Sistema Operacional de Desenvolvimento Econômico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Operacional de Desenvolvimento Econômico"

Transcrição

1 Sistema Operacional de Desenvolvimento Econômico RELATÓRIO DE EXECUÇÃO ACORDO DE RESULTADOS 1ª ETAPA ANO DE REFERÊNCIA: 2012 Belo Horizonte 1

2 INTRODUÇÃO O presente Relatório se destina a fornecer à Comissão de Acompanhamento e Avaliação CAA - informações sobre o desempenho do Sistema Operacional de Desenvolvimento Econômico no alcance das metas e resultados pactuados na 1ª etapa do seu Acordo de Resultados. Os dados e informações aqui relatados foram consolidados pela Equipe de Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação, que elaborou esse Relatório, por intermédio do Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia Governamental. Os valores alcançados nos indicadores de Finalísticos que não provêm de fontes oficiais de pesquisa e estatística contaram com a supervisão e colaboração do Escritório de Prioridades Estratégicas na apuração dos mesmos. Os percentuais de execução dos Projetos e Processos Estratégicos foram calculados pelo Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia Governamental e verificados pelo Núcleo Central de Gestão Estratégica de Projetos e Desempenho Institucional NCGERAES da Secretaria Estado de Planejamento e Gestão. Os valores alcançados nos indicadores de Qualidade do Gasto foram levantados pela Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. Os demais dados, bem como as informações e justificativas aqui apresentadas foram obtidas junto às áreas responsáveis pela execução das metas e ações pactuadas e correspondem à realidade dos fatos, pelo que assumimos a responsabilidade pela exatidão dos mesmos. As fontes de comprovação dos resultados aqui apresentados estão organizadas e arquivadas junto à Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação da Secretaria ou da Equipe de Apoio à Gestão Estratégica de cada entidade vinculada, de acordo com a responsabilidade pela execução de cada meta, e podem ser consultadas a qualquer momento pela CAA, pela Auditoria Setorial/Seccional, pela Controladoria Geral do Estado ou por outros órgãos de controle e auditoria. Por fim, destaco que a nota de cada indicador contida neste relatório é apenas um dado preliminar, pois a CAA é a instância competente para conferir a nota final aos avaliados. Belo Horizonte, 19 de Junho de DOROTHEA FONSECA FURQUIM WERNECK Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico 2

3 RESULTADOS FINALÍSTICOS Indicador Valor de Referência Rede de Desenvolvimento Integrado: Rede de Desenvolvimento Econômico Sustentável Meta Realizado Peso Notas Evolução de emprego do CAGED , , , Intensidade energética 9,20 9, ,67 Participação das regiões Norte de Minas, Jequitinhonha/Mucuri e Rio Doce no PIB de Minas Gerais 12,20 11, Participação de Minas Gerais nas exportações brasileiras 16,00 13, Participação de Minas Gerais nas exportações de bens de capital Participação do Norte, Jequitinhonha/Mucuri e Rio Doce nos investimentos atraídos em Minas Gerais 4,14 3, , , , ,00 Razão de concentração das exportações 2527, , ,00 Razão entre o PIB per capita de Minas Gerais e do Brasil 88,50 90, ,00 Taxa de investimento 18, ,00 Rede de Desenvolvimento Integrado: Rede de Desenvolvimento social e Proteção Grau de informalidade 39,40 38, ,14 Rede de Desenvolvimento Integrado: Rede de Educação e Desenvolvimento Humano Participação de Minas Gerais no PIB do Brasil 9,81 9, ,42 NOTA FINAL DOS RESULTADOS FINALÍSTICOS 49,53 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE A EXECUÇÃO DOS INDICADORES FINALÍSTICOS 1- Evolução de emprego do CAGED A meta foi alterada, após deferimento da solicitação de mudança, feita através do Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia Governamental. A Superintendência justificou que a meta anterior foi pactuada a partir de um valor de referência equivocado de Com a correção do valor de referência para postos de trabalhos, e utilizando a mesma variação aplicada sobre o valor de referência anterior, a meta seria alterada para postos de trabalhos. Mesmo com a alteração, não foi possível atingi-la devido ao grande decréscimo ocorrido no mês de dezembro, que foi de aproximadamente postos de trabalho. 2- Intensidade energética O indicador foi calculado com auxílio da SEPLAG e Escritório de Prioridades Estratégicas. 3- Participação das regiões Norte de Minas, Jequitinhonha/Mucuri e Rio Doce no PIB de Minas Gerais O indicador é de responsabilidade de apuração do Escritório de Prioridades Estratégicas. 4- Participação de Minas Gerais nas exportações brasileiras O indicador é de responsabilidade de apuração do Escritório de Prioridades Estratégicas. 5- Participação de Minas Gerais nas exportações de bens de capital O indicador é de responsabilidade de apuração do Escritório de Prioridades Estratégicas. 3

4 6- Participação do Norte, Jequitinhonha/Mucuri e Rio Doce nos investimentos atraídos em Minas Gerais De acordo com o Relatório de Fechamento do ano de 2012, do INDI, os investimentos no Norte, Jequitinhonha/Mucuri e Rio Doce, ficaram na faixa de R$ , Razão de concentração das exportações O indicador é de responsabilidade de apuração do Escritório de Prioridades Estratégicas. 8- Razão entre o PIB per capita de Minas Gerais e do Brasil O indicador é de responsabilidade de apuração do Escritório de Prioridades Estratégicas. 9- Taxa de investimento O indicador não foi apurado em Deve ser desconsiderado no momento da avaliação. 10- Grau de informalidade A taxa de informalidade medida pela definição 7 do IPEA apresentou-se em Minas Gerais menor do que média do Brasil, 38,66% contra 40,32% em Entre 2009 e 2011 a redução da taxa em Minas Gerais foi de 4,1 pontos percentuais. A redução se deu principalmente pelo aumento de trabalhadores com carteira de trabalho assinada de 40,4% para 43,5% entre 2009 e 2011 e pelo aumento dos empregadores e trabalhadores por conta-própria com CNPJ e que contribuem com a previdência de 3,6% para 4,6% no mesmo período., O indicador é de responsabilidade de apuração do Escritório de Prioridades Estratégicas 11- Participação de Minas Gerais no PIB do Brasil O indicador é de responsabilidade de apuração do Escritório de Prioridades Estratégicas. 4

5 EXECUÇÃO DOS PROGRAMAS ESTRUTURADORES Projeto / Processo Crédito Incial Nota Centro de Tecnologia e Capacitação Aeroespacial de Minas Gerais R$ ,00 73,51% Desenvolvimento de Parcerias Público Privadas R$ ,00 100% Desenvolvimento do Comércio Exterior Mineiro R$ ,00 95,36% Expansão do Aeroporto Internacional Tancredo Neves R$ ,00 18,73% Implantação de Minas Fácil R$ ,00 100% Interiorização da Oferta de Gás Natural 72,31% Minas Comunica II - - Plano de Desenvolvimento da Distribuidora 100% Plano Macroestrutural do Vetor Norte da RMBH R$ ,00 83,23% Promoção, Atração e Retenção de Investimentos R$ ,00 100% Itens compartilhados pertencentes a outros Sistemas Operacionais R$ ,00 100% NOTA FINAL DOS PROGRAMAS ESTRUTURADORES 84,31 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE A EXECUÇÃO DOS PROGRAMAS ESTRUTURADORES 1- Centro de Tecnologia e Capacitação Aeroespacial de Minas Gerais Em 2012 teve início a obra de acesso ao CTCA, realizado pela Prefeitura de Lagoa Santa em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico. Foi concluído o projeto básico das obras de infraestrutura interna do CTCA. Tendo em vista a alteração da estratégia de contratação do projeto executivo das obras de infraestrutura interna do CTCA, ocorreram atrasos que diminuíram o percentual da taxa de execução do projeto. Despesas Realizadas em 2012:. FUNDEP - Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa - R$ ,00. Projeto Básico CTCA - R$ ,00 2- Desenvolvimento de Parcerias Público Privadas Impressão do Manual para a Estruturação de Verificadores Independentes: Práticas para agregar valor aos projetos de Parceria Público-Privada Projeto PROMG - Modelagem Técnica, operacional e jurídica concluída e aprovada pelo órgão setorial competente. No segundo semestre de 2012 serão abertas as licitações para as concessões administrativas (PPP) do Projeto Sistema Produtor Rio Manso e Resíduos Sólidos, com a previsão de assinatura dos mesmos para início de Portanto, não constam como contratos assinados em 2012, todavia, somente serão iniciados os respectivos procedimentos licitatórios. Bem como, no dia 04 de agosto de 2012, foi publicado o Edital de Contratação de empresa especializada a atuar como Verificador Independente para aferir a qualidade e o desempenho da Concessionária da PPP UAI (Concessão de 6 Unidades de Atendimento Integrado em Minas Gerais). A data para abertura das propostas dessa licitação será no dia 20 de setembro de Para atendimento a meta contratada, foram relacionados os 4 contratos em execução no programa de parcerias Público- Privadas do Estado de Minas Gerais: MG compreende a exploração da Rodovia MG-050 Contrato SETOP 007/ Concessão Patrocinada para Exploração de Rodovias -21/07/2007; 11/10/07 - Contrato de Prestação de Serviços de VI - SETOP nº 011/2007 COMPLEXO PENAL - O projeto prevê a disponibilização de 3000 vagas prisionais 07/04/09 - foi publicada a homologação do processo de licitação e adjudicação do objeto do contrato - Edital de Concorrência nº 001/2008; 5

6 Contrato de Concessão Administrativa /06/09 publicado 24/06/09; Contrato de Prestação de Serviços de VI - SEDS nº /01/12. MINEIRÃO - Visa atender à demanda de preparação para a Copa do Mundo em 2014 Licitação - Concorrência nº 02/ SEPLAG/MG - Processo Administrativo: 128/ /06/10 Publicado a homologação do processo e a adjudicação do objeto da Concorrência SEPLAG nº 002/2010 em 06/11/10; CONTRATO DE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA - Assinado em 21/12/2010; Edital de Licitação - Concorrência nº 001/ PROCESSO DE COMPRA N.º: / datado de janeiro/12. UAI - Implantação, gestão, operação e manutenção de Unidades de Atendimento Integrado UAI. Licitação - Concorrência nº. 001/ Processo nº / /06/2010 Publicado a homologação do processo e a adjudicação do objeto da Concorrência SEPLAG nº 001/2010, em 28/10/10, Contrato de Concessão Administrativa para Implantação, Operação, Manutenção e Gestão de Unidades de Atendimento Integrado (UAI) Nº / /12/2010, publicado em 28/12/10 Edital de Licitação - Concorrência Pública nº / PROCESSO DE COMPRA N.º: / datado de 03/08/12. Servidores capacitados, gerando e reproduzindo conhecimento em PPP Em 2012, foram capacitados 188 servidores, nos seguintes eventos: 20/03/12 - Workshop: "Cláusulas Chave de Contratos de PPP: Experiências e Tendências Internacionais - 40 pessoas capacitadas 10/05/12 - Workshop: "Construção Heurística de Editais de Licitação - 10 pessoas capacitadas 21/08/12 - Workshop: "Verificadores Independentes" - 32 pessoas capacitadas 18/09/12 - Workshop: "Medida Provisória 575/12" - 15 pessoas capacitadas. 07/12/12 - Workshop: "Experiências de Projetos no Brasil e Reino Unido em Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos" - 91 Pessoas capacitadas Esse evento contou com a participação de experiências do Governo Inglês e de outros Estados Brasileiros. Não estava previsto um evento com esta amplitude, sendo assim, ultrapassamos a meta estabelecida para este produto. Abaixo, segue o detalhamento dos investimentos em infraestrutura Pública contratado em contratos de parcerias:, PROJETOS ANO DO CONTRATO MG , ,54 MINEIRÃO , ,92 UAI , ,39 COMPLEXO PENAL , ,47 INDEPENDÊNCIA , ,06 PRTS , ,13 TOTAL , ,51 Despesas realizadas em 2012:. Serviços de consultoria: R$ ,28 3- Desenvolvimento do Comércio Exterior Mineiro Empresas Atendidas Foram realizados atendimentos a empresas em

7 Mês/Ano Meta Realizado % Execução Jan/12 51,00 54,00 105,88% Fev/12 45,00 49,00 108,89% Mar/12 52,00 77,00 148,08% Abr/12 50,00 29,00 58,00% Mai/12 52,00 69,00 132,69% Jun/12 52,00 23,00 44,23% Jul/12 50,00 128,00 256,00% Ago/12 52,00 186,00 357,69% Set/12 52,00 69,00 132,69% Out/12 52,00 110,00 211,54% Nov/12 52,00 36,00 69,23% Dez/12 40,00 197,00 492,50% A participação em feiras a nível nacional e internacional contribuiu para o incremento do número de atendimentos realizados, bem como o aumento das solicitações de notas técnicas internas de outros órgãos do Governo do Estado. Relatórios finais dos Projetos MENA e Food Cluster MENA é um projeto Coaching de Exportação para os Países do Norte da África e Oriente Médio (MENA) O objetivo principal do projeto é facilitar a entrada de produtos e serviços de empresas mineiras, com foco principal na Arábia Saudita, Egito e Emirados Árabes Unidos, aumentando a familiaridade dos empresários de Minas Gerais com estes mercados, identificando oportunidades e desenvolvendo estratégias de marketing para exportação. Food Clusters tem como objetivo estudar e formular diretrizes e estratégias necessárias para a implementação de clusters alimentares no Estado de Minas Gerais. O projeto prevê o mapeamento e a criação de condições básicas para se promover e intensificar a dinamização da extensa cadeia produtiva ligada ao agronegócio. Com a conclusão do projeto, espera-se criar condições básicas para aumentar a dinamização e agregação de valor na cadeia produtiva. Os projetos foram concluídos no final de 2012 e os relatórios foram entregues em dezembro de Eventos de promoção comercial internacional do Estado de Minas Gerais A participação em feiras a nível nacional e internacional contribuiu para o incremento do número de atendimentos realizados, bem como o aumento das solicitações de notas técnicas internas de outros órgãos do Governo do Estado. Abaixo, segue a relação dos eventos: Fevereiro: Feiras: Fruit Logistica e Gulfood Abril: Feira ExpoAlimentos (Porto Rico) Maio: Feira SIAL China Junho: Feiras SIAL Brasil (São Paulo), Superagro (BH), Professional Fair (BH), Expovafé (Três Pontas) Julho: Feira Africa's Big Seven (África do Sul) Setembro: Feiras GIDA World Food (Turquia), Expoalimentaria (Peru), America's F&B (EUA) Outubro: Feiras Centrallia (Canadá), Fruit Attraction (Espanha), Trieste Espresso (Itália) Novembro: Feira FHC China

8 Elaboração de Notas Técnicas, Panoramas Setoriais, Perfil de Países e Pesquisas de Mercado Em foram elaboradas 119 notas técnicas A meta foi ultrapassada devido ao aumento da demanda dos produtos por parte da Governadoria, demais Secretarias e imprensa Mês/Ano Meta Realizado % Execução Jan/12-13,00 - Fev/12-19,00 - Mar/12-33,00 - Abr/12-40,00 - Mai/12-57,00 - Jun/12-72,00 - Jul/12-87,00 - Ago/12-97,00 - Set/12-101,00 - Out/12-109,00 - Nov/12-115,00 - Dez/12 52,00 119,00 228,85% 4- Expansão do Aeroporto Internacional Tancredo Neves Dificuldade na execução das ações do Aeroporto, principalmente as que envolvem a participação da INFRAERO, ocasionaram grandes atrasos no Projeto, que encerrou 2012 com um percentual de execução baixo. A Superintendência de Projetos Especiais ficou prejudicada na execução do Projeto, devido ao atraso no cronograma da Infraero, ocasionando a impossibilidade do cumprimento da meta. Vale ressaltar que a meta foi pactuada com base neste cronograma. Despesas realizadas em 2012:. Diárias- R$ 1.637,70. Serviços de Consultoria - JOHN DALE KAZARDA - R$ ,00. Projeto Básico Executivo do Terminal Passageiros - R$ ,24. Estudos Ambientais - R$ ,32 5- Implantação de Minas Fácil Em 2012 a Jucemg abriu 37 unidades do Minas Fácil, levando ao cidadão uma prestação de serviço de qualidade, cumprindo assim sua missão de contribuir para a geração de riqueza e trabalho em toda Minas Gerais., O Minas Fácil é um serviço da Jucemg em parceria com diversos órgãos, para facilitar a abertura de empresas no estado de Minas Gerais. Nos últimos dois anos, a Jucemg ousou ao expandir exponencialmente no número de unidades do Minas Fácil, privilegiando as regiões norte, noroeste e vale do Jequitinhonha, até então esquecidas. Em 2012 a Jucemg abriu 37 unidades do Minas Fácil, levando ao cidadão uma prestação de serviço de qualidade, cumprindo assim sua missão de contribuir para a geração de riqueza e trabalho em toda Minas Gerais. A dificuldade encontrada na implantação de novas Unidades do Minas Fácil encontra-se no engajamento das Prefeituras Municipais na simplificação de seus processos e legislações e na cessão de corpo técnico qualificado para trabalhar nas Unidades. 6- Interiorização da Oferta de Gás Natural A ação de interiorização da oferta de gás natural, com o objetivo de expandir a oferta de gás natural no interior do Estado de Minas Gerais, atendendo 100% da demanda de gás natural geradora de emprego em nosso Estado, visava, para o ano de 2012, a ligação de 3 municípios Governador Valadares (Rio Doce), Itabira (Vale do Aço) e Pouso Alegre (Sul de Minas) 8

9 totalizando um investimento orçado em R$20,15 milhões. No ano de 2012, a Gasmig investiu R$41,7 milhões na expansão das Redes de Distribuição de Gás Natural (RDGN), resultando na construção 25,8 Km para atender a municípios na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no Sul de Minas, no Vale do Aço e na Mantiqueira. Devido a fatores externos sobre os quais a Gasmig não possuía capacidade de controle ou mitigação a ligação aos 3 municípios não pode ser concluída conforme previsto. Cabe destacar que a ligação no município de Pouso Alegre dependia da assinatura do contrato entre a Gasmig e a empresa XCMG Brasil, que somente veio a realizar-se em Com relação a Governador Valadares e Itabira, a ligação da base de compressão, em Ipatinga, depende de travessia do gasoduto sob rodovias federais, cuja autorização está a cargo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e de autorização da Agência Nacional do Petróleo-ANP para início do funcionamento. Os fatores mencionados foram levantados no Planejamento de Riscos no decorrer do ano. Não obstante as dificuldades enfrentadas, cabe ressaltar a realização de alguns marcos, considerados importantes para a eficácia da ação: conclusão do Projeto Executivo do Gás Natural Comprimido (GNC) em Governador Valadares e Itabira em 31/05/2012; contratação da empresa responsável pela logística do GNC com serviços de compressão, transporte e descompressão em 31/08/2012; e emissão de Ordem de Serviço para construção da rede em Polietileno de Alta Densidade (PEAD) no Município de Governador Valadares. 7- Minas Comunica II A licitação 4G da ANATEL trouxe obrigações para a operadora VIVO (ganhadora da licitação em Minas Gerais), para fazer atendimento em telefonia (voz e dados) no meio rural, com isso as atividades propostas no cronograma do projeto, ficam temporariamente interrompidas em virtude do não conhecimento do plano de atendimento a ser proposto pela Vivo. Portanto as atividades do cronograma foram canceladas. 8- Plano de Desenvolvimento da Distribuidora Objetivando incrementar a disponibilidade de energia elétrica de forma contínua, com qualidade, segurança e na quantidade requerida pelos consumidores, promovendo desenvolvimento social, industrial e comercial, em 2012, foram realizados R$ 254 milhões em investimentos na expansão, reformas e melhorias no sistema elétrico de distribuição da CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A., com destaque para os seguintes empreendimentos: SE Águas Formosas (7,5 MVA) - R$ 7,4 milhões; SE Caratinga (8 MVA) - R$ 6,8 milhões; SE Cláudio 2 (48 MVA) - R$ 9,9 milhões; SE Frutal 2 (8 MVA) - R$ 16 milhões; SE Guaxupé (15 MVA) - R$ 3 milhões; SE Itaobim (5 MVA) - R$ 16 milhões; SE Joaquim Murtinho (município de Congonhas) (15 MVA) - R$ 8 milhões; SE móvel Vila do Conde (município de Nova Lima)(10 MVA) - R$ 1 milhão; SE Poté (7,5 MVA) R$ 11 milhões; SE Novo Cruzeiro (7,5 MVA) - R$ 10 milhões. SE Esmeraldas (30 MVA) - R$ 19 milhões. SE Pouso Alegre 2 (25 MVA) - R$ 8 milhões; SE Santa Luzia 4 (50 MVA) - R$ 20 milhões; Expansão, Reforço e Reforma em Média e Baixa Tensão - R$ 58 milhões investidos em: extensão de novas redes, recondutoramento, conversão de redes monofásicas para trifásicas e substituição e/ou instalação de novos equipamentos em todo o estado. Perfazendo um total de 694 km de redes novas e/ ou melhoradas. A regionalização dos grandes empreendimentos em 2012 possui a seguinte composição: Região do Jequitinhonha/Mucuri: 27,5 MVA; Região do Rio Doce: 8 MVA ; Região Central: 105 MVA; Região Centro-Oeste: 55,5 MVA; Região Sul de Minas: 32,5 MVA; Região do Triângulo: 8MVA. 9

10 Figura1: Resultado do Plano de Desenvolvimento da Distribuidora 2012 Figura2: Entregas em MVA por Município/ Região. 10

11 Figura 3: Construção de Linha de Distribuição 69KV Poté- Novo Cruzeiro Figura 4: Implantação da SE Novo Cruzeiro Figura 5: Conversação de rede de distribuição 13,8KV de convencional (nua) para protegida / isolada - BH 9- Plano Macroestrutural do Vetor Norte da RMBH Em 2012, foi contratada a empresa Planex para a elaboração dos projetos executivos dos trechos: Entrº LMG/800 (AITN) - Entrº MG/010 (A) (Lagoa Santa) Acesso ao CTCA; Trecho: Santa Luzia (FRIMISA) - Plataforma Logística da RMBH - Entrº Contorno Leste de Lagoa Santa; Acesso à Plataforma Logística; Via Perimetral Leste do AITN; Entrº MG/010 (B) (Lagoa Santa) - Entrº MG/020; Ribeirão das Neves - Entrº LMG/800. Atrasos no início da execução do contrato com a Planex e pequenos atrasos no levantamento de dados para a elaboração dos projetos executivos, diminuíram a taxa de execução do Projeto. Despesas realizadas em 2012:. Elaboração dos projetos executivos dos trechos rodoviários - R$ ,00. CGP Consultoria Gerenciamento e Planejamento LTDA. - R$ , Promoção, Atração e Retenção de Investimentos Durante o ano de 2012 obteve-se um volume de investimentos da ordem de R$17,5 bilhões nos mais diversos setores, o que terá impactos ainda maiores sobre a geração de novos postos de trabalho ao longo da cadeia produtiva, implicando em aumento da renda e da arrecadação., No ano de 2012 foram gerados empregos diretos e indiretos, compromissados pelas empresas quando na assinatura dos Protocolos de Intenções com o Estado. 11

12 Despesas com obras de infraestrutura, realizadas em 2012: - Marluvas - R$ ,00 - Dique - Santa Luzia - R$ ,97 - Jeceaba - R$ ,62 12

13 QUADRO DE AÇÕES DE MELHORIA INSTITUCIONAL: PRODUTOS E INDICADORES PRODUTOS No Produto / Marco 1 Entregas dos produtos previstos nos contratos assinados. Data Pactuada Data de Realização Dias de Atraso Peso Nota 20/12/ /12/ ,50 100,00 No Indicador INDICADORES Valor Referência Meta Realizado Peso Nota 3 Tempo médio de abertura de empresas 9,00 9,00 6,00 12,50 100,00 4 Tempo médio de encerramento de empresas 32,00 30,00 27,00 12,50 100,00 5 Índice de Execução dos Itens comuns - 100% 97,50 12,50 97,50 NOTA FINAL DAS AÇÕES DE MELHORIA INSTITUCIONAL 99,38 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE A EXECUÇÃO DAS AÇÕES DE MELHORIA INSTITUCIONAL 1- Entregas dos produtos previstos nos contratos assinados. Foi assinado o contrato do Master Plan Econômico, em 03/12/2012. A publicação no Diário Oficial de Minas Gerais ocorreu no dia 04/12/2012. A empresa contratada foi a CH2MHILL. 2- Matriz de responsabilidades para as Operações de Crédito definida Matriz de Responsabilidades validada pelos dirigentes SEDE/SEF/SEPLAG, em 27/07/2012. Houve atraso na data da entrega do produto, devido ao volume de operações que estavam sendo contratadas e indefinição do responsável pela validação da prestação de contas no momento da solicitação do desembolso. O responsável ficou sendo o órgão executor da operação. 3- Tempo médio de abertura de empresas Possibilita o início das atividades da empresa no menor tempo possível, evitando custos adicionais. A simplificação do processo de abertura foi realizada e atingimos a meta, que está sendo monitorada diariamente. 4- Tempo médio de encerramento de empresas O esforço conjunto dos órgãos para redução dos prazos beneficia o empreendedor que á foi prejudicado pelo insucesso de sua atividade. O processo de extinção que era realizado em mais de 60 dias teve o prazo máximo reduzido para 30 dias e está sendo realizado em 27 dias. 5 - Índice de Execução dos Itens Comuns Corresponde à média das notas dos itens comuns pactuados na 2ª Etapa do Acordo de Resultados. 13

14 QUADRO DE AÇÕES INTERSETORIAIS: PRODUTOS E INDICADORES PRODUTOS No Produto / Marco Data Pactuada 1 1 Investimento de indústria limpa e de alto valor agregado atraído para a área de uma das três centralidades definidas no Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da RMBH. 2 Análise comparativa dos modelos de financiamento proposto para as CRG's 23ª e 40ª com o modelo atual implementado na 20ª CRG - Formiga 3 Apresentação da proposta de PPP de Manutenção Rodoviária ao Conselho Gestor de PPP 4 Contratação do diagnóstico funcional da malha viária da 23ª CRG - Governador Valadares e da 40ª CRG - Coronel Fabriciano do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais. 5 Conversar com 5 empresas de cada um dos 8 setores definidos em estudo realizado pela SEGEM e apresentar o projeto de centralidades 3 novas áreas- e convidá-los para se instalar no território prédeterminado pelo estudo do PDDI 6 Mapeamento das demandas e compartilhamento de soluções em desenvolvimento de georreferenciamento no Estado de Minas Gerais 7 Modelo de governança de Mobilidade Metropolitana estruturado. (Definição do fluxo de trabalho) 8 Novo fluxo do processo de licenciamento ambiental para novos empreendimentos atraídos, com vistas a melhorar a comunicação, acrescentar celeridade e favorecer o investimento sem prejuízo à qualidade ambiental. 9 Plano de Capacitação e de Desenvolvimento de Educação Superior de Profissionais voltados para a área de Empreendimentos Estratégicos, em Minas Gerais concluído. 10 Plano de Desenvolvimento da Educação Profissional em Minas Gerais concluído 11 Programa de incentivo à aquisição e plantio de florestas de produção de base sustentável elaborado 12 Matriz de responsabilidades para as Operações de Crédito definida Data de Realização Dias de Atraso Peso Nota 31/12/ /11/ ,00 100,00 31/08/ /07/ ,75 100,00 30/09/ /09/ ,50 100,00 16/07/ /06/ ,75 100,00 31/10/ /12/ /12/ ,00 100,00 30/09/ /09/ ,50 100,00 30/06/ /06/ ,00 100,00 01/07/ /06/ ,00 100,00 21/12/ /12/ ,00 100,00 08/06/ /06/ ,50 90,00 30/06/ /07/ ,00 80,00 14

15 INDICADORES No Indicador Valor Referência Meta Realizado Peso Nota 13 Percentual de execução das ações previstas na Agenda Social dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas - SEDE 100,00 100,00 2,50 100,00 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE AS EXECUÇÕES DAS AÇÕES INTERSETORIAIS NOTA FINAL DAS AÇÕES INTERSETORIAIS 97, Investimento de indústria limpa e de alto valor agregado atraído para a área de uma das três centralidades definidas no Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da RMBH. Protocolo assinado e publicado com indústria de um dos tipos definidos a partir de estudos realizados em 30/08/2012. Através de uma parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, foi assinado um protocolo de intenções com a empresa Six Semicondutores S.A. para se instalar em Ribeirão das Neves. 2- Análise comparativa dos modelos de financiamento proposto para as CRG's 23ª e 40ª com o modelo atual implementado na 20ª CRG - Formiga Os resultados obtidos da análise comparativa identificou que há possibilidade de obtenção de vantagem econômica e operacional, já que os custos através da PPP seriam significativamente menores do que os custos atuais. Dessa forma, haverá uma melhor aplicação dos recursos públicos. 3- Apresentação da proposta de PPP de Manutenção Rodoviária ao Conselho Gestor de PPP O serviço público de manutenção rodoviária, prestado pelo Estado de Minas Gerais, possui atualmente uma lógica de execução pelo Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER/MG) em que contratos com vigência máxima de cinco anos são celebrados, no intuito de prover os usuários das rodovias estaduais de serviços e obras que as mantenham em boas condições de trafegabilidade. O projeto de PPP de Manutenção Rodoviária constitui uma nova alternativa apresentada para a prestação destes serviços por meio de parceria público privada, na modalidade de concessão administrativa. Os benefícios da realização do projeto se referem fundamentalmente aos ganhos econômicos e financeiros trazidos pela contratação dos serviços por meio de contratos de longo prazo, o que por sua vez, cria incentivos ao contratado em promover ciclos de restauração mais duradouros e de melhor qualidade. Em suma, os contratos de PPP para a prestação dos serviços de manutenção rodoviária constituem uma alternativa mais vantajosa econômica e financeiramente para a conserva de rodovias. Como dispõe a Lei Estadual nº /2003, que dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público Privadas, os projetos de PPP necessitam de autorização do Conselho Gestor de Parcerias Público Privadas CGPPP para que sejam incluídos no Plano Estadual de PPPs. Desta forma, o referido marco de apresentação do projeto de PPP de Manutenção Rodoviária ao CGPPP constitui exigência legal ao desenvolvimento do projeto como um todo. O Projeto foi apresentado ao Comitê Gestor de PPP, no dia 19/09/ Contratação do diagnóstico funcional da malha viária da 23ª CRG - Governador Valadares e da 40ª CRG - Coronel Fabriciano do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais. Em 22/06/12, o Secretário da SETOP homologou a Tomada de Preços 002/12, adjudicando o contrato à empresa CGP CONSULTORIA, GERENCIAMENTO E PLANEJAMENTO LTDA., pelo valor global de R$ ,00. Publicado no Diário Oficial de MG, dia 23/06/ Conversar com 5 empresas de cada um dos 8 setores definidos em estudo realizado pela SEGEM e apresentar o projeto de centralidades 3 novas áreas- e convidá-los para se instalar no território pré-determinado pelo estudo do PDDI O produto foi cancelado a partir de solicitação de mudanças encaminhada ao COIMGE. 6- Mapeamento das demandas e compartilhamento de soluções em desenvolvimento de georreferenciamento no Estado de Minas Gerais Ofício encaminhado à Subsecretária Adriane Ricieri, em 28 de dezembro de

16 7- Modelo de governança de Mobilidade Metropolitana estruturado. (Definição do fluxo de trabalho) O convênio que define a parceria entre a SEGEM/Agência RMBH, SETOP e SEDE foi aditado em 27/09/2012. Contudo, fica o desafio para 2013 de iniciar os trabalhos do Escritório de Mobilidade. 8- Novo fluxo do processo de licenciamento ambiental para novos empreendimentos atraídos, com vistas a melhorar a comunicação, acrescentar celeridade e favorecer o investimento sem prejuízo à qualidade ambiental. Dia 29/06/2012, foi encaminhado ao NCGERAES, contendo o novo fluxo com a respectiva descrição das tarefas. Através do Ofício Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação / SISEMA / Nº 014/2012, de 02/07/2012, foi encaminhado à SEPLAG os documentos: 1)Fluxo de regularização ambiental para novos empreendimentos atraídos, validado pelo SISEMA e pela SEDE; 2) Descrição do Fluxograma do Processo de Regularização Ambiental de empreendimentos atraídos pelo INDI; 3) Tabela de Controle dos Processos de Regularização Ambiental (PRA), de empreendimentos atraídos. 9- Plano de Capacitação e de Desenvolvimento de Educação Superior de Profissionais voltados para a área de Empreendimentos Estratégicos, em Minas Gerais concluído. Foi firmado, em 18/06/2012, parceria entre o Governo de Minas Gerais e a empresa indiana INFOSYS, para implantação de um programa de capacitação de estudantes, professores e profissionais da área de TI, no centro de treinamento da empresa na Índia. No dia 06/07/2012, foi comunicado pela Governadoria, a confirmação da SEPLAG de que o MoU (Memorandum of Understanding), assinado com a INFOSYS foi considerado instrumento válido para cumprir a meta intersetorial do Acordo de Resultados, envolvendo a SEDE, SECTES e SGG. O Governador Antonio Anastasia entregou, no dia 25/01/2013, no Palácio Tiradentes, certificados de conclusão de capacitação a 59 estudantes, professores e profissionais que participaram do programa de capacitação. 10- Plano de Desenvolvimento da Educação Profissional em Minas Gerais concluído O item não foi finalizado em Foi repactuado em 2013 no Acordo de Resultados do órgão responsável. 11- Programa de incentivo à aquisição e plantio de florestas de produção de base sustentável elaborado Ação realizada em parceria pela SEMAD, SEAPA, SECTES e SEPLAG. Posteriormente à elaboração do Programa, criou-se um Projeto Estratégico coordenado pela SEAPA para colocar as atividades do plano em prática. 12- Percentual de execução das ações previstas na Agenda Social dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas - SEDE O indicador foi desconsiderado pelo Comitê Integrado de Mudanças (COIMGE). 16

17 INDICADORES DE QUALIDADE DO GASTO Indicadores de Qualidade do Gasto 1A 1B 1C Limite de Gastos com despesas operacionais - em valores absolutos Percentual de participação das despesas operacionais em relação à despesa total Percentual da receita arrecadada em relação às despesas operacionais Índice de Compras Eletrônicas - Pregão e COTEP Índice de Elaboração e Acompanhamento de Planejamento Anual de Compras Públicas Taxa de aquisição dos itens das famílias de compras desenvolvidos e implantados pelo Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos GES, incluídos em Atas de Registro de Preços vigentes. Índice de Desempenho do Planejamento - Dimensão Ação (IDP-A) Índice de Regionalização da Execução Monitoramento do SIGPLAN Acordo de Resultados Quadro de Indicadores de Qualidade do Gasto - SEDE Peso 15% 15% 15% 15% 15% 15% 10% Órgão / Entidade Meta 2012 Resultado Aferido Desempenho Nota SEDE R$ R$ ,75% acima da meta JUCEMG R$ R$ ,47% abaixo da meta SEDE 11,55% 14,46% 25,19% acima da meta JUCEMG 65,00% 55,84% 14,09% abaixo da meta SEDE JUCEMG 320,81% 260,05% 18,94% abaixo da meta SEDE 90% 96,15% Meta cumprida JUCEMG 90% 100,00% Meta cumprida SEDE 70% 40,63% Meta não cumprida JUCEMG 70,00% 100,00% Meta cumprida SEDE 10,00 10,00 Meta cumprida JUCEMG 10,00 10,00 Meta cumprida 10 Todos os órgãos do sistema Todos os órgãos do sistema Todos os órgãos do sistema 0,268 0,279 0,900 48,18% 100,00% 80,00% 3,89% acima da meta 46,47% abaixo da meta 20% abaixo da meta NOTA FINAL DO SISTEMA 85,25 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE A EXECUÇÃO DOS INDICADORES QUALIDADE DO GASTO, POR ENTIDADE AGRUPADO POR INDICADOR 1-1A - Limite de gastos com despesas operacionais em valores absolutos JUCEMG: A JUCEMG manteve-se dentro do limite estabelecido, obtendo nota máxima para este indicador. SEDE: O alcance da meta não foi possível, pois, 77% do executado neste item refere-se à contratação de consultoria, através dos programas estruturadores. Sendo assim, duas grandes consultorias foram contabilizadas neste item, o Projeto Mena e Master Plan, através de operação de crédito, o que inviabilizou o alcance desta meta em detrimento às metas finalísticas. 17

18 2-1B Percentual de participação das despesas operacionais em relação à despesa total JUCEMG: PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO DAS DESPESAS OPERACIONAIS EM RELAÇÃO À DESPESA TOTAL: A JUCEMG manteve-se dentro do limite estabelecido, obtendo nota máxima para este indicador. SEDE: PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO DAS DESPESAS OPERACIONAIS EM RELAÇÃO À DESPESA TOTAL: O alcance da meta não foi possível, pois, 77% do executado neste item refere-se à contratação de consultoria, através dos programas estruturadores. Sendo assim, duas grandes consultorias foram contabilizadas neste item, o Projeto Mena e Master Plan, através de operação de crédito, o que inviabilizou o alcance desta meta em detrimento às metas finalísticas. 3-1C Percentual da receita arrecadada em relação à despesa operacional JUCEMG: A JUCEMG não se manteve dentro do limite estabelecido, porém ressalta que a meta proposta (320,81%) foi objeto de tentativa de negociação por parte da Autarquia, que propôs que esta fosse reduzida para 260%. A contraproposta foi devidamente justificada com base em expectativa de receita de R$ ,00 e valor para despesas operacionais de R$ ,00. Além disto, valores de saldos financeiros de exercícios anteriores (superávit) foram utilizados para acobertar despesas relativas à locação e adequação dos prédios alugados para sede temporária da Jucemg, não sendo considerada parte da receita anual, mas as despesas operacionais relativas a estas despesas são apropriadas como despesas do ano, o que diminui o percentual alcançado e, para este indicador, impacta negativamente. Como a nota válida referente ao Indicador Racionalização das Despesas Operacionais é avaliada a partir da melhor nota dos 3 indicadores, a Jucemg alcançou a meta proposta. 4- Índice de Compras Eletrônicas - Pregão e COTEP JUCEMG: A JUCEMG superou a meta estabelecida, obtendo nota máxima para este indicador. SEDE: O cumprimento da meta acima do acordado é devido ao esforço da SPGF em atender as diretrizes da Administração Central. 5- Índice de Desempenho do Planejamento-Dimensão Ação (IDP-A) JUCEMG: A JUCEMG superou a meta estabelecida, obtendo nota máxima para este indicador. SEDE: É o elemento de avaliação do planejamento realizado pelas unidades, visando, vincular o alcance das metas estabelecidas no PPAG. A SEDE, em prol do alcance da meta, realizou esforços no sentido de equilibrar o planejamento à época do PPAG e a sua execução, visando a otimização do desempenho entre o programado e o executado. 6- Índice de Execução e Acompanhamento do Planejamento de Compras JUCEMG: ÍNDICE DE ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANEJAMENTO ANUAL DE COMPRAS PÚBLICAS: A JUCEMG superou a meta estabelecida, obtendo nota máxima para este indicador. SEDE: ÍNDICE DE ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANEJAMENTO ANUAL DE COMPRAS PÚBLICAS: O não cumprimento da meta acordada é consequência de realizações de compras de grandes vultos, sem o devido planejamento pelas unidades responsáveis, como a renovação do contrato da FUNDEP processo 031/2012 no valor de R$ ,00 e Contratação de consultoria (Banco Mundial) processo 077/2012 no valor de R$ , Índice de regionalização da Execução JUCEMG: A JUCEMG superou a meta estabelecida, obtendo nota máxima para este indicador. SEDE: Uma das funções da SEDE é a de estimular a inovação, aumentar os investimentos para gerar empregos de qualidade, nesse sentido o que se observa é que em vários programas e ações a regionalização se dá de maneira não relacionada, isto é, a execução física e financeira não é visualizada porque uma não tem correlação com a outra. O que inviabiliza o atendimento da meta. Para os próximos exercícios a SEDE está tentando ajustar essa diferença para um melhor desempenho. 18

19 8- Monitoramento do SIGPLAN SEDE: O índice refere-se ao acompanhamento da implementação dos programas e ações que compõem o Plano Plurianual. O indicador é composto por todas as unidades orçamentárias do Sistema Desenvolvimento Econômico, inclusive as empresas estatais que integram o orçamento de investimento das empresas controladas. O INDI, que faz parte do mesmo, por problemas operacionais, não conseguiu o alcance da meta o que prejudicou todo o Sistema. 9- Taxa de aquisição dos itens das famílias de compras do GES incluídos em Atas de RP vigentes JUCEMG: A JUCEMG alcançou a meta estabelecida, obtendo nota máxima para este indicador. SEDE: O cumprimento da meta acima do acordado é devido ao esforço da SPGF em atender as diretrizes da Administração Central. 19

Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA

Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS PERÍODO DE REFERÊNCIA: 2011 Belo Horizonte, maio de 2012 SUMÁRIO ITEM PÁGINA

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO. Seminário LIDE Abril de 2012

MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO. Seminário LIDE Abril de 2012 MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO Seminário LIDE Abril de 2012 A NOSSA MINAS GERAIS MINAS EM NÚMEROS América do Sul 588.000 KM² DE TERRITÓRIO. Brasil MAIOR DO QUE PAÍSES COMO A FRANÇA, SUÉCIA E ESPANHA.

Leia mais

Infraestrutura, Segurança e PPPs

Infraestrutura, Segurança e PPPs www.pwc.com Infraestrutura, Segurança e PPPs Dezembro, 2011 Agenda - Características de uma PPP - Alguns Projetos de PPP no Brasil - Exemplos de PPP em Infraestrutura e Segurança 2 Características de uma

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011

SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011 SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011 Belo Horizonte, Abril de 2011 SUMÁRIO ITEM PÁGINA 1 - INTRODUÇÃO 3 2 - DESEMPENHO DO SISTEMA

Leia mais

Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada

Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada Outubro 2014 Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada Secretaria de Desenvolvimento Econômico Unidade Central PPP www.ppp.mg.gov.br 1 Aerotrópole de Belo Horizonte e o CTCA

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG. Período avaliatório: 2008

1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG. Período avaliatório: 2008 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG Período avaliatório: 2008 Belo Horizonte 2009 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS

Leia mais

I TERMO ADITIVO AO ACORDO DE RESULTADOS DE 1ª ETAPA 2014. Sistema Operacional de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais

I TERMO ADITIVO AO ACORDO DE RESULTADOS DE 1ª ETAPA 2014. Sistema Operacional de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais I TERMO ADITIVO AO ACORDO DE RESULTADOS DE 1ª ETAPA Sistema Operacional de e Integração do rte e rdeste Gerais Belo Horizonte I TERMO ADITIVO AO ACORDO DE RESULTADOS 1ª ETAPA - I TERMO ADITIVO AO ACORDO

Leia mais

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012 CodeP0 Balanço 2012 Copa do Mundo Cidadesede Curitiba Brasília, CodeP1 Valores Consolidados R$ mi, abr/12 Total Empreendimentos Investimento Total Financiamento Federal Local Federal Privado Estádio 1

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Programa Metropolitano de Resíduos Sólidos Política Estadual de Resíduos Sólidos Procedimento de Manifestação de Interesse Programa

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO 1) Transporte e obras públicas Minas Gerais é um Estado que tem grande extensão territorial, localização

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação 06 de maio de 2009 PARCERIA PUBLICO-PRIVADA AGENDA 1. PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DAS

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 Agenda Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos no Governo de MG 1. Introdução 2. Diagnóstico 3. Desenvolvimento/implantação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO Este anexo estabelece o programa de trabalho e resultados para a OSCIP com a fixação de direitos, obrigações, prazos de execução e critérios

Leia mais

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS.

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. O Governador do Estado de Minas Gerais, no uso de atribuição que lhe confere o artigo 90, inciso VII, da Constituição do Estado,

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: PR Nome do programa de trabalho: Construção de Contornos Ferroviários no Corredor Mercosul -

Leia mais

4º As reservas de passagens aéreas efetuadas em caráter emergencial, por telefone,

4º As reservas de passagens aéreas efetuadas em caráter emergencial, por telefone, DECRETO Nº 45.444, de 6 de agosto de 2010 Dispõe sobre políticas e diretrizes para contratação de passagens aéreas e hospedagem, cria o Comitê Executivo de Gestão Estratégica de Suprimentos da Família

Leia mais

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000 PROGRAMA : 016 - DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA GOVERNAMENTAL PROGRAMA : UNISSETORIAL EIXO : INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA UNIDADE RESPONSÁVEL : OBJETIVO DO PROGRAMA : 2141 - DEPARTAMENTO DE OBRAS PÚBLICAS

Leia mais

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS UMA IMPORTANTE ALTERNATIVA PARA O AVANÇO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA Daniel R. Figueiredo Especialista em Estruturação de Projetos de PPP e Concessões 26/08/2015

Leia mais

Amazônia: Desafio Científico e Tecnológico para o Século XXI

Amazônia: Desafio Científico e Tecnológico para o Século XXI Amazônia: Desafio Científico e Tecnológico para o Século XXI Academia Brasileira de Ciências São Paulo, 16 de novembro de 2009 Luciano Coutinho Oportunidades de Crescimento Sustentável Ambiente favorável

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: MG Nome do programa de trabalho: Construção da Escola de Engenharia da UFMG no Campus da Pampulha

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Curitiba Setembro/2013 Curitiba: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS 6º FÓRUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA NA PRÁTICA & GESTÃO POR PROCESSOS Conteúdo da Apresentação Modelo de Gestão de Porto Alegre Alinhamento Planejamento Estratégico e Orçamento

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CONTROLADORIA GERAL Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2014 Dezembro/2013 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Controladoria Geral PLANO DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAAI ANO DE 2010

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Belo Horizonte Setembro/2013 Belo Horizonte: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos

Leia mais

desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais

desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais Subsecretaria de Regulação de Transportes maio / 2015 Secretaria de Desenvolvimento Econômico Secretaria de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

A experiência de Minas Gerais na Gestão de Compras. Agosto 2013

A experiência de Minas Gerais na Gestão de Compras. Agosto 2013 A experiência de Minas Gerais na Gestão de Compras Agosto 2013 Agenda Qualidade e Produtividade do Gasto O Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços - SIAD Políticas de Compras Desafios

Leia mais

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos Formação em Parcerias Público Privadas Desenvolvimento de uma carteira de projetos Novembro de 2013 1. Contexto Atual 2. Análise das Demandas do Setor Público 3. Como Estruturar um Procedimento 4. Como

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. RN SUSTENTÁVEL Nº 0XX/2013 2. TÍTULO Contratação de consultoria individual especializada em Comercialização e Alianças Estratégicas 3. AÇÃO(ÕES)

Leia mais

Governança colaborativa entre municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte REDE 10

Governança colaborativa entre municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte REDE 10 GOVERNANÇA METROPOLITANA São Paulo - SP / Junho 2012 Governança colaborativa entre municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte REDE 10 Carlos Augusto de Almeida Dias Secretaria Municipal Adjunta

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS AÇÕES E PROGRAMAS DOS ORGÃOS E ENTIDADES EXERCÍCIO 2014 5703 - AGENCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A - GOIASFOMENTO

CONSOLIDAÇÃO DAS AÇÕES E PROGRAMAS DOS ORGÃOS E ENTIDADES EXERCÍCIO 2014 5703 - AGENCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A - GOIASFOMENTO INSTITUCIONAL 1. Gestor HUMBERTO TANNÚS JÚNIOR 2. Visão Institucional 2.1 Objetivo Institucional Ser um instrumento de execução de políticas públicas de desenvolvimento do Estado de Goiás e ter por objetivo

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES - SEPLAG - SUBPL RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES NOVEMBRO 2011 Apresentação Esse relatório mensal tem como objetivo apresentar as principais atividades desenvolvidas pela Subsecretaria de Planejamento (SUBPL),

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Relatório anual de acompanhamento das ações executadas com os recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na Bacia Hidrográfica do Rio Doce

Relatório anual de acompanhamento das ações executadas com os recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na Bacia Hidrográfica do Rio Doce Relatório anual de acompanhamento das ações executadas com os recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na Bacia Hidrográfica do Rio Doce CBH MANHUAÇU RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

Leia mais

8º Encontro dos Coordenadores. Monitoramento do Portfólio Estratégico

8º Encontro dos Coordenadores. Monitoramento do Portfólio Estratégico 8º Encontro dos Coordenadores Monitoramento do Portfólio Estratégico Setembro / 2012 AGENDA Encontro dos Coordenadores 20/09/2012 Objetivos das iniciativas a serem apresentadas; Sistemática de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO PERÍODO AVALIATÓRIO: 2011 Belo Horizonte, 18 de Junho de 2012. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DO SISTEMA

Leia mais

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL Dezembro de 2011 1 Missão do Ministério da Fazenda: Estruturar as políticas econômicas

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Infraestrutura no Brasil

Infraestrutura no Brasil www.pwc.com.br Infraestrutura no Brasil Como agregar valor e gerenciar a complexidade de ativos de capital, programas ou portfólios de médio a grande porte (greenfield ou brownfield). O contexto de infraestrutura

Leia mais

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte 19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte ESTATÍSTICAS DO TURISMO MINEIRO -Perfil da Demanda -Estudo de Competitividade -Dados Econômicos RAFAEL OLIVEIRA

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012

3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012 Code-P0 3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012 Brasília, Maio de 2012 Code-P1 Conteúdo do documento Visão geral das ações Visão por tema 1 Code-P2 Ciclos dos preparativos do

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006

Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006 1 Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006 2006 Saulo Pereira Vieira Coordenador de Planejamento e Avaliação Secretaria de Economia e Planejamento

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL. Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2013

CONTROLADORIA GERAL. Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2013 CONTROLADORIA GERAL Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2013 Dezembro/2012 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Controladoria Geral PLANO DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAAI ANO DE 2010

Leia mais

Entraves Burocráticos: Realidade e Soluções

Entraves Burocráticos: Realidade e Soluções Entraves Burocráticos: Realidade e Soluções Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização Adalberto Santos de Vasconcelos Coordenador-Geral da Área de Infraestrutura e da Região Sudeste

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

QUESTÃO 14: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 15: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta:

QUESTÃO 14: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 15: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 14: O Edital cita no subitem d.1, do item d, tópico 7.3.4 Qualificação Técnica : "No caso da Área de Especialização 2, o atestado, para fins desta habilitação, deverá se referir a uma experiência

Leia mais

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs O atual contexto do ambiente econômico das MPEs Brasil e Minas Gerais Belo Horizonte, outubro de 2013 1 Presidente Roberto Luciano Fortes Fagundes Superintendência Geral Gilson Elesbão de Siqueira Departamento

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

COMITÊ DE ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO DE PROPOSTAS DE PARCERIA UNIDADE CENTRAL DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO

COMITÊ DE ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO DE PROPOSTAS DE PARCERIA UNIDADE CENTRAL DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO COMITÊ DE ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO DE PROPOSTAS DE PARCERIA UNIDADE CENTRAL DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔNICO As Parcerias de Reembolso Tributário As Parcerias

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papeldo BNDES napromoçãodo desenvolvimento econômico e social do Brasil IV Fórum Internacional de comunicação e sustentabilidade Brasília, 26 de maio de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: SP Nome do programa de trabalho: Implantação do Gasoduto São Carlos (SP) - Congonhas (MG) de

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Sumário 1. Dados da SAC sobre o Setor Aeroportuário 2. Plano Geral de Outorgas

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO Marco regulatório Financiamento para o setor público marco regulatório O crédito para o setor público é regulado pela Resolução BACEN nº 2.827. Há duas formas de operar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA. Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA. Gabinete do Prefeito CADASTRO MOBILIÁRIO MUNICIPAL DIGITAL PRODUZIDO A PARTIR DE AEROFOTOS DO VETOR NORTE DA RMBH Projeto submetido ao Edital de Chamamento Público n. 01/2012 do Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos 8ª Oficina de Trabalho Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos Brasília, 2 de junho de 2011 O que é a Renai Sistema de informações sobre investimentos produtivos no Brasil Coordenação: MDIC Criação:

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições A. GERAL Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições Esta operação é um empréstimo de US$ 240 milhões, voltado a diversos setores. Ela contém um componente SWAP de US$ 237 milhões e um componente

Leia mais

Pontapé inicial: Planejamento Integrado Governo de Minas e PBH. escolha das cidades-sede. Copa

Pontapé inicial: Planejamento Integrado Governo de Minas e PBH. escolha das cidades-sede. Copa Minas Gerais na Copa do Mundo de 2014 Copa em Minas já começou Pontapé inicial: Planejamento Integrado Governo de Minas e PBH 31 de maio de 2011 dois anos de escolha das cidades-sede 2014 BH/MG modelo

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: RS Nome do programa de trabalho: Construção do Edifício-Sede do TRF da 4ª Região em Porto Alegre

Leia mais

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS (ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS 1 - SUAP - Sistema Unificado de Acompanhamento Processual Implantar, a partir de diretrizes do CSJT, sistema único de acompanhamento processual, em substituição aos diversos

Leia mais

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA PLANO PLURIANUAL 2010 2012 Brasília, outubro de 2009. ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO DO SEBRAE/DF CENÁRIO DE RECURSOS DO SEBRAE/DF RESUMO DE RECEITA LIMITES ORÇAMENTÁRIOS RESUMO POR TIPOLOGIA CARTEIRA DE PROJETO

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Salvador. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Salvador. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Salvador Setembro/2013 Salvador: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012 CodeP0 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede de Recife Dezembro de 2012 Recife: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s Referência Nov/12, Distribuição dos investimentos por

Leia mais

Relatório do Controle Interno. Prestação de contas do Exercício. Ano 2.012. Superintendência de Água e Esgoto. Araguari - MG.

Relatório do Controle Interno. Prestação de contas do Exercício. Ano 2.012. Superintendência de Água e Esgoto. Araguari - MG. Relatório do Controle Interno. Prestação de contas do Exercício. Ano 2.012. Superintendência de Água e Esgoto. Araguari - MG. 1 Sumario. 1 Introdução. 2 Da gestão financeira. 3 - Gestores. 4 Gestão Patrimonial.

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS. Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS. Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local Eixos de Ação - SMD Empreende Santa Maria - LC 37/2006 Desenvolvimento sustentável do município;

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: São Paulo. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: São Paulo. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: São Paulo Setembro/2013 São Paulo: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA -

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO - PLANO ANUAL DE AUDITORIA - NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO EXERCÍCIO 2015 NOVEMBRO-2014 INTRODUÇÃO O Plano Anual de Auditoria do Núcleo

Leia mais

experiência OS PRODUTOS E SOLUÇÕES DESENVOLVIDOS PELA FUTURA SEGUEM 4 ETAPAS: Inventário de dados e informações Diagnóstico e cenários prospectivos a Análise e avaliação participativa Diagnosticar 4

Leia mais