PROVA ESPECÍFICA CARGO 45

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA ESPECÍFICA CARGO 45"

Transcrição

1 8 PROVA ESPECÍFICA CARGO 45 QUESTÃO 21 O apartamento semi-duplex merece uma explicação adicional. Os gráficos [...] [abaixo] poderão melhor mostrar seu funcionamento. Na figura prejudicada por um X, temos o corte transversal das construções comuns. Na figura à direita, temos o corte do setor semi-duplex do Conjunto Governador Kubistscheck. Nele se vê, muito claramente, a disposição dos diferentes apartamentos deste setor: A,B e C. [...] Os croquis e o texto acima são de autoria de Oscar Niemeyer. Como o próprio texto indica, eles foram feitos para explicar o funcionamento do apartamento semi-duplex do Conjunto JK em Belo Horizonte. Com base no texto e nos desenhos, indique qual das alternativas abaixo NÃO constitui uma vantagem do apartamento semi-duplex em relação às construções tradicionais: a) Ele tem a vantagem de oferecer maior privacidade, pois em seu interior o quarto e a sala são mais independentes. b) Ele tem a vantagem de ser mais econômico, pois sua massa construída é muito menor do que as construções tradicionais. c) Ele tem a vantagem de reduzir as áreas de circulação à metade, na medida em que estão dispostas andar sim, andar não. d) Ele tem a vantagem de contar com aberturas para a fachada fronteira e para a fachada posterior, possibilitando ventilação cruzada.

2 9 QUESTÃO 22 Estudiosos do meio ambiente têm alertado para a necessidade de racionalização do uso de recursos naturais em face de uma iminente crise, provocada principalmente pela escassez desses recursos. Uma das saídas para amenizar tal impacto estaria num tipo de planejamento que buscasse alterar o atual modelo de cidade, baseado num metabolismo linear, em direção a um modelo de metabolismo circular, ilustrado pelo seguinte esquema: A partir desse esquema, é CORRETO afirmar que (A) representa: a) consumo. b) poupança. c) economia. d) reciclagem. INSTRUÇÃO: Leia o texto abaixo, antes de responder às questões 23 e 24. Nas quadras em que a maioria dos imóveis ainda mantinha suas características originais, o critério utilizado foi de proteger o conjunto, através de suas fachadas e telhados [...] Na eventualidade de já existirem imóveis totalmente descaracterizados ou lotes vazios [...] seriam permitidas novas construções, desde que sua altura não ultrapassasse a média existente (10,5 m) e que seu projeto se integrasse ao conjunto edificado [...] Alguns imóveis [...] já estavam em processo de descaracterização, mas ainda apresentavam elementos que permitiam sua recomposição. Nesses casos eles seriam obrigados a manter as características originais da edificação, adotando, entretanto, uma linguagem contemporânea nos elementos recuperados [...] [PINHEIRO, A. I. de Freitas. In: Anais do II SEDUR, 1986]

3 10 QUESTÃO 23 O texto acima se refere a um instrumento de: a) preservação de patrimônio construído. b) revitalização de conjunto arquitetônico. c) reciclagem de espaços urbanos residuais. d) tombamento de edifício de interesse social. QUESTÃO 24 Em vista do texto acima, é CORRETO afirmar que as novas edificações: a) não são permitidas e recomenda-se que os lotes vagos sejam utilizados como áreas de uso público. b) podem utilizar linguagem arquitetônica atual, desde que seja respeitado um gabarito de altura máxima. c) não têm nenhum tipo de restrição, seja no que diz respeito à altura, seja no que diz respeito ao padrão estilístico. d) devem, além de respeitar um gabarito de altura máxima, seguir estritamente o mesmo padrão estilístico das edificações existentes. QUESTÃO 25 A única afirmativa CORRETA é: a) O sistema sanitário é constituído de duas redes: a rede de energia elétrica e a rede de distribuição de gás. Estas são as duas formas de energia mais utilizadas nas áreas urbanas de todo o mundo, devido a sua facilidade de manipulação e por serem limpas e relativamente econômicas. b) O sistema energético é integrado, basicamente, por uma rede de telefonia. A partir dos anos 1980, vêm ocorrendo muitos avanços nas telecomunicações, que permitiram o aumento da velocidade das telecomunicações, a exemplo das rede de fibra ótica, da televisão por cabo e da Internet. c) O sistema viário é composto de uma ou mais redes de circulação de veículos automotores, bicicletas, pedestres, etc. O conjunto de vias de circulação é complementado pela rede de drenagem pluvial, que assegura o uso do sistema sob quaisquer condições climáticas. d) O sistema de comunicações é formado por duas redes simétricas e opostas: a rede de abastecimento de água potável e a rede de esgoto. A rede de água se apresenta sob a forma de uma árvore cujo tronco nasce nos depósitos urbanos de água, cujos ramos mais finos abastecem os usuários.

4 11 QUESTÃO 26 Supondo que um determinado sistema de abastecimento de água tenha as seguintes partes: adução, captação, distribuição, recalque, reservação e tratamento, a seqüência lógica entre a bacia hidrográfica e o consumidor final está indicada em: a) captação, recalque, adução, tratamento, distribuição, reservação. b) captação, recalque, adução, tratamento, reservação, distribuição. c) tratamento, captação, recalque, adução, reservação, distribuição. d) adução, captação, recalque, tratamento, distribuição, reservação. QUESTÃO 27 Todas as imagens abaixo ilustram construções nas quais foram utilizadas estruturas metálicas, EXCETO: a) c) b) d)

5 12 QUESTÃO 28 O desenho acima se refere a um projeto de instalações: a) de rede elétrica. b) de rede telefônica. c) de drenagem pluvial. d) hidráulico-sanitárias. QUESTÃO 29 O Estatuto da Cidade (Lei /01) regulamentou: a) o parcelamento do solo urbano, estabelecendo normas complementares relativas ao parcelamento do solo municipal. b) a ocupação de áreas lindeiras aos corpos d água, estabelecendo normas para o aproveitamento racional dos recursos hídricos. c) a lei de desapropriação por utilidade pública, estabelecendo instrumentos para aquisição de terras para loteamentos de interesse social. d) os artigos 182 e 183 da Constituição de 1988, estabelecendo normas de ordem pública e interesse social de regulação do uso da propriedade urbana.

6 13 INSTRUÇÃO: Observe atentamente o desenho abaixo antes de responder as questões 30 e 31. QUESTÃO 30 O desenho acima representa uma planta de: a) situação. b) cobertura. c) localização. d) implantação. QUESTÃO 31 No âmbito do projeto arquitetônico, a função do desenho acima é indicar: a) a configuração do terreno e da quadra, os níveis dos planos de corte do terreno e a situação da edificação dentro do lote em relação ao lote e à quadra. b) a orientação solar do lote e da edificação, bem como a configuração geométrica da quadra e do sistema viário de sua vizinhança. c) a localização e as dimensões exatas da projeção da edificação em relação ao lote, bem como a localização deste em relação à quadra e à esquina mais próxima. d) a declividade, o sentido de escoamento das águas pluviais e a especificação da cobertura da edificação, situando-os em relação ao lote e à quadra.

7 14 INSTRUÇÃO: Observe atentamente o desenho abaixo para responder às questões 32, 33 e 34. QUESTÃO 32 A partir do desenho do corte acima, é possível inferir que o desnível do terreno representado é de cerca de: a) 3 metros. b) 6 metros. c) 8 metros. d) 9 metros. QUESTÃO 33 A partir do desenho do corte acima, é possível inferir que a solução adotada para a cobertura é: a) telha ondulada leve, ocultada por platibanda, em toda a extensão da edificação. b) parte em telha ondulada leve, parte em laje plana impermeabilizada, ambas ocultadas por platibanda. c) parte em telha ondulada leve, parte em telha cerâmica tipo francesa, ambas ocultadas por platibanda. d) laje plana impermeabilizada, ocultada por platibanda, em toda a extensão da edificação. QUESTÃO 34

8 15 Ainda em relação ao desenho acima, todas as afirmativas são verdadeiras, EXCETO: a) A cozinha está localizada no nível intermediário. b) Está projetado pelo menos um dormitório no nível superior. c) O projeto prevê a construção de 2 (duas) escadas. d) O desenho é parte de um projeto de uma residência em três níveis. INSTRUÇÃO: Os desenhos abaixo fazem parte dos estudos de um projeto de edifício residencial. Observe-os atentamente antes de responder as questões 35, 36 e 37. QUESTÃO 35 A área de projeção e a área total da unidade habitacional acima representada podem ser estimadas, respectivamente, em: a) 85 m 2 e 60 m 2 b) 60 m 2 e 60 m 2 c) 60 m 2 e 85 m 2 d) 40 m 2 e 120 m 2

9 16 QUESTÃO 36 Imagine-se um terreno com área de 391 m 2, cujo coeficiente de aproveitamento seja igual a 2,4. Se as áreas de circulação comum não forem computadas, quantas unidades habitacionais, tais como as acima representadas, poderiam ser construídas no referido terreno? a) 11. b) 15. c) 19. d) 23. QUESTÃO 37 Suponhamos a existência de uma postura municipal que determine a iluminação natural dos cômodos em relação à profundidade dos ambientes, segundo o seguinte critério: A distância máxima entre a fonte de luz natural dos cômodos de permanência prolongada e sua parede oposta não pode ser superior a 2,5 (duas vezes e meia) a altura equivalente ao pé-direito desse cômodo. Considerando a postura municipal, qual seria a profundidade máxima permitida da sala de estar representada na planta acima? a) 11 (onze) metros. b) 9 (nove) metros. c) 13 (treze) metros. d) 7 (sete) metros. INSTRUÇÃO: Observe os dados abaixo e responda às questões 38 e 39. pavtos baixo normal alto baixo normal alto RESIDENCIAL 2 quartos 3 quartos 1 686,09 703,56 870,11 572,74 652,14 730, ,51 589,16 715,02 432,72 510,37 609, ,99 570,30 699,64 415,35 495,17 593, ,50 563,46 686,64 408,17 409,04 588,51 + de ,98 551,17 664,21 393,22 395,11 585,34 Valores expressos em Reais.

10 17 QUESTÃO 38 A estimativa de custo de um apartamento de 3 (três) quartos, com área de 95m 2, localizado nesse edifício, é de: a) R$ ,00. b) R$ ,00. c) R$ ,00. d) R$ ,00. QUESTÃO 39 A descrição mais adequada para o imóvel acima é: a) Edifício de uso residencial com 12 (doze) pavimentos, acabamento externo em cerâmica branca e granito. Os apartamentos, um por andar, com garagem e varanda, possuem alto padrão de acabamento. b) Edifício de uso residencial com 16 (dezesseis) pavimentos, acabamento externo em cerâmica branca e granito. Os apartamentos, dois por andar, com garagem e varanda, possuem alto padrão de acabamento. c) Edifício de uso comercial com 16 (dezesseis) pavimentos, acabamento externo em cerâmica preta e branca. Os apartamentos, seis por andar, com garagem e lazer, possuem alto padrão de acabamento. d) Edifício de uso comercial com 20 (vinte) pavimentos, acabamento externo em cerâmica branca e granito. Os apartamentos, dois por andar, com garagem e varanda, possuem alto padrão de acabamento.

11 18 QUESTÃO 40 Qual das imagens a seguir diz respeito aos desenhos acima? a) c) b) d)

12 19 ATENÇÃO COM SUA ESCRITA HABITUAL, TRANSCREVA, PARA O ESPAÇO RESERVADO PELA COMISSÃO, NA FOLHA DE RESPOSTAS, A SEGUINTE FRASE: Carrego comigo minhas cicatrizes como se fossem medalhas, sei que a liberdade tem um preço alto, tanto quanto o da escravidão: a única diferença é que você paga com prazer, e com um sorriso.

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO Folha 1/3 Nome do Arquivo: 1. OBJETIVOS Estabelecer sistemática de aprovação de projetos para que se enquadrem nas normas estabelecidas, dentro do Regulamento Interno e Restrições Urbanísticas (Cap. VIII

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou gleba, e o logradouro público. Alvará: Documento que licencia

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE AlphaVille Teresina Como será a casa? ESTILO ARQUITETÔNICO Como será a casa? Sala de Estar Sala de Jantar Home theater Lareira Lavabo Sala de Almoço / Copa Cozinha Despensa

Leia mais

Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO

Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Projeto Será um edifício residencial contendo subsolo, térreo, mezanino, 13 pavimentos tipo com 04 (quatro) apartamentos

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA Disciplina: Construção civil I Departamento de construção civil Prof: Gabriel P. Marinho Assuntos - CONCEITOS INICIAIS - CREA PR - ETAPAS - DOCUMENTOS - TAXAS - REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Procedimentos. de projetos

Procedimentos. de projetos Procedimentos para aprovação de projetos 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARTUR NOGUEIRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARTUR NOGUEIRA DECRETO N.º 199/2012 Aprova o projeto do Loteamento RESIDENCIAL DA TORRE e dá outras providências. MARCELO CAPELINI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, comarca de Moji-Mirim, estado de São Paulo,

Leia mais

1.1 Região Administrativa de São Sebastião RA XIV Residenciais Morada de Deus

1.1 Região Administrativa de São Sebastião RA XIV Residenciais Morada de Deus PROCESS: 030.000.466/1997 DECISÕES: DATAS: DECRETOS: DATAS: PUBLICAÇÃO: DODF de 1 LOCALIZAÇÃO 1.1 Região Administrativa de São Sebastião RA XIV Residenciais Morada de Deus Rua Alecrim, Rua Candeia, Avenida

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO.

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. Artigo 1º Aplicação 1. O presente Plano de Pormenor, adiante designado

Leia mais

DECRETO N.º D E C R E T A : CAPÍTULO I SEÇÃO ÚNICA DA VILA SANTA CECÍLIA

DECRETO N.º D E C R E T A : CAPÍTULO I SEÇÃO ÚNICA DA VILA SANTA CECÍLIA DECRETO N.º 2.382 EMENTA: Subdivide em setores a Zona de Atividades e a Zona Habitacional da Vila Santa Cecília e estabelece outras providências. O Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Saneamento Urbano TH419

Saneamento Urbano TH419 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano TH419 Aula 06 Declividade e estruturação viária Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas de Nível Estrada em serra francesa

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O MANUAL DO PROPRIETÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O MANUAL DO PROPRIETÁRIO CONSIDERAÇÕES SOBRE O MANUAL DO PROPRIETÁRIO Exigências dos CÓDIGOS CIVIL E CÓDIGO C DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR, no que diz respeito às relações de consumo, dividindo responsabilidades entre construtores

Leia mais

Escritório - Escola Itinerante do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFJF:

Escritório - Escola Itinerante do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFJF: Prefeitura de Juiz de Fora Subsecretaria de Planejamento do Território - SSPLAT Sra. Cristiane Nasser Juiz de Fora, 19 de setembro de 2014 Prezada Sra. Cristiane Nasser, Tendo em vista o acordo de cooperação

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos. Curso técnico em Eletroeletrônica

Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos. Curso técnico em Eletroeletrônica Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos Curso técnico em Eletroeletrônica PROJETO LEGAL PROJETO LEGAL É aquele dirigido à aprovação junto aos órgãos competentes: Projeto arquitetônico na Prefeitura

Leia mais

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia Representação Desenho Arquitetônico Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia OS ELEMENTOS DO DESENHO ARQUITETÔNICO Os desenhos básicos que compõem um projeto de arquitetura, a partir de projeções ortogonais,

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Prof. Henrique Innecco Longo longohenrique@gmail.com Departamento de Estruturas Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro 2017

Leia mais

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. PRINCIPAIS DISPOSITIVOS

Leia mais

ARQUITETÔNICOS PROJETOS

ARQUITETÔNICOS PROJETOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS Os desenhos básicos que compõem um projeto de arquitetura, a partir de projeções ortogonais, são: I Planta de localização; I Planta de situação; I Planta de cobertura; I Plantas

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS 1 ANEXO I ITUAÇÃO FÍICA PARA CONCEÃO DE EPAÇO COMERCIAI Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações

Leia mais

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET0043 - Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 4 : Planta Baixa Planta Baixa: A planta baixa é a

Leia mais

ED PORTOFINO Memorial descritivo dos acabamentos:

ED PORTOFINO Memorial descritivo dos acabamentos: ED PORTOFINO Memorial descritivo dos acabamentos: 01 Fachada Fachada em vidros laminados 8 mm na cor azul, esquadria em alumínio branco, lateral revestida de cerâmica ou pastilha de porcelana. 02 Pavimento

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA SEGUNDA VARA CÍVEL DA COMARCA DE ARARAQUARA - SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA SEGUNDA VARA CÍVEL DA COMARCA DE ARARAQUARA - SP fls. 50 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA SEGUNDA VARA CÍVEL DA COMARCA DE ARARAQUARA - SP PROCESSO Nº 1006192-93.2015.8.26.0037 AUTOS DE PROCEDIMENTO ORDINÁRIO REQUERENTE: REQUERIDO: MARINES

Leia mais

IVANI SILVESTRE RESIDENCE PREÇO PARA 05 UNIDADES

IVANI SILVESTRE RESIDENCE PREÇO PARA 05 UNIDADES 101 R$ 42.500,00 R$ 42.500,00 R$ 42.500,00 R$ 3.680,00 R$ 17.100,00 R$ 255.000,00 R$ 595.000,00 R$ 850.000,00 102 202 R$ 29.910,00 R$ 29.910,00 R$ 29.910,00 R$ 2.592,20 R$ 11.964,00 R$ 179.460,00 R$ 418.740,00

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO URBANO é um campo do conhecimento auxiliado por várias disciplinas como: Geografia,

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL 2 INTRODUÇÃO TC 042 - PROJETO ARQUITETÔNICO Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2017 SOUZA (2015). 3 INTRODUÇÃO 4 INTRODUÇÃO

Leia mais

APARTAMENTOS DE 2 DORM. (1 SUÍTE), AMPLOS E BEM PLANEJADOS 2 VAGAS DE GARAGEM INDIVIDUAIS E COBERTAS ALTO PADRÃO DE QUALIDADE E ACABAMENTO

APARTAMENTOS DE 2 DORM. (1 SUÍTE), AMPLOS E BEM PLANEJADOS 2 VAGAS DE GARAGEM INDIVIDUAIS E COBERTAS ALTO PADRÃO DE QUALIDADE E ACABAMENTO APARTAMENTOS DE 2 (1 ), AMPLOS E BEM PLANEJADOS 2 VAGAS DE GARAGEM INDIVIDUAIS E COBERTAS ALTO PADRÃO DE QUALIDADE E ACABAMENTO IMAGINE MORAR NO CORAÇÃO DA CIDADE, ALIANDO AO CONFORTO, O CHARME E A TRANQUILIDADE

Leia mais

INFORMATIVO VALOR VENAL

INFORMATIVO VALOR VENAL INFORMATIVO VALOR VENAL IPTU 2015 ESCLARECIMENTOS SOBRE A NECESSIDADE DE ABERTURA OU NÃO DO PROCESSO DE IMPUGNAÇÃO DE VALOR VENAL SR. CONTRIBUINTE ANTES DE ABRIR PROCESSO, LEIA OS ESCLARECIMENTOS ABAIXO:

Leia mais

CONDIÇÕES DE EDIFICABILIDADE...

CONDIÇÕES DE EDIFICABILIDADE... 1 OBJECTIVOS... 3 2 CONDIÇÕES DE EDIFICABILIDADE... 3 2.1 ASPECTOS PARTICULARES E GERAIS COMUNS A TODOS OS LOTES... 3 2.1.1 DADOS QUANTITATIVOS E ÍNDICES DE CONSTRUÇÃO... 4 2.1.2 MUROS E VEDAÇÕES... 4

Leia mais

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou gleba, e o logradouro público. Alvará: Documento que licencia

Leia mais

LEI Nº 3709/92 (*) (**)

LEI Nº 3709/92 (*) (**) LEI Nº 3709/92 (*) (**) INSTITUI O PLANO DE URBANIZAÇÃO ESPECÍFICA DO RETIRO DA LAGOA. Faço saber a todos os habitantes do Município de Florianópolis, que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono a

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto de uma edificação é desenvolvido em fases,

Leia mais

CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II

CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II 1 INTRODUÇÃO 2 Por que um conjunto habitacional no Guará II? Cidade onde moro Otimizar a infraestrutura urbana existente Atender as necessidades por moradias compactas

Leia mais

Leitura e Interpretaçaão de Projetos. Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior

Leitura e Interpretaçaão de Projetos. Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior Leitura e Interpretaçaão de Projetos Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior osvaldoterra.iff@gmail.com Conteuú do Programaútico Desenho Teúcnico para Informaútica Normas Brasileiras Projeto arquitetônico completo

Leia mais

REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO

REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO Reproduzir as plantas baixa, de cobertura e de localização, cortes e fachada frontal da residência apresentada abaixo. O projeto pode sofrer mudanças,

Leia mais

CIRURGIA DE CASAS CASA DA ALOÍSA - VILA DO SOL

CIRURGIA DE CASAS CASA DA ALOÍSA - VILA DO SOL CIRURGIA DE CASAS CASA DA ALOÍSA - VILA DO SOL DÉBORA ANDRADE E GABRIEL JOTA dezembro de 2010 LOCALIZAÇÃO Vila do Sol Nova Lima Pilar Vila do Sol LOCALIZAÇÃO Vila do Sol Nova Lima BR 040 LOCALIZAÇÃO Vila

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

Saneamento Urbano I TH052

Saneamento Urbano I TH052 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano I TH052 Aula 07 Declividade e estruturação viária aplicados ao saneamento urbano Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas

Leia mais

Lei Municipal N.º 1412

Lei Municipal N.º 1412 Lei Municipal N.º 1412 Art. 7º -- Para cada uma das zonas em que se divide a área urbana, a presente Lei, estabelece, as tabelas de 1 a 7 e no gráfico anexos: I -- os usos adequados, tolerados e inadequados;

Leia mais

Sistema de Esgotamento Sanitário

Sistema de Esgotamento Sanitário Sistema de Esgotamento Sanitário Sistema Separador Esgoto sanitário Água Pluvial Esgoto doméstico Esgoto industrial Água de infiltração Contribuição Pluvial Parasitária COLETA COLETA TRATAMENTO DISPOSIÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges DEFINIÇÃO Os CORTES são representações de vistas ortográficas

Leia mais

07/10/2013. AULA 03 Sistemas de projeção. Sobre a Geometria Descritiva (GD):

07/10/2013. AULA 03 Sistemas de projeção. Sobre a Geometria Descritiva (GD): 1 2 Sobre a Geometria Descritiva (GD): Enquanto a Perspectiva mostra os objetos como parecem ser à nossa vista, em três dimensões, a Geometria Descritiva possibilita a representação dos objetos como eles

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil Requerimento n.º data / / Pago pela guia n.º valor EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS O Funcionário, COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO ALTERAÇÃO À COMUNICAÇÃO PRÉVIA

Leia mais

7 Imóveis Habitação. Moradia Setúbal (UL ) R Escola Brejos Clérigos, 171, Azeitão

7 Imóveis Habitação. Moradia Setúbal (UL ) R Escola Brejos Clérigos, 171, Azeitão Moradia unifamiliar T3 geminada de dois pisos com área bruta de 206m2, implantada num lote de 699 m2, localizada na freguesia de São Simão, em Setúbal. Zona predominantemente habitacional localizada junto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste TERMO DE REFERÊNCIA é orientar a elaboração mais eficiente do RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO - RAP definido

Leia mais

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40;

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40; ALTERAÇÃO AO LOTEAMENTO URBANO DA ÁREA DA CERÂMICA DE MORTÁGUA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A proposta de alteração ao Loteamento que se apresenta surge na sequência da modificação das condições

Leia mais

Atender às necessidades de sustentabilidade e moradia, possibilitando qualidade de vida para os futuros moradores do Condomínio Villagio da Serra.

Atender às necessidades de sustentabilidade e moradia, possibilitando qualidade de vida para os futuros moradores do Condomínio Villagio da Serra. O Empreendimento está caracterizado como Condomínio Residencial implantado em um lote com área de 1130m², sendo 7 (sete) casas do lado direito e 6 (seis) casas do lado esquerdo do lote. Cada casa contempla

Leia mais

Lista de Exercícios: Geometria Plana. Um triângulo isósceles tem base medindo 8 cm e lados iguais com medidas de 5 cm. A área deste triângulo é:

Lista de Exercícios: Geometria Plana. Um triângulo isósceles tem base medindo 8 cm e lados iguais com medidas de 5 cm. A área deste triângulo é: Lista de Exercícios: Geometria Plana Questão 1 Um triângulo isósceles tem base medindo 8 cm e lados iguais com medidas de 5 cm. A área deste triângulo é: A( ) 20 cm 2. B( ) 10 cm 2. C( ) 24 cm 2. D( )

Leia mais

PURP 46 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP8 UP7 ÁREA VERDE DE PROTEÇÃO E RESERVA - AVPR ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 46 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP8 UP7 ÁREA VERDE DE PROTEÇÃO E RESERVA - AVPR ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP8 UP7 Folha 1 / 5 AP8 UP7 Folha 2 / 5 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS) Corresponde à parte inferior da Praça dos Três Poderes,

Leia mais

Ficha Técnica. Descrição. 256 Unidades. 256 Unidades. 16 Unidades. 16 Unidades. 02 QUARTOS (01 suíte) COBERTURA (4Q) (01 suíte) 03 QUARTOS

Ficha Técnica. Descrição. 256 Unidades. 256 Unidades. 16 Unidades. 16 Unidades. 02 QUARTOS (01 suíte) COBERTURA (4Q) (01 suíte) 03 QUARTOS Ficha Técnica Descrição - TERRENO: 16.259,64m² - 04 EDIFÍCIOS (ED. DALÍ, ED. GAUDÍ, ED. PICASSO, ED. MIRÓ) - 2 SUBSOLOS + TÉRREO + MEZANINO + 17 PAVIMENTOS + DEPENDÊNCIA - 977 VAGAS (SENDO 44 PARA VISITANTES)

Leia mais

Com a instalação da nova antena, a medida da área de cobertura, em quilômetros quadrados, foi ampliada em a) 8 π. b) 12 π. c) 16 π. d) 32 π. e) 64 π.

Com a instalação da nova antena, a medida da área de cobertura, em quilômetros quadrados, foi ampliada em a) 8 π. b) 12 π. c) 16 π. d) 32 π. e) 64 π. GEOMETRIA PLANA LISTA 08 1. (Enem 01) Uma empresa de telefonia celular possui duas antenas que serão substituídas por uma nova, mais potente. As áreas de cobertura das antenas que serão substituídas são

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC - 1 - UNIP - Universidade Paulista CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 01 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS CONCRETO (SEC) NOTAS DE AULA - PARTE 1 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS - 2 - NA_01/2014 1. CARGAS

Leia mais

JOAO PINHEIRO. Água Esgoto Sanitário Energia Elétrica Telefone Pavimentação Esgoto pluvial Gás canalizado Iluminação pública

JOAO PINHEIRO. Água Esgoto Sanitário Energia Elétrica Telefone Pavimentação Esgoto pluvial Gás canalizado Iluminação pública Laudo Avaliação - LA Nº Solicitação de serviço: Status: Versão: 168316 APROVADO 1 1 IDENTIFICAÇÃO: Número do sinistro: Número IRB: Solicitante: CPF / CNPJ do cliente: 779.950.826-49 Nome do cliente: Conceição

Leia mais

DECRETO Nº DE 20 DE MAIO DE 2011

DECRETO Nº DE 20 DE MAIO DE 2011 DECRETO Nº 33866 DE 20 DE MAIO DE 2011 Regulamenta a Lei n.º 3.688, de 24 de novembro de 2003, modificada pelas Leis n. os 4.815, de 25 de abril de 2008 e 5.102, de 28 de outubro de 2009, estabelecendo

Leia mais

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição PARTE I INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS 1 ÁGUA FRIA Entrada e fornecimento de água fria Compartimento que abriga o cavalete Medição de água

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA REGULAMENTO DE CONSTRUÇÃO

LOTEAMENTO FONTE NOVA REGULAMENTO DE CONSTRUÇÃO LOTEAMENTO FONTE NOVA REGULAMENTO DE CONSTRUÇÃO ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS 3 CAPÍTULO II - PARÂMETROS ARQUITECTÓNICOS E URBANÍSTICOS 3 SECÇÃO I - COMÉRCIO E\OU SERVIÇOS 3 SECÇÃO II MORADIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA MECÂNICA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA MECÂNICA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Página 1 de 10 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 23 anos, Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 de Março AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA SEGUNDA APRESENTA SENTIDO DUPLO (L-O / O-L).

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA SEGUNDA APRESENTA SENTIDO DUPLO (L-O / O-L). FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA RUA DAS

Leia mais

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE.

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. PRIMAVERA DO LESTE-MT ABRIL DE 2014. 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

residencial LYGIA REISEN

residencial LYGIA REISEN residencial LYGIA REISEN Sofisticado. Exclusivo. More em uma das regiões mais charmosas do Rio, ao lado da Lagoa Rodrigo de Freitas, Parque Lage, Sociedade Hípica Brasileira, Jardim Botânico e junto a

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Agosto - 2016 1 Projeto de Arquitetura: Introdução 1.1 Introdução O início da concepção do projeto arquitetônico

Leia mais

Estudos de viabilidade para implantação do Campus Embu das Artes da UNIFESP. Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo

Estudos de viabilidade para implantação do Campus Embu das Artes da UNIFESP. Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo Estudos de viabilidade para implantação do da UNIFESP Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo Legenda Centro Histórico Terreno Parque da Várzea Terreno proposto para o Campus Sistema

Leia mais

DIREITO E AÇÃO Loja D situada na Avenida Érico Veríssimo, 999, com direito a uma vaga na garagem. 64m2 1º Data - 14/04/ Horário: 14:00 Lance ini

DIREITO E AÇÃO Loja D situada na Avenida Érico Veríssimo, 999, com direito a uma vaga na garagem. 64m2 1º Data - 14/04/ Horário: 14:00 Lance ini EDITAIS DE LEILÕES Imóvel na Rua Santa Clara n.º 234 apto 801 Copacabana. O edifício denominado Palazzo Di Luciana, de ocupação residencial, dispõe de 02 elevadores e sistema de interfone. O apartamento

Leia mais

Ação do vento nas edificações Aula 02

Ação do vento nas edificações Aula 02 Ação do vento nas edificações Aula 02 Disciplina: Estruturas Metálicas, de Madeira e Especiais Prof: Fabricio da Cruz Tomo Referência: Notas de do Prof. Dr. Carlos Humberto Martins Ação estática

Leia mais

LOTE-06: ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS/GO CASA CONDOMÍNIO RESIDENCIAL M&P OCUPADO

LOTE-06: ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS/GO CASA CONDOMÍNIO RESIDENCIAL M&P OCUPADO 1º Leilão:R$ 146.739,26 (cento e quarenta e seis mil, setecentos e trinta e nove reais e vinte e seis centavos) 2º Leilão:R$ 208.319,08 (duzentos e oito mil, trezentos e dezenove reais e oito centavos)

Leia mais

Posição solar Posição solar Posição solar DESCRIÇÃO AMBIENTE ESPECIFICAÇÃO Alvenaria Geral Alvenarias com dimensões conforme projeto Cobertura Lajes de forro Laje impermeabilizada ou telhado

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 110 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO Obra: Residencial Ana Beatriz Local: Rua Adolfo Cattani, 775 - São Carlos-SP 1 CONSTITUÍDO: - O terreno com 1.746,58 m² tem acesso ao pavimento térreo pela Rua Adolfo

Leia mais

Capítulo I. Artigo 1º. Objecto. Artigo 2º. Âmbito territorial. Artigo 3º. Objectivos do Plano. Artigo 4º. Composição do Plano

Capítulo I. Artigo 1º. Objecto. Artigo 2º. Âmbito territorial. Artigo 3º. Objectivos do Plano. Artigo 4º. Composição do Plano PLANO DE PORMENOR DO POÇO QUENTE REGULAMENTO Capítulo I Disposições de Natureza Administrativa Artigo 1º Objecto O Plano de Pormenor do Poço Quente, adiante designado por Plano, destina-se a disciplinar

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA MORADIAS-TIPO DA AUGI 24 DA RIBEIRA DO MARCHANTE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA MORADIAS-TIPO DA AUGI 24 DA RIBEIRA DO MARCHANTE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA MORADIAS-TIPO DA AUGI 24 DA RIBEIRA DO MARCHANTE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA INTRODUÇÃO A presente memória descritiva e justificativa diz respeito aos projetos-tipo

Leia mais

UI3. Requalificação da Praça Velha Rua Jornal do Fundão Rua 25 de Abril. Acção 2. Rua Jornal do Fundão Rua 25 de Abril

UI3. Requalificação da Praça Velha Rua Jornal do Fundão Rua 25 de Abril. Acção 2. Rua Jornal do Fundão Rua 25 de Abril UI3 Requalificação da Praça Velha Rua Jornal do Fundão Rua 25 de Abril Acção 2. Rua Jornal do Fundão Rua 25 de Abril requerente Câmara Municipal do Fundão projecto de arquitectura Março 2010 ÍNDICE GERAL

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes: Em todo e qualquer projeto arquitetônico,

Leia mais

Aula 3 : Desenho Arquitetônico

Aula 3 : Desenho Arquitetônico Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS IADB79 - Desenho Técnico Aplicado à Engenharia Civil Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 3 : Desenho Arquitetônico Introdução:

Leia mais

Aula 9. Prof. Regis de Castro Ferreira. Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Aula 9. Prof. Regis de Castro Ferreira. Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira rcastro@agro.ufg.br NOÇÕES DE DESENHO ARQUITETÔNICO 1. CONCEITO: (...) a representação de um projeto. Desenho arquitetônico consiste na representação geométrica das diferentes

Leia mais

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos constitutivos de um projeto interpretação, exame e análise Projeto

Leia mais

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS Câmara Municipal PLANO DE PORMENOR PARA O TERRENO ENTRE A AV. DOS COMBATENTES DA GRANDE GUERRA E A RUA NOGUEIRA PINTO - LEÇA DA PALMEIRA R E G U L A M E N TO NOGUEIRA PINTO LEÇA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Inscrição Imobiliária 63.3.0011.0034.00-4 Sublote 0000 Indicação Fiscal 79.073.253 Nº da Consulta / Ano Bairro: SANTA FELICIDADE Quadrícula: F-07 Rua da Cidadania: Santa Felicidade Motivo Incompleta: IMÓVEL

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas. Unidade I: pluviais

Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas. Unidade I: pluviais Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas Unidade I: pluviais 0 Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas pluviais 1.1 Terminologia Área de contribuição: é a área somada

Leia mais

INCORPORAÇÃO DO EDIFICIO RESIDENCIAL CARAVAGGIO

INCORPORAÇÃO DO EDIFICIO RESIDENCIAL CARAVAGGIO PINHO INCORPORADORA E CONSTRUTORA LTDA. CNPJ: 08.220.002/001-06 Sócio-Proprietário: Joelsio Caetano Pinho CPF: 383.118.520.49 Endereço: Av. Benjamin Constant, 123, Centro, Torres-RS. INCORPORAÇÃO DO EDIFICIO

Leia mais

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico Licenciamento Administrativo de Operação Urbanística Espaço reservado aos Serviços Exmº Senhor Presidente da Câmara Municipal do Bombarral Nome Contribuinte fiscal n.º, B.I. n.º, Cartão do Cidadão, com

Leia mais

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial INTRODUÇÃO A água da chuva causa danos: à durabilidade das construções; à boa aparência das construções. A água de chuva deve ser coletada e transportada

Leia mais

COBERTURAS. Professoras: Natália e Verônica

COBERTURAS. Professoras: Natália e Verônica COBERTURAS Professoras: Natália e Verônica DEFINIÇÃO A cobertura de uma estrutura tem a múltipla função de proteger a construção contra agentes externos, definir os aspectos arquitetônicos da estrutura

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina.

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. 1. Método Racional A vazão máxima pode ser estimada com base na precipitação, por

Leia mais

ISABELA AMORELLI NATHÁLIA BJAIJE RAFAELA LOPES BOLETIM INFORMATIVO. Decreto regulamenta a Taxa de Permeabilidade nos Planos Diretores Locais

ISABELA AMORELLI NATHÁLIA BJAIJE RAFAELA LOPES BOLETIM INFORMATIVO. Decreto regulamenta a Taxa de Permeabilidade nos Planos Diretores Locais MATEUS LEANDRO DE OLIVEIRA DAYANA ANDRADE FERNANDA SANCHES ISABELA AMORELLI NATHÁLIA BJAIJE RAFAELA LOPES ILKA S. NOZAWA DE OLIVEIRA CONSULTORES: VERA AMORELLI FERNANDO MIL HOMENS MOREIRA Brasília, 28

Leia mais