DIREX Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREX Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação"

Transcrição

1 Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação Coordenação-Geral de Custos de Infraestrutura de Transportes Diretoria Executiva

2 Legislação Aplicada Lei , de 5 de agosto de Estabelece o Regime Diferenciado de Contratação (RDC) para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016 e a obras em aeroportos das capitais dos estados da federação distantes até 350 quilômetros das cidades sedes; Lei / Estende o RDC às ações integrantes do PAC Medidas integrantes do PAC - Decreto 6.025/2007; Lei / Estende o RDC às obras e serviços de engenharia no âmbito dos sistemas públicos de ensino; Lei / Estende o RDC às obras e serviços de engenharia no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS; Medidas Provisórias 595/2012 e 600/ Estende o RDC às obras de dragagem e de aeródromos.

3 Legislação Aplicada Contratação Integrada Definição do conceito de orçamento estimado para anteprojeto (Art. 9º, 2º, II, Lei /2011) Art. 9º Nas licitações de obras e serviços de engenharia, no âmbito do RDC, poderá ser utilizada a contratação integrada, desde que técnica e economicamente justificada e cujo objeto envolva, pelo menos, uma das seguintes condições: 2º No caso de contratação integrada: II - O valor estimado da contratação será calculado com base nos valores praticados pelo mercado, nos valores pagos pela administração pública em serviços e obras similares ou na avaliação do custo global da obra, aferida mediante orçamento sintético ou metodologia expedita ou paramétrica.

4 Legislação Aplicada Acórdão 1.184/2013-TCU-Plenário Sempre que o anteprojeto, por seus elementos mínimos, assim o permitir, as estimativas de preço a que se refere o Art. 9º, 2º, inciso II, da Lei /2011 devem se basear em orçamento sintético tão detalhado quanto possível, balizado pelo SINAPI e/ou SICRO, devidamente adaptadas às condições peculiares da obra, conforme o caso, devendo a utilização de estimativas paramétricas e a avaliação aproximada baseada em outras obras similares serem realizadas somente nas frações do empreendimento não suficientemente detalhadas pelo anteprojeto, em prestígio ao que assevera o art. 1º, 1º, inciso IV c/c art. 8º, 3º e 4º, todos da Lei /2011.

5 Legislação Aplicada Instrução de Serviço nº 17/2013 Os orçamentos dos anteprojetos poderão ser estimados por meio das seguintes metodologias: a) De forma determinística, quando disponíveis quadro de quantidades de serviços e preços unitários; b) Estimativa do valor global da obra por meio de comparação com obras similares; c) Adoção de custos médios por família ou por tipo de empreendimento; d) Custo paramétrico por família ou por quilômetro; e) Extrapolação da faixa A da Curva ABC.

6 Legislação Aplicada Instrução de Serviço nº 17/2013 Dessa forma, poderão ser adotados os seguintes elementos: a) Composições de custos unitários; b) Cotações de preços para execução total ou parcial de serviços; c) Tabelas de custos referenciais advindas de outras fontes e sistemas de custos; d) Catálogo de soluções de engenharia; e) Série histórica de contratos.

7 Legislação Aplicada Instrução de Serviço nº 17/2013 O anteprojeto de engenharia pressupõe a elaboração de nota explicativa do orçamento estimado, apresentado todos os critérios utilizados e abordando os seguintes itens: Demandas ambientais; Elaboração do Projeto Básico/Executivo; Procedimentos de reassentamento de famílias afetadas; Remanejamento de serviços públicos (devidamente justificados e especificados no termo de referência); Execução das obras; Outros serviços de engenharia; Outros custos. A nota técnica do orçamento não comporá a documentação mínima do processo de licitação e tem por objetivo fins de auditoria.

8 Orçamentos Determinísticos Os orçamentos determinísticos são aqueles definidos em função de quadro de quantidades de serviços e preços unitários, em consonância aos preceitos preconizados na Lei 8.666/1993. A elaboração de orçamentos determinísticos pressupõe o conhecimento da realidade local em nível de projeto básico e/ou executivo, com a definição de distâncias de transporte de insumos e de composições de custos unitários. A elaboração de orçamentos determinísticos mostrar-se-á interessante em condições de aproveitamento de projetos básicos ou executivos desatualizados ou da existência de equipes técnicas capazes de detalhar o projeto em profundidade, conforme metodologia desenvolvida e adotada pela Coordenação-Geral de Desenvolvimento de Projetos.

9 Parametrização de Custos a) Etapas da Parametrização 1) Pesquisa Realização de pesquisa bibliográfica; 2) Coleta de dados dos contratos no Sistema de Acompanhamento de Contratos do DNIT SIAC 2.1) Elaboração do banco de dados Geral (Obras de implantação, duplicação, melhoramentos e adequação de capacidade) Restauração Manutenção e Conservação Obras de Arte Especiais (Túneis, pontes e passarelas) Demais modais

10 Parametrização de Custos a) Etapas da Parametrização 2) Coleta de dados dos contratos no Sistema de Acompanhamento de Contratos do DNIT SIAC 2.2) Inserção de dados dos contratos Cadastramento dos contratos em Excel Cadastramento dos dados das planilhas no Banco de Dados, incluindo toda a caracterização das obras, identificação dos serviços mais recorrentes das famílias, distribuição do valor global dos contratos entre as famílias e detalhamento dos quantitativos de terraplenagem Reajustamento de todos os valores para uniformização da base (Novembro de 2013)

11 Parametrização de Custos a) Etapas da Parametrização 3) Tratamento dos dados 3.1) Análise e preenchimento de falhas dos dados do SIAC 3.2) Homologação da base de dados 4) Análises estatísticas 4.1) Organização dos dados 4.2) Análise preliminar (Valores médios, máximos e mínimos, com exclusão de extremos - Box Plot) 4.3) Análise final 4.4) Revisão 5) Proposição da metodologia e elaboração do manual 6) Gerenciamento e retroalimentação da base de dados.

12 Parametrização de Custos b) Aplicação Intervenções Quantidade de contratos 1. ADEQUAÇÃO DE OAE 6 2. ADEQUAÇÃO-DUPL. REST ADEQUAÇÃO-REST.MELH CONSTR. CONT. T.URB.AC.EM P.SIMPLES CONSTRUÇÃO DE OAC 4 6. CONSTRUÇÃO DE OAE CREMA 1ª ETAPA PISTA DUPLA 9 8. CREMA 1A ETAPA PISTA SIMPLES falta fazer pastas DUPLICAÇÃO DUPLICAÇÃO.RESTAURAÇÃO ELIMINAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOSfalta IMP. PAV PISTA DUPLA IMP. PAV PISTA SIMPLES IMPLANTAÇÃO DE PISTA SIMPLES PAVIMENTAÇÃO SIMPLES RECUPERAÇÃO DE OAC RECUPERAÇÃO DE OAE RESTAURAÇÃO DE PISTA SIMPLES RESTAURAÇÃO DE PISTA DUPLA RESTAURAÇÃO.MELHORAMENTO 23 TOTAL 621

13 Parametrização de Custos b) Aplicação

14 Parametrização de Custos b) Aplicação Resultados preliminares Região Nordeste Gráfico simplificado Preço das etapas por km Num Terraplenagem Pav Flexivel Prot Amb Outros Terraplenagem Pav Flexivel Prot Amb Outros 1 15,47% 33,18% 12,90% 38,45% R$ ,32 R$ ,51 R$ ,18 R$ , ,21% 15,39% 4,68% 38,72% R$ 5.474,59 R$ ,25 R$ ,66 R$ , ,48% 29,74% 6,84% 21,94% R$ ,88 R$ ,91 R$ ,74 R$ , ,18% 21,11% 11,12% 27,60% R$ ,54 R$ ,63 R$ ,09 R$ , ,48% 26,06% 3,67% 36,79% R$ ,88 R$ ,52 R$ ,96 R$ , ,54% 29,38% 7,70% 26,39% R$ 8.114,56 R$ ,40 R$ ,31 R$ ,54 MAIOR 41,48% 33,18% 12,90% 38,72% R$ ,88 R$ ,63 R$ ,09 R$ ,24 MENOR 15,47% 15,39% 3,67% 21,94% R$ 5.474,59 R$ ,40 R$ ,31 R$ ,54 MÉDIA 34,73% 25,81% 7,82% 31,65% R$ ,63 R$ ,20 R$ ,32 R$ ,98 MEDIANA 38,36% 27,72% 7,27% 32,19% R$ ,10 R$ ,89 R$ ,92 R$ ,63 DESVIO PADRÃO 9,93% 6,53% 3,60% 7,22% 7.258, , , ,96 σ/ẋ 28,60% 25,30% 46,03% 22,83% 53,89% 77,81% 124,66% 80,62%

15 Parametrização de Custos b) Aplicação Distribuição por Etapas Região Nordeste

16 Parametrização de Custos b) Aplicação Tratamento Estatístico e Validação das Hipóteses Teste Proteção Ambiental Num Região Contrato Xi Xi (xi - μ)² N-i+1 X(N-i+1) X(N-i+1)-Xi ai ai*(n-i+1)*x(n-i+1) Zi f(z) 1 Norte / , , , , ,84 0, ,0873-1,42 0,15 2 Norte / , , , , ,24 0, ,8584-1,00 0,24 3 Nordeste / , , , , ,59 0, ,5703-0,92 0,26 4 Centro-Oeste /2002 0, , , , ,81 0, ,7605-0,87 0,27 5 Centro-Oeste / , , , , ,96 0, ,3933-0,82 0,29 6 Sudeste / , , , , ,69 0, ,6401-0,80 0,29 7 Sudeste / , , , , ,25 0, ,5485-0,77 0,30 8 Sudeste / , , , , ,60 0, ,5754-0,74 0,30 9 Sudeste / , , , , ,24 0, ,9685-0,43 0,36 10 Nordeste / , , , ,33 0,38 11 Nordeste / , , ,68 9-0,02 0,40 12 Nordeste / , , ,38 8 0,29 0,38 13 Sudeste / , , ,43 7 0,57 0,34 14 Sudeste / , , ,75 6 0,62 0,33 15 Sudeste / , , ,18 5 b = ,4023 0,74 0,30 16 Sudeste / , , ,00 4 b² = ,0792 0,96 0,25 17 Sul / , , ,07 3 W = 0,9236 1,24 0,19 18 Sul / , , ,63 2 W(0,05;21) = 0,9010 1,69 0,10 19 Sul / Centro-Oeste /2002 0,00 21 Centro-Oeste /2004 0,00 22 Centro-Oeste / ,56 23 Centro-Oeste / ,65 24 Nordeste / ,96 25 Sul / ,12 26 Nordeste / , , , ,71 1 Aceita H0? aceita 2,00 0,05 MAIOR , ,48 MENOR ,12 MÉDIA (μ) ,31 MEDIANA ,13 DESVIO PADRÃO (σ) ,20 Variância (σ²) ,64 σ/(μ) 55,22%

17 f(zi) Parametrização de Custos b) Aplicação Tratamento Estatístico e Validação das Hipóteses,45000 T3.2 - CURVA NORMAL PADRÃO,4000,35000,3000,25000,2000,15000,1000,05000,000-2, , , , , 0 0 0, , , , , Zi

18 Parametrização de Custos c) Metodologia Terraplenagem: Utilização de software de estudos de traçados terrestres - QUANTM/TRIMBLE. Entradas: Modelo digital de terreno (MDT); Parâmetros geométricos; Parâmetros geotécnicos; Objetos geográficos (restrições e obrigatoriedades); Parametrização de custos para os serviços de escavação de materiais, momentos de transporte e execução de aterros (Custos definidos em função da série histórica de distâncias médias de transporte e de categorias de materiais.

19 Parametrização de Custos c) Metodologia Terraplenagem: Utilização de software de estudos de traçados terrestres - QUANTM/TRIMBLE.

20 Parametrização de Custos c) Metodologia Terraplenagem: Utilização de software de estudos de traçados terrestres - QUANTM/TRIMBLE. Saídas: Sugestões de traçados (1º processamento). Em caso de duplicação ou adequação de capacidade, o traçado deverá ser estabelecido utilizando a faixa de domínio da rodovia; Definição dos volumes de movimentação de terra (cortes, aterros e momentos de transporte); Definição dos pontos de obras de arte especiais e correntes; Ajuste do custo por metro cúbico em função de restrições do momento de transporte do software.

21 Parametrização de Custos c) Metodologia Pavimentação: Definição de solução de pavimentação, envolvendo a proposição de sub-base, base e revestimento, com estimativa da natureza e distância de transporte dos insumos. A continuidade de segmentos adjacentes e a própria experiência das unidades locais e das superintendências são fundamentais para a segurança e a defesa da solução proposta. Os quantitativos dos ligantes betuminosos serão definidos em função da solução de pavimentação, com preços em função da avaliação do binômio aquisição + transporte mais vantajoso. Apresentação de nova metodologia ao TCU para definição do custo de referência para aquisição e atualização das equações tarifárias para o transporte dos materiais betuminosos.

22 Parametrização de Custos c) Metodologia Demais Famílias: Identificação dos serviços mais recorrentes em cada família no tratamento da série histórica de contratos do DNIT, definição de quantidades e preços unitários para essa solução particular e posterior extrapolação para estimativa do valor da família. Exemplos: Obras Complementares Barreiras de Segurança (Obras de Duplicação); Obras de Arte Correntes Diâmetros médios (bueiros tubulares), áreas transversais (bueiros celulares) e comprimentos. Sinalização Pintura de Faixas Horizontais.

23 Parametrização de Custos d) Desafios e Dificuldades Dados inconsistentes; Quadro de quantidades e preços unitários não padronizados; Lacunas de informações no SIAC; Falhas nos processamentos das medições; Distorções provocadas por soluções pontuais.

Regimes de execução dos contratos e contratação integrada

Regimes de execução dos contratos e contratação integrada Regime Diferenciado de Contratações - RDC Lei Federal nº 12.462/11 Regimes de execução dos contratos e contratação integrada Augusto Dal Pozzo Artigo 8º Regimes de contratação de obras e serviços de engenharia

Leia mais

Esporte Manual de Orçamento

Esporte Manual de Orçamento Centro de Iniciação ao Esporte Manual de Orçamento Objetivo: ajudar os entes selecionados a cumprir o prazo da Etapa 1, que está sendo prorrogado para 21/11/2014, e preparar as etapas subsequentes. Serviços

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG Trecho: Divisa ES/MG Divisa MG/SP Segmento:

Leia mais

VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS.

VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS. VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS. TEMA: A Lei de Licitações nº 8.666 e o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) Diretoria Executiva - DIREX/ DNIT diretoria.executiva@dnit.gov.br

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DE EDITAL, TERMO DE REFERÊNCIA, PROJETO BÁSICO E JULGAMENTO DAS PROPOSTAS PARA OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

OFICINA DE ELABORAÇÃO DE EDITAL, TERMO DE REFERÊNCIA, PROJETO BÁSICO E JULGAMENTO DAS PROPOSTAS PARA OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA TREINAMENTO PRÁTICO OFICINA DE ELABORAÇÃO DE EDITAL, TERMO DE REFERÊNCIA, PROJETO BÁSICO E JULGAMENTO DAS PROPOSTAS PARA OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA MACEIÓ - AL 8 e 9 JUNHO/2015 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Experiência com o RDC

Experiência com o RDC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES - DPL Av. Desembargador Vitor Lima nº 222, 5º andar Florianópolis SC CEP 88040-400 Telefones: (48)

Leia mais

Anteprojeto, Projeto Básico e Executivo

Anteprojeto, Projeto Básico e Executivo CGDESP/DPP I Seminário de Licitações e Contratos do DNIT Anteprojeto, Projeto Básico e Executivo Paula G. de O. Passos Coordenadora Geral de Desenvolvimento e Projetos CGDESP/DPP Escopo da apresentação:

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO CLÁUDIO SARIAN ALTOUNIAN. Autor. Formato: 17x24 cm CÓDIGO:

OBRAS PÚBLICAS LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO CLÁUDIO SARIAN ALTOUNIAN. Autor. Formato: 17x24 cm CÓDIGO: problemas que prejudicam o andamento dos empreendimentos, incorporou alguns trabalhos do TCU desenvolvidos no último biênio. O texto busca apresentar de forma prática a técnicos envolvidos com licitação,

Leia mais

SINAPI. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil

SINAPI. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil é um sistema de informações de preços e custos relativos

Leia mais

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO Segundo o DNER (1996) Um Projeto de Engenharia tem sua versão final intitulada Projeto Executivo e visa, além de permitir a perfeita execução da obra, possibilitar

Leia mais

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS O Plano de Controle Ambiental Simplificado deverá conter

Leia mais

3ª ANÁLISE EXPEDITA DAS OBRAS DE DUPLICAÇÃO DA BR-101/SC - SUL

3ª ANÁLISE EXPEDITA DAS OBRAS DE DUPLICAÇÃO DA BR-101/SC - SUL 3ª ANÁLISE EXPEDITA DAS OBRAS DE DUPLICAÇÃO DA BR-101/SC - SUL Trecho Palhoça - Divisa Estadual com o Rio Grande do Sul - Dezembro 2010 Realização: Apoio: Execução: 2 LOTE 22/ 31: SUBTRECHO PALHOÇA RIO

Leia mais

VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS

VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS Os desafios de aperfeiçoamento da Lei nº 8.666/93 CFFC, 27 de agosto de 2015 Reflexão: Leis de licitação ou Código de licitações?

Leia mais

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES Susana Filgueiras Brasília, 10 de setembro de 2012 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Lei nº12.462, de 5 de agosto de 2011. Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011. Lei nº 12.688,

Leia mais

Projeto Geométrico UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D58 Superestrutura Ferroviária

Projeto Geométrico UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D58 Superestrutura Ferroviária UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D58 Superestrutura Ferroviária Projeto Geométrico Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Fases de projeto Estudos

Leia mais

Relatório elaborado pela. ONG Sustentabilidade e Participação

Relatório elaborado pela. ONG Sustentabilidade e Participação CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ORGÃOS - FESO Centro de Ciência e Tecnologia - CCT Curso de Engenharia de Produção NAI - Núcleo de Atividades Complementares Relatório elaborado pela ONG Sustentabilidade

Leia mais

ANÁLISE DOS CUSTOS DAS OBRAS PÚBLICAS André Mainardes Berezowski Controlador de Recursos Públicos

ANÁLISE DOS CUSTOS DAS OBRAS PÚBLICAS André Mainardes Berezowski Controlador de Recursos Públicos ANÁLISE DOS CUSTOS DAS OBRAS PÚBLICAS André Mainardes Berezowski Controlador de Recursos Públicos Conflito de interesses nas contratações públicas Administrador Público Empresa consultoria Empreiteira

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS E DESVIOS FERROVIÁRIOS Informações para Apresentação de Projeto Revisão 21/06/12

IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS E DESVIOS FERROVIÁRIOS Informações para Apresentação de Projeto Revisão 21/06/12 IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS E Em atenção à solicitação de Implantação de Terminais e Desvios Ferroviários, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo:

Leia mais

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Audiência Pública na Comissão de Desenvolvimento Urbano Operações de Repasse com Recursos do OGU Restos a Pagar 2007 a 2009 Brasília/DF, 14 de junho de 2011 Transferências do Orçamento

Leia mais

Os novos paradigmas da engenharia brasileira

Os novos paradigmas da engenharia brasileira Os novos paradigmas da engenharia brasileira Como compatibilizar as novas tecnologias, custos e preços Debatedor: André P. Baeta Disposições Legais sobre Preços de Obras Públicas 2 LDO 2012 Lei 12.465/2011

Leia mais

Licenciamento Ambiental da Rodovia BR-101/ES/BA

Licenciamento Ambiental da Rodovia BR-101/ES/BA Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental - DILIC Licenciamento Ambiental da Rodovia BR-101/ES/BA Thomaz

Leia mais

FAÇO SABER, que a CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO VELHO, aprovou e eu sanciono a seguinte:

FAÇO SABER, que a CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO VELHO, aprovou e eu sanciono a seguinte: LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2006. Altera a estrutura organizacional básica do Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Porto Velho IPAM e dá outras providências.

Leia mais

BRASÍLIA (61) 3327-1142 ELO@ELOCONSULTORIA.COM SCN, QD. 2, BL. A, 1º ANDAR ED. CORPORATE FINANCIAL CENTER

BRASÍLIA (61) 3327-1142 ELO@ELOCONSULTORIA.COM SCN, QD. 2, BL. A, 1º ANDAR ED. CORPORATE FINANCIAL CENTER BRASÍLIA (61) 3327-1142 ELO@ELOCONSULTORIA.COM SCN, QD. 2, BL. A, 1º ANDAR ED. CORPORATE FINANCIAL CENTER SÃO PAULO (11) 5081-7950 SAOPAULO@ELOCONSULTORIA.COM RUA CUBATÃO, 929 CONJ. 116 VILA MARIANA HOME

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado

Leia mais

5º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS

5º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS 5º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS RDC PRESENCIAL Nº 698/2013-08 - Contratação integrada de empresa para elaboração dos projetos básico e executivo de engenharia e execução de obras de duplicação, restauração

Leia mais

LEGISLAÇÃO DOS PEDÁGIOS SOB ADMINISTRAÇÃO DO DAER (atualizado em Junho/2006)

LEGISLAÇÃO DOS PEDÁGIOS SOB ADMINISTRAÇÃO DO DAER (atualizado em Junho/2006) Secretaria de Estado dos Transportes Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem Diretoria Operação e Concessões Departamento de Concessão e Pedágios LEGISLAÇÃO DOS PEDÁGIOS SOB ADMINISTRAÇÃO DO DAER

Leia mais

Obras Públicas: Novo Patamar de Qualidade Custos Realistas

Obras Públicas: Novo Patamar de Qualidade Custos Realistas 83º ENIC Obras Públicas: Novo Patamar de Qualidade Custos Realistas PALESTRANTE: ANDRÉ PACHIONI BAETA Propriedades de um Orçamento ESPECIFICIDADE Todo orçamento está intrinsecamente ligado à empresa e

Leia mais

Nota Técnica SGE nº 01/2015 Rio de Janeiro, 11 de Agosto de 2015.

Nota Técnica SGE nº 01/2015 Rio de Janeiro, 11 de Agosto de 2015. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria Geral de Controle Externo (SGE) Coordenadoria de Auditorias Temáticas e Operacionais (CTO) Nota Técnica SGE nº 01/2015 Rio de Janeiro, 11 de Agosto

Leia mais

APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS PARQUE DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS

APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS PARQUE DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo... 3 2 Características Principais... 4 2.1 Área de Intervenção... 4 2.2 Projetos

Leia mais

DECRETO nº 2.303/2012

DECRETO nº 2.303/2012 Prefeitura Municipal de Fontoura Xavier RS. Município criado em 09.07.1965 Lei Federal nº 4974/65 CNPJ nº 87612768/0001-02 Fone Fax (0xx)54.389.1511 e (0xx)54.389.1122 Av. 25 de Abril, 920 Fontoura Xavier

Leia mais

Reunião do Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento Departamento da Indústria da Construção DECONCIC - FIESP

Reunião do Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento Departamento da Indústria da Construção DECONCIC - FIESP Reunião do Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento Departamento da Indústria da Construção DECONCIC - FIESP GESTÃO DE CONTRATOS Reunião do Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com

Leia mais

Estrada de Rodagem Introdução

Estrada de Rodagem Introdução Estrada de Rodagem Introdução Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 2 Provas (individual) - Datas a serem marcadas conforme andamento da matéria 1 Trabalho

Leia mais

GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA CHEFE DA EQUIPE DE MEIO AMBIENTE DATA EMISSÃO: 23/03/2012 ATUALIZADO: 24/05/2012 REVISÃO: Cia/Seção: Cmt pel E Cnst

GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA CHEFE DA EQUIPE DE MEIO AMBIENTE DATA EMISSÃO: 23/03/2012 ATUALIZADO: 24/05/2012 REVISÃO: Cia/Seção: Cmt pel E Cnst GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA CHEFE DA EQUIPE DE MEIO AMBIENTE CAPÍTULO 11 Cia/Seção: Cmt pel E Cnst DATA EMISSÃO: 23/03/2012 ATUALIZADO: 24/05/2012 REVISÃO: 1. DEFINIÇÃO DE GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA

Leia mais

ADENDO 01 CONCORRÊNCIA PÚBLICA 20140005/DER CCC

ADENDO 01 CONCORRÊNCIA PÚBLICA 20140005/DER CCC ADENDO 01 CONCORRÊNCIA PÚBLICA 20140005/DER CCC OBJETO: LICITAÇÃO DO TIPO MENOR PREÇO PARA A EXECUÇÃO DE OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO E DUPLICAÇÃO DA RODOVIA CE 153, NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE CEDRO, COM

Leia mais

E S C L A R E C I M E N T O Nº

E S C L A R E C I M E N T O Nº E S C L A R E C I M E N T O Nº PROCESSO ADMINISTRATIVO - CONCORRÊNCIA - OBJETO - Contratação de empresa especializada em engenharia para execução de serviço de construção do Reservatório de Detenção de

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

Ministério da Educação - MEC Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES janeiro-2007 a janeiro-2007 Sudeste ( 63,42 % ) Exterior ( 0,80 % ) Sul ( 35,78 % ) janeiro-2006 a dezembro-2006 Sudeste ( 59,11 % ) Norte ( 0,20 % ) Centro-Oeste ( 5,29 % ) Nordeste ( 5,39 % ) Exterior

Leia mais

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas I Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

ABERTURA DE INSCRIÇÕES - CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DE 3º GRAU

ABERTURA DE INSCRIÇÕES - CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DE 3º GRAU UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO EDITAL DE Nº 15 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014 Publicado no D.O.U. de 14/02/2014, seção 3, p. 88-91 ABERTURA DE INSCRIÇÕES -

Leia mais

Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária. BR-LEGAL Brasília, novembro de 2016

Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária. BR-LEGAL Brasília, novembro de 2016 Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária BR-LEGAL Brasília, novembro de 2016 Histórico Programas de Segurança e Sinalização (2006-2012) (2010-2012) (2013-2018/2021) R$720mi R$90mi R$4,5bi

Leia mais

Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia

Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia Orientação Técnica OT-004/2016-IBRAENG (aprovada aos 19 de dezembro de 2016. Publicada aos 20 de dezembro de 2016) Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia Accuracies and Error Margins

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016) Dá nova redação à Instrução Normativa n 39, de 19 de dezembro de 2014, do Ministério das Cidades, que Regulamenta o Programa Minha Casa,

Leia mais

Novo Sistema de Custos Referenciais de Obras - SICRO Principais Inovações e Alterações Metodológicas

Novo Sistema de Custos Referenciais de Obras - SICRO Principais Inovações e Alterações Metodológicas DIREX Palestra no Sindicato da Indústria da Construção Pesada no Estado de Minas Gerais - SICEPOT/MG Novo Sistema de Custos Referenciais de Obras - SICRO Principais Inovações e Alterações Metodológicas

Leia mais

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO TÍTULO PROJETO DE RQUITETUR ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Instrução. Projeto. rquitetura. INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/2005 1 de 11 PROVÇÃO PROCESSO PR 007476/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

TEXTO FINAL. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

TEXTO FINAL. O CONGRESSO NACIONAL decreta: TEXTO FINAL Substitutivo do Senado Federal ao Projeto de Lei da Câmara nº 74, de 2009 (nº 4.464, de 2004, na Casa de origem), que estabelece medidas para o controle da avifauna nas imediações de aeródromos.

Leia mais

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores 1/15 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 01 26 02 27 03 28 04 29 05 30 06 31 07 32 08 33

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, º Andar (55 11)

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, º Andar (55 11) São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS - RDC Apresentação para as Associadas da APEOP PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Estudo de Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Estudo de Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Estudo de Traçado Estudos para a construção de uma estrada Estudos de Tráfego Estudos geológicos e geotécnicos Estudos Hidrológicos Estudos Topográficos Projeto Geométrico

Leia mais

DNIT - CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES - OBRAS 12/12/2017

DNIT - CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES - OBRAS 12/12/2017 12/12/17 10:00 SC 0325/17-16 Pregão Eletrônico - Execução sob o regime de empreitada a preços unitários, dos serviços necessários à Manutenção Rodoviária (Conservação/Recuperação) nas Rodovias BR- 282/SC

Leia mais

SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PESADA DO ESTADO DO PARANÁ-SICEPOT/PR

SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PESADA DO ESTADO DO PARANÁ-SICEPOT/PR SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PESADA DO ESTADO DO PARANÁ-SICEPOT/PR COMPARAÇÃO ENTRE AS LEIS DE LICITAÇÕES LEI nº 8.666/93 (Licitações) LEI nº 10.520/02 (Pregão) LEI nº 1461/12 (RDC) AUTORIA: Engenheiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ RDC ELETRÔNICO Nº. 04/2016-UNIFAP RESPOSTA I M P U G N A Ç Ã O 1 - RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO APRESENTADA PELA EMPRESA PALETA ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - RESUMIDO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - RESUMIDO 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - RESUMIDO TC 002.824/2014-0 Fiscalização 58/2014 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Despacho de 4/2/2014 do Min. Valmir Campelo (TC 000.948/2014-4) Objeto

Leia mais

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte Dr. Cristiano Kenji Iwai Belo Horizonte Março/2013 Introdução Condições da disposição de resíduos no Brasil

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Marçal

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS Audiência Pública - CMA/SENADO 13.04.2010 - BRASILIA-DF LDO 2010 (LEI Nº 12.017, DE 12 DE AGOSTO

Leia mais

Tecnólogo em Controle de Obras 3º Ano

Tecnólogo em Controle de Obras 3º Ano Tecnólogo em Controle de Obras 3º Ano Saneamento Básico Ementa: Abastecimento de água. Tratamento de água. Sistemas de esgoto. Noções de estações de tratamento de esgoto. Tipos de tratamento de esgoto

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DO AMAZONAS TERMO DE REFERÊNCIA

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DO AMAZONAS TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DO AMAZONAS TERMO DE REFERÊNCIA Termo de referência para contratação de projeto de pavimentação, drenagem superficial e profunda no ramal de acesso ao Hotel

Leia mais

DNIT INVESTIMENTOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS

DNIT INVESTIMENTOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS DNIT INVESTIMENTOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS 22 DE MAIO DE 2013 BR-459/MG 1 Ministério dos Transportes Sumário 1. Balanço 2012. 2. Metas e Programação 2013/2014. 3. Gestão de Riscos 4. Sistema de Custos

Leia mais

BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO

BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO NATAL/RN - NOVEMBRO

Leia mais

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E PAGAMENTO. Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² 1 MEDIÇÃO E ORÇAMENTO

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E PAGAMENTO. Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² 1 MEDIÇÃO E ORÇAMENTO Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² A medição do serviço de regularização do sub-leito será feita por metro quadrado (m²) de pista concluída, de acordo com plataforma de terraplenagem

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4003 EDITAL Nº 006/2010 1. Perfil: AL CORUMBÁ II 2010 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Arquitetura e Urbanismo 4. Experiência

Leia mais

Seminário. Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas

Seminário. Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas Seminário Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas Objetivo Verificar os entendimentos entre contratantes e contratados na Administração Pública sobre questões que envolvem projeto básico e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste TERMO DE REFERÊNCIA é orientar a elaboração mais eficiente do RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO - RAP definido

Leia mais

O que é Cartografia Aeronáutica?

O que é Cartografia Aeronáutica? O que é Cartografia Aeronáutica? A Cartografia abrange o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas que, a partir dos resultados das observações diretas ou da exploração de documentações,

Leia mais

CAPÍTULO 7: JUSTIFICATIVAS

CAPÍTULO 7: JUSTIFICATIVAS CAPÍTULO 7: JUSTIFICATIVAS Capítulo VII l 7. JUSTIFICATIVA DO EMPREENDIMENTO 7.1 JUSTIFICATIVA DO EMPREENDIMENTO O Porto Organizado de Santos localiza-se nos municípios de Santos e Guarujá, compreendendo:

Leia mais

CONCURSO DE PROJETO ARQUITETÔNICO ESTUDO PRELIMINAR PRIMEIRA ETAPA- ESTUDO PRELIMINAR COM PERSPECTIVAS ILUSTRATIVAS E PLANTA HUMANIZADA

CONCURSO DE PROJETO ARQUITETÔNICO ESTUDO PRELIMINAR PRIMEIRA ETAPA- ESTUDO PRELIMINAR COM PERSPECTIVAS ILUSTRATIVAS E PLANTA HUMANIZADA CONCURSO DE PROJETO DO FECHAMENTO EM GRADIL DO CONDOMINIO RESIDENCIAL GRAN ROYALLE, LAGOA SANTA OBJETO CONCURSO DE PROJETO ARQUITETÔNICO ESTUDO PRELIMINAR DO FECHAMENTO EM GRADIL DA PORTARIA DO CONDOMINIO

Leia mais

METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado pelo choque da relação do homem com o meio ambiente.

Leia mais

Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia

Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia Orientação Técnica OT-004/2016-IBRAENG (em consulta pública, de 12 de setembro até 14 de novembro de 2016. Contribuições podem ser enviadas para ibraeng@ibraeng.org) Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos

Leia mais

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios Anexo 4 Termo de Referência do Plano de Negócios I. Introdução 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo orientar as Proponentes na elaboração de seu Plano de Negócios, conforme definido no Edital,

Leia mais

A atuação do Controle Interno na Fiscalização das Obras Públicas

A atuação do Controle Interno na Fiscalização das Obras Públicas A atuação do Controle Interno na Fiscalização das Obras Públicas Congresso Catarinense: FECAM Chapecó maio / 2014 MISSÃO DA CGU: ZELAR PELA BOA E REGULAR APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS 1 IMPORTÂNCIA DO

Leia mais

DNIT - CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES - OBRAS 13/11/2017

DNIT - CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES - OBRAS 13/11/2017 13/11/17 10:00 PA 0422/17-02 Pregão Eletrônico - Execução de serviços de manutenção (conservação/recuperação) rodoviária referente ao Plano Anual de Trabalho e Orçamento (PATO), trecho: Caminho de serviço

Leia mais

COP Comissão de Obras Públicas da CBIC

COP Comissão de Obras Públicas da CBIC INSTITUIÇÃO DO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC Analise e posicionamento da Comissão de Obras Públicas COP da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Com ampla participação das entidades

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

Programas 2014. Março de 2014

Programas 2014. Março de 2014 Programas 2014 Março de 2014 RoteirodestaApresentação 1.Informações gerais sobre a SUDENE 2.Ações da Sudene disponíveis em 2014 para recebimento de propostas 3.Informações para apresentação de propostas

Leia mais

PROC IBR GER 022/2016 Análise de Superfaturamento em Obras e Serviços de Engenharia

PROC IBR GER 022/2016 Análise de Superfaturamento em Obras e Serviços de Engenharia INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP 1. INSTITUTO OBJETIVOS/JUSTIFICATIVAS RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS O procedimento tem por objetivo verificar a existência ou não de

Leia mais

Anteprojeto, Projeto Básico, Projeto Executivo e Orçamento para Licitação

Anteprojeto, Projeto Básico, Projeto Executivo e Orçamento para Licitação Anteprojeto, Projeto Básico, Projeto Executivo e Orçamento para Licitação Introdução Temos como objetivo oferecer conhecimento jurídico necessário para a compreensão do ambiente privado e da administração

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 1 Projeto geométrico Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto FASES

Leia mais

PROVA DISCURSIVA DO CONCURSO DE 2007 (FCC) Analista TECMATPAT

PROVA DISCURSIVA DO CONCURSO DE 2007 (FCC) Analista TECMATPAT PROVA DISCURSIVA DO CONCURSO DE 2007 (FCC) Analista TECMATPAT O Centro de Informática (CI), no sentido de modernizar o parque computacional, solicita ao Departamento de Material e Patrimônio (DMP) parecer

Leia mais

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA 55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA Salvador/BA, 06 de Setembro de 2013 PREMISSA BÁSICA O setor de Transportes como catalisador do desenvolvimento nacional Estruturando

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura de Transportes

Investimentos em Infraestrutura de Transportes Investimentos em Infraestrutura de Transportes AGOSTO/2015 Superintendência Regional do DNIT em Santa Catarina O DNIT é responsável por implementar a política de infraestrutura do Sistema Federal de Viação,

Leia mais

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições:

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições: IT 1814 R.5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE ANTEPROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES OU TRANSITÓRIAS) GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS - RDC

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS - RDC Orientações sobre disputas do tipo RDC 1. Atendendo ao disposto na Lei 12.462, de 04 de agosto de 2011 e regulamentado pelo Decreto 7.581 de 11 de outubro de 2011, o Licitações-e foi adequado para permitir

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

Sistema Brasileiro de Vigilância e Emergência Veterinária

Sistema Brasileiro de Vigilância e Emergência Veterinária Sistema Brasileiro de Vigilância e Emergência Veterinária ria Coordenação de Planejamento, Avaliação e Controle Zoossanitário CPACZ Coordenação de Febre Aftosa - CFA Departamento de Saúde Animal - DSA

Leia mais

TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA

TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA www.trconstrucao.eng.br Somos uma empresa de consultoria que atua no segmento de orçamento e planejamento para a construção civil. Atuamos no mercado de incorporação, arquitetura,

Leia mais

ANDRÉ PACHIONI BAETA

ANDRÉ PACHIONI BAETA 41 3376.3967 cursos@connectoncursos.com.br www.connectoncursos.com.br facebook.com/connecton-mkt ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI - Metodologias e Conceitos - Cadernos Técnicos

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 10: O CONTROLE DE OBRAS 10.1 GENERALIDADES Controle de Obras

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Estabelece preceitos para o aperfeiçoamento da política educacional estadual dos sistemas públicos de ensino, para a permanência e o sucesso escolar de alunos com distúrbios,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADA: União de Faculdades de Alagoas Ltda./Faculdade Figueiredo UF: AL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADA: União de Faculdades de Alagoas Ltda./Faculdade Figueiredo UF: AL PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 9/7/2008, Seção 1, Pág. 23. Portaria n 937, publicada no D.O.U. de 20/11/2008, Seção 1, Pág. 26. Portaria n 938, publicada no D.O.U. de 20/11/2008,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS. Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS. Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte MAIO - 2013 PROJETOS EM ANDAMENTO: - Aumento de Capacidade e Duplicação do Corredor Norte

Leia mais

Especificidades do projeto de construção civil de parques eólicos Clara Silva e Nuno França

Especificidades do projeto de construção civil de parques eólicos Clara Silva e Nuno França Especificidades do projeto de construção civil de parques eólicos Clara Silva e Nuno França Clara Silva Engenheira Civil, Projetista Licenciatura com Mestrado integrado em Engenharia Civil (ramo Geotecnia),

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Ampliação do sistema viário existente com a pavimentação de passeios, acessos, pistas de rolamento e estacionamentos.

PROJETO BÁSICO. Ampliação do sistema viário existente com a pavimentação de passeios, acessos, pistas de rolamento e estacionamentos. PROJETO BÁSICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1 Título do Projeto Infraestrutura Viária do Campus Petrolina - 3º Etapa 1.2 Delimitação do objeto a ser licitado Ampliação do sistema viário existente com

Leia mais

Volume 04 Revisão e Atualização do Orçamento Referencial 141

Volume 04 Revisão e Atualização do Orçamento Referencial 141 Volume 04 Revisão e Atualização do Orçamento Referencial 141 Volume 04 Revisão e Atualização do Orçamento Referencial 142 Volume 04 Revisão e Atualização do Orçamento Referencial 143 Volume 04 Revisão

Leia mais

LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS

LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS SEMINÁRIO NACIONAL LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS Principais providências e cuidados para assegurar a conclusão dos empreendimentos, de acordo com as recentes alterações legislativas

Leia mais

Hidrovias: Uma visão do futuro

Hidrovias: Uma visão do futuro Hidrovias: Uma visão do futuro Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 18 de agosto de 2010 I Seminário Portuário Público Privado Latino-Americano Hidrovias: Uma visão do futuro Slide

Leia mais

Em conformidade com a Lei 8.666/93; Lei de Diretrizes Orçamentárias e Decreto 7.983/13. Destaques deste Treinamento

Em conformidade com a Lei 8.666/93; Lei de Diretrizes Orçamentárias e Decreto 7.983/13. Destaques deste Treinamento COMO DESENVOLVER AS PLANILHAS DE OBRAS PÚBLICAS COM O NOVO SINAPI 26,27 e 28 de Abril SÃO PAULO - SP Em conformidade com a Lei 8.666/93; Lei de Diretrizes Orçamentárias e Decreto 7.983/13 Destaques deste

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

2. Sobre a importância socioeconômica e a viabilidade do empreendimento, a SECEX/SP registra o seguinte:

2. Sobre a importância socioeconômica e a viabilidade do empreendimento, a SECEX/SP registra o seguinte: Tribunal de Contas da União Assunto: Levantamento de Auditoria Colegiado: Plenário Classe: Classe I Sumário: Fiscobras 2001. Auditoria nas obras de dragagem no Porto de Santos/SP. Aquisição do projeto

Leia mais

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s):

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s): título: Resolução RDC nº 81, de 14 de abril de 2003 ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade de identificação do fabricante do produto palmito em conserva, litografada na parte lateral da tampa metálica

Leia mais

4ª Maior Gestora do Brasil pela ANBIMA Mais de R$ 487 bilhões sob gestão e 440 fundos

4ª Maior Gestora do Brasil pela ANBIMA Mais de R$ 487 bilhões sob gestão e 440 fundos Apresentação FI-FGTS Julho/2015 4ª Maior Gestora do Brasil pela ANBIMA Mais de R$ 487 bilhões sob gestão e 440 fundos 219 funcionários, com gestores com mais de 10 anos de experiência 10 comitês de governança

Leia mais