Logística, Energia & Sustentabilidade. São Paulo um Estado mais Humano e Competitivo num Mundo de Economia de Baixo Carbono e Globalizado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Logística, Energia & Sustentabilidade. São Paulo 2022. um Estado mais Humano e Competitivo num Mundo de Economia de Baixo Carbono e Globalizado"

Transcrição

1 SP 2022 Master Plan Logística, Energia & Sustentabilidade São Paulo 2022 um Estado mais Humano e Competitivo num Mundo de Economia de Baixo Carbono e Globalizado Sinaenco O4/11/ Carlos R Silvestrin COGEN -

2 Foco & Estratégia Foco em grandes estratégias SP 2022 Master Plan => foco em grandes desafios e necessidades até 2022 Diagnóstico => foco nas necessidades e desafios em linguagem empresarial Projetos e Sinergia => identificação, avaliação preliminar e sinergias Motivação => foco na concepção e alternativas de solução para cada desafio Envolvimento => universidades, centros de pesquisa, entidades associativas Marketing => foco na empregabilidade, competitividade e sustentabilidade Foco em grandes desafios RMSP => foco na consolidação como centro de comércio, serviços e tecnologia Interior => foco na produção e comércio => menor dependência RMSP Logística => foco no estrangulamento da rota => Santos (exportação/importação) => RMSP (comércio, serviços e produção) => Interior (produção, comércio e serviços) Energia => foco na geração distribuída, (biomassa), cogeração a gás natural, eficiência energética, segurança no abastecimento e redução da dependência de outras regiões Sustentabilidade => foco na qualidade de vida e na economia de baixo carbono

3 Desafios & Propostas RMSP => centro competitivo de comércio, serviços e tecnologia integrado com expansão da sustentada da produção do interior Infraestrutura aeroportuária => atualização de Congonhas, Viracopos, Cumbica, definição da localização implantação de um novo aeroporto Metropolitano e outro Internacional Infraestrutura metro-ferrovia => atualização da logística metro/trem expresso de passageiros (RMSP, RM Campinas, RM Santos, RM SJC e interligação ferroviária de carga/passageiros interior Mobilidade metropolitana => atualização da logística de transporte passageiros/cargas na RMSP

4 Logística para os Eventos Esportivos e Marketing Sistema Aeroportuário Paulista Competitivo Copa Confederações 2013, Copa FIFA 2014, Olimpíadas Rio 2016, São Paulo Expo Mundial 2020 e Bi-Centenário Independência 2022 Novo Aeroporto Aviação Geral RMSP Atualização Infra-Estrutura Aeroportuária Congonhas/Cumbica/Viracopos Novos Aeroportos Passageiros/Carga Pólos no Interior Logística Multimodal Competitiva aero-porto-rodo-hidro-ferroviária-metroviária

5 Logística Abastecimento RMSP => Saturada e Superada Indicadores de Saturação 1,0 Mil supermercados/shopping centers 35 Mil bares e 15 Mil restaurantes 60 Mil caminhões/dia entregando mercadorias no centro expandido 300 mil caminhões/dia 70% entre 10 e 16hs Marginal Tietê 42% espaço => caminhões Marginal Pinheiros 12% e Corredores 5% Resultado (custo invisível) = custo ambiental + custo social + custo SP + custo Brasil 100 ocorrências/dia com caminhões 60% devido excesso altura (marginais) 3 milhões/ano multas de trânsito (15% caminhões) Localização de radares mal planejada com velocidade das marginais e corredores de tráfego Congestionamento => Pico 150 Km com custo estimado R$ 5.000/Km/hora Roubo de cargas e violência no transito urbano Poluição ambiental crescente Combustível com elevada emissão (diesel)

6 Logística de Distribuição de Cargas na RMSP Proposta: TIC => Terminal Intermodal de Cargas e Centros e meios de distribuição

7 Logística Estrangulada e Saturada Santos/RMSP/Interior Porto de Santos => sobrecarga e logística rodo-ferroviária comprometida e saturada Logística Santos/RMSP/Interior => sub-dimensionada e comprometida com a expansão

8 Inland Port => Competitividade Planejada Exportação/Importação Indústria, Tecnologia e Centros de Distribuição CAMPINAS BRAGANÇA PAULISTA SOROCABA INDAIATUBA ITÚ Indústria e Centros de Distribuição JUNDIAÍ Embalagem e Centros de Distribuição ATIBAIA Tecnologia e Autopeças S. JOSÉ DOS CAMPOS JACAREÍ TAUBATÉ Rio de Janeiro Porto de Sepetiba Raposo Tavares SÃO PAULO Química, petroquímicas, industria MOGI automotiva DAS CRUZES e manufatura Anchieta Imigrantes CUBATÃO Petroquímicas e aço SÃO SEBASTIÃO SANTOS Arco de expansão Rodovias de Interligação Rodovias Secundárias Rodoanel Porto de Paranaguá REGISTRO JUQUIÁ Região Macroanel Grande S. Paulo Estado de SP PIB% Pop.% IDH* 19,7 56, ,0 48, ,65 0,59 -- *Médias Ferrovias Aeroportos Portos Portos Secos Polos existentes Novos polos

9 Interior => menos dependente da Capital Hidrovia Tietê-Paraná => inserção econômica SP/MS/PR/MG/MT/GO Aeroporto Internacional do Interior => carga e passageiros (Global TransPark) Eixos Paulistas de Desenvolvimento => produção industrial e agribusiness Cluster Aeroespacial => Gavião Peixoto/São Carlos/São José dos Campos/Botucatu Fatores indutores de projetos => PCH, eclusas, distrito industrial, inserção multimodal, turismo, terminais e rotas de integração com RMSP e outros estados TRÊS LAGOAS Euro Brasil Champion Cargill, Mabel PANORAMA ADM ITAIPU APARECIDA DO TABOADO / RUBINEIA Ferronorte R. Paraná ANDRADINA/ VALPARAÍSO Ajinomoto, Grendene Univalem SÃO SIMÃO Quintella Cargill, ADM, Caramuru, Granol ARAÇATUBA Parmalat, Nestlé Grupo Libra, Granol, Belconav PEDERNEIRAS Quintella, Volvo, Scania Santista, ADM, Torque, Serrana, Grupo Libra Mauri Brasil R. Tietê Negócios na Hidrovia Tietê-Paraná ANHEMBI Torque PIRACICABA SÃO PAULO CONCHAS CNAGA

10 Desafio Metropolitano => Integração Transportes e Energia CAMPINAS N INDAIATUBA Infra-Estrutura RMSP 2022 = Rodoanel + Ferroanel + Gasoduto Metropolitano + Redes de Transmissão Energia Elétrica SOROCABA Rodoanel Trecho Oeste Trecho Sul Trecho Norte Trecho Leste Área urbana Grande São Paulo Rodovia Ferrovia Aeroporto Porto de Santos CURITIBA e Mercosul BARUERI JUNDIAÍ 6 PERUS GUARULHOS SÃO PAULO S. CAETANO EMBÚ STO. ANDRÉ S. BERNARDO km 9 SANTOS CUBATÃO 7 8 RIO DE JANEIRO JACAREÍ S. JOSÉ DOS CAMPOS Principais vias de acesso à Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) 1 BR116 - Regis Bittencourt 2 SP270 - Raposo Tavares 3 SP280 - Castelo Branco 4 SP330 - Bandeirantes 5 SP348 - Anhanguera 6 BR381 - Fernão Dias 7 BR116 - Nova Dutra 8 SP070 - Ayrton Senna 9 SP150 - Anchieta 10 SP160 - Imigrantes

11 Programa Bioeletricidade Agregar MW ao SIN & Reduzi Emissões de 30 milhões t CO2/ano fotosíntese (captura CO2) açúcar alimento para pessoas sol etanol combustível com baixa emissão CO2 água cana bioeletricidade eletricidade com baixa emissão CO2 terra matéria prima bioplásticos, bioquímicos e leveduras CO2 redutor de emissão de GEE Foco Sustentabilidade : acesso e conexão na rede, eliminar uso do fogo na colheita, aproveitar bagaço e palha disponível, atualizar processos produtivos tecnologia e logística, concentração empresarial, estruturar comercialização de açúcar, etanol, bioeletricidade e matérias primas, e fomento P&D. A biomassa está disponível A tecnologia está atualizada

12 Mapa da Produção de Cana de Açúcar, Etanol e Bioeletricidade Usinas Existente Exporta Bioeletricidade Brasil SP Centro Sul: 87% produção e centro carga SIN SP: 70% produção usinas existentes São Paulo: Safra Colheita Mecanizada 60%... eliminar uso do fogo na colheita da cana <> substituir fumaça e fuligem por bioeletricidade (LUZ)

13 Programa Bioeletricidade > Foco Retrofit Sudeste Retrofit em São Paulo Foco SIN > expansão da capacidade instalada de bioeletricidade sucroenergética destinada ao SIN, com proposta de ofertar MW até 2020 (1.000 MW/ano) Foco Retrofit > tecnologia, eficiência energética e ampliação de usinas existentes 75% de Bagaço e 50% de Palha Capacidade MW Instalada para Exportação Capacidade de Moagem (1) Nº Unidades Mt Cana Bagaço (2) Palha (2) Bagaço +Palha (3) 65 bar 100 bar 65 bar 100 bar 65 bar 100 bar Acima de 3 milhões , Entre 2 e 3 milhões 38 91, Entre 1 e 2 milhões 46 69, Total (1) Safra 2008/2009 = Milhões t (UNICA); 1 t cana = 250 kg bagaço (UNICA); 1 t cana = 204 kg palha/pontas (Cogen). (2) 1 t cana (só bagaço) gera 85,6 kwh (65 bar) e 98,4 kwh (100 bar) para exportação; Fator de Capacidade = 0,5 (Cogen). (3) Exportação: 1 t bagaço gera 342,4 kwh (65 bar) ou 393,8 kwh (100 bar). 1 t palha gera 560,3 kwh (65 bar) ou 644,3 kwh (100 bar) (4) PCI da palha = 1,7 PCI do bagaço; Fator de Capacidade = 0,5 (Cogen) Programa Iniciação Bioeletricidade - COGEN + Agência Paulista de Fomento Objetivo: viabilizar financiamento, para pequenas e médias usinas, para ofertar até 6 MW, em condições de conexão na rede de distribuição. Potencial: 40 usinas = 240 MW. Condições: constituir SPE prazo 60 meses com 12 de carência, juros 8% a.a correção IPC-FIPE

14 Desafios para Conexão Retrofit São Paulo Tempo de Uso Caldeira Existente-SP Maior 30 anos: 22% 20 a 30 anos: 18% 10 a 20 anos: 22% Menor 10 anos: 38% São Paulo tem 184 usinas: Apenas 30% exporta bioeletricidade ao SIN Eficiência Energética de Caldeira-SP 21 bar >>> 12,5 kgv/kwh 90 bar >>> 4,6 kgv/kwh Eliminação uso do fogo na colheita 170 unidades até 2014 (93% do total) Proposta Rede Coletora de Geração Distribuída (GD) Forte concentração de GD >> tendência injetar na rede MW, somente com retrofits de usinas com potencial para exportar bioeletricidade ao SIN Sistemas de Sub-Transmissão e de Distribuição >> projetados para atender demanda de consumidores > não tem condições de coletar a oferta potencial de GD potencial Proposta: realizar planejamento e regulamentar Rede Coletora de GD integrada na Rede Básica (440 kv) para possibilitar o acesso da bioeletricidade retrofit de São Paulo

15 Rede Coletora GD => Planejamento Preliminar 14 SE 440/138 kv "We need to do for energy what we have done for mobile phones: real choice for consumers in one European marketplace. - José Manuel Barroso, European Commission President - Oct MW RC03 RC MW 776 MW RC12 RC MW RC MW 339 MW RC14 RC11 RC10 RC MW 323 MW RC07 RC09 195MW RC02 RC06 RC08 Rede Coletora de Geração Distribuída (GD) Bioeletricidade Retrofit São Paulo 70 usinas que não exportam para o SIN >> Caldeiras de baixa pressão (21bar) Capacidade Instalada Potencial = MW >> operação comercial Fim do uso do fogo na colheita 2014 >> biomassa disponível bagaço e palha

16 Etanol => Logística Competitiva

17 Gás Natural Foco 2011: Cogeração e Climatização Bacia de Santos - Pólos de Exploração e Produção Área de km 2 - LDA de 0 a 3000 m Polo Uruguá Polo Mexilhão Polo Merluza Polo Pré-Sal Polo Sul

18

19 Capacidade de fornecimento de gás nacional em SP Crescimento de 600 mil m 3 /dia para 22,2 milhões m 3 /dia São Carlos (SP) REPLAN Araucária (PR) Compressão TAUBATÉ Taubaté Japeri (RJ) V. Redonda (RJ) GASTAU: 98 km, 28 pol Capacidade de Escoamento de 20 milhões m³/dia Operação: 2011 M REVAP M TERMINAL DE GUARAREMA GASTAU 98 km x 28 pol Túnel 5 km UTE Fernando Gasparian RECAP SUZANO UTGCA Merluza-Lagosta / RPBC Capacidade de Escoamento de 2,2 milhões m³/dia S B CAMPO ESBC UTE Euzébio Rocha RPBC Unidade de Tratamento TERMINAL DE SÃO SEBASTIÃO Mexilhão Operação: 2010 Merluza

20 Gás Natural => temos e teremos muito gás na Bacia de Santos

21

22 Foco Atuação Estratégica: Cogeração & Sustentabilidade Mudanças Climáticas Globais e Energéticas Foco Mudanças Climáticas Global (GEE) Expectativa global redução emissões => 50% (2050) Lei Federal e Estadual => Redução Emissões GEE São Paulo Meta => 20% em 2020 com base 2005 Induzir operação com Geração Distribuída Foco Geração Distribuída (GD) Biomassa e Gás Natural Sustentabilidade econômica Eficiência energética (LED) Redes Coletoras de GD (smart grid) Ações Estratégicas => Fomento Sistemas Energéticos de Baixo Carbono Tecnologias que promovem maior eficiência no uso do gás natural (cogeração e climatização) Aproveitamento pleno da biomassa disponível para cogeração de energia (vapor e bioeletricidade) Cadeia produtiva que utilizam tecnologias de geração distribuída de energias limpas (gás e biomassa) Hospital Office Energy Plant Shopping Center Hotel Resultado Esperado: Economia de Baixo Carbono District Colling é uma iniciativa para regiões metropolitanas em todo mundo Grande potencial para deslocamento de carga; Grande potencial para injetar energia nos centros de carga; Aumento da confiabilidade da distribuição elétrica.

23 SP 2022 Master Plan => a força do círculo virtuoso Foco: infra-estrutura competitiva Estratégia: visão global e empreendedorismo Mercado: Networking e sinergias regionais Viver: Fortalecimento humano-empresarial Produzir: Promover tecnologia e competitividade Conquistar: Crescimento econômico e social sustentado Governo empreendedor e humano Produção competitiva e globalizada Educação / C&T qualidade de vida e ambiental

24 COGEN => Associados Colaboradores COGEN => Associados Efetivos Cogen => Foco Atuação Indústria da Cogeração de Energia

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

cogeração biomassa > bioeletricidade + vapor cogeração e climatização ação gás natural > eletricidade + vapor + água quente + água fria

cogeração biomassa > bioeletricidade + vapor cogeração e climatização ação gás natural > eletricidade + vapor + água quente + água fria biomassa da cana de açúcar > oferta crescente e sustentada (bagaço, palha e pontas) cogeração biomassa > bioeletricidade + vapor Panorama da Indústria de Cogeração de Energia Biomassa e Gás Natural gás

Leia mais

Oportunidade e Prioridade da Geração Distribuída Cogeração Biomassa e Energia Solar

Oportunidade e Prioridade da Geração Distribuída Cogeração Biomassa e Energia Solar Fotossíntese SOL maior fonte de energia da Terra Irradiação fotovoltaica Oportunidade e Prioridade da Geração Distribuída Cogeração Biomassa e Energia Solar O papel da geração distribuída na matriz energética

Leia mais

Fontes Complementares de Energia para Geração Distribuída

Fontes Complementares de Energia para Geração Distribuída Fontes Complementares de Energia para Geração Distribuída biomassa gás natural solar A Oportunidade e a Prioridade da Geração Distribuída Cogeração a Gás Natural, Biomassa e Solar O papel complementar

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

Desafios e Perspectivas em Transporte e Logística no Brasil

Desafios e Perspectivas em Transporte e Logística no Brasil Desafios e Perspectivas em Transporte e Logística no Brasil Logística em São Paulo: Desafios da Integração Modal e Regional Milton Xavier 08/dez/2011 Desafios e Perspectivas em Transporte e Logística no

Leia mais

Considerações sobre Infraestrutura Logística, Transporte Sustentável de Cargas, e Mobilidade Urbana no Brasil

Considerações sobre Infraestrutura Logística, Transporte Sustentável de Cargas, e Mobilidade Urbana no Brasil Considerações sobre Infraestrutura Logística, Transporte Sustentável de Cargas, e Mobilidade Urbana no Brasil Seminários IBRE Infraestrutura no Brasil Perspectivas e Desafios nas Áreas de Construção, Saneamento,

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014

FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014 FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014 Infraestrutura e Logística: As vantagens competitivas e os desafios da Região Metropolitana de Campinas Thomaz Assumpção URBAN SYSTEMS 15 anos + de 700 projetos Segmentos:

Leia mais

Cogen Bioeletricidade Expansão da Oferta de Bioeletricidade e Cogeração Gás Natural na Matriz Elétrica. Cogen Gas Natural

Cogen Bioeletricidade Expansão da Oferta de Bioeletricidade e Cogeração Gás Natural na Matriz Elétrica. Cogen Gas Natural Cogen Bioeletricidade Expansão da Oferta de Bioeletricidade e Cogeração Gás Natural na Matriz Elétrica Cogen Gas Natural Carlos R Silvestrin COGEN Tel 11-3815-4887 www.cogen.com.br PDE 2008/17 - Evolução

Leia mais

PARA MUDAR DE VERDADE

PARA MUDAR DE VERDADE PARA MUDAR DE VERDADE os transportes Nos 20 anos de sucessivos governos, o PSDB foi incapaz de enfrentar o colapso da mobilidade urbana com políticas compatíveis com a gravidade do problema, sobretudo

Leia mais

Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia. Ferroviária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP

Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia. Ferroviária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia E6 Ferroviária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP INTERVENÇÃO: Construção Categoria: Construção de Ferrovia EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

SP COGEN Master Plan 2020

SP COGEN Master Plan 2020 SP COGEN Master Plan 2020 São Paulo 01de Agosto de 2013 1 Introdução Motivação Expansão imobiliária Restrições pontuais nas redes de distribuição em áreas de grande mutação urbana Interesse crescente na

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

Trem de Alta Velocidade e Trens Intercidades. Guilherme Quintella Presidente ADTrem Chairman UIC Latin America

Trem de Alta Velocidade e Trens Intercidades. Guilherme Quintella Presidente ADTrem Chairman UIC Latin America Trem de Alta Velocidade e Trens Intercidades Guilherme Quintella Presidente ADTrem Chairman UIC Latin America 6 de Maio de 2013 Agenda UIC e ADTrem Aspectos das Ferrovias Trem de Alta Velocidade Trens

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años Ulysses Nunes, Mangels - Brasil Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Desenvolvimento

Leia mais

FOCO NA EFICIÊNCIA DA OPERAÇÃO

FOCO NA EFICIÊNCIA DA OPERAÇÃO FOCO NA EFICIÊNCIA DA OPERAÇÃO Localização privilegiada, alta qualidade em projeto e serviços na região. Para estar mais próximo do cliente e bem à frente da concorrência. Como todo projeto assinado pela

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA

INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA A infra-estrutura do Estado de São Paulo rede de transportes, energia, telecomunicações, recursos hídricos, meios informacionais, movimentação postal, distritos industriais, apresentada neste capítulo,

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Case Seresta Autor: Écliton Ramos 02 Fonte: ONS Evolução da capacidade instalada (por fonte de geração MW) Plano Decenal de Expansão de Energia

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES PRÉVIA Ilustração artística da portaria Rua dos Tucanos, 630 - Carapicuíba - SP - Brasil 23 33 37.00 S 46 49 17.00 O Por que Rodoanel? O Rodoanel Mário Covas, depois

Leia mais

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO PAC 2 ATÉ OUTUBRO DE 2014 R$ 1,009 trilhão 91,3% do previsto até 2014 ATÉ DEZEMBRO DE 2014 R$ 1,066 trilhão 96,5% do previsto até 2014 PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

Leia mais

Considerações. sobre Matriz Energética. & Dependência Elétrica. Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005

Considerações. sobre Matriz Energética. & Dependência Elétrica. Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005 Considerações sobre Matriz Energética & Dependência Elétrica do Estado de São Paulo Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005 Carlos R Silvestrin VP Executivo COGEN-SP - silvestrin@cogensp.com.br

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

GERALDO ALCKMIN 18/10/2011

GERALDO ALCKMIN 18/10/2011 GERALDO ALCKMIN 18/10/2011 AÇÕES E PROJETOS HABITAÇÃO - 150 mil novas moradias nos próximos quatro anos, para atender a famílias que ganham até 5 salários mínimos, triplicando a produção de moradias no

Leia mais

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS 11 DE AGOSTO DE 2012 EDSON APARECIDO DEPUTADO FEDERAL MACROMETRÓPOLE PAULISTA EM NÚMEROS PIB MM PAULISTA PIB da MM Paulista - 2009 (R$ bilhões)

Leia mais

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN termosolar fotovoltaica SOL Maior fonte de energia da Terra A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN 17/09/2014 Relatório GT COGEN SOLAR

Leia mais

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA Brasil, 2007 PIB R$ 1,8 trilhão Alfabetização 88,6% Expec. de Vida 71,7 anos PIB per capita US$ 8.402 Fonte: ONU e IBGE Brasil, 2015 PIB R$ 2,1 trilhões Alfabetização

Leia mais

7º Fórum Latino Americano de Smart Grid - 10/09/2014 Newton Duarte newton.duarte@cogen.com.br

7º Fórum Latino Americano de Smart Grid - 10/09/2014 Newton Duarte newton.duarte@cogen.com.br 7º Fórum Latino Americano de Smart Grid - 10/09/2014 Newton Duarte newton.duarte@cogen.com.br... um novo e Sustentável ciclo de Produção Descentralizada de Energia Elétrica Blackout New York 14, August

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA Títuloda CANA-DE-AÇÚCAR Apresentação Bioeletricidade A segunda revolução energética da cana-de-açúcar Autor Rio de Janeiro, 24 de novembro de 2005 Helcio

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução?

Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução? Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução? Secretaria dos Transportes Planejamento de Transportes SECRETARIA DOS TRANSPORTES set/2008 Tráfego de Carga e Passageiros na Malha

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES CENTRO INDUSTRIAL COMERCIAL E LOGÍSTICO Ilustração artística da portaria. CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Rua Dona Catharina Maria de Jesus, 400 Guarulhos SP Brasil 23 25 00.00 S 46 24 26.00 O

Leia mais

Comentários e Sugestões da Cogen-SP

Comentários e Sugestões da Cogen-SP Audiência Pública ANEEL AP nº 11/2004 Redução TUST e TUSD Comentários e Sugestões da Cogen-SP Carlos Roberto Silvestrin - Vice Presidente Executivo Cogen-SP silvestrin@cogensp.com.br 14 abril 2004 Agenda

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO

LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO PERFIL DA PRODUÇÃO MINEIRA LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NO ESTADO 43 USINAS EM FUNCIONAMENTO POSIÇÃO REGIÃO Nº DE USINAS 1º Triângulo 23 2º Noroeste 5 3º Sul de Minas 4 4º Centro-Oeste 3 5º Mucuri 2 6º Alto

Leia mais

Brasil. Oportunidades de Investimento Batimat 2011. Miriam Belchior. Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Brasil. Oportunidades de Investimento Batimat 2011. Miriam Belchior. Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasil Oportunidades de Investimento Batimat 2011 Miriam Belchior Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BRASIL VIVE UM MOMENTO EXITOSO Quatro movimentos estruturais explicam

Leia mais

Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014

Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014 Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014 Oportunidades para a arquitetura e a engenharia 8º Encontro da Arquitetura e da Engenharia Consultiva de São Paulo Sinaenco/sp 26 de agosto de 2008 Jurandir

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA 2015 CIDADE CURSOS TURNO INSCRITO VAGA C/V

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA 2015 CIDADE CURSOS TURNO INSCRITO VAGA C/V FATECs CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA 2015 CIDADE CURSOS TURNO INSCRITO VAGA C/V Análise e Desenvolvimento de Sistemas Manhã 130 40 3,25 Análise e Desenvolvimento

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Uma análise do Comitê de Logística da ABAG e de seus núcleos: Infraestrutura do Transporte Logística do Transporte Armazenagem Energia Telemática Capital

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro Sylvio Nóbrega Coutinho Sustentabilidade no Setor Sylvio Nóbrega Coutinho Energia Elemento propulsor de desenvolvimento da sociedade A humanidade depende cada vez mais de um elevado consumo energético

Leia mais

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA CURSOS VAGAS 2013/2.º INSCRITOS C/V FATEC AMERICANA Análise e Desenvolvimento de Sistemas Manhã 40 112 2,80 Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tarde

Leia mais

A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center"

A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center "A importância dos agentes governamentais na definição do Local dos Data Centers" Painel A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center" Tópicos: A DCT Realty gostaria de promover

Leia mais

Cenário das Rodovias Brasileiras. UFSC - Campus Joinville 1

Cenário das Rodovias Brasileiras. UFSC - Campus Joinville 1 Cenário das Rodovias Brasileiras 1 Cenário das Rodovias Brasileiras 2 Vantagens do Pavimento de Concreto 3 Vantagens do Pavimento de Concreto 4 Vantagens do Pavimento de Concreto 5 Vantagens do Pavimento

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo Matriz de Transporte Modal Brasil Participação Estado de São Paulo Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Segundo Fórum Canal Energia/COGEN - Julho de 2013 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar Fonte: The German

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

on.point Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 1º sem. 2013 Pesquisa imobiliária

on.point Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 1º sem. 2013 Pesquisa imobiliária on.point Pesquisa imobiliária Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 1º sem. 2013 Previsão de novo estoque - Brasil 15,3 milhões de m² até 2017 Novo estoque entregue Brasil 1,2 milhões

Leia mais

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO PRÉ-SAL DA BACIA DE SANTOS

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO PRÉ-SAL DA BACIA DE SANTOS Confidencial 1 OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO PRÉ-SAL DA BACIA DE SANTOS Santos, 22 de agosto de 2011 AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade EPE-21/02/2008 Bioeletricidade Sistema de Transmissão Mato Grosso do Sul Ciclo de Produção da Bioeletricidade Plantio da Cana-de-Açucar Colheita Palha Prensagem Xarope Biomassa Acúcar e Ácool Bioeletricidade

Leia mais

ÍNDICE 06 QUEM SOMOS 08 GLOBAL CUMBICA 10 GLOBAL JUNDIAÍ I 12 GLOBAL JUNDIAÍ II 14 GLOBAL VINHEDO 16 GLOBAL SUMARÉ 18 GLOBAL VIRACOPOS

ÍNDICE 06 QUEM SOMOS 08 GLOBAL CUMBICA 10 GLOBAL JUNDIAÍ I 12 GLOBAL JUNDIAÍ II 14 GLOBAL VINHEDO 16 GLOBAL SUMARÉ 18 GLOBAL VIRACOPOS 2012 ÍNDICE 06 QUEM SOMOS 08 CUMBICA 10 JUNDIAÍ I 12 JUNDIAÍ II 14 VINHEDO 16 SUMARÉ 18 VIRACOPOS 20 FUTUROS DESENVOLVIMENTOS ALPHA ARAGUAIA MARECHAL TITO CAMPINAS SOROCABA 22 CORPORATIVO E VAREJO ED.

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Experiências em Sistemas de Cogeração e Climatização. Pedro Luiz M. da Silva Jr. psilva@comgas.com.br

Experiências em Sistemas de Cogeração e Climatização. Pedro Luiz M. da Silva Jr. psilva@comgas.com.br Experiências em Sistemas de Cogeração e Climatização Pedro Luiz M. da Silva Jr. psilva@comgas.com.br Distribuição de gás natural em São Paulo Comgás Gás Brasiliano Gás Natural SPS Citygates Existentes

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

on.point Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 2º sem. 2013 Pesquisa imobiliária

on.point Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 2º sem. 2013 Pesquisa imobiliária on.point Pesquisa imobiliária Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 2º sem. 2013 Previsão de novo estoque - Brasil 13,1 milhões de m² até 2017 Novo estoque entregue Brasil 2,0 milhões

Leia mais

Guia da internet 2013

Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 1 2 Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 3 Região Metropolitana de São Paulo Cajamar Santana de Parnaíba Carapicuíba Presidente Prudente Embu Teodoro

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

SOLAR EXPO CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA

SOLAR EXPO CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA EXPO SOLAR Feira Internacional de Tecnologia Solar CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA Pesquisas indicam que em 20 anos o mundo vai consumir 50% mais energia do que é consumido atualmente. O mesmo percentual

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

O Setor de Bioenergia

O Setor de Bioenergia Sertãozinho - SP O Setor de Bioenergia SISTEMA (CADEIA) AGROINDUSTRIAL SUCROENERGÉTICO PIB em 2008: USD 28.153,10 milhões Antes das Fazendas USD 9.252,42 mm Fertilizantes USD 2.259,09 milhões Defensivos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL GEIPOT Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL Eixo Mercosul Chile Eixo Brasil Paraguai Bolívia Peru - Chile IIRSA Integração da Infra-estrutura Regional na

Leia mais

São Paulo => Importará 75% da Eletricidade que Consumirá em 2015!

São Paulo => Importará 75% da Eletricidade que Consumirá em 2015! São Paulo => Importará 75% da Eletricidade que Consumirá em 2015! Proposta oposta COG COGEN N => Induzir du oferta o e ta de ge geração ação distribuída d st bu da (foco ( oco na a cogeração coge ação

Leia mais

Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres

Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres Terminal de contêiner é bom negócio? São Paulo 25 de Maio de 2009 José Eduardo Bechara Diretor Comercial e Marketing E Grupo Libra Nossa atuação em Contêineres

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA CENÁRIO GLOBAL A empresa do novo milênio está comprometida com a preservação dos recursos naturais respeitando sua capacidade de renovação. Tem como meta utilizar recursos

Leia mais

On Point. Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 2º sem. 2014. Pesquisa imobiliária 2S 2014

On Point. Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 2º sem. 2014. Pesquisa imobiliária 2S 2014 On Point Pesquisa imobiliária 2S 2014 Brasil Industrial Galpões de alto padrão Perspectiva 2017 2º sem. 2014 Estoque total Brasil 24,7 milhões de m² Novo estoque entregue Brasil 0,9 milhão de m² Previsão

Leia mais

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo que promove o crescimento sustentável das pequenas e médias empresas e municípios paulistas. Nosso objetivo é colaborar para

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS MRS Logística Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio Famasul SENAR Claudenildo dos Santos Chaves 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS A MRS e sua malha 2 2 MRS Uma Visão Geral Alguns fatos

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Ilustração artística da portaria. CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Estrada Ferreira Guedes, 784 Potuverá Itapecerica da Serra SP Brasil 23 43 04.00 S 46 53 32.00 O GR Guarulhos GR Hortolândia GR

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO

II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO aceleração do desenvolvimento sustentável no Brasil. Dessa forma, o país poderá superar os gargalos da economia e estimular o aumento da produtividade e a diminuição

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO Mario Veiga mario@psr-inc.com Seminário FBDS - Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Rio, 01 de Abril de 2005 1 Temário Visão geral do sistema elétrico Perspectivas

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil

Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil SEMINÁRIO ABRAGET 2007 João Carlos de Oliveira Mello Presidente Andrade & Canellas Consultoria e Engenharia Rio de Janeiro, 26 de abril de 2007

Leia mais