u ' / V / ^ V I II I " - : vv v \ /, "'! I N I - \ f r / ^ / -..'O.' 'f CONSTRUIR O M U N D O PARA O" name="description"> u ' / V / ^ V I II I " - : vv v \ /, "'! I N I - \ f r / ^ / -..'O.' 'f CONSTRUIR O M U N D O PARA O">

AEL/IFCH/UNICAMP. CONSTRUIR O M U N D O PARA O HOMEMV x r wmm(' r,( / ouivo " L. L l U E ^ R O I H IF^H/UMIC--" n.' tombo classif. * l "'!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AEL/IFCH/UNICAMP. CONSTRUIR O M U N D O PARA O HOMEMV x r wmm(' r,( / ouivo " L. L l U E ^ R O I H IF^H/UMIC--" n.' tombo classif. * l "'!"

Transcrição

1 , / < i'' ouivo " L. L l U E ^ R O I H IF^H/UMIC--" n.' tombo classif. \( r,( / '. '( i * M } / - > u ' / V / ^ V I II I " - : vv v \ /, "'! I N I - \ f r / ^ / -..'O.' 'f CONSTRUIR O M U N D O PARA O HOMEMV x r >"w/ wmm(' / i i» - * - l- ; r * l ) " V ( V V v - n r -- v < y/ \ ' < ~ s ( k v. / < - f V ^ ^ A V. /

2 EXPOSIÇÃO UNIVERSAL E I N T E R N A C I O N A L DE BRUXELAS Abril/Outubro 195«

3

4

5 C O N S T R U I R O M U N D O PARA O H O M E M t * Chegou o momento para o homem de construir um M u n d o a seu m o d o Conquistador da Paz, conhece-êle assaz a imensidade dos recursos de que dispõe e o seu próprio poder? Permitir oas homens de afirmar juntos a sua Fé na H u m a n i d a d e : tal será a missão do Encontro Universal de Bruxelas de I95H.

6 U m astro brilhará no céu da Bélgica : a esperança duma p r o f u n d a unidade reunirá os homens. O aperto de mãos estendidas abraçará o mundo. Sófocles o " P r u d e n t e " não' pregava já a União Universal : "Nasceram para se amar, não para se odiar". A Exposição Mundial de 195K será para milhões de homens a expressão concreta da sua intensa necessidade de mutua compreensão,

7 D E S E J O SER C H A M A D O UM CIDADAO DO UM MUNDO, AMIGO D E I O D A S AS N A Ç Õ E S DO UNIVERSO li K A S M E

8 Cidàdao do Mundo... O sonho de Erasme, velho de cinco séculos, ainda vive com os nossos contemporanos. Irmãos duma mesma família, homens estão interessados os ao seu desenvolvimento mutuo. Do valor dos seus esforços depende o seu destino comum. A Exposição Universal levará ao espirito das diversidades mmêmmmmmmrnmmmamimm***!...- nacionais mm n pa^^ a harmonia secreta que os anima.

9 MAIS SABER DESDE SEMPRE QUE O HOMEM ESTA CAMINHANDO PARA / si EAL, D A A G R A N D E Z A...E ESTA M A R C H A P A R A O IDEAL, MAIS PODER MAIS BONDADE MAIS ESPERANÇA AO HOMEM. E AMOR

10

11 O homem, desde as gerações primitivas, procura conhecer o intimo da natureza. O seu mistério astraí-o irresistivelmente. Em quanto que o homem das cavernas tentava domar as forças naturais, o sábio dos nossos dias estende o reino humano até ao âmaga da matéria. A sua paixao : Compreender!

12 MAIS PODER» t

13 As descobertas do homem multiplicam o seu poder. Durante muito tempo foi o f o g o sua única salvaguarda. O petróleo, depois a elétricidade foram a fonte da sua potência. Senhor da energia nucleár o homem fica fascinado no limiar duma N o v a Era. E fará em 1958 o inventário mundial das suas vitórias, para assegurar as suas futuras conquistas.

14 AIS O Uoínem nao se sustenta somente de pão... A sua fome espiritual BELEZA permanece insaciavel. Obra do artista ou da Natureza, toda a Beleza confere um sentimento de paz. A necessidade de harmonia é a mais forte união povos. R li 4 I

15 fé/iss A Exposição Universal e International d e 195H Museo Mundial, um confronto jamais empreendido de todos os aspetos da Belcv.i.

16 Miséria e solidão. O homem espera a plenitude. undo aguarda que os homens se dêem as mãos rpara lutar contra a tempestade, y // yarfu O Génio e o Amor firmarão VíVví a cidade futura. MAIS ESPERANÇA E AMO) A Exposição Universal ê a promessa duma nova aliança.

17

18 A E X P O S I Ç Ã O U N I V E R S A L li I N T E R N A C I O N A L D E Obra-prima assinada pot 51 países 7 orxanisações internacionais. \>m

19 N a madrugada do Bruxelas convida todas as Universo a exprimirem juntas esperanças, a interpretar juntas indícios precursores duma época nosa, testemunhando seus esforços para a realização dum M u n d o mais humano.

20 Amizade, ciêcia, e beleza presiderão a ésta festa sem precedente : a Reunião Mundial dos homens. V H m PALÁCIO DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL Os Organismos Internacionais para ilustrar as suas óbras de cooperação construirão éstc paláçio onde serão explicados de forma sugestiva os temas da unidade contcmporana.

21 i%%%%%%v«vivâvav«wj*j L. JM -m _ r % ««a M M M M N M M M N H B W X M aai aa ( «( «a a a t a t«tvea» Va» aa aa aa 1 a a V í VV «V«*; f rr AA a avaa A *AA v* A AV va. M N M K M M * M» II H W W Í7I PI M M B N M I I I I M I I i I I a a H R I R I R I i a ã MH -r R K I I 1 I 1 IMHMMMM^W»J R _ * m M mm M Cm Cm m * I «I M M M M M M N N R MMMM»»Klir I I L II R R M I B - «8 - m - * -.MU -... 'IMNHMIRMaiiaH M M M M M M I I M N Í I I I I I N K I R I R I -«B : M M M ~ B _ 'los alhos dos artistas de todos os paiscs serão comparadas neste Museu Universal. j m W w m m W W f i W H PALACIO DAS CIÊNCIAS Ali serão expostas as últimas conquistas do homem paru o bem estar do Mundo» «MM««**.» M

22 UMA SÍNTESE DOS ESFORÇOS MUNDIAIS AO SERVIÇO DO HOMEM Bruxelas

23 AS P A R T I C I P A Ç Õ E S PARTICULARES ilustrarão I AS P A R T I C I P A Ç Õ E S o progrésso NACIONAIS humano que exprimem atravez a originalidade do progrésso de cada povo técnico, confrontarão as riquezas da humanidade. OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS com a sua cooperação serão testemunhas da construção dum Mundo melhor. A U N I D A D E SERÁ O "TEMA" D A EXPOSIÇÃO

24 r I U m a intensa necessidade de união atrativa o nosso M u n d o. Os Palácios, os jardins, parques de divertimentos diversos da mais brilhante Exposição, como jamais se viu, não serão eles o quadro ideal para o colóquio dos povos? Conpreendida, p r o f u n d a m e n t e as suas afinidades essenciais dentro das suas diferenças, eles amanse e realizam a mais extraordinária óbra entre todas : L 0

25 [ / V % BRUXELAS 1958» C O R O A Ç Ã O D U M V A S T O ESFORÇO, MAS S O B R E T U D O, P O N T O DE PARTIDA...

26 _

27 C O M I S S A R I A D O GERAL D O G O V E R N O J U N T O DA EXPOSIÇÃO UNIVERSAL E I N T E R N A C I O N A L DE BRUXELAS DE , PUTTERIE BRUXELAS A ila E x p o s i ç ã o U n i v e r s a l, 10, ruc du Sociédadc Chônc. B R U X E L A S. T. p õ e à sua todas as informações c a disposição documentação q u e lhes possa ser útil. 1'ara q u a l q u e r i n f o r m a ç ã o relativa à hospedaria dirigir-se i LOGEXPO, 55, ruc Hclliard, Bruxelas.

28 IMMHIO Ml/t nip* I, Ol»>m t Cl., MUHIAI MOUNOÖ» "MAOUItl" OI MCQUI UCHtl I.D.J, PRINTÍD IN BHOIUM

A C T A N. º I X / 2 0 0 8

A C T A N. º I X / 2 0 0 8 1 A C T A N. º I X / 2 0 0 8 - - - - - - A o s d e z a s s e i s d i a s d o m ê s d e A b r i l d o a n o d e d o i s m i l e o i t o, n e s t a V i l a d e M o n c h i q u e, n o e d i f í c i o d o

Leia mais

1 2 9, i n c i s o I I, d a C F ; e a r t i g o 5 º, i n c i s o V, a l í n e a s a e

1 2 9, i n c i s o I I, d a C F ; e a r t i g o 5 º, i n c i s o V, a l í n e a s a e P O R T A R I A n 2 0 1, d e 1 8 d e j u l h o d e 2 0 1 3. A P r o c u r a d o r a d a R e p ú b l i c a q u e e s t a s u b s c r e v e, e m e x e r c í c i o n a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú

Leia mais

ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS

ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS D i r e t o r E x e c u t i v o d a T O P L O G P o r R o d o l p h o C a r i b e A r m a z é n s g e r a i s s ã o e s t a b e l e c i m e n t o s

Leia mais

PORTO DE SALVADOR - S U L D A Á F R I C A *

PORTO DE SALVADOR - S U L D A Á F R I C A * R O TA S D E N AV E G A Ç Ã O N O L O N G O C U R S O - M E R C O S U L - C O S TA O E S T E D A A M É R I C A D O S U L - A M É R I C A C E N T R A L E C A R I B E - G O L F O D O M É X I C O - C O S

Leia mais

REDES DE NOVA GERAÇÃO. m a i o r q u a l i d a d e, m a i s r a p i d e z, mais inovação;

REDES DE NOVA GERAÇÃO. m a i o r q u a l i d a d e, m a i s r a p i d e z, mais inovação; R E D E S D E N O V A G E R A Ç Ã O D E S A F I O e O P O R T U N I D A D E A P D C, 3 1 D E M A R Ç O D E 2 0 0 9 A S O N A E C O M A C R E D I T A Q U E A S R d N G S Ã O U M A O P O R T U N I D A D

Leia mais

BLOCO Nº 2 JORNAIS, BOLETINS, PANFLETOS D a N º 1. H i n o N a c i o n a l e H i n o d a I n t e r n a c i o n a l? 0 1 C U T N a c i o n a l 2. M o d i f i c a ç õ e s d o E s t a t u t o p r o p o s

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S F A R M A C Ê U T I C A S C U R S O D E F A R M Á C I A

Leia mais

P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S

P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S P ET A g r o n o m i a U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e L a v r a s U F L A / M G 1 R e s u m o J a m a i s c o n

Leia mais

A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O

A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O i I N F O R M A Ç Ã O F I S C A L N º 3 J a n e i r o 2 0 1 3 A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O N o s e g u i m e n t o d a L e i d o O r ç a m e n t o d o E s t a d o p a r a 2 0 1 2 e,

Leia mais

VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010

VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 Delimitação de Unidades de Paisagens e D esmatamento em Áreas próx

Leia mais

J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 )

J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 ) i J a n e i r o d e 2 0 1 3 J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 ) TAX & BUSINESS P r e t e n d e - s e, c o m a p r e s e n t e I n f o

Leia mais

Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria

Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto!

Leia mais

B O L E T I M I N F O R M A T I V O

B O L E T I M I N F O R M A T I V O P R Ó - R E I T O R I A D E E N S I N O E D I Ç Ã O 0 4 - A N O 0 2 B O L E T I M I N F O R M A T I V O M A I O D E 2 0 1 5 A C O M I S S Ã O P E R M A N E N T E D E P R O C E S S O S E L E T I V O D A

Leia mais

Festa Sagrada Família

Festa Sagrada Família Festa Sagrada Família Homilia para a Família Salesiana (P. J. Rocha Monteiro) Sagrada Família de Jesus, Maria e José 1. No Domingo, dentro da oitava do Natal, celebra-se sempre a festa da Sagrada Família.

Leia mais

/HYDQWDUÃDOJXQVÃWHPDVÃUHODWDUÃH[SHULrQFLDVÃHPÃWRUQRÃGHVVHVÃWHPDVÃGHEDWrORVÃDSRQWDGRÃ VXDÃGLPHQVmRÃHÃSRVVLELOLGDGHVÃGHÃWUDEDOKRVÃEXVFDÃGHÃXPÃGLDJQyVWLFRÃSDUDÃFRPSUHHQGHUÃ RÃFRPSOH[RÃGHQWURÃGHÃXPDÃUHDOLGDGHÃUHVJDWDQGRÃRÃFRWLGLDQRÃLQtFLRÃGDÃSUREOHPDWL]DomR

Leia mais

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 )

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n ja m i n C o n s t a n t, c o m o c o s t u m a s e r r e f e r i d o, é c o n s i d e r a d o c o m o o

Leia mais

Módulo I AS DUAS ESFERAS DE AÇÃO. Módulo II - A VONTADE SELF E EGO Conceitos O ser essencial (Self) O Ego O mito de Prometeu

Módulo I AS DUAS ESFERAS DE AÇÃO. Módulo II - A VONTADE SELF E EGO Conceitos O ser essencial (Self) O Ego O mito de Prometeu Programa de Estudos: AS POTÊNCIAS DE NOSSA ALMA Baseado na Terceira parte do Livro: O Problema do Ser, do Destino e da Dor, de Leon Denis. Organização: Maria Aparecida Vieira e Karina Greca Módulo I AS

Leia mais

$35(6(17$d 2Ã&/Ë1,&$ 'LDJQyVWLFRÃ FOtQLFR &ROHGRFROLWtDVH &ROHFLVWLWH 3DQFUHDWLWH &ROHGRFROLWtDVH HP UHVROXomR &ROHFLVWLWH 3DQFUHDWLWH &ROHGRFROLWtDVH HP UHVROXomR &yolfdãeloldu (FRJUDILD &ROpGRFRÃ!ÃÃFP

Leia mais

O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o. S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s

O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o. S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s E s p e l h o, e s p e l h o m e u... d i r á a b r u x a m a l v a d a

Leia mais

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 Maria e José levaram Jesus a Jerusalém a fim de apresentá-lo ao Senhor Leituras: Genesis 15, 1-6; 21,1-3; Salmo 104 (105), 1b-2, 3.4-5.6.8-9 (R/ 7a.8a); Carta aos

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Design de aplicativos moveis

Design de aplicativos moveis Design de aplicativos moveis Os dispositivos móveis mais comuns : S m a r t p h o n e ; P D A ; Te l e m ó v e l ( pt) / C e l u l a r ( br); C o n s o l e p o r t á t i l ; U l t r a M o b i l e P C ;

Leia mais

Avaliação de risco à saúde de Populações expostas a Substâncias Químicas

Avaliação de risco à saúde de Populações expostas a Substâncias Químicas Avaliação de risco à saúde de Populações expostas a Substâncias Químicas Herling ALONZO 15 a 19 de setembro de 2008, Porto Alegre - RS ú Água para consumo humano Ar Solo Contaminantes ambientais e substâncias

Leia mais

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) é uma organização imparcial, neutra e independente cuja missão exclusivamente humanitária é proteger a vida e a dignidade das vítimas dos conflitos

Leia mais

ViSA. 001 - Banco do Brasil FORMATO PADRÃO. Conta corrente Até 8 algarismos + 1 dígito - - Ê ' - O Û NOME COMPLETO VÁLIDO ATÉ. i. V ò - ' 0.

ViSA. 001 - Banco do Brasil FORMATO PADRÃO. Conta corrente Até 8 algarismos + 1 dígito - - Ê ' - O Û NOME COMPLETO VÁLIDO ATÉ. i. V ò - ' 0. Bancos 001 - Banco do Brasil 033 - Santander 356 - Real 041 - Banrisul 104 - Caixa Econômica Federal 237 - Bradesco 341 - Itaú 399 - HSBC 745 - Citibank 001 - Banco do Brasil Até 8 algarismos + 1 dígito

Leia mais

O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34

O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34 O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34 INTRODUÇÃO: De conformidade com a palavra de Deus, o obreiro deve ter um bom, correto e eficaz relacionamento

Leia mais

Estrutura Pedagógica da Escola de Evangelização Espírita Infanto- Juvenil

Estrutura Pedagógica da Escola de Evangelização Espírita Infanto- Juvenil Plano Curricular Federação Espírita Brasileira Estrutura Pedagógica da Escola de Evangelização Espírita Infanto- Juvenil Maternal 3 e 4 anos Jardim 5 e 6 anos Infância 1º ciclo 7 e 8 anos Infância 2º ciclo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (EMRC) (5ºANO) Unidade letiva 1 (Viver Juntos) Mudar faz parte da vida Os grupos a que pertenço Deus estabelece uma relação com a humanidade A aliança condição facilitadora da relação entre as partes A

Leia mais

CONHECIMENTO E MODO DE VIVER Ef

CONHECIMENTO E MODO DE VIVER Ef CONHECIMENTO E MODO DE VIVER Ef. 3.14-21 UMA IGREJA QUE VIVE OUVIR Efésios 1 e 2 UMA IGREJA QUE VIVE OUVIR PRATICAR Como prisioneiro no Senhor, rogo-lhes que vivam de maneira digna da vocação que receberam.

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

D IR E T O R IA D E R E G U L A Ç Ã O. DR-1626/14 Goiânia. 9 de outubro de 2014

D IR E T O R IA D E R E G U L A Ç Ã O. DR-1626/14 Goiânia. 9 de outubro de 2014 *. DI{TBI6UI(Í0 D IR E T O R IA D E R E G U L A Ç Ã O DR-1626/14 Goiânia. 9 de outubro de 2014 Aos Senhores H élvio Neves Guerra Superintendente de Concessões e Autorizações de Geração Carlos A lberto

Leia mais

CREIO NA SANTA IGREJA CATÓLICA

CREIO NA SANTA IGREJA CATÓLICA CREIO NA SANTA IGREJA CATÓLICA 17-03-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze A Igreja no desígnio de Deus O que significa a palavra Igreja? Designa o povo que Deus convoca e reúne de todos os

Leia mais

Palestra Budista. Os Quatro Tipos de Fé e Cinco Estágios

Palestra Budista. Os Quatro Tipos de Fé e Cinco Estágios Palestra Budista E s c r i t u r a d e N i t i r e n D a i b o s s a t s u : Os Quatro Tipos de Fé e Cinco Estágios - A Veracidade de uma Crença - S e c r e t á r i o G e r a l d o B u d i s m o P r i

Leia mais

Material de Palestra O que é Deus? Palestra 011

Material de Palestra O que é Deus? Palestra 011 Material de Palestra O que é Deus? Palestra 011 O QUE É DEUS? 011 WILSON DA CUNHA 1 Neste momento pedimos sensibilidade suficiente para que venhamos a ter gratidão e confiança no criador, sentindo-nos

Leia mais

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 14 O POSITIVISMO DE COMTE

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 14 O POSITIVISMO DE COMTE FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 14 O POSITIVISMO DE COMTE Fixação 1) Para Comte, o que define a sociedade? Fixação 2) A filosofia de Comte considera a humanidade como uma unidade essencial; para compreender

Leia mais

A HISTORIA "INUMANA. 3 2 iro f 3 MASSACRES E GENOCÍDIOS DAS ORIGENS AOS NOSSOS DIAS GUY RICHARD DIRECÇÃO DE: Autores:

A HISTORIA INUMANA. 3 2 iro f 3 MASSACRES E GENOCÍDIOS DAS ORIGENS AOS NOSSOS DIAS GUY RICHARD DIRECÇÃO DE: Autores: 3 2 iro f 3 A HISTORIA "INUMANA MASSACRES E GENOCÍDIOS DAS ORIGENS AOS NOSSOS DIAS DIRECÇÃO DE: GUY RICHARD Autores: JEAN-JACQUES CLEYET-MERLE ZAKARI DRAMANI-ISSIFOU JEAN-PIERRE FICHOU BERNARD FOUQUES

Leia mais

Eu coloquei A Força no filme por uma razão: despertar um certo tipo de espiritualidade nos jovens. ~ George Lucas

Eu coloquei A Força no filme por uma razão: despertar um certo tipo de espiritualidade nos jovens. ~ George Lucas Eu coloquei A Força no filme por uma razão: despertar um certo tipo de espiritualidade nos jovens. ~ George Lucas A Força nem se compara com o que a Bíblia revela a respeito do Espírito Santo ATOS ESSENCIAIS

Leia mais

Goiânia, )rt de \\0J^ de 2013.

Goiânia, )rt de \\0J^ de 2013. corregedoria geral da justiça do estado de goiás poder judk -lírio ('r>v»l>dnria-( iaral da Justiça Secretaria Executiva Ofício Circular «103 /2013-SEC Expediente n 4489969/2013 Goiânia, )rt de \\0J^

Leia mais

Projeto de lei n.º 416/XIII

Projeto de lei n.º 416/XIII Projeto de lei n.º 416/XIII Estabelece mecanismos de proteção do património azulejar, procedendo à 13.ª alteração ao Regime Jurídico de Urbanização e Edificação São inúmeros os cidadãos e entidades, públicas

Leia mais

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8338 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8339 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8340 Documento

Leia mais

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell por: Marouva Fallgatter Faqueti Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedade em redes 1/2016 Professor: Aires José Roverr Peter Russell (1946 - ) Escritor e

Leia mais

Solenidade da Ascensão do Senhor - Ano B Seg, 29 de Dezembro de :11 - Última atualização Sáb, 16 de Maio de :44

Solenidade da Ascensão do Senhor - Ano B Seg, 29 de Dezembro de :11 - Última atualização Sáb, 16 de Maio de :44 At 1,1-11 Sl 46 Ef 4,1-13 Mc 16,15-20 Hoje, celebramos o mistério da Ascensão do Senhor. É mistério porque brota do coração de Deus, é mistério porque ultrapassa tudo quanto possamos imaginar, é mistério

Leia mais

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos.

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos. Músicas para Páscoa AO PARTIRMOS O PÃO E C#m #m B7 E7 A C#M Refr.: Ao partirmos o pão reconhecemos/ Jesus Cristo por nós ressuscitado./ Sua paz B7 E A B7 E recebemos e levamos,/ Ao nosso irmão que está

Leia mais

D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a

D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a C A R T A D E A P R E S E N T A Ç Ã O E s p e c i a l i s t a s e m h i g i e n e D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a 1 A D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a. é u

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

Lua Prateada e outras Poesias

Lua Prateada e outras Poesias Lua Prateada e outras Poesias Copyright Suzi Marques, 2017. Ficha Catalográfica na Publicação (CIP) M357l Marques, Suzi,2003 Lua prateada e outras poesias / Suzi Marques. Perse: São Paulo, 2017. 228 p.

Leia mais

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando.

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando. Celebração de Encerramento PREPARAR 1. Bíblia e velas para a Procissão de Entrada da Palavra 2. Sementes de girassóis para cada catequista depositar num prato com terra diante do altar durante a homilia

Leia mais

IMAGEM GRÁFICA PAULA TROPE. r e p r o g r a f i a ESCOLA DE ARTES VISUAIS. 14 d e j u l h o a 23 d e a g o s t o U E R J. 1 a 25 d e s e t e m b r o

IMAGEM GRÁFICA PAULA TROPE. r e p r o g r a f i a ESCOLA DE ARTES VISUAIS. 14 d e j u l h o a 23 d e a g o s t o U E R J. 1 a 25 d e s e t e m b r o S A L A IMAGEM GRÁFICA PAULA TROPE f o t o g r a f i a r e p r o g r a f i a 1 4 d e j u l h o d e 1 9 9 2 i n a u g u r a ç ã o à s 2 0 : o o h o r a s 14 d e j u l h o a 23 d e a g o s t o U E R J 1

Leia mais

III MODELOS DE ORAÇÃO UNIVERSAL

III MODELOS DE ORAÇÃO UNIVERSAL III MODELOS DE ORAÇÃO UNIVERSAL 229. I Irmãos e irmãs: Celebrando o especial dom da graça e da caridade, com que Deus Se dignou consagrar o amor dos nossos irmãos N. e N., confiemo-los ao Senhor, dizendo

Leia mais

(A Themistocles Machado)

(A Themistocles Machado) (A Th Mh) BRAZL á 58 Hh Dg Bh fô gv g Bz v F Hh Pg ê h F f 598 A 585 gv L B A< Pb F Bb v v ãó f z v Phyb vz vzg f fz N v x h P Ch S; Aç h b fv T ffê fz á J? 4 REVSTA bb hb g j çõ fz v h b z ç gv g Dg Bh

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA. ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Casa de Epitácio Pessoa Deputado Estadual Caio Roberto

ESTADO DA PARAÍBA. ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Casa de Epitácio Pessoa Deputado Estadual Caio Roberto * 18 (Sm ESTADO DA PARAÍBA Casa de Epitácio Pessoa Deputado Estadual Caio Roberto PROJETO DE LEI N (Do Deputado Caio Roberto - PR) RECONHECE O MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE COMO A CAPITAL DO FORRÓ DO ESTADO

Leia mais

SOLENIDADE DE NOSSA SENHORA APARECIDA

SOLENIDADE DE NOSSA SENHORA APARECIDA SOLENIAE E NOSSA SENHORA APARECIA CANTO E ENTRAA: Caminhando Com Maria G E7 Am7 Santa Mãe Maria, nesta travessia, cubra-nos teu manto cor de anil C/ G Guarda nossa vida, mãe Aparecida, Santa padroeira

Leia mais

www.autoresespiritasclassicos.com

www.autoresespiritasclassicos.com www.autoresespiritasclassicos.com A Importância da Bíblia para a Doutrina Espírita Astrid Sayegh Filósofa, é Diretora de Cursos Básicos da Federação Espírita do Estado de São Paulo A Humanidade já foi

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS. (Da Sra. IRACEMA PORTELLA)

CÂMARA DOS DEPUTADOS. (Da Sra. IRACEMA PORTELLA) INDICAÇÃO N o, DE 2013 (Da Sra. IRACEMA PORTELLA) Sugere ao Poder Executivo a adoção de medidas de incentivo ao pequeno empreendedor turístico Gastão Dias Vieira: Excelentíssimo Senhor Ministro do Turismo,

Leia mais

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO anuncie a Boa Nova não só com palavras, mas, sobretudo, com uma vida transfigurada pela presença de Deus (EG 259). O tema da nova evangelização aparece com freqüência

Leia mais

Edição Trimestral -N.º2, Março de 2004

Edição Trimestral -N.º2, Março de 2004 Edição Trimestral -N.º2, Março de 2004 Índice Uma viagem pela minha terra 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano Informática Expressão Plástica English Corner O Cantinho da Fantasia Educação Especial Expressão Dramática

Leia mais

5 º ANO Unidade Letiva 1 - Viver juntos METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história.

5 º ANO Unidade Letiva 1 - Viver juntos METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA Escola Básica Fernando Caldeira Departamento de Ciências Humanas e Sociais Educação Moral e Religiosa Católica - 5º ano Ano letivo 2016/2017 5 º ANO Unidade Letiva 1 -

Leia mais

Vi Vai. FETRANSPOR Rio de Janeiro RJ. Prezados Senhores,

Vi Vai. FETRANSPOR Rio de Janeiro RJ. Prezados Senhores, Ri de Janeir, 07 de Dezembr de 201 1. i»u ivu1'iy.w ÿ0 FETRANSPR Ri de Janeir RJ. Vi Vai At.: Sr. Sérgi Peixt Prezads Senhres, Em atençã a sua slicitaçã, estams adiante frnecend s preçs de carrcerias MARCPL

Leia mais

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE Oo Índice Prefácio, por Gabriel Chalita...11 Introdução...19 1 O Verbo divino...27 2 As bodas de Caná...35 3 A samaritana...41 4 Multiplicação dos pães...49 5 A mulher adúltera...55

Leia mais

3. FALAR SOBRE A VOCAÇÃO

3. FALAR SOBRE A VOCAÇÃO 1 CATEQUESE VOCACIONAL 1. ACOLHIMENTO 2. ORAÇÃO INICIAL: A catequese deve iniciar sempre com uma oração conjunta: Todos de pé rezamos pedindo ao Senhor que continue a chamar jovens para a vida sacerdotal

Leia mais

Dia Mundial das Missões - Coleta Nacional - 21 e 22 de outubro

Dia Mundial das Missões - Coleta Nacional - 21 e 22 de outubro Missionária 26º Domingo do Tempo Comum - 01/10/ Motivação inicial é o tema da Missionária que hoje iniciamos. A Igreja em saída é a comunidade que faz a experiência de Jesus e sai de si para anunciar a

Leia mais

Lição n.º 6 - A UNIDADE DA BÍBLIA

Lição n.º 6 - A UNIDADE DA BÍBLIA Lição n.º 6 - A UNIDADE DA BÍBLIA Lição n.º 6 (Início) Objeto de estudo: Reconhecer o fato de que a unidade da Bíblia é uma das provas de sua autenticidade! 1 Versículo-chave: Cl 1.26-27 O ministério que

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 32 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 32 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 32 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 1. TEMA: Culto Cristão no Lar. PLANO DE AULA 2. OBJETIVO: Relatando como Jesus

Leia mais

Iniqüidades idades no SUS: a qualidade dos serviços e

Iniqüidades idades no SUS: a qualidade dos serviços e Iniqüidades idades no SUS: a qualidade dos serviços e ações de saúde VIII Congresso Brasileiro de Epidemiologia XVIII IEA Congress of Epidemiology Porto Alegre 2008 Política de Saúde: Universalidade Integralidade

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Confie no poder de Deus Efésios 6.10,11 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Mensagem # 1 IBMC 07/10/12

Confie no poder de Deus Efésios 6.10,11 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Mensagem # 1 IBMC 07/10/12 Introdução Confie no poder de Deus Efésios 6.10,11 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Mensagem # 1 IBMC 07/10/12 Série de 5 mensagens sobre a Armadura de Deus no livro de Efésios. Efésios 1.1

Leia mais

PLANO DE CURSO OBJETIVO GERAL DA ÁREA DE ENSINO RELIGIOSO

PLANO DE CURSO OBJETIVO GERAL DA ÁREA DE ENSINO RELIGIOSO PLANO DE CURSO OBJETIVO GERAL DA ÁREA DE ENSINO RELIGIOSO O direito fundamental à educação inclui receber, na formação integral, a capacitação necessária ao exercício da cidadania. O Ensino religioso tem

Leia mais

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Aos dezanove dias do mês de Setembro de dois mil e quinze realizou-se em Fátima, na Casa Nossa Senhora do Carmo, o encontro de apresentação

Leia mais

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos.

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos. Aos Poetas Venho prestar homenagem a uma grande nação, Que são os nossos poetas que escrevem com dedicação, Os poemas mais lindos e que por todos são bemvindos, Que vem trazer esperança a um povo tristonho,

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PLANEJAMENTO FINANCEIRO: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS OTIMIZAÇÃO DOS RECURSOS : CONTEXTUALIZAÇÃO RA RE R EL C AD AÇ ÃO O D F U N C I O A M E N T O O RE Ç A MDE NET O P E N D Ê N C I A E E V O L U Ç Ã O Extrajudicial

Leia mais

Reunião de Seção DEVERES PARA COM DEUS

Reunião de Seção DEVERES PARA COM DEUS Reunião 15 Reunião de Seção DEVERES PARA COM DEUS Área de Desenvolvimento enfatizada: ESPIRITUAL Ramo: Pioneiro Mês recomendado para desenvolver esta reunião: Qualquer mês. Explicação sobre o tema: Frente

Leia mais

Folhas de Cálculo. O EXCEL como Folha de Cálculo

Folhas de Cálculo. O EXCEL como Folha de Cálculo Flh d Clul O qu é: U Flh d Clul é, dç, u ju d élul qu u glh u bl qu d l- vé d xõ lóg /u O qu : Ogzç ç d bl l d vl; F, í,, qu jud xu lul lx; Auzç d, vé d gç u d ódg d lul u d uld; Rç g d ç; d bl ulzd çõ

Leia mais

O Clamor dos Povos e da Terra Ferida

O Clamor dos Povos e da Terra Ferida CÂNTICOS O Clamor dos Povos e da Terra Ferida Pelas dores deste mundo Rodolfo Gaede Neto https://www.youtube.com/watch?v=jn1beqgwza Pelas dores deste mundo, Ó Senhor, imploramos piedade A um só tempo geme

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

Objetivo Analisar a missão de João Batista, à luz da Doutrina Espírita.

Objetivo Analisar a missão de João Batista, à luz da Doutrina Espírita. Objetivo Analisar a missão de João Batista, à luz da Doutrina Espírita. E, naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judeia e dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus.

Leia mais

TRT-00290-2014-079-03-00-7 RO

TRT-00290-2014-079-03-00-7 RO Primeira Turma Publicacao: 14/11/2014 Ass. Digital em 11/11/2014 por CLEBER LUCIO DE ALMEIDA Relator: CLA Revisor: LOLR PODER JUDICIÁRIO R e c o r r e n t e : A L I S S O N C A R V A L H O B O R G E S

Leia mais

Artigo 7 TEXTO 1 TEXTO 2

Artigo 7 TEXTO 1 TEXTO 2 Redija um texto dissertativo em que você exponha sua opinião sobre a língua como expressão de uma identidade coletiva em que a diversidade lingüística e a cultural estão asseguradas. Utilize a coletânea

Leia mais

Mensagem #2 - As Origens. Da criação ao Judaísmo Quinta-feira, 17 de Março de 2016

Mensagem #2 - As Origens. Da criação ao Judaísmo Quinta-feira, 17 de Março de 2016 Conheça sua Bíblia - Uma visão panorâmica das Escrituras Mensagem #2 - As Origens. Da criação ao Judaísmo Quinta-feira, 17 de Março de 2016 Colocamos em sua folha um gráfico que ajuda a compreender a evolução

Leia mais

privadas. É consolidado e reconhecido pelo seu trabalho v o l u n t á r i o n a c i d a d e o n d e a t u a.

privadas. É consolidado e reconhecido pelo seu trabalho v o l u n t á r i o n a c i d a d e o n d e a t u a. O projeto desenvolvido para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) refere-se à construção de um edifício privado com características de edifício público, investigado a partir de uma demanda já existente

Leia mais

Dispositivo: o cinema e o fim da moldura

Dispositivo: o cinema e o fim da moldura INTRODUÇÃO TRANSCINEMAS Ð ³ ² ³=» Ý ³»²ô ³ ² ª- Ê ô ³ ² ¾ ª- α» ³ ² ª- л 7 «ò O CINEMA SEMPRE FOI EXPERIMENTALô ± ¼» »³» º± «³ ½ ³ ± ¼»» «ò ݱ³± ½ «³ ³ ¹»³»³ ³±ª ³»² ±á ݱ³± ±» á ݱ³± ± ± «3¼± ¼± ±»

Leia mais

FINAL PÁSCOA Opção 01

FINAL PÁSCOA Opção 01 FINL PÁSCO Opção 01 G G7 C G Em 7 1. eus enviou seu filho amado para morrer no meu lugar. G G7 C Cm Na cruz pagou, por meus pecados, G Em m 7 G mas o sepulcro vazio está, porque Ele vive. 7 G G7 C Cm Porque

Leia mais

PLANEJAMENTO Jeitos de explicar a origem do universo. O que diz a ciência sobre a criação. Campanha da Fraternidade 2016

PLANEJAMENTO Jeitos de explicar a origem do universo. O que diz a ciência sobre a criação. Campanha da Fraternidade 2016 Disciplina: Ensino Religioso Série: 6º ano Prof.: Cristiano Souza 1ªUNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES O homem e sua relação com Deus e com a Criação CRIAÇÃO O início do universo Tomar consciência

Leia mais

Ano Litúrgico Ano C

Ano Litúrgico Ano C Ano Litúrgico 2009-2010 Ano C TEMPO DO ADVENTO 29/11 1º Domingo do Advento A redenção está próxima. Jeremias 33,14-16; Salmo 25(24); 1 Tessalonicenses 3,12-4,2; Lucas 21,25-28. 34-36 6/12 2º Domingo do

Leia mais

O Ano da Misericórdia

O Ano da Misericórdia O Ano da Misericórdia «Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai. Com a sua palavra, os seus gestos e toda a sua pessoa, Jesus de Nazaré revela a misericórdia de Deus». (MV, 1) «Precisamos sempre de

Leia mais

Mensagem do dia 02 de Março Suas escolhas. Mensagem do dia 02 de Março de 2013 Suas escolhas

Mensagem do dia 02 de Março Suas escolhas. Mensagem do dia 02 de Março de 2013 Suas escolhas Mensagem do dia 02 de Março Suas escolhas Mensagem do dia 02 de Março de 2013 Suas escolhas Acredite: você é aquilo que acredita ser. Você tem aquilo que acredita poder ter. Você recebe da vida aquilo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2015-2016 PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE TURISMO DISCIPLINA: TURISMO INFORMAÇÃO E ANIMAÇÃO TURÍSTICA. 11º ANO GESTÃO

Leia mais

2 4 < < "!# $ %!'&( )'*,+(' *./!0&1 )' 3 )/ 56 7 8 0)# :9; $!! 1 7 $ # * =! 7 #)/>!!$?;* > @ $ A& 8 7,+( 7 2CB 3/,D. )/>0(7 +('( E A ( F,>! 9 G 56 $IHJ J K o o o o o o o o X %!'&( )'L. $ 0MN 8OP /Q /OP

Leia mais

MENSAGEM DO BISPO AUXILIAR DOM LAMPRA CÁ ALUSIVA AO ANO 2017

MENSAGEM DO BISPO AUXILIAR DOM LAMPRA CÁ ALUSIVA AO ANO 2017 MENSAGEM DO BISPO AUXILIAR DOM LAMPRA CÁ ALUSIVA AO ANO 2017 Caros irmãos em Cristo, Hoje celebramos a Solenidade da Maternidade Divina de Maria, o Dia Mundial da Paz e o Primeiro dia do Ano Civil 2017.

Leia mais

Minha vida está mudando.

Minha vida está mudando. U jt v vv. Mh v tá. Q á, z, t Q. 11 h t M é Alc b h l t g, c FLR DA IDAD. t ql. c l, ã, q é pcólg c z. l íc f tã é ã cêc Sb, t l t c é É, t, t b. h c M. g c p lh! t q h c Pq t, tbé c t j, q é, bc, á c.

Leia mais

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor CAPA, DIAGRAMAÇÃO e ILUSTRAÇÃO Reginaldo Paz Mulheres Maravilhosas PAZ, Reginaldo 1ª Edição 2015 ISBN: 978-85-919101-6-8 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais

Leia mais

L I Ç Ã O 1 2 T E M A : OS FRUTOS DO ESPÍRITO SANTO. TEXTO: Gálatas 5:22

L I Ç Ã O 1 2 T E M A : OS FRUTOS DO ESPÍRITO SANTO. TEXTO: Gálatas 5:22 L I Ç Ã O 1 2 T E M A : OS FRUTOS DO ESPÍRITO SANTO. TEXTO: Gálatas 5:22 INTRODUÇÃO. Este é o texto bíblico que nos fala de um único fruto do Espírito Santo, mas que se manifesta em cada vida de nove formas

Leia mais

I. Respeitar e Cuidar da Comunidade de Vida. II. Integridade Ecológica PRINCÍPIOS

I. Respeitar e Cuidar da Comunidade de Vida. II. Integridade Ecológica PRINCÍPIOS CA T A DA TE A PINCÍPIOS I. espeitar e Cuidar da Comunidade de Vida 1. espeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade. a. econhecer que todos os seres são interligados e cada forma de vida tem valor,

Leia mais

Começamos um novo ano letivo. Sou a tua agenda Bem vindas! Bem vindos! Reparaste? 150 anos!

Começamos um novo ano letivo. Sou a tua agenda Bem vindas! Bem vindos! Reparaste? 150 anos! Começamos um novo ano letivo Sou a tua agenda 2013-2014 Bem vindas! Bem vindos! Reparaste? 150 anos! RECORDA Uma canção Um logotipo Um lema Grande é o amor de Deus! Somos uma grande família Tudo acontece

Leia mais

ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO. Dora Incontri

ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO. Dora Incontri ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO Dora Incontri 10 Questões sobre Arte e Espiritismo 1 Dora Incontri 1- Existe Arte Espírita? Depende como se entende o conceito. A Arte

Leia mais

www.paroquiadecascais.org

www.paroquiadecascais.org Oração dos fiéis I Celebrando o especial dom da graça e da caridade, com que Deus Se dignou consagrar o amor dos nossos irmãos N. e N., confiemo-los ao Senhor, dizendo: 1. Para que os nossos irmãos N.

Leia mais