Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais"

Transcrição

1 Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

2 Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde tem sido identificada como caminho para a melhoria dos cuidados de saúde em Portugal 1, e tem vindo a assumir uma crescente importância na facilitação do acesso aos cuidados de saúde e na autogestão da doença 2. 1) PORTUGAL, ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE Plano Nacional de Saúde Estratégias para a Saúde. Eixos Estratégicos Cidadania em Saúde. Lisboa : ACS, ) NIJLAND, N., et al Evaluation of Internet-based technology for supporting self-care: Problems encountered by patients and caregivers when using self-care applications. JMIR. 10:2 (2008)

3 Origem do estudo Título do estudo: Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES Almada e Seixal e ACES de Cascais. Enquadramento: Este projeto enquadra-se na linha de investigação sobre Capacitação do Cidadão em Saúde desenvolvida pela Escola Nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa. Coordenação: Professor Doutor Paulo Sousa Financiamento do Ministério da Saúde através de concurso promovido pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Ética: Comissão Nacional de Proteção de Dados e Comissão de Ética da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

4 Objetivos do estudo Desenvolver uma metodologia para a priorização das necessidades de capacitação dos cidadãos/utentes dos CSP; Identificar as prioridades de capacitação em saúde dos utentes sob a perspetiva: (i) dos próprios utentes; (ii) dos médicos; e (iii) dos gestores, nos dois ACES identificados.

5 Abordagem metodológica Pesquisa Documental: construir as variáveis e os indicadores para os questionários;

6 Abordagem metodológica 33 indicadores gestão da saúde e bem estar Informação sobre o que fazer em situação de emergência. Informação sobre onde procurar ajuda profissional de saúde em caso de necessidade. Compreensão da bula (folheto na embalagem) dos seus medicamentos. Informação sobre os seus problemas de saúde e/ou doenças. Informação sobre os tratamentos de doenças que lhe dizem respeito. Compreensão das instruções sobre como tomar um medicamento receitado. Compreensão das diferentes opções de tratamentos propostos. Compreensão da informação de saúde divulgada pela comunicação social. Informação sobre problemas de saúde mental, como o stress, depressão ou ansiedade. Informação sobre as vacinas que integram o Plano Nacional de Vacinação. Informação sobre vacinação extra Plano Nacional de Vacinação (ex: Gripe, Prevenar, Hepatite A, Varicela, Streptococus pneumoniae). Informação sobre como prevenir ou controlar o excesso de peso. Informação sobre como prevenir ou controlar a pressão arterial alta. Informação sobre como prevenir ou controlar o colesterol alto. Informação sobre como prevenir ou controlar doenças respiratórias (Asma, DPOC). Informação sobre as consequências para a saúde de ser fumador. Informação sobre alternativas para deixar de fumar. Informação sobre as consequências do consumo abusivo de álcool. Informações sobre métodos para reduzir o consumo de bebidas alcoólicas. Informação sobre a importância e utilidade dos rastreios. Informação sobre alimentação saudável. Informação sobre a importância da prática de exercício físico. Informação sobre como manter a mente saudável. Informação sobre como melhorar a qualidade do sono. Informação sobre como promover a sua saúde no trabalho. Compreensão das informações nutricionais existentes nas embalagens dos alimentos. Informação sobre comportamentos sexuais de risco (prevenção de doenças sexualmente transmissíveis como a Sida e a Hepatite B). Informação sobre planeamento familiar e métodos contracetivos. Informação sobre como cuidar da saúde dos seus filhos. Informação sobre como cuidar da saúde dos seus pais/sogros/avós. Informação sobre alergias, e o que fazer para prevenir possíveis reações alérgicas. Informação sobre os cuidados a ter no Verão. Informação sobre os cuidados a ter no Inverno.

7 Abordagem metodológica 9 indicadores acesso e utilização dos serviços do ACES Informação sobre os diferentes serviços disponíveis na Unidade de Saúde Familiar / Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (USF /UCSP). Informação sobre como ter acesso aos serviços da USF /UCSP. Informação sobre horários e o funcionamento geral da USF /UCSP. Compreender as sinaléticas nas unidades de saúde (USF, UCSP, Hospital, etc). Compreender como pode ter acesso a consultas de especialidade. Compreender a que instituições/serviços de saúde a se deve dirigir de acordo com a sua necessidade. Informação sobre apoios do sector social (pensões, isenções, abonos, apoios domiciliares, centros de dia, lares). Informação sobre transporte para o local dos serviços de saúde consoante a situação (INEM, Ambulância, Táxi, Transportes Públicos, etc). Informação que permite gerir da melhor forma os seus gastos em saúde.

8 Abordagem metodológica Pesquisa Documental: construir as variáveis e os indicadores para os questionários; Questionário aos Utentes: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista dos utentes;

9 Amostra inquirida Amostragem de conveniência. Questionários preenchidos pelos utentes do ACES: Almada/Seixal: 960 (em 22 Unidades) Cascais: 444 (em 13 unidades) Total= 1404

10 Características da Amostra inquirida

11 Características da Amostra inquirida

12 Características da Amostra inquirida Doente Crónico* 70% 30% Sim Não * Diabetes, Hipertensão ou Doença Cardiovascular

13 Abordagem metodológica Pesquisa Documental: construir as variáveis e os indicadores para os questionários; Questionário aos Utentes: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista dos utentes; Questionário aos Médicos: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista dos médicos.

14 Amostra inquirida Questionários preenchidos pelos Médicos do ACES Almada/Seixal: 29 Cascais: 50 Total = 79

15 Características do Médicos inquiridos

16 Abordagem metodológica Pesquisa Documental: construir as variáveis e os indicadores para os questionários; Questionário aos Utentes: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista dos utentes; Questionário aos Médicos: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista dos médicos. Entrevista semiestruturadas aos diretores executivos e conselhos clínicos: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista da gestão;

17 Abordagem metodológica Pesquisa Documental: construir as variáveis e os indicadores para os questionários; Questionário aos Utentes: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista dos utentes; Questionário aos Médicos: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista dos médicos. Entrevista semiestruturadas aos diretores executivos e conselhos clínicos: identificar as prioridades de capacitação da comunidade sob o ponto de vista da gestão; Técnica de Grupo Nominal: com o intuito de traduzir os resultados dos questionários, no sentido de chegar a um consenso acerca de recomendações na priorização de necessidades de capacitação dos utentes dos ACES em estudo, integrando as três perspetivas (gestão, médico e utente).

18

19 Gestão da sua saúde e bem-estar (33 alíneas; escala de 1 a 6 valores)

20 O que os utentes valorizam? 1º (5,07 VALORES) Compreensão das instruções sobre como tomar um medicamento receitado. 2º (5,06 VALORES) Informação sobre os tratamentos de doenças que lhe dizem respeito. 3º (5,02 VALORES) Informação sobre o que fazer em situação de emergência. 4º (5,01 VALORES) Compreensão das diferentes opções de tratamentos propostos. 5º (5,00 VALORES) Informação sobre os seus problemas de saúde e/ou doenças.

21 O que os médicos valorizam? 1º (5,72 VALORES) Compreensão das instruções sobre como tomar um medicamento receitado. 2º (5,53 VALORES) Informação sobre os tratamentos de doenças que lhe dizem respeito. 3º (5,52 VALORES) Informação sobre planeamento familiar e métodos contracetivos. 4º (5,50 VALORES) Informação sobre os seus problemas de saúde e/ou doenças. Informação sobre comportamentos sexuais de risco (prevenção de doenças sexualmente transmissíveis como a Sida e a Hepatite B). 5º (5,47 VALORES) Informação sobre alimentação saudável.

22 O que os médicos valorizam vs o que os utentes valorizam? Médicos Utentes 1º (5,72 VALORES) Compreensão das instruções sobre como tomar um medicamento receitado. 1º (5,07 VALORES) 2º (5,53 VALORES) Informação sobre os tratamentos de doenças que lhe dizem respeito. 2º (5,06 VALORES) 3º (5,52 VALORES) Informação sobre planeamento familiar e métodos contracetivos. 24º (4,70 VALORES) 4º (5,50 VALORES) Informação sobre os seus problemas de saúde e/ou doenças. Informação sobre comportamentos sexuais de risco (prevenção de doenças sexualmente transmissíveis como a Sida e a Hepatite B). 5º e 23º(5,00 e 4,70 VALORES) 5º (5,47 VALORES) Informação sobre alimentação saudável. 28º (4,69 VALORES)

23 O que valorizam os Doentes Crónicos (diabetes, hipertensão e doença cardiovascular / N=422) vs o que valorizam os médicos? Médicos 1º (5,72 VALORES) Compreensão das instruções sobre como tomar um medicamento receitado. Utentes 1º 2º (5,53 VALORES) Informação sobre os tratamentos de doenças que lhe dizem respeito. 2º 3º (5,52 VALORES) Informação sobre planeamento familiar e métodos contracetivos. 25º 4º (5,50 VALORES) Informação sobre os seus problemas de saúde e/ou doenças. Informação sobre comportamentos sexuais de risco (prevenção de doenças sexualmente transmissíveis como a Sida e a Hepatite B). 6º e 26º 5º (5,47 VALORES) Informação sobre alimentação saudável. 23º

24 O que valorizam os Doentes Crónicos (diabetes, hipertensão e doença cardiovascular / N=422)? 1º (5,05 VALORES) Compreensão das instruções sobre como tomar um medicamento receitado. Informação sobre os tratamentos de doenças que lhe dizem respeito. 2º (5,02 VALORES) Compreensão das diferentes opções de tratamentos propostos. 3º (5,00 VALORES) Informação sobre o que fazer em situação de emergência. 4º (4,99 VALORES) 5º (4,97 VALORES) Informação sobre onde procurar ajuda profissional de saúde em caso de necessidade. Informação sobre os seus problemas de saúde e/ou doenças. Informação sobre as vacinas que integram o Plano Nacional de Vacinação. Informação sobre problemas de saúde mental, como o stress, depressão ou ansiedade.

25 O que valorizam os médicos vs o que valorizam os utentes com idade igual ou inferior a 40 anos (N=615)? Médicos 1º (5,72 VALORES) Compreensão das instruções sobre como tomar um medicamento receitado. Utentes 2º 2º (5,53 VALORES) Informação sobre os tratamentos de doenças que lhe dizem respeito. 3º 3º (5,52 VALORES) Informação sobre planeamento familiar e métodos contracetivos. 20º 4º (5,50 VALORES) Informação sobre os seus problemas de saúde e/ou doenças. Informação sobre comportamentos sexuais de risco (prevenção de doenças sexualmente transmissíveis como a Sida e a Hepatite B). 6º e 21º 5º (5,47 VALORES) Informação sobre alimentação saudável. 32º

26 O que valorizam os utentes com idade igual ou inferior a 40 anos (N=615)? 1º (5,09 VALORES) Informação sobre o que fazer em situação de emergência.

27 O que valorizam os médicos vs o que valorizam as mulheres com idade igual ou inferior a 50 anos (N=541)? Médicos 1º (5,72 VALORES) Compreensão das instruções sobre como tomar um medicamento receitado. Utentes 1º 2º (5,53 VALORES) Informação sobre os tratamentos de doenças que lhe dizem respeito. 2º 3º (5,52 VALORES) Informação sobre planeamento familiar e métodos contracetivos. 20º 4º (5,50 VALORES) Informação sobre os seus problemas de saúde e/ou doenças. Informação sobre comportamentos sexuais de risco (prevenção de doenças sexualmente transmissíveis como a Sida e a Hepatite B). 4º e 23º 5º (5,47 VALORES) Informação sobre alimentação saudável. 28º

28 Acesso e utilização dos serviços do ACES (9 alíneas; escala de 1 a 6 valores)

29 O que os utentes valorizam? 1º (4,75VALORES) 2º (4,74 VALORES) 3º (4,73VALORES) 4º (4,71VALORES) Informação sobre transporte para o local dos serviços de saúde consoante a situação (INEM, Ambulância, Táxi, Transportes Públicos, etc). Informação que permite gerir da melhor forma os seus gastos em saúde. Informação sobre apoios do sector social (pensões, isenções, abonos, apoios domiciliares, centros de dia, lares). Informação sobre os diferentes serviços disponíveis na Unidade de Saúde Familiar / Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (USF /UCSP). Compreender como pode ter acesso a consultas de especialidade. Compreender a que instituições/serviços de saúde a se deve dirigir de acordo com a sua necessidade. 5º (4,69VALORES) Informação sobre horários e o funcionamento geral da USF /UCSP.

30 O que os utentes valorizam vs o que os médicos valorizam? Utentes 1º (4,75VALORES) Informação sobre transporte para o local dos serviços de saúde consoante a situação (INEM, Ambulância, Táxi, Transportes Públicos, etc). Médicos 9º 2º (4,74 VALORES) 3º (4,73VALORES) 4º (4,71VALORES) 5º (4,69VALORES) Informação que permite gerir da melhor forma os seus gastos em saúde. Informação sobre apoios do sector social (pensões, isenções, abonos, apoios domiciliares, centros de dia, lares). Informação sobre os diferentes serviços disponíveis na Unidade de Saúde Familiar / Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (USF /UCSP). Compreender como pode ter acesso a consultas de especialidade. Compreender a que instituições/serviços de saúde a se deve dirigir de acordo com a sua necessidade. Informação sobre horários e o funcionamento geral da USF /UCSP. 7º 6º 2º, 8º e 4º 1º

31 O que valorizam os utentes quanto a recursos informativos? 1º (4,69 VALORES) Existência de um Jornal no Centro de Saúde. 2º (4,64 VALORES) Entrega de panfletos informativos pelo Centro de Saúde ou pelos profissionais de saúde. 3º (4,59 VALORES) Envio de correio eletrónico com informação relevante, de forma periódica. 4º (4,54 VALORES) Informação acerca de sites de internet fidedignos para o acesso à informação. 5º (4,52 VALORES) Existência de posters / placards de informação no Centro de Saúde.

32

33 Principais Barreiras a um processo de capacitação do cidadão mais efetivo Itens Questão 1 Soma a) Insuficientes competências relacionais e comunicacionais entre os profissionais envolvidos e entre eles e o utente; 35 c) Qualificações e ou literacia dos utentes 29 d) Motivação mútua para uma comunicação efetiva entre os vários agentes 14 b) Falta de entendimento da diversidade de aspectos culturais, dos interesses, expectativas e capacidades dos utentes 13 g) Falta de estratégia integrada e sustentável de intervenções 10 i) Falta de tempo dos profissionais de saúde e dos utentes para o desenvolvimento de estratégias de capacitação 8 h) Falta de informação clara sobre a forma de funcionamento e orientação nos serviços e complexidade e burocratização do sistema 6 n) Falta de cultura no estabelecimento e manutenção de parceias efectivas entre os serviços e saude e as instituições na e da comunidade 6 f) Conteúdo linguísticos e ou gráficos desadequados dos vários suportes informativos em saúde cujo os destinatários são os utentes. 5 4

34 Principais Intervenções para atenuar as barreiras identificadas intervenções concretas para minimizar/atenuar as Barreiras identificadas Itens Questão 1 Soma a) Integração no CV de modulos dedicados a tecnicas de comunicaçao e de relaçao nos cursos de saude 19 d) Envolvimento dos utentes/representantes no planeamento e operacionalização das ações 16 p) Maior e melhor planeamento e organização dos serviços para responder de forma integrada às necessidades da comunidade, que contemple a sua diversidade e a Preparação dos gestores e 15 executivos para as estratégias de capacitação (estratégia integrada) f) Formaçao /definida e avaliada obrigatoria dos profissionais de saude, ao longo da vida, com impacto na avaliação de desempenho dos PS, nos domínios da comunicação para a capacitação. 13 b) Diagnostico e monitorização, do nivel de literacia e segmentação da população, preferencialmente com recurso a software especificos 9 g) Implementar programas especificos/destinadoa a grupos especifcos, com multicanais 9 h) Recurso a guidelines para elaboração de materiais para os utentes (clara e acessível) 9 e) Campanhas publicas e apoiadas nos media para promoçao da literacia de saúde 8 j) Integração das acções em outras instituições junto da comunidade 8 n) Desenvolvimento de estratégias e programas/atividades de educação de saúde de forma concertada entre Inst. Saude e outras inst. Da comunidade parcerias efetivas 7 l) Definição clara e devidamente divulgada, junto dos serviços, das ações para a capacitação incluindo a estruturação e definição de papeis 6 o) Integração de conteudos de promoção da saúde na escola (desde o 1º ciclo) obrigatorio e integrar

35 Grau de Exequibilidade Relação Grau de exequibilidade/custo das intervenções Custo de Concretização intervenções concretas para minimizar/atenuar as Barreiras identificadas Itens Questão 1 Soma a) Integração no CV de modulos dedicados a tecnicas de comunicaçao e de relaçao nos cursos de 19 saude d) Envolvimento dos utentes/representantes no planeamento e operacionalização das ações 16 p) Maior e melhor planeamento e organização dos serviços para responder de forma integrada às necessidades da comunidade, que contemple a sua diversidade e a Preparação dos gestores e 15 executivos para as estratégias de capacitação (estratégia integrada) f) Formaçao /definida e avaliada obrigatoria dos profissionais de saude, ao longo da vida, com impacto na avaliação de desempenho dos PS, nos domínios da comunicação para a capacitação. 13 b) Diagnostico e monitorização, do nivel de literacia e segmentação da população, preferencialmente com recurso a software especificos 9 g) Implementar programas especificos/destinadoa a grupos especifcos, com multicanais 9 h) Recurso a guidelines para elaboração de materiais para os utentes (clara e acessível) 9 e) Campanhas publicas e apoiadas nos media para promoçao da literacia de saúde a d p f b

36 Grau de Exequibilidade Relação Grau de exequibilidade/tempo de Concretização Tempo de Concretização 1 Até 1 ano anos anos anos 5 Mais de 10 anos intervenções concretas para minimizar/atenuar as Barreiras identificadas Itens Questão 1 Soma a) Integração no CV de modulos dedicados a tecnicas de comunicaçao e de relaçao nos cursos de 19 saude d) Envolvimento dos utentes/representantes no planeamento e operacionalização das ações 16 p) Maior e melhor planeamento e organização dos serviços para responder de forma integrada às necessidades da comunidade, que contemple a sua diversidade e a Preparação dos gestores e 15 executivos para as estratégias de capacitação (estratégia integrada) f) Formaçao /definida e avaliada obrigatoria dos profissionais de saude, ao longo da vida, com 13 impacto na avaliação de desempenho dos PS, nos domínios da comunicação para a capacitação. b) Diagnostico e monitorização, do nivel de literacia e segmentação da população, 9 preferencialmente com recurso a software especificos g) Implementar programas especificos/destinadoa a grupos especifcos, com multicanais 9 a d p f b

37 Obrigada!

Investigação em serviços de saúde

Investigação em serviços de saúde Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Investigação em serviços de saúde Cuidados de saúde primários 2011-2015 Índice Tópicos Pág. Nota inicial.... 02 Prioridades

Leia mais

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento CATEGORIA AUTORIA JUNHO 15 Revisão de Dados Gabinete de Estudos e Literatura Científica Técnicos O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O

Leia mais

Comunicação de Crise na Saúde

Comunicação de Crise na Saúde Comunicação de Crise na Saúde Prevenir para melhorar a sociedade Conceição Martins Diretora de RH & IT Angelini - Hoje O resultado de uma história de sucesso 4ª companhia farmacêutica em Itália (em volume);

Leia mais

Miguel Ângelo Fernando de Castro

Miguel Ângelo Fernando de Castro Curriculum Vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Miguel Ângelo Fernando de Castro [Todos os campos do CV são opcionais. Remova os campos não preenchidos.] Rua Soeiro Pereira Gomes, nº2, 2740-165 Porto Salvo 919173607

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV.

Leia mais

Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente - PROQUALIS - ICICT/FIOCRUZ Abril 2011

Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente - PROQUALIS - ICICT/FIOCRUZ Abril 2011 Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente - PROQUALIS - ICICT/FIOCRUZ Abril 2011 PROQUALIS Criado em janeiro e formalizado em abril de 2009, pela Portaria n. o 005/Icict/2009.

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Dos registos clínicos: médicos e de enfermagem Qualidade e segurança do doente Lucília Martinho médica, presidente da CQSD Maria Teresa Antunes enfermeira

Leia mais

USF Villa Longa: Equipa empenhada em «trabalhar na capacitação do doente»

USF Villa Longa: Equipa empenhada em «trabalhar na capacitação do doente» 2016-09-16 12:59:19 http://justnews.pt/noticias/usf-villa-longa-equipa-empenhada-em-trabalhar-na-capacitacao-do-doente USF Villa Longa: Equipa empenhada em «trabalhar na capacitação do doente» É sob o

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM:

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM: SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: apecp.geral@gmail.com Facebook: apecsp TM: 967 238 912 5 de Junho de 1991 OBJETIVOS Criar e incentivar o aparecimento de instrumentos que permitam

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL

COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL Em Parceria com: COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL VII Aniversário da ENCONTRAR+SE Porto, 10, 11, 12 e 21 Outubro de 2013 PROGRAMA Alto Patrocínio Parceiros Sponsors Major Minor Apoio Introdução

Leia mais

O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Maria Conceição Gomes, Pneumologista Coordenadora do CDP da Alameda Consultora da DGS Secretaria-Geral ANTDR,

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

Serviços Farmacêuticos nas Farmácias Comunitárias Portuguesas Vacinação e Administração de Medicamentos Injectáveis

Serviços Farmacêuticos nas Farmácias Comunitárias Portuguesas Vacinação e Administração de Medicamentos Injectáveis Coloquio Servicio de vacunación en farmacia comunitaria. Experiencia internacional Serviços Farmacêuticos nas Farmácias Comunitárias Portuguesas Vacinação e Administração de Medicamentos Injectáveis Carlos

Leia mais

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes]

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] [Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] Diabetes: Factos & Números, 2014 Epidemiologia da Diabetes Controlo e Tratamento da Diabetes Regiões e

Leia mais

Validação e Controlo de Rotina da Esterilização a Calor Húmido

Validação e Controlo de Rotina da Esterilização a Calor Húmido 1 Validação e Controlo de Rotina da Esterilização a Calor Húmido ACES Alentejo Central e ACES Arco Ribeirinho Évora 10 Maio 2013 Amália Espada Carmen Venturinha Conceição Cortes Pedro Bento Sumário 1.

Leia mais

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 Índice Pág 1. Plano de Contingência para Vagas de Frio (PCVF)... 4 2. Grupos Vulneráveis. 4 3. Objetivos. 5 3.1 Objetivos gerais.

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico,

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia e implementação dos testes do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade Avaliação da Satisfação do Utente/Cliente Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Qualidade clínica como a articulação de 4 elementos - Desempenho profissional (qualidade técnica)

Leia mais

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento Breve Apresentação Enquadramento O programa Não à Diabetes promovido pela Fundação Gulbenkian visa responder ao desafio que a Diabetes representa em Portugal e pretende suster o crescimento da incidência

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano:

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano: : Exemplo de valorização da sustentabilidade Colóquio A Sustentabilidade do setor vitivínicola: Que desafios? @ Lisboa Instituto da Vinha e do Vinho 31-01-2012 bcaldeira@consulai.com TEMAS A ABORDAR ENQUADRAMENTO

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

Plataforma Saúde em Diálogo. Novembro/2016

Plataforma Saúde em Diálogo. Novembro/2016 Plataforma Saúde em Diálogo Novembro/2016 Plataforma Saúde em Diálogo A Plataforma Saúde em Diálogo é uma IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social), constituída por 44 entidades Associações

Leia mais

O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA

O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA Evolução do T. de Radiologia nos CSP Evolução dos Centros de Saúde Função do T. de Radiologia

Leia mais

SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL. Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal

SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL. Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal Coimbra, 13 de novembro de 2014 Plano Nacional Saúde 2012-2016 2º Eixo: Equidade

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

Programas Nacionais. Doenças Crónicas

Programas Nacionais. Doenças Crónicas Programas Nacionais Relacionados com a Prevenção e Controlo de Doenças Crónicas 3 de Novembro de 2006 Director de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde Programas: Porquê? Magnitude epidemiológica

Leia mais

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha 25.02.2010 Plano da sessão Objectivo: Efectuar um ponto de situação relativamente àelaboração

Leia mais

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa MARIA JOÃO ESTORNINHO Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa TIAGO MACIEIRINHA Assistente da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO 18 de Novembro 2016 ENQUADRAMENTO Hospital gerido em regime de Parceria Público-Privada, prestador de cuidados de saúde diferenciados, integrado na rede do SNS

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA NOSSA CASA A importância do Trabalho em Equipe Multidisciplinar Assistente Social Enfermeira Técnicos de enfermagem Fisioterapeuta Nutricionista Médico Psicólogo

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

sabe o que é a DPOC?

sabe o que é a DPOC? sabe o que é a DPOC? Doença quer dizer mal estar Pulmonar quer dizer que se localiza nos pulmões Obstrutiva quer dizer brônquios parcialmente danificados Crónica quer dizer que é para sempre DPOC o que

Leia mais

Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos

Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos Contexto Crise financeira mundial Crise económica e social em Portugal Inquérito à literacia

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

PROGRAMA SULGÁS DE QUALIDADE DE VIDA

PROGRAMA SULGÁS DE QUALIDADE DE VIDA COMPANHIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Gerência Executiva de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde PROGRAMA SULGÁS DE QUALIDADE DE VIDA PROJETO 2014 Julho de 2014 1. DADOS DA COMPANHIA Razão

Leia mais

Relatório do inquérito ao cidadão sobre conhecimentos na utilização de antibióticos

Relatório do inquérito ao cidadão sobre conhecimentos na utilização de antibióticos Relatório do inquérito ao cidadão sobre conhecimentos na utilização de antibióticos Grupo Coordenador Regional de Controlo de Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos GCR/PPCIRA A ARS Algarve IP

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC Data de referência da informação: 18 de Novembro de 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO Os cuidados de saúde primários (CSP) constituem o primeiro ponto de contacto

Leia mais

Audiência na Comissão de Saúde

Audiência na Comissão de Saúde Audiência na Comissão de Saúde Balanço e perspetivas para o futuro Lisboa, 08 de Junho de 2016 Comissão Saúde e a questão VIH e SIDA: um balanço - Criação do Grupo de Trabalho VIH (2009, reconstituído

Leia mais

Plataforma Saúde em Diálogo

Plataforma Saúde em Diálogo Novembro/2013 A Plataforma Mais Diálogo Farmácias/Utentes de Saúde surge em 1998 como estrutura informal Fórum Mais Diálogo Farmácia / Utentes de Saúde 13 de Janeiro de 1998 1 Assinatura do Protocolo de

Leia mais

Unidades Móveis de Saúde

Unidades Móveis de Saúde Saúde Comunitária Unidades Móveis de Saúde Enfª Maria Teresa Antunes 2009 Metodologia : Projectos de intervenção comunitária utilizando como meio de acessibilidade Unidades Móveis de Saúde: Lisboa - 3

Leia mais

Plano Nacional de Saúde

Plano Nacional de Saúde Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho

Leia mais

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC O que fazemos na gestão da medicação nos cuidados de saúde primários (e não só!) Catarina de Oliveira Coelho Serviços Farmacêuticos ARS Centro 19 de abril

Leia mais

A Diabetes: que desafio?

A Diabetes: que desafio? A Diabetes: que desafio? José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes Audição na Comissão Parlamentar da Saúde Assembleia da República 25 Fevº 2015 Prevalência da Diabetes Prevalência

Leia mais

Profissionais da Sau de e provimento em aŕeas remotas

Profissionais da Sau de e provimento em aŕeas remotas AGO Associação para o Desenvolvimento e Cooperação Garcia de Orta Profissionais da Sau de e provimento em aŕeas remotas Histórias da História dos Cuidados de Saúde Primários Portugueses USF Marginal ACES

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Rede Aga Khan para o Desenvolvimento Aga Khan Development Network

Rede Aga Khan para o Desenvolvimento Aga Khan Development Network www.akdn.org Arquitectura l Sociedade Civil l Cultura l Desenvolvimento Económico Educação l Saude l Cidades Históricasl Assitencia Humanitária Microfinança l Musica l Planeamento e Construção Desenvolvimento

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise

AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise Biblioteca Municipal de Castelo Branco 03 de abril de 2013 A ação de formação é realizada no âmbito do Projeto Saber viver em tempos de crise, apoiado financeiramente

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Novas tendências no relato de sustentabilidade: GRI G4 e Relatório Integrado

Novas tendências no relato de sustentabilidade: GRI G4 e Relatório Integrado www.pwc.pt/academy Novas tendências no relato de sustentabilidade: GRI G4 e Relatório Integrado PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais, com qualidade e distintiva. Novas tendências

Leia mais

Manual delta.online. Barómetro de Ideias

Manual delta.online. Barómetro de Ideias Página 1 Índice O nome delta.online...1 Login...2 Perfis de utilização...3 Menus...4 Impressão ou exportação...4 Filtros...5 Quadros globais...7 Ordenação de resultados...8 Filtros unidades observação...9

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Formação de Fundraisers

Formação de Fundraisers Formação de Fundraisers UMA FORMAÇÃO INOVADORA PARA CAPACITAR O TERCEIRO SECTOR Desenvolvido de acordo com o Modelo de Formação Europeu - EFA Certification Parceria ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDRAISING

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Lovastatina Jaba 20 mg comprimidos APROVADO EM Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento, pois contém informação importante

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE 7004-(22) Diário da República, 1.ª série N.º 252 30 de dezembro de 2013 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n.º 377-A/2013 de 30 de dezembro A reforma dos Cuidados de Saúde Primários, iniciada

Leia mais

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança Relatório Final Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança 21-Nov-2011 1 Abordagem Conceptual para a Reforma Hospitalar 1 Diagnóstico 2 Transformação 3 Implementação 2 M Eur

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS Direção-Geral da Saúde 17/12/2014 1 INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno Plano:

Leia mais

Apresentação do Orçamento do SNS

Apresentação do Orçamento do SNS Apresentação do Orçamento do SNS 2010 ÍNDICE 1. Evolução da Dotação Inicial do SNS 2. Execução Económico-Financeira do SNS (2008 a 2010 - Estimativa) - Apresentação Tradicional 3. Execução Económico-Financeira

Leia mais

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF 1988-2011 CLÁUDIA COSTA; RITA SANTOS; ADRIANA LOUREIRO; PAULA SANTANA Intervenção do IMVF Perfil Instituto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Auditoria Interna da Codificação. Perspetiva do Auditor Interno

Auditoria Interna da Codificação. Perspetiva do Auditor Interno Perspetiva do Auditor Interno Definição Avaliação metódica, disciplinada, independente e objetiva da conformidade da codificação e consequente agrupamento em GDH segundo as regras em vigor. Circular Informativa

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 6 Das diferentes abordagens de desenvolvimento ao conceito de desenvolvimento local. Desenvolvimento local, recursos e capital social. Paradigmas do desenvolvimento: desenvolvimento

Leia mais

Fundação Medtronic HealthRise Brasil Abordagens e Atividades do Projeto

Fundação Medtronic HealthRise Brasil Abordagens e Atividades do Projeto Fundação Medtronic HealthRise Brasil Abordagens e Atividades do Projeto 1 1. Abordagens e Atividades para o HealthRise Brasil As propostas devem considerar a integração de duas ou mais das seguintes abordagens,

Leia mais

Promoção Comunicação

Promoção Comunicação Promoção Comunicação 1 Propaganda, Promoção de Vendas e Publicidade 2 3 Mix de Comunicação de Marketing ou Mix de Promoção Consiste em uma composição de instrumentos de comunicação como propaganda, venda

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015

NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015 Seminário NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015..Resultados em Saúde.. O Programa do XVII Governo reconheceu os Cuidados de Saúde Primários como o pilar central do sistema de saúde.

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Durante quanto tempo tenho de tomar metotrexato antes de este ter efeito?

Durante quanto tempo tenho de tomar metotrexato antes de este ter efeito? METOTREXATO Quais são os objetivos deste folheto? Este folheto foi elaborado para o(a) ajudar a compreender melhor o metotrexato e para o informar sobre o que é, como funciona, como é utilizado para tratar

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Comissões da Qualidade e Segurança 3ª Reunião, julho de Alexandre Diniz Filipa Homem Christo José Artur Paiva Maria João Gaspar

Comissões da Qualidade e Segurança 3ª Reunião, julho de Alexandre Diniz Filipa Homem Christo José Artur Paiva Maria João Gaspar Comissões da Qualidade e Segurança 3ª Reunião, julho de 2014 Alexandre Diniz Filipa Homem Christo José Artur Paiva Maria João Gaspar AGENDA 1. Planos de Ação das Comissões da Qualidade e Segurança 2. Experiência

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Patrícia Barbosa Investigadora Escola nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa; Colaboradora do Observatório Português dos Sistemas

Leia mais

Plano Regional de Saúde Lisboa e

Plano Regional de Saúde Lisboa e Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo Um Futuro para as Nossas Crianças Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo 2010 2012 Rui Portugal Presidente da ARSLVT António Tavares Director do Departamento

Leia mais

Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015

Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015 Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015 Alexandre Diniz Anabela Coelho Maria João Gaspar AGENDA 1. Enquadramento 2. Ponto de situação sobre a implementação dos projectos

Leia mais

Clínica Organizacional. Inovação

Clínica Organizacional. Inovação QUALIDADE Clínica Organizacional e Inovação Anabela Coelho Divisãode Gestão da Qualidade Enquadramento O DOENTE PASSOU A TER O DIREITO RECONHECIDO DE Estar informado sobre os fundamentos das decisões que

Leia mais

Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados ( )

Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados ( ) Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados (2011 2015) 27 de maio de 2016 ÍNDICE Sumário Executivo...4 I Evolução e Caracterização dos Recursos Humanos

Leia mais

Forum AMP Empreendedorismo Social 2020

Forum AMP Empreendedorismo Social 2020 Forum AMP Empreendedorismo Social 2020 Porto 29 junho 2016 www.akdn.org 1 AGA KHAN DEVELOPMENT NETWORK AKDN geographic presence: 30 countries in 7 regions Fundação Aga Khan - Portugal A misão em Portugal

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Juntos faremos a diferença!

Juntos faremos a diferença! Juntos faremos a diferença! GUIA DE ACOLHIMENTO Leia com atenção as nossas recomendações e ajude-nos a fazer o melhor. Contamos consigo! COMO FUNCIONAMOS O QUE É UMA USF As U.S.F. Unidades de Saúde Familiares

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha CONHECIMENTOS E HÁBITOS ALIMENTARES CONSIDERANDO AS RECOMENDAÇÕES PARA HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NATIVOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA: DETERMINANTES DA ADESÃO ÀS

Leia mais

Roadmap para Implementação e Certificação ISO Mário Rui Costa

Roadmap para Implementação e Certificação ISO Mário Rui Costa 1 1 Roadmap para Implementação e Certificação ISO 20000-1 Mário Rui Costa TÓPICOS O que é a ISO 20000-1? Porquê implementar? Custos Ponto de partida Papéis e Responsabilidades Implementação Preparação

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais