MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NA AVALIAÇÃO DE ALTERAÇÕES GASTROINTESTINAIS EM GATOS: UMA REVISÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NA AVALIAÇÃO DE ALTERAÇÕES GASTROINTESTINAIS EM GATOS: UMA REVISÃO"

Transcrição

1 MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NA AVALIAÇÃO DE ALTERAÇÕES GASTROINTESTINAIS EM GATOS: UMA REVISÃO DAIANNE CARNEIRO DE OLIVEIRA SANTOS 1, ANTONIO CARLOS CUNHA LACRETA JUNIOR 2 RESUMO: As principais enfermidades do trato gastrointestinal que necessitam de métodos diagnósticos por imagem são as neoplasias, obstruções, processos inflamatórios e as alterações de motilidade. O objetivo desta revisão foi fazer um levantamento dos achados radiográficos e ultrassonográficos mais relevantes das alterações gastrointestinais de gatos. A ultrassonografia é o método mais indicado para a avaliação das desordens gastrointestinais e seus achados mais relevantes foram com relação à arquitetura das camadas da parede nos processos neoplásicos e inflamatórios, onde a desestruturação das camadas ocorre mais nas neoplasias; presença de corpo estranho linear nas obstruções como uma linha hiperecoica intraluminal e pregueamento das alças intestinais; nas gastrites crônicas a parede encontra-se muito espessada e ecogênica; na pancreatite o órgão pode estar hipoecoico por necrose ou hiperecoico por fibrose e massas e o ducto pancreático dilatado. Estes achados são muito importantes na elucidação do diagnóstico mesmo com as limitações de cada método. Ressalta-se que as técnicas podem e devem ser complementadas sempre que necessário para fechar o diagnóstico. Palavras-chave: Ultrassonografia, Radiografia, Gastrointestinal, Gatos. INTRODUÇÃO As técnicas de imagem comumente utilizadas para diagnóstico das alterações gastrointestinais em pequenos animais são a radiografia convencional (simples e contrastada), a ultrassonografia e a endoscopia. A tomografia computadorizada (TC) e a ressonância magnética (RM), embora permitam examinar toda a extensão do TGI, têm custo elevado, não sendo empregadas na maioria das vezes (Toledo & Camargo, 2004). Os métodos de diagnóstico por imagem são úteis na identificação de massas, corpos estranhos, de doenças que resultam em lesões estruturais do trato gastrointestinal ou que causam distúrbios de motilidade (Penninck, 2002). Nos felinos há um destaque para as alterações causadas por doença intestinal inflamatória idiopática crônica, neoplasias gastrointestinais (linfoma e adenocarcinoma) e processos obstrutivos por corpos lineares (Tidwell & Penninck, 1992; Penninck, 1998). O objetivo desta revisão foi fazer um levantamento dos achados radiográficos e ultrassonográficos mais relevantes das alterações gastrointestinais em gatos. REFERENCIAL TEÓRICO Métodos de diagnóstico por imagem: radiografia e ultrassonografia O exame radiográfico convencional (simples e contrastado) é um método útil e disponível aos veterinários para o diagnóstico de distúrbios digestórios, porém, existem limitações, como por exemplo, a radiografia abdominal simples raramente revela um diagnóstico de diarreia crônica em gatos, mas pode ser muito útil como meio de triagem, já que proporciona uma visão global do abdômen (Toledo & Camargo, 2004; Chandler et al., 2006). A radiografia contrastada é indicada para avaliar o tempo de esvaziamento gástrico e o trânsito intestinal, delimitar alterações anatômicas ou obstruções intestinais. O contraste com iodo pode ser utilizado na suspeita de perfuração do tubo digestório e, esferas de polietileno impregnadas com bário também auxiliam na avaliação do 1 Mestranda em Ciências Veterinárias DMV /UFLA; 2 Professor Adjunto do curso de Medicina Veterinária DMV/UFLA;

2 esvaziamento e da motilidade gástrica, bem como no diagnóstico de obstruções intestinais. A radiografia contrastada dinâmica (fluoroscopia) é indicada para avaliação de distúrbios de motilidade gastrointestinal (Toledo & Camargo, 2004). A ultrassonografia é uma técnica não invasiva e de rápida execução. No entanto, depende de equipamento adequado e operador experiente (Lamb, 1999; Penninck, 2002; Toledo & Camargo, 2004). Pode auxiliar como guia para agulhas de aspiração percutânea e de biopsias, direcionando a colheita (Toledo & Camargo, 2004). A ultrassonografia é um método sensível e adequado para avaliação do sistema digestório, principalmente na avaliação de lesões intestinais e órgãos acessórios como pâncreas, fígado e linfonodos, permitindo o diagnóstico de pancreatite, hepatopatias, doenças infiltrativas e intussuscepção intestinal. Achados radiográficos e ultrassonográficos das alterações do trato gastrointestinal de gatos Na obstrução intestinal geralmente ocorre distensão gasosa de alças, o que representa um fator limitante ao uso da ultrassonografia, porém, nos pacientes com distensões predominantemente fluidas, este método contribui com o diagnóstico (Froes, 2004). Nas causas de obstrução funcional, (também chamadas de íleo funcional), qualquer processo que cause irritação peritoneal, leva à distensão das alças ( intestino amontoado ), ausência de peristaltismo e estase líquida (Ribeiro, 2002 apud Froes, 2004 e Holland & Husdon, 2009). Nas causas mecânicas de obstrução (aderências, hérnias, tumores, inflamações, isquemias, corpos estranhos, bezoar e impactação fecal), observa-se na ultrassonografia distensão de alças com aumento de peristaltismo proximal ao ponto de obstrução. Não obstante, este peristaltismo pode não estar presente nos casos recentes de obstrução ou em obstruções de evolução longa (Penninck, 2004). Segundo (Holland & Hudson, 2009), ao exame radiográfico, a intussuscepção mostra-se como um efeito de massa e presença de gás no íleo distal próximo da obstrução. Nas seções ultrassonográficas transversais, a intussuscepção aparece como uma massa-alvo consistindo de um ou mais anéis concêntricos hiperecóicos e hipoecóicos em torno de uma forma em C, circular ou não específico centro hiperecóico. Em cortes longitudinais a intussuscepção aparece como múltiplas linhas paralelas hiperecóicas e hipoecóicas ou em formato ovóide (Patsikas et al, 2003). Os corpos estranhos são facilmente diagnosticados através de radiografia com chapa simples, mas muitos corpos estranhos são radiolucentes, sendo necessário contraste para delimitar o corpo estranho (Tyrrell & Beck, 2006). Corpo estranho no estômago ou no intestino aparece como defeito de preenchimento quando se utiliza maior quantidade de bário (Holland & Hudson, 2009). Ao exame radiográfico, os corpos estranhos metalizados ou com opacidade de minerais são facilmente aparentes; outros podem aprisionar gás ou estar delineados por gás e apresentar fluido opaco; quando o corpo estranho não está visível, sua presença é notada pela dilatação ou por dobras do intestino (Holland & Hudson, 2009). De acordo com Tidwell & Penninck (1992), é importante ressaltar que o único sinal ultrassonográfico da presença de um corpo estranho pode ser a dilatação fluida proximal. E que a radiografia deve ser requerida nos casos de corpo estranhos gástricos, devido à presença de ar e, nos casos de sombreamento do conteúdo fecal que pode ser confundido com corpo estranho. O corpo estranho linear geralmente é visibilizado como uma linha hiperecóica intraluminal que pode ou não produzir sombreamento acústico posterior e pode ocorrer o pregueamento intestinal no segmento acometido (Froes, 2001). Os tricobezoares são muito comuns em gatos, e na ultrassonografia apresentam-se como uma massa no interior do estômago, com superfície anterior hiperecogênica, associada a um forte sombreamento acústico posterior (Ribeiro, 2002 apud Froes, 2004). O espessamento da parede gastrointestinal é o achado ultrassonográfico mais frequente nas doenças inflamatórias gastrointestinais (Froes, 2001 e Penninck, 2002). A inflamação caracteriza-se por um espessamento mais extenso, com diferenciação acentuada das camadas, predominando a camada submucosa (Froes, 2001; Ribeiro, 2002 apud Froes, 2004). Nas gastrites crônicas é visibilizado um espessamento difuso ou localizado da parede gástrica, sendo considerado alterado quando está acima de dois mm em gatos (Homco, 1996 e Penninck, 2002). Em casos severos, a parede gástrica está muito espessada e apresenta-se ecogênica. Segundo Froes (2004), em alguns estudos, as

3 úlceras gástricas quando visíveis apresentam-se como uma distinta separação da camada mucosa e bolhas de gás e células inflamatórias aparecem como conteúdo hiperecóico em seu interior. Contudo, ainda é difícil identificar as úlceras ao exame ultrassonográfico. Ultrassonograficamente, as enterites apresentam-se por espessamento leve e muitas vezes difuso e pode ocorrer evidenciação da camada submucosa por causa da fibrose (Froes, 2001). Gatos com doença inflamatória intestinal idiopática crônica apresentaram ao exame ultrassonográfico, um espessamento intestinal difuso ou focal, pobre definição das camadas e aumento dos linfonodos mesentéricos nos casos severos (Baez, 1999). As duodenites são representadas por espessamento leve segmentar do intestino nesta região, as camadas da parede estão preservadas, com aumento ou não da ecogenicidade da submucosa, presença de fluido intraluminal e hipomotilidade. Estas alterações estão ligadas à síndrome clínica denominada de tríade felina (colangite/colangiohepatite, pancreatite e duodenite (Krecic, 2001). Devido à coexistência comum destas três condições patológicas, gatos com doença inflamatória intestinal crônica e / ou doença biliar devem ser considerados de risco para o desenvolvimento de pancreatite (Panagiotis & Jörg, 2008). Na maioria dos casos de pancreatite felina, radiografias abdominais são normais ou apenas mostram achados inespecíficos. Nos achados ultrassonográficos o órgão pode estar hipoecoico em virtude de necrose ou hiperecoico em decorrência de fibrose e massas, o mesentério hiperecoico por esteatonecrose, hipoecogenicidade ao redor do pâncreas por inflamação e edema, efeito de massa (abscesso pancreático, pseudocistos), mudanças nas estruturas biliares (ducto biliar comum dilatado, espessamento da bile na vesícula biliar, ducto pancreático dilatado); dilatação do ducto pancreático por edema do órgão, com consequente obstrução ductal (Wall et al, 2001; Ferreri et al, 2003; Zoran, 2006; Panagiotis & Jörg, 2008). Nem sempre é possível detectar as neoplasias gastrointestinais nas radiografias simples ou até nas contrastadas. No entanto, quando presentes, as neoplasias gástricas mostram-se como um espessamento da parede gástrica e padrão de gás anormal, já nas neoplasias intestinais observam-se massas e irregularidades da superfície da mucosa e do tamanho o lúmen (Holland & Hudson, 2009). Nos exames radiográficos contrastados com bário revelam irregularidades na parede do intestino. As alterações do linfoma são usualmente mais difusas ao longo da parede. Todavia, as massas intraluminais são observadas como falhas de preenchimento (Kealy e McAllister, 2005). A ultrassonografia é um método sensível para a detecção de lesões tumorais gastrointestinais, no entanto, ela não determina o tipo histológico da neoplasia, apesar de haver na literatura veterinária descrições das características específicas de cada tumor (Penninck, 1998 e 2002; Lamb, 1999). O linfoma e o adenocarcinoma são as neoplasias mais frequentes em gatos. Ao exame ultrassonográfico, o linfoma apresenta usualmente um espessamento infiltrativo transmural e a perda difusa das camadas da parede gástrica e/ou intestinal, a redução da ecogenicidade, a diminuição da motilidade e/ou atonia e linfoadenopatia regional (Penninck, 1998; Kealy e McAllister, 2005, Gaschen, 2011). Pode ser difícil diferenciar o linfoma intestinal da doença intestinal inflamatória crônica severa, sendo necessário o exame histopatológico. Podem-se avaliar os linfonodos mesentéricos e obter aspirados, possibilitando a classificação não invasiva de neoplasias intestinais (Chandler et al, 2006). O adenocarcinoma intestinal, mais comum no íleo e jejuno distal, mostra um espessamento transmural circunferencial, concêntrico e de ecogenicidade mista (Froes, 2001). A grande dificuldade do exame ultrassonográfico está em identificar o segmento intestinal envolvido pelas lesões tumorais. Para melhor determinar o local da lesão, são utilizados pontos de referências anatômicos, sendo um deles a junção ileocólica (localização caudomedial ao rim direito nos gatos). Geralmente é visualizada como uma imagem de roda de carroça ou de cogumelo (Newell et al.,1999; Froes & Iwasaki, 2003). É importante analisar essa porção intestinal por ser uma das regiões mais acometidas pelo linfoma alimentar nos felinos (Froes & Iwasaki, 2003).

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os achados radiográficos e ultrassonográficos das alterações gastrointestinais em gatos são muito importantes na elucidação do diagnóstico mesmo com as limitações de cada método. Ressalta-se que as técnicas podem e devem ser complementadas sempre que necessário para fechar o diagnóstico. REFERÊNCIAS BAEZ, J. L.; HENDRICK, M. J.; WALTER, L. M. et al. Radiographic, ultrasonographic, and endoscopic findings in cats with inflammatory bowel disease of the stomach and small intestine: 33 cases ( ). Journal of the American Veterinary Association, 215(3): , Ago, CHANDLER, E. A.; GASKELL, C. J.; GASKELL, R. M. Clínica e terapêutica em felinos. 3 ed. São Paulo: Roca, p. FERRERI, J.A.; HARDAM, E.; KIMMEL, S.E.; SAUNDERS, H.M.;VAN WINKLE, T.J.; DROBATZ, K.J.; WASHABAU, R.J. Clinical differentiation of acute necrotizing pancreatitis from chronic nonsuppurative pancreatitis in cats: 63 cases ( ). Journal of American Veterinary Medical Association, v. 223, p , FROES, T. R. Ultra-sonografia do Trato Gastrointestinal. In: CARVALHO, C. F. Ultra-sonografia em Pequenos Animais. São Paulo: Roca, p FROES, T. R.; IWASAKI, M. Avaliação ultra-sonográfica do trato gastrointestinal de felinos portadores de enfermidades gastrointestinais. Clínica Veterinária, 35: 24-35, FROES, T. R. Avaliação ultra-sonográfica do trato gastrointestinal de felinos hígidos e portadores de enfermidades gastrointestinais. São Paulo, 2001, 87 p. (Dissertação Mestrado). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. GASCHEN, L. Ultrasonography of small intestinal inflammatory and neoplastic diseases in dogs and cats. Vet. Clin. Small Anim. 41 (2011) doi: /j.cvsm HAYES, G. Gastrointestinal foreign bodies in dogs and cats: a retrospective study of 208 cases. JSAP. 2009; 50: HECHT S, PENNINCK DG, KEATING JH. Imaging findings in pancreatic neoplasia and nodular hyperplasia in 19 cats. Vet Radiol Ultrasound. 2007; 48: HOLLAND, M.; HUDSON, J. Achados radiográficos e ultrassonográficos notáveis no abdômen. In: NORSWORTHY, G. D. et al. O Paciente Felino. Terceira edição. São Paulo: Roca, p e HOMCO, L. D. Gastrointestinal tract. In: GREEN, R. W. Small Animal Ultrasound. Philadelphia, Lippincott-Raven, JERGENS, A. E. Inflammatory bowel disease. In: AUGUST, J. R. Consultations in Feline Internal Medicine.2 nd ed. Philadelphia, W. B. Saunders, P KEALY, J.K.; MCALLISTER, H. Radiologia e Ultra-sonografia do Cão e do Gato. 3ª edição. Barueri: Manole, 2005.

5 KRECIC, M. R. Feline inflammatory bowel disease: Pathogenesis, diagnosis, and relation to lynphosarcoma. Compendium and Continuing Education, 23(11): , LAMB, C. R. Recent developments in diagnostic image of the gastrointestinal tract of the dog and cat. In: SIMPSOM, K. Progress in gastroenterology. The Veterinary Clinics of North America Small Animal Practice, 29:2, p , NEWELL, S. M.; GRAHAM, J. P.; ROBERTES, G. D. et al. Sonography of the normal feline gastrointestinal tract. Veterinary Radiology & Ultrasound, 40(1): 40-43, PATSIKAS, M. N.; PAPAZOGLOU, L. G.; PAPAIOANNOU, N. G.; SAVVAS, I.; KAZAKOS, G. M.; DESSIRIS, A. K. Ultrasonographic findings of intestinal intussusception in seven cats. Journal of Feline Medicine and Surgery (2003) 5, PANAGIOTIS, G. X.; JÖRG, M. S. Current concepts in feline pancreatitis. Topics in Companion Animal Medicine, p PENNINCK, D. G. Trato Gastrintestinal. In: Nyland,T.G.; Mattoon, J.S. Ultra-som diagnóstico em Pequenos Animais. 2ª edição. São Paulo: Roca, p PENNINCK, D. G. Characterization of gastrointestinal tumors. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, 28(4): , PENNINCK, D. G. Gastrointestinal tract. In: NYLAND, T. G.; MATTOON, J. S. Small Animal Diagnostic Ultrasound, 2 nd ed. Philadelphia, W. B. Saunders, P RIBEIRO, R. M.; VENTURA, C. A.; BARROS, N. Ultra-sonografia transabdominal de vísceras ocas. In: CERRI, G. G.; OLIVEIRA, I. R. S. Ultra-sonografia Abdominal. São Paulo, Revinter, 2002, p SOUZA, A. C.; FROES, T. R.; GARCIA, D. A. A.; OLIVEIRA, D. C. Ultrassonografia na avaliação gástrica e duodenal na busca de corpos estranhos. Vet e Zootec. 2012; 19(1 Supl 1): I Simpósio Internacional de Ultrassonografia em Pequenos Animais, 01 a 03 de julho de 2011, Botucatu, SP, Brasil. TIDWELL, A.S.; PENNINCK, D. G. Ultrasonography of gastrointestinal foreign bodies. Veterinary Radiology & Ultrasound, 33(3): , TOLEDO, F.; CAMARGO, P. L. Semiologia do Sistema Digestório de Cães e Gatos. In: FEITOSA, F. L. F. Semiologia Veterinária- A Arte do Diagnóstico Segunda Edição. p TYRRELL, D.; BECK C. Survey of the use of radiography vs. ultrasonography in the investigation of gastrointestinal foreign bodies in small animals. Veterinary Radiology and Ultrasound. 2006; 47: WALL, M.; BILLER, D.S.; SCHORING, P.; OLSEN, D.; MOORE, L.E. Pancreatitis in a cat demonstrating pancreatic duct dilation ultrasonographically. Journal of the American Animal Hospital Association, v.37, p.49-53, ZORAN, D.L. Pearls of veterinary practice Pancreatitis in cats: Diagnosis and management of a challenging disease. Journal of American Animal Hospital Association, v.42, p.1-9, 2006.

ULTRASSONOGRAFIA NA AVALIAÇÃO GÁSTRICA E DUODENAL NA BUSCA DE CORPOS ESTRANHOS ULTRASONOGRAPHY IN THE RESEARCH OF GASTRIC AND DUODENAL FOREIGN BODIES

ULTRASSONOGRAFIA NA AVALIAÇÃO GÁSTRICA E DUODENAL NA BUSCA DE CORPOS ESTRANHOS ULTRASONOGRAPHY IN THE RESEARCH OF GASTRIC AND DUODENAL FOREIGN BODIES 38 ULTRASSONOGRAFIA NA AVALIAÇÃO GÁSTRICA E DUODENAL NA BUSCA DE CORPOS ESTRANHOS ULTRASONOGRAPHY IN THE RESEARCH OF GASTRIC AND DUODENAL FOREIGN BODIES ECOGRAFÍA EN LA EVALUACIÓN GÁSTRICA Y DUODENAL EN

Leia mais

ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO

ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO 1 ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO Sonographic aspects of hepatic neoplasia in Australian budgerigar (Melopsittacus undulatus):

Leia mais

NEOPLASIAS HEPÁTICAS DE MAIOR OCORRÊNCIA EM CÃES _ REVISÃO DE LITERATURA

NEOPLASIAS HEPÁTICAS DE MAIOR OCORRÊNCIA EM CÃES _ REVISÃO DE LITERATURA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO TACIANNA CAVALCANTI DE GODOY NEOPLASIAS HEPÁTICAS DE MAIOR OCORRÊNCIA EM CÃES _ REVISÃO DE LITERATURA RECIFE-PE 2009 TACIANNA CAVALCANTI DE GODOY NEOPLASIAS HEPÁTICAS

Leia mais

10 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio.

10 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio. 10 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio. A coluna no estudo do abdome é mal estudada. Para estudar bem a coluna aumenta-se muito a penetração e se queimam as estruturas de partes moles na frente.

Leia mais

Avaliações ultrassonográfica e radiográfica dos efeitos da suplementação com dois tipos de probióticos sobre o intestino de cães filhotes

Avaliações ultrassonográfica e radiográfica dos efeitos da suplementação com dois tipos de probióticos sobre o intestino de cães filhotes Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.62, n.5, p.1109-1116, 2010 Avaliações ultrassonográfica e radiográfica dos efeitos da suplementação com dois tipos de probióticos sobre o intestino de cães filhotes [Ultrasonographic

Leia mais

EDITAL Nº23/2012 (RETIFICADO)

EDITAL Nº23/2012 (RETIFICADO) (RETIFICADO) CONCURSO DE MONITORIA O Departamento de Medicina e Cirurgia Veterinária (DMCV), do Instituto de Veterinária, faz saber que, de acordo com a Deliberação nº 057/1999 CEPE encontram-se abertas

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=211>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Osteopatia hipertrófica relato em cão jovem Fabiano Séllos Costa 1, Flávia Mara Machado

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Aspectos cirúrgicos no tratamento de tumores hepatobiliares caninos: uma revisão

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Aspectos cirúrgicos no tratamento de tumores hepatobiliares caninos: uma revisão PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Aspectos cirúrgicos no tratamento de tumores hepatobiliares caninos: uma revisão Marcel Vasconcellos Médico Veterinário, Zootecnista, discente do

Leia mais

EDITAL Nº 20 /2015 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BRAGANÇA PAULISTA

EDITAL Nº 20 /2015 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BRAGANÇA PAULISTA EDITAL Nº 20 /2015 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BRAGANÇA PAULISTA O Diretor Presidente da Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista, Adilson Octaviano, torna público o edital

Leia mais

INTESTINO GROSSO 29/03/2017 INTESTINO GROSSO INTESTINO GROSSO. Ceco, cólon, reto e canal anal Ceco canino saca-rolha ; C

INTESTINO GROSSO 29/03/2017 INTESTINO GROSSO INTESTINO GROSSO. Ceco, cólon, reto e canal anal Ceco canino saca-rolha ; C PROFA. DRA. JULIANA PELOI VIDES Ceco, cólon, reto e canal anal Ceco canino saca-rolha ; C normalmente contém gás intraluminal Ceco felino difícil visualização, curto Cólon: Ascendente Transversa Descendente

Leia mais

Cistos e cavidades pulmonares

Cistos e cavidades pulmonares Cistos e cavidades pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Definições Cistos e cavidades são condições em que há aumento da transparência

Leia mais

FÍGADO, BAÇO E ESTÔMAGO

FÍGADO, BAÇO E ESTÔMAGO , E Profa. Dra. Juliana Peloi Vides Maior órgão do abdome Abdome cranial Está quase totalmente no gradil costal Vesícula biliar direita da linha média. Normalmente não visualizada HEPATOMEGALIA: arredondamento

Leia mais

EXAME DE URETROGRAFIA CONTRASTADA PARA DIAGNÓSTICO DE RUPTURA URETRAL EM CANINO RELATO DE CASO

EXAME DE URETROGRAFIA CONTRASTADA PARA DIAGNÓSTICO DE RUPTURA URETRAL EM CANINO RELATO DE CASO 97 ISSN: 23170336 EXAME DE URETROGRAFIA CONTRASTADA PARA DIAGNÓSTICO DE RUPTURA URETRAL EM CANINO RELATO DE CASO ADAMS, M. I. 1, SANTOS, G. A. dos. 2 Resumo: O estudo teve como objetivo relatar, através

Leia mais

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso?

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Abordagem diagnóstica de um nódulo hepático o que o cirurgião deve saber? Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Maria Fernanda Arruda Almeida Radiologia

Leia mais

Padrão intersticial. Gustavo de Souza Portes Meirelles 1. 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP.

Padrão intersticial. Gustavo de Souza Portes Meirelles 1. 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP. Padrão intersticial Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Definição O interstício é uma rede de tecido conectivo que dá suporte aos pulmões

Leia mais

ANEXO IV CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS E RESPECTIVAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANEXO IV CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS E RESPECTIVAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO IV CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS E RESPECTIVAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. CLÍNICA E CIRURGIA DE RUMINANTES E EQUÍDEOS Saúde pública, terapêutica, técnicas anestésicas, diagnóstico por imagem

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

Imagens de adição -úlceras

Imagens de adição -úlceras Tracto Digestivo 8 -Estudos contrastados do tubo digestivo (conclusão) Imagens de adição (cont.) os processos ulcerativos A radiologia digestiva na era da endoscopia 9 -A imagiologiaseccional no estudo

Leia mais

Malignant Gastrointestinal Stromal Tumor: distribution, imaging features and pattern of metastatic spread

Malignant Gastrointestinal Stromal Tumor: distribution, imaging features and pattern of metastatic spread Malignant Gastrointestinal Stromal Tumor: distribution, imaging features and pattern of metastatic spread Radiology 2003; 226: 527-532 Os GIST são raros: 0,1-3% de todas as neoplasias gastrointestinais

Leia mais

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ABDOME - AP Estruturas ósseas visualizadas íntegras. Distribuição normal de gases e fezes pelas alças intestinais. Ausência de imagens radiológicas sugestivas de cálculos urinários

Leia mais

EXAME CONTRASTADO TRÂNSITO INTESTINAL

EXAME CONTRASTADO TRÂNSITO INTESTINAL EXAME CONTRASTADO DE TRÂNSITO INTESTINAL TRÂNSITO INTESTINAL OBJETIVO: EXAMES CONTRASTADOS O objetivo do exame de Trânsito Intestinal é estudar a forma e a função dos seus três componentes (Duodeno,

Leia mais

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012 Radiologia do fígado Prof. Jorge Elias Jr Radiologia do fígado Revisão anatômica Métodos de imagem na avaliação do fígado Anatomia seccional hepática pelos métodos de imagem Exemplo da utilização dos métodos:

Leia mais

ALTERAÇÕES DE INTESTINO DELGADO EM GATOS

ALTERAÇÕES DE INTESTINO DELGADO EM GATOS Nº 17 Fevereiro/2016 ALTERAÇÕES DE INTESTINO DELGADO EM GATOS Pedro V. P. Horta. Formado em Medicina Veterinária pela FMVZ-USP Residência em clínica médica de pequenos animais na FMVZ-USP Mestrado em clínica

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 1. Tomografia computadorizada do abdômen, nível andar superior, após a injeção intravenosa de meio de contraste iodado hidrossolúvel, tendo havido ingestão

Leia mais

Planejamento na NPC: eu prefiro TC. Anuar Ibrahim Mitre

Planejamento na NPC: eu prefiro TC. Anuar Ibrahim Mitre Planejamento na NPC: eu prefiro TC Anuar Ibrahim Mitre Planejamento na NPC: eu prefiro TC Localização do cálculo Tamanho do cálculo Avalia dureza do cálculo Avalia repercussão ao trato urinário Avalia

Leia mais

Objetivo. Exame contrastado do trato gastrointestinal Baixo. Indicações 01/04/2011. Anatomia do Jejuno

Objetivo. Exame contrastado do trato gastrointestinal Baixo. Indicações 01/04/2011. Anatomia do Jejuno Objetivo Exame contrastado do trato gastrointestinal Baixo O objetivo do exame de Trânsito Intestinal é estudar a forma e a função dos seus três componentes (Duodeno, jejuno e íleo), bem como detectar

Leia mais

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 18 MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO 1. INTRODUçãO Leiomiomas uterinos são os tumores mais frequentes do trato genital feminino, clinicamente aparentes em 25% das

Leia mais

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM! Mauricio Zapparoli DAPI - Diagnóstico Avançado por Imagem / Curitiba-PR Disciplinas de Radiologia Médica e Recursos Diagnósticos - Hospital de Clínicas UFPR Enterografia

Leia mais

A moderna imagem do pâncreas

A moderna imagem do pâncreas Capítulo 5 A moderna imagem do pâncreas Manoel de Souza Rocha Introdução Muito se tem falado dos avanços dos métodos de diagnóstico por imagem, mas em poucas áreas do organismo esse avanço foi tão significativo

Leia mais

8º Imagem da Semana: Ressonância Magnética

8º Imagem da Semana: Ressonância Magnética 8º Imagem da Semana: Ressonância Magnética Enunciado Paciente de 57 anos, sexo masculino, etilista crônico, com relato de aparecimento de diabetes mellitus no último ano. Pergunta Com base nas imagens

Leia mais

XIV Reunião Clínico - Radiológica. Dr. Rosalino Dalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br

XIV Reunião Clínico - Radiológica. Dr. Rosalino Dalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. Rosalino Dalazen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO CLÍNICO Fem. 36 anos. Sem comorbidades prévias. S# inchaço da perna Edema da perna esquerda, com início há meses,

Leia mais

Avaliação Por Imagem do Abdome Introdução

Avaliação Por Imagem do Abdome Introdução Avaliação Por Imagem do Abdome Introdução Mauricio Zapparoli Disciplina de Radiologia Médica Departamento de Clínica Médica - Hospital de Clínicas UFPR Objetivos Radiologia Convencional Anatomia/Semiologia

Leia mais

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática.

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Abdome Agudo Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Demanda intervenção médica imadiata, cirúrgica ou não 2 Abdome Agudo obstrutivo Gastro-intestinal Vólvulo Hérnias Aderências Genito-urinário

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=455>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Diagnóstico ultra-sonográfico de dioctofimose em cão relato de caso Bruna Junca Pereira

Leia mais

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA Métodos de Diagnóstico por Imagem 1. Detecção de Lesões 2. Benigno vs. Maligno 3. Conduta (Cx, Seguimento...) Iyer VR et al. AJR 2010;194:311-321 Métodos

Leia mais

Imagiologia Abdominal

Imagiologia Abdominal Imagiologia Abdominal Vesícula e vias biliares Meios de estudo Principais aplicações clínicas O pâncreas Meios de estudo Principais aplicações clínicas Imagiologia das vias biliares Radiologia convencional

Leia mais

Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético

Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético Marcello H. Nogueira-Barbosa Divisão de Radiologia CCIFM Faculdade de Medicina Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Conteúdo abordado

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES ENDOSCÓPICAS - Fernanda Ferreira Francisco Residente do Serviço de Gastroenterologia Orientados: Dr. Cesar Augusto Amorim

CLASSIFICAÇÕES ENDOSCÓPICAS - Fernanda Ferreira Francisco Residente do Serviço de Gastroenterologia Orientados: Dr. Cesar Augusto Amorim CLASSIFICAÇÕES ENDOSCÓPICAS - ESÔFAGO Fernanda Ferreira Francisco Residente do Serviço de Gastroenterologia Orientados: Dr. Cesar Augusto Amorim Introdução Importância: As classificações foram criadas

Leia mais

CANCER GÁSTRICO PRECOCE (T1, qualquer N) Compromete mucosa até submucosa INDEPENDENTE se há linfonodometastático

CANCER GÁSTRICO PRECOCE (T1, qualquer N) Compromete mucosa até submucosa INDEPENDENTE se há linfonodometastático Simone Guaraldi sguaraldi@inca.gov.br CANCER GÁSTRICO PRECOCE (T1, qualquer N) Compromete mucosa até submucosa INDEPENDENTE se há linfonodometastático i CANCER GÁSTRICO PRECOCE (T1, qualquer N) Compromete

Leia mais

Nódulos e massas pulmonares

Nódulos e massas pulmonares Nódulos e massas pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP A) Nódulo pulmonar solitário 1 Definição O nódulo pulmonar solitário (NPS)

Leia mais

ABDÔMEN AGUDO ACUTE ABDOMEN

ABDÔMEN AGUDO ACUTE ABDOMEN Medicina (Ribeirão Preto) Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 2ª Parte 2008; 41 (4): 410-16. Capítulo I ABDÔMEN AGUDO ACUTE ABDOMEN Omar Feres 1, Rogério Serafim Parra 2 1 Docente, 2 Médico Residente.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MEDIDAS ULTRASSONOGRÁFICAS DO PÂNCREAS DE CÃES E GATOS FILHOTES

CARACTERÍSTICAS E MEDIDAS ULTRASSONOGRÁFICAS DO PÂNCREAS DE CÃES E GATOS FILHOTES 604 CARACTERÍSTICAS E MEDIDAS ULTRASSONOGRÁFICAS DO PÂNCREAS DE CÃES E GATOS FILHOTES RESUMO Ivan F. Charas Santos 1 Maria Jaqueline Mamprim 2 Raquel Sartor 2 Sheila Canavesse Rahal 3 O diagnóstico da

Leia mais

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência Caso Clínico Paciente sexo feminino, 68 anos, comparece à unidade de emergência queixando-se de dor e distensão

Leia mais

Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado

Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado David C. Shigueoka Professsor afiliado Setor de Radiologia de Urgência / Abdome / US Departamento de Diagnóstico por Imagem Escola Paulista de Medicina

Leia mais

Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná. DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem

Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná. DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem Urografia Excretora Necessita Contraste Iodado (alergias/função

Leia mais

Imagem radiográfica, ultrasonográfica

Imagem radiográfica, ultrasonográfica Imagem radiográfica, ultrasonográfica e por tomografia computadorizada de cálculos vesicais de estruvita em um cão (relato de caso) Radiography, ultrassound, computed tomography showing bladders uroliths

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG BRAGATO, Nathália. 1 ; PÁDUA, Fernanda Maria Ozelim de 1 ; COSTA, Ana Paula Araújo.; SILVA,

Leia mais

Cuiabá. PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA, phmetria ESOFÁGICA E MANOMETRIA ANO-RETAL

Cuiabá. PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA, phmetria ESOFÁGICA E MANOMETRIA ANO-RETAL PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA, phmetria ESOFÁGICA E MANOMETRIA ANO-RETAL PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA, phmetria ESOFÁGICA E MANOMETRIA ANO-RETAL RECOMENDAÇÕES

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011 PÂNCREAS ENDÓCRINO Felipe Santos Passos 2011 LOCALIZAÇÃO Região epigástrica e hipocondríaca esquerda Nível de L1 L3 Transversalmente na parede posterior do abdome LOCALIZAÇÃO Retroperitoneal Relações Anatômicas:

Leia mais

Patologia Clínica e Cirúrgica

Patologia Clínica e Cirúrgica V e t e r i n a r i a n D o c s Patologia Clínica e Cirúrgica Prolapso Retal Definição É uma enfermidade caracterizada pela protrusão de uma ou mais camadas do reto através do ânus. Ele pode ser parcial

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET375 Clínica Médica de Cães e Gatos

Programa Analítico de Disciplina VET375 Clínica Médica de Cães e Gatos Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 6 Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

Ultrassonografia abdominal pré-operatória em cães e gatos com suspeita de tumores abdominais

Ultrassonografia abdominal pré-operatória em cães e gatos com suspeita de tumores abdominais Ciência Rural, Santa Ultrassonografia Maria, v.42, abdominal n.1, p.105-111, pré-operatória jan, 2012 em cães e gatos com suspeita de tumores abdominais. ISSN 0103-8478 105 Ultrassonografia abdominal pré-operatória

Leia mais

IANA OLIVEIRA DE FIGUEIREDO

IANA OLIVEIRA DE FIGUEIREDO 1 Faculdade de Veterinária Pós-Graduação em Medicina Veterinária Área de concentração Clínica e Reprodução Animal IANA OLIVEIRA DE FIGUEIREDO AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA, ENDOSCÓPICA E HISTOPATOLÓGICA

Leia mais

Ultrassonografia quantitativa do baço de gatos normais

Ultrassonografia quantitativa do baço de gatos normais Ultrassonografia quantitativa do baço de gatos normais Lorena Adão Vescovi Jéssica Nascimento Moraes Monteiro Warley Gomes dos Santos Daniel Capucho de Oliveira Daniel Cometti Borlini Flávia Mara Machado

Leia mais

Complicações da pancreatite crônica cursando com dor abdominal manejo endoscópico - agosto 2016

Complicações da pancreatite crônica cursando com dor abdominal manejo endoscópico - agosto 2016 Relatamos o caso de uma paciente feminina de 56 anos, com história de alcoolismo e tabagismo de longa data, cursando com dor abdominal por 12 meses, até ser internada na enfermaria de Gastroenterologia

Leia mais

AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA GÁSTRICA EM PEQUENOS ANIMAIS RESUMO

AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA GÁSTRICA EM PEQUENOS ANIMAIS RESUMO ISSN Impresso 0102-5716 ISSN Eletrônico 2178-3764 Veterinária e Zootecnia 567 AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA GÁSTRICA EM PEQUENOS ANIMAIS RESUMO Luciana Carandina da Silva 1 Alexandra Frey Belotta 2 Vania

Leia mais

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Enunciado Paciente de 61 anos, sexo feminino, sem queixas no momento, foi submetida à radiografia de tórax como avaliação pré-cirúrgica. Qual achado pode ser

Leia mais

MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PARA AVALIAÇÃO DA GLÂNDULA TIREÓIDE EM CÃES E GATOS

MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PARA AVALIAÇÃO DA GLÂNDULA TIREÓIDE EM CÃES E GATOS MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PARA AVALIAÇÃO DA GLÂNDULA TIREÓIDE EM CÃES E GATOS LETÍCIA ATHAYDE REBELLO CARVALHO 1, NATHALIA BRANT MALTA SALGUEIRO 2, VÂNIA CHAVES DE FIGUEIREDO 3, RODRIGO MARTINS

Leia mais

Em diagnóstico por imagem se caracteriza como massa qualquer estrutura que tem características expansivas (rechaça outras estruturas) e ocupa espaço,

Em diagnóstico por imagem se caracteriza como massa qualquer estrutura que tem características expansivas (rechaça outras estruturas) e ocupa espaço, 1 Em diagnóstico por imagem se caracteriza como massa qualquer estrutura que tem características expansivas (rechaça outras estruturas) e ocupa espaço, podendo ser tumoral ou inflamatória. 2 Nesta radiografia

Leia mais

VÔMITO CONDUTA DIAGNÓSTICA

VÔMITO CONDUTA DIAGNÓSTICA VÔMITO CONDUTA DIAGNÓSTICA INTRODUÇÃO O vômito está entre os motivos mais comuns de cães serem levados ao médico veterinário. O ato de vomitar envolve três fases: náusea, ânsia de vômito e vômito. Existem

Leia mais

Massas mediastinais. Gustavo de Souza Portes Meirelles 1. 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP.

Massas mediastinais. Gustavo de Souza Portes Meirelles 1. 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP. Massas mediastinais Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Introdução A primeira questão quando nos deparamos com uma massa na topografia

Leia mais

PANCREATITE CRÔNICA TERAPÊUTICA Rio de Janeiro Junho 2011

PANCREATITE CRÔNICA TERAPÊUTICA Rio de Janeiro Junho 2011 SIMPÓSIO DA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PANCREATITES PANCREATITE CRÔNICA TERAPÊUTICA Rio de Janeiro Junho 2011 Júlio Chebli Faculdade de Medicina Hospital Universitário Universidade Federal de Juiz de

Leia mais

ASPECTOS RADIOGRÁFICOS NO DIAGNÓSTICO DE MEGAESÔFAGO IDIOPÁTICO CONGÊNITO EM UM PASTOR ALEMÃO: RELATO DE CASO

ASPECTOS RADIOGRÁFICOS NO DIAGNÓSTICO DE MEGAESÔFAGO IDIOPÁTICO CONGÊNITO EM UM PASTOR ALEMÃO: RELATO DE CASO ASPECTOS RADIOGRÁFICOS NO DIAGNÓSTICO DE MEGAESÔFAGO IDIOPÁTICO CONGÊNITO EM UM PASTOR ALEMÃO: RELATO DE CASO NATHALIA BRANT MALTA SALGUEIRO 1, TATIANA SCHULIEN 2, LETÍCIA ATHAYDE REBELLO CARVALHO 3, VÂNIA

Leia mais

CARLOS HENRIQUE DO AMARAL ULTRASSOM TRANSABDOMINAL EM EQUINOS COM SÍNDROME CÓLICA: REVISÃO DE LITERATURA

CARLOS HENRIQUE DO AMARAL ULTRASSOM TRANSABDOMINAL EM EQUINOS COM SÍNDROME CÓLICA: REVISÃO DE LITERATURA CARLOS HENRIQUE DO AMARAL ULTRASSOM TRANSABDOMINAL EM EQUINOS COM SÍNDROME CÓLICA: REVISÃO DE LITERATURA CURITIBA 2012 CARLOS HENRIQUE DO AMARAL ULTRASSOM TRANSABDOMINAL EM EQUINOS COM SÍNDROME CÓLICA:

Leia mais

RESUMO INTESTINOS DELGADO E GROSSO DOENÇAS INTESTINAIS NÃO NEOPLÁSICAS

RESUMO INTESTINOS DELGADO E GROSSO DOENÇAS INTESTINAIS NÃO NEOPLÁSICAS DOENÇAS INTESTINAIS NÃO NEOPLÁSICAS Obstrução intestinal: Intestino delgado é o mais atingido graças a sua luz estreita. Causas: Obstruções mecânicas herniação, aderência, vólvulo e intussuscepção (80%

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas. Data: 10/04/2013

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas. Data: 10/04/2013 Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 10/04/2013

Leia mais

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL. Prof. Dr. João Gomes Netinho. Disciplina de Coloproctologia

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL. Prof. Dr. João Gomes Netinho. Disciplina de Coloproctologia Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL Prof. Dr. João Gomes Netinho Disciplina de Coloproctologia OBSTRUÇÃO INTESTINAL DEFINIÇÃO Parada de progressão do conteúdo intestinal

Leia mais

Ingestão de corpo estranho

Ingestão de corpo estranho 1. INTRODUÇÃO A ingestão de corpo estranho é ocorrência comum de urgência. Geralmente a passagem e eliminação pelo trato digestivo ocorre espontaneamente sem a necessidade de intervenção. A morbidade grave

Leia mais

Guia prático para indicações de exames de TÓRAX

Guia prático para indicações de exames de TÓRAX Guia prático para indicações de exames de TÓRAX Guia prático para indicações de exames de TÓRAX O uso da tomografia computadorizada (TC) para avaliação da cavidade torácica revolucionou o diagnóstico e

Leia mais

XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen.

XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO CLÍNICO Paciente AJ, masculino, 40 anos, iniciou com quadro clínico de dor e aumento volumétrico testicular há

Leia mais

Punção Aspirativa com Agulha Fina Guiada por Ultrassonografia Endoscópica PAAF-USE primeira linha suspeita de neoplasia do pâncreas

Punção Aspirativa com Agulha Fina Guiada por Ultrassonografia Endoscópica PAAF-USE primeira linha suspeita de neoplasia do pâncreas A Punção Aspirativa com Agulha Fina Guiada por Ultrassonografia Endoscópica (PAAF-USE) é utilizada para estudo de lesões pancreáticas Complementa a caracterização imagiológica Método de primeira linha

Leia mais

Microscópico- resíduos alimentares não

Microscópico- resíduos alimentares não AVALIAÇÃO LABORATORIAL DO SISTEMA DIGESTÓRIO Procedimentos diagnósticos Pesquisa de sangue / Exame coproparasitológico, coprocultura Hematologia e bioquímica Exame radiográfico/ Ultrassonografia Endoscopia

Leia mais

Existem algumas enfermidades ósseas de causas desconhecidas, ou ainda, não muito bem definidas. Dentre essas, vale ressaltar:

Existem algumas enfermidades ósseas de causas desconhecidas, ou ainda, não muito bem definidas. Dentre essas, vale ressaltar: Radiologia das afecções ósseas II Existem algumas enfermidades ósseas de causas desconhecidas, ou ainda, não muito bem definidas. Dentre essas, vale ressaltar: Osteodistrofia Hipertrófica Outras enfermidades

Leia mais

Boletim Informativo 8-2006

Boletim Informativo 8-2006 PPEETT IMAGEEM I DDI IAGNÓSSTTI ICOSS VVEETTEERRI INÁRRI IOSS NNOVVI IIDDAADDEESS NNO SSI IITTEE Estamos constantemente disponibilizando em nosso site novidades em serviços, dowloads e notícias, visite-o

Leia mais

Local de realização do exame: Unidade Morumbi. Elastografia US Fígado e Tireóide

Local de realização do exame: Unidade Morumbi. Elastografia US Fígado e Tireóide Local de realização do exame: Unidade Morumbi Elastografia US Fígado e Tireóide O que é Elastografia Hepática por Ultrassonografia? É uma técnica avançada e não invasiva associada à ultrassonografia convencional,

Leia mais

SUS A causa mais comum de estenose benigna do colédoco e:

SUS A causa mais comum de estenose benigna do colédoco e: USP - 2001 89 - Paciente de 48 anos, assintomática, procurou seu ginecologista para realizar exame anual preventivo. Realizou ultra-som de abdome que revelou vesícula biliar de dimensão e morfologia normais

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano IX Número 18 Janeiro de 2012 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano IX Número 18 Janeiro de 2012 Periódicos Semestral ESTUDO RETROSPECTIVO DA APLICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO CITOPATOLÓGICO E AVALIAÇÃO DA SOBREVIDA DAS NEOPLASIAS MAMÁRIAS DE CADELAS ATENDIDAS HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ UENP-CLM

Leia mais

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Sessão TOMOGRAFIA Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Caso 1 Feminino, 48 anos, história de HAS, DM e pancreatite prévia recente (há 1 mês), reinternou com dor abdominal, náuseas e vômitos. Nega história

Leia mais

Cromoscopia com corantes - maio 2016 Por Felipe Paludo Salles - Endoscopia Terapêutica -

Cromoscopia com corantes - maio 2016 Por Felipe Paludo Salles - Endoscopia Terapêutica - Corantes Classificação: 1- Corantes de absorção ou vitais (azul de metileno, violeta de genciana, lugol) 2- Corantes de contraste (índigo carmin) 3- Corantes químicos ou reativos (vermelho-congo, ácido

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia

Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia TÍTULO Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia AUTORES NUNES, H.R. 1 ; BRAGATO, N. 2 ; PÁDUA, F.M.O².; BORGES, N.C.³. PALAVRAS-CHAVE Diagnóstico por imagem, exame complementar,

Leia mais

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome.

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Caso Clínico Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Apendicite.

Leia mais

Universidade Estadual De Maringá Curso De Medicina Veterinária Coordenação Do Colegiado De Curso

Universidade Estadual De Maringá Curso De Medicina Veterinária Coordenação Do Colegiado De Curso Universidade Estadual De Maringá Curso De Medicina Veterinária Coordenação Do Colegiado De Curso O Coordenador do Colegiado do Curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Maringá, Prof. Dr.

Leia mais

Radiologia do intestino delgado de cães por meio da técnica de duplo-contraste

Radiologia do intestino delgado de cães por meio da técnica de duplo-contraste Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.61, n.2, p.515-519, 2009 Comunicação [Communication] Radiologia do intestino delgado de cães por meio da técnica de duplo-contraste [Small bowel double-contrast study in

Leia mais

Cólica nefrética em adultos

Cólica nefrética em adultos . INTRODUÇÃO A cólica nefrética é uma entidade frequentemente encontrada no atendimento de urgência em pronto atendimentos de todo o mundo. A causa mais frequente é a passagem de cálculos urinários pelo

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA

Leia mais

Abordagem de lesões quísticas renais na infância

Abordagem de lesões quísticas renais na infância Abordagem de lesões quísticas renais na infância E. Rosado, D. Penha, P. Cabral, P. João, A. Tavares Serviço de Imagiologia do Hospital Prof. Dr. Fernando da Fonseca Directora de Serviço: Dra. Manuela

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV

CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV Área de Conhecimento Avicultura Ementa/Bibliografia Ementa: Raças e linhagens. Evolução da avicultura industrial no Brasil e no Mundo. Importância sócioeconômica

Leia mais

Ultrassonografia no diagnóstico de enterocolite necrosante

Ultrassonografia no diagnóstico de enterocolite necrosante relato de caso Ultrassonografia no diagnóstico de enterocolite necrosante Ultrasonography in diagnosis of necrotizing enterocolitis Frederico Celestino Miranda 1, Yoshino Tamaki Sameshima 2, Alice D Agostini

Leia mais

11º Imagem da Semana: Ultrassonografia dos rins e vias urinárias

11º Imagem da Semana: Ultrassonografia dos rins e vias urinárias 11º Imagem da Semana: Ultrassonografia dos rins e vias urinárias Enunciado Paciente do sexo feminino, 8 anos, há 2 dias com hematúria macroscópica e dor abdominal difusa leve à esclarecer. Pressão arterial

Leia mais

O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO

O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO DRA MARINA PORTIOLLI HOFFMANN DRA MARIA HELENA LOUVEIRA DR GUILBERTO MINGUETTI INTRODUÇÃO: O câncer de mama associado a gestação

Leia mais

CIRURGIA DO PÂNCREAS

CIRURGIA DO PÂNCREAS UNIFESP CIRURGIA DO PÂNCREAS PANCREATITE CRÔNICA Educação Continuada - 2007 Cirurgia Geral CBC-SP EJL PANCREATITE CRÔNICA Alterações pancreáticas parenquimatosas e ductais evolutivas e de caráter irreversível

Leia mais

Avaliação por imagem das lesões císticas congênitas das vias biliares *

Avaliação por imagem das lesões císticas congênitas das vias biliares * Lesões ENSAIO císticas ICONOGRÁFICO congênitas das vias ICONOGRAPHIC biliares ESSAY Avaliação por imagem das lesões císticas congênitas das vias biliares * Imaging evaluation of congenital cystic lesions

Leia mais

ANÁLISE RETROSPECTIVA DO TRÂNSITO DO DELGADO EM UM SERVIÇO DE RADIOLOGIA DE HOSPITAL GERAL*

ANÁLISE RETROSPECTIVA DO TRÂNSITO DO DELGADO EM UM SERVIÇO DE RADIOLOGIA DE HOSPITAL GERAL* Artigo Original acif MS et al. AÁLISE RETROSPECTIVA DO TRÂSITO DO DELGADO EM UM SERVIÇO DE RADIOLOGIA DE HOSPITAL GERAL* Marcelo Souto acif, Viviane de Moraes Brady Rocha, Ricardo Andrade Fernandes de

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA CONTRIBUIÇÃO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DE LITÍASES EM URETRA PENIANA EM UM SCHNAUZER: RELATO DE CASO NATHALIA BRANT MALTA SALGUEIRO 1, PATRÍCIA DE CASTRO STEHLING 2, PAULA LAISE RIBEIRO DE OLIVEIRA

Leia mais

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2 Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos Aula Prá8ca Abdome 2 Obje8vos Qual a importância da caracterização de lesões através de exames de imagem? Como podemos caracterizar nódulos hepá8cos? Revisar os

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia contrastada

Imagem da Semana: Radiografia contrastada Imagem da Semana: Radiografia contrastada Imagem 01. Esofagograma com sulfato de bário Paciente do gênero masculino, 63 anos, procura atendimento médico devido à disfagia progressiva há um ano, acompanhada

Leia mais