A Transparência Fiscal e Orçamental. Princípios primordiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Transparência Fiscal e Orçamental. Princípios primordiais"

Transcrição

1 A Transparência Fiscal e Orçamental Princípios primordiais

2 Uma definição Estar aberto ao público sobre a estrutura & funções do Governo, sobre os objectivos da politica orçamental/fiscal e sobre as contas do sector público e as projecções fiscais (Kopits & Craig, 1998); Disponibilizar acesso consistente, abrangente, tempestivo, compreensivel a informações sobre as actividades do Governo.

3 A importância da Transparência Fiscal Cumpre: com o direito constitucional de acesso à informação por parte dos cidadãos; Aumenta: a responsabilização (para e pelo Parlamento/cidadãos) e reduz a corrupção; Melhora: o processo decisional e acelera as medidas correctivas; Dá: Mais credibilidade e apoio às politicas e reduz custos de financiamento

4 A importância da Transparência Fiscal Promove: comportamento consistente ao longo do tempo e politicas sustentáveis; eficiência macro e micro-económica; confiança; justeza. Reforça: reformas da gestão das finanças públicas: financeiras, do gasto público, dos impostos e do quadro fiscal macro. Não: restringe o espaço de decisão do Governo

5 Código de transparência Definição Clara de Funções e Responsabilidades Acesso Público à Informação Abertura na Preparação, Execução, e Prestação de Contas do Orçamento Garantias Independentes de Integridade

6 Definição Clara de Funções e Responsabilidades Acesso Público à Informação Abertura na Preparação, Execução e Prestação de Contas do Orçamento Garantias de Integridade O sector do governo deve ser claramente distinguido do resto da economia e dentro do governo, as funções políticas e de gestão devem ser bem definidas: A estrutura e as func o es do governo devem ser claras. As atribuic o es fiscais dos poderes executivo, legislativo e judicia rio devem ser bem definidas. A divisa o de responsabilidades entre os diferentes ni veis de governo, bem como as relac o es entre eles, devem ser claramente especificadas. As relac o es entre o governo e as empresas pu blicas devem se basear em dispositivos bem definidos. As relac o es entre o governo e o sector privado devem ser conduzidas de forma aberta, com base em normas e procedimentos claros

7 Definição Clara de Funções e Responsabilidades Acesso Público à Informação Abertura na Preparação, Execução e Prestação de Contas do Orçamento Garantias de Integridade A gestão das finanças públicas deve inscrever-se num quadro jurídico e administrativo claro: A arrecadac a o e o gasto de recursos pu blicos devem ser regidos por leis abrangentes, bem como por outras leis, regulamentos e normas administrativas concernentes a s financ as pu blicas. A legislac a o e regulamentac a o aplica vel a arrecadac a o de receitas tributa rias e na o tributa rias devem ser acessi veis, claros e compreensi veis. Os recursos devem ser avaliados em tempo ha bil. As propostas de alterac a o de leis e regulamentos devem ser precedidas por um peri odo apropriado de consultas. Os acordos/contratos entre o governo e as entidades pu blicas ou privadas devem ser claros e acessi veis ao pu blico. A gesta o dos activos e passivos do governo (concessões) deve ter uma fundamentac a o legal so lida..

8 Definição Clara de Funções e Responsabilidades Acesso Público à Informação Abertura na Preparação, Execução e Prestação de Contas do Orçamento Garantias de Integridade O pu blico deve ser informado sobre as actividades fiscais passadas, presentes e programadas e sobre os principais riscos fiscais: A documentac a o orc amental deve: abranger todas as actividades orc amentais e extra-orc amentais do governo central. informac o es compara veis a s do orc amento anual relativamente aos resultados dos dois exerci cios anteriores, juntamente com previso es e ana lises de sensibilidade dos principais agregados orc amenta rios para pelo menos dois exerci cios posteriores ao do orc amento. incluir demonstrativos contendo uma descric a o da natureza e significac a o fiscal das isenções fiscais, dos passivos contingentes e das actividades parafiscais do governo central. a apresentac a o anual do orc amento deve destacar as receitas provenientes das principais fontes de arrecadac a o. ter informac o es sobre o ni vel e a composic a o de sua di vida e de seus ativos financeiros, principais obrigac o es na o relacionadas a di vida

9 Definição Clara de Funções e Responsabilidades Acesso Público à Informação Abertura na Preparação, Execução e Prestação de Contas do Orçamento Garantias de Integridade As informac o es fiscais devem ser apresentadas de uma forma que facilite a ana lise de poli tica econo mica e promova a responsabilizac a o: deve ser amplamente distribui do um guia sinte tico simples e claro sobre o orc amento. Os dados fiscais devem ser divulgados em termos brutos, discriminando receitas, despesas e financiamentos. Os resultados alcanc ados em relac a o aos objetivos dos principais programas devem ser apresentados ao legislativo anualmente. Deve-se assumir o compromisso de divulgar as informac o es orçamentais/fiscais tempestivamente A obrigac a o do governo de divulgar as informac o es tempestivamente deve estar prevista em lei. Os calenda rios antecipados de divulgac a o de informac o es devem ser anunciados e cumpridos.

10 Definição Clara de Funções e Responsabilidades Acesso Público à Informação Abertura na Preparação, Execução e Prestação de Contas do Orçamento Garantias de Integridade A elaborac a o do orc amento deve seguir um cronograma pre -estabelecido e orientar-se por objetivos de poli tica fiscal e macro-econoómica bem definidos: Deve definir um calenda rio orc amental com um prazo razoa vel para que o projeto de orc amento seja analisado pela Assembleia Deve descrever as principais medidas relativas a s despesas e receitas, e apresentar estimativas do seu impacto, e deve ser preparado e apresentado no contexto de um quadro de me dio prazo A documentac a o do orc amento deve incluir uma avaliac a o da sustentabilidade fiscal. Devem ser institui dos procedimentos claros de execuc a o, seguimento e reporte de dados do orc amento: Apresentando ao legislativo relato rios trimestrais sobre a execuc a o orc amental. As contas definitivas auditadas e os relato rios de auditoria, bem como a conciliac a o com o orc amento aprovado, devem ser apresentados ao legislativo e publicados no prazo de um ano.

11 Definição Clara de Funções e Responsabilidades Acesso Público à Informação Abertura na Preparação, Execução e Prestação de Contas do Orçamento Garantias de Integridade As informac o es fiscais devem satisfazer normas de qualidade de informac o es: As previso es e actualizac o es orc amentais devem reflectir as tende ncias recentes da receita e da despesa, a evoluc a o da conjuntura macro-económica Os dados contidos nos relato rios fiscais devem ser internamente coerentes e conciliados com informac o es relevantes de outras fontes As actividades orçamentais devem seguir procedimentos internos de supervisa o e salvaguarda: Os regulamentos sobre as licitações pu blicas devem obedecer a s normas internacionais. A compra e venda de bens pu blicos deve ser realizada de forma transparente, e publicitadas. As actividades do governo devem ser objeto de auditoria interna, e os procedimentos de auditoria devem ser passi veis de exame.

12 Definição Clara de Funções e Responsabilidades Acesso Público à Informação Abertura na Preparação, Execução e Prestação de Contas do Orçamento Garantias de Integridade As informac o es fiscais devem ser objecto de escruti nio externo : As financ as e poli ticas pu blicas devem ser objecto de escruti nio pelo Tribunal de Contas. O Tribunal de Contas, deve apresentar todos os relato rios ao legislativo, inclusive seu relato rio anual, e publica -los. Devem ser institui dos mecanismos de seguimento das medidas correctivas. Deve-se solicitar a peritos independentes que avaliem as projecc o es fiscais, as projec o es macro-económicas nas quais elas sa o baseadas e as hipo teses subjacentes. Deve-se conceder a um o rga o nacional de estati stica a autonomia institucional para avaliar a qualidade das informac o es fiscais.

13 Limitações à transparência - 1 Processos Abrangência Transparência Previsão macroeconómica e fiscal (PIB, receitas internas, déficits, financiamento, poupança e investimentos) QDMP Qualidade e confiabilidade das estimativas Cobertura inadequada e utilização dos recursos externos como tectos As estimativas podem ser avaliadas e verificadas por peritos independentes? A maioria das partes interessadas não comprende os parâmetros e nem a natureza das projecções A base das alocações não são suficientemente explicadas Ligação inadequada entre os tectos, os programas e os resultados

14 Limitações à transparência - 2 Processos Abrangência Transparência Formulação das prioridades do gasto público e estimativas orçamentais Escrutínio orçamental inadequado de fundos extr a-orçamentais e dos potenciais projectos financiados pela APD Projetos não capturados p elo orçamento aprovado. O documento de política orçamental e fiscal não tem a necessária profundidade de análise Falta às propostas a ligação com a política sectorial Ligação fraca entre as previsõe orçamentais e os resultados Stakeholders principais pouco envolvidos no processo de prioritização. Informaçõa inadequada para avaliar a propriedade das intenções e confiabilidade das previsões Análise reduzida por parte dos stakeholders, devido ao não acesso ou acesso tardio à informação ou devido formato muito técnico. Não cumprimento do calendário orçamental

15 Limitações à transparência - 3 Processos Abrangência Transparência Seguimento /avaliação política (da execução orçamental) Informação inadequada sobre a execução das despesas, o desempenho dos serviços e os produtos produzidos Os Stakeholders não têm acesso a toda informação ou a informação não é tempestiva, não permitindo detectar irregularidades potenciais As auditorias e outros relatórios não são acessiveis ou não são publicados atempadamente

16 Lições aprendidas Um quadro legal é necessário mas não é condição suficiente São necessários incentivos para promover o cumprimento construtivo das regras A integridade e a confiança são essenciais para o sistema funcionar Dados/documentação de qualidade e tempestivos são fundamentais Mas o engajamento politico e esforços para fazer cumprir as regras são fundamentais

17 Manual de Transparencia Fiscal do FMI

18 OBRIGADO Claudino Semedo

SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP

SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 RESUMO DO PROJETO 05 I. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJETO NO PLANEJAMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 05 II. DIAGNÓSTICO 06 III. JUSTIFICATIVA 06

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro: as regras fiscais necessárias FGV SP

O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro: as regras fiscais necessárias FGV SP O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro: as regras fiscais necessárias FGV SP 1º de junho de 2015 Marcos Mendes Consultor Legislativo do Senado Editor do site Brasil, Economia e Governo As regras criadas

Leia mais

SEMINÁRIO COSEMS PI Os instrumentos orçamentários e do planejamento do SUS

SEMINÁRIO COSEMS PI Os instrumentos orçamentários e do planejamento do SUS SEMINÁRIO COSEMS PI Os instrumentos orçamentários e do planejamento do SUS Gestão: Mauro Guimarães Junqueira Secretário de São Lourenço e Presidente do COSEMS/MG Paola Soares Motta e Douglas Moreira Dias

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 Lei 12.114/2009 Lei 12.114/2009 Art. 5º Os recursos do FNMC serão aplicados: I - em apoio financeiro reembolsável mediante concessão de empréstimo,

Leia mais

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de

Leia mais

Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil

Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil versão 1.0 Belo Horizonte Julho - 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA...

Leia mais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais Comité Nacional de EITI Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais -2020 OBJETIVO GERAL De acordo com as Normas de EITI de 2016, requisito 2.5 referente a "Beneficial Ownership" (Beneficiários Reais),

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS. Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas

CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS. Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas CORPORATE GOVERNANCE E O PAPEL DAS AUDITORIAS Dr. Rui Leão Martinho Bastonário Ordem dos Economistas CORPORATE GOVERNANCE Conjunto de mecanismos, processos e relações através dos quais as diferentes empresas

Leia mais

EDITAL Nº 001/2016 CHAMADA PARA APRESENTAÇA O DE POEMAS E CONTOS OU CRÔNICAS

EDITAL Nº 001/2016 CHAMADA PARA APRESENTAÇA O DE POEMAS E CONTOS OU CRÔNICAS EDITAL Nº 001/2016 CHAMADA PARA APRESENTAÇA O DE POEMAS E CONTOS OU CRÔNICAS 1º CONCURSO DE POEMAS & CONTOS OU CRÔNICAS - EVENTO CULTURAL- SARAU LITERÁRIO O IFAM CAMPUS TEFÉ, com o apoio da Pró - Reitoria

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE

BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE A MUDANÇA Mudança no Padrão de Procura Mudança no Padrão Demográfico e de Longevidade Mudança nos Factores de Risco Novas Expectativas

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Revisão da LFL: áreas críticas e tipos de solução. Rui Nuno Baleiras Vogal Executivo Conselho das Finanças Públicas

Revisão da LFL: áreas críticas e tipos de solução. Rui Nuno Baleiras Vogal Executivo Conselho das Finanças Públicas Revisão da LFL: áreas críticas e tipos de solução Rui Nuno Baleiras Vogal Executivo Conselho das Finanças Públicas Palácio Foz Lisboa, 16 de Novembro de 2012 Intervenção integrada na cerimónia de assinatura

Leia mais

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Conceitos básicos do orçamento no setor público: ciclo orçamentário e instrumentos Fábio Pereira dos Santos As origens históricas do orçamento público Século

Leia mais

Valéria Salgado Gerente de Projeto Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Valéria Salgado Gerente de Projeto Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Reforma do Estado Principais Aspectos Valéria Salgado Gerente de Projeto Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ideal de Estado que orienta as políticas de gestão do Governo

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5 Recomendação Técnica n.º 5 Revisão de Demonstrações Financeiras Intercalares Janeiro de 1988 Índice Julho de 1993 (1ª Revisão) Parágrafos Introdução 1-3 Justificação 4-5 Objectivos 6-8 Recomendações 9-17

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

3) Reavaliar e reduzir o quantitativo de imóveis locados atualmente pela Prefeitura Municipal, reavaliando todos os contratos vigentes;

3) Reavaliar e reduzir o quantitativo de imóveis locados atualmente pela Prefeitura Municipal, reavaliando todos os contratos vigentes; PROPOSTAS DO OBSERVATO RIO SOCIAL DE PORTO SEGURO (OSPS) AO PROGRAMA DE GOVERNO DOS CANDIDATOS AO CARGO DE PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO SEGURO - ELEIC O ES DE 2016. Racionalização de Despesas 1) Reavaliar

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO CSA º C01-C /2 INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO CSA º C01-C /2 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

O Estado de Bem-estar Social no Brasil

O Estado de Bem-estar Social no Brasil O Estado de Bem-estar Social no Brasil Conceição Sampaio Deputada Federal Presidente da Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados Conceito de Cidadania na Constituição Federal de 1988 Nos termos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAC A O DE SUPORTE AO PROCESSO DECISO RIO TA TICO E ESTRATE GICO (SAD, SIG, EIS)

SISTEMAS DE INFORMAC A O DE SUPORTE AO PROCESSO DECISO RIO TA TICO E ESTRATE GICO (SAD, SIG, EIS) Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação SISTEMAS DE INFORMAC A O DE SUPORTE AO PROCESSO DECISO RIO TA TICO E ESTRATE GICO (SAD, SIG, EIS) Sistemas de Apoio à Decisão COM10016-2016-II Prof.

Leia mais

ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial

ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial Credenciais dos patrocinadores Análise de risco do país Credibilidade do estudo de viabilidade e plano de negócios (incluindo

Leia mais

A) a perícia contábil judicial pode ser realizada por um técnico de contabilidade devidamente registrado em Conselho Regional de Contabilidade.

A) a perícia contábil judicial pode ser realizada por um técnico de contabilidade devidamente registrado em Conselho Regional de Contabilidade. Questão 01 (Enade 2009) Leia o trecho: Em relação a esse assunto, é CORRETO afirmar que A) a perícia contábil judicial pode ser realizada por um técnico de contabilidade devidamente registrado em Conselho

Leia mais

Prefeitura Municipal de Votorantim

Prefeitura Municipal de Votorantim PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 013/2016 PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 006/2016 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2017 e dá outras providências. ERINALDO ALVES DA SILVA, PREFEITO

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

PLANO TRIENAL 2008/2010

PLANO TRIENAL 2008/2010 Tribunal de Contas PLANO TRIENAL 2008/2010 (EXTRACTO) Departamento de Consultadoria e Planeamento LISBOA / 2007 ÍNDICE 1 Missão do Tribunal de Contas... 3 2. Valores... 3 3. Visão... 3 4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E AS IPSAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E AS IPSAS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E AS IPSAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E AS IPSAS Livro lançado neste Seminário CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público sob a Ótica das IPSAS: Um Estudo Comparativo Alexandre Costa Quintana Comissão

Leia mais

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza jurídica, objetivos, área de competência e instrumentos

Leia mais

LEI DAS FINANÇAS PÚBLICAS: SUBSTITUTIVO AO PLS 229/2009

LEI DAS FINANÇAS PÚBLICAS: SUBSTITUTIVO AO PLS 229/2009 LEI DAS FINANÇAS PÚBLICAS: SUBSTITUTIVO AO PLS 229/2009 SENADOR RICARDO FERRAÇO (PMDB- ES) Helio Tollini Consultor de Orçamento Câmara dos Deputados 23 de setembro de 2015 PROBLEMAS OBSERVADOS COM O MARCO

Leia mais

A NOVA LEI COMPLEMENTAR DAS FINANÇAS PÚBLICAS E OUTRAS

A NOVA LEI COMPLEMENTAR DAS FINANÇAS PÚBLICAS E OUTRAS FGV/EESP CLEAR, STN, Embaixada Britânica e PNUD Seminário Qualidade do Gasto Público no Brasil ESAF, 14 de fevereiro de 2017 A NOVA LEI COMPLEMENTAR DAS FINANÇAS PÚBLICAS E OUTRAS PROPOSTAS PARA A MELHORIA

Leia mais

Dispõe sobre a utilização de aplicativos para a prestação do transporte individual e remunerado de passageiros táxi.

Dispõe sobre a utilização de aplicativos para a prestação do transporte individual e remunerado de passageiros táxi. PARECER N.º /2015 - CEOF DA COMISSÃO DE ECONOMIA, ORÇAMENTO E FINANÇAS, sobre o PROJETO DE LEI N.º 282, de 2015, que Dispõe sobre a utilização de aplicativos para a prestação do transporte individual e

Leia mais

Eu é que sou o benfeitor!!!

Eu é que sou o benfeitor!!! Eu é que sou o benfeitor!!! PODERES TRIBUTÁRIOS & BENEFÍCIOS FISCAIS AUTÁRQUICOS 2 Benefícios fiscais Eu é que sou o benfeitor!!! Poderes tributários Poder(es) financeiro(s) Poderes tributários autárquicos:

Leia mais

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha Pulo do Gato Receita Federal Graciano Rocha Edital RFB 2012 e 2014 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:1. Organização do Estado e da Administração Pública. 2. Modelos teóricos de Administração Pública: patrimonialista,

Leia mais

Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares. TI TULO II Do Processo Seletivo. TI TULO III Da Matri cula

Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares. TI TULO II Do Processo Seletivo. TI TULO III Da Matri cula REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAC A O BACHARELADO E LICENCIATURA E GRADUAC A O TECNOLO GICA DA FACULDADE PAULUS DE COMUNICAÇÃO. Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Normativo Interno Nº Páginas 12 (Doze) Caráter Data da Aprovação Promotor: Aprovado por: Política de Responsabilidade Socioambiental 30/09/2.015 Departamento

Leia mais

COMPROMISSO PARA A SUSTENTABILIDADE E O DESENVOLVIMENTO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

COMPROMISSO PARA A SUSTENTABILIDADE E O DESENVOLVIMENTO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE COMPROMISSO PARA A SUSTENTABILIDADE E O DESENVOLVIMENTO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2016-2018 fevereiro 2016 Conteúdos Princıṕios Gerais 3 Acesso, Inovaça o e Sustentabilidade 5 Utilizaça o Racional do

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

EDITAL DA SELEC A O 2018 PARA O MESTRADO E O DOUTORADO

EDITAL DA SELEC A O 2018 PARA O MESTRADO E O DOUTORADO EDITAL 456/2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PO S-GRADUAC A O EM ECONOMIA POLI TICA INTERNACIONAL AV. PASTEUR 250 PRAIA VERMELHA CEP 22.290-902 RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL Tel 55 (21)

Leia mais

PRESENTEIE COM SEU FAMCARD

PRESENTEIE COM SEU FAMCARD REGULAMENTO DA CAMPANHA PROMOCIONAL DE NATAL PRESENTEIE COM SEU FAMCARD 3213-3753 E-mail: fundacao@fundacaoprotocantins.org / www.fundacaoprotocantins.org Suma rio 1 INTRODUÇA O Objetivos 2 2 - REGULAMENTO

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

Fı sica Experimental IV

Fı sica Experimental IV E rica Polycarpo Sandra Amato Instituto de Fı sica Universidade Federal do Rio de Janeiro com base no material do curso / 2/ E rica Polycarpo - poly@if.ufrj.br - sala A-30 Pa gina do curso: http://www.if.ufrj.br

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

EDITAL Nº 004/CTAG, DE 26 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAC A O DE PROFESSOR SUBSTITUTO

EDITAL Nº 004/CTAG, DE 26 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAC A O DE PROFESSOR SUBSTITUTO EDITAL Nº 004/CTAG, DE 26 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAC A O DE PROFESSOR SUBSTITUTO O DIRETOR GERAL DO CAMPUS TAGUATINGA, nomeado pela Portaria N 1374, de 09 de SETEMBRO

Leia mais

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios Anexo 4 Termo de Referência do Plano de Negócios I. Introdução 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo orientar as Proponentes na elaboração de seu Plano de Negócios, conforme definido no Edital,

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático 1. Introdução 1.1 Objetivos do capítulo 1.2 Conceitos fundamentais de economia 1.2.1 Conceito de economia 1.2.2 A escassez da teoria econômica 1.2.3 Os bens econômicos 1.2.4 A curva

Leia mais

Lei n.º /2015. de de

Lei n.º /2015. de de Lei n.º /2015 de de Considerando o impacto significativo que as alterações do comportamento do preço do barril de petróleo no mercado internacional têm, ao nível das finanças públicas e do mercado cambial,

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO. Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007

SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO. Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007 SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007 Premissas na estruturação do regime complementar Criar um regime previdenciário orientado principalmente

Leia mais

Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática. Cristiano Seguecio 21/10/2015

Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática. Cristiano Seguecio 21/10/2015 Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática Cristiano Seguecio 21/10/2015 Agenda Introdução NBC TA 800 - Alcance, objetivos, requisitos, relatórios e exemplos NBC TA 805 - Alcance,

Leia mais

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas políticas e critérios contabilísticos

Leia mais

O Orçamento Geral do Estado e a Programação Macroeconómica

O Orçamento Geral do Estado e a Programação Macroeconómica O Orçamento Geral do Estado e a Programação Macroeconómica 1 Enquadramento 1. O Orçamento Geral do Estado é o documento que consolida o exercício previsional de todas a receitas e de todas as receitas

Leia mais

LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Aspectos Operacionais. Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças

LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Aspectos Operacionais. Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal Aspectos Operacionais Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças Edsonn@fazenda.gov.br Aspectos Operacionais da LC 101 1. Introdução Após a fase de entendimentos

Leia mais

Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas

Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL DE CONCILIAÇÃO Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas Decreto-lei nº201/2004, de 18 de Agosto ORIGEM O Procedimento Extrajudicial de Conciliação foi inicialmente

Leia mais

Portugal: crescimento moderado, mas estável, no 3T14

Portugal: crescimento moderado, mas estável, no 3T14 out 1 ANÁLISE MACROECONÓMICA Portugal: crescimento moderado, mas estável, no 3T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Pablo Budde / Ana María Almeida Claudino O modelo MICA-BBVA

Leia mais

SISTAFE SISTAFE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO. Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004

SISTAFE SISTAFE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO. Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004 1 Objectivos Estabelecer e harmonizar regras e procedimentos de programação, gestão, execução, controlo

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

Code-P0. Copa 2014. Situação das ações do Governo Brasileiro. Brasília, 2 de junho de 2011

Code-P0. Copa 2014. Situação das ações do Governo Brasileiro. Brasília, 2 de junho de 2011 Code-P0 Copa 2014 Situação das ações do Governo Brasileiro Brasília, 2 de junho de 2011 Code-P1 O que o Brasil quer com a Copa do Mundo FIFA Mobilizar o país Promover o país no mundo Constituir arenas

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

POLÍTICAS CONTÁBEIS, MUDANÇA DE ESTIMATIVA E RETIFICAÇÃO DE ERRO. Prof. Sérgio Adriano

POLÍTICAS CONTÁBEIS, MUDANÇA DE ESTIMATIVA E RETIFICAÇÃO DE ERRO. Prof. Sérgio Adriano POLÍTICAS CONTÁBEIS, MUDANÇA DE ESTIMATIVA E RETIFICAÇÃO DE ERRO POLÍTICAS CONTÁBEIS, MUDANÇA DE ESTIMATIVA E RETIFICAÇÃO DE ERRO 1. OBJETIVO O objetivo do CPC 23 é melhorar a relevância e a confiabilidade

Leia mais

Marcos Regulatórios. Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal

Marcos Regulatórios. Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Marcos Regulatórios Claudio J. D. Sales Diretor Presidente Instituto

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.415, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1568 *Revogada pela Lei nº 2.735, de 4/07/2013. Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Estadual, e adota outras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira Vale a pena ser consultora? Qual meu retorno financeiro? O que é Administração financeira? É uma ferramenta ou técnica utilizada para identificar a realidade da empresa, contas

Leia mais

Regulação e Contratualização

Regulação e Contratualização Regulação e Contratualização Data: 3/1/2005 Autor: Ana Cristina Portugal, Ana Paula Pereira, Dídia Eusébio, Eduardo Carlos Noronha, Margarida Baltazar (mbaltazar@alunos.ensp.unl.pt) Num cenário de mudança,

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS. 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade

SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS. 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade Instituto Politécnico de Leiria (E.S.T.G.) Departamento de Gestão e Economia 4 de Novembro 2016 OE 2017 CENÁRIO MACRO-ECONÓMICO FMI

Leia mais

ITG 1000 Contabilidade para PMEs: Opção e alterações práticas

ITG 1000 Contabilidade para PMEs: Opção e alterações práticas ITG 1000 Contabilidade para PMEs: Opção e alterações práticas Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida jose.e.almeida@ufes.br Doutor em Contabilidade e Controladoria pela FEA/USP Professor Mestrado em Ciências

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS FUNDOS DE PENSÕES

RELATO FINANCEIRO DOS FUNDOS DE PENSÕES NORMA REGULAMENTAR N.º 7/2010-R, DE 4 DE JUNHO RELATO FINANCEIRO DOS FUNDOS DE PENSÕES Nos termos do n.º 3 do artigo 64.º do Decreto-Lei n.º 12/2006, de 20 de Janeiro, compete ao Instituto de Seguros de

Leia mais

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica. Maio de 2015

Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica. Maio de 2015 Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica Maio de 2015 Do que estamos falando? SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2- FUNDAMENTOS DO PE 2.1. Conceito 2.2. Origem, Função e Características 3

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006

Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006 Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006 DOU de 5.10.2006 Dispõe sobre a auditoria de sistemas informatizados de controle aduaneiro, estabelecidos para os recintos alfandegados e para os

Leia mais

DESPACHO. Considerando que a atividade de voluntariado configura uma forma adequada de obtenção de formação cultural, social e ética;

DESPACHO. Considerando que a atividade de voluntariado configura uma forma adequada de obtenção de formação cultural, social e ética; DESPACHO Considerando que no âmbito dos planos de estudos de diversos cursos ministrados pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa encontram se previstas unidades curriculares de Formação Cultural,

Leia mais

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Capítulo I INTRODUÇÃO Dos Princípios Art.1º- Este regulamento estabelece normas para a aquisição e alienação de bens e para a contratação de obras e serviços

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 Regulamento Municipal orçamento participativo de Lagoa NOTA JUSTIFICATIVA A implementação do primeiro orçamento participativo em Lagoa vai buscar

Leia mais

TRIBUNAL ADMINISTRATIVO

TRIBUNAL ADMINISTRATIVO REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Public Disclosure Authorized TRIBUNAL ADMINISTRATIVO CONTADORIA DE CONTAS E AUDITORIAS Public Disclosure Authorized RELATÓRIO DE AUDITORIA FINANCEIRA Realizada ao Projecto Agricultural

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 973/2010. (publicada no DOAL nº 9757, de 14 de maio de 2010) Dispõe sobre a concessão e pagamento

Leia mais

ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS PROJETOS DE LEI QUE CUIDAM DA ADOÇÃO DE MENORES E ADOLESCENTES

ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS PROJETOS DE LEI QUE CUIDAM DA ADOÇÃO DE MENORES E ADOLESCENTES ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS PROJETOS DE LEI QUE CUIDAM DA ADOÇÃO DE MENORES E ADOLESCENTES RONALDO MARTON Consultor Legislativo da Área III Tributação, Direito Tributário NOVEMBRO/2005 Ronaldo Marton 2 2005

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO MENSAL E TRIMESTRAL

PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO MENSAL E TRIMESTRAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTERIO DE FINANÇAS E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DIRECÇÃO DE CONTABILIDADE PUBLICA SEMINARIO SOBRE A RESPONSABILIZAÇÃO FINANCEIRA E PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO

Leia mais

ÉTICA 28/07/16 CONCEBIDO PELA OCAM

ÉTICA 28/07/16 CONCEBIDO PELA OCAM ÉTICA 28/07/16 CONCEBIDO PELA OCAM PLANO DE APRESENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. ÉTICA E DEONTOLOGIAS PROFISSIONAL 3. Proposta do Código de ética e Deontologia Profissional da OCAM 4. Salvaguardas e Ameaças ÉTICA

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

!"# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social.

!# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social. Grupo Parlamentar!"# $% O sistema público de segurança social, universal e solidário, está a ser fortemente questionado, pelas condições da intensa globalização neoliberal, das transformações operadas

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários. Acções obrigatórias

Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários. Acções obrigatórias Acções obrigatórias Na fase inicial Durante a execução Na fase de encerramento Especificações de execução Inclusão na lista de beneficiários para publicitação por parte da Autoridade de Gestão, nos termos

Leia mais

Consórcios Públicos. Características da Federação brasileira: município como ente federativo;

Consórcios Públicos. Características da Federação brasileira: município como ente federativo; Consórcios Públicos Consórcios Públicos Características da Federação brasileira: município como ente federativo; Consórcios Públicos: conceito, objetivos e características da nova legislação; Breve panorama

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

Estrutura de gerenciamento do risco de mercado

Estrutura de gerenciamento do risco de mercado 1. Sistema Sicoob Estrutura de gerenciamento do risco de mercado A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 2. Principais competências dos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO TRIBUNAL MARÍTIMO

TRIBUNAL MARÍTIMO TRIBUNAL MARÍTIMO Art. 1 o - O Tribunal Mari timo, com jurisdic a o em todo o territo rio nacional, o rga o auto nomo, auxiliar do Poder Judicia rio, vinculado ao Ministe rio da Marinha no que se refere ao provimento de

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 957/XII APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II 1-Têm vindo a ser aprovadas

Leia mais

Versa o nov-14

Versa o nov-14 Versa o 006 18-nov-14 Curso de Po s-graduac a o em Ni vel de Especializac a o LATO SENSU ADMINISTRAC A O FINANCEIRA A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e prover permanentemente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO ZÊZERE RELATÓRIO E CONTAS No cumprimento das disposições

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas Profa.: Patrícia Siqueira Varela Receita Pública Conceito: todo e qualquer recolhimento feito aos cofres públicos. Receita Orçamentária:

Leia mais

Políticas Operacionais

Políticas Operacionais Pág. 1 de 5 Recursos Culturais Físicos Nota: A OP e a BP 4.11 baseiam-se na Revised Draft Operational Policy/Bank Procedure 4.11 (Política Operacional Preliminar Revista/Procedimento Bancário 4.11): O

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais