Resumos das Palestras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumos das Palestras"

Transcrição

1 Resumos das Palestras Realização Apoio

2 Seminário de planejamento estratégico empresarial ABIMAQ A abertura do evento foi em tom de cautela queda de 10% em relação ao ano de e de reconhecimento dos avanços do setor O cenário otimista para o setor seria até o momento. a manutenção do mesmo resultado de Ao longo da história, a indústria de 2013 e o pessimista é de queda de cerca máquinas e implementos agrícolas teve de 20%. Entretanto, não se pode avaliar de seu crescimento pautado na inovação, forma negativa essa previsão, uma vez que com produtos desenvolvidos a partir das o faturamento estará próximo do pico do demandas dos produtores rurais para setor. obtenção de maior eficiência nas atividades Esse cenário trás à tona a necessidade de de manejo: preparo do solo, plantio, melhoria na gestão, vinculada à capacidade pulverização, colheita, entre outros. O de governança e, nesse aspecto, o setor aspecto inovador da indústria reflete precisa modernizar seus modelos. diretamente na origem do faturamento: As palestras do dia, todas muito bem mais de 50% provém da comercialização avaliadas pelo público presente, pautaram de produtos com menos de cinco anos de os espectadores com conhecimento e idade. argumentos acerca dos temas inovação, Apesar do crescimento acima de dois tecnologia, mercado e gestão, para melhor dígitos nos últimos anos, a melhor fase fundamentar as discussões e decisões de passou, e a expectativa para 2014 é de planejamento estratégico das empresas. 2

3 ABERTURA Gilberto Zancopé Presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas CSMIA / ABIMAQ O seminário focou o olhar para dentro das empresas, demonstrando como elas podem se articular para fazer a gestão da inovação e se apropriar do crescimento apresentado no mercado agrícola brasileiro. Apresentou também as condições para o planejamento do ano de 2014, discutindo as condições macroeconômicas e a conjuntura dos preços agrícolas para o ano seguinte. Ressaltou que ao longo da história, a indústria de máquinas e implementos agrícolas sempre foi ligada à inovação tecnológica. Devido à proximidade com os agricultores, o setor sempre soube de suas necessidades e assim o crescimento foi pautado na inovação, com produtos desenvolvidos a partir das demandas dos produtores, citou como exemplos de inovações desenvolvidas visando maior eficiência no manejo: o plantio direto, a pulverização, a colheita de algodão adensado, entre outros. Acrescentou que o aspecto inovador da indústria reflete diretamente na origem do faturamento, sendo que mais de 50% provém da comercialização de produtos com menos de cinco anos de idade. Afirmou ainda que, apesar do crescimento de dois dígitos nos últimos anos, a melhor fase passou e a expectativa para 2014 é de queda de 10%. Segundo ele, o cenário otimista é de manutenção dos mesmos níveis de 2013 e o pessimista é de queda da ordem de 20%. Segundo o aconselhamento geral, o ano de 2014 será de pouso suave. Depois de um ótimo 2013, que foi influenciado pela grande seca nos Estados Unidos, o ano de 2014 será de uma volta à normalidade. Aconselhou os associados a planejarem o ano de 2014 com uma queda de 10% sobre o ano de Embora seja um número pessimista, lembrou que 2013 foi um ano de glória para o setor, sem dúvida o melhor ano da sua história. >> 3

4 ABERTURA >> Continuação: Gilberto Zancopé Presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas CSMIA / ABIMAQ Finalizou dizendo que o cenário traz à tona a necessidade de melhoria na gestão, vinculada à capacidade de governança, que o Brasil está devendo muito e que o setor precisa modernizar seus modelos. Eugênio Brunheroto Vice-Presidente da Câmara Setorial de Equipamentos de Irrigação CSEI / ABIMAQ Esclareceu que o setor de irrigação atravessa um dos melhores anos no Brasil e tudo indica que será mantido este crescimento, pois existe financiamento adequado e programas de incentivo bem conduzidos como o Mais Água Mais Renda no Rio Grande do Sul, que deverá ser replicado em São Paulo. No entanto, ponderou que o gargalo para a expansão da irrigação é a falta de energia elétrica no campo e a dificuldade de obtenção de outorga d água e licenciamento ambiental. Apesar destes problemas que limitam novos projetos, destacou o trabalho da ABIMAQ na busca por financiamento adequado, redução de cara tributária no setor, entre outros benefícios ao agricultor, ao longo do tempo contribuíram para a pujante agricultura do país que bate recordes de produção com inovação e tecnologia. Carlos Pastoriza Diretor Secretário da ABIMAQ Lamentou que a situação favorável do setor não seja a mesma para todos os demais setores representados pela entidade, mas ressaltou que a ABIMAQ não tem medido esforços para minimizar os problemas com as demais câmaras setoriais. 4

5 Palestra: O acesso a novas tecnologias de produção e o impacto da mecanização na agricultura familiar do Brasil: A experiência do Programa Mais Alimentos. Palestrante: Laudemir Müller, Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA O Brasil apresenta 80 milhões de hectares em agricultura familiar e 88 milhões de hectares em assentamentos. É preciso mapear a diversidade do rural brasileiro e traçar estratégias focadas para o desenvolvimento. Para tanto, é necessário atrair para a agricultura familiar mais tecnologia e investimentos. Destacou que o foco do Plano de Safra da Agricultura Familiar é baseado no tripé: tecnologia e inovação, financiamento e segurança (clima e preço), para que o produtor rural possa produzir mais alimentos e com melhor qualidade. Para isso, é preciso manter o valor da cesta básica estável, pois não adianta crescer o ganho de renda das famílias se a elevação de preços força a gastar mais com alimentos. Quanto à exportação de tecnologia em máquinas e implementos, comentou sobre o potencial de exploração dos mercados da América do Sul, América Central e, principalmente, África, onde a tecnologia brasileira é a mais adequada por também se tratar de agricultura tropical. Comentou sobre o Programa Integrado de Logística - modelo de concessão - que contempla a expansão das ferrovias, mas que será necessário planejamento para utilizá-la de forma inteligente visando redução de custo e elevação na eficiência. Durante o debate, foram apontadas as políticas do MDA que iimpactam positivamente e agregam às políticas do setor de máquinas e implementos agrícolas. Entende que o Programa Mais Alimentos Internacional também contribuíra nesse sentido, salienta do que o programa tem repercutido positivamente em fóruns internacionais, como a ONU (Organização das Nações Unidas). Mediador do Debate: Gilberto Zancopé Presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas CSMIA/ABIMAQ 5

6 Palestra: Pesquisa, desenvolvimento e inovação na agricultura. Palestrante: Ladislau Martin Neto, diretor executivo de Pesquisa & Desenvolvimento da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Durante a palestra, ressaltou que o Brasil tem atingido suas metas de redução de emissão de CO2, às quais aderiu voluntariamente em Copenhague na Dinamarca. O Brasil - potência agrícola, energética e ambiental apresenta exemplos concretos dos retornos financeiros obtidos com o investimento em pesquisa e tecnologia, como a fixação biológica do nitrogênio que reduz o uso do adubo nitrogenado. É preciso ter clareza das oportunidades ao redor, proporcionadas pelo caráter de multifuncionalidade da agricultura: biomassa, biomateriais, química verde, alimento, nutrição, saúde, entre outros. A introdução de máquinas e implementos nos processos produtivos deve contribuir para agregar valor e reduzir a penosidade no ambiente de trabalho. Por fim, realçou alguns fatores de impulsão à agricultura brasileira: Avançado sistema de inovação em agricultura; Automação em irrigação; Agricultura de precisão; Automação em estudos sobre o meio ambiente tecnologias para antecipar o futuro; Corredor de Nacala no continente africano semelhanças com o Cerrado brasileiro; Cluster de negócios no agronegócio para agregação de valor e inserção nas cadeias globais. Mediador do Debate: Celso Casale Vice - Presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas CSMIA/ABIMAQ 6

7 Palestra: O impacto da inovação na gestão das empresas. Palestrante: Carlos Arruda Diretor Executivo Adjunto, Dom Cabral A visão é pouco otimista quando se trata da capacidade de inovação na gestão das empresas brasileiras. No geral, as empresas se enquadram em dois cenários: A)Céu de brigadeiro com perspectiva de inovar e crescer; B) Inferno de Dante - sem perspectiva de crescimento, em retração. Quase a totalidade das empresas tem a proposta de inovação como opção de estratégia, mas poucas a implantam. Há o predomínio da orientação para o passado. Apresentação dos 3 graus da inovação: Inovação limitada ao conhecimento que a própria empresa pode aportar; Inovação extrapola a capacidade de conhecimento interna da empresa. Tem que buscar através de parcerias e cooperação; Hoje, o gestor de inovação é um gestor do conhecimento do que tem disponível no mundo - para avaliar e trazer para a empresa. Inovação envolve o stakeholder(*). Vai além das parcerias para o desenvolvimento do produto, tem que envolver os agentes de gestão dos recursos naturais e a sociedade. O Brasil é um país que adota a sustentabilidade, mas não gera a tecnologia para implantar o conceito. Nesse sentido, corre o risco de ser sustentável, mas pobre, porque terá de importar a tecnologia. Onde está o conhecimento (capacidade) e quais os resultados das inovações para o mundo? O Brasil tem um posicionamento estratégico para a inovação, mas o caminho para ser inovador é longo. O fato é que o país tem piorado nesse aspecto devido alguns limitadores: Processos burocráticos lentos e disfunção nas regulações; Baixa qualidade da educação; >> 7

8 >> Continuação: Palestra (Carlos Arruda Diretor Executivo Adjunto, Dom Cabral) Falta da capacitação da mão de obra - a baixa qualidade da educação afeta a capacidade do país em desenvolver técnicos e pesquisadores qualificados para gerar a inovação. No geral, o setor privado contorna o problema ao investir em capacitação da sua mão de obra. As empresas que objetivam implantar a proposta de inovação tem que se posicionar para tal. A cultura tem que ser abraçada pelos empresários e diretoria, não pode ser delegada. Os gestores devem estar motivados e a empresa integrada. É preciso abertura e agilidade para escutar as demandas dos clientes e transmiti-las para as áreas competentes. A liderança tem que desafiar e acompanhar a equipe. Até 2030, o Brasil passará a ser um país de velhos, o que muda o comportamento e hábitos da população, para os quais as empresas devem estar preparadas com as tecnologias. Salientou que a longevidade das empresas está relacionada a capacidade de crescer continuamente e de antecipar as mudanças do futuro. É preciso buscar mecanismos de antecipação e formas de pensar diferente, não aceitar o óbvio. (*) Termo usado em diversas áreas como gestão de projetos, administração e arquitetura de software referente às partes interessadas que devem estar de acordo com as práticas de governança corporativa executadas pela empresa. Mediador do Debate: João Marchesan Vice - Presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas CSMIA/ABIMAQ 8

9 Palestra: Expansão da área para aumento da oferta. Palestrante: Evaristo Eduardo de Miranda, Coordenador na Secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais da Presidência da República. A problemática apresentada durante a palestra pode se traduzir em como o setor deve inovar para produzir cada vez mais em menos área, dado duas constatações: Os ganhos de produtividade na agricultura brasileira são decrescentes: a produtividade da agricultura cresce, mas cada vez menos. Fica apenas a ressalva da expansão no uso da irrigação representar um salto quântico no potencial produtivo; Questão de governança no uso do território brasileiro: segundo estudo de Gestão Territorial da Embrapa, a área disponível para a agricultura tem caído nos últimos anos. Mediador do Debate: João Tadeu Franco Vino Presidente do Grupo de Armazenagem da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas CSMIA/ABIMAQ 9

10 Apresentação: Nova Estrutura Funcional da ABIMAQ José Velloso Dias Cardoso, Presidente Executivo da ABIMAQ Iniciando sua apresentação, abordou as mudanças que ocorreram há 3 meses na entidade e o que está sendo feito para melhorar a competitividade da indústria de máquinas nacional. Informou que a ABIMAQ representa empresas do setor de bens de capital e possui delas em seu quadro associativo, divididos em 30 câmaras setoriais que compõem a estrutura da ABIMAQ. Destacou que um dos objetivos da gestão do Presidente Luiz Aubert Neto é de profissionalizar a entidade, com isso, em abril de 2013 promoveu mudança no estatuto incluindo a figura do Presidente Executivo. Dando seguimento a apresentação, foi exibido o organograma da entidade destacando todas as áreas envolvidas, como: Tecnologia Diretor Executivo João Alfredo S. Delgado: Análises técnicas, modernização industrial, cadastro industrial e inovação tecnológica. Mercado Externo Diretor Executivo Klaus Curt Muller: Defesa comercial, COMEX, negociação e promoção, incluindo o convênio com a APEX que promove as feiras no exterior. Jurídico e Coorporativo Diretor Executivo Hiroyuki Sato: Relacionamento com a área financeira, defesa jurídica, negociação trabalhista e jurídico interno da entidade. Competitividade Diretor Executivo Mário Bernardini: Reúne todos os trabalhos apresentando as propostas a todos os níveis governamentais e a área estatística. Relações Institucionais Diretor Executivo Márcio Ribaldo: Responsável pelos assuntos políticos e assuntos institucionais da entidade. >> 10

11 >> Continuação: Apresentação (José Velloso Dias Cardoso, Presidente Executivo da ABIMAQ) Divisão Administrativa e Financeira Gerente Divisional Fernando D Angelo Responsável pelas atividades internas: Recursos humanos, tecnologia da informação, financeiro e compras. Divisão Expansão Associativa - Gerente Divisional Eucélio Estevam Silva: Responsável pelo relacionamento com o associado e pelas sedes regionais da ABIMAQ. Divisão de Marketing Gerente Divisional Lariza Pio: Responsável pela área de marketing do setor de máquinas e pelo marketing interno, além dos eventos, sendo internos e externos como as feiras nacionais. Gerência de Mercando Interno José Velloso e Sandra Stelutti Responsável pelos conselhos de óleo e gás, conselho automotivo, conselho de saneamento ambiental, conselho de energia eólica, conselho de bioenergia e conselho de metalurgia e mineração Gerência de Responsabilidade Sócio Ambiental Alessandra Bernuzzi Dando continuidade o Sr. Velloso expos as ações praticadas por cada área da ABIMAQ e comentou sobre a apresentação da Agenda Estratégica Setorial ao Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sr. Fernando Pimentel, no início de Outubro, disponibilizando um resumo para cada participante do Seminário, destacando os principais objetivos: Aumentar o consumo aparente de bens de capital com redução simultânea do coeficiente de importação; Aumentar as exportações de bens de capital; e Aumentar a competitividade da indústria de bens de capital. Aproveitou para mencionar que todas as áreas possuem conselhos que estão abertos para os associados que tenham interesse em participar. 11

12 Palestra: Analise da conjuntura macroeconômica no Brasil e no Mundo. Octávio de Barros, Economista Chefe do Bradesco Ao longo da sua palestra destacou a necessidade de superar a crise de confiança do país e a necessidade de ganho em eficiência. Apresentou fatos relevantes para delinear a conjuntura macroeconômica que envolve a oferta e o custo da mão de obra, crescimento do Brasil, a origem dos problemas dos gargalos e a infraestrutura, eficiência e produtividade, abaixo delineados: A oferta de mão de obra cai mais do que a sua demanda. O Brasil foi o país que mais aumentou o salário industrial de 1995 a Assim, a depreciação do câmbio pode trazer um novo fôlego à competitividade, mas apenas se acompanhado de aumento de produtividade. Uma pesquisa exclusiva desenvolvida pelo Bradesco apontou uma melhora de percepção em relação à redução do incomodo da concorrência externa. O Brasil apresenta um problema de custos estrutural em todos os setores. Assim, apesar de, depois da China, ser o país emergente com a maior diversidade industrial, não tem competitividade. O Brasil tem a indústria mais internacionalizada do mundo emergente, mas está desintegrada das cadeias globais. Por apresentar uma escala superior aos demais países da América Latina, apesar dos problemas, o Brasil é capaz de atrair investidores globais. Ainda é um país com muitas oportunidades. A incompetência na governança rouba 0,8 % do PIB (Produto Interno Bruto). O consumo tende a crescer alinhado com o PIB. O ciclo de crescimento do Brasil nos próximos 10 anos será devido aos investimentos em infraestrutura, óleo e gás. Em especial nas estradas e aeroportos, porém não haverá investimentos em ferrovias. O Brasil é vítima de seu próprio sucesso. Os principais gargalos do país são reflexos do que deu certo nos últimos 10 anos. Atualmente 70% da população é formada pela classe ABC; melhora no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano); aumento de 10 anos na expectativa de vida dos brasileiros; mais de 90 milhões de contas bancárias abertas. Nesse mesmo período, houve um aumento de 23 milhões de veículos e 2 milhões de caminhões, porém estão circulando nas mesmas estradas de 10 anos atrás. >> 12

13 >> Continuação: Palestra (Octávio de Barros, Economista Chefe do Bradesco) O planejamento da infraestrutura requer demanda e previsibilidade regulatória, além de investimentos. O Brasil precisa de uma revolução na agenda da eficiência e produtividade. Os custos salariais são irreprimíveis, mas o país tem uma jazida de produtividade que ainda pode ser explorada. Algumas alternativas são: mais automação e importação de mão de obra qualificada. O Brasil viverá um ciclo na redução da oferta de mão de obra. Talvez os próximos 2 a 3 anos seja um momento de reajuste do quadro, com maior automação. O Brasil passa de uma transição da quantidade para a qualidade. Expectativas: Taxa de câmbio final de 2013: R$2,25/usd e final de 2014: R$2,35/usd. Juros: aumento e também na taxa aplicada no PSI(Processo de Substituição de Importações). O Brasil tem resistência em reduzir inflação que deverá ser trazida para a meta em 5 anos. A inflação de serviços desacelera muito mais devagar do que a da indústria, por conta da indexação. É preciso consciência coletiva e imperativa em investimento. O Brasil precisa aumentar estoque de capital para aumentar a produtividade. Ações concretas com o setor privado como protagonista para ter confiança do mercado. Mediador do Debate: Pedro Estevão Vice - Presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas CSMIA/ABIMAQ 13

14 Palestra: Gerenciamento de riscos e novos instrumentos para financiamentos do agronegócio. Palestrante: Ivan Wedekin, Diretor Geral da Bolsa Brasileira O risco está no DNA da agricultura e podem ser traduzidos em: Produção: gerenciado com tecnologia, zoneamento agrícola e seguro rural. Contrato: organizado através do marco legal, arbitragem e fator vontade. Crédito: gerenciado com cadastro, garantias, seguro, novos títulos, cadastro positivo e negócios à vista. Em 97% de 193 bilhões em crédito rural apresentam classificação de risco normal. Não há um sistema de informação de crédito comercial. Preço: apoio de política agrícola (garantia de preço mínimo) 5% da renda agrícola provém de subsídios do governo. A volatilidade do preço decorre do descasamento entre oferta e demanda, impacto do clima e sazonalidade na produção, taxa de câmbio (e outras variáveis macro), movimento de capitais (ação de hedge funds (*)). Atentou que a combinação do preço de commodity elevado e disponibilidade de crédito podem levar a decisões macroeconômicas equivocadas das empresas. (*) é uma forma de investimento alternativa, de altíssimo risco, com poucas restrições e altamente especulativo. Mediador do Debate: José Ronaldo Vilela Rezende Sócio e Líder de Agronegócio da PwC 14

15 Palestra: Tendências dos Mercados de Commodities Agrícolas Palestrante: André Pessoa, Sócio-Diretor do Grupo Agroconsult Conforme dados apresentados, a preocupação com a renda dos produtores de soja e milho será maior na safra 2014/15. Soja A colheita norte americana avança e o resultado não está excelente, mas melhor do que no ano passado e suficiente para o restabelecimento dos estoques. A China na safra 2012/13 importou um pouco menos e usou mais seus estoques - parte por preços elevados e parte pela deficiência logística no Brasil. No próximo ano os preços devem cair um pouco devido à recuperação da safra americana e recorde na safra sul-americana, e os chineses devem recompor os estoques. O Ano de 2014 será um bom ano de compras chinesas, passando de 61 milhões de toneladas para 69 milhões de toneladas, sendo 2 milhões para recomposição de estoques. A perspectiva de área plantada no Brasil está ao redor de 29,3 milhões de hectares, com o crescimento em pastagens degradadas, concentrado principalmente no Mato Grosso. A safra potencial será de 88 milhões de toneladas. A Argentina caminha para área recorde de 20 milhões de hectares, o que leva a segunda safra argentina acima de 50 milhões de toneladas. Em 2014 os preços da soja devem ficar ao redor de 12 usd/bu, com leve queda no segundo semestre. Nos EUA há tendência de crescimento da área de soja para 32 milhões de hectares sobre a área de milho, que terá queda de 4%, eleva o potencial de produção para 95 milhões de toneladas. As perspectivas de níveis de preços preocupantes para a safra 2014/15, justificado pela elevação nos estoques mundiais, será a oportunidade para a China recompor os estoques em situação confortável. Mesmo com perspectiva de desvalorização cambial em 2014, o preço fica muito próximo do custo >> 15

16 >> Continuação: Palestra (Palestrante: André Pessoa, Sócio-Diretor do Grupo Agroconsult) de produção. Para a safra 2014/15, a perspectiva é de níveis recordes de custo de produção, com destaque para a mão de obra, mas desacompanhado de um aumento de produtividade. Isso leva a duas alternativas: treinamento e mecanização. Quanto à tomada de decisão do produtor rural para a aquisição de máquinas e implementos agrícolas, ainda há foco muito grande na questão do crédito, mas a mão de obra vem ganhando relevância em função dos custos diretos e das exigências da legislação trabalhista. Cada vez mais considera-se alternativas para economizar com o custo mão de obra nas propriedades rurais. Quanto ao retorno, no Mato Grosso a safra 2013/14 não é tão preocupante em função das vendas antecipadas com preços melhores. Já na safra 2014/15 os produtores atingem o breakeven (ponto de equilíbrio), o que leva a análises mais criteriosas para investimentos. A situação deve se manter por mais um ano em função de pressão para redução dos preços. A falta de crescimento em dois anos no Mato Grosso pode elevar novamente os preços. No Paraná, não é o caso, pois o preço mais baixo não inviabiliza a lucratividade da atividade devido ao diferencial logístico. Não se fala em crise, fala-se em redução de ritmo de lucro que afeta as decisões de investimento. Milho Nesse ano nos Estados Unidos a safra de milho terá forte recuperação, de 70 a 80 milhões de toneladas a mais em relação à safra passada. No Brasil tivemos uma leve redução de área (4%) e estamos com 50% da área plantada no Centro-Sul, ainda sem perspectiva de retração. No Mato Grosso, aqueles que possuem infraestrutura, poderão migrar para o algodão com expectativa de 150 mil hectares. Na próxima safra, mantida as perspectivas de preços mais baixos, haverá redução de tecnologia ou área. >> 16

17 >> Continuação: Palestra (Palestrante: André Pessoa, Sócio-Diretor do Grupo Agroconsult) A grande novidade é a entrada da China como importante player global, aproveitando o vale dos preços. A China passará a grande importador no futuro e começa a formar seu estoque de segurança. Por enquanto, não há mudança expressiva no cenário internacional de estoques. Mudança logística, o porto de São Luís começa a operar melhorando a competitividade do escoamento. No milho, os investimentos na hidrovia do rio Tapajós podem levar a economia de até R$4/saco. Algodão O consumo no mercado internacional recupera lentamente e a oferta reduz rapidamente. O estoque gerado nos últimos anos foi esterilizado pelo governo chinês, o que ajudou os preços internacionais a se manterem em níveis mais elevados. Sem considerar a China, os níveis dos estoques internacionais estão baixos. A partir do próximo ano o governo chinês sinalizou que irá começar a vender seu excedente de algodão. O cenário incerto irá inibir os produtores a investirem nas próximas 2 safras. Não haverá aumento na área de verão, aumenta basicamente a safrinha. >> 17

18 >> Continuação: Palestra (Palestrante: André Pessoa, Sócio-Diretor do Grupo Agroconsult) Açúcar Com os investimentos nos últimos 3 anos, o canavial voltou a idade média ideal. As usinas devem atingir 90% do uso da capacidade instalada. O problema continua no subsídio no preço da gasolina. O setor continua trabalhando no break even (ponto de equilíbrio), com perspectivas de leve melhora na próxima safra. A rentabilidade dos fornecedores de cana melhorou um pouco para o próximo ano. Debate Ainda demandará muito tempo na realização do diagnóstico da atual situação da infraestrutura até efetivamente a implantação das ações práticas para superar os gargalos logísticos. Serão necessários bons projetos acompanhados de boas regras para solucionar o problema. Um estudo preliminar apontou que o PSI (Processo de Substituição de Importações) é responsável por uma venda adicional de 10 mil tratores no mercado. O que, em cenário de queda na rentabilidade, poderá ser interpretado como uma gordura acumulada, proporcionando um fôlego aos produtores rurais na tomada de decisão em investimentos em novas máquinas e implementos. A dose do remédio não pode virar veneno, é preciso administrar de forma bastante responsável no médio e longo prazo. Mediador do Debate: Rui Pereira Rosa Superintendente Executivo do Bradesco 18

19 19

20

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq A Indústria de Máquinas na Era da Economia Verde Perfil geral A indústria da indústria Fundação:1937- origem de um sindicato têxtil; Possui 1.500

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral Imprensa São Paulo, 16 de junho de 2015 Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral O estudo foi baseado em uma pesquisa realizada

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Núcleo de Inovação e Empreendedorismo. CRI Nacional. Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013

Núcleo de Inovação e Empreendedorismo. CRI Nacional. Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013 Data Núcleo de Inovação e Empreendedorismo CRI Nacional Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013 Encontro do CRI Nacional 11 de Dezembro de 2013 Cenários Econômicos e Impactos para a Inovação em 2014

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados.

15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados. 15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados. Agronegócio brasileiro. Aqui vive um país inteiro! CONSULTORIA EM USINAS SUCROALCOOLEIRAS APORTE - Análise de Potencial de mercado com

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE.

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. PRODUTOR RURAL: fale com o gerente do seu banco e saiba como ter acesso aos créditos e benefícios do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015. DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. Para

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Mercado global. vive momento de mudanças

Mercado global. vive momento de mudanças DATAGRO Mercado global vive momento de mudanças A indústria mundial de açúcar e etanol, setor no qual o Brasil figura como um dos principais líderes, vive um cenário de transformações. Enquanto no país

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor

Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor Carlo Lovatelli Presidente da São Paulo - SP 8 de novembro de 2011 1 A

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Automóveis nacionais e importados; Comerciais leves; Caminhões e ônibus; Motocicletas; Tratores e máquinas agrícolas; Implementos rodoviários.

Automóveis nacionais e importados; Comerciais leves; Caminhões e ônibus; Motocicletas; Tratores e máquinas agrícolas; Implementos rodoviários. Título APIMEC A FENABRAVE Fundada em 1965 Reúne 48 Associações de Marca Representam mais de 7.600 Concessionárias: 24 Escritórios Regionais. Automóveis nacionais e importados; Comerciais leves; Caminhões

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos 2ª JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA CIVIL OS NOVOS DESAFIOS O PAPEL DA CONSTRUÇÃO NO FUTURO Índice: Onde Estamos Europa 2020 e Crescimento da Construção em Portugal

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

PESQUISA: "CLIMA DO BUSINESS SAÚDE" com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002

PESQUISA: CLIMA DO BUSINESS SAÚDE com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002 MÉDIA GERAL CRESCIMENTO CRESCIMENTO ESTÁVEL 29 QUEDA 6 TOTAL 84 SIMONSEN ASSOCIADOS PESQUISA: "CLIMA DO BUSINESS SAÚDE" com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002 GRAU DE CONFIANÇA NO CRESCIMENTO DO

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Cenário Econômico e Produtividade

Cenário Econômico e Produtividade Cenário Econômico e Produtividade junho/2015 Prof. José Pio Martins Economista Reitor da Universidade Positivo Introdução Missões do gestor Gerenciar o dia a dia Preparar a organização para o futuro Dar

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil

O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil Tendências e Estratégias do AgroDistribuidor Matheus Alberto Cônsoli, PhD 29 de Julho de 2013 www.agrodistribuidor.com.br

Leia mais