PROJETO DE RELATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE RELATÓRIO"

Transcrição

1 PARLAMENTO EUROPEU Comissão do Controlo Orçamental /XXXX(NLE) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proposta de nomeação de Phil Wynn Owen para o cargo de membro do Tribunal de Contas (C7-xxxx/ /XXXX(NLE)) Comissão do Controlo Orçamental Relatora: Inés Ayala Sender PR\ doc PE v01-00 Unida na diversidade

2 PR_NLE_art108 Í N D I C E Página PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU...3 ANEXO 1: CURRICULUM VITAE DE PHIL WYNN OWEN...4 ANEXO 2: RESPOSTAS DE PHIL WYNN OWEN AO QUESTIONÁRIO...7 PE v /15 PR\ doc

3 PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU sobre a proposta de nomeação de Phil Wynn Owen para o cargo de membro do Tribunal de Contas (C7-xxxx/ /XXXX(NLE)) (Consulta) O Parlamento Europeu, Tendo em conta o artigo 286.º, n.º 2, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nos termos do qual foi consultado pelo Conselho (C7-xxxx/2013), Tendo em conta o artigo 108.º do seu Regimento, Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental (A7-0000/2013), A. Considerando que a Comissão do Controlo Orçamental do Parlamento procedeu à avaliação das credenciais do candidato indigitado, em especial tendo em conta os requisitos estabelecidos no artigo 286.º, n.º 1, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia; B. Considerando que, na sua reunião de 7 de novembro de 2013, a Comissão do Controlo Orçamental procedeu à audição do candidato indigitado pelo Conselho para o cargo de membro do Tribunal de Contas, 1. Dá parecer favorável/negativo à proposta do Conselho de nomeação de Phil Wynn Owen para o cargo de membro do Tribunal de Contas; 2. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão ao Conselho e, para conhecimento, ao Tribunal de Contas, bem como às restantes Instituições da União Europeia e às Instituições Superiores de Controlo dos Estados-Membros. PR\ doc 3/15 PE v01-00

4 ANEXO 1: CURRICULUM VITAE DE PHIL WYNN OWEN Qualificações/Títulos: Harvard Business School Programa de Gestão Avançada Companion of the Order of the Bath (CB) 2008 London Business School MBA com distinção University College, Oxford Licenciatura, menção honrosa; Mestrado em História Moderna MEAC Diretor-Geral, Alterações Climáticas Globais e Eficiência Energética abril Ministério da Energia e das Alterações Climáticas (MEAC) Dirigir a ação desenvolvida pelo Reino Unido no que se refere às alterações climáticas globais, incluindo a responsabilidade pelas negociações multilaterais no âmbito da CQNUAC com vista à elaboração de um tratado juridicamente vinculativo, ação bilateral e a nível da UE em conjunto com outros grandes emissores; trabalhar igualmente em colaboração com o Ministério para o Desenvolvimento Internacional, o Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Commonwealth, o Ministério do Ambiente, da Alimentação e dos Assuntos Rurais e com o Ministério das Finanças (MF) do Reino Unido - nomeadamente no que se refere à administração da Iniciativa de Financiamento de Ações Climáticas do Reino Unido, envolvendo 2,9 mil milhões de libras. Ativo na UE e em todo o mundo - nomeadamente nas Conferências das Partes em Durban e no âmbito da CQNUAC em Doha. Conduzir a uma maior eficiência energética no Reino Unido, através de um novo Organismo para a Implementação da Eficiência Energética, do Pacto Verde, de contadores inteligentes, da produção de calor a partir de fontes de energia renováveis e a indústria, e combater a pobreza energética (fuel poverty). Membro do Construction Leadership Council e da Comissão Verde de Birmingham. Membro fundador do Cambridge University Centre for Science and Policy Membro do Conselho Ministerial do MEAC. Cerca de 400 colaboradores; gestão de orçamentos com um valor aproximado de 376 milhões de libras; vencimento libras MEAC Secretário Permanente (Executivo) novembro de 2012 fevereiro de 2013 Dirigir cerca de 1600 colaboradores dispersos por quatro locais em Londres e Aberdeen; Contabilista responsável por 6,5 mil milhões de libras, das quais 3,75 mil milhões de libras relativas a despesas públicas e 2,6 mil milhões de libras a taxas aos consumidores. Serviço Regional de Saúde Maidstone and Turnbridge Wells NHS Trust Diretor Não-Executivo março Vice-Presidente, Interveniente no estabelecimento de um novo conselho de administração, de uma nova governação e cultura empresarial, a fim de recuperar o consórcio (trust) com mais de PE v /15 PR\ doc

5 colaboradores após o escândalo devido à infeção por Clostridium difficile e de supervisionar a construção e a abertura de um novo hospital objeto de financiamento privado (IFP). Presidente da Comissão das Finanças, do Tesouro e do Investimento e presidente de fundos caritativos; encaminhei a recuperação financeira após um prejuízo de 29 milhões de libras num volume de negócios de 300 milhões de libras, em 2008/09, alcançando o limiar de rendibilidade nos anos consecutivos. Membro da Comissão de Auditoria. Ministério da Energia e das Alterações Climáticas (MEAC) Alterações Climáticas Nacionais e Apoio ao Consumidor de 2011 Diretor-Geral, julho de 2009-março Dirigir a gestão interministerial dos orçamentos nacionais de carbono; elemento efetivo de ligação com a Comissão Independente das Alterações Climáticas, assegurar o acordo entre o governo e o parlamento relativo aos planos ambiciosos sobre o Quarto Período Orçamental do Carbono; garantir medidas responsáveis no âmbito do emblemático Pacto Verde e da primeira Lei da Energia da coligação e no Governo Central - 10 %. Defensor no MEAC da diversidade, administração descentralizada e gestão descentralizada de projetos, MTP Diretor-Geral, Estratégia, Informação e Pensões novembro de 2004 fevereiro de 2009 Ministério do Trabalho e das Pensões (MTP) Dirigi cerca de 1000 colaboradores; orçamento direto de 218 mil libras, supervisão política de despesas de pensões no valor de 73 mil milhões de libras; Reforma das pensões: dirigi a equipa de apoio aos Ministros do MTP e ao Primeiro-Ministro, a fim de assegurar a aprovação das propostas da Comissão Independente das Pensões por parte do governo; a sua transposição para reformas radicais através da promulgação das Leis de Pensões de 2007 e de 2008; e a criação e a administração dos organismos de execução necessários. Membro de uma das 10 equipas executivas do MTP para a supervisão da gestão e dos programas de eficiência do Ministério; presidi aos grupos de estratégia e de estratégia de atividades do MTP. Defensor da diversidade LGBT. Organização sub-regional intergovernamental para pessoas idosas. MTP Presidente da Área de Serviços Comuns do MTP Supervisão de cerca de 4000 colaboradores, cujos serviços se estendem para além do MTP; prestei novo serviço ao gabinete do Primeiro-Ministro. MF Diretor, Setor Financeiro Ministério das Finanças 80 colaboradores, tendo as funções por objeto a regulamentação dos serviços financeiros no Reino Unido e na UE. Liderei a equipa que negociou o Plano de Ação para os Serviços Financeiros Europeu (PASF); membro de comissões bancárias, de valores mobiliários e seguros da UE. Membro da Comissão de Auditoria do Ministério das Finanças britânico Gabinete Diretor, Unidade do Impacto de Regulamentar PR\ doc 5/15 PE v01-00

6 do PM 70 colaboradores, consistindo as funções em dirigir a atividade no sentido de alcançar melhores avaliações de impacto no Reino Unido e na UE. Estabeleci o grupo «Mandelkern» entre os vários Estados-Membros, que pressionou com sucesso no sentido de uma melhor regulamentação na UE. MF Chefe de equipa, Política Fiscal Ministério das Finanças Responsável pelas principais reformas fiscais, incluindo os impostos verdes, tal como a taxa de Alteração Climática Chefe de equipa, Imposto e Orçamento Chefe de equipa, Transportes Responsável por conduzir a política dos transportes e negociar o financiamento de importantes projetos, incluindo privatizações chave e projetos IFP. Banco Europeu de Investimento (BEI), Diretor-Adjunto Liderei regularmente delegações do RU no Conselho de Administração do BEI no Luxemburgo; assegurei o apoio do BEI a importantes projetos de infraestruturas no RU. Secretário particular do Secretário Permanente (Terry Burns) Política de financiamento e política monetária, responsável Política industrial e política de concorrência, responsável Chefe de gabinete adjunto do Chanceler (Nigel Lawson) Responsável pela totalidade das viagens e das questões tratadas pelo Chanceler no âmbito da UE e a nível internacional. Posições enquanto estagiário com diploma de ensino superior Política monetária; Indústrias nacionalizadas, privatização da British Telecom; Ajuda externa e auditoria de despesas comerciais. PE v /15 PR\ doc

7 ANEXO 2: RESPOSTAS DE PHIL WYNN OWEN AO QUESTIONÁRIO Experiência profissional 1. Poderá referir os aspetos principais da sua experiência profissional nos domínios das finanças públicas, da gestão ou da auditoria da gestão? Adquiri, ao longo de mais de 30 anos ao serviço de sucessivos governos britânicos, experiência profissional num vasto leque de questões relativas às finanças públicas e à gestão, tendo em larga medida participado na auditoria da gestão e na supervisão financeira. Iniciei a minha carreira no Tesouro, isto é no Ministério das Finanças britânico, onde trabalhei quase 20 anos em vários assuntos relativos às finanças públicas e à otimização dos recursos. Como chefe de equipa dos Impostos e do Orçamento, coube-me a responsabilidade de avaliar a determinação individual dos custos e o equilíbrio global do orçamento de quatro orçamentos anuais consecutivos. Trabalhei em assuntos relacionados com a despesa pública, os impostos e a regulamentação, todos eles envolvendo de forma significativa a legislação britânica e da UE. Como diretor-geral, esta atividade abrangeu o estabelecimento e a realização de importantes programas para a alteração das políticas e dos serviços prestados no domínio da reforma das pensões no Ministério do Trabalho e das Pensões (MTP) no que se refere à eficiência energética no Ministério da Energia e das Alterações Climáticas (MEAC), incluindo o estabelecimento de uma plataforma nacional de leilões e a cobrança de receitas fiscais no âmbito do Regime de Comércio de Licenças de Emissão da UE. No início de 2013, enquanto contabilista do MEAC, fui o mais alto funcionário executivo responsável pela boa gestão financeira de 6,5 mil milhões de libras relativas à atividade anual, incluindo 3,75 mil milhões de libras que se referem a despesas públicas assim como um valor importante de taxas ao consumidor. Tal incluiu uma comparência perante a Comissão Parlamentar das Contas Públicas (CCP), a fim de prestar contas no que se refere aos principais programas de desativação nuclear na central nuclear de Sellafield. Na qualidade de diretor não-executivo da Comissão das Finanças de um importante consórcio hospitalar do Serviço Nacional de Saúde, trabalhei a tempo parcial, alguns dias por mês, e em paralelo às funções executivas que desempenhei ao serviço do governo central, nas questões mais sensíveis do domínio das finanças públicas e da prestação de serviços, no intuito de contribuir para o restabelecimento do equilíbrio financeiro do consórcio em cada um dos últimos quatro anos. Adquiri uma experiência profissional considerável em gestão, tendo sido diretor-geral de equipas executivas em dois dos principais ministérios e membro da administração tanto num consórcio hospitalar, como num serviço central do Estado. Na qualidade de Secretário Permanente Executivo do MEAC, dirigi 1600 colaboradores, e no MTP fiz parte de uma das dez equipas executivas responsáveis por colaboradores. Contribuí para importantes programas de alterações a nível da gestão da modernização do Ministério das Finanças britânico, nos anos 1990, à remodelação radical das direções-gerais de estratégia e da reforma das pensões, do MTP, a partir de 2004, e, como recém-nomeado diretor não-executivo, à reforma da governação e da cultura de um malogrado consórcio hospitalar. Em todos estes casos, dediquei-me em particular ao reforço das estruturas financeiras, mais recentemente no PR\ doc 7/15 PE v01-00

8 MEAC, onde fui responsável pelos melhoramentos nos nossos sistemas de gestão financeira. Disponho ainda de uma importante formação em gestão, de um MBA da London Business School (LBS) e participei no Programa Avançado de Gestão de Harvard. O aperfeiçoamento da supervisão financeira é alvo constante da minha atenção, não só devido à minha experiência no Ministério das Finanças, mas também devido à formação em auditoria financeira e auditoria operacional que adquiri quando estudei na LBS. Na qualidade de alto funcionário público, dei início e apoiei muitas revisões independentes da política governamental relativa à reforma das pensões, a questões ligadas aos serviços financeiros, tais como a melhoria da governação dos fundos de investimento e as formas mais eficazes de combate à pobreza energética. Pertenci a comissões de auditoria, tanto no Ministério das Finanças britânico, como no consórcio hospitalar para o qual fui nomeado presidente não-executivo da Comissão das Finanças, em virtude da minha experiência profissional no domínio das finanças públicas. Desde que fui indigitado para o Tribunal, tenho trabalhado no serviço de Auditoria Nacional do Reino Unido (SAN), o que me tem permitido adquirir mais experiência pertinente e desenvolver uma maior compreensão, tanto das semelhanças, como das diferenças entre os meios e as práticas da auditoria pública nacionais e europeias, o que pode revelar-se útil como membro do Tribunal de Contas. 2. Quais foram as três decisões mais importantes em que participou ao longo da sua vida profissional? Para responder a esta pergunta, escolhi três exemplos, todos eles relativos a questões em que assumi responsabilidades a nível do executivo britânico, contribuindo para moldar e influenciar os resultados: (a) Em 2001, na qualidade de Diretor da Unidade para o Impacto Regulamentar ligada ao gabinete do Primeiro-Ministro, participei num processo coletivo, que ajudou a criar um consenso entre os Estados-Membros no que diz respeito aos procedimentos de avaliação de impacto a adotar pela Comissão no âmbito das suas reformas da governação. Colaborei com outros Estados-Membros visando estabelecer o grupo independente «Mandelkern» que - sob a liderança de um proeminente Conselheiro de Estado francês - elaborou um relatório, no qual se encorajava a Comissão a introduzir avaliações de impacto das novas propostas legislativas. Colaborámos com altos funcionários da Comissão, a fim de os persuadir de que a introdução de alterações desta natureza era do interesse de uma melhor governação da Europa. Embora o sistema de avaliação de impacto possa ainda ser melhorado - como ficou comprovado por um relatório elaborado pelo TCE em havendo, nomeadamente, margem para aumentar a avaliação do impacto ambiental e social, esta mudança contribuiu consideravelmente para assegurar que os dossiês legislativos sejam apreciados com base num maior conhecimento dos eventuais custos e benefícios. (b) Na qualidade de diretor-geral do MTP para a Reforma das Pensões, acompanhei a preparação e a receção de um relatório importante, radical e independente, elaborado pela Comissão das Pensões, no qual eram recomendadas reformas de grande envergadura. Estas incluíam um pacote equilibrado composto por três grandes medidas de reforma: aumentar progressivamente o limite de idade necessário para poder reclamar o direito a uma pensão estatal, eliminando, ao mesmo tempo, as diferenças entre homens e mulheres no que diz PE v /15 PR\ doc

9 respeito à elegibilidade; criar, no âmbito das pensões privadas, um sistema de participação voluntária com opção de exclusão, para que as pessoas possam mais facilmente poupar para a reforma, e salvaguardar o valor de futuras pensões estatais através da indexação. Estas propostas conseguiram o apoio de todos os principais partidos do parlamento britânico. A legislação ulteriormente adotada permitiu a implementação destas reformas fundamentais. Tal foi alcançado através da participação das partes interessadas em atividades, desde reuniões parlamentares ao Dia Nacional das Pensões - um evento em que participaram cidadãos em todo o país - e que estabeleceram um consenso alargado a favor de uma mudança. (c) Na qualidade de diretor-geral para as Alterações Climáticas Globais e para a Eficiência Energética no MEAC contribuí recentemente para o acordo alcançado entre os ministros britânicos relativamente à posição do Reino Unido quanto ao Livro Verde da União Europeia 2030 sobre Energia e Alterações Climáticas. Para tal, foi necessário garantir que os ministros dispusessem de sólida informação sobre a modelização, a determinação dos custos e a análise das diferentes opções disponíveis para dar resposta ao documento consultivo da Comissão e, simultaneamente, empenhar-se no debate com as partes interessadas a nível da UE Estados-Membros, Comissão e Parlamento Europeu. Agora, está em curso o processo na via de um consenso alargado a nível da UE, que será crucial para determinar a trajetória de crescimento sustentável a seguir pela UE nas próximas duas décadas. Uma boa compreensão da agenda sobre a energia e o clima deverá ser de utilidade para o Tribunal, uma vez que a auditoria acrescenta progressivamente uma dimensão ambiental à abordagem tradicional «3-E», em que a análise da rentabilidade dos recursos se concentra na economia, na eficiência e na eficácia. Independência 3. O Tratado impõe que os membros do Tribunal de Contas exerçam as suas funções "com total independência". De que forma irá cumprir essa obrigação no exercício das funções em perspetiva? O Tratado, no seu artigo 286.º, é claro quanto à necessidade de a independência dos membros do Tribunal ser inequívoca. Funcionário público há mais de trinta anos, em sucessivos governos do Reino Unido, estou perfeitamente habituado a exercer as minhas funções com total imparcialidade política. Em particular, a minha recente atividade enquanto contabilista do Reino Unido exige de mim que forme um juízo independente e apolítico no que diz respeito a questões do domínio das despesas públicas. Além disso, a minha experiência como diretor não-executivo num consórcio hospitalar do SNS exigia que realizasse um controlo independente do seu desempenho financeiro e da qualidade do serviço prestado. A minha entrada em funções no Tribunal de Contas Europeu será precedida da minha demissão, quer das funções de funcionário público no Reino Unido, quer de diretor não-executivo do consórcio hospitalar do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Terei igualmente renunciado aos meus cargos associativos, tais como o de membro fundador do Cambridge University Centre for Science and Policy. Deste modo, ficará garantido o meu empenhamento no trabalho do Tribunal de Contas Europeu, sem dar azo a que surjam conflitos de interesse reais ou hipotéticos. PR\ doc 9/15 PE v01-00

10 No exercício das minhas funções, guiar-me-ei pelo Código de Conduta dos Membros do Tribunal de Contas Europeu, cuja mais recente atualização data de fevereiro de Assegurada fica assim a compatibilidade com a Declaração de Lima da INTOSAI, bem como o respeito as regras que a mesma estabelece relativamente à independência das Instituições Supremas de Auditoria. Tudo o que, até à data, aprendi sobre o Tribunal me leva a crer que se trata de um modelo adequado para uma instituição desta natureza. Por conseguinte, é importante que potenciais novos membros, tal como eu próprio, estejam cientes deste contexto e dispostos a zelar constantemente pela sua independência, sempre que trabalhem em conjunto com outras instituições (ver abaixo secção relativa ao desempenho das funções). 4. Foi-lhe dada quitação pelo exercício das funções de gestão que desempenhava anteriormente, caso tal procedimento se lhe aplique? No âmbito do governo do Reino Unido, a quitação formal não se aplica da mesma forma que nas Instituições da UE. Logo que apresente a minha demissão, deixarei de ter qualquer tipo de responsabilidade legal em relação às funções administrativas que desempenhei no passado. Na qualidade de diretor não-executivo de um consórcio hospitalar do Serviço Nacional de Saúde (SNS), encontro-me coberto pela Circular 1999/104 do Serviço de Saúde. Esta concede-me uma proteção relativamente às decisões tomadas no exercício das minhas funções administrativas no quadro dos procedimentos corretos. 5. Tem quaisquer posições comerciais ou financeiras ou quaisquer outros compromissos que possam ser incompatíveis com as funções em que poderá vir a ser investido? Está disposto a dar a conhecer todos os seus interesses financeiros, ou quaisquer outros compromissos, ao Presidente do Tribunal de Contas, bem como a divulgá-los publicamente? Caso esteja neste momento envolvido num processo judicial, poderá revelar pormenores sobre o caso? Não tenho quaisquer posições comerciais ou financeiras, nem quaisquer outros compromissos que possam ser incompatíveis com as minhas futuras funções. Em conformidade com o Código de Conduta dos Membros do Tribunal, revelarei todos os meus interesses financeiros, bem como qualquer outro compromisso, ao Presidente do Tribunal, para que possam, se for necessário, ser tornados públicos. Atualmente, não sou parte em qualquer processo judicial. 6. Está preparado para se demitir de qualquer cargo eletivo ou renunciar a qualquer função ativa com responsabilidades num partido político após a sua designação como membro do Tribunal? Não ocupo qualquer cargo eletivo, nem sou membro de qualquer partido político, pelo que esta questão não se coloca. 7. Como abordaria uma grave irregularidade, ou até mesmo um caso de fraude e/ou corrupção que envolvesse entidades do seu Estado-Membro de origem? É necessário levar muito a sério qualquer irregularidade grave, caso de fraude e de corrupção, PE v /15 PR\ doc

11 caso contrário, estas práticas podem propagar-se e comprometer a integridade e a reputação das receitas e das despesas da União Europeia. Abordaria uma irregularidade grave, um caso de fraude ou de corrupção no meu Estado-Membro de origem da mesma forma como o faria se tal sucedesse em qualquer outro Estado-Membro. Aplicaria o procedimento previsto para casos desta gravidade, o que, de acordo com a Decisão do Tribunal de Contas, implicaria a notificação do Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF) por parte do Tribunal. Desempenho das funções 8. Quais deverão ser as características essenciais de uma cultura de boa gestão financeira em qualquer serviço público? Uma cultura de boa gestão financeira num serviço público implica o recurso a sistemas em vigor, a observância de normas e a realização de controlos, de modo a que os gestores disponham, a todos os níveis, de: - clareza acerca dos seus objetivos, meios para avaliar, e sempre que possível, medir as atividades e os resultados alcançados, tendo em conta esses objetivos; - responsabilidades bem delimitadas, a fim de utilizar da melhor forma os recursos públicos, financeiros e outros, incluindo um exame crítico da atividade e da rentabilidade dos recursos; e ainda - informação, nomeadamente a avaliação dos custos e dos benefícios; formação e acesso a aconselhamento especializado, indispensáveis ao exercício eficaz das suas funções. Por conseguinte, uma cultura de boa gestão financeira deve dispor de estruturas adequadas, pessoal competente e em número suficiente, sistemas e registos de informação de boa qualidade, bem como observar as disposições em matéria de concursos públicos, controlos internos adequados, interiorizar e recorrer ativamente à avaliação dos riscos, elaborar relatórios financeiros atempados destinados às partes interessadas externas e relatórios de auditoria externa que não apresentem quaisquer reservas, sem esquecer provas de que são realizados esforços permanentes de aperfeiçoamento, através da elaboração de planos de ação destinados a implementar as conclusões resultantes de relatórios de auditoria internos e externos. O Regulamento Financeiro aplicável ao orçamento geral das Comunidades Europeias exige que os recursos sejam utilizados de acordo com os princípios de uma boa gestão financeira, nomeadamente os princípios da economia, da eficiência e da eficácia. A economia consiste em obter recursos em tempo útil, na quantidade e qualidade certas e ao melhor preço. A eficiência consiste em alcançar a maior produção útil possível a partir de determinado nível de recursos. A eficácia visa o alcance dos objetivos específicos fixados e dos resultados pretendidos com a atividade. Nos regulamentos relativos a políticas setoriais, a sustentabilidade ambiental tem vindo a juntar-se, de modo crescente, a estes princípios. O Regulamento Financeiro dispõe ainda que as avaliações ex ante e ex post devem ser de aplicação a todos os programas e atividades que impliquem despesas significativas. Todavia, deparamo-nos, por vezes, com programas feitos à pressa, por razões muitas vezes PR\ doc 11/15 PE v01-00

12 compreensíveis, cujos objetivos e alcance evoluem ao longo do tempo, e que, por falta de meios, são objeto de uma avaliação ex post interna insuficiente. A cultura de gestão financeira no âmbito da administração do orçamento da UE, em que grande parte das despesas é gerida nos Estados-Membros, deve ainda incluir regulamentos que permitam à Comissão interromper ou suspender pagamentos aquando da ocorrência de deficiências ou irregularidades significativas. Por conseguinte, o Tribunal de Contas Europeu desempenha um papel muito importante. Pode, com o apoio ativo e interessado do Parlamento Europeu, nomeadamente, da sua Comissão do Controlo Orçamental, e através tanto das suas auditorias financeiras como das suas auditorias de resultados, desempenhar um papel significativo para promover a implementação de princípios e práticas de boa gestão financeira. 9. Nos termos do Tratado, o Tribunal deve assistir o Parlamento no exercício dos seus poderes de controlo da execução do orçamento. Como descreveria as suas funções no que respeito a relatar ao Parlamento Europeu e em especial à sua Comissão do Controlo Orçamental? O Parlamento Europeu desempenha um papel vital na responsabilização do executivo relativamente à forma como são gastos os recursos públicos. A responsabilidade principal pelas despesas da UE recai sobre a Comissão, que exerce a função executiva primordial, e que deve ser responsabilizada pela Comissão do Controlo Orçamental do Parlamento. A informação subjacente a este processo é fornecida pelo Tribunal de Contas independente, cujo Relatório Anual disponibiliza informações importantes para o processo anual de quitação, através da avaliação do grau de legalidade e de regularidade das despesas, e cujos relatórios especiais avaliam se estas se regem pelos princípios de uma boa gestão financeira. Conheço bem e respeito os procedimentos da Comissão Parlamentar das Contas Públicas no Reino Unido, o organismo equivalente à Comissão do Controlo Orçamental, e no qual dei provas como contabilista (ver resposta ao ponto 1.º mais acima) Como membro do Tribunal, tenciono trabalhar arduamente, para garantir que o Parlamento possa dispor, em tempo oportuno, de relatórios do Tribunal da melhor qualidade. É meu intuito, também, apresentar e explicar tais relatórios num espírito de diálogo aberto e de consulta. Na prática, procuraria ainda, em colaboração com os deputados, manter um debate permanente, sobre como melhorar estes relatórios no futuro, a fim de servir melhor as suas necessidades. Tal seria, por seu turno, alimentado pelo trabalho com os colegas do Tribunal, garantindo que nos mantemos ao corrente dos desenvolvimentos, tanto no que se refere às despesas da UE, como aos interesses da comissão, de forma a identificar questões potencialmente férteis para futuros relatórios do Tribunal. 10. Que valor acrescentado pensa que a auditoria de resultados traz e de que forma devem as conclusões ser incorporadas nos procedimentos de gestão? A auditoria de resultados desempenha um papel de importância crescente para ajudar a PE v /15 PR\ doc

13 melhorar a qualidade das despesas e a rentabilidade dos recursos públicos, nomeadamente no que se refere à promoção das boas práticas e da boa utilização dos recursos. Trata-se de um complemento fundamental à auditoria financeira, e ambas constituem as duas principais ferramentas na caixa de ferramentas da auditoria pública. A INTOSAI define a auditoria de resultados como a verificação dos três princípios da economia, da eficiência e da eficácia, os chamados princípios «3-E». O Manual da Auditoria de Resultados do Tribunal define a auditoria de resultados como sendo a auditoria da boa gestão financeira, ao verificar se a Comissão e/ou outras entidades auditadas aplicaram estes princípios «3-E» na utilização dos fundos da UE. Na prática, uma boa auditoria de resultados pretende examinar se os objetivos e o desempenho, fixados originalmente enquanto resultados possíveis de uma política, foram alcançados, e a que preço para o público. Vários problemas práticos no campo das políticas públicas podem transformar a tarefa em si, e, por conseguinte, a auditoria de resultados da mesma, num desafio. Em primeiro lugar, no momento em que uma política é iniciada, é difícil definir os objetivos, em particular quando estes são múltiplos. De forma regular, o Tribunal realça a existência de problemas ligados à fixação de objetivos. Em segundo lugar, os responsáveis encontram-se frequentemente sob pressão de recursos e de tempo. Deste modo, não dão, à partida, prioridade à fixação de objetivos claros e mensuráveis. Podem ainda ter relutância em estabelecer objetivos e sistemas de medição segundo os quais os seus resultados podem ser julgados, quer interna, quer externamente. Em terceiro lugar, pode não ser fácil obter os dados e os instrumentos necessários para estabelecer e medir resultados, nomeadamente em novas áreas das políticas públicas, uma questão igualmente realçada com regularidade pelo Tribunal. Todos estes fatores tornam a auditoria de resultados - um domínio em crescimento - cada vez mais relevante para encorajar o aperfeiçoamento e divulgar as boas práticas. A auditoria de resultados deve facultar ao Parlamento e ao Conselho recomendações atempadas, pertinentes e de caráter obrigatório para serem analisadas e debatidas com os responsáveis políticos. Aliás, espera-se que estas auditorias levem os profissionais a adotar muitas destas recomendações, de preferência em planos de ação por eles elaborados e executados, no intuito de melhorar a prestação de serviços públicos no futuro, uma vez que a integração das conclusões em procedimentos de gestão recai, em última análise, sobre os responsáveis pelo desembolso dos fundos públicos bem como pela elaboração e implementação das políticas públicas, isto é, tanto a Comissão como os beneficiários dos recursos públicos da UE nos Estados-Membros. Isto significa que a realização de estudos de acompanhamento em tempo oportuno e da auditoria de resultados deve fazer parte das boas práticas do auditor público, de forma a verificar se as alterações propostas e prometidas foram realizadas e identificar questões que possam ter surgido ulteriormente. 11. Como se poderá proceder ao reforço da cooperação entre o Tribunal de Contas, as instituições nacionais de auditoria e o Parlamento Europeu (Comissão do Controlo Orçamental) no que diz respeito à auditoria do orçamento da UE? O TFUE fornece um bom fundamento para uma tal cooperação reforçada. O artigo 287.º n.º 3, dispõe que, quando as auditorias se realizam nos Estados-Membros, o Tribunal e as instituições nacionais de controlo devem cooperar num espírito de confiança, mantendo PR\ doc 13/15 PE v01-00

14 embora a respetiva independência. O artigo 310.º n.º 5, estipula que os Estados-Membros devem cooperar com a União para assegurar que as dotações sejam utilizadas de acordo com os princípios da boa gestão financeira. Tudo isto é fundamental, pois grande parte das despesas e da sua execução requerem a participação de entidades que se encontram nos Estados-Membros, pelo que faz sentido que existam disposições que permitam a coordenação do trabalho realizado pelo Tribunal nos Estados-Membros com as instituições nacionais de auditoria. Tanto quanto percebi, o Comité de Contacto das Instituições Superiores de Controlo da União Europeia e a EUROSAI, em que o Tribunal participa ativamente, proporcionam, não só uma plataforma adequada para acertar questões práticas de coordenação, mas também um fórum em que organismos de auditoria pública podem discutir questões emergentes e pertinentes para o setor em toda a Europa. As suas reuniões não se limitam àquelas entre instituições de auditoria, mas têm contado com oradores importantes de partes interessadas nacionais e europeias. Através do seu empenho proativo em conjunto com instituições superiores de controlo de países que se tornarão novos Estados-Membros da UE, têm também assistido futuras entidades de custódia da auditoria dos fundos da UE. Sei que estão a ser tomadas medidas no sentido de facilitar um apoio acrescido por parte do TCE às atividades em curso do Comité de Contacto. Tudo isto parece corresponder ao tipo de intercâmbios e iniciativas desenvolvidas em conjunto que ajudarão a assegurar uma abordagem coerente e sustentável da auditoria do orçamento da UE, onde quer que a despesa ocorra. Gostaria de ter a oportunidade de participar neste trabalho. De uma maneira geral, constatei que, quer a nível governamental quer na UE, as relações entre as respetivas instituições do setor público, independentemente da sua qualidade, podem sempre ser melhoradas e estribar-se num diálogo aberto, regular e cooperante, assente numa base factual comum. Para este fim, gostaria de explorar ainda o potencial para auditorias conjuntas entre as equipas do TCE e as das instituições superiores de controlo, uma vez que dispõem do potencial para precisamente desenvolver uma tal base factual comum, consensual e geralmente compreendida. Pode ainda haver margem para estabelecer um diálogo reforçado e ad hoc entre instituições, que pode incluir um diálogo mais intenso entre as instituições europeias e os parlamentos nacionais, de forma a melhorar a compreensão e a cooperação e a reforçar a responsabilização democrática da gestão financeira a todos os níveis. Outras questões Estaria disposto a retirar a sua candidatura, caso o parecer do Parlamento Europeu sobre a sua nomeação como membro do Tribunal de Contas fosse desfavorável? É fundamental que a relação entre o Tribunal e o Parlamento Europeu - assim como as relações com as instituições nacionais - seja positiva, de respeito mútuo e se baseie num espírito de colaboração, tal como expliquei na resposta 11. Como tal, espero verdadeiramente que o parecer do Parlamento Europeu relativamente à minha indigitação seja positivo. No caso de um parecer desfavorável, consideraria seriamente retirar a minha candidatura. Teria de consultar o governo do Reino Unido, e gostaria de compreender primeiro as razões que levaram a uma tal posição, para poder formar um juízo com conhecimento de causa sobre a melhor maneira de reagir. PE v /15 PR\ doc

15 Estou pessoalmente empenhado em tornar-me membro do Tribunal, para servi-lo o melhor que posso e trabalhar em cooperação estreita com o Parlamento, em particular com a sua Comissão do Controlo Orçamental. Espero que as provas escritas e orais que apresentei demonstrem isto mesmo, e de forma satisfatória, aos deputados do Parlamento Europeu. PR\ doc 15/15 PE v01-00

Mandato do Comité de Auditoria

Mandato do Comité de Auditoria BCE-PÚBLICO Mandato do Comité de Auditoria O Comité de Auditoria de alto nível, estabelecido pelo Conselho do Banco Central Europeu (BCE) nos termos do artigo 9.º-A do Regulamento Interno do BCE, reforça

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR. 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência

AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR. 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência RECURSOS HUMANOS Recrutamento e evolução de carreira AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência SOMOS O Tribunal de Contas Europeu

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Controlo Orçamental 2010/0806(NLE) 1.3.2010 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a nomeação de Rasa Budbergyté para o cargo de membro do Tribunal de Contas (C7-0018/2010

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Controlo Orçamental 19.1.2012 2012/0801(NLE) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a nomeação de Baudilio Tomé Muguruza para membro do Tribunal de Contas (C7-0015/2012 2012/0801(NLE))

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Controlo Orçamental 06.02.2012 2011/223 (DEC) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência Comunitária de Controlo das Pescas para

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Orçamentos 15.9.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre o mandato externo do BEI Comissão dos Orçamentos Relator: Ivailo Kalfin DT\830408.doc PE448.826v01-00 Unida na

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O Provedor de Justiça Europeu procede a inquéritos para esclarecer eventuais casos de má administração na atuação de instituições, organismos, gabinetes e agências da União

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA(BoS(13/164 PT Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA WesthafenTower Westhafenplatz 1 60327 Frankfurt Germany Phone: +49 69 951119(20 Fax: +49 69 951119(19

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2013)462 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo a fundos europeus de investimento a longo prazo 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO

A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO -1- A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO A Mota-Engil Africa N.V. (a "Empresa") adotou um modelo de governação de um nível. Nos termos do disposto no princípio III.5 (e nas disposições

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas ANEXO XI Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas Inicialmente, as suas competências eram, fundamentalmente, de órgão de inspeção das direções de finanças, repartições de finanças e de dar

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014

Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014 Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014 acompanhado das respostas da Empresa Comum 12, rue Alcide De Gasperi - L - 1615 Luxembourg T (+352) 4398 1 E eca-info@eca.europa.eu

Leia mais

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO Declaração Conjunta da FEEE e do CSEE sobre a «Promoção da Autoavaliação das Escolas e dos Professores» no âmbito do

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.12.2013 COM(2013) 913 final ANNEX 1 ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS (SIALM) Nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS u ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PARECER COM(201 2)782 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que estabelece um programa da União Europeia de apoio a atividades

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 28 de Junho de 2004 PROVISÓRIO 0000(BUD) Parte 1 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o projecto de orçamento rectificativo nº 7/2004 da União Europeia para

Leia mais

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA)

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) JC 2014 43 27 May 2014 Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) 1 Índice Orientações sobre tratamento de reclamações para

Leia mais

(18) Capitalização de bonificações de juros, contribuições para prémios de garantias (se for caso disso)

(18) Capitalização de bonificações de juros, contribuições para prémios de garantias (se for caso disso) L 271/20 ANEXO I Índice anotado de um acordo de financiamento entre uma autoridade de gestão e um intermediário financeiro Índice: (1) Preâmbulo (2) Definições (3) Âmbito e objeto (4) Objetivos políticos

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função

Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função Título Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função Departamento Jurídico da Holding Documento BGHP_version1_03032011 1. Finalidade A finalidade desta

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 Considerando os objetivos do Governo dos Açores em promover, na Região, um conhecimento especializado de temáticas

Leia mais

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en)

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) EUCO 23/13 CO EUR 3 CONCL 2 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: CONSELHO EUROPEU 14/15 de março de 2013 CONCLUSÕES

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ARUSHA (REVISADA)

DECLARAÇÃO DE ARUSHA (REVISADA) DECLARAÇÃO DE ARUSHA (REVISADA) DECLARAÇÃO DO CONSELHO DE COOPERAÇÃO ADUANEIRA SOBRE A BOA ADMINISTRAÇÃO E A ÉTICA EM MATÉRIA ADUANEIRA CONSELHO DE COOPERAÇÃO ADUANEIRA *, CONSIDERANDO que as administrações

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE Decreto n.º 24/98 Acordo de Cooperação Cambial entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde e o Protocolo para o Estabelecimento da Comissão do Acordo de Cooperação Cambial Nos termos da alínea

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs)

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) AS COMUNICAÇÕES ENTRE ADVOGADO E CLIENTE SÃO ESTRITAMENTE CONFIDENCIAIS Este documento destina-se a abordar questões que possam surgir no decurso

Leia mais

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL Departamento de Estatística do Banco de Portugal 2013 I INTRODUÇÃO Os principais referenciais sobre a qualidade estatística 1 identificam a importância

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais