ESTATUTOS PORTO 2014 ESTATUTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTOS PORTO 2014 ESTATUTOS"

Transcrição

1 SOCIEDADE PORTUGUESA DE QUÍMICA CLÍNICA, GENÉTICA E MEDICINA LABORATORIAL ESTATUTOS PORTO 2014 ESTATUTOS

2 SOCIEDADE PORTUGUESA DE QUÍMICA CLÍNICA E MEDICINA LABORATORIAL Capítulo I Denominação, natureza, fins e duração Artigo 1 A SOCIEDADE PORTUGUESA DE QUÍMICA CLÍNICA GENÉTICA E MEDICINA LABORATORIAL, anteriormente designada como SOCIEDADE PORTUGUESA DE QUÍMICA CLÍNICA e adiante designada por associação ou SPML é uma instituição sem fins lucrativos, com duração ilimitada e com sede na Rua de Cedofeita nº Esquerdo, no Porto, regendo- se pelos presentes estatutos e, nos casos omissos, pela lei geral e pelos regulamentos que adopte. Artigo 2 A SPML tem por finalidades promover os cuidados de saúde, a ciência e a formação no campo da medicina laboratorial em geral, assim como defender os interesses profissionais das análises clínicas/patologia clínica num sentido geral, promovendo um alto nível científico da profissão. Artigo 3 Para a realização das suas finalidades, a SPML terá, entre outras, as seguintes atribuições: a) Promover e desenvolver a formação, a investigação e o exercício profissional na área da Medicina Laboratorial, bem como contribuir para o intercâmbio de estudantes e cientistas e respectiva certificação profissional; b) Promover a cooperação entre sociedades de química clínica e medicina laboratorial; c) Desenvolver o nível científico dos seus associados, procurando o incremento do nível de qualidade e de competência, de acordo com os mais elevados padrões nomeadamente ao nível europeu; d) Aconselhar e acompanhar processos de acreditação e de qualidade, bem como de elaboração de normas de atuação laboratoriais ou clínicas; e) Representar a medicina laboratorial junto das diversas instâncias nacionais e internacionais com vista ao acompanhamento da evolução técnica, científica e legislativa, procurando ainda uma progressiva harmonização ao nível europeu;

3 f) Participar e cooperar com os diversos organismos profissionais existentes ao nível comunitário e mundial, nomeadamente a "IFCC - International Federation of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine", a "EFLM - European Federation of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine" e o "EC4 European Communities Confederation of Clinical Chemistry"; g) Promover as actividades das referidas instituições em Portugal; h) Representar a medicina laboratorial na discussão com outras disciplinas; Artigo 4 Para o desenvolvimento das suas atribuições a SPML poderá celebrar acordos de cooperação com outras entidades, públicas ou privadas e aderir a organizações, nacionais ou internacionais. Capítulo II Dos associados Artigo 5 A SPML terá as seguintes categorias de sócios: Efetivos, Afiliados, Agregados, Agregados Sponsor e Sócios Honorários. São requisitos para ser sócio: Artigo 6 1. Sócio Efetivo: Ser médico ou farmacêutico com título de especialista, respectivamente, em Patologia Clínica pela Ordem dos Médicos ou Análises Clínicas pela Ordem dos Farmacêuticos. 2. Sócio Afiliado: Sendo médico ou farmacêutico, exerça atividade no campo da Medicina Laboratorial embora não preenchendo as condições consideradas indispensáveis para ser sócio efetivo. Não sendo médico nem farmacêutico: Exerça uma atividade profissional ou científica que tenha afinidades com a Medicina Laboratorial. 3. Sócio Agregado: Pessoas colectivas interessadas nos objectivos da SPML. Serão divididos em Sócios Agregados e Sócios Agregados Sponsor. 4. Sócio Honorário: Ser uma individualidade que cumpre uma destes pressupostos: a) ter prestado serviços relevantes para a SPML;

4 b) Ter contribuído para o progresso no campo da Medicina Laboratorial, qualquer que seja sua nacionalidade. Artigo 7º 1. Quando a Direção recuse a admissão de sócio efetivo ou correspondente, a respectiva deliberação fundamentada será comunicada ao interessado por carta registada, enviada para a morada indicada na proposta de admissão, no prazo de cinco dias após formalização da deliberação. 2. O interessado poderá sempre interpor recurso para a Assembleia- geral, dentro dos oito dias subsequentes ao da recepção do comunicado. 3. A interposição do recurso será sempre acompanhada das alegações que o fundamentam e entregue na sede da SPML. 4. A Direção remetê- lo- á acompanhado dos fundamentos da sua decisão, no prazo de cinco dias, à Mesa da Assembleia- geral. 5. A Assembleia- geral decidirá, em última instância, na sua primeira reunião posterior à data da recepção do recurso. Artigo 8º São direitos dos Sócios a) Eleger e ser eleito para órgãos da SPML nos termos e condições dos presentes Estatutos; b) Participar na vida da SPML nomeadamente nas assembleias, reuniões científicas e grupos de trabalho para os quais seja eleito ou indicado pela direção; c) Propor a criação de grupos de trabalho para estudo ou resolução de problemas específicos; d) Requerer a convocação da Assembleia- geral nos termos dos presentes Estatutos; e) Reclamar e recorrer das deliberações dos órgãos da SPML contrários ao disposto nestes Estatutos; f) Recorrer de qualquer sanção que lhes seja aplicada; g) Ser informado de todas as atividades da SPML e receber as publicações periódicas ou extraordinárias editadas pela mesma.

5 Único - as alíneas a) e d) só se aplicam aos sócios efetivos e honorários. a) Cumprir os presentes Estatutos; Artigo 9º São deveres dos Sócios: b) Participar nas atividades da SPML e manter- se delas informado, designadamente tomando parte nas Assembleias e participando ativamente nos grupos de trabalho e comissões; c) Desempenhar as funções para que foi eleito ou designado; d) Cumprir e fazer cumprir as deliberações e decisões dos órgãos sociais, tomadas de acordo com os Estatutos; e) Defender o bom nome e o prestígio da SPML; f) Agir solidariamente em todas as circunstâncias na defesa dos interesses colectivos; g) Comunicar à Direção, no prazo mais curto possível, a mudança de residência e outras informações de interesse para a SPML; h) Pagar as quotas, salvo nas situações previstas no número um do Artigo 10 excepto no caso de se tratar de sócios honorários. Artigo 10º 1. Ficam suspensos da qualidade de sócio e dos inerentes direitos e obrigações os que tenham sido punidos com pena de suspensão. 2. Perde a qualidade de sócio o que: a) Tenha sido objecto de sanção disciplinar de expulsão; b) Deixe de pagar a quotização; c) Solicite a sua demissão. 3. A perda da qualidade de sócio por não pagamento de quotização será definida em regulamento próprio pela direção.

6 Capítulo III Do Regime Disciplinar Artigo 11º 1. Considera- se infracção disciplinar o facto, ainda que meramente culposo, praticado com violação dos deveres decorrentes da qualidade de associado. 2. Podem ser aplicados as seguintes sanções disciplinares aos associados infractores: a) Repreensão por escrito; b) Suspensão até doze meses; c) Expulsão. 3. A sanção disciplinar referida na alínea c) é da competência da Assembleia- geral sob proposta da Direção e pode ser aplicada ao sócio que: a) Viole frontalmente os Estatutos; b) Não acate as deliberações dos órgãos competentes; c) Perca a sua idoneidade científica ou profissional; Artigo 12º 1. Salvo o disposto do número três do Art.16º o poder disciplinar será exercido pela Direção que delegará num instrutor por si escolhido. 2. Ao instrutor compete proceder às averiguações preliminares, elaborar a nota de culpa e receber a defesa, apreciar as provas e, finalmente, elaborar um relatório com o seu parecer, o qual será apresentado à direcção que decidirá das penas a aplicar. 3. Da decisão da Direção cabe recurso para a Assembleia- geral nos quinze dias subsequentes à recepção da notificação da decisão. 4. O recurso que terá efeito suspensivo, será obrigatoriamente apreciado na primeira reunião ordinária ou extraordinária da Assembleia- geral realizada após a interposição, mas salvo no caso de se tratar da Assembleia Eleitoral.

7 Artigo 13º 1. O processo disciplinar é antecedido por uma fase preliminar de averiguações nunca superior a trinta dias. 2. O processo disciplinar inicia- se com a apresentação da nota de culpa, da qual constará a descrição completa e específica dos factos imputados. 3. A nota de culpa será sempre reduzida a escrito e feita em duplicado. 4. O duplicado da nota de culpa será entregue ao arguido ou remetido pelo correio, conforme for mais rápido e eficiente. 5. O arguido apresentará a sua defesa por escrito, dentro de vinte dias, contados sobre a data da recepção da nota de culpa, podendo requerer as diligências que repute necessárias à prova da verdade e apresentar até três testemunhas por cada facto. 6. A decisão deverá ser tomada no prazo de trinta dias, contados sobre a data da apresentação da defesa e comunicada ao sócio juntamente com a sua fundamentação. Capítulo IV Dos órgãos sociais Artigo São órgãos sociais da SPML a assembleia geral, a direção e o conselho fiscal. 2. O mandato dos órgãos eleitos é por três anos, respeitados o estabelecido nestes estatutos. 3. A eleição do Presidente da direção (Presidente eleito) é feita com a antecedência de 3 anos em relação ao exercício efetivo de funções. 4. O exercício efetivo de funções como Presidente da direção (Presidente em exercício) tem a duração de 3 anos, não renováveis. 5. Após este mandato de 3 anos, o Presidente em exercício assume o lugar de Presidente Anterior durante mais 3 anos. 6. Os restantes membros dos órgãos sociais podem ser reeleitos para o mesmo lugar por um mandato consecutivo. 7. Os membros dos corpos sociais são eleitos da seguinte forma: a) Os membros da direção são eleitos nominalmente;

8 b) Os membros da Assembleia- geral e do Conselho fiscal, são eleitos em listas próprias; c) Todos os mandatos tem início no primeiro dia do ano civil. 8. O exercício dos cargos sociais é gratuito, sem prejuízo do pagamento das despesas suportadas. Artigo 15 Das reuniões de cada órgão social será elaborada a correspondente acta lavrada em livro próprio. Artigo A assembleia- geral é constituída por todos os associados no pleno uso dos seus direitos. 2. Os associados poderão fazer- se representar por outros associados, até um máximo de três por associado, mediante carta de representação dirigida ao presidente da mesa. Artigo 17 A mesa da assembleia- geral será constituída por um presidente, um vice- presidente, um secretário e um suplente eleitos em lista pela assembleia- geral. Artigo Cabe à direção convocar a assembleia geral, por sua iniciativa e por solicitação do presidente da mesa da assembleia- geral, do conselho fiscal ou de 20% dos associados, mediante pedido escrito dirigido àquela, para esse efeito e com indicação dos assuntos a tratar. 2. A assembleia- geral é convocada por meio de carta, expedida para cada um dos associados com a antecedência mínima de oito dias, indicando- se o dia, hora e local da reunião, bem como a ordem do dia.

9 Artigo A assembleia- geral não pode deliberar sem a presença, à hora previamente marcada de, pelo menos, metade dos associados. 2. A assembleia- geral pode deliberar com a presença de qualquer número de associados, decorridos 30 minutos sobre a hora marcada na convocatória. 3. As deliberações serão tomadas por maioria absoluta dos associados efectivos presentes. 4. Exceptuam- se do número anterior as deliberações: a) De alteração dos estatutos, as quais terão que ser tomadas por uma maioria de três quartos dos associados presentes; b) De dissolução da associação, as quais terão que ser tomadas por uma maioria de três quartos de todos os associados, expressamente convocados para esse fim; c) De perda da qualidade de associados, as quais terão de ser tomadas por uma maioria de dois terços dos presentes; Artigo 20 Compete, nomeadamente, à assembleia- geral: a) Eleger ou destituir os titulares dos órgãos sociais; b) Aprovar o balanço, o relatório e as contas anuais; c) Apreciar a actividade da direcção; d) Deliberar sobre a alteração dos estatutos; e) Deliberar sobre a extinção da associação; f) Deliberar sobre a perda da qualidade de associados; g) Deliberar demandar os membros da direcção por factos praticados no exercício do cargo. h) Aprovar o regulamento eleitoral da associação sob proposta da Direcção.

10 Artigo A direção é constituída por um presidente em exercício, um presidente anterior, um presidente eleito, um secretário- geral, um tesoureiro e dois vogais, todos eleitos pela assembleia- geral. 2. O presidente eleito é, alternadamente, um especialista da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Farmacêuticos. 3. Ocorrendo a vacatura de qualquer membro da direção, os restantes membros poderão convidar algum associado para preencher a vaga ou vagas, ficando tal decisão sujeita à ratificação da primeira assembleia- geral seguinte. Artigo A direção reúne, pelo menos 3 vezes por ano, e sempre que convocada pelo respectivo presidente ou por solicitação em conjunto de dois membros. 2. Para a validade das deliberações é necessária a presença efetiva da maioria dos membros da direção e o voto favorável da maioria dos presentes, prevalecendo, e caso de igualdade, o voto de quem preside. 3. Na ausência do Presidente em exercício os trabalhos devem ser conduzidos pelo Presidente eleito. 1. Compete nomeadamente à direção: Artigo 23 a) Cumprir e fazer cumprir os presentes estatutos e as deliberações da assembleia- geral; b) Orientar as atividades da SPML e administrá- la; c) Decidir sobre o valor da quotas devidas e sobre qualquer pedido de isenção do respectivo pagamento; d) Fazer o necessário para que se cumpram as finalidades da SPML; e) Representar a SPML e defender os seus objectivos; f) Deliberar sobre os pedidos de inscrição como associados; g) Manter informados os seus associados sobre as atividades da SPML; h) Elaborar e aprovar os regulamentos internos que considere necessários ao desenvolvimento da atividade;

11 i) Organizar anualmente uma Reunião de Medicina Laboratorial. 2. Cabe ao presidente em exercício, entre outras atribuições, representar a SPML na "IFCC - International Federation of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine", na "EFLM - European Federation of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine" e no "EC4 - European Communities Confederation of Clinical Chemistry". 3. O disposto no número anterior do presente artigo, não prejudica o poder de delegação noutro membro da direção. 4. A direção poderá solicitar a consulta de peritos para o desenvolvimento da atividade da SPML. 5. A direção tem também a faculdade de criar Comités, Comissões e grupos de trabalho ou outro tipo de estruturas organizacional para tratar de assuntos específicos, podendo fazer parte desses grupos não só os membros da presente associação, bem como outras individualidades de reconhecido mérito que a direção entenda convidar a participar. 6. As estruturas referidas no número anterior do presente artigo devem reger- se no seu funcionamento por regulamento próprio aprovado pela direção. Artigo 24 A SPML só fica obrigada pelas assinaturas conjuntas de dois membros da sua direção, devendo uma delas ser a do presidente em exercício ou do seu substituto. Artigo O conselho fiscal é constituído por um presidente, um 1º vogal, um 2º vogal e um suplente, eleitos em lista pela assembleia- geral. 2. Na falta ou impedimento do presidente será substituído pelo 1º vogal. 3. Sempre que se verifique a vacatura de um ou mais lugares no conselho fiscal, os restantes membros poderão convidar algum associado para preencher a vaga ou vagas, ficando tal decisão sujeita à ratificação da primeira assembleia- geral seguinte. Artigo 26 Compete ao conselho fiscal apreciar e emitir parecer, por escrito, sobre o balanço, o relatório e as contas anuais apresentados pela direção, tendo em conta a sua conformidade com os presentes estatutos.

12 Artigo 27 O conselho fiscal reunirá pelo menos, uma vez por ano, e sempre que convocado pelo seu presidente, por sua iniciativa ou a solicitação de dois membros em conjunto. Capítulo V Das Eleições Artigo 28º A Assembleia- geral Eleitoral é constituída por todos os associados efetivos que tenham pago as suas quotas à data da marcação das eleições. Artigo 29º A organização do processo eleitoral compete à Mesa da Assembleia- geral. que, nomeadamente deve: a) Marcar a data das eleições; b) Convocar a Assembleia- geral Eleitoral; c) Organizar os cadernos de recenseamento; d) Apreciar as reclamações aos cadernos de recenseamento; e) Receber, apreciar e divulgar as candidaturas; f) Promover a elaboração e distribuição dos boletins de voto e de tudo quanto for necessário ao exercício do direito de voto; g) Coordenar a constituição e funcionamento das mesas de voto. Artigo 30º 1. As eleições devem ser marcadas com um mínimo de sessenta dias de antecedência devendo preferencialmente coincidir com a data da Assembleia Geral. 2. A publicidade da data das eleições deverá ser feita através de circulares enviadas aos associados pelos meios que a direção tiver definido para comunicação com os sócios.

13 Artigo 31 O Voto é secreto e poderá assumir as seguintes modalidades a serem definidas para cada eleição pela Comissão eleitoral ouvida a Direcção: 1. Voto escrito presencial. Este voto será entregue ao Presidente de Mesa de Voto, dobrado em quatro, com a face impressa para dentro. 2. Voto escrito por procuração. 3. É permitido o voto por correspondência aos sócios efectivos que não exerçam ou não se encontrem nos locais onde funcione a Assembleia- geral Eleitoral, desde que: a) A lista seja dobrada em quatro e contida em sobrescrito individual fechado; b) Do referido sobrescrito conste o nome completo bem legível e a assinatura; c) Este sobrescrito seja introduzido noutro, também individual, endereçado ao Presidente da Mesa da Assembleia- geral Eleitoral, por correio registado. 4. Voto eletrónico, desde que assegurada a representatividade e a confidencialidade do ato. Artigo 32º 1. A apresentação de candidatura consiste na entrega à Mesa da Assembleia- geral da mesma contendo a identificação dos membros a eleger, acompanhados de um termo de aceitação de candidatura. 2. As candidaturas para a Mesa da Assembleia Geral e Conselho Fiscal terão de ser subscritas por, pelo menos, 10 sócios efetivos no pleno gozo dos seus direitos estatutários e serem apresentadas até trinta dias antes das eleições. 3. As candidaturas aos lugares de Direção terão de cumprir o Regulamento aprovado em Assembleia Geral. 5. Serão asseguradas iguais oportunidades a todos os candidatos concorrentes. Artigo 33º Será constituída uma Comissão de Fiscalização Eleitoral composta pelo Presidente da Mesa da Assembleia- geral e por um representante de cada um dos candidatos concorrentes.

14 Artigo 34º Compete à Comissão de Fiscalização Eleitoral designadamente: 1. Verificar a regularidade das candidaturas. 2. Elaborar relatórios de eventuais irregularidades. 3.Distribuir igualmente pelos diferentes candidatos os diversos meios disponibilizados para as campanhas eleitorais. 4. Proceder ao apuramento dos votos. Artigo 35º 1. Logo que a votação tenha terminado proceder- se- á ao apuramento final. 2. Considerar- se- á eleito o candidato que obtiver maior número de votos. Artigo 36º 1. Pode ser interposto recurso com fundamento em irregularidades do ato eleitoral, o qual deverá ser apresentado à Mesa da Assembleia- geral até três dias após o encerramento da Assembleia- geral Eleitoral. 2. A decisão da Mesa da Assembleia- geral será comunicada aos concorrentes por escrito no prazo de dez dias. 3. Da decisão da Mesa da Assembleia- geral cabe recurso, no prazo de oito dias, para a Assembleia- geral que deverá reunir dentro de dez dias subsequentes e que decidirá em última instância. Artigo 37º 1. O Presidente da Mesa da Assembleia Geral cessante conferirá posse aos corpos gerentes eleitos.

15 Capítulo V Do Regime Financeiro Artigo 38º Compete à Direção receber a quotização dos associados e demais receitas, autorizar a realização das despesas orçamentais, bem como promover a elaboração do orçamento da SPML a submeter, sob parecer do Conselho Fiscal, à aprovação da Assembleia- geral. Artigo São receitas da SPML: a) Fundos de reserva, quotas e demais obrigações pagas pelos associados; b) Eventuais doações, heranças ou legados; c) Receitas resultantes de iniciativas da sociedade; d) Eventuais apoios, subsídios ou patrocínios de entidades públicas ou privadas. Artigo A quotização dos sócios efetivos será de montante a deliberar em Assembleia- geral sob proposta da Direção. 2. A quotização é enviada por cada sócio à SPML. Artigo 41 São despesas da SPML as de instalação, pessoal, de manutenção, de funcionamento e as demais necessárias à prossecução das suas atribuições. Artigo 42 As contas da SPML são encerradas a 31 de Dezembro de cada ano. Artigo 43

16 1. A fusão e a extinção da SPML poderá verificar- se em Assembleia- geral, convocada expressamente para o efeito e perante uma deliberação votada por três quartos dos sócios efetivos. 2. A Assembleia- geral que deliberou a fusão ou a extinção deverá obrigatoriamente definir os termos em que se processará. Não podendo, em caso algum os bens da SPML serem alienados ou distribuídos pelos sócios. Capítulo VI Disposições finais Artigo As primeiras eleições da SPML devem realizar- se no prazo de 1 mês contado da sua constituição devendo na primeira eleição ser eleitos em lista todos os seus membros, à exceção do Presidente anterior. De modo a dar inicio ao novo modelo de eleição na SPML os mandatos dos membros da direção terão os seguintes períodos de duração: a) O atual presidente em exercício da Direção da Sociedade Portuguesa de Química Clínica assume o cargo de Presidente anterior; b) O mandato do presidente em exercício terá a duração de 3 anos, findos os quais transita para o lugar de Presidente anterior; c) O mandato do presidente eleito terá a duração de 3 anos, findos os quais transita para o lugar de Presidente em exercício; d) O mandato do Tesoureiro e do segundo vogal da Direção terão excecionalmente a duração de 1 ano; e) O mandato do Secretário- Geral e do primeiro vogal da Direção terão excecionalmente a duração de 2 anos; 2. Para efeitos de contagem de tempo dos mandatos mencionados no número anterior considera- se que produzem efeitos desde 1 de Janeiro de Os mandatos exercidos ao abrigo do ponto 1 do presente artigo que tiverem a duração de um ano não contam para efeitos de limitação de mandatos. 4. Excecionalmente no ano de 2014 a convocatória para a Assembleia Geral Eleitoral não necessita de cumprir o Artigo 30º destes Estatutos. Artigo 45 (Símbolo e Bandeira da Sociedade) O símbolo e a bandeira da SPML serão aprovados em Assembleia- geral.

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I Dos princípios gerais Artigo 1º Assembleia Eleitoral 1 - Em cumprimento do disposto no capítulo sexto dos Estatutos da APM, o presente

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º (Objecto)

REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º (Objecto) REGULAMENTO ELEITORAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) 1. O regulamento eleitoral, adiante designado por regulamento, estabelece, ao abrigo do disposto no artigo 25.º dos estatutos, o

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática Regulamento Eleitoral para a Eleição dos Órgãos Sociais da CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Assembleia Eleitoral 1 Em cumprimento do disposto no capítulo sétimo dos Estatutos da Associação de

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014)

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo Primeiro A Fundação dos Lions de Portugal é uma

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ ESTATUTOS: DA FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ Da Denominação, Natureza e Fins CAPITULO I Artigo 1º - 1 A Fundação Aurélio Amaro Diniz é uma Fundação de Solidariedade Social,

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal CAPÍTULO I Disposições Gerais (Artigo 1º) Definição O Departamento

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP

Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP Artigo 1.º (Designação e sede) A Secção de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I.

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I. REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE Capítulo I Dos sócios Art.º 1º - São direitos dos sócios: a) Participar nas Assembleias

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Denominação e natureza A Fundação Museu da Ciência, adiante designada por Fundação, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal

Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal Aprovado a aprovado a 11 de julho de 2017 na 2ª Assembleia Geral. CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto nos Estatutos da AESCI

Leia mais

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação Aprovado pela Resolução

Leia mais

FPDA-FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTISMO ESTATUTOS. Artigo 1.º (Natureza e origem)

FPDA-FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTISMO ESTATUTOS. Artigo 1.º (Natureza e origem) FPDA-FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTISMO ESTATUTOS Capítulo I DA FEDERAÇÃO Artigo 1.º (Natureza e origem) 1. A FPDA - Federação Portuguesa de Autismo, adiante designada por Federação, é uma instituição particular

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Nossa Senhora do Rosário

REGULAMENTO ELEITORAL. Nossa Senhora do Rosário REGULAMENTO ELEITORAL APROSÁRIO Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo I - Disposições gerais Artigo 1º - Âmbito O presente regulamento contém as

Leia mais

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza)

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza) ESTATUTOS Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº (Natureza) A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora de Lourdes, também designada abreviadamente

Leia mais

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO Aprovado em: 24-11-2006 Alterado em: 04-12-2007 (Introduzidas alterações alínea e), artigo 9º) REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL RESPIRA Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL Com a publicação do Decreto-Lei nº. 172-A/2014, de 14 de novembro, e da Lei nº.

Leia mais

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR FRANCISCO FERNANDES LOPES ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede 1 - A Associação de Estudantes do Agrupamento

Leia mais

Regulamento Geral das Comissões de Curso

Regulamento Geral das Comissões de Curso Regulamento Geral das Comissões de Curso ARTIGO 1º Enquadramento O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime instituído pelo Capítulo II e VIII dos Estatutos da AEFEUP. ARTIGO 2º Definição

Leia mais

Federação Portuguesa de Paraquedismo REGULAMENTO ELEITORAL

Federação Portuguesa de Paraquedismo REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1º (Disposições Gerais) 1. O presente regulamento estabelece as normas e orientações a seguir para as eleições dos órgãos sociais da Federação Portuguesa de Paraquedismo (doravante designada por

Leia mais

(a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos)

(a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos) REGULAMENTO ELEITORAL (a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos) ARTIGO 1 (ÂMBITO) 1. O presente regulamento estabelece as normas a que deve obedecer o processo respeitante às eleições para a Mesa

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB SECÇÃO I DEFINIÇÕES Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as normas aplicáveis ao processo de eleição das Comissões de Curso

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

ESTATUTOS. (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º)

ESTATUTOS. (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º) ESTATUTOS (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º) Artigo 1.º A Fundação D. Anna de Sommer Champalimaud e Dr. Carlos Montez Champalimaud (Fundação), criada por António de Sommer Champalimaud

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

(Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010)

(Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010) REGULAMENTO ELEITORAL 11 (Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010) ARTIGO 1º (ÂMBITO) 1. O presente regulamento estabelece as normas

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL Artigo 1º A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem por objectivo promover, cultivar e desenvolver em Portugal a investigação e o ensino da Bioquímica e ciências afins e facilitar

Leia mais

Esta Associação de desenvolvimento rege-se pelos presentes estatutos e pela legislação em vigor.

Esta Associação de desenvolvimento rege-se pelos presentes estatutos e pela legislação em vigor. ESTATUTOS CAPÍTULO I Artigo 1.º Sob a designação de "Associação de Desenvolvimento das Encostas da Fonte Santa" é constituída uma Associação para o desenvolvimento local e regional, por tempo indeterminado.

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2014

REGULAMENTO ELEITORAL 2014 REGULAMENTO ELEITORAL 2014 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Diretivo Nacional da OET Ordem dos Engenheiros Técnicos, doravante designado por Conselho Diretivo

Leia mais

RANCHO FOLCLÓRICO DE SÃO TIAGO DE LOBÃO SANTA MARIA DA FEIRA

RANCHO FOLCLÓRICO DE SÃO TIAGO DE LOBÃO SANTA MARIA DA FEIRA Queima do Velho. Regulamento Interno do Rancho Folclórico de S. Tiago de Lobão Capítulo I Denominação, Sede, Fins da Associação, Princípios e Receitas Artigo 1.º Denominação 1. A associação adopta a denominação

Leia mais

Regulamento Eleitoral. Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira

Regulamento Eleitoral. Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira Regulamento Eleitoral Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira 1. Objetivo 1.1. O presente regulamento tem como objetivo regulamentar o processo de eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Ténis de Mesa MODALIDADE OLÍMPICA CAPITULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Objeto) 1. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Associação de Atletismo de Braga (adiante

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo 1 - A Seção de Internos da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Artigo 1º ADMISSÃO DE SÓCIOS

REGULAMENTO GERAL. Artigo 1º ADMISSÃO DE SÓCIOS 1 REGULAMENTO GERAL Artigo 1º ADMISSÃO DE SÓCIOS 1. A admissão de Sócios Titulares, de Sócios Agregados e de Sócios Correspondentes faz-se mediante o preenchimento, pelos interessados, de uma proposta

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Objeto e âmbito de aplicação 1- O presente Regulamento tem por objetivo regulamentar as questões internas

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE

REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE PRÓ-INCLUSÃO - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento tem por objeto as normas que regem o processo eleitoral

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes da Escola Básica e Secundária

Leia mais

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Artigo 1.º Natureza Jurídica, Denominação e Sede 1. A Academia Olímpica de Portugal, adiante designada por AOP, é uma entidade integrada no, adiante designado

Leia mais

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA.

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. Sociedade aberta Sede: Lugar da Vista Alegre, 3830-292 Ílhavo Matriculada na C.R.C. de Ílhavo - NIPC: 500.978.654 Capital social: 92.507.861,92 Euros -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS O presente Regulamento desta Associação destina-se a complementar os Estatutos, definindo e concretizando alguns preceitos ali contidos e outros não

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS ESTATUTOS DA - APIO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DA INDUSTRIA DE OURIVESARIA

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS ESTATUTOS DA - APIO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DA INDUSTRIA DE OURIVESARIA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS ESTATUTOS DA - APIO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DA INDUSTRIA DE OURIVESARIA APROVADOS EM ASSEMBLEIA GERAL NO DIA 28 DE OUTUBRO DE 2009 Publicados no Boletim de Trabalho e Emprego Nº

Leia mais

PROPOSTA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ

PROPOSTA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ PROPOSTA DE ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE XADREZ DE BEJA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ Artigo 1º Ano das Eleições 1. As Eleições para a Assembleia Geral e Órgãos Sociais da Federação

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO. Introdução

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO. Introdução Regulamentos REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral em 27 de Novembro de 2009 Introdução Nos termos e para efeito do estipulado no artigo

Leia mais

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS REGULAMENTO CPN REGULAMENTO DA CPN CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento da Comissão Politica Nacional. Artigo 2º Abreviaturas Para

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO ARTIGO 1º Denominação É constituída, por tempo indeterminado, uma associação de direito privado sem fins lucrativos denominada, Associação Portuguesa de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) OBJECTIVOS e SEDE Artigo 1º Parágrafo 1. A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor,

Leia mais

RESAPES Rede de Serviços de Apoio Psicológico no Ensino Superior Associação Profissional ESTATUTOS

RESAPES Rede de Serviços de Apoio Psicológico no Ensino Superior Associação Profissional ESTATUTOS RESAPES Rede de Serviços de Apoio Psicológico no Ensino Superior Associação Profissional ESTATUTOS Capítulo Primeiro (Constituição, denominação e sede) Artigo 1º A RESAPES - Rede de Serviços de Apoio Psicológico

Leia mais

ESTATUTOS DO SINDICATO BANCÁRIOS DO NORTE

ESTATUTOS DO SINDICATO BANCÁRIOS DO NORTE ARTIGO 23º (Competência da Assembleia Geral) 1 Compete à Assembleia Geral eleger a MAGCGC, o Conselho Geral e a Direcção; 2 Compete, ainda, à Assembleia Geral deliberar sobre: a) A destituição, no todo

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO 2008/2010 Apreciado na 33.ª reunião plenária do CDN, em 20 de Março de 2007 e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia 31 de Março de 2007. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UNIVERSIDADE ABERTA (aprovado pelo Conselho Geral da UAb)

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UNIVERSIDADE ABERTA (aprovado pelo Conselho Geral da UAb) REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UNIVERSIDADE ABERTA (aprovado pelo Conselho Geral da UAb) Com o presente regulamento estabelece-se o procedimento a seguir para a eleição do reitor da Universidade

Leia mais

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação A Associação denominar-se-á A.F.P.L.P., Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa, adiante

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS CAPÍTULO PRIMEIRO DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo lº A Associação de Pais e Encarregados de Educação da

Leia mais

Comissão Sindical de Empresa do Banco Comercial Português (Centro)

Comissão Sindical de Empresa do Banco Comercial Português (Centro) Regulamento Comissão Sindical de Empresa Grupo Banco Artigo 1º Âmbito do Regulamento Nos termos dos Estatutos a organização e funcionamento da Comissão Sindical de Empresa reger-se-á pelo presente Regulamento,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Artigo 1º (Definição, objectivos e composição do Conselho de Escola) 1. O Conselho de Escola da FMH é o órgão de decisão estratégica e

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do. Agrupamento de Escolas Maria Keil. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do. Agrupamento de Escolas Maria Keil. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Maria Keil Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013)

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) ASSEMBLEIA DA FMUC Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Princípios Gerais

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I

Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece os princípios, as regras e os procedimentos

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e ESTATUTOS DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA CAPÍTULO I (DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO OBJECTIVOS) excursões e viagens. c) Organização de festas tradicionais

Leia mais

REGIMENTO do 1º CONGRESSO NACIONAL

REGIMENTO do 1º CONGRESSO NACIONAL REGIMENTO do 1º CONGRESSO NACIONAL PARTIDO UNIDO DOS REFORMADOS E PENSIONISTAS Capítulo I Princípios gerais e estatutários Artigo 1º Princípios Gerais 1. O Congresso Nacional constitui o órgão supremo

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição, designação e sede) 1. É constituída a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, adiante designada abreviadamente apenas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99, de 1 de Setembro, regula

Leia mais

Sociedade Portuguesa de Neurociências

Sociedade Portuguesa de Neurociências ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE NEUROCIÊNCIAS OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1 A Sociedade Portuguesa de Neurociências, S.P.N., tem por objectivo a promoção, desenvolvimento e divulgação da investigação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO

ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM- A Associação adopta a designação

Leia mais

ESTATUTOS DA AECOPS ASSOCIAÇÃO DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS. CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito e fins

ESTATUTOS DA AECOPS ASSOCIAÇÃO DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS. CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito e fins ESTATUTOS DA AECOPS ASSOCIAÇÃO DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito e fins ARTIGO 1º Denominação e natureza 1. A AECOPS - Associação de Empresas

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA DE OSTEOPOROSE E DOENÇAS ÓSSEAS METABÓLICAS. Estatutos. Capítulo 1 - Constituição, Princípios Fundamentais, Fins e Competência

SOCIEDADE PORTUGUESA DE OSTEOPOROSE E DOENÇAS ÓSSEAS METABÓLICAS. Estatutos. Capítulo 1 - Constituição, Princípios Fundamentais, Fins e Competência SOCIEDADE PORTUGUESA DE OSTEOPOROSE E DOENÇAS ÓSSEAS METABÓLICAS Estatutos Capítulo 1 - Constituição, Princípios Fundamentais, Fins e Competência Secção I - Da Constituição Artº 1º A Sociedade Portuguesa

Leia mais

COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM MÉDICO CIRÚRGICA REGULAMENTO INTERNO

COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM MÉDICO CIRÚRGICA REGULAMENTO INTERNO ENFERMAGEM MÉDICO CIRÚRGICA REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Disposições Iniciais Artigo 1º - Âmbito e Objeto O Presente Regulamento prevê as regras de funcionamento do Colégio da Especialidade de Enfermagem

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ATLETAS OLÍMPICOS

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ATLETAS OLÍMPICOS REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ATLETAS OLÍMPICOS Preâmbulo A Comissão de Atletas Olímpicos (CAO), entidade integrada no Comité Olímpico de Portugal (COP), foi criada ao abrigo da Regra 28.1.3 da Carta Olímpica,

Leia mais

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal.

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Capítulo III Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais Artigo 16º. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Artigo 17º. O exercício de qualquer cargo nos corpos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da A.A.C.B. apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados efectivos e extraordinários no

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL As eleições para cargos sociais da FENACAM - Federação Nacional das Caixas de Crédito Agrícola Mútuo, Federação de Cooperativas de Responsabilidade Limitada, passam a reger-se pelas disposições legais

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º V.3-01.11.2012 REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL Através da vontade expressa dos seus membros em Assembleia-geral de

Leia mais

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DE ELEIÇÃO E DESIGNAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE BEJA Artigo 1.º Objeto 1 - O

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Artº 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento eleitoral estabelece as normas relativas à eleição do presidente e vice-presidentes de acordo com

Leia mais

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA-

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Capítulo I Âmbito de aplicação e Princípios Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento

Leia mais

GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS

GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS (De acordo com as alterações aprovadas pela Assembleia Geral nas reuniões de 13 de março de 2007, de 12 de agosto de 2008, de 14 de

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico

Regimento do Conselho Pedagógico Regimento do Conselho Pedagógico CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Finalidades O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa do Agrupamento de escolas,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Proposta de Regulamento Eleitoral das eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS para a designação do candidato do PS ao cargo do Primeiro-Ministro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado)

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) SOCIEDADE PORTUGUESA DE VIDA SELVAGEM CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Duração, Sede e Objecto

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA. CAPÍTULO I Da constituição e objectivos

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA. CAPÍTULO I Da constituição e objectivos REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA CAPÍTULO I Da constituição e objectivos Artigo 1.º O presente regulamento respeita ao Colégio da Especialidade de Contabilidade Financeira

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1 ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1 Parágrafo 1. A Associação Portuguesa de Primatologia, adiante designada por A.P.P., tem por objectivo a promoção, desenvolvimento

Leia mais