NÍVEL DE FORMALIZAÇÃO NA LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA ANÁLISE DO CASO DAS MONTADORAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÍVEL DE FORMALIZAÇÃO NA LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA ANÁLISE DO CASO DAS MONTADORAS"

Transcrição

1 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE PÓSGRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PPGEP PATRÍCIA GUARNIERI NÍVEL DE FORMALIZAÇÃO NA LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA ANÁLISE DO CASO DAS MONTADORAS PONTA GROSSA DEZEMBRO 2006

2 PATRÍCIA GUARNIERI NÍVEL DE FORMALIZAÇÃO NA LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA ANÁLISE DO CASO DAS MONTADORAS Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção, do Programa de PósGraduação em Engenharia de Produção, Área de Concentração: Gestão Industrial, do Departamento de Pesquisa e PósGraduação, do Campus Ponta Grossa, da UTFPR. Orientador: Prof. Kazuo Hatakeyama, Ph.D. PONTA GROSSA DEZEMBRO 2006

3

4 TERMO DE APROVAÇÃO PATRÍCIA GUARNIERI NÍVEL DE FORMALIZAÇÃO NA LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA ANÁLISE DO CASO DAS MONTADORAS Dissertação de Mestrado aprovada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Engenharia de Produção, do Programa de PósGraduação em Engenharia de Produção, Área de Concentração: Gestão Industrial, do Departamento de Pesquisa e PósGraduação, do Campus Ponta Grossa, da UTFPR, pela seguinte banca examinadora: Orientador: Prof. Kazuo Hatakeyama, Ph.D. Departamento de Engenharia de Produção, UTFPR Prof. Francisco José Kliemann Neto, Dr. Departamento de Engenharia de Produção, UFRGS Prof. Guilherme Ernani Vieira, Ph.D. Departamento de Engenharia de Produção, PUCPR Prof. Luis Mauricio Martins de Resende, Dr. Departamento de Engenharia de Produção, UTFPR Ponta Grossa, 01 de dezembro de 2006

5 À minha querida mãe, estimado pai (in memorian) e amados irmãos Antonio Carlos e Paulo Ricardo pelo amor que ultrapassa as barreiras do tempo e distância.

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço a DEUS pela vida que me concedeu e pelas oportunidades infinitas de progresso intelectual e espiritual; À minha família, que mesmo distante, esteve sempre presente, me apoiando com seu amor incondicional; Ao meu orientador, Prof. Dr. Kazuo Hatakeyama, pelo apoio, dedicação e generosidade em compartilhar comigo seu vasto conhecimento; Aos professores do PPGEP, pela valiosa contribuição nos ensinamentos repassados e por seu incentivo; À CAPES pelo apoio financeiro que possibilitou a elaboração do presente trabalho; Às empresas participantes, que gentilmente cederam o precioso tempo de seus funcionários, com o intuito de cooperarem na realização da presente pesquisa; Aos funcionários e bolsistas do PPGEP, pela presteza, amizade e carinho que demonstraram no decorrer do curso; Aos meus amigos, irmãos que Deus nos dá para partilhar essa jornada espiritual chamada vida, sua simples presença tornou o caminho mais fácil; A um amigo, em especial, Lindomar Subtil de Oliveira, com quem compartilhei momentos difíceis e alegres nestes últimos dois anos, com certeza, sem sua amizade e apoio tudo seria mais difícil. A todas às pessoas muito especiais, com quem tenho a felicidade de compartilhar minha vida.

7 O futuro tem muitos nomes. Para os fracos, é o inatingível. Para os temerosos, o desconhecido. Para os valentes, é a oportunidade. Victor Hugo

8 RESUMO Um dos maiores desafios para as empresas do segmento industrial é saber como gerenciar sua cadeia de suprimentos de forma abrangente e eficaz. O segmento automotivo pode ser considerado representativo neste sentido e merece ser destacado, pois apresenta iniciativas consideráveis no gerenciamento da cadeia de suprimentos. Por isso, julgouse relevante estudar quais são os principais fatores que impactam no abastecimento da produção das indústrias automotivas brasileiras. Para responder a esta questão realizouse uma pesquisa aplicada, exploratória e descritiva, através do método indutivo que, do ponto de vista da abordagem do problema, caracterizase como qualitativa. O procedimento técnico utilizado foi o levantamento de dados, tendo como procedimento adicional a realização de visita técnica em um dos fornecedores da indústria automotiva, visando aprofundar algumas questões pertinentes. A coleta de dados foi realizada por meio de questionários de pesquisa, entrevista semiestruturada, observação direta e análise documental. O principal objetivo da pesquisa foi verificar o nível de formalização na logística de suprimentos das montadoras da indústria automotiva brasileira. Para atender a este objetivo foi necessário verificar os conceitos e ferramentas tecnológicas utilizadas nas atividades envolvidas no processo de suprimento da produção; analisar se a visão do GCS dos fornecedores converge com a visão das montadoras e diagnosticar a existência de parcerias entre fornecedores e clientes. Percebeuse que entre os fatores considerados na dificuldade de implantação do conceito do GCS destacase a incoerência na cultura das empresas pesquisadas, no que se refere às parcerias e ao intercâmbio de informações entre os membros envolvidos. Palavraschave: Indústria automotiva, gerenciamento da cadeia de suprimentos, logística de suprimentos, cultura empresarial.

9 ABSTRACT One of the major challenges for the companies of industrial segment is to know how to manage its supply chain in an efficiently and comprehensively form. The automotive segment can be considered representative in this sense and deserves to be noticeable once it presents considerable initiatives in the supply chain management (SCM). Thus, it is prominent to study the main factors of the SCM that impacts in the supplying of Brazilian automotive industries output. In order to answer this question, it was accomplished an applied, exploratory, descriptive and qualitative research, through inductive approach. The technical procedure used to collect the data was a survey with an additional source from the technical visit to a representative supplier of the automotive industry, aiming to deepen some pertinent questions. The data collection was carried out through questionnaires, semistructured interview, direct observation and documentary analysis. The main objective of the research was to verify the level of formalization of supply logistics of the Brazilian automakers. Therefore, in order to attend this objective, it was necessary to verify the concepts and technological tools used in the activities involved in the supplying processes of the output, aiming at the resources optimization; analyze whether or not the SCM vision of the suppliers converges with the SCM vision of the automakers, and diagnose the existence of partnerships between suppliers and clients. It was verified that, among the factors considered, the difficulty of implementation of the SCM concept is detached as the incoherence in the culture of the companies researched, concerning the partnerships and the information exchanging among the involved members. Keywords: Automotive industry; Supply Chain Management; Supply Logistics; Enterprise s Culture.

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Cadeia de logística integrada...36 FIGURA 2 Processo logístico...49 FIGURA 3 Sistema de coleta integrada de peças Milk Run...67 FIGURA 4 Crossdocking...69 FIGURA 5 Posicionamento dos software de SCM...74

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Atividades logísticas chave ou primárias da cadeia de suprimentos..50 QUADRO 2 Atividades logísticas de apoio da cadeia de suprimentos...51 QUADRO 3 Capacidades exigidas para a nova configuração de relacionamento entre fornecedores e montadoras...53 QUADRO 4 Atividades da área de suprimentos (compras)...55 QUADRO 5 Ações de apoio às atividades de abastecimento...56 QUADRO 6 Tipos de custos associados à manutenção de estoques...62 QUADRO 7 Módulos que compõem o ERP...73 QUADRO 8 Características das normas de qualidade das indústrias automotivas...87

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores ANSI American National Standard Institute APO Advanced Planning and Optimizer APS Advanced Planning and Scheduler BOM Bills of Material BSI British Standards Institute CAL Conselho de Administração Logística CBU Completely built up CIF Cost insurance and freight CKD Completely knocked down CLM Council of Logistics Management CRP Capacity Requirements Planning CRM Customer Relationship Management DRP Distribution Requirements Planning ECR Efficient Response Consumer EDI Eletronic Data Interchange EM Estratégia modular ERP Enterprise Resource Planning EU Comunidade Européia EUA Estados Unidos da América FOB Free on board GCS Gerenciamento da cadeia de suprimentos GM General Motors IATF International Automotive Task Force ISO International Organisation for Stadardization JIS Justinsequence JIT Justintime MERCOSUL Mercado Comum do Sul MPS Master Production Scheduling MR Milk Run MRP Material Requirements Planning PDVE Pontos de venda eletrônicos

13 PIB PNB RCCP SCM SFC STP TIC TM TMS VMI VW WMS Produto Interno Bruto Produto Nacional Bruto RoughCut Capacity Planning Supply chain management Shop Floor Control Sistema Toyota de Produção Tecnologias de informação e comunicação Transport Management Transport Management System Vendor Management Inventory Volkswagen Warehouse Management System

14 LISTA DE SÍMBOLOS cc km % US$ centímetro cúbico/cilindrada quilômetro por cento dólar americano

15 SUMÁRIO DEDICATÓRIA AGRADECIMENTOS EPÍGRAFE RESUMO ABSTRACT LISTA DE FIGURAS LISTA DE QUADROS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS LISTA DE SÍMBOLOS SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema Apresentação do tema de pesquisa Delimitação do tema de pesquisa Apresentação do problema Apresentação da justificativa Objetivos Apresentação do objetivo geral Apresentação dos objetivos específicos Estruturação do trabalho METODOLOGIA DA PESQUISA Método Científico Caracterização da pesquisa Do ponto de vista de sua natureza Do ponto de vista de seus objetivos Do ponto de vista da forma de abordagem do problema Do ponto de vista dos procedimentos técnicos Planejamento das etapas da pesquisa REVISÃO DA LITERATURA Logística Empresarial...32

16 3.1.1 História da logística empresarial Conceito de logística Cadeia de logística integrada Gerenciamento da cadeia de suprimentos (GCS) Cadeia de Suprimentos Conceituação de gerenciamento da cadeia de suprimentos (GCS) Fatores que conduziram ao conceito de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos A necessidade e as vantagens de integração da cadeia de suprimentos Parcerias e desenvolvimento de fornecedores A função estratégica da logística no gerenciamento da cadeia de suprimentos Gerenciamento logístico na cadeia de suprimentos Atividades logísticas chave ou primárias na cadeia de suprimentos Atividades logísticas de apoio na cadeia de suprimentos Logística de suprimentos Suprimentos (compras) Transportes Armazenagem Administração de estoques Crossdocking Sistemas e tecnologias de informação (TI) no Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Sistemas Enterprise Resource Planning (ERP) Software de Gerenciamento da cadeia de suprimentos (GCS) Resposta eficiente ao consumidor ECR Intercâmbio Eletrônico de Dados EDI Gerenciamento do inventário do vendedor VMI Indústria automotiva Características das indústrias automotivas brasileiras Normas de qualidade na indústria automotiva A evolução dos sistemas de manufatura através das indústrias automotivas Produção modular na indústria automotiva COLETA DE DADOS Resultados do levantamento Gerenciamento logístico e GCS Administração de estoques Transporte Normas de Qualidade e Sistemas de Manufatura Sistemas de informações e tecnologia da informação ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES...139

17 6.1 CONCLUSÕES SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO ANEXO A CARTA DE APRESENTAÇÃO DA PESQUISADORA ÀS VISITA TÉCNICA ANEXO B OFÍCIO DE APRESENTAÇÃO DA PESQUISADORA APÊNDICE A QUESTIONÁRIO DE PESQUISA (MONTADORAS) APÊNDICE B QUESTIONÁRIO DE PESQUISA (FORNECEDORES) APÊNDICE C ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMIESTRUTURADA APÊNDICE D RELAÇÃO DE ARTIGOS PUBLICADOS...161

18 1 INTRODUÇÃO A evolução da logística empresarial tem apresentado avanços significativos nos últimos anos, por ser considerado um dos fatores essenciais para a competitividade das empresas. Há, sem dúvida, diversos fatores que aceleraram este desenvolvimento, dos quais podem ser citados: a pressão por maior giro e redução de estoques, o atendimento a mercados distantes e a crescente inovação tecnológica. Atualmente, a tendência é a integração de todas as atividades logísticas, desde o pedido do cliente ao fornecedor até a entrega ao consumidor final, permeada por serviços e informações que agreguem valor. Para viabilizar esta integração, surge o conceito do gerenciamento da cadeia de suprimentos (GCS) ou Supply Chain Management (SCM), na língua inglesa, que envolve não somente os processos de negócios, mas também o relacionamento com clientes e fornecedores, visando parcerias estratégicas, que beneficiem todos os componentes da cadeia. Existe ainda certa confusão no contexto acadêmico com relação aos termos, logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. De acordo com o conceito do Conselho de Administração Logística (CAL) a logística é um componente da cadeia de suprimentos, ou seja, ela é necessária para que ocorra o correto planejamento, implementação e controle, de modo eficiente e eficaz, do fluxo de produtos, serviços e informações desde sua origem até a entrega ao consumidor final, atendendo às necessidades dos clientes. Um dos maiores desafios para as empresas é justamente saber como gerenciar sua cadeia de suprimentos de forma abrangente e eficaz. Um dos segmentos industriais que pode ser considerado representativo neste sentido e merece ser destacado é o segmento automotivo, pois apresenta iniciativas consideráveis no gerenciamento da cadeia de suprimentos. De acordo com Wanke (2003), o GCS é uma meta que as empresas perseguem há pelo menos 80 anos. A indústria automotiva é precursora na tentativa de evolução desse conceito. De Henry Ford, na época da Primeira Guerra Mundial, com a integração total de suas fontes de suprimento, passando por Alfred Sloan da

19 Capítulo 1 Introdução 18 General Motors Company (GMC), na década de 30 e pela Toyota nas décadas de 40 a 70, até a experiência recente, pela introdução do Consórcio Modular na Volkswagen do Brasil em Resende, o conceito de GCS experimentou uma série de transformações. A cadeia automotiva brasileira, segundo informações extraídas da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores ANFAVEA, incluindo veículos, peças e máquinas agrícolas, reúne 17 marcas e abriga os principais grupos mundiais do setor, incluindo norteamericanos, europeus e asiáticos. A cadeia de suprimentos da indústria automotiva envolve, montadoras, fornecedores, varejistas (distribuidoras e revendas) e cliente final. Um simples atraso gerado por qualquer um dos membros desta cadeia ocasiona paradas de produção e, consequentemente, prejuízos para toda a cadeia de suprimentos. Devido à complexidade de suas operações, peças e componentes é, mais do que necessário, que obtenha sucesso no gerenciamento da cadeia de suprimentos, principalmente no que tange a redução de custos logísticos e integração de todos os elos que a compõe. Uma das tendências mundiais é que fique a cargo das montadoras a coordenação dessa cadeia, enquanto os fornecedores trabalham no desenvolvimento do produto e na execução dos processos de montagem dos veículos. 1.1 Tema Apresentação do tema de pesquisa Gerenciamento da cadeia de suprimentos na indústria automotiva Delimitação do tema de pesquisa A presente pesquisa se limitará no estudo do nível de formalização na logística de suprimentos das montadoras da indústria automotiva brasileira.

20 Capítulo 1 Introdução Apresentação do problema Quais são os principais fatores que impactam no abastecimento da produção das indústrias automotivas (montadoras) brasileiras? 1.3 Apresentação da justificativa A cadeia automotiva brasileira é uma das grandes responsáveis pelo crescimento da economia do país. Ela é responsável por 4,5% do PIB do Brasil e por 13,5% do seu PIB industrial, além de ser grande geradora de empregos e renda. É a pioneira de muitas técnicas e conceitos gerenciais, que posteriormente foram repassados aos outros setores da economia. De acordo com Pires (2004), durante os últimos cem anos a indústria automotiva se desenvolveu e tornouse um dos segmentos industriais mais representativos. Alguns relatos mostram que cerca de 10% de todo o comércio mundial ocorre no âmbito das indústrias automotivas. Por seu pioneirismo e nível de competitividade, se posicionou em termos de inovações tecnológicas e gerenciais, tornandose um verdadeiro referencial para o ambiente industrial. No que tange ao GCS, claramente percebese que mais uma vez, as indústrias automotivas são as precursoras. Ainda conforme o mesmo autor, o Brasil recebeu durante os últimos dez anos, aproximadamente US$ 30 bilhões de investimentos. Uma parte desse valor foi aplicado na atualização tecnológica das unidades já existentes no país, porém a maior parte foi direcionada à construção de novas e inovadoras unidades sob a perspectiva do conceito de GCS. Isto possibilitou ao país tornarse exemplo mundial, por possuir em seu território instalações fabris de praticamente todas as grandes montadoras automotivas do mundo, bastante atualizadas, especialmente em termos de processos logísticos e GCS. A questão cambial atingiu o setor automotivo em 2005, que de acordo com informações da ANFAVEA, embora as exportações de automóveis e peças tenham registrado o valor expressivo de US$ 11,2 bilhões, estas perderam lucratividade nas vendas ao exterior. E desta forma as empresas do setor transferiram para o mercado interno as esperanças para recuperar rentabilidade. A perda de competitividade também é a principal preocupação das montadoras de automóveis, no momento em

21 Capítulo 1 Introdução 20 que empresas concorrentes japonesas e coreanas conquistam cada vez mais espaço no mercado internacional. De acordo com Soares (Revista EXAME, 2006), no corrente ano, sem solução à vista para o problema cambial, o setor automotivo aposta em expansão de até 8% no mercado interno. A ordem é redobrar a produtividade, qualificar pessoal e investir em novas tecnologias e produtos para se obter a competitividade. Tal declaração indica que um dos caminhos para atingir estes objetivos é o fomento de parcerias entre os membros da cadeia de suprimentos. Neste contexto, de acordo com Rebello (2006), uma grande empresa brasileira fabricante de carrocerias de ônibus, considerada líder mundial, firmou contratos de parcerias com o objetivo de atender dois dos mercados mais promissores, que são o russo e o indiano. Na Rússia, a parceria opera com a maior montadora local de veículos, na qual a empresa realiza a montagem das carrocerias e a parceira os chassis e as instalações industriais. Na Índia, a associação foi com a maior montadora local, que fornecerá a tecnologia e será responsável pelas vendas, enquanto que a empresa brasileira se encarregará pelos processos produtivos e desenvolvimento de novos produtos (Revista EXAME, 2006). Esta é mais uma iniciativa que fortalece a idéia de que a integração entre empresas é necessária e vital para o sucesso dos negócios. Estes fatores positivos podem e devem ser conhecidos e divulgados aos outros elos da cadeia de suprimentos e as deficiências devem ser diagnosticadas, a fim de solucionálas. Desta forma, os recursos físicos, materiais, monetários e humanos são otimizados e o valor agregado tornase perceptível ao cliente final, satisfazendo suas necessidades, gerando maior oportunidade de negócios e lucratividade para toda a cadeia de suprimentos. Com base nesta justificativa, o presente trabalho pretende verificar os principais fatores que impactam no abastecimento da produção das indústrias automotivas, para posteriormente propor possíveis soluções que embasadas na teoria, venham auxiliar na implementação deste conceito com sucesso em toda a cadeia de suprimentos.

22 Capítulo 1 Introdução 21 No entanto, ressaltase que o presente trabalho limitase ao estudo destes fatores apenas em uma parte da cadeia de suprimentos, ou seja, o que tange à logística de suprimentos, que engloba os relacionamentos entre a montadora, os fornecedores e os subfornecedores. Deixandose para outros estudos a logística de apoio à produção que envolve estratégias internas na transformação de insumos em produtos acabados, a logística de distribuição que abrange as relações entre canais de distribuição e clientes finais e por fim a logística reversa que procura reinserir os resíduos gerados pelo processo logístico direto ao ciclo produtivo e/ou de negócios. 1.4 Objetivos Apresentação do objetivo geral Verificar o nível de formalização na logística de suprimentos das montadoras da indústria automotiva brasileira Apresentação dos objetivos específicos Verificar os conceitos e ferramentas tecnológicas utilizadas nas atividades envolvidas no processo de abastecimento da produção das montadoras e seus fornecedores; Analisar se a visão do GCS dos fornecedores converge com a visão das montadoras; Diagnosticar a existência de parcerias entre fornecedores/clientes (montadoras); Confrontar os resultados obtidos através do levantamento das montadoras e fornecedores e também com os dados obtidos na visita técnica em um dos fornecedores destacados Estruturação do trabalho A apresentação da dissertação é estruturada em forma de capítulos, onde no Capítulo 1 é apresentado o tema escolhido para a pesquisa, expondo a justificativa

23 Capítulo 1 Introdução 22 da escolha, demonstrando os objetivos pretendidos, bem como a estrutura do trabalho. No Capítulo 2 é evidenciada a metodologia da pesquisa para dar suporte e confiabilidade às considerações finais da presente dissertação. No Capítulo 3 são apresentadas as informações que fundamentam teoricamente a dissertação, enfatizando aspectos relacionados ao histórico da logística e o gerenciamento da cadeia de suprimentos, bem como os aspectos relacionados ao histórico da indústria automotiva mundial e nacional e suas principais características. No Capítulo 4 são apresentados os dados coletados no levantamento com fornecedores e montadoras, na forma de um quadro para possibilitar a sua comparação, bem como os dados coletados na visita técnica junto a um dos fornecedores destacados por sua representatividade. No Capítulo 5 são apresentados os resultados, sua análise e discussão que possibilitam a elaboração das conclusões No Capítulo 6 são apresentadas as conclusões gerais obtidas na pesquisa e recomendações para trabalhos futuros. A seguir é evidenciada a metodologia utilizada para a elaboração da presente pesquisa, bem como o detalhamento de suas etapas.

24 2 METODOLOGIA DA PESQUISA Para que uma pesquisa científica seja considerada confiável e atinja os objetivos a que se destina é necessária a definição da metodologia a ser utilizada, visando esclarecer e orientar os procedimentos de forma coerente e organizada facilitando o trabalho do pesquisador. Para tanto, foram utilizadas as abordagens de alguns autores que embasam o relato da forma pela qual foi conduzida a presente pesquisa, tendo em vista seus aspectos metodológicos. 2.1 Método Científico Lakatos e Marconi (2001, p. 83) afirmam que todas as ciências caracterizamse pela utilização de métodos científicos; em contrapartida, nem todos os ramos de estudo que empregam estes métodos são ciências. O método é o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo conhecimentos válidos e verdadeiros, traçando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decisões do cientista. O método escolhido foi o indutivo por fornecer bases lógicas à investigação, que, segundo Gil; Lakatos e Marconi (apud SILVA e MENEZES, 2001, p. 26): é um método proposto pelos empiristas como Bacon, Hobbes, Locke e Hume. Considera que o conhecimento é fundamental na experiência, não se levando em conta princípios préestabelecidos. No raciocínio indutivo a generalização deriva de observações de casos da realidade concreta. As constatações particulares levam à elaboração de generalizações. A indução para Lakatos e Marconi (2001, p. 86), é um processo mental por intermédio do qual, partindo de dados particulares, suficientemente constatados, inferese uma verdade geral ou universal, não contida nas partes examinadas. Portanto, o objetivo dos argumentos indutivos é levar às conclusões cujo conteúdo é muito mais amplo do que o das premissas nas quais se basearam. Segundo Lakatos e Marconi (2001, p. 87), o método indutivo se realiza em três etapas: 1. Observação dos fenômenos a fim de descobrir as causas de sua manifestação;

25 Capítulo 2 Metodologia da pesquisa Descoberta de relação entre os fatos e fenômenos; 3. Generalização da relação entre os fenômenos e fatos semelhantes. O método indutivo apresenta duas formas: completa ou formal e incompleta ou científica. O presente estudo será feito através da indução incompleta ou científica, que não deriva de seus elementos inferiores, enumerados ou provados pela experiência, mas permite induzir, de alguns casos adequadamente observados, e às vezes de uma só observação, aquilo que se pode dizer dos restantes da mesma categoria (LAKATOS e MARCONI, 2001, p. 89). 2.2 Caracterização da pesquisa Do ponto de vista de sua natureza Do ponto de vista de sua natureza foi realizada uma pesquisa aplicada que segundo Silva e Menezes (2001, p. 20), objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática dirigidos à solução de problemas específicos. Envolve verdades e interesses locais Do ponto de vista de seus objetivos Do ponto de vista de seus objetivos, a pesquisa é considerada exploratória e descritiva através do método indutivo. É uma pesquisa descritiva, pois visa descrever com exatidão os fenômenos da realidade estudada. Segundo Gil (apud SILVA e MENEZES, p. 21), a pesquisa descritiva objetiva descrever as características de determinadas populações ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre as variáveis. Envolve o uso de técnicas padronizadas de coletas de dados: questionários e observação sistemática que assume em geral a forma de levantamento. Também é exploratória, pois trava um maior conhecimento do problema, através de pesquisas bibliográficas, levantamento e estudo de caso. Conforme define Gil (apud SILVA e MENEZES, 2001, p. 21), a pesquisa exploratória visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vista a tornálo explícito ou a construir hipóteses. Envolve levantamento bibliográfico; entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o problema pesquisado; análise de exemplos que estimulam a compreensão.

26 Capítulo 2 Metodologia da pesquisa Do ponto de vista da forma de abordagem do problema Do ponto de vista da forma de abordagem do problema a metodologia empregada foi a pesquisa qualitativa, visando as características e a natureza do problema estudado. Para Silva e Menezes (2001, p. 20), uma pesquisa qualitativa considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzida em números. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas e é descritiva. O processo e seu significado são os focos principais da abordagem Do ponto de vista dos procedimentos técnicos Do ponto de vista dos procedimentos técnicos a pesquisa foi realizada em duas partes: a primeira se constituiu em uma revisão bibliográfica em fontes primárias e secundárias e a segunda parte em um levantamento com a aplicação de questionários em 23 montadoras de veículos e 50 fornecedores, subfornecedores e sistemistas, que atuam no setor automotivo. Posteriormente, com o intuito de confirmar e oferecer maior suporte aos dados do levantamento, que apresenta como limitação a falta de profundidade, destacouse uma empresa fornecedora de sistemas térmicos para veículos, considerada representativa no segmento por fornecer para a maioria das montadoras estabelecidas no país, onde foi realizada uma pesquisa de campo através de visita técnica, que incluíram entrevistas, observação direta e análise documental. A pesquisa bibliográfica, para Gil (apud Silva e Menezes, p. 21), é elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e eventos e atualmente com material disponibilizado na Internet. As pesquisas do tipo levantamento são caracterizadas pela interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer. Procedese à solicitação de informações a um grupo significativo de pessoas acerca do problema estudado para em seguida, através da análise quantitativa, obter as conclusões sobre os dados coletados (GIL, 1999).

27 Capítulo 2 Metodologia da pesquisa Planejamento das etapas da pesquisa Conforme Luna (2002), para que a pesquisa atinja os objetivos desejados, ela deve ter um planejamento que inclua conhecimentos anteriores e metodologia adequada, além da forma de obtenção dos recursos materiais, humanos e do tempo necessário para sua realização. Para isso, a seguir, são discriminadas as etapas da pesquisa. Escolha do tema: Ocorreu em função do papel estratégico que a logística representa no Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, conceito este que se apresenta em constante evolução no ambiente empresarial e que se constitui em fonte de vantagem competitiva. O setor automotivo foi escolhido pela sua representatividade na economia do país. Levantamento de dados: Primeiramente, foi realizada uma pesquisa bibliográfica em fontes primárias e secundárias, sobre os principais trabalhos já realizados sobre o tema, com o objetivo de obter dados atuais e relevantes sobre o mesmo. A pesquisa bibliográfica além de auxiliar a projetar o trabalho, direcionando a pesquisa, tem a função de embasála, preparando o pesquisador para a etapa posterior que é a pesquisa de campo. Formulação do problema da pesquisa: Verificouse através da revisão bibliográfica, de palestras e de visitas técnicas que existem ainda, no ambiente empresarial, mais especificamente, no setor automotivo, alguns fatores que impactam positivamente e negativamente na sua logística de suprimentos da produção. Segundo Lakatos e Marconi (2001) problema é uma dificuldade, teórica ou prática, no conhecimento de alguma coisa, para a qual se deve encontrar uma solução. Definição dos termos: Para eliminar ou reduzir a margem de interpretações equivocadas em relação aos termos da pesquisa, buscouse esclarecêlos de acordo com suas definições que são apresentadas na revisão bibliográfica da presente pesquisa. Delimitação da pesquisa: Delimitar a pesquisa, de acordo com Lakatos e Marconi (2001, p. 162),... é estabelecer limites para a investigação. Quanto ao assunto a pesquisa limitouse a estudar a logística de suprimentos no gerenciamento da cadeia de suprimentos para a indústria automotiva. Quanto à extensão limitouse a uma das

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Softwares de Supply Chain Management e Sistemas de Informação integrando a cadeia de suprimentos da indústria automobilística

Softwares de Supply Chain Management e Sistemas de Informação integrando a cadeia de suprimentos da indústria automobilística Softwares de Supply Chain Management e Sistemas de Informação integrando a cadeia de suprimentos da indústria automobilística Patrícia Guarnieri (UTFPR/UEPG) pgguarnieri@yahoo.com.br Danillo Leal Belmonte

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais