TESTES SOCIOMÉTRICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TESTES SOCIOMÉTRICOS"

Transcrição

1 TESTES SOCIOMÉTRICOS Docente: Mestre Mª João Marques da Silva Picão Oliveira

2 TESTES SOCIOMÉTRICOS * O Teste Sociométrico ajuda-nos a avaliar o grau de integração duma criança/jovem no grupo; a descobrir a maneira como ela está a tentar integrar-se; a ver se a sua experiência social se está a realizar dum modo salutar ou não e, com base nestes dados, melhorar a nossa intervenção pedagógica. PORQUE PODEMOS USAR TESTES SOCIOMÉTRICOS? Um teste sociométrico consiste simplesmente em pedir a cada elemento de um grupo que indique as pessoas com quem gostaria de se associar em diversas situações. Depois de cada um responder às perguntas, são catalogadas as respostas numa folha matriz sociométrica através da qual podemos obter várias informações acerca das crianças/jovens: Contando o número de vezes que uma criança é escolhida, podemos ficar a saber em que grau é que ela é aceite pelos outros membros do grupo. A isto chama-se posição sociométrica. Algumas crianças serão escolhidas muitas vezes e outras menos. Os resultados permitir-nos-ão saber quais são os maiores amigos de cada criança. Podemos verificar se ela tem um grande número de amigos diferentes ou um pequeno número de amigos especiais e também se as crianças que ela considera os seus amigos são os que também gostam dela de um modo especial. O Teste Sociométrico revela a estrutura do grupo como um todo. Através dos resultados podemos ver se é constituído por pequenos grupos mais ou menos fechados ou se há uma integração perfeita. Pode mostrar-nos, também, se existe alguma barreira entre rapazes e raparigas. E quais são as crianças que fazem a sua escolha para além dessas barreiras e que são, portanto, os elementos integrantes do grupo como um todo. Podemos ainda descobrir quem são os líderes do grupo e os seus seguidores. Se aplicarmos o Teste Sociométrico em momentos diferentes, podemos verificar de que maneira a estrutura do grupo, a posição sociométrica e as relações pessoais evoluem. Podemos ainda utilizar os resultados sociométricos para obter outro tipo de informações. Podemos querer saber se os alunos que trabalham melhor na escola são ou não bem aceites pelos seus companheiros; ou podemos ver se os alunos que os professores consideram melhor 2

3 adaptados são aqueles de quem os colegas gostam de um modo especial; ou podemos verificar o efeito produzido pela entrada de novos alunos na turma, ou pela transferência de alguns dos que causavam dificuldades. Os Testes Sociométricos são da maior utilidade na organização de grupos escolares. O uso das escolhas sociométricas - preferências reais das crianças - na organização da vida da turma, ajudar-nos-á a criar um bom clima dentro da aula. Um Teste Sociométrico dá a todas e a cada uma das crianças/jovens de um grupo a oportunidade de nos dizer com quem gosta de brincar, trabalhar ou de estar em determinada situação. Um teste tipo pode ter várias formas. No entanto, todos os tipos de testes sociométricos têm uma coisa em comum: todos pedem a cada um dos indivíduos de um grupo que indique com qual (ou quais) dos outros é que ele prefere estar, numa ou várias situações da vida real (ver questionário). O tipo de teste mais utilizado é o teste sociométrico de «três critérios/três escolhas». Consideram-se três situações (critério) e pede-se a cada criança/jovem que indique (escolha) três amigos com quem prefira estar em cada uma das situações. Os três critérios mais utilizados são os seguintes: Brincadeira livre ao ar livre Actividade dentro de casa à volta da mesa (ou trabalho de carteira) Actividade de grupos organizada (jogos) Utilizam-se estas situações particulares por serem aquelas que as crianças/jovens conhecem realmente na sua vida escolar. A ORGANIZAÇÃO DOS RESULTADOS Depois de ter aplicado um teste sociométrico a cada um dos elementos do grupo/turma a tarefa seguinte é organizar os resultados. 3

4 Numa folha de papel quadriculado, ao cimo da página, em colunas, escrever os nomes de todos os rapazes (ou raparigas) do grupo por ordem alfabética. Deixar um espaço e escrever então os nomes das raparigas (ou dos rapazes), também por ordem alfabética (ver matriz sociométrica). Do lado esquerdo, escrever, outra vez, os nomes dos rapazes (ou das raparigas); deixar um espaço e escrever o nome das raparigas (ou dos rapazes), todos por ordem alfabética, como se fez no cimo da página (ver matriz sociométrica). Inicia-se o registo dos resultados partindo da lista lateral para a lista do cimo da página A lista lateral indica escolhas feitas; a lista do cimo da página indica escolhas recebidas Quando uma criança nunca indicou outra nenhuma vez, deixa-se o espaço em branco. No entanto, quando uma criança é escolhida apenas uma vez, é bom preencher os outros espaços com zero (0), porque facilita a leitura da tabela (ver matriz sociométrica). Depois de se terem anotado todos os resultados na matriz sociométrica são bem visíveis todas as escolhas que cada criança fez, assim como as que recebeu. A partir do registo dos resultados pode então fazer-se a análise sociométrica. A matriz sociométrica contém todas as informações que se obtiveram de uma forma ordenada. Através da sua análise pode-se apreciar toda a estrutura sociométrica da turma. O QUE NOS DIZ A MATRIZ SOCIOMÉTRICA? 1. Índices sociométricos atribuindo a cada entrada registada na coluna vertical de cada criança o valor 1 (sem ter em conta se a 4

5 entrada é dada como 1,2 ou 3), pode-se determinar o número de vezes que cada uma das crianças foi escolhida em cada um dos critérios (ver matriz sociométrica preenchida). Registam-se estas somas na linha que tem como título «Totais em cada critério», na parte inferior esquerda. Calculando o total das somas de cada coluna, determinam-se os índices sociométricos globais. Estes, por sua vez, são registados na linha intitulada «Totais combinados». Estes índices chamam-se índices de posição sociométrica. O seu valor pode oscilar entre 0 (zero) e 20 (vinte) ou mais e classificam-se do seguinte modo: 15 ou mais muito acima da média; 10 a 14 - acima da média; 9 média; 8 a 4 abaixo da média; 3 ou menos muito abaixo da média 2. Número de crianças que escolhem cada uma das crianças pode ser determinado contando o número de linhas que apresentam registos na coluna de cada criança. Registam-se estas somas na linha intitulada «Número dos que escolhem», na parte inferior da página (ver matriz sociométrica preenchida). 3. Número de escolhas feitas por cada criança olhando ao longo de cada linha, da esquerda para a direita, podem contar-se quantas escolhas fez cada uma das crianças. Cada uma tinha, neste caso, seis oportunidades de escolha, mas nem todas as aproveitaram. Registase o número de escolhas que cada uma fez na coluna intitulada «Número de escolhas feitas», à direita da folha. 4. Número de crianças diferentes que cada criança escolhe nesta forma de teste sociométrico uma criança pode escolher de três a seis crianças, ou seja, desde três crianças, duas vezes cada uma, até seis crianças uma vez cada uma. O número de crianças diferentes que ela escolhe determina-se contando o número de colunas que contêm registos na linha horizontal que lhe corresponde. Esta soma e as de todas as outras linhas registam-se na coluna intitulada «Número de escolhidos». 5. Escolhas recíprocas uma criança pode escolher outra que também a escolhe a ela. A isto chama-se escolha recíproca e pode-se determinar a incidência de escolhas recíprocas por meio da matriz sociométrica. Olha-se para os dois quadrados onde as colunas e as linhas das crianças se intersectam e, se houver registos em ambas, 5

6 isso significa que as escolhas foram recíprocas. Para tornar mais clara esta leitura é conveniente fazer um círculo à volta destes registos (ou sublinhar com cor idêntica). Assim, rapidamente se vê quais as crianças que têm escolhas recíprocas e quantas reciprocidades há na turma. Verificar-se-á que algumas destas escolhas recíprocas são aquilo a que se chama escolhas «totalmente recíprocas» - quando uma criança escolhe e é escolhida por outra em cada um dos critérios. Mas há situações em que as escolhas são apenas «parcialmente recíprocas». 6. Intensidade da escolha com a matriz sociométrica pode-se descobrir qual a criança que escolheu outra duas ou uma vez. E, assim, saber quem são as crianças de predilecções fortes. Quais são as crianças que gostam de outras crianças que lhes correspondem na sua predilecção e quais as que gostam de crianças para quem são indiferentes. 7. Subgrupos e grupinhos fechados a matriz sociométrica está organizada de tal modo que os rapazes e as raparigas estão em grupos separados. Assim, pode-se ver rapidamente quantas vezes os rapazes escolheram raparigas e vice-versa. A partir destes resultados pode-se medir as preferências sexuais dentro do grupo. 8. Indiferença sociométrica na matriz sociométrica há-de haver muitos quadrados sem nenhum registo. Estes espaços em branco indicam a «indiferença sociométrica»; consideram-se sociometricamente indiferentes umas às outras as crianças a quem eles correspondem. Isto não significa necessariamente que as crianças em questão sejam hostis umas par com as outras, nem implica que sejam completamente indiferentes do ponto de vista social. 6

7 O CONTRIBUTO DA SOCIOMETRIA NO TRABALHO COM CRIANÇAS/JOVENS Os testes sociométricos dão muitas indicações acerca da estrutura social dos grupos e das relações sociais que existem entre as crianças/jovens que a eles pertencem. Localizam as crianças/jovens isoladas e as que são mais populares. Revelam os grupos fechados. Mostram quem são os amigos e os que não são, e mostram também se esses factos sofreram alterações se forem repetidos passado algum tempo. Os testes sociométricos em si não nos dizem o que devemos fazer às crianças; dão-nos informações e não instruções. A maneira de utilizar essas informações depende de nós, da nossa filosofia acerca da vivência social e da importância que atribuímos às relações sociais da criança/jovem no desenvolvimento da sua personalidade. Na qualidade de adultos a trabalhar com crianças/jovens temos a consciência, quer usemos testes sociométricos ou não, de estarmos frequentemente a organizar grupos sociais e oportunidades de contacto social. Podemos organizar grupos de trabalho de projecto e dispor os lugares nas salas de aula ou escolher os elementos de um grupo que vá desenvolver determinado tipo da actividade. Todas as vezes que o fazemos estamos a influenciar as oportunidades de contacto e de interacção social que as crianças/jovens vão ter. Quanto mais oportunidades de interacção social livre a escola oferece maior número de preferências sociométricas se realizarão na vida. É importante reter um princípio geral: quanto menos segura uma criança/jovem se sente, sob o ponto de vista social, tanto mais necessita de oportunidades para estar com os pares junto dos quais se sente melhor. * Testes Sociométricos Autores: Mary Northway e Lindsay Weld Biblioteca do Educador Profissional Livros Horizonte 7

Guião de entrevista às crianças

Guião de entrevista às crianças Apêndice 1 Guião de entrevista às crianças Tema: Relações entre crianças Objectivo Geral: Obter a opinião das crianças em relação aos seus colegas. Blocos Objectivos específicos Tópicos Formulário de Perguntas

Leia mais

MAIS DE 500 SISTEMAS

MAIS DE 500 SISTEMAS MAIS DE 500 SISTEMAS Para apostar no Totoloto e Euromilhões CD Pacote da Sorte Em Grelhas De 3 até 11 Estrelas (em Pick 2) Gaarraantti iaa dee 22 eem 22 Gaarraantti iaa dee 11 eem 11 SISTEMAS DISPONÍVEIS

Leia mais

Inquérito por questionário Alunos

Inquérito por questionário Alunos Inquérito por questionário Alunos INSTRUÇÕES A seguir apresentamos-te um conjunto de perguntas sobre as tuas aulas. Não há respostas certas nem erradas, por isso pedimos-te que respondas com verdade. Obrigado

Leia mais

Agrupamento de Escolas Rainha D. Leonor Escola Básica 2,3 Eugénio dos Santos Educação Física 8º Ano, Turma A Ano Letivo 2015/2016

Agrupamento de Escolas Rainha D. Leonor Escola Básica 2,3 Eugénio dos Santos Educação Física 8º Ano, Turma A Ano Letivo 2015/2016 Agrupamento de Escolas Rainha D. Leonor Escola Básica 2,3 Eugénio dos Santos Educação Física 8º Ano, Turma A Ano Letivo 2015/2016 Professora Estagiária Sofia Alexandra Alves Miranda sofialvesmiranda@gmail.com

Leia mais

Tabelas de contingência (Tabelas dinâmicas do programa Excel)

Tabelas de contingência (Tabelas dinâmicas do programa Excel) Escola Secundária 2/3 Lima de Freitas Módulo B2 Estatística Computacional 2009/2010 Técnico de Apoio à Infância Nome: Nº Turma: Tabelas de contingência (Tabelas dinâmicas do programa Excel) 1- Introduz

Leia mais

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL INIC. 11º Ano de Escolaridade Prova 375 2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano Módulo de Princípios Básicos de Contagem Combinação Segundo ano Combinação 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Numa sala há 6 pessoas e cada uma cumprimenta todas as outras pessoas com um único aperto

Leia mais

Enunciados Abertos e Enunciados Fechados

Enunciados Abertos e Enunciados Fechados Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matemática Texto 12 Enunciados Abertos e Enunciados Fechados Sumário 1 Enunciados atômicos abertos e fechados 2 1.1 Observações................................

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO COLÉGIO NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO FAMALICÃO ANADIA FICHA DE TRABALHO N.º2 DE MATEMÁTICA Data: Outubro de 2009 Turmas: 12ºA e 12ºB TÉCNICAS DE CONTAGEM: Arranjos com repetição ; Arranjos sem repetição;

Leia mais

Gestão de Identidade. I Alfabeto Secreto. Proposta de Jogo Didáctico para Sensibilização sobre Segurança

Gestão de Identidade. I Alfabeto Secreto. Proposta de Jogo Didáctico para Sensibilização sobre Segurança Gestão de Identidade I Alfabeto Secreto Proposta de Jogo Didáctico para Sensibilização sobre Segurança Esta actividade tem como objectivo sensibilizar as crianças (11-12 anos) para alguns aspectos da segurança,

Leia mais

Programação Universidade da Beira Interior Departamento de Informática 2007/08

Programação Universidade da Beira Interior Departamento de Informática 2007/08 Programação Universidade da Beira Interior Departamento de Informática 1. Faça o fluxograma e o respectivo programa que resolva equações de 2º grau (ax 2 +bx+c=0). O programa deverá pedir ao utilizador

Leia mais

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes.

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes. A UU L AL A Sistemas de cotagem Você já sabe que, embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. Os profissionais que

Leia mais

1 Trabalho e o teorema trabalho-energia

1 Trabalho e o teorema trabalho-energia 1 TRABALHO E O TEOREMA TRABALHO-ENERGIA 1 Atividade em Grupo n Nomes Turma 1 2 3 4 1 Trabalho e o teorema trabalho-energia 1.1 Relacionando trabalho e variação da energia cinética A. Um bloco move-se para

Leia mais

Aula 14 - Correlação e Regressão Linear

Aula 14 - Correlação e Regressão Linear Aula 14 - Correlação e Regressão Linear Objetivos da Aula Fixação dos conceitos para Correlação e Regressão Linear; Apresentar exemplo solucionado com a aplicação dos conceitos; Apresentar exercício que

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA 1 GRÁFICOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA 1 GRÁFICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA Prof. Irineu Hibler 1 GRÁFICOS Os gráficos desempenham na Física Experimental um papel preponderante. Mais facilmente pelos

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

MATEMÁTICA - 3o ciclo Sequências e sucessões (7 o ano) Propostas de resolução

MATEMÁTICA - 3o ciclo Sequências e sucessões (7 o ano) Propostas de resolução MATEMÁTICA - 3o ciclo Sequências e sucessões (7 o ano) Propostas de resolução Exercícios de provas nacionais e testes intermédios 1. Verificando que em cada termo: o número de cubos cinzentos é igual à

Leia mais

Índice. LeYa Multimédia

Índice. LeYa Multimédia Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 3 2. Registo no 20 Aula Digital... 4 3. Autenticação... 5 3.1. Editar os dados de perfil... 5 3.2. Ativar código... 5 4. Página de entrada... 6 4.1. Pesquisar um

Leia mais

LIVRET D ACCUEIL A L ECOLE GUIA DE ACOLHIMENTO NA ESCOLA PORTUGAIS FRANÇAIS/PORTUGAIS

LIVRET D ACCUEIL A L ECOLE GUIA DE ACOLHIMENTO NA ESCOLA PORTUGAIS FRANÇAIS/PORTUGAIS PORTUGAIS LIVRET D ACCUEIL A L ECOLE A escola é laica, gratuita e obrigatória para todas as crianças residentes no território francês a partir dos 6 anos até aos 16 anos. A escola é um direito. É também

Leia mais

5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto ACTIVIDADE 1: ACTIVIDADE 2:

5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto ACTIVIDADE 1: ACTIVIDADE 2: 5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo Saber gerir a mudança Reconhecer experiências de mudança Partilhar experiências de mudança ACTIVIDADE

Leia mais

Introdução a elaboração de questionário

Introdução a elaboração de questionário Introdução a elaboração de questionário Pré-requisitos: Lista das questões Criar uma nova pesquisa Para criar uma nova pesquisa, estando na tela inicial do sistema, clique em Nova pesquisa. No início da

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO Cláudia Martins de Oliveira Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA claudia.moliveira@yahoo.com.br Caroline Lima de Oliveira

Leia mais

13. Já tiveste de ir a Conselho de Turma por teres tido mau comportamento? Não

13. Já tiveste de ir a Conselho de Turma por teres tido mau comportamento? Não (não preencher) N.º DO QUESTIONÁRIO 1. Escola 5º ano 6º ano Turma 2. N.º do aluno 3. Rapaz Rapariga 4. Ano de nascimento 5. Nasceste em Portugal? Sim Não Em que país nasceste? Vivo em Portugal há anos

Leia mais

Tarefas para desenvolver Operações Aritméticas

Tarefas para desenvolver Operações Aritméticas Escola uperior de Educação de Coimbra Tarefas para desenvolver Operações Aritméticas 1. Considera a tabela seguinte: + 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12 3 4 5 6 7 8 9 10 12

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 9

Transcrição de Entrevista nº 9 Transcrição de Entrevista nº 9 E Entrevistador E9 Entrevistado 9 Sexo Masculino Idade 27 anos Área de Formação Engenharia Informática E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o facto

Leia mais

CAMPANHA DE LIVROS ESCOLARES. GD BPI Ano lectivo 2012/2013

CAMPANHA DE LIVROS ESCOLARES. GD BPI Ano lectivo 2012/2013 CAMPANHA DE LIVROS ESCOLARES GD BPI Ano lectivo 2012/2013 WWW.LEYAONLINE.COM Este ano, os associados do Grupo GD BPI têm condições ainda mais vantajosas na compra de livros escolares na loja online do

Leia mais

Microeconomia. 8. Teoria dos Jogos. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Microeconomia. 8. Teoria dos Jogos. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Microeconomia 8. Teoria dos Jogos Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Teoria dos Jogos Teoria dos jogos é o estudo de como os agentes se comportam

Leia mais

Instruções para utilização dos Fóruns pelo Grupo dos Consensos Psiquiátricos para Clínicos Gerais 2005

Instruções para utilização dos Fóruns pelo Grupo dos Consensos Psiquiátricos para Clínicos Gerais 2005 Instruções para utilização dos Fóruns pelo Grupo dos Consensos Psiquiátricos para CONTEÚDO Pág. 1 Introdução 3 2 - Aceder ao site 2.1 Entrar em www.saude-mental.net 3 2.3 Introdução do seu login e password

Leia mais

Microeconomia. 8. Teoria dos Jogos. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Microeconomia. 8. Teoria dos Jogos. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Microeconomia 8. Teoria dos Jogos Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Teoria dos Jogos Teoria dos jogos é o estudo de como os agentes se comportam

Leia mais

Seleção de Problemas:

Seleção de Problemas: 3º Contest Noturno 25 de Julho 213 Servidor CD MOJ: https://www.brunoribas.com.br/~moj/ Seleção de Problemas: Bruno Ribas 1 Par ou ímpar Problema: A Código Fonte: par.{c,cpp,pas,java} Muitas crianças gostam

Leia mais

Apresentação. Materiais

Apresentação. Materiais Cruzada Química Apresentação A atividade lúdica Cruzada Química é semelhante ao jogo popular conhecido como palavras-cruzadas. A atividade, neste caso, é utilizada para o estudo da nomenclatura de substâncias

Leia mais

Matemática 5.º ano Gráficos

Matemática 5.º ano Gráficos Matemática 5.º ano Gráficos Relembra 1. Perguntou-se a um grupo de jovens o que gostam de fazer no sábado à tarde. Observa as respostas, sabendo que cada jovem só podia fazer uma escolha. 1.1. Quantos

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. INICIAR O ZSRest Backoffice... 3 1 4. Confirmar desenho de mesas...... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5.

Leia mais

MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado. Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números

MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado. Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números 1, a, 2, b, c, d,... dizemos que o primeiro termo é 1, o segundo é a, o terceiro é 2, o quarto é b, o quinto é c e

Leia mais

ˆ identicar as forças presentes em situações concretas e representá-las correctamente através de vectores;

ˆ identicar as forças presentes em situações concretas e representá-las correctamente através de vectores; Aula nº6 1 Sumário Estudo da força como grandeza vectorial. Representação de forças num corpo. Força resultante. 2 Objectivos especícos ˆ Compreender que as forças são grandezas físicas que apenas cam

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel

EGEA ESAPL - IPVC. Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel EGEA ESAPL - IPVC Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel Os Suplementos do Excel Em primeiro lugar deverá certificar-se que tem o Excel preparado para resolver problemas de

Leia mais

Exercícios: Vetores e Matrizes

Exercícios: Vetores e Matrizes Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Vetores e Matrizes 1 Vetores 1. Faça um programa que possua um vetor

Leia mais

A equação da circunferência

A equação da circunferência A UA UL LA A equação da circunferência Introdução Nas duas últimas aulas você estudou a equação da reta. Nesta aula, veremos que uma circunferência desenhada no plano cartesiano também pode ser representada

Leia mais

b) Se entre as 7 empresas escolhidas devem figurar obrigatoriamente as empresas R e S, de quantas formas ele poderá escolher as empresas?

b) Se entre as 7 empresas escolhidas devem figurar obrigatoriamente as empresas R e S, de quantas formas ele poderá escolher as empresas? 1 1. (Fgv 97) Um administrador de um fundo de ações dispõe de ações de 10 empresas para a compra, entre elas as da empresa R e as da empresa S. a) De quantas maneiras ele poderá escolher 7 empresas, entre

Leia mais

Os dados quantitativos também podem ser de natureza discreta ou contínua.

Os dados quantitativos também podem ser de natureza discreta ou contínua. Natureza dos Dados Às informações obtidas acerca das características de um conjunto dá-se o nome de dado estatístico. Os dados estatísticos podem ser de dois tipos: qualitativos ou quantitativos. Dado

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca

Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Escola Básica Diogo Bernardes Ano Escolar 2009/2010 Tema matemático: Geometria Nível de ensino: 1.º Ciclo- 1.º Ano Tópicos matemáticos: Orientação Espacial TAREFA:

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma entrevista para o média escolar

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma entrevista para o média escolar Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

Importação de frações

Importação de frações 1. Finalidade Permitir a introdução dos dados gerais das frações a partir de um ficheiro excel. 2. Descrição Quando se está a introduzir um novo condomínio na plataforma, usando o assistente de criação,

Leia mais

Problemas : Sistema de numeração decimal. Operações com números naturais (problemas) - Compreender o sistema de numeração decimal

Problemas : Sistema de numeração decimal. Operações com números naturais (problemas) - Compreender o sistema de numeração decimal Título da Sequência: Área Temática: Conteúdos: Problemas : Sistema de numeração decimal COLECÇÃO DE TURMA : TAMPINHAS Matemática Operações com números naturais (problemas) - Compreender o sistema de numeração

Leia mais

Numa iniciativa inédita, a Rede de Bibliotecas Escolares

Numa iniciativa inédita, a Rede de Bibliotecas Escolares Miúdos a votos: quais os livros mais fixes? Numa iniciativa inédita, a Rede de Bibliotecas Escolares e a VISÃO Júnior organizam a eleição dos livros preferidos das crianças e jovens portugueses. Às crianças

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 10

Transcrição de Entrevista nº 10 Transcrição de Entrevista nº 10 E Entrevistador E10 Entrevistado 10 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Informática E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

Canguru Matemático sem Fronteiras 2009

Canguru Matemático sem Fronteiras 2009 Duração: 1h30min Destinatários: alunos dos 10 e 11 anos de Escolaridade Nome: Turma: Não podes usar calculadora. Há apenas uma resposta correcta em cada questão. As questões estão agrupadas em três níveis:

Leia mais

Anexo A Escala de Autoconceito

Anexo A Escala de Autoconceito Anexo A Escala de Autoconceito - Piers-Harris Children s Self-Concept Scale - Orientações para Administração ESCALA DE AUTO-CONCEITO (Piers-Harris Children s Self-Concept Scale 2) Nome: Idade: Data de

Leia mais

TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO

TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO 3011 Ano Letivo 20-2016 TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO Uma ajuda a alunos e professores para o tratamento da informação 5º, 6º, 7º e 8º e 9º Anos de escolaridade Amélia Macedo & Bernardete Esteves

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 11

Transcrição de Entrevista nº 11 Transcrição de Entrevista nº 11 E Entrevistador E11 Entrevistado 11 Sexo Masculino Idade 25anos Área de Formação Engenharia Informática E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC

Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC Sumário Enquadramento... 1 1. Introdução... 1 1º Passo: Como aceder o Ajuda Online?... 2 2º Passo: Página

Leia mais

José Pacheco. Escola da Ponte

José Pacheco. Escola da Ponte José Pacheco Escola da Ponte Biografia O Prof. José Francisco Pacheco, nasceu em 10 de maio de 1951. Educador português que hoje aposentado tem sua residência atual no Brasil, sendo considerado um Peregrino

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.1 Introdução à Teoria das Probabilidades e da Preferência pelo Risco Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

Interacção estratégica e Teoria de Jogos

Interacção estratégica e Teoria de Jogos Interacção estratégica e Teoria de Jogos IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Nos mercados concorrenciais as empresas não interagem: são demasiado pequenas para influenciar o equilíbrio

Leia mais

ACTIVIDADES NO GEOPLANO. 4. Desenha 2 figuras equivalentes e isoperimétricas, mas que não sejam geometricamente iguais.

ACTIVIDADES NO GEOPLANO. 4. Desenha 2 figuras equivalentes e isoperimétricas, mas que não sejam geometricamente iguais. 1. Usa só dois elásticos e desenha: 1.1 três triângulos; ACTIVIDADES NO GEOPLANO 1.2 um pentágono e quatro triângulos. 1. um pentágono e cinco triângulos. 2. Desenha 2 figuras equivalentes.. Desenha 2

Leia mais

Laboratório de Programação A Exercícios sobre vetores e matrizes

Laboratório de Programação A Exercícios sobre vetores e matrizes Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Programação A - 2011.1 Exercícios sobre vetores e matrizes Observação Esta lista será

Leia mais

DANÔMIO. Objetivos Aprimorar o conhecimento da multiplicação de monômios.

DANÔMIO. Objetivos Aprimorar o conhecimento da multiplicação de monômios. DANÔMIO Objetivos Aprimorar o conhecimento da multiplicação de monômios. Materiais Dado feito de papel com um monômio em cada face, 6 tabelas que apresentam todas combinações de produtos dos monômios de

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 26 A FREQUÊNCIIA RELATIIVA PARA ESTIIMAR A PROBABIILIIDADE Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL

Leia mais

Módulo Divisibilidade. Critérios de Divisibilidade. 6 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda

Módulo Divisibilidade. Critérios de Divisibilidade. 6 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Módulo Divisibilidade Critérios de Divisibilidade 6 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Divisibilidade Critérios de Divisibilidade 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. O tablete de chocolate

Leia mais

O JOGO COMO METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA (MULTIPLICAÇÃO - TABUADA)

O JOGO COMO METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA (MULTIPLICAÇÃO - TABUADA) O JOGO COMO METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA (MULTIPLICAÇÃO - TABUADA) 3º ANO Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática Piraquara Março/2015 1 JOGOS PARA O ENSINO DA MULTIPLICAÇÃO

Leia mais

Matrizes e Determinantes

Matrizes e Determinantes Aula 10 Matrizes e Determinantes Matrizes e Determinantes se originaram no final do século XVIII, na Alemanha e no Japão, com o intuito de ajudar na solução de sistemas lineares baseados em tabelas formadas

Leia mais

Mais de um corte nas vistas ortográficas

Mais de um corte nas vistas ortográficas Mais de um corte nas vistas ortográficas Introdução Dependendo da complexidade do modelo ou peça, um único corte pode não ser suficiente para mostrar todos os elementos internos que queremos analisar.

Leia mais

Quatro alunos do 6º ano de uma escola, em uma aula de matemática, fizeram as seguintes afirmativas:

Quatro alunos do 6º ano de uma escola, em uma aula de matemática, fizeram as seguintes afirmativas: ATIVIDADE PROVÃO 2º BIMESTRE 6º ANO MAT PROVA DIA 09/07 QUESTÃO 01 (Descritor: estabelecer uma conclusão baseando-se nas definições de divisores e múltiplos de um número natural e números primos) Quatro

Leia mais

Jogos com Adições 1. JOGOS LIVRES

Jogos com Adições 1. JOGOS LIVRES Jogos com Adições Como explorar este material? 1. JOGOS LIVRES Objectivo: tomar contacto com o material, de maneira livre, sem regras. Durante algum tempo, os alunos brincam com o material, fazendo construções

Leia mais

QUESTIONARIO. Há quantos anos o/a seu/sua educando/a frequenta esta escola?

QUESTIONARIO. Há quantos anos o/a seu/sua educando/a frequenta esta escola? QUESTIONARIO FAMILIAS Justificação A escola está a participar num projeto europeu cujo tema é combater o abandono escolar, melhorar a convivência e o rendimento escolar. O que se pretende é conhecer como

Leia mais

Seminário Rugby Juvenil

Seminário Rugby Juvenil Seminário Rugby Juvenil Lisboa, 29 Outubro 2005 Escola de Rugby Projecto Operacional Formar e competir, sem formação todos os projectos futuros serão postos em causa. Sem competição não poderá haver progresso

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico

Novo Programa de Português do Ensino Básico Etapa 4 Agora, que já foste introduzido no fascinante mundo das viagens marítimas e quase estiveste a bordo do Navio-Escola Sagres, vais conhecer melhor as aventuras dos portugueses na época dos Descobrimentos.

Leia mais

Manual do Fénix. Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0)

Manual do Fénix. Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0) Manual do Fénix Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0) Este manual tem como objectivo auxiliar a tarefa de gestão de versões da ficha de unidade

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Métodos de Programação Linear: Gráfica, (Mestrado) Engenharia Industrial http://dps.uminho.pt/pessoais/zan - Escola de Engenharia Departamento de Produção e Sistemas 1 Representação Gráfica Considere o

Leia mais

O Jogo de Empreendedorismo

O Jogo de Empreendedorismo O Jogo de Empreendedorismo Mestrado em Engenharia Química e Biológica 1º Semestre 2016/2017 Prof. Luísa Coutinho Começar uma empresa pode parecer uma utopia! É realmente uma tarefa que exige capacidades

Leia mais

5ª Lista de Exercícios de Programação I

5ª Lista de Exercícios de Programação I 5ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C. Questões que envolvam leitura de matrizes, a construção dessas matrizes pode ser realizada através da geração

Leia mais

Aula 5 - Produto Vetorial

Aula 5 - Produto Vetorial Aula 5 - Produto Vetorial Antes de iniciar o conceito de produto vetorial, precisamos recordar como se calculam os determinantes. Mas o que é um Determinante? Determinante é uma função matricial que associa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Diogo Cão. Biblioteca Escolar. (sede) PLANO DE ACTIVIDADES

Agrupamento de Escolas de Diogo Cão. Biblioteca Escolar. (sede) PLANO DE ACTIVIDADES Agrupamento de Escolas de Diogo Cão Biblioteca Escolar (sede) PLANO DE ACTIVIDADES Os poetas e os romancistas são aliados preciosos, e o seu testemunho merece a mais alta consideração, porque eles conhecem,

Leia mais

MATEMÁTICA. Aula 14 Matrizes. Prof. Anderson

MATEMÁTICA. Aula 14 Matrizes. Prof. Anderson MATEMÁTICA Aula Matrizes Prof. Anderson Assuntos Conceito Matrizes com Nomes Especiais Igualdade de Matrizes Operações com Matrizes Matriz Inversa Conceito As matrizes são quantidades de dados passíveis

Leia mais

- Explicar os factores de sucesso do Método Escutista.

- Explicar os factores de sucesso do Método Escutista. O Jogo Escutista Objectivos - Explicar os factores de sucesso do Método Escutista. - Explicar o que é o Jogo Escutista e o que o caracteriza. - Enunciar os seis elementos fundamentais do jogo escutista

Leia mais

PLANEJAMENTO (Rótulos) Portadores de texto - RÓTULOS Oralidade; ordem alfabética, produção de diferentes portadores de textos; argumentação;

PLANEJAMENTO (Rótulos) Portadores de texto - RÓTULOS Oralidade; ordem alfabética, produção de diferentes portadores de textos; argumentação; PLANEJAMENTO (Rótulos) Professor (a): Rosa Ilene Martini Garavaglia Portadores de texto - RÓTULOS Oralidade; ordem alfabética, produção de diferentes portadores de textos; argumentação; Competências criatividade.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALAPRAIA. Avaliação

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALAPRAIA. Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALAPRAIA Avaliação METODOLOGIA DE TRABALHO INSTRUMENTOS DE RECOLHA DE INFORMAÇÃO Questionários Autoavaliação do agrupamento Avaliação do PE Público alvo Pessoal docente /não docente

Leia mais

MATRIZES E SISTEMAS LINEARES 2016

MATRIZES E SISTEMAS LINEARES 2016 1. (Fuvest 016) Uma dieta de emagrecimento atribui a cada alimento um certo número de pontos, que equivale ao valor calórico do alimento ao ser ingerido. Assim, por exemplo, as combinações abaixo somam,

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA

ANÁLISE COMBINATÓRIA ANÁLISE COMBINATÓRIA 1) (PUC) A soma das raízes da equação (x + 1)! = x 2 + x é (a) 0 (b) 1 (c) 2 (d) 3 (e) 4 2) (UFRGS) Um painel é formado por dois conjuntos de sete lâmpadas cada um, dispostos como

Leia mais

Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Nível

Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Nível Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Nível 1 6º e 7º anos do Ensino Fundamental 2ª FASE 14 de setembro de 2013 Nome completo do aluno Endereço completo do aluno (Rua, Av., nº) Complemento Bairro

Leia mais

Relatório Parcial Comissão Própria de Avaliação 2015

Relatório Parcial Comissão Própria de Avaliação 2015 Relatório Parcial Comissão Própria de Avaliação 15 Infraestrutura - DISCENTES Quadro 1. Questões respondidas pelos discentes em relação à estrutura da Instituição QUESTÕES ITEM AVALIADO 1 Espaço físico

Leia mais

Tutorial. Fechamento

Tutorial. Fechamento Tutorial Fechamento - 2016 2 Sumário Módulo Fechamento 2016 - Perfil Professor...2 Módulo Fechamento 2016 - Perfil GOE, Agente de Organização Escolar, Diretor e Vice-diretor...6 Módulo Avaliações...9 3

Leia mais

Projeto Trocamos a Zanga pelo Abraço

Projeto Trocamos a Zanga pelo Abraço Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas Medida 4: Concurso de Projetos Apresentação pública de projetos a concurso Ano Letivo 2012/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCULTOR FRANCISCO DOS SANTOS EB1 / JI da

Leia mais

Estruturas de Dados. / NT Editora. -- Brasília: p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Estruturas de Dados. / NT Editora. -- Brasília: p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Homero Luiz Píccolo Formado em Engenharia Eletrônica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Mestre em Engenharia Elétrica pela Universidade de Brasília. Professor do Departamento de

Leia mais

TEMA 1 COMBINATÓRIA E PROBABILIDADES FICHAS DE TRABALHO 12.º ANO COMPILAÇÃO TEMA 1 COMBINATÓRIA E PROBABILIDADES

TEMA 1 COMBINATÓRIA E PROBABILIDADES FICHAS DE TRABALHO 12.º ANO COMPILAÇÃO TEMA 1 COMBINATÓRIA E PROBABILIDADES FICHAS DE TRABALHO.º ANO COMPILAÇÃO TEMA COMBINATÓRIA E PROBABILIDADES Site: http://www.mathsuccess.pt Facebook: https://www.facebook.com/mathsuccess TEMA COMBINATÓRIA E PROBABILIDADES Matemática A.º Ano

Leia mais

Que instrumentos utilizar na observação? (continuação)

Que instrumentos utilizar na observação? (continuação) Que instrumentos utilizar na observação? (continuação) In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 REGISTOS DE INCIDENTES CRÍTICOS Os registos de incidentes críticos consistem

Leia mais

Combinatória. Samuel Barbosa. 28 de março de 2006

Combinatória. Samuel Barbosa. 28 de março de 2006 Combinatória Samuel Barbosa 28 de março de 2006 1 Princípios Básicos de Contagem Em contagem, tentamos abordar o problema de contar o número de elementos de um conjunto sem efetivamente contá-los de um

Leia mais

Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE)

Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Apostila Organizada por: Kamila Gomes Ludmilla Rangel Cardoso Silva Carmem Lúcia Vieira Rodrigues Azevedo

Leia mais

1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera e calcula o seu volume.

1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera e calcula o seu volume. Instituto Federal do Pará Professor: Ricardo José Cabeça de Souza Disciplina: - Algoritmos e Construção de Programas LISTA DE EXERCÍCIOS 1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera

Leia mais

GRÁFICOS ESTATÍSTICOS

GRÁFICOS ESTATÍSTICOS GRÁFICOS ESTATÍSTICOS DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA Suponhamos termos feito uma coleta de dados relativos às estaturas de quarenta alunos, que compõem uma amostra dos alunos de um colégio A, resultando a

Leia mais

$0,1+$(6&2/$ É5($'(352-(&72. $QR/HFWLYR $7850$'2ž(

$0,1+$(6&2/$ É5($'(352-(&72. $QR/HFWLYR $7850$'2ž( (6&2/$(%0É5,2%(,5 2 %(-$ $0,1+$(6&2/$ É5($'(352-(&72 $QR/HFWLYR $7850$'2ž( ÍNDICE Páginas Introdução..1 Apresento-lhes a minha escola.2 Conselho Executivo 3 Portaria...4 Central Telefónica..5 Biblioteca.6

Leia mais

Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas

Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas dicas! Dica 1 para Ganhar Dinheiro na Internet Com Crie

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008 CASCD DE FARO CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008 PROJECTO PEDAGÓGICO ATL Tarde Os bons filhos têm sonhos ou disciplina, os filhos brilhantes têm sonhos e disciplina.

Leia mais

Trabalho Prático 1 P2P-SDIS

Trabalho Prático 1 P2P-SDIS Trabalho Prático 1 P2P-SDIS Sistemas Distribuídos Nuno Machado Matos - 080509140 Tiago Daniel Sá Cunha 080509142 25 de Março de 2011 Introdução O propósito deste trabalho é a implementação de um sistema

Leia mais

Exercício 1: Dica Importante: Muita gente fica empancada nesta tarefa porque usa a desculpa de. Olá ciclista!

Exercício 1: Dica Importante: Muita gente fica empancada nesta tarefa porque usa a desculpa de. Olá ciclista! Olá ciclista! Este é um PDF de apoio que te vai ajudar a cumprir os primeiros passos necessários para prescreveres o teu treino. Nada é feito por acaso, e por detrás de cada decisão de: O que vou treinar

Leia mais

OBMEP 2010 Soluções da prova da 2ª Fase Nível 1. Questão 1

OBMEP 2010 Soluções da prova da 2ª Fase Nível 1. Questão 1 1 Questão 1 a) O número-parada de 93 é 4, pois 93 9 3 = 27 2 7 = 14 1 4 = 4. b) Escrevendo 3 2 = 6 vemos que 32 3 2 = 6. Como 32 = 4 2 2 2, temos 4222 4 2 2 2 = 32 3 2 = 6 e assim o número-parada de 4222

Leia mais

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental 1. Introdução Júlia Fonseca 2010/2011 CICLO DE GESTÃO Planeamento Implementação Controlo de gestão Ciclo de gestão Planeamento Feedback Implementação Controlo Planear Dirigir e Motivar Controlar PLANEAMENTO

Leia mais

2 Revisão do método AHP

2 Revisão do método AHP 2 Revisão do método AHP 2.1. Definição dos elementos necessários Qualquer problema que seja estruturado ao modo do método AHP, e talvez de alguns outros métodos de decisão multicriteriais, inicia pela

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - FUTSAL -

REGULAMENTO ESPECÍFICO - FUTSAL - REGULAMENTO ESPECÍFICO - FUTSAL - INTRODUÇÃO Este Regulamento aplica-se a todas as competições de Futsal realizadas no âmbito dos XXIV Jogos Nacionais Salesianos, em conformidade com o estipulado no Regulamento

Leia mais