DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA AGRO MÁSTER (PRODUTOS AGROPECUARIOS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA AGRO MÁSTER (PRODUTOS AGROPECUARIOS)"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA AGRO MÁSTER (PRODUTOS AGROPECUARIOS) Acadêmico: Wyderralhos Alves dos Santos Professora orientadora: Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO JUNHO, 2009

2 1 WYDERRALHOS ALVES DOS SANTOS DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA AGROMASTER (PRODUTOS AGROPECUARIOS) Relatório organizacional apresentado ao Centro Universitário UNIRG, como requisito parcial para a disciplina Estágio Supervisionado I. Orientador: Profa. Adm. Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO JUNHO, 2009

3 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DA PESQUISA TÉCNICAS DE PESQUISA ANÁLISE DE DADOS CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE AMBIENTE INTERNO Aspectos estratégicos Aspectos financeiros Aspectos mercadológicos Aspectos de recursos humanos Aspectos de prestação de serviços AMBIENTE EXTERNO CONCLUSÃO SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA...24 REFERÊNCIAS...25

4 3 1 INTRODUÇÃO O seguinte relatório elaborado tem como objetivo principal diagnosticar a situação real da empresa Agro Máster Produtos Agropecuários, que tem como ramo de atividade a venda de produtos agropecuarios do tipo fertilizantes foliar. A mesma esta á 4 anos no mercado, desde sua criação no ano de 2005 até os dias de hoje atuando sempre no mesmo ramo de atividade. Este trabalho busca estabelecer uma análise detalhada do ambiente para assim contribuir para melhorias em todos os aspectos e em seu ambiente organizacional. Dentro da organização serão anailisados as seguintes áreas: Comercial, Financeiras, Recursos Humanos, Contabil e Produção. Este trabalho tem como objetivo o conhecimento de todas as áreas citadas anteriomente, afim de efetuar levantamentos dos pontos fortes e dos pontos fracos da empresa e posteriomente indicar um diagnóstico que possa ser utilizado nas execuções das tarefas que a empresa Agro Master Produtos Agropecuarios realiza em seus trabalhos diários. O estudo terá uma importância bastante significativa para a organização por ser fruto de uma avaliação de seus próprios métodos. Para o acadêmico terá uma importância muito grande, permitirá conhecer seus limintes, consequentemente adquirindo novos conhecimentos e assim podendo auto-avaliar suas habilidades e obter novas bagagens para a obtenção de sucesso em sua carreira profissional futuramente, pois é uma oportunidade ímpar de poder colocar em prática toda teória que já foi visto em de aula. O estudo discorrerá dos seguintes tópicos: procedimentos metodológicos (delineamento da pesquisa, técnicas de pesquisa, análise de dados) e caracterização da organização e meio ambiente (ambiente interno - aspectos estratégicos - aspectos financeiros - aspectos mercadológicos - aspectos de recursos humanos - aspectos de produção e aspectos de prestação de serviços). A seguir os Procedimentos Metodolgicos utilizados para a realização do estudo.

5 4 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa, de forma geral, é sempre um desafio para qualquer organização que visa um plano de melhoria interna ou externa. Para Marconi e Lakatos (1986, p.17), a pesquisa deve basear-se em uma teoria, que serve como ponto de partida para a investigação bem sucedida de um problema. Para a elaboração deste diagnóstico empresarial, foram utilizados procedimentos metodológicos, tais como: delineamento da pesquisa, técnicas de pesquisa utilizadas e análise de dados que serão apresentados a seguir. 2.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA O trabalho teve o objetivo de diagnosticar a empresa Agro Máster Produtos Agropecuários nos seus aspectos estratégicos, financeiro, mercadológico, recursos humanos, e prestação de serviços, com coleta de dados e usando as metodologias para fornecer opiniões que organize a empresa sem que elas perda sua postura, o método a ser posicionado e o indutivo e a pesquisa exploratória, pois o método indutivo tende-se a mostrar quais são os pontos fortes e quais são os pontos fracos de cada departamento existente dentro da empresa Agro Máster produtos agropecuários. Indução é um processo mental por intermédio do qual, partindo de dados particulares, suficientemente constatados, infere-se uma verdade geral ou universal, não contidas nas partes examinadas. Portanto o objetivo dos argumentos indutivos é levar a conclusões cujo conteúdo é muito mais amplo do que o das premissas nas quais se basearam. (MARCONI; LAKATOS, p. 86). De acordo com Vergara (2004, p. 47) pesquisa exploratória é realizada em área na qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado. Por sua natureza de sondagem, não comporta hipótese que, todavia, poderão surgir durante ou ao final da pesquisa. Para Cervo; Bervian; Silva (2007, p.63) pesquisa exploratória é normalmente o passo inicial no processo de pesquisa pela experiência é um auxilio que traz a formulação de hipóteses significativas para posteriores pesquisas. Já no conceito de Dias (2003, p.371) pesquisa exploratória é a que procura gerar hipótese ou explicações prováveis e identificar áreas para um estudo mais aprofundado. dodiagnóstico. Seque-se a seqüência as técnicas de pesquisa utilizada para o procedimento 2.2 TECNICAS DE PESQUISA

6 5 A obtenção de dados e um fator de suma importância para a realização de todo e qualquer estudo, a captação de informações para a realização deste diagnostico decorreu de pesquisa bibliográfica e entrevistas com funcionários, sendo essa feita de maneira participativa Pesquisa bibliográfica, segundo de Vergara (2005, p. 48) é o estudo sistematizado e desenvolvido com base em material publicado em livro, revista, jornal, redes eletrônicas, isto é material acessível ao publico em geral. Visando encontrar uma base concreta em conceitos científicos. Há diversos modos de obtenção de informações, sendo que todas elas e de suma importância para elaboração de qualquer projeto, a captação de informações decorreu de pesquisa bibliográfica, onde foi disponibilizado um roteiro pela orientadora do estagio, no qual se disponibilizava de um questionário para auxiliar o direcionamento da pesquisa, tornando a mais concisa e direta. Valendo-se da entrevista com os funcionarios foram feitas de maneira participativa para enfim dar inicio a elaboração do estudo realizado que o diagnostico organizacional da empresa Agro Master Produtos Agropecuarios. Será utilizada a pesquisa empírica. Segundo Vergara (2005, p.47) e a pesquisa no local onde ocorre ocorreu um fenômeno ou que dispõe de elementos para explicar-la pode incluir entrevistas, aplicação de questionários, testes, observação participativa ou não. Após verificar quais foram às técnicas de pesquisa que foram utilizadas, será mostrado a seguir como serão analisados os dados coletados. 2.3 ANÁLISE DE DADOS Análise de dados refere-se às informações obtidas na organização, dados o qual serviram para obtenção de informações e consequentemente utilizados no desenvolvimento do relatório. É a parte na qual se demonstra para o leitor como se pretende tratar os dados coletados, assim justificando por que tal tratamento e adequado ao propósito do trabalho. Essa análise tem por objetivo principal obter uma visão geral da organização, visando uma conclusão sobre a mesma e a aprimorarão de seus processos organizacionais. Segundo Marconi e Lakatos (2002, p. 35), análise dos dados é a tentativa de evidenciar as relações existentes entre o fenômeno estudado e outros fatores.

7 6 A abordagem qualitativa é usada no diagnostico por não se compor de métodos estatísticos e matemáticos. Para Oliveira (2004, p.117), as pesquisas que se ultilizam da abordagem qualitativa possuem a facilidade de poder descrever a complexidade de uma determinada hipótese ou problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos Todo o processo de abordagem e coletas de informação e dados para compor o diagnostico organizacional foram realizados na empresa agro máster produtos agropecuários. O objetivo dessa analise e de se obter uma visão maior e aprofundado de todos os departamentos e áreas funcionais da mesma visando sempre a aprimoração dos processos e um alto grau de qualidade nos serviços prestados Após a abordagem dos procedimentos metodológicos (delineamento da pesquisa,técnicas de pesquisa e análise dos dados), será feita a abordagem das características da organização e do meio ambiente.

8 7 3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE A empresa na qual foi realizado as atividades de estágio localiza se na Avenida Pará Q 2, 1096 Lt. 16, setor central, gurupi-to. Tendo hoje como área de atuação venda de produtos agrícolas e consultoria técnica na área agrícola. Será apresentado no seguinte relatório o diagnostico organizacional da empresa, a história e os objetivos, planejamento organizacional, aspectos estartégicos, demonstração da estrutura financeira, aspectos mercadológicos, aspectos de recursos humanos e prestação de serviços da empresa Agro Master Produtos Agropecuarios. 3.1 AMBIENTE INTERNO Através de uma análise mais detalhada do ambiente interno da empresa, pode-se constatar claramente como a empresa Agro Máster Produtos Agropecuários atuam internamente, podendo identificar suas forças e fraquezas, onde encontra-se em evidência os aspectos internos, nos quais serão abordados aspectos estratégicos, financeiro, mercadológicos, recursos humanos e prestação de serviços. A seguir será mostrado como funcionam os aspectos estratégicos da empresa Agro Máster agropecuários e quais os meios que a mesma utiliza para se manter sólida financeiramente Aspectos estratégicos A empresa Agro Máster produtos agropecuários, foi fundada e dado início a suas atividades no ano de 2005 com o objetivo inicial de ser um representante fertibras, trabalhando apenas com adubos sólidos, com um portifólio de apenas três produtos. Durante todo esse tempo a empresa visualizava a necessidade de expansão, tanto de seus horizontes quanto em seu ambiente interno para se manter operante e competitiva no mercado e aos 4 anos depois de sua criação, á empresa expandiu seus negócios atuando no mercado hoje com 3 marcas diferentes e um portifólio bem maior, tais como a marca fertibras, com os produtos adubos trevo e heringe, e a marca micro xisto e cisbrafol, com produtos de fertilizante foliar. Além desses produtos hoje, a empresa trabalha também com um outro mix de produtos, tais como: sementes de soja, milho, arroz, feijão, pastagem, gesso agrícola e defensivos agrícolas, sendo que nos últimos dois anos a empresa passou a realizar consultoria técnica na área agrícola. Tem como público-alvo, produtores agrícolas da região sul do Tocantins, que na denominação de Kotler e Armstrong (2003, p. 63), um público

9 8 consiste em qualquer grupo que tenha um interesse atual ou potencial na organização ou que possa causar um impacto em sua capacidade de atingir seus objetivos. Atualmente a empresa conta com três funcionários sendo que dois atuam na área de vendas e um deles e indicado especificamente para manter o controle interno da empresa. O planejamento estratégico (P. E) foi e sempre será de suma importância no âmbito empresarial, pois possibilita estabelecer um rumo a ser seguido, com vista a obter um nível de otimização na relação da empresa com seu cliente, auxilia nas decisões e adaptações para com o mercado. Dentro da empresa é feito um P. E informal a curto prazo (Semestralmente) tendo em vista que o volume de negócios da empresa varia relativamente nos períodos de safra e entressafra e por depender muito de fatores do ambiente externo já que a maior parte das vendas serem feitas sobre cotações. De acordo Oliveira (2004, p.35), o planejamento é pode ser conceituado como processo desenvolvido para alcançar uma situação desejada. Segundo Bateman e Snell (1998, p. 125), o planejamento estratégico envolve a tomada de decisão sobre os objetivos e estratégias em longo prazo. Ao ser questionado sobre a missão da empresa, o entrevistado citou que a mesma possui a missão de forma informal e que a mesma e de conhecimento de todos seus colaboradores sendo ela, fornecer produtos de qualidade, preços compatíveis com o mercado e um atendimento com excelência. Segundo Costa (2005, p.34) missão, é a razão de existência da organização. Missão é a determinação do motivo central do planejamento estratégico, ou seja, determinação de onde a empresa quer ir. (OLIVEIRA, 2004, p. 51). A visão da empresa diagnosticada existe de forma informal, tendo como tal, ter produtos o suficiente para atender a demanda do produtor e futuramente, um trabalho de assistência técnica ao produtor. Segundo Bateman e Snell (1998, p. 336), visão é uma imagem mental de um estado futuro possível e desejável para a organização. No ponto de vista de Costa (2005, p. 33), afirma como sendo um modelo de um estado futuro altamente desejável, compartilhado com os dirigentes e colaboradores. Quando questionado sobre valores, que segundo Costa (2005 p. 38), São características, virtudes da organização que podem ser avaliadas como se estivessem em uma escala com graduação entre avaliações externas, percebeu-se que não tinha nada formulado formalmente, mas que existia na percepção dos colabores com propósitos semelhantes, de melhoramento e aperfeiçoamento dos processos.

10 9 Ao mencionar sobre as políticas da empresa, o entrevistado citou que as mesmas existem de forma informal, mas que também reconhece sua importância e afirmou compreender que as mesmas facilitam e auxiliam ao executivo nas tomadas de decisões em qualquer nível da empresa. Políticas da empresa é a definição dos níveis de delegação, faixa de valores ou quantidade limites de abrangência das estratégias e ações para a consecução dos objetivos. (OLIVEIRA, 2004, p.79). Em entrevista, o proprietario citou que, na sua percepção, o trabalho em equipe com um único objetivo tendem a obter-se resultados mais satisfatórios. Com base nisso afirmou que a cultura da empresa é sim orientada para a competitividade e o trabalho em equipe, para que se tenha bastante eficácia. Para Bateman e Snell (1998, p. 258), cultura organizacional é o conjunto de suposições importantes partilhadas pelos membros da empresa a respeito da organização, suas metas e práticas. De acordo com Bateman e Snell (1998, p.234), organograma representa as posições na empresa e como estão organizadas. Fornece também um quadro da estrutura da autoridade e da divisão do trabalho. Por ser de pequeno porte a somente dois níveis o estratégico e o operacional. A empresa tem seu desenho organizacional, apresentado no organograma a seguir. Proprietário Assistente administrativo Vendedor Figura1: Organograma da empresa Agromaster Produtos Agropecuários Fonte: Dados primários (2009) Pode-se observar acima no organograma funcional da empresa, o proprietário é responsável pelas avaliações e decisões organizacionais mais relevantes, assistente administrativo e vendedor na parte funcional da empresa. Por ser uma micro-empresa, apesar de se encontrar hoje em fase de crescimento, sua estrutura organizacional que, segundo Marras (2000, p.41), denomina-se estrutura organizacional como o conjunto de funções, cargos, relações e responsabilidade que constituem o desenho ornografico da empresa. Apesar de haver estratégias elas não estão

11 10 claramente definidas, sendo que as mesmas não são repassadas aos seus colaboradores e por fim acabam se tornando inadequada à estratégia da organização, pois o proprietário e o único que retem essas informações. Para Oliveira (2004, p.194), estratégia é definida como um caminho, maneira ou ação formulada e adequada para alcançar, preferencialmente, de maneira diferenciada, os desafios e objetos estabelecidos no melhor posicionamento da empresa perante seu ambiente. A empresa tem seus objetivos na visão de um portífolio maior de produtos e um trabalho eficaz de assistência técnica no campo. Para Zoratto (1997, p.209), os objetivos constituem enunciados das posições em a empresa deseja estar futuramente, em termos de aspecto ou de vários aspectos importantes essenciais. Tendo para isso a elaboração de um plano de ação para suas estratégias visando sempre o alcance de metas para consequentemente realizar seus objetivos. Já que para Oliveira (2004, p.158), os objetivos podem ser conceituado como um estado, situação ou resultado futuro que o executivo pretende atingir. Atualmente a empresa não possui um sistema informatizado propriamente dito. Para Kotler e Armstrong (2003, p. 89), sistema de informação são pessoas, equipamentos e procedimentos para a coleta, classificação, analise e distribuição de informações necessárias precisas e atualizadas para os responsáveis pela tomada de decisão. No ano passado (2008) foi adquirido um sistema, mas devido sua manutenção ser bastante cara e demorada, o proprietário optou por inutilizá-lo, hoje há apenas uma pessoa responsável para realizar o controle interno, mas tendo em vista que um bom sistema de informação e de suma importância para que ocorra um melhor gerenciamento de dados dentro da empresa, o proprietário, já faz um planejamento para ainda esse ano (2009) adquirir um sistema de procedência e manutenção local, para um trabalho mais efetivo assim alcançado todas suas metas. Para Oliveira (2004, p. 78), meta corresponde aos passos ou etapas, perfeitamente quantificados e com prazos para alcançar os desafios e objetivos. Como a organização é considerada de pequeno porte todas as decisões, geralmente, são tomadas pelo proprietário, principalmente as que envolvem a área financeira. Ao mencionar sobre pontos fortes e pontos fracos da empresa, o proprietário citou alguns deles como: não ter toda linha de produto para atender a demanda do mercado e também não ter estoque de defensivos agrícola e adubos. Para Oliveira (2004, p.89), pontos fracos são as variáveis internas e controláveis que provocam uma situação desfavorável para a empresa em relação ao seu ambiente. Seus pontos fortes situam-se no nível tático e operacional da empresa, pois o proprietário possui mais de 10 anos de experiência na área, sempre atuante, conhece mais

12 11 90% de produtores da região sul e produto altamente de qualidade o melhor disponível no mercado hoje. Segundo Oliveira (2004, p. 89), pontos fortes são as variáveis internas e controláveis que proporcionam uma condição favorável para a empresa em relação ao seu ambiente. Para Churchill e Peter (2005, p. 40), responsabilidade social é a preocupação com as conseqüências sociais dos atos de uma pessoa ou instituição na medida em que eles podem afetar os interesses de outros. Tendo em vista hoje a responsabilidade social e o marketing da empresa, além da preocupação com a sociedade carente e mais necessitada, sabendo disto a empresa procura colaborar para o desenvolvimento de pessoas oferecendo oportunidades de estágios acadêmicos, tanto na área administrativa como agrônoma e também realiza doações de alimentos e donativos a creches e instituição de caridade. Stakeholders, segundo Kotler (1998, p.73) a tradução mais próxima seria interessados, ou seja, pessoas ou grupo que tem interesse pela organização. Diante dos dados coletados o que se pode verificar claramente foi à execução de vários elementos estratégicos, mesmo não havendo um planejamento formalizado por parte da organização, mas notou-se bastante flexibilidade para atender às constantes mudanças que ocorrem tanto no ambiente interno como também externo da empresa. A seguir serão exemplificados e explanados os aspectos financeiros da empresa Aspectos financeiros Toda a responsabilidade de manipular e interpretar tudo que envolve as finanças da empresa, e delegada a empresa terceirizada sendo delegado ao contador, assim quando surge a necessidade de captar recursos a empresa recorre a empréstimos bancários. De acordo com Lacombe e Heilborn (2003, p. 121), finanças envolvem todas as atividades de planejamento, controle e execução que dizem respeito às transações com valores monetários, incluindo o registro e a fiscalização. Para Oliveira (2004, p.23), função financeira compreende um conjunto de atividades relacionadas com a gestão dos fundos movimentados por todas as áreas da empresa. Essa função e responsável pela obtenção de recursos necessários e pela formulação de uma estratégia voltada para a otimização de uso desses fundos. O proprietário procurou durante a entrevista deixar bem claro que hoje sua organização ainda não tem seus objetivos e estratégia financeira consistente com os objetivos geral da empresa, mas citou também que devido aos dados econômicos recentes que a

13 12 empresa apresenta hoje a mesma está se planejando para futuros programas de investimentos para sempre atingir suas metas. Semestralmente é feito de forma informal relatórios das despesas e receitas, sendo identificada de forma clara à necessidade do capital de giro. De acordo com Iudícibus e Marion (2000, p. 175 ) descreve que despesa é todo o consumo de bens ou serviços para obtenção da receita. Para Ribeiro (2003), despesas correspondem a diminuições do ativo ou a aumentos do passivo em decorrência do consumo de bens, da utilização de serviços, ou ainda, em decorrência de juros, descontos e impostos. A empresa recorre à maioria das vezes ao banco, mas em boa parte das vezes a organização consegue atender a essa necessidade de capital de giro devido seu estoque girar muito rápido no período de safra. Todo esse processo de análise de dados é utilizado, para se ater a uma base da necessidade de capital de giro já que a organização não possui demonstrativos financeiros apurados. Segundo Hoji (2003, p.109) o capital de circulante e correspondente aos recursos aplicados e ativos circulantes, que se transformam constantemente dentro do ciclo operacional. Para Braga (1995, p.37) as demonstrações financeiras têm por objetivo fornecer o embasamento necessário à compreensão do diversos modelos de analises e planejamentos utilizados nas empresas. O Contador tem um importante papel dentro da empresa, pois as estruturações dos dados da empresa de forma geral facilitam o entendimento dos colaboradores na auditoria interna e externa tanto como também no plano de contas. De acordo com a exemplificação de Bateman e Snell (1998, p.435), uma auditoria interna melhoram o processo de planejamento e o sistema de controle interno da organização. Segundo Bateman e Snell (1998, p.434), uma auditoria externa ocorre quando uma organização avalia a outra. O plano de contas da empresa Agro Máster Produtos Agropecuários, também e de responsabilidade da empresa contábil que foi contratada, tendo de perto o acompanhamento do proprietário. Para Moura (2003, p.35), O plano de contas é um conjunto de contas, diretrizes e normas que disciplinam as tarefas do setor de contabilidade objetivando a uniformização dos registros contábeis.

14 13 De acordo com Lopes de Sá (1998, p.22) Plano de contas é uma peça contábil que estabelece previamente a conduta a ser adotada na escrituração, através da exposição das contas em seus títulos, funções, funcionamento, grupamentos, analises, derivações, dilatações, e reduções. Por ser uma empresa que atua diretamente no ramo de produtos agropecuários, estima-se um grande aumento do volume de vendas no período de safra que vai de abril a setembro e entressafra que vai de outubro a abril do ano seguinte. Com essa perspectiva é executado um processo orçamentário, sendo este feito semestralmente. Segundo Zoratto (1997, p. 213), o orçamento representa a expressão quantitativa em unidades físicas, medidas de tempo, valores monetários etc., dos planos elaborados para o período subseqüente, em geral de dozes meses. Pode-se perceber que a maioria das vendas realizadas pela empresa é a vista ou parceladas no cartão, isso faz com o índice de inadimplência seja muito baixo, porém toda via, no caso de qualquer irregularidade há uma pessoa do escritório para efetuar as cobranças. Todas as aplicações financeiras são planejadas e executadas pelo proprietário. Existe uma conta no nome da empresa na qual somente ele tem acesso já o planejamento tributário e advêm de terceirização/contador. Fabretti (2003, p.32), diz que o planejamento tributário exige, antes de tudo, bom senso do planejador. Há alternativas legais validas para grandes empresas, mas que são inviáveis para as medias e pequenas empresas, dado o custo que as operações necessárias para execução desse planejamento podem exigir. Objetivando sua competitividade no mercado, a empresa estabelece e segue sempre o planejamento financeiro, sempre definindo metas futuras a serem alcançadas incluindo metas de despesas e investimentos para os meses seguintes, sendo elas repassadas a todos seus colaboradores. Segundo Oliveira (2002, p.88), qualquer operação gerada pela empresa que a torne menos rica, ou seja, que diminua seu patrimônio liquido, é uma despesa. Para comparação de dado e verificar se as metas estão sendo atingidas, para poder fazer uma provisão para o período seguinte, é realizado reuniões a cada final de safra, ou seja, de seis em seis meses a empresa também se utiliza bastante do fluxo de caixa para planejamentos financeiros feitos de curto prazo. De acordo com Zdanowicz (2004, p.40), fluxo de caixa é o instrumento de programação financeira, que corresponde às estimativas de entradas e saídas de caixa em certo período de tempo projetado. Toda essa analise acima, feita sobre os aspectos financeiros da empresa demonstra explicitamente, que a mesma, sabe exatamente o para onde quer ir, pois apresenta muitas

15 14 ferramentas e etapas importantes de um planejamento estratégico para seu crescimento, mesmo que de forma informal, isso acaba fazendo com que todos trabalhem com foco em um único objetivo, contribuir para o gerenciamento das estratégias e objetivos organizacionais. Tendo conhecido os aspectos financeiros da empresa segue logo abaixo, os aspectos mercadológicos da mesma Aspectos Mercadológicos Objetivando alcançar a satisfação de todos seus clientes, a empresa Agro Máster produtos agropecuários, tem como marketing, tudo o que a organização realiza e tudo o que planeja parte de um só princípio: o cliente e a alma da empresa. Para tal objetivo tendo a realização do marketing boca a boca e inserções em programas de TV, tendo como único responsável pela área de marketing o proprietário. Em se tratando do marketing, o entrevistado disse ser a maior e mais eficiente ferramenta de vendas e concluiu da seguinte forma, atualmente o marketing, assume um papel extremamente importante dentro da administração moderna e passou de uma função isolada das demais áreas das organizações para uma filosofia de gestão empresarial responsável pela integração de toda a cadeia produtiva da organização. De acordo com Las Casas (2002, p.15), o marketing pode ser definido como a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca, orientadas para a satisfação dos desejos e necessidades dos consumidores, visando alcançar determinados objetivos da organização ou indivíduo e considerado sempre o meio ambiente de atuação e o impacto que estas relações causam no bem-estar da sociedade. A empresa busca sempre divulgar seus produtos e sua imagem junto ao produtor, com o objetivo de levar tranqüilidade e segurança ao mesmo na compra de produtos, fazendo um trabalho de pós venda e acompanhamento de campo, como o objetivo geral de identificar as necessidades e desejos de seus clientes, já que não tem um procedimento estruturado para ouvir ou ajudar seus clientes em necessidades especifica, esse procedimento pode suprir essa carência. Para Kotler e Armstrong (20003, p. 4), desejos são as formas que as necessidades humanas assumem quando são particularizadas por determinada cultura e pela personalidade individual. Segundo Dias (2003, p. 4) necessidade é o estado de carência e privação sentido por uma pessoa, que provoca a motivação para o consumo. A necessidade inata é inerente à natureza humana e não pode ser esgotada. A necessidade adquirida é derivada do ambiente cultural e social e pode ser esgotada.

16 15 Ao analisar a empresa constatou-se que ainda não há departamentalização, o que deixa a encargo do proprietário, não tendo lançado nenhum produto recentemente. Sabendo que a diferenciação é uma ferramenta importante para atrair a clientela, pois a ocasião em que a empresa cria algum fator no seu produto ou serviço que seja único no seu mercado de atuação, a organização tem sua diferenciação voltada diretamente para um produto altamente de qualidade buscando a excelência em seus serviços. De acordo com Bateman e Snell (1998, p. 528), diferenciação e aspecto do ambiente interno de uma organização criado pelas especializações de cargos e pela divisão do trabalho. Já para Las Casas (2002, p.116), diferenciação é uma decisão estratégica que praticamente irá interferir em todas as demais do composto mercadológico. A empresa trabalha com produtos que já são bem conceituados no mercado de adubos foliar, sua estratégia de diferenciação está volta da para o preço e o prazo, embora o valor dos produtos são estabelecidos diariamente mediante cotações são oferecidos preços bastante atrativos o que fideliza ainda mais os clientes. A empresa utiliza-se do comércio eletrônico como mecanismo de vendas, se atendo como foco principal para sua área de atuação, pois promove muito mais facilidade para apresentação de produtos e serviços. Segundo Kotler e Armstrong (2003, p. 454), comércio eletrônico é o termo geral que designa os processos de compra e venda apoiado por meios eletrônicos. Para Dias (2003, p. 422) comercio eletrônico é um canal de vendas de alta conveniência, que permite uma interatividade muito maior, além de oferecer muito mais facilidade para descrições e apresentação multimídia dos produtos e serviços. Em relação ao preço de venda, tudo do mercado mundial, pois os preços de qualquer pedido e feito mediante cotação e varia de acordo com alta e baixa do dólar, porem a cotação feita em um dia o preço do produto valera por três dias seguidos. Se atendo a política de demanda a empresa possui um estoque mínimo para atender os pequenos agricultores, já sua demanda no geral varia sempre do período de safra e entressafra. A empresa hoje baseia-se numa política de atendimento bastante clara, sendo ela totalmente padronizada em termos qualidade, independentemente do cliente buscando alcançar a excelência, disse o proprietário. Algo muito importante que não se pode esquecer é a fidelização de seus clientes. Atualmente a empresa por ainda não possuir um sistema para gerenciar os dados dos clientes, acaba sendo feito tudo de maneira informal e nem sempre se obtém o resultado esperado, mas a empresa já esta atento a isso, segundo o proprietário como já dito antes há um planejamento

17 16 para a aquisição de um sistema que segundo ele também irá suprir a esta necessidade, baseando em fatores de variáveis comportamentais. Para Dias (2003, p. 428) o programa de fidelização torna os clientes fieis, pois é construindo, principalmente pelo relacionamento constante, diferenciado e personalizado por meio de um conjunto de ações, comunicação e entrega de beneficio, estruturado sobre a égide de um conceito de concatena, sistematiza e regulamenta o relacionamento (processo e entrega de valor) entre a empresa e seu cliente. Diante de todas as situações vistas sobre os aspectos mercadológicos da empresa apesar de haver uma formalização dos processos, fica nítido que ela está atenta ao mercado e as necessidades de seus clientes e planeja estruturar para acompanhar o crescimento constante do mercado visando sempre seus objetivos, com uma visão ambiciosa, com o propósito de crescimento e a missão básica de demonstrar seus valores, objetivos e estratégias organizacionais Aspectos de recursos humanos Na empresa Agro Máster Produtos Agropecuários, pelo fato de não haver departamentalização não há um profissional responsável pelas políticas de recursos humanos o que é considerado como um ponto fraco, toda a responsabilidade pelas políticas de recursos humanos fica a encargo do proprietário. Para Chiavenato, (2003, p.21), o RH funciona em um contexto de organizações e de pessoas. Administrar significa lidar com pessoas que participam de organizações. Dentro das políticas de recursos humanos não existem normas formalizadas, foram citadas como normas atendimento padronizado e acompanhamento contínuo das tarefas realizadas diariamente ou periodicamente. Em relação aos problemas e oportunidades que surgem no dia a dia, o gestor possui uma visão bem ampla do cenário econômico que estamos atravessando hoje, pode-se destacalo como pessoa comprometida que visa o crescimento da organização através de políticas claras. Na empresa diagnosticada não há procedimentos formalizados para os cargos, áreas e funções, mas percebe-se que pelo fato de ainda não haver departamentalização, os funcionários tem contato direto com todas as áreas, nas atividades ou decisões mais relevantes e indicado pelo proprietário o funcionário de acordo com a competência da tarefa a ser realizada.

18 17 Para Chiavenato (1999, p. 20), plano de cargos e salários: Compreende as atribuições de identificação, levantamento das descrições de funções pessoais, classificação por grupos ocupacionais e por similaridade, complementação e seqüências; padronização de cargos; titulação de cargos, elaboração de sumário; análise de requisitos; seleção de fatores de avaliação, elaboração do manual de avaliação; avaliação de cargos; ponderação de fatores e graduação de escolas dos fatores; classificação de cargos. Na visão da empresa as características mais importante de seus colaboradores é o comprometimento e a responsabilidade. As mesmas são cobradas pelo proprietário a seus colaboradores. E analisado diariamente pelo proprietário todos os esforços de seus colaboradores, buscando identificar os seus interesses e aplica-los de acordo com os interesses da empresa, possuindo também avaliações periódicas e trabalho de aperfeiçoamento. Os fatores que afetam o clima organizacional da empresa como: bem estar, segurança, saúde, satisfação, motivação e ambiente do trabalho. Mesmo sem um manual formalizado os fatores que afetam o clima organizacional e visto através da estrutura da empresa e da motivação de cada colaborador, espaço confortavel com ventilação, a interação dos funcionarios e a segurança de um bom emprego para sentirem motivados para o trabalho. Conforme Bateman e Snell (1998, p. 360), motivação refere-se a forças queenergizam, dirigem e sustentam os esforços de uma pessoa. ParaGil (2001, p. 135): Motivação é um elemento poderoso na aprendizagem. Aprende mais quem está motivado. Todavia, cabe lembrar que a motivação é de natureza endógena. Logo um treinamento só será motivador quando representar uma resposta às necessidades do treinando. Ele só estará realmente motivado ao perceber que o conteúdo do ministrado poderá lhe ser útil. Sem dúvida colaboradores motivados e com um único objetivo em comum é um fator importante que pode influenciar na competitividade da organização. Já em relação a empresa não possui uma Comissão Interna de Prevenção a Acidentes no Trabalho (CIPA), o que é muito importante dentro de uma organização, porém há indicações preventivas e procedimentos corretos a tomar-se em caso de acidentes. Para Chiavenato (1999, p. 390): A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes é uma imposição legal da CLT Consolidação das Leis do Trabalho. À CIPA cabe apontar os atos inseguros dos trabalhadores e as condições de insegurança existentes na organização. Ela deve fiscalizar o qua já existe, enquanto os especialistas de RH apontam as soluções. A empresa tem uma preocupação clara com a segurança de seus funcionários, não há alguém especializado para orientar os funcionários a respeito de acidentes, por ser uma micro

19 18 empresa ainda não foi implantado porem percebe-se a necessidade da mesma para que possam trabalhar com maior segurança. A empresa hoje tem uma comunicação com seus colaboradores visando sempre a melhoria dos processos e desenvolvimento da mesma havendo sempre uma integração e bom relacionamentos entre as partes. Para recrutamento e seleção do colaborar são recolhido currículos, onde são todos analisados pelo proprietário, quando surge uma vaga e realizado uma entrevista com os candidatos a vaga e logo após a contratação de acordo com a habilidade e competência exigida para o cargo, não sendo estipulado prazo ou mínimo para período de experiência tudo depende exclusivamente do funcionário contratado. Segundo Chiavenato (1999, p. 91), recrutamento corresponde ao processo pelo qual a organização atrai candidatos no MRH para estabelecer seu processo seletivo. A seleção do candidato é concluinda de forma clara para que não tenha nenhum problema para empresa e nem para a pessoa que foi escolhida. De acordo com Chiavenato (2002, p. 225), seleção é um processo de comparação entre duas variáveis: de um lado, os requisitos do cargo a ser preenchido (requisitos que o cargo exige de seu ocupante) e, de outrolado, o perfil das características dos candidatos que se apresentam. A empresa não possui um treinamento com normas detalhadas, ele é feito informamente pelo gestor e os colaboradores da empresa no entanto não há como se obter uma avaliação, mas uma noção de se o está sendo executado corretamente. De acordo com Marras (2000, p. 69), treinamento é um processo de assimilação cultural a curto prazo, que objetiva repassar ou reciclar conhecimentos, habilidades ou atitudes relacionadas diretamente à execução de tarefas ou à sua otimização no trabalho. Não foram desenvolvidos planejamento de carreira ou plano de cargos e salários para os colaboradores. Para Lucena (1995, p. 145), plano de carreira, por sua vez, está relacionado com os objetivos profissionais do indivíduo e suas aspirações pessoais e carreira. Portanto, os planos de carreiras são estabelecidos a partir dos interesses e expectativa do indivíduo. A remuneração dos funcionários e o salário mínimo mais comissões, assim se motiva os funcionários a venda e aumentam suas participações dentro da empresa. O pagamento e realizado mediante folha de pagamento feita pelo contador que repassa o contracheque ao proprietário para concluir o pagamento dos funcionários.

20 19 O absenteísmo é controlado entre os próprios funcionários e observação do proprietário levando em consideração que e uma empresa de pequeno porte e poucos funcionários e não há folha de ponto. Para Marras (2000, p. 191), absenteísmo é o montante de faltas no trabalho, bem como atrasos e saídas antecipadas acontecidas durante um determinado período. A rotatividade dos colaboradores e mínima, o funcionamento da empresa é no período e matutino e verpetino, onde os funcionarios são os mesmo e não tem á necessidades de estar trocando de funcionarios. Marras (2000, p.191), destaca ainda que rotatividade é o intercâmbio de pessoas entre a organização e o ambiente, é definido pelo volume de pessoas que ingressam e que saem da organização. A folha de pagamento das diveras unidades e de responsabilidade do contador que controla o pagamento e os impostos que é devido pela emprsa referente aos funcionarios. Tendo conhecido os aspectos de recursos humanos, o próximo ponto a ser destacado é o de prestação de serviços Aspectos de prestação de serviços Mudando de enfoque para aspectos de prestação de serviços, a empresa Agro Máster Produtos Agropecuários tem como responsável pelos procedimentos adotados na prestação de serviços o titular o qual é formado em administração e especializado como técnico agrícola. Segundo Las Casas (2002, p.16), prestação do serviço pode envolver, entre outros fatores, uma atividade realizada em um produto tangível fornecido pelo cliente; uma atividade realizada em um produto intangível fornecido pelo cliente; a entrega de um produto intangível; e a criação de um ambiente agradável para o cliente. A empresa Agro Máster presta serviço de representação fertibras, estabelecendo a venda direta ao agricultor, a entrega do produto ocorre de acordo com a lotação da carga total já que e feita por empresas terceirizadas com o prazo maxímo de entrega de até três dias. Quando fechado um pedido o processo termina geralmente com o pagamento total ou parcial que e feito no ato da entrega do pedido. Esse tipo de atividade pode ser descrito por um fluxogra, Para Colerghi (2003, p. 41): O fluxograma é um gráfico que demonstra a seqüência operacional do desenvolvimento de um processo o qual caracteriza o trabalho que está sendo realizado, o tempo necessário para sua realização, a distancia percorrida pelos documentos, quem está realizando o trabalho e como ele flui entre os participantes deste processo.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA FUNDAÇÃO UNIRG FACULDADE UNIRG MUNICÍPIO DE GURUPI RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA Acadêmico: Nilton Augusto Figueiras Fagundes Professor

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO ELABORANDO O PLANO DE NEGÓCIOS 16h Entendendo o negócio Perfil do Empreendedor de Sucesso Visão e missão do Negócio Características do Plano de Negócios Plano de Investimento

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 10/2013 PREENCHIMENTO DE VAGA PARA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 10/2013 PREENCHIMENTO DE VAGA PARA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO I - INSCRIÇÕES PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 10/2013 PREENCHIMENTO DE VAGA PARA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO Período: 05/03/2013 a 10/03/2013 Pelo

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

PATRICIA SOARES FEITOSA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA CELTINS

PATRICIA SOARES FEITOSA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA CELTINS PATRICIA SOARES FEITOSA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA CELTINS Relatório organizacional apresentado à Faculdade UNIRG, como requisito parcial para a disciplina Estágio Supervisionado I. Orientador:

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA COMERCIAL DE PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA VEÍCULOS LTDA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA COMERCIAL DE PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA VEÍCULOS LTDA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA COMERCIAL DE PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA VEÍCULOS LTDA Acadêmico: Leonardo Figueredo de Moura Professora

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP)

Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA (PIP) Itu/SP 2013 SUMÁRIO 1) INTRODUÇÃO...04 A) Etapa 1: Proposta...05 B) Etapa

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA! O que faz a auditoria externa?! Quais as funções da auditoria interna?! Qual a interligação entre a auditoria externa

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.02.00.00-6 ADMINISTRAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADONILTON ALMEIDA DE SOUZA Curso

Leia mais

ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO 1

ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO 1 ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO 1 OLIVEIRA, Liziane A. de 2 ; SILVEIRA, Graciela P. 3 ; BERTAGNOLLI, Daniele Dias de O. 4 ; BASSO, Renata L. 2. 1 Trabalho Final de

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA - FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE - FABET JAQUELINE VANESSA MORCHE

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA - FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE - FABET JAQUELINE VANESSA MORCHE 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA - FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE - FABET JAQUELINE VANESSA MORCHE IMPORTANCIA DA CONTABILIDADE NA GESTÃO EMPRESARIAL Concórdia -

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE 1. Diagnóstico Empresarial 2. Definição e Gestão da Estrutura Organizacional 2.1. Administração Estratégica 2.1.1. Processos 2.1.2. Resultados

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO 1 GOLVEIA, Francielli José Primo. 2 DA ROSA, MsC. Wanderlan Barreto. RESUMO Nesta pesquisa, será abordada a importância

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA MÓVEIS DO LAR

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA MÓVEIS DO LAR 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA MÓVEIS DO LAR Acadêmico: Luiz Henrique Matos da Mota Tamires Rodrigues Coelho Professor orientador:

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia GESTÃO E PRÁTICAS EMPREENDEDORAS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ceilândia, Fevereiro de 2014. CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. I II Matriz Curricular vigente a partir de 2010-1 Disciplina Prérequisitos Carga

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 FRANCESCHI, Franciéli Rosa de 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 2 ; NEUHAUS, Mauricio 3 ; COSTA, Vanessa de Matos da 2 ; ROSSATO, Marivane Vestena 2 ; PEGORARO, Delvan

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS Alexandre Costa Quintana 1 Cristiane Gularte Quintana 2 professorquintana@hotmail.com Resumo O presente estudo é resultado de um projeto

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Matriz Curricular vigente a partir de 2010/1 Fase Cód. Disciplina Carga Horária Prérequisitos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VERLANGIERI & VERLANGIERI LTDA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VERLANGIERI & VERLANGIERI LTDA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VERLANGIERI & VERLANGIERI LTDA Acadêmica: Simone Rodrigues Professora orientadora: Donária Coelho

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO

MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA Acadêmica: Raimunda Wania Alves da Silva Professora Orientadora: Donária Coelho

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais