ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA."

Transcrição

1 ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

2 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão APRESENTAÇÃO Este padrão tem como objetivo fixar as condições mínimas para execução de entradas individuais, isoladas, monofásicas e polifásicas, com carga instalada até 15 kw, permitindo o atendimento a solicitações de ligação nova ou aumento de carga para o fornecimento de energia elétrica em baixa tensão (220/127V), na área de concessão da Light Serviços de Eletricidade S.A. Todas as prescrições técnicas contidas neste padrão de ligação, elaborado sob responsabilidade da concessionária, devem ser rigorosamente atendidas. Entretanto, não dispensam o usuário do necessário conhecimento e amparo na Legislação e nas Normas Técnicas específicas referentes às instalações elétricas em baixa tensão. Para entradas individuais monofásicas ou polifásicas executadas conforme critérios estabelecidos neste padrão, com carga instalada até 15 kw e exclusivamente residenciais, não será obrigatória a apresentação de documento ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), do CREA-RJ; ou RRT (Registro de Responsabilidade Técnica), do CAU-BR. À concessionária é reservado o direito de, em qualquer tempo, alterar o conteúdo desta publicação, no todo ou em parte, por motivo de ordem técnica ou legal, sendo tais alterações comunicadas por meio de seus órgãos próprios. Nota: Informações complementares ou relacionadas a outras categorias de atendimento, tanto para entradas individuais quanto para entradas coletivas, encontram-se disponíveis na RECON-BT (versão completa). CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO Limites de fornecimento Os limites para atendimento de entradas individuais, isoladas, executadas em conformidade com este padrão são: EM RELAÇÃO À CARGA INSTALADA Entradas monofásicas carga instalada até 8 kw Entradas polifásicas carga instalada até 15 kw OBS.: Entradas individuais inicialmente enquadradas na categoria monofásica podem ter o fornecimento na modalidade bifásica quando existir a presença comprovada de equipamentos que operem em tensão de 220V. EM RELAÇÃO AO NÚMERO DE UNIDADES CONSUMIDORAS O limite de unidades consumidoras, compreendidas em uma mesma propriedade e atendidas por meio de entradas individuais, é de até 4 (quatro) unidades monofásicas ou até 2 (duas) trifásicas, sendo que a atividade de todas as unidades deve ser estritamente residencial, e o limite de carga instalada individual de até 15 kw. OBS.: Unidades consumidoras bifásicas, quando existentes, para efeito de regra, devem ser consideradas trifásicas. COMBINAÇÕES POSSÍVEIS 2 (duas) ligações monofásicas 3 (três) ligações monofásicas 4 (quatro) ligações monofásicas 1 (uma) ligação trifásica 2 (duas) ligações trifásicas 1 (uma) ligação monofásica + 1 (uma) ligação trifásica 2 3

3 Tensões de fornecimento O fornecimento de energia elétrica em baixa tensão na área de concessão da Light é feito em corrente alternada, na frequência de 60 hertz, nas tensões nominais de 220/127V (redes trifásicas urbanas a 4 fios) e 230/115V (redes monofásicas rurais a 3 fios). Tipos de atendimento, conforme o número de fases Monofásico a 2 fios > uma fase e neutro. Monofásico a 3 fios (rural) > duas fases e neutro. Polifásico a 4 fios > três fases e neutro. RAMAIS DE LIGAÇÃO Limites técnicos para ancoramento de ramais de ligação aéreos Entradas monofásicas carga instalada até 8 kw Poste, pontalete ou fachada com carga nominal de 100 dan. Vão máximo para instalação do ramal de ligação: 30 metros. Entradas polifásicas carga instalada até 15 kw Poste, pontalete ou fachada com carga nominal de 100 dan. Vão máximo para instalação do ramal de ligação: 30 metros. NOTAS: Para propriedades com mais de uma unidade consumidora, atendidas pelo padrão de entrada individual, o limite de ramais individuais fixados no mesmo ponto de ancoramento, sendo este um poste de 100 dan, é de até 2 (dois) ramais monofásicos ou 1 (um) trifásico. Para a ligação de 4 (quatro) ramais monofásicos ou 2 (dois) trifásicos, deve ser utilizado um poste de 200 dan. Nos ancoramentos em pontalete e diretamente na fachada, os esforços a serem considerados nos dimensionamentos dos pontos de fixação se referem às edificações com um único pavimento, considerando a correta fixação (concretagem) do dispositivo de ancoramento. Essa fixação deve ser devidamente dimensionada por responsável técnico legalmente habilitado. Sempre que a fachada da edificação estiver situada no limite da propriedade com a via pública, o ancoramento dos condutores do ramal de ligação, desde que as condições físicas permitam, deve ser feito em dispositivo chumbado diretamente na fachada. Nesse caso, deve ser empregado parafuso M16 ou parafuso chumbador, com porca olhal. Alternativamente, pode ser empregada armação vertical com 1 (um) isolador, fixada por parafusos chumbados na fachada. O pontalete deve ser empregado somente quando não for possível atender à altura mínima de segurança dos condutores em relação ao solo, por meio do ancoramento diretamente na fachada, e este fixado na estrutura da edificação quando estiver situada no alinhamento do limite da propriedade com a via pública. 1 Os comprimentos acima somente são aplicáveis quando atendidas as alturas mínimas dos condutores em relação ao solo, na condição de flecha máxima, e a compatibilidade com as limitações de resistência mecânica (carga nominal) das estruturas de ancoramento do ramal de ligação. 7 O poste deve ser empregado quando não for possível garantir a altura mínima de segurança dos condutores em relação ao solo, quando for necessário desviar os condutores do ramal de ligação do terreno de terceiros ou ainda quando a edificação estiver recuada em relação ao limite da propriedade com a via pública. 4 5

4 Nesses casos, o poste deve ser instalado no interior da propriedade, junto ao muro ou cerca, no limite com a via pública. CONFIGURAÇÕES DE RAMAIS DE LIGAÇÃO AÉREOS 8 9 Somente devem ser empregados postes e pontaletes para ancoramento de ramais de ligação de fabricantes validados previamente pela Light. Outras opções somente serão aceitas quando a fixação do ramal de ligação não for viável tecnicamente por meio das estruturas padronizadas nesta Regulamentação (poste, pontalete ou fachada), sendo submetidas previamente à Light para análise e aprovação, acompanhadas de memorial de cálculo e justificativa técnica elaborados por responsável técnico legalmente habilitado, bem como pelo documento ART devidamente quitado junto ao CREA-RJ; ou pelo RRT devidamente quitado junto ao CAU-RJ. Os condutores do ramal de ligação deverão obedecer às seguintes distâncias mínimas de afastamento: 0,60 m entre circuitos de baixa tensão e circuitos de telefonia, sinalização e congêneres; 1,20 m quando passar em frente a janelas, sacadas, escadas, saídas de incêndio, terraços ou locais análogos; 2,50 m acima do piso de sacadas, terraços ou varandas (na projeção vertical); 0,50 m abaixo do piso de sacadas, terraços ou varandas (na projeção vertical); 5,50 m do piso acabado, na passagem de veículos (travessia do logradouro); 4,50 m do piso acabado, na passagem de veículos (entradas particulares); 4,00 m do piso acabado, na passagem de pedestres; 3,00 m do piso acabado, na saída do eletroduto. A Ramal de ligação aéreo com ancoramento na fachada, caixa de semiembutida na fachada e caixa do (mín) Ponto de ancoragem medidor Ponto de ancoragem 6 7

5 B Ramal de ligação aéreo com ancoramento em pontalete, caixa de semiembutida na fachada e caixa do de proteção voltada para a parte interna. C Ramal de ligação aéreo com ancoramento em poste particular, caixa de no recuo técnico do muro e caixa do de proteção voltada para a parte interna. Ramal de ligação Pontalete Poste 1000 Recuo Técnico medidor 1000 (mínimo) aterramento medidor 1000 (mínimo) aterramento Ramal de ligação aéreo Ponto de ancoragem Pontalete aéreo Ponto de entrega Poste 1000 Porta Ornamental com visor Recuo Técnico 1000 Saída para carga 700 (mín) Rua 8 9

6 D Ramal de ligação aéreo com ancoramento e caixa de sobreposta em poste particular e caixa do de proteção voltada para a parte interna da propriedade. E Ramal de ligação aéreo com ancoramento em poste de aço particular, caixa de no recuo técnico do muro e caixa do de proteção voltada para a parte interna da propriedade. Poste de aço Poste Cerca Recuo técnico 1000 (mínimo) medidor aéreo Ponto de entrega Poste Poste de aço Rua 1000 (mínimo) Rua Obs.: Para esse tipo de padrão, o ramal de ligação será lançado até a caixa de pelo interior do poste

7 F Ramal de ligação aéreo com ancoramento e caixa de sobreposta em poste de aço particular e caixa do de proteção voltada para a parte interna. Poste de aço Cerca NOTAS (referentes aos exemplos E e F): Para esse tipo de padrão, o ramal de ligação será fornecido e instalado pela Light até a caixa de pelo interior do poste. O poste deve ser engastado em um buraco, a ser cavado pelo consumidor, junto ao limite da propriedade com a via pública com profundidade de 1 m para poste de 6 m e 1,35 m para poste de 7,5 m (observar a marca de engastamento no poste), tendo o mesmo diâmetro de 25 cm. Após o engastamento do poste no buraco, este deve ser preenchido com concreto. 4 O fio de aterramento deve ser interligado ao parafuso split-bolt (presente na base do poste) e, posteriormente, à haste de aterramento a fim de garantir o aterramento do poste. aéreo Ponto de entrega Poste Rua 12 13

8 G Ramal de ligação subterrâneo, com caixas de e seccionamento semiembutidas na fachada e caixa do de proteção voltada para a parte interna da propriedade. H Ramal de ligação subterrâneo, com caixas de e seccionamento semiembutidas no recuo técnico do muro e caixa do de proteção voltada para a parte interna da propriedade. Recuo técnico medidor medidor 1000 (mín) 1000 mín 700 mín seccionamento 700 Eletroduto para instalação de ramal de ligação subterrâneo aterramento Eletroduto para instalação de ramal de ligação subterrâneo 700 mín aterramento Porta Ornamental com visor para acesso à leitura Caixas para Recuo Técnico 1000 (mínimo) 700 (mín) seccionamento 1000 mín Rua seccionamento 700 mín 700 mín 700 mín Eletroduto Eletroduto 14 15

9 ANOTAÇÕES: Dicas importantes para você montar seu padrão: A Light oferece um Simulador de Ligação Nova ou Alteração de Carga até 15 kw para ajudar você na escolha adequada do padrão a ser montado. Antes de solicitar esses serviços, visite nossa Agência Virtual ( e confira! Fique atento! A Light NÃO credencia profissionais. Nós trabalhamos sempre de uniforme e crachá. Em caso de dúvidas ou denúncias de falsos funcionários, ligue PARA MAIS INFORMAÇÕES, ACESSE

10 DEZ./2015 LIGHT, SEMPRE COM VOCÊ! NO CELULAR Aplicativo gratuito Light Clientes LIGHT JÁ Envie um SMS para com o Código da Instalação (presente na conta). NA INTERNET DE QUALQUER TELEFONE Disque-Light Emergência Disque-Light Comercial Disque-Light Deficientes Auditivos Ouvidoria (de 2ª a 6ª, das 8h às 18h) twitter.com/lightclientes facebook.com/lightclientes As informações contidas nesta publicação objetivam contribuir para um melhor esclarecimento sobre os serviços prestados pela Light, sem pretensão de esgotar o tema. Esta publicação foi impressa em papéis produzidos a partir de florestas renováveis de eucalipto. Cada árvore foi plantada para esse fim.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. 499-008 Recon BT_Energia

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL Página 1 de 2 COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1. OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

O que é Padrão de Entrada?

O que é Padrão de Entrada? 1 O que é Padrão de Entrada? O padrão de entrada é o conjunto de condutores, eletrodutos, poste, caixa de medição e demais acessórios utilizados na sua montagem, padronizados pela Cosern e de acordo com

Leia mais

Padrão de entrada PCI-3

Padrão de entrada PCI-3 Padrão de entrada PCI-3 padrão de entrada Relação de Materiais Item Qtde. Un. Descrição 01 01 pç 02 Fornecido e instalado pela EDP 03 Variável m Poste com caixa incorporada tipo PCI-3 (ver nota 4) Ramal

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA Condições de atendimento Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores e Isolantes Isolantes Materiais que não conduzem eletricidade; Condutores

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA - IRRIGANTES NTD

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA - IRRIGANTES NTD Página: 1 de 5 1. Objetivo Este documento define os critérios e padrões dos sistemas de medições a serem observados no fornecimento de energia elétrica para unidades consumidoras classificadas como rural

Leia mais

POSTES DE DIVISA - ALTERNATIVAS E ORIENTAÇÕES

POSTES DE DIVISA - ALTERNATIVAS E ORIENTAÇÕES 1. Objetivo Complementar as normas referentes ao atendimento e ao fornecimento de energia elétrica em baixa tensão, quanto aos aspectos de localização e disposição dos materiais e equipamentos nas montagens

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

Regulamentação para Consumidores de Baixa Tensão RECON-BT. Gerência de Engenharia e Expansão da Rede de Distribuição - DDE

Regulamentação para Consumidores de Baixa Tensão RECON-BT. Gerência de Engenharia e Expansão da Rede de Distribuição - DDE Regulamentação para Consumidores de Baixa Tensão RECON-BT Gerência de Engenharia e Expansão da Rede de Distribuição - DDE Limite de fornecimento de energia elétrica Em entrada individual RECON-BT O limite

Leia mais

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO COMUNICADO A Ampla Energia e Serviços S/A comunica que visando favorecer ao consumidor na construção de instalação para medição de energia em baixa

Leia mais

TRAVESSIA AÉREA Informações para Apresentação de Projeto Revisão 26/06/12

TRAVESSIA AÉREA Informações para Apresentação de Projeto Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para passagem de Travessia Aérea, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Travessia. (Não

Leia mais

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos constitutivos de um projeto interpretação, exame e análise Projeto

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 015

NORMA TÉCNICA NTC 015 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 015 POSTE DE DIVISA Divisão de medição e fiscalização Emissão: 2015 Versão : 01/2015 1 2 Sumário 1. OBJETIVO... 4 2. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES...

Leia mais

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1.

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. 1/5 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. REQUISITOS INDISPENSÁVEIS: 1. Todas as linhas de tubulações, e caixas de passagem, deverão

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO COREN Subseção de Floriano ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. NORMAS TÉCNICAS 3. DESCRIÇÃO DOS SITEMAS 3.1. Entradas de energia e telefone 3.2. Quadros de distribuição local 3.3. Dispositivos

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

Medição agrupada para fornecimento em tensão secundária de distribuição SUMÁRIO

Medição agrupada para fornecimento em tensão secundária de distribuição SUMÁRIO SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. TERMINOLOGIA 5. CONDIÇÕES GERAIS 6. LIMITE DE LIGAÇÃO 7. DIMENSIONAMENTO 8. ESQUEMA DE LIGAÇÃO 9. APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E DOCUMENTOS TÉCNICOS

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

CT-68. Comunicado Técnico. Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição. Gerência de Tecnologia da Distribuição

CT-68. Comunicado Técnico. Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição. Gerência de Tecnologia da Distribuição CT-68 ATUALIZAÇÃO SOBRE PADRÕES DE ENTRADA COM AGRUPAMENTOS COLETIVOS CAIXAS TIPO P E TIPO PP Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerência de Tecnologia da

Leia mais

RIC REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

RIC REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Centrais Elétricas de Carazinho SA RIC REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Unidade Consumidora Única Agrupamento não pertencente a Prédio

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 47

COMUNICADO TÉCNICO Nº 47 COMUNICADO TÉCNICO Nº 47 PADRÃO DE ENTRADA COM MEDIÇÃO AGRUPADA E INDIVIDUAL COM CAIXA DE POLICARBONATO Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia da Distribuição ÍNDICE OBJETIVO...3

Leia mais

CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE PLANTA BAIXA MEDIDAS EM: cm BEP 1 x Ø4" VISTA FRONTAL MEDIDAS EM: cm VISTA CORTE LATERAL: A-A" MEDIDAS EM: cm Av.

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica Título do Documento: Alterações FECO-D-04 e Tipo: FECO-NT-01/14 Nota Técnica Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura NOTA TÉCNICA FECO-NT-01/2014 1 - Alteração da Norma Técnica FECO-D-04,

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE MEDIÇÃO EM GRUPO GERADOR PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 690 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2015

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE MEDIÇÃO EM GRUPO GERADOR PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 690 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2015 CT-62 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE MEDIÇÃO EM GRUPO GERADOR PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 690 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Engenharia Diretoria

Leia mais

lectra Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR ÍNDICE 1 Introdução - 5 Definição de eletricidade. Causas e efeitos da eletricidade. Geração, transmissão

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica

Fornecimento de Energia Elétrica Fornecimento de Energia Elétrica 1 Objetivos Análise da constituição de sistemas de potência Normas para fornecimento de energia elétrica Características gerais do fornecimento de energia elétrica Esquemas

Leia mais

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim NBR 13103:2011 Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos Eng Luiz Felipe Amorim Concentração de CO x tempo de aspiração Objetivos da Norma Aplicação da Norma Projetista x Norma Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 12 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do poste de aço, com seção transversal quadrada, para utilização em padrões de entrada

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais ND-5.1 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais Belo Horizonte - Minas Gerais

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E

PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E - 3 2 1. 0 0 0 1 N O V E M B R O 2 0 0 7 PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO ADENDO 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO ADENDO 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO MPN-DP-/MN-002 MANUAL DE Página 1 de 26 08/03/26 RES nº. 053/26, 08/03/26 MANUAL DE ADENDO 1 MPN-DP-/MN-002 Página 2 de 26 08/03/26 RES nº. 053/26, 08/03/26 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3.

Leia mais

CNPJ: / INSC. ESTADUAL:

CNPJ: / INSC. ESTADUAL: ANEXO V Padrões Técnicos a serem obedecidos quando da elaboração do Projeto Hidráulico que permita a Medição Individualizada nas Unidades Usuárias de Condomínios Horizontais ou Verticais I Instalação do

Leia mais

ENGASTAMENTO E ESTAIAMENTO NTD

ENGASTAMENTO E ESTAIAMENTO NTD Página: 1 de 22 SUMÁRIO 1. Objetivo... 2 2. Notas Gerais... 2 ANEXOS... 3 ANEXO A - Postes - Engastamento simples... 3 ANEXO C - Postes - Engastamento em rocha (bloco ancorado) - resistência 150daN...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 04

COMUNICADO TÉCNICO Nº 04 Página 1 de 1 COMUNICADO TÉCNICO Nº 04 CAIXA DE MEDIÇÃO INSTALADA NA DIVISA COM O PASSEIO PÚBLICO PARA ATENDIMENTO INDIVIDUAL EM BAIXA TENSÃO ATRAVÉS DA NORMA CEMIG ND- 5.1 1.OBJETIVO Visando a redução

Leia mais

DOCUMENTO NÃO CONTROLADO

DOCUMENTO NÃO CONTROLADO 14/11/2013 1 de 120 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 7 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 7 2.1 Esta norma se aplica... 7 2.2 Esta norma não se aplica... 7 3 RESPONSABILIDADES... 7 4 DEFINIÇÕES... 8 4.1 Agência Nacional de

Leia mais

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO.

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO. NORMA TÉCNICA NTE 026 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO - 1,8 E 4,5 kv- Cuiabá Mato Grosso - Brasil NTE 026 11ª Edição GPS/NT 1/12/2012

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.009 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 5 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 5 3 RESPONSABILIDADES... 5 4 DEFINIÇÕES... 6. 4.1 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL...

SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 5 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 5 3 RESPONSABILIDADES... 5 4 DEFINIÇÕES... 6. 4.1 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL... 01/06/2005 1 de 77 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 5 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 5 3 RESPONSABILIDADES... 5 4 DEFINIÇÕES... 6 4.1 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL... 6 4.2 Associação Brasileira de Normas

Leia mais

CATÁLOGO DE MATERIAIS

CATÁLOGO DE MATERIAIS CATÁLOGO DE MATERIAIS CENTRO DE MEDIÇÃO E ENTRADAS DE ENERGIA OBJETIVO Montagem e execução de entradas de energias Montagem de Caixas de Luz Data: 2014 Página 2 SUMÁRIO Produtos Caixa de luz para 1 Relógio

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 44

COMUNICADO TÉCNICO Nº 44 COMUNICADO TÉCNICO Nº 44 PADRÃO DE ENTRADA ECONÔMICO PARA UTILIZAÇÃO EM NÚCLEOS DECLARADOS POR LEI COMO DE INTERESSE SOCIAL Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia ÍNDICE OBJETIVO...4

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 013

Especificação Técnica de Projeto Nº 013 SERVIÇO AUTÔNOMO ÁGUA E ESGOTO Especificação Técnica de Projeto Nº 013 ETP 013 Ligação de esgoto ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO APLICAÇÃO...

Leia mais

ELETRICIDADE E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ELETRICIDADE E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICIDADE E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 6.5.4.7 Nos quadros de distribuição, deve ser previsto espaço reserva para ampliações futuras, com base no número de circuitos com que o quadro for efetivamente equipado,

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÃO PRÉ-FABRICADO Cuiabá Mato Grosso - Brasil 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS PT.DT.PDN

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS PT.DT.PDN SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.01.002 REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR JOSELINO SANTANA FILHO ENGENHARIA

Leia mais

Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10

Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10 Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10 PADRÃO DE CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS DE DISTRIBUIÇÃO DE MÉDIA

Leia mais

ND CÁLCULO DE DEMANDA

ND CÁLCULO DE DEMANDA ND-5-2 5-1 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS CÁLCULO DE DEMANDA O dimensionamento dos componentes de entrada de serviço (ramais de ligação e de entrada, alimentadores) das edificações de uso coletivo e dos agrupamentos

Leia mais

O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, de junho de 2014.

O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, de junho de 2014. O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, de junho de 2014. TEXTO 3.16 Condutor de proteção Condutor que liga as massas e os elementos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUPRIMENTO DE ENREGIA ELÉTRICA AO EDIFÍCIO CREA - PI INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE BAIXA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO SUPRIMENTO DE ENREGIA ELÉTRICA AO EDIFÍCIO CREA - PI INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE BAIXA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO SUPRIMENTO DE ENREGIA ELÉTRICA AO EDIFÍCIO CREA - PI INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE BAIXA TENSÃO Teresina Piauí Março 2017 MEMORIAL DESCRITIVO EDIFÍCIO CREA - PI INTALAÇÕES ELÉTRICAS BAIXA

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Estruturas Básicas 6.1. Estrutura Tangente com Isolador Roldana SI-1 6.2. Estrutura

Leia mais

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v DESENHO 1: padrão ligação monofásica - instalação na parede com ramal de entrada aéreo, edificação do mesmo lado da rede e na divisa com o passeio público.

Leia mais

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Multifamiliares. Manual para Construção de NICHOS

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Multifamiliares. Manual para Construção de NICHOS Padrões para instalação de quadro de água Residências Multifamiliares Manual para Construção de NICHOS 2010 2 COMUSA Departamento de Projetos e Obras Equipe: Téc. Des. Cristine Berger Téc. Des.Paola Caroline

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria

Leia mais

RECON - BT ENTRADAS INDIVIDUAIS E COLETIVAS

RECON - BT ENTRADAS INDIVIDUAIS E COLETIVAS RECON - BT ENTRADAS INDIVIDUAIS E COLETIVAS Regulamentação para fornecimento de energia elétrica a consumidores em Baixa Tensão Coordenação de Engenharia Gerência de Engenharia e Expansão da rede de Distribuição

Leia mais

Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: NTC-D-01 Norma Técnica e

Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: NTC-D-01 Norma Técnica e Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: Norma Técnica e Padronização NORMA TÉCNICA E PADRONIZAÇÃO: REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

E-Book Projetos de Andaimes

E-Book Projetos de Andaimes 2016 E-Book Projetos de Andaimes TIPOS DE ANDAIMES TIPOS DE FIXAÇÃO DE POSTE COM BRAÇADEIRA SOLUÇÕES PARA ESTABILIDADE DO ANDAIME Tipos de Andaimes 1) Andaimes Padrão Torres Simples - (isoladas) São andaimes

Leia mais

CT Caixas de Policarbonato para Padrão de Entrada de Baixa Tensão com Leitura Voltada para a Via Pública. Comunicado Técnico

CT Caixas de Policarbonato para Padrão de Entrada de Baixa Tensão com Leitura Voltada para a Via Pública. Comunicado Técnico CT - 67 Caixas de Policarbonato para Padrão de Entrada de Baixa Tensão com Leitura Voltada para a Via Pública Comunicado Técnico Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos Página 2 de 24 FOLHA

Leia mais

Critérios para Projeto e Construção de Redes Subterrâneas em Condomínios. Norma. Revisão 04 05/2014 NORMA ND.46

Critérios para Projeto e Construção de Redes Subterrâneas em Condomínios. Norma. Revisão 04 05/2014 NORMA ND.46 Critérios para Projeto e Construção de Redes Subterrâneas em Condomínios Norma Revisão 04 05/2014 NORMA ND.46 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia,

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de unidades consumidoras do Grupo

Leia mais

M053 V02. comercialipec@gmail.com

M053 V02. comercialipec@gmail.com M053 V02 comercialipec@gmail.com PARABÉNS Você acaba de adquirir um produto com alta tecnologia IPEC. Fabricado dentro dos mais rígidos padrões de qualidade, os produtos IPEC primam pela facilidade de

Leia mais

Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas. Norma. Revisão 04 03/2014 NORMA ND.

Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas. Norma. Revisão 04 03/2014 NORMA ND. Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas Norma 03/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de

Leia mais

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6 18/10/2016 1 de 243 NT.31.2 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 5 REFERÊNCIAS... 5 6 CRITÉRIOS GERAIS... 6 6.1 Generalidades... 6 6.2 Afastamentos

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3 PREFETURA MUNCPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNCPAL DE ÁGUA E ESGOTOS T177 NCHO DE PROTEÇÃO PARA HDRÔMETRO DN20mm (¾ ) SUMÁRO 1. Objetivo e campo de aplicação... 2 2. Referências... 2 3. Definições...

Leia mais

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para o fornecimento de materiais e serviços para Desativação com remoção de dois transformadores

Leia mais

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6 NORMA TÉCNICA 1 de : SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 5 REFERÊNCIAS... 5 6 CRITÉRIOS GERAIS... 6 6.1 Generalidades... 6 6.2 Afastamentos Mínimos...

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA Professor Leonardo Gonsioroski O que é uma Instalação Elétrica? Uma instalação elétrica é definida pelo conjunto de materiais

Leia mais

PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO

PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO Celso Rogério Tomachuk dos Santos CPFL Piratininga Rogério Macedo Moreira CPFL Piratininga 1 CPFL Energia Visão Geral da Empresa Líder

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07 Parte II Instruções Específicas

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 NORMA TÉCNICA CELG D Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS DE

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h)

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) A presente orientação indica configurações de instalação da Unidade de Medição de Água (U.M.A.)

Leia mais

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 Directrizes Técnicas de Segurança de Instalações de Carregamento de Veículos Eléctricos 第 一 條 Artigo 1.º 標 的 Objecto 本 指 引 為 訂 定 安 裝 電 動 車 輛 充 電 設 施 應 遵 守 的 安 全 技 術 條 件 As presentes

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais. Norma. Revisão 09A 11/2017 NORMA ND.10

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais. Norma. Revisão 09A 11/2017 NORMA ND.10 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais Norma Revisão 09A 11/2017 NORMA ND.10 ELEKTRO REDES S.A. Diretoria de Processos e Tecnologia. Rua Ary Antenor de Souza, 321

Leia mais

Regulamento de Instalações Consumidoras 2 SUMÁRIO

Regulamento de Instalações Consumidoras 2 SUMÁRIO Regulamento de Instalações Consumidoras 2 SUMÁRIO 1. Objetivo...5 2. Normas complementares...5 3. Terminologias e definições...6 3.1. Agrupamento não pertencente a prédio de múltiplas unidades...6 3.2.

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão 15 kv em Condutores Nus (Convencional)

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão 15 kv em Condutores Nus (Convencional) Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão 15 kv em Condutores Nus (Convencional) Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão 15 kv em Condutores Nus (Convencional) DESENHO REVISÃO EMISSÃO Aldair Reis CREA-RJ

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 001

NORMA TÉCNICA NTC 001 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 001 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2008 Versão : 01/2014 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

ggg A Dois Dez conta com anos de experiência na fabricação, fornecimento e instalação de diversos sistemas para trabalho em altura.

ggg A Dois Dez conta com anos de experiência na fabricação, fornecimento e instalação de diversos sistemas para trabalho em altura. ggg A Dois Dez conta com anos de experiência na fabricação, fornecimento e instalação de diversos sistemas para trabalho em altura. Desenvolvemos este artigo para ajudar você a entender mais sobre nosso

Leia mais

Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada de Baixa Tensão

Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada de Baixa Tensão 1 OBJETIVO NOR.DISTRIBU-ENGE-40 1/44 Estabelecer os critérios para elaboração de projetos de redes de distribuição aéreas multiplexadas de baixa tensão utilizando condutores multiplexados isolados para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS038 EXECUÇÃO DE RAMAL PREDIAL Revisão: 01 Out/08 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS038 EXECUÇÃO DE RAMAL PREDIAL Revisão: 01 Out/08 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO NTD

ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO NTD Página: 1 de 9 Data Elaboração: Dezembro/07 Data Revisão : Setembro/08 1. Objetivo Esta norma tem a finalidade de uniformizar os procedimentos para especificação, execução, medição e inspeção dos serviços

Leia mais

Normativas Gerais da NR-18

Normativas Gerais da NR-18 Normativas Gerais da NR-18 18.12 - ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS 2 ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS - A transposição de pisos com diferença de nível superior a 40cm deve ser feita por meio de escadas ou rampas.

Leia mais

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET0043 - Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 4 : Planta Baixa Planta Baixa: A planta baixa é a

Leia mais

CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA

CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para serviços de ampliação de subestação e instalações

Leia mais

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva PREFEITURA MUNICIPAL DE ILICÍNEA Estado de Minas Gerais CNPJ: 18.239.608/0001-39 Praça. Padre João Lourenço Leite, 53 Centro Ilicínea Tel (fax).: (35) 3854 1319 CEP: 37175-000 Memorial Descritivo Escola

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO Folha 1/3 Nome do Arquivo: 1. OBJETIVOS Estabelecer sistemática de aprovação de projetos para que se enquadrem nas normas estabelecidas, dentro do Regulamento Interno e Restrições Urbanísticas (Cap. VIII

Leia mais

DECRETO Nº DE 11 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº DE 11 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 37.426 DE 11 DE JULHO DE 2013 REGULAMENTA A APLICAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 126/13 E DA LEI Nº 6400/13, QUE INSTITUEM, POR AUTOVISTORIA, A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE VISTORIAS TÉCNICAS

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 13 Dimensionamento de Condutores (Critério do Limite de Queda de Tensão) Porto Alegre - 2012 Tópicos Critério do limite de queda

Leia mais

[Ano] Levantamento de Cargas. Campus Virtual Cruzeiro do Sul

[Ano] Levantamento de Cargas. Campus Virtual Cruzeiro do Sul [Ano] Levantamento de Cargas Unidade - Levantamento de Cargas MATERIAL TEÓRICO Revisão Textual: Profa. Dr. Patricia Silvestre Leite Di Iorio 2 Apresentação Como apresentado, os conceitos vistos na Unidade

Leia mais

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Unifamiliares. Manual para Construção de NICHOS

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Unifamiliares. Manual para Construção de NICHOS Padrões para instalação de quadro de água Residências Unifamiliares Manual para Construção de NICHOS 2010 2 COMUSA Departamento de Projetos e Obras Equipe: Téc. Des. Cristine Berger Téc. Des. Paola Caroline

Leia mais