INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO SUL CAMPUS BENTO GONÇALVES FLÁVIA APARECIDA NUNES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO SUL CAMPUS BENTO GONÇALVES FLÁVIA APARECIDA NUNES"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO SUL CAMPUS BENTO GONÇALVES FLÁVIA APARECIDA NUNES IMPLEMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ( BPF) E DO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) EM COZINHA INDUSTRIAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Tecnologia em Alimentos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves como parte dos requisitos para a conclusão do curso. Professor Orientador: André Mezzomo Bento Gonçalves 2009

2 2 FLÁVIA APARECIDA NUNES IMPLEEMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ( BPF) E DO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) EM COZINHA INDUSTRIAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Tecnologia em Alimentos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves como parte dos requisitos para a conclusão do curso. Aprovado em \ \ BANCA EXAMINADORA

3 3 Estabelecer procedimentos de Boas Práticas para serviços de alimentação visa a garantir as condições higiênico sanitárias do alimento preparado. ( SILVA, 2005)

4 4 RESUMO A adoção das Boas Práticas de Fabricação e dos Procedimentos Operacionais Padronizados, ao quais o comprovam, representam uma das mais importantes ferramentas para o alcance de níveis adequados de segurança alimentar. O objetivo do presente estudo foi analisar a aplicação das Boas Práticas de Fabricação (BPF) juntamente dos Procedimentos Operacionais Padronizados (POP) em uma cozinha industrial, na cidade de Bento Gonçalves-RS. A avaliação das medidas necessárias para a implementação do programa foi de acordo com os parâmetros exigidos pela legislação. A falta de controle dos aspectos referentes aos manipuladores, ausência de medidas preventivas contra vetores e pragas urbanas, possíveis contaminações cruzadas, bem como falta de cobranças de melhorias por parte da equipe administrativa, quanto à postura dos manipuladores, foram algumas das incoerências encontradas na empresa. Uma análise de custo demonstrou os investimentos necessários para a implementação das adequações, estabelecendo assim, meios que contribuam para a garantia das condições higiênico- sanitárias necessárias na elaboração e distribuição das refeições transportadas. Palavras-chave: Boas Práticas de Fabricação; Cozinha Industrial; Legislação

5 5 ABSTRACT The adoption of Good Manufacturing Practices and Standard Operating Procedures, which is shown, represent one of the most important tools to achieve appropriate levels of security alimentar. The aim of this study was to examine the implementation of Good Manufacturing Practices (GMP ) along the Standard Operating Procedures (SOP) in an industrial kitchen in the city of Bento Gonçalves-RS. The evaluation of the measures needed to implement the program was in accordance with the parameters required by law. The lack of control of aspects relating to the handlers, lack of preventive measures against mosquitoes and urban pests, possible crosscontamination and lack of recovery of improvements by the management team, as the posture of defeat, were some of the inconsistencies found in the company. A cost analysis showed the investment needed to implement the adjustments, thus establishing means which contribute to guarantee the sanitary conditions required in the preparation and distribution of meals transported. Keywords: GMP; Kitchen Appliances; Legislation

6 6

7 7 1. INTRODUÇÃO Com o intúito de controlar as possíveis fontes de contaminação cruzada e para garantir que o produto atenda as especificações de identidade e qualidade, os serviços de alimentação adotam os procedimentos de Boas Práticas de Fabricação (BPF). Neste sistema os manipuladores seguem práticas de higiene aplicando-as sobre a matéria-prima e insumos, em qualquer etapa de seu processamento, armazenamento e transporte, até a obtenção de um produto final seguro e de qualidade. Assim, para a implementação das Boas Práticas de Fabricação faz-se necessário à elaboração de um manual e dos Procedimentos Operacionais Padronizados. O Manual de Boas Práticas é um documento onde estão descritas as atividades e procedimentos que as empresas, que produzem, manipulam, transportam, armazenam e/ou comercializam alimentos, adotam para garantir que os alimentos produzidos tenham segurança e qualidade sanitária aos seus consumidores, (GOMES, 2005; SILVA, 2007;). Quanto aos Procedimentos Operacionais Padronizados, estes são escritos de forma clara e estabelece instruções para a realização de operações ao manipularem-se os alimentos ( FERNADES, 1999). Especificadamente em uma cozinha industrial, implementou-se as Boas Práticas de Fabricação e os Procedimentos Operacionais (POP), uma vez que esta não apresentava tais registros. Fundada num espaço de apenas 100m², a demanda pelo serviço em refeições transportadas fez com que a cozinha mudasse para novas instalações, adquirindo-se um espaço maior de 880m². Com uma equipe de 34 funcionários distribuídos entre matriz e filial, a cozinha industrial além de prestar serviços com refeições transportadas, atende diariamente, com restaurante próprio, as empresas que estão próximas a sua sede. Hoje, são preparadas todos os dias, em média, 1750 refeições, das quais 330 destina-se para o restaurante. A cozinha industrial presta serviços para cerca de 60 empresas de Bento Gonçalves e região, elaborando café-da-manhã, almoço, janta e ceia, além de produzir eventos.

8 8 No entanto, por estabelecer-se num pavilhão já projetado, comum a outras empresas, foi necessário realizarem adaptações, para que a cozinha ficasse num fluxo ordenado, contudo, mesmo assim, permaneceu com algumas incoerências em seu layout, as quais delinearam determinados cruzamentos. Logo, a aplicação do Manual de Boas Práticas na cozinha industrial, juntamente da documentação comprobatória anexadas nos Procedimentos Operacionais Padrão, objetivaram-se estabelecer procedimentos que contribuam para a garantia das condições higiênico-sanitárias necessárias, na elaboração das refeições transportadas. O presente trabalho relaciona as inadequações existentes na empresa com os parâmetros exigidos pela legislação. Além disso, aborda uma análise dos investimentos necessários para a implementação das adequações.

9 9 2. Implementação de Boas Práticas e dos Procedimentos Operacionais Padronizados (POP s) na cozinha industrial Neste trabalho teve-se como objetivo a elaboração e a implementação do Manual de Boas Práticas de Fabricação, e dos Procedimentos Operacionais Padronizados, uma vez que a empresa ainda não apresentava tais registros. Pôde-se constatar algumas inadequações nas instalações, entretanto foram elaboradas propostas para a realização das devidas alterações. De acordo com a Portaria nº 78 de 28 de janeiro 2009, da vara da Secretaria da Saúde, constataram-se e avaliaramse as medidas necessárias para a implementação do programa. A rede industrial a fim de garantir a produção de alimentos seguros, realiza práticas de organização e higiene reconhecidas como Boas Práticas de Manipulação de Alimentos. Deste modo, para a implementação das Boas Práticas ( BPF) requer-se a elaboração de um manual e de Procedimentos Operacionais Padronizados. O Manual de Boas Práticas é um documento que descreve as práticas realizadas pelo estabelecimento, incluindo os requisitos sanitários do edifício; a manutenção e higienização das instalações, dos equipamentos e dos utensílios; o controle da água de abastecimento; o controle integrado de vetores e pragas urbanas; controle da higiene e saúde dos manipuladores e o controle e garantia de qualidade do produto final ( FERNADES, 1999; FREUND, 2005 ). Entende-se como Procedimento Operacional Padronizado (POP), um processo escrito de forma objetiva, o qual estabelece instruções sequenciais para a realização de operações rotineiras e específicas na produção, armazenamento, e transporte de alimentos. Segundo Silva (2005), os POP s classificam-se em: POP 1 (Higienização de Instalação, Equipamentos e Móveis), POP 2 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas), POP 3 (Higiene do Reservatório de Água), POP 4 (Higiene e Saúde dos Manipuladores). O POP 1 referente à higienização de instalação, equipamentos e móveis, estabelece procedimentos higiênicos sanitários na instalação, a fim de possibilitar um fluxo ordenado e sem cruzamento em todas as etapas de preparação dos alimentos. Contém informações a respeito dos agentes químicos utilizados, tempo de contato com tais substâncias, temperaturas, superfícies a serem higienizadas, entre outros.

10 10 O POP 2 relacionado ao controle integrado de vetores e pragas urbanas contempla as medidas preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou a proliferação de vetores e pragas urbanas. Em caso de adoção do controle químico, requer-se apresentação do comprovante de execução dos serviços fornecido pela empresa especializada contratada, cujo consta informações estabelecidas em legislação sanitária especifica. O POP 3 relativo á higienização dos reservatórios estabelece procedimentos para higienização nos reservatórios de água, a fim de manter um adequado padrão de potabilidade, uma vez que a água irá entrar em contato com os produtos alimentícios. Quanto ao POP 4 referente á higiene e saúde dos manipuladores, contempla as etapas, freqüências das lavagens, anti-sepsia das mãos, comportamento e higiene pessoal, assim como medidas adotadas em casos de lesões, enfermidades ou suspeita de problema de saúde capaz de comprometer a qualidade higiênico sanitária dos alimentos. Solicita também especificar os exames aos quais os manipuladores são submetidos, juntamente da periodicidade da execução. Desta forma, faz-se necessário que todos os POP s sejam aprovados, datados e assinados pelo responsável técnico, responsável pela operação, responsável legal e ou proprietário do estabelecimento, firmando compromisso de implementação, monitoramento, avaliação, registro e manutenção dos mesmos (SILVA, 2005). 2.1 Instalações internas e externas De acordo com a Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, as edificações e instalações devem ser projetadas de forma a possibilitar o fluxo ordenado e sem cruzamento em todas as etapas de preparação do alimento, tendo o dimensionamento compatível com todas as operações. O piso deve ser de material de fácil higienização, as paredes apresentando revestimento, juntamente da presença de tetos com acabamento liso, impermeável e de cor clara, (GOMES, 2009). No quesito dimensionamento, constatou-se que não há cruzamentos na área de produção da cozinha industrial, estando adequada aos padrões exigidos pela legislação. O piso existente é de material de fácil higienização, azulejado, liso, antiderrapante, resistente e em adequado estado de conservação. As paredes têm revestimento liso, azulejadas, impermeáveis, de cor branca, até

11 11 uma altura de 2 metros. Sendo que o restante da parede até o teto é pintado de cor clara para melhor visualização de sujidades. O teto presente é de PVC, de cor branca, liso e de fácil higienização. Apresenta um espaço aberto para a entrada de luz natural na cozinha, sendo coberto por uma tela dupla para impossibilitar possível contaminação dos alimentos. Contudo, observou-se que uma parte está sem a tela dupla, possibilitando a entrada de sujidade, vetores e pragas na empresa. O Codex Alimentarius em sua Seção IV (A) item estabelece que as janelas devem ser de superfície lisa, de fácil higienização, ajustadas aos batentes, com telas milimetradas removíveis para a limpeza e em adequado estado de conservação. Todos os setores da cozinha devem ser identificados por meio de placas. Percebeu-se que a cozinha por ser instalada num pavilhão industrial comum a outras empresas, não apresentava janelas na área de preparação dos alimentos. Haviam aberturas localizadas na parte superior, capazes de propiciarem maiores trocas de ar quente por ar frio, uma vez que o ar quente tende a subir. No entanto estas aberturas não continham vidros, motivo o qual, tornava os alimentos vulneráveis á contaminação por corpos estranhos. Após avaliar as medidas necessárias para a implementação das Boas Práticas, a equipe administrativa da empresa optou por seguir os padrões exigidos pela legislação, inserindo assim os vidros nas aberturas. Porém, mesmo após tal implementação, os vidros das aberturas ainda eram mantidos abertos, o que provocam o aumento da contaminação dos alimentos, por permitir a entrada de corpos estranhos, no local, já que as aberturas não contêm telas milimetradas capazes de bloquearem a entrada de animais no recinto. Notou-se também que não foram colocados vidros em todas as aberturas, ficando uma delas sem a proteção dos vidros. Quanto à identificação da cozinha, foram colocadas placas indicando a função de cada setor, como: área de higienização e preparo de saladas, área de carnes, área de cocção, sanitários, área de higienização, área de higienização de mãos, área de preparação de sucos e câmaras de resfriamento 1 e 2. Conforme a Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, as caixas de gordura existentes devem ser compatíveis ao volume de resíduos, estando em adequado estado de conservação, localizadas fora da área de preparação e armazenamento.

12 12 Na empresa, notou-se que as caixas de gorduras não localizam-se fora da área de preparação e sim dentro da instalação. Mesmo não estando de acordo com a legislação, estas apresentam-se em bom estado, estando protegidas por tampas de aço inox, compatíveis ao volume dos resíduos. Vale ressaltar que a higienização é realizada diariamente. A Portaria CVS nº 6, de 10 de março de 1999, determina, em seu anexo único, que o ambiente deve ter iluminação uniforme, sem ofuscamentos, sem contrastes excessivos, sombras e cantos escuros. As lâmpadas e luminárias existentes dentro ou fora dos equipamentos devem estar limpas, protegidas contra explosões e quedas acidentais e em bom estado de conservação, sendo que não devem alterar as características sensoriais dos alimentos (SILVA JÚNIOR, 2002). Faz-se necessário a existência de instalações elétricas embutidas ou protegidas em tubulações externas e integras, de tal forma a permitir a higienização dos ambientes, (Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009). Deste modo, analisou-se que as lâmpadas presentes na cozinha industrial são capazes de proporcionar uma visualização adequada de forma que as atividades sejam realizadas sem comprometer a higiene, evitando possíveis acidentes e alterações nas características sensoriais das comidas elaboradas. As instalações elétricas estão protegidas em tubulações externas e íntegras capazes de permitir melhor higienização dos ambientes. Contudo, as luminárias localizadas na área de preparação, armazenamento e dentro dos equipamentos, não apresentam proteção contra quedas acidentais e explosões. Segundo a Portaria nº 78 de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, as instalações sanitárias e os vestiários não devem possuir comunicação direta com a área de preparação, armazenamento de alimento ou refeitório. Devem ser mantidos em adequado estado de conservação com portas externas dotadas de fechamento automático. É necessário que as instalações sanitárias apresentem lavatórios supridos de produtos destinados á higiene pessoal como: papel higiênico, sabonete líquido inodoro ou anti-séptico, juntamente de papel toalha. Os coletores de lixo presente nessas dependências devem ser dotados de tampas acionadas sem contato manual, bem como ser higienizado diariamente, (GOMES, 2009 ). Observou-se que as instalações sanitárias da empresa são mantidas em adequado estado de conservação. Existe a separação masculina e feminina, provida de água canalizada e de esgoto ligados á rede geral, apresentando iluminação e ventilação adequada. As instalações sanitárias

13 13 são dotadas de lavatórios e supridas de produtos destinados à higiene pessoal, como papel higiênico, sabonete líquido, inodoro e anti-séptico e papel toalha não reciclado. Por ser desprovida de janelas, a área contém exaustores. Todavia, as instalações sanitárias e os vestiários não estão de acordo com os padrões exigidos pela legislação; há comunicação direta desses ambientes com a área de elaboração das refeições; ausência de coletores de lixo com tampas automáticas, portas externas não são dotadas de fechamento automático e não há um vestiário masculino. De acordo com a Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, os panos de limpeza descartáveis e os não descartáveis, quando utilizados em superfícies que entrem em contato com alimentos, devem ser descartados a cada duas horas, não excedendo três horas, e não sendo utilizados novamente. Os panos descartáveis devem ser eliminados após o prazo permitido. Nas instalações da cozinha industrial observou-se que os manipuladores utilizam panos no decorrer de suas atividades, excluindo totalmente o contato com papel toalha. A utilização desses panos é tão freqüente que muitas vezes ultrapassa o tempo permitido pela legislação. Os colaboradores utilizam os panos para auxiliar no carregamento de equipamentos muito quentes, como no caso de panelões, chaleiras, bules, etc; muitas vezes utilizam os mesmos na higienização de bancadas e cubas, nas quais serão colocadas as refeições prontas. Segundo Silva (2007), os panos sujos são veículos de microrganismos, em destaque, os patogênicos, uma vez que possuem duas características essenciais para ao desenvolvimento dos mesmos: umidade e resto de alimentos aderidos aos tecidos. Com isso, nota-se que nada adianta realizar uma limpeza correta de panelas, utensílios e equipamentos, se enxugá-los com panos sujos. Logo, faz-se necessário, quando utilizados panos não descartáveis a reposição a cada duas horas, bem como a higienização com água e detergente próprio, sendo estes clareados com solução clorada e desinfetados por meio de fervura por aproximadamente quinze minutos. Conforme Silva (2007), os coletores de resíduos do estabelecimento devem ser de fácil higienização e transporte, devidamente identificados, íntegros, dotados de tampas, sacos plásticos e em número suficiente. Aqueles presentes nas áreas de preparação e armazenamento de alimentos devem ser dotados de tampas acionadas sem contato manual. Faz-se necessário coletar e estocar diariamente os resíduos em local fechado e isolado da área de preparação e

14 14 armazenamento dos alimentos, de forma a evitar focos de contaminação e atração de vetores e pragas urbanas, (HAZELWOOD & MCLEAN, 1998). Silva (2007) e a Portaria CVS nº 6, de 10 de março de 1999, ressaltam que o lixo não deve ser retirado pelo mesmo local onde entram as matérias primas, embalagens e produtos acabados. Em caso de total impossibilidade de áreas distintas, devem-se determinar horários diferenciados e práticas que impeçam a contaminação cruzada ( FROTA, 2007). Os coletores da cozinha industrial lixo eram íntegros, compostos de sacos plásticos, no entanto não eram devidamente identificados. Foram elaboradas placas de identificação para serem anexadas aos coletores de lixo, as quais apresentavam as seguintes informações: lixo reciclável (plásticos e papéis) e lixo orgânico. Após tais modificações, percebeu-se que os manipuladores passaram a ter um maior cuidado em relação à separação dos lixos. Entretanto, devido à empresa ter que se moldar de acordo com as condições de um pavilhão industrial já existente, esta, quanto à coleta e armazenagem de resíduos, obedece a um fluxo incoerente. Os resíduos são retirados pelo mesmo local que entram as matérias primas, embalagens e produtos acabados. Infelizmente algumas vezes os horários de remoção fecham-se juntamente com a entrada de matéria prima, fator o qual favorece há contaminação cruzada. Sugeriu-se que o os resíduos alimentícios fossem armazenados fora das dependências internas, evitando assim o encontro das matérias-primas que entram com os resíduos alimentícios que saem. Os resíduos alimentícios coletados na área de produção e armazenamento de alimentos são retirados frequentemente e estocado em tonéis de coloração azul, sendo armazenados nas dependências da cozinha, na área de higienização. Uma empresa credenciada com a secretaría do município recolhe os resíduos alimentícios três vezes por semana (terça, quinta e sexta-feira). Após, estes restos de alimentos são encaminhados á alimentação de animais (lavagens). Os demais resíduos obtidos na empresa são encaminhados diariamente à lixeira que encontra-se no lado externo do pavilhão. O lixo reciclável também é separado e encaminhado ao seu destino final. Analisando a situação acima, a direção da cozinha resolveu negociar com a empresa credenciada com o município, para recolher os resíduos todos os dias da semana, a fim de evitar aglomeração de lixo, possíveis focos de contaminação e atração de vetores e pragas urbanas para á instalação. Até o final do estágio os papéis estavam sendo encaminhados.

15 15 Consoante a Portaria nº 24 de 9 de outubro de 2001, todos os estabelecimentos devem ser providos de extintores portáteis. É necessário que estes sejam colocados em locais de fácil visualização e acesso, onde haja menos probabilidade do fogo bloquear o seu acesso. Os locais destinados aos extintores, devem ser assinalados por um círculo vermelho ou por uma seta larga, vermelha com bordas amarelas. A área do piso, debaixo do extintor, também deverá estar pintada de vermelho, a qual não deverá ser obstruída de forma alguma. Esta área deverá ser no mínimo de 1,00m x 1,00 m ( um metro x um metro). Observou-se que a cozinha apresenta em suas instalações extintores portáteis, em locais de fácil visualização e acesso. Porém, na área de cocção a área do piso abaixo do extintor não é identificada e nem é respeitado o espaço de 1,00 m x 1,00m de desobstrução. Abaixo do extintor tem-se uma fritadeira. Os manipuladores quando a utilizam, retiram o extintor da parede colocando-o no chão da área de preparo de carnes. Muitas vezes acaba ficando dias ou até semanas fora do lugar destinado pelos bombeiros. No decorrer do estágio, após análise da situação, teve-se uma conversa com os funcionários a respeito da importância dos extintores para prevenção de incêndios e quanto à preservação da segurança dos trabalhadores. Posteriormente os manipuladores mantiveram o extintor de incêndio no seu devido lugar. Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR e Silva (2005), em todos os estabelecimentos de preparação de alimentos devem existir áreas exclusivas para armazenamento de recipientes de gás liquefeito de petróleo (GLP) e seus acessórios. A delimitação dessas áreas deve ser com telas, grades vazadas ou outro processo construtivo que evite a passagem de pessoas estranhas à instalação e permita uma constante ventilação. Nas instalações da cozinha, observou-se que alguns botijões de gás não estão em áreas específicas para estes, apresentam-se dentro da própria cozinha, principalmente aqueles utilizados ligando as fritadeiras. A Portaria nº 78 de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, diz que as áreas internas e externas do estabelecimento devem estar livres de objetos em desuso ou estranhos ao ambiente, não sendo permitida a presença de animais. Observou-se que na parte de cima de uma coifa existe um ferro que está em desuso, o qual não foi removido em todo o período do estágio.

16 16 Em relação à edificação e instalação, a Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, recomendase que as portas da área de preparação e armazenamento de alimentos sejam dotadas de fechamento automático e compostas por barreiras adequadas que impeçam a entrada de vetores e pragas urbanas. Por estabelecer-se num pavilhão o qual cujo não foi projetado para ser uma cozinha industrial, não há divisórias separando a área de preparação e finalização (embalagem) das refeições, ou seja, não existem portas dotadas de fechamento automático na instalação. Dessa forma, a equipe administrativa avaliou as medidas necessárias para inserir-se dentro dos padrões legislativo. Até o término do estágio os projetos já estavam sendo elaborados. Segundo Silva (2005), as matérias primas, os ingredientes e embalagens devem ser armazenados em local limpo e organizado, em tamanho de acordo com a quantidade de insumos existentes. Faz-se necessário um espaçamento adequado, entre as matérias primas dentro do estoque, para permitir a movimentação do ar, (HAZELWOOD, MCLEAN, 1998). Percebeu-se que o estoque existente na empresa não suportava a quantidade de insumos necessários para a elaboração das refeições, ou seja, era pequeno perante a quantidade de insumos que se fazia necessário armazenar. Dentro deste contexto, através de um planejamento com a equipe administrativa, foram tomadas decisões quanto à elaboração de um novo estoque, conforme os padrões legislativos, sendo este capaz de acompanhar a demanda da cozinha. Além da construção desse novo estoque, seriam feitas modificações nos sanitários e vestiários. Estes seriam construídos fora da cozinha, na parte frontal do pavilhão, com o intuito de evitar a comunicação direta com a área de preparação e armazenamento de alimentos. O mezanino apresentaria uma área de 130 m². A parte antiga dos sanitários seria aberta ampliandose assim a área de higienização. Quanto ao escritório, este permaneceria localizado acima do piso da área total da cozinha, com visor que facilite a supervisão geral do ambiente e das operações de processamento, disposto na parte ao lado do estoque. Ao término do estágio a projeto já estava sendo implementado. Juntamente com essas modificações, foi mencionada a necessidade do fechamento da área preparação e de finalização das refeições, sendo inserida uma porta automática ou barreira capaz de reduzir este espaço aberto do pavilhão, evitando a entrada de vetores e pragas urbanas por meio dessa abertura.

17 Controle integrado de vetores e pragas urbanas Gomes (2009) define controle integrado de vetores e pragas urbanas como um sistema que incorpora ações preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o abrigo, o acesso ou a proliferação de vetores ou pragas urbanas que comprometam a qualidade higiênico-sanitária do alimento. O decreto nº de 18 de setembro de 1997, decretado no município de São Paulo, determina que os estabelecimentos comerciais, os quais forneçam alimentos com consumo no local, são obrigados a efetuar desinfestação periódica mediante a contratação de firmas legalmente habilitadas. Notou-se que nas instalações da cozinha industrial não havia o monitoramento de uma empresa especializada em desinfestação. Além disso, não existiam telas milimétricas capazes de bloquearem a entrada desses animais indesejáveis. Houve situações, em que foram encontrados alguns animais como formigas e moscas além de indícios de roedores. Após uma conversa com a equipe administrativa da empresa, foi resolvido contratar uma firma legalmente habilitada, para o controle desses animais. Contudo, o fato de não existirem telas nas janelas da instalação e a inexistência de uma porta separando a área de preparação e finalização das refeições, permite a entrada de insetos, como as moscas domésticas (Musca domestica), as quais são atraídas pelo cheiro. Por ser um animal que procura matéria orgânica em decomposição (lixo, vômitos, fezes, entre outros), faz-se necessário um controle, uma vez que esta pode atingir os alimentos para o consumo, transmitindo microrganismos, sejam eles patogênicos ou não ( SILVA, 2005). 2.2 Equipamentos e utensílios Para acender o fogão, muitas cozinhas utilizam palitos embebidos em álcool, no entanto este é um dos maiores causadores de incêndios e queimaduras. Deste modo, é preciso ligar os fogões por meio de acendedores específicos e seguros (HAZELWOOD, MCLEAN, 1998).

18 18 Na cozinha industrial em questão, este tipo de acendedor é ausente, sendo utilizado ainda o palito embebido em álcool. Sugeriu-se a compra dos acendedores, no entanto até o final do estágio não foram tomadas providências A Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, afirma que para todos os estabelecimentos que preparam ou manipulam alimentos faz-se necessário à existência de instrumentos ou equipamentos de medição críticos, tais como termômetros, relógios entre outros. Quando aplicável, deve-se realizar o registro da manutenção programada e periódica dos instrumentos de medição, para a segurança dos alimentos, verificados, datados e rubricados. Segundo Silva (2005), o uso dos termômetros requer aferição periodicamente, através de equipamentos ou de empresas especializadas. Quando usados não devem propiciar risco de contaminação, tendo suas hastes higienizadas (lavadas e desinfetadas com álcool 70% ) antes e após sua utilização. Neste caso, nas instalações da cozinha, percebeu-se que não existia controle de temperatura das matérias primas e nem das refeições preparadas. A cozinha funcionava da seguinte forma: separavam-se as matérias primas, para a elaboração das refeições, de acordo com o cardápio do dia. Quando prontas, as refeições eram inseridas em cubas de aço inox, sendo estas envolvidas por papel filme para proteção e isolamento térmico. O acondicionamento das cubas era feito em caixas plásticas para posteriormente serem transportadas às empresas, as quais solicitaram as refeições. Após analisar o funcionamento da cozinha industrial e as medidas necessárias para a aplicação das Boas Práticas, solicitou-se a aquisição de um termômetro. Posteriormente a direção da empresa permitiu a compra do equipamento. Assim, para o controle da temperatura, tanto das matérias primas quanto das refeições elaboradas, adquiriram-se termômetros digital tipo espeto, com alarme e a prova d água, provido de escala de -50º C á + 300ºC, resolução 1º C, com precisão mais ou menos 1º C. A Resolução-RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002, descreve que quando utilizados equipamentos de precisão para o controle, faz-se necessário à apresentação de registros, cujos consistem em anotações em planilhas específicas, sendo estas datadas e assinadas pelo responsável pela execução da operação. A partir disso, elaboraram-se planilhas de controle de recebimento de matérias-primas resfriadas e congeladas, bem como planilhas de controle de temperatura de saídas das refeições.

19 19 Utilizava-se a planilha de controle de recebimento de matérias primas resfriadas e congeladas sempre que chegavam matérias primas em estado de refrigeração e congelamento. Estas eram medidas por meio de termômetros de espeto. As matérias primas congeladas deveriam apresentar uma temperatura menor ou igual à -12º C, já as matérias primas resfriadas deveriam apresentar temperaturas inferiores a 7º C ( Portaria nº 78, de 28 de janeiro de 2009). Em caso de situações fora dos padrões exigidos, a matéria-prima era devolvida ao fabricante. Quanto ao controle de temperatura de saídas das refeições, sempre nas manhãs eram medidas as temperaturas de todas as comidas preparadas na cozinha. Existia também uma planilha de controle da temperatura das refeições já inseridas nos buffets das empresas, a qual era preenchida pela nutricionista quando encontrava-se na firma, solicitante das refeições. O modelo de ambas as planilhas pode ser visualizado, respectivamente, nos anexos A e B. A planilha do controle de recebimento de matérias-primas resfriadas e congeladas também pode ser visualizada, no anexo C. O controle das temperaturas das refeições era feito através dos padrões que classificam alimentos quentes e frios, conforme menciona a Portaria nº 78 de 28 de janeiro de 2009, da Secretaria da Saúde. Entendem-se como alimentos quentes, aqueles com temperaturas superiores á 65º C, podendo ficar na distribuição ou espera por no máximo 12 horas, (SILVA, 2005). Alimentos com temperaturas de 60º C na distribuição ou espera, podem permanecer por apenas 6 horas. Os alimentos que ultrapassarem o prazo estipulado devem ser desprezados. Faz-se necessário o controle da temperatura dos alimentos, pois estes apresentam os nutrientes necessários para o desenvolvimento dos microrganismos principalmente os patogênicos. Faixas de 5º C a 60º C favorecem a sua multiplicação, já temperaturas muitas baixas ou acima de 60ºC dificultam o desenvolvimento. Consideram-se como alimentos frios aqueles com potencial perigoso, por serem capazes de favorecer uma rápida multiplicação microbiana, tais como; as sobremesas cremosas, maioneses, salpicão, algumas preparações a base de frios e laticínios. Estes devem ser distribuídos no máximo a 10º C, por até 4 horas. Caso a temperatura esteja entre 10º C e 21º C, só poderão permanecer na distribuição por 2 horas. Alimentos frios dispostos na distribuição por mais de 4 horas até 10ºC ou mais que 2 horas entre 10ºC e 21º C ou os que estiverem à cima de 21º C devem ser desprezados (SILVA, 2005).

20 20 Em caso de situações fora dos padrões estipulados pela legislação, na cozinha industrial, para alimentos quentes, realizava-se o reaquecimento, já para os alimentos frios encaminhavamse estes para a refrigeração. Exemplificando, se uma salada estive com a temperatura acima de 10º C encaminhava-se a refrigeração. Caso um alimento quente estivesse com a temperatura inferior a 60º reaquecia-se o mesmo. Silva (2005) salienta que a montagem do alimento para o transporte deve estar em temperatura máxima, em torno dos 85ºC. De acordo com a Portaria CVS 15 de 7 de novembro de 1991, os veículos utilizados para o transporte de alimentos podem ser refrigerados ou não, mas devem garantir a integridade e a qualidade dos produtos, a fim de impedir sua contaminação e deterioração. Conforme o processo de elaboração das refeições transportadas na cozinha industrial, pôde-se observar que os veículos utilizados para o transporte não apresentam refrigeração. Embora o uso de veículos refrigerado não seja obrigatório, a falta de refrigeração compromete a qualidade do produto final quando entregue ao consumidor. Mesmo estando dentro dos padrões legislativos os quais estabelecem um limite máximo de 3 horas, em relação ao tempo de entrega, as últimas refeições fornecidas acabavam ficando comprometidas, já que não mantinham o calor de quando foram preparadas. Este fato agrava-se pelo veículo não ser refrigerado e por não existirem caixas térmicas para a armazenagem, uma vez que estas permitem manter, por um determinado tempo, a temperatura dos pratos elaborados. Segundo Silva (2005), o abuso de tempo/temperatura permite a proliferação de bactérias patogênicas, das quais podem ocasionar doenças, sendo estas transmitidas por meio dos alimentos preparados. Todavia, quando uma situação dessa ocorre, a imagem da cozinha industrial fica comprometida perante seus clientes. 2.3 Preparação do Alimento A Resolução-RDC nº 216 de 15 de setembro de 2004, menciona que além dos controles estabelecidos para um tratamento térmico, para os alimentos que forem submetidos à fritura, devem ser instituídas medidas capazes de garantir que o óleo e a gordura utilizados não constituam uma fonte de contaminação química do alimento preparado. Pode-se se dizer que os

21 21 óleos e gorduras passam por procedimentos de rancificação hidrolítica e / ou oxidativa durante a fritura. No processo de fritura, tanto em óleos como nas gorduras as reações de deterioração ocorrem, e a composição química dos produtos influencia na velocidade de deterioração ( ANDRADE, 2006 ). Desta forma, o aquecimento dos óleos e gorduras em frituras não deve ultrapassar os 180ºC, sendo estes substituídos imediatamente sempre que surgirem alterações físico-quimicas e sensoriais, tais como ponto de fumaça, ph, peroxidase, espuma, cor, aroma e sabor. No início do estágio, observou-se que na cozinha industrial não haviam cuidados em relação à saturação dos óleos e gorduras utilizados nas frituras. Assim, solicitou-se a aquisição de um monitor de óleos e gorduras 3M, capaz de medir, por meio de faixas medidoras de ph, o nível de degradação da matéria graxa. O produto destina-se a determinar o grau de degradação da gordura utilizada em fritadeiras comerciais, usando como parâmetros a concentração de ácidos graxos. Cada faixa azul muda para a coloração amarela quando exposta a uma concentração específica de ácidos graxos livres. Inicia-se mergulhando as tiras dentro do óleo quente até uma superfície em que todas as quatro faixas estejam submersas. Posteriormente retiram-se as faixas e o número de faixas que mudaram da coloração azul para amarela indicam o grau de quebra da gordura. A leitura adequada da tira determina o ponto de descarte da gordura baseado na qualidade do alimento. A figura 1 demonstra as variações seguidas das respectivas porcentagens. Figura 1: Grau de quebra da gordura

22 22 Caso o óleo não apresente qualquer alteração das características físico-químicas e / ou sensoriais citadas, pode-se fazer a reutilização do mesmo. No entanto o óleo devera ser filtrado em filtros próprios ou por meio de pano branco, fervido por 15 minutos (SILVA, 2005). Na cozinha industrial o óleo é reutilizado, contudo não é filtrado, apenas são removidos os resíduos provenientes da fritura. A solução para essa situação seria a aquisição de filtros próprios. Quanto ao óleo descartado, este é armazenado em tonéis cujos são recolhidos por uma empresa terceirizada, a qual utiliza no preparo de farinhas de ossos e de sabões Guarda de amostras Segundo Silva (2005), a coleta de amostras serve para que em caso de ocorrências de surtos de doenças transmissíveis por alimentos, possam ser feitas análises microbiológicas, a fim de diagnosticar um possível agente etiológico causador do surto. A Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, salienta que as cozinhas industriais e quaisquer serviços em alimentação, fazem-se necessário a guarda de amostras na porção de 200g de todos os alimentos preparados, incluindo bebidas (100 ml). A porção das medidas estabelecidas são suficientes para a realização das análises. Devem ser armazenadas em embalagens apropriadas para alimentos, identificados com no mínimo a denominação e data da preparação, sendo armazenadas por 72 horas sob refrigeração, em temperatura inferior a 5ºC. Entende-se como surto de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA s), um episódio no qual, duas ou mais pessoas apresentam, num determinado período de tempo, sinais e sintomas semelhantes, após ingestão de um mesmo alimento considerado contaminado por evidência clínica - epidemiológica e ou laboratorial. Estes são causados por inúmeros agentes etiológicos e se expressam por um grande elenco de manifestações clínicas ( SILVA, 2007). Segundo Silva (2005), o manipulador deve coletar as amostras com as mãos devidamente higienizadas, com sabão e álcool 70%, bem como em alguns casos de lesões deve utilizar luvas descartáveis. O uso de máscaras descartáveis como proteção, auxilia evitando a contaminação dos microrganismos saprófitas, coliformes totais, coliformes fecais, Escherichia coli e Staphylococcus aureus, os quais são muito comuns em manipuladores de alimentos. Além disso, o Staphylococcus aureus é um importante patógeno devido à sua virulência, resistência aos antimicrobianos e associação a várias doenças, incluindo enfermidades sistêmicas

23 23 potencialmente fatais, infecções cutâneas, infecções oportunistas e intoxicação alimentar. Esta bactéria habita com freqüência a nasofaringe do ser humano, a partir da qual pode facilmente contaminar as mãos do homem e penetrar no alimento, causando a intoxicação alimentar estafilocócica (XAVIER et. al, 2007). Deste modo, notou-se que na cozinha era realizada a guarda de amostras. No período do estágio quem realizava a coleta era o estagiário. Desta forma, todas as manhãs fazia-se a higienização das mãos, separava-se em uma bandeja sacos plásticos de 1 litro de tamanho, os quais eram identificados apenas com a respectiva data. Após coletavam-se aproximadamente 200g de cada refeição elaborada, não encostando na parte interior do recipiente. Coletavam-se amostras tanto da superfície quanto do centro geométrico. Os sacos plásticos eram fechados rapidamente após a coleta retirando-se todo o ar presente no mesmo. A refrigeração era realizada em câmaras frias, sendo as amostras deixadas armazenadas por um período de 72 horas em torno dos 5º C. Entretanto, não eram coletadas amostras de bebidas, fator o qual foge dos parâmetros exigidos pela legislação. Sugeriu-se a coleta de amostras de bebidas para um adequado controle. Caso houvesse sobras do dia anterior, geralmente do arroz ou feijão, apenas essas amostras eram coletadas e não da refeição elaborada no dia. Segundo Silva (2005), entende-se como sobras os alimentos prontos que não foram distribuídos ou que ficaram no balcão térmico ou refrigerado altamente monitorados. O consumo só pode ser feito após o reaquecimento, onde a temperatura do interior do alimento deve atingir os 74ºC, a fim de destruir possíveis microrganismos existentes. Contudo, aqueles que já tenham formado esporos, este nível de temperatura de 74ºC já não é suficiente para a inativação. Quanto ao controle de qualidade, as amostras somente são encaminhadas para análises laboratoriais em casos de suspeitas de doenças transmitidas por alimentos. A empresa, a qual informou do ocorrido é entrevistada sobre quais foram os sintomas, horário que apresentaram-se os primeiros sintomas, freqüência, quais foram os alimentos consumidos, quantos funcionários apresentaram tais reações e período de incubação. Além disso, buscam-se informações complementares como: técnicas utilizadas para o preparo do alimento, comparando sempre com as normas de boas práticas de fabricação, condições dos manipuladores da cozinha e recorrendose sempre aos registros de qualidade ( POP s).

24 24 Sabendo-se que os surtos geralmente se desenvolvem por várias falhas, tais como a refrigeração inadequada do produto, o preparo do alimento com grande intervalo antes do consumo, manipuladores infectados ou contaminados, contaminação cruzada pelo uso incorreto dos equipamentos e utensílios, utilização de sobras e uso de produtos inadequados, fazem-se necessários cuidados no preparo e manipulação de alimentos (CARDOSO, 2005). 2.4 Manipuladores Entende-se como manipulador de alimento, qualquer pessoa do serviço de alimentação que entre em contato direto ou indireto com os alimentos, (HAZELWOOD & MCLEAN, 1998). Todavia, o manipulador pode se tornar um veículo de contaminação microbiológica, uma vez que este entra em contato direto com o produto e com os demais fatores que o cerca (NASCIMENTO et al, 2005). Os alimentos que sofrem manipulação são potencialmente capazes de causar intoxicação \ infecções e os manipuladores são importantes fontes de contaminação (XAVIER et. al, 2007). A Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, informa que os manipuladores de serviço de alimentação devem ser dotados de boa apresentação, asseio corporal, com mãos higienizadas providas de unhas curtas, sem esmalte ou base, ausente de barba, bigodes e maquiagem. O colaborador deve manter o alto grau de higiene pessoal, evitando qualquer comportamento que possa resultar na contaminação do produto alimentício, como fumar, tossir, mastigar, espirrar, experimentar alimentos com as mãos, tocar o corpo, assoar o nariz, colocar o dedo no nariz ou no ouvido, mexer no cabelo, enxugar o suor com as mãos ou panos da cozinha. (NASCIMENTO, 2003b) É necessário que o manipulador higienize as mãos sempre que entrar nas áreas de manipulação, antes de iniciar seus serviços, após manipular material contaminado, usar instalações do banheiro, após realizar a limpeza dos setores, mexer no lixo, ou sempre que exercer qualquer atividade imprópria (Portaria nº 1210 de 02 de agosto de 2006). Diariamente o manipulador deve ter hábitos de higiene como banho, escovação dos dentes, cabelos totalmente

25 25 protegidos, sendo vedada à utilização de adornos como colar, amuletos, pulseiras, fita, brincos, relógio, anel, aliança, piercing, os quais possam representar riscos de contaminação. O funcionário deve comparecer a empresa com o uniforme devidamente limpo e higienizado. Deve apresentar-se usando touca para proteção dos cabelos, cobrindo completamente todos os fios, jalecos brancos providos de mangas curtas cobrindo a totalidade da roupa pessoal, sem bolsos acima da linha da cintura, sem botões, sendo este de coloração branca (HAZELWOOD, MCLEAN, 1998). Além disso, deve possuir calças compridas e calçado fechado de proteção. Também uso de avental de plástico para as áreas que utilizam água, sendo vedada à utilização próxima a fontes de calor. É extremamente proibida a saída do colaborador da empresa usando o uniforme. Percebeu-se que os manipuladores da cozinha industrial apresentavam hábitos incoerentes em relação aos padrões exigidos pela legislação. Frequentemente eram observados funcionários com unhas grandes, com esmalte, bem como usando adornos, como alianças, no preparo das refeições. Durante a elaboração das refeições não era visualizada assídua assepsia das mãos, nem quando entrava-se em contato com material contaminado (lixo), fator o qual contribui para a contaminação cruzada, uma vez que esta inicia-se a partir da transferência de microrganismos de um local contaminado para outro. Alguns manipuladores tinham comportamentos pessoais inaceitáveis, tais como: experimentar alimentos com as mãos, enxugar o suor com as mãos ou panos da cozinha, falar sobre o alimento, apanhar alimentos (queijo ralado, bife, farofa, etc.), na montagem das viandas, com as mãos sem o auxílio de utensílios. Para Silva (2005), em locais que elaboram-se alimentos transportados, durante a montagem das viandas é necessário o uso de luvas e máscaras, pois um número pequeno de microrganismos patogênicos em uma vianda pode tornar-se perigoso, devido à temperatura, geralmente inadequada de transporte e ao tempo longo até o consumo dos alimentos. No preparo das viandas na cozinha industrial, o uso de luvas e máscaras era ausente. Desta forma, sugeriu-se o uso de luvas e máscaras no preparo das viandas uma vez que o risco é grande em função da pequena área da vianda, pelo tempo e temperatura do transporte. Além disso, o artigo 1º da Lei nº de 11 de abril de 1996, obriga o uso de luvas plásticas descartáveis pelos funcionários dos estabelecimentos dos setores de alimentação, diretamente envolvidos no preparo e manuseio de refeições.

26 26 Segundo a Portaria nº 1210 de 02 de agosto de 2006, da Secretaria Municipal de Saúde, o uso de luvas descartáveis é obrigatório na manipulação de alimentos prontos para o consumo e que já tenham sofrido tratamento térmico ou não e na manipulação de frutas, legumes e verduras que já tenham sido selecionadas e higienizadas. Porém, o uso de luvas descartáveis não é permitido em procedimentos que envolva calor como cozimento e fritura. A portaria salienta também para o uso de luva de malha de aço, a qual deve ser utilizada no corte de carnes, sendo posteriormente higienizada e guardada em local limpo e fechado. O uso de luva nitrílica, de cano longo somente permitida para a limpeza dos ambientes. O Codex Alimentarius faz as seguintes considerações caso haja necessidade do uso de luvas, elas devem ser sempre mantidas limpas e em perfeita condições sanitárias. O fato de não usar luvas não significa a desobrigação de lavar bem as mãos. Na instalação da cozinha viu-se que os colaboradores utilizam luvas descartáveis na manipulação dos alimentos. Contudo, muitos dos colaboradores por estarem de luvas acabam não higienizando as mãos, pois deduzem que a contaminação só acontece quando as mãos estão expostas ao alimento. De acordo com Silva (2005), as luvas de borracha ou plástico podem encontrar-se tão contaminadas como as mãos, além de provocarem a multiplicação de microrganismos patogênicos, devido ao tempo prolongado de utilização, aumenta o risco de contaminação aos alimentos. Desta forma, é preciso que as luvas sejam feitas de materiais apropriados para o contato com o alimento. Caso, por algum motivo, os manipuladores utilizarem-nas por um tempo muito prolongado, e estas furarem ou rasgarem, a contaminação será muito maior devido ao suor das mãos. Quanto aos padrões, para o uso de luvas, exigidos pela legislação, a cozinha não encontrava-se adequada. Era comum visualizar manipuladores usando luvas nitrílicas de cano longo nos procedimentos de fritura e acondicionamento das refeições nas cubas. Na manipulação de carne não era visto o uso de luvas de malhas de aço, e ainda no preparo de legumes e verduras que já haviam sido selecionados e higienizados era ausente o uso de luvas. Além disso, outra situação ainda mais preocupante é o armazenamento destas luvas. Mesmo existindo locais propícios, alguns colaboradores armazenam as luvas em locais inadequados, como penduradas na churrasqueira, em cima dos extintores de incêndio, nas grades das fritadeiras, nas coifas, etc.

27 27 Nas instalações da cozinha notou-se também, que os manipuladores possuem hábitos impróprios quanto ao uso dos utensílios. Não possuíam hábitos de ocupar e guardar no mesmo local, deixando estes por cima das bancadas, mesas, ou nos demais lugares. Consoante a Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, os utensílios, equipamentos e materiais próprios para a utilidade, devem ser guardados em locais apropriados, entretanto, na cozinha industrial os padrões legislativos não estavam sendo cumpridos. Outro problema percebido foi à colocação de objetos sob os coletores de lixo. Caixas contendo legumes ou verduras, caixas com refeições prontas, muitas vezes eram vistas em cima de coletores de lixo, ao invés de colocadas em bancadas, mesmo existindo lugares adequados para serem depositadas. Quanto ao uniforme, mesmo sendo extremamente proibida a saída do colaborador da empresa usando o uniforme, era visualizado pessoas saindo das dependências da cozinha vestindo o jaleco. O uso de calçado fechado de proteção (botas ou sapatos antiderrapantes) também é obrigatório, porém alguns utilizavam tênis. Em um determinado dia, um manipulador foi visto usando um sapato provido de salto. Esta situação é muito preocupante, pois já houve casos de acidentes devido aos manipuladores estarem sem o calçado permitido. Com relação à Resolução-RDC nº 216 de 15 de setembro de 2004, os manipuladores são obrigados a usar cabelos presos e protegidos por redes, toucas ou outros /acessórios apropriados para esse fim. Todavia, na cozinha percebeu-se a ocorrência de fios de cabelos nas refeições prontas. A ocorrência dessa situação pode ser atribuída ao foto dos manipuladores necessitarem entrar na cozinha para terem acesso aos vestiários e à ausência de toucas disponíveis na entrada da instalação, além de alguns manipuladores, principalmente homens, utilizarem bonés no lugar das toucas. Deve-se considerar ainda, que pessoas do sexo masculino desprendem um número mais acentuado de pêlos, principalmente dos braços, razão pela qual, faz-se necessário que os manipuladores masculinos apresentem total proteção, que evite o contato dos braços com os alimentos. O uso de mangas de plásticos, fora de áreas de contato com o calor, auxilia na proteção. Em virtude disso, teve-se uma conversa com os manipuladores a fim de estabelecer o uso de mangas de plásticos, para evitar o aparecimento de pêlos nas refeições.

28 28 Ainda interligado com a parte dos manipuladores, tem-se a legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI), CLT-Lei nº 6514 de dezembro de 1977, a qual estabelece a necessidade de mangas de segurança para proteção do braço e antebraço contra agentes térmicos. Tais manguitos podem ser utilizados na cozinha para manipulação de frituras, já que atualmente são utilizadas luvas de borracha, que são inadequadas. A respeito dos equipamentos de proteção individual (EPI), a equipe administrativa não possuía um controle a respeito de quais equipamentos de proteção cada funcionário continha. Deste modo, elaborou-se uma planilha de controle de entrega de equipamento de proteção individual. Nesta, tem-se os dados do funcionário, bem como a descrição dos seus EPI s, a data de aquisição, data de devolução em caso de demissão e assinatura do funcionário. A planilha pode ser visualizada no anexo D. Quanto à circulação de pessoas na cozinha, conforme a Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, os visitantes devem cumprir os requisitos de higiene e de saúde estabelecidos para os manipuladores. Entendem-se como visitantes as pessoas que não fazem parte da equipe de funcionários, das áreas de produção e elaboração de alimentos, ou aquelas que, no exercício de suas funções, necessitem supervisionar, fiscalizar os procedimentos de boas práticas adotadas, ou executar manutenção e instalação de equipamentos. Estas devem estar devidamente paramentadas com avental, rede ou gorro para proteger os cabelos e protetores para os pés. É necessário que cada visitante siga as normas estabelecidas pelas Boas Práticas de Fabricação. Percebeu-se que não existia controle quanto às pessoas de fora que circulavam na cozinha industrial, entravam desprovidas de toucas. Desta forma, em posterior conversa com a equipe administrativa, foi vedada a entrada de pessoas na cozinha sem apresentarem-se uniformizadas. Para isso, instalou-se na entrada do pavilhão uma caixa contendo toucas, a qual impossibilitava a inserção de pessoas na instalação sem touca. Dentro dos pontos destacados na Portaria nº 78, de 28 de janeiro 2009, da Secretaria da Saúde, pode-se dar ênfase à existência de cartazes de orientação aos manipuladores sobre a correta higienização das mãos e demais hábitos de higiene, afixados em locais apropriados.

29 29 Desta forma, como na cozinha não existiam cartazes informativos elaboraram-se os mesmos, os quais abordavam os seguintes aspectos: procedimentos para higienização das mãos, quando higienizá-las e o que é proibido dentro da empresa. Além disso, elaborou-se uma cartilha sobre Boas Práticas para manipuladores de alimentos, a qual relatava o que são Boas Práticas, como aplicá-las, comportamento e higiene pessoal, juntamente de algumas noções a respeito de microbiologia para manipuladores de alimentos. Fizeram-se também cartazes para serem anexados nos vestiários e nos sanitários da parte do restaurante, informando sobre a importância da escovação dos dentes após as refeições e dos riscos causados pelas bactérias existentes na boca. Os cartazes podem ser visualizados no anexo E e a cartilha encontra-se no final do trabalho no anexo F. 2.5 Análise Microbiológica A quantificação de microrganismos pela técnica do esfregaço em superfície ou swab, aplica-se aos alimentos cuja contaminação é predominantemente superficial, como equipamentos, mesas utensílios, embalagens. Além de possibilitar quantificar microrganismos, permite analisar o estado higiênico da área analisada. (SILVA, 2007a) Deste modo, fez-se a técnica do esfregaço em superfície, a qual foi realizada no Laboratório de Enologia do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Bento Gonçalves (IFRS), a fim de avaliar o padrão higiênico sanitário da cozinha. Analisou-se a superfície da bancada de carne, as unhas de um manipulador, um dos panos utilizado na elaboração das refeições e um fio de cabelo. Após análises feitas, obtiveram-se os resultados, que indicaram sinal de contaminação por microrganismos. Os níveis de microrganismos detectados foram altos, principalmente aqueles presentes nas unhas do manipulador. O fio de cabelo demonstrou visivelmente as unidades formadoras de colônias (UFC). Já os resultados da bancada de carne também foram preocupantes, o que define que a higienização antes e após a manipulação não está de acordo.

30 30 Quanto à análise dos panos, esta teve que ser refeita, pois não pode-se visualizar o nível de contaminação através da técnica de swab. Logo, aplicou-se outro procedimento para a retirada da unidade analítica, conhecido como técnica da lavagem superficial. No entanto, obteve-se uma quantificação de microrganismos considerável. O objetivo da realização da análise dos panos era mostrar a presença de microrganismos, os quais acabam sendo disseminados pela cozinha. Além disso, a Portaria nº 6 de 10 de março de 2009, proíbe o uso de panos nas dependências da cozinha, uma vez que estes apresentam os meios propícios para o seu desenvolvimento, umidade e resto de alimentos ( AZEREDO, 1998). Assim, a análise geral dos pontos abordados, fez com que, a equipe diretiva tomasse providências. Realizou uma reunião com todos os funcionários, para que fossem providenciadas adequações em relação aos requisitos exigidos pelo programa de Boas Práticas Fabricação. Na reunião discutiu-se sobre a higienização das bancadas, higienização das mãos, comportamentos pessoais e higiene pessoal. Inicialmente o estagiário mostrou, a todos os colaboradores presentes na reunião, as placas com as unidades formadoras de colônia (UFC) e seu significado. A partir disso, informouse o porquê da higienização e manipulação adequada, de forma que os manipuladores entendessem que os alimentos deveriam permanecer em temperaturas capazes de não favorecerem a germinação de esporos e multiplicação das células, e de evitar o possível desenvolvimento de toxinas. As toxinfecções alimentares em muitos instantes acontecem por contaminação cruzada ou contaminação direta do alimento por superfícies de contato, resultante de manuseio impróprio do alimento, preparação ou estocagem ( SPEIRS et al, 1995). Além disso, o proprietário estabeleceu a proibição do uso de bonés na instalação da cozinha, restringindo à utilização de toucas, a fim de reduzir os incidentes ocorridos com fios de cabelos nas refeições prontas. Instituiu-se a assepsia com álcool nas bancadas antes e após utilização, bem como a higienização freqüente das mãos (lavagem e desinfecção com álcool gel). Proibiu-se também a colocação de quaisquer objetos sobre os coletores de lixo, principalmente as viandas já elaboradas, explicitando os cuidados em relação à contaminação cruzada. Comentou-se sobre a não utilização de alianças na manipulação de alimentos e dos riscos de contaminação implicados.

31 31 Após a reunião foi aberto um espaço para que os funcionários discutissem sobre o assunto. Eles mencionaram que muitos funcionários não retiravam os aventais antes de entrar nas instalações sanitárias. Desta forma, informou-se da importância do porta aventais presente na parte do vestiário e dos riscos da contaminação cruzada, uma vez que esta é capaz de transmitir microrganismos de uma área contaminada para outra ou para os alimentos que entrarem em contato. Ao longo da semana após a reunião percebeu-se adequações perante os hábitos inadequados, porém, o uso dos panos no preparo das refeições, ausência da higienização das bancadas com álcool 70%, o uso de alianças no manuseio dos alimentos e a falta de higienização freqüente das mãos com álcool gel, permaneceu sendo realizada. Quanto às bancada, a falta de higienização com álcool 70% pode ocorrer devido à ausência de borrifadores permanentes em todas as bancadas Análises Técnica do esfregaço em superfície ou swab Com o intúito de quantificar os microrganismos presente numa determinada área, aplicouse a técnica de esfregaço em superfície, mais conhecida como swab. Para a técnica do esfregaço em superfície, realizada no laboratório de enologia do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Bento Gonçalves (IFRS), foram utilizados quatro bastonetes de swab, vinte tubos de ensaio com 10 ml de água peptonada, um molde estéril de 9cm² de área, uma pisseta com álcool 70%, vinte placas de petri com ágar padrão para contagem (PCA), um bico de bunsen, nove pipetas graduadas de 1, 2 e 5 ml, uma alça de drigaslki, um béquer e uma pêra. Desta forma, preparam-se os quatro tubos de ensaio com 10 ml de Água Peptonada 0,1%. Retiraram-se os swabs das embalagens estéreis, segurando a haste na extremidade oposta do algodão. No diluente, umideceu-se o algodão, comprimindo-o contra as paredes do frasco para a remoção do excesso de líquido. Para a delimitação da área a ser amostrada utilizou-se o molde estéril de 9 cm², segurando-o firmemente contra a superfície.

32 32 Aplicaram-se os swabs com pressão descrevendo movimentos da esquerda para a direita, posteriormente debaixo para cima, com inclinação de aproximadamente 45º, rodando-os para que toda a superfície entre em contato com a amostra. Coletaram-se amostras da bancada de carne, dos panos utilizados na cozinha, das unhas de um manipulador e de um fio de cabelo. O material coletado foi inserido em um tubo de ensaio contendo água peptonada, onde a parte manuseada da haste do bastonete foi descartada. Fez-se movimentos rotatórios e agitação constante para favorecer a distribuição e homogeneização dos microorganismos na amostra 10º. Através de uma pipeta retirou-se 1ml da diluição 10º e transferiu-se para um segundo tubo de ensaio contendo 9ml de água peptonada (10 - ¹). Seguiram-se mais diluições, partindo sempre da última, até a diluição O plaqueamento das amostras ocorreu em duplicata, sendo que as diluições utilizadas foram 10-¹, 10-² e 10-³. As placas receberam 0,1 ml de amostras seguidas pelo esfregaço para a distribuição dos microrganismos em toda a área. As placas devidamente identificadas seguiram para a encubação por 48 horas numa temperatura aproximada de 36ºC (SILVA, 2007a) Técnica da lavagem superficial Para a retirada da unidade analítica dos panos utilizado na cozinha, foi necessário a utilização de, oito tubos de ensaio com 10 ml de água peptonada, uma pisseta com álcool 70%, 10 placas de petri com ágar padrão para contagem (PCA), 300 ml de solução peptonada 0,1%, bolsa estéril, um homogeneizador stomacher, um bico de bunsen, 12 pipetas graduadas de 1, 2 e 5 ml, uma alça de drigaslki, um béquer e uma pêra. Prepararam-se os quatro tubos de ensaio contendo água peptonada 0,1%. Adicionaram-se os 300 ml de água peptonada 0,1% na sacola estéril e a amostra a ser analisada. Fechando a abertura da bolsa com uma mão, agitou-se a amostra massageando-a com a outra mão. Através de uma pipeta retirou-se 1ml da diluição 10º transferindo-se para um tubo de ensaio contendo 9ml de água peptonada (10-¹). Seguiram-se mais diluições, partindo sempre da última, até a diluição O plaqueamento das amostras ocorreu em duplicata, sendo que as diluições utilizadas foram 10-2, 10-3 e 10-4, sendo estas também em duplicata. As placas receberam 0,1 ml de amostras seguidas pelo esfregaço para a distribuição dos microrganismos em toda a área. As

33 33 placas devidamente identificadas seguiram para a encubação por 48 horas numa temperatura aproximada de 36ºC ( SILVA, 2007a ). O objetivo principal da realização do teste de swab foi mostrar para os manipuladores a existência de microrganismos, sejam em equipamentos, superfícies, unhas, uma vez que estes tinham dificuldades de compreensão, por não assimilarem o imperceptível ou até mesmo por acharem que contaminado é somente o que é visível ou percebível pelo olfato, (GOMES, 2003). No entanto, nem todos os colaboradores conseguiram assimilar tais conhecimentos, que segundo Germano (2003), os motivos para essa dificuldade de assimilação provém da falta de escolaridade e dos vícios obtidos no transcorrer da vida profissional, conhecidos como práticas indesejáveis enraizadas da cozinha, cujos impedem a obtenção de resultados mais satisfatórios quanto às atividades de treinamento. 2.6 Treinamento Para Germano (2003), entende-se como treinamento o conjunto de ações educativas organizadas com finalidade específica de aprimorar uma competência ou conjunto de competências de um indivíduo ou grupo. Quanto aos manipuladores de alimentos o treinamento agiria para garantir o consumo de alimentos inócuos monitorados desde a sua origem, processamento armazenamento e distribuição. Ao mesmo tempo, contribuindo para que os funcionários tenham consciência da importância de manipular adequadamente, visto que os mesmos são responsáveis pelas vidas de outras pessoas que irão consumir estes alimentos (SILVA, 2005). Segundo o Codex Alimentarius, todo o pessoal deverá ter conhecimento da sua função e responsabilidade quanto à proteção dos alimentos contra a contaminação e deterioração. Quem manipula alimentos deverá ter conhecimentos e capacidades necessárias para poder elaborá-lo em condições higiênicas.

34 34 Foram realizados treinamentos na cozinha a fim de corrigir as práticas incoerentes realizadas no preparo das refeições. Abordaram-se conceitos importantes sobre higienização pessoal, enfatizando os processos de higienização (lavagem e assepsia), higiene corporal, uso do uniforme, comportamento pessoal e cuidados gerais; análise microbiológica em cozinhas, destacando a ação dos microrganismos nos alimentos; a higienização de equipamentos e utensílios e a higienização de hortifrutigranjeiros, como a aplicação correta das técnicas de higiene dos vegetais e a utilização de desinfetantes próprios. 3. Investimentos para a implementação das Boas Práticas de Fabricação Após avaliar as condições higiênico sanitárias, o dimensionamento da instalação, as instalações elétricas, os equipamentos e utensílios utilizados, foram constatadas e avaliadas as medidas necessárias à implementação das Boas Práticas. Dentro desse contexto, fazem-se necessários investimentos para adequar-se aos requisitos do programa, a fim de alcançar níveis apropriados, em relação à segurança alimentar, para a garantia da qualidade das refeições transportadas. Segundo Germano (2003) quando investimentos são realizados para adequações, além de promoverem uma melhor condição para o produto, evidencia-se também uma valorização do ambiente de trabalho, uma vez que o colaborador encontra um local com melhores condições. Desta forma, demonstram-se através da tabela 1 os investimentos necessários para adoção das adaptações exigidas pela legislação.

35 35 Tabela 1: Investimentos para as Boas Práticas de Fabricação TIPO DE MATERIAL QUANTIDADE CUSTO UNITÁRIO Valor ( R$ ) (R$) Tela dupla 2 metros 25,00 50,00 Telas nas janelas 4,80 metros 25,00 120,00 Vidros na janela 1m comprimento x 40,00 80 cm de altura Lâmpadas 9 unidades 200, ,00 Portas com 2 unidades , ,00 fechamento automático Caminhonete 1 veículo , ,00 refrigerada Caixas térmicas 30 unidades 800, , litros Coletores de lixo 5 unidades 40,00 200,00 com tampa automática 24 litros Borrifadores com 15 unidades 3,00 45,00 álcool 70% Luvas de malha 4 pares 190, ,00 de aço cada mão Acendedor de 10 unidades 12,90 129,00 fogão TOTAL ,00

36 36 De acordo com os itens abordados na tabela, observou-se que com um investimento na ordem dos R$ ,00, a cozinha industrial encontraría-se dentro dos padrões legislativos, requeridos para a implementação das Boas Práticas de Fabricação. Mesmo sendo um investimento alto é extremamente necessário para assegurar uma produção segura e com qualidade. Além disso, a partir dessas adaptações, a cozinha também pode planejar, para futuramente, adquirir sistemas mais rígidos, como: a Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC), capaz de enfatizar todas as situações de risco, às quais os alimentos estão expostos, durante a preparação, manipulação, armazenagem e distribuição, contribuindo assim, para o aperfeiçoamento da qualidade das refeições transportadas (SILVA, 2005). De imediato sugerem-se a colocação de medidas mais simples, as quais podem ser ajustadas antes do investimento total, já que o custo é bem mais inferior. Dentre estas está à colocação da tela dupla no teto e das telas nas janelas, a inserção de vidros na abertura desprovida, a instalação de lâmpadas nos equipamentos com proteção contra explosões. Juntamente, sugere-se a compra de coletores de lixo com tampas automáticas para serem instalados nos sanitários, reduzindo assim, riscos com a contaminação cruzada. Os borrifadores com álcool 70% e o acendedor de fogões podem ser adquiridos, já que o custo é mínimo. Adquirir borrifadores de álcool 70% auxilia agilmente no combate de possíveis microrganismos presentes nas bancadas de preparação e manipulação dos alimentos, já o acendedor de fogões evita possíveis acidentes com queimaduras e incêndios. Indica-se também a compra de luvas de malha de aço, para a manipulação de carnes, evitando possíveis riscos de cortes. Mesmo tendo um custo alto, é necessário o empregador fornecer o equipamento de proteção para seus funcionários, o qual garante seguridade a quem o manipula. O valor do investimento sugerido pela aquisição de materiais mais simples, como os citados acima, sairia em torno dos R$ 3.904,00, ou seja, valor muito inferior, em relação aos benefícios que estes podem fornecer há empresa se adquiridos. Desta forma, sugere-se o investimento inferior, cujo além de ser mais em conta auxiliará no controle higiênico sanitário da instalação, reduzindo risco de contaminação cruzada, presença de vetores e pragas urbanas e possíveis surtos de doenças transmitidas por alimentos.

37 37 4. CONCLUSÃO Observou-se que na cozinha industrial, as incoerências manisfestam-se na falta de medidas preventivas e corretivas do meio ambiente, voltadas ao controle de vetores e pragas urbanas. A ausência de barreiras bloqueadoras, como telas, na instalação, permite o acesso de animais e sujidades, fator o qual favorece á contaminação dos alimentos. Notou-se também inadequações quanto a hábitos de higiene e comportamento pessoal por parte dos manipuladores. Muitos não estão preocupados com a possível contaminação das refeições elaboradas, por meio de microrganismos patogênicos. Desta forma a implementação de Boas Práticas de Fabricação juntamente dos Procedimentos Operacionais Padronizados, auxiliará na correção desses fatos. No entanto a legislação para a aplicação do manual estabelece parâmetros, os quais devem ser cumpridos. De acordo como os cálculos feitos para as adaptações, sugere-se o investimento inicial, o qual não apresenta um custo muito alto, sendo este capaz de auxiliar no controle higiênico sanitário da instalação. Embora existindo uma preocupação por parte da equipe administrativa, a qual procura sempre adotar medidas capazes de minimizarem os riscos quanto á contaminação dos alimentos, a fim de prevenir com segurança, faz-se necessário a adoção de cobranças e medidas rigorosas de higiene dos equipamentos e utensílios, dando ênfase principalmente a hábitos de higiene e comportamento pessoal, adotados pelos manipuladores no preparo das refeições da cozinha industrial. Essas medidas proporcionariam ganho de qualidade quanto às refeições elaboradas pela empresa.

38 38 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, Édira Castelo Branco. Análise de Alimentos: uma visão química da nutrição. São Paulo: Varela, ANVISA. Cartilha sobre Boas Práticas para serviço da alimentação. 3º ed. Brasília, Disponível em: <http://www.sosalimentos.org.br/sosalimentos/noticias/cartilha-de-bpf-anvisa >. Acesso em: 22 de julho de ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Normativa NBR Regulamento de gás liquefeito de petróleo. Disponível em: < >. Acesso em: 27 de outubro de AZEREDO, Raquel; MENDES, Renata. Estimativa de riscos relacionados à contaminação de preparações de arroz por Bacillus cereus. Campinas: Faculdade de Engenharia de Alimentos, UNICAMP; Tese. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1428, de 26 de novembro de Aprova o regulamento técnico para inspeção sanitária dos alimentos, diretrizes para o estabelecimento de Boas Práticas de produção e de prestação de serviço na área de alimentos e o regulamento técnico de para o estabelecimento de padrão de identidade e qualidade para serviços e produtos na área de alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, 01 de agosto de BRASIL. Secretaria da Saúde. Portaria nº 78 de janeiro de Aprova a lista de verificação em boas práticas para serviços da alimentação, aprova normas para cursos de capacitação em boas práticas para serviços de alimentação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 30 de janeiro de BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RDC, nº 275 de 21 de outubro de Dispõe sobre o regulamento técnico de Procedimentos operacionais padronizados aplicados aos estabelecimentos produtores / industrializados de alimentos e lista de verificação das boas práticas de fabricação em estabelecimentos produtores / industrializados de alimentos. Diário Oficial da União, Brasília. Disponível em:<http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=8134> Acesso em 20 de julho de 2009.

39 39 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 24 de 9 de outubro de Determina a proteção contra incêndios. DOU: 01 de novembro de Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de Dispõe sobre regulamento técnico de Boas Práticas para serviços de alimentação. Diário Oficial da União, Brasília. Disponível em: <http://elegis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=12546 >. Acesso em 22 de julho de BRASIL. Secretaria Municipal da Saúde. Portaria nº 1210 de 02 de agosto de Aprova o regulamento técnico de boas práticas que estabelece os critérios e parâmetros para a produção / fabricação, importação manipulação, fracionamento, armazenamento, distribuição, vendas para o consumo final e transporte de alimentos e bebidas. Diário Oficial da União, Brasília. CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO. Lei nº 6514 de dezembro de Estabelece a regulamentação de segurança e medicina no trabalho. Disponível em:< htm.>. Acesso em: 24 de outubro de CARDOSO, Renato. Unidade de alimentação e nutrição no campus da universidade da Bahia. Um estudo sob a perspectiva do alimento seguro. Revista Nutrição. Campinas, v.18, n.5, CODEX ALIMENTARIUS COMMISSION. Recommended International Code of practice general principles of food hygiene. Rev. 4. Home: Food and Agriculture Organization of the United Nations, World Health Organization, FERNANDES, Moacyr Saraiva. Manual de boas práticas de fabricação e garantia da qualidade para indústrias agroalimentar. IBRAT. São Paulo, FREUND, Francisco Tommy. Alimentos e bebidas: uma visão gerencial. RJ: SENAC NACIONAL, FROTA, Ângela Maria Simão. O regime da segurança alimentar na União Européia. Curitiba: Juruá, GOMES, José Carlos. Legislação de alimentos e bebidas. 2º ed. Minas Gerais. UFV, 2009.

40 40 GERMANO, Maria Isabel Simões. Treinamento de manipuladores de alimentos: fator de segurança alimentar e promoção da saúde. Varela. São Paulo, HAZELWOOD, D & MCLEAN, A. C. Manual de higiene para manipuladores de alimentos. São Paulo.Varela, NASCIMENTO Neto; GOMES, Carlos Alexandre Oliveira. Roteiro para elaboração de manual de boas práticas de fabricação (BPF) em restaurantes. 2ºed. SENAC, São Paulo: Disponível em: Acesso em 20 setembro NASCIMENTO, Fénelon Neto do. Manual de Boas Práticas de Fabricação em restaurantes. São Paulo: SENAC, Disponível em: >. Acesso em: 15 de outubro de SÃO PAULO. Lei nº de 11 de abril de Obriga o uso de luvas plásticas descartáveis pelos funcionários dos estabelecimentos do setor de alimentação diretamente envolvidos no manuseio e preparo das refeições. DOM SP de SÃO PAULO. Secretaria de Estado de Saúde. Portaria CVS 15 de 07 de novembro de Normatiza e padroniza o transporte de alimentos para o consumo humano. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, CVS, SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Portaria nº 6 de 10 de março de aprova o regulamento técnico que estabelece os parâmetros e critérios para o controle higiênico sanitário em estabelecimentos de alimentos. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 12 de março de SILVA, Enio Alves. Manual de controle higiênico sanitário em serviço de alimentação. 2º ed. São Paulo. Varela, SILVA JÚNIOR, Enio. Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos. 5º ed. São Paulo: Varela, 2002.

41 41 a SILVA, Neusely. et al. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos, São Paulo: 3º ed. Varela, b SILVA, Maria Terezinha Bertozo. Curso de Boas Práticas de Fabricação e manipulação de alimentos. São Paulo, Disponivel em: <http://www.crg4.org.br\ defaut.phpp=informativo_mat.phphtml > Acesso em 5 de agosto de SPEIRS, J.P.; ANDERTON, A.; ANDERSON, J.G. A study of the microbial content of the domestic kitchen. International Journal of Environmental Health Research, n. 5, p , XAVIER, C. Prevalência de Staphylococcus aureus em manipuladores de alimentos das creches municipais da cidade do Natal / RN. RBAC: v. 39, p , 2007.

42 Anexo A- Planilha de Controle de Temperatura de Saída das Refeições PLANILHA DE CONTROLE DE TEMPERATURA DE SAÍDA DAS REFEIÇÕES 42 Código: POP 1 Revisão: 01 Anexo: 1 DATA HORA T(ºC) ARROZ T(ºC) FEIJÃO GUARNIÇÃO T(ºC) CARNE T(ºC) T(ºC) EXTRA T(ºC) SOBREMESA T(ºC) OUTROS OBSERVAÇÃO DATA T(ºC) SALADA T(ºC) SALADA T(ºC) SALADA DATA T(ºC) SALADA T(ºC) SALADA T(ºC) SALADA PADRÕES: Pratos quentes: A temperatura deve estar acima de 60ºC no centro da cuba. Pratos frios: A temperatura deve estar abaixo de 10ºC no centro da cuba. VERIFICAÇÃO Data: RUBRICA:

43 ANEXO B- Planilha de Controle de Temperatura das Refeições no Buffet da Empresa PLANILHA DE CONTROLE DE TEMPERATURA DAS REFEIÇÕES NO BUFFET DA EMPRESA 43 Código: POP 1 Revisão: 01 Anexo: 1 DATA HORA T(ºC) ARROZ T(ºC) FEIJÃO T(ºC) GUARNIÇÃO T(ºC) CARNE T(ºC) EXTRA T(ºC) SOBREMESA T(ºC) OUTROS OBSERVAÇÃO DATA T(ºC) SALADA T(ºC) SALADA T(ºC) SALADA DATA T(ºC) SALADA T(ºC) SALADA T(ºC) SALADA PADRÕES: Pratos quentes: A temperatura deve estar acima de 60ºC no centro da cuba. Pratos frios: A temperatura deve estar abaixo de 10ºC no centro da cuba.

44 44 AÇÃO CORRETIVA: VERIFICAÇÃO Data: RUBRICA:

45 45 ANEXO C Planilha de Controle de Recebimento de Matérias primas Resfriadas e Congeladas PLANILHA DE CONTROLE DE RECEBIMENTO DE MATÉRIAS-PRIMAS RESFRIADAS E CONGELADAS: POP 1 Código: POP 1 Revisão: 01 Anexo: 1 Produto Data Hora Temperatura (ºC) Refrigerada Congelada Embalagem Transporte Rubrica Ação Corretiva \ Observação PADRÕES: CONGELADAS: Recebimento em T menor ou igual a -12ºC ( quanto mais baixa melhor) ou de acordo com a recomendação do fabricante. RESFRIADA: Recebimento em T menor ou igual a 7ºC (entre 1º e 7º quanto mais baixa melhor ) ou de acordo com a recomendação do fabricante. CONDIÇÕES DA EMBALAGEM: a embalagem deve encontrar-se integra e o produto não deve apresentar sinais de descongelamento. CONDIÇÕES DO TRANSPORTE: o caminhão de entrega deve estar em condições de higiene satisfatórias, o controle é feito por inspeção visual. Condições do entregador: o entregador deve estar em condições de higiene satisfatória, o controle é feito por inspeção visual. AÇÃO CORRETIVA: Se o produto estiver fora do padrão comunicar ao gerente e advertir o fornecedor. C: Conforme NC: Não conforme VERIFICAÇÃO Data: RUBRICA:

46 46 ANEXO D - F i c h a d e c o n t r o l e d e e n t r e g a d e e q u i p a m e n t o d e p r o t e ç ã o i n d i v i d u a l ( E P I ) Nome: Endereço: Cidade: Telefone: Data de Nascimento RG: Data de Admissão: Dados de Identificação do Colaborador Bairro: CEP: Celular: CPF: Código: TERMO DE RESPONSABILIDADE Pelo presente declaro que recebi da empresa Bento Refeições Coletivas Ltda, os Equipamentos de Proteção Individual abaixo relacionados, bem como orientações quanto ao seu uso correto e finalidades, assumindo o compromisso das letras a, b, c e d do item 1.8 da NR-1 e letras a, b e c do item da NR-6, ambos da Portaria 3214/78, de usá-lo em trabalho, zelar pela sua guarda e conservação e devolvê-lo ao setor competente da empresa quando se tornar impróprio para uso ou por motivo de demissão ou afastamento. Em caso de perda, extravio ou inutilização proposital do material recebido, autorizo a empresa, na forma prevista no parágrafo primeiro do Art. 462 da CLT Consolidação das Leis do Trabalho, a descontar do meu salário, inclusive no que me couber a título de indenização por rescisão de contrato de trabalho, a importância correspondente ao valor do material. De Acordo: / / Ass. Do Colaborador Data QUANT. DENOMINAÇÃO DO MATERIAL Recebimento Devolução DATA ASSINATURA DATA

47 47 ANEXO E CARTAZES É PROIBIDO: Utilizar adornos como: brincos, pulseiras, anéis e aliança Utilizar luvas de borracha, no preparo de alimentos Utilizar bonés como substituto de toucas Utilizar panos que limpam bancada para a secagem de utensílios Colocar caixas com alimentos sobre latões de lixo Sair da empresa usando o uniforme de trabalho Experimentar alimentos com as mãos

48 48 ANEXO E Cartazes Higienizando as Mãos Corretamente 1º Molha-se as mãos com água corrente; 2º Esfrega-se a palma, o dorso das mãos, as unhas e o espaço entre os dedos com sabonete líquido, neutro e inodoro, por 15 segundos; 3º Enxágua-se bem com água para a retirada de todo o sabonete; 4º Seca-se as mãos com papel toalha; 5º Aplica-se o anti-séptico ( Álcool Gel)

49 49 ANEXO E Cartazes Lavar as Mãos Sempre Que: Entrar nas áreas de manipulação; Antes de iniciar seus serviços; Após manipular material contaminado; Após usar instalações do banheiro; Após fazer a limpeza dos setores; Após espirrar; Mexer no lixo.

50 ANEXO E Cartazes 50 Vamos escovar os dentes? A escovação reduz as bactérias presente na boca; Evita o mal hálito, as cáries, e possíveis complicações; Seja um Manipulador de Alimentos consciente: Escove sempre os dentes após as refeições ( ALMOÇO)!!!

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Higienização Pessoal na Restauração 1 Índice Consequências para a segurança alimentar de uma higiene pessoal inadequada... 3 Boas práticas de higiene pessoal... 3 Higiene

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO APÊNDICE A LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS UTILIZADA NA COLETA DE DADOS, BASEADA NA RDC nº 275/2002 E NA RDC nº 216/2004, DA ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações]

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] Portugal em Acção ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS As estruturas, as instalações e o equipamento dos estabelecimentos de restauração ou

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99 SECETAA MUCPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de nteresse da Saúde Subgerência de Alimentos OTEO DE SPEÇÃO FÁBCA DE PALMTO EM COSEVA esolução DC 18/99, DCn 81/03,

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL Manipuladores de alimentos São todas as pessoas que trabalham com alimentos, ou seja, quem produz, vende, transportam recebe, prepara e serve

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013 DOE de 19/04/2013 - nº.

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06 SECRETARIA MUICIPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Alimentos ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LACHOETE E SIMILARES Portaria SMS-G

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL Secretaria Municipal da Educação Setor de Alimentação Escolar

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO O QUE É? Impresso utilizado para auxiliar em auditoria técnica na unidade. PORQUE DEVE SER FEITO? ) Para avaliar e registrar a qualidade técnica apresentada na

Leia mais

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE 1 ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE RESUMO Karla Braga Lobo Liberato 1 Maria Consuelo Landim 2 Eveline de Alencar Costa 3 A

Leia mais

Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF

Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF Monitoramento da Qualidade de Alimentos no DF produtos analisados e motivos da condenação no Distrito Federal, 2014 85% 15% Sem

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS 1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso é proprietário de um estabelecimento há mais de 15 anos que dentre outras atividades também manipula alimentos.

Leia mais

INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS

INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS LIBERTY RESTAURANTES E BARES ncêndios em bares, restaurantes e cozinhas industriais podem parecer raros, mas acontecem com mais frequência do que se possa imaginar. É

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ RESUMO

VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ RESUMO VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ CASSOL, Fernanda Tironi²; DEVALETI, Mirian Terezinha da Silva²; MEDINA, Vanessa Bischoff 2. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de

Leia mais

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal.

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal. Higiene Pessoal Higiene Pessoal Objectivos Gerais - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal. Índice 1. Lavagem das mãos 1.1

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES PREFETURA DE SÃO PAULO SECRETARA MUCPAL DA SAÚDE COORDEAÇÃO DE VGLÂCA EM SAÚDE GERÊCA DE PRODUTOS E SERVÇOS DE TERESSE DA SAÚDE SUBGERÊCA DE ALMETOS ROTERO DE SPEÇÃO - COMÉRCO VAREJSTA PADARA E SMLARES

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

ROTEIRO DE AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO DE AUTO INSPEÇÃO ROTEIRO DE AUTO INSPEÇÃO Razão Social: Nome Fantasia: Endereço: Bairro: CEP: Telefone: E-mail: Responsável pela Área da Saúde: Responsável pela Área da Nutrição: Responsável Legal pela : Número total de

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004

Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004 Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004 DISPÕE SOBRE REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos;

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos; RESOLUÇÃO - RDC Nº 275, DE 21 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. título: Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004 ementa: Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana Bastos de Carvalho

CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana Bastos de Carvalho SECRETARIA MUNICIPAL DE Secretaria Municipal de Saúde de Serrania/MG CNPJ. 11.402.407/0001-61 CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana

Leia mais

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 http://wwwanvisagovbr/legis/resol/2002/275_02rdchtm ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 DOU de 23/10/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) PVP SOCIEDADE ANÔNIMA Fundada em 1962 Outubro de 2013 1 A aplicação das Boas Práticas de Fabricação (BPF) é a maneira de garantirmos a qualidade na produção

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ROTERO PARA CLASSFCAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 DETFCAÇÃO DO ESTABELECMETO Razão Social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º, Bairro): CPJ: Licença de Localização: nscrição Municipal: Alvará Sanitário: Proprietário(s)

Leia mais

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2)

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) Resumo da NR 18 para áreas de vivência 18.1. Objetivo e campo de aplicação. 18.1.1. Esta Norma Regulamentadora NR

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

1 - Orientação Higienização de equipamentos, móveis e utensílios. 2 - Orientação Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas

1 - Orientação Higienização de equipamentos, móveis e utensílios. 2 - Orientação Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas Apresentação Esta cartilha tem como objetivo oferecer aos micro e pequenos empreendedores que produzem alimentos, orientações sobre as boas práticas na manipulação dos alimentos, visando assegurar a qualidade

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR

BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR Romana Neves Médica Veterinária Direcção de Serviços de Qualidade e Segurança Alimentar Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural 14 de Outubro de 2010

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Página 1 de 9 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Aula 1 Seleção De Fornecedores, Compra E Recebimento Das Matérias- Primas, Ingredientes E Embalagens As matérias- primas, os ingredientes e as embalagens

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002

Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no DOU de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS: O CASO DA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE COMPANHIA DE BEBIDAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS: O CASO DA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE COMPANHIA DE BEBIDAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS: O CASO DA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE COMPANHIA DE BEBIDAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Ellen Bilheiro Bragança 1 Leziane de Matos Araujo 2 Tatiane Gonçalves do

Leia mais

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DAS UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO UAN

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DAS UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO UAN INSTRUMENTO DE AUDITORIA DAS UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO UAN DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Razão Social: Nome Fantasia: Endereço: Município: Telefax: Diretor Geral: CNPJ: BAIRRO: CEP: E-mail 1 - ESTRUTURA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

05 Queimaduras em cozinhas

05 Queimaduras em cozinhas 05 Queimaduras em cozinhas As queimaduras mais comuns são as provocadas por líquidos e a maioria das vítimas são as crianças. O álcool líquido está envolvido em grande parte dos acidentes que provocam

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: CARGO: MERENDEIRA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais