1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL."

Transcrição

1 Capítulo 1 A Seguridade Social Sumário 1. Origem e evolução legislativa no Brasil Questões comentadas de concursos públicos Questões de concursos 1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL. A preocupação com os infortúnios da vida tem sido uma angústia constante da humanidade. Desde tempos remotos, o homem tem se ajustado no sentido de reduzir os efeitos das adversidades de sua existência, como doença, velhice, etc. Com o tempo, nota-se a assunção por parte do Estado de alguma parcela de responsabilidade pela assistência aos desprovidos de renda até, finalmente, ser criado um sistema securitário coletivo e compulsório. A previdência social é tida como uma ação pública destinada a amparar a população de riscos e contingências previstos em lei. Vale dizer, destina-se a substituir ou reforçar a remuneração nos casos em que esta deixa de ser recebida em decorrência de algum risco social, definido em lei. No campo do direito comparado, podemos citar Inglaterra e Alemanha como países que começaram, desde cedo, a se preocupar com a questão da proteção social. Tal preocupação veio com a alteração nas relações de trabalho, à época da Revolução Industrial, em que trabalhadores foram deslocados para as cidades e lá se submeteram a condições muito precárias de trabalho, com riscos sociais. Essa circunstância geralmente os levava à incapacidade, à falta de condições para se sustentarem ou para ampararem seus dependentes e, até mesmo, à morte. Na Inglaterra, a chamada Lei dos Pobres estabeleceu que caberia à comunidade a responsabilidade pela assistência aos mais necessitados, trazendo a noção da obrigatoriedade da contribuição para fins sociais. Na Alemanha, aponta-se a figura de Otto Von Bismarck, que criou leis que instituíram o seguro-doença (1883), o seguro contra acidentes (1884) e o seguro de invalidez e velhice (1889). Tem-se, neste país, o surgimento do seguro social, patrocinado pelo Estado, que versava sobre a proteção social para os casos de doença, invalidez e velhice. A preocupação com o seguro social se espalhou pelo mundo e tem-se conhecimento de que a primeira constituição a trazer o termo Seguro Social foi a do México, em

2 Adriana de Almeida Menezes Mais tarde, em 1942, na Inglaterra, foi criado o plano Beveridge que trouxe a participação de todos os trabalhadores e a cobrança compulsória de contribuições sociais. O objetivo desta era financiar o sistema da seguridade social relativo às ações da saúde, previdência e assistência social. Nos dias atuais, o modelo trazido pelo Plano Beveridge foi substituído por alguns países, como Chile e Uruguai, por políticas previdenciárias sem qualquer participação do Estado. Em análise da questão no Brasil, pode-se dizer que a proteção social em nosso país teve início com a assistência privada de obras religiosas e a benemerência particular. Até então, não havia políticas públicas no sentido de proteção social. Em 10 de janeiro de 1835, surgiu a primeira sociedade mutualista de socorro à velhice do empregado do setor público, proposto pelo Ministro da Justiça, o Barão de Sepetiba. A Lei nº de 1888 inaugurou o seguro social de amparo ao empregado público, patrocinado pelo Estado, instituindo a Caixa de Socorros em cada uma das estradas de ferro do Estado. Em seguida, em 1904, surge, por iniciativa de 51 funcionários, a Caixa Montepio dos Funcionários do Banco do Brasil, atual PREVI. Houve, portanto, no final do século XIX, algumas normas que criaram mecanismos securitários, mas o marco da Previdência Social no Brasil é a conhecida Lei Eloy Chaves. Adotada no regime da Constituição de 1891, a Lei Elói Chaves (Decreto Legislativo nº de 24/01/1923) foi o primeiro texto normativo a instituir, oficialmente, no Brasil, a Previdência Social, com a criação de caixas de aposentadorias e pensões para os ferroviários. Nesse modelo, havia contribuições dos trabalhadores, dos empregadores e do Estado, com direito à aposentadoria para o segurado e pensão por morte do segurado para os dependentes. Isso se deu em face das manifestações gerais dos trabalhadores, na medida em que se tratava de setor estratégico para o desenvolvimento nacional àquela época. Previam essas caixas a aposentadoria por invalidez, a ordinária (tempo de serviço), a pensão por morte e assistência médica aos empregados e diaristas que executavam serviços em caráter permanente. Foi estabelecida, também, em cada uma das empresas de estrada de ferro existentes na ocasião, uma caixa de aposentadoria e pensões (custeio) para os respectivos empregados. Por volta de 1930, foram criadas as CAP s caixas de aposentadorias e pensões dos empregados nos serviços de força e luz. No período da Revolução, a Previdência passou a ser estruturada por categorias profissionais. 20

3 A Seguridade Social Em 1933, criou-se a caixa de aposentadoria e pensões dos marítimos e, a partir de 1934, registra-se a criação dos Institutos de Aposentadoria e Pensões dos comerciários (IAPC) e dos bancários (IAPB). Em 1936, registra-se a criação do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários (IAPI) e, em 1938, a criação do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Empregados dos Transportes de Cargas (IAPTC). Na Constituição de 1934 foi que, pela primeira vez, utilizou-se da expressão previdência sem o adjetivo "social" que veio aparecer somente na CF de 1946, já com a tríplice previsão da base de financiamento, a cargo da União, dos empregados e empregadores. No regime da Constituição de 1946, com o advento da LOPS (Lei Orgânica da Previdência Social) Lei nº 3.807, de 26/08/60, o sistema previdenciário foi padronizado, com ampliação da proteção social e criação de vários benefícios, como os auxílios natalidade, funeral e reclusão. Em 21/11/1966, o Decreto-Lei nº 72 unificou os diversos Institutos de Aposentadoria e Pensões, criando o INPS: instituição em que foi centralizada a organização da Previdência Social. Dada a grande quantidade de mudanças implementadas na legislação previdenciária desde então, foi concebida a primeira Consolidação das Leis da Previdência Social (CLPS), baixada pelo Decreto nº , de 24/01/77, que, entretanto, não tinha força de lei, fazendo-se necessária a consulta aos textos da LOPS em caso de conflito aparente de normas entre os referidos textos normativos. Em 1984 foi aprovado o texto da segunda CLPS, baixado pelo Decreto nº , de 23/01/84. Em 1977, foi instituído o Sistema Nacional de Previdência Social e Assistência Social SINPAS pela Lei nº 6.439, de 01 de julho de 1977, com objetivo de integrar as ações governamentais no setor. O sistema era composto dos seguintes membros: INPS Instituto Nacional de Previdência Social, responsável pela concessão e manutenção das prestações previdenciárias; INAMPS Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social, responsável pela assistência médica; IAPAS Instituto de Administração Financeira da Previdência Social, responsável pela arrecadação, fiscalização, e cobrança das contribuições destinadas ao custeio da previdência e assistência social; CEME Central de Medicamentos, distribuidora de medicamentos gratuitamente ou a baixo custo. FUNABEM Fundação do Bem-Estar do Menor, executora da política no setor; LBA Fundação Legião Brasileira de Assistência, responsável pela prestação de assistência médica às pessoas carentes; DATAPREV Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social. 21

4 Adriana de Almeida Menezes Com o advento da Constituição de 1988, o constituinte, pela primeira vez, trouxe o conceito de Seguridade Social, adotado e disciplinado, sistematicamente, no capítulo da Ordem Social pelos artigos 194 a 204, em que foram implementadas significativas mudanças no setor: Previdencia Social, assistência e saúde passam a integrar o conceito amplo de seguridade social. A Previdência Social será organizada pela forma de um regime geral, terá caráter contributivo e filiação obrigatória. A saúde passa a ser um direito constitucional garantido a todos, sem, contudo, exigir contribuição prévia. A assistência social será prestada a quem dela necessitar e não exige, também, contribuição prévia do beneficiário. Com o novo modelo de proteção social adotado pela Constituição de 1988, as estruturas organizacionais tiveram que ser revistas e alteradas para atender às novas demandas. É criado o INSS, resultante da fusão do IAPAS e INPS com natureza jurídica autárquica pelo Decreto nº , de 27/06/1990, autorizado pela Lei nº 8.029, de 12/04/1990. O INSS, uma autarquia federal, passa a ter atribuição de conceder e manter os benefícios previdenciários e, também, de arrecadar, cobrar e fiscalizar as contribuições previdenciárias. As ações e serviços públicos de saúde integrarão uma rede regionalizada e hierarquiza e constituirão um sistema único (SUS). Em 1991, em cumprimento ao preceito constitucional previsto no artigo 59 do ADCT foram instituídos os novos Planos de Custeio e Benefícios da Seguridade Social, aprovados, respectivamente, pelas Leis nº e 8.213/91, regulamentadas inicialmente pelos Decretos nº 356 e 357, de 07/12/1991. Novos Regulamentos de Custeio e Benefícios foram aprovados pelos Decretos nº 611 e 612, de 21/07/1992 e mais tarde pelos de nº e 2.173, de 05/03/1997. O Regulamento da Previdência Social, unificando as disposições dos demais, foi aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 06/05/1999 que já sofreu, também, inúmeras alterações. Em 1998, com a Emenda Constitucional nº 20 houve a primeira reforma previdenciária que objetivou introduzir mecanismos de equilíbrio financeiro e atuarial do sistema, lançando bases para nova metodologia de cálculos dos salários de benefícios dos segurados, restringindo o acesso prematuro ao benefício. Na esteira da EC nº 20/98, a Lei nº 9.876/99 disciplinou em plano infraconstitucional as reformas, instituindo o fator previdenciário aplicado ao cálculo dos benefícios de aposentadoria por idade e por tempo de contribuição e modificou a qualificação legal dos segurados autônomo e equiparado a autônomo ao passar a considerá-los como 22

5 A Seguridade Social contribuintes individuais, flexibilizando o respectivo regime de custeio, com a progressiva extinção do critério de escala de salário-base. Estendeu, também, o salário- -maternidade a todas as seguradas da previdência social, dentre outras mudanças. Em 29 de maio de 2001, foi promulgada a Lei Complementar nº 109, que disciplinou o Regime Facultativo Complementar de Previdência a que se refere o art. 202 da Constituição Federal. Em dezembro de 2002, foi editada a Medida Provisória nº 83 que, mais tarde convertida na Lei nº de 08/05/2003, trouxe grandes modificações na área de arrecadação e benefícios. A partir daí, extinguiu-se a escala de salário-base para os contribuintes individuais e facultativos, estendeu-se a aposentadoria especial aos contribuintes individuais que prestarem serviços às empresas por meio das cooperativas de trabalho e aos individuais que realizarem serviços, nas cooperativas de produção, quando submetidos a agentes nocivos e agressivos à saúde e à integridade física. Em dezembro de 2003, fala-se em nova reforma previdenciária trazida pela EC nº 41, de 30 de dezembro do respectivo ano. Esta reforma atingiu, precipuamente, a previdência dos servidores públicos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios, alterando as regras até então vigentes. Em outubro de 2004, foi criada a Secretaria da Receita Previdenciária, pela Medida Provisória nº 222/2004, convertida na Lei nº /2005, responsável pela arrecadação, fiscalização, lançamento e normatização de receitas previdenciárias. O INSS, então, passou a ter atribuição apenas para concessão e manutenção dos benefícios previdenciários. Em julho de 2005, com a edição da Medida Provisória nº 258/2005, a Secretaria da Receita Previdenciária foi extinta e criada a Super Secretaria a Secretaria da Receita Federal do Brasil, vinculada ao Ministério da Fazenda, com a competência para arrecadar, fiscalizar, lançar e normatizar as receitas da União, incluindo, agora, as receitas das contribuições previdenciárias. No entanto, em novembro de 2005, decorreu o prazo para que a MP nº 258/2005 fosse convertida em lei e, novamente, passamos a conviver com a Secretaria da Receita Federal e a Secretaria da Receita Previdenciária, ligadas, respectivamente, ao Ministério da Fazenda e ao Ministério da Previdência Social. As competências das antigas secretarias voltaram a ser as mesmas antes da MP nº 258/2005. A Secretaria da Receita Previdenciária, vinculada ao Ministério da Previdência Social, tinha, então, a atribuição para arrecadar, fiscalizar, lançar e normatizar as receitas das contribuições previdenciárias. Ao INSS, cabia apenas a concessão e a manutenção dos benefícios previdenciários. A Secretaria da Receita Federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, continuava com a atribuição de administrar as receitas das contribuições da Seguridade Social, excluídas aquelas previdenciárias. 23

6 Adriana de Almeida Menezes Em 16 de março de 2007, a Lei nº extinguiu, com efeitos a partir de 02/ maio/2007, a Secretaria da Receita Previdenciária e a Secretaria da Receita Federal passou a se chamar Secretaria da Receita Federal do Brasil, Super Receita, vinculada ao Ministério da Fazenda, com a atribuição de arrecadar, cobrar e fiscalizar todos os tributos federais, incluindo, agora, a partir de 02 de maio de 2007, as contribuições previdenciárias. Os créditos previdenciários originários, a partir de então, pertencem à União, segundo a nova lei. HOJE: o INSS tem a atribuição de conceder e manter os benefícios previdenciários e o benefício de prestação continuada da assistência social, mais conhecido como LOAS, não mais atuando na arrecadação e na cobrança das contribuições chamadas previdenciárias. A atribuição de arrecadar, cobrar e fiscalizar as contribuições previdenciárias é da Secretaria da Receita Federal do Brasil, vinculada ao Ministério da Fazenda. RESUMINDO: A Proteção Social Origem Conceituação A preocupação com os infortúnios da vida tem sido uma angústia constante da humanidade. Desde tempos remotos, o homem tem se ajustado no sentido de reduzir os efeitos das adversidades de sua existência, como fome, doença, velhice, etc. Com o tempo, nota-se a assunção por parte do Estado de alguma parcela de responsabilidade pela assistência aos desprovidos de renda até, finalmente, ser criado um sistema securitário coletivo e compulsório. Resumidamente, a evolução da proteção social compreende o aumento da responsabilidade do Estado pelo bem estar da sociedade de modo cada vez mais abrangente, visando à proteção total a seguridade social. Hoje, no Brasil, entende-se por seguridade social o conjunto de ações do Estado no sentido de atender às necessidades básicas de seu povo nas áreas de Previdência Social, Assistência Social e Saúde. A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinado a assegurar os direitos à saúde, à previdência e à assistência social (CF/88, art. 194, caput). A saúde é direito de todos e dever do Estado (art. 196, CF/88). Assim, independente de contribuição, qualquer pessoa tem o direito de obter atendimento na rede pública de saúde. A assistência social será prestada a quem dela necessitar (art. 203, CF/88), ou seja, àquelas pessoas que não possuem condições de manutenção próprias. Assim como a saúde, independe de contribuição para o sistema. O requisito para o auxílio assistencial é a necessidade do assistido. A previdência social é seguro coletivo, contributivo, compulsório, de organização estatal (INSS), organizado no regime financeiro de repartição simples e deve conciliar este regime com a busca de seu equilíbrio financeiro e atuarial (art. 201, CF/88). 24

7 A Seguridade Social Histórico no Mundo Inglaterra, 1601 Poor Relief Act primeiro ato relativo à assistência social Chanceler Bismark obteve a aprovação do parlamento de seu projeto de Alemanha, 1883 seguro de doença, que foi seguido pelo seguro de acidentes de trabalho (1884) e pelo seguro de invalidez e velhice (1889) 1891 Encíclica Rerum Novarum, de Leão XIII 1917 A primeira Constituição a mencionar o seguro social foi a do MÉXICO 1919 A Constituição de Weimar traz vários dispositivos relativos à Previdência Estados Unidos, 1935 Inglaterra 1942 Histórico no Brasil A partir do modelo Bismarkiano, esta técnica protetiva espalhou-se pelo mundo, sendo que, no período entre as duas grandes guerras, houve uma maior abrangência da técnica, atingindo um número cada vez maior de pessoas. Neste período, pode-se citar o Social Security Act. Relatório BEVERIDGE. Este relatório, responsável pelo surgimento do plano de mesmo nome, foi que deu origem à Seguridade Social, ou seja, a responsabilidade estatal não só do seguro social, mas também de ações na área de saúde e assistência social Exemplos mais antigos da proteção social brasileira santas casas 1808 Montepio para a guarda pessoal de D. João VI 1835 Criação do MONGERAL, Montepio Geral dos Servidores do Estado A Constituição de 1891 foi a primeira a conter a expressão aposentadoria, que 1891 era concedida a funcionários públicos, em caso de invalidez. Ainda sob a égide da Constituição de 1891, foi editada a Lei Eloy Chaves (Decreto- -Legislativo n 4.682, de 24/01/1923), que criou caixas de aposentadorias e pensões para os ferroviários, por empresa Apesar de não ser o primeiro diploma legal sobre o assunto securitário (já havia o Decreto-Legislativo n 3.724/19 sobre o seguro obrigatório de acidentes do trabalho), devido ao desenvolvimento posterior da previdência e à estrutura interna da lei Eloy Chaves ficou esta conhecida como o marco inicial da Previdência Social. A Lei n 5.109, de , estendeu o regime da Lei Eloy Chaves aos portuários 1926/28 e marítimos; e pela Lei n de , ele foi estendido ao pessoal das empresas de serviços telegráficos e radiotelegráficos. Criação do Ministério do Trabalho 1933 Criação do primeiro IAP, dos marítimos 1930 IAPM (Decreto n de ). A Constituição de 1934 foi a primeira a estabelecer a forma tríplice da fonte de custeio previdenciária, com contribuições do Estado, do empregador e do empregado. Foi, também, a primeira Constituição a utilizar a palavra Previdência, 1934 sem o adjetivo social. A Constituição de 1937 não traz novidades, a não ser o uso da palavra seguro 1937 social como sinônimo de previdência social. 25

8 Adriana de Almeida Menezes A Constituição de 1946 foi a primeira a utilizar a expressão previdência social, substituindo a expressão seguro social. A Lei n 3.807, de 26/08/1960, unificou toda a legislação securitária e ficou conhecida como a Lei Orgânica da Previdência Social LOPS. Instituição do Fundo de Assistência e Previdência do Trabalhador Rural FUNRURAL, instituído pela Lei n 4.214, de Ainda na CF/46, foi incluído, em 1965, parágrafo proibindo a prestação de benefício sem a correspondente fonte de custeio IAPs foram unificados no INPS, por meio do Decreto-Lei n 72, de A Lei n 5.316, de , integrou o seguro de acidentes de trabalho à previdência social, fazendo assim desaparecer este seguro como ramo à parte. A Lei Complementar n 11, de , instituiu o Programa de Assistência ao Trabalhador Rural (PRORURAL), de natureza assistencial, cujo principal benefício era a aposentadoria por velhice, após 65 anos de idade, equivalente a 50% do salário-mínimo de maior valor no País A Lei n 6.439/77 institui o SINPAS A Constituição de 1988 tratou, pela primeira vez no Brasil, da Seguridade Social, entendida esta como um conjunto de ações nas áreas de Saúde, Previdência e Assistência Social. O SINPAS foi extinto em A Lei n 8.029, de 12/04/1990, criou o INSS Instituto Nacional do SEGURO SOCIAL, autarquia federal, vinculada ao hoje MPS, por meio da fusão do INPS com o IAPAS. Lei n (Plano de Custeio e Organização da Seguridade Social) e Lei n (Plano de Benefícios da Previdência Social) Decreto n 3.048/99. EC 20/98 EC 41/03 EC 47/05 MP 222/04, convertida na Lei nº 11098/05. 1ª Reforma da Previdência, transformando aposentadoria por tempo de serviço em aposentadoria por tempo de contribuição. 2ª Reforma da Previdência, mudando regras de aposentadoria do servidor, com o fim da integralidade e da paridade. Complementa a EC nº 41/03, trazendo mais uma regra transitória. Criação da Secretaria da Receita Previdenciária, vinculada ao Ministério da Previdência Social com atribuição de fiscalizar, cobrar e arrecadar as contribuições previdenciárias. MP nº 258/05 Lei nº 11457/07 Extinção da Secretaria da Receita Previdenciária SRP-, conferindo à Secretaria da Receita Federal do Brasil a atribuição, também, da fiscalização, cobrança e arrecadação das contribuições previdenciárias. Decorreu o prazo para sua conversão em lei e manteve-se, então, a SRP. Extinção da SRP. A Secretaria da Receita Federal passa a ter a denominação de Secretaria da Receita Federal do Brasil SRFB, com a atribuição, a partir de maio/07, de fiscalizar, arrecadar e cobrar as contribuições previdenciárias. 26

9 Questões comentadas de concursos públicos 01. (Defensoria Pública da União/CESPE/2010) A Lei Eloy Chaves (Decreto Legislativo n.º 4.682/1923), considerada o marco da Previdência Social no Brasil, criou as caixas de aposentadoria e pensões das empresas de estradas de ferro, sendo esse sistema mantido e administrado pelo Estado. Comentário Essa assertiva encontra-se errada na medida em que a caixa de aposentadoria e pensão dos trabalhadores das estradas de ferro não era somente com contribuições do Estado. Havia contribuições das empresas e dos próprios trabalhadores. Porém, está correta a parte em que diz que a Lei Eloy Chaves é considerada o marco da Previdência Social no Brasil. Fundamentação: Art. 3º, Decreto 4682/ (Advogado da União/CESPE/2006) Após modelo de previdência social concebido por William Beveridge, implantado na Inglaterra a partir de 1946, novos sistemas surgiram no cenário nacional mundial: o social-democrata, adotado nos países nórdicos, cujo objetivo era assegurar renda a todos mediante redistribuição igualitária; e o liberal ou residual, cujo exemplo mais expressivo é o Chile, caracterizado, especialmente, pela individualização dos riscos sociais. Comentário A assertiva está correta e demonstra dois sistemas distintos de previdência social que surgiram, tendo, de um lado a Inglaterra como representante do modelo social-democrata e, de outro, o Chile com um sistema liberal. 03. (Fiscal INSS/Alterada/CESPE/1997) O Sistema Nacional de Previdência e As sistência Social (SINPAS), introduzido em 1977, buscou reorganizar a previdência social, integrando suas diversas atividades, por meio de órgãos tais como: INPS, INAMPS, FUNA BEM, DATAPREV e IAPAS. Comentário A assertiva encontra-se correta, na medida em que, de fato, o SINPAS buscava organizar a Previdência e a Assistência Social no Brasil com a integração de vários órgãos acima citados, além da LBA e CEME. Fundamentação: Arts. 3º e 4º, ambos da Lei 6439/77. Questões de concursos A Seguridade Social 01. (Analista Judiciário/Área Judiciária/TRT 21ª Região/CESPE/2010) As atuais regras constitucionais impedem que os municípios tenham seus próprios institutos de previdência. 02. (Analista Judiciário/Área Judiciária/TRT 21ª Região/CESPE/2010) Até a década de 50 do século XX, a previdência social brasileira caracterizava-se pela existência de institutos previdenciários distintos que atendiam a diferentes setores da economia. 27

10 Adriana de Almeida Menezes 03. (Analista Judiciário/Área Judiciária/TRT 21ª Região/CESPE/2010) Com a criação do Instituto Nacional do Seguro Social, foram unificados, nesse instituto, todos os órgãos estaduais de previdência social. 04. (Defensor Público do Estado do Ceará/CESPE/2008) No ordenamento jurídico brasileiro, a primeira referência a instituições que promovessem ações relacionadas ao que hoje se denomina seguridade social foi feita pela Constituição de 1824, que criou as casas de socorros, consideradas embriões das santas casas de misericórdia. 05. (Advogado Pleno/Paraná Previdência/CESPE/2007) No Brasil, o primeiro texto constitucional a adotar e tratar da criação das casas de socorros públicos foi a Constituição da República de (Advogado Pleno/Paraná Previdência/CESPE/2007) O Decreto-legislativo n , de 24/01/1923 famosa Lei Eloy Chaves é considerado, pela maioria dos autores, o marco inicial da previdência social no Brasil, tendo determinado a criação de uma caixa de aposentadoria e pensões para os empregados em empresas de estrada de ferro. 07. (Advogado Pleno/Paraná Previdência/CESPE/2007) A partir de 1933, o governo abandonou o método de criar pequenas instituições (caixas) previdenciárias porque elas, muitas vezes, não tinham condições financeiras para arcar com os benefícios previdenciários dos seus segurados, criando entidades de âmbito nacional, nas quais foram englobados trabalhadores de uma mesma atividade. 08. (Advogado Pleno/Paraná Previdência/CESPE/2007) A Lei n /1960 ( Lei Orgânica da Previdência Social) uniformizou a legislação previdenciária das diferentes categorias de trabalhadores, amparadas por distintos institutos previdenciários. 09. (Advogado Pleno/Paraná Previdência/CESPE/2007) A LBA e a FUNABEM foram partes integrantes do SINPAS, criado pela Lei n. 6439/ (Procurador/INSS/Alterada/CESPE/1998) A Lei Eloy Chaves (Decreto Legislativo n , de 1923), primeira norma a instituir no Brasil a previdência social, que criou as caixas de aposentadorias e pensões para ferroviários, prevendo benefícios das aposentadorias por invalidez e ordinária, pensão por morte e assistência médica, apenas alcançou os em pregados das empresas de estradas de ferro, cujas funções estivessem definidas como de maior risco, em face da atividade empresarial desenvolvida. 11. (Fiscal/INSS/CESPE/1997) A Lei Eloy Chaves foi o grande marco da Previdência Social no Brasil. No entanto, alguns institutos jurídicos securitários existentes hoje, nas modernas legislações, já haviam sido concebidos no Brasil, por instrumentos legais, muito tempo antes. 28

11 A Seguridade Social 12. (Procurador/INSS/CESPE/1997) O Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) resultou da fusão do INPS e do INAMPS, com petindo-lhe, entre outras atribuições, promover a arrecadação, a fiscalização e a cobrança das contribuições incidentes sobre a folha de sa lários e demais receitas a eles vinculadas, na forma da legislação em vigor. 13. (Procurador/INSS/CESPE/1996) A evolução histórica da Seguridade Social contou com dois momentos marcantes: na Inglaterra, a famosa Lei dos Pobres (Poor Law), em 1601, instituiu a Assistência Social, quando a Previdência Social, sob inspiração do Otto Von Bismark, foi instituída na Alemanha, em 1883, com a criação de uma série de seguros sociais. Gab Fundamentação 01 E Art. 40, caput, CF 02 C Doutrina 03 E Art. 17, Lei 8029/90 04 C Doutrina 05 C Doutrina 06 C Art. 1º, Decreto 4682/23 07 C Doutrina 08 C Art. 2º, Lei 3807/60 09 C Art. 4º, Lei 6439/77 10 E Art. 1º, Decreto 4682/23 11 C Doutrina 12 E Art. 17, caput, Lei 8029/90 13 C Doutrina 29

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social 1. (1º Simulado/Prof. Francisco Júnior/Preparatório INSS-2014/2015) Até o século XVIII, não havia sistematização

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO

HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO Primeira concretização de proteção social: 1601, Inglaterra, com edição da Lei Poor Relief Act (ato de auxílio aos pobres). Instituía contribuição obrigatória para fins sociais. Noção de Seguridade

Leia mais

Histórico da Seguridade Social

Histórico da Seguridade Social Histórico da Seguridade Social Capítulo I Histórico da Seguridade Social 1. Técnico do Seguro Social INSS 2012 FCC Grau de Dificuldade: Médio O INSS, autarquia federal, resultou da fusão das seguintes

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE Prezados Alunos e Alunas, é um prazer fazer parte desta iniciativa do Ponto dos Concursos, e com isso atingir a todos que não tem tempo ou possibilidade de assistir um curso presencial. Tentarei aqui expor

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social RGPS

O Regime Geral de Previdência Social RGPS O Regime Geral de Previdência Social RGPS Capítulo 5 O Regime Geral de Previdência Social RGPS Sumário 1. Introdução 2. Os beneficiários do RGPS: 2.1 Os segurados obrigatórios; 2.2. O segurado facultativo;

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Técnico do Seguro Social INSS Instituto Nacional do Seguro Social - Concurso Público 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA Técnico do Seguro Social INSS Instituto Nacional do Seguro Social - Concurso Público 2015. Índice Índice Seguridade Social - Origem e evolução legislativa no Brasil... 02 Organização e Princípios Constitucionais... 08 INSS... 12 SUS... 22 DRT... 31 Fontes, vigência, hierarquia, interpretação e integração...

Leia mais

Projeto de Ensino. Unidade Universitária de Dourados. Direito da Seguridade Social. Curso de Direito. Evolução Histórica

Projeto de Ensino. Unidade Universitária de Dourados. Direito da Seguridade Social. Curso de Direito. Evolução Histórica Unidade Universitária de Dourados Curso de Direito Projeto de Ensino Direito da Seguridade Social Evolução Histórica Prof. Esp. Eliotério Fachin Dias 2013 1. Evolução Histórica Para compreendermos a Seguridade

Leia mais

O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO

O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO *José Carlos Batista Texto elaborado em junho/2010. Resumo: a seguridade social brasileira contempla a concessão

Leia mais

Especialização em Direito Previdenciário A Seguridade Social

Especialização em Direito Previdenciário A Seguridade Social Especialização em Direito Previdenciário A Seguridade Social Prof. João Ernesto Aragonés Vianna Aula 01 A Seguridade Social (Conceito e seus elementos, conceito de risco social, sua evolução para a necessidade

Leia mais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais Carlos Alberto Pereira de Castro Curitiba, junho de 2008 Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores públicos passou a ser relevante com as reformas

Leia mais

Direito do Previdenciário

Direito do Previdenciário 2009 Sinopses do Âmbito Jurídico Esta Apostila serve apenas como orientação de estudo e a sua utilização pelo usuário ou por terceiros é de responsabilidade única e exclusiva destes. O acesso e a utilização

Leia mais

Sumário DIREITO PREVIDENCIÁRIO... 03

Sumário DIREITO PREVIDENCIÁRIO... 03 Sumário DIREITO PREVIDENCIÁRIO... 03 1. DIREITO PÚBLICO X DIREITO PRIVADO... 03 2. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA DA SEGURIDADE SOCIAL... 04 3. COMPETÊNCIA, CONCEITUAÇÃO E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS...

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada Conhecimentos Bancários Item 2.3.5- Previdência Privada Conhecimentos Bancários Item 2.3.5- Previdência Privada A previdência privada é uma aposentadoria que não está ligada ao sistema do Instituto Nacional

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais A Aposentadoria dos Agentes Públicos P depois das Emendas Constitucionais Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho Mestre em Direito Previdenciário rio Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa Curso: Conhecimentos Específicos / Direito Previdenciário Técnico INSS Professor: Bernardo Machado

Aula 00 Aula Demonstrativa Curso: Conhecimentos Específicos / Direito Previdenciário Técnico INSS Professor: Bernardo Machado Aula 00 Aula Demonstrativa Curso: Conhecimentos Específicos / Direito Previdenciário Técnico INSS Professor: Bernardo Machado APRESENTAÇÃO Curso: Direito Previdenciário Técnico INSS Olá, queridos alunos!

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS

DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS Primeira Parte Elementos básicos do Direito Previdenciário Célio Cruz Marcos Elesbão Mapas mentais Resumos esquematizados Legislação previdenciária atualizada

Leia mais

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014):

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): 54. Uma vez criados por lei do ente federativo, vinculam-se aos regimes próprios de previdência social

Leia mais

SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Origem e evolução legislativa no Brasil. Origem e evolução legislativa no Brasil.

SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Origem e evolução legislativa no Brasil. Origem e evolução legislativa no Brasil. DIREITO PREVIDENCIÁRIO Prof. Eduardo Tanaka Origem e evolução legislativa no Brasil Origem e evolução legislativa no Brasil. No Brasil, uma das primeiras manifestações de Seguridade Social são: as santas

Leia mais

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL Subseção DIEESE/CUT-Nacional São Paulo, 02 de agosto de 2014 Sindicato dos Trabalhadores(as) na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo - SINDSEP

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES E O CÁLCULO DOS PROVENTOS DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS FACE A EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 41, DE 2003 1.

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO E DA SEGURIDADE SOCIAL

DIREITO PREVIDENCIÁRIO E DA SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO E DA SEGURIDADE SOCIAL Profª. Renata Orsi 1. SEGURIDADE SOCIAL 1.1. CONCEITUAÇÃO A Seguridade Social tem por finalidade assegurar, à população, proteção contra as denominadas contingências

Leia mais

A Previdência Social no Brasil. Figura 1 Estrutura simplificada da Seguridade Social no Brasil

A Previdência Social no Brasil. Figura 1 Estrutura simplificada da Seguridade Social no Brasil A Previdência Social no Brasil A estrutura do sistema de seguridade social no Brasil, por tratar-se de um país de dimensões continentais, difere das estruturas da maioria dos países. Sendo constituída

Leia mais

O regime complementar do servidor público

O regime complementar do servidor público O regime complementar do servidor público Leandro Madureira* RESUMO: O servidor que ingressou ou venha a ingressar no serviço publico a partir de 4 de fevereiro de 2013 tem a aposentadoria limitada ao

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

PROJETO RETA FINAL QUESTÕES COMENTADAS. INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 -

PROJETO RETA FINAL QUESTÕES COMENTADAS. INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - DIREITO PREVIDENCIÁRIO SÚMARIO UNIDADE 1 Seguridade Social (Origem e evolução legislativa no Brasil; Conceituação; Organização

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE Alex Sandro Lial Sertão Assessor Jurídico TCE/PI alex.sertao@tce.pi.gov.br Até o advento da EC nº 41/03, era direito do servidor público aposentar-se com base na

Leia mais

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ NATUREZA JURÍDICA ESTRUTURA FINANCIAMENTO SERVIDRES ABRANGIDOS DESAFIOS 1 História da Previdência Surge no dia que as pessoas começam a acumular para o futuro, para o

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 Direito Previdenciário 67. (Auditor de Controle Externo/TCE-CE/FCC/2015): O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE. Aula Zero - Organização da Seguridade Social Brasileira.

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE. Aula Zero - Organização da Seguridade Social Brasileira. Aula Zero - Organização da Seguridade Social Brasileira. Prezados Colegas, já visando aos candidatos que se preparam para os futuros concursos da Receita Federal, vamos aqui reproduzir novo curso de direito

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 SPPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento dos Regimes de Previdência no Serviço Público-DRPSP EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 BENTO GONÇALVES, 25 de Maio de 2012 1 EMENDA CONSTITUCIONAL

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 Santa Maria Belo

Leia mais

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Nota do autor 4ª edição... 15 Nota do autor 3ª edição... 17 Nota do autor 2ª edição... 19 Nota do autor 1ª edição... 21 Guia de leitura da Coleção... 23 Capítulo

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO

ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO INÍCIO EM 07/07/2012 COORDENADORES DO CURSO: MARCELO DA FONSECA GUERREIRO - Juiz Federal e Mestre em Direito. Foi Juiz Titular do 7º. Juizado Previdenciário/RJ.

Leia mais

CRISE NO CUSTEIO DA PREVIDÊNCIA OU FOMENTO DA ECONOMIA

CRISE NO CUSTEIO DA PREVIDÊNCIA OU FOMENTO DA ECONOMIA CRISE NO CUSTEIO DA PREVIDÊNCIA OU FOMENTO DA ECONOMIA Décio Bruno Lopes Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Vice-Presidente de Assuntos da Seguridade social Deciobruno@anfip.org.br XI CONGRESSO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 02/2012/CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS CONSIDERAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70, DE 29 DE MARÇO DE 2012.

NOTA TÉCNICA Nº 02/2012/CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS CONSIDERAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70, DE 29 DE MARÇO DE 2012. NOTA TÉCNICA Nº 02/2012/CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS Brasília, 07 de maio de 2012. CONSIDERAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 70, DE 29 DE MARÇO DE 2012. Diversos questionamentos têm sido apresentados

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

OISS ORNIZATION INTERNATIONAL DE SEGURIDAD SOCIAL BRASIL

OISS ORNIZATION INTERNATIONAL DE SEGURIDAD SOCIAL BRASIL OISS ORNIZATION INTERNATIONAL DE SEGURIDAD SOCIAL EVOLUTION CONSTITUCIONAL DEL CONCEPTO DE SEGURIDAD SOCIAL BRASIL Marisa Vasconcelos Evolução Histórica Mundial Declaração Universal dos Direitos do Homem

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

REGRAS DE APOSENTADORIA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS

REGRAS DE APOSENTADORIA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS REGRAS DE APOSENTADORIA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS INTRODUÇÃO Como o objetivo de facilitar o entendimento da matéria relacionada à reforma previdenciária, teceremos alguns comentários

Leia mais

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12 Nota, xi 1 Origens da Seguridade Social, 1 1.1 Poor Law, 1 1.2 Seguros privados, 2 1.3 Seguros sociais, 2 Quadro esquemático, 3 2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático,

Leia mais

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009 As Reformas da Previdência Social IV encontro do FUNSEMA Seminário de Previdência da Região Metropolitana Emenda Constitucional 47/05 Outubro/2009 Daisson Portanova ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A isenção da contribuição previdenciária dos servidores públicos (abono de permanência) Luís Carlos Lomba Júnior* O presente estudo tem como objetivo traçar breves considerações

Leia mais

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012 Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos Atualizado até a EC n. 70/2012 Dânae Dal Bianco Procuradora do Estado de São Paulo, mestre em Direito da Seguridade Social pela Universidade de

Leia mais

Os primórdios do seguro social e as regras atuais

Os primórdios do seguro social e as regras atuais Os primórdios do seguro social e as regras atuais Vilson Antônio Romero* RESUMO: O artigo faz uma retrospectiva do sistema de seguro social brasileiro, mencionando os países onde há estruturas de proteção

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Carolina Romano Brocco

Carolina Romano Brocco Carolina Romano Brocco ORIGEM DA PROTEÇÃO SOCIAL Famílias assistência voluntária. Grupos de mútuo associações para a proteção contra os riscos sociais. Lei dos Pobres (Poor Law) de 1601 Inglaterra as Igrejas

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Programa de Educação Previdenciária ria Seguridade Social A Seguridade Social do Brasil compreende um conjunto

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Seguridade Social 1

Sumário. Capítulo 1 Seguridade Social 1 Sumário Capítulo 1 Seguridade Social 1 1 Conceituação 1 1.1 Saúde 2 1.2 Assistência Social 2 1.3 Previdência Social 3 1.3.1 Regime Geral de Previdência Social 3 1.3.2 Regimes Próprios de Previdência Social

Leia mais

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 36 SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Congressistas deputados federais e senadores tinham até 1997 um regime próprio de Previdência Social (I.P.C.)

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR A APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO DO PROFESSOR SERVIDOR PÚBLICO EFETIVO DE ENTE FEDERATIVO QUE NÃO TENHA REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Daescio Lourenço Bernardes de Oliveira 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO SALVADOR-BA, 17 DE JULHO DE 2004 PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO RPPS INSTITUÍDOS NO BRASIL Possibilidade

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

CAPÍTULO 1 DEFINIÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO 1 DEFINIÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO 1 DEFINIÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL Art. 194, CF/88 A seguridade social foi definida no caput do art. 194 da Constituição Federal como um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br Hugo Goes Manual de Direito Previdenciário teoria e questões 7ª edição Atualizado de acordo com a Emenda Constitucional 72, de 2 de abril de 2013. Nota sobre

Leia mais

Direito Previdenciário Prof. Hugo Goes Concurso do Ministério da Fazenda Cargo: Assistente Técnico-Administrativo

Direito Previdenciário Prof. Hugo Goes Concurso do Ministério da Fazenda Cargo: Assistente Técnico-Administrativo Direito Previdenciário Prof. Hugo Goes Concurso do Ministério da Fazenda Cargo: Assistente Técnico-Administrativo Caderno de questões I Seguridade social: conceito, organização e princípios constitucionais

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES A VEZ DO MESTRE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO CONTRIBUINTES DA PREVIDENCIA SOCIAL JOÃO LINO PEREIRA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES A VEZ DO MESTRE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO CONTRIBUINTES DA PREVIDENCIA SOCIAL JOÃO LINO PEREIRA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES A VEZ DO MESTRE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO CONTRIBUINTES DA PREVIDENCIA SOCIAL JOÃO LINO PEREIRA RIO DE JANEIRO 2004 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES A VEZ DO MESTRE

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF)

Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF) Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF) XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-15/FCC/2013): 57. Quanto à relação entre empresas estatais e as

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso II do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial a servidores públicos que exerçam atividade de risco. O CONGRESSO

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém Superintendente: Luciano Moura dos Santos Diretor Adm. Financeiro: Olavo Lopes Perez Diretor de Benefícios: Karine Vecci Rua

Leia mais

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S PARECER Interessado: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás - SINPOL. SERVIDOR PÚBLICO. INGRESSO EM 2004. APOSENTADORIA. PARIDADE. INTEGRALIDADE DE PROVENTOS. RELATÓRIO Trata-se de consulta feita

Leia mais

Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal. Carlos Alberto Pereira de Castro ria-es, fevereiro de 2011

Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal. Carlos Alberto Pereira de Castro ria-es, fevereiro de 2011 Regras de Aposentadoria e Pensão do Regime Próprio de Previdência Federal Carlos Alberto Pereira de Castro Vitória ria-es, fevereiro de 2011 Roteiro Introdução ao tema Evolução da aposentadoria e da pensão

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) Gestão do SUS: aspectos atuais A reforma sanitária brasileira,

Leia mais

PROVIMENTO Nº 34. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA em substituição, no uso de suas atribuições legais e constitucionais;

PROVIMENTO Nº 34. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA em substituição, no uso de suas atribuições legais e constitucionais; PROVIMENTO Nº 34 Disciplina a manutenção e escrituração de Livro Diário Auxiliar pelos titulares de delegações e pelos responsáveis interinamente por delegações vagas do serviço extrajudicial de notas

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO EM QUESTÕES ATUALIZAÇÃO DAS DICAS DE ESTUDO E SÚMULAS 1ª EDIÇÃO

DIREITO PREVIDENCIÁRIO EM QUESTÕES ATUALIZAÇÃO DAS DICAS DE ESTUDO E SÚMULAS 1ª EDIÇÃO DIREITO PREVIDENCIÁRIO EM QUESTÕES ATUALIZAÇÃO DAS DICAS DE ESTUDO E SÚMULAS 1ª EDIÇÃO AUTORA: ADRIANA MENEZES www.adrianamenezes.com Página no Facebook: https://www.facebook.com/profadrianamenezes OBRA

Leia mais

REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS

REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS João Dado Deputado Federal Solidariedade/SP Julho - 2014 Até Junho/98 EC-19/98 Jun EC-20/98 - Dez EC-41/03 EC-47/05 Lei 12.618/12 Estabilidade no Emprego Irredutibilidade Salarial

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

Conceitos básicos de. Previdência Complementar

Conceitos básicos de. Previdência Complementar CALVO E FRAGOAS ADVOGADOS Conceitos básicos de Previdência Complementar Advogado: José Carlos Fragoas ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO 1. Apresentação 2. Embasamento Legal 3. Princípios da Previdência Privada contidos

Leia mais

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior A proteção previdenciária do brasileiro no exterior Hilário Bocchi Junior Especialista em Previdência Social 1 A Seguridade Social está prevista no capítulo II do título VIII (Da Ordem Social) da Constituição

Leia mais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. A Regulamentação das Aposentadorias Especiais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. A Regulamentação das Aposentadorias Especiais MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social A Regulamentação das Aposentadorias Especiais Brasília - DF, 14 de setembro de 2010 Quantidade de Servidores da União,

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria do Planejamento e Gestão - SEPLAG Coordenadoria de Gestão Previdenciária I SEMINÁRIO DE GESTÃO DE PESSOAS

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria do Planejamento e Gestão - SEPLAG Coordenadoria de Gestão Previdenciária I SEMINÁRIO DE GESTÃO DE PESSOAS GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria do Planejamento e Gestão - SEPLAG Coordenadoria de Gestão Previdenciária I SEMINÁRIO DE GESTÃO DE PESSOAS Benefício de Aposentadoria e Abono de Permanência Robson

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira

SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira Carlos Alberto Caser Vice-Presidente da ABRAPP Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar Diretor-Presidente da FUNCEF

Leia mais

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS NOS MUNICÍPIOS: RGPS e RPPS.

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS NOS MUNICÍPIOS: RGPS e RPPS. REGIMES PREVIDENCIÁRIOS NOS MUNICÍPIOS: RGPS e RPPS. Jorge Franklin Alves Felipe 1 SUMÁRIO: 1. Regimes previdenciários no direito brasileiro. 2. O regime próprio é da essência dos servidores públicos 3.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1 SEGURIDADE SOCIAL. 1.1 ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL. 1.2 CONCEITUAÇÃO. 1.3 ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS. A Constituição brasileira em seu título VIII

Leia mais

- Estudo técnico - Art. 67...

- Estudo técnico - Art. 67... Aposentadoria especial para diretores, coordenadores e assessores pedagógicos - Estudo técnico - A Lei nº 11.301, de 10 de maio de 2006, publicada no Diário 0ficial da União de 11 de maio do mesmo ano,

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO. AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara

O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO. AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara ORIENTADORA: Profa. Dra. Lília Maia de Morais Sales APRESENTAÇÃO OBJETIVOS CAPÍTULOS:

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 004/2006 Cuiabá/MT, 06 de dezembro de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 004/2006 Cuiabá/MT, 06 de dezembro de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 004/2006 Cuiabá/MT, 06 de dezembro de 2006. LEGALIDADE DA CONFISSÃO E PARCELAMENTO DE DÉBITOS ORIUNDOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS RETIDAS DOS SERVIDORES PÚBLICOS ATÉ O MÊS DE DEZEMBRO

Leia mais