CORONEL JOÃO PESSOA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORONEL JOÃO PESSOA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS"

Transcrição

1 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/12/ Distância da capital: 453 km - Área: 117 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Serra de São Miguel - População: (IBGE/2007) - Número de domicílios: IDH: (146 no RN) - PIB: R$ ,00 (IBGE/2006) - PIB per capta: R$ 2.976,00 (IBGE/2006) - Empreendimentos cadastrados: 74 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS Tabela 1 Tipo de empreendimento Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Associação ou Sindicato 04 5,41 Empresa Individual (Antiga Firma Individual) 16 21,62 Fundação 01 1,35 Setor Público 15 20,27 Sociedade Anônima - - Sociedade Ltda. 01 1,35 Outras organizações sem fins lucrativos - - Sem constituição 32 43,24 Não informado 05 6,76 Total Geral ,00 Tabela 2 Tipo de Atividade Atividade Número de negócios Percentual (%) Agronegócio - - Comércio 24 32,43 Estrutura 19 25,68 Indústria 03 4,05 Serviço 27 36,49 Não Informado 01 1,35 Total Geral ,00 1

2 Tabela 3 Classificação dos empreendimentos Classificação Número de negócios Percentual (%) Administração pública, defesa e seguridade social 07 9,46 Alimentação 15 20,27 Alojamento 02 2,70 Atividades esportivas e de recreação e lazer 01 1,35 Serviços de escritório, de apoio administrativo e outros serviços prestados às empresas 01 1,35 Atividades jurídicas, de contabilidade e de auditoria 01 1,35 Outras atividades profissionais, científicas e técnicas 01 1,35 Comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas 04 5,41 Comércio por atacado, exceto veículos automotores e motocicletas 07 9,46 Comércio varejista 18 24,32 Educação 03 4,05 Confecção de artigos do vestuário e acessórios 04 5,41 Fabricação de produtos alimentícios 01 1,35 Atividades de rádio e de televisão 01 1,35 Atividades de organizações associativas 04 5,41 Outras atividades de serviços pessoais 02 2,70 Atividades de atenção à saúde humana 01 1,35 Serviços de assistência social sem alojamento 02 2,70 Total Geral ,00 Tabela 4 Tempo de funcionamento por atividade produtiva valores percentuais Tempo (em anos) Até 2-39,13-33,33 59,09 3 a 5-21,73-33,33 18,18 6 a 10-17, ,64 11 a 15-4, a 20-4, ,09 21 a 25-8,70-33,34-26 a Acima de 30-4,

3 Tabela 5 Faixa de faturamento por atividade produtiva valores percentuais Faturamento R$ 1,00 Até ,19-66,67 100,00 De a ,29-33,33 - De a , De a De a De a , De a De a Tabela 6 Principais problemas por atividade produtiva valores percentuais Principais problemas Baixo lucro - 34,78-33,33 68,18 Carga tributária elevada - 21, ,09 Concorrência - 17,39-33,33 4,55 Despesas com aluguel ,55 Despesas com pessoal - 4, ,55 Dificuldade na aquisição ou falta de matéria-prima ,33 4,55 Falta de capital de giro - 34,78-66,67 27,27 Falta de clientes - 21,74-33,33 68,18 Falta de crédito - 4, ,55 Falta de mão de obra qualificada ,55 Instalações inadequadas - 4, Maus pagadores - 82,60-66,67 40,91 Ponto inadequado - 13, Problemas com fiscalização / regularização do negócio - 4, Problemas financeiros - 13, Recessão econômica do estado - 4, ,55 Recursos para aquisição de máquinas e equipamentos - 8, ,09 Taxa de juros elevadas - 21,74-33,34 13,63 Esta questão admite múltiplas respostas 3

4 Tabela 7 Número de empregados por atividade produtiva Número de empregados Atividade produtiva valor absoluto s Total Média - 2,13-2,33 1,41 Mínimo Máximo Tabela 8 Principais problemas por empreendimento valores percentuais Principais problemas Empreendimentos (%) Formal Informal Baixo lucro 23,53 64,52 Carga tributária elevada 35,29 3,23 Concorrência 11,76 12,90 Despesas com aluguel - 3,23 Despesas com pessoal 5,88 3,23 Dificuldade na aquisição ou falta de matéria-prima 5,88 3,23 Falta de capital de giro 29,41 35,48 Falta de clientes 17,65 58,06 Falta de crédito - 6,45 Falta de mão de obra qualificada - 3,23 Instalações inadequadas 5,88 - Maus pagadores 88,24 48,39 Ponto inadequado 5,88 6,45 Problemas com fiscalização / regularização do negócio 5,88 - Problemas financeiros 11,76 3,23 Recessão econômica do estado - 6,45 Recursos para aquisição de máquinas e equipamentos 11,76 6,45 Taxa de juros elevadas 29,41 12,90 Esta questão admite múltiplas respostas. 4

5 3 PERFIL DO EMPREENDEDOR SEXO FAIXA ETÁRIA 5

6 Tabela 9 Faixa etária por atividade produtiva valores percentuais Faixa etária (em anos) Até 20-8,70-33,33 9,09 21 a 30-21,74-31,82 31 a 40-21,74-33,33 13,64 41 a 50-26, ,73 51 a 60-8,70-33,34 18,18 Acima de 60-13, ,54 ESCOLARIDADE Tabela 10 Nível de escolaridade por atividade produtiva valores percentuais Escolaridade Sem Instrução - 8, ,09 Alfabetizado - 21,73-66,67 36,36 Fundamental incompleto - 13, ,73 Fundamental completo - 8, ,09 Médio incompleto - 13,04-33,33 9,09 Médio completo - 17, ,64 Superior incompleto - 8, Superior completo - 4, Pós-graduação - 4, Tabela 11 Escolaridade por tipo de empreendimento valores percentuais Empreendimentos (%) Escolaridade Formal Informal Sem Instrução 5,88 9,68 Alfabetizado 11,76 41,94 Fundamental incompleto 11,76 19,35 Fundamental completo 11,76 6,45 Médio incompleto 11,76 12,90 Médio completo 23,53 9,68 Superior incompleto 11,76 - Superior completo 5,88 - Pós-graduação 5,88-6

7 4 SATISFAÇÃO COM A ATIVIDADE DESENVOLVIDA SATISFAÇÃO Tabela 12 Fatores de influência na decisão de iniciar o negócio produtivo valores percentuais Fatores de influência Complementar a renda familiar - 52,17-66,67 72,73 Desejo de ter o próprio negócio - 82,61-33,33 77,27 Estava desempregado - 13, Experiência na área - 4,35-33,33 9,09 Formação profissional ,55 Horário flexível - 4, ,55 Identificou uma oportunidade - 47,83-33,33 45,45 Oportunidade de fazer sociedade - 4, Por influência de outras pessoas - 8, Tinha capital disponível - 4, ,09 Tradição familiar - 26,09-33,33 18,18 Vocação - 17,39-66,67 22,73 Esta questão admite múltiplas respostas 7

8 5 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E INOVAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 8

9 Tabela 13 Utilização da Internet para fins empresariais, por atividade produtiva - valores percentuais Utilização da Internet para fins empresariais Internet para comprar produtos e serviços ,55 Não utiliza internet - 95,65-100,00 95,45 Pesquisa com auxílio dos sites de busca - 4, Esta questão admite múltiplas respostas. INOVAÇÃO 9

10 6 MERCADO AQUISIÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA Tabela 14 Aquisição de matéria-prima por atividade produtiva valores percentuais Origem da compra Do município - 13, ,91 Do próprio Estado - 86,96-100,00 77,27 De outros Estados - 52, ,09 De outros Países Esta questão admite múltiplas respostas COMERCIALIZAÇÃO Tabela 15 Comercialização de produtos ou serviços por atividade produtiva valores percentuais Comercialização Para o município - 100,00-100,00 95,45 Para o próprio Estado - 21,74-66,67 40,91 Para outros Estados ,09 Para outros Países Esta questão admite múltiplas respostas 10

11 COMUNICAÇÃO Tabela 16 Veículo de comunicação para obtenção de informações valores percentuais Veículo de comunicação /blog - 4, Jornal ,09 Rádio - 52,17-66,67 63,64 TV - 86,96-100,00 72,73 Esta questão admite múltiplas respostas. CARTEIRA DE CLIENTES Tabela 17 Número de clientes, por semana, por atividade produtiva Atividade produtiva Clientes s Total Média - 63,96-175,00 34,73 Máximo

OLHO D' AGUA DOS BORGES

OLHO D' AGUA DOS BORGES 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/10/1938 - Distância da capital: 321 km - Área: 141 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 4.442 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 04/04/1963 - Distância da capital: 320 km - Área: 1.129 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Chapada do Apodi - População: 12.374 (IBGE/2007)

Leia mais

CAIÇARA DO RIO DO VENTO

CAIÇARA DO RIO DO VENTO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 95 km - Área: 261 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 3.064 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 149 km - Área: 295 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 2.659 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

SÃO BENTO DO NORTE 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

SÃO BENTO DO NORTE 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 25/11/1953 - Distância da capital: 140 km - Área: 289 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Macau - População: 3.529 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Empresário Individual (Antiga Firma Individual) 36 7,61. Fundação - - Setor Público 3 0,63

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Empresário Individual (Antiga Firma Individual) 36 7,61. Fundação - - Setor Público 3 0,63 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 03/05/1758 - Distância da capital: 31 km - Área: 294 Km 2 - Localização Mesorregião: Leste Potiguar Microrregião: Macaíba - População: 36.990 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 08/05/1963 - Distância da capital: 357 km - Área: 245 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 6.997 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%)

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 30/12/1943 - Distância da capital: 71 km - Área: 240 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Agreste Potiguar - População: 14.483 (IBGE/2007)

Leia mais

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS Tabela 1 Tipo de empreendimento Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Associação ou Sindicato 31 3,33 Cooperativa 5 0,54 Empresa Individual (Antiga Firma

Leia mais

BARRO VERMELHO PERFIL DOS BAIRROS DE NATAL BARRO VERMELHO. Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS

BARRO VERMELHO PERFIL DOS BAIRROS DE NATAL BARRO VERMELHO. Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS PERFIL DOS BAIRROS DE NATAL BARRO VERMELHO Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS NATAL/RN SETEMBRO/2010 1 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Norte SEBRAE/RN

Leia mais

CAPIM MACIO PERFIL DOS BAIRROS DE NATAL CAPIM MACIO. Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS

CAPIM MACIO PERFIL DOS BAIRROS DE NATAL CAPIM MACIO. Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS PERFIL DOS BAIRROS DE NATAL CAPIM MACIO Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS NATAL/RN SETEMBRO/2010 1 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Norte SEBRAE/RN Serviço

Leia mais

ALECRIM ALECRIM. Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS

ALECRIM ALECRIM. Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS ALECRIM Trabalho realizado por: SEBRAE/RN ESTUDOS E PESQUISAS NATAL/RN SETEMBRO/2010 1 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Norte SEBRAE/RN Serviço de Apoio às Micro e Pequenas

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Entorno do DF

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Entorno do DF Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Entorno do DF Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Diretoria Executiva Manoel Xavier Ferreira Filho Diretor

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Metropolitana

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Metropolitana Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Metropolitana Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Diretoria Executiva Manoel Xavier Ferreira Filho Diretor

Leia mais

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Metropolitana Aparecida

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Metropolitana Aparecida Cenários Perfil Socioeconômico Regional Metropolitana Aparecida Sumário Apresentação... 03 Dados Socioeconômicos... 04 Municípios... 06 Área e População... 08 Aspectos Socioculturais... 09 PIB... 11 Negócios

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Entorno do DF

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Entorno do DF Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Entorno do DF Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

Cta. PRESI nº Brasília, de janeiro de 1997.

Cta. PRESI nº Brasília, de janeiro de 1997. Cta. PRESI nº Brasília, de janeiro de 1997. Ilmo. Sr. DIRETOR-SUPERINTENDENTE SEBRAE/UF ASSUNTO: IV Sondagem Balcão/96. Prezado Senhor: Encaminho, anexo, para conhecimento de V. Sa., relatório referente

Leia mais

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Sudoeste

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Sudoeste Cenários Perfil Socioeconômico Regional Sudoeste Sumário Apresentação... 03 Dados Socioeconômicos... 04 Municípios... 06 Área e População... 08 Aspectos Socioculturais... 09 PIB... 11 Negócios Empresariais...

Leia mais

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Metropolitana do DF

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Metropolitana do DF Cenários Perfil Socioeconômico Regional Metropolitana do DF Sumário Apresentação... 03 Dados Socioeconômicos... 04 Municípios... 06 Área e População... 08 Aspectos Socioculturais... 09 PIB... 11 Negócios

Leia mais

PESQUISA ANUAL DE COMÉRCIO

PESQUISA ANUAL DE COMÉRCIO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE PESQUISA ANUAL DE COMÉRCIO NOTAS METODOLÓGICAS Notas Metodológicas A Pesquisa Anual de Comércio - PAC

Leia mais

Mercado de Trabalho Brasileiro Retrospectiva 2012 a 2016 Brasil. Rio de Janeiro, 31/01/2017

Mercado de Trabalho Brasileiro Retrospectiva 2012 a 2016 Brasil. Rio de Janeiro, 31/01/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro Retrospectiva 2012 a 2016 Brasil 1 Rio de Janeiro, 31/01/2017 Observação: Os indicadores para retrospectiva foram construídos através da média aritmética dos quatro trimestres

Leia mais

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Oeste

Cenários. Perfil Socioeconômico. Regional Oeste Cenários Perfil Socioeconômico Regional Oeste Sumário Apresentação... 03 Dados Socioeconômicos... 04 Municípios... 06 Área e População... 08 Aspectos Socioculturais... 09 PIB... 11 Negócios Empresariais...

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRITO FEDERAL JULHO DE 2017

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRITO FEDERAL JULHO DE 2017 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRITO FEDERAL JULHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Distrito Federal. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Distrito Federal. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Distrito Federal Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO DISTRITO FEDERAL Distrito Federal 3,04 1,03 milhões* milhão* População Domicílios Classe B 7% Classes

Leia mais

Qual desenvolvimento queremos?

Qual desenvolvimento queremos? Qual desenvolvimento queremos? Apresentação preparada para o Forum do Desenvolvimento da ABDE Nelson Marconi Escola de Economia de São Paulo FGV e Presidente da Associação Keynesiana Brasileira 02 de dezembro

Leia mais

Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil

Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes IETS e UFRJ Brasília, 13 de maio de 2009. Introdução O que é informalidade? Fenômeno multidimensinoal Presente na sociedade nas: empresas,

Leia mais

RELACIONAMENTO COM A POLÍCIA MILITAR GUTO/LEVS-FINEP

RELACIONAMENTO COM A POLÍCIA MILITAR GUTO/LEVS-FINEP RELACIONAMENTO COM A POLÍCIA MILITAR GUTO/LEVS-FINEP Tabelas Índice de Tabelas Tabela 1. Distribuição das Entrevista por Setor... 3 Tabela 2 Conhece algum Policial que patrulha o bairro por tempo de Residência......

Leia mais

bancodopovo.sp.gov.br

bancodopovo.sp.gov.br Dinheiro fácil e barato para quem quer produzir O que é o Banco do Povo Paulista? O Banco do Povo Paulista é o programa de microcrédito produtivo desenvolvido pelo Governo do Estado de São Paulo e executado

Leia mais

PESQUISA COM EMPRESÁRIOS

PESQUISA COM EMPRESÁRIOS PESQUISA COM EMPRESÁRIOS OBJETIVO DA PESQUISA AVALIAR A EXPECTATIVA DE VENDAS DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA DE BELO HORIZONTE PARA O NATAL DE 2015 INFORMAÇÕES METODOLÓGICAS Coleta de dados de 26/10

Leia mais

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás Perfil do Microempreendedor Individual 2015 Sebrae Goiás Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais no Brasil; 384 Microempreendedores Individuais em Goiás; Entrevistas

Leia mais

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional e Plano Financeiro Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional 1.Layout Por meio do layout ou arranjo físico, você irá definir como será a distribuição dos diversos setores

Leia mais

FÁBRICA DE DOCES (Exercício de Custeio Variável) *

FÁBRICA DE DOCES (Exercício de Custeio Variável) * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS -UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

P P E B P A SEBRAE Francisco José Cesarino

P P E B P A SEBRAE Francisco José Cesarino P P E B P A SEBRAE Francisco José Cesarino Gerente Adjunto da Unidade de Gestão Estratégica do SEBRAE Brasil cesarino@sebrae.com.br 284 Perfil das pequenas empresas brasileiras e os projectos de apoio

Leia mais

Sondagem do Setor de Serviços

Sondagem do Setor de Serviços Sondagem do Setor de Serviços % Setor 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Agropecuária 5,9 4,9 4,7 4,8 5,0 5,2 Indústria 25,8 25,1 24,7 23,9 23,3 21,8 Serviços 54,1 55,8 56,5 57,3 56,8 58,9 Impostos líquidos

Leia mais

A Mulher e a Participação no Mercado de Trabalho de Mato Grosso do Sul

A Mulher e a Participação no Mercado de Trabalho de Mato Grosso do Sul A Mulher e a Participação no Mercado de Trabalho de Mato Grosso do Sul O Sebrae/MS realizou um estudo sobre a Mulher e o Mercado de trabalho no MS, utilizando as seguintes fontes: Ministério do Trabalho

Leia mais

O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006)

O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006) O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006) REALIZAÇÕES SEBRAE BAHIA - 2015 Onde essas empresas estão Os Pequenos Negócios representam

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA

PLANO DE NEGÓCIOS. Plano de Negócios Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA PLANO DE NEGÓCIOS "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA Março/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores 1.3 Empreendimento

Leia mais

EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016

EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016 EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016 1 DAS INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 O presente regulamento, baseado na Lei 12.868, de 15/10/2013 e no Decreto 8242, de 26/05/2014, disciplina o processo

Leia mais

CONVOCAÇÃO REAVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE

CONVOCAÇÃO REAVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE CONVOCAÇÃO REAVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE A Comissão de Assistência Estudantil convoca para processo de reavaliação do PROGRAMA DE ATENDIMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO ( Anexo I)

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO ( Anexo I) UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAS PROGRAMA DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO ( Anexo

Leia mais

O empreendedor poderá permanecer com no máximo duas operações ativas.

O empreendedor poderá permanecer com no máximo duas operações ativas. 1 CONDIÇÕES GERAIS: Poderá ser financiada qualquer atividade produtiva urbana e as atividades relacionadas a ganhos complementares de renda realizados no meio rural. Ex.: Artesanato, turismo rural, agroindústria,

Leia mais

Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os. pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL

Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os. pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL Mossoró/RN 2014 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende auxiliar

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO

QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO Nome completo: Sexo: ( )F ( )M Data de Nasc: / / Naturalidade: UF: Nacionalidade: RG: CPF: Nome da mãe: Nome do pai: 1 - Você exerce alguma atividade remunerada? ( ) Não ( )

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO CONTEXTO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO CONTEXTO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO CONTEXTO OPERACIONAL O cenário do mercado brasileiro de brinquedos não teve grandes alterações em relação ao ocorrido em 2010. A Associação dos Fabricantes de Brinquedos ABRINQ,

Leia mais

CONVOCAÇÃO REAVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE

CONVOCAÇÃO REAVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE CONVOCAÇÃO REAVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE A Comissão de Assistência Estudantil do campus Paulistana convoca para processo de reavaliação

Leia mais

M - DOS ALVARENGA (JD. LAURA)

M - DOS ALVARENGA (JD. LAURA) A B MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DEPARTAMENTO DE INDICADORES SOCIAIS E ECONÔMICOS C D E F MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO

Leia mais

1.3 O presente Processo Seletivo tem como público alvo os brasileiros (natos ou naturalizados) que cumpram todos os seguintes requisitos:

1.3 O presente Processo Seletivo tem como público alvo os brasileiros (natos ou naturalizados) que cumpram todos os seguintes requisitos: O Diretor Regional do SENAI Santa Catarina, mantenedor da, no uso de suas atribuições regimentais e de acordo com o que dispõe a Lei n 13.334, de 28 de fevereiro de 2005, com alterações promovidas pela

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais Anexo IV.10 Renúncia de Receitas

Anexo IV Metas Fiscais Anexo IV.10 Renúncia de Receitas Anexo IV Metas Fiscais Anexo IV.10 Renúncia de Receitas (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) QUADRO I - LDO 2015 GASTOS TRIBUTÁRIOS - PROJEÇÕES 2015 - POR FUNÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA PERMANÊNCIA

PROGRAMA DE BOLSA PERMANÊNCIA PROGRAMA DE BOLSA PERMANÊNCIA OBSERVAÇÕES: 1. A documentação incompleta e/ou preenchimento indevido desse formulário estará sujeito ao INDEFERIMENTO DA INSCRIÇÃO; 2. Toda a documentação deverá ser entregue

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 599, DE 31 DE JULHO DE 2017.

LEI COMPLEMENTAR Nº 599, DE 31 DE JULHO DE 2017. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 599, DE 31 DE JULHO DE 2017. Dispõe sobre o Programa do Artesanato do Estado do Rio Grande do Norte (PROARTE-RN), e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Alagoas. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Alagoas. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Alagoas Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO ALAGOAS ALAGOAS 3,38 1,06 milhões* milhão* População Domicílios 47,8% 52,2% Gênero 30,7 35,7 2017 2030 Idade

Leia mais

As Ferramentas de Comunicação de Marketing e os Investimentos Financeiros das Micro Empresas e Empresas de Pequeno Porte de Santa Catarina

As Ferramentas de Comunicação de Marketing e os Investimentos Financeiros das Micro Empresas e Empresas de Pequeno Porte de Santa Catarina PESQUISA: As Ferramentas de Comunicação de Marketing e os Investimentos Financeiros das Micro Empresas e Empresas de Pequeno Porte de Santa Catarina Esta pesquisa tem como objetivo descobrir os veículos

Leia mais

Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN

Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CENTRO DE APOIO AOS MICROEMPREENDEDORES Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN Equipe: Iraê Cardoso, Isabela Almeida, Lilian Prado,

Leia mais

Grande base de clientes, com CRM visando a fidelização e retenção de clientes

Grande base de clientes, com CRM visando a fidelização e retenção de clientes 1 Pilares Estratégicos 1 Forte cultura corporativa, cujo principal foco é a valorização das pessoas 2 Plataforma de vendas integrada, com múltiplos canais de venda 3 Grande base de clientes, com CRM visando

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Assunto: Plano Financeiro (II parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

conomia e Finanças FATEC-SP 2012 FATEC-SP 2011 Justificativa para atualização curricular do curso de TI

conomia e Finanças FATEC-SP 2012 FATEC-SP 2011 Justificativa para atualização curricular do curso de TI Economia e Finanças FATEC-SP 2012 conomia e Finanças TI da FATEC-SP Justificativa para atualização curricular do curso de TI Profissional fazer estudos de necessidades e viabilidade técnico-econômica TI

Leia mais

GECOOP GERÊNCIA DE DESENVOLVOMENTO COOPERATIVO COORDENAÇÃO DE DESEMPENHO FÓRUM FINANCEIRO ABRIL

GECOOP GERÊNCIA DE DESENVOLVOMENTO COOPERATIVO COORDENAÇÃO DE DESEMPENHO FÓRUM FINANCEIRO ABRIL GECOOP GERÊNCIA DE DESENVOLVOMENTO COOPERATIVO COORDENAÇÃO DE DESEMPENHO FÓRUM FINANCEIRO ABRIL - 2017 2016 BRASIL -3,6% PARANÁ -2,4% DEZ/2015 = 14,15% a.a. 2015 x 2016 DEZ/2015 = 3,87 3,53% DEZ/2016 =

Leia mais

GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR. Agosto/2017

GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR. Agosto/2017 GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Agosto/2017 A pesquisa é realizada desde 1999. O Brasil passou a fazer parte do projeto GEM em 2000. 65 países em 2016-69% da população global e 84% do

Leia mais

TABELA REFERENCIAL DE HONORÁRIOS GERAL

TABELA REFERENCIAL DE HONORÁRIOS GERAL ANEXO I Tabela 1 EDICONTA CONTABILIDADE & GESTÃO EMPRESARIAL TABELA REFERENCIAL DE HONORÁRIOS GERAL VIGÊNCIA: 01/06/2013 até 31/12/2013 PISO BASE: R$ 678,00 1.0 SERVIÇOS CONTRATUAIS - MANUTENÇÃO E ESCRITURAÇÃO

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO

FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO LEIA COM ATENÇÃO! OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UFU destinam-se exclusivamente aos estudantes provenientes das camadas de baixa condição socioeconômica (Tendo como um dos critérios Renda familiar

Leia mais

PROGRAMA AUXÍLIO EMERGENCIAL OBSERVAÇÕES:

PROGRAMA AUXÍLIO EMERGENCIAL OBSERVAÇÕES: PROGRAMA AUXÍLIO EMERGENCIAL OBSERVAÇÕES: 1. A documentação incompleta e/ou preenchimento indevido desse formulário estará sujeito ao INDEFERIMENTO DA INSCRIÇÃO; 2. As informações prestadas no formulário,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Prezado Candidato da PUC-SP Para melhor atendê-lo, precisamos conhecer um pouco mais sobre você. Por favor, responda o que se pede assinalando com X a melhor alternativa. Será garantido absoluto sigilo

Leia mais

Declaração Anual do Simples Nacional

Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Original Exercício 2010 Ano-Calendário 2009 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2009 a 31/12/2009 1 Identificação do Contribuinte CNPJ Matriz: 00559582/0001-40

Leia mais

Declaração Anual do Simples Nacional

Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Original Exercício 2010 Ano-Calendário 2009 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2009 a 31/12/2009 1 Identificação do Contribuinte CNPJ Matriz: 01670516/0001-06

Leia mais

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12,999,976 km 9,136,765 km 1,276,765 km 499,892 km 245,066 km 112,907 km 36,765 km 24,159 km 7899 km 2408 km 76 km 12 14 16 9 10 1 8 12 7 3 1 6 2 5 4 3 11 18 20 21 22 23 24 26 28 30

Leia mais

Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os. pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN NOVA BETÂNIA

Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os. pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN NOVA BETÂNIA Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN NOVA BETÂNIA Mossoró/RN 2014 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende auxiliar os empreendedores

Leia mais

FICHA DE CADASTRO PESSOA JURÍDICA INQUILINO FIADOR

FICHA DE CADASTRO PESSOA JURÍDICA INQUILINO FIADOR FICHA DE CADASTRO PESSOA JURÍDICA INQUILINO FIADOR Dados da Empresa Razão Social Nº CNPJ/MF Nº Inscrição Estadual Sede Cidade UF CEP Fone Fax Ramo de Atividade Fundação Nº Registro da Firma Data Órgão

Leia mais

Venda Nova do Imigrante-ES

Venda Nova do Imigrante-ES Venda Nova do Imigrante-ES Capital Nacional do Agroturismo Turismo Rural - Agroturismo ENCONTRO NACIONAL COM OS NOVOS PREFEITOS E PREFEITAS Localização ENCONTRO NACIONAL COM OS NOVOS PREFEITOS E PREFEITAS

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

R - MONTANHÃO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO (OP) A B E F G K J H. Atualização 2014

R - MONTANHÃO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO (OP) A B E F G K J H. Atualização 2014 A B MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DEPARTAMENTO DE INDICADORES SOCIAIS E ECONÔMICOS C D E F MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO

Leia mais

N - DOS ALVARENGA (JD. DAS ORQUÍDEAS)

N - DOS ALVARENGA (JD. DAS ORQUÍDEAS) A B MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DEPARTAMENTO DE INDICADORES SOCIAIS E ECONÔMICOS C D E F MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Pesquisa de Orçamento Doméstico

Pesquisa de Orçamento Doméstico Fonte: Sistema Fecomércio MG EE A Pesquisa de Orçamento Doméstico de Belo Horizonte é um balizador do comportamento das famílias, relativo aos seus compromissos correntes e financeiros. A falta de planejamento,

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL CONTABILIDADE GERENCIAL 1 1.1 - Objetivos da Contabilidade 1.1.1 - Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade Deliberação CVM* nº 29 de 05/02/1986: A Contabilidade é, objetivamente, um sistema de informação

Leia mais

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. Alta carga tributária; 2. A burocracia e entraves da legislação; 3. Interpretação restritiva do Fisco sobre

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente da República DILMA ROUSSEFF MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Ministro de Estado da Justiça JOSÉ EDUARDO CARDOZO Secretária-Executiva MÁRCIA PELEGRINI DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 9 13.766,67 261.941

Leia mais

PROGRAMA GAÚCHO DE MICROCRÉDITO

PROGRAMA GAÚCHO DE MICROCRÉDITO PROGRAMA GAÚCHO DE MICROCRÉDITO O governo do Estado do Rio Grande do Sul em conjunto com o Banrisul, e suas Secretarias de Estado, está instituindo o Programa Gaúcho de Microcrédito, conforme o Decreto

Leia mais

Intenção de Compras Natal IPA - Instituto de Pesquisa ACIR ACIR - Associação Comercial, Industrial Empresarial de Rondonópolis

Intenção de Compras Natal IPA - Instituto de Pesquisa ACIR ACIR - Associação Comercial, Industrial Empresarial de Rondonópolis Intenção de Compras NATAL 2016 Intenção de Compras Natal 2016 ACIR - Associação Comercial, Industrial Empresarial de Rondonópolis 1 ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E EMPRESARIAL DE RONDONÓPOLIS ACIR.

Leia mais

Formas Básicas de organização Empresarial. - Firma individual. - Sociedades

Formas Básicas de organização Empresarial. - Firma individual. - Sociedades Demonstrações Financeiras Formas de rganização Professor: Roberto César Formas Básicas de organização Empresarial - Firma individual - Sociedades Firma individual É uma empresa de propriedade de uma única

Leia mais

27/06/ Produtos e Serviços Diferenciados Seguro de Pessoas

27/06/ Produtos e Serviços Diferenciados Seguro de Pessoas 27/06/ 2016 Produtos e Serviços Diferenciados Seguro de Pessoas Produtos Empresariais - Vida Produtos e Serviços Ramos de Atividade: tecnologia, telecomunicações, hospitais, escolas, consultorias, comércio

Leia mais

Indicadores Socioeconômicos. Página 1

Indicadores Socioeconômicos. Página 1 Pessoas Empregadas por Subsetores 2. Ind. 3. Ind. 5. Agua, Nome do Indicador 1.Agricultura Extrativa Transformação 4. Eletrecidade Esgoto 6. Construção 7. Comércio 8. Transporte 9. Alojamento 10. Informação

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 PIS (PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL) COFINS (CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL) REGIME CUMULATIVO E NÃO-CUMULATIVO Para iniciar o estudo

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE Prof. Cássio Marques LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE Prof. Cássio Marques LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE 2017 O PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS - PROCEDIMENTOS INICIAIS - O PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS A decisão de se abrir um negócio, através da constituição de uma

Leia mais

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC outubro 2 DE 2015 DIVULGAÇÃO N o 54 Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo Nível de ocupação aumenta no Comércio e Reparação

Leia mais

Os Impactos do Simples Nacional

Os Impactos do Simples Nacional Estudo especial Os Impactos do Simples Nacional 14 de setembro de 2017 Transmissão ao vivo em: videoteca.sebrae.com.br 1 1 Características do estudo Fontes de informações: 1. SRF 2. IBGE 3. RAIS 4. Funcex/Secex

Leia mais

EDITAL DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO PROCESSO SELETIVO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO

EDITAL DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO PROCESSO SELETIVO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO EDITAL DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO PROCESSO SELETIVO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO - 2017 A Universidade Federal do Espírito Santo, representada pelo Programa de Pós-Graduação de Mestrado

Leia mais

Pesquisa de Orçamento Doméstico

Pesquisa de Orçamento Doméstico Fonte: Sistema Fecomércio MG EE A Pesquisa de Orçamento Doméstico de Belo Horizonte é um balizador do comportamento das famílias, relativo aos seus compromissos correntes e financeiros. A falta de planejamento,

Leia mais

FREGUESIA DE S. TIAGO DOS VELHOS FLUXOS DE CAIXA

FREGUESIA DE S. TIAGO DOS VELHOS FLUXOS DE CAIXA Data inicial: / / Data final: 31/12/2011 RECEBIMENTOS 1.402,62 Despesas orçamentais 107.413,76 Receitas orçamentais Correntes Capitais Outras Receitas 1.264,38 138,24 73.914,74 34.18 108.094,74 2.071,52

Leia mais

1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior:

1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior: LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA APTOS AO REGISTRO NO CRA-GO 1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior: 1.1. Tecnologia em Exportação e Importação; 1.2. Tecnologia em Gerência de Comércio Exterior;

Leia mais

Em atendimento à Audiência Pública supra citada, vimos pela presente apresentar nossas considerações sobre a minuta disponibilizada.

Em atendimento à Audiência Pública supra citada, vimos pela presente apresentar nossas considerações sobre a minuta disponibilizada. Curitiba, 15 de janeiro de 2008 Sr. José Augusto da Silva Superintendente de Mediação Administrativa Setorial Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL SGAN - Quadra 603 - Módulo I 70830-030 Brasília

Leia mais

A crise econômica sob a ótica do jovem empreendedor

A crise econômica sob a ótica do jovem empreendedor A crise econômica sob a ótica do jovem empreendedor Otimismo e autoconfiança são marcas do jovem empreendedor no Brasil. Percepção da crise é menor quando empresários olham para o próprio negócio A pesquisa

Leia mais

Pesquisa com Empresários

Pesquisa com Empresários Pesquisa com Empresários Informações técnicas O objetivo desta pesquisa é avaliar a expectativa de vendas dos empresários do comércio varejista de Belo Horizonte para o Natal de 2017. Pesquisa quantitativa:

Leia mais

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Construção Civil 10 Servente de obras C.L.T. Bady Bassitt Ensino Fundamental 0 Construção Civil 2 Carpinteiro

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA NORTE-AMERICANA

A CRISE FINANCEIRA NORTE-AMERICANA A CRISE FINANCEIRA NORTE-AMERICANA Dihego Pansini de Souza A crise financeira norte-americana está repercutindo em todo mundo. Tal crise não pode ser considerada apenas norte-americana, mas sim, global.

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO DE DESEMPENHO Indicadores relacionados com o faturamento Faturamento (valor) Faturamento no Exterior (valor) Faturamento Estimado (valor) Evolução do Faturamento (valor ou %) Evolução do Faturamento estimado

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais