4.1 CADEIA PRODUTIVA AVÍCOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4.1 CADEIA PRODUTIVA AVÍCOLA"

Transcrição

1 CADEIA PRODUTIVA AVÍCOLA João M. de S. Alves * Celso L. Weydmann ** A indústria avícola catarinense tem sido considerada um setor de destaque em âmbito nacional e internacional. Ao longo das últimas três décadas, a atividade erigiu-se consolidando o Estado como um dos maiores e mais competitivos entre as unidades da federação. O bom desempenho desta agroindústria pôde ser alcançado pelo seu nível de aprendizado, grau de articulação entre os diferentes elos fornecedores de insumos e pela capacidade de adaptação de todo o sistema produtivo às exigências dos diferentes segmentos de consumo nos mercados interno e externo. Atualmente, enfrenta seu maior desafio dado alguns entraves existentes ao desenvolvimento da atividade e os níveis de crescimento e ganhos produtivos apresentados pelos demais Estados produtores que possuem um diferencial competitivo relevante, menores custos de produção oriundos da abundância de matériasprimas. Este texto está dividido em 5 seções, onde na 1ª seção, 4.1.1, apresentam-se a localização e as características produtiva-institucional; na 2ª seção, 4.1.2, discute-se o ambiente institucional; na 3ª seção, 4.1.3, apresentam-se o nível e a capacitação tecnológicas; na 4ª seção, 4.1.4, apontam-se as formas de cooperação e governança e por fim, na 5ª seção, elegem-se as vantagens, desvantagens e políticas de desenvolvimento Localização Configuração e trajetória de constituição O desenvolvimento do setor avícola em Santa Catarina, segundo Canever et al (1997), ocorreu a partir da década de sessenta, quando as empresas que já possuíam negócios na produção de suínos e em cereais se diversificaram atuando na produção e comercialização de carne de frango, impulsionadas pela oferta de créditos para investimentos de longo prazo associados à utilização de tecnologias importadas no que se refere aos segmentos da genética, da nutrição, sanidade e industrialização. * Professor Substituto do Curso de Graduação em Ciências Econômicas e Mestre em Agronegócios na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. ** Professor dos Cursos de Graduação e Pós-graduação Mestrado em Economia da Universidade Federal de Santa Catarina.

2 394 A estrutura fundiária regional encontrada e a predominância de uma colonização européia, com tradição na criação de pequenos animais, favoreceram a implantação de um modo de produção, de forma contratual, entre produtores e agroindústrias, a exemplo do que já ocorria nos Estados Unidos (TALAMINI e KIMPARA, 1994). Conhecido como Sistema Integrado, desenvolvido pela agroindústria, o sistema de integração foi também fator responsável pela conquista de bons resultados da avicultura. Disseminado pelo Brasil, teve sua implantação e origem na região Oeste do Estado onde rompeu radicalmente com o modelo tradicional que até então era caracterizado pelo trabalho dos colonos com galinhas caipiras, criadas extensivamente e de raças crioulas, sem nenhuma tecnologia e destinadas ao consumo próprio, sendo comercializadas no caso de excedentes (DALLA COSTA, 1997). Possuindo certa experiência necessária para trabalhar com carnes por abater, industrializar e comercializar suínos desde meados da década de 40, as empresas catarinenses, especificamente a Sadia, foram precursoras na adoção deste modo intensivo de produção. A atividade, que alguns anos atrás era caracterizada como marginal, passou a constituir uma das mais importantes atividades econômicas do Estado, alavancando-se com a inserção no mercado internacional a partir de meados da década de 70, pela exportação do frango inteiro. Na dianteira do desenvolvimento, a indústria avícola catarinense começou, em meados da década de 80, a comercializar cortes de frango para o exterior. A atuação no comércio internacional mostrou sua capacidade de competitividade e flexibilidade, decorrentes de um padrão tecnológico adotado e das vantagens específicas encontradas. A abertura externa permitiu que as agroindústrias estaduais ampliassem seus ganhos e escoassem toda a sua capacidade produtiva não absorvida no mercado interno. As perspectivas de um mercado lucrativo atraíram a atenção de grandes grupos multinacionais, dos quais Bunge e Macri, que se instalaram no Estado, e inversões dos demais grupos econômicos nacionais acirrando a concorrência nos anos noventa. Nesse período, conforme Canever et al (1997), com a abertura econômica, com a estabilização da economia e mudanças nos padrões de consumo, a agroindústria passou para a era da competitividade, na qual a reestruturação tecnológica, a eficiência, a diminuição dos custos e a reestruturação administrativa das empresas transformaram-se nas estratégias de sobrevivência. A migração de investimentos das principais agroindústrias catarinenses para o Centro Oeste brasileiro, atraídas pela abundância de matérias-primas, mão-de-obra e incentivos fiscais proporcionados pelos Estados daquela região, foram os efeitos diretos desta nova dinâmica de mercado. Desta forma, a distribuição espacial da atividade sofreu alteração,

3 395 ocorrendo um deslocamento da produção para novas áreas interferindo na participação efetiva de cada Estado nos mercados interno e externo Caracterização sócio-produtiva e perfil da comercialização da cadeia industrial avícola catarinense Na produção, o modelo implantado em Santa Catarina e a posteriori difundido no país concilia a eficiência de milhares de pequenos avicultores e a enorme capacidade de produção em escala e distribuição das empresas processadoras de carne. As atividades são divididas de maneira que os avicultores canalizem esforços somente para a criação. Assim, os produtores integrados recebem as aves (em idade de um dia), a ração e a assistência técnica da agroindústria, para as criarem e as entregarem com peso e idades pré-determinados. As empresas processadoras são responsáveis diretas pelas etapas seguintes, que envolvem o abate, o processamento, a distribuição e a divulgação da qualidade do produto (SOUZA, 2003). Na formação do valor bruto da produção agrícola estadual, o abate de aves representa 24% do total (R$ 1,13 bilhão). Diretamente emprega cerca de pessoas na indústria e indiretamente mais de 80 mil trabalhadores (ICEPA, 2003). São 9,6 mil produtores integrados distribuídos em uma malha de 173 municípios que mantém plantéis efetivos de produção entre 50 mil e 10 milhões de aves (IBGE, 2004). Do efetivo total, 74% concentram-se na região Oeste, principalmente nos municípios de Concórdia, Chapecó, Joaçaba, Xanxerê e São Miguel do Oeste. A atividade encontra-se dividida em seis mesorregiões geográficas no Estado, de acordo com a Tabela e a Figura Tabela Evolução da distribuição dos plantéis de aves por mesorregiões geográficas no estado de Santa Catarina, REGIÕES Oeste Norte Serra Vale Florianópolis Sul TOTAL SC Brasil % SC/BR 15.55% 16.68% 16.92% 16.03% 18.25% 18.03% Fonte: IBGE.

4 396 Jaragua do Sul Dionisio Cerqueira Quilombo Maravilha Videira Xaxim Ipumirim Itajai Itapiranga Guatambu Seara Chapeco Concordia Sao Jose Capinzal Lages Nova Veneza Forquilhinha Fonte: Governo do Estado de Santa Catarina. Figura Localização das áreas de produção avícola de Santa Catarina No período de análise ( ), o plantel catarinense cresceu cerca de 46%, onde a região Oeste apresentou as menores taxas de crescimento médio (6,9%), o que significa uma expansão mais lenta em comparação às demais zonas de produção. Cabe destacar o incremento da atividade ocorrido nos municípios do Vale do Itajaí, cujas taxas médias de crescimento atingiram 14,9%. A atividade de abate e industrialização encontra-se instalada em 17 municípios, 15 destes localizados na região Oeste, onde estão presentes unidades industriais de 11 agroindústrias. Em 2004, foram abatidas 712 milhões de aves. A Perdigão Agroindustrial é a empresa líder no número de abates, sendo seguida de perto pela Seara Alimentos, empresa do grupo americano Cargill e pela Sadia S.A. Em 2000, o Estado perdeu a liderança nacional no abate de aves para o Paraná, posição que se mantém atualmente. A falência do Frigorífico Chapecó, agroindústria que abatia em torno de 80 milhões de aves ano, foi determinante para este novo posicionamento. Contudo, Santa Catarina mantém-se como maior exportador nacional, 29,4% do total brasileiro destinado ao mercado externo (ABEF, 2004). Em 2004, segundo relatório do Instituto CEPA, o setor avícola respondeu por 18,8% dos valores exportados (US$ 910 milhões) por Santa Catarina. A estrutura de exportação avícola do Estado configura-se atualmente conforme o Quadro 4.1.1, ressaltando a forte presença das tradings e grupos comerciais envoltos nas atividades do comércio internacional.

5 397 EMPRESAS INTEIRO CORTES INDUSTRIALIZADOS US$ MILHÕES Sadia S/A X X X > 50 Perdigão Agroindustrial X X X >50 Seara Avícola X X X >50 Cooperativa Aurora X X - >50 Frigorífico Chapecó X X X 10 a 50 Macedo Koerich X X X 10 a 50 Agrovêneto - X X > 50 Diplomata Industrial X X - 10 a 50 First S/A X X - 10 a 50 Frigorífico Vale do Itajaí X X - 1 a 10 Ind. de Alimentos Vale do Itajaí X X - 1 a 10 Brascopa Com. Exportadora X X - 1 a 10 Lifeex Imp. E Exp. X X - Até 1 Vossko do Brasil Ltda. - X X 10 a 50 Oeste Aves Agroindustrial. - X - 1 a 10 Cledi Com. Exportadora ltda. - X - Até 1 Renar Marcas S/A - X - 10 a 50 Carofema Imp. e Exportações Ltda. - X - Até 1 Agrofrango Ind. - X - Até 1 Agropel Agroindustrial Perazzoli Ltda. - X - 10 a 50 Fonte: Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio. Portal Exportadores Brasileiros, 2005 Quadro Empresas exportadoras de carne de aves no estado de Santa Catarina 2004 O interessante a observar é a atividade de algumas empresas que não produzem a matéria- prima, mas transformam-na agregando valor e exportando o produto. Este é o caso da Vossko, uma das principais agroindústrias da Alemanha, especializada na produção de derivados de frango e peru, que instalou unidade fabril no município de Lages. A empresa, grande cliente das agroindústrias catarinenses (Perdigão, Seara), que fornecem matéria-prima, exporta produtos de maior valor agregado (cortes e industrializados) para a Europa. Nesse processo dicotômico, as exportações crescem com a especialização da agroindústria na produção da ave (matéria-prima). Os países da Europa constituem o grande mercado para os produtos de Santa Catarina. Os maiores importadores de frango em 2004, segundo dados compilados pelo Icepa, foram, pela ordem: Holanda (US$ ), Japão (US$ ) e Alemanha (US$ ). No mercado mundial de aves, o Japão concentra a maior parcela da demanda pelos produtos de maior valor agregado. É considerado o maior importador mundial em valor. Já a Holanda é vista como uma grande trading, reexportadora do produto. Os volumes, valores e destinos do frango procedente do Estado podem ser visualizados na Figura

6 398 Exportações Catarinenses - Valores (US$ Milhões e Volume Exportado) US$ Milhões Volume Honk Kong 8% Arábia Saudit a 11% Destino das Exportações Catarinenses de Carne de Aves Kwait Reino Unido 7% 8% Alemanha 19% Holanda 24% J apão 23% Fonte: Icepa Figura Volumes, valores e destinos das exportações catarinenses, A consolidação e expansão de um mercado externo para os produtos catarinenses (frango inteiro, cortes e industrializados) somente têm sido possíveis pelo uso intensivo da tecnologia e seu aprimoramento que permite modificar as formas do processo industrial e possibilitar a fabricação, pela capacidade de inovação tecnológica em produtos e processos, de produtos variados e adequados a uma demanda cada vez mais exigente e específica. Quanto à oferta de produtos para o mercado doméstico, verifica-se o seguinte movimento distributivo. No Estado, a oferta tem se mantido estável, em torno de 15% do total produzido é comercializado e consumido nos municípios catarinenses (aproximadamente 220 mil toneladas). Já o percentual de participação em mercados de outros Estados fora reduzido, por um lado, em virtude da expansão das exportações, por outro, pelo início e ampliação de operações das agroindústrias catarinenses fora do Estado, conforme a Tabela No período , o consumo individual da carne em Santa Catarina atingiu patamares altos de consumo, sendo considerado um dos maiores em se tratando de Brasil, por volta de 41 kg de carne/ano (ICEPA, 2004).

7 399 Tabela Carne de aves - oferta e demanda catarinense SITUAÇÃO 2002 (A) 2003 (B) 2004 (C) VARIAÇÃO A/C Produção ,90% Exportação ,20% Vendas Nacionais ,50% Vendas no Estado % Consumo Per capita 41.1kg 40.5kg 41.0kg -0,9 Fonte: Icepa, Caracterização do ambiente institucional público e privado O ambiente institucional possui um importante papel para o nível de competitividade da cadeia avícola, dado sua influência à dinâmica e estrutura do setor e na medida em que impõe limites às ações dos agentes. Alguns fatores específicos, de maior influência, são comentados a seguir Comércio internacional Cada vez mais o posicionamento competitivo das empresas avícolas nacionais no comércio internacional tem sido influenciado por políticas protecionistas adotadas por alguns países. Conforme o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC, 1999), os entraves decorrentes das políticas protecionistas praticadas pelos países podem ser resumidos em três grupos mais comuns: barreiras tarifárias (tarifas de importação, novas taxas e valoração aduaneira), barreiras não-tarifárias (imposição de quotas, restrições quantitativas, licenciamento de importações, procedimentos alfandegários, medidas antidumping e compensatórias) e barreiras técnicas (normas e regulamentos técnicos, regulamentos sanitários, fitossanitários e de saúde animal). Especificamente para a cadeia avícola, estão vigentes no cenário internacional as seguintes barreiras sanitárias: a) Zoonoses: Vírus da Influenza Aviária; Doença de Newcastle; b) Presença de antibióticos (Nicarbazina e Nitrofurano); c) Presença de promotores de crescimento (Avilamicina e Flavomicina); d) Rastreabilidade; e) GMP (Good Manufacturing Practices); f) HACCP (Hazard Analysis Critical Control Points);

8 400 g) Reclassificação tarifária do frango salgado (1,2% para 1,9%) 1. Os Estados exportadores se enquadram em todas estas situações envoltas com diferentes países. O Quadro exemplifica estas restrições impostas ao Brasil. PAÍS África do Sul Canadá Colômbia Coréia do Sul e Rússia EUA Japão México Nigéria União Européia RESTRIÇÃO Estabelecimento de tarifas sobre importação da carne de frango Em decorrência do acordo agrícola da Rodada do Uruguai (GATT), estabeleceu quotas tarifárias. As importações até o limite da quota estariam isentas ou sujeitas a tarifas inferiores as incidentes sobre importações extraquota. A quota estabelecida foi de ,7 toneladas para frangos e galinhas vivos, carne de frango e galinha e suas preparações. O problema está na distribuição da quota, baseada em diferentes critérios, entre os quais o histórico importador. Licenças de Importação. Para cada possibilidade de comércio deve ser requerida uma licença de importação. A execução da licença depende da avaliação do governo. Estabelecimento de quotas de importação. Restringem a entrada de produtos brasileiros e adotam subsídios para garantir suas exportações. Proibição de importação de carne in natura e derivados não cozidos (doença de newcastle). Há fortes restrições as empresas que não adotam um sistema de inspeção baseado no HACCP (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle). Restrições às importações (resíduos de nicarbazina). Prioriza barreiras tarifárias (quotas de importação). Adota uma política protecionista de forma explícita. Para a carne de frango as taxas de importação chegam a 161%. Barreiras tarifárias e não-tarifárias; Estabelecimento de quotas de importação e subsídios. Fonte: JANK, M. S. & NASSAR, A. M. Competitividade e Globalização. In: Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares. Décio Zylbersztajn & Marcos Fava Neves organizadores. São Paulo: Pioneira, Pp BRASIL. Ministério do Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior. Barreiras Externas às Exportações Brasileiras. Brasília; P. 23. Quadro Exemplos de restrições às exportações avícolas brasileiras Os mecanismos utilizados pelos países importadores constituem para alguns apenas uma questão de cautela quanto ao produto que se está pretendendo habilitar, e para outros uma forma de retardar o processo de importação buscando o estímulo e incremento da competitividade da indústria local (BRASIL, 1999). De modo geral, o que se percebe é que há um protecionismo atuante no mercado internacional para o setor exportador de carne de aves, sendo definidor da capacidade de exportação e fator desfavorável para as empresas exportadoras. Cabe ressaltar que Santa Catarina se encontra em condição bastante dependente destes enlaces com países como Japão e União Européia, cujos volumes comercializados giram em torno de 75% das exportações do Estado. 1 O Brasil recebeu, em 2005, parecer favorável nesta questão às suas reinvidicações junto à Organização Mundial de Comércio (OMC).

9 Legislação sanitária, ambiental e biossegurança As questões relacionadas ao controle da sanidade sobre produtos de origem animal, e conseqüentemente a qualidade dos alimentos, têm influenciado sobremodo a dinâmica do comércio mundial de carne de aves, estabelecendo novos parâmetros de competitividade associados a processos de certificação, como a International Organization for Standartization (ISO), e adoção de métodos de controle, como o Hazard Analysis Critical Control Points (HACCP). No Brasil, os Ministérios da Saúde e Agricultura instituíram, através da Portaria nº 1428/93, a utilização dos programas Good Manufacturing Practises (GMP) e Hazard Analysis Critical Control Points (HACCP) como ferramentas para inspeção de todo o processo de produção da indústria de alimentos. O programa GMP é adotado pela Organização Mundial de Saúde e o Food and Drugs Administration (FDA), órgão regulador americano, como critério mínimo recomendado para a fabricação dos produtos sob condições sanitárias adequadas e como rotina de inspeção. Contempla aspectos higiênicos e sanitários, incluindo a eliminação da contaminação microbiológica, física e química (MELLO, 2001). O sistema HACCP busca estabelecer o controle em todo o processo produtivo, considerando a matéria-prima, o processamento e ambiente até os operadores envolvidos na produção. Os programas GMP e HACCP constituem uma meta maior das empresas, que é a garantia da qualidade total do alimento. Este último, HACCP, é disseminado de forma ampla na cadeia produtiva, onde todas as empresas com sistema de inspeção sanitária federal adotam esse instrumento de qualidade. Para as empresas exportadoras, este é um pré-requisito para o acesso aos mercados externos. A adoção de tal mecanismo por parte das empresas não exportadoras permite evitar possíveis problemas de qualidade dos produtos. O controle do uso de uma legislação sanitária e ambiental dependem, em parte, da inspeção e fiscalização pelos órgãos credenciados. Para a indústria avícola (abate e processamento), este item consiste em um importante fator de credibilidade, pois certifica o produto para os mercados interno e externo. A inspeção é um requisito sanitário mínimo para a obtenção da certificação de qualidade do produto. Normalmente, os órgãos públicos têm dificuldade em disponibilizar pessoal para todos os abatedouros ou mesmo as granjas de matrizes, sendo contratado um fiscal por parte da empresa. A questão da biossegurança na cadeia avícola ganha espaço com o aparecimento de suscetíveis surtos de infecções nos plantéis de aves de diversos países. A biossegurança objetiva reduzir os riscos de infecções em uma população específica, aumentando o controle

10 402 sanitário dos plantéis, minimizando a contaminação do ecossistema e garantindo a saúde do consumidor. Assim, é necessário desenvolver e implementar normas e procedimentos rígidos em todos os elos da produção. Segundo Jaenisch (2002), na avicultura, a utilização correta de medidas sanitárias e programas de imunoprofilaxia é que previne a instalação de doenças nos plantéis e protege o consumidor, usuário final do produto avícola. No entanto, os programas de vacinação e de biossegurança não asseguram total eficácia, fazendo-se necessário uma interdependência entre as etapas do controle sanitário. Também, alguns importantes aspectos devem ser considerados em um programa de biossegurança quando relacionado ao setor produtor de insumos avícolas, como: cuidados com a ração (controle tanto da qualidade nutricional quanto das características microbiológicas) e vacinação. O êxito de um programa de vacinação está condicionado ao estado sanitário e nutricional das aves. Os desafios sanitários de cada região é que determinam o esquema de vacinação adotado por cada empresa Rastreabilidade De acordo com definição do Sindicato e Associação dos Abatedouros e Produtores Avícolas do Paraná (SINDIAVIPAR, 2005), a rastreabilidade é um processo crescente impulsionado pelas economias de escala, decorrentes do avanço tecnológico e da demanda do mercado importador. A exigência está na transparência nos processos de produção e distribuição dos produtos. Por meio da abrangência dos controles, da disponibilidade dos registros, da definição de lotes e das características acordadas entre o cliente e a indústria, define-se o nível de rastreabilidade. Neste processo, as características de maior interesse são: a linhagem da ave, origem da ração, rações livres de antibióticos terapêuticos, bem estar animal, boas práticas veterinárias, níveis microbiológicos, presença de organismos estranhos e controle de qualidade A questão ambiental A questão ambiental 2 também tem recebido maior atenção nos dias atuais. Problemas de contaminação do ambiente podem ocorrer em função da criação de aves e seu processamento, tanto pela deposição indevida de resíduos das granjas, que comprometem o 2 Novas tecnologias de processamento, do uso da energia e da água são demandadas devido à influência dos efeitos da avicultura no meio ambiente.

11 403 ecossistema, como de resíduos do processamento industrial (sangue, vísceras, penas, carne e tecidos gordurosos, detergentes ativos e cáusticos, etc.). O tratamento de efluentes, já utilizado pela indústria, permite a redução do impacto das descargas poluentes no meio ambiente. No entanto, medidas de controle de geração de resíduos na própria planta, de controle de processos e vários níveis de tratamento biológico se fazem necessários. As normas referentes à qualidade ambiental são mais rigorosas para as empresas avícolas voltadas à exportação, constituindo-se, segundo Mello (2001), um diferencial competitivo entre as empresas Condições no Estado Os números do Sistema de Inspeção Federal (SIF) para o abate de frangos em Santa Catarina são positivos. Praticamente 100 % das empresas são inspecionadas (ABEF, 2004). Contudo, o contínuo crescimento dos plantéis (frango) e de outras atividades criatórias de aves no Estado (frango colonial, perus, patos e marrecos) traz a necessidade de uma maior implementação de medidas de controle, uma vez que problemas de ordem sanitária podem comprometer o acesso aos mercados. Ainda, medidas conjuntas necessitam ser adotadas na indústria para a obtenção de melhores resultados na produção e qualidade do produto. As principais seriam: o monitoramento sorológico dos plantéis, o acesso às granjas de reprodução de material genético, a sanidade das instalações, o armazenamento de vacinas, demais produtos e rações, bem como o transporte dos mesmos. Também, os cuidados com a limpeza e desinfecção dos locais. Dado o alto custo operacional da implantação destes cuidados, a insuficiência de recursos destinados à sanidade animal pode desacreditar o serviço do Estado, servindo de arma para os concorrentes e enfraquecendo posições nas negociações. O devido tratamento da água é outra questão fundamental e problemática que ocorre de forma mais intensa no Oeste catarinense. Milhões de litros de água são consumidos diariamente no abate e industrialização da ave (em média 17 litros de água/ave) sem um tratamento adequado para a reutilização da mesma Canais de distribuição Conforme interpretação de Schorr (2005), os canais de comercialização são os vetores que podem permitir uma vantagem competitiva consistente a uma empresa. Isto se aplica à

12 404 indústria avícola brasileira, onde as tecnologias de produção de aves e o processamento industrial são muito semelhantes e, a princípio, disponíveis para todos os participantes do mercado. No Estado, atuam vendedores, representantes, atacadistas, distribuidores, indústrias processadoras, varejistas e traders que desempenham importante papel nas exportações. A necessidade de reestruturação e mudanças estratégicas não fixa postos para estes agentes. Assim, produtores agem como atacadistas, atacadistas como varejistas e operadores logísticos, criam-se atacadistas especializados, diminuindo espaços para a atuação das médias e pequenas agroindústrias Apoio institucional e incentivos públicos Um dos pontos fortes da avicultura industrial é o apoio prestado pelas suas associações, no assessoramento de serviços, informações estatísticas e análise de mercados. Os Estados produtores têm-se beneficiado dos trabalhos desenvolvidos pela União Brasileira de Avicultura UBA; pela Associação Brasileira dos Exportadores de Frango ABEF e pela Associação Brasileira de Produtores de Pintos de Um Dia APINCO. Instituições como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA Suínos e Aves) e o Instituto Tecnológico de Alimentos (ITAL), bem como algumas universidades brasileiras (UFSM,UFRGS,UNICAMP,USP,ESALQ) têm dinamizado o setor por meio da difusão de importantes pesquisas e trabalhos de campo junto aos produtores e agroindústrias. O setor produtor de aves em Santa Catarina está representado pela Associação Catarinense de Avicultura (ACAV), filiada às demais entidades nacionais, que têm empreendido esforços para a capacitação das distintas áreas envoltas na atividade. Quanto aos incentivos públicos, o Estado tem procurado fomentar o desenvolvimento do setor avícola através do Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense (PRODEC) criado em Nos últimos seis anos, cerca de 260 milhões de reais foram investidos em unidades das empresas distribuídas em 11 municípios, gerando aproximadamente 3600 empregos, segundo a Tabela

13 405 NOME Tabela Principais empresas da cadeia regional de aves do estado de Santa Catarina beneficiadas pelo financiamento PRODEC - SC MUNICÍPIO Nº DE EMPREGOS A SEREM GERADOS MONTANTE DO FINANCIAMENTO R$ Perdigão S/A Capinzal ,00 Perdigão S/A Lages ,00 Perdigão S/A Herval d Oeste ,00 Perdigão S/A Videira ,00 Perdigão S/A Salto Veloso ,00 Perdigão S/A Capinzal ,00 Sadia Concórdia S/A Concórdia ,00 Sadia Concórdia S/A Concórdia ,00 Sadia Concórdia S/A Chapecó ,00 Agrofrango Ind.Com.Alim. Ltda. Ipumirim ,00 Cooperativa Central Oeste Catarinense Ltda. Chapecó ,55 Agroavícola Vêneto Ltda. Nova Veneza ,30 Fonte: Secretaria de Planejamento do Estado de Santa Catarina / PRODEC Nível e capacitação tecnológicas Nível tecnológico A avicultura industrial catarinense e brasileira notabilizou-se por profundas mudanças apropriando-se de um padrão tecnológico difundido ao longo dos anos. O segmento evoluiu através da absorção de contribuições advindas da biotecnologia e das tecnologias complementares da microeletrônica e da automação. Nestas transformações, os fatores tecnológicos desempenharam um papel destacado na conformação das estruturas industriais e na competição entre as empresas (SOUZA, 2003). Estudos efetuados pelo Centro de Pesquisas em Suínos e Aves (CNPSA) da EMBRAPA (2001) demonstram que 80% das melhorias ocorridas em linhagens de corte e postura no Brasil foram decorrentes do processo de seleção genética. Os trabalhos realizados neste segmento trouxeram impactos expressivos na dinâmica da produção mediante o aperfeiçoamento de características como ganho de peso, conversão alimentar, rendimento da carcaça, todas trabalhadas no processo de melhoramento genético. A evolução da genética animal foi acompanhada por novas pesquisas em outras áreas, como a indústria de nutrição, sanidade animal e de máquinas e equipamentos. As novas exigências nutricionais da ave demandaram ingredientes mais puros, fáceis de digerir e de boa assimilação. Assim, os fornecedores deste elo especializaram-se nas rações prontas, de concentrados e de premix (pré-mistura), com objetivos de suprir as lacunas nutricionais da alimentação normal, prevenir enfermidades, melhorar o aproveitamento dos alimentos e estimular o crescimento. A atividade de nutrição fornece rações completas e

14 406 premix diretamente para criadores independentes, para as granjas de seleção genética, granjas de bisavós, avós, matrizes e agroindústria processadora. O premix recebido pela agroindústria processadora é transformado em ração completa, com a adição de cereais, farelo de cereais e outros produtos que a empresa julgar necessário e distribuídos aos produtores integrados (ROHENKOHL, 2003). Existem diferentes tipos de rações, especiais para cada tipo de criação, ou seja, a formulação para os elos de genética mais apurada como Bisavozeiros e Avozeiros difere das demais pelas necessidades fisiológicas básicas e totais da ave (tempo de vida útil). Atualmente, cerca de 30 ingredientes podem ser utilizados para a confecção das diferentes rações, são eles: o milho, o farelo de soja, o farelo de trigo, o sorgo, o trigulho, fósforo bicálcico, a farinha de osso, a farinha de pena, as vitaminas A, D3, B1, B6, B12, C, E, K3, riboflavina, tiamina, colina, treonina, lisina, metionina, biotina, ferro, zinco, manganês, cobre, iodo, selênio, cobalto (SINDIRAÇÕES, 2003). Os ingredientes são justamente os que agregam valor à ração. Grandes grupos multinacionais atuam na compra, produção e distribuição de ingredientes para ração animal, principalmente os de maior complexidade tecnológica. A sanidade avícola empreendeu esforços relacionados basicamente à produção de medicamentos diretamente ministrados ou misturados aos alimentos, objetivando diagnosticar e tratar as enfermidades das aves. Os ganhos produtivos propiciados pelas inovações nestes elos resultaram em um crescimento não tão ordenado da atividade e o aparecimento de zoonoses. A indústria veterinária desenvolveu pesquisa e desenvolvimento em vacinas e medicamentos que constituíram o grande instrumento no controle de doenças, e seu uso tem sido responsável por reduções marcantes em mortalidade e ganhos consideráveis em performance. A avicultura de corte é uma das explorações animais em que mais se utilizam vacinas, desde 1 (um) dia de idade até o abate (40 dias) (BACK, 2003), sendo todas importadas. O segmento fornecedor de máquinas e equipamentos para a avicultura industrial também é dominado por poucas empresas. Somente seis empresas no mundo fornecem sistemas completos para o abate e a industrialização de aves: as empresas holandesas Stork, Meyn e Systemate, a alemã Baader, a islândesa Marel HF e a americana Johnson Food Equipment Company. Estas empresas também atuam em outros segmentos, fornecendo tipos variados de equipamentos. Um grupo maior de empresas atua no fornecimento de tecnologias para as granjas. De menor complexidade, as tecnologias são fornecidas por empresas que

15 407 atuam em mercados segmentados, ou seja, por exemplo, algumas produzem somente sistemas de climatização, outras, equipamentos diversos para alimentação. Diante do exposto, observa-se que são os diferentes elos os agentes inovadores desta cadeia e que parte significativa dos ganhos produtivos da agroindústria avícola depende do desenvolvimento tecnológico gerado por estes. Os principais pólos geradores de inovação para a avicultura estão representados na Figura Os números da produção avícola catarinense fazem menção à importância do mercado local aos fornecedores de insumos. Muitas empresas possuem unidades industriais localizadas no Estado, como as multinacionais Rooster (USA) e Petersime NV (Holanda) na área de incubação; a americana Embrex e a israelense Plasson (fases diversas da criação) e a ítalobrasileira Avioeste (criação). Outras empresas possuem somente representações. Há também fornecedores de outras unidades da federação, como Rio Grande do Sul, São Paulo (maior concentração) e Paraná. Assim, o Estado se beneficia de uma ampla rede de fornecedores de alta tecnologia difundida em um curto período de tempo desde seu desenvolvimento à sua aplicação. Granjas de Seleção Máquinas e Equipamentos Rações diferenciadas Vacinas e Medicamentos Bizavozeiros Avozeiros Matrizeiros Reprodução Pintinho s Vacinas e medicamentos Agroindústria Abate Integração Agroindústria Máquinas e Equipamentos Premix Fonte: Souza, Figura Principais pólos geradores de inovações na cadeia da avicultura

16 408 A entrada de linhagens genéticas mais sofisticadas em Santa Catarina surgiu com a formação de parcerias entre as agroindústrias e as grandes empresas fornecedoras mundiais, o que exigiu uma atualização técnica nos padrões de manejo e nutrição, confeccionando mercado e atraindo fornecedores dos elos distintos como os citados anteriormente. A princípio, o material genético era diretamente importado, multiplicado nas granjas das empresas. Posteriormente, com a vinda e instalação de unidades produtivas de genética de aves no Brasil, foram rompendo-se os acordos. Atualmente, as linhagens puras são fornecidas pelas multinacionais americanas Cobb-Vantress (detém cerca de 60% do mercado nacional), Avian e Arbor Acres e a Escocesa Ross Breeders em consórcio com a Agroceres conforme o Quadro A Agrogen, empresa sediada no Rio Grande do Sul, é parceira multiplicadora de genética da Cobb, fornecendo ovos incubados e aves para as agroindústrias do Estado. EMPRESA PROCESSADORA LINHAGEM EMPRESA FORNECEDORA Sadia Ross/Cobb/Arbor Acres Ross Breeders/Cobb Vantress/ Arbor Acres Perdigão Ross/Cobb/Hubbard Ross Breeders/Cobb Vantress/ISA Seara Ross/Cobb/Arbor Acres Ross Breeders/Cobb Vantress/ Arbor Acres Chapecó (2002) Ross/Cobb Ross Breeders/Cobb Vantress Aurora Ross/Cobb Ross Breeders/Cobb Vantress Fonte: Avisite, vários acessos, 2004 Quadro Material genético utilizado pelas agroindústrias catarinenses e fornecedores de material genético (2004) Em termos de mercado, vale observar a venda da genética do chester, praticamente única ave totalmente desenvolvida em nível nacional e produzida em escala industrial, pertencente ao grupo econômico catarinense Perdigão, à Cobb-Vantress. O contrato garante a continuidade do fornecimento deste insumo à agroindústria Perdigão no Brasil. Os esforços inovativos das empresas de genética seguem no sentido de produzir uma ave mais robusta, com maior peso concentrado no peito e nas coxas do animal. As previsões do setor são ganhos aproximados de 3% em carne e redução de gordura total entre 1,5-2,0% no decorrer dos próximos dez anos (COBB, 2005). A indústria avícola desempenha o papel de usuária das inovações desenvolvidas pelos setores fornecedores de insumos. No entanto, de acordo com Gomes Filha (1999), a dinâmica tecnológica não se resume somente na apropriação de inovações exógenas. O desenvolvimento de novas técnicas de processo de abate e novos produtos requer novas formas de processamento e conservação, desenvolvidas internamente. Assim, na

17 409 agroindústria, a inovação ocorre na adequação de métodos e processos das tecnologias geradas pelos demais elos e no desenvolvimento de produtos, que, por sua vez, geram novos processos. Em geral, a oferta de produtos se caracteriza pela produção de tipos variados de cortes ou então industrializados à base de frango. Contudo, as maiores agroindústrias possuem um portfólio diferenciado em relação às demais. Utilizando-se de criatividade, inovação e percepção das tendências do mercado consumidor, inovam lançando produtos variados, tais como: cortes temperados, pratos prontos, pizzas, lanches, etc.; (SCHORR, 2005). Os lançamentos não acontecem de forma contínua, dado um certo padrão de maturidade nas possibilidades de novos produtos. Como estratégia, esforços têm sido direcionados para modificações nas embalagens e formas de apresentação dos produtos, ocorrendo relançamento de produtos sem uma modificação nas características fundamentais (sabor, textura, etc.). Como evidência, segundo consulta à base de dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI, 2005), a Sadia detém patentes (6) em embalagens para produtos cárneos, desenvolvidas e registradas pela unidade industrial em Concórdia, região Oeste do Estado. Todavia, o patenteamento não é uma prática comum na indústria avícola brasileira dada as baixas condições de apropriabilidade. Para o desenvolvimento de conhecimentos específicos, as indústrias avícolas catarinenses contam com um setor vinculado ao desenvolvimento de produtos. Este se caracteriza conforme o tamanho organizacional e o portfólio de produtos da empresa. Os esforços empreendidos pelas pequenas e médias empresas se caracterizam pelo oferecimento de um pequeno número de cortes e alguns produtos já conhecidos como uma linha de embutidos (patês, salsichas, lingüiças) e empanados (nuggets). Essas empresas, quando inovam, não passam a oferecer produtos novos para o mercado, mas procuram se ajustar tecnologicamente às empresas concorrentes e líderes, por meio de mecanismos de imitação (GOMES FILHA, 1999). Como as principais agroindústrias catarinenses (Sadia, Seara, Perdigão) constituem parte de grupos já nacionalizados, muitas inovações são desenvolvidas fora do Estado nas unidades industriais locais e nos centros de desenvolvimento de produtos destas empresas e posteriormente difundidas para as demais unidades. Exemplos desse comportamento são os cortes industrializados de peru produzidos pela Perdigão em sua unidade no Paraná e industrializados da Sadia (pratos prontos e pizzas) em São Paulo (AVISITE, 2005). Quanto ao acesso a novos mercados e à manutenção dos mercados existentes, os esforços exigidos referem-se à qualidade sanitária dos plantéis, uma barreira definida, e ao

18 410 atendimento e adequação aos padrões de consumo dos mercados específicos, como os mercados no Oriente Médio que, exigem normas específicas de abate e processos produtivos Capacitação tecnológica As inovações tecnológicas exigem, por parte das empresas, certos padrões em termos de capacitação de mão-de-obra, maquinários e equipamentos disponíveis e novas formas de gestão. As maiores agroindústrias do Estado (Perdigão, Seara, Sadia, Aurora), com sistemas organizacionais já implantados, e uma estrutura tecnológica bastante desenvolvida, têm garantido ações efetivas para a melhoria do ambiente de trabalho e a capacitação de seus funcionários. Uma destas ações, a mais difundida entre as empresas, contempla a educação básica de seus funcionários. A Perdigão implantou recentemente, no município de Videira, o chamado projeto Semear. Uma escola de agronegócios com o objetivo de preparar os filhos dos produtores integrados para a atividade, dando continuidade ao sistema. A Sadia possui a Universidade Sadia, esforço direcionado para qualificações em funções específicas, como a oferta de cursos de pós-graduação para o quadro administrativo da empresa (Avicultura Industrial, 2005). Este é um tipo de ação realizado por meio de parcerias com instituições de ensino superior, como a Escola de Administração da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Aliás, são as parcerias as principais fontes de capacitação vinculadas às empresas. A necessidade de suprir gargalos tecnológicos sem custos operacionais adicionais tem orientado as agroindústrias neste sentido. A exemplo disto, Sadia e Perdigão mantêm parcerias com a Bayer na aplicação de programas de biossegurança. As unidades seguem padrões de biossegurança indicados pela Bayer há cinco anos, recebendo produtos, treinamentos teóricos e práticos para supervisores e demais funcionários. Há aproximadamente seis anos a Sadia e a empresa Vencomatic vêm realizando estudos e avaliações com sistemas de ninhos com coletas automáticas de ovos. O resultado deste esforço é uma melhoria no processo produtivo na etapa anterior ao abate e um contrato para fornecimento desta tecnologia para mais de três milhões de matrizes e avós (AVICULTURA INDUSTRIAL, 2005). No campo da comercialização, parcerias como a da Perdigão e Salton, empresa americana de eletroportáteis para demonstração dos aparelhos com linhas de produtos da empresa, e da Aurora com a empresa belga Midsummer para a entrada no mercado europeu são estratégicas. Já os acordos comerciais para o fornecimento de embalagens são em geral firmados com empresas fora do Estado, como a Hartmann, empresa de embalagens de São

19 411 Paulo, e a Itap do Paraná. A Klabin começa a atuar no segmento como uma das empresas fornecedoras de caixas e papel de embalagem. Para o desenvolvimento de novos produtos, o que geralmente acontece é um estreitamento das relações com os fornecedores de condimentos, em mudanças de sabor, e com os clientes estrangeiros quando novos cortes de aves são demandados. A empresa catarinense Duas Rodas é tida como uma das maiores fornecedoras dentro da atividade. Cabe ressaltar que os casos citados não indicam que o estabelecimento de parcerias é uma prática comumente utilizada na indústria estabelecida no Estado. Pelo contrário, são as grandes empresas que se utilizam desse mecanismo, existindo uma forte necessidade de extensão do mesmo para as demais empresas (médias e pequenas). A ausência de vínculo com universidades e instituições de pesquisa também é fato presente Governança e coordenação A integração vertical é o modelo de governança que predomina em toda a avicultura industrial nacional. Desenvolvido pela agroindústria, o sistema de integração é grande fator responsável pela conquista de bons resultados dentro da atividade. Nele a agroindústria acompanha as diferentes fases da cadeia de produção controlando os processos produtivos. Estão sob coordenação das agroindústrias processadoras as granjas de matrizes e incubadoras de aves; os núcleos de desenvolvimento genético; as granjas ou unidades de criação; os silos e fábricas de rações e a indústria de moagem de soja, que conjuntamente são as principais unidades integrantes desta cadeia, responsáveis, em diferentes proporções, pela confecção do produto. As atividades que não estão integradas decorrem da falta de domínio tecnológico ou interesse econômico associado a riscos e investimentos elevados. Para o ingresso na atividade, as agroindústrias exigem do produtor certa capacitação tecnológica (infra-estrutura, cuidados essenciais) com o objetivo de obter um produto padronizado e que priorize a qualidade. A parceria é firmada por contratos nos quais o produtor integrado se propõe a entregar a ave nos prazos e condições determinados. No que tange à comercialização, as grandes empresas trabalham com filiais comerciais e centros de distribuição localizados nos principais Estados consumidores. Nas áreas mais distantes e de menor consumo, os produtos são distribuídos por representantes.

20 Principais vantagens competitivas, entraves e política de desenvolvimento Vantagens O Estado reúne condições favoráveis importantes à manutenção do ambiente competitivo, valendo-se principalmente de seu alto grau de aprendizado na avicultura industrial, haja vista o pioneirismo de suas empresas no desenvolvimento da atividade integrada no país e a inserção das mesmas no mercado nacional e internacional. A combinação de três grandes fatores tem contribuído para o bom desempenho de Santa Catarina nos diferentes cenários, a saber: a pequena propriedade rural diversificada, o engajamento da mão-de-obra familiar e a tradição agrícola dos imigrantes europeus. A participação da produção integrada local (Estado) encontra-se acima da média das demais unidades da federação (em torno de 70%), ultrapassando 80% (ICEPA, 2004). As agroindústrias catarinenses contam com abatedouros altamente tecnificados e condições de higiene de acordo com as normas internacionais de qualidade e sanidade animal. Ressalta-se que o Estado é área livre de zoonoses. Este é um diferencial de luxo para o acesso ao mercado externo. Ademais, o alto grau de articulação e coordenação da cadeia em Santa Catarina permite, na ocorrência de problemas sanitários, desencadear procedimentos de defesa rápidos e adequados. No conceito eficiência, noção que, traduz a capacidade de se produzir determinados bens igualando ou superando níveis de eficiência observáveis em outras economias, restringindo-se as condições de produção, a indústria local é altamente competitiva, ofertando produtos adequados aos novos hábitos e exigências alimentares, sobretudo na capacidade de adequação de processos e desenvolvimento de produtos para o mercado externo. Quanto à infra-estrutura logística, Santa Catarina é praticamente a única unidade da federação a contar com duas saídas marítimas para o escoamento de suas exportações avícolas, os portos de São Francisco do Sul e Itajaí. Neste último, localiza-se o primeiro terminal privado de cargas frigorificadas (Brascarne) no continente Sul-americano, pertencente à empresa Seara (recentemente adquirida pela americana Cargill), que o utiliza e presta serviços aos principais exportadores do segmento destas mercadorias. As cargas escoadas por estes dois portos representam cerca de 90% da produção de aves exportada pelo Estado. Numa análise comparativa, a configuração logística constitui-se um diferencial para com os demais Estados.

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 580 5.3 EXPORTAÇÃO: ESTRUTURA E DESEMPENHO RECENTE José Antônio Nicolau * As vendas no mercado externo são um tradicional indicador de competitividade de empresas e setores produtivos. Ainda que seja resultado

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

UniSoma Computação Ltda

UniSoma Computação Ltda Projeto Frango Ótimo Este projeto envolveu, no período de novembro de 2003 a dezembro de 2004, a implantação de Módulos do Sistema PIPA nos vários frigoríficos de abate de frangos da Perdigão S.A. Descrição

Leia mais

XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006

XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006 A gestão logística integrada ao sistema de planejamento e controle da produção (PCP) na cadeia de carne de frango, na empresas A e B, na região noroeste do paraná Flávia Morini Garcia (UEM) flavia.morini@polinutri.com.br

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE Coordenadoria ESPAÇO RESERVADO de Formação PARA Profissional Rural O NOME DO PROJETO SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE CNA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil representação

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

SEARA ALIMENTOS S.A. Outubro 2009

SEARA ALIMENTOS S.A. Outubro 2009 SEARA ALIMENTOS S.A. Outubro 2009 HISTÓRICO SEARA ALIMENTOS S.A. HISTÓRIA DA SEARA ALIMENTOS S.A. 1956 Fundação do Frigorífico Seara 1975 Primeira Exportação para o Kuwait (240 tons de frango) 1980 Aquisição

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil teve uma performance impressionante na produção de carnes nos últimos anos: tornou-se o maior exportador

Leia mais

CENÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DO OVO NO ESTADO DE SÃO PAULO

CENÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DO OVO NO ESTADO DE SÃO PAULO CENÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DO OVO NO ESTADO DE SÃO PAULO sergio kenji Kakimoto (UFSCar ) sergiokakimoto@gmail.com Hildo Meirelles de Souza Filho (UFSCar ) hildo@power.ufscar.br O Brasil é o sétimo maior

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

"Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor

Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor "Se quer paz, prepara-se para guerra Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário rio Departamento de Saúde Animal, Diretor 8.514.876 km 2 202.828.531 habitantes 27 Unidades da Federação

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Release conjunto L Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Alunos e professores das redes pública e privada de ensino receberão 3.899 livros do Atlas Ambiental Mata Viva, projeto

Leia mais

BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 SUINOCULTURA GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA

BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 SUINOCULTURA GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA Data: 20/12/95 N o 6 BNDES SUINOCULTURA INTRODUÇÃO Em termos humanos, a carne suína é a mais consumida no mundo. No Brasil, o consumo

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 573 5.2 ESFORÇOS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS E INOVATIVAS Silvio A. F. Cário * A estrutura industrial do estado de Santa Catarina respondeu de forma positiva à mudança no marco regulatório da economia brasileira

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal Unificação das associações em uma nova entidade José Perboyre Diretor Financeiro e Administrativo Coordenador do Grupo Permanente de Logística A UBABEF Entidades

Leia mais

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica 140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica SIGNOR, Arcângelo Augusto. UEM, angelo_signor@gmail.com; CORRÊIA, Arlindo

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005):

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): Palmeiras de Goiás População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): R$ 209,1 milhões PIB per capita: R$ 11.260,00 Principais distâncias: Goiânia: 76 km

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.o 06064/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2006 Referência: Ofício n 394/2006/SDE/GAB de 30 de janeiro

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Introdução a avicultura

Introdução a avicultura Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Introdução a avicultura Profª. Valdirene Zabot AVICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO Introdução Início do

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES Engº Marcos Vinicius L. Tubino Coordenador de Qualidade IRGOVEL A IRGOVEL Origem da empresa Goiás Em 1972 RS Pelotas Pioneirismo na produção óleo

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ. Bartmeyer, T.N. 1

ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ. Bartmeyer, T.N. 1 ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ Bartmeyer, T.N. 1 RESUMO O consumo da carne de cordeiro no Brasil está em expansão e hoje há uma demanda deste produto em restaurantes,

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR 31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR Departamento de Negociações Sanitárias e Fitossanitárias DNSF Principais Exigências Sanitárias e Fitossanitárias do Mercado Internacional

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Rastreabilidade, qualidade e rotulagem na segurança alimentar 1

Rastreabilidade, qualidade e rotulagem na segurança alimentar 1 Rastreabilidade, qualidade e rotulagem na segurança alimentar 1 Fernando Brandão Franco 2 & Danilo Gusmão de Quadros 3 1 Parte da Monografia de Pós-Graduação (Especialização) do primeiro autor em Gestão

Leia mais

Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões

Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões Celso F. D. Doliveira Médico Veterinário DTE - FAEP Brasília - 2012 1 "QUEM NÃO SABE QUANTO GASTA, NÃO SABE QUANTO GANHA" 2 Parceria

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

AVICULTURA. Evolução, Situação e Perspectivas da Avicultura no Brasil 09/04/2015. Profa. Dra. Nilva Kazue Sakomura Departamento de Zootecnia

AVICULTURA. Evolução, Situação e Perspectivas da Avicultura no Brasil 09/04/2015. Profa. Dra. Nilva Kazue Sakomura Departamento de Zootecnia AVICULTURA Profa. Dra. Nilva Kazue Sakomura Departamento de Zootecnia Evolução, Situação e Perspectivas da Avicultura no Brasil sakomura@fcav.unesp.br Ramal 2682 Histórico e Evolução da Avicultura no Brasil

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

PERDIGÃO. Redesenhando a Operação Logística de sua cadeia de suprimentos

PERDIGÃO. Redesenhando a Operação Logística de sua cadeia de suprimentos Ce ntr a l d e Ca se s ESPM / EX AM E CASE Nº 016 Case-Study PERDIGÃO Redesenhando a Operação Logística de sua cadeia de suprimentos Este case descreve o processo de adaptação de uma grande indústria de

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

Programas para fortalecer a competitividade. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE TRIGO

Programas para fortalecer a competitividade. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE TRIGO Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE TRIGO 1 Estratégias: Diferenciação e ampliação do acesso. Objetivos: (i) Aumentar a produção interna do trigo e de

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Prof. Luís Augusto Nero Departamento de Veterinária, Universidade Federal de Viçosa Tópicos Brasil: produtor e exportador Cadeias de produção

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Manifesto sobre nossos valores

Manifesto sobre nossos valores Manifesto sobre nossos valores Somos orientados para o mercado, com base na ética e na transparência. Valorizamos a pró-atividade, respeitamos a vida e o meio ambiente. Buscamos ser inovadores, socialmente

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Sistema de Qualidade Nas Cadeias agroindustriais. Luiz Antonio Pinazza

Sistema de Qualidade Nas Cadeias agroindustriais. Luiz Antonio Pinazza Sistema de Qualidade Nas Cadeias agroindustriais Luiz Antonio Pinazza Desafios do Projeto Qualiagro Objetivo 1. Identificar a situação atual da qualidade do agronegócio; 2. Propor bases para a implementação

Leia mais

A TERRITORIALIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS AVÍCOLAS NO OESTE DO PARANÁ

A TERRITORIALIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS AVÍCOLAS NO OESTE DO PARANÁ A TERRITORIALIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS AVÍCOLAS NO OESTE DO PARANÁ Diane Belusso Doutoranda em geografia, bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). dianebelusso@yahoo.com.br

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais