Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação"

Transcrição

1 Dezembro de 2015 Proposta de prestação de serviços Candidatura ao Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Construção de Hotel 4 ou 5 Estrelas S. Vicente A/C: A. Machado, Sociedade de Mediação Imobiliária, Lda

2 Índice Nota introdutória 3 1. Investimento a realizar 6 2. Despesas elegíveis 8 Ficha técnica 13 2

3 Nota introdutória A Fundo de Maneio, Lda. é uma empresa de consultoria económica e financeira, sedeada na cidade de Ponta Delgada na ilha de São Miguel. Desde o ano 2000 que a empresa desenvolve a sua atividade em dois vetores: consultoria Económica e Financeira dirigida e entidades públicas e privadas; e candidaturas a Sistemas de Incentivos regionais, nacionais e comunitários de investimentos promovidos por entidades públicas e privadas. No vetor da consultoria económica e financeira, a Fundo de Maneio tem colaborado com várias empresas do tecido empresarial açoriano no levantamento de necessidades organizacionais nas áreas económica, finanças empresariais, investimentos, marketing e recursos humanos. Consultoria económica: colaboração ativa e recorrente com entidades regionais e nacionais no desenvolvimento e na apresentação de trabalhos relacionados com a sociedade e a economia açoriana. Finanças empresariais: especialização, ao longo de vários anos de atividade, na avaliação de empresas, na análise comparativa da organização com o setor de atividade e na análise do equilíbrio financeiro e do risco de negócios, onde se incluem trabalhos por solicitação de grandes grupos económicos nacionais. Investimentos: vasta experiência, transversal a todos os setores de atividades económicas, no levantamento das necessidades de investimento e enquadramento nos sistemas de incentivos em vigor. Estudamos a otimização do investimento face às necessidades do mercado e restrições orçamentais, com o intuito de maximizar a rendibilidade para os investidores. Apoiamos e acompanhamos a decisão de afetação de recursos financeiros em investimentos em ativos reais e em ativos financeiros. 3

4 Nota introdutória Marketing: desenvolvimento de estudos de mercado e de opinião e de análise do comportamento dos consumidores. É de realçar a colaboração contínua com o Observatório Regional do Turismo no desenho, implementação, recolha e análise de inquéritos a visitantes da Região de várias nacionalidades. A prova dos métodos rigorosos utilizados pela Fundo de Maneio consubstancia-se na publicação de alguns dos estudos nessa área em revistas científicas internacionais relacionadas com a economia do turismo. Recursos humanos: especialização em trabalhos de identificação das necessidades de formação profissional e de análise do impacto de ações de formação. Oportunamente, temos também tem desenvolvido e implementado ações de formação em colaboração com os nossos clientes. No vetor das candidaturas a Sistemas de Incentivos, a Fundo de Maneio tem dirigido estudos de viabilidade económico-financeira em diversas áreas de investimentos e instruído e acompanhado com sucesso processos de candidatura a vários sistemas comunitários de incentivos, como o FEDER, Fundo de Coesão, Fundo Social Europeu, POVT, SIDER, PROCONVERGENCIA, PRORURAL, PROENERGIA, EMPREENDE JOVEM e, recentemente, no Competir+. Neste âmbito, o nosso website ( agrega uma amostra da nossa vasta carteira de projetos. Possuímos experiência em projetos no setor primário, secundário e terciário, dos quais destacamos o transporte marítimo, infraestruturas portuárias e aeroportuárias, gares marítimas de passageiros, marinas, unidades de saúde, espaços de espetáculos e conferências, unidades hoteleiras, unidade de alojamento no espaço rural, estabelecimentos de restauração e bebidas, atividades de animação turística em terra e no mar, centros de mergulho, unidades de transformação de pescado e unidades industriais de transformação de produtos agrícolas. 4

5 Nota introdutória O núcleo de sócios com Doutoramentos nas Ciências Económicas e Empresariais, obtidos em Universidades Europeias reconhecidas, incute um elevado nível de qualidade nos estudos efetuados pela Fundo de Maneio, sendo que o conhecimento gerado parte de análises minuciosas aos contextos em estudo e da aplicação de técnicas cujo rigor é reconhecido pelo meio científico. Oportunamente a Fundo de Maneio colabora também ativamente com especialistas em diversas áreas, sendo de destacar o turismo, o marketing e a economia do desenvolvimento. O rigor científico vigente na empresa é patente no facto de ser das poucas empresas Portuguesas, de capital integralmente privado, a ter publicações científicas em revistas internacionais. Neste contexto, este documento tem como finalidade apresentar a Vossa Excelência um resumo do Subsistema de Incentivos para o Fomento da Base Económica de Exportação, relativo ao seguinte investimento: Construção de Hotel de 4 ou 5 Estrelas em S. Vicente, na ilha de S. Miguel. O presente documento inclui o resumo das taxas de incentivo que poderão ascender a 62,5% do valor de investimento e da lista de despesas elegíveis. 5

6 1. Investimento a realizar O incentivo no âmbito do para projetos de investimento que se desenvolvam na área do turismo, realizados na ilha de São Miguel, resulta da aplicação sobre as despesas de investimento totais elegíveis das seguintes taxas: 30% de incentivo não reembolsável; e 25% de incentivo reembolsável. De referir que o prazo do financiamento do incentivo reembolsável é de dez anos, dos quais os quatro primeiros são de carência de capital, contados a partir da data do primeiro pagamento do incentivo. À taxa de incentivo não reembolsável podem ser acrescidas as seguintes majorações: 2,5% de incentivo não reembolsável, se o projeto incluir investimentos em eficiência energética de valor igual ou superior a, pelo menos, 5% das despesas elegíveis; e 5% de incentivo não reembolsável, no caso dos projetos que obtenham a classificação de projetos de interesse regional (PIR), de acordo com os critérios definidos em regulamentação específica. O valor máximo a conceder de subsídios é de 5 milhões de euros como subsidio não reembolsável e de 5 milhões de euros como subsidio reembolsável. 6

7 1. Investimento a realizar Pode, ainda, ser concedido um prémio de realização após a conclusão do projeto de investimento, tendo por base o grau de obtenção de resultados, o qual consiste na transformação do incentivo reembolsável em incentivo não reembolsável, até ao limite máximo do montante do incentivo reembolsável. Este corresponde à aplicação das seguintes percentagens sobre as despesas elegíveis do projeto, em função dos seguintes indicadores de obtenção de resultados: Criação de postos de trabalho: 1% por cada posto de trabalho criado, se forem criados até 5 postos de trabalho; e 0,5% por cada posto de trabalho criado para além de 5 postos de trabalho, até ao limite de 15%. Produtividade económica do projeto: PEP (calculada através do rácio da variação do valor acrescentado bruto entre o ano pré-projeto e o ano cruzeiro sobre o investimento elegível do projeto), nos seguintes escalões: 2,5% se 10% < PEP < 20%; 5% se 20% < PEP < 35%; 7,5% se 35% < PEP < 55%; e 10% se PEP > 55%. 7

8 2. Despesas elegíveis As despesas elegíveis no âmbito do, nomeadamente para projetos que se desenvolvam na área do turismo são: Construção e reconstrução de edifícios, obras de instalação e remodelação de instalações e outras construções, desde que diretamente relacionadas com o processo produtivo e com as funções essenciais ao exercício da atividade; Aquisição de máquinas e equipamentos, designadamente nas áreas da gestão, produção, comercialização e marketing, comunicações, logística, design, qualidade, segurança e higiene, controlo laboratorial, eficiência energética e proteção ambiental; Aquisição de equipamentos sociais que o promotor seja obrigado a possuir por determinação legal e de outros equipamentos sociais, até ao limite de 2% do investimento elegível, neste último caso; Aquisição de terrenos para atividades termais, até ao limite de 30% do investimento elegível; Aquisição de automóveis ligeiros de mercadorias e outro material de transporte, desde que os mesmos se afigurem essenciais para o exercício da respetiva atividade e não se destinem a aluguer sem condutor, até ao limite de ,00 euros; Aquisição de automóveis pesados, desde que os mesmos se afigurem essenciais para o exercício da respetiva atividade, até ao limite de ,00 euros; 8

9 2. Despesas elegíveis Aquisição de instrumentos e equipamento científico e técnico imprescindível ao projeto; Aquisição de software standard ou específico, relacionado com o desenvolvimento do projeto, até ao limite de 15% do investimento elegível (elegível apenas para as PME); Transferência de tecnologia, através da aquisição de direitos de patente, licenças saber -fazer, ou conhecimentos técnicos não protegidos por patente, sendo que no caso de empresas não PME estas despesas não poderão exceder 50% das despesas elegíveis do projeto; Despesas relacionadas com a intervenção de técnicos oficiais de contas ou revisores oficiais de contas (elegíveis apenas para as PME); Despesas com projetos de arquitetura e de engenharia ou outros associados ao projeto de investimento, com os seguintes limites (elegíveis apenas para as PME): 5% do investimento elegível, para projetos até ,00 euros; 4% do investimento elegível, para projetos superiores a ,00 euros e inferiores ou iguais a ,00 euros; e 3% do investimento elegível, para projetos superiores a ,00 euros; Despesas com investimentos nas áreas de eficiência energética, sistemas de qualidade, de segurança e de gestão ambiental; 9

10 2. Despesas elegíveis Despesas com a introdução de tecnologias de informação e comunicações, para além do limite de 15% do investimento elegível para a aquisição de software standard ou específico, relacionado com o desenvolvimento do projeto, quando devidamente fundamentado e obtido o parecer favorável do departamento do Governo Regional com competência em matéria de tecnologia; Despesas com transportes, seguros, montagem e desmontagem de equipamentos elegíveis; Despesas com garantias bancárias exigidas ao promotor no âmbito do presente Subsistema de Incentivos; Despesas associadas à formulação de pedidos de patentes, modelos de utilidade e desenhos ou modelos nacionais, no estrangeiro pela via direta nas administrações nacionais, comunitárias e internacionais, designadamente taxas, pesquisas ao estado da técnica e honorários de consultoria em matéria de propriedade industrial; Despesas com o processo de implementação e certificação do Sistema de Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação, designadamente honorários de consultoria, formação e instrução do processo junto de entidade certificadora; Despesas com a criação e desenvolvimento de insígnias, marcas, coleções próprias e planos de marketing, até ao limite de 20% do investimento elegível e até ao montante máximo de ,00 euros; 10

11 2. Despesas elegíveis O salário bruto antes de impostos e as contribuições obrigatórias para a segurança social, durante um período de tempo de dois anos, dos novos postos de trabalho criados com a realização do projeto de investimento, tendo por limite máximo mensal o valor correspondente a quatro vezes o salário mínimo regional, caso o posto de trabalho seja preenchido por um doutorado, a três vezes o salário mínimo regional, por trabalhador, caso o posto de trabalho seja preenchido por um licenciado, e uma vez e meia o salário mínimo regional, por trabalhador, caso o posto de trabalho seja preenchido por um não licenciado; Aquisição de terrenos para campos de golfe e parques temáticos, até ao limite de 30% do investimento elegível; Aquisição de edifícios degradados, desde que destinados aos projetos de instalação dos empreendimentos a que se referem as alíneas a) a d) do n.º 1 do artigo 9.º do DRR n.º 19/2014/A, até ao limite de 30% do investimento elegível (elegível apenas para as PME); Aquisição de edifícios que, pela sua localização ou valor arquitetónico, interesse preservar, reconhecidos pela direção regional com competência em matéria de cultura, até ao limite de 40% do investimento elegível, desde que destinados à instalação dos empreendimentos a que se referem as alíneas a) a d) do nº 1 do artigo 9º do DRR (elegível apenas para as PME); 11

12 2. Despesas elegíveis Aquisição e ou recuperação de mobiliário, artefactos e elementos decorativos antigos no âmbito de investimentos em empreendimentos a que se referem as alíneas a) a d) e g) do nº 1 do artigo 9º do DRR n.º 19/2014/A (elegível apenas para as PME); Aquisição de embarcações, com ou sem motor, até ao limite de 70% do investimento elegível, desde que as mesmas se afigurem essenciais para o exercício da respetiva atividade; Aquisição de veículos e outro material de transporte, desde que os mesmos se afigurem essenciais para o exercício da respetiva atividade e não se destinem ao aluguer sem condutor, até ao limite de ,00 euros, no caso de projetos promovidos por empresas de animação turística; Embarcações ou outros meios de transporte usados, em casos devidamente fundamentados e para projetos apresentados por PME, cujo interesse seja reconhecido por despacho do membro do Governo Regional com competência em matéria de turismo, até ao limite de 70% do investimento elegível; e Despesas com estudos, diagnósticos e auditorias associados ao projeto de investimento, até ao limite de 5% do investimento elegível, com um máximo de ,00 euros (elegíveis apenas para as PME). 12

13 Ficha técnica Fundo de Maneio, Lda. Consultoria, Recursos Humanos e Investimentos Rua Bento José Morais, 23, 1.º NE Ponta Delgada Telefone/Fax: (+351) Subsistema de Incentivos para o Fomento da Base Económica de Exportação 13

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 5032 Diário da República, 1.ª série N.º 182 22 de setembro de 2014 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Presidência do Governo Decreto Regulamentar Regional n.º 19/2014/A SUBSISTEMA DE INCENTIVOS PARA O FOMENTO

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Decreto Regulamentar Regional n.º 10/2015/A Terceira alteração ao Decreto Regulamentar Regional n.º 18/2014/A Objeto Subsistema de Incentivos para o Urbanismo Sustentável Integrado Este Subsistema visa

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 10/2015/A de 12 de Maio de 2015

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 10/2015/A de 12 de Maio de 2015 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 10/2015/A de 12 de Maio de 2015 Terceira alteração ao Decreto Regulamentar Regional n.º 18/2014/A, de 19 de setembro - Subsistema de Incentivos

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

Inovação Produtiva Não PME

Inovação Produtiva Não PME Inovação Produtiva Não PME Objetivos 1. Reforçar o investimento empresarial em atividades inovadores, promovendo o aumento da produção transacionável e internacionalizável e a alteração do perfil produtivo

Leia mais

Portugal 2020 Inovação Produtiva para Projetos do Setor do TURISMO

Portugal 2020 Inovação Produtiva para Projetos do Setor do TURISMO MARÇO 2015 Portugal 2020 Inovação Produtiva para Projetos do Setor do TURISMO Enquadramento Com a publicação da Portaria n.º 57-A/2015, de 27 de fevereiro, foi aprovado o Regulamento Específico do Domínio

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 Qualificação PME Esta candidatura consiste num plano de apoio financeiro a projetos que visam ações de qualificação de PME em domínios imateriais com o objetivo de

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 3180 Diário da República, 1.ª série N.º 103 28 de maio de 2015 2 Todas as remissões efetuadas para as normas revogadas consideram -se efetuadas, com as devidas adaptações, para a presente portaria. Artigo

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

INOVAÇÃO PRODUTIVA CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 07/SI/ All rights reserved

INOVAÇÃO PRODUTIVA CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 07/SI/ All rights reserved CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 07/SI/2017 1 Introdução Enquadramento Incentivar a inovação do tecido económico nacional através do desenvolvimento de empresas e empreendedores, inovando

Leia mais

Concurso para apresentação de candidaturas Alterações ao Aviso Nº ACORES , de 6 de fevereiro de 2015

Concurso para apresentação de candidaturas Alterações ao Aviso Nº ACORES , de 6 de fevereiro de 2015 Concurso para apresentação de candidaturas Alterações ao Aviso Nº ACORES-54-2015-06, de 6 de fevereiro de 2015 Na sequência da publicação do Concurso para a Apresentação de Candidaturas constante do AVISO

Leia mais

FINANCIAMENTO DE PROJETOS PT2020

FINANCIAMENTO DE PROJETOS PT2020 Abordagem da Empresa à Universidade: Consultoria Técnica e de Negócios, Inovação, Startup s, PME s FINANCIAMENTO DE PROJETOS PT2020 09 março 2017 Ricardo Correia Licks & Associados, Lda. Enquadramento

Leia mais

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa Considerando que a competitividade da economia concelhia está na primeira linha das preocupações

Leia mais

O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS TURÍSTICAS. Linha de Apoio à Qualificação da Oferta

O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS TURÍSTICAS. Linha de Apoio à Qualificação da Oferta O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS TURÍSTICAS Linha de Apoio à Qualificação da Oferta CENTRO O Financiamento da Atividade Turística LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA 23 Maio 2017 Miguel Mendes Beneficiários

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO E CRIATIVO

EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO E CRIATIVO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 09/SI/2017 1 Introdução Enquadramento Pretende-se reforçar os níveis de empreendedorismo qualificado e criativo, através de apoios diretos aos empreendedores

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 5050 Diário da República, 1.ª série N.º 183 23 de setembro de 2014 que ela, obliquamente, esvaziava a garantia do duplo grau de jurisdição em matéria de facto, uma vez que as limitações do Supremo Tribunal

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha)

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua (atualizado a 30 de abril de 2014) UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento

Leia mais

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Sintra, 13 de abril de 2015 AGENDA 1 Portugal 2020 Enquadramento Geral 2 Sistema de Incentivos às Empresas 3 Concursos 1 2020 Enquadramento Geral PORTUGAL 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 Jovens Agricultores + 3.2 - Investimentos na Exploração Agrícola PSZ CONSULTING 2015 Índice Índice... 1 1 Prémio aos Jovens Agricultores... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2

Leia mais

ASSESPRO/SEITAC ITIC. Portugal Sistema de Incentivos

ASSESPRO/SEITAC ITIC. Portugal Sistema de Incentivos ASSESPRO/SEITAC ITIC Portugal 2020 Sistema de Incentivos A Globalseven é uma consultora nacional, cujos principais negócios recaem na prestação de serviços de consultoria em Gestão de Negócios, dando prioridade

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

Financiamento e Empreendedorismo Cultural

Financiamento e Empreendedorismo Cultural Financiamento e Empreendedorismo Cultural Instrumentos e Soluções de Investimento Porto, 2 de Julho 2009 Financiamento e Empreendedorismo Cultural 1 Programa Financiamentos ao Sector Cultural Soluções

Leia mais

Projetos I&DT Demonstradores em Copromoção (04/SI/2017)

Projetos I&DT Demonstradores em Copromoção (04/SI/2017) Projetos I&DT Demonstradores em Copromoção (04/SI/2017) Data / Hora Date(s) - 23/02/2017-02/06/2017 Categorias Concursos em aberto ENQUADRAMENTO Desenvolver, a partir de atividades de I&D concluídas com

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação

Sistema de Incentivos à Inovação Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva e Empreendedorismo Qualificado até concursos abertos 26 de abril de 2012 sistema de incentivos à inovação Inovação Produtiva e Empreendedorismo Qualificado

Leia mais

Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes

Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes Gestão da Poupança Linha de crédito para apoio à Qualificação da Oferta (1/6) Beneficiários

Leia mais

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 FICHA TÉCNICA FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 Objetivo Este sistema de incentivos tem por alvo direto as micro,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT)

Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) (Regime Contratual de Investimento RCI) Esta candidatura insere-se no Regime Contratual de Investimento (RCI), sendo que as

Leia mais

SI INOVAÇÃO TURISMO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E EMPREENDORISMO QUALIFICADO (AVISO DE CANDIDATURA JANEIRO 2011) INFORMAÇÃO SINTETIZADA

SI INOVAÇÃO TURISMO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E EMPREENDORISMO QUALIFICADO (AVISO DE CANDIDATURA JANEIRO 2011) INFORMAÇÃO SINTETIZADA SI INOVAÇÃO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E EMPREENDORISMO QUALIFICADO (AVISO DE CANDIDATURA JANEIRO 2011) TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

DO WITH TIME ALL YOU DESERVE

DO WITH TIME ALL YOU DESERVE DO WITH TIME ALL YOU DESERVE INVESTIMENTO SUSTENTÁVEL E PIONEIRO PARA O CONCELHO DE ÓBIDOS E REGIÃO OESTE DE PORTUGAL Serena Sénior, é um projeto com 13.581 M2 de construção aprovada, pronto a dar inicio

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 ENQUADRAMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Leia mais

Fórum das Exportações

Fórum das Exportações Ponta Delgada 27 de Junho de 2011 Arnaldo Machado Director Regional de Apoio ao Investimento e à Competitividade 1 Internacionalização Delimitação do conceito compreende todo o tipo de intervenção qualitativamente

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Objetivos Contribuir para o incremento de uma nova cultura empresarial, baseada no conhecimento e na inovação, introduzindo uma cultura de risco e vontade empreendedora, através do estímulo ao aparecimento

Leia mais

TURISMO: EMPRÉSTIMOS A MÉDIO LONGO PRAZO

TURISMO: EMPRÉSTIMOS A MÉDIO LONGO PRAZO TURISMO: EMPRÉSTIMOS A MÉDIO LONGO PRAZO O Turismo de Portugal (TP), em parceria com o sistema bancário, disponibiliza um instrumento financeiro com um orçamento global de 6 milhões de euros para o financiamento

Leia mais

OPORTUNIDADES NA PRODUÇÃO PRIMÁRIA 6 março 2015

OPORTUNIDADES NA PRODUÇÃO PRIMÁRIA 6 março 2015 OPORTUNIDADES NA PRODUÇÃO PRIMÁRIA 6 março 2015 1 QUEM SOMOS A CONSULAI (www.consulai.com) possui atualmente cerca de 600 clientes, passando por todos os sectores da produção e transformação de produtos

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE INCENTIVOS - QUALIFICAÇÃO DE PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS Índice Preâmbulo... 3 1. Objetivos e prioridades visadas...

Leia mais

FUNCIONAMENTO Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira

FUNCIONAMENTO Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira 08-07-2015 PROGRAMA OPERACIONAL MADEIRA 14-20 Eixo Prioritário 1 - Reforçar a investigação, o desenvolvimento

Leia mais

MISSÃO DO GRUPO. O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local.

MISSÃO DO GRUPO. O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local. MISSÃO DO GRUPO O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local. Conhecedor profundo do tecido empresarial das várias regiões onde actua, oferece as melhores soluções para as expectativas

Leia mais

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO)

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) Condições de Acesso (Portaria n.º 985/2009 de 4 de Setembro) 0 PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Terceira alteração ao Decreto Regulamentar Regional n.º 21/2007/A, de 24 de outubro, alterado pelos Decretos Regulamentares Regionais 11/2009/A, de 13 de agosto, e 9/2010/A, de 14 de junho. Promotores

Leia mais

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado.

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado. 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam desenvolver o turismo e outras actividades de lazer como forma de potenciar a valorização dos recursos endógenos

Leia mais

Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015

Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015 Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015 AGENDA 1 Linha de Apoio à Qualificação da Oferta 2 Linha de Apoio à Qualificação da Oferta Apoio ao Empreendedorismo 3 Circuito de Decisão

Leia mais

Sistema de incentivos às empresas

Sistema de incentivos às empresas www.finaccount.com Sistema de incentivos às empresas Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Índice 1. Inovação empresarial e 3 2. 8 3. Investigação e desenvolvimento tecnológico 15

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições Empréstimos a taxa variável 1. Conta Corrente Conta Corrente Euribor 1, 3 e 6 meses + spread

Leia mais

PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL

PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL INFORMAÇÃO SINTETIZADA OBJETO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização do risco das operações

Leia mais

PDR Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 3.2.2 Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

SI2E. CCDRC 16 de maio de 2017 SI2E. Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego

SI2E. CCDRC 16 de maio de 2017 SI2E. Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego CCDRC 16 de maio de 2017 SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego Registo de Beneficiários no Balcão 2020 Vídeo de apoio ao registo de entidades https://balcao.portugal2020.pt/balcao2020/content/videos/login_12_11_2014.htm

Leia mais

Tipologias dos Vales Simplificados

Tipologias dos Vales Simplificados VALES SIMPLIFICADOS Pontos a Abordar Tipologias dos Vales Simplificados Condições Gerais do Incentivo Beneficiários Critérios de Elegibilidade dos Projetos Critérios de Elegibilidade dos Beneficiários

Leia mais

PME Investe III. Linha da Região OESTE

PME Investe III. Linha da Região OESTE PME Investe III Linha da Região OESTE Objectivos Esta Linha de Crédito, sem juros e com garantias a custo reduzido, visa apoiar as empresas do sector do turismo, localizadas na região Oeste e destina-se

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME

INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 11/SI/2017 1 Introdução Enquadramento Reforçar a competitividade das empresas, promover o aumento da exportação de produtos com alta intensidade tecnológica

Leia mais

POCI -Programa Operacional de Competitividade e Internacionalização. Inovação Empresarial e Empreendedorismo

POCI -Programa Operacional de Competitividade e Internacionalização. Inovação Empresarial e Empreendedorismo POCI -Programa Operacional de Competitividade e Internacionalização Inovação Empresarial e Empreendedorismo Rua Carlos Alberto Morais, 122 B bwsconsulting@outlook.pt 4450-349 Leça da Palmeira http://bwsconsulting.wix.com/site

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

Âmbito do Fundo de Modernização do Comércio

Âmbito do Fundo de Modernização do Comércio Comércio Investe Projeto Individual Âmbito do Fundo de Modernização do Comércio Candidaturas entre 30 de Setembro e 25 de Novembro Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis Nº 208, 1º Andar, Sala P 3720 256

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO 1 Município de Marvão NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO Considerando o acentuado decréscimo da actividade industrial, comercial, serviços

Leia mais

Linha Apoio à Qualificação da Oferta 2017 Turismo de Portugal

Linha Apoio à Qualificação da Oferta 2017 Turismo de Portugal Linha Apoio à Qualificação da Oferta 2017 Turismo de Portugal 2017 ENQUADRAMENTO E SÍNTESE No âmbito do protocolo assinado em Março de 2016 entre o Turismo de Portugal (TP) e o BPI, foi disponibilizada

Leia mais

O desafio das empresas em contexto de incerteza. Data: 24/05/2012

O desafio das empresas em contexto de incerteza. Data: 24/05/2012 O desafio das empresas em contexto de incerteza Data: 24/05/2012 CONHECER OS CUSTOS DAS EMPRESAS Contabilidade Diagnóstico económico-financeiro Indicadores de Gestão Apoio a Candidaturas a Sistemas de

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO PME

INTERNACIONALIZAÇÃO PME I N T E R N A C I O N A L I Z A Ç Ã O P M E Page 1 INTERNACIONALIZAÇÃO PME 2016 www.mentorgest.pt I N T E R N A C I O N A L I Z A Ç Ã O P M E Pag. 2 ÍNDICE A MentorGest... 3 Serviços MentorGest no âmbito

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Projetos Conjuntos

Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Projetos Conjuntos Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Projetos Conjuntos Salão Nobre da Câmara Municipal de Vale de Cambra 24/03/2015 Agenda 1 - Projeto Conjunto Entidades beneficiárias Condições de elegibilidade do

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS

PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL (BAIXA DENSIDADE) AVISO NORTE 51 2016 06 ANEXO Nº 1 DESPESAS ELEGÍVEIS Para além das condições de elegibilidade definidas em sede de aviso correspondente a cada tipologia

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 03/SI/2016

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 03/SI/2016 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 03/SI/2016 SISTEMA DE INCENTIVOS QUALIFICAÇÃO DAS PME 16 DE MARÇO DE 2016 Página 1 de 17 Índice Preâmbulo... 3 1. Objetivos e prioridades visadas...

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento

INFORMAÇÃO FISCAL CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento INFORMAÇÃO FISCAL CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento A Lei n.º 49/2013, de 16 de julho, criou um incentivo fiscal ao investimento designado por CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento.

Leia mais

Internacionalização das PME Qualificação das PME

Internacionalização das PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização PME Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

Programa + Património + Turismo. Regulamento ENQUADRAMENTO

Programa + Património + Turismo. Regulamento ENQUADRAMENTO Programa + Património + Turismo Regulamento ENQUADRAMENTO O setor do Turismo é um dos principais motores da economia nacional, traduzindo-se numa atividade capaz de promover a coesão social e territorial.

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

1. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

1. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 1.1. Depósitos à ordem 1. Comissão de gestão/manutenção de conta Conta NB 100% (clientes particulares residentes e não residentes, maiores de 18 anos). Conta NB 100% 55+ (clientes particulares residentes

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Rio Maior Setembro 2016 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 5 ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Ação 5.1 CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES Enquadramento Regulamentar Artigo 27.º Criação

Leia mais

Orientação técnica n.º 1/2010

Orientação técnica n.º 1/2010 Orientação técnica n.º 1/2010 Plano de Promoção da Eficiência do Consumo de Energia Eléctrica PPEC 2011-2012 Nas Regras do plano de promoção da eficiência no consumo de energia eléctrica (PPEC), aprovadas

Leia mais

SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego

SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego Portaria 105/2017, de 10 de março ORGANISMOS INTERMÉDIOS NO OESTE COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE Âmbito Territorial ORGANISMOS INTERMÉDIOS

Leia mais

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO Turismo em Portugal Importância na economia portuguesa. Um setor competitivo e com relevância crescente na economia de Portugal. 11,4Mm Receitas Turísticas (2015, BdP)

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 4/2016/A de 8 de Julho de 2016

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 4/2016/A de 8 de Julho de 2016 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 4/2016/A de 8 de Julho de 2016 Quarta Alteração ao Subsistema de Incentivos para o Fomento da Base Económica de Exportação No seguimento da

Leia mais

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização

Leia mais

APOIOS FINANCEIROS AO TURISMO

APOIOS FINANCEIROS AO TURISMO APOIOS FINANCEIROS AO TURISMO I) LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA 2017/2018 (FUNDO DE TURISMO) II) PROGRAMA CAPITALIZAR: LINHA DE CRÉDITO (PME INVESTIMENTOS) III) PROGRAMA VALORIZAR: PROGRAMA DE

Leia mais

FINANCIAMENTO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

FINANCIAMENTO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS FINANCIAMENTO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Objectivos qualitativos Portugal enquanto destino de maior crescimento na Europa Turismo assente na qualificação da oferta e na excelência do capital humano

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL Portugal continua a ser o País da União Europeia com mais baixos salários, onde se têm acentuado as desigualdades salariais e sociais e onde

Leia mais

SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego

SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego PSZ CONSULTING 2017 Tipologia O SI2E pretende estimular o surgimento de iniciativas empresariais e a criação de emprego em territórios de baixa

Leia mais

SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO SI2E Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO ÍNDICE TIPOLOGIA 3 BENEFICIÁRIOS 3 PROJETOS A APOIAR 3 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DOS BENEFICIÁRIOS 3 CRITÉRIOS

Leia mais

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL Regime fiscal das fundações Guilherme W. d Oliveira Martins FDL DUP e benefícios fiscais O regime fiscal das Fundações/IPSS depende da atribuição da declaração de utilidade pública a essas pessoas coletivas.

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013 NORMA DE PAGAMENTOS SAESCTN, SAMA E SIAC De acordo com o previsto nos Contratos/Termos de Aceitação de Financiamento, estabelece-se a norma de pagamentos aplicável

Leia mais

Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL Sucursal de Instituição de Crédito com sede no estrangeiro (autorizada noutro estado membro da Comunidade Europeia) Consulte o FOLHETO

Leia mais

O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal.

O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. 2. O Quadro de Pessoal da Polícia Judiciária é constituído por: - Pessoal de Investigação Criminal - Pessoal de Apoio à Investigação Criminal - Pessoal

Leia mais

ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS INERENTES ÀS PROPOSTAS DE PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES DE COOPERAÇÃO

ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS INERENTES ÀS PROPOSTAS DE PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES DE COOPERAÇÃO ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS INERENTES ÀS PROPOSTAS DE PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES DE COOPERAÇÃO 1 1. Objeto O presente documento tem como objetivo tomar claros e criteriosos os critérios de elegibilidade

Leia mais

Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II

Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II SIFIDE II Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II Candidaturas até 31 de Julho de 2016 Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis Nº 208, 1º Andar, Sala M 3720 256 Oliveira de Azeméis - Portugal

Leia mais

ÍNDICE PORTUGAL ENQUADRAMENTO COMPETIR + CONDIÇOES GERAIS PROGRAMA OS 6 PASSOS DE UMA CANDIDATURA CALENDARIZAÇÃO

ÍNDICE PORTUGAL ENQUADRAMENTO COMPETIR + CONDIÇOES GERAIS PROGRAMA OS 6 PASSOS DE UMA CANDIDATURA CALENDARIZAÇÃO AÇORES 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 1. 2. 3. 4. 5. 6. ENQUADRAMENTO COMPETIR + CONDIÇOES GERAIS PROGRAMA OS 6 PASSOS DE UMA CANDIDATURA CALENDARIZAÇÃO OFERTA GLOBAL NOVO BANCO DOS AÇORES 1- ENQUADRAMENTO

Leia mais

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas 1. Identificação do Candidato 1.1. Nome da pessoa/organização: 1.2. Número de identificação (BI ou CC): de / / ou

Leia mais

Portugal 2020 Investir no futuro. R&D and Government Incentives

Portugal 2020 Investir no futuro. R&D and Government Incentives Portugal 2020 Investir no futuro R&D and Government Incentives 1 Qualificação e Internacionalização (QI) das Pequenas e Médias Empresas (PME) Síntese Tipologias de projetos Atividades económicas elegíveis

Leia mais

Portugal 2020 Investir no futuro. R&D and Government Incentives

Portugal 2020 Investir no futuro. R&D and Government Incentives Portugal 2020 Investir no futuro R&D and Government Incentives 1 Qualificação e Internacionalização (QI) das Pequenas e Médias Empresas (PME) Síntese Tipologias de projetos Atividades económicas elegíveis

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Financiamento por Eixo Prioritário

Leia mais

SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017

SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017 SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017 CONTEXTO Estratégia de Desenvolvimento Territorial do Alentejo Central

Leia mais

Promover o reforço das capacidades técnica e tecnológica das PME e a modernização das estruturas, através da sua participação na economia digital;

Promover o reforço das capacidades técnica e tecnológica das PME e a modernização das estruturas, através da sua participação na economia digital; SIED SISTEMA DE INCENTIVOS À ECONOMIA DIGITAL FICHA DE MEDIDA Apoia projectos que visem dinamizar a participação das pequenas e médias empresas na economia digital, actuando ao nível do reforço das capacidades

Leia mais

Linha de Crédito Investe QREN. Apresentação a clientes

Linha de Crédito Investe QREN. Apresentação a clientes Linha de Crédito Investe QREN Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua Apresentação a clientes UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento Pretende-se com esta Linha beneficiar

Leia mais

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis As metas ambientais fixadas pela União Europeia para 2020 (aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis em 20%), a recente legislação criada para o sector dos edifícios (RSCECE

Leia mais

Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional. II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores. Tipologia de Investimento

Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional. II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores. Tipologia de Investimento Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores Tipologia de Investimento designadamente PME s CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data

Leia mais