O Ensino religioso nas escolas Públicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Ensino religioso nas escolas Públicas"

Transcrição

1 O Ensino religioso nas escolas Públicas Scates Dias¹ Humberto Resumo O presente artigo tem como finalidade abordar a questão do ensino religioso nas escolas. Através de uma pesquisa bibliográfica procuraremos entender os prós e os contras na avaliação deste importante assunto. O objetivo deste artigo é mostrar as diferentes linhas de pensamento do tema em questão. Foi avaliado também a importância do aspecto religioso como um componente essencial para o desenvolvimento social, cognitivo, emocional e moral das pessoas. Sugerimos que este assunto continue sendo tema de futuras discussões e pesquisas. Palavras-chave: Ensino religioso; linhas de pensamento; desenvolvimento pessoal; Escola; Introdução O objetivo deste trabalho é comparar as diferentes concepções sobre a importância ou não do Ensino Religioso nas escolas públicas do nosso país. Para tal Estudaremos os pensamentos de vários autores. Não há dúvidas que o Ensino Religioso tem sua importância no desenvolvimento integral do ser humano haja vista a religiosidade inerente ao ser humano. A busca pelo transcendente, pelo sagrado é algo que fascina e apaixona o homem desde sua remota história. Mas será de fato relevante o Ensino Religioso nas escolas públicas? Este ensino tem maior abrangência nas escolas ou nas igrejas? Está o Estado de fato preparado para esta tarefa tão espiritual? Olhando do ponto de vista religioso, o ser humano precisa ter contato com o sagrado

2 com o intuito de se aperfeiçoar nos relacionamentos interpessoais. Qual o valor da fé para o ser humano? 1 Concluinte do curso de Pós-Graduação em Ciências da Religião: Educação/Ensino Religioso da Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Uberlândia. Rousseau vai dizer a respeito da fé: que os verdadeiros deveres da Religião são independentes das instituições humanas, que um coração justo é o verdadeiro tempo da divindade, que em todos os países e em todas as seitas, amar a Deus acima de tudo e o próximo como a si mesmo é o resumo da lei, que não há religião que dispense os deveres da moral, que não há outros verdadeiramente essenciais a não ser estes e que o culto interior é o primeiro desses deveres e que sem a fé, nenhuma verdadeira virtude existe. (ROUSSEAU, 1967, p.632) Em se tratando de crianças e adolescentes como será que esta fé lhes será transmitida? Será a escola a principal responsável para tal? Temos sempre entendido que o maior responsável por esta tarefa tão relevante é a família. Já se disse que a educação vem de berço e isto sem dúvida se aplica a valores éticos e morais. Hoje presenciamos as famílias em crise e os mentores das crianças não são mais os pais mas em grande escala, a televisão. A educação se ressente da falta de respeito e da indisciplina dos alunos e hoje apela para o Ensino Religioso como uma disciplina que reacenda os valores humanos. O Estado vê a necessidade da educação religiosa, no entanto, não sabe como colocá-la em prática. Vemos então uma realidade despreparada do Estado para com esta necessidade, não deixando de destacar que ninguém pode negar a complexidade e seriedade desta questão. Tendo em vista que o Ensino religioso em sua essência tem como finalidade o ensino da ética, dos valores morais e facilitar o desenvolvimento dos relacionamentos entre os indivíduos, muitas vezes o que tem acontecido nas escolas é uma ação monopolista e proselitista. Com base nisto nos perguntamos, será que o Ensino religioso nas escolas públicas foi uma conquista? Ou seria uma troca de papeis: escola/igreja,

3 ciência/religião? Se o papel do Ensino Religioso é ensinar religiosidade, será que há como ser neutro nestas questões tão pessoais? A Ética e o ensino religioso É necessário superar as errôneas e muitas vezes limitadas definições de ética e propor uma ética da consciência e da liberdade em lugar da ética da lei e da obrigação. Segundo Catão: Toda religião comporta uma ética e toda ética desemboca numa religião, na mesma medida em que a ética se orienta pelo sentido do transcendente da vida humana" (Catão, p. 63). Na raiz da Ética, como contempla o Ensino Religioso, está a busca da Transcendência que dá sentido à vida, que proporciona a plena realização do ser humano pessoal e social. Comparação das diferentes linhas de pensamento Avaliaremos a seguir as diferentes linhas de pensamento sobre o Ensino Religioso nas escolas públicas do Brasil: A concepção confessional. A concepção fenomenológica. A concepção transreligiosa. A concepção contra o Ensino Religioso nas escolas públicas. Concepção Confessional Esta concepção ganhou sua maior expressão nos escritos de Francisco Catão que diz: No fundo do coração de todos os humanos, com no cerne de todas as comunidades humanas e, por conseguinte, de toda cultura e de toda sociedade, há uma exigência de se posicionar em face do que dá sentido à vida (1995, p.7). Religioso. Catão propõe a leitura da Bíblia com atividade pedagógica de Ensino

4 A Bíblia é a base do Ensino Religioso, como, aliás, de toda a educação religiosa, como expressão da religiosidade objetiva mais profunda da humanidade, religiosidade estrutural, presente em toda expressão religiosa, qualquer que seja a cultura ou a idade do educando (1995, p.11) Catão afirma que a interdisciplinaridade do Ensino Religioso é favorável; um projeto educativo que se encaminhe na linha da interdisciplinaridade pode oferecer uma pista satisfatória para a integração do Ensino Religioso com outras matérias na vida escolar (1995, p.14). A respeito do perfil do professor de Ensino Religioso, Catão coloca que este profissional deve ser uma pessoa religiosa, que viva a fé e tenha conhecimento da Bíblia para ensiná-la ( 1995, p.14) Catão apresenta que o ensino Religioso deva ser confessional apesar de nos últimos anos apontar também para aspectos da visão fenomenológica para o Ensino Religioso. Concepção Fenomenológica O Ensino Religioso como fenomenologia da religião é a concepção mais aceita pelos professores de E.R. do Brasil. Tem sua fundamentação no trabalho da FONAPER (Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso) criado em Esta concepção parte dos fenômenos religiosos (fatos, testemunhos, documentos) e estuda especificamente o seu sentido, sua significação para o ser humano. A fenomenologia da religião é uma classe de análise que vai dos testemunhos até sua fonte geradora (CROATTO, 2001, p.9). Ele ainda afirma que a tarefa do fenomenólogo é a de decifrar o sentido profundo de cada hierofania (manifestação do sagrado), de descrever sua morfologia e sua topologia para entender seu significado, ou seja, como o sagrado é vivido na hierofania. (CROATTO, 2001, P.57). Segundo esta concepção, o símbolo, o mito, o rito, a doutrina, a ética e os textos sagrados são formas de se recriar a experiência religiosa.

5 Concepção Transreligiosa O Ensino Religioso nesta concepção parte do princípio do Conhecimento transdisciplinar que surge como uma leitura sociológica que visa reencontrar a unidade do conhecimento. Tem como características a desregulamentação das realidades religiosas, a superação da posse de Deus, o pluralismo inclusive religioso e aponta para o valor da vida e do planeta. A transreligiosidade não teria um lugar específico, nesta ou naquela religião, mas seu lugar é um lugar sem lugar, que se situa num outro nível de realidade. Talvez possamos lembrar que no Ensino Religioso, não se trata de saber se Deus, o Transcendente, deve ser adorado nesta ou naquela religião, mas antes em espírito e em verdade (LIMA,2003, p.87). Concepção contrária ao Ensino Religioso A concepção contrária ao Ensino Religioso nas escolas públicas tem seu início no Brasil a partir da implantação do Regime Republicano ( ). Hoje, dentre os maiores manifestantes desta linha de pensamento encontramos a Sociedade da Terra Redonda (STR), organização não governamental brasileira que encontra sua maior forma de expressão no site Esta ideologia prima pela secularização da sociedade, ou seja a separação total entre Estado e Igreja, o reconhecimento da ciência como única forma de explicar a realidade e a concepção do Estado laico. Seus objetivos principais são: defender os direitos dos ateus da sociedade, advogar pela total e completa separação entre o Estado(governo) e religião e divulgar e promover o método científico, o pensamento crítico e as realizações e os avanços da ciência.

6 Um dos seus autores, Daniel Sottomaior, demonstra que muitos dos conteúdos elencados para o Ensino Religioso já fazem parte de outras disciplinas(história, Sociologia). Então ele questiona se há necessidade de uma matéria específica se não for para doutrinação. O autor acredita que o Estado deveria engavetar a idéia de Ensino Religioso nas escolas públicas (Daniel Sottomaior, em 01/9/2001). Newton Brito publicou seu artigo em 11/5/2001 sob o título: Contra o Ensino Religioso nas escolas públicas: Em favor do Estado Laico. O autor acredita que o Ensino Religioso seria um instrumento de religiosos para alcançar o poder e implementar sua visão fundamentalista religiosa estatal. Para esta linha de pensamento, se a lei regulamenta o Ensino Religioso nas escolas públicas, esta deve tornar obrigatório que o ateísmo seja tratado em pé de igualdade com o tema das diferentes religiões, e que estas devem ser tratadas apenas do ponto de vista histórico ou informativo. Considerações finais Desde os primórdios da civilização humana se evidencia no ser humano um comportamento claramente religioso independente da cultura, da língua, do nível intelectual e material, além de outros. Esta religiosidade é tão diversa em suas manifestações que soa estranho querer trazer isto para uma sala de aula. Por exemplo, ainda não se conseguiu definir um conteúdo mínimo que agrade a todas as vertentes religiosas. Pesa também o fato de que dificilmente alguém falará de religião sem ser tendencioso. E se formos falar de professores que não tem respaldo ético e comportamental para falar de religião? Além do mais, dois outros fatores deveriam ser levados em conta. Primeiro: o Estado não está habilitado a desempenhar esta função. Não é tarefa do estado ensinar religião. O nosso País é um estado laico. Segundo: desde séculos passados, sabe-se que a Igreja Católica monopolizou o ensino religioso nas escolas públicas. Por quê? Porque esta é a forma mais fácil de se fazer adeptos, ou seja, influenciando-os enquanto ainda são crianças. E mais, sem custo algum. Todos os cidadãos, mesmo os não católicos pago um ensino que eles não concordam. Isto não se parece nada coma verdadeira democracia.

7 Bibliografia ROUSSEAU, Jean-Jacques. Euvres Completes. Vol. 4. Paris. Gallimard, CATÃO, Francisco. O fenômeno religioso. São Paulo, Editora Letras e Letras, CROATTO, José Severino. As linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia da religião. São Paulo: Edições Paulinas, LIMA, Maria Cristina. Deus é maior. São Paulo: PUC, pós graduação em Ciências da Religião, SOTTOMAIOR, Daniel. Ensino Religioso nas Escolas: qual deus? htm acesso em 18/02/2009.BRITO, Newton. Contra o ensino Religioso nas Escolas públicas: em defesa do Estado laico. htm acesso em 18/02/2009.

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS A CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 210 DETERMINA O ENSINO RELIGIOSO, MESMO FACULTATIVO PARA O ALUNO, DEVE ESTAR PRESENTE COMO DISCIPLINA DOS HORÁRIOS NORMAIS DA

Leia mais

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Prof. Elcio Cecchetti elcio.educ@terra.com.br ENSINO RELIGIOSO? Como? Outra vez? O quê? Por quê? Para quê? O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA PÚBLICA DO PASSADO

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 2 ENSINO RELIGIOSO 12) Conforme o disposto no DECRETO

Leia mais

Ensino Religioso PROBLEMÁTICAS DO ENSINO E DO USO DE MATERIAL DIDÁTICO. Colégio Ibituruna Governador Valadares, MG 19 de outubro de 2016

Ensino Religioso PROBLEMÁTICAS DO ENSINO E DO USO DE MATERIAL DIDÁTICO. Colégio Ibituruna Governador Valadares, MG 19 de outubro de 2016 Ensino Religioso PROBLEMÁTICAS DO ENSINO E DO USO DE MATERIAL DIDÁTICO Colégio Ibituruna Governador Valadares, MG 19 de outubro de 2016 Welder Lancieri Marchini welder.marchini@gmail.com Nossa rota...

Leia mais

www.autoresespiritasclassicos.com

www.autoresespiritasclassicos.com www.autoresespiritasclassicos.com A Importância da Bíblia para a Doutrina Espírita Astrid Sayegh Filósofa, é Diretora de Cursos Básicos da Federação Espírita do Estado de São Paulo A Humanidade já foi

Leia mais

Vivemos em dias em que um número cada vez maior de pessoas demonstra, das mais variadas maneiras, que nada sabem sobre Deus.

Vivemos em dias em que um número cada vez maior de pessoas demonstra, das mais variadas maneiras, que nada sabem sobre Deus. Vivemos em dias em que um número cada vez maior de pessoas demonstra, das mais variadas maneiras, que nada sabem sobre Deus. Questiona-se muito se as escolas devem ou não ter em sua grade curricular a

Leia mais

A ALTERIDADE COMO MODO DE SER DA ESPIRITUALIDADE, NOVA LINGUAGEM RELIGIOSA

A ALTERIDADE COMO MODO DE SER DA ESPIRITUALIDADE, NOVA LINGUAGEM RELIGIOSA Anais do V Congresso da ANPTECRE Religião, Direitos Humanos e Laicidade ISSN:2175-9685 Licenciado sob uma Licença Creative Commons A ALTERIDADE COMO MODO DE SER DA ESPIRITUALIDADE, NOVA LINGUAGEM RELIGIOSA

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O ENSINO RELIGIOSO

REFLEXÕES SOBRE O ENSINO RELIGIOSO REFLEXÕES SOBRE O ENSINO RELIGIOSO Prof. Márcio Antônio Sousa da Silva(Org.) Brasília - DF Nos últimos anos, o ensino religioso no Brasil tem sido alvo de debate, não mais como nos períodos correspondentes

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS 4. a EDIÇÃO 1 O CICLO ENSINO BASICO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA EVANGÉLICA PROGRAMA DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO À DESCOBERTA DE UM MUNDO DIFERENTE OBJECTIVOS GERAIS:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 8.242/16

PROJETO DE LEI Nº 8.242/16 PROJETO DE LEI Nº 8.242/16 DETERMINA A AFIXAÇÃO DE CARTAZES NAS SALAS DE AULA DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO BÁSICA PERTENCENTES AO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO VIVA. cidadania e direitos humanos. Livraria do Advogado Editora. Porto Alegre, 2007

A CONSTITUIÇÃO VIVA. cidadania e direitos humanos. Livraria do Advogado Editora. Porto Alegre, 2007 PAULO FERREIRA DA CUNHA Professor Catedrático e Diretor do Instituto Jurídico Interdisciplinar da Faculdade de Direito da Universidade do Porto, Portugal. Doutor em Direito das Universidades de Coimbra

Leia mais

A DIMENSÃO DA FÉ NA PERSPECTIVA DE PAUL TILLICH

A DIMENSÃO DA FÉ NA PERSPECTIVA DE PAUL TILLICH Anais do V Congresso da ANPTECRE Religião, Direitos Humanos e Laicidade ISSN:2175-9685 Licenciado sob uma Licença Creative Commons A DIMENSÃO DA FÉ NA PERSPECTIVA DE PAUL TILLICH Rosângela Martins do Vale

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

Título I. responsabilidades gerais. Capítulo I. Art. 1 - São deveres fundamentais do Orientador. sua determinação;. seu espaço na escola;

Título I. responsabilidades gerais. Capítulo I. Art. 1 - São deveres fundamentais do Orientador. sua determinação;. seu espaço na escola; O presente Código de Ética estabelece normas de conduta profissional para os Orientadores Educacionais fluminenses (e para os Orientadores Educacionais dos demais estados brasileiros, se assim o desejarem).

Leia mais

Ensino Religioso nas Escolas Públicas

Ensino Religioso nas Escolas Públicas Ensino Religioso nas Escolas Públicas Fundamentação legal: Constituição Federal de 1988: qdo reconhece os direitos sociais dos cidadãos e estabelece a promoção da cidadania e da dignidade como dever do

Leia mais

Lutas e Artes Marciais na Escola: Das Brigas aos Jogos com regras, de Jean-Claude Olivier [Porto Alegre: Artmed, 2000]

Lutas e Artes Marciais na Escola: Das Brigas aos Jogos com regras, de Jean-Claude Olivier [Porto Alegre: Artmed, 2000] R E S E N H A S Motrivivência Ano XX, Nº 31, P. 251-255 Dez./2008 Lutas e Artes Marciais na Escola: Das Brigas aos Jogos com regras, de Jean-Claude Olivier [Porto Alegre: Artmed, 2000] Fabiano Filier Cazetto

Leia mais

O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades. Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN

O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades. Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN Psicologia e Educação Atualmente, a Psicologia inserida na Educação, preocupase com as políticas públicas

Leia mais

paulinhaven@hotmail.com Introdução

paulinhaven@hotmail.com Introdução DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NO ENSINO DE BIOLOGIA: REFLEXÃO A PARTIR DE SUBSTRATOS TEÓRICOS E PESQUISAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE PARNAÍBA/PI 1 Ana Paula Costa do Nascimento 1 Nailton de Souza

Leia mais

ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES

ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES LUDWIG WITTGENSTEIN Texto 2 LUDWIG WITTGENSTEIN 1889-1951 Estudou o significado conceitos filosóficos através da análise lógica da natureza das proposições da linguagem.

Leia mais

Como usar os recursos e o website da Maior Lição do Mundo

Como usar os recursos e o website da Maior Lição do Mundo Guia do Educador Como usar os recursos e o website da Maior Lição do Mundo Na sexta-feira, 25 de setembro, as Nações Unidas anunciarão os Objetivos Globais para o Desenvolvimento Sustentável. A ideia da

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE 108/03 Conselho Estadual de Educação de Rondônia

RESOLUÇÃO CEE 108/03 Conselho Estadual de Educação de Rondônia RESOLUÇÃO CEE 108/03 Conselho Estadual de Educação de Rondônia Resolução n. 108 de 15 de dezembro de 2003 Estabelece normas para a definição dos conteúdos curriculares e para a habilitação e admissão de

Leia mais

ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS

ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS Elaine de Holanda Rosário - Universidade Federal de Alagoas (UFAL/CEDU) Elainerosarioholanda@yahoo.com.br

Leia mais

DÉBORA VASTI COLOMBANI BISPO DE ALMEIDA

DÉBORA VASTI COLOMBANI BISPO DE ALMEIDA DÉBORA VASTI COLOMBANI BISPO DE ALMEIDA ENSINO RELIGIOSO OU ENSINO SOBRE RELIGIÕES? A CONCEPÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO ESCOLAR NO ESTADO DE SÃO PAULO. MESTRADO EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO PUC/SP 2006 DÉBORA VASTI

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital nº. 2 2005 ENSAIO SOBRE A CRISE DE IDENTIDADE DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Revista Especial de Educação Física Edição Digital nº. 2 2005 ENSAIO SOBRE A CRISE DE IDENTIDADE DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ENSAIO SOBRE A CRISE DE IDENTIDADE DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA Alene Sylvia Teixeira Balmaceda Universidade Federal de Uberlândia - astbalmaceda@yahoo.com.br Fernanda Finotti de Moraes Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Projeto de Extensão: Escola Cidadã Alfabetização e Inclusão Digital

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Projeto de Extensão: Escola Cidadã Alfabetização e Inclusão Digital CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Projeto de Extensão: Escola Cidadã Alfabetização e Inclusão Digital Professor Titular: Professor Auxiliar: Profª. Daniela

Leia mais

Entrevista com o Prof. José Sérgio Fonseca de Carvalho

Entrevista com o Prof. José Sérgio Fonseca de Carvalho Entrevista com o Prof. José Sérgio Fonseca de Carvalho Projeto Revoluções - Como podemos explicar a relação entre educação e direitos humanos? Prof. José Sérgio - Trata-se aqui de uma relação dupla e complementar.

Leia mais

Agenealogia dos Estudos Culturais é objeto de dissenso

Agenealogia dos Estudos Culturais é objeto de dissenso Cinqüentenário de um discurso cultural fundador WILLIAMS, R. Culture and society 1780-1950. [Londres, Longman, 1958]. Cultura e sociedade. São Paulo, Cia. Editora Nacional, 1969. Agenealogia dos Estudos

Leia mais

Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA. PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate.

Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA. PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate. Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate. Introdução As pessoas gostavam muito do sermão puritano. Por quê? (capítulo responde essa pergunta (?); até

Leia mais

X Domingo TC Solenidade da StªTrindade -ANO A

X Domingo TC Solenidade da StªTrindade -ANO A A Solenidade que hoje celebramos não é um convite a decifrar o mistério que se esconde por detrás de um Deus em três pessoas ; mas é um convite a contemplar o Deus que é amor, que é família, que é comunidade

Leia mais

Isaac Pinto da Silva M est r a n d o em Ciên cia s d a s R elig iões n a F a cu ld a d e U n id a d e Vit ór ia.

Isaac Pinto da Silva M est r a n d o em Ciên cia s d a s R elig iões n a F a cu ld a d e U n id a d e Vit ór ia. Isaac Pinto da Silva M est r a n d o em Ciên cia s d a s R elig iões n a F a cu ld a d e U n id a d e Vit ór ia. RESUMO A religiosidade é uma dimensão constitutiva da realidade humana e o Ensino Religioso

Leia mais

ENSINO RELIGIOSO 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA CARMO PROF. LUÍS CLÁUDIO BATISTA

ENSINO RELIGIOSO 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA CARMO PROF. LUÍS CLÁUDIO BATISTA ENSINO RELIGIOSO 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA CARMO PROF. LUÍS CLÁUDIO BATISTA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Pluralismo e diversidade religiosa 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 5 Conteúdos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO CUIABÁ 2015 Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar

Leia mais

Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade Estadual da Paraíba UEPB / leonidas.duarte@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade Estadual da Paraíba UEPB / leonidas.duarte@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO REFLEXÕES SOBRE ASPECTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA PRATICADO POR PROFESSORES CURSISTAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO UEPB 2013/2014 Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

Participe, seja um colaborador na construção de um Cultura de Paz! A Semana da Paz é uma forma de pensar ações que sejam contínuas e duradouras!

Participe, seja um colaborador na construção de um Cultura de Paz! A Semana da Paz é uma forma de pensar ações que sejam contínuas e duradouras! SEMANA DA PAZ 2011 18 à 25 de Setembro O Serviço Social do Comércio (SESC/PG) em parceria com o Núcleo de Estudos e Formação de Professores em Educação para a Paz e Convivências (NEP/UEPG) convida a todos

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENQUADRAMENTO A relação entre o indivíduo e o mundo que o rodeia, construída numa dinâmica constante com os espaços físico, social, histórico

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

Intervenção pedagógica: deficiência intelectual. Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola

Intervenção pedagógica: deficiência intelectual. Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola Intervenção pedagógica: deficiência intelectual Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola Roteiro Aspectos da avaliação A intervenção: Habilidades acadêmicas Habilidades sociais Habilidades Práticas Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli Freire inicia sua obra esclarecendo o alvo (docentes formados ou em formação), colocando que

Leia mais

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES PARA ENTENDER O QUE A LEI TROUXE DE NOVO NA ÁREA DO ENSINO RELIGIOSO

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES PARA ENTENDER O QUE A LEI TROUXE DE NOVO NA ÁREA DO ENSINO RELIGIOSO CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES PARA ENTENDER O QUE A LEI TROUXE DE NOVO NA ÁREA DO ENSINO RELIGIOSO De acordo com a nova redação do artigo 33 da LDB lei 9475, de 22 de julho de 1997, o Religioso insere-se em

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL "Que a água seja refrescante. Que o caminho seja suave. Que a casa seja hospitaleira. Que o Mensageiro conduza em paz nossa Palavra." Benção Yoruba

Leia mais

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno 40 Tempos Disciplina: Animação Sociocultural Ano Lectivo: 2014/2015 Módulo 6 Deontologia e Animação Sociocultural 1.1 Deontologia: noção, conceitos, fundamentos; 1.2 Valores: conceito e tipos de valores.

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris, na sua 20ª sessão,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Jaiana Cirino dos Santos Graduanda de Pedagogia CFP / UFCG jaianacz@hotmail.com Alzenira Cândida Alves Graduanda de Pedagogia CFP /UFCG

Leia mais

POSSÍVEIS CAUSAS DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA DOS EDUCANDOS

POSSÍVEIS CAUSAS DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA DOS EDUCANDOS POSSÍVEIS CAUSAS DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA DOS EDUCANDOS André Ferreira de Lima UEPB andre_lyma@hotmail.com José Edivam Braz Santana UEPB edivamsantana@hotmail.com Flávia Aparecida

Leia mais

mies_de_amor@yahoo.com.ar

mies_de_amor@yahoo.com.ar Pautas para publicar artigos na Revista Espírita Mies de Amor Os artigos: podem ser escritos em espanhol ou em português; serão desconsiderados se não seguirem as pautas estabelecidas; serão recusados

Leia mais

A GEOGRAFIA DO PROFESSOR E A EMANCIPAÇÃO DO CIDADÃO

A GEOGRAFIA DO PROFESSOR E A EMANCIPAÇÃO DO CIDADÃO Jônatas Lima Candido Secretaria de Estado da Educação do Paraná SEED PR jonataslimacandido@seed.pr.gov.br A GEOGRAFIA DO PROFESSOR E A EMANCIPAÇÃO DO CIDADÃO INTRODUÇÃO Embora o Ensino de Geografia tenha

Leia mais

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo Projeto Literatura Viva Tema: Nacionalismo 2017 Justificativa Expressar-se oralmente é algo que requer confiança em si mesmo. Isso se conquista em ambientes favoráveis à manifestação do que se pensa, do

Leia mais

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta disciplina é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA UNIVERSITÁRIOS: UMA PORTA PARA O CONHECER

ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA UNIVERSITÁRIOS: UMA PORTA PARA O CONHECER ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA UNIVERSITÁRIOS: UMA PORTA PARA O CONHECER Elisa Maria Pitombo Faculdade Sumaré E-mail: elisa.pitombo@sumare.edu.br 2 RESUMO: O atendimento psicopedagógico para universitários

Leia mais

Palavra & Vida Sugestões Didáticas 3 T/2012

Palavra & Vida Sugestões Didáticas 3 T/2012 Palavra & Vida Sugestões Didáticas 3 T/2012 Dulce Helena da Silva Mota de Lima Educadora Religiosa / Professora e Assistente Social LIÇÃO 10 O RETORNO ÀS ESCRITURAS Texto: Neemias 8 Objetivos da lição

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL Tatiana Moraes Tayla Mascarenhas Giovanna Fernandes Franciele Sousa RESUMO Faz-se uma abordagem acerca da importância da contação de história dentro do espaço escolar, visando

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 309, DE 2011 Apensados os PL s nº 8.099, de 2014; 943, de 2015; e 3.044, de 2015

PROJETO DE LEI N o 309, DE 2011 Apensados os PL s nº 8.099, de 2014; 943, de 2015; e 3.044, de 2015 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 309, DE 2011 Apensados os PL s nº 8.099, de 2014; 943, de 2015; e 3.044, de 2015 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia INTRODUÇÃO O projeto foi organizado por acreditarmos que o papel da escola e sua função

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO ( ) Cidadania não é apenas o conjunto de direitos e deveres que os cidadãos devem exercer e cumprir. O exercício da Cidadania é sobretudo um comportamento, uma atitude

Leia mais

MANUAL DO LÍDER DE TURMA

MANUAL DO LÍDER DE TURMA Criada em 1 de 6 MANUAL DO LÍDER DE TURMA Criada em 2 de 6 Parabéns! Você foi eleito (a) representante de sua turma. O que demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e a Escola Profissional

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E LÍNGUA PORTUGUESA NO CONTEXTO EDUCACIONAL

ATUAÇÃO DO TRADUTOR INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E LÍNGUA PORTUGUESA NO CONTEXTO EDUCACIONAL ATUAÇÃO DO TRADUTOR INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E LÍNGUA PORTUGUESA NO CONTEXTO EDUCACIONAL Elenay Maciel Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Maurício Loubet Universidade Federal de

Leia mais

3.1 FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS DA MORALIDADE: AGRESSIVIDADE E EMPATIA A ÉTICA EVOLUCIONÁRIA A PRODUÇÃO CULTURAL DA MORALIDADE

3.1 FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS DA MORALIDADE: AGRESSIVIDADE E EMPATIA A ÉTICA EVOLUCIONÁRIA A PRODUÇÃO CULTURAL DA MORALIDADE ÍNDICE AGRADECIMENTOS XV PREÂMBULO XIX INTRODUÇÃO XXIII SER MORAL É A ESSÊNCIA DA CONDIÇÃO HUMANA XXIII ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO XXVI PARTE I PSICOLOGIA DA MORALIDADE: REVISÃO E CRÍTICA CAPÍTULO 1. GÉNESE

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

CONSIDERAÇÕES SOBRE ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES CONSIDERAÇÕES SOBRE ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES Conforme JOE PUTRICK, consultor de ética empresarial, é necessário diagnosticar em que nível estão os indivíduos e a cultura organizacional para que se possa

Leia mais

Agrupamento de escolas de Cascais Escola Secundária de Cascais REGULAMENTO DA RÁDIO ESCOLAR ILOP RÁDIO

Agrupamento de escolas de Cascais Escola Secundária de Cascais REGULAMENTO DA RÁDIO ESCOLAR ILOP RÁDIO REGULAMENTO DA RÁDIO ESCOLAR ILOP RÁDIO 2013/2014 Introdução: O presente documento tem como objetivo regular o funcionamento da rádio escolar e de todas as atividades inerentes à mesma. A rádio é um projeto

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 002/2013 - OFICINAS E PALESTRAS PARA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SERVIÇOS DE ACESSIBILIDADE O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO Maria Isabel Francisco da Silva 1 FIP- Faculdades Integradas de Patos Isabelsilva04@hotmail.com RESUMO Neste trabalho apresenta-se uma discussão e reflexão sobre

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO ANDRE ZACHAROW

VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO ANDRE ZACHAROW COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N 0 134, DE 2009 Submete à consideração do Congresso Nacional o Acordo entre a República Federativa do Brasil e a Santa Sé relativo ao Estatuto

Leia mais

Red. Bernardo Soares. Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por

Red. Bernardo Soares. Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por Aula 2 Bernardo Soares Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por Foca na Redação 23 mar A sociedade no século XXI: definições e problemas

Leia mais

BULLYING ASPECTOS PSICOLÓGICOS E JURÍDICOS. CAVALCANTE, João Gabriel Desiderato OLIVEIRA, Marcus de MEIRELLES, Mariane Branco Vilela RESUMO

BULLYING ASPECTOS PSICOLÓGICOS E JURÍDICOS. CAVALCANTE, João Gabriel Desiderato OLIVEIRA, Marcus de MEIRELLES, Mariane Branco Vilela RESUMO BULLYING ASPECTOS PSICOLÓGICOS E JURÍDICOS CAVALCANTE, João Gabriel Desiderato OLIVEIRA, Marcus de MEIRELLES, Mariane Branco Vilela RESUMO O presente artigo tem por escopo trazer a lume a discussão acerca

Leia mais

Aula 4 Cultura e Sociedade

Aula 4 Cultura e Sociedade Sociologia e Antropologia em Administraçã ção Aula 4 Cultura e Sociedade Profa. Ms. Daniela Cartoni Leitura para a aula DIAS, Reinaldo. Sociologia Geral. Campinas: Alinea, 2008. PLT 254 Capítulo 2 CONCEITO

Leia mais

A pedagogia nos séculos XVIII e XIX. Prof. Ms. Joel Sossai Coleti

A pedagogia nos séculos XVIII e XIX. Prof. Ms. Joel Sossai Coleti A pedagogia nos séculos XVIII e XIX Prof. Ms. Joel Sossai Coleti Johann Heinrich Pestalozzi A experiência de Pestalozzi Johann Heinrich Pestalozzi (1746 1827) atraiu a atenção do mundo como mestre, diretor

Leia mais

QUAL O SIGNIFICADO DE RELIGIOSIDADE PARA VOCÊ?

QUAL O SIGNIFICADO DE RELIGIOSIDADE PARA VOCÊ? QUAL O SIGNIFICADO DE RELIGIOSIDADE PARA VOCÊ? COMO A FILOSOFIA ESPÍRITA DEFINE O PROCESSO DE ESPIRITUALIZAÇÃO DO SER HUMANO? QUANDO E COMO ELE COMEÇA? QUAL O REAL CONCEITO DE RELIGIÃO? A religião é caracterizada

Leia mais

SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise

SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise Carolina Casarin Paes * Marco Antônio Marco Faccione Berbel.** Bruno Eduardo Procopiuk Walter *** JUSTIFICATIVA No início do século, a humanidade vivia um

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. O Brasil é um País Multirracial. Contextualização. Teleaula 1.

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. O Brasil é um País Multirracial. Contextualização. Teleaula 1. Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br O Brasil é um País Multirracial Letras Contextualização

Leia mais

DATA: / / 2012 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF

DATA: / / 2012 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: / / 0 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste

EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste EDUCAÇÃO E LEITURA: o ensino-aprendizagem da literatura nas escolas municipais e estaduais de cinco municípios do nordeste 1 Introdução Autor(a): Humberto de Medeiros Silva Coautor(es): Inalmir Bruno Andrade

Leia mais

g r u p o X I X d e t e a t r o

g r u p o X I X d e t e a t r o g r u p o X I X d e t e a t r o Arrufos E s p e t á c u l o Arrufos nasce de uma tentativa de falar do amor, esse sentimento tão gasto, cantado em prosa e verso, desde os primórdios da humanidade. É, antes

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO PROJETO A VEZ DO MESTRE GESTÃO EMPRESARIAL: LIDERANÇA FOCADA NA CONQUISTA DO BOM CLIMA ORGANIZACIONAL Daniel Luiz Vargas de

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB

REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB Lívia Maria Montenegro da Silva (Bolsista/PROLICEN) Maria Aparecida

Leia mais

Programas e projetos implementados pelo Governo Federal A EDUCAÇÃO E A CONSTITUIÇÃO

Programas e projetos implementados pelo Governo Federal A EDUCAÇÃO E A CONSTITUIÇÃO Programas e projetos implementados pelo Governo Federal A EDUCAÇÃO E A CONSTITUIÇÃO Aula 6 META Demonstrar a evolução dos objetivos e finalidades da educação nas diferentes Constituições brasileiras. OBJETIVOS

Leia mais

23/08/2013. Pedagogia. Sete princípiosde diferenciaçãoda qualidade profissional docente conforme Pinheiro (2013):

23/08/2013. Pedagogia. Sete princípiosde diferenciaçãoda qualidade profissional docente conforme Pinheiro (2013): Pedagogia Profª Adriana Barroso de Azevedo Planejamento das atividades de ensino: processo de construção de aula e ambiência de aprendizagem Do ensinar conteúdos à ambiência da aprendizagem desafios da

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE. 40 audiências gerais

NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE. 40 audiências gerais NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE 40 audiências gerais CRISTO FALA DO CORAÇÃO HUMANO Mateus 5, 27-28 CRISTO FALA DO CORAÇÃO HUMANO O "coração" é esta dimensão da humanidade,

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO Só é voluntário quem se põe ao serviço do OUTRO ÍNDICE 1. Introdução 2. O movimento Pais-em-Rede. 3. Ser voluntário Pais-em-Rede: 3.1 O nosso conceito de voluntariado 3.2 Direitos

Leia mais

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio A introdução da Sociologia no ensino médio é de fundamental importância para a formação da juventude, que vive momento histórico de intensas transformações sociais, crescente incerteza quanto ao futuro

Leia mais

G-1 Questões de (Sacerdócio) Moralidade. Apresentada pelo Centro de Missão do Canadá Oriental

G-1 Questões de (Sacerdócio) Moralidade. Apresentada pelo Centro de Missão do Canadá Oriental G-1 Questões de (Sacerdócio) Moralidade Apresentada pelo Centro de Missão do Canadá Oriental Resumo: Esta resolução recomendaria a Primeira Presidência que considere revisar a política da Igreja Mundial,

Leia mais

Estudo Bíblico Escola Dominical

Estudo Bíblico Escola Dominical Estudo Bíblico Escola Dominical Assunto: A FÉ, COMO O GRÃO DE MOSTARDA Texto Fundamental MATEUS 13.31-32 EM MATEUS 13.31-32, O SENHOR JESUS FALA DE DUAS ESTRUTURAS DE FÉ: UMA NA FIGURA DE UMA SEMENTE E

Leia mais

PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO.

PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO. PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO laylla.lopes@hotmail.com RESUMO: Este trabalho realiza uma análise sobre a participação

Leia mais

SEMED São Luis-Ma.

SEMED São Luis-Ma. A LINGUAGEM MUSICAL E O DESENVOLVIMENTO DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS: UM OLHAR SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL¹ Kátia Regina dos Santos Castro Coordenadora Pedagógica em Educação Infantil SEMED São Luis-Ma Katia.castro4@gmail.com.br

Leia mais

PPP escolar PPP municipal. Tereza Perez Abril/2017

PPP escolar PPP municipal. Tereza Perez Abril/2017 PPP escolar PPP municipal Tereza Perez Abril/2017 Dimensões do PPP: dimensão legal Contexto social/cultural/físico: 1988 constituição Federal igualdade de condições de acesso à escola, a garantia de padrão

Leia mais

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta disciplina é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo Setembro 2015 Este documento pretende dar a conhecer a todos os intervenientes no processo educativo os critérios de avaliação, e respetivas percentagens, a que

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO 1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Um relato supõe uma seleção de fatos a partir da sua relevância, por critérios estabelecidos por alguém. Como ele o estuda? Porque? Quais os pressupostos teóricos

Leia mais

FCSH/UNL 2012/13 Teorias Sociológicas: Os Fundadores

FCSH/UNL 2012/13 Teorias Sociológicas: Os Fundadores FCSH/UNL 2012/13 Teorias Sociológicas: Os Fundadores Consciência Colectiva - Conjunto de crenças e sentimentos comuns à generalidade de uma sociedade particular, que formam um sistema com características

Leia mais

Autoconfiança. Prof. Raul Franzolin Neto. Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br

Autoconfiança. Prof. Raul Franzolin Neto. Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br Autoconfiança Prof. Raul Franzolin Neto Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br Nada aprenderam de mim, senão o que já sabiam e que são eles quem por si mesmos

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2010/2011 1 Índice Introdução...2 Intervenientes...3 Metodologia:...5 Divulgação...5 Selecção...5 Cronologia...5 Calendarização...6

Leia mais

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta disciplina é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

Novo Código de Ética Profissional

Novo Código de Ética Profissional Novo Código de Ética Profissional As Entidades Nacionais representativas dos profissionais da Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da Meteorologia pactuam e proclamam o

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM PROCESSOS DE TUTELA DE MENORES DESVALIDOS. Alessandra David Moreira da Costa

O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM PROCESSOS DE TUTELA DE MENORES DESVALIDOS. Alessandra David Moreira da Costa 1 O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM PROCESSOS DE TUTELA DE MENORES DESVALIDOS. Alessandra David Moreira da Costa A escolha da temática da pesquisa que estamos desenvolvendo ou seja, a análise do discurso educacional

Leia mais

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Conteúdos programáticos e aulas previstas 1º 2º 3º TOTAIS Nº de aulas previstas 13 12 9 34 Nº de aulas para apresentação e autoavaliação 2 1 1 4 Nº de aulas para

Leia mais