A ENGENHARIA E AS CAPACITAÇÕES PARA A LOGÍSTICA INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ENGENHARIA E AS CAPACITAÇÕES PARA A LOGÍSTICA INTEGRADA"

Transcrição

1 A ENGENHARIA E AS CAPACITAÇÕES PARA A LOGÍSTICA INTEGRADA Marcel Andreotti Musetti Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo - EESC/USP. Área de Engenharia de Produção e NUMA: Núcleo de Manufatura Avançada Resumo. A logística integrada constitui-se, hoje, numa das principais fontes de vantagem competitiva sustentável para as organizações produtivas. Trabalhos nacionais e internacionais têm constatado a importância dessa nova visão gerencial baseada na integração de processos internos e externos à organização produtiva e na sua agilidade no gerenciamento de mudanças. Destacam-se entre esses estudos as proposições de algumas estruturas destinadas à excelência logística e ao seu envolvimento estratégico, tático e operacional, visando ao alcance integral das vantagens propiciadas por esta nova visão de gestão. O presente trabalho destaca, como resultado da análise dessas estruturas voltadas à excelência logística, capacitações básicas para o efetivo exercício da gestão logística integrada. Tais capacitações serão dissecadas em uma árvore do conhecimento, analogia utilizada para estruturar uma proposta de áreas de conhecimento, matérias e ou disciplinas que devem compor a formação dessa nova visão gerencial. Como resultado analisar-se-á a contribuição da Engenharia para a formação desse novo perfil de gerência, mais especificamente da Engenharia de Produção, que mais se aproxima do perfil proposto, bem como a harmonização entre o perfil proposto e as habilidades requeridas pelas novas diretrizes curriculares. Palavras-chave: Logística integrada, Engenharia, Perfil profissional, Educação. EQC - 94

2 1. INTRODUÇÃO O conceito de logística, tradicionalmente associado à atividade de transportes ou à função de distribuição física, sofreu, ao longo de décadas, uma grande evolução, consolidando-se, em nossos dias, através da visão de logística integrada. Tal visão pode ser muito bem representada pela definição do Council of Logistics Management [1]: Logística é o processo da cadeia de suprimentos que planeja, implementa e controla o fluxo e o estoque de bens e serviços e as informações relativas, do ponto de origem ao ponto de consumo, de maneira eficiente e eficaz, buscando a satisfação das necessidades do cliente. Inúmeros fatores contribuíram para o desenvolvimento da logística. O vertiginoso avanço tecnológico na área de materiais, comunicações e informática; o acirramento competitivo dos mercados, que se desdobra em: aumento da importância dos serviços ao cliente (embutidos nos produtos), o fator tempo (compressão dos ciclos de pedidos, dos ciclos de desenvolvimento dos produtos e dos ciclos de vida dos produtos), a globalização dos mercados (fornecedores, clientes e concorrentes pulverizados por todo o mundo) e outros são alguns bons exemplos de fatores propulsores para o reconhecimento da logística como geradora de vantagem competitiva sustentável. A logística integrada constitui-se, hoje, numa sólida base de conceitos, procedimentos e práticas que envolvem todos os níveis decisórios da organização produtiva, operacional, tático e estratégico. Essa nova visão de gestão é suporte indispensável para a adoção de propostas de atuação diferenciadas no mundo dos negócios, visando ao ganho competitivo, como as parcerias, as alianças estratégicas, a gestão da cadeia de suprimentos ( Supply Chain Management - SCM) e as organizações virtuais. A proposta da logística integrada traz implicitamente um forte e necessário vínculo com a esfera estratégica das organizações produtivas, o que requer, por parte dessa esfera decisória, a absorção de uma gama de conhecimentos específicos. A logística integrada não é uma nova área de conhecimentos mas é uma nova proposta de reunião e composição de conhecimentos já existentes, através de uma visão inter e multi-disciplinar. É dentro desse contexto que o presente trabalho objetiva dar sua contribuição na identificação de uma Entidade Gestora Logística - EGL, através de uma proposta de áreas do conhecimento e disciplinas que comporiam um processo de formação e educação de profissionais da logística. Tal identificação é proposta a partir da análise de estruturas (capacitações) que suportam o envolvimento estratégico direcionado à excelência logística. Identificada a EGL, analisa-se a contribuição da Engenharia para a formação desse novo perfil profissional, mais especificamente da Engenharia de Produção, que mais se aproxima do perfil proposto, bem como a harmonização entre esse perfil e as habilidades requeridas pelas novas diretrizes curriculares. 2. MODELOS PARA UMA EXCELÊNCIA LOGÍSTICA Destacam-se da bibliografia, quatro modelos de excelência logística que fornecem suporte para o seu envolvimento estratégico: Fawcett & Clinton [2]: Esse modelo foi desenvolvido a partir dos resultados de uma pesquisa, na qual realizou-se um levantamento ( survey ) envolvendo a alta gerência de logística de 671 empresas de manufatura nos EUA. Os autores propõem um modelo composto por sete áreas básicas para a implementação de uma estratégia competitiva logística: desempenho logístico, medidas de desempenho, sistemas de informação, gestão de alianças, mecanismos de integração, processos de mudança e orientação estratégica. Bowersox & Closs [3]: O modelo proposto pelos autores destaca que as melhores das melhores empresas do mundo estão focando na exploração da competência logística como um processo estratégico essencial. Na Ref. [3], destacam-se seis iniciativas gerenciais que suportariam a excelência logística: sucesso do cliente, excelência funcional, integração interna dos processos, alinhamento da cadeia de suprimentos, métricas de desempenho dos processos e impacto financeiro. Andersen Consulting : A estrutura identifica dez componentes chaves para uma estratégia logística, organizados em quatro níveis chaves, que devem ser integralmente coordenados e integrados para a obtenção de um desempenho de classe mundial. Destacam-se os níveis seguidos de seus componentes chave (Laughlin & Copacino [4]): - Estratégico: Serviço ao cliente; - Estrutural: Projeto do canal de distribuição e Estratégia da rede logística; - Funcional: Projeto e operação da armazenagem, Gerenciamento de materiais e Gerenciamento de transportes; - Implementação: Sistemas de informação, Políticas e procedimentos, Gerenciamento da organização e das mudanças e Instalações e equipamentos. EQC - 95

3 Michigan State University [5]: O modelo é fruto da continuidade do trabalho de pesquisa de um grupo da Michigan State University ( The global logistics research team ), que se estende há mais de quinze anos. Para a configuração do modelo, realizou-se uma pesquisa que utilizou três origens complementares como fonte de dados: primeira, a base de dados de um levantamento ( survey ), envolvendo um número de 3693 empresas distribuídas por três grandes regiões mundiais (América do Norte, Europa e Pacífico); segunda, entrevistas realizadas com 111 empresas de 17 países dentro das localidades citadas destinadas ao aprofundamento dos questionamentos; terceira, trabalhos de doutorados que focalizaram o desenvolvimento e manutenção de alianças logísticas. O modelo resultante apresenta, como requisito para o alcance da excelência logística, o desenvolvimento de quatro competências chaves, que se desdobram em 17 capacidades, que por sua vez, são definidas como um conjunto de direcionadores que possuem, como elementos de base, as práticas. Os direcionadores e as práticas estão associados diretamente à natureza especifica dos processos produtivos nos quais estão envolvidos. Já as capacitações e as competências possuem um nível de abstração maior e podem estar associados a diferentes processos e negócios. Destacam-se, a seguir, as competências e suas capacitações: - Posicionamento: Estratégia, Cadeia de suprimento, Rede e Organização; - Integração: Unificação da cadeia de suprimentos, Tecnologia da informação, Compartilhamento da informação, Conectividade, Padronização, Simplificação e Disciplina; -Agilidade: Relevância, Acomodação e Flexibilidade; -Mensuração: Avaliação funcional, Avaliação de processos e Benchmarking. Em comparação com os demais modelos já apresentados, o modelo proposto pela Ref. [5] é o mais amplo, detalhado e mais bem documentado. Por essas características ele incorpora grande parte do proposto pelos modelos anteriores. 3. CAPACITAÇÕES LOGÍSTICAS Musetti [6] realizou uma composição dos modelos apresentados. Como resultado dessa composição, discriminam-se, de forma resumida, cinco capacitações para a excelência logística e o seu envolvimento estratégico: Capacitação estratégica: Responsabiliza-se pela participação na definição, implementação, execução e controle das vontades, desejos e possibilidades da organização produtiva. Deverá haver uma preocupação conjunta quanto ao envolvimento do ambiente externo (forças de mercado: concorrência, fornecimento e clientes) e dos recursos de base (visão histórica e de capacitações internas à empresa) para a formulação estratégica. Essa capacitação envolve a gestão de todas as demais e, portanto, é fundamental que profissionais oriundos da área de logística, e, principalmente, conceitos de logística integrada estejam envolvidos em seus processos decisórios. Capacitação de estrutura organizacional: Deve desenvolver-se coordenadamente com os propósitos estratégicos, oferecendo agilidade e flexibilidade para enfrentar novos desafios e mudanças (associação com gerenciamento de processos e mudanças). O desenvolvimento da capacitação de estrutura organizacional é fundamental para o sucesso estratégico das organizações, pois se responsabiliza pelo arranjo dos recursos de maior valor para as organizações e os recursos humanos. Associada aos aspectos logísticos essa capacitação enfrenta, hoje, grandes desafios dentro de uma abordagem contingencial, tais como: centralização ou descentralização das funções e decisões logísticas, a autonomia funcional ( empowerment ), a integração interna de processos, os relacionamentos externos para a integração de processos com fornecedores e clientes, os arranjos virtuais, a estrutura funcional de poder e outros. Capacitação de Infra-estrutura física: Responsabiliza-se pela disponibilização dos recursos físicos de infra-estrutura, básicos para o desenvolvimento da organização produtiva (hardware, software, equipamentos, prédios etc.). Esta deverá estar atenta às necessidades do sistema logístico e integradas às necessidades gerais da organização, alinhando-as aos objetivos estratégicos. Para essa capacitação é fundamental estar em constante atualização quanto às inovações tecnológicas, que geram novas oportunidades de ganhos competitivos. Capacitação de integração de processos e gerenciamento de mudanças: Associa-se aos aspectos operacionais e funcionais. É através dessa capacitação que se concretizam as ações, apoiadas pelas capacitações de estrutura organizacional, de infra-estrutura física e de sistemas e tecnologia de informação e sistemas de medição de desempenho, segundo padrões de excelência funcional e agilidade na absorção de mudanças dirigidas às orientações estabelecidas pela capacitação estratégica. Capacitação de sistemas e tecnologia de informação e sistemas de medição de desempenho: É um canal de mão dupla pelo qual as decisões processadas pela esfera estratégica podem ser transmitidas às partes que colaborarão para a sua execução e pelo qual se exercerá um sensoriamento do que está sendo executado para o retorno das informações. Essa capacitação é suporte para o processamento funcional (interação de processos) e para a estrutura organizacional, na medida em que os relaciona com os direcionamentos estratégicos. Ela deverá, também, desenvolver agilidade de comunicação (interna e externa) e de processamento, facilitando as operações, EQC - 96

4 o controle e o direcionamento dos processos. Juntamente com a capacitação estratégica, a capacitação de sistemas e tecnologia de informação e sistemas de medição de desempenho também deverá fornecer mecanismos para o estabelecimento de referências e comparações internas e externas, envolvendo processos similares e distintos. 4. A IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA LOGÍSTICA - EGL Através de uma análise realizada após a apresentação resumida das capacitações direcionadas à excelência e ao envolvimento estratégico da logística, podem-se relatar algumas constatações, dentre as quais destacam-se três: a forte interdependência e o necessário comprometimento sistêmico entre as capacitações, a complexidade das atividades que envolvem a capacitação estratégica (responsável pelo direcionamento, planejamento, controle e coordenação de toda a estrutura) e o imprescindível recurso de base, o recurso humano fundamental para operacionalizar e dinamizar todas as capacitações, com destaque especial à capacitação estratégica. Dessa forma, identifica-se a Entidade Gestora Logística, cuja natureza não está diretamente associada a uma função, um setor, departamento, uma pessoa ou a um conjunto de pessoas, mas sim a um conjunto de conhecimentos inter-relacionados dentro de uma visão de logística integrada. São propostos três requisitos gerais que compõem e distinguem o perfil da Entidade Gestora Logística - EGL, baseados na composição das capacitações já apresentadas: educação e formação para a mais ampla abrangência da disciplina de logística integrada, com destaque para seu fundamental papel estratégico; educação e formação para a gestão de recursos humanos; educação e formação em sistemas e tecnologias de informação/comunicação. Salienta-se que a proposta em tela se baseia na incorporação de um amplo conceito de formação (deriva de forma, é um processo fechado onde o indivíduo recebe as informações pertinentes de forma que a Universidade estabeleceu para seus formandos (daí a palavra formatura); normalmente é o mercado de trabalho que define o tipo de forma mais interessante para atender seus interesses) e de educação (educação, por natureza, deve ser um processo aberto, livre de formas preestabelecidas pelo mercado de trabalho. Princípios éticos voltados à solidariedade e à qualidade de vida devem nortear o processo educativo). A seguir, será proposta uma árvore do conhecimento que busca dar sua contribuição para a estruturação de um processo de educação e formação à EGL. Para tanto, serão considerados os três requisitos gerais já destacados e inúmeras tendências que os envolvem e estão também associadas aos desafios futuros que a logística deverá enfrentar, entre os quais destacam-se, como bons exemplos, os visualizados por Bowersox [7]. O autor aproveitando-se de sua colaboração ao Journal of Business Logistics, na condição de Editor, responsável por uma série regular de artigos intitulada: Visão estratégica, solicitou a uma grupo seleto de acadêmicos e executivos da área de logística que escrevessem sobre suas visões da logística e as implicações para os profissionais da área logística. Como resultado, identificou quatro desafios: o mudança do paradigma operacional de redução de custos para a criação de valores; o a missão logística de ontem está sendo substituída por um amplo conceito dirigido às responsabilidades sociais (o enfoque não é mais somente econômico); o a gestão das muitas infraestruturas e campos onde o jogo da logística é jogado (descompasso entre a grande expansão dos mercados e a pequena expansão da infraestrutura física de suporte para os transportes (estradas, aeroportos, ferrovias e portos); o a necessidade de um contínuo desenvolvimento de recursos humanos na dimensão da disciplina de logística. Em termos de capital humano, pelo menos duas questões tornam-se críticas: 1) muitos gerentes logísticos são autodidatas, tendo migrado para a logística durante sua carreira profissional. Muitos desses gerentes foram formalmente treinados em disciplinas relativas à área. A principal preocupação centra-se nas falhas de conhecimento relativas à compreensão dos princípios e teorias coerentes com a disciplina logística; 2) Falha do capital humano relacionada ao nível de qualificação dos funcionários ingressantes. Enquanto universitários são capazes de alimentar a entrada de talentos para o nível de gerência média, a força de trabalho, mais operacional, lançada hoje, tornar-se-á cada vez mais difícil no futuro. 5. A ÁRVORE DO CONHECIMENTO Utiliza-se a representação de uma árvore - árvore do conhecimento, Fig.1, para a proposição de um rol de áreas de conhecimentos e disciplinas, considerados fundamentais à educação e formação da Entidade Gestora Logística. Adotando-se a classificação das grandes áreas de conhecimento em : exatas, humanas e biológicas, parte-se do principio que o perfil da entidade gestora logística situa-se entre as áreas de exatas e humanas. Essas áreas devem definir os conhecimentos de base (raiz), responsáveis pela formação do ferramental básico do indivíduo, ao qual ele recorrerá para conhecer, trabalhar e aplicar os demais conhecimentos que irá absorver ao longo de EQC - 97

5 sua vida. É também através da raiz que o indivíduo forma seus valores e princípios, que sustentarão todo o seu universo de conhecimentos. Os conhecimentos associados às raízes devem ser sólidos, robustos e, com o desenvolvimento da árvore, devem se aprofundar cada vez mais. A árvore do conhecimento proposta apresenta uma raiz base (Filosofia/Formação espiritual - conhecimentos essenciais - E) de onde partem duas grandes raízes (Conhecimentos de Exatas e Conhecimentos de Humanas). A presente proposta entende que o estudo da filosofia e a formação espiritual são primordiais em qualquer processo educacional, pois, através deles, é que o indivíduo pode formar os seus mais profundos valores e princípios que nortearão toda a sua existência (objetivos de vida, propósitos, condutas, atitudes). O conhecimento oferecido por ambas as áreas é um conhecimento ímpar, pois tem como objetivo a própria essência do ser humano; ele é tácito e explicito ao mesmo tempo (Nonaka & Konno [8]). Conhecimento específico c3 c1 cn tn c2 Conhecimento Raiz r3 t1 t2 r2 r1 Conhecimento estrutural rn Figura 1: Árvore do Conhecimento. Os demais conhecimentos da raiz são classificados como ferramentais de fundamento e estão discriminados na Tabela 1, onde se indica uma classificação de importância relativa (E: Essencial, MI: muito importante, I:importante e B:básico). Tabela 1: Conhecimentos Raiz Item Conhecimento/ disciplinas Classificação R1 Formação Espiritual E R2 Filosofia E R3 Matemática MI R4 Estatística MI R5 Física MI R6 Ciências da computação MI R7 Disciplinas Básicas Complementares (Biologia, Química, História e Geografia) B R8 Comunicação e Expressão (estudo da língua portuguesa, idiomas estrangeiros, MI redação técnica e técnicas de oratória) R9 Sociologia I R10 Psicologia MI R11 Pedagogia MI R12 Didática MI R13 Economia MI R14 Ética e Moral I R15 Ciências da meio ambiente I EQC - 98

6 O tronco representa os conhecimentos estruturais. Esses conhecimentos formam corpos teóricos que utilizam os princípios dos conhecimentos básicos para dar sustentação aos conhecimentos de aplicação profissional. São conhecimentos que fazem a ligação entre conhecimentos de ciências básicas com conhecimentos de aplicação. A presente proposta identifica como conhecimentos estruturais os integrantes das disciplinas indicadas na Tabela 2. Tabela 2: Conhecimentos do Tronco Item T1 T2 T3 T4 T5 T6 Disciplinas Estudo Administrativo Custos Tecnologia de informação/comunicações Teoria dos sistemas Teoria de tomada de decisões (modelagem de sistemas, métodos quantitativos e qualitativos) Comportamento Humano e Comportamento Organizacional. A copa da árvore do conhecimento, Tabela 3, representa os conhecimentos que estão diretamente ligados à aplicação prática (métodos e técnicas). São conhecimentos que embora apresentem estruturas particulares (galhos) estão interligados pela estrutura única do tronco e embasados pelas mesmas raízes, além de estarem inter-relacionados pela seiva. Esse conhecimento é o mais instável da árvore, pois sofre ações do tempo e do meio. É através do domínio desse conhecimento e de sua constante alimentação que a árvore frutifica. São propostos como conhecimentos de aplicação os conhecimentos diretamente relacionados com os requisitos identificados para a entidade gestora no tópico anterior. Esses conhecimentos estão associados a várias disciplinas, que, por sua vez, podem ser divididas em assuntos chaves (subitens), quando necessário, visando a melhor identificação de seus conteúdos. Tabela 3 :Conhecimento da Copa. Item e Disciplinas Nível C1 Gestão Empresarial/Estratégica C2 Sistemas e Organizações Produtivas C3 Gestão da Logística Integrada C3.1 Gestão da Produção C3.2 Gestão de Suprimentos e de Materiais C3.3 Gestão da Distribuição C4 Gestão de Recursos Humanos C5 Gestão Financeira C6 Gestão da Qualidade Total C7 Gestão do Desempenho C8 Marketing C9 Desenvolvimento de Produto C10 Engenharia de Processos de Fabricação C11 Projeto de Redes Produtivas C12 Sistemas de Informação C13 Direito (Administrativo, Comercial/Comércio Exterior, Ambiental, do Consumidor, Legislação Fiscal e Alfandegária) C14 Higiene e Segurança do Trabalho C14.1 Ergonomia 6. A ENGENHARIA E SUAS HABILIDADES MEDIANTE O PROCESSO DE FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A ENTIDADE GESTORA LOGÍSTICA A identificação da Entidade Gestora Logística demanda uma nova integração de conhecimentos, que, embora estejam disponíveis, não estão sob o enfoque da logística integrada e muito menos reunidos numa linha de educação e formação para uma determinada categoria de profissionais. Na atualidade, a formação específica, voltada para a área de logística, vem sendo suprida por: 1) cursos de especialização, Master Business Administration MBA e/ou pós-graduação; 2) cursos no exterior com a mesma natureza dos relacionados no item 1); 3) treinamentos promovidos por consultorias voltados às necessidades específicas; 4) instituições privadas com atividades ligadas a treinamento; e até, 5) novas e alternativas EQC - 99

7 associações, como a composição de uma consultoria (recursos humanos) com uma grande transportadora (infraestrutura física), sob o título de Universidade do Transporte, o que comprova a grande carência e ao mesmo tempo a grande necessidade de formação na área. Tais cursos têm a finalidade de complementar a formação de profissionais das mais diferentes áreas, que, por necessidades internas as organizações produtivas,em que trabalham, foram alocadas junto à área de logística ou então que desejam abrir novos horizontes de atuação profissional e vislumbram, na logística, uma grande perspectiva futura. Entre esses profissionais, a participação de engenheiros é significativa. A Engenharia forma o profissional com uma sólida conceituação em ciências básicas, com uma destreza de raciocínio lógico/matemático, com habilidades para o desenvolvimento de projetos e com competência para a aplicação tecnológica, além de servir como um filtro de qualificação geral, características essas muito valorizadas para o exercício dos processos logísticos. Tal formação pode ser complementada por uma extensão dos estudos e pelo próprio exercício profissional, contemplando-se a área de Administração. Entre os cursos de Engenharia, o perfil mais próximo ao proposto para a EGL é o do Engenheiro de Produção, exatamente pela combinação dos aspectos técnicos da Engenharia básica com as habilidades gerenciais que a caracterizam. Tomando-se como base o artigo 2 o do Anteprojeto da Resolução sobre Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação - SESu/MEC (Brasil [9]) e as competências, também concebidas pela Associação Brasileira de Engenharia de Produção - Abepro [10], percebe-se claramente uma maior afinidade entre os direcionamentos desta habilitação em Engenharia e o proposto para a EGL. Embora ainda os objetos de análise sejam muito gerais, sem a definição de um detalhamento mais aprofundado, podem-se destacar algumas competências e habilidades requeridas desse perfil profissional que justificam a afirmação anterior, o que demonstra, conforme se indica, uma postura evolutiva na formação do Engenheiro, caminhando para um maior vínculo entre as propostas: competência para prever a evolução dos cenários produtivos, percebendo a interação entre as organizações e os seus impactos sobre a competitividade; competência para acompanhar os avanços tecnológicos, organizando-os e colocando-os a serviço da demanda das empresas e da sociedade; compromisso com a ética profissional; iniciativa empreendedora; disposição para auto-aprendizagem e educação continuada; comunicação oral e escrita; leitura, interpretação e expressão por meios gráficos; domínio de língua estrangeira; conhecimento da legislação pertinente; capacidade de trabalhar em equipes multidisciplinares; compreensão dos problemas administrativos, sócio-econômicos e do meio ambiente; responsabilidade social e ambiental; capacidade de pensar globalmente e agir localmente. Tais destaques abrangem características de um processo de formação e educação mais aberto, considerando aspectos procedimentais, comportamentais e de conteúdos (sem discussão dos aspectos associados aos métodos e técnicas de ensino). Dentro desta visão geral, pontuada pela indicação de competências e habilidades, pode-se declarar que os objetivos de ambas as propostas se coadunam para a formação e a educação de pessoas capazes de agregar valor à sociedade, não somente através de suas atividades profissionais, mas também por idéias, valores, objetivos de vida e visão crítica do mundo, direcionando atitudes mais coletivas e comprometidas com o bem comum. Embora se identifique uma efetiva colaboração da Engenharia, principalmente da Engenharia de Produção, na formação do perfil adequado à EGL, pode-se concluir, também, que mesmo o profissional graduado em Engenharia de Produção enfrentará algumas limitações de atuação, pois a clássica divisão entre as áreas de ciências humanas e de ciências exatas o deixa incompleto para o integral preenchimento dos requisitos identificados para a EGL. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Apresentam-se, a seguir, algumas considerações finais que visam destacar a contribuição do presente texto, de alguns aspectos complementares para a continuidade do trabalho proposto, bem como, de alguns fatores limitantes no seu desenvolvimento: O trabalho identifica a necessidade da Entidade Gestora Logística através da visão atual de Logística Integrada e das capacitações necessárias à sua gestão, fornecendo-lhe o devido suporte para o seu envolvimento estratégico nas atuais organizações produtivas. A definição do perfil da EGL deu-se por meio da indicação de três áreas de conhecimentos, que deverão orientar o processo de formação e educação das pessoas envolvidas por EQC - 100

8 essa entidade, formalizando-se uma estrutura inicial ( árvore do conhecimento ) para o direcionamento desse processo. Constataram-se carências no atual mercado de profissionais, para o atendimento do perfil proposto e discutiu-se a colaboração da Engenharia (mais especificamente, da Engenharia de Produção), mediante a proposição das Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia (competências e habilidades), na formação do perfil em questão. O presente trabalho, quanto ao seu escopo e a sua profundidade não esgota o assunto, pois se restringiu à visão geral do autor ante a ampla e a interdisciplinaridade de sua proposta. Em decorrência do mesmo motivo, o presente texto não apresenta um rígido e rigoroso tratamento em sua terminologia, quando aborda as questões educacionais. Apesar das limitações supracitadas e ante as carências e necessidades destacadas pelo texto, entende-se que um dos principais, se não o principal agente para a promoção de mudanças é exatamente o docente universitário, que desenvolve pesquisas na área de logística e tem o domínio sobre os requisitos básicos de formação, além de estar ligado a instituições de ensino, que têm, como um dos objetivos, a formação de pessoas. Esse profissional está, também, em contato direto com o meio (entrevistas, projetos de pesquisa conjuntos, prestação de serviços à comunidade, curso de extensão e pós-graduação) ou indiretamente (estagiários, literatura especializada, congressos etc.); vivencia as mais variadas carências e falhas do processo de educação e formação e possui mecanismo de ação para a promoção das mudanças. Mesmo considerando as limitações apresentadas, a presente proposta não se restringe aos limites dos cursos de graduação. Sua importância se revela pelo reconhecimento de que a árvore do conhecimento pode ser adotada em todos os níveis da evolução do conhecimento do indivíduo (desde o nível médio, até os técnico, superior, especialização, pós-graduação e educação continuada). Hoje, não há no mercado um curso de graduação voltado à área de logística MEC [11]. Uma questão a ser trabalhada, como continuidade do presente trabalho, é a investigação da viabilidade da proposição de um curso de graduação em logística (dimensionamento, áreas afins, estrutura curricular, métodos, conteúdos, procedimentos,...). 8. BIBLIOGRAFIA [1] Council of Logistics Management, The Mission Section (on line). março [2] S.E. Fawcett; S.R. Clinton, Enhancing Logistics Performance to Improve the Competitiveness of Manufacturing Organizations: A Triad Perspective, Production and Inventory Management Journal, APICS, First Quarter 1996, p [3] D.J. Bowersox; D.J. Closs, Brazilian Logistics: A time for transition, Gestão & Produção, v.4, n.2, ago 1997, p [4] K.A. Laughlin; W.C. Copacino, Logistics Strategy, In: J.F. Robeson; W.C. Copacino, The Logistics Handbook, New York, The Free Pres, 1994, Cap. 4, p [5] Michigan State University, World Class Logistics: The Challenger of Managing Continuous Chang, The Council of Logistics Management, OAK Brook, IL, [6] M.A. Musetti, A identificação da entidade gestora logística: Uma contribuição para o seu processo de formação e educação, São Carlos. 159p. Tese (Doutorado) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, [7] D.J. Bowersox, Introducing the Strategic Visioning Series, Journal of Business Logistics, v.19, n.1, 1998, p.1-4. [8] I. Nonaka; N. Konno, The Concept of Ba : Building a Foundation for Knowledge Creation, California Managnment Review, v. 40, n. 3, 1998, p [9] Brasil. Ministério da Educação. Anteprojeto da Resolução sobre Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia da Secretaria de Ensino Superior - SESu/MEC de 05 de maio de [10] Abepro. Engenharia de Produção: grande área e diretrizes curriculares. Porto Alegre, ABEPRO, [11] MEC - Ministério da Educação e Cultura, Sinopse estatística de ensino superior, Brasília, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP, EQC - 101

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição.

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. TURMA 3 Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO E QUALIDADE GESTÃO FARMACEUTICA EMPRESARIAL

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration CBA Pós - Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SER EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA,

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão Empresarial e Marketing (sábado)

Pós-Graduação em Gestão Empresarial e Marketing (sábado) Pós-Graduação em Gestão Empresarial e Marketing (sábado) Início em 26 de setembro de 2015 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 16.482,00 À vista com desconto: R$ 15.657,00 Consultar planos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

MBA em Design Estratégico

MBA em Design Estratégico MBA em Design Estratégico Público - alvo Indicado para profissionais com formação em Design, Arquitetura, Moda ou gestores e empreendedores que estejam buscando novas formas de gestão orientadas para a

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Ref: Proposta de convênio para a participação nos MBAs da Fundação Getúlio Vargas em Goiânia, para 2005.

Ref: Proposta de convênio para a participação nos MBAs da Fundação Getúlio Vargas em Goiânia, para 2005. Goiânia, 10 de dezembro de 2004. Sra. Maria D Abadia de Oliveira Borges Brandão Gerente Executiva da Escola de Governo Escola de Governo do Estado de Goiás Ref: Proposta de convênio para a participação

Leia mais

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição.

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. TURMA 3 Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO E QUALIDADE GESTÃO FARMACEUTICA EMPRESARIAL

Leia mais

Comprometidos com o Futuro da Educação

Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Educação Assim se Constroem as Grandes Nações A educação é vital para criar uma cultura baseada na excelência. A demanda por

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação em Engenharia de

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 Apresentação: O curso de Especialização em Gestão Estratégica de Negócios será oferecido em nível de pós-graduação, pela Faculdade

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Franquias

Pós-Graduação em Gestão de Franquias Gestão de Franquias Pós-Graduação em Gestão de Franquias Aula Inaugural 30 de maio de 2015 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 16.482,00 À vista com desconto: R$ 15.657,00 Consultar planos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Área de Gestão e Negócios

Área de Gestão e Negócios Área de Gestão e Negócios O Complexo Educacional FMU é uma Instituição de ensino superior com uma longa tradição de prestação de relevantes serviços educacionais a sociedade brasileira. Fundado em 1968,

Leia mais