PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO"

Transcrição

1 PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO Hibridação para cortes de tecidos preservados em parafina Materiais fornecidos: DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). Buffer(tampão) de Hibridação Reativos para preparar solução de montagem (Antifade e DAPI) Sais para preparar 80ml de Buffer(tampão) de Desparafinado* Sais para preparar 80ml de Buffer(tampão) de Pré-tratamento* *ver protocolos de preparação abaixo. Materiais extras necessários: 2XSSC* Soluções de etanol 70, 90 y 100% Ácido clorídrico 0.2N Água destilada Pepsina 0.5%* Detergente não-iônico ph-metro ou papel para medir ph coverslip/lamínula Soluções de enxague (1 y 2)* Adesivo de contato removível Tubos 0,2 o 0,5ml Recipientes para enxagues (Coplin) Azeite de imersão Câmara úmida Termômetro *ver protocolos de preparação abaixo. Equipamentos requeridos: Microscópio de fluorescência: Nem sempre um microscópio utilizado em reações de imunoistoquímica ou outro tipo de análise com fluorescência resulta adequado. Os requerimentos para observar corretamente uma reação de FISH são os seguintes: o o o Fonte de Excitação: Recomenda-se uma lâmpada de mercúrio de 100 Watt com vida útil de 200horas. É necessário que uma vez colocada, a lâmpada seja alinhada corretamente. Objetivos: Para a localização do alvo (interfases ou metafases) se recomenda objetivas de 10, 20 y/o 40X. Para a análise da reação é necessário um objetiva de imersão especial para fluorescência com una apertura numérica 0,75. Filtros de excitação-emissão Cada fluorocromo observado precisará de diferentes filtros. Os requerimentos para nossas sondas podem ser vistas no quadro a continuação:

2 Fluorocromo Excitação (nm) Emissão (nm) Verde Vermelho DAPI Micropipetas (1-10µl ou similar) Microcentrífuga Vórtex Timer Banho-maria Incubadora 37ºC) Placa termostática ou hibridizador Preparação de soluções extras: Buffer(tampão) de Deparafinado Adicionar as sais fornecidas no tubo rotulado Buffer de Desparafinado a 70ml de H2O ultra pura. Adicionar 400ul de detergente não iônico (NP40, Tween ou similar) Levar o ph a 8 com HCl. Completar até volume final (80ml) com H2O ultra pura. Depois de preparado manter na geladeira a 4ºC Buffer(tampão) de Pré tratamento: Adicionar as sais fornecidas no tubo rotulado Buffer de Pretratamento a 70ml de H2O ultra pura. Levar o ph 8.5 com HCl. Completar até volume final (80ml) com H2O ultra pura. Depois de preparado, manter na geladeira a 4ºC Pepsina Solução estoque: 10% [0.1g/ml] Diluir 0,1 g de pepsina em 1 ml de água ultrapura (Note-se a ph deve ser = 2) Após a preparação armazenar a -20 C Solução de trabalho: 0,05% [0.5mg/ml] Pepsina solução stock: 0,4 ml HCl 12N (puro): 0.66ml H2O destilada: 79ml (Observe o ph final deve ser = 2) Após a utilização, armazenar a 4 C durante 30 dias ou 4 utilizações. 2XSSC: Cloreto de Sódio (NaCl) 300mM Citrato de Sódio (Na 3 C 6 H 5 O 7 ) 30mM Ajustar o ph a 7 com Ácido clorídrico (HCl) 1N Depois de preparado, manter na geladeira a 4ºC Enxagues 1 e 2: Em um coplin adequado para 80ml, adicionar 80ml de 2XSSC e 0,080ml de detergente não-iônico. Depois de preparado, manter na geladeira a 4ºC

3 Precauções e advertências (Ler com atençao): Reagente analítico. Para uso em investigação somente. Este produto Não está provado para uso diagnóstico ou terapêutico. As reações como a interpretação das mesmas devem ser realizadas por pessoal idôneo devidamente treinado. Todas as amostras biológicas deveriam ser tratadas como possíveis transmissores de agentes infecciosos. Deve-se evitar a exposição da amostra a ácidos ou bases em alta concentração como também ao calor extremo. Estes fatores danificam o DNA e podem causar a falha da reação de FISH. Uma vez extraída a quantidade a ser utilizada, a sonda deve ser guardada novamente a -20ºC. A falha ou omissão de qualquer dos passos do protocolo detalhado abaixo pode gerar resultados errôneos ou inaceitáveis. As soluções de enxague pós-hibridação (ver protocolo) devem ser renovadas periodicamente devido a que são propensas de contaminação. O buffer de hibridação contém formamida, um teratógeno, por isso se deve evitar o contato com a pele e as mucosas. Recomenda-se o uso de luvas e avental de trabalho durante todo o processo. É necessário controlar sempre a temperatura das soluções que se utilizam quentes. Todos os materiais perigosos devem ser descartados de acordo com as normativas da sua instituição.

4 Protocolo de utilização Desparafinado: Passos prévios Preparar 1 recipientes (coplin) com Buffer (tampão) de Desparafinado. Pelo menos 30 minutos antes de começar o processo de desparafinado, em um banho termostático a 90ºC. (Opcional)Incubar as preparações contendo os cortes de tecido a 58ºC durante 30 minutos como mínimo. Mergulhar os vidros no Buffer de Desparafinado a 90ºC durante minutos. Enxaguar 2 vezes em Etanol 100% 3 minutos cada vez. Deixar secar Pré-tratamento: Passos prévios Preparar um recipiente (coplin) com Buffer de Pré-tratamento. Colocar em um banho termostático a 71ºC. Antes de utilizar conferir que a temperatura interna da solução seja de 71ºC (±1ºC) Preparar um recipiente (coplin) com Pepsina Solução de trabalho. Colocar em um banho termostático a 37ºC. Antes de utilizar conferir que a temperatura interna da solução seja de 37ºC (±1ºC) Mergulhar 20 minutos as preparações em HCl 0.2N a temperatura ambiente. Enxaguar em Água destilada 3 minutos 2 vezes. Mergulhar as preparações no Buffer(tampão) de Pré-tratamento a 71ºC durante 60 minutos. Mergulhar os vidros em 2 espaços sucessivos de 2XSSC, 5 minutos em cada um. Enxaguar em Água destilada brevemente. Mergulhar as preparações em Pepsina solução de trabalho a 37ºC durante 7 a 15 minutos. Enxaguar a pepsina mergulhando as preparações em 2 espaço sucessivos de H2O destilada, 3 minutos em cada um. Desidratar em Etanol 70, 90 e 100% 2 minutos em cada um. Deixar secar completamente. Co-desnaturalização: Preparação da sonda: Descongelar a sonda, homogeneizar em Vórtex Centrifugar rapidamente Descongele o buffer(tampão) hibridização Em um tubo de PCR adicionar: 7µl de Buffer de hibridação 1µl de sonda Homogeneizar em Vórtex Centrifugar rapidamente

5 Revelado Co-desnaturalização: Na parte de trás da lâmina marcar a região a hibridar (os 8µl preparados hibridam uma região aproximada de 22x22mm). Adicionar a solução de sonda sobre a região marcada Colocar um coverslip/lamínula de tamanho adequado Selar as bordas do coverslip/lamínula com adesivo de contato removível Colocar a lâmina montada sobre uma superfície quente (hibridizador, prancha termostática, etc.). Em ocasiões é conveniente colocar uma gota de água sobre a chapa aquecedora e depois colocar sobre esta a lâmina montada, desta forma se consegue uma película de água entre a lâmina e a superfície quente melhorando a transferência de temperatura. Esquentar a 71ºC durante 5-15 minutos. Colocar em câmara úmida, incubar a 37ºC toda a noite. Passos prévios Pelo menos 30 minutos antes, aquecer a solução de enxague 1 a 71ºC (±1ºC) conferindo com um termômetro calibrado a temperatura dentro do recipiente. Moderar a solução de enxague 2 a temperatura ambiente. Moderar a solução de contra-corante previamente preparada (ver protocolo em anexo) à temperatura ambiente. Enxague do excesso da sonda Extrair a lâmina da câmara úmida. Tirar cuidadosamente o adesivo de contato. Mergulhar a lâmina em uma solução de 2XSSC a temperatura ambiente até que o coverslip/lamínula se solte (2 a 5 minutos). Mergulhar a lâmina no enxague 1 durante 2 minutos exatamente. Mergulhar a lâmina no enxague 2 um mínimo de 1 minuto. Drenar o excesso de líquido. Desidratar em etanol 70, 90 e 100% 2 minutos cada um. Esperar que seque completamente. Colocar sobre a região hibridada uma gota (aprox. 10µl) de contra colorante. Adicionar um coverslip/lamínula de um tamanho maior que a região hibridada. Drenar o excesso de contra colorante pressionando suave e uniformemente com papel absorvente. Eliminar possíveis bolhas de ar pressionando suavemente com a ponta de um clips. A reação está pronta para ser analisada.

6 Protocolo Resumido: Passo Tempo Desparafinado (Opcional)Incubação a 58ºC Mínimo 30 Buffer(tampão) Desparafinado 90º Etanol 100% x2 3 Deixar secar /// Pré-tratamento HCl 0.2N 20 H2O x2 3 Buffer(tampão) Pré-tratamento 71ºC 30 2xSSC x2 5 H2O brevemente /// Pepsina 37ºC 7-15 H2O X2 3 Etanol 70, 90, 100% 2 Deixar secar /// Co-desnaturalização-Hibridação Co-desnat 71ºC 8-15 Hibridação 37ºC Aprox. 18hs Revelado Enxague 1 71ºC 2 Enxague 2 Tº Amb Mínimo 1 Etanol 70, 90, 100% 1 Deixar secar /// Montado com Sn. Montagem ///

Materiais necessários que não estão incluídos

Materiais necessários que não estão incluídos DNA especifico com marca fluorescente Produto: 1. DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). 2. Buffer(tampão) de Hibridação 3. Reagentes para solução de montagem (DAPI + antifade) Estas sondas estão

Leia mais

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata)

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) FISH em tecido incluído em parafina: Four Colour PTEN Deletion Probe O protocolo de FISH descrito abaixo é recomendado para cortes

Leia mais

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata)

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) FISH em tecido incluído em parafina: Four Colour PTEN Deletion Probe O protocolo de FISH descrito abaixo é recomendado para cortes

Leia mais

Hibridação in situ por fluorescência FISH

Hibridação in situ por fluorescência FISH Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA Hibridação in situ por fluorescência FISH O protocolo descrito a seguir foi baseado nos procedimentos

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA DE SANGUE (LEUCÓCITOS)

EXTRAÇÃO DE DNA DE SANGUE (LEUCÓCITOS) EXTRAÇÃO DE DNA DE SANGUE (LEUCÓCITOS) A) Obtenção de Leucócitos 1. Coletar 5mL de sangue em tubos contendo EDTA potássio (50uL de EDTA (k 3) a 15%). O EDTA é uma substância anticoagulante. Existem outras

Leia mais

Hibridación de sondas de DNA LIVe en cortes de tejidos preservados en parafina

Hibridación de sondas de DNA LIVe en cortes de tejidos preservados en parafina Hibridación de sondas de DNA LIVe en cortes de tejidos preservados en parafina Utilization protocol for LIVe DNA probes on paraffin-embedded tissue sections Hibridação con Sondas LIVe para cortes de tecidos

Leia mais

Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100. Protocolo experimental:

Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100. Protocolo experimental: Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100 1. Num tubo eppendorf misturar 1ml de água desionizada estéril com uma mancha de sangue com aproximadamente 3mm²; 2. Incubar à temperatura ambiente no

Leia mais

Exercício 1. Calcule a concentração dos reagentes listados abaixo em mol L -1 Tabela 1. Propriedades de ácidos inorgânicos e hidróxido de amônio.

Exercício 1. Calcule a concentração dos reagentes listados abaixo em mol L -1 Tabela 1. Propriedades de ácidos inorgânicos e hidróxido de amônio. ATIVIDADE 2 - CÁLCULO DE CONCENTRAÇÃO Exercício 1. Calcule a concentração dos reagentes listados abaixo em mol L -1 Tabela 1. Propriedades de ácidos inorgânicos e hidróxido de amônio. Exercício 2. Calcule

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA O que se pretende Utilizar técnicas experimentais de determinação de propriedades físicas características das substâncias como métodos de identificação

Leia mais

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO)

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0424, de 24 de fevereiro

Leia mais

BANHO DE CROMO BRILHANTE

BANHO DE CROMO BRILHANTE Rev. 004 Data: 06/11/14 Página 1 1 DESCRIÇÃO O PROCESSO CROMO DECORATIVO foi especialmente formulado para operar com baixa concentração e baixa temperatura, obtendo assim uma ótima penetração. O PROCESSO

Leia mais

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico Página 1 de 10 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a porcentagem de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico (Gerber). 2 Fundamentos Baseia-se na separação e quantificação

Leia mais

SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo

SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo 1- DESCRIÇÃO O SurTec 872 é uma mistura de catalisadores e ácido crômico desenvolvido especialmente, para um processo de cromação decorativa de alto desempenho.

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

Baixar o FORMULÁRIO nas páginas do Departamento de Anatomia (www.anatomia.uerj.br), do BHEx (www.bhex.uerj.br), ou da FisioCirurgia

Baixar o FORMULÁRIO nas páginas do Departamento de Anatomia (www.anatomia.uerj.br), do BHEx (www.bhex.uerj.br), ou da FisioCirurgia O laboratório de microscopia confocal/fluorescência tem a finalidade de prestar serviços de microscopia por fluorescência utilizando módulo confocal de varredura à laser para docentes dos Programas de

Leia mais

Diagnóstico Genético Pré-Implantacional PGD-FISH

Diagnóstico Genético Pré-Implantacional PGD-FISH Diagnóstico Genético Pré-Implantacional PGD-FISH Manual Pré-caso O requerimento do kit de pocedimento deverá ser solicitado no dia da coleta de oócitos da paciente. Estocar as soluções 1 e 2 em temperatura

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RGM: ATIVIDADE PRÁTICA 2 1) DETERMINAÇÃO DE URÉIA E CREATININA

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE LL-HARDWALL F. Determinação Potenciométrica de F -

MÉTODO DE ANÁLISE LL-HARDWALL F. Determinação Potenciométrica de F - Determinação Potenciométrica de F - Comentários: O LL - Hardwall F contém 7,5% de F -, isto é, adicionando-se 1 g/lt aumenta-se o F - contido no tanque em cerca de 75 ppm Quando o equipamento Dosing Cad

Leia mais

Laboratório de Citogenética Molecular de Plantas Departamento de Genética Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Laboratório de Citogenética Molecular de Plantas Departamento de Genética Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Metodologia: COLORAÇÃO PELO MÉTODO DE FEULGEN Adaptado por: Mondin, M e Aguiar-Perecin MLR 1.) Retirar o material (raízes conservadas em álcool 70%) da geladeira com antecedência, deixando atingir a temperatura

Leia mais

Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM)

Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM) Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM) Ana Luísa Carvalho Departamento de Zoologia, Universidade de Coimbra Introdução: Neste trabalho pretende-se analisar um polimorfismo

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 10 IMT-POP-BB-0 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Extração de DNA de sangue total POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

IMUNO HISTOQUÍMICA. A na M aria Anselmi Dorigan Ana Beatriz A. Agnesini Osmar Luís Silva

IMUNO HISTOQUÍMICA. A na M aria Anselmi Dorigan Ana Beatriz A. Agnesini Osmar Luís Silva IMUNO HISTOQUÍMICA A na M aria Anselmi Dorigan Ana Beatriz A. Agnesini Osmar Luís Silva 2016 REALIZAÇÃO DE IMUNOHISTOQUÍMICA EXECUTANTE : Biomédicos e Técnicos de Laboratório. RESULTADO ESPERADO Lâminas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina. Soluções e cálculos de soluções

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina. Soluções e cálculos de soluções Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Aula Soluções e cálculos de soluções Prof. Isac G. Rosset Isac G. Rosset -UFPR Mistura vs Composto Mistura Os componentes podem ser

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Método de Ensaio Página 1 de 6 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa o procedimento a ser usado na determinação do de material termoplástico para demarcação viária. Prescreve a aparelhagem,

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos Parte A BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 05 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Esta apostila foi desenvolvida originalmente

Leia mais

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES 09/11 658-09-05 773987 REV.2 FRITADEIRA Frita-Fácil Plus 3 www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Britânia. Para garantir

Leia mais

Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente

Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente A titulometria volumétrica envolve a medida de volume de uma solução de concentração conhecida, necessária para reagir essencial

Leia mais

PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA

PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA PORCENTAGEM DE CIMENTO POR TITULAÇÃO QUÍMICA C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T- 008 09/2014 T 008 pg 1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico ARTERIS

Leia mais

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA TENSÃO SUPERFICIAL. 1. Introdução

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA TENSÃO SUPERFICIAL. 1. Introdução LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA TENSÃO SUPERFICIAL 1. Introdução Uma propriedade característica dos líquidos é possuir uma superfície plana bem definida, o que os distingue dos gases. Uma medida da rigidez do

Leia mais

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO Notas: Revisão aprovada pela Deliberação CECA nº 0102, de 04 de setembro de 1980. Publicada no DOERJ de 18 de setembro de 1980. 1. OBJETIVO

Leia mais

Para 1L de meio triptona ou peptona 16g (1,6%) extrato de levedura 10g (1%) NaCl 5g (0,5%)

Para 1L de meio triptona ou peptona 16g (1,6%) extrato de levedura 10g (1%) NaCl 5g (0,5%) Preparação de meio líquido - triptona ou peptona - extrato de levedura 1º Dissolver a triptona e o extrato; 2º Acrescentar o cloreto de sódio e acertar o volume; 3º Após tudo dissolvido e com volume correto,

Leia mais

MF-0419.R-1 - MÉTODO COLORIMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL

MF-0419.R-1 - MÉTODO COLORIMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL MF-0419.R-1 - MÉTODO COLORIMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0042 de 04 de janeiro de 19. Publicado no DOERJ de 16 de março de 1979. 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

Ajustar o ph para 7,4. Filtrar o meio em 0,22 µm no fluxo e depois acrescentar o antibiótico/antimicótico. Armazenar de 2ºC a 8ºC.

Ajustar o ph para 7,4. Filtrar o meio em 0,22 µm no fluxo e depois acrescentar o antibiótico/antimicótico. Armazenar de 2ºC a 8ºC. ANEXO I - SOLUÇÕES A Para expansão dos hibridomas Meio de cultura (solução-estoque) Meio RPMI - Roswell Park Memorial 10,4 g Institute (Gibco, Invitrogen) NaHCO 3 2 g HEPES 4,68 g Antibiótico/antimicótico

Leia mais

Histology FISH Accessory Kit Referência K5799

Histology FISH Accessory Kit Referência K5799 Histology FISH Accessory Kit Referência K5799 6.ª edição Para a hibridização in situ fluorescente (FISH) em secções de tecido fixado em formol e impregnado em parafina. O kit contém reagentes suficientes

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso.

ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. ÁCIDO ÚRICO Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. # Usar os calibrador protéico da Katal. Verificar os parâmetros da aplicação

Leia mais

Bacillus subtilis e Bacillus licheniformis

Bacillus subtilis e Bacillus licheniformis CURSO TEÓRICO E PRÁTICO Bacillus subtilis e Bacillus licheniformis 25 e 26 de abril 2012 Local Embrapa Meio Ambiente Rod. SP 340 - km 127,5 Tanquinho Velho Jaguariúna, SP APOIO REALIZAÇÃO II - CURSO TEÓRICO

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE UTILIZAÇÃO

RECOMENDAÇÕES DE UTILIZAÇÃO RECOMENDAÇÕES DE UTILIZAÇÃO ARMAZENAMENTO Os rolos de películas vinilo Teckwrap devem ser guardados em posição vertical nas suas embalagens de origem até à sua utilização efetiva. Se o rolo for colocado

Leia mais

Ficha de protocolo do QIAsymphony SP

Ficha de protocolo do QIAsymphony SP Fevereiro de 2017 Ficha de protocolo do QIAsymphony SP circdna_2000_dsp_v1 e circdna_4000_dsp_v1 Este documento é a ficha de protocolo do QIAsymphony circdna_2000_dsp_v1 e circdna_4000_dsp_v1, versão 1,

Leia mais

MF-0407.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE COLÔNIAS DE BACTÉRIAS QUE PRECIPITAM O FERRO (FERROBACTÉRIAS), PELA TÉCNICA "POUR PLATE"

MF-0407.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE COLÔNIAS DE BACTÉRIAS QUE PRECIPITAM O FERRO (FERROBACTÉRIAS), PELA TÉCNICA POUR PLATE MF-0407.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE COLÔNIAS DE BACTÉRIAS QUE PRECIPITAM O FERRO (FERROBACTÉRIAS), PELA TÉCNICA "POUR PLATE" Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 3.966, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

Análise Cromatográfica em Camada Delgada

Análise Cromatográfica em Camada Delgada Seminário de Orgânica Experimental I Análise Cromatográfica em Camada Delgada - Rafael Antonino Joaquim Ingino - Tathiana Mayumi Arakaki Adsorventes Para realizarmos uma cromatografia em camada delgada,

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

- ROTEIRO DE LABORATÓRIO -

- ROTEIRO DE LABORATÓRIO - DISCIPLINA: DATA : - ROTEIRO DE LABORATÓRIO - VISTO PROF: NOTA: Experimento: Semestre: GRUPO BANCADA 1. Objetivo: Este experimento possibilita a visualização de características morfológicas de alguns tipos

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA: SÉRIE:3º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Osmose em Células Vegetais

Osmose em Células Vegetais Actividade Laboratorial Biologia e Geologia 10ºAno Osmose em Células Vegetais O que se pretende: 1 Compreender o transporte por Osmose em células Vegetais. 2 Comparar em meios de diferentes concentrações

Leia mais

CÁLCULO: amostra/padrão x 800 = mg/di NORMAL: 500 a 750 mg/di.

CÁLCULO: amostra/padrão x 800 = mg/di NORMAL: 500 a 750 mg/di. ANEXOS A-ÁCIDO ÚRICO ANEXOS PRINCÍPIO: O ácido úrico é oxidado enzimaticamente pela uricase A alantoina com produção de dióxido de carbono e Água oxigenada, a qual, em união com o reativo peroxidase/4-aminofenazona

Leia mais

DEPARTAMENTO DE QUÍMICA UFJF QUI102 Metodologia Analítica

DEPARTAMENTO DE QUÍMICA UFJF QUI102 Metodologia Analítica DEPARTAMENTO DE QUÍMICA UFJF QUI102 Metodologia Analítica OTIMIZAÇÃO DE UM MÉTODO ESPECTROFOTOMÉTRICO PARA QUANTIFICAÇÃO DE FERRO Data do experimento: Grupo: Objetivo: Estudar as propriedades colorimétricas

Leia mais

Prática de Laboratório 1

Prática de Laboratório 1 Prática de Laboratório 1 12 pontos Preparação do ácido 2-iodobenzóico [Tempo aprox: 1 hr] Essa prática de laboratório envolve a preparação do acido 2-iodobenzóico a partir do acido 2-aminobenzóico. O procedimento

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO ÓXIDO DE FERRO

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO ÓXIDO DE FERRO Folha : 1 de 5 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Definição 4_ Aparelhagem / reagentes 5_ Execução do ensaio 6_ Padronização da solução de dicromato de potássio 0,05 N 7_ Resultados 1_ OBJETIVO

Leia mais

Não fique desligado! - Está ao seu alcance poupar energia

Não fique desligado! - Está ao seu alcance poupar energia Frigorífico / arca congeladora / combinado l Coloque o equipamento afastado de fontes de calor (ex.: forno, aquecedor, janela, etc.). l Afaste o equipamento da parede de modo a permitir a ventilação da

Leia mais

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche Andréa Calado andreabelfort@hotmail.com ELISA O teste identifica e quantifica Ag ou Ac, utilizando um dos dois conjugados com enzimas; PRINCIPAIS TIPOS: INDIRETO:

Leia mais

II - ELECTROFORESE DE AMINOÁCIDOS

II - ELECTROFORESE DE AMINOÁCIDOS II - ELECTROFORESE DE AMINOÁCIDOS Introdução Muitas moléculas biológicas apresentam carga eléctrica cujo valor e sinal depende das suas características e também do ph e da composição do meio em que se

Leia mais

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso.

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. LEITURA MONOCROMÁTICA FILTRO 546 nm Estabilidade do Reagente de Uso: TEMPERATURA

Leia mais

MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL).

MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL). MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL). Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 686, de 25 de julho de 1985. Publicada no DOERJ de 14 de julho de 1985. 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

1 Extração Líquido-Líquido

1 Extração Líquido-Líquido Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus de Curitiba Departamento de Química _ Extração Líquido-Líquido Disciplina: Práticas de Química Orgânica Materiais e Reagentes Mesa

Leia mais

Análise Volumétrica (Titrimétrica)

Análise Volumétrica (Titrimétrica) 7 (Titrimétrica) Material de Laboratório a) Material Individual (kit): localizado no armário identificado com um número. 1 bureta 25mL 1 proveta 100mL 1 becker 100 ml 1 pipeta volumétrica 10 ml 1 pipeta

Leia mais

UTILIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES FORMADOR: Vitor Duarte Teodoro FORMANDA: Ana Maria Costa Veloso Azevedo Julho 2010 Actividade Laboratorial Química 11º ano Amoníaco

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS AULA PRÁTICA Nº - 08 05 / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca FUNDAMENTO: DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS Este método baseia-se na propriedade que alguns açúcares apresentam em reduzir o Cu+2 (Íon Cúprico)

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS L9.229 CETESB. DETERMINAÇÃO DE ÓXIDOS DE NITROGÊNIO Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS L9.229 CETESB. DETERMINAÇÃO DE ÓXIDOS DE NITROGÊNIO Método de ensaio DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS L9.229 CETESB DETERMINAÇÃO DE ÓXIDOS DE NITROGÊNIO Método de ensaio OUT/92 SUMARIO Pág 1 Princípio e objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Aparelhagem...2

Leia mais

Contagem Padrão em Placas. Profa. Leila Larisa Medeiros Marques

Contagem Padrão em Placas. Profa. Leila Larisa Medeiros Marques Contagem Padrão em Placas Profa. Leila Larisa Medeiros Marques 1. OBJETIVOS E ALCANCE Estabelecer procedimento para a contagem padrão de microrganismos mesófilos aeróbios estritos e facultativos viáveis.

Leia mais

Segurança no laboratório e Método Experimental. Regras Material Método Experimental

Segurança no laboratório e Método Experimental. Regras Material Método Experimental Segurança no laboratório e Método Experimental Regras Material Método Experimental Segurança no Laboratório Conduta Manuseamento do Material e Produtos Químicos Sinais de Aviso Material de Laboratório

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA

TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA (Fotos gentilmente cedidas pelo KwaZulu-Natal Rabies Project e pelo Serengueti Carnivore Disease Project) Preparação

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL DO PRODUTO: ARES DET 201 Identificação da Empresa: ARES QUÍMICA LTDA.

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS

AULA PRÁTICA Nº / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS AULA PRÁTICA Nº - 02 03 / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS FUNDAMENTO: Os taninos são determinados segundo metodologia descrita por Price, Hagerman e Buther (1980), que utiliza

Leia mais

Documentos 104. Procedimento da Embrapa Milho e Sorgo para Extração de DNA de Tecido Vegetal em Larga Escala

Documentos 104. Procedimento da Embrapa Milho e Sorgo para Extração de DNA de Tecido Vegetal em Larga Escala ISSN 1518-4277 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 104 Procedimento da

Leia mais

Causa grave irritação ocular Pode causar irritação respiratória. Ao manipular utilize vestimenta de proteção adequada (EPI)

Causa grave irritação ocular Pode causar irritação respiratória. Ao manipular utilize vestimenta de proteção adequada (EPI) FOLHA...: 1 / 5 1 Identificação do Produto e da Empresa: Nome do produto: Empresa: Endereço: Av. Gupê, 10497 Telefone: 55 11 4772 4900 Cosmoquimica Indústria e Comércio EIRELI Fax: 55 11 4772 4955 e-mail:

Leia mais

ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico

ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico AULA PRÁTICA 01 ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico Microscópio Luminoso Microscópio Estereoscópico AMOSTRA: com fragmentos Fragmentos em placas 1. Observar as lâminas no

Leia mais

PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES. CH3COOCH2CH3 + H2O CH3COOH + CH3CH2OH (1) Acetato de etila água ácido acético etanol

PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES. CH3COOCH2CH3 + H2O CH3COOH + CH3CH2OH (1) Acetato de etila água ácido acético etanol PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES 1. Introdução Uma investigação experimental detalhada mostra que a maioria das reações químicas não avança até a realização completa, isto é, quantidades mensuráveis

Leia mais

Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho

Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho Laboratório HEroS Hidrologia, Erosão e Sedimentos Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho Aula de Campo Medição de

Leia mais

Microbiologia alimentar Medronho. Maria João de Almeida Pessoa Trigo. Escola Secundária Fonseca de Benevides, Lisboa 4 de Fevereiro de 2014

Microbiologia alimentar Medronho. Maria João de Almeida Pessoa Trigo. Escola Secundária Fonseca de Benevides, Lisboa 4 de Fevereiro de 2014 Microbiologia alimentar Medronho Maria João de Almeida Pessoa Trigo Escola Secundária Fonseca de Benevides, Lisboa 4 de Fevereiro de 2014 NORMAS DE SEGURANÇA Principais Normas de Segurança em Laboratório

Leia mais

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR ACIDO URICO : mg/dl MODO LECTURA : MONOCROMÁTICA : 546nm TIEMPO ESTABIL. : 1 VOL.ASP. :800 TIPO DE REACCION : CRESCIENTE ESTANDAR : * Reagente de trabalho: Pronto para uso. Estabilidade: 18 meses, se armazenado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE

DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE ATIVIDADE EXPERIMENTAL N o 1 DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE Materiais: 01 balão volumétrico

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 12 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Processamento de Sangue POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli Aprovação Profa.

Leia mais

Preparação do cloreto de t-butila. Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini

Preparação do cloreto de t-butila. Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini Preparação do cloreto de t-butila Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini Técnicas e Materiais Utilizados Funil de separação: serve para extrair duas soluções imiscíveis. A fase orgânica pode

Leia mais

Extração da Cafeína a partir de saquinhos de chá

Extração da Cafeína a partir de saquinhos de chá Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UESP Instituto de Química Campus Araraquara Extração da Cafeína a partir de saquinhos de chá Andressa Somensi H 3 C C H 3 C H 3 1 bjetivos: Isolamento

Leia mais

Tabela 2. Porcentagem de amônia não ionizada em água doce a diferentes valores de ph. Temperatura

Tabela 2. Porcentagem de amônia não ionizada em água doce a diferentes valores de ph. Temperatura Tabela. Solubilidade do oxigênio (mg/litro) em função da temperatura e a salinidade. ------------------------------------------------------------------------------------------------------- Salinidade (

Leia mais

Controle de qualidade dos testes de floculação. Aula 5. Soros controles. A qualidade dos resultados é fundamental na prática laboratorial.

Controle de qualidade dos testes de floculação. Aula 5. Soros controles. A qualidade dos resultados é fundamental na prática laboratorial. Aula 5 Controle de qualidade dos testes de floculação A qualidade dos resultados é fundamental na prática laboratorial. Para ter a garantia de execução correta do trabalho, é importante adotar medidas

Leia mais

POQ 6 Determinação do teor de Lípidos

POQ 6 Determinação do teor de Lípidos POQ 6 Determinação do teor de Lípidos Elaboração: RQ Verificação: DT e RDQ Aprovação: DT e RQ Entidade Emissora: RQ POQ 6 E0 (18-10-2013) 1/7 Historial de Versões Edição Data Motivo da Emissão/Alterações

Leia mais

Concentração de soluções e diluição

Concentração de soluções e diluição Concentração de soluções e diluição 1. Introdução Uma solução é uma dispersão homogênea de duas ou mais espécies de substâncias moleculares ou iônicas. É um tipo especial de mistura, em que as partículas

Leia mais

TÉCNICAS DE CITOLOGIA. Silene Gomes Correa

TÉCNICAS DE CITOLOGIA. Silene Gomes Correa TÉCNICAS DE CITOLOGIA Silene Gomes Correa Preparo de Amostras Citológicas 1 2 3 4 5 Descrever coloração, viscosidade e volume Centrifugar em 2100 RPM por 10 Decantar Cito-centrifugar o sedimento Amostras

Leia mais

OFICIAL LIMPA E BRILHA

OFICIAL LIMPA E BRILHA OFICIAL LIMPA E BRILHA LIMPADOR UNIVERSAL Classificação: Detergente Propriedades É um produto para limpeza total, utilizado na manutenção de superfície em geral. Sua principal característica é manter a

Leia mais

Introdução. radiação ultravioleta SUBSTÂNCIA radiação fluorescente e visível excitação após a desativação λ i

Introdução. radiação ultravioleta SUBSTÂNCIA radiação fluorescente e visível excitação após a desativação λ i Introdução Substância fluorescente: radiação ultravioleta SUBSTÂNCIA radiação fluorescente e visível excitação após a desativação λ i λ f UV Violeta Azul Verde Amarelo Alaranjado Vermelho IV < 380 400

Leia mais

Econômico Fórmula concentrada que permite economia no gasto do produto quando diluído.

Econômico Fórmula concentrada que permite economia no gasto do produto quando diluído. Drax Desengraxante / Desengordurante Eficiente Formulação especial que garante a eficácia do produto na remoção de sujidades pesadas no piso, como graxas e óleos de equipamentos. Versátil Pode ser utilizado

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 10 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Extração de RNA total de sangue POP: V. 1.0 Nome: Extração de RNA total de sangue Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli Aprovação

Leia mais

Géis de Entrada e Separação

Géis de Entrada e Separação (1) Géis de Entrada e Separação ESCOLHA DO GEL Depende do tamanho da proteína que se quer detectar: Tamanho da Proteína Gel 4 40 kda 20% 12 45 kda 15% 10 70 kda 12% 15 100 kda 10% 25 200 kda 8% PREPARO

Leia mais

GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS

GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS O grupo 2 compreende o berílio (Be), magnésio (Mg), cálcio (Ca), estrôncio (Sr), bário (Ba) e rádio (Ra) e são chamados metais alcalinos terrosos. Estes elementos formam

Leia mais

TÉCNICAS EM BIOLOGIA MOLECULAR

TÉCNICAS EM BIOLOGIA MOLECULAR TÉCNICAS EM BIOLOGIA MOLECULAR Lívia Ferreira S. Verzola 2016 2 TÉCNICAS EM BIOLOGIA MOLECULAR Mais do que um complexo conjunto de técnicas que geram conflitos intelectuais, sociais e religiosos, a manipulação

Leia mais

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega NBR NM 65 CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega OBJETIVO: CIMENTO TEMPO DE PEGA Determinar os tempos (intervalos) de início e fim de pega da pasta de cimento Portland; DEFINIÇÕES: CIMENTO TEMPO

Leia mais

TÉCNICAS PARASITOLÓGICAS DE TF-TEST (THREE FECAL TEST) CONVENTIONAL E MODIFIED

TÉCNICAS PARASITOLÓGICAS DE TF-TEST (THREE FECAL TEST) CONVENTIONAL E MODIFIED TÉCNICAS PARASITOLÓGICAS DE TF-TEST (THREE FECAL TEST) CONVENTIONAL E MODIFIED I. COMENTÁRIOS A técnica parasitológica de TF-Test Conventional, utilizando o kit comercial TF- Test, foi avaliada para o

Leia mais

1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO

1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO 1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO I. INTRODUÇÃO Solução é uma mistura homogênea de uma ou mais substâncias. A substância presente em maior quantidade é denominada solvente, e as outras substâncias na

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QTDE 1 Ácido Peracético 0,2%. Galão de 5 litros. Validade maior ou igual a 12 (doze) meses a contar GALÃO 800 Caneta marcadora atóxica, ideal

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções CAFETEIRA INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de um aparelho da linha Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se não

Leia mais

Boas Práticas Laboratoriais Preparo de soluções

Boas Práticas Laboratoriais Preparo de soluções Boas Práticas Laboratoriais Preparo de soluções Disciplina de Reumatologia 2011 http://www.ruf.rice.edu/~bioslabs/schedules/talks/solutions_dilutions/bioedmixtures.htm O que fazer antes do preparo Vc sabe

Leia mais

AL º ano Separar e purificar. Destilação de uma solução de acetona (propanona) em água

AL º ano Separar e purificar. Destilação de uma solução de acetona (propanona) em água Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 0.1 10º ano Separar e purificar Destilação de uma solução de acetona (propanona) em água 1. REAGENTES

Leia mais

Determinação de acidez em mel por potenciometria

Determinação de acidez em mel por potenciometria Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a acidez em mel. 2 Fundamentos Este método consiste na neutralização da solução ácida de mel, mediante o uso de uma solução de hidróxido

Leia mais

RESINA FENÓLICA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO TOTAL DA RESINA E DO CATALISADOR

RESINA FENÓLICA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO TOTAL DA RESINA E DO CATALISADOR Método de Ensaio Folha : 1 de 6 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Definição 4_ Aparelhagem / reagentes 5_ Execução do ensaio 6_ Resultados 7_ Anexos A e B 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Forno Elétrico 55L

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Forno Elétrico 55L MANUAL DE INSTRUÇÕES Forno Elétrico 55L INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir.

Leia mais