Um jogo de Logística genuinamente brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um jogo de Logística genuinamente brasileiro"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração Um jogo de Logística genuinamente brasileiro Marco Aurélio Carino Bouzada Mestrado em Administração Orientador: Prof. Eduardo Saliby Rio de Janeiro 2001

2 ii Um jogo de Logística genuinamente brasileiro Marco Aurélio Carino Bouzada Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós- Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências (M. Sc.). Aprovada por: Prof. - Presidente da Banca Eduardo Saliby (COPPEAD/UFRJ) Prof. César Gonçalves Neto (COPPEAD/UFRJ) Prof. Virgílio José Martins Ferreira Filho (EE/UFRJ) Rio de Janeiro, RJ Brasil Maio de 2001

3 iii Ficha Catalográfica Bouzada, Marco. Um jogo de Logística genuinamente brasileiro / Marco Bouzada. Rio de Janeiro: COPPEAD, xii, 110p. Dissertação Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. 1. Jogos (Administração). I. Tese (Mestr. COPPEAD/UFRJ). II. Título.

4 iv Agradecimentos Aos meus pais, Héctor e Lenise, pela educação e moral proporcionados.

5 v RESUMO DA TESE APRESENTADA À COPPEAD/UFRJ COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M. SC.) UM JOGO DE LOGÍSTICA GENUINAMENTE BRASILEIRO MARCO AURÉLIO CARINO BOUZADA 2001 ORIENTADOR: PROF. EDUARDO SALIBY PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO Esta dissertação trata de um Jogo de Empresas sobre Logística Empresarial denominado BR-LOG. O jogo é simulado em uma realidade brasileira com cidades e distâncias reais e apresenta uma complexidade razoável. Primeiramente são descritas as características (objetivo, delimitação, relevância) do jogo. Uma breve revisão teórica ilustra tópicos como O simulador como instrumento de treinamento e A importância da Logística na Administração. A seguir é descrito como o modelo foi concebido, inspirado em idéias retiradas de obras similares. Este trabalho procura explorar algumas lacunas deixadas por essas obras, exercitando novos conceitos e variáveis. Um capítulo especial é dedicado à exemplificação de uma jogada fictícia, com o intuito de ilustrar as possibilidades, conceitos explorados e telas do jogo. Finalmente são apresentados o Manual do Jogador (que contém as regras do jogo) e o Manual do Árbitro (onde pode-se encontrar detalhes sobre o modelo e os procedimentos a serem executados pelo aplicador do jogo).

6 vi ABSTRACT OF THESIS PRESENTED TO COPPEAD/UFRJ AS PARTIAL FULFILLMENT FOR THE DEGREE OF MASTER OF SCIENCE (M. SC.) UM JOGO DE LOGÍSTICA GENUINAMENTE BRASILEIRO MARCO AURÉLIO CARINO BOUZADA 2001 CHAIRMAN: PROF. EDUARDO SALIBY DEPARTMENT: ADMINISTRATION This work is about a Management Game in Logistics named BR-LOG. The game is simulated within the brazilian reality, with real cities and distances and presents some complexity. First, the game s characteristics (objective, limitations and importance) are described. A little theoretical revision shows topics like The simulator as a training instrument and The Logistics importance within the Administration. It is followed by a description about the model s conception, aided by ideas retired from similar works. This one tries to explore some blanks existing in these works, dealing with new concepts and variables. A special chapter shows an example of a imaginary play in order to illustrate the possibilities, explored concepts and game s screens. Finally, the work presents the Player s Guide (where the game rules are) and the Mediator s Guide (where one can find details about the model e the procedures the mediator has to execute during a game session).

7 vii Lista de quadros 1 Configuração inicial da equipe Configuração inicial da equipe Configuração inicial da equipe Configuração inicial da equipe D.R.E. da equipe 1 após a semana D.R.E. da equipe 2 após a semana D.R.E. da equipe 3 após a semana D.R.E. da equipe 4 após a semana Transportes encomendados pela equipe 1 na semana Programação da produção da equipe 1 na semana Transportes encomendados pela equipe 2 na semana Programação da produção da equipe 2 na semana Transportes encomendados pela equipe 3 na semana Programação da produção da equipe 3 na semana Transportes encomendados pela equipe 4 na semana Programação da produção da equipe 4 na semana D.R.E. da equipe 2 após a semana Ativos da equipe 1 após a semana Alteração da capacidade da equipe 1 na semana Programação da produção da equipe 1 na semana

8 viii Lista de quadros (cont.) 21 Transportes encomendados pela equipe 1 na semana Ativos da equipe 2 após a semana Transportes encomendados pela equipe 2 na semana Programação da produção da equipe 2 na semana Ativos da equipe 3 após a semana Transportes encomendados pela equipe 3 na semana Programação da produção da equipe 3 na semana Ativos da equipe 4 após a semana Transportes encomendados pela equipe 4 na semana Alteração da capacidade da equipe 4 na semana Programação da produção da equipe 4 na semana Ativos da equipe 1 após a semana Preços estabelecidos pela equipe 1 na semana Preços estabelecidos pela equipe 2 na semana Preços estabelecidos pela equipe 3 na semana Programação da produção da equipe 3 na semana Ativos da equipe 4 após a semana Preços estabelecidos pela equipe 4 na semana Programação da produção da equipe 4 na semana Ativos da equipe 1 após a semana

9 ix Lista de quadros (cont.) 41 Encomendas para a equipe 1 na semana Transportes encomendados pela equipe 1 na semana 4 1 ª parte Transportes encomendados pela equipe 1 na semana 4 2 ª parte Preços estabelecidos pela equipe 1 na semana Encomendas para a equipe 2 na semana Preços estabelecidos pela equipe 2 na semana Transportes encomendados pela equipe 2 na semana 4 1 ª parte Transportes encomendados pela equipe 2 na semana 4 2 ª parte Transportes encomendados pela equipe 2 na semana 4 3 ª parte Ativos da equipe 3 após a semana Alteração da capacidade da equipe 3 na semana Encomendas para a equipe 3 na semana Preços estabelecidos pela equipe 3 na semana Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 4 1 ª parte Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 4 2 ª parte Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 4 3 ª parte Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 4 4 ª parte Encomendas para a equipe 4 na semana Ativos da equipe 4 após a semana Preços estabelecidos pela equipe 4 na semana

10 x Lista de quadros (cont.) 61 Transportes encomendados pela equipe 4 na semana 4 1 ª parte Transportes encomendados pela equipe 4 na semana 4 2 ª parte Transportes encomendados pela equipe 4 na semana 4 3 ª parte Vendas efetuadas pela equipe 1 na semana D.R.E. da equipe 1 após a semana Ativos da equipe 1 após a semana Encomendas para a equipe 1 na semana Transportes encomendados pela equipe 1 na semana 5 parcial Vendas efetuadas pela equipe 2 na semana D.R.E. da equipe 2 após a semana Ativos da equipe 2 após a semana Encomendas para a equipe 2 na semana Vendas efetuadas pela equipe 3 na semana D.R.E. da equipe 3 após a semana Ativos da equipe 3 após a semana Encomendas para a equipe 3 na semana Vendas efetuadas pela equipe 4 na semana D.R.E. da equipe 4 após a semana Ativos da equipe 4 após a semana Encomendas para a equipe 4 na semana

11 xi Lista de tabelas 1 Composição, peso e quantidade de horas necessária para a fabricação dos produtos Disponibilidade e preço dos fornecedores de matéria-prima Densidade das matérias-primas e dos produtos Nível econômico das cidades Preço-padrão dos produtos Velocidade, carga e volume máximos, e preços dos modais Demanda média e sazonalidade dos produtos...105

12 xii SUMÁRIO 1. O PROBLEMA INTRODUÇÃO OBJETIVO DELIMITAÇÃO RELEVÂNCIA REFERENCIAL TEÓRICO OS JOGOS DE EMPRESA OS JOGOS DE EMPRESA COMO FERRAMENTA DE TREINAMENTO A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA ADMINISTRAÇÃO METODOLOGIA O TIPO DE PESQUISA A CONSTRUÇÃO DO JOGO CONCEITOS E VARIÁVEIS DO JOGO ILUSTRAÇÃO DE UMA JOGADA CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA APÊNDICE A - MANUAL DO JOGADOR APÊNDICE B - MANUAL DO ÁRBITRO...101

13 1. O Problema 1.1. Introdução As constantes transformações que o mundo empresarial vem experimentando nas últimas décadas têm ocasionado um crescimento da importância do ramo da Administração de Empresas. Por causa do cenário competitivo que ronda as empresas, é cada vez mais importante administrá-las de uma maneira eficiente. Por se tratar de uma área de conhecimento muito ampla, genérica e dinâmica, a Administração de Empresas vem sofrendo diversas transformações ao longo dos últimos anos, em função das próprias pesquisas na área e das mudanças no panorama empresarial mundial. Desta maneira, tem-se tornado cada vez mais forte a necessidade de aprendizagem, treinamento e reciclagem, tanto para pesquisadores quanto para executivos da área de Administração. Existem muitas ferramentas de treinamento nesta área: aulas expositivas, palestras, visitas a empresas, o método do caso e Jogos de Empresa (Business Games). A última modalidade é abordada neste trabalho Objetivo O objetivo deste trabalho foi o de desenvolver um business game, voltado especificamente para Logística, um Jogo de Logística. O jogo é baseado em um modelo matemático relativamente complexo, porém invisível ao jogador, que deve tomar decisões empresariais de dificuldade média. O jogo tem por objetivo o treinamento de executivos brasileiros do setor de Logística, apresentando custos e distâncias reais no país, assim como a disponibilidade dos modais (ferrovia, navegação) e variáveis como tamanho e importância econômica das cidades. A idéia é explorar bastante o setor de Logística e todos os seus conceitos, tendo pouca abrangência em termos de outras áreas da Administração. Naturalmente, conceitos de outras áreas (que

14 2 interfaceiam a Logística, como a Produção e Finanças) também são tratados, só que superficialmente. A ferramenta procura ser útil e didática, no que diz respeito à assimilação de custos, distâncias, conceitos, técnicas, trade-offs. Muitos trade-offs são explorados: diversidade de modais; preço x serviço prestado; transporte palletizado; produtos com diferentes pesos e volumes; produtos com maior margem e de tratamento diferenciado (frigorificado); produtos com demanda mais estável e de menor margem; localidades distantes e/ou de pequena expressão econômica com custos atrativos; produtos de alto valor agregado transportados por modais mais rápidos Delimitação Durante o jogo, os participantes assumem o papel de 4 empresas que fabricam e vendem 5 produtos diferentes que necessitam de 5 diferentes matérias-primas para serem fabricados. As empresas vendem estes produtos para 25 atacadistas situados em 25 das maiores cidades brasileiras, sob o regime de encomendas. Os atacadistas encomendam os pedidos em função dos preços praticados e do serviço oferecido (na forma de entregas completas) pelas empresas. Os jogadores tomam decisões que envolvem infra-estrutura logística (armazéns) e fabril (tanto em termos de tamanho quanto em termos de localização das facilidades), preços dos produtos, aquisição de matéria-prima, programação da produção (envolvendo ou não horas-extra) e encomendas de transportes (com 4 possibilidades de modais: navio, trem, caminhão e avião; permitindo a utilização de transporte intermodal). Para os participantes, o objetivo é alcançar o melhor resultado financeiro ao final do jogo. Para isso, eles devem tentar maximizar as receitas de vendas e gerenciar e minimizar os custos: de aquisição de terrenos; de contratação e demissão de operários; de salários dos operários; de horas-extra; de alteração de capacidade; de fabricação; de transportes; de aquisição de matérias-

15 3 primas; de carregamento de estoque; de manuseio; de armazenagem; e de manutenção dos armazéns e das fábricas. O jogo procura imitar a realidade, mas não passa de uma simulação. Por isso, não corresponde exatamente a ela e não prevê algumas situações que podem acontecer na vida prática. Os custos foram estudados e procuram refletir a realidade, mas pode haver algumas distorções. As distâncias são verdadeiras, embora algumas aproximações e simplificações tenham sido feitas para tornar o jogo mais viável e de maior conteúdo didático; por exemplo, no jogo é possível ir de navio de Curitiba para outros portos: foi feita a simplificação, considerando Curitiba estar no litoral do estado, o que não é tão distante da realidade. Priorizando a didática e o aprendizado, o modal ferroviário não considera alguns trechos existentes na realidade e disponibiliza alguns que não existem realmente. Algumas decisões têm suas conseqüências realizadas instantaneamente ou em um prazo de tempo muito curto, bem menor do que na realidade (como, por exemplo, a contratação de operários e o aumento de capacidade dos armazéns). Novamente, tudo com o intuito de tornar o jogo mais viável e de evitar aumentar a sua complexidade, sem benefícios. O jogo não prevê incertezas (presentes na realidade) nos prazos e na execução dos transportes. As demandas são razoavelmente previsíveis, caso seja feito um estudo detalhado, embora envolvam alguma incerteza. A interação que há entre os jogadores e a influência desta interação nos resultados do jogo traz outro componente de incerteza para os participantes, já que não se pode prever o que os concorrentes vão fazer Relevância Atualmente, existem alguns jogos de logística que são utilizados como ferramenta de treinamento gerencial. No entanto, a importância deste trabalho está depositada no fato de se tratar de um jogo realizado no cenário brasileiro. As distâncias são verdadeiras e a disponibilidade dos modais bem próxima da real, permitindo que os participantes realmente treinem e se tornem capazes

16 4 de fazer logística no Brasil. Assim, para um executivo brasileiro, talvez seja mais importante verificar se é viável transportar matéria-prima de trem de Belém para Brasília ou se compensa economicamente abastecer de produtos acabados uma cidade de tão difícil acesso como Manaus do que saber quanto custa transportar de caminhão um produto do mercado 12 para o mercado 27. Além disso, diferentemente de outros jogos existentes, possibilita o transporte intermodal, os modais aéreo e marítimo, a escolha da localização da(s) fábrica(s), a programação diária da produção, o transporte palletizado, o tratamento de produtos frigorificados etc.. Ainda cabe ressaltar a importância de se treinar Logística no Brasil. É um país de dimensões continentais, que ainda conta com um nível baixo de profissionalismo no assunto. Portanto, muita ineficiência e desperdícios ocorrem e existe um potencial de crescimento muito grande na área, possibilitando economias muito grandes para o país, no caso do potencial se transformar em realidade.

17 5 2. Referencial teórico 2.1. Os Jogos de Empresa Elgood (1988) sugere algumas características definidoras de um Jogo de Empresas: envolver competição e ter claro em seu término quais os vencedores; consistir em uma atividade baseada em regras e organizadas de modo a poderem ser repetidas; ter uma estrutura clara, podendo ser reconhecido sempre que for aplicado como sendo o mesmo exercício; possuir estágios sucessivos, onde o aprendizado se dê por verificação de erros e acertos; permitir a identificação prévia, aos que se interessarem, de alguns critérios de avaliação de performance; exigir por parte dos participantes certo nível de habilidade de relacionamento com os colegas de grupo, na coordenação de equipes de trabalho, bem como na utilização de recursos disponíveis, tais como documentação apresentada, materiais de apoio e computadores Os Jogos de Empresa como ferramenta de treinamento Segundo Miyashita (1997, p.1), os jogos procuram simular o ambiente empresarial, colocando os jogadores frente a situações que são similares àquelas pelas quais os executivos passam em sua rotina de trabalho. São métodos alternativos de treinamento de executivos, e possuem algumas vantagens em relação aos métodos tradicionais, como o treinamento no exercício de um cargo específico. Geralmente os jogos são muito mais econômicos no tempo de aprendizado, pois em pouco espaço de tempo conseguem transmitir uma grande quantidade de conceitos. Além disso, possuem a vantagem de não comprometer a operação normal da empresa,

18 6 uma vez que geralmente são realizados em um ambiente independente e isolado. Em comparação com outros métodos de ensino (aulas expositivas, casos, leituras), estes envolvem uma abrangência de conteúdo muito maior do que os jogos; no entanto, estes últimos obtêm uma maior fixação de conceitos e procedimentos, pois contam com a consolidação que só a prática proporciona. Isso é muito interessante porque antecipa a oportunidade do executivo aplicar, na prática, os conceitos aprendidos na teoria. Normalmente, o palco desta aplicação seria o cotidiano profissional e, até lá, os conceitos poderiam ser esquecidos. (MARTINELLI, 1987) Para Miyashita (1997, p.5), durante a aplicação dos Jogos de Empresa costuma surgir um grande envolvimento emocional por parte dos jogadores, gerado pelas situações que têm de superar, e pela pressão dos concorrentes na luta pela liderança. Este estado de tensão, de certo modo propositado, acaba fazendo com que os conceitos aprendidos ao longo da partida tenham raízes mais profundas no conhecimento. Mesmo as equipes que cometem erros ganham experiência, e esta consciência do que se deve ou não fazer acabará sendo útil na vida profissional, uma vez que estes mesmos erros serão evitados posteriormente. Miyashita (1997, p.6) prossegue dizendo que os professores, expositores e autores de textos de leitura expõem relatos de experiências próprias ou de terceiros. A experiência pessoal (por parte dos alunos) é muito mais marcante e é fundamental no exercício de atividades administrativas. Os jogos, pelo seu caráter lúdico, tornam mais agradável e, portanto, menos custoso o aprendizado do que as leituras e as aulas, que costumam ser mais cansativas, até porque levam a um menor envolvimento do aluno, que tende a ter uma atitude passiva no processo. (...) É interessante, também, notar o modo aberto como se desenvolvem as sessões de Jogos de Empresa. A gama de decisões possíveis a cada instante é bastante grande. Existe uma enorme variedade de caminhos que a empresa

19 7 pode percorrer para alcançar seus objetivos. Ao longo das rodadas, surgem novas experiências para as equipes, que nem mesmo o árbitro da partida poderia ter previsto anteriormente. O aprendizado é, portanto, extremamente rico para os participantes que, após tomarem suas decisões, podem verificar as conseqüências das mesmas nos períodos subseqüentes. Nos jogos, o aprendizado é progressivo. Os participantes aprendem ao analisarem seus acertos e seus erros ao longo da partida. São desenvolvidas habilidades de diagnóstico em situações de planejamento e implementação de soluções, além de exigir a capacidade de trabalho em grupo. Em relação aos casos (onde o que se pede, normalmente, é a solução de uma determinada situação de decisão, sem a preocupação do que ocorreria na posteridade da empresa), os jogos apresentam uma grande vantagem: eles envolvem uma seqüência de decisões, onde os resultados de uma rodada influenciam fortemente na tomada de decisão da rodada posterior, procurando simular o que realmente ocorre na vida real, considerando o aspecto da continuidade. (MARTINELLI, 1987) A grande desvantagem dos jogos é a quantidade de tempo que eles ocupam, mas isso é inerente ao seu processo de aplicação, porque uma redução do número de rodadas da partida pode prejudicar a capacidade do aluno aprender através dos erros e acertos, além de inibir o exercício do planejamento a longo prazo. (MARTINELLI, 1987) É interessante perceber que os jogos não substituem os métodos tradicionais de ensino. Por terem características tão distintas (gerando vantagens e desvantagens), eles podem ser considerados como complementares. (MIYASHITA, 1997) A força da tecnologia da informação vem impulsionando cada vez mais estes jogos, que podem ser cada vez mais complexos, executados em menos tempo e podem contar com participantes que estão em locais diferentes. A cada dia os jogos vão melhorando, tornando-se mais úteis como instrumento de treinamento e mais adequados à área de interesse. (MIYASHITA, 1997)

20 8 Nas universidades brasileiras, todos os melhores cursos de Pós- Graduação em Administração de Empresas utilizam jogos de empresas em alguns de seus cursos. Atualmente existem também empresas de computação dedicadas à elaboração de jogos de empresas para utilização em cursos de treinamento de executivos. (MARTINELLI, 1987) Existem diversos tipos de Jogos de Empresa, entre eles: de aplicação manual; baseados em modelos; de computador de acesso direto; progressivos; de discussão; de comportamento. (MIYASHITA, 1997) Os jogos ainda podem ser classificados de acordo com a área de conhecimento abordada por eles. Dentro da Administração (existem jogos inclusive fora desta área), os Jogos de Empresa podem explorar conceitos de: Marketing, Produção, Finanças, Recursos Humanos, Estratégia, Logística. E há jogos que exploram mais de uma destas áreas (ou até todas), caracterizando-se como jogos genéricos. (MARTINELLI, 1987) Na área de Logística, as funções exercidas envolvem grande quantidade de elementos matemáticos e financeiros: coordenação de estoques, avaliação de tempos de transporte e espera, cálculo de custos etc.. O processamento destas informações envolve uma razoável complexidade, pela grande quantidade de dados numéricos e do equacionamento exigido. Este fato fortalece o poder do business game enquanto instrumento de treinamento para a Logística. (MIYASHITA, 1997) 2.3. A importância da Logística na Administração Ballou (1978) sustenta a idéia de que Logística é um assunto vital, argumentando que os recursos e os consumidores desses recursos estão bem dispersos geograficamente; e que, normalmente, os consumidores não residem onde os produtos são confeccionados. Provisões precisam ser feitas para preencher a lacuna entre fornecimento e demanda para que consumidores possam ter produtos e serviços quando, onde e da maneira que eles querem.

21 9 Ballou (1978) ressalta a importância da Logística dentro da Administração de Empresas e a necessidade de haver mais treinamento nessa área, através de 3 colocações: a maioria das empresas (de serviço ou não), instituições e agentes governamentais precisam da ajuda, em algum nível, de um especialista em Logística. É também por isso que a demanda por pessoas nas diversas áreas de atividade da Logística tem excedido a oferta de pessoal bem treinado. Essa escassez ocorre principalmente no nível gerencial; outro ponto que tem recebido muita atenção é a disponibilidade de alimentos para abastecer a população mundial. Foi estimado que um terço do fornecimento de alimentos perecíveis é perdido durante a sua distribuição. Os profissionais que conseguirem reduzir esse indicador terão um grande valor; nenhuma empresa de negócios ou organização de serviços pode operar sem trabalhar com atividades logísticas em certo nível. Portanto, os níveis executivos mais altos das empresas são (ou deveriam ser) preenchidos por profissionais que entendam de problemas logísticos e que saibam lidar com eles.

22 10 3. Metodologia 3.1. O tipo de pesquisa O trabalho realizado pode ser classificado como de fim metodológico, já que consiste em uma simulação da realidade e é resultado da construção de um instrumento de treinamento gerencial. Do ponto de vista dos meios, o trabalho se enquadra no caso da pesquisa bibliográfica, já que algumas das idéias para a elaboração do jogo são provenientes de livros e teses e as informações necessárias para a construção do modelo foram extraídas de almanaques, guias e revistas A construção do jogo Boa parte das idéias utilizadas na confecção do jogo é proveniente de insights adquiridos durante os cursos de Logística Empresarial e Tópicos Especiais em Logística, do Mestrado COPPEAD (98-99). Outra parte destas idéias é original e foi criada pelo próprio autor; outros business games inspiraram a concepção do restante do modelo do jogo, conforme descrito a seguir. MICHIGAN State University Simulador logístico LOGA (s.d.) é um Simulador (Jogo) Logístico desenvolvido nos Estados Unidos, onde 4 empresas vendem 2 diferentes produtos em 36 mercados fictícios. Existem várias matérias-primas e diferentes fornecedores e modais de transporte. O Marketing e a Produção também são explorados neste jogo, em um sentido mais coadjuvante. A estrutura do Simulador serviu de base para a elaboração do trabalho em questão, embora os jogos sejam bem diferentes (algumas críticas e adaptações para o cenário brasileiro foram realizadas). A entrada de dados é bem similar nos dois. O conceito de seqüência dos eventos do primeiro foi adotado no segundo, com algumas modificações. A elaboração do Manual do Jogador foi baseada no Manual do Participante do LOGA.

23 11 Miyashita (1997) explora algumas definições e tipos de jogos, enquanto ferramentas de treinamento. A metodologia deste jogo também é parecida com a do atual trabalho, embora bem mais simples. O autor descreve detalhes sobre a construção do modelo e elabora um Manual do Aplicador (invisíveis aos jogadores), que serviram de inspiração para o trabalho atual. Pinheiro (1983) desenvolve um jogo (de Planejamento da Produção e Controle de Estoques) que aborda problemas como o de programação da produção e de armazenagem, que também são explorados no trabalho em questão. O jogo explicado no apêndice de Bowersox (1996) trabalha a grandeza espaço de armazenagem em metros cúbicos (ou Kl), o que também foi utilizado neste trabalho. Wolfe e Nielson (1987) descrevem um jogo (STRAT-PLAN) que possibilita a contratação e demissão de funcionários. Snyder (1996) resenha um jogo (The Business Strategy Game) que define a capacidade produtiva das fábricas em função do número de operários. Palij (1995) descreve um jogo (INTOPIA) que trabalha com o conceito de relatórios paperless e que concebe decisões a níveis bem estratégicos. No atual trabalho, estas idéias foram utilizadas, podendo as empresas - a título de decisões estratégicas - abdicar de comercializar determinado produto ou de atuar em determinada(s) região(ões) geográfica(s), por exemplo. Em Economia & Transporte (1999) há uma lista de especificações técnicas de caminhões (carga útil e capacidade volumétrica transportável), que foram utilizadas no modelo. O Guia Quatro Rodas Brasil (1999) fornece todas as distâncias entre as cidades utilizadas no jogo. O Almanaque Abril (1999) fornece as informações de população, clima e nível econômico (para construção das demandas e composição de alguns custos) de todas as cidades utilizadas no jogo.

24 Conceitos e variáveis do jogo Quatro empresas convivem em um oligopólio, disputando o mercado brasileiro através da venda de 5 diferentes produtos (sendo um deles perecível e exigindo tratamento especial: armazenagem e transporte frigorificados). Cada empresa é administrada por uma equipe que, exercendo o papel da diretoria, tomará decisões logísticas e de outras áreas de interface (como, por exemplo, Produção e Marketing). O objetivo de cada equipe é administrar da melhor maneira a sua empresa, de modo a conseguir o maior lucro possível. A equipe vencedora será aquela que, ao final do jogo, tiver acumulado o resultado financeiro mais positivo. Não se sabe, a priori, quando o jogo terminará, ficando a critério do árbitro a duração do mesmo. Isto evita que as equipes utilizem táticas de fim de jogo para ganhá-lo, forçando as empresas a sofrerem uma administração com continuidade. Em um primeiro momento, as equipes decidem sobre a macro-estrutura logística e fabril da empresa (localização e tamanho dos centros de distribuição - CD s ; localização e capacidade produtiva das fábricas). Após o set-up inicial e no decorrer do jogo, cada equipe deverá tomar decisões semanais (do ponto de vista da cronologia da empresa) estratégicas (alteração de capacidade) e operacionais (determinação dos preços, aquisição de matéria-prima, programação da produção e transportes), após receber o resultado da interação das suas decisões com as das outras equipes na semana anterior. Custos de manutenção das facilidades e de carregamento de estoque além dos relacionados às decisões citadas - ocorrem, como na vida real e devem ser bem administrados. No sentido de auxiliar em uma melhor orientação estratégica, cada equipe recebe, antes do início do jogo, uma planilha contendo 2 tipos de informação: um histórico (dos 2 últimos anos, por semana) de demanda de cada um dos 5 produtos em cada um dos 25 atacadistas;

25 13 uma matriz de distâncias (Km) entre as 25 cidades, para cada um dos 4 modais de transporte: navio, trem, caminhão e avião. As equipes devem utilizar o histórico de demanda para projetar as demandas futuras e a matriz de distâncias para embasar a confecção da macro-estrutura logística. Para produzir os 5 produtos, são necessárias 5 matérias-primas (em proporções diferentes em cada produto) e algumas horas de fabricação por unidade. As empresas podem adquirir cada uma das matérias-primas com, geralmente, dois diferentes fornecedores, situados em cidades diferentes e que trabalham com preços diferentes (com descontos por quantidade). Os produtos finais podem ser vendidos (os preços são de escolha da empresa, dentro de uma certa faixa) a 25 atacadistas, espalhados nas principais cidades brasileiras (1 por cidade). Estas 25 cidades correspondem às possibilidades de localização das fábricas e CD s e é em um subconjunto delas que os fornecedores estão localizados. Na fase de set-up inicial, cada equipe deve decidir: Quantas fábricas haverá (de 1 a 4) Características de cada fábrica Localização Quantidade de máquinas (máximo=100) Quantidade de operários Área dos armazéns anexos de matéria-prima e de produtos acabados (frigorificado e comum) Quantos CD s haverá (máximo=8) Características de cada CD Localização

26 14 Área dos armazéns de produtos acabados (frigorificado e comum) Cada máquina pode funcionar até 24 horas por dia, limitadas pelo número de operários (remunerados), que trabalham em turnos de 8 horas nos dias úteis da semana, havendo a possibilidade de horas-extra. Cada fábrica deve ter armazéns anexos de matéria-prima e produto acabado. Nesta fase inicial, devem ser determinadas as suas capacidades volumétricas (obs.: os produtos acabados e matérias-primas têm diferentes densidades). Cada empresa pode ter até 8 Centros de Distribuição, espalhados pelo país. Em cada CD, só podem ser armazenados produtos acabados A matériaprima só pode ser armazenada junto às fábricas. Toda estrutura (fábrica, armazéns anexos e CD s) construída ocupa uma área e um terreno na localidade escolhida deve ser adquirido. O custo de aquisição dos terrenos varia em função da área e da localização do mesmo. Após estas decisões serem tomadas, os terrenos são adquiridos, as fábricas e armazéns construídos, as máquinas instaladas e os operários contratados. A partir deste momento, o jogo entra em um regime mais dinâmico. A cada semana, as equipes recebem relatórios de informação sobre o desempenho na semana anterior: Vendas, D.R.E. (Demonstração do Resultado do Exercício), Ativos, Encomendas e Pesquisa de Preço. Baseadas nos relatórios e nas próprias estratégias, as equipes devem tomar suas decisões semanais: Preços para cada produto (o mesmo preço será praticado em todos os atacadistas). Estes preços influenciarão juntamente com o nível de atendimento às encomendas anteriores as quantidades de cada produto que os atacadistas irão solicitar para cada empresa, para a semana seguinte;

27 15 Alteração da infra-estrutura (aumentar ou diminuir a área comum ou frigorificada de cada armazém - anexo ou CD; e aumentar ou diminuir o número de máquinas e operários em cada fábrica); Programação da Produção (alocação das horas de produção disponíveis em cada fábrica em cada um dos 5 dias da semana); Transportes (escolha do modal - com diferentes velocidades, capacidades e custos -, qual item será transportado, a quantidade transportada, o dia e a cidade de origem do transporte, a cidadedestino e se o transporte será palletizado situação que reduz os custos de manuseio, mas diminui a capacidade de carga). A descrição mais detalhada do funcionamento do jogo pode ser encontrada nos apêndices: Manual do Jogador e Manual do Árbitro (que deve ser utilizado quando o jogo for aplicado por uma pessoa diferente do autor do mesmo).

28 16 4. Ilustração de uma jogada A seguir será exemplificada uma parte (5 rodadas) de uma jogada fictícia, com o intuito de ilustrar as possibilidades, conceitos explorados e telas do jogo. Quatro equipes estão concorrendo no cenário brasileiro, por cinco produtos, mas cada uma terá sua própria estratégia de atuação: a equipe 1 terá como público-alvo a parcela mais nobre da população, concentrando-se apenas, portanto, nos produtos mais caros: A e B; a equipe 2 comercializará todos os produtos, porém pretende limitar sua abrangência geográfica à parte mais rica e acessível do país: regiões Sul e Sudeste; a equipe 3 deseja trabalhar com giro alto e preços baixos, por isso estará em todo Brasil e só abrirá mão de vender o produto de tratamento mais complexo (frigorificado): o B; a equipe 4 vai investir em ganhos de transporte e decide atuar só no litoral brasileiro para poder se concentrar no transporte por navio. SET-UP INICIAL Equipe 1: Essa equipe pretende trabalhar com margem alta e se diferenciar através do nível de atendimento às encomendas, por isso é necessário ter uma resposta rápida e estar cobrindo boa parte do país com sua malha logística. Assim, sua configuração inicial foi a seguinte:

29 17 Quadro 1. Configuração inicial da equipe 1 Essa malha logística espalhada em 11 pontos do Brasil parece ser capaz de atender prontamente as encomendas dos atacadistas. As fábricas de Campo Grande e Curitiba serão, a princípio, dedicadas (aos produtos A e B, respectivamente) e foram localizadas nessas cidades por causa da ocorrência dos fornecedores da matéria-prima mais importante de cada um nas mesmas. Elas operarão em plena carga e são capazes de produzir 30% e 40% da demanda projetada de todos os atacadistas para os produtos A e B, respectivamente. Como a equipe ambiciona um market-share ainda maior (principalmente para o produto A) e baseia sua expectativa em um bom nível de atendimento, é interessante produzir mais unidades e estar mais espalhada em termos fabris. As fábricas de Recife e Belo Horizonte cumprirão esses objetivos, produzindo os 2 produtos e apresentando uma capacidade

30 18 produtiva média. A capital pernambucana foi escolhida por estar situada bem no centro do Nordeste e a capital mineira apresenta custos de aquisição de terrenos bem mais atrativos do que suas vizinhas da região Sudeste, Rio de Janeiro e São Paulo. Os 7 armazéns foram distribuídos para ocupar bem as lacunas entre as fábricas e garantir a pronta entrega. Algumas localidades são abastecidas pelos próprios armazéns das fábricas, mas nos casos particulares das regiões em torno de Curitiba e Campo Grande (fábricas dedicadas), a demanda (dos produtos A e B, respectivamente) terá que ser suprida pelos armazéns de Porto Alegre e Brasília, respectivamente. Equipe 2: A estratégia da equipe consiste em fornecer todos os produtos para os maiores mercados. A idéia engloba não gastar muito dinheiro com instalações. Para suprir a demanda de aproximadamente 35% (market-share projetado) das duas regiões mais ricas do país são necessárias 2,5 fábricas trabalhando a todo o vapor. Foram instaladas, portanto, 3 fábricas em locais com custos baixos de aquisição de terrenos: Santos, Vitória e Joinville. A primeira (que permite o transporte de navio e onde há um fornecedor) abastecerá o estado de SP, a segunda (que também permite o transporte de navio) o restante da região Sudeste e a terceira (onde também existe um fornecedor) a região Sul. Essa última trabalhará a 50% da carga e as outras em ritmo máximo. Não há necessidade de armazéns de produto acabado pois as 3 cidades onde se localizam as fábricas são capazes de abastecer toda a região-alvo. A configuração inicial está a seguir:

31 19 Quadro 2. Configuração inicial da equipe 2 Equipe 3: A equipe venderá todos os produtos não-frigorificados a um preço baixo. Para tal, pretende realizar economias logísticas usando intensamente o modal ferroviário e não estando totalmente espalhada pelo território, estando ciente que pode comprometer o nível de atendimento das encomendas. O foco será no giro, mas é sabido que, para fornecer pelo menos 40% da demanda dos atacadistas, são necessárias 4 fábricas completas (e ainda com alguns períodos de horas-extra!). A localização das fábricas foi escolhida no sentido de privilegiar a malha ferroviária:

32 20 Quadro 3. Configuração inicial da equipe 3 Os 2 armazéns serão responsáveis por abastecer as regiões Norte, Centro-Oeste e parte da Nordeste. Equipe 4: A equipe atuará no litoral da brasileiro e, para suprir 35% (market-share projetado) dessa demanda, ela precisa de 2,5 fábricas, aproximadamente. Para ter uma abrangência maior e mais flexibilidade, decide instalar 3 fábricas a 80% da capacidade máxima. Eis a sua configuração inicial:

33 21 Quadro 4. Configuração inicial da equipe 4 A fábrica de Santos (possui fornecedor e apresenta um custo de terreno baixo) abastecerá o Sul e Sudeste do país. A de Fortaleza (onde existe um fornecedor) suprirá a região Norte e a porção setentrional da região Nordeste. A terceira fábrica distribuirá para o restante do Nordeste e poderia ser instalada em Salvador ou Maceió, mas esta última foi escolhida por apresentar custos de aquisição de terreno mais baixos. O armazém de Belém servirá para não deixar tão isolados da fábrica de Fortaleza os atacadistas da própria cidade e de Manaus.

34 22 SEMANA 1 As equipes receberam os relatórios e puderam observar seus ativos e o resultado do período (não houve vendas nem encomendas que só começam na quarta semana). Comparando os D.R.E. s (quadros a seguir), pode-se observar que a equipe que mais gastou é justamente aquela com mais capacidade produtiva: a 3. A equipe 1 é a que tem a maior malha de armazéns e por isso é a segunda em termos de custos. A equipe 2 não tem nenhuma armazém fora das fábricas e, por isso, foi a que menos gastou nessa etapa inicial. Quadro 5. D.R.E. da equipe 1 após a semana 0

35 23 Quadro 6. D.R.E. da equipe 2 após a semana 0 Quadro 7. D.R.E. da equipe 3 após a semana 0

36 24 Quadro 8. D.R.E. da equipe 4 após a semana 0 Equipe 1: É preciso abastecer a fábrica de Campo Grande com as matérias-primas (de 1 a 4). Elas foram encomendadas para a fabricação do produto A por 3 semanas (para aproveitar o desconto por quantidade dos fornecedores). Os fornecedores mais próximos foram escolhidos mas, mesmo assim, os transportes só chegam ao final do segundo dia (a menos que se usasse a dispendiosa opção do modal aéreo) e só é possível começar a produzir no terceiro dia. Por isso a encomenda da M1 para o fornecedor local só aconteceu no segundo dia (até porque implica em carregamento de estoque por menos tempo). No transporte de M2, o modal ferroviário é possível e foi utilizado (por ser mais barato que o rodoviário). Na fábrica de Curitiba, o raciocínio é o mesmo. No entanto, a encomenda de M3 é fracionada: o fornecedor mais próximo (e mais caro!) - Belo Horizonte entregará a remessa inicial para garantir que a produção comece no terceiro dia e o restante será suprido pelo fornecedor mais barato (Belém) e transportado por um modal mais atraente em termos de custo (navio). Essa

37 25 remessa só chegará no oitavo dia, mas a primeira entrega garante a produção até lá. Abaixo está o quadro com os transportes encomendados pela equipe: Quadro 9. Transportes encomendados pela equipe 1 na semana 1 As fábricas de Belo Horizonte e Recife terão funcionamento semelhante (alocando metade das horas para a produção de cada um dos dois produtos); esta última, no entanto, só começará a fabricação no quarto dia, pelo fato de estar mais distante dos fornecedores. Na fábrica mineira, a escolha do fornecedor de Santos para a remessa de M4 não se baseou na proximidade (já que o fornecedor alternativo Rio de Janeiro é mais próximo de Belo Horizonte). O concorrente carioca até permitiria o uso do modal ferroviário

38 26 (mais barato), mas o transporte sentido Santos-Belo Horizonte é agraciado com um desconto de 15% pelo fato de consistir em um deslocamento de contra-fluxo. Além disso, o custo da matéria-prima em Santos é menor do que no Rio de Janeiro e, ao se considerar o custo total da encomenda (aquisição + transporte), o fornecedor paulista leva uma vantagem. A programação da produção para a primeira semana está abaixo: Quadro 10. Programação da produção da equipe 1 na semana 1 Equipe 2: Para abastecer a fábrica menor (Joinville), todas as matérias-primas são necessárias. A idéia (para todas as fábricas) é adquirir a quantidade suficiente para a produção de 3 semanas. No carregamento de M4, foi utilizada a carga

39 27 fechada (capacidade máxima do modal: 10 ton) no sentido de obter um preço mais interessante. A programação dos transportes está abaixo: Quadro 11. Transportes encomendados pela equipe 2 na semana 1 Na fábrica de Santos, a quantidade de M4 demandada (22 ton) supera a capacidade máxima do modal rodoviário (10 ton). Portanto, o navio foi utilizado para esse trecho. O mesmo não acontece com a fábrica de Vitória. Se o transporte da matéria-prima fosse executado de navio (viável nesse trecho), a carga chegaria 1 dia depois das demais, atrasando o início da produção. Por isso, o modal rodoviário foi escolhido, mesmo sendo mais caro. O gerente de PCP de Vitória, no entanto, não atentou para o fato de as encomendas só chegarem ao final do segundo dia e encomendou o início da fabricação para o dia 2. Matéria-

40 28 prima será, portanto, adquirida em um mercado clandestino a preços muito altos! As unidades de cada produto a serem fabricadas foram determinadas de uma forma diretamente proporcional a sua demanda: Quadro 12. Programação da produção da equipe 2 na semana 1 Equipe 3: As 4 fábricas precisam de todas as matérias-primas nas quantidades equivalentes à fabricação de 3 semanas de demanda dos produtos A, C, D e E: 3 ton de M1; 20 ton de M2; 3,5 ton de M3; 26 ton de M4 e 0,5 ton de M5.

41 29 A programação dos transportes está a seguir: Quadro 13. Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 1 Para o carregamento de M2 da fábrica de Curitiba, o fornecedor mais interessante é, sem dúvida, o de Joinville (mais próximo e mais barato). Mas esse trecho não viabiliza o transporte ferroviário e quantidade demandada (20 ton) é maior do que a capacidade máxima do caminhão; portanto, o fornecedor de Ribeirão Preto foi selecionado. Em relação à M4, foi optado por se utilizar a

42 30 carga fechada (50 ton no trem) com o intuito de economizar (até porque a quantidade demandada era bastante alta: 26 toneladas). Entretanto, a densidade de M4 (0,3 ton/kl) não recebeu a devida atenção: 50 ton de M4 correspondem a 167 Kl (mais do que a capacidade volumétrica do trem: 150Kl) e parte da carga não será transportada. A programação da produção está abaixo: Quadro 14. Programação da produção da equipe 3 na semana 1 Para o carregamento de M2 da fábrica de Belo Horizonte, apenas metade (10 ton) da quantidade demandada pôde ser encomendada, por se tratar do limite de peso do caminhão (não há possibilidade de transporte ferroviário). Para a encomenda de M4, foi utilizado o transporte intermodal: a carga irá de navio de Santos para o Rio de Janeiro e de trem de lá para Belo Horizonte. A escala precisará ser feita, pois não é possível o transporte direto de navio

43 31 (modal mais barato) nem de trem (um pouco mais caro, mas que também comportaria toda a carga, ao contrário do rodoviário) de Santos para Belo Horizonte. É válido observar que o transporte do Rio de Janeiro para Belo Horizonte foi encomendado para o dia exato em que a carga chega na escala (dia 2). Não sendo assim, a carga se perderia! Para a fábrica de Salvador, o problema do limite de peso do caminhão também cortou pela metade a encomenda de M2. Assim como em Belo Horizonte, o restante será encomendado na semana 2 ou 3. Equipe 4: A fábrica de Santos receberá todas as matérias-primas no final do segundo dia e poderá começar a produção no dia seguinte. Na encomenda de M3, porém, a entrega foi assinalada como final e irá direto para o atacadista de Santos, que não reconhecerá a carga, que será perdida. Na fábrica de Maceió, M4 só será capaz de chegar de navio (modal prioritário da equipe) no quarto dia. O mesmo acontecerá com M5, só que no quinto dia. Portanto, os produtos A, C e E podem começar a ser fabricados no dia 5, mas B e D só na segunda semana. Por isso, as horas que seriam alocadas a esses últimos no dia 5 foram distribuídas para os 3 primeiros. O reequilíbrio da produção será atingido na segunda semana. Na fábrica de Fortaleza, a situação é análoga, só que M4 só chegará no quinto dia, e M5 no sexto. A instalação ficará, pois, ociosa na primeira semana. Os transportes foram programados da seguinte maneira:

44 32 Quadro 15. Transportes encomendados pela equipe 4 na semana 1 Já a produção ficou assim esquematizada:

45 33 Quadro 16. Programação da produção da equipe 4 na semana 1 SEMANA 2 As equipes receberam os relatórios e puderam observar seus ativos e o resultado do período (não houve vendas nem encomendas que só começam na quarta semana). Olhando os D.R.E. s, as equipes podem começar a ter uma noção dos custos (relativos, inclusive) de operação. O elevadíssimo custo de aquisição de matéria-prima da equipe 2 deveu-se pela compra no mercado clandestino e pode ser observado no quadro a seguir:

46 34 Quadro 17. D.R.E. da equipe 2 após a semana 1 Equipe 1: O quadro dos ativos revela as capacidades das instalações e o inventário de matérias-primas e produtos acabados da equipe: Quadro 18. Ativos da equipe 1 após a semana 1

47 35 A equipe achou melhor aumentar o número de funcionários das fábricas menores (Belo Horizonte e Recife) pois as máquinas estavam ociosas por um turno: Quadro 19. Alteração da capacidade da equipe 1 na semana 2 A produção seguiu a mesma linha da semana anterior, a menos de ter começado no primeiro dia (já que a matéria-prima já estava disponível) e de ter sofrido um incremento de 50% em Belo Horizonte e Recife por conta da contratação do terceiro turno de operários:

48 36 Quadro 20. Programação da produção da equipe 1 na semana 2 Os transportes foram encomendados no sentido das fábricas abastecerem os armazéns: a de Curitiba os de Porto Alegre e São Paulo; a de Campo Grande os de Brasília e Belém; a de Belo Horizonte o do Rio de Janeiro; e a de Recife os de Salvador e Fortaleza. Os armazéns de matéria-prima já estão supridos com a demanda de produção da semana, portanto só transportes de produtos acabados de forma palletizada para diminuir o tempo e o custo de manuseio - foram encomendados (para o dia 10 de forma a poder incorporar a produção da semana):

49 37 Quadro 21. Transportes encomendados pela equipe 1 na semana 2 Equipe 2: O inventário dos ativos da equipe mostra que tem que haver um ressuprimento de M2 para as fábricas de Santos e Vitória (até porque o limite de carga do modal rodoviário utilizado no transporte da semana 1 não permitiu que fosse encomendada a quantidade de matéria-prima referente à produção de 3 semanas): Quadro 22. Ativos da equipe 2 após a semana 1

50 38 As outras matérias-primas não precisam de ressuprimento; por isso, nenhum outro transporte foi encomendado (inclusive porque a empresa não tem centros de distribuição e as encomendas dos atacadistas ainda não começaram): Quadro 23. Transportes encomendados pela equipe 2 na semana 2 A programação da produção seguiu o mesmo padrão da semana anterior: Quadro 24. Programação da produção da equipe 2 na semana 2

51 39 Equipe 3: M2 (em Belo Horizonte, Salvador e Ribeirão Preto) e M5 (em Curitiba) se farão necessárias nas próximas semanas, segundo o relatório de ativos: Quadro 25. Ativos da equipe 3 após a semana 1 Essas foram as únicas encomendas de matéria-prima nessa semana: Quadro 26. Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 2

52 40 Os produtos acabados serão transferidos para os armazéns de Cuiabá (a partir de Ribeirão Preto) e Natal (a partir de Salvador) ao final da semana, com o uso de pallets. No entanto, a redução da carga máxima (de 10 ton para 9,5 ton no caminhão) proporcionada pela escolha dessa alternativa (transporte palletizado) inviabilizou a transferência do produto C de Ribeirão Preto para Cuiabá: a quantidade desejada pesa 9,6 ton, aproximadamente, e os pallets foram deixados de lado, tornando o manuseio um pouco mais demorado e dispendioso. A programação da produção seguiu o mesmo padrão: Quadro 27. Programação da produção da equipe 3 na semana 2 A fábrica de Curitiba, porém, precisa aguardar a chegada de M5 para começar a produção. De modo a compensar esse atraso, foram contratadas algumas horas-extra para essa semana.

53 41 Equipe 4: O quadro de ativos da equipe revela o erro cometido na encomenda (marcada como entrega final) de M3 para a fábrica de Santos, que está sem este item em estoque: Quadro 28. Ativos da equipe 4 após a semana 1 A ausência de M5 na fábrica de Fortaleza é explicada pelo prazo de chegada da encomenda: dia 6. Além da correção do erro da encomenda da semana anterior, os produtos a serem fabricados durante a semana em Fortaleza devem ser distribuídos para o armazém de Belém: Quadro 29. Transportes encomendados pela equipe 4 na semana 2

54 42 Com essas transferências para Belém, o armazém será pequeno e a equipe resolveu aumentar a capacidade do CD: Quadro 30. Alteração da capacidade da equipe 4 na semana 2 A programação das fábricas seguiu o mesmo padrão (com inícios atrasados por falta de matéria-prima):

55 43 Quadro 31. Programação da produção da equipe 4 na semana 2 SEMANA 3 As equipes receberam os relatórios e puderam observar seus ativos e o resultado do período (não houve vendas nem encomendas que só começam na quarta semana). Equipe 1: O relatório de ativos mostra o incremento da capacidade produtiva da empresa, na forma do número de operários:

56 44 Quadro 32. Ativos da equipe 1 após a semana 2 Não há produtos acabados nos CD s porque a transferência se concretizará durante a semana 3. A produção será idêntica à da semana anterior e não haverá transportes, já que os armazéns (de matérias-primas e de produtos acabados) já estão (ou estarão) abastecidos. Começará, nessa semana, a concorrência pelos mercados, e as equipes devem estipular o preço de seus produtos para os atacadistas. Como a equipe pretende trabalhar com margens altas, diferenciando-se através do nível de atendimento, resolveu fixar seus preços em aproximadamente 20% acima do padrão: Quadro 33. Preços estabelecidos pela equipe 1 na semana 3 Como, em princípio, a equipe não pretende comercializar os produtos C, D e E, seus preços foram preenchidos com os valores-padrão.

57 45 Equipe 2: A produção será idêntica à da semana anterior e não haverá transportes, já que os armazéns (de matérias-primas e de produtos acabados) já estão (ou estarão) abastecidos. O grande volume de demanda do mercado-alvo da empresa (regiões Sul e Sudeste) sugere que os preços praticados sejam um pouco abaixo da média: Quadro 34. Preços estabelecidos pela equipe 2 na semana 3 Equipe 3: Não haverá transportes, já que os armazéns (de matérias-primas e de produtos acabados) já estão (ou estarão) abastecidos. A estratégia da equipe consiste no giro, por isso ela praticará preços bem baixos: Quadro 35. Preços estabelecidos pela equipe 3 na semana 3 O produto B não será comercializado e está com o preço-padrão. A produção seguirá o mesmo formato anterior, sendo semelhante à da última semana (a diferença é que, em Curitiba, ela iniciará no primeiro dia e não haverá horas-extra):

58 46 Quadro 36. Programação da produção da equipe 3 na semana 3 Equipe 4: No quadro de ativos da empresa, o aumento da capacidade do CD pode ser identificado, assim como a chegada das matérias-primas que estavam faltando:

59 47 Quadro 37. Ativos da equipe 4 após a semana 2 Não haverá transportes, já que os armazéns (de matérias-primas e de produtos acabados) já estão (ou estarão) abastecidos. A equipe seguirá os preços-padrão, pois residem nos custos suas possibilidades de obter vantagem: Quadro 38. Preços estabelecidos pela equipe 4 na semana 3 A produção seguirá o mesmo formato anterior, sendo semelhante à da última semana (a diferença é que ela iniciará no primeiro dia em todas as fábricas):

60 48 Quadro 39. Programação da produção da equipe 4 na semana 3 SEMANA 4 As equipes receberam os relatórios e puderam observar seus ativos e o resultado do período (não houve vendas, mas as encomendas começaram). Equipe 1: O relatório de ativos mostra os produtos acabados já distribuídos pelos CD s:

61 49 Quadro 40. Ativos da equipe 1 após a semana 3 As encomendas para a empresa ficaram um pouco abaixo da expectativa (provavelmente por causa do alto preço praticado): Quadro 41. Encomendas para a equipe 1 na semana 4

62 50 A empresa tem condições de atender a todos os atacadistas nos seus pedidos de produto A e B (é essa a estratégia!): Quadro 42. Transportes encomendados pela equipe 1 na semana 4 1 ª parte

63 51 Quadro 43. Transportes encomendados pela equipe 1 na semana 4 2ª parte Os transportes foram encomendados a partir dos armazéns (com disponibilidade de produto) mais próximos dos atacadistas, através dos modal (viável em cada trecho) mais barato, e com o uso de pallets.

64 52 No entanto, no transporte de produto A de Belo Horizonte para Porto Alegre, não foi assinalada a opção de entrega final, e a carga irá para o CD de Porto Alegre ao invés de ir para o atacadista. A entrega de produto B de Belo Horizonte para Manaus só chegará no quarto dia da semana (dia 19) e o atacadista não receberá a remessa (o prazo é o terceiro dia). A produção será idêntica à da semana anterior e a equipe resolveu abaixar um pouco o preço dos produtos, para tentar alcançar um market-share maior: Quadro 44. Preços estabelecidos pela equipe 1 na semana 4 Equipe 2: As encomendas (a seguir relacionadas) terão condições de ser atendidas (regiões Sul e Sudeste) com a agilidade que a equipe queria.

65 53 Quadro 45. Encomendas para a equipe 2 na semana 4 A produção será idêntica à da semana anterior e a equipe resolveu aumentar o preço dos produtos: Quadro 46. Preços estabelecidos pela equipe 2 na semana 4 A seguir está a relação dos transportes encomendados pela equipe na semana:

66 Quadro 47. Transportes encomendados pela equipe 2 na semana 4 1ª parte 54

67 Quadro 48. Transportes encomendados pela equipe 2 na semana 4 2ª parte 55

68 56 Quadro 49. Transportes encomendados pela equipe 2 na semana 4 3ª parte Equipe 3: O relatório de ativos mostra os produtos acabados já distribuídos pelos CD s: Quadro 50. Ativos da equipe 3 após a semana 3 E mostra também que faltou espaço de armazenagem nos CD s; alguns produtos foram transferidos e não foram armazenados (perdidos). A capacidade dos armazéns será aumentada:

69 57 Quadro 51. Alteração da capacidade da equipe 3 na semana 4 As encomendas (a seguir relacionadas) terão condições de ser atendidas (produtos A, C, D e E) pela empresa.

70 58 Quadro 52. Encomendas para a equipe 3 na semana 4 A produção será idêntica à da semana anterior e a equipe resolveu manter o preço dos produtos: Quadro 53. Preços estabelecidos pela equipe 3 na semana 4 A seguir está a relação dos transportes encomendados pela equipe na semana:

71 Quadro 54. Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 4 1ª parte 59

72 60 Quadro 55. Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 4 2ª parte As transferências de Salvador para Belém e para São Luiz seriam viáveis por navio, se os atacadistas não exigissem que a carga chegasse até o 3 º dia da semana.

73 61 Quadro 56. Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 4 3ª parte A carga para Manaus partiu do local mais próximo e foi no 2º modal mais rápido (de avião seria muito caro), mas não será aceita porque chegará no 4º dia da semana.

74 62 Quadro 57. Transportes encomendados pela equipe 3 na semana 4 4ª parte Como a situação era análoga a do produto D (em relação ao atacadista de Manaus), a equipe achou melhor nem encomendar a transferência da carga, já que ela não seria aceita.

75 63 Equipe 4: A lista de encomendas dos atacadistas está abaixo: Quadro 58. Encomendas para a equipe 4 na semana 4 O relatório de ativos mostra os produtos acabados já distribuídos para o CD e que será possível atender todos os atacadistas do litoral:

76 64 Quadro 59. Ativos da equipe 4 após a semana 3 A produção será idêntica à da semana anterior e a equipe resolveu aumentar um pouco o preço dos produtos: Quadro 60. Preços estabelecidos pela equipe 3 na semana 4 A seguir está a relação dos transportes encomendados (todos de navio!) pela equipe na semana:

77 65 Quadro 61. Transportes encomendados pela equipe 4 na semana 4 1ª parte A quantidade de produto D a ser entregue em Manaus (342 unidades) é menor do que a encomendada (444 unidades) porque o armazém de Belém só

78 66 possui 750 unidades e o restante (408 unidades) irá para o atacadista local. Uma entrega a partir de outro local encareceria muito a operação. Quadro 62. Transportes encomendados pela equipe 4 na semana 4 2ª parte

79 67 Quadro 63. Transportes encomendados pela equipe 4 na semana 4 3ª parte Olhando os preços estabelecidos pelas equipes na semana 3 e as encomendas para elas geradas nas semanas 4, pode-se verificar que a quantidade solicitada para cada empresa foi inversamente proporcional ao preço fixado. No caso do produto A (que todas as empresas decidiram comercializar), os preços estabelecidos foram: R$250; R$190; R$160 e R$210, pelas equipes 1, 2, 3 e 4, respectivamente. O atacadista de São Paulo, por exemplo, encomendou 231; 252; 268 e 244 unidades, respectivamente, para cada empresa.

80 68 Ou seja, a proporcionalidade inversa realmente ocorreu (e era de se esperar, já que os atacadistas ainda não podiam avaliar o nível de atendimento e suas preferências dependeriam exclusivamente do preço). SEMANA 5 Equipe 1: As primeiras vendas da empresa estão abaixo: Quadro 64. Vendas efetuadas pela equipe 1 na semana 4 Pode ser verificada a ausência de vendas do produto A para Porto Alegre e do produto B para Manaus. A primeira deve-se ao erro no preenchimento das encomendas de transporte (não foi assinalada a opção de entrega final). A segunda deve-se à data da chegada da carga no atacadista (dia 19 quarto dia da semana). Essas vendas constituem as primeiras receitas da empresa, que finalmente aparecem no D.R.E.:

81 69 Quadro 65. D.R.E. da equipe 1 após a semana 4 O relatório de ativos está abaixo: Quadro 66. Ativos da equipe 1 após a semana 4 A seguir está a relação dos pedidos dos atacadistas para a próxima semana:

82 70 Quadro 67. Encomendas para a equipe 1 na semana 5 De modo a não prejudicar Manaus novamente, o produto B será enviado para lá através de avião (a partir de Belo Horizonte, armazém mais próximo com disponibilidade), para que chegue até o terceiro dia (chegará no próprio dia de envio!), já que a empresa pretende se diferenciar através do nível de atendimento: Quadro 68. Transportes encomendados pela equipe 1 na semana 5 parcial Inclusive por se tratar de um produto caro, o transporte aéreo acaba não sendo totalmente inviável, pois não haverá custo de carregamento de estoque, já que a carga chegará no mesmo dia. Caso o modal rodoviário fosse utilizado, o produto demoraria 3 dias para chegar, estando em poder da empresa por

83 71 esse período e sendo contabilizado como estoque em trânsito (com o custo proporcional ao período de tempo e ao valor do item). Em se tratando de um produto relativamente caro, esse custo de carregamento de estoque não seria desprezível. Equipe 2: As primeiras vendas da empresa estão abaixo: Quadro 69. Vendas efetuadas pela equipe 2 na semana 4 Essas vendas constituem as primeiras receitas da empresa, que finalmente aparecem no D.R.E.:

84 72 Quadro 70. D.R.E. da equipe 2 após a semana 4 O relatório de ativos está abaixo: Quadro 71. Ativos da equipe 2 após a semana 4 A seguir está a relação dos pedidos dos atacadistas para a próxima semana:

85 73 Quadro 72. Encomendas para a equipe 2 na semana 5 Equipe 3: Nenhuma unidade dos produtos D e E foi vendida para o atacadista de Manaus, porque chegaram (ou chegariam) depois do prazo:

86 74 Quadro 73. Vendas efetuadas pela equipe 3 na semana 4 Essas vendas constituem as primeiras receitas da empresa, que finalmente aparecem no D.R.E.: Quadro 74. D.R.E. da equipe 3 após a semana 4 O relatório de ativos está a seguir:

87 75 Quadro 75. Ativos da equipe 3 após a semana 4 Abaixo está a relação dos pedidos dos atacadistas para a próxima semana: Quadro 76. Encomendas para a equipe 3 na semana 5

88 76 Equipe 4: As primeiras vendas da empresa estão abaixo: Quadro 77. Vendas efetuadas pela equipe 4 na semana 4 A venda de produto D para Manaus foi menor do que a encomenda por falta de quantidade suficiente do item no armazém de Belém. Essas vendas constituem as primeiras receitas da empresa, que finalmente aparecem no D.R.E.: Quadro 78. D.R.E. da equipe 4 após a semana 4

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

JOGANDO LOGÍSTICA NO BRASIL

JOGANDO LOGÍSTICA NO BRASIL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. JOGANDO LOGÍSTICA NO BRASIL Marco Aurélio Carino Bouzada (MADE/UNESA) marcoaureliobouzada@yahoo.com.br Este trabalho descreve um Jogo de Empresas sobre

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Jogando Logística no Brasil Seminário de Ensino. Marco Aurélio Bouzada, D. Sc. MADE/UNESA marco.bouzada@estacio.br

Jogando Logística no Brasil Seminário de Ensino. Marco Aurélio Bouzada, D. Sc. MADE/UNESA marco.bouzada@estacio.br Jogando Logística no Brasil Seminário de Ensino Marco Aurélio Bouzada, D. Sc. MADE/UNESA marco.bouzada@estacio.br Jogos de Empresas na Educação Superior Antonio Sauaia FEA/USP/SP Laboratório de Gestão

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 Sumário 1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 2. CENÁRIO... 3 2.1 Localização da Fábrica... 4 2.2 Produtos... 4 2.3 Demanda... 5 2.4 Eventos...

Leia mais

Evolução do Conceito de Logística

Evolução do Conceito de Logística CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR DISCIPLINA: Logística, Transportes e Seguros DOCENTE: Dd. Alberto Possetti A PERÍODO: 2º SEMESTRE/2004 Evolução do Conceito de Logística

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

DECISÕES EM TRANSPORTES

DECISÕES EM TRANSPORTES TOMANDO DECISÕES SOBRE TRANSPORTE NA PRÁTICA DECISÕES EM TRANSPORTES Professor ALINHAR AS ESTRATÉGIAS COMPETITIVA E DE TRANSPORTE CONSIDERAR O TRANSPORTE FEITO PELA PRÓPRIA EMPRESA E O TERCEIRIZADO (OPERADOR)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA

SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA Sumário SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA... 3 INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE COLCHÕES... 4 Laminação (corte) de blocos de espuma... 4 Fechamento e costura dos colchões... 5 ROTEIRO DE DECISÃO... 7

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010

6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010 6ª PESQUISA DE PRODUTIVIDADE NO APRENDIZADO DE IDIOMAS 2010 Tel. 55 11 3862 1421 Pesquisa revela: fatores culturais afetam a eficácia dos cursos de inglês online por Paulo P. Sanchez* A BIRD Gestão Estratégica

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11]

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Enxuta Nos artigos anteriores vimos que a Logística Enxuta é uma abordagem prática. Por isso, os profissionais

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0)

Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0) Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0) Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais