AS ARMAS BACTERIOLÓGICAS COMO AMEAÇA À ORDEM MUNDIAL: HISTÓRICO, RISCOS E EFEITOS. Palavras-chave: arma bacteriológica, ordem mundial, terrorismo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ARMAS BACTERIOLÓGICAS COMO AMEAÇA À ORDEM MUNDIAL: HISTÓRICO, RISCOS E EFEITOS. Palavras-chave: arma bacteriológica, ordem mundial, terrorismo."

Transcrição

1 Recebido em: 6/10/2009 Revisado em: 29/10/2009 Aprovado em: 1/11/2009 AS ARMAS BACTERIOLÓGICAS COMO AMEAÇA À ORDEM MUNDIAL: HISTÓRICO, RISCOS E EFEITOS FERNANDES, Ana Cláudia 1 e OLIVEIRA, Wellington 2 Resumo: O texto apresenta, de maneira sucinta, os conceitos de arma bacteriológica, e ainda, associa a presença de tais ameaças à ordem mundial estabelecida. Aponta os riscos e possíveis efeitos de uma guerra bacteriológica, considerando-se a ocorrência de ataques. Tem a ainda, a finalidade de discutir o uso de tais armas por grupos terroristas. Palavras-chave: arma bacteriológica, ordem mundial, terrorismo. Abstract: The text presents, in a brief, the concepts of bacteriological weapons, pandemic and also associates the present of those threats to the world order established. It highlights the risks and possible effects of a biological war, considering the occurrence of a pandemic. It still has the purpose of discussing the use of such weapons by terrorist groups. Key-words: bacteriological weapons, world order, pandemic, terrorism INTRODUÇÃO O mundo atual convive com uma constante preocupação com a segurança. Isso ocorre em virtude da violência crescente e também, das ameaças decorrentes dos conflitos de interesse e ainda, pela ameaça terrorista. Aos nos voltarmos a esta última ameaça, é possível afirmar que o terrorismo vem crescendo e se modernizando, inculcando nas mentes dos inimigos sensações de insegurança e vulnerabilidade. 1 2 Mestre em Ciência Política. Mestrando em Ciência Política.

2 São muitas as ações planejadas e promovidas por ações terroristas, entre elas a ameaça bacteriológica, uma modalidade de ataque capaz de atingir silenciosamente os inimigos, e em certos casos, com letalidade quase total. Trata-se de uma ameaça silenciosa, porém de grande potencial destruidor, tendo em vista sua capacidade de levar morte e terror, de modo rápido, imperceptível e nem sempre, combatível. Pela possibilidade proporcionada pelos custos (geralmente mais baixos que outros tipos de armas de destruição em massa) e letalidade, tal modalidade de arma torna-se interessante a grupos terroristas que vêem nelas a possibilidade de atingirem seus objetivos de forma mais contundente. Desta forma, aumenta a preocupação com o uso de tal armamento no futuro, e assim, a sensação de insegurança e pânico, um dos objetivos do terrorismo, já estão sendo atingidos desde já. Por se tratar de uma ameaça que podem alcançar dimensões mundiais, independente da condição de alvo ou inimigo, o mundo atual, e principalmente, os Estados Unidos, buscam meios de descobrir e conter grupos que podem estar produzindo e armazenando tais materiais, sob a justificativa de manutenção da ordem e segurança internacional. Por toda a capacidade de alcance e poder, torna-se interessante, discorrer sobre tal temática e os riscos da ameaça. AS ARMAS BACTERIOLÓGICAS: conceituação e histórico Segundo o Doutor Tadeu Fernandes as armas bacteriológicas são entendidas como: O uso deliberado dos microrganismos ou suas toxinas como arma de guerra, com o propósito de causar toxinfecções, danos psicológicos com conseqüente desestruturação dos inimigos. Mesmo sociedades primitivas, como as dos indígenas, empregavam como armas toxinas de anfíbios e o próprio curare. Com o desenvolvimento da microbiologia, identificando e isolando os agentes e seus produtos tóxicos e mais recentemente da biologia molecular, permitindo a

3 manipulação genética dos microrganismos, o problema assumiu uma nova proporção. 3 Desta forma, é possível entender que tais armas dependem de manipulação humana para sua produção e disseminação, e ainda, que podem causar riscos importantes aos indivíduos, de acordo com o material utilizado. Trata-se ainda de uma alternativa bélica mais barata, e também de mais fácil acesso, que outras armas de destruição em massa. Por estas características, as armas bacteriológicas compõem uma importante alternativa aos terroristas, e também, a países interessados em provocar ataques estratégicos ao território de seus inimigos, podendo inclusive, driblar mecanismos de defesa nacional. Segundo o Relatório da CIA (2006, p.190) o uso de agentes biológicos pelos terroristas é, portanto, uma tendência e o leque de opções deve crescer. Ainda, segundo o Dr. Tadeu Fernandes, é necessário que haja atenção aos riscos da contaminação por agente bacteriológico: É necessário o reconhecimento de uma possível contaminação por agente biológico, que deve ser suspeitada quando surgem casos de uma doença geograficamente incomum, mais de dois pacientes com uma doença febril inespecífica associada com sepse, pneumonia, falência respiratória ou exantema ou síndrome botulismo-like com paralisia muscular flácida em pessoas previamente saudáveis, além de doenças comuns em outras faixas etárias. 4 Em relação ao histórico do uso dos agentes bacteriológicos como armas de destruição, é possível afirmar que tal modalidade de guerra data da Idade Média: Na Antiguidade e na Idade Média a guerra biológica era praticada através do uso das substâncias tóxicas originárias de organismos vivos. Os Exércitos usavam corpos em decomposição para contaminar o abastecimento de água de uma cidade sitiada, ou atiravam para dentro das muralhas inimigas cadáveres de vítimas de doenças como varíola ou peste bubônica (conhecida na Idade Média como peste negra). O arremesso de corpos sobre as muralhas das cidades sitiadas era realizado com o uso de catapultas, e apresentava também um impacto moral pela visão de um corpo voando sobre a muralha e espatifando-se no pátio interno da fortaleza ou cidade, além do forte odor do corpo em putrefação. 5 3 Entrevista com o Dr. Tadeu Fernandes, Dr. Nilton José Fernandes Cavalcanti e Dra. Raquel Muarrek Garcia. Acesso em IBIDEM. 5 Acesso em

4 Durante a primeira guerra mundial, a Alemanha contaminou com anthrax e melioidose o gado exportado para as forças aliadas. A convenção de Genebra (1925) proibiu o uso das armas biológicas, mas não as pesquisas, produção e posse dessas armas. Entre 1932 e 1945 o Japão criou na Manchúria (região da China que estava sob domínio japonês) um centro de pesquisas de armas biológicas, utilizando experimentalmente inoculações nos prisioneiros. Foram realizadas experiências com: B. anthracis, N. meningitidis, Shigella sp., V. cholera e Y. pestis. Cidades chinesas eram atacadas pela pulverização das culturas, mas também foram lançadas mais de 15 milhões de pulgas contaminadas com a peste. Na segunda guerra mundial, os nazistas inoculavam nos prisioneiros dos campos de concentração, para testar a eficácia de drogas (sulfas) e vacinas, os seguintes agentes: R. prowazekii, R. mooseri, vírus da hepatite A e agente da malária. Os Estados Unidos fez pesquisas nos campos da Escócia para desenvolver bombas com esporos de anthrax. A ex-união Soviética manteve durante os anos 80 e 90, onze laboratórios especializados na pesquisa e produção destes agentes, sendo que em 1979 um acidente liberou acidentalmente esporos de anthrax, afetando o gado e humanos em um raio de até 50 Km de distância. Desenvolveram anthrax 77 pacientes, predominantemente na forma inalatória, dos quais 66 faleceram. Empregando técnicas moleculares a Ex- União Soviética desenvolveu cepas mais estáveis e virulentas do vírus da varíola para emprego em mísseis balísticos intercontinentais. Foi isolado o gene que produz a toxina do Bacillus anthracis e implantado em outra bactérias deste gênero, tornando assim a vacina ineficaz. Foram desenvolvidas técnicas para dispersar o bacilo da peste, eliminando a dependência das pulgas. Realizaram estudos para implantar o gene produtor de toxina botulínica em outras bactérias. Também, por engenharia genética, foi criada uma cepa da bactéria da tularemia resistente à proteção vacinal e aos antibióticos empregados em seu tratamento. É possível perceber que tal ameaça não é nova, porém tem ganhado sofisticação ao longo dos tempos.

5 Atualmente a guerra bacteriológica é manifestada através da manipulação em laboratório de bactérias (ou suas toxinas), vírus e fungos. Tais armas foram inicialmente desenvolvidas por países industrializados, principalmente Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, ex-união Soviética, Alemanha, Japão e Canadá. Cabe ressaltar que, durante a Guerra Fria, tanto os EUA quanto a ex-urss intensificaram pesquisas voltadas a esta modalidade de arma. As ameaças provocadas pelas armas bacteriológicas acabaram por resultar numa Convenção voltada ao tema: Em 1975, 158 nações assinaram e 140 ratificaram uma convenção sobre armas biológicas que proíbe o desenvolvimento, posse e armazenamento de materiais biológicos para propósitos hostis e conflitos armados. Veta também o desenvolvimento de sistemas de contaminação e a transferência de tecnologia. 6 Entretanto, tal Convenção não previu a existência de um organismo fiscalizador, cabendo ao Conselho de Segurança da ONU a avaliação das denúncias, sendo que as inspeções podem ser vetadas por pedido de um de seus membros. Na prática, o que se pôde observar foi que a Convenção proibiu o desenvolvimento, a produção e o armazenamento de armas biológicas e toxinas 7, embora autorizando o desenvolvimento, produção e armazenamento de agentes biológicos patogênicos em quantidades limitadas, desde que relacionadas à produção de meios de defesa, como vacinas, remédios. Há ainda, a permissividade da pesquisa, uma vez que a Convenção não a menciona, além de falhar no controle e verificação. Enfim, a Convenção por si só se esvaziou, não apresentando poderio prático de solucionar o avanço das armas bacteriológicas e suas potenciais ameaças à segurança internacional. 6 Entrevista com o Dr. Tadeu Fernandes, Dr. Nilton José Fernandes Cavalcanti e Dra. Raquel Muarrek Garcia. Acesso em Acesso em

6 O CENÁRIO DAS ARMAS BACTERIOLÓGICAS: as ameaças hoje e amanhã Ao se pensar no cenário de segurança internacional, o uso de armas bacteriológicas constitui uma preocupação atual e de grande poder simbólico, pois incomoda significativamente a sociedade, por três motivos: poder de destruição, ameaça terrorista e imprevisibilidade. O emprego de doenças como armas é assustador, pois a tecnologia de produção de agentes biológicos com potencial de uso bélico não é difícil para alguns países. O uso desses agentes biológicos pelos terroristas para instalar o medo, causa insegurança coletiva, pânico e caos social. 8 Tal preocupação tem justificativa no cenário atual: um número relativamente grande de países e/ou empresas/laboratórios supostamente mantém estoques de agentes biológicos, para uso médico ou pesquisa científica. O problema está na linha que divide os interesses científicos daqueles ligados à aplicação militar. Há ainda o risco que tais armas ou ingredientes para tal fabricação, caiam nas mãos de grupos terroristas, que tem nesta modalidade de armamento uma oportunidade de alcançar maiores resultados em suas ações contra a vida. Esta oportunidade se dá pela maior facilidade de acesso a este tipo de arma de destruição, com custos mais acessíveis e resultados letais ou comprometimentos significativos, além da temível certeza de que ninguém se encontra livre de ameaça, em segurança. O relatório da CIA (2006, p. 190), traz a seguinte afirmação acerca desta realidade: 8 Entrevista com o Dr. Tadeu Fernandes, Dr. Nilton José Fernandes Cavalcanti e Dra. Raquel Muarrek Garcia. Acesso em

7 O Bioterrorismo parece particularmente adequado aos pequenos grupos que operam com apoio da inteligência. Na verdade, o laboratório dos bioterroristas poderá ser do tamanho de uma cozinha doméstica e a arma lá fabricada, menor que uma torradeira... É possível então, considerar a hipótese de uso de armas bacteriológicas como forte ameaça à ordem internacional, inclusive considerando seu aspecto de sutileza e rompimento de fronteiras. Ainda quanto a isso, o referido relatório (p.190) aponta: Como normalmente há uma demora para reconhecer as doenças propagadas, em um cenário de pesadelo um atentado poderia ter sucesso antes mesmo que as autoridades percebam que estão sob ataque. Estamos diante de uma realidade, no mínimo preocupante, tendo em vista seu caráter de propagação e silenciosidade, capaz de atingir uma grande parcela da população mundial de forma rápida e incontrolável. A GRIPE A: especulações de uma pandemia A ocorrência da gripe suína, logo em seguida denominada Gripe A, nos primeiros meses do corrente ano, provocada pelo vírus H1N1, trouxe consigo especulações sobre a presença de uma ameaça bacteriológica, uma pandemia. A gripe trouxe consigo desconforto e preocupação, pois as informações sobre suas conseqüências e letalidade, apontaram para a possibilidade de uma pandemia, que veio a se confirmar dois meses depois de seu aparecimento, passando a ser esta a primeira pandemia do novo século. Cabe ressaltar que, diante de tal ameaça, o mundo se mobilizou no controle de tal surto, o que representa uma tentativa de conter uma doença, ou ainda, na possibilidade de ameaça biológica, frear as ações humanas de destruição de seus semelhantes, numa prova de

8 loucura e sedes de poder e/ou vingança. Vale ainda, destacar que diante da ameaça iminente, nenhum país se mostrou efetivamente preparado para tal tipo de situação. Torna-se necessário assim, voltar atenção à elaboração de ações em biossegurança, organizadas estratégica e tecnicamente para mitigar, fiscalizar e combater possíveis ataques biológicos, capazes de colocar em risco populações pelo mundo, vitimizabdas em caso de ataques terroristas ou mesmo acidentes biológicos. Este será sempre fardo a carregar: a medo, o temor de um ataque silencioso, porém devastador, a incerteza do amanhã. CONCLUSÃO O aparecimento de doenças com capacidade de romper fronteiras é capaz de suscitar no mundo a preocupação de ameaça biológica. As previsões não são animadoras, pois relatam o avanço do terrorismo e este, por sua vez, tende a fazer uso deste tipo de arma, como ferramenta de alcance e disseminação de terror. Embora imprevisíveis, há que se pensar em ações de biossegurança, numa tentativa de minimizar estas ações, tais como: proibição absoluta da realização de trabalhos de modificação genética por laboratórios não submetidos a rigoroso controle e regulamentação internacional, planejamento de ações que envolvam criação de sistemas de alerta, controle de qualidade alimentos, da água, atendimento de emergência, resgate, e ainda, um serviço científico voltado para o conhecimento e combate às catástrofes bacteriológicas. REFERÊNCIAS O Relatório da CIA: como será o mundo em São Paulo: Ediouro, Entrevista com o Dr. Tadeu Fernandes, Dr. Nilton José Fernandes Cavalcanti e Dra. Raquel Muarrek Garcia. Acesso em Acesso em Acesso em

9

2. As mais temidas armas biológicas

2. As mais temidas armas biológicas 1. Introdução Considerada a mais temidas das armas, a biológica tem efeitos devastadores e desconhecidos pela maioria dos médicos. São vírus e bactérias transformados geneticamente em laboratórios para

Leia mais

ARMAS BIOLOGICAS. 1. Introdução. 2. As mais temidas armas biológicas. 2.1 Varíola

ARMAS BIOLOGICAS. 1. Introdução. 2. As mais temidas armas biológicas. 2.1 Varíola ARMAS BIOLOGICAS 1. Introdução Considerada a mais temidas das armas, a biológica tem efeitos devastadores e desconhecidos pela maioria dos médicos. São vírus e bactérias transformados geneticamente em

Leia mais

VARÍOLA: POTENCIAL ARMA BIOLÓGICA. GOMES, Bruno Douglas Moreno; RUAS, Eduardo Augusto.

VARÍOLA: POTENCIAL ARMA BIOLÓGICA. GOMES, Bruno Douglas Moreno; RUAS, Eduardo Augusto. VARÍOLA: POTENCIAL ARMA BIOLÓGICA GOMES, Bruno Douglas Moreno; RUAS, Eduardo Augusto. RESUMO A segurança é um fator muito importante para a vida em sociedade, contudo, existem atos que causam o caos e

Leia mais

1: Manutenção da Dissuasão Nuclear 2: Contexto Político 3: Deterioração nuclear no século 21 4: Garantindo eficácia na Dissuasão 5: Determinações,

1: Manutenção da Dissuasão Nuclear 2: Contexto Político 3: Deterioração nuclear no século 21 4: Garantindo eficácia na Dissuasão 5: Determinações, 1: Manutenção da Dissuasão Nuclear 2: Contexto Político 3: Deterioração nuclear no século 21 4: Garantindo eficácia na Dissuasão 5: Determinações, Soluções e Custos 6: Aspectos Industriais 7: Decisões

Leia mais

ENFERMAGEM BIOSSEGURANÇA. Parte 3. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM BIOSSEGURANÇA. Parte 3. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM BIOSSEGURANÇA Parte 3 Profª. Tatiane da Silva Campos CLASSIFICAÇÃO DE RISCO - risco indica a probabilidade de que um dano, um ferimento ou uma doença ocorra. - Avaliação de risco: é o processo

Leia mais

Terrorismo Nuclear. Linaldo Guimarães SecureTech Trainning Service

Terrorismo Nuclear. Linaldo Guimarães SecureTech Trainning Service Linaldo Guimarães SecureTech Trainning Service Na última década o terrorismo não convencional vem se tornando a mais ameaçadora das táticas terroristas. Como melhor referência, temos a série de ataques

Leia mais

ASSISTA AO VÍDEO DO PRIMEIRO MINUTO AO 22 MINUTO E RESPONDA ÀS SEGUINTES PERGUNTAS:

ASSISTA AO VÍDEO DO PRIMEIRO MINUTO AO 22 MINUTO E RESPONDA ÀS SEGUINTES PERGUNTAS: TÍTULO: TUDO SOBRE: BACTÉRIAS DURAÇÃO: 60 min GRAU: 5-8, 9-12 MATÉRIAS: FÍSICA, BIOLOGIA E QUÍMICA DESCRIÇÃO Parece que estamos falando de um roteiro de filme de terror quando o assunto é o ataque de bactérias

Leia mais

Assunto: BIOTERRORISMO PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A SAÚDE

Assunto: BIOTERRORISMO PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A SAÚDE Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: BIOTERRORISMO PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A SAÚDE Nº 12/DT Data: 02/09/2002 Para: Serviço Nacional de Saúde. Todos os profissionais

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA AULA. Conteúdo: Geopolítica e Conflitos Entre os Séculos XIX e XX

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA AULA. Conteúdo: Geopolítica e Conflitos Entre os Séculos XIX e XX Conteúdo: Geopolítica e Conflitos Entre os Séculos XIX e XX Habilidade: Analisar a interferência na organização dos territórios a partir das guerras mundiais. Geopolítica e Território A Europa foi cenário

Leia mais

02. ORDEM OU DESORDEM MUNDIAL?

02. ORDEM OU DESORDEM MUNDIAL? 02. ORDEM OU DESORDEM MUNDIAL? O que foi a Guerra Fria Disputa pelo poder em escala global Estados Unidos (capitalista) x União Soviética (socialista) Sem conflito armado direto guerra econômica, diplomática

Leia mais

Segurança do Trabalho e Biossegurança

Segurança do Trabalho e Biossegurança Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de Lorena Departamento de Biotecnologia Curso: Engenharia Bioquímica Segurança do Trabalho e Biossegurança Prof: Tatiane da Franca Silva tatianedafranca@usp.br

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE EMPREGO DE CÃES PARA DETECÇÃO DE AMEAÇAS QBRN

A POSSIBILIDADE DE EMPREGO DE CÃES PARA DETECÇÃO DE AMEAÇAS QBRN 1 A POSSIBILIDADE DE EMPREGO DE CÃES PARA DETECÇÃO DE AMEAÇAS QBRN RENATA SIMÕES BARROS 1, OTAVIO AUGUSTO BRIOSCHI SOARES 2, HEITOR FREDMAN RAMOS FRUTUOSO GUIMARÃES 3 1 1 Batalhão de Guardas, Exército

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Parte 2 Prof. Renata Menezes Força: qualquer meio de agressão art. 1º, Resolução 3.314 da AGNU: Agressão é o uso da força armada por um Estado contra a soberania, integridade

Leia mais

Professor João Paulo Bandeira

Professor João Paulo Bandeira Professor João Paulo Bandeira A Guerra Fria tem início logo após a Segunda Guerra Mundial, pois os Estados Unidos e a União Soviética vão disputar a hegemonia política, econômica e militar no mundo. A

Leia mais

Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza

Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza Jarbas Barbosa da Silva Jr Secretário de Vigilância em Saúde Rio de Janeiro, novembro de 2005 Cenário Mundial da Influenza

Leia mais

AULA CHINA. Programas e Doutrinas Nucleares. Flávio Rocha de Oliveira UFABC Energia Nuclear e Relações Internacionais

AULA CHINA. Programas e Doutrinas Nucleares. Flávio Rocha de Oliveira UFABC Energia Nuclear e Relações Internacionais AULA CHINA Programas e Doutrinas Nucleares Flávio Rocha de Oliveira UFABC Energia Nuclear e Relações Internacionais Geopolítica a Situação Mundial Fim da II Guerra Guerra Civil PC Chinês e Kuomitang Guerra

Leia mais

ENSINO E BIOSSEGURANÇA

ENSINO E BIOSSEGURANÇA IV CBIO E XX ENBIO - 4/10/2011 CONGRESSO DE BIÓLOGOS DOS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E DO ESPÍRITO SANTO ENSINO E BIOSSEGURANÇA Dra. Maria Antonia Malajovich Instituto de Tecnologia ORT do Rio de Janeiro

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. Diogo Domingues Sousa Gerente de Segurança e Saúde Ocupacional

BIOSSEGURANÇA. Diogo Domingues Sousa Gerente de Segurança e Saúde Ocupacional BIOSSEGURANÇA Diogo Domingues Sousa Gerente de Segurança e Saúde Ocupacional CRONOGRAMA Introdução e definição Biossegurança Avaliação do Risco Biológico Risco Biológico Tríade Epidemiológica Níveis de

Leia mais

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE DISCIPLINA. Nome da Disciplina: BIOSSEGURANÇA E BIOCONTENÇÃO EM LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE DISCIPLINA. Nome da Disciplina: BIOSSEGURANÇA E BIOCONTENÇÃO EM LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE DISCIPLINA Programa: BMM - Microbiologia Sigla da Disciplina: BMM 5827 Nome da Disciplina: BIOSSEGURANÇA E BIOCONTENÇÃO EM LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Validade Inicial Número

Leia mais

MBA em Gestão e Negócio em Saúde Gestão em Serviços Hospitalares Profa. Esp. Kelly Barros

MBA em Gestão e Negócio em Saúde Gestão em Serviços Hospitalares Profa. Esp. Kelly Barros FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA Vice-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação MBA em Gestão e Negócio em Saúde Gestão em Serviços Hospitalares Profa. Esp. Kelly Barros 09/05/2014 a 10/05/2014

Leia mais

CONFLITOS E TENSÕES ATUAIS

CONFLITOS E TENSÕES ATUAIS CONFLITOS E TENSÕES ATUAIS GUERRA DA COREIA 1950/53 ANTECEDENTES DO CONFLITO Coreia do Norte Novo sócio do clube atômico Em 2002, o presidente do Estados Unidos, George W Bush, afirmou que a Coreia

Leia mais

T ro de Partida. Cristiana Ribeiro João Serralheiro Sofia Loureiro

T ro de Partida. Cristiana Ribeiro João Serralheiro Sofia Loureiro T ro de Partida Cristiana Ribeiro João Serralheiro Sofia Loureiro :: Objectivo Tiro de Partida :: Conhecer a problemática da disseminação de armas ligeiras nas mãos de civis em Portugal: a dimensão do

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO. Riscos Ambientais

SEGURANÇA DO TRABALHO. Riscos Ambientais SEGURANÇA DO TRABALHO Riscos Ambientais Riscos Profissionais Os riscos profissionais são decorrentes de condições inseguras, ou seja, das condições precárias de trabalho, capazes de afetar a segurança

Leia mais

Superbactérias avançam no Brasil e levam autoridades de saúde a correr contra o tempo

Superbactérias avançam no Brasil e levam autoridades de saúde a correr contra o tempo Superbactérias avançam no Brasil e levam autoridades de saúde a correr contra o tempo g1.globo.com /bemestar/noticia/superbacterias-avancam-no-brasil-e-levam-autoridades-de-saude-a-corrercontra-o-tempo.ghtml

Leia mais

Intervenção. Sessão de Abertura do Seminário. Ameaças Assimétricas e Planeamento Estratégico. Senhor Ministro da Ciência, Tecnologia, Ensino

Intervenção. Sessão de Abertura do Seminário. Ameaças Assimétricas e Planeamento Estratégico. Senhor Ministro da Ciência, Tecnologia, Ensino Intervenção Sessão de Abertura do Seminário Ameaças Assimétricas e Planeamento Estratégico Reitoria da NOVA, 12 de dezembro de 2017 Senhor Ministro da Ciência, Tecnologia, Ensino Superior, Excelência,

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING. Recife 02/01/17

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING. Recife 02/01/17 PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 02/01/17 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais

Carbúnculo ou antraz Bacillus anthracis

Carbúnculo ou antraz Bacillus anthracis Carbúnculo ou antraz Bacillus anthracis CARBÚNCULO OU ANTRAZ (EM INGLÊS, ANTHRAX) É UMA DOENÇA INFECCIOSA AGUDA PROVOCADA PELA BACTÉRIA BACILLUS ANTHRACIS O NOME DA DOENÇA VEM DO GREGO, ANTHRAX, QUE QUER

Leia mais

USAF planeja um novo bombardeiro de bilhões de dólares

USAF planeja um novo bombardeiro de bilhões de dólares USAF planeja um novo bombardeiro de bilhões de dólares B-2 Spirit Quase ninguém acredita que os EUA podem construir um bombardeiro acessível. As Forças Aéreas estão planejando um projeto de bilhões de

Leia mais

Biossegurança 14/02/2019

Biossegurança 14/02/2019 Biossegurança 1 Biossegurança é um conjunto de procedimentos, ações, técnicas, metodologias, equipamentos e dispositivos capazes de eliminar ou minimizar riscos inerentes as atividades de pesquisa, produção,

Leia mais

GUERRA BIOLÓGICA. Débora da Silva MARQUETI 1 Marcelo Takeshi OMOTO 2 Heloísa Helena PORTUGAL 3

GUERRA BIOLÓGICA. Débora da Silva MARQUETI 1 Marcelo Takeshi OMOTO 2 Heloísa Helena PORTUGAL 3 GUERRA BIOLÓGICA Débora da Silva MARQUETI 1 Marcelo Takeshi OMOTO 2 Heloísa Helena PORTUGAL 3 RESUMO: Trata-se de uma investigação da possibilidade das recentes epidemias e pandemias serem oriundas de

Leia mais

Definição de saúde. Os animais não são máquinas, são seres sencientes

Definição de saúde. Os animais não são máquinas, são seres sencientes Definição de saúde Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não simplesmente a ausência de doenças (Organização Mundial da Saúde) Definição de saúde Os animais não são máquinas,

Leia mais

Noções de Inteligência e Contra-Inteligência. Prof. Heron Duarte ESPECIALISTA EM INTELIGÊNCIA

Noções de Inteligência e Contra-Inteligência. Prof. Heron Duarte ESPECIALISTA EM INTELIGÊNCIA Noções de Inteligência e Contra-Inteligência Prof. Heron Duarte ESPECIALISTA EM INTELIGÊNCIA temas globais Narcotráfico, as questões ambientais direitos humanos movimentos ecológicos organizações criminosas

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC)

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC) Página 1 de 5 Elaborado: Revisado: Aprovado: Vera Letticie de Azevedo Ruiz Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus 1. OBJETIVOS Estabelecer os procedimentos

Leia mais

GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO PROF. JEFFERSON OLIVEIRA 3 ANO PROF.ª LUDMILA DUTRA

GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO PROF. JEFFERSON OLIVEIRA 3 ANO PROF.ª LUDMILA DUTRA GEOGRAFIA 3 ANO PROF.ª LUDMILA DUTRA ENSINO MÉDIO PROF. JEFFERSON OLIVEIRA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Geopolítica e Poder 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 12.2 Conteúdo Americanos no Iraque e Afeganistão

Leia mais

Riscos ambientais empresariais. 4.1 Programa de prevenção de acidentes (PPRA)

Riscos ambientais empresariais. 4.1 Programa de prevenção de acidentes (PPRA) Capítulo 4 Riscos ambientais empresariais Segundo o artigo 9.1.5 da Portaria n 25, de 29.12.94, do Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, considera-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos

Leia mais

BIOLOGIA EXERCÍCIOS. Exercícios sobre bactérias e protozoários. Biologia 1

BIOLOGIA EXERCÍCIOS. Exercícios sobre bactérias e protozoários. Biologia 1 Exercícios sobre bactérias e protozoários EXERCÍCIOS 1. A figura apresenta uma classificação dos seres vivos baseada em sua fonte primária de energia. Bactérias são encontradas nos grupos: a) 1, 2 e 3

Leia mais

A biotecnologia é um processo tecnológico que permite a utilização de material biológico.

A biotecnologia é um processo tecnológico que permite a utilização de material biológico. A biotecnologia é um processo tecnológico que permite a utilização de material biológico. É o conjunto de técnicas que permite implantar processos nas indústrias, no cultivo de mudas, dentre outros, pela

Leia mais

GUERRA FRIA. Professor Daniel Fonseca

GUERRA FRIA. Professor Daniel Fonseca GUERRA FRIA Professor Daniel Fonseca O que é, afinal, a Guerra Fria O conceito de Guerra Fria vem de algo sem conflito direto, o que seria uma guerra quente como foi a II Guerra. Sendo assim, a Guerra

Leia mais

TRANTORNOS MÉDICOS NÃO NEOPLÁSICOS CRÔNICOS

TRANTORNOS MÉDICOS NÃO NEOPLÁSICOS CRÔNICOS 1 Capítulo 1 A SAÚDE DA AMÉRICA: SINAIS VITAIS TRANTORNOS MÉDICOS NÃO NEOPLÁSICOS CRÔNICOS Doenças cerebrovasculares Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Diabetes Gripe (Influenza) / Pneumonia O Mal de Alzheimer

Leia mais

Noções Gerais de Biossegurança. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves

Noções Gerais de Biossegurança. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves Noções Gerais de Biossegurança Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves Conceito Conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização eliminação de RISCOS inerentes às atividades de pesquisa, produção,

Leia mais

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação?

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação? Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas (Celtejo, Empresa de Celulose do Tejo, SA) Porquê ler este

Leia mais

ENFERMAGEM EPIDEMIOLOGIA E VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Aula 2. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM EPIDEMIOLOGIA E VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Aula 2. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM EPIDEMIOLOGIA E VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Aula 2 Profª. Tatiane da Silva Campos Algumas características básicas da epidemiologia: todos os achados devem ser referidos à população; as doenças

Leia mais

Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos

Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos Sugestões de atividades Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos 7 CIÊNCIAS 1 Vírus e bactérias 1. A imagem a seguir mostra células infectadas por um dos subtipos do vírus HPV (a sigla em inglês

Leia mais

Situação Epidemiológica no Mundo e em Portugal

Situação Epidemiológica no Mundo e em Portugal GRIPE A (H1N1)v - RESPOSTA DAS EMPRESAS À PANDEMIA Centro de Congressos da Exponor PANDEMIA DE GRIPE Situação Epidemiológica no Mundo e em Portugal Cenários de Evolução Delfina Antunes Delegada Regional

Leia mais

PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS Aula 02 REALMENTE VALE TUDO EM NOME DO PODER? 1 CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES A construção dos direitos humanos está associada em sua origem ao reconhecimento da

Leia mais

MANUSEIO, CONTROLE E DESCARTE DE PRODUTOS BIOLÓGICOS. CLAUDIA PINHO HARTLEBEN

MANUSEIO, CONTROLE E DESCARTE DE PRODUTOS BIOLÓGICOS. CLAUDIA PINHO HARTLEBEN MANUSEIO, CONTROLE E DESCARTE DE PRODUTOS BIOLÓGICOS CLAUDIA PINHO HARTLEBEN (hartlebenclaudia@gmail.com) RISCOS BIOLÓGICOS: CLASSIFICAÇÃO GRUPO DE RISCO 1 Riscos: individual e comunitário baixos # Microorganismos

Leia mais

Guerra nuclear: até onde poderia o Mundo ser afetado?

Guerra nuclear: até onde poderia o Mundo ser afetado? Guerra nuclear: até onde poderia o Mundo ser afetado? Date : 11 de Agosto de 2017 O Mundo está a assistir a uma verdadeira "Guerra Fria" do século XXI entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos da América,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE RISCO: UMA INTRODUÇÃO

COMUNICAÇÃO DE RISCO: UMA INTRODUÇÃO COMUNICAÇÃO DE RISCO: UMA INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a comunicação de risco para a saúde vem desempenhando um papel importante na prevenção e mitigação das conseqüências adversas para a saúde humana

Leia mais

Capacidade de Defesa Química do Exército Brasileiro

Capacidade de Defesa Química do Exército Brasileiro Capacidade de Defesa Química do Exército Brasileiro Por Cel Alexandre Marcos Carvalho de Vasconcelos Com a crescente industrialização, aliada à busca de novas tecnologias, formas inovadoras de produção

Leia mais

História. Guerra Fria. Professor Cássio Albernaz.

História. Guerra Fria. Professor Cássio Albernaz. História Guerra Fria Professor Cássio Albernaz www.acasadoconcurseiro.com.br História GUERRA FRIA Introdução - o que foi e definição A Guerra Fria tem início logo após a Segunda Guerra Mundial, pois os

Leia mais

Manipulação Genética

Manipulação Genética Manipulação Genética O que é Biotecnologia? Biotecnologia significa, qualquer aplicação tecnológica que utilize sistemas biológicos, organismos vivos, ou seus derivados, para fabricar ou modificar produtos

Leia mais

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL SEGUNDA GUERRA MUNDIAL1939-1945 CAUSAS -Continuação da Primeira Guerra; *disputas imperialistas; *mesmos países controlando os mercados; *crises econômicas: empobrecimento dos trabalhadores nos anos 20

Leia mais

CAPÍTULO 29 PRODUTOS PERIGOSOS

CAPÍTULO 29 PRODUTOS PERIGOSOS Produtos Perigosos CAPÍTULO 29 PRODUTOS PERIGOSOS 1. Introdução Produtos perigosos são substâncias que podem vir a causar dano à saúde humana, à um bem material ou ao meio ambiente. Podem ser do tipo radioativa,

Leia mais

1.(Unicamp 2014) O cartaz abaixo foi usado pela propaganda soviética contra o capitalismo ocidental, durante o período da Guerra Fria.

1.(Unicamp 2014) O cartaz abaixo foi usado pela propaganda soviética contra o capitalismo ocidental, durante o período da Guerra Fria. 1.(Unicamp 2014) O cartaz abaixo foi usado pela propaganda soviética contra o capitalismo ocidental, durante o período da Guerra Fria. O texto diz: Duas infâncias. Na URSS (parte superior) crianças são

Leia mais

DISCIPLINA: ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO

DISCIPLINA: ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO DISCIPLINA: ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO PROFESSOR: Altamir Durães Garcia Formação: Graduação em engenharia Elétrica PUC MG Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho FUNDAMENTOS E DEFINIÇÕES

Leia mais

ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA Claude Bernard O princípio da moralidade médica e cirúrgica consiste em nunca executar no homem uma experiência que possa produzir-lhe malefício,

Leia mais

Aula 15 - China e Coreia do Norte

Aula 15 - China e Coreia do Norte Aula 15 - China e Coreia do Norte China e Coreia do Norte Principais temas e relações Japão Vietnã Coreia do Norte Programa Nuclear Apoio Aliança CHINA Disputa por ilhas Petróleo Gás Pesca Filipinas Brunei

Leia mais

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Definição Os fenômenos estudados pela epidemiologia pertencem ao âmbito coletivo e, portanto, devem remeter ao social. Faz sentido pensar em algum processo

Leia mais

CONTRIBUTO PARA A SAÚDE PÚBLICA

CONTRIBUTO PARA A SAÚDE PÚBLICA CONTRIBUTO PARA A SAÚDE PÚBLICA REDUÇÃO DA MORBILIDADE E MORTALIDADE Os programas de vacinação têm tido um impacto significativo sobre a redução da mortalidade e morbilidade de inúmeras doenças infecciosas

Leia mais

Esgoto Doméstico: Coleta e Transporte

Esgoto Doméstico: Coleta e Transporte Esgoto Doméstico: Coleta e Transporte TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Saneamento Ambiental Prof: Thiago Edwiges 2 INTRODUÇÃO Destinação final inadequada dos esgotos Doenças; Poluição e contaminação do solo

Leia mais

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 43 II GUERRA MUNDIAL: AS CONFERÊNCIAS ENTRE OS TRÊS GRANDES

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 43 II GUERRA MUNDIAL: AS CONFERÊNCIAS ENTRE OS TRÊS GRANDES HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 43 II GUERRA MUNDIAL: AS CONFERÊNCIAS ENTRE OS TRÊS GRANDES Fixação 1) (UNIFESP) Uma das ironias deste estranho século XX é que o resultado mais duradouro da Revolução de Outubro

Leia mais

Influenza aviária ( gripe aviária ) e o significado de sua transmissão aos humanos

Influenza aviária ( gripe aviária ) e o significado de sua transmissão aos humanos Influenza aviária ( gripe aviária ) e o significado de sua transmissão aos humanos Informativo (Fact sheet) - 15/01/2004 A doença nas aves: impacto e medidas de controle A influenza aviária é uma doença

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1. Do objeto e campo de aplicação 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

Métodos Quantitativos em Biotecnologia

Métodos Quantitativos em Biotecnologia Disciplina: 220922 Métodos Quantitativos em Biotecnologia Prof. a Dr. a Simone Daniela Sartorio de Medeiros DTAiSeR-Ar 1 Introdução No início de todo trabalho de pesquisa que envolva a realização de experimentos,

Leia mais

GUERRA FRIA: INTRODUÇÃO E CONTEXTO

GUERRA FRIA: INTRODUÇÃO E CONTEXTO GUERRA FRIA GUERRA FRIA: INTRODUÇÃO E CONTEXTO Com o final da Segunda Guerra Mundial a Europa estava destruída pelos conflitos da guerra, todos os países estavam com a economia fragilizada, e isso facilitou

Leia mais

Índice A SuperBAC História Passivo Ambiental Biotecnologia Nossas Bactérias Laudos Certificações Diferencial Divisões Contrato JohnsonDiversey

Índice A SuperBAC História Passivo Ambiental Biotecnologia Nossas Bactérias Laudos Certificações Diferencial Divisões Contrato JohnsonDiversey Índice A SuperBAC História Passivo Ambiental Biotecnologia Nossas Bactérias Laudos Certificações Diferencial Divisões Contrato JohnsonDiversey Nossos Produtos Clientes Projetos Ambientais Desenvolvimento

Leia mais

O Irã como financiador do Terrorismo: Uma Introdução

O Irã como financiador do Terrorismo: Uma Introdução - SEPesq O Irã como financiador do Terrorismo: Uma Introdução Carolina Monza da Silva Graduanda / Uniritter carolinamonza@hotmail.com Resumo: A presente investigação é um esboço de um Trabalho de Conclusão

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO REGISTRO DE DADOS.

LEGISLAÇÃO DO REGISTRO DE DADOS. LEGISLAÇÃO 9.3.8 DO REGISTRO DE DADOS. NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria

Leia mais

Nota Informativa 06/10/2015

Nota Informativa 06/10/2015 Secretaria Municipal de Saúde - Diretoria de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Prezados Colegas. Considerando a Portaria MS/GM nº 1.271, de 6 de junho de 2014, que define a Lista

Leia mais

Escola: Nome: Turma: N.º: Data: / / FICHA DE TRABALHO 1A. amena atmosfera organismos. protetora temperatura solo. rochas água radiações

Escola: Nome: Turma: N.º: Data: / / FICHA DE TRABALHO 1A. amena atmosfera organismos. protetora temperatura solo. rochas água radiações FICHA DE TRABALHO 1A amena atmosfera organismos protetora temperatura solo rochas água radiações A os microrganismos podem ser divididos no grupo das, dos e dos protozoários (protistas). B O conhecimento

Leia mais

I - Crimes contra a Humanidade

I - Crimes contra a Humanidade I - Crimes contra a Humanidade Os crimes contra a humanidade denominados também de delitos de lesa- humanidade surgem como extensão aos crimes de guerra, e, com o passar do tempo, acabam ganhando autonomia

Leia mais

Homo sapiens CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS 23/02/2016 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO. Unidade do sistema de classificação

Homo sapiens CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS 23/02/2016 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO. Unidade do sistema de classificação CLASSIFICAÇÃO BIOLÓGICA, VÍRUS E BACTÉRIAS IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO SISTEMATIZAÇÃO: A classificação organiza os seres vivos conforme critérios que resumem as principais características dos organismos.

Leia mais

Coréia do Norte: o anúncio da posse de armas nucleares no contexto do fenômeno da proliferação de armas de destruição em massa.

Coréia do Norte: o anúncio da posse de armas nucleares no contexto do fenômeno da proliferação de armas de destruição em massa. Coréia do Norte: o anúncio da posse de armas nucleares no contexto do fenômeno da proliferação de armas de destruição em massa Análise Segurança Layla Dawood 24 de fevereiro de 2005 Coréia do Norte: o

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar. Vigilância Epidemiológica do Botulismo

Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar. Vigilância Epidemiológica do Botulismo Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Vigilância Epidemiológica do Botulismo Descrição Botulismo Doença neurológica Instalação súbita

Leia mais

ATUALIDADES. Atualidades Conflito s do Mundo Contemporâneo Ásia. Prof. Marcelo Saraiva

ATUALIDADES. Atualidades Conflito s do Mundo Contemporâneo Ásia. Prof. Marcelo Saraiva ATUALIDADES Atualidades 2017 Conflito s do Mundo Contemporâneo Ásia Prof. Marcelo Saraiva Ásia Afeganistão A invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos ocorreu após os ataques de 11 de setembro no final

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM CLASSES HOSPITALARES

BIOSSEGURANÇA EM CLASSES HOSPITALARES BIOSSEGURANÇA EM CLASSES HOSPITALARES Dra. Dulcelene de Sousa Melo Enfermeira do HC-UFG. Docente FEN-UFG Jeenna Louhanna Umbelina Spagnoli Enfermeira da SES-DF. Mestranda FEN-UFG Goiânia, 2015. PORTARIA

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO : norma reguladora dos conflitos em matéria de legislação trabalhista, capacidade para contratar, forma e fundo do contrato e acidentes do trabalho. Parte III Professora Raquel

Leia mais

Ciências Naturais, 6º Ano. Ciências Naturais, 6º Ano FICHA DE TRABALHO 1A. Escola: Nome: Turma: N.º: Conteúdo: Micróbios. Escola: Nome: Turma: N.

Ciências Naturais, 6º Ano. Ciências Naturais, 6º Ano FICHA DE TRABALHO 1A. Escola: Nome: Turma: N.º: Conteúdo: Micróbios. Escola: Nome: Turma: N. FICHA DE TRABALHO 1A amena atmosfera organismos FICHA DE TRABALHO 1A amena atmosfera organismos protetora temperatura solo protetora temperatura solo rochas água radiações rochas água radiações A os microrganismos

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. Fermentações industrias. Cultura de tecidos e Células. Produção. fármacos. Clonagem. Melhoramento Genético. Produção de.

BIOTECNOLOGIA. Fermentações industrias. Cultura de tecidos e Células. Produção. fármacos. Clonagem. Melhoramento Genético. Produção de. RIBAMAR JR Qualquer aplicação tecnológica que utilize sistemas biológicos (organismos, células, vírus, moléculas), para fabricar ou modificar produtos para utilização específica. Produção de fármacos Fermentações

Leia mais

A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR E.U.A:

A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR E.U.A: A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR E.U.A: Capitalismo U.R.S.S: Socialismo Antecedentes Panorama geopolítico (2ª Guerra Mundial); Choque entre as potências europeias (Inglaterra, França, Alemanha); Formação de

Leia mais

Microbiologia ambiental Água necessidade para microrganismos uso na produção e processamento alimentos fonte de contaminações análise e tratamento de

Microbiologia ambiental Água necessidade para microrganismos uso na produção e processamento alimentos fonte de contaminações análise e tratamento de Microbiologia ambiental Água necessidade para microrganismos uso na produção e processamento alimentos fonte de contaminações análise e tratamento de água Microbiologia ambiental Água desuniformidade microrganismos

Leia mais

Biossegurança em Organismos Geneticamente Modificados

Biossegurança em Organismos Geneticamente Modificados Biossegurança em Organismos Geneticamente Modificados Prof. Dr. Vinicius Campos Disciplina de BBB Graduação em Biotecnologia - UFPel OGMs x Biossegurança Conceito de OGMs: Organismos geneticamente modificados

Leia mais

Guerra Fria ( )

Guerra Fria ( ) Guerra Fria (1946-1991) Guerra improvável, paz impossível Conflito político, Ideológico (cultural), Militar Indireto entre EUA e URSS Início Churchill, Truman e Stalin (1945) - A Conferência de Potsdam

Leia mais

Rio 2016: a ameaça do terrorismo

Rio 2016: a ameaça do terrorismo Rio 2016: a ameaça do terrorismo Terrorista em Munique Por Coronel Frederico Caldas A menos de um ano da realização das Olimpíadas e Paralimpíadas de 2016, o infame atentado que fez 129 mortos e 352 feridos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO ÓLEO DE CITRONELA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO ÓLEO DE CITRONELA 1 de 6 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br E-mail:

Leia mais

Comissão de Biossegurança do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

Comissão de Biossegurança do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Comissão de Biossegurança do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo NR-32 http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamen tadoras/nr_32.pdf Consideram-se Agentes Biológicos os microrganismos, geneticamente

Leia mais

Microbiologia: Mikros (= pequeno) + Bio (= vida) + logos (= ciência)

Microbiologia: Mikros (= pequeno) + Bio (= vida) + logos (= ciência) INTRODUÇÃO Microbiologia: Mikros (= pequeno) + Bio (= vida) + logos (= ciência) A Microbiologia era definida, até recentemente, como a área da ciência que se dedica ao estudo dos microrganismos. Os microrganismos

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

C o n c e i t o d e B i o s s e g u r a n ç a

C o n c e i t o d e B i o s s e g u r a n ç a C o n c e i t o d e B i o s s e g u r a n ç a É o conjunto de ações para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos visando à saúde do homem, dos animais, a preservação do meio ambiente e a obtenção

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE IEA/USP

OBSERVATÓRIO DE INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE IEA/USP OBSERVATÓRIO DE INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE IEA/USP 19 de setembro de 2011 Programa Nacional de Integração Estado-Empresa na Área de Bens Sensíveis O Papel da Inteligência de Estado Of. Int. Helton Miranda

Leia mais

TCor Tm (Eng) Paulo Viegas Nunes

TCor Tm (Eng) Paulo Viegas Nunes Mundos Virtuais, Riscos Reais: Fundamentos para a definição de uma Estratégia da Informação Nacional TCor Tm (Eng) Paulo Viegas Nunes pfvnunesam@gmail.com Sumário Introdução Análise e Gestão do Risco Social

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM SAÚDE

BIOSSEGURANÇA EM SAÚDE BIOSSEGURANÇA EM SAÚDE BIOSSEGURANÇA: Compreende um conjunto de AÇÕES destinadas a PREVENIR, CONTROLAR, MITIGAR, ou ELIMINAR os RISCOS inerentes às atividades que possam INTERFERIR ou COMPROMETER a qualidade

Leia mais

2ª Guerra Mundial e Fascismos

2ª Guerra Mundial e Fascismos 2ª Guerra Mundial e Fascismos 2ª Guerra Mundial e Fascismos 1. No cartaz de propaganda nortebraços simbolizam países que se aliaram na Segunda Guerra Mundial contra as forças do Eixo. a) Identifique TRÊS

Leia mais

- Antecedentes/causas (década de 1930):. Novas discussões sobre o IMPERIALISMO. Fortalecimento de regimes totalitários nazifascistas.

- Antecedentes/causas (década de 1930):. Novas discussões sobre o IMPERIALISMO. Fortalecimento de regimes totalitários nazifascistas. A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL ( 1939-1945) - Antecedentes/causas (década de 1930):. Novas discussões sobre o IMPERIALISMO. Fortalecimento de regimes totalitários nazifascistas. Invasão da CHINA (1931 - Manchúria)

Leia mais

A Globalização e a Nova Ordem Mundial. A Geografia Levada a Sério

A Globalização e a Nova Ordem Mundial.   A Geografia Levada a Sério A Quais são as modificações ocorridas no cenário mundial com a Nova Ordem imposta no final do século XX? Será uma Nova Ordem ou desordem? Características da nova ordem mundial As alianças entre nações

Leia mais

A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro

A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro Julho 2016 Graduação: Bióloga Especialista: Microbiologia Mestre e doutoranda: Engenharia Biomédica

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Sujeitos de Direito Internacional Público: Organizações Internacionais e Coletividades não Estatais. Capacidade jurídica e de ação. O sistema da Sociedade das Nações. Parte

Leia mais

Glossário de Biologia

Glossário de Biologia Glossário de Biologia Anticorpos agentes constituídos de proteínas que têm como função o combate aos agentes de doenças. Antígenos qualquer substância orgânica nociva, de natureza protéica, que, inoculada

Leia mais

GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde

GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1 Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde 2009 1 O que é a gripe A (H1N1)? É uma doença respiratória causada pelo vírus

Leia mais