ECLI:PT:STJ:2011: TBOBR.B.C1.S1.B0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECLI:PT:STJ:2011: TBOBR.B.C1.S1.B0"

Transcrição

1 ECLI:PT:STJ:2011: TBOBR.B.C1.S1.B0 Relator Nº do Documento Fonseca Ramos Apenso Data do Acordão 06/07/2011 Data de decisão sumária Votação unanimidade Tribunal de recurso Processo de recurso Data Recurso Referência de processo de recurso Nivel de acesso Público Meio Processual Decisão Revista negada a revista Indicações eventuais Área Temática direito do trabalho - vicissitudes contratuais direito civil - direito das obrigações direito processual civil - instância (princípios) processo de insolvência - reclamação e verificação de créditos Referencias Internacionais Jurisprudência Nacional Legislação Comunitária Legislação Estrangeira Descritores insolvência; reclamação de créditos; créditos laborais; princípio do dispositivo; princípio do inquisitório; princípio da igualdade; Página 1 / 15

2 Sumário: I. Decorre do art. 1º do CIRE que o processo de insolvência é um processo de execução universal, visando a liquidação do património do devedor insolvente e a repartição do produto da liquidação pelos credores, ou a satisfação dos créditos destes pela forma prevista num plano de insolvência que assente na recuperação da empresa. II. A lei insolvencial confere privilégio imobiliário especial aos créditos laborais dos trabalhadores que, ao tempo da declaração de insolvência, exerciam a sua actividade no imóvel ou imóveis do empregador. III. No requerimento de reclamação de créditos dirigido ao administrador da insolvência, os credores devem mencionar, além do mais, a proveniência do seu crédito, a sua natureza, a existência de garantias e a taxa de juros art. 128º, nº1, als. a) a e) do CIRE. IV. No contexto da sua competência, mormente, no uso do poder dispositivo, de direcção, inquisitório e de cooperação, o Juiz do processo pode solicitar ao administrador da insolvência que forneça elementos para caracterizar os créditos reclamados. Nessa actuação não está qualquer decisão-supresa, ou de favorecimento, mas antes a afloração daqueles princípios que valem também no processo de insolvência e seus apensos. V. Entendendo o Juiz do processo que os elementos constantes da reclamação de créditos laborais não evidenciava, claramente, se, ao tempo da declaração de insolvência, os trabalhadores reclamantes trabalhavam em imóveis do insolvente, nada impedia que solicitasse tal informação ao administrador da insolvência: não se tratou de considerar factos não alegados, mas antes de obter informações para que a sentença fosse consonante com a realidade material em consideração do princípio da primazia da materialidade subjacente. VI. Ao tribunal compete assegurar a igualdade das partes para que as decisões que profere não assentem em formalidades ou subtilezas processuais que conduzem a desigualdade no plano da defesa e protecção substancial dos direitos, sejam as partes economicamente poderosas ou débeis. Decisão Integral: Acordam no Supremo Tribunal de Justiça Nos autos em que foi declarada a insolvência de AA, S.A., foi proferida, na Comarca do Baixo Vouga Juízo do Comércio Aveiro, em , sentença que graduação dos créditos entretanto reclamados e reconhecidos. Tal sentença graduou os créditos pelo modo e ordem seguinte: I) As dívidas da massa insolvente saem precípuas, na devida proporção, do produto da venda art.º 172.º, n.ºs 1 e 2. Página 2 / 15

3 I) Do valor da venda da fracção A da verba número um do auto de apreensão (referente à venda do imóvel descrito na CRP de Oliveira do Bairro sob n.º, constituído em propriedade horizontal e do qual fazem parte as fracções A a D ), dar-se-á pagamento: 1.º - Aos créditos dos trabalhadores, uma vez que aí exerciam as suas funções; 2.º -Ao crédito do Banco BB, S.A., na parte garantida, até ao limite de ,21; 3.º -Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., no montante garantido, até ao limite de ,86; 4.º -Ao crédito da Fazenda Nacional, no montante garantido, até ao limite de ,00; 5.º - Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., no montante privilegiado; 6.º - Aos créditos comuns; 7.º Aos créditos subordinados, graduados pela ordem prevista no art.º 48.º do CIRE. II) Do valor da venda da fracção B da verba número um do auto de apreensão (referente à venda do imóvel descrito na CRP de Oliveira do Bairro sob n.º, constituído em propriedade horizontal e do qual fazem parte as fracções A a D ), dar-se-á pagamento: 1.º - Aos créditos dos trabalhadores, uma vez que aí exerciam as suas funções; 2.º -Ao crédito do Banco BB, SA, na parte garantida, até ao limite de ,21; 3.º -Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., no montante garantido, até ao limite de ,86; 4.º -Ao crédito da Fazenda Nacional, no montante garantido, até ao limite de ,00; 5.º - Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., no montante privilegiado; 6.º - Aos créditos comuns; 7.º Aos créditos subordinados, graduados pela ordem prevista no art.º 48.º do CIRE. III) Do valor da venda da fracção C da verba número um do auto de apreensão (referente à venda do imóvel descrito na CRP de Oliveira do Bairro sob n.º..., constituído em propriedade horizontal e do qual fazem parte as fracções A a D ), dar-se-á pagamento: 1.º - Aos créditos dos trabalhadores, uma vez que aí exerciam as suas funções; 2.º -Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., no montante garantido, até ao limite de ,86; 3.º -Ao crédito da Fazenda Nacional, no montante garantido, até ao limite de ,00; 4.º - Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., no montante privilegiado; 5.º - Aos créditos comuns; 6.º Aos créditos subordinados, graduados pela ordem prevista no art.º 48.º do CIRE. IV) Do valor da venda da fracção D da verba número um do auto de apreensão (referente à venda do imóvel descrito na CRP de Oliveira do Bairro sob n.º..., constituído em propriedade horizontal e do qual fazem parte as fracções A a D ), dar-se-á pagamento: 1.º - Aos créditos dos trabalhadores, uma vez que aí exerciam as suas funções; 2.º -Ao crédito do Banco BB, SA, na parte garantida, até ao limite de ,21; Página 3 / 15

4 3.º -Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., no montante garantido, até ao limite de ,86; 4.º -Ao crédito da Fazenda Nacional, no montante garantido, até ao limite de ,00; 5.º - Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., no montante privilegiado; 6.º - Aos créditos comuns; 7.º Aos créditos subordinados, graduados pela ordem prevista no art.º 48.º do CIRE. V) Do valor da venda dos bens móveis apreendidos, dar-se-á pagamento: 1.º - Aos créditos dos trabalhadores; 2.º - Ao crédito do Instituto de Segurança Social, I.P., que ainda não esteja pago; 3.º - Aos demais créditos (comuns), que ainda não estejam pagos; 4.º Aos créditos subordinados, graduados pela ordem prevista no art.º 48.º do CIRE. Inconformados, com tal decisão recorreram os credores Banco CC e Banco BB, para o Tribunal da Relação de Coimbra que, por Acórdão de fls. 389 a 399, negou provimento aos recursos, confirmando a sentença recorrida. Inconformado, o Banco BB, S.A. recorreu para este Supremo Tribunal de Justiça e, alegando, formulou as seguintes conclusões: I. O crédito do ora recorrente Banco BB, deverá ser graduado em primeiro lugar, à frente dos créditos dos trabalhadores e demais credores da Insolvente, em relação às identificadas fracções autónomas, A, B e D, apreendidas para a massa insolvente. II. O crédito do recorrente Banco BB encontra-se garantido, por hipoteca voluntária, constituída por escritura pública de compra e venda com mútuo e hipoteca, lavrada a fls. 92 a 97 face, do livro de notas para escrituras diversas n 28, no dia 12109/2001, no Cartório Notarial Privativo da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, a qual foi devidamente registada, na competente Conservatória do Registo Predial de Oliveira do Bairro, a favor do Banco BB, pela Ap.13/ , cota Cl. III. De harmonia com o disposto no 686 Código Civil, a hipoteca confere ao credor o direito de ser pago pelo valor de certas coisas imóveis ou equiparadas, pertencentes ao devedor ou a terceiro com preferência sobre os demais credores que não gozem de privilégio especial ou de prioridade de registo. IV. Sendo certo que, o credor hipotecário recebe os seus créditos em primeiro lugar, e com preferência face aos restantes credores, salvo quando existam credores que gozem de privilégio especial ou de prioridade de registo. V. Ora, estando em causa um privilégio imobiliário especial, tal privilégio conferido aos trabalhadores pelo artigo 333 CT, al. b), apenas se refere ao imóvel do empregador, onde o trabalhador presta efectivamente a sua actividade laboral e não à globalidade dos imóveis da entidade patronal, pelo que tem que existir uma conexão directa entre a prestação laboral e o Página 4 / 15

5 imóvel individualmente considerado, onde esta actividade foi exercida. VI. Para que o crédito do trabalhador goze de um privilégio imobiliário especial e seja pago preferencialmente e antes da hipoteca, tem este trabalhador, em cumprimento do disposto no art. 342 Código Civil, que alegar e provar que exercia a sua actividade profissional num determinado bem imóvel, propriedade do empregador, e é sobre esse bem concreto, e apenas sobre esse imóvel individualmente considerado, que recai a sua garantia. VII. Trata-se de um ónus que os reclamantes trabalhadores têm efectivamente de cumprir e não podem os respectivos créditos ser considerados como beneficiários de tal privilégio imobiliário especial se estes não o alegarem e consequentemente provarem. VIII. É que, como refere o citado artigo 342, n 1, Código Civil, àquele que invocar um direito cabe fazer a prova dos factos constitutivos do direito alegado, tratando-se, pois, de um elemento constitutivo do direito dos trabalhadores, a ver reconhecidos os seus créditos como privilegiados. IX. No caso em apreço, não resulta das reclamações dos trabalhadores, a alegação e consequente prova de que tenham exercido a actividade em imóvel individualmente considerado do empregador, desde logo porque foram apreendidos para a massa insolvente quatro bens imóveis. X. Há, pois, que concluir que, nos autos ora em apreço, os reclamantes trabalhadores não beneficiam, nem podem nunca beneficiar, do privilégio imobiliário especial previsto no citado art. 333 CT, porquanto o mesmo não lhes pode ser reconhecido. XI. Pois deixaram os reclamantes trabalhadores de alegar expressamente um pressuposto fáctico da garantia real de que beneficiavam, identificando cabalmente qual o imóvel em que exerciam a actividade laboral anteriormente especificada e, portanto, qual o bem sobre que incidia a referida garantia real. XII. E é evidente que, tratando-se de um facto constitutivo da garantia real que pretendiam efectivar, era sobre os trabalhadores reclamantes que incidia o ónus de alegação e de prova dos pressupostos fácticos do referido privilégio especial. XIII. É este o entendimento claramente predominante na doutrina e na jurisprudência Portuguesa e é este, como não poderia deixar de ser, o entendimento que o Banco BB aqui Recorrente fervorosamente defende e sufraga, para defesa dos seus legítimos interesses. XIV. Encontrando-se o crédito do ora Recorrente Banco BB, garantido por hipoteca voluntária, validamente constituída e devidamente registada na respectiva CRP, o crédito do Banco BB prevalece sobre o direito de crédito dos reclamantes trabalhadores, na competente graduação dos créditos reclamados, dado que, reitere-se, aos trabalhadores não lhes pode ser reconhecido o privilégio imobiliário especial, por estes terem omitido a inerente alegação e consequente prova da prestação da actividade laboral sobre determinado imóvel concretamente individualizado. XV. Entendimento diverso seria, salvo melhor opinião, desprovido de todo e qualquer sentido! Página 5 / 15

6 XVI. O princípio do inquisitório e o disposto no art. 11 do CIRE, não se aplica à graduação de créditos e ao regime específico dos artigos 130 a 140, daquele código, uma vez que rege nesta matéria o princípio do dispositivo, segundo o disposto no art. 17 do CIRE e 264, n 2 e 664 ambos do Código de Processo Civil. XVII. Não podia, assim, o Tribunal a quo ter proferido o despacho de fls. 172 com o seguinte teor: persistindo ainda questões que importa definir com vista ao reconhecimento e graduação dos créditos reclamados, notifique o Sr. Administrador de Insolvência, para que informe: - da natureza (imobiliária e/ou apenas mobiliário) do privilégio creditório que reconheceu aos trabalhadores (informando se os mesmos prestavam, ou não, a sua actividade nos imóveis apreendidos e na afirmativa, quais...).... XVIII. Não estamos no âmbito das relações laborais, estamos no âmbito dum processo de insolvência, em que todos os credores podem legitimamente e em igualdade de circunstâncias, fazer valer os seus direitos, reclamando, os seus créditos. XIX. A resposta dada pelo Sr. Administrador ao Tribunal de que: os créditos de natureza laboral gozam de privilégio mobiliário e imobiliário geral uma vez que os trabalhadores exerciam a sua actividade nas instalações da insolvente objecto de apreensão (privilégio imobiliário) e com os bens e equipamentos afectos ao normal funcionamento da actividade produtiva e administrativa da insolvente (privilégio mobiliário) não tem suporte nas reclamações de créditos apresentadas pelos trabalhadores no processo sub judice. XX. A resposta dada ao Tribunal a quo pelo Sr. Administrador de Insolvência não serve porque tinham os trabalhadores que ter alegado e provado factos concretos, em relação a cada um, com nomes, descrição da actividade desenvolvida e indicação da descrição predial onde cada um deles exercia a sua actividade. XXI. Ao considerar suprida a falta de alegação e prova por parte dos trabalhadores dos pressupostos para atribuição do privilégio imobiliário especial, o douto acórdão recorrido, violou, assim, também o princípio da igualdade entre as partes ínsito no art. 3º-A do Código de Processo Civil. XXII. Se o legislador quisesse atribuir este privilégio imobiliário especial a todos os trabalhadores de forma automática não se teria dado ao trabalho de fazer depender esse privilégio dos pressupostos previstos no art. 333º do CT. XXIII. Ou cada um dos trabalhadores de per si, alegou e provou, que exercia a sua actividade na fracção A, B, ou D ou não o tendo o feito, não pode o Tribunal presumir que os trabalhadores tinham em mente como fez o douto acórdão recorrido aqueles pressupostos e que não tendo alegado onde exerciam a sua actividade concretamente, podem beneficiar igualmente do referido privilégio. XXIV. É com base na relação de créditos reconhecida de fls. 239 e com base nas reclamações de Página 6 / 15

7 créditos que o Tribunal a quo, gradua os créditos, e não com base em esclarecimentos posteriores prestados pelo Sr. Administrador, a pedido do Tribunal, esclarecimentos estes, que não acrescentaram nada de novo. XXV. Sendo que, tais elementos impunham ao M.mo Juiz a quo decisão diversa, devendo o crédito hipotecário do Banco BB, ser graduado à frente dos trabalhadores, o que não foi feito, pelo que, a douta sentença proferida pelo Tribunal da 1a Instância, que o douto acórdão recorrido confirmou, é nula, nos termos do art. 668 /1 c) do Código de Processo Civil. XXVI. Como é entendimento desse Venerando Tribunal perante a lista de credores apresentada pelo administrador da insolvência, e mesmo que dela não haja impugnações, o Juiz não pode abster-se de verificar a conformidade substancial e formal dos títulos dos créditos constantes dessa lista, nem dos documentos e demais elementos de que disponha, com a inclusão, montante, ou qualificação desses créditos, a fim de evitar violação da lei substantiva. XXVII. A julgar-se assim, i.e. mantendo-se a decisão da 1ª instância e do acórdão ora recorrido, teria a consequência nefasta de neutralizar, irreversivelmente, a garantia real conferida pela hipoteca ao credor aqui recorrente Banco BB, que adquiriu validamente o direito de ser pago pelo valor daqueles bens imóveis, com preferência sobre os demais credores que não gozem de privilégio especial. XXVIII. Felizmente, que situações como a dos presentes autos, foram já largamente apreciadas por esse Venerando Tribunal, devolvendo à hipoteca, que vinha sendo tão mal tratada, o lugar que lhe compete rainha das garantias reais! XXIX. O presente entendimento com suporte doutrinário e jurisprudencial, sendo aliás, entendimento uniforme, resulta, igualmente, e como é demais evidente, do próprio espírito e sentido da Lei e do próprio enquadramento legal e sistemático do Direito das Obrigações à luz do Direito vigente. XXX. Terminamos as conclusões como começamos: o crédito hipotecário do Banco BB, deverá ser graduado, à frente/em primeiro lugar, do crédito dos trabalhadores e demais credores, em relação às fracções A, B e D, apreendidas para a massa insolvente. XXXI. Violou, assim, o douto acórdão recorrido, designadamente, o disposto nos artigos 342, 686, 735, 748, 751 do Código Civil, 333 Código do Trabalho e 3º-A, 264 /2 e 664 do Código de Processo Civil, igualmente desconsiderando os princípios fundamentais plasmados na Constituição da Republica Portuguesa da protecção da confiança e da segurança jurídica, vertidos nos artigos 2 e 18 CRP. Nestes termos, deve o presente Recurso de Revista ser julgado procedente, por provado e, outrossim, o douto acórdão recorrido e respectiva sentença, revogados, no que à graduação do crédito hipotecário do Banco BB diz respeito, o qual deverá ser graduado em primeiro lugar, preferindo aos créditos dos trabalhadores e demais credores, com todas as demais consequências legais. Página 7 / 15

8 Os recorridos não contra-alegaram. Colhidos os vistos legais cumpre decidir, tendo em conta que releva factualmente o que consta do Relatório. Fundamentação: Sendo pelo teor das conclusões das alegações que se delimita o objecto do recurso afora as questões de conhecimento oficioso importa saber se o crédito hipotecário do recorrente deve ser graduado com prioridade em relação aos créditos laborais [graduados pelas instâncias em primeiro lugar] questão que passa por saber se, no processo foi validamente adquirida prova sobre se, à data da insolvência, os trabalhadores exerciam a sua actividade nas fracções prediais da insolvente e que foram apreendidas para a massa. Cumpre ainda saber se o Acórdão recorrido violou os princípios constitucionais da confiança e da segurança jurídicas. É inquestionável que o recorrente é credor hipotecário, por via de hipotecas voluntárias, constituídas pela ora insolvente a favor do Banco fracções autónomas prediais A, B e D, identificadas nos autos. Estamos perante um processo de insolvência de uma sociedade por quotas a que se aplica o Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas, aprovado pelo Decreto-Lei 53/2004, de 18 de Março, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n 200/2004, de 18 de Agosto (doravante CIRE). No preâmbulo do citado diploma, onde se afirma que o regime e a filosofia do Código se afasta do então vigente CPEREEF, pode ler-se item 6: Aos credores compete decidir se o pagamento se obterá por meio de liquidação integral do património do devedor, nos termos do regime disposto no Código ou nos que constem de um plano de insolvência que venham a aprovar, ou através da manutenção em actividade e reestruturação da empresa, na titularidade do devedor ou de terceiros, nos moldes também constantes de um plano. Há que advertir, todavia, que nem a não aprovação de um plano de insolvência significa necessariamente a extinção da empresa, por isso que, iniciando-se a liquidação, deve o administrador da insolvência, antes de mais, diligenciar preferencialmente pela sua alienação como um todo, nem a aprovação de um plano de insolvência implica a manutenção da empresa, pois que ele pode tão somente regular, em termos diversos dos legais, a liquidação do património do devedor. Não valerá, portanto, afirmar que no novo Código é dada primazia à liquidação do património do insolvente. A primazia que efectivamente existe, não é demais reiterá-lo, é a da vontade dos credores, Página 8 / 15

9 enquanto titulares do principal interesse que o direito concursal visa acautelar: o pagamento dos respectivos créditos, em condições de igualdade quanto ao prejuízo decorrente de o património do devedor não ser, à partida e na generalidade dos casos, suficiente para satisfazer os seus direitos de forma integral.. (destaque e sublinhados nossos). Decorre do art. 1º do CIRE que o processo de insolvência é um processo de execução universal, visando a liquidação do património do devedor insolvente e a repartição do produto da liquidação pelos credores, ou a satisfação dos créditos destes pela forma prevista num plano de insolvência que assente na recuperação da empresa. O art. 194º estatui: 1 O plano de insolvência obedece ao princípio da igualdade dos credores da insolvência, sem prejuízo das diferenciações justificadas por razões objectivas. 2 O tratamento mais desfavorável relativamente a outros credores em idêntica situação depende do consentimento do credor afectado, o qual se considera tacitamente prestado no caso de voto favorável. 3- [ ]. O normativo consagra de forma mitigada a igualdade dos credores da empresa em estado de insolvência. O princípio da igualdade não implica um tratamento absolutamente igual, antes impõe que situações diferentes sejam tratadas de modo diferenciado, proibindo o arbítrio e discriminações não materialmente fundadas. Em anotação àquele preceito pode ler-se, in Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Anotado, de Luís Carvalho Fernandes e João Labareda, vol. II, pág. 46: Com efeito, o princípio da igualdade dos credores configura-se como uma trave basilar e estruturante na regulação do plano de insolvência. A sua afectação traduz, por isso, seja qual for a perspectiva, uma violação grave não negligenciável das regras aplicáveis. O tribunal deve, por isso, se não for atempadamente recolhido o assentimento do lesado, recusar a homologação do plano. Doutro passo, se coincidir a verificação de alguma das situações contempladas no nº1 do art. 216, o credor lesado pode tomar a iniciativa de solicitar ao tribunal uma decisão de não homologação. Em caso de violação de normas processuais ou de índole substantiva, o CIRE seu art. 215º confere ao juiz o poder de recusar, oficiosamente, a homologação do plano de insolvência aprovado pela assembleia de credores no caso de violação não negligenciável de regras procedimentais ou das normas aplicáveis ao seu conteúdo, qualquer que seja a sua natureza. Nos termos do art. 712º do Código Civil Hipoteca voluntária é a que nasce de contrato ou Página 9 / 15

10 declaração unilateral. No caso estamos, sem dúvida, perante hipotecas voluntárias. Nos termos do nº1 do art. 686º A hipoteca confere ao credor o direito de ser pago pelo valor de certas coisas imóveis, ou equiparadas, pertencentes ao devedor ou a terceiro, com preferência sobre os demais credores que não gozem de privilégio especial ou de prioridade de registo. Estatui o art. 687º A hipoteca deve ser registada, sob pena de não produzir efeitos, mesmo em relação às partes. Também impondo a obrigatoriedade do registo da hipoteca o art. 4º, nº2, do C.R.Predial. Maria Isabel Helbling Menéres Campos, in Da Hipoteca Caracterização, Constituição e Efeitos, escreve na pág.138: Por título hipotecário deve entender-se toda a causa que justifica a aquisição do direito de hipoteca por parte do seu titular, abrangendo, em princípio, todas as razões em que se funda a aquisição do ius in re (a hipoteca), quer se trate da lei, quer de sentença, quer se trate de contrato ou acto jurídico unilateral. Podemos distinguir título hipotecário em sentido substancial, que é a relação, o acto ou situação jurídica, da qual nasce o direito à constituição da garantia em si; e título hipotecário em sentido formal, que é, ao invés, o documento que prova ou atesta a existência da relação. Quando falamos em título hipotecário, referimo-nos ao título como núcleo causal ou fundamento do direito de hipoteca e não ao documento que atesta a existência da relação. O título ou a relação jurídica da qual pode derivar a constituição da hipoteca não se confunde com a relação jurídica creditícia que serve de suporte à constituição da garantia. [destaque e sublinhados nossos]. Nos termos do art. 337º[1], actualmente art. 333º do Código do Trabalho: 1 Os créditos emergentes do contrato de trabalho e da sua violação ou cessação, pertencentes ao trabalhador, gozam dos seguintes privilégios creditórios; a) Privilégio mobiliário geral; b) Privilégio imobiliário especial sobre os bens imóveis do empregador nos quais o trabalhador preste a sua actividade. 2- A graduação dos créditos faz-se pela ordem seguinte: a) O crédito com privilégio mobiliário geral é graduado antes dos créditos referidos no n 1 do artigo 747. do Código Civil; b) O crédito com privilégio imobiliário especial é graduado antes dos créditos referidos no artigo 748. do Código Civil e ainda dos créditos de contribuições devidas à segurança social. - (destaque nosso). A lei confere privilégio imobiliário especial aos créditos laborais dos trabalhadores que ao tempo da Página 10 / 15

11 declaração de insolvência exerciam a sua actividade nos imóveis do empregador. No requerimento de reclamação de créditos dirigido ao administrador da insolvência, os credores devem mencionar, além do mais, a proveniência do seu crédito, a sua natureza, a existência de garantias e a taxa de juros art. 128º, nº1, als. a) a e) do CIRE. O recorrente afirma que os trabalhadores reclamantes, que viram os seus créditos laborais graduados em primeiro lugar para serem pagos pelo produto da venda das três fracções autónomas identificadas (não está agora em causa a fracção C ), não cumpriram o ónus que a lei lhes impunha do ponto em que não alegaram que exerciam a sua actividade laboral naqueles imóveis. Após a reclamação dos créditos o administrador da insolvência elabora a relação a que alude o art. 129º do CIRE. Na lista dos credores reconhecidos tem de constar a natureza do crédito, o montante de capital e juros à data do termo do prazo das reclamações, as garantias pessoais e reais, os privilégios e a taxa de juros moratórios. Essa lista pode ser impugnada pelos credores reconhecidos, em requerimento dirigido ao Juiz com fundamento na indevida inclusão ou exclusão de créditos, ou na incorrecção do montante ou da qualificação dos créditos reconhecidos art. 130º, nº1, do CIRE. Na ausência de reclamações é proferida sentença de verificação e graduação de créditos, salvo caso de erro manifesto, sendo a lista homologada pelo Juiz art. 130º, nº1, e 3. Não consta que o recorrente tenha impugnado a lista elaborada pelo administrador da insolvência fls. 239 a 241 onde constam os nomes de vários pessoas singulares, a natureza do crédito, referenciado como comum ou privilegiado e no item Garantias-Privilégios, consta relativamente aos reclamantes ali identificados Privilégio laboral. Afirma a recorrente que, em bom rigor, deveriam ter sido os trabalhadores reclamantes a fornecer os elementos que permitissem considerar a existência dos requisitos dos créditos laborais como gozando do privilégio imobiliário especial, não competindo ao administrador nem ao juiz substituirse a essa alegação e prova. Importa, então, afirmar que numa prudente análise da lista elaborada pelo administrador da insolvência, desde logo, poderia o recorrente impugnar os créditos em causa, já que dispunha dos elementos mínimos: nome dos reclamantes, menção do crédito como laboral, a respectiva proveniência, a menção à garantia que os exornava privilégio laboral. Não tendo impugnado qualquer desses créditos da lista, tinha ela que ser homologada com a graduação e verificação dos créditos. Mas, como consta dos autos a Ex.ma Juíza, no contexto da sua competência, mormente, do poder dispositivo, de direcção, inquisitório e de cooperação [segundo este princípio as partes devem Página 11 / 15

12 cooperar com o tribunal para a justa composição do litígio, o que implica, naturalmente, a colaboração probatória] princípios previstos nos arts. 264º e 265º, nº3, e 266º do Código de Processo Civil solicitou ao administrador da insolvência que fornecesse elementos para caracterizar os créditos reclamados, conforme resulta do despacho de fls. 172, de : Persistindo ainda questões que importa definir com vista ao reconhecimento graduação dos créditos reclamados, notifique o Sr. Administrador da insolvência para que informe: - da natureza (imobiliária e/ou apenas mobiliária) do privilégio creditório que reconheceu aos trabalhadores (informando se os mesmos prestavam ou não a sua actividade nos imóveis apreendidos e, na afirmativa, quais); qual a garantia de que beneficia a Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, pois que não vem referida; qual a natureza de que beneficia SPGM - SA e que bens é que a mesma incide. Mais deverá juntar aos autos certidão de ónus e encargos dos imóveis apreendidos e sobre os quais incidem as hipotecas invocadas. De notar que o citado despacho visa a prestação de informações complementares em relação a vários créditos e não só aos créditos laborais, pelo que mal se compreende a insinuação que o Tribunal supriu pretensa falta de alegação apenas dos credores trabalhadores. Sendo o processo de insolvência um processo urgente, um acrescido dever de celeridade na condução do processo, visando esclarecer dúvidas e remover obstáculos tudo em ordem à prevalência de razões substantivas sobre razões formais não é defeso ao julgador. Ao invés do afirmado pelo recorrente, nessa actuação não está qualquer decisão-supresa, ou de favorecimento, mas antes a afloração daqueles princípios que valem também no processo de insolvência e seus apensos, sem prejuízo do que adiante diremos. Importa atentar na natureza urgente do processo de insolvência que, sem margem para dúvidas, se estende agora a todos os seus incidentes, apensos e recursos art. 9º, nº1, do CIRE. O art. 11º do CIRE estatui: No processo de insolvência, embargos e incidente de qualificação de insolvência, a decisão do juiz pode ser fundada em factos que não tenham sido alegados pelas partes. Esta indicação de concretas fases do processo, onde não se alude a outros incidentes, como o da graduação dos créditos (que, em bom rigor, é decidida não em incidente mas por sentença), não exclui que o juiz possa convidar as partes ou o administrador da insolvência a prestar informações reputadas pertinentes. Por outro lado, não se tratava de factos não alegados, mas antes de obter informação para que a sentença reflectisse, fosse consonante com a realidade material o princípio da materialidade subjacente como exigência da ideia de justiça é um imperativo dos Tribunais como órgão de soberania. Página 12 / 15

13 A informação pedida foi prestada pelo Administrador a fls. 174/175. O art. 17º do CIRE manda aplicar ao processo de insolvência, subsidiariamente, o Código de Processo Civil em tudo o que não contrariar as disposições do Código insolvencial. O recorrente sustenta que tal intervenção ilegal violou a igualdade que deve existir entre as partes tendo em conta que os Bancos atravessam dificuldades e foi decisiva para que os créditos dos trabalhadores fossem graduados em primeiro lugar; se não fora tal intervenção, aduz, os seus créditos hipotecários seriam atendidos preferencialmente. A fls. 416 das alegações escreveu: Os credores têm de ser tratados por igual! Ao considerar suprida a falta de alegação e prova por parte dos trabalhadores dos pressupostos para atribuição do privilégio imobiliário especial, o douto acórdão recorrido, violou, assim, também o princípio da igualdade entre as partes ínsito no art. 3º-A do Código de Processo Civil. Não estamos no âmbito das relações laborais, estamos no âmbito dum processo de insolvência, em que todos os credores podem legitimamente e em igualdade de circunstâncias, fazer valer os seus direitos, reclamando, os seus créditos... A verdade é que os Bancos são empresas frágeis como as demais, basta atentar, na actualidade o impensável já aconteceu Ademais, o dinheiro que está nas Instituições de Créditos é dos depositantes e não dos accionistas. Se uma Instituição de Crédito, for à falência coloca no desemprego milhares de trabalhadores e os depositantes ficam sem as economias de toda uma vida de trabalho A resposta do Sr. Administrador baseia-se em quê? Na reclamação apresentada pelos trabalhadores? Seguramente que não. Com o devido respeito, não foi violado o princípio da igualdade art. 3º do Código de Processo Civil que alude a igualdade substancial porque o Tribunal não supriu falta de alegação dos credores laborais, antes visou dissipar dúvidas como lhe competia, não o tendo feito apenas em relação a créditos laborais mas em relação a outros de diversa índole, inclusivamente acautelando a reclamação do recorrente, pedindo certidões registrais. Ao tribunal compete assegurar a igualdade das partes em vista a que as decisões não assentem em formalidades ou subtilezas processuais que conduzem a desigualdade no plano da defesa e protecção dos direitos, sejam as partes economicamente poderosas ou débeis. Isto, sem embargo de ser insofismável que nenhuma igualdade existe entre as entidades bancárias que visam o lucro em favor dos accionistas, o que não é ilegal, e os trabalhadores que, privados dos seus postos de trabalho por via da insolvência patronal, ficam as mais das vezes duradouramente afectados nas suas vidas, dada a objectiva e notória dificuldade de muitos em regressar ao mercado de trabalho, ficando, quantas vezes, privados de meios de subsistência. Não pode, com o devido respeito, afirmar-se qualquer igualdade material que tivesse sido afectada pela diligente actividade do tribunal. Sobre a protecção salarial e a dignidade dos trabalhadores haverá sempre que lembrar a doutrina Página 13 / 15

14 social da Igreja[2] (que transcende qualquer opção de índole religiosa). Finalmente, defende o recorrente que foram violados Os princípios fundamentais plasmados na Constituição da República da protecção da confiança e da segurança jurídica, vertidos nos arts. 2º e 18º da CRP. Uma vez que a recorrente não explicita as razões por que assim considera, inferindo-se que aqueles princípios foram infringidos em consequência da violação, também, do princípio da igualdade, por protecção indevida dos créditos laborais em detrimento do seu crédito hipotecário, reafirmamos o que antes dissemos, acentuando que aqueles princípios não foram violados, antes o Tribunal actuou por forma legal na condução do processo a fim de proferir uma decisão justa na perspectiva jus substantiva. Como observam Gomes Canotilho e Vital Moreira, in Constituição da República Portuguesa Anotada, vol. I, 4.ª ed., Coimbra, págs. 205 e 206), o princípio do Estado de direito, a que alude o artigo 2.º da Constituição, Mais do que constitutivo de preceitos jurídicos, é sobretudo conglobador e integrador de um amplo conjunto de regras e princípios dispersos pelo texto constitucional, que densificam a ideia de sujeição do poder a princípios e regras jurídicas, garantindo aos cidadãos liberdade, igualdade e segurança. [ ]. [ ] Como consequência imediata e irrecusável daquilo que constitui o cerne do Estado de direito democrático, a saber, a protecção dos cidadãos contra a prepotência, o arbítrio e a injustiça (especialmente por parte do Estado). Constituição da República Portuguesa Anotada, vol. I, 4ª edição, Coimbra, págs. 205 e 206. Salvo o devido respeito, não se pode considerar que o Acórdão recorrido, acolhendo e confirmando a decisão do tribunal de 1ª Instância no que respeita à condução do processo, que culminou com a graduação do crédito hipotecário da recorrente em segundo lugar, em detrimento da graduação dos créditos laborais colocados em primeiro lugar, violou a lei constitucional. Não infringiu a Lei Fundamental, nem a lei ordinária processual e insolvencial. Decisão. Nega-se a revista. Custas pelo recorrente. Supremo Tribunal de Justiça, 6 de Julho de 2011 Fonseca Ramos (Relator) Salazar Casanova Fernandes do Vale [1] No Código do Trabalho Anotado, 3ª edição, de Pedro Romano Martinez, Luís Miguel Monteiro, Joana Vasconcelos, Pedro Madeira de Brito, Guilherme Dray e Luís Gonçalves da Silva, na Página 14 / 15

15 Powered by TCPDF ( pág.613, consta: São três as novidades relativamente ao direito anterior. A primeira consiste no alargamento do âmbito de aplicação dos privilégios creditórios a todos os créditos emergentes do contrato de trabalho e da sua violação ou cessação, pertencentes ao trabalhador. Surge-nos, depois, a graduação do privilégio mobiliário geral antes dos créditos referidos no nº l do artigo 747º do Código Civil claramente diferente da que constava dos artigos 12., n. 3, alínea a), da LSA e 4., n. 4, alínea a), da Lei n. 96/2001. Refira-se, finalmente, a substituição do privilégio imobiliário geral, criado pelo artigo 12., n. l, alínea b), da LSA, e alargado a todos os créditos emergentes do contrato de trabalho pela alínea b) do mesmo preceito, por um privilégio imobiliário especial sobre os bens imóveis do empregador nos quais o trabalhador preste a sua actividade, graduado nos mesmos termos em que o era aquele. [2] Poderíamos, citar a doutrina social da Igreja e as encíclicas papais Rerum Novarum (1891), Quadragesimo Anno (1931) Mater et Magistra (1961), e Populorum Progressio (1967). Todas elas procuraram descrever os problemas que os trabalhadores enfrentavam em sua época e apontavam algumas soluções, para sustentar que o direito ao trabalho e ao salário são dos valores mais caros à dignidade humana e que constitui pecado social não pagar a quem trabalha. Página 15 / 15

ECLI:PT:TRC:2014: TBFND.C.C1.1E

ECLI:PT:TRC:2014: TBFND.C.C1.1E ECLI:PT:TRC:2014:528.13.2TBFND.C.C1.1E http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trc:2014:528.13.2tbfnd.c.c1.1e Relator Nº do Documento Jorge Arcanjo Apenso Data do Acordão 23/09/2014 Data de decisão

Leia mais

ECLI:PT:TRE:2010: TBLLE.A.E1.ED

ECLI:PT:TRE:2010: TBLLE.A.E1.ED ECLI:PT:TRE:2010:1672.07.0TBLLE.A.E1.ED http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:tre:2010:1672.07.0tblle.a.e1.ed Relator Nº do Documento Mata Ribeiro Apenso Data do Acordão 28/04/2010 Data de decisão

Leia mais

ECLI:PT:TRG:2016: T8VNF.D.G1

ECLI:PT:TRG:2016: T8VNF.D.G1 ECLI:PT:TRG:2016:1694.16.0T8VNF.D.G1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trg:2016:1694.16.0t8vnf.d.g1 Relator Nº do Documento Conceição Bucho rg Apenso Data do Acordão 12/07/2016 Data de decisão

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 5 Acórdãos STA Processo: 0355/14 Data do Acordão: 28-05-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0921/11 Data do Acordão: 02-05-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: LINO RIBEIRO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS PENHORA PRIVILÉGIO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0725/10 Data do Acordão: 12-01-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO PIMENTA DO VALE RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS VERIFICAÇÃO

Leia mais

Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: I O Instituto da Segurança Social, IP Centro

Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: I O Instituto da Segurança Social, IP Centro Acórdãos STA Processo: 04/10 Data do Acordão: 18-02-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ANTÓNIO CALHAU RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS DÍVIDA À SEGURANÇA

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam os juízes da secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam os juízes da secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: Página 1 de 6 Acórdãos STA Processo: 01062/14 Data do Acordão: 22-04-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ARAGÃO SEIA Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01000/09 Data do Acordão: 10-03-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ALFREDO MADUREIRA VERIFICAÇÃO DE CRÉDITOS GRADUAÇÃO

Leia mais

ECLI:PT:STJ:2014: T2STC.E1.S1

ECLI:PT:STJ:2014: T2STC.E1.S1 ECLI:PT:STJ:2014:331.13.0T2STC.E1.S1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:stj:2014:331.13.0t2stc.e1.s1 Relator Nº do Documento Orlando Afonso Apenso Data do Acordão 27/03/2014 Data de decisão

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS

ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Como se processa a liquidação do património do devedor na insolvência? Através da venda do património do devedor; Outra forma,

Leia mais

ECLI:PT:TRC:2006:521.A.1999.C1.27

ECLI:PT:TRC:2006:521.A.1999.C1.27 ECLI:PT:TRC:2006:521.A.1999.C1.27 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trc:2006:521.a.1999.c1.27 Relator Nº do Documento Távora Vítor Apenso Data do Acordão 31/10/2006 Data de decisão sumária

Leia mais

ECLI:PT:TRG:2014: TBBRG.J.G1.4C

ECLI:PT:TRG:2014: TBBRG.J.G1.4C ECLI:PT:TRG:2014:329.12.5TBBRG.J.G1.4C http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trg:2014:329.12.5tbbrg.j.g1.4c Relator Nº do Documento Ana Cristina Duarte rg Apenso Data do Acordão 29/05/2014 Data

Leia mais

ECLI:PT:TRC:2015: TBNLS.C.C1.37

ECLI:PT:TRC:2015: TBNLS.C.C1.37 ECLI:PT:TRC:2015:111.14.5TBNLS.C.C1.37 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trc:2015:111.14.5tbnls.c.c1.37 Relator Nº do Documento Anabela Luna De Carvalho Apenso Data do Acordão 06/10/2015 Data

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE CRÉDITOS IRS PRIVILÉGIO CREDITÓRIO GARANTIA REAL

VERIFICAÇÃO DE CRÉDITOS IRS PRIVILÉGIO CREDITÓRIO GARANTIA REAL Acórdãos STA Processo: 01118/09 Data do Acordão: 08-09-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO PIMENTA DO VALE RECLAMAÇÃO VERIFICAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 5 Acórdãos STA Processo: 01380/14 Data do Acordão: 06-05-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01091/11 Data do Acordão: 07-03-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS IRC PRIVILÉGIO CREDITÓRIO GARANTIA REAL Nº Convencional:

Leia mais

Sumário: A impugnação da lista de credores reconhecidos, a que se refere o artigo 130.º CIRE, não está sujeita ao pagamento de taxa de justiça.

Sumário: A impugnação da lista de credores reconhecidos, a que se refere o artigo 130.º CIRE, não está sujeita ao pagamento de taxa de justiça. ECLI:PT:TRG:2013:2115.12.3TBBRG.H.G1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trg:2013:2115.12.3tbbrg.h.g1 Relator Nº do Documento António Beça Pereira rg Apenso Data do Acordão 10/09/2013 Data de

Leia mais

ECLI:PT:TRL:2011: TBCSC.A.L

ECLI:PT:TRL:2011: TBCSC.A.L ECLI:PT:TRL:2011:2087.10.9TBCSC.A.L1.7.94 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trl:2011:2087.10.9tbcsc.a.l1.7.94 Relator Nº do Documento Luís Espírito Santo rl Apenso Data do Acordão 17/03/2011

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo cordão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 01140/16 Data do Acordão: 25-10-2017 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário:

Leia mais

CONFERÊNCIA. O Processo Especial de Revitalização e o Procedimento Extrajudicial de Conciliação

CONFERÊNCIA. O Processo Especial de Revitalização e o Procedimento Extrajudicial de Conciliação CONFERÊNCIA O Processo Especial de Revitalização e o Procedimento Extrajudicial de Conciliação RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS ENTRE O BEM E O MAL? DUAS FACES DA MESMA MOEDA Dados estatísticos

Leia mais

ECLI:PT:TRC:2017: TBCTB.B.C1.DF

ECLI:PT:TRC:2017: TBCTB.B.C1.DF ECLI:PT:TRC:2017:1786.05.1TBCTB.B.C1.DF http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trc:2017:1786.05.1tbctb.b.c1.df Relator Nº do Documento Emidio Francisco Santos Apenso Data do Acordão 28/03/2017 Data

Leia mais

ECLI:PT:TRE:2015: T8STB.A.E1 Relator Nº do Documento Manuel Bargado

ECLI:PT:TRE:2015: T8STB.A.E1  Relator Nº do Documento Manuel Bargado ECLI:PT:TRE:2015:949.14.3T8STB.A.E1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:tre:2015:949.14.3t8stb.a.e1 Relator Nº do Documento Manuel Bargado Apenso Data do Acordão 22/10/2015 Data de decisão sumária

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

ECLI:PT:STJ:2005:05A487

ECLI:PT:STJ:2005:05A487 ECLI:PT:STJ:2005:05A487 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:stj:2005:05a487 Relator Nº do Documento Azevedo Ramos sj200504070004876 Apenso Data do Acordão 07/04/2005 Data de decisão sumária Votação

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0138/09 Data do Acordão: 22-04-2009 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ANTÓNIO CALHAU Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo CADUCIDADE DE GARANTIA CPPT I - A

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0365/10 Data do Acordão: 23-06-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO DULCE NETO PRIVILÉGIO CREDITÓRIO RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

DECRETO N.º 186/XIII. Regime jurídico da conversão de créditos em capital

DECRETO N.º 186/XIII. Regime jurídico da conversão de créditos em capital DECRETO N.º 186/XIII Regime jurídico da conversão de créditos em capital A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto A presente

Leia mais

ECLI:PT:STJ:2008:07B4054.EE

ECLI:PT:STJ:2008:07B4054.EE ECLI:PT:STJ:2008:07B4054.EE http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:stj:2008:07b4054.ee Relator Nº do Documento Maria Dos Prazeres Pizarro Beleza sj200804030040547 Apenso Data do Acordão 03/04/2008

Leia mais

ECLI:PT:TRC:2013: TBVIS.L.C1.C1

ECLI:PT:TRC:2013: TBVIS.L.C1.C1 ECLI:PT:TRC:2013:3369.10.5TBVIS.L.C1.C1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trc:2013:3369.10.5tbvis.l.c1.c1 Relator Nº do Documento Catarina Gonçalves Apenso Data do Acordão 25/06/2013 Data de

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0187/11 Data do Acordão: 25-05-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ANTÓNIO CALHAU OPOSIÇÃO À EXECUÇÃO FISCAL NULIDADE

Leia mais

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

(Termo eletrónico elaborado por Escrivão Adjunto Paula Leite) =CLS=

(Termo eletrónico elaborado por Escrivão Adjunto Paula Leite) =CLS= Insolvência pessoa singular (Apresentação) 154419288 CONCLUSÃO - 04-09-2017 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão Adjunto Paula Leite) =CLS= I. Relatório Guilherme Albino Ribeiro Rebelo, comerciante,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0919/08 Data do Acordão: 11-03-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IMPUGNAÇÃO JUDICIAL RECLAMAÇÃO

Leia mais

ECLI:PT:TRG:2010: TBFLG.G1.3F

ECLI:PT:TRG:2010: TBFLG.G1.3F ECLI:PT:TRG:2010:2949.09.6TBFLG.G1.3F http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trg:2010:2949.09.6tbflg.g1.3f Relator Nº do Documento Isabel Fonseca rg Apenso Data do Acordão 16/03/2010 Data de decisão

Leia mais

Supremo Tribunal Administrativo

Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0173/12 Data do Acordão: 23-05-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: LINO RIBEIRO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo PRIVILÉGIO CREDITÓRIO PENHORA Nº Convencional:

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: I-RELATÓRIO

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: I-RELATÓRIO Acórdãos STA Processo: 0130/12 Data do Acordão: 26-04-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS GRADUAÇÃO DE

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE DIFERIMENTO DO PAGAMENTO DE CUSTAS APOIO JUDICIÁRIO.

Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE DIFERIMENTO DO PAGAMENTO DE CUSTAS APOIO JUDICIÁRIO. Acórdãos TRL Processo: Relator: Descritores: Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa 3198/13.4TBMTJ.L1-7 DINA MONTEIRO EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE DIFERIMENTO DO PAGAMENTO DE CUSTAS APOIO JUDICIÁRIO

Leia mais

ECLI:PT:TRC:2013: TBMLD.G.C1.40

ECLI:PT:TRC:2013: TBMLD.G.C1.40 ECLI:PT:TRC:2013:390.12.2TBMLD.G.C1.40 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trc:2013:390.12.2tbmld.g.c1.40 Relator Nº do Documento Arlindo Oliveira Apenso Data do Acordão 29/10/2013 Data de decisão

Leia mais

CONCLUSÃO =CLS= Proc.Nº 2888/17.7T8AVR. Insolvência pessoa singular (Apresentação)

CONCLUSÃO =CLS= Proc.Nº 2888/17.7T8AVR. Insolvência pessoa singular (Apresentação) Insolvência pessoa singular (Apresentação) 98861538 CONCLUSÃO - 28-09-2017 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão Adjunto Amélia Rodrigues Nogueira) =CLS= SENTENÇA RELATÓRIO FRANCISCO ANTÓNIO FONSECA

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 10.767/11.5 TBVNG 1º Juízo Cível Insolvente: ANA ALEXANDRA DE OLIVEIRA PAIVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

DECRETO N.º 156/VIII

DECRETO N.º 156/VIII DECRETO N.º 156/VIII REFORÇA OS PRIVILÉGIOS DOS CRÉDITOS LABORAIS, EM PROCESSO DE FALÊNCIA E ALARGA O PERÍODO DE COBERTURA DO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL A Assembleia da República decreta, nos termos da

Leia mais

Lei nº 7/2018, de 2 de Março

Lei nº 7/2018, de 2 de Março Lei n.º 7/2018 de 2 de Março * Regime jurídico da conversão de créditos em capital A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto

Leia mais

Assessoria da Secção Social do Supremo Tribunal de Justiça Caderno Temático O PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO NA JURISPRUDÊNCIA DA SECÇÃO SOCIAL

Assessoria da Secção Social do Supremo Tribunal de Justiça Caderno Temático O PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO NA JURISPRUDÊNCIA DA SECÇÃO SOCIAL O PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO NA JURISPRUDÊNCIA DA SECÇÃO SOCIAL Acesso ao Direito e aos Tribunais Custas I- O Processo Especial de Revitalização (designado por PER) traduz-se num passível de viabilização

Leia mais

ECLI:PT:TRE:2006:

ECLI:PT:TRE:2006: ECLI:PT:TRE:2006:376.06.3.21 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:tre:2006:376.06.3.21 Relator Nº do Documento Maria Alexandra Moura Santos Apenso Data do Acordão 13/07/2006 Data de decisão sumária

Leia mais

ECLI:PT:STJ:2010: PBBRR.S2.FD

ECLI:PT:STJ:2010: PBBRR.S2.FD ECLI:PT:STJ:2010:586.05.3PBBRR.S2.FD http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:stj:2010:586.05.3pbbrr.s2.fd Relator Nº do Documento Oliveira Mendes Apenso Data do Acordão 23/11/2010 Data de decisão

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0800/08 Data do Acordão: 07-01-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO EXECUÇÃO FISCAL VERIFICAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0315/12 Data do Acordão: 05-07-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IRS IRC GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS PRIVILÉGIO

Leia mais

Acordam no tribunal da relação de guimarães

Acordam no tribunal da relação de guimarães Acórdãos TRG Processo: 72/12.5TBV RL-AH.G1 Relator: Descritores: Acórdão do Tribunal da Relação de Guimarães HEITOR GONÇALVES CIRE GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS CRÉDITO LABORAL INDEMNIZAÇÃO DE ANTIGUIDADE DÍVIDA

Leia mais

CONCLUSÃO =CLS= Proc.Nº 4291/17.0T8AVR. Insolvência pessoa singular (Apresentação)

CONCLUSÃO =CLS= Proc.Nº 4291/17.0T8AVR. Insolvência pessoa singular (Apresentação) Insolvência pessoa singular (Apresentação) 99917687 CONCLUSÃO - 06-12-2017 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão Adjunto Amélia Rodrigues Nogueira) =CLS= SENTENÇA RELATÓRIO ÂNGELA MARIA DOS SANTOS PEREIRA,

Leia mais

CONCLUSÃO =CLS= Proc.Nº 2952/17.2T8BRR. Insolvência pessoa singular (Apresentação)

CONCLUSÃO =CLS= Proc.Nº 2952/17.2T8BRR. Insolvência pessoa singular (Apresentação) Insolvência pessoa singular (Apresentação) 372152053 CONCLUSÃO - 04-01-2018 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão Adjunto João Sampaio) =CLS= I Relatório João Miguel Dinis de Almeida, solteiro, contribuinte

Leia mais

ECLI:PT:STJ:2009: TBMGR.I.C1.S1

ECLI:PT:STJ:2009: TBMGR.I.C1.S1 ECLI:PT:STJ:2009:864.07.7TBMGR.I.C1.S1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:stj:2009:864.07.7tbmgr.i.c1.s1 Relator Nº do Documento Paulo Sá sj Apenso Data do Acordão 10/12/2009 Data de decisão

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 01568/13 Data do Acordão: 05-02-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P17005

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 7 Acórdãos STA Processo: 0270/18.8BEPRT-S1 Data do Acordão: 06-02-2019 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: CONTRA-ORDENAÇÃO APENSAÇÃO PORTAGEM Sumário: Acórdão

Leia mais

ECLI:PT:TRG:2014: TBEPS.C.G1

ECLI:PT:TRG:2014: TBEPS.C.G1 ECLI:PT:TRG:2014:253.13.4TBEPS.C.G1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trg:2014:253.13.4tbeps.c.g1 Relator Nº do Documento Manuel Bargado rg Apenso Data do Acordão 05/06/2014 Data de decisão

Leia mais

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 Foi solicitado à ASCR pelo Dr. Inácio Peres uma breve exposição sobre algumas questões notariais e registrais no âmbito da insolvência. Como

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0996/10 Data do Acordão: 24-02-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO VALENTE TORRÃO OPOSIÇÃO À EXECUÇÃO FISCAL COLIGAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 710/11.7 TBVNG - 2º Juízo Cível Insolvente: JOSÉ MANUEL DA SILVA MACEDO Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

Supremo Tribunal Administrativo:

Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Processo: 0125/10 Data do Acordão: 05-05-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO EXECUÇÃO FISCAL OPOSIÇÃO CITAÇÃO

Leia mais

RECLAMAÇÃO VERIFICAÇÃO GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS

RECLAMAÇÃO VERIFICAÇÃO GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS 1 de 5 10/07/17, 11:09 Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0589/15 Data do Acordão: 28-06-2017 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FONSECA CARVALHO Descritores: Sumário: EXECUÇÃO

Leia mais

Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: - Relatório -

Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: - Relatório - Página 1 de 8 Acórdãos STA Processo: 058/14 Data do Acordão: 14-01-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: IMPUGNAÇÃO JUDICIAL IRC REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ESTABELECIMENTO

Leia mais

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro DECRETO N.º 24/XIII Regime aplicável ao património da Casa do Douro A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Secção I Disposições gerais Artigo

Leia mais

Preâmbulo do Decreto-Lei nº 53/2004, de 18 de março, de 2004 (Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE)... 5

Preâmbulo do Decreto-Lei nº 53/2004, de 18 de março, de 2004 (Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE)... 5 ÍNDICE Preâmbulo do Decreto-Lei nº 53/2004, de 18 de março, de 2004 (Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE)... 5 TÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS... 25 Capítulo I Disposições gerais...

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0616/11 Data do Acordão: 06-07-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO CASIMIRO GONÇALVES PROCESSO URGENTE REQUERIMENTO

Leia mais

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Rui Duarte Morais 1 QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Compensação por Iniciativa do Contribuinte 2 Artigo 90º n.º 1 C.P.P.T. A compensação com créditos

Leia mais

ECLI:PT:TRC:2006: E5

ECLI:PT:TRC:2006: E5 ECLI:PT:TRC:2006:1202.06.E5 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trc:2006:1202.06.e5 Relator Nº do Documento Ferreira De Barros Apenso Data do Acordão 16/05/2006 Data de decisão sumária Votação

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Exposição de motivos Apesar de ter sido criado há já mais de 10 anos e muito embora esteja previsto no artigo 336.º do Código

Leia mais

Processo Especial de Revitalização De José Areal da Costa

Processo Especial de Revitalização De José Areal da Costa Processo Especial de Revitalização De José Areal da Costa Processo nº 428/15.1T8STS da 1ª Secção Comércio J1 Santo Tirso Instância Central Página 1 de 9 ÍNDICE I - IDENTIFICAÇÃO DO DEVEDOR II ACTIVIDADE

Leia mais

Descritores doença profissional; requerimento; junta médica; incapacidade; caixa nacional de pensões;

Descritores doença profissional; requerimento; junta médica; incapacidade; caixa nacional de pensões; ECLI:PT:TRE:2003:2348.03.3 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:tre:2003:2348.03.3 Relator Nº do Documento Apenso Data do Acordão 18/11/2003 Data de decisão sumária Votação unanimidade Tribunal

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR A C Ó R D Ã O 4ª TURMA GDCCAS/CVS/NC/iap

PROCESSO Nº TST-RR A C Ó R D Ã O 4ª TURMA GDCCAS/CVS/NC/iap A C Ó R D Ã O 4ª TURMA GDCCAS/CVS/NC/iap RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO PELA UNIÃO (PGF), EM FACE DE DECISÃO PUBLICADA ANTES DA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO. ACORDO HOMOLOGADO

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 2160/07-2 Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: I - RELATÓRIO O Digno Magistrado do M.ºP.º junto deste Tribunal requereu a resolução do conflito de competência entre os M.ºs Juiz da 1ª Vara

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 1.261/13.0 TBVNG 6º Juízo Cível Insolventes: JOSÉ LUIS MONTEIRO ALVES E MARIA ISOLINA SILVA AMORIM Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0196/09 Data do Acordão: 25-03-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO EXTEMPORANEIDADE RECLAMAÇÃO DE

Leia mais

O NOVO CIRE E OS PROCEDIMENTOS DE RECUPERAÇÃO DA EMPRESA

O NOVO CIRE E OS PROCEDIMENTOS DE RECUPERAÇÃO DA EMPRESA CONFERÊNCIA O NOVO CIRE E OS PROCEDIMENTOS DE RECUPERAÇÃO DA EMPRESA ARTIGOS 17º-A A 17º-I Decreto-lei nº53/2004, de 18 de março (alterado pela Lei nº16/2012, de 20 de abril) Paulo Valério ENQUADRAMENTO

Leia mais

PRAZO DE ARGUIÇÃO PROCESSO DE EXECUÇÃO FISCAL FALTA ELEMENTOS ESSENCIAIS DO ACTO PENHORA

PRAZO DE ARGUIÇÃO PROCESSO DE EXECUÇÃO FISCAL FALTA ELEMENTOS ESSENCIAIS DO ACTO PENHORA Página 1 de 5 Acórdãos STA Processo: 0613/14 Data do Acordão: 18-06-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ANA PAULA LOBO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo NULIDADE PRAZO DE ARGUIÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR JUDICIAL. Armando Jorge Macedo Teixeira foi, por sentença de 11 de janeiro de 2019, declarado em situação de Insolvência.

RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR JUDICIAL. Armando Jorge Macedo Teixeira foi, por sentença de 11 de janeiro de 2019, declarado em situação de Insolvência. Sócio da Sociedade, SAI Unipessoal, Lda. Insolvência de: Armando Jorge Macedo Teixeira Processo n.º 5189/18.0T8OAZ Tribunal Judicial da Comarca de Aveiro Juízo de Comércio de Oliveira de Azeméis Juiz 2

Leia mais

Sumário: I - A decisão do incidente de suspeição de juiz, suscitado na Relação, não é passível de recurso.

Sumário: I - A decisão do incidente de suspeição de juiz, suscitado na Relação, não é passível de recurso. ECLI:PT:STJ:2016:4751.04.2TVLSB.L1.B.S1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:stj:2016:4751.04.2tvlsb.l1.b.s1 Relator Nº do Documento Olindo Geraldes Apenso Data do Acordão 07/12/2016 Data de decisão

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0433/08 Data do Acordão: 09-10-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO OPOSIÇÃO À EXECUÇÃO FISCAL INQUIRIÇÃO

Leia mais

ECLI:PT:TRE:2012: TBPTM.E1.D3

ECLI:PT:TRE:2012: TBPTM.E1.D3 ECLI:PT:TRE:2012:2620.09.9TBPTM.E1.D3 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:tre:2012:2620.09.9tbptm.e1.d3 Relator Nº do Documento Bernardo Domingos Apenso Data do Acordão 22/03/2012 Data de decisão

Leia mais

1.1. Terminou a alegação de recurso com as seguintes conclusões:

1.1. Terminou a alegação de recurso com as seguintes conclusões: Acórdãos STA Processo: 0119/15 Data do Acordão: 15 03 2017 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: DULCE NETO Descritores: Sumário: IMPOSTO DE SELO REGIME TRANSITÓRIO Nº Convencional: JSTA000P21592 Nº do Documento:

Leia mais

ECLI:PT:TRC:2012: TBFIG.C1

ECLI:PT:TRC:2012: TBFIG.C1 ECLI:PT:TRC:2012:721.12.5TBFIG.C1 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:trc:2012:721.12.5tbfig.c1 Relator Nº do Documento Francisco Caetano Apenso Data do Acordão 20/06/2012 Data de decisão sumária

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0765/10 Data do Acordão: 24-02-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ISABEL MARQUES DA SILVA INDEFERIMENTO LIMINAR DA

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 40 /03 15 Jul. 1ªS/PL RECURSO ORDINÁRIO Nº 29/03. (Processo nº 3372/02) SUMÁRIO DO ACÓRDÃO

ACÓRDÃO Nº 40 /03 15 Jul. 1ªS/PL RECURSO ORDINÁRIO Nº 29/03. (Processo nº 3372/02) SUMÁRIO DO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Nº 40 /03 15 Jul. 1ªS/PL RECURSO ORDINÁRIO Nº 29/03 (Processo nº 3372/02) SUMÁRIO DO ACÓRDÃO I. O âmbito da fiscalização prévia está definido, fundamentalmente, no artº44º nº1 da Lei 98/97 de 26

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0515/16 Data do Acordão: 01 06 2016 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo CONTRA ORDENAÇÃO FISCAL EXTINÇÃO

Leia mais

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas Decreto-Lei n.º 53/2004 de 18 de Março Processo n.º 1051/12.8TYVNG Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia 2º Juízo Relatório do (Artigo 155º do CIRE)

Leia mais

Acordam, em conferência, nesta Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acordam, em conferência, nesta Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: 1 de 5 26-03-2018, 18:05 Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0303/17 Data do Acordão: 14-03-2018 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ANA PAULA LOBO Descritores: Sumário: Nº Convencional:

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0350/12 Data do Acordão: 06-06-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: IMPUGNAÇÃO JUDICIAL IRC INCENTIVOS FISCAIS ISENÇÃO TEMPORÁRIA Sumário: Nº Convencional:

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.480/13.3 TBVNG 2º Juízo Cível Insolvente: FERNANDO JORGE MARTINS PEREIRA DA SILVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos

Leia mais

ACÓRDÃO Nº32/10 30.NOV ª S/PL RECURSO ORDINÁRIO Nº

ACÓRDÃO Nº32/10 30.NOV ª S/PL RECURSO ORDINÁRIO Nº ACÓRDÃO Nº32/10 30.NOV. 2010 1ª S/PL RECURSO ORDINÁRIO Nº 03/2010 (Proc. nº 994/2010) DESCRITORES: Emolumentos. Contrato de prestação de serviços. Contrato de execução periódica. SUMÁRIO: I Contratos de

Leia mais

Assim, as incompatibilidades estão previstas no artº 77º do E.O.A. e os impedimentos no artº 78º do E.O.A.

Assim, as incompatibilidades estão previstas no artº 77º do E.O.A. e os impedimentos no artº 78º do E.O.A. 1 Parecer nº 9/PP/2013-P Relatora: Dra. Catarina Pinto de Rezende I - Por comunicação datada de 6 de Fevereiro de 2013, dirigida ao Exmo. Senhor Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01057/07 Data do Acordão: 27-02-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA PACHECO REVERSÃO DA EXECUÇÃO CONTRA-ORDENAÇÃO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo, de

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo, de Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo, de 04-12-2013 Processo: 0877/13 Relator: VALENTE TORRÃO Meio Processual: RECURSO JURISDICIONAL Decisão: PROVIDO Fonte: www.dgsi.pt Sumário Impugnando o contribuinte

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0440/08 Data do Acordão: 18-09-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO EXECUÇÃO FISCAL ERRO NA FORMA

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0928/08 Data do Acordão: 21-01-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO CONTRA-ORDENAÇÃO FISCAL CONCURSO DE INFRACÇÕES

Leia mais

ECLI:PT:STJ:2009:09B

ECLI:PT:STJ:2009:09B ECLI:PT:STJ:2009:09B038.87 http://jurisprudencia.csm.org.pt/ecli/ecli:pt:stj:2009:09b038.87 Relator Nº do Documento Oliveira Vasconcelos sj2009021200382 Apenso Data do Acordão 12/02/2009 Data de decisão

Leia mais

CONCLUSÃO =CLS= Proc.Nº 1626/17.9T8VNF. Insolvência pessoa coletiva (Requerida)

CONCLUSÃO =CLS= Proc.Nº 1626/17.9T8VNF. Insolvência pessoa coletiva (Requerida) CONCLUSÃO - 14-12-2017 Insolvência pessoa coletiva (Requerida) 156013542 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão Adjunto Pedro Alexandre Paixão) =CLS= NOVO BANCO, S.A., pessoa coletiva número 513204016,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0726/10 Data do Acordão: 19-01-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO PRESCRIÇÃO DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0545/10 Data do Acordão: 15-09-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ANTÓNIO CALHAU IVA CADUCIDADE DO DIREITO À LIQUIDAÇÃO

Leia mais

REPUBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL CONSTITUCIONAL ACÓRDÃO N. 532/2019. Em nome do Povo, acordam, em Conferência, no Plenário do Tribunal

REPUBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL CONSTITUCIONAL ACÓRDÃO N. 532/2019. Em nome do Povo, acordam, em Conferência, no Plenário do Tribunal REPUBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL CONSTITUCIONAL ACÓRDÃO N. 532/2019 PROCESSO N. 634-D/2018 (Recurso Extraordinário de Inconstitucionalidade) Em nome do Povo, acordam, em Conferência, no Plenário do Tribunal

Leia mais