Parceria, Confiança e Segurança

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parceria, Confiança e Segurança"

Transcrição

1

2 Parceria, Confiança e Segurança A COMPO EXPERT é uma multinacional alemã presente no Brasil desde Está entre as 5 maiores empresas brasileiras do setor de fertilizantes especiais. Com uma visão de parceria, a empresa leva soluções de alta tecnologia para o agricultor brasileiro e contribui com excelência para o aumento da rentabilidade e lucratividade na produção. A COMPO deseja compartilhar benefícios, agregar valor e implantar soluções integradas que seu portfólio de produtos possui, impulsionando o crescimento e a rentabilidade ao negócio de seus clientes. Estamos continuamente ampliando nossas parcerias, com renomados institutos de pesquisas, no desenvolvimento de produtos, tanto a nível nacional como internacional. Possuímos uma ampla variedade de fertilizantes especiais de alta qualidade com atuação importante nos cultivos intensivos de grãos, hortaliças, frutíferas, gramados, áreas verdes, viveiros e florestais. Com uma equipe altamente especializada, a COMPO oferece suporte técnico-comercial aos revendedores e produtores rurais. Para mais informações, acesse PRESENÇA GLOBAL COMPO EXPERT BNL COMPO EXPERT Reino Unido COMPO EXPERT Germany COMPO EXPERT México COMPO EXPERT USA COMPO EXPERT France COMPO EXPERT Spain COMPO EXPERT Italy COMPO EXPERT Poland COMPO EXPERT Germany COMPO EXPERT Turkey COMPO EXPERT Greece COMPO EXPERT China COMPO EXPERT Brazil COMPO EXPERT Indonesia COMPO EXPERT Chile COMPO EXPERT Argentina

3 Presença Nacional CE RN PE RO SE MT DF BA GO MS PR SP MG RJ ES SC RS ENCONTRE NOSSAS REVENDAS Fone: +55 (48)

4 Índice de Produtos BIOATIVADOR Basfoliar Aktiv Basfoliar CoMol -Top...07 Basfoliar Top...08 FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO CONTROLADA Basacote Mini 3M...09 Basacote Mini 6M...09 Basacote Plus 3M...10 Basacote Plus 6M...10 Basacote Plus 9M...10 Basacote Plus 12M...10 Basacote P-Max 3M...11 Basacote P-Max 6M...11 Basacote P-Max 9M...11 Basacote Starter BR...12 Nitrocote 9M...13 FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA Floranid Master extra...14 Triabon...15 FERTILIZANTES ESPECIAIS COM MICRONUTRIENTES Basafer Plus...16 Fetrilon Combi FERTILIZANTES ESTABILIZADOS NovaTec N-Max...18 NovaTec classic...19 NovaTec premium...19 NovaTec suprem...19 NovaTec S Gran...20 FERTILIZANTES ESTABILIZADOS SOLÚVEIS NovaTec Solub NovaTec Solub NovaTec Solub NovaTec Solub NovaTec Solub NovaTec Solub FERTILIZANTES LÍQUIDOS Bas UAN Nitrogênio...24 Basfoliar A...25 Basfoliar Aktiv Basfoliar Aktiv Mn...27 Basfoliar Boro...28 Basfoliar CaB...29 Basfoliar CaB Plus...30 Basfoliar Café...31 Basfoliar Cálcio 17 SL...32 Basfoliar Citrus...33 Basfoliar Cobre SL...34 Basfoliar CoMol Cerrado HC...35 Basfoliar CoMol HC...36 Basfoliar Manganês...37 Basfoliar Mg WP...38 Basfoliar Milho...39 Basfoliar Soja...40 Basfoliar Zinco SL...41 FERTILIZANTES PARCIALMENTE RECOBERTOS E ESTABILIZADOS Duratec Top Duratec Top SAIS SOLÚVEIS Hakaphos Verde...43 Hakaphos Vermelho...43 Hakaphos Base...44 Hakaphos Laranja...44 Hakaphos Azul...45 Hakaphos Violeta...45 SUSPENSÃO CONCENTRADA Basfoliar Mn Basfoliar Zn 750 SC...47 LANÇAMENTOS Basfoliar F-Plus...48 Basfoliar H-Plus...49 Basfoliar Gold Black...50 Basfoliar Mg SL... 51

5 Índice por Cultura ABACATE CAMPO Pág.: 11 e 12. ABACATE VIVEIRO Pág.: 10, 11 e 12. ABÓBORA Pág.: 25. ABOBRINHA Pág.: 19. ALFACE Pág.: 42. ALFACE AMERICANA Pág.: 42. ALGODÃO Pág.: 24, 25, 26, 28, 29, 30, 32, 34, 37, 41 e 50. ALHO Pág.: 17, 29, 30, 32, 34, 37 e 41. AMENDOIM Pág.: 25, 34, 37 e 41. ARROZ Pág.: 6, 17, 25, 34, 37, 39, 41, 44, 45 e 47. AVEIA Pág.: 17. AZALEIA Pág.: 15. BANANA Pág.: 18, 25 e 44. BATATA Pág.: 6, 8, 17, 18, 25, 27, 34, 37, 41, 43, 44 e 51. BATATA DOCE Pág.: 25. BEGÔNIA Pág.: 15. BERINJELA Pág.: 17, 25, 44 e 45. BRÁSSICAS Pág.: 17, 19, 28, 29, 30, 42, 44 e 45. CACAU Pág.: 6, 17, 25, 28, 29, 30, 32, 34, 37 e 41. CAFÉ Pág.: 6, 13, 17, 18, 20, 24, 25, 26, 28, 29, 30, 31, 32, 34, 37, 41, 44, 45 e 50. CAFÉ EM FORMAÇÃO Pág.: 23. CAFÉ PLANTIO Pág.: 10. CAFÉ PRODUTIVO Pág.: 51. CAMPOS DE GOLF Pág.: 14. CAMPOS ESPORTIVOS Pág.: 14. CANA-DE-AÇÚCAR Pág.: 8, 34, 37 e 41. CAQUI Pág.: 42, 44 e 45. CEBOLA Pág.: 17, 19, 29, 30, 32, 34, 37, 41, 44 e 45. CENOURA Pág.: 44 e 45. CEREAIS Pág.: 6, 28, 29, 30, 32 e 50. CEVADA Pág.: 17 e 25. CITROS Pág.: 6, 8, 10, 11, 12, 17, 19, 24, 25, 26, 27, 28, 33, 34, 37, 41, 42, 44, 45, 50 e 51. COENTRO Pág.: 42. CONÍFERAS Pág.: 15 CRAVOS DE CORTE Pág.: 15. CRISÂNTEMO Pág.: 15. CUCURBITÁCEAS Pág.: 17. ERVILHA Pág.: 7, 35 e 36. ESPINAFRE Pág.: 42. EUCALIPTO Pág.: 9, 10, 11 e 12. FEIJÃO Pág.: 7, 8, 17, 18, 20, 23, 25, 26, 34, 35, 36, 37, 40, 41, 44, 45, 46 e 51. FLORES Pág.: 27, 37, 41, 43 e 50. FRUTAS Pág.: 8, 10, 11, 12, 17, 25, 27, 28, 29, 30, 32, 34, 37, 41, 45, 48 e 49. FRUTAS DE CAROÇO Pág.: 6, 8, 10, 11, 12, 19, 44 e 45. GÉRBERA Pág.: 15. GRAMADO DE ATIVIDADES RECREATIVAS Pág.: 14. GRAMÍNEAS Pág.: 7, 8, 24, 28, 29, 30, 48 e 49. HORTALIÇAS Pág.: 8, 11, 17, 19, 25, 27, 32, 34, 37, 41, 48, 49 e 51. JARDIM Pág.: 15. LEGUMINOSAS Pág.: 6, 24, 48 e 49. MAÇÃ Pág.: 26, 44 e 45. MAMÃO Pág.: 42. MANACÁ DA SERRA Pág.: 15. MELANCIA Pág.: 19 e 51. MELÃO Pág.: 51. MILHO Pág.: 6, 8, 17, 18, 20, 23, 25, 26, 34, 37, 39, 41, 44, 45, 46 e 47. MORANGO Pág.: 44 e 45. MUDAS NATIVAS Pág.: 9. ORQUÍDEA Pág.: 25 e 43. PALMEIRAS Pág.: 15. PEPINO Pág.: 25. PIMENTÃO Pág.: 6, 17, 19, 25, 27, 28, 29, 30, 32, 34, 37, 44, 45, 50 e 51. PINUS Pág.: 9. PLANTAS ORNAMENTAIS Pág.: 50. ROSA Pág.: 15. RÚCULA Pág.: 42. SALSINHA Pág.: 42. SERINGUEIRA Pág.: 10, 11 e 12. SERINGUEIRA VIVEIRO Pág.: 10, 11 e 12. SOJA Pág.: 7, 8, 17, 25, 26, 27, 34, 35, 36, 37, 40, 41, 44, 45, 46 e 51. SORGO Pág.: 17, 25, 26, 34, 37, 39 e 41. TOMATE Pág.: 6, 8, 17, 25, 27, 28, 29, 30, 32, 34, 37, 41, 44, 45, 50 e 51. TOMATE INDUSTRIAL Pág.: 18. TRIGO Pág.: 17, 18, 20, 25, 26, 34, 37, 39, 41, 44 e 45. UVA Pág.: 6 e 26. UVA DE MESA Pág.: 44 e 45. VIOLETA Pág.: 15. VIVEIROS Pág.: 6 e 27.

6 BIOATIVADOR Aktiv Basfoliar Aktiv é um fertilizante bioativador que contém fito hormônio, vitaminas e aminoácidos, com adição do Fosfito. Contém macro e micronutrientes, além de extrato de algas Ecklonia maxima. Este produto combina aporte nutricional com benefícios de um bioativador para um melhor desenvolvimento das plantas. Indutores de resistência, com ativação de mecanismos de defesa das plantas e redução de severidade das doenças; É sistêmico, facilmente absorvido e translocado através do xilema e floema à todas as áreas da planta; Promotor das defesas naturais das plantas e indutora da síntese de fitoalexinas, de maneira que potencializa a resistência das plantas perante ataques de fungos; Aumento da produtividade, com plantas sadias e vigorosas. Manganês, Zinco, Ferro e Cobre são quelatizados com EDTA; Pode ser aplicado tanto nas folhas, como nos ramos, flores, frutas e raízes; Líquido e homogêneo, livre de impurezas; Fácil manejo e compatível com a maioria dos produtos fitossanitários. FRUTAS DE CAROÇO 100 a 200 ml/100 litros de água. Aplicar na pré-florada e/ou pós-colheita. E em toda temporada de 5 a 6 aplicações a cada 30 dias. CITROS 200 a 300 ml/100 litros de água. Três aplicações: 1º no início das brotações e repetir com intervalos de 45 dias. CEREAIS 1 a 2 L/ha. Aplicar 15 a 20 dias após a germinação. UVA 100 a 200 ml/100 litros de água. Aplicações a cada 15 dias, da brotação ao fechamento dos racemos. Aplicar na pré- -florada e/ou pós-colheita. LEGUMINOSAS 1 a 2 L/ha. Aos 20 e 40 dias após germinação. ARROZ 1,5 a 2 L/ha. Aplicação aos 15 dias após emergência, repetir cada 20 dias. TOMATE E PIMENTÃO 200 a 300 ml/100 litros de água. Iniciar as aplicações 20 dias após o transplante. De 3 a 4 aplicações com intervalo de 15 dias. MILHO 1,5 a 2 L/ha. Aplicação 30 dias após germinação. BATATA 200 a 400 ml/100 litros de água. Iniciar as aplicações 20 dias após a emergência. De 3 a 4 aplicações com intervalo de 15 a 20 dias. VIVEIROS 100 a 250 ml/100 litros de água. Aplicar via foliar molhando bem toda folhagem, com intervalo de 15 a 20 dias. CAFÉ E CACAU 3 a 5 L/ha. Aplicar na pré-florada 30 dias após o florescimento, na formação dos grãos e granação. GARANTIAS E ESPECIFICAÇÕES: p/p p/v N 3,0% (41,1 g/l) 27,0% (369,9 g/l) K 2 O 18,0% (246,6 g/l) Densidade 1,37 g/cm³ Contém 10% de extrato da alga Ecklonia maxima. 1Litro 5 Litros 12 X 1 4 X 5 6

7 CoMol-Top Tratamento Semente BIOATIVADOR Basfoliar CoMol-Top é um fertilizante líquido com formulação balanceada e específica para suprimento de Molibdênio e Cobalto, em conjunto com o produto Basfoliar Top (que apresenta concentração da alga Ecklonia maxima, processado em seu estado natural), no qual é responsável por promover um melhor desenvolvimento da planta e uma melhor absorção dos nutrientes e da água no solo. Cobalto e Molibdênio são essenciais no processo de fixação simbiótica do Nitrogênio, favorecendo o melhor desenvolvimento da planta; Ativação da divisão celular no primórdio radicular e estimula a divisão celular apical; Aumento do desenvolvimento radicular; Menor volume de calda para o tratamento de sementes; Maior resistência da planta aos períodos de estresse; Aumento da produtividade com colheitas de melhor qualidade. Líquido e homogêneo; Pode ser utilizado no tratamento das sementes juntamente com inoculantes e/ou em aplicações foliares; Fácil manejo e compatível com produtos fitossanitários. SOJA 2 a 3 ml/kg de semente. Tratamento de sementes. GRAMÍNEAS 0,3 a 0,4 L/ha. Aplicação foliar: Fase Vegetativa e na Pré-Florada. SOJA, FEIJÃO E ERVILHA 200 a 400 ml/ha. Aplicação foliar: Aplicar entre 20 a 30 dias após a germinação. GARANTIAS E ESPECIFICAÇÕES: Mo 12% (187,2 g/l) Co 0,2% (3,12 g/l) Densidade p/p 1,56 g/cm³ p/v Contém extrato da alga Ecklonia maxima. 1Litro 10 X 1 5 Litros 4 X 5 20 Litros Unidade 7

8 BIOATIVADOR Top Basfoliar Top é um fertilizante bioativador que contém em sua formulação Nitrogênio, Fósforo e Extrato da Alga Ecklonia maxima, processada em seu estado natural. Basfoliar Top tem características compostas em sua formulação para melhoria dos mecanismos fisiológicos das plantas. A extração do conteúdo citoplasmático destas algas é obtido pelo processo de micronização, gerando uma pasta, sendo esta posteriormente filtrada para se obter um extrato altamente concentrado de auxinas naturais, a qual está sob rigoroso processo de controle de qualidade na Alemanha (University of Dresden). Melhor desenvolvimento do sistema radicular, com raízes vigorosas e sadias; Ativação da divisão celular no primórdio radicular e estimula a divisão celular no primórdio apical - Responsável pelo desenvolvimento de raízes e radículas; Maior resistência das plantas a períodos de estresse; Plantas mais resistentes ao ataque de fungos e, especialmente, nematóides; Melhor aproveitamento da água e nutrientes do solo; Aumento da produtividade com colheitas de melhor qualidade; Melhora o pegamento de flores. Processo altamente diferenciado e controlado para obtenção deste produto, o que assegura a concentração de 11 mg/l de Auxina; Líquido, translúcido e homogêneo; Fácil manejo e compatível com produtos fitossanitários. SOJA E FEIJÃO 0,3 a 0,4 L/ha - Florada e formação das vagens. FRUTAS DE CAROÇO 100 ml/100 litros de água - Quebra de dormência. CITROS 200 ml/100 litros de água - Início de brotação. Pré e Pós - Florada. GRAMÍNEAS 0,3 a 0,4 L/ha - Aplicação foliar. 2 ml/kg - Tratamento de Sementes. BATATA 0,5 a 1 L/ha - Tratamento de tubérculo. TOMATE 200 ml/100 litros de água - Frutificação. FRUTAS 100 a 200 ml/100 litros de água. Pré e Pós - Florada. CANA-DE-AÇÚCAR 0,5 a 1 L/ha - Tratamento de colmo. MILHO 0,2 a 0,4 L/ha. Aplicação entre V4 - V6. HORTALIÇAS 100 a 200 ml/100 litros de água. Transplante. GARANTIAS E ESPECIFICAÇÕES: p/p p/v N 3,5% (40,6 g/l) 17,5% (203,0 g/l) Densidade 1,16 g/cm³ Contém 11 mg/l de Auxina. 1Litro 10 X 1 5 Litros 4 X 5 8

9 Mini Via Solo Basacote Mini é membro da linha de fertilizantes com altíssima tecnologia especialmente desenvolvida para liberação controlada dos nutrientes por meio do recobrimento completo dos grânulos pelo polímero elástico Poligen. Composto por matérias primas de alta qualidade e pureza, a liberação de seus nutrientes ocorre por processo de difusão que garante a sua disponibilização de forma adequada às exigências das culturas, minimizando ainda mais as perdas por lixiviação e os efeitos nocivos de salinidade. Especialmente no Basacote Mini, sua vantagem é a menor granulometria, o que facilita a mistura e homogeneidade do fertilizante no substrato acondicionado em tubetes. Cada grânulo contém a maioria dos nutrientes essenciais e necessários para o crescimento e o perfeito desenvolvimento das plantas. O tempo de liberação dos nutrientes depende da tecnologia e espessura da membrana que pode ser de até 3 e 6 meses. FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO CONTROLADA Liberação controlada de macro e micronutrientes; Nutrição de acordo com a demanda da planta; Redução de salinidade na zona radicular; Redução de perdas por lixiviação e volatilização; Menor risco de contaminação do lençol freático; Redução de mão de obra; Fornecimento nutricional de 3 até 6 meses; Logística facilitada menores volumes de fertilizantes, facilitando a logística, armazenagem e transporte. Sem contaminantes residuais; Utilização do polímero Poligen; Sistema de produção contínuo; Granulometria homogênea; Cada grânulo contém todos os nutrientes; Sem formação de pó. EUCALIPTO PINUS MUDAS NATIVAS 3 a 5 Kg/m³ de substrato - Mistura ao substrato. 3 a 5 Kg/m³ de substrato - Mistura ao substrato. 2 a 4 Kg/m³ de substrato - Mistura ao substrato. Basacote Mini 3M. Basacote Mini 3 e 6M. Basacote Mini 6M. Macronutrientes Micronutrientes N 13% Fe 0,26% NO 3 5% B 0,02% NH 4 8% Zn 0,02% 6% Cu 0,05% K 2 O 16% Mn 0,06% MgO 1,4% Mo 0,015% S 10% Diâmetro do Grânulo 1,0-2,5 mm 15 Kilos Unidade 9

10 FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO CONTROLADA Plus Via Solo Basacote Plus é membro da linha de fertilizantes com altíssima tecnologia especialmente desenvolvida para liberação controlada dos nutrientes por meio do recobrimento completo dos grânulos pelo polímero elástico Poligen. Composto por matérias primas de alta qualidade e pureza, a liberação de seus nutrientes ocorre por processo de difusão o que garante a disponibilização de forma adequada às exigências das culturas, minimizando ainda mais as perdas por lixiviação e os efeitos nocivos de salinidade. No Basacote Plus, cada grânulo contém a maioria dos nutrientes essenciais para o crescimento e o desenvolvimento das plantas. O tempo de liberação dos nutrientes depende da tecnologia e espessura da membrana que pode ser de até 3, 6, 9 e 12 meses. 10 Liberação controlada de macro e micronutrientes; Nutrição de acordo com a demanda da planta; Redução de salinidade na zona radicular; Redução de perdas por lixiviação e volatilização; Menor risco de contaminação do lençol freático; Redução de mão de obra; Fornecimento nutricional de até 12 meses; Logística facilitada menores volumes de fertilizantes, facilitando a logística, armazenagem e transporte. 3M, 6M E 9M Macronutrientes Micronutrientes N 16% NO 3 7,4% NH 4 8,6% 8% K 2 O 12% MgO 2% S 4% Diâmetro do Grânulo 2,5-3,5 mm Fe 0,4% B 0,02% Zn 0,02% Cu 0,05% Mn 0,06% Mo 0,015% 12M Macronutrientes Micronutrientes N 15% Fe 0,4% NO 3 7% B 0,02% NH 4 8% Zn 0,02% 8% Cu 0,05% K 2 O 12% Mn 0,06% MgO 2% Mo 0,015% S 4% Diâmetro do Grânulo 2,5-3,5 mm EUCALIPTO 60 a 120 g/planta - Plantio. Basacote Plus 9 e 12M. CAFÉ PLANTIO 20 a 30 g/planta - Plantio. Basacote Plus 9M. SERINGUEIRA VIVEIRO 5 a 8 g/sacola ou 3-5 Kg/m³ de substrato. Enxertia do cavalo e enchimento das sacolas. Basacote Plus 6, 9 e 12M. FRUTAS 60 a 150 g/planta - Plantio. Basacote Plus 9 e 12M. Sem contaminantes residuais; Utilização do polímero Poligen; Sistema de produção contínuo; Materia prima de alta qualidade; Granulometria homogênea de corolação esverdeada; Cada grânulo contém todos os nutrientes; Linha com diferentes tempos de liberação: 3 meses, 6 meses, 9 meses e 12 meses. 25 Kilos Unidade SERINGUEIRA 80 a 150 g/planta - Plantio. Basacote Plus 9 e 12M. FRUTAS DE CAROÇO 40 a 100 g/planta - Plantio. Basacote Plus 9 e 12M. ABACATE VIVEIRO 3 a 5 Kg/m³ de substrato. Viveiro (enchimento das sacolas). Basacote Plus 9 e 12M. CITROS 60 a 120 g/planta. Plantio e adubações de manutenção. Basacote Plus 9 e 12M.

11 P-Max Via Solo Basacote P-Max é membro da linha de fertilizantes com altíssima tecnologia especialmente desenvolvida para liberação controlada dos nutrientes por meio do recobrimento completo dos grânulos pelo polímero elástico Poligen. Composto por matérias primas de alta qualidade e pureza. A liberação de seus nutrientes ocorre por processo de difusão o que garante a sua disponibilização de forma adequada às exigências das culturas, minimizando ainda mais as perdas por lixiviação e os efeitos nocivos de salinidade. Especialmente na linha Basacote P-Max, rica fonte de Fósforo, cada grânulo contém os nutrientes mais importantes e necessários para o crescimento e o perfeito desenvolvimento das plantas. Com essas características é ideal para ser utilizado no plantio de diversas culturas. O tempo de liberação dos nutrientes depende da espessura da membrana que pode ser de até 3, 6 e 9 meses. FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO CONTROLADA Liberação controlada de macro e micronutrientes; Nutrição de acordo com a demanda da planta; Melhor formação de sistema radicular e desenvolvimento das plantas; Redução de salinidade na zona radicular; Redução de perdas por lixiviação e volatilização; Menor risco de contaminação do lençol freático; Redução de mão de obra; Fornecimento nutricional de até 9 meses; Logística facilitada menores volumes de fertilizantes, facilitando a logística, armazenagem e transporte. Produto diferenciado com alta concentração de Fósforo; Sem contaminantes residuais; Utilização do polímero Poligen; Sistema de produção contínuo; Cada grânulo contém todos os nutrientes; Grânulos homogêneos de coloração; Linha com diferentes tempos de liberação: 3, 6 e 9 meses. EUCALIPTO 40 a 100 g/planta - Plantio. Basacote P-Max 3 e 6M. SERINGUEIRA VIVEIRO 3 a 6 g/sacola ou 2-5 Kg/m³. Enxertia do cavalo / Enchimento sacolas. Basacote P-Max 6 e 9M. SERINGUEIRA 50 a 100 g/planta - Plantio. FRUTAS 60 a 150 g/planta - Plantio. FRUTAS DE CAROÇO 30 a 80 g/planta - Plantio. Basacote P-Max 3, 6 e 9M. Basacote P-Max 3, 6 e 9M. Basacote P-Max 3, 6 e 9M. HORTALIÇAS 20 a 50 g/planta. Substituição MAP plantio. CITROS 60 a 120 g/planta. Plantio e adubações de manutenção. ABACATE VIVEIRO 2 a 5 Kg/m³ de substrato. Viveiro (enchimento sacolas). Basacote P-Max 3 e 6M. Basacote P-Max 3, 6 e 9M. Basacote P-Max 6 e 9M. Macronutrientes Micronutrientes N 17% Fe 0,15% NH 4 17% Zn 0,01% 43% Cu 0,05% Mn 0,06% Mo 0,015% Diâmetro do Grânulo 2,0-4,0 mm 25 Kilos Unidade 11

12 FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO CONTROLADA Starter BR Basacote Starter BR é membro da linha de fertilizantes com altíssima tecnologia especialmente desenvolvida para liberação controlada dos nutrientes por meio do recobrimento completo dos grânulos pelo polímero elástico Poligen. Composto por matérias primas de alta qualidade e pureza, a liberação de seus nutrientes ocorre por processo de difusão que garante a sua disponibilização de forma adequada às exigências das culturas, minimizando ainda mais as perdas por lixiviação e os efeitos nocivos de salinidade. Especialmente na linha Basacote Starter BR, há um maior aporte inicial de Fósforo para o melhor arranque e desenvolvimento dos plantios, além do fornecimento contínuo de Nitrogênio, Potássio e micronutrientes. Promove a liberação de macro e micronutrientes por até 9 meses. Liberação controlada de macro e micronutrientes; Nutrição de acordo com a demanda da planta; Melhor formação de sistema radicular e desenvolvimento das plantas; Redução de salinidade na zona radicular; Redução de perdas por lixiviação e volatilização; Menor risco de contaminação do lençol freático; Redução de mão de obra; Fornecimento nutricional por até 9 meses; Logística facilitada menores volumes de fertilizantes, facilitando a logística, armazenagem e transporte. Via Solo Produto de alta tecnologia desenvolvido especialmente para o mercado brasileiro; Sem contaminantes residuais; Utilização do polímero Poligen; Sistema de produção contínuo; Sem formação de pó. SERINGUEIRA VIVEIRO 5 a 8 g/sacola ou 3 a 5 Kg/m³ de substrato. Enxertia do cavalo e enchimento sacolas. SERINGUEIRA 80 a 150 g/planta - Plantio. ABACATE CAMPO 80 a 120 g/planta - Plantio. CITROS 60 a 120 g/planta. Plantio e adubações manutenção. ABACATE VIVEIRO FRUTAS DE CAROÇO EUCALIPTO FRUTAS 3 a 5 Kg/m³ de substrato. Viveiro (enchimento sacolas). 40 a 100 g/planta - Plantio. 60 a 120 g/planta - Plantio. 60 a 150 g/planta - Plantio. Macronutrientes N 16% NO 3 3,2% NH 4 12,8% 25% K 2 O 6% S 2,5% MgO 1,0% Micronutrientes Fe 0,2% Cu 0,05% Mn 0,06% Mo 0,015% B 0,7% 50 Kilos Unidade 1 Tonelada Unidade Diâmetro do Grânulo 2,0-4,0 mm 12

13 9M Nitrocote é uma linha de fertilizante nitrogenado de liberação controlada com grânulos completamente recobertos pelo polímero elástico Poligen. A liberação do seu nutriente ocorre por processo de difusão que garante a sua disponibilização de forma adequada às exigências das culturas, minimizando as perdas por lixiviação e os efeitos nocivos de salinidade. Na linha Nitrocote, o Nitrogênio é protegido e há um fornecimento contínuo por até 9 meses, o que permite o melhor desenvolvimento do plantio em resposta ao suprimento equilibrado e seguro de Nitrogênio. Liberação controlada de Nitrogênio; Nutrição de acordo com a demanda da planta; Plantas mais uniformes e vigorosas; Redução de salinidade na zona radicular; Redução de perdas por lixiviação e volatilização; Menor risco de contaminação do lençol freático; Redução de mão de obra; Fornecimento nutricional por 9 meses; Logística facilitada menores volumes de fertilizantes, facilitando a logística, armazenagem e transporte. Via Solo FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO CONTROLADA Produto de alta tecnologia para fornecimento de Nitrogênio; Sem contaminantes residuais; Utilização do polímero Poligen; Sistema de produção contínuo; Granulometria uniforme e fácil manejo. CAFÉ 12 a 15 g/planta - Plantio. CAFÉ (1º ANO) 25 a 30 g/planta - Adubação Incorporada. Macronutrientes N 45% Diâmetro do Grânulo 2,0-4,0 mm 25 Kilos Unidade 13

14 FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA Master extra Via Solo Floranid Master extra é um fertilizante de distribuição fácil, equilibrado e de longa duração. Possui alta qualidade com Isodur (molécula de liberação lenta de Nitrogênio mais eficiente do mercado). Essa tecnologia, somada ao alto padrão de granulometria, proporciona ao Floranid maior confiabilidade e desempenho. Crescimento constante e homogêneo; Coloração mais intensa dos gramados e áreas verdes, com melhor enraizamento; Proporciona uma nutrição equilibrada e completa durante um período prolongado, o que assegura um ótimo desenvolvimento, coloração e capacidade de manutenção dos gramados; Reduz o risco de queimaduras nas plantas; Economia de mão de obra, com redução do número de aplicações; Máximo aproveitamento do adubo, evitando perdas por lixiviação. Contém Isodur (molécula de liberação lenta de Nitrogênio mais eficiente do mercado); Liberação em até 12 semanas, dependendo da temperatura e da umidade; Grãos homogêneos, cada um contendo a mesma quantidade de nutrientes; Índice salino inferior à Ureia e Nitrato de Amônio. CAMPOS DE GOLF 20 a 40 g/m² - 4 a 6 aplicações por ano. CAMPOS ESPORTIVOS 30 a 50 g/m² - 2 a 3 aplicações por ano. GRAMADO DE ATIVIDADES RECREATIVAS 30 a 40 g/m² - 1 a 3 aplicações por ano. Macronutrientes Micronutrientes N 19% Fe 0,5% 5% K 2 O 10% MgO 2,0% S 8% 25 Kilos Unidade 14 Diâmetro do Grânulo Contém 0,5-1,8 mm TE

15 Triabon Via Solo Triabon é um fertilizante de lenta liberação com Crotodur (molécula de liberação lenta de Nitrogênio), ideal para viveiros florestais, plantas ornamentais e parques. Tem duração efetiva de 3 a 4 meses, sendo portanto, especialmente efetivo para plantas com período de curto a médio desenvolvimento. FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA A liberação é proporcional à necessidade da planta; Fertilização Inteligente : acelera o desenvolvimento das plantas; Minimização do efeito salinizante (não queima as plantas); Assegura o máximo aproveitamento do Nitrogênio; A liberação acontece independente do ph do solo; Menor potencial de lixiviação, altamente eficaz também em condições de ph baixo. Fertilizante de alta qualidade com Crotodur; Fertilizante com tempo de liberação de 3 a 4 meses; Ideal para aplicações em substratos, plantas ornamentais e jardins; Grãos homogêneos, cada um contendo a mesma quantidade de nutrientes. CONÍFERAS E PALMEIRAS 3 a 5 g/l de substrato - A cada 90 dias. AZALEIA E MANACÁ DA SERRA 3 a 5 g/l de substrato - A cada 90 dias. CRISÂNTEMO E CRAVOS DE CORTE 30 a 50 g/m² - Preparo do canteiro. ROSA E GÉRBERA 20 a 30 g/m² - Preparo do canteiro e a cada 90 dias. CONÍFERAS E PALMEIRAS 3 a 5 kg/m³ de substrato - Preparo de Substrato. AZALEIA E MANACÁ DA SERRA 3 a 5 kg/m³ de substrato - Preparo de Substrato. BEGÔNIA E VIOLETA 2 a 3 kg/m³ de substrato - Preparo de Substrato. JARDIM 30 a 50 g/m² - A cada 90 dias. Macronutrientes Micronutrientes N 16% Fe 0,1% 8% B 0,02% K 2 O 12% Zn 0,007% MgO 2,4% Cu 0,04% S 9% Mn 0,1% Mo 0,015% Diâmetro do Grânulo 1,0-4,0 mm 25 Kilos Unidade 15

16 FERTILIZANTES ESPECIAIS COM MICRONUTRIENTES Basafer Plus Basafer Plus é um fertilizante quelatizado com formulação específica para suprimento de Ferro na manutenção dos níveis ideais ou na correção das deficiências destes nutrientes em diversas culturas. Rápida ação sobre a cultura; Elevada eficiência na absorção da planta; Auxilia o desenvolvimento de troncos e raízes; Melhora a qualidade dos frutos. Hidroponia Fertirrigação Alta pureza em Ferro, quelatizado com EDDHA; Excelente solubilidade; Fácil manejo e compatível com a maioria dos produtos fitossanitários. Fe MANUTENÇÃO DE NÍVEIS IDEAIS Fe CORREÇÕES DE DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS 15 a 25 g/100 litros de água - Aplicação quinzenal. 50 a 75 g/100 litros de água - Aplicação quinzenal. Micronutrientes Fe 6% 1Kilo 14X1 16

17 Hidroponia Fetrilon Combi 1 é um fertilizante microgranulado altamente solúvel com formulação balanceada e específica para suprimento de Zinco, Ferro, Manganês, Cobre, Boro, Molibdênio, Magnésio e Enxofre. Recomendado para a manutenção dos níveis ideais ou para correções das deficiências destes elementos, em diversas culturas. Devido ao processo de fabricação especial (dessecação por nebulização em câmara), a absorção e o transporte destes elementos pela planta, são rápidos e eficazes; Distribuição homogênea, não ocorre segregação; Excelente complementação nutricional, com composição balanceada para as necessidades das plantas; Auxilia o desenvolvimento radicular e o desenvolvimento foliar; Incremento de quantidade e qualidade à sua produção. Fertirrigação FERTILIZANTES ESPECIAIS COM MICRONUTRIENTES Todos os nutrientes estão em um único microgrânulo; Fertilizante microgranulado de coloração esverdeada; Magnésio, Manganês, Zinco, Ferro e Cobre quelatizados com EDTA; Matéria prima de alta qualidade, livre de Cloro e Sódio; Excelente solubilidade e miscibilidade com a maioria dos fitossanitários. CITROS FRUTAS 0,5 a 1,5 Kg/ha. 0,5 a 1 Kg/ha. 2 a 6 aplicações por ciclo vegetativo. 2 a 4 aplicações por ciclo vegetativo. CAFÉ E CACAU MILHO E SORGO 0,3 a 1 Kg/ha. 0,2 a 1 Kg/ha. 2 a 4 aplicações por ciclo vegetativo. 1 a 3 aplicações por ciclo vegetativo. ALHO E CEBOLA HORTALIÇAS 0,5 a 0,7 Kg/ha. 25 a 50 ml/100 litros de água. 2 a 4 aplicações por ciclo vegetativo. Aplicações quinzenais. ARROZ, TRIGO, CEVADA E AVEIA 0,2 a 1 Kg/ha. 1 a 3 aplicações por ciclo vegetativo. CUCURBITÁCEAS BRÁSSICAS 0,5 a 0,7 Kg/ha. 0,5 a 0,7 Kg/ha. 3 a 6 aplicações por ciclo vegetativo. 2 a 6 aplicações por ciclo vegetativo. SOJA E FEIJÃO BATATA 0,2 a 1 Kg/ha. 0,5 a 1 Kg/ha. 1 a 3 aplicações por ciclo vegetativo. 2 a 5 aplicações por ciclo vegetativo. TOMATE, BERINJELA E PIMENTÃO 0,5 a 1 Kg/ha. 2 a 5 aplicações por ciclo vegetativo. Macronutrientes Micronutrientes MgO 3,3% Mn 4,0% S 3% Zn 1,5% B 0,5% Fe 4% Cu 1,5% Mo 0,1% 1Kilo 16X1 17

18 FERTILIZANTES ESTABILIZADOS Via Solo NovaTec é uma linha de fertilizantes diferenciados para uso via solo, com diferentes formulações que aportam macro e micronutrientes de alta qualidade e eficiência. A linha NovaTec incorpora a avançada tecnologia NET (Nitrogen Efficient Technology), para a estabilização do Nitrogênio. Esta tecnologia, exclusiva da COMPO EXPERT, se baseia na inibição da conversão Amônio em Nitrato, que consequentemente melhora a eficiência da adubação nitrogenada e diminui suas perdas. Disponibilidade imediata e prolongada do Nitrogênio assimilável pela planta; Maior eficiência do Nitrogênio aplicado Aporta de maneira equilibrada o Nitrogênio nítrico e amoniacal; Menores perdas por lixiviação; Não segregação dos nutrientes; Aumenta a disponibilidade de Fósforo e micronutrientes para as plantas; Maior produtividade e qualidade Devido ao menor consumo de energia para metabolismo do Nitrogênio; Uniformidade de produção, com plantas mais homogêneas. Cada grânulo contém todos os nutrientes; Melhor distribuição devido a sua granulometria; Sua formulação contém Potássio livre de Cloro e Fósforo de maior solubilidade; Baixa salinidade devido ao Potássio na forma de Sulfato; Sem formação de pó; Fácil manejo. Produto de alta tecnologia e maior eficiência do Nitrogênio diferenciado; Melhor aproveitamento do Nitrogênio; Melhora o desenvolvimento vegetativo, com plantas mais sadias e vigorosas; Reflete em ganhos de produtividade. Macronutrientes Micronutrientes N 24% Fe 0,06% NO 3 11% B 0,02% NH 4 13% Zn 0,01% 5% K 2 % MgO 2% S 5% Diâmetro do Grânulo 2,0-4,0 mm MILHO FEIJÃO TRIGO CAFÉ 200 a 300 Kg/ha - Cobertura. BATATA 200 a 250 Kg/ha - Cobertura. BANANA 200 a 300 Kg/ha - Cobertura. TOMATE INDUSTRIAL 600 Kg/ha. Frutificação e Granação. 400 Kg/ha. Cobertura após 30 dias do plantio. 100 g/planta. Cobertura (Jan/Abr/Out). 200 a 300 Kg/ha. Crescimento Vegetativo - Cobertura. Somente N-Max 5 Kilos 25 Kilos 1 Tonelada 18 Unidade Unidade Unidade

19 Formulação mais equilibrada; Plantas mais resistentes ao ataque de pragas e doenças; Uniformidade de produção, com plantas mais sadias e vigorosas; Incremento de produtividade, com frutos de melhor qualidade. Via Solo Macronutrientes Micronutrientes N 12% Fe 0,06% NO 3 5% B 0,02% NH 4 7% Zn 0,01% 8% K 2 O 16% MgO 3% S 10% Diâmetro do Grânulo 2,0-4,0 mm FERTILIZANTES ESTABILIZADOS CITROS 300 a 350 Kg/ha - Enchimento de Frutos. FRUTAS DE CAROÇO 300 a 500 g/planta - Frutificação e Enchimento de Frutos. CEBOLA 150 a 200 Kg/ha - Desenvolvimento Vegetativo. Relação concentração de Nitrogênio e Potássio; Ótima fonte de Potássio para sua cultura, ótima qualidade e assimilação pela planta; Plantas mais resistentes ao ataque de pragas e doenças; Uniformidade de produção, com plantas mais homogêneas; Elevada produtividade atrelada a altos rendimentos. Macronutrientes Micronutrientes N 15% Fe 0,06% NO 3 7% B 0,02% NH 4 8% Zn 0,01% 3% K 2 O 20% MgO 2% S 10% Diâmetro do Grânulo 2,0-4,0 mm CITROS 300 a 350 Kg/ha - Enchimento de Frutos. MELANCIA 400 a 500 Kg/ha. Cobertura - 40 dias após o plantio. CEBOLA 150 a 200 Kg/ha - Bulbificação. FRUTAS DE CAROÇO 300 a 500 g/planta. Frutificação e Enchimento de Frutos. BRÁSSICAS 10 a 20 g/planta - Formação da Inflorescência. PIMENTÃO E ABOBRINHA 15 a 20 g/planta. Coberturas com intervalo de 20 a 30 dias. Produto de alta tecnologia e maior eficiência do Nitrogênio diferenciado; Melhor aproveitamento do Nitrogênio, associado ao fornecimento de Potássio de ótima assimilação; Uniformidade de produção, com plantas mais homogêneas; Incremento de produtividade. Macronutrientes Micronutrientes N 21% Fe 0,3% NO 3 10% B 0,02% NH 4 11% Zn 0,02% 5% K 2 O 10% MgO 3% S 6% Diâmetro do Grânulo 2,0-4,0 mm CITROS 200 a 300 Kg/ha - Pós-Florada. HORTALIÇAS 30 a 50 g/m² - 10 dias após o transplante. BRÁSSICAS 10 a 20 g/planta - Desenvolvimento Inicial. PIMENTÃO E ABOBRINHA 15 a 20 g/planta. Coberturas com intervalo de 20 a 30 dias. 19

20 FERTILIZANTES ESTABILIZADOS Via Solo NovaTec S GRAN é um fertilizante granulado homogêneo com aporte de Nitrogênio e Enxofre. Incorpora a avançada tecnologia NET (Nitrogen Efficient Technology), para a estabilização do Nitrogênio. Esta tecnologia, exclusiva da COMPO EXPERT, se baseia na inibição da conversão Amônio em Nitrato, que consequentemente melhora a eficiência da adubação nitrogenada e diminui suas perdas. Tudo isso proporciona incrementos qualitativos e quantitativos na produção. Disponibilidade imediata e prolongada do Nitrogênio assimilável para planta; Maior produtividade e qualidade, devido ao menor consumo de energia para metabolismo do Nitrogênio; Menores perdas por lixiviação; Fornecimento de Enxofre, nutriente que atua em diversos processos importantes no ciclo da planta, dentre eles: Composição de todas as proteínas da planta; Atua nos processos de fotossíntese, fixação não fotossintética do CO 2 e respiração; Participa de estruturas orgânicas nas plantas e de diversas reações enzimáticas. Ótima fonte de Nitrogênio com fornecimento de Enxofre; Sem formação de pó; Ótima granulometria; Livre de Cloro. MILHO FEIJÃO TRIGO CAFÉ 300 a 500 Kg/ha - Cobertura. 200 a 400 Kg/ha - Cobertura. 300 a 400 Kg/ha - Cobertura. 700 a 800 Kg/ha - Cobertura Café Produtivo. Macronutrientes N 20% S 22% 50 Kilos 1 Tonelada Unidade Unidade 20

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar?

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Os 16 elementos essenciais às plantas: PRIMÁRIOS (planta necessita em maiores quantidade)

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Catálogo COMPO EXPERT. para áreas verdes COMPO EXPERT

Catálogo COMPO EXPERT. para áreas verdes COMPO EXPERT Catálogo COMPO EXPERT para áreas verdes COMPO EXPERT Fertilização do relvado O relvado necessita para cumprir a sua função estética e resistente, de uma série de nutrientes que absorvem do solo. Estas

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

Absorção e adubação foliar

Absorção e adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL320 Absorção e adubação foliar Prof. Volnei Pauletti VIDA VEGETAL - começou no mar, durante o processo evolutivo as folhas não

Leia mais

Absorção e Adubação foliar

Absorção e Adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo Absorção e Adubação foliar Prof. Volnei Pauletti UFPR ADUBOS FLUÍDOS - Absorção

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS

MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS Micronutrientes MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br Micronutrientes MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS Volnei Pauletti Jana

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais

ADUBAÇÃO FOLIAR. Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas.

ADUBAÇÃO FOLIAR. Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas. ADUBAÇÃO FOLIAR Conceito Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas. Bons resultados podem ser obtidos através da adubação foliar

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e

1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e 1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e culturas agrícolas 6. Diferenciais de valor 7. Nosso presente

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Eng. Agr. Denilson Luís Pelloso Coord. Irrigação Agrofito LTDA Eng. Agr. Bruno Alves Dep. Agronômico Netafim - Brasil 03/09/08 Temas Conceitos básicos

Leia mais

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes em Assentamentos Rurais de Santa Catarina/Brasil EJE: Ciencia, Tecnología y Sociedad AUTORES: Msc. Marina Bustamante Ribeiro Prof. Dr.

Leia mais

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados Adubação Fosfatada Leonardo de Oliveira Machado 1 Introdução O nitrogênio, o fósforo e o potássio são os três elementos geralmente usados em maior escala na adubação. Analizando os tecidos vegetais verifica-se

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES:

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: Aumenta a capacidade de retenção de água; Melhora a permeabilidade e o arejamento de solos pesados, minorando a sua tendência para a compactação;

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

SALITRE POTÁSSICO DO CHILE É UM FERTILIZANTE ESPECIAL. O SALITRE POTÁSSICO, é um composto natural formado pelos Nitratos de Sódio e Potássico.

SALITRE POTÁSSICO DO CHILE É UM FERTILIZANTE ESPECIAL. O SALITRE POTÁSSICO, é um composto natural formado pelos Nitratos de Sódio e Potássico. O SALITRE DO CHILE O Salitre do Chile é um adubo nitrogenado criado pela sábia natureza. Extraído no deserto do Atacama, ao norte do Chile, o Salitre Potássico é distribuído em todo o mundo e reconhecido

Leia mais

Nutrição e adubação dos citros

Nutrição e adubação dos citros Nutrição e adubação dos citros Material Engº Agrº Derli Paulo Bonine Emater -Ascar Regional Estrela Apresentação Eng Agr Marcos José Schäfer Emater Ascar - Harmonia PROPRIEDADES DOS SOLOS BIOLÓGICAS FÍSICAS

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO 1. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 2. DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 3. ABSORÇÃO FOLIAR E PRINCÍPIOS

Leia mais

AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL

AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL Importância A análise química foliar constitui um procedimento auxiliar, na identificação de deficiências nutricionais ou presença de elementos excessivos com a finalidade

Leia mais

AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes

AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O valor da matéria orgânica no solo A qualidade da matéria orgânica Como aplicar a matéria orgânica no solo 1.A importância da matéria

Leia mais

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva Capítulo 7 Fertilizantes para fertirrigação Ana Lúcia Borges Davi José Silva Introdução A escolha do fertilizante a ser aplicado na água de irrigação deve ser feita após avaliação das características

Leia mais

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade média de

Leia mais

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Utilização agrícola do cerrado Análise de 518 amostras da superfície de solos virgens do cerrado do Brasil

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes A produtividade agrícola no Brasil tem crescido mais rapidamente do que o aumento das áreas plantadas MERCADO MUNDIAL US$ 70.000.000.000,00 KCL Us$ 45,00

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

fertirrigação em citros

fertirrigação em citros Princípios básicos para fertirrigação em citros Engº Agrº M.Sc Rubens Stamato Campo Consultoria / GTACC Bebedouro, 03 de Outubro de 2007 Fertirrigação Técnica que combina a aplicação de água de irrigação

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

JORNADA TÉCNICA LARANJAL QUINTA DO LAGO 13/09/2013

JORNADA TÉCNICA LARANJAL QUINTA DO LAGO 13/09/2013 JORNADA TÉCNICA LARANJAL QUINTA DO LAGO 13/09/2013 Quem Somos, Onde Estamos Empresa Portuguesa Fornecedora de bens e serviços para Áreas Verdes e Agricultura Sede: Silves Desde 1992 Zonas de ação Algarve

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

manual de jardinagem www.biomix.com.br 11 4617 3001

manual de jardinagem www.biomix.com.br 11 4617 3001 Todos os direitos reservados - 2.005 TERRAVIVA Ind. e Com. de Insumos Orgânicos Ltda. Est. do Embu, 3.500 - Cotia - SP - 06713-100 Distribuição gratuíta O material desse manual pode ser copiado sem prévia

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11 Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos

Leia mais

Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense

Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense Antonio Carlos Ferreira da Silva 1, Luiz Augusto Martins Peruch 2 e Darci Antonio Althoff

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido*

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* 1 Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* Paulo Espíndola Trani Instituto Agronômico, Centro de Horticultura, Campinas (SP). petrani@iac.sp.gov.br * Campinas (SP), março de 2014 INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

Guia de aplicação de adubos COMPO

Guia de aplicação de adubos COMPO Guia de aplicação de adubos COMPO A COMPO possui uma grande variedade de soluções inovadoras e avançadas para a fertilização e manipulação do solo. Cada profissional poderá encontrar tudo o que necessita

Leia mais

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) BPUPs para MILHO Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Área Milho Segunda Safra - Brasil 2012 Parte da segunda safra não é milho safrinha Fonte: IBGE Fonte: Fonte: Conab Conab Fonte:

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS

SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS 4 I. INTRODUÇÃO O conhecimento do sistema reprodutivo das espécies a serem melhoradas é de fundamental importância para o melhorista. O tipo de reprodução é

Leia mais

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 Fibras e seus Benefícios! & Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Fibras: Definição: Fibras referem a parte dos vegetais (frutas, verduras, legumes,

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E Ensino Médio Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1. Misturas e processos de separação H4, H5 2. Misturas e processos de separação H4, H5 e H6

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

24 Alimentos para Combater a CELULITE

24 Alimentos para Combater a CELULITE 24 Alimentos para Combater a CELULITE Agradecimento e Informações Muito obrigado por baixar nosso guia com orientações sobre a prevenção e combate a celulite. Nosso objetivo é colaborar com a divulgação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL - Macro e micronutrientes.

NUTRIÇÃO MINERAL - Macro e micronutrientes. NUTRIÇÃO MINERAL - Macro e micronutrientes. INTRODUÇÃO A planta absorve os elementos de que necessita do meio onde vive. Muitas vezes absorve elementos de que não precisa, alguns dos quais podem ser tóxicos.

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO CADEIA PRODUTIVA DA AGRICULTURA ORGÂNICA Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária CRA Senado Federal Novembro 2008 1 Mokiti Okada CPMO

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

Manejo da adubação N para plantas cítricas

Manejo da adubação N para plantas cítricas Manejo da adubação N para plantas cítricas 34ª Semana da Citricultura 30 de maio de 2012 Dirceu Mattos Jr. Centro de Citricultura Sylvio Moreira INSTITUTO AGRONÔMICO 1928-2012 Sumário Programa de pesquisa

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS

MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS 12 anos Terraviva Indústria e Comércio de Insumos Orgânicos Ltda Estrada do Embu, 3.500-06713-100 - Cotia - SP - 4702 2137 DIRETORIA COMERCIAL Carlos Torres

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Mandioca e Fruticultura USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Ana Lúcia Borges Pesquisadora da Embrapa Erval Rafael Damatto Junior Pesquisador científico da APTA Manejo sustentável

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

Adubação Nitrogenada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 - Introdução. 2 Ciclo do Nitrogênio. 3 Nitrogênio como Fertilizante

Adubação Nitrogenada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 - Introdução. 2 Ciclo do Nitrogênio. 3 Nitrogênio como Fertilizante Adubação Nitrogenada Leonardo de Oliveira Machado 1 - Introdução O nitrogênio é, em geral, o elemento que as plantas necessitam em maior quantidade. Porem, devido à multiplicidade de reações química e

Leia mais

Adubação Foliar em Arroz Irrigado: Bases Fisiológicas e Eficiência

Adubação Foliar em Arroz Irrigado: Bases Fisiológicas e Eficiência Santa Maria-RS / Agosto 2013 Adubação Foliar em Arroz Irrigado: Bases Fisiológicas e Eficiência Dr. Valter Casarin Diretor Adjunto do Progama IPNI no Brasil Dr. Luís I. Prochnow Diretor do Progama IPNI

Leia mais

TROFOBIOSE DE FRANCIS CHABOUSSOU

TROFOBIOSE DE FRANCIS CHABOUSSOU A TEORIA DA TROFOBIOSE DE FRANCIS CHABOUSSOU NOVOS CAMINHOS PARA UMA AGRICULTURA SADIA TROFOBIOSE Trofo - quer dizer alimento Biose - quer dizer existência de vida Portanto, Trofobiose quer dizer: todo

Leia mais

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução Comunicado Técnico Novembro, 76 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Patricia Perondi A. de Oliveira Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu Patricia

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes

Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes A 3 a safra, ou feijão irrigado ou de inverno, surgiu no início da década de 1980, como pode ser

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses Maturação e metabolismo pós-colheita Fonte de vida: Fotossíntese CO 2 + H 2 O + energia solar Glicose + H 2 O + O 2 Respiração Glicose + O 2 CO 2 + H 2 O + energia Após a colheita: transformações químicas

Leia mais