Leucemias: Qual o papel dos glóbulos vermelhos?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leucemias: Qual o papel dos glóbulos vermelhos?"

Transcrição

1 Revista bimestral de ciência e investigação em saúde Nº4 - Ano Março/Abril Leucemias: Qual o papel dos glóbulos vermelhos? Síndrome de Wernicke-Korsakoff Simétricos por fora, assimétricos por dentro

2 Licenciaturas em: Enfermagem Fisioterapia Terapêutica da Fala Farmácia Higiene Oral Prótese Dentária Radiologia Análises Clínicas e Saúde Pública Campus Académico do ISAVE Quinta de Matos - Geraz do Minho Póvoa de Lanhoso Tel Fax

3 Editorial A anunciar a Primavera, a sorrir, quente, quase dourada pela luz suave dos dias azuis, a Ser Saúde continua a crescer, a deixar raízes, a criar percursos livres num murmúrio de palavras que alimentam dúvidas, o saber. 1 Neste número, definimos o Prémio Ser Saúde/ISAVE de ciência e investigação em saúde. Damos a conhecer o conselho científico. E, sem fugir ao nosso rumo, apresentamos textos que criam e cativam pela diversidade, pelos tons e sons que fluem em saúde. Sei que não há caminhos traçados. Existem trajectos que podem ser reformulados a cada desejo. A Ser Saúde, como o ISAVE Instituto Superior de Saúde do Alto Ave, terá sempre essa liberdade de voo, de asas, pois acredito nas estradas que os pássaros definem em cada bater de sonho. Aproveito este momento para agradecer em nome do ISAVE a todos os que tornam a Ser Saúde uma realidade límpida, de Sol. Agradecer a quem a lê, a quem sonha, na verdade, que, nas palavras, podemos criar um mundo de saúde melhor. São estes os passos que sempre nos vão levar em cada direcção. Eugénio Pinto

4 2 8 Rui Nunes A reorganização dos serviços de urgência e o novo Sistema de Saúde A marca genética desta reforma é a criação de diferentes tipos de serviços, nomeadamente e por ordem crescente de complexidade e diferenciação serviços de urgência básica, serviços de urgência médico-cirúrgica e serviços de urgência polivalentes. 12 Fernando A. Arosa, Ricardo F. Antunes Podem os glóbulos vermelhos desempenhar um papel na progressão de doenças leucémicas? Apesar do papel desempenhado pelos glóbulos vermelhos em doentes com doenças leucémicas ou com outros tipos de tumores não ser claro, a evidência acumulada pelo nosso grupo aponta para os glóbulos vermelhos como uma fonte de nutrientes que poderá contribuir de uma maneira decisiva para a progressão da doença através da sustentação da proliferação e a sobrevivência dos linfócitos leucémicos. 22 Entrevista a Amílcar Falcão A resolver problemas na saúde Se há uma fonte de moléculas para o sangue posso encontrar forma de interpretar esse aparecimento de moléculas no sangue da mesma forma que interpreto quando administro um medicamento. Foi esta junção da componente medicamento com a formação de marcadores tumorais, que permitiu fazer a ponte entre as duas áreas e transportar conhecimentos de um lado para o outro. 34 Fernando Manuel Pinto de Azevedo Nanociência e Nanotecnologia As Nanotecnologias deverão, assim, ser desenvolvidas de uma forma segura e responsável de modo a contribuírem para uma melhoria na qualidade de vida das pessoas ao nível da saúde, do ambiente e no uso de novas tecnologias de comunicação e informação. Os princípios éticos devem ser respeitados, os potenciais riscos para a saúde ou para o ambiente têm de ser estudados para posterior regulamentação, sendo também necessário averiguar sobre os impactos sociais. 48 Humberto Figueiredo, Ilda Murta Síndrome de Wernicke- Korsakoff O abuso de álcool é um dos mais sérios problemas de saúde pública e a síndrome de Wernicke-Korsakoff uma das mais graves consequências do alcoolismo. Esta patologia raramente é diagnosticada nas suas apresentações menos evidentes, razão pela qual uma abordagem diagnóstica apropriada é um passo importante para o seu tratamento. Entre as novas propostas farmacológicas, está a reposição dos níveis de tiamina, embora isso seja insuficiente para prevenir o declínio físico e mental de um grande número de doentes. Poster Sónia Xará, Bárbara Parente, Ana Barroso, Sara Conde, Sofia Neves, Paula Silva, Paula Costa, Luís Matos, Isabel Dias Rastreio do risco nutricional em doentes com cancro do pulmão

5 64 Raquel Lourenço, Leonor Saúde Simétricos por fora, assimétricos por dentro Na tentativa de se compreender o processo que induz a quebra da simetria, vários estudos genéticos bem como farmacológicos têm sido desenvolvidos nos últimos anos. Contudo, e apesar de se conhecerem cada vez melhor os componentes que integram o processo que conduz à assimetria esquerda/direita, ainda se desconhece como este é iniciado nos embriões de vertebrados e até que ponto é um mecanismo conservado. 78 Gustavo Afonso, Lara Costa, Marta Miranda Úlceras arteriais e diagnóstico diferencial As úlceras arteriais representam 10 a 25% da totalidade das úlceras vasculares São mais frequentes nos homens com mais de 50 anos de idade. Nas mulheres surgem quase sempre acima dos 65 anos, tendência que tem vindo a decrescer por aumento dos hábitos tabágicos entre o sexo feminino, factor de risco com maior preponderância para o desenvolvimento desta patologia. 90 Helena Salazar Necessidades dos doentes em Cuidados Paliativos As necessidades do doente em Cuidados Paliativos são tão específicas quanto singular é cada pessoa. Requerem uma atenção integral para poder aceitar o adoecer progressivo para uma fase terminal e viver a vida que ainda possa ter com a maior dignidade e qualidade possível. 100 Maria Laurência Gemito, Maria da Saudade Marques Promover o envelhecimento com saúde prevenir o tétano O envelhecimento é, sem dúvida, um processo dinâmico e progressivo, em que as modificações que ocorrem são morfológicas, bioquímicas e psicológicas, conducentes à perda progressiva da capacidade de adaptação da pessoa ao meio ambiente, desencadeando maior vulnerabilidade, uma maior incidência de processos patológicos e uma redução da capacidade de sobreviver, podendo conduzir o indivíduo à morte. 112 Ramiro Délio Borges de Meneses Eutanásia: da Axiologia à Teologia Apesar do avanço da ciência, se auscultarmos a realidade sociológica actual, nas comunidades da nossa convivência cultural, certamente vamos entender a complexidade e a profundidade do tema. Tem de se deixar assente que a realidade se apresenta com complexidade muito elevada, dificultando a valorização da oportunidade na decisão a tomar. Afirmações como incurável, proximidade da morte, perspectiva de cura, prolongamento da vida são relativas e de uma referência, em muitas ocasiões, pouco fiáveis. Daí a delicadeza e escrupulosidade necessárias na hora do confronto com a casuística. 3

6 4 Director Eugénio Pinto Editores Isabela Vieira Rui Castelar Director de arte e grafismo Ângelo Mendes Fotografia Cláudio Capone Publicidade Celmira Dias Propriedade Ensinave Educação e Ensino Superior do Alto Ave Campus Académico do ISAVE Instituto Superior de Saúde do Alto Ave Quinta de Matos Geraz do Minho Póvoa de Lanhoso NIF Impressão Orgal, impressores Rua do Godim, Porto Tiragem 5 mil exemplares / bimestral Contactos Ser Saúde Campus Académico do ISAVE Instituto Superior de Saúde do Alto Ave Quinta de Matos Geraz do Minho Póvoa de Lanhoso Telefone Fax Nº de Registo na ERC ISSN Depósito Legal / Os artigos publicados nesta edição da Ser Saúde são da responsabilidade dos autores. Proibida a reprodução parcial ou total, sob qualquer forma, sem prévia autorização escrita. Actualidade Biocant sequencia genoma de bactéria portuguesa O Biocant utilizou o seu novo sequenciador de DNA GS20 para obter a sequência do genoma da bactéria Rubrobacter radiotolerans, uma bactéria resistente às radiações, isolada em S. Pedro do Sul. O Biocant sequenciou o genoma completo de uma bactéria em Portugal recorrendo ao GS 20, um novo sequenciador de DNA da Roche, baseado em pico reactores paralelos e pirosequenciação. Este equipamento permite a obtenção de um genoma de um microrganismo em cerca de 5 horas, permitindo uma redução drástica do trabalho envolvido na fase de sequenciação recorrendo à tecnologia tradicional. A sequenciação deste microrganismo com um genoma de cerca de 3,5 Mb foi conseguida com um coverage de 21 vezes. A anotação automática do genoma foi já realizada estando agora a decorrer a anotação manual e o polimento final da sequência. O novo sequenciador GS20, já instalado no Biocant, é um equipamento bastante versátil permitindo para além da sequenciação de genomas, a abordagem metagenómica de comunidades de microorganismos, genotipagem de polulações, identificação de SNPs em tecidos tumorais e análise do transcriptoma ou da regulação genética.

7 Agenda Março XIII Congresso Nacional de Medicina/ IV Congresso Nacional do Médico Interno 01 de Março Centro de Congressos dos Hospitais da Universidade de Coimbra XXVII Congresso Nacional de Cirurgia 04 de Março Culturgest, Lisboa V Jornadas A comunicação humana e as suas perturbações 09 de Março Escola Superior de Saúde do Alcoitão 14º Congresso de Pneumologia do Norte 15 de Março Fundação Cupertino de Miranda, Porto Congresso de Análises Clínicas e Saúde Pública APTAC de Março Centro de Artes e Espectáculos, Figueira da Foz XXI Jornadas do Serviço de ORL do Hospital Geral de Santo António 23 de Março Hotel Porto Palácio, Porto V Jornadas Luso Espanholas de Terapia Manual 30 de Março Braga Abril Jornadas de Medicina Intensiva da Primavera 2007 Dimensão Ética dos Cuidados Intensivos 06 de Abril Seminário de Vilar, Porto 5 Tratamentos Domiciliários Aerosolterapia * Oxigenoterapia * Ventiloterapia Screnning Domiciliário * Aspirador de Secreções Ventilação Volumétrica * Apneia de Sono Apneia do Lactente * Pulsoximetria * Coughassist Rua do Progresso, Leça da Palmeira Tel.: Fax.: Gasin Gases Industriais S A EN KM 1,8 D S. Marcos Cacém Tel.: Fax.:

8 XI Congresso Internacional de Educação Familiar 11 de Abril Coimbra XXVIII Congresso Português de Cardiologia 22 de Abril Tivoli Marinotel, Vilamoura 6 I Congresso de Análises Clínicas e Saúde Pública do INSA Porto 19 de Abril Anfiteatro da Fundação Almeida Garrett, Porto I Congresso Ibérico de Gerontologia Conhecer para Intervir 19 a 20 de Abril ISAVE Póvoa de Lanhoso (www.isave.pt) XV Conferência ENM (European Nursing Module) 25 a 28 de Abril ISAVE Póvoa de Lanhoso (www.isave.pt) 2ª Reunião Internacional da Sociedade Portuguesa de Células Estaminais e Terapia Celular (SPCE-TC) 27 a 28 de Abril Fundação Bissaya Barreto, Coimbra Conselho Científico Ser Saúde Adelino Correia Adília Rebelo Adrian Llerena A. Fernandes da Fonseca Alberto Salgado Alexandre Antunes Alexandre Castro Caldas Alexandre Quintanilha Alves de Matos Amílcar Falcão Ana Preto António Miranda António Paiva António Rosete Armando Almeida Arminda Mendes Costa Artur Manuel Ferreira Berta Nunes Carla Matos Carlos Alberto Bastos Ribeiro Carlos Albuquerque Carlos Pedro Castro Carlos Pereira Alves Carlos Valério Carmen de la Cuesta Catarina Tavares Célia Cruz Célia Franco Constança Paúl Daniel Montanelli Daniel Pereira da Silva Daniel Serrão Delminda Lopes de Magalhães Dinora Fantasia Duarte Pignatelli Elsa Pinto Eurico Monteiro Fátima Francisco Faria Fátima Martel Fernando Azevedo Fernando Schmitt Fernando Ventura Freire Soares Guilherme Macedo Gustavo Afonso Gustavo Valdigem Helena Alves Helena Martins Henrique de Almeida Henrique Lecour Isabela Vieira João Costa João Luís Silva Carvalho João Pedro Marcelino João Queiroz João Ramalho Santos Joaquim Faias Jonatas Pego Jorge Correia Pinto Jorge Delgado

9 7 Jorge Ferreira Jorge Marques Jorge Soares Jorge Sousa Pinto José Amarante José Carlos Lemos Machado José Eduardo Cavaco José Luís Dória José Manuel Araújo José Matos Cruz José M. Schiappa José Rueff Laura Simão Liliana Osório Lisete Madeira Lucília Norton Luís Basto Luís Cunha Luís Martins Luiza Kent-Smith Manuel Domingos Manuel Mendes Silva Manuel Teixeira Veríssimo Manuela Vieira da Silva Marco Oliveira Margarida Soveral Gonçalves Mari Mesquita Maria Júlia Silva Lopes Maria Manuela Rojão Maria Margarida Dias Mário Rui Araújo Mário Simões Marta Marques Marta Pinto Miguel Álvares Pereira Paulo Daniel Mendes Pedro Azevedo Pedro Vendeira Piedade Barros Querubim Ferreira Ramiro Délio Borges de Menezes Ramiro Veríssimo Raquel Andrade Regina Gonçalves Rui L. Reis Rui de Melo Pato Rui Nunes Sandra Cardoso Sandra Clara Soares Sérgio Branco Sérgio Gonçalves Sérgio Nabais Sónia Magalhães Susana Magadan Tiago Barros Tiago Osório de Barros Wilson Abreu Veloso Gomes Victor Machado Reis Virgílio Alves

10 Rui Nunes Professor catedrático da faculdade de Medicina do Porto 8

11 A reorganização dos serviços de urgência e o novo Sistema de Saúde 9 Foi recentemente proposta uma reforma profunda da rede de prestação de serviços de urgência. Ninguém duvida que é fundamental proceder a esta requalificação, dado que alguns serviços estão de tal modo obsoletos que melhorar o desempenho assistencial neste domínio é uma prioridade no sector da saúde. A marca genética desta reforma é a criação de diferentes tipos de serviços, nomeadamente e por ordem crescente de complexidade e diferenciação serviços de urgência básica, serviços de urgência médico-cirúrgica e serviços de urgência polivalentes. Alguns aspectos, porém, merecem uma discussão mais aprofundada, dado que se é certo que a situação hoje deixa largos segmentos da população a descoberto, a proposta de reforma devia ser, como salienta aliás a Ordem dos Médicos, muito mais ambiciosa. Note-se que a saúde tem protecção constitucional no nosso país. Não se trata de simples retórica mas da assunção de um valor nuclear numa democracia plural. Isto é, uma sociedade democrática é ajuizada pelo modo como trata as pessoas mais desfavorecidas, designadamente os doentes e os deficientes. Esta importante conquista civilizacional tem uma consequência imediata e que é o imperativo da igualdade de tratamento dos cidadãos independentemente do local de residência. Logo se deduz que qualquer projecto de reforma dos serviços de urgência deve ter em atenção este preceito constitucional de modo a não discriminar ainda mais as zonas rurais do interior do país que, por diversas ordens de razões, são já severamente penalizadas.

12 Infelizmente, o exemplo recente do encerramento de maternidades sem a existência de estudos independentes que confirmassem a sua necessidade expôs a dura realidade que é a iniquidade de tratamento das populações que residem nas zonas mais periféricas do país. 10 Infelizmente, o exemplo recente do encerramento de maternidades sem a existência de estudos independentes que confirmassem a sua necessidade expôs a dura realidade que é a iniquidade de tratamento das populações que residem nas zonas mais periféricas do país. O caso da maternidade de Elvas é paradigmático. Forçar as grávidas a efectuar o parto em Espanha por incumprimento das obrigações constitucionais do sistema público de saúde traduz a desumanização reinante no nosso país em homenagem a uma lógica estritamente economicista. Por outro lado, se é certo que a melhoria incontestável dos eixos rodoviários veio permitir uma melhor acessibilidade de todos os cidadãos aos centros urbanos do litoral, deve ter-se em atenção que este factor por si só não é suficiente para garantir a qualidade assistencial nas zonas mais desprotegidas do país. Como tem sido referido por diversas autoridades na matéria a reforma em curso deve ser acompanhada também de idêntica reforma da emergência pré-hospitalar. Ou seja, não é suficiente reorganizar os serviços de urgência. É fundamental também alterar profundamente o modo como se chega a esses serviços. Mais uma vez, este problema é particularmente importante em zonas do interior onde, apesar de novas e modernas acessibilidades, as condições climatéricas ou geográficas fazem com que a demora média aos serviços de urgência continue inadequado. Assim, também o INEM Instituto Nacional de Emergência Médica deve ser dotado dos recursos humanos (médicos, enfermeiros, etc.) e dos instrumentos (viaturas especializadas, helicópteros, etc.) necessários para que o acesso aos serviços de urgência seja optimizado. Mais ainda, a articulação com a sociedade civil nomeadamente os bombeiros deve ser considerada prioritária, dado que inúmeras vezes são estes profissionais que sem o apoio adequado por parte do Estado prestam um apoio inestimável às populações mais carenciadas.

13 E a incapacidade dos governantes para resolver os problemas concretos da saúde em Portugal propondo medidas de natureza casuística não deve impedir um cuidadoso planeamento dos serviços de prestação de cuidados de saúde. O tipo e qualidade dos serviços de urgência, assim como a sua distribuição relativa pelo território nacional, devem ser alvo de estudos idóneos por entidades credíveis, de modo a que possamos construir um Novo Sistema de Saúde que satisfaça as necessidades básicas da população. Por estes e outros motivos a proposta de reforma dos serviços de urgência é de facto pouco ambiciosa. Mesmo que não fosse possível elevar a fasquia de imediato, o objectivo final devia ser garantir que qualquer cidadão não demorasse mais de 45 minutos a ser assistido por pessoal competente e numa urgência tecnicamente adequada ao seu problema de saúde. E a incapacidade dos governantes para resolver os problemas concretos da saúde em Portugal propondo medidas de natureza casuística não deve impedir um cuidadoso planeamento dos serviços de prestação de cuidados de saúde. O tipo e qualidade dos serviços de urgência, assim como a sua distribuição relativa pelo território nacional, devem ser alvo de estudos idóneos por entidades credíveis, de modo a que possamos construir um Novo Sistema de Saúde que satisfaça as necessidades básicas da população. 11

14 Fernando A. Arosa Ricardo F. Antunes Lymphocyte Biology Group, IBMC Instituto de Biologia Molecular e Celular Palavras-chave: Glóbulos vermelhos, linfócitos T, proliferação, sobrevivência, leucemia 12 Podem os glóbulos vermelhos desempenhar um papel na progressão de doenças leucémicas? Apesar de ser hoje indiscutível que a função principal dos glóbulos vermelhos é transportar oxigénio e dióxido de carbono, estudos recentes têm associado os glóbulos vermelhos à regulação de processos fisiológicos tais como a contracção vascular, a agregação de plaquetas ou a proliferação linfocitária.

15 13

16 14 Resumo A homeostasia das células linfóides em geral, e os linfócitos T em particular, é o resultado de um delicado equilíbrio entre a morte e a sobrevivência do linfócito, sendo que anomalias em algum destes processos podem levar a doenças linfoproliferativas malignas. Apesar de ser hoje indiscutível que a função principal dos glóbulos vermelhos (GV) é transportar oxigénio e dióxido de carbono, estudos recentes têm associado os GV à regulação de processos fisiológicos tais como a contracção vascular, a agregação de plaquetas ou a proliferação linfocitária. Estudos in vitro realizados no nosso laboratório durante os últimos seis anos concluiram que os GV são células capazes de regular o ciclo celular e a sobrevivência de linfócitos T em divisão. Estes resultados levaram-nos a postular que em condições de malignidade, como em doentes com leucemias, os GV poderão funcionar como uma fonte quase inesgotável de factores de sobrevivência e de crescimento que poderão favorecer a progressão do tumor. Com base nestes dados, foi proposto que o efeito que os glóbulos vermelhos exercem quer nos números quer na função de populações linfocitárias poderá influenciar de uma maneira determinante a progressão de doenças com um componente auto-imune ou doenças relacionadas com anomalias no controlo do ciclo celular.

17 Os glóbulos vermelhos como transportadores de bioactividades Além de transportar O 2 e CO 2, os GV têm a capacidade de regular a contractilidade vascular, através de ciclos de ligação/libertação do NO pela hemoglobina em função das alterações na tensão do O 2, fazendo dos GV transportadores da bioactividade do NO (1). Com base nestes dados, foi proposto que os GV podem ter um papel importante na regulação da homeostasia vascular, como foi evidenciado pela existência de malformações cardiovasculares e morbilidade na discrasia dos GV, tais como talassemia, policitemia e anemia de células falciformes (1). Além de regular a contracção vascular os GV têm também a capacidade de regular a agregação plaquetária (2), inibir a apoptose dos neutrófilos (3), e regular a adesão de linfócitos T ao endotélio (4). Por outro lado, o efeito imunossupressor da transfusão de sangue, necessária numa variedade de situações, é conhecido desde há muitos anos. Este efeito foi descrito pela primeira vez por Gerhard Opelz na década de 1970 quando doentes que tinham recebido transfusões de sangue, antes de receber um transplante renal, tiveram níveis inferiores de rejeição do que doentes que não receberam a transfusão, e os quais foram associados a respostas reduzidas dos linfócitos destes doentes em testes de proliferação in vitro (5,6). Apesar de existirem opiniões diversas, a possibilidade de que os próprios eritrócitos medeiem, parcial ou totalmente, o efeito imunomodulador dos GV permanece em aberto (7). De facto, estudos experimentais e clínicos recentes apontam para os GV transfundidos como indutores de actividade imunossupressora in vivo responsável por uma maior sobrevivência do órgão transplantado, incluindo o aparecimento de linfócitos T CD8 + supressores e prostaglandina E2 ou PGE2 (8). A PGE2 é um mediador lipídico capaz de induzir linfócitos T CD8 + supressores assim como facilitar o desenvolvimento de linfócitos T CD4 + com um fenótipo Th2 (9,10), duas populações associadas à imunossupressão induzida por transfusões sanguíneas. As transfusões de GV também influenciam os números de linfócitos B e a secreção de auto-anticorpos (11). Com base nestes dados, foi proposto que o efeito que os GV exercem quer nos números quer na função de populações linfocitárias poderá influenciar de uma maneira determinante a progressão de doenças com um componente auto-imune ou doenças relacionadas com anomalias no controlo do ciclo celular (12). 15

18 16 Os glóbulos vermelhos como reguladores do ciclo celular de linfócitos T em divisão Apesar da capacidade dos GV de regularem a proliferação e a função de diversas populações linfocitárias, incluindo linfócitos T, B e NK, ser conhecida há mais de 4 décadas (13-17, revisto em 18), a opinião mais generalizada é que este é um efeito fenomenológico sem qualquer significado fisiológico. Porém, como resultado de estudos realizados pelo nosso grupo visando caracterizar a influência dos GV em diferentes aspectos da biologia dos linfócitos T, foi concluído que a presença de GV, quer autólogos quer heterólogos, em culturas enriquecidas de linfócitos T de sangue periférico aumentava significativamente a proliferação e a sobrevivência destes, independentemente do estímulo utilizado para activar os linfócitos T usar sinais dependentes do complexo TCR/ CD3 ou não (19-22). O efeito dos GV é altamente reproduzível e afecta maioritariamente aos linfócitos T CD8 +, algo já observado in vivo após transfusões de GV. Uma análise dos parâmetros de morte celular e de entrada no ciclo celular após activação revelou que o aumento da proliferação dos linfócitos T induzida pela presença dos GV está associada a uma redução na apoptose e a um aumento no número de divisões celulares, sendo o resultado final um aumento da sobrevivência (19,21). Estudos adicionais concluiram que receptores que foram inicialmente considerados por alguns grupos como responsáveis pelo efeito potenciador da proliferação de linfócitos T pelos GV, como o LFA-3/CD58, não faziam parte dos mecanismos utilizdos pelos GV para aumentar a proliferação e a sobrevivência (12,21). Por outro lado, foi demonstrado que os GV aumentavam a expressão nos linfócitos T em divisão de ferritina rica em subunidades L e heme oxigenase 1 (HO-1) (22). A ferritina e a HO-1 são proteínas citoprotectoras envolvidas na regulação dos níveis de ferro intracelular, um metal com um papel essencial na progressão do ciclo celular de células em divisão (23-25). Assim, adaptamos para a citometria de fluxo um método fluorométrico descrito pelo grupo de Ioav Cabantchick para a medição de alterações no ferro intracelular

19 Apesar do efeito que os glóbulos vermelhos exercem sobre linfócitos T em divisão estar definitivamente estabelecido, para perceber a sua verdadeira dimensão e importância tornou-se necessário identificar as proteínas dos glóbulos vermelhos responsáveis, assim como caracterizar as vias de sinalização que são afectadas por essas proteínas. 17 livre, também conhecido como labile iron pool ou LIP (26). Estes estudos permitiram concluir que linfócitos T em divisão na presença de GV aumentam numa razão de duas vezes o seu nível de ferro intracelular livre quando comparados com os linfócitos T em divisão na ausência de GV (22). Desenha-se, assim, um cenário onde o aumento do LIP poderia reflectir a mobilização de ferro intracelular que é direccionado para vias metabólicas relacionadas com a entrada e progressão no ciclo celular, enquanto que o aumento na expressão de ferritina e HO-1 poderá proporcionar um ambiente citoprotector que permite que os linfócitos T se dividam continuamente sem morte celular significativa. Apesar do efeito que os GV exercem sobre linfócitos T em divisão estar definitivamente estabelecido, para perceber a sua verdadeira dimensão e importância tornou-se necessário identificar as proteínas dos GV responsáveis, assim como caracterizar as vias de sinalização que são afectadas por essas proteínas. Estudos realizados durante o último ano no nosso laboratório, e que contaram com a colaboração de Pedro Pereira (Molecular Structure, IBMC) e de Jorge Azevedo (Organelle Biogenesis and Function, IBMC), indicam que a capacidade dos GV aumentarem a proliferação e sobrevivência de linfócitos T em divisão é mediada por factores secretados para o meio de cultura pelos GV (Antunes et al, manuscrito em preparação). Apesar de uma análise detalhada, através do uso de técnicas de citometria de fluxo, microscopia de fluorescência (Paula Sampaio, IBMC) e de microscopia electrónica, do meio onde estão presentes os GV ter revelado a presença de corpos vesiculares derivados dos GV, com tamanhos que oscilam entre 60 e 150nm, os resultados experimentais indicam que são proteínas/factores solúveis derivados dos GV, e não vesículas, os mediadores da actividade imunorreguladora dos GV in vitro.

20 18 Figura 1. Modelo ilustrativo do efeito dos glóbulos vermelhos em linfócitos em divisão Factores secretados espontaneamente pelos glóbulos vermelhos (GV), quando presentes na proximidade de linfócitos em divisão têm um efeito positivo na actividade de proteínas dos linfócitos que diminuem o stress oxidativo e a apoptose, aumentando ao mesmo tempo a entrada no ciclo celular e a sobrevivência. Em condições normais, os GV podem contribuir, através de mecanismos ainda não bem caracterizados, para a homeostasia dos linfócitos (células a verde) responsável pela eliminação de células tumorais que surgem espontaneamente (célula a cinzento) através da actividade, por exemplo, de linfócitos NK. Em casos onde a actividade dos linfócitos NK, ou outra actividade citotóxica, não consegue controlar o aparecimento de células transformadas, os linfócitos leucémicos (células a cinzento) podem beneficiar da presença dos GV quer no sangue, onde os GV podem sustentar a sobrevivência, quer em microambientes específicos como a medula óssea, onde os GV podem sustentar a sobrevivência e a proliferação celular, em detrimento dos linfócitos T antitumorais normais (células a verde). O resultado final será o crescimento descontrolado dos linfócitos leucémicos face à incapacidade dos linfócitos T normais de reagir. Nestas circunstâncias, uma transfusão de GV teria em efeito perverso ao favorecer ainda mais o crescimento das células leucémicas.

21 Os glóbulos vermelhos num contexto de malignidade Com base nos dados apresentados, questiona-se se os GV poderão funcionar como uma fonte imprevista e inesgotável de nutrientes in vivo, que num contexto de malignidade poderão sustentar a proliferação e a sobrevivência de linfócitos leucémicos e outras células tumorais. Por outras palavras, torna-se necessário verificar se o efeito que os GV exercem em linfócitos T normais em divisão, os quais dividem apenas durante um período limitado de tempo, poderá extrapolar-se a linfócitos leucémicos em continua divisão. Estudos preliminares realizados em colaboração com João T. Barata (Grupo de Biologia do Cancro, IMM, Lisboa) indicam que os GV aumentam a capacidade de divisão e sobrevivênvia de uma linha celular T leucémica cuja proliferação e sobrevivência é dependente da citocina IL-7 (27). Neste contexto, é importante referir que um dos problemas no tratamento de leucemias através de terapias imunológicas que usam linfócitos T antitumorais autólogos é o baixo número de linfócitos T normais nos doentes. Além de causas bem conhecidas como uma leucopenia induzida pela quimioterapia/radioterapia ou uma função anómala da medula óssea, é importante ressaltar a importância adquirida por factores de crescimento e/ou sobrevivência presentes no meio interno onde os linfócitos se movimentam, muitos dos quais são desconhecidos ou foram descobertos recentemente, como a citocina IL-7 (27). Apesar do papel desempenhado pelos GV em doentes com doenças leucémicas ou com outros tipos de tumores não ser claro, a evidência acumulada pelo nosso grupo aponta para os GV como uma fonte de nutrientes que poderá contribuir de uma maneira decisiva para a progressão da doença através da sustentação da proliferação e a sobrevivência dos linfócitos leucémicos (Figura 1). O objectivo da nossa investigação, suportada em parte por uma bolsa atribuída pela Associação Portuguesa Contra a Leucemia (www.contraleucemia. org), visa identificar as proteínas/factores responsáveis pelo aumento da sobrevivência e a proliferação de linfócitos em divisão, quer normais quer leucémicos, de modo a bloquear o fluxo destas proteínas/factores entre os GV e as células leucémicas através da produção de anticorpos monoclonais específicos ou pequenas moléculas inibidoras. 19 Agradecimentos Parte do trabalho apresentado foi financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (projecto POCTI/MGI/38264/2001). Neste momento o trabalho é financiado pela Associação Portuguesa Contra a Leucemia (Bolsa de Investigação APCL AP/ML).

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

TERAPIAS AVANÇADAS: UMA REALIDADE FARMACÊUTICA? - Desafios do Presente e Perspectivas para o Futuro -

TERAPIAS AVANÇADAS: UMA REALIDADE FARMACÊUTICA? - Desafios do Presente e Perspectivas para o Futuro - III Congresso Científico AEFFUL TERAPIAS AVANÇADAS: UMA REALIDADE FARMACÊUTICA? - Desafios do Presente e Perspectivas para o Futuro - 24 e 25 de Novembro de 2011 (Programa Provisório) Coordenação Científica:

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

BIOÉTICA E ÉTICA MÉDICA

BIOÉTICA E ÉTICA MÉDICA BIOÉTICA E ÉTICA MÉDICA CIDES EXT. TELEFONE Direção - Doutor Rui Nunes 26845 220426845 Lic. Filipa Santos (Secretariado) 26840 220426840 Doutora Guilhermina Rego 26844 220426844 Mestre Ivone Duarte 26841

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superio Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superio Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14286394 ALBANO LUIS ANDRADE PEREIRA Não colocado 14388714 ANA BEATRIZ MARTINS MACHADO Colocada em 3133 9104 14371141 ANA CATARINA MOREIRA LEAL Colocada em 7003 14319342 ANA CATARINA SOUSA RIBEIRO Colocada

Leia mais

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES Moção Sectorial Investigação, Desenvolvimento e Inovação (ID&I) - Potenciar a Sociedade do Conhecimento nos Açores O trinómio Investigação, Desenvolvimento

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis Escola Secundária da Portela Loures Ensino Secundário Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias 12º Ano de Escolaridade Para a disciplina de Área de Projecto Prof.ª Ana Reis Relatório Individual

Leia mais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais I Sessão Plenária: Saúde em Todas as Políticas Locais Reduzir as Desigualdades

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14320023 ALEXANDRE VAZ MARQUES VASCONCELOS Colocado em 1105 Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia 9897 Ciências de Engenharia - Engenharia de Minas e Geoambiente 13840715 ANA CLÁUDIA DIAS MARTINS

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013 13897152 ALEXANDRE RIBEIRO DA SILVA Colocado em 0701 9011 11279428 ANA CATARINA MELO DE ALMEIDA Colocada em 0902 14423301 ANA CATARINA VITORINO DA SILVA Colocada em 0604 9229 14306028 ANA JOÃO REMÍGIO

Leia mais

Díli Terça-feira, 26 de Novembro

Díli Terça-feira, 26 de Novembro ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, POR OCASIÃO DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL PARA DENTISTAS E ENFERMEIROS ODONTOLÓGICOS SOBRE O

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ)

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) Gostaria de doar sangue para apoiar a investigação médica. Como poderei fazer? Para doar uma amostra pode nos contactar (217999437 ou 965152588) ou visitar nos no

Leia mais

CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW

CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW ALGUNS VETORES FUNDAMENTAIS (Janeiro de 2013) Rui Medeiros Centro, Escola e Faculdade 1. Centro da Escola de Lisboa (ainda que transitoriamente) e que, nessa

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde TEMA DE CAPA FORMAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE Pág: II Área: 26,79 x 37,48 cm² Corte: 1 de 5 Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde Em 2010, os administradores

Leia mais

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente Joaquim Pedro Valente de Almeida Com quality media press para LA VANGUARDIA www.dva.pt (en construcción) Ver http://www.afia-afia.pt/assoc13.htm

Leia mais

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Gabinete/Cargo Nome Extensão E-mail Diretor Luiz Felipe Rocha de Faria 1450 lef@isep.ipp.pt Sub-diretor(es) António Constantino Lopes 1462 acm@isep.ipp.pt

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 1 FRANCISCO PEREIRA 36 SENIOR MASC. VITÓRIA S.C. 20.23 2 ANDRE SANTOS 48 SENIOR MASC. C.A.O.VIANENSE 20.27 3 JORGE CUNHA 3 SENIOR MASC. S.C.MARIA DA FONTE 21.14 4 DOMINGOS BARROS

Leia mais

LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600. Horário 28

LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600. Horário 28 LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600 Horário 28 Graduação Profissional Nº Candidato Nome 24,508 4716699811 Vanda Isabel do Vale Silva Almeida 24,203 8219102942 Cristina Maria da

Leia mais

Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª

Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª Recomenda ao Governo a abertura e funcionamento das Unidades de Cuidados Continuados já concluídas ou em fase de conclusão, a partir do início de 2013 A Rede Nacional

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Agosto 08 de Comunicação e Design Multimédia 08 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. População e Amostra 5 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Há cada vez mais empresas cidadãs

Há cada vez mais empresas cidadãs + Faça do VER a sua homepage ENTREVISTA Há cada vez mais empresas cidadãs As empresas que lideram no seu mercado são as que apresentam melhores práticas de governação. Foi com base neste pressuposto que

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

SECTOR DA SAÚDE. Investigador Entidade. Nº Pág.

SECTOR DA SAÚDE. Investigador Entidade. Nº Pág. SECTOR DA SAÚDE Nº Perfil das PME e Associações Industriais Requeridas Projecto Pretende-se uma empresa que invista na tecnologia associada ao desenvolvimento do projecto, nomeadamente para os testes in

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 41 Discurso na cerimónia de celebração

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

DOUTORAMENTOS 2013 1

DOUTORAMENTOS 2013 1 DOUTORAMENTOS 2013 1 Em 2013 doutoraram-se seis profissionais do CHP. Os doutoramentos realizaram-se nas áreas científicas de Bioética (1), Ciências Médicas (2), Metabolismo (1), Engenharia Biomédica (1),

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE APRESENTAÇÃO DO PRONTUÁRIO TERAPÊUTICO INFARMED, 3 DE DEZEMBRO DE 2003 Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos Exmo. Senhor Bastonário

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO 2009

CONGRESSO NACIONAL DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO 2009 CONGRESSO NACIONAL DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO 2009 A ACESSIBILIDADE NÃO É UM PRESENTE, É UM DIREITO A Associação Portuguesa dos Enfermeiros de Reabilitação (APER) realizou, em Espinho, Hotel Solverde,

Leia mais

Diretor Subdiretores Secretária do Diretor Serviços Administrativos Serviços Financeiros Recursos Humanos Serviço de Alunos Gabinete de

Diretor Subdiretores Secretária do Diretor Serviços Administrativos Serviços Financeiros Recursos Humanos Serviço de Alunos Gabinete de Diretor Subdiretores Secretária do Diretor Serviços Administrativos Serviços Financeiros Recursos Humanos Serviço de Alunos Gabinete de Pós-Graduações e Mestrados Serviços de Gestão Académica Receção /

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe Curso Coordenação Direção CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe ESEnfCVPOA Mestre Henrique Pereira Código: 3451 Descrição Objetivos Destinatários

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira (POPRAM

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

PROMOVER O CONHECIMENTO NA E DA ADMINISTRAÇÃO Com o apoio:

PROMOVER O CONHECIMENTO NA E DA ADMINISTRAÇÃO Com o apoio: 21 DE NOVEMBRO DE 2011 8H00-9H30 RECEPÇÃO DOS PARTICIPANTES 9H30-10H00 ABERTURA (AUDITÓRIO) HÉLDER ROSALINO, SECRETÁRIO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FRANCISCO RAMOS, PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular Avaliação Final do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar - Critérios- 1. Introdução O presente documento tem como finalidade dotar os júris constituídos para a Avaliação Final do Internato Médico

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 Preparado para mais um Serralves em Festa? É já nos dias 2 e 3 de Junho que se realiza mais uma edição do Serralves

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

Cefaleia crónica diária

Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária O que é a cefaleia crónica diária? Comecei a ter dores de cabeça que apareciam a meio da tarde. Conseguia continuar a trabalhar mas tinha dificuldade em

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016 PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 015/016 Dias Horas MÓDULO I Funcionalidade e Envelhecimento I PROFESSOR Horas 6ªf 7 Mar 17h-1h Introdução à Gerontologia; Princípios Fundamentais

Leia mais

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO 01 A NOSSA VISÃO O PARQUE DE BIOTECNOLOGIA DE PORTUGAL ESTÁ A CRIAR VALOR PARA A REGIÃO E PARA O PAÍS FOMENTANDO INVESTIMENTOS E INI- CIATIVAS EMPRESARIAIS DE BASE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. A NOSSA VISÃO

Leia mais

Dia da Escola de Ciências da Saúde //Homenagem ao Prof. Sérgio Machado dos Santos Auditório da ECS 8 de Outubro de 2009, 10h

Dia da Escola de Ciências da Saúde //Homenagem ao Prof. Sérgio Machado dos Santos Auditório da ECS 8 de Outubro de 2009, 10h - Senhor Secretário de Estado da Saúde; - Senhora Presidente da Escola de Ciências da Saúde; - Senhor Professor José Veiga Simão, (profundamente ligado à criação desta Universidade) - Senhor Professor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade ANTÓNIO MANUEL MARQUES IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAÚDE, CULTURA E SOCIEDADE Portalegre, Julho 2008 Tópicos Gravidez na adolescência e paternidade

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Programa de Formação Avançada em COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COM O ALTO PATROCÍNIO Faculdade de Filosofia de Braga Programa de Formação Avançada em COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA docente mês dia horário horas ects

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Assistência Médica e Saúde

Assistência Médica e Saúde Assistência Médica e Saúde O Governo da RAEM define e prossegue as linhas de acção governativa de Tratamento seguro e adequado com prioridade para a prevenção em correspondência à directriz de elevar a

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Congresso de Pneumologia do Norte

Congresso de Pneumologia do Norte Congresso de Pneumologia do Norte Sheraton Porto Hotel PORTO, 2 a 4 de Março de 2011 Segundo Anúncio Patrocínio Científico: COMISSÃO ORGANIZADORA Presidente Bárbara Parente Secretária Geral Anabela Marinho

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Bravo Nico Universidade de Évora 1. INTRODUÇÃO Aprendemos em qualquer circunstância. Aprendemos

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Miguel Poiares Maduro. Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional. Discurso na Tomada de Posse do Presidente da Comissão de

Miguel Poiares Maduro. Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional. Discurso na Tomada de Posse do Presidente da Comissão de Miguel Poiares Maduro Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional Discurso na Tomada de Posse do Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte CCDR Norte Lisboa, 09 de agosto

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego AMIGOS DO PROJECTO O projecto Ler Mais e Escrever Melhor nasceu a 17 de Julho de 2008. Encontra-se numa fase de vida a infância que

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Relatório detalhado do seminário: Qualidade e Certificação

Relatório detalhado do seminário: Qualidade e Certificação Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade Relatório detalhado do seminário: Qualidade e Certificação Docente: Discentes: Professor Doutor José Carlos Marques Ana Fernandes nº 2049007 Hugo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Introdução Os comportamentos adictos têm vindo a aumentar na nossa sociedade. Os problemas, ao nível do local e das relações no trabalho,

Leia mais