PROCEDIMENTO GERAL Gestão documental

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO GERAL Gestão documental"

Transcrição

1 Página 1 de 6 I ÂMBITO Abrange o ciclo de vida dos documentos desde a sua entrada/criação na ESEP, até ao fim do seu ciclo de vida na ESEP, incluindo o controlo dos documentos e os registos da qualidade relativos a ações no âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Engloba a atividade de registo de empréstimos e atribuição de cotas na biblioteca. Inclui a identificação e controlo dos documentos enviados para arquivo no EAM e ato de eliminação. II OBJETIVOS Apresentar a estrutura documental do sistema de gestão da qualidade. Estabelecer as regras para o controlo dos documentos do sistema de gestão da qualidade. Definir o método de identificação, armazenagem, proteção, recuperação, tempo de retenção e eliminação dos registos da qualidade. Assegurar o controlo e disponibilidade face a terceiros dos registos da qualidade que documentam a realização de ações no âmbito do sistema de gestão da qualidade. Processar a documentação da ESEP. Definir o método de identificação, registo e atribuição de cotas nas atividades da biblioteca. Assegurar a atividade de empréstimos na biblioteca. Identificar e controlar os documentos enviados para arquivo no EAM e ato de eliminação. III INFORMAÇÕES GERAIS A - DEFINIÇÕES Documentação conjunto de documentos (em qualquer formato), contendo informações que auxiliem na tomada de decisões, comuniquem decisões tomadas e registem assuntos de interesse da organização ou do indivíduo. Manual da qualidade (MQ) documento que descreve o sistema de gestão da qualidade da Escola Superior de Enfermagem do Porto, os seus processos e as metodologias adotadas. Contém o campo de aplicação, a definição da política, das funções e das responsabilidades, a descrição dos processos e faz referência aos procedimentos adotados para cumprir com as regras aplicáveis. Manual de trabalho - documento que descreve um conjunto de tarefas de um serviço. Procedimento geral (PG) forma de descrever um processo ou subprocesso relacionado com várias atividades. Procedimento operativo (PO) conjunto de diretrizes que descrevem o modo de proceder necessário à realização de uma atividade definida nos processos com várias tarefas. Instrução de trabalho (IT) conjunto de diretrizes, de forma clara e objetiva que descrevem o comportamento e a ação a executar numa tarefa. Modelo (MOD) documento onde são efetuados registos de modo a dar evidência do cumprimento dos requisitos aplicáveis. Registo documento que inclui informação e que coloca em evidência atividades realizadas ou eventos. Documento Externo (DE) documento recebido na ESEP, com origem numa entidade externa. B - ORIENTAÇÕES QUANTO À EXECUÇÃO A estrutura do manual de gestão da qualidade segue o descrito no MOD.13.

2 Página 2 de 6 A estrutura do manual de trabalho segue o descrito no MOD.48. A estrutura dos procedimentos gerais segue o descrito no MOD.12. A estrutura dos procedimentos operativos segue o descrito no MOD.10. A estrutura das instruções de trabalho segue o descrito no MOD.11. A estrutura dos modelos, preferencialmente, segue o descrito no MOD.14. Todavia, poderão, de acordo com a necessidade, ter outra estrutura e formatação desde que, no seu conteúdo, seja incluído o código do modelo e o símbolo da ESEP. As alterações dos documentos podem ser propostas ao gestor da qualidade sempre que necessário, por solicitação de uma entidade interna ou externa. É da responsabilidade do gestor da qualidade a análise e a decisão sobre a modificação proposta. Esta decisão poderá ser tomada em reunião da qualidade. Se a modificação for aceite, o gestor da qualidade atualiza o documento procedendo de acordo com o estipulado no item V. O gestor da qualidade é o responsável pelo controlo dos documentos e por assegurar a utilização das versões atualizadas do sistema de gestão da qualidade. Após o tempo mínimo de retenção, definido nos registos, são colocados em arquivo morto durante um ano e posteriormente destruídos, exceção feita aos livros de termo e processos individuais que permanecem Ad Eternum. As responsabilidades são atribuídas da seguinte forma, dependendo do tipo de documento e da correspondente ação, isto é, a sua elaboração/alteração, a revisão, a aprovação, a distribuição e o seu arquivo: Tipo Elaboração / Revisão Codificação Verificação Aprovação Distribuição/ Divulgação MQ PG com a colaboração do grupo dinamizador e coordenadores Grupo PO com a colaboração do grupo dinamizador da Diretor e dinamizador e coordenadores Diretor e gestor qualidade, gestor da da qualidade administradora qualidade IT com a colaboração do grupo e/ou dinamizador e coordenadores coordenadores MT Trabalhadores e coordenadores MOD Trabalhadores e coordenadores DE Entidade Externa Entidade Externa Não aplicável Não aplicável Não aplicável A gestão da informação é efetuada de acordo com o PG.11 considerando a necessidade de: o Providenciar passwords de acesso ao sistema informático, com diferentes níveis de acesso; o Efetuar backup da informação relevante contida no sistema informático, sendo o seu acesso restrito.

3 Página 3 de 6 IV RECURSOS NP EN ISO Manual de gestão da qualidade. V AÇÕES Ação Responsabilidade Expediente comum/geral 1. Triar a documentação. 2. Reencaminhar a documentação pelos diferentes serviços/órgãos/entidades. EAM 3. Gerar fluxo documental. Trabalhadores dos serviços 4. Informar, ou emitir parecer quando aplicável, para a tomada de decisão. Trabalhadores do serviço ou órgão no caso de emissão de parecer 5. Emitir despacho. Órgão competente 6. Encerrar fluxo. EAM 7. Arquivar documentos. Trabalhadores dos serviços 8. Expedir documentos. Trabalhadores dos serviços 9. Gerir o acervo documental. Trabalhadores do EAM/CDBSC/ serviços 10. Eliminar documentos. EAM Codificação de documentos 1. Codificar os documentos segundo o descrito na IT.01 - Codificação de documentos do sistema da qualidade. Requisitos da documentação 1. Suportar o sistema de gestão da qualidade num conjunto de documentos e registos estruturados da seguinte forma: Lei e Estatutos Regulamento orgânico; Manual de gestão da qualidade; Plano estratégico Regulamentos; Despachos; Normas de serviço; Procedimentos gerais e Fichas dos processos Normas de serviço Procedimentos operativos Regulamento orgânico Manual de gestão da qualidade Planos e orientações estratégicas Regulamentos; despachos; normas de serviço Procedimentos gerais e fichas dos processos Normas de serviço Procedimentos operativos Circulares informativas Instruções de trabalho Circulares informativas Instruções de trabalho Manuais diversos Manuais diversos Comunicações internas Modelos e registos Comunicações internas Modelos e registos

4 Página 4 de 6 Ação Responsabilidade Controlo dos documentos do SGQ 1. Emitir, alterar, distribuir e aprovar a documentação do SGQ: 1.1. Emitir ou rever a documentação pelo serviço emissor de acordo com a Matriz definida em B; 1.2. Atribuir um código ou alterar o número da revisão e registar no modelo MOD.01 (a codificação dos documentos está definida na IT.01); De acordo com a matriz definida em B 1.3. Preencher o campo elaborado; 1.4. Preencher o campo verificado; 1.5. Gerar fluxo documental; Gestor da qualidade 1.6. Informar, ou emitir parecer quando aplicável; Gestor da qualidade ou órgão 1.7. Preencher o campo aprovado; (matriz definida em B) 1.8. Encerrar o fluxo; Trabalhador do EAM 1.9. Arquivar no SAMBA a versão atual na pasta qualidade ; Identificar no caso de distribuições ou divulgações não controladas com Gestor da qualidade versão não controlada. 2. Providenciar a não utilização de documentos obsoletos: 2.1. Remover documentos obsoletos da pasta do samba e arquivar na Pasta de obsoletos ; Gestor da qualidade 2.2. Controlar a não utilização de documentos obsoletos. Gestor da qualidade Controlo dos dispositivos legais e normativos externos à ESEP 1. Consultar semestralmente a página da internet do IPQ de forma a verificar a atualização da versão das normas utilizadas. Gestor da qualidade 2. Registar no modelo MOD.22 as normas em vigor. 3. Consultar mensalmente a página da internet do Diário da república e de 4. entidades competentes de forma a verificar a atualização da legislação utilizada. Registar no modelo MOD.22 a legislação em vigor pelos coordenadores dos serviços em questão. Coordenadores do serviço 5. Divulgar internamente. Outros documentos externos (catálogos/manuais/etc.) 1. Avaliar a sua utilização. 2. Identificar a respetiva fonte. 3. Informar e divulgar no serviço respetivo as novas versões. Coordenador do curso/serviço 4. Destruir quando substituídos por equipamentos novos ou descontinuados. Registos 1. Registar no modelo de controlo de registos (MOD.23) os seguintes itens: 1.1. Indexação: modo como os registos estão ordenados e organizados (ex.: sequencial). Gestor da qualidade 1.2. Compilação: designação do arquivo Acesso: serviço com acesso aos registos.

5 Página 5 de 6 Ação 1.4. Local de arquivo: local onde se situa o arquivo Arquivo responsável: serviço responsável por manter arquivados os registos de forma adequada devendo evitar o seu deterioramento Tempo de arquivo morto: período mínimo pelo qual devem ser mantidos os registos antes de serem destruídos Responsável pela destruição: responsável pela inutilização dos registos após o tempo mínimo de arquivo morto. Livros e revistas 1. Assegurar a identificação, registo e atribuição de cotas e proceder de acordo com o PO.09 Carimbagem, registo, magnetização e atribuição de cotas. 2. Assegurar a atividade de empréstimos e proceder de acordo com o PO.10 Gestão de empréstimos. 3. Assegurar as atividades de reprodução (tendo em conta as restrições legais), de encadernação, de termocolagem e de plastificação de documentos de acordo com o Manual de trabalho - reprografia. Expediente e arquivo 1. Assegurar a atividade de arquivo, transferência e eliminação de documentação e proceder de acordo com o PO.11 Arquivo, transferência e eliminação de documentação; 2. Assegurar a identificação do conteúdo informacional de cada unidade de instalação, conforme a etiqueta: ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO CDBSC Responsabilidade UO (sigla) SERVIÇO ESEP TÍTULO EAM INÍCIO/ FIM PASTA CLASSIF. DESTINO CONSERVAÇÃO: Permanente Eliminação Localização

6 Página 6 de 6 VI FLUXOGRAMA Não aplicável. VII DOCUMENTOS ASSOCIADOS PG 11 Gestão de sistemas de informação. PO.09 Carimbagem, registo, magnetização e atribuição de cotas. PO.10 Gestão de empréstimos. PO.11 Arquivo, transferência e eliminação de documentação. IT.01 Codificação de documentos do sistema de gestão da qualidade. MT.03 Manual de trabalho - reprografia. MOD.01 Lista de documentos. MOD.10 Modelo dos procedimentos operativos. MOD.11 Modelo das instruções de trabalho. MOD.12 Modelo dos procedimentos gerais. MOD.13 Modelo do manual de gestão da qualidade. MOD.14 Folha tipo modelo. MOD.22 Registo de normas/legislação. MOD.23 Controlo dos registos. MOD.48 Modelo de manual de trabalho.

PROCEDIMENTO OPERATIVO Arquivo, transferência e eliminação de documentação

PROCEDIMENTO OPERATIVO Arquivo, transferência e eliminação de documentação eliminação de Página 1 de 6 I ÂMBITO Aplicável na identificação e controlo dos documentos enviados ao para fins de arquivo, na atividade de transferência de documentos, na solicitação de acesso para consulta

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL Desempenho e melhoria

PROCEDIMENTO GERAL Desempenho e melhoria Página 1 de 5 I ÂMBITO Aplicável em toda a estrutura funcional da ESEP. II OBJETIVOS Definir a metodologia para a programação e realização de auditorias internas. Definir a metodologia para a revisão periódica

Leia mais

Procedimento Gestão Documental

Procedimento Gestão Documental APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Elaborado por Função Nome e Assinatura Data André Duarte Aprovado por ADM Luis Brito REGISTO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Página Alterada Motivo 1 25/08/2008 Todas Redacção Inicial

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL Melhoria contínua

PROCEDIMENTO GERAL Melhoria contínua Página 1 de 6 I ÂMBITO Aplicável em toda a estrutura funcional da ESEP. II OBJETIVOS Definir a metodologia, as responsabilidades e a documentação necessárias à implementação do controlo de não conformidades

Leia mais

NÃO CONFORMIDADE, AÇÕES CORRETIVAS E PREVENTIVAS

NÃO CONFORMIDADE, AÇÕES CORRETIVAS E PREVENTIVAS 1. OBJETIVO Definir as metodologias de tratamento de não conformidades, reclamações e sugestões de Clientes e Colaboradores, e implementação de ações corretivas e preventivas. 2. DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO)

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO) Página: 1 de 5 NOME DO PROCESSO: GESTÃO DOCUMENTAL SUBPROCESSO: Controle de Documentos do. 1. Objetivos do Processo. Principais benefícios e razão da existência do processo, vinculando-o à Política e Objetivos

Leia mais

Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa. Organismos de Normalização Sectorial (ONS) Constituição, reconhecimento e atribuições

Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa. Organismos de Normalização Sectorial (ONS) Constituição, reconhecimento e atribuições Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa Organismos de Normalização Sectorial (ONS) Constituição, reconhecimento e RPNP 010/2014 Versão 2 / 2014 Sumário 1 Natureza e objetivo... 3 2 Termos

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA 2016.1 MANTENEDORA Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão LTDA MANTIDA Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Facema DIRETORIA Maria

Leia mais

GesDoc. Autenticação Ato de se credenciar perante um sistema, para poder ser reconhecido como um utilizador do mesmo.

GesDoc. Autenticação Ato de se credenciar perante um sistema, para poder ser reconhecido como um utilizador do mesmo. » GLOSSÁRIO - https://gesdoc.uevora.pt» Para um entendimento mais uniforme sobre alguns termos utilizados no âmbito do Sistema de Gestão Documental da Universidade de Évora (GesDoc), apresentamos de seguida

Leia mais

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS Página 1 de 10 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 0 07/08/2013 Emissão original consolidando práticas adotadas no PSS, anteriormente não documentadas em forma de procedimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

MACROPROCESSO INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO

MACROPROCESSO INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO PÁGINA 1 DE 10 1. OBJETIVO E ÂMBITO Assegurar o intercâmbio e o acesso a outros fundos documentais e bibliográficos, de forma a satisfazer as necessidades dos clientes internos da Biblioteca. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 019/2011. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando:

ATO NORMATIVO Nº 019/2011. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando: ATO NORMATIVO Nº 019/2011 Disciplina o uso do correio eletrônico no Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando:

Leia mais

Regulamento Institucional da Biblioteca Central UNISEPE

Regulamento Institucional da Biblioteca Central UNISEPE Regulamento Institucional da Biblioteca Central UNISEPE Capítulo I Da Natureza e Finalidade A Biblioteca Central UNISEPE - União das Instituições de Serviços, Ensino e Pesquisa - tem natureza administrativa

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

MACROPROCESSO INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO

MACROPROCESSO INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO LEITURA PRESENCIAL PÁGINA 1 DE 5 1.OBJETIVO E ÂMBITO Assegurar que o Serviço de Leitura Presencial é prestado nas instalações da Biblioteca especialmente destinados para o efeito onde é permitido consultar

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF 2010 SUMÁRIO TITULO I... 3 DA CONCEITUAÇÃO DO PROGRAMA... 3 CAPÍTULO I... 3 DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 3

Leia mais

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário A documentação permite a comunicação

Leia mais

Gestão de Actas Escolares. Manual Utilizador. (Versão 4)

Gestão de Actas Escolares. Manual Utilizador. (Versão 4) inovar TI Gestão de Actas Escolares Manual Utilizador (Versão 4) ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 FUNCIONALIDADES DO UTILACTAS... 3 1.ENTRAR NO PROGRAMA... 4 2.CONVOCAR UMA REUNIÃO... 5 2.1. CRIAR... 5 2.2. EDITAR...

Leia mais

Primeira Edição: 20/08/2010 Página 1 de 10 Revisão 01 POP.ADM.001 PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS

Primeira Edição: 20/08/2010 Página 1 de 10 Revisão 01 POP.ADM.001 PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS Página 1 de 10 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 20/08/2010 Emissão do Documento 01 08/11/2011 Alteração logomarca e revisão do procedimento Claudiane Freire de Oliveira Coordenador

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO. Despacho Presidente n.º 2014/59

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO. Despacho Presidente n.º 2014/59 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2014/59 Competências dos serviços da ESEP Para efeitos e nos termos do princípio da colaboração da Administração com os particulares e no

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco Operacional - Sumário 1. Introdução:... 3 2. Abrangência:... 3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:... 3 3. Responsabilidades:... 4 Comitê

Leia mais

Processo de Gerenciamento do Catálogo de Serviços de TIC

Processo de Gerenciamento do Catálogo de Serviços de TIC de TIC Escritório de Gerenciamento de Processos de Tecnologia da Informação e Comunicação EGPr-TIC João Pessoa 2016 Versão 1.0 Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região Desembargador Presidente Ubiratan

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento Manual de Utilizador Front-Office Aviso de Propriedade e Confidencialidade Este documento é propriedade do INFARMED, I.P., e toda a informação nele incluído

Leia mais

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ).

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS Responsável: Juliana Maria Gomes de Almeida Alves Cópia Controlada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Departamento de Gestão de Pessoas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Departamento de Gestão de Pessoas Quantidade Setor Local de Trabalho Horário de Trabalho 1 Programa de Pós-graduação em Biotecnologia - CCS Secretaria do Programa de Pósgraduação em Biotecnologia 8:00-12:00h 13:00-17:00h NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

RECEPÇÃO DE EMAIL E FAX P - DAG - 04

RECEPÇÃO DE EMAIL E FAX P - DAG - 04 OBJECTIVO: Definir o processo de recepção de emails e faxs no contexto da Câmara Municipal de Beja RESPONSÁVEL PELO PROCESSO: Responsável do Expediente ÂMBITO: Aplica-se a todos os email e fax recebidos

Leia mais

PQ-01-TM. Procedimento de Controlo dos Documentos e Registos

PQ-01-TM. Procedimento de Controlo dos Documentos e Registos 1. OBJECTIVO Definir a metodologia para controlar os s do Sistema de Gestão da e os registos gerados, incluindo s de origem externa 2. ÂMBITO Este procedimento aplica-se ao controlo de todos os s e registos

Leia mais

Gestão de Recursos Financeiros Manual de Procedimentos

Gestão de Recursos Financeiros Manual de Procedimentos Gestão de Recursos Financeiros Manual de Procedimentos Janeiro de 2016 Histórico do Documento Versão Data Descrição Autor Aprovação 0.1 18-08-2015 Versão Preliminar do Manual de Procedimentos de Recursos

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO DE PORTO ALEGRE

FACULDADE DOM BOSCO DE PORTO ALEGRE FACULDADE DOM BOSCO DE PORTO ALEGRE CURSO DE ADMINISTRAÇAO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇAO (ESA) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - O Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS REGIMENTO INTERNO Departamento de Ciências Sociais e Humanas SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO E

Leia mais

MGS. Gestão de Documentos

MGS. Gestão de Documentos MGS CATÁLOGO DE SERVIÇOS Gestão de Documentos SUMÁRIO 1- Apresentação...4 2- Gestão de Documentos...5 3- Missão...6 4- Objetivos...6 5- Conceitos gerais...7 6- Legislação arquivística...8 7- Serviços

Leia mais

Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO

Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO Nível Anterior 15 Nível Atual 19 Requisitos: Diploma de Graduação reconhecido pelo MEC e inscrição no Conselho da Profissão, Descrição da Função: Prestar orientações

Leia mais

Manual de Utilização do Módulo Frota (SUAP)

Manual de Utilização do Módulo Frota (SUAP) Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Reitoria / Coord. de Desenvolvimento e Gerenciamento de Sistemas Manual de Utilização do Módulo Frota (SUAP) Versão

Leia mais

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016 POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Etapas da Gestão de Risco Operacional... 4 6. Estrutura

Leia mais

SISTAFE SISTAFE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO. Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004

SISTAFE SISTAFE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO. Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004 1 Objectivos Estabelecer e harmonizar regras e procedimentos de programação, gestão, execução, controlo

Leia mais

MACROPROCESSO INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO

MACROPROCESSO INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO PÁGINA 1 DE 5 1. OBJETIVO E ÂMBITO Assegurar que todos os Colaboradores dos SID que fazem o atendimento de Front Office procedam e atuem de forma uniforme a atribuição dos gabinetes destinados a trabalho

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 DE ACORDO Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 APROVADO POR Dr. Renato

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Página 1 de 10 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO nº 01/2016-PROGRAD DATA: 4 de janeiro de 2016 SÚMULA: Determina a normatização do processo de matrícula on-line no ano letivo de 2016, para acadêmicos

Leia mais

Redacção da Documentação de Sistemas de Gestão da Qualidade Ambiente e Higiene e Segurança no Trabalho. Um desenho vale mais que um longo discurso

Redacção da Documentação de Sistemas de Gestão da Qualidade Ambiente e Higiene e Segurança no Trabalho. Um desenho vale mais que um longo discurso Redacção da Documentação de Sistemas de Gestão da Qualidade Ambiente e Higiene e Segurança no Trabalho Um desenho vale mais que um longo discurso 1 Indice 1 A Importância do sistema documental 2 A principais

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA]

PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA] 2013 CONSÓRCIO UNILANCE TRIXX CONSULTING [MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA] De forma a atender aos procedimentos de controle e Direção, bem como agir de acordo com a legislação o Consórcio

Leia mais

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 2. OBJETIVO Descrever o procedimento interno para o

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERATIVO Funcionamento anual das UC

PROCEDIMENTO OPERATIVO Funcionamento anual das UC Página 1 de 6 I ÂMBITO Aplicável a unidades curriculares integradas em cursos conferentes e não conferentes de grau. II OBJETIVOS Garantir o funcionamento anual das unidades curriculares (UC). III INFORMAÇÕES

Leia mais

MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO MANUSEIO E APOIO LOGÍSTICO

MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO MANUSEIO E APOIO LOGÍSTICO 1 de 10 MAUEIO E APOIO LOGÍTICO MACROPROCEO ADMIITRATIVO PROCEO MAUEIO E APOIO LOGÍTICO MAUEIO E APOIO LOGÍTICO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRAGÊCIA... 2 3. DOCUMETO RELACIOADO... 2 4. PROCEDIMETO... 2 4.1 DEFIIÇÃO

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Gestão do Acervo de Informações sobre Bacias Sedimentares Brasileiras e da Indústria do Petróleo e Gás Natural

Gestão do Acervo de Informações sobre Bacias Sedimentares Brasileiras e da Indústria do Petróleo e Gás Natural Programa úmero de Ações 7 0271 Abastecimento de Petróleo, seus Derivados, Gás atural e Álcool Combustível Objetivo Indicador(es) Garantir as condições para satisfação da demanda atual e futura de petróleo,

Leia mais

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES, que dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica - NUPRAJUR

Leia mais

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1 Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1 ELABORAÇÃO Cristina Isidio Gracília dos Santos Gonçalves Tatiany Torres FORMATAÇÃO Silvânia Oliveira Teixeira DATA Estabelecido em 10/12/2013 Manual

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 02/2013 Versão: 01 Data da aprovação: 01/03/2013 Publicação: Portal do Ministério Público Unidade Responsável: Departamento de Tecnologia de Informação I - FINALIDADE Dispor

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERATIVO Manutenção das infraestruturas e equipamentos

PROCEDIMENTO OPERATIVO Manutenção das infraestruturas e equipamentos Página 1 de 5 I ÂMBITO Aplicável à gestão de atividades inerentes à manutenção e conservação das infraestruturas e. II OBJETIVOS Garantir que as infraestruturas estejam em condições de utilização. Garantir

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS 1. OBJETIVOS Estabelecer os critérios básicos para gestão e administração de Clubes de Investimento, abordando os seguintes tópicos: - Atuação; - Regulamento e Prospecto; - Ficha Cadastral e Habilitação

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA. Saúde, retificado. Saúde. 5. Como devem nos termos. Estatuto de. No n.º 1 do. artigo 12.º 2012; dezembro, seguir se indica:

CIRCULAR INFORMATIVA. Saúde, retificado. Saúde. 5. Como devem nos termos. Estatuto de. No n.º 1 do. artigo 12.º 2012; dezembro, seguir se indica: CIRCULAR INFORMATIVA Para conhecimento de todos os serviços e organismos dependentes do Ministério da Saúde N.º 11/2012 DATA 18/10/ /2012 ASSUNTO: Atualização das FAQ n.º ºs 5 e 7 da Circular Informativa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS - CIESA COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS - CIESA COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS - CIESA COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA NO CURSO DE GASTRONOMIA Manaus -

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno SISTEMA DE CONTROLE INTERNO - SCI INSTRUÇÕES NORMATIVAS SCC Nº 001/2010-1 Aprovação em: 09/03/2010 Versão: 001 Ato de Aprovação: IN SCC n. 001/2010 Unidade Responsável: Sistema de Controle de Comunicação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE TEATRO E CINEMA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE TEATRO E CINEMA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE TEATRO E CINEMA ÍNDICE CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 ORGÂNICA DA BIBLIOTECA... 3 DESCRIÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA... 3 PROCEDIMENTO 1... 3 Abertura,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Psicologia é uma atividade obrigatória, em consonância

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO Reprografia

MANUAL DE TRABALHO Reprografia Página 1 de 6 MANUAL DE TRABALHO Reprografia Página 2 de 6 Quadro de revisões Edição Revisão Página(s) Alterações efetuadas Data Elaborado Verificado Aprovado Página 3 de 6 I ÂMBITO Aplicável às tarefas

Leia mais

Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo

Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo Descritivo completo Suporte 2008 Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo Benefícios Help-desk e suporte pósvenda controlados; Integrado

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

Fase. Almoxarife. Entregador. Comprar. material. Verificar se está. estoque. Pedido Negado. Pedido de material recebido

Fase. Almoxarife. Entregador. Comprar. material. Verificar se está. estoque. Pedido Negado. Pedido de material recebido Procedimento: Entregar material requisitado Participantes: Roquemar, De Lourdes, Luciene Líder de processo: Cleide Revisão:00 - As Is - Data: 25/06/2015 Fase Almoxarife Pedido de material recebido Verificar

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DE CANDIDATURAS CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

GUIA DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DE CANDIDATURAS CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS GUIA DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DE CANDIDATURAS CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS 1. Aceder ao Portal de Candidaturas O acesso ao portal de candidaturas pode realizar-se de dois links:

Leia mais

Mestrado Profissional em Rede Nacional em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos. Resolução ProfÁgua Nº 005/ Pagamento de Bolsa PROFÁGUA

Mestrado Profissional em Rede Nacional em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos. Resolução ProfÁgua Nº 005/ Pagamento de Bolsa PROFÁGUA Resolução ProfÁgua Nº 005/2017 - Pagamento de Bolsa PROFÁGUA Dispõe sobre o Programa de Bolsa Monitoria, Tutoria e Coordenação de Tutoria de EAD do Programa de Pós- Graduação de Mestrado Profissional em

Leia mais

REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL

REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL Capítulo I Da Revista e sua Sede Art. 1º - A Revista Diálogo Educacional, criada em 2000, é uma publicação periódica do da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução

PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução Artigo 1º Definição da formação em contexto de trabalho e suas finalidades 1. A formação

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÍNDICE 1. GERENCIAMENTO DE RISCO 3 2. DEFINIÇÃO DE RISCO DE MERCADO 3 3. ANÁLISE DE RISCO DE MERCADO 3 4. ESTRUTURA PARA O GERENCIAMENTO DOS RISCOS 4 5. ESTRUTURA

Leia mais

O FM-GQ-034 - Mapa de Processos deve ser salvo no \\bizantino\documentos\gestao QUALIDADE\MAPEAMENTO DE PROCESSOS, classificando por negócio.

O FM-GQ-034 - Mapa de Processos deve ser salvo no \\bizantino\documentos\gestao QUALIDADE\MAPEAMENTO DE PROCESSOS, classificando por negócio. PO-AM-GQ- 1/5 1. OBJETIVO Definir metodologia de mapeamento, estruturação e desenho de processos de modo que os mesmos agreguem valor e gerem resultados para os negócios e clientes do Grupo SH Brasil.

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o processo de cadastrar e acompanhar Programas Sociais.

Definir e padronizar os procedimentos para o processo de cadastrar e acompanhar Programas Sociais. Código: MAP-SEPSO-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaboração: Secretaria de Programas Sociais Aprovação: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos para o processo de cadastrar

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM Ref. - Assunto Página: 1 / 9 de Publicação: : PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE Responsáveis: ATIVIDADE NOME CARGO Elaboração Controles Internos Revisores Carlos Rogério Ferraresi Gerente Adm. e Financeiro

Leia mais

manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0

manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0 manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0 ÍNDICE 4 CAPÍTULO 1 estrutura 4 1. Objetivo e campo de aplicação 5 2. Organização 5 3. Preparação e aprovação 5 4. Revisão, atualização e edição

Leia mais

REGULAMENTO DE HOMOLOGAÇÃO DE GRADUAÇÕES

REGULAMENTO DE HOMOLOGAÇÃO DE GRADUAÇÕES REGULAMENTO DE HOMOLOGAÇÃO DE GRADUAÇÕES (Aprovado em Reunião de Direcção de 19 de Julho de 2017) Filiada: Federação Mundial de Karate (WKF) Federação Europeia de Karate (EKF) Confederação do Desporto

Leia mais

APOSTILA PORTAL VERSÃO: EMISSOR

APOSTILA PORTAL VERSÃO: EMISSOR APOSTILA PORTAL VERSÃO: EMISSOR Sumário Sumário... 2 ACESSAR O PORTAL... 4 TELA INICIAL... 4 1º Recurso: BEM VINDO... 5 Altere sua senha... 5 Sair do Sistema... 5 2º Recurso: COMUNICAÇÃO... 5 3º Recurso:

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '!

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '! Página 1 de 11 SUMÁRIO! " #$ % & $! & '! $ " () % %% % ($)& $ Página 2 de 11 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Liberação do documento 07/07/2001 Todas Todas

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO

FACULDADE DE ARARAQUARA CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CURSO ARARAQUARA 2015 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE DIREITO Dispõe sobre a forma de operacionalização do Trabalho de Curso. CAPÍTULO I DAS

Leia mais

Manual do Usuário (Firma Inspetora) Versão 1.8. CMCP - Controle da Marcação Compulsória de Produtos

Manual do Usuário (Firma Inspetora) Versão 1.8. CMCP - Controle da Marcação Compulsória de Produtos Manual do Usuário (Firma Inspetora) Versão 1.8 CMCP - Controle da Marcação Compulsória de Manual do Usuário - Firma Inspetora SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE REUNIÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE REUNIÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA NORMA GERAL PARA GESTÃO DE REUNIÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão Norma Geral 1 Órgãos Colegiados e Comitês 3 Apoio aos Órgãos Colegiados 02 DIREXE 01 Gestão para Reuniões da

Leia mais

MACROPROCESSO PROCEDIMENTO DO SIGQ-IUL CÓDIGO: INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO

MACROPROCESSO PROCEDIMENTO DO SIGQ-IUL CÓDIGO: INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO PÁGINA 1 DE 5 1. OBJETIVO E ÂMBITO Assegurar que todos os profissionais dos SID que contactam com os clientes procedam de forma regular e uniforme na aplicação e cumprimento do Regulamento da Biblioteca

Leia mais

Cópia Não Controlada - PRO/CML-0005 - V.4

Cópia Não Controlada - PRO/CML-0005 - V.4 Página 1 de 7 Tipo de Documento PROCEDIMENTO Título do Documento Procedimento de Transporte de Produtos de Varejo Número e Versão do Documento Fase Elaborado por PRO/CML-0005 - V.4 Vigente Elizabeth Tessaro

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP)

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Página 1 de 7 CAPÍTULO I Conceitos, objetivo e âmbito Artigo 1º Conceitos

Leia mais

F R E G U E S I A DE T O R R Ã O REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO

F R E G U E S I A DE T O R R Ã O REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO F R E G U E S I A DE T O R R Ã O REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO Preâmbulo Para cumprimento do disposto na alínea e) do n.º 1 do artigo 16º da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, e tendo

Leia mais

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Pág.: 1/19 Controle de alterações Revisão Data Local da Revisão Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Item 5.5 Unificação dos itens 5.5.2 e 5.5.4, em função da exclusão da lista de Distribuição de documentos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional E AÇÃO PREVENTIVA PO. 09 10 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a forma como o produto ou serviço não conforme deve ser controlado, a fim de se prevenir a sua utilização ou entrega não intencional ao cliente.

Leia mais

ERP PRIMAVERA STARTER V9.15

ERP PRIMAVERA STARTER V9.15 Manual de Instalação e Inicialização ERP PRIMAVERA STARTER V9.15 Versão 1.0 Setembro de 2015 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Métodos de Instalação... 4 Instalação através do Setup Único... 4 Pré-requisitos

Leia mais

Ténis Clube Tomar. Funções e Responsabilidades

Ténis Clube Tomar. Funções e Responsabilidades Ténis Clube Tomar Funções e Responsabilidades Âmbito Este documento tem como objetivo definir as funções e responsabilidades dos diversos departamentos do Ténis Clube Tomar. O organigrama pode ser consultado

Leia mais

PROCEDIMENTO ISO PSQ 001

PROCEDIMENTO ISO PSQ 001 Título: Controle de Documentos e Registros Folha: 1 de 7 1. OBJETIVO Garantir a construção documental do sistema de gestão da qualidade, num ambiente controlado e livre de documentos não oficiais. 2. CAMPO

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. Determinar as competências necessárias para a atuação dos profissionais na empresa;

GESTÃO DE PESSOAS. Determinar as competências necessárias para a atuação dos profissionais na empresa; 1. OBJETIVO Estabelecer política para gestão de pessoas que busca atuar na captação de talentos, no desenvolvimento dos profissionais, na mediação das relações entre os níveis hierárquicos, bem como proporcionar

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR BALCÃO ÚNICO

MANUAL DO UTILIZADOR BALCÃO ÚNICO MANUAL DO UTILIZADOR BALCÃO ÚNICO Este documento constitui o manual do utilizador do Balcão Único da Ordem dos Engenheiro e descreve as principais funcionalidades e operações/pedidos que poderão ser efetuados

Leia mais

Procedimentos de Execução e Alocação de Ordens

Procedimentos de Execução e Alocação de Ordens POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS Objetivo Esta Política busca definir as diretrizes e os procedimentos necessários para garantir a justa alocação de ordens entre os Veículos Geridos pela Apex. Diretrizes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHAL DE FRADES ESCOLA BÁSICA CARLOS RIBEIRO CONSELHO DE CICLOS. 14 de março. Ano letivo 2011/2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHAL DE FRADES ESCOLA BÁSICA CARLOS RIBEIRO CONSELHO DE CICLOS. 14 de março. Ano letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHAL DE FRADES ESCOLA BÁSICA CARLOS RIBEIRO CONSELHO DE CICLOS 14 de março Ano letivo 2011/2012 Ordem de Trabalhos: 1. Informações 2. Preparação dos conselhos de turma de avaliação

Leia mais