas sociais: das relações de gênero familiares à produção material (idem: p.23). Isso porque sua finalidade é expandir exaustivamente o valor de troca, subordinando as necessidades humanas à reprodução do valor de troca, sendo um dos principais segredos do êxito dinâmico do capital: 1) a separação e alienação entre trabalhador e os meios de produção; 2) a imposição dessas condições objetivadas e alienadas sobre os trabalhadores, como um poder separado que exerce o mando sobre eles; 3) a personificação do capital como um valor egoísta, voltada para o atendimento dos imperativos expansionistas do capital; 4) a equivalente personificação do trabalho, isto é, a personificação dos operários como trabalho, destinado a estabelecer uma relação de dependência com o capital historicamente dominante: essa personificação reduz a identidade do sujeito desse trabalho a suas funções produtivas fragmentárias. (ANTUNES apud MESZÁROS, P. 24). Tal dinâmica subordina as mediações de primeira ordem às necessidades de expansão do capital, separando radicalmente as funções produtivas e de controle do processo de trabalho social entre os que produzem e aqueles que controlam. (ANTUNES, p.24). Segundo Marx, é no processo de trabalho, que o homem operacionaliza uma transformação, subordinada a uma determinada finalidade no objeto sobre que atua, ele tem total controle sobre a produção, que vai desde o ato teleológico até a utilização de sua produção. Nesta fase o homem é o criador e dono dos meios de produção. No entanto, na sociedade burguesa, estão inseridas no modo de produção capitalista, quando uma parte dos homens se apropria dos meios de produção, o trabalhador, não se reconhece no objeto que produz, pois são os detentores dos meios de produção que irão dar uma toda a direção da produção, desde o objeto a ser produzido até sua utilização, trazendo para este processo das relações produtivas, uma relação baseada na alienação. No trabalho alienado, o homem, não tem um conhecimento total do processo de produção, pois ele irá apenas vender sua força de trabalho para os donos dos meios de produção. Na verdade, os donos dos meios de produção é que irão controlar todas as etapas do processo de trabalho, desde o objeto a ser produzido até a comercialização deste. O controle sobre o trabalhador é marcado por transformações em suas relações, tanto com a natureza, como com os outros seres. De acordo com Iamamoto (2012, p. 48), na sociedade burguesa, quanto mais se desenvolve a produção capitalista, mais a relações sociais de produção se alienam dos

4 próprios homens, confrontando-os como potências externas que os dominam. Na sociedade mercantil para Iamamoto, o trabalho privado só se torna social pelas transformações do trabalho concreto em trabalho alienado. Isto significa dizer que o trabalho do qual é dividido socialmente e apropriado pelos donos dos meios de produção, é igualado com as outras atividades profissionais para poder ganhar um valor, para ser útil socialmente. 3. O SETOR DE SERVIÇOS E A TERCEIRIZAÇÃO COMO PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO E SEUS REBATIMENTOS PARA OS TRABALHADORES DE CALL CENTER A partir dos anos 1970, a partir da nova crise do capital, emergiu o processo de reestruturação produtiva com a derrocada do paradigma fordismo/taylorismo. Nesse contexto, emergiu, no plano econômico, a retomada do modelo liberal, e no plano administrativo, foi implementado o toyotismo como modo de produção. Dessa forma, houve uma nítida redução das formas mais estáveis de trabalho características do fordismo, da estrutura fabril verticalizada, e a crescente flexibilização do trabalho característica das unidades produtivas horizontalizadas, em que se destaca o toyotismo. Nesse processo de reestruturação da economia, o trabalho passa por uma série de transformações, assumindo uma nova configuração. Segundo Giovanni Alves a reestruturação sob a mundialização do capital tende a impulsionar as metamorfoses do trabalho industrial, assim: O complexo de reestruturação produtiva impulsionou a diminuição relativa da classe operária industrial, instalada no núcleo central do complexo produtor de mercadorias. Na medida em que ela diminuiu, incorporou novas qualificações, integrando-se mais, sob a lógica do toyotismo, à organização da produção capitalista (o que se contrasta com a sua propagação precária pelas bordas do complexo produtor de mercadorias). (ALVES, 1999, p.139). Verifica-se uma nova morfologia do trabalho, resultado da reestruturação produtiva, com a redução dos trabalhadores fabril. Na medida em há essa redução da classe operária tradicional, com o surgimento de novas indústrias e novo perfil produtivo, emerge uma nova classe operária industrial, no interior da qual surge um subproletariado tardio, polivalente, reduzida, desconcentrada, com situação salarial precário. No novo mundo do trabalho, observa-se uma diminuição dos trabalhadores no âmbito fabril e a expansão do trabalho assalariado no setor de serviços que, inicialmente, absorveu uma grande parte dos trabalhadores expulsos do setor industrial. Junto a essas transformações no mundo do trabalho ocorre também a fragmentação da classe dos trabalhadores assalariados que vão adquirir novas características. Giovanni Alves fala no surgimento dessa nova classe de trabalhadores assalariados, mais qualificada e com melhor nível de educação, entretanto, fragmentada. Ricardo Antunes também descreve essa nova morfologia do trabalho, ele afirma que, [...] no universo do mundo do trabalho no capitalismo contemporâneo, uma múltipla processualidade: de um lado verificou-se uma desproletarização do trabalho industrial fabril, nos países de capitalismo avançado (...). Em outras palavras, houve uma diminuição da classe operária industrial tradicional. Mas, paralelamente, efetivou-se uma expressiva expansão do assalariamento, a partir da enorme ampliação do assalariamento no setor de serviços; verificou-se uma significativa heterogeneização do trabalho, expressa também através da crescente incorporação do contingente feminino no mundo operário; vivencia-se também uma subproletarização intensificada, presente na expansão do trabalho parcial,

5 temporário, precário, subcontratado, terceirizado, que marca a sociedade dual no capitalismo avançado [...] (ANTUNES, 2007a, p.49). À medida que há essa expansão do trabalho assalariado no setor de serviços, tem-se também uma intensificação do trabalho precário, a desregulamentação e a flexibilização trabalhistas. Os impactos das mudanças em curso consideram que estamos diante de uma classe trabalhadora mais heterogênea e fragmentada, num quadro de individualização das relações de trabalho. Utilizando-se de outras roupagens como terceirização e contratação direta de autônomo, o trabalho permanece como categoria central para compreender a sociedade. O número de trabalhadores no setor de serviços está em expansão desde as duas últimas décadas do século passado, e significativo crescimento da importância do setor de serviços na economia é resultado do modo de organização que tem como característica a flexibilização produtiva, no qual as empresas buscam enxugar ao máximo seus custos, por meio da terceirização. Assim, a partir dos anos de 1990, verifica-se o processo de reestruturação do próprio setor de serviços, alterando diversos ramos de produção, com a introdução massiva de inovações organizacionais e tecnológicas, contribuindo para a flexibilização do trabalho, redução na oferta de emprego e precarização das relações de trabalho. Este setor compõe um ramo amplo de atividades, tais como o comércio, os transportes, as comunicações, as instituições financeiras, serviços prestados as empresas, a administração pública e serviços privados não mercantis, que demonstram a heterogeneidade da composição do setor. Neste trabalho, vamos nos deter ao setor de telecomunicações, visto que neste ramo as alterações no universo do trabalho foram consideráveis, nos deteremos mais especificamente em uma determinada empresa de call center do país. Assim, a ênfase recai na análise do processo de precarização do trabalho, das péssimas condições de trabalho e da intensa exploração da força de trabalho A terceirização como precarização do trabalho e trabalhadores de call center A empresa objeto desta análise surgiu da privatização do setor de telecomunicações, visto que, na década de 1990, o país encontra-se nesse processo de venda de muitas empresas de serviços públicos. A privatização da referida empresa neste período gerou graves consequências como o aumento da taxa de desemprego, enxugamento dos custos com direitos trabalhistas e aprofundamento da precarização das condições de trabalho, principalmente por meio da terceirização. A terceirização toma corpo no Brasil na década 1980, ampliando-se, no ano de 1990, em praticamente todos os ramos de trabalho. Pode-se compreender a terceirização como uma das principais formas de precarização do trabalho. Ela é decorrente dos processos de reestruturação produtiva, quer dizer, surge como produto dos sucessivos processos de transformação nas empresas e indústrias, caracterizadas pela desregulamentação e flexibilização do trabalho, fruto da acumulação flexível. Grande parte das empresas, ao invés de terem seu próprio call center, terceirizam as atividades de telemarketing, para, ao invés de ter quadro efetivo de empregados, se utilizar de mão de obra terceirizada, com o objetivo de reduzir os salários e os benefícios e garantias dos trabalhadores em razão da ausência de vinculação direta junto à empresa que utiliza sua mão de obra. Verifica-se uma crescente expansão das empresas de telecomunicações, com sua mercantilização e apropriação dos avanços tecnológicos. A referida empresa, também se inseriu no espaço de atuação de atuação da tecnologia. Mas o que poderia trazer a possibilidade de aumentar o tempo livre dos trabalhadores, contraditoriamente, tem-se uma intensificação do trabalho.

6 Os atendentes realizam jornadas parciais de seis horas diárias, com 20 minutos de intervalo, sentados o tempo todo na frente de um computador, sempre sob-rígida supervisão que exige sempre maior produtividade, com um tempo médio de atendimento (TMA), que é a principal meta que os trabalhadores são pressionados a cumprir, tempo este que intensifica cada vez mais o trabalho reduzindo ao mínimo possível o tempo livre dos trabalhadores e tem o objetivo de pressionar o trabalhador a acelerar o atendimento do cliente de maneira que o atendimento dure uma ligação telefônica num período médio de três minutos. O universo do call center disponibiliza milhares de vagas com carteira assinada, porém caracteriza-se pela precarização das condições de trabalho, baixos salários, alta rotatividade, aumento da exploração da força de trabalho com ritmos extenuante e por relações de trabalho flexíveis, dessa forma, os trabalhadores são obrigados a se submeter a tais condições por conta do desemprego estrutural. Para o trabalho atingir o nível de condição de liberdade deveria estar inserido em um contexto que o torna possível, mas os teleoperadores estão numa condição de alienação e de desumanização, visto que eles estão submetidos a um trabalho imposto, rotineiro e nada criativo, assim, o trabalho no call center da empresa em questão, em vez de contribuir para a realização dos trabalhadores, destrói sua liberdade. Os operadores são tratados como meros instrumentos de produção, como mera mercadoria com um determinado tempo de vida útil, visto que, na sociedade capitalista, o homem não é pensado no aspecto de sua humanidade, mas enquanto peça importante para a reprodução de mais valia. O crescente adoecimento no trabalho, gastrites, estresse, tendinite, ansiedade e depressão são as doenças mais comuns, é algo que tem sido constante no setor de telemarketing, os casos de doença do trabalho no ramo não param de crescer, e muitos são camuflados por serem atendidos nos ambulatórios das próprias empresas que omitem os dados. Em um período curto de aproximadamente dois anos os teleoperadores começam a apresentar sinais de esgotamento, decorrentes do intenso ritmo de trabalho e das pressões a que esses trabalhadores são submetidos cotidianamente. Nos termos de Antunes e Braga (2009) os chamados infoproletários, são um novo contingente de trabalhadores. Isto porque este grupo está submetido a um rígido controle do processo de trabalho, visto que, não podem se comunicar com os colegas de trabalho tem tempo definido até para ir ao banheiro, são obrigados a cumprir metas diárias impostas pela empresa. Dessa forma, há uma ploriferação dos trabalhadores dos call centers como trabalhador em serviços cada vez mais inseridos na lógica produtiva de produção da mais valia. Para que este trabalho, com objetivo de obter mais valia, exista é difundida toda uma ideologia que atinja os trabalhadores e os mantenha em estado de alienação. Nessa empresa os operadores são chamados de colaboradores, e há promoção de campanhas motivacionais por meio de premiações, se os operadores se empenharem para atingir as metas ganham brindes como chaveiros, copos e até um dia de folga, artifícios que são usados para mascarar a dura realidade dos trabalhadores do call center. 4. CONCLUSÃO As transformações decorrentes na atual situação vigente no marco da globalização e da reestruturação produtiva está explicitamente sintetizada nos visíveis processos de flexibilização, desregulamentação e precarização social do trabalho. A busca por expor cada vez mais a repercussão que a precarização do trabalho exibe atualmente está sendo exemplificada em especial na proposta assumida pelo artigo, no caso uma empresa de telemarketing, onde tais problemáticas são tão recorrentes e explicitas, sendo disseminadas sem nenhum pudor.

7 A empresa objeto desta pesquisa acaba reproduzindo um trabalho alienado e alienante estabelecidos aos moldes do capitalismo, a exploração capitalista que suga a energia vital e produtiva do trabalhador assalariado, que depende desse sistema de assalariado para sua manutenção enquanto ser social, visto que, cada vez mais sociabilidade humana está intrinsecamente dependente e aliada ao capital (dinheiro) e ao modo de produção capitalista. Até mesmo nos momentos de lazer e diversão o homem (ser social) está dependente do valor monetário que o capitalismo acha que é válido, seja na aquisição de bens de consumo, seja na manutenção diária de seu próprio corpo (alimentação, por exemplo). O caráter humano vai sendo desumanizado, tornando-o um despossuidor de seus sentidos, tendo-os voltados exclusivamente para o trabalho, para a venda de sua força de trabalho. O trabalho passa a ser o responsável por todas as relações sociais do indivíduo que se torna moralmente, economicamente e socialmente dependente dele, levando a uma naturalização das contradições econômicas, socias, políticas e jurídicas decorrentes do capitalismo. O caminho da beleza da vida pode ser o da liberdade e a beleza, porém, desviamonos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens, levantou no mundo as muralhas do ódio e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios. Criamos a época da produção veloz, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz em grande escala, tem provocado a escassez. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade; mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura! Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo estará perdido. (Charles Chaplin, em discurso proferido no final do filme O grande ditador, 1940). 5. REFERÊNCIAS ALVES, G. O novo (e precário) mundo do trabalho. Reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 3. ed. São Paulo: Boitempo, BORGES, A. Mercado de trabalho: mais de uma década de terceirização. In: FRANCO, T; DRUCK, G. A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. São Paulo: Boitempo, MARX, K. Capítulo VI Inédito de O Capital. Resultados do processo de produção imediata. São Paulo: Editora Moraes, MÉSZÁROS, I. Para além do capital. Tradução de Paulo César Castanheira e Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo, VENCO, S. Centrais de teleatendimento: o surgimento dos colarinhos furta-cores? In: ANTUNES, R.; BRAGA, R. (Org.). Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, p

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI O que os trabalhadores do call center e de programação e produção de software têm em comum? Esta é uma das questões que o sociólogo

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 Fabio Jardel Gaviraghi 2, Caroline Goerck 3, Walter Frantz 4. 1 Projeto de Pesquisa do Doutorado

Leia mais

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO João Maria de Oliveira* 2 Alexandre Gervásio de Sousa* 1 INTRODUÇÃO O setor de serviços no Brasil ganhou importância nos últimos tempos. Sua taxa

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos 2 QUESTÃO 01 (1,0) Durante a constituição do capitalismo industrial, no século XVIII, firmou-se o trabalho assalariado, reservado aos indivíduos que não dispunham

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: uma breve análise nas empresas de call centers ABSTRACT

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: uma breve análise nas empresas de call centers ABSTRACT PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: uma breve análise nas empresas de call centers RESUMO Juliana Oliveira Araujo 1 O trabalho no modo de produção capitalista tem impactado de forma intensa a vida e a saúde da classe

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

Gestão da Informação e do Conhecimento

Gestão da Informação e do Conhecimento Gestão da Informação e do Conhecimento Aula 01 Contextualizando Gestão e para onde vamos Dalton Lopes Martins dmartins@gmail.com 2sem/2014 Plano de aula e a turma O que vamos fazer nesse semestre... O

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 5 (Placas Tectônicas e Terremotos) A partir das informações apresentadas e de conhecimentos geográficos, indique as áreas e as razões que levam algumas zonas do planeta a estarem sujeitas a maior

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia Atividade extra Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer

Leia mais

O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA

O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA Caroline Maria Leal 1 Larissa Vieira Rêgo 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar a real situação do trabalho na sociedade brasileira, buscando sinalizar

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

A ESPACIALIZAÇÃO DO CRACK: UM ESTUDO DO SEU EFEITO ASSOCIADO À METRÓPOLE. Jéssyca Tomaz de CARVALHO¹ jessyca_tc_@hotmail.com

A ESPACIALIZAÇÃO DO CRACK: UM ESTUDO DO SEU EFEITO ASSOCIADO À METRÓPOLE. Jéssyca Tomaz de CARVALHO¹ jessyca_tc_@hotmail.com A ESPACIALIZAÇÃO DO CRACK: UM ESTUDO DO SEU EFEITO ASSOCIADO À METRÓPOLE Helena de Moraes BORGES¹ 1 helenaborgesm@hotmail.com Jéssyca Tomaz de CARVALHO¹ jessyca_tc_@hotmail.com Ângela Maria Martins PEIXOTO¹

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Trabalho Sindical. Elementos categoriais

Trabalho Sindical. Elementos categoriais Trabalho Sindical Elementos categoriais O papel da Direção Executiva Trabalho sindical como trabalho ideológico Ação sobre o outro-de-classe visando mobilizar para a luta sindical) GIOVANNI ALVES - UNESP

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO BATISTA, Erika IFSP_Campinas/Unesp erikkabatista@gmail.com DE BLASI, Jacqueline

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda.

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. AUTORA: Sandra Maria Zanello de Aguiar. CREDENCIAIS DO AUTOR: Mestre em Serviço Social-PUC/São Paulo; Professora do Curso de Serviço Social da Universidade

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL Luana Vianna dos Santos Maia Tatiane da Fonseca Cesar Resumo: O artigo apresentou uma

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1.

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1 A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1. INTRODUÇÃO Laudicéia Lourenço de Araújo 2 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão laudiceia.geografia@gmail.com

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Governança, Commons e Direitos de Propriedade Intelectual: uma análise em termos de Social Choice

Governança, Commons e Direitos de Propriedade Intelectual: uma análise em termos de Social Choice Acorn-Redecom Conference 2011 Program Thursday, May 19th and Friday, May 20th Lima, Perú Governança, Commons e Direitos de Propriedade Intelectual: uma análise em termos de Social Choice Alain Herscovici

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista As determinações do trabalho no modo de produção capitalista Amanda Larissa Magalhães Ferreira 1 Luciene de Barros correia Teotonio 2 Sanney Karoliny Calixto Barbosa 3 Resumo: O presente artigo tem como

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Eixo temático: Ciências Sociais DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Matheus Sousa Ribeiro 1 RESUMO:

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DO DER/MG.

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DO DER/MG. CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO/MBA GESTÃO PÚBLICA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje?

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Estudos do Trabalho Ano II. Nº 3-2008. Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Ricardo Antunes Professor da Universidade Estadual

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO Watfa Abou Chami Pereira PPGTE-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Nilson Marcos Dias Garcia PPGTE/DAFIS-Universidade

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23. Prevenir ainda é melhor que remediar 47

A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23. Prevenir ainda é melhor que remediar 47 Sumário Introdução Pauta do livro 13 1 Empregos fixos freelance Quem mexeu no nosso queijo? 17 2 Empreendedorismo A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23 3 Terceirização

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais

Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova

Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova Resultado de investigación finalizada GT18 Reestructuración productiva, trabajo y dominación social Fernanda Caldas de Azevedo RESUMO: Este trabalho

Leia mais

Movimentos sociais - tentando uma definição

Movimentos sociais - tentando uma definição Movimentos sociais - tentando uma definição Analogicamente podemos dizer que os movimentos sociais são como vulcões em erupção; Movimentos sociais - tentando uma definição Movimentos sociais ocorrem quando

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Rio de Janeiro. Ed. Civilização Brasileira. p. 182. Citação da obra Ideias Estéticas de Marx de Adolfo Sánchez Vázquéz, 1968, p. 221.

Rio de Janeiro. Ed. Civilização Brasileira. p. 182. Citação da obra Ideias Estéticas de Marx de Adolfo Sánchez Vázquéz, 1968, p. 221. VIII Colóquio Internacional Marx e Engels - 2015 Título: Trabalho produtivo e improdutivo: a atividade artística musical e os fundamentos de sua precariedade Autor: Fábio Luiz Tezini Crocco - Professor

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

A nova força de trabalho proposta por Drucker identificada no Brasil em tempos de crise

A nova força de trabalho proposta por Drucker identificada no Brasil em tempos de crise http://www.administradores.com.br/artigos/ A nova força de trabalho proposta por Drucker identificada no Brasil em tempos de crise DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

O Processo Básico de Reorganização da Economia

O Processo Básico de Reorganização da Economia O Processo Básico de Reorganização da Economia É útil, sempre, mas particularmente no tempo que vivemos, mantermos clara a compreensão do processo de reorganização da economia dos agentes intervenientes

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Influências das políticas públicas de inclusão

Influências das políticas públicas de inclusão artigo Rodrigo Perla Martins Diretor do Sinpro/RS Doutor em História, Mestre em Ciência Política e graduado em História. Influências das políticas públicas de inclusão na educação superior e os benefícios

Leia mais

Educação Profissional, Demanda e Inclusão S ocial Dante Henrique MOURA IFRN/NUPED dante@ cefetrn.br Natal, 29/03/2010

Educação Profissional, Demanda e Inclusão S ocial Dante Henrique MOURA IFRN/NUPED dante@ cefetrn.br Natal, 29/03/2010 Educação Profissional, Demanda e Inclusão S ocial Dante Henrique MOURA IFRN/NUPED dante@ cefetrn.br Natal, 29/03/2010 ... De quais educação profissional e inclusão social estamos tratando? Sob a ótica

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Mudanças na forma de organização do trabalho

Mudanças na forma de organização do trabalho Mudanças na forma de organização do trabalho Jaqueline Lopes 1 Resumo: A importância de falar sobre as mudanças que vem ocorrendo ao longo dos séculos no mundo do trabalho, é que essas mudanças têm como

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais