A. INFORMAÇÃO BÁSICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A. INFORMAÇÃO BÁSICA"

Transcrição

1 REINO UNIDO (1) CONSTRUIR UMA CULTURA DE SUCESSO ESCOLAR ATRAVÉS DO CERTIFICADO DE EFICÁCIA PESSOAL DA ASDAN A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Reino Unido - Inglaterra Construir uma cultura de sucesso escolar através do Certificado de Eficácia Pessoal da ASDAN Award Scheme Development and Accreditation Network (Rede para a Acreditação e Desenvolvimento de Esquemas de Certificação) (ASDAN) Competências essenciais abordadas : (na língua original e em inglês, se possível) Comunicação Resolução de Problemas Melhoria do Desempenho Pessoal Trabalho de equipa Planear e preparar investigação Debate Apresentação Investigação Competências de aprendizagem empresarial Tipo de iniciativa e canais de implementação usados (designadamente, reforma curricular introduzida por lei, etc.) Parceiros : Âmbito : (alunos/professores/escola; nível local/regional/nacional) Contexto de aprendizagem : (formal ou não formal) Currículo e avaliação conducentes a qualificação 5000 escolas, instituições de ensino superior e prestadores de formação estão registados na ASDAN como centros de exame em todo o Reino Unido Nacional Os programas e qualificações da ASDAN apoiam contextos de aprendizagem formais e informais esundheit Verbraucher Health & Consumers Santé & Consommateurs

2 Nível(is) de ensino : (ensino primário, ensino secundário inferior ou superior) Grupos-alvo : Calendário : (data de início e fim) Ligações relevantes : Ensino secundário e estabelecimentos de ensino especializado pós- 16 anos Todos os níveis de escolaridade A ASDAN está em atividade desde o início da década de 1980; o Certificado de Eficácia Pessoal da ASDAN foi criado em 2002/2003 esundheit Verbraucher Health & Consumers Santé & Consommateurs

3 B. INFORMAÇÕES DETALHADAS Fundamentação/contexto/motivação para lançar a iniciativa/reforma : No Reino Unido, as políticas de sucessivos governos têm apoiado Organizações de Certificação não-governamentais, como a ASDAN, no desenvolvimento e condução de uma grande diversidade de programas e qualificações nacionalmente reconhecidos. Estas Organizações de Certificação são regulamentadas por organismos governamentais em Inglaterra e na Irlanda do Norte, no País de Gales e na Escócia. A ASDAN é uma empresa social sem fins lucrativos com estatuto de organismo certificador, que oferece cursos a milhares de escolas, instituições do ensino superior, centros de juventude e prestadores de formação no país e no estrangeiro. Os programas e qualificações da ASDAN oferecem formas flexíveis de acreditação das competências para aprender, competências para o emprego e competências para a vida. Os objetivos da ASDAN consistem em apoiar: A produção de cursos sobre aprender a aprender para auxiliar os aprendentes a reforçar o seu sucesso em disciplinas curriculares de base. O desenvolvimento de uma compreensão das competências genéricas no âmbito do ensino-aprendizagem profissional, proporcionando oportunidades e recursos de ensino adequados. A facilitação de avaliação formativa e sumativa, usando documentação de reflexão estruturada e orientada. O encorajamento do processo de personalização da aprendizagem e da capacitação dos aprendentes. O contexto da avaliação ou das atividades de ensino pode ser diversificado para se adaptar ao aprendente e aos recursos disponíveis. O Certificado de Eficácia Pessoal (CoPE) da ASDAN é um conjunto de qualificações nacionalmente reconhecidas, concebidas para alargar o acesso ao ensino especializado e superior. As qualificações propõem formas imaginativas de certificar as atividades dos jovens. Promovem e permitem que as escolas, instituições de ensino superior e prestadores de formação registem uma grande diversidade de qualidades, capacidades e consecuções pessoais dos jovens, e os iniciem em novas atividades e desafios. O CoPE integra as Competências Essenciais Mais Alargadas, nacionalmente reconhecidas, em: Trabalho de Equipa, Melhoria da Aprendizagem e Desempenho Pessoais e Resolução de Problemas. O CoPe integra outras competências de eficácia que a ASDAN identifica como essenciais à aprendizagem, ao emprego e à vida. O Reconhecimento de Eficácia Pessoal (AoPE) é uma versão mais curta a partir da qual os aprendentes podem evoluir para o CoPE. Objetivos : Os objetivos do CoPE são: Desenvolver competências para aprender, competências para o emprego e competências para a vida. Apoiar os alunos nas escolas de todo o país a elevar os seus níveis de consecução nas disciplinas curriculares de base, incluindo inglês e matemática. 3

4 Formalizar o ensino, desenvolvimento e avaliação de competências de eficácia para aprender e interagir em contextos formais, como escolas e instituições do ensino superior. Estas competências compreendem: Resolução de Problemas Melhoria da Aprendizagem e Desempenho Pessoais Trabalho de Equipa Competências de Investigação Competências de Debate Competências de Desempenho Oral e Apresentação Este desenvolvimento de competências pode então ser transferido pelos alunos para contextos menos formais e mais independentes, como espaços de emprego e comunitários, o que os ajudará a tornarem-se aprendentes ao longo da vida mais eficazes. Dimensões visadas pela iniciativa/reforma (designadamente, currículo, avaliação dos alunos, formação dos professores em serviço, autonomia escolar, etc.) : O currículo e avaliação dos estudantes baseiam-se no reconhecimento de pequenos avanços no seu aproveitamento escolar. A abordagem à aprendizagem e a metodologia central promovida pela ASDAN podem ser aplicadas a qualquer currículo. A maioria dos alunos, sendo-lhes dada a oportunidade, prefere aprender e aplicar as competências de eficácia no contexto da preparação para o emprego, para o emprego independente ou para o ensino superior. A iniciativa visa duas dimensões principais: O conjunto de competências (as competências de eficácia anteriormente descritas) A adoção de uma abordagem estruturada e consistente ao ensino e à avaliação do conjunto de competências. Os materiais para alunos e professores estão disponíveis num workshop inicial para professores e na formação de formadores subsequente. Os materiais complementares ( Exemplos Práticos e Workshops Comportamentais ) destinam-se a apoiar os docentes que trabalham nas escolas e nas instituições do ensino superior. A iniciativa centra-se na formação de formadores em serviço mas algumas ações locais incidem sobre a formação de formadores inicial. A secção sobre implementação fornece mais pormenores. Abordagem geral (designadamente, holística - existência de uma estratégia abrangente ou de uma abordagem direcionada, centrada numa dimensão específica, etc.) : Os programas e qualificações da ASDAN articulam-se com quadros de referência nacionais e são reconhecidos por estes. O CoPE é uma qualificação equivalente ao GSCE (ISCED nível 2). A Confederação da Indústria Britânica (CBI) reconhece o CoPE como um meio de desenvolver competências valorizadas pelos empregadores. Mais de metade das instituições de Ensino Superior do Reino Unido apoiam formalmente a oferta da ASDAN, incluindo o CoPE, como 4

5 um importante valor acrescentado ao processo de admissão e ingresso no ensino superior. O CoPE é especificamente mencionado na Orientação a Candidatos ao Ensino Superior do Serviço de Admissões das Universidades. A abordagem da ASDAN centra-se nas competências para a aprendizagem, para o trabalho e para a vida, mas baseia-se numa metodologia mais alargada de desafios pessoais através da aprendizagem experiencial. O objetivo final é construir uma cultura de sucesso escolar através de pequenos avanços no desenvolvimento de competências, usando a avaliação formativa e enfatizando o aprender a aprender. Explicação detalhada da(s) competência(s) essencial(is) em questão : Para o CoPE no Nível 1, 2 ou 3 dos referenciais de qualificação do Reino Unido (e ISCED), os alunos constroem um portefólio de provas, demonstrando as suas competências de eficácia à medida que completam vários desafios em diferentes módulos. Os alunos podem escolher de entre um leque de módulos, como Vida Independente, Aprendizagem Relacionada com o Trabalho e a Empresa, Cidadania Ativa ou Consciência Global. O uso de portefólios como abordagem à avaliação reconhece a complexidade de avaliar a aprendizagem experiencial e ativa sem reduzir o processo a uma avaliação centrada exclusivamente na aquisição de conhecimentos. As seis competências de eficácia são avaliadas aos três níveis. O Quadro Referencial de Avaliação da ASDAN especifica os níveis pelos quais as competências dos aprendentes são avaliadas. Apresenta-se de seguida um resumo dos três níveis para cada uma das competências: Resolução de problemas* Nível 1: Compreender que existem formas alternativas de abordar os problemas e seguir um plano. Nível 2: Reconhecer os problemas, avaliar formas de abordar um problema, executar um plano e verificar se foi resolvido. Nível 3: Explorar os problemas, comparar riscos e benefícios, efetuar verificações sistemáticas e avaliar o sucesso. *O desenvolvimento dos níveis da resolução de problemas inspirou-se no desenvolvimento de uma avaliação da resolução de problemas da OCDE no processo PISA. Trabalho de equipa Nível 1: Compreender e realizar uma tarefa designada. Nível 2: Partilhar responsabilidades, apoiar os outros e analisar o trabalho. Nível 3: Planificar objetivos, desenvolver estratégias, acompanhar o progresso e avaliar os resultados. Melhoria da aprendizagem e desempenho pessoais Nível 1: Compreender e planificar para cumprir metas, aceitar conselhos sobre como trabalhar de modo mais eficiente. Nível 2: Ajudar a definir metas pessoais, apresentar provas e reconhecer novas competências. Nível 3: Definir metas pessoais, identificar obstáculos e usar novas competências. 5

6 Competências de investigação Nível 1: Usar diferentes fontes de informação e relatá-las. Nível 2: Planificar e realizar investigação primária em resposta a uma questão e apresentar conclusões. Nível 3: Recolher dados de diferentes fontes para desenvolver uma compreensão aprofundada de questões complexas; apresentar conclusões. Competências de debate Nível 1: Debater, usando linguagem e modos adequados, ouvir os outros e fazer perguntas. Nível 2: Fazer comentários claros e relevantes, ouvir atentamente e ajudar a restringir o debate ao tópico. Nível 3: Dar contributos claros e relevantes para os debates e criar oportunidades para os outros participarem. Desempenho oral e apresentação Nível 1: Realizar uma breve apresentação sobre um tema e usar imagens. Nível 2: Fazer uma apresentação usando métodos apropriados e cativar a audiência Nível 3: Preparar e fazer uma apresentação detalhada, variada e interessante sobre um tópico complexo. Nem todos os aprendentes têm hipóteses realistas de alcançar o Nível 1 no total das seis competências antes do final da escolaridade obrigatória. Algumas escolas e instituições do ensino superior não podem disponibilizar tempo suficiente e alguns aprendentes nunca serão capazes de alcançar o Nível 1 em algumas das competências, mercê de incapacidade física ou de aprendizagem; foi assim introduzida em 2008 uma versão mais acessível do resultado da qualificação. O tema subjacente a este referencial de competências é a crescente independência e autoconfiança: desenvolvendo assim uma abordagem à aprendizagem mais sustentável e de cariz mais empresarial. Disciplinas específicas implicadas ou abordagem transcurricular : As competências de eficácia são genéricas e, por conseguinte, destinadas a serem desenvolvidas transversalmente ao currículo. A ASDAN desenvolveu uma grande variedade de contextos curriculares para aplicar a sua metodologia de aprender a aprender (PLANIFICAR>- FAZER>ANALISAR). Estes contextos incluem disciplinas formais como matemática, história e inglês. Outros contextos para além dos limites disciplinares tradicionais incluem: Artes Expressivas, Desporto e Saúde Física e Saúde Social Pessoal e Educação Económica (PSHEE) e temas abrangentes como Carreiras, Preparação para o Trabalho, Empresa e Cidadania. Os alunos têm poder de escolha sobre a conceção das atividades de aprendizagem e avaliação, organizadas com a orientação de professores experientes. Isto é realizado através do quadro do desenvolvimento de desafios/atividades sem que sejam inteiramente prescritivos a respeito das 6

7 suas necessidades. A natureza exata das necessidades é aberta a negociação entre o aprendente e um avaliador qualificado. Contudo, ambos estão sujeitos ao modelo global para a conclusão dos desafios no contexto dos padrões nacionais. De que modo a iniciativa/reforma está a ser implementada (designadamente, processo adotado, empenhamento político, consulta dos parceiros e respetivos papéis, incentivos aos parceiros, financiamento específico, materiais didáticos, definição de metas e modelos, mecanismos de avaliação, impacto sobre a formação de formadores/desenvolvimento profissional e práticas escolares/ liderança, intensificação da abordagem com base na pesquisa/factos, etc.) : A fase inicial do processo de desenvolvimento consistiu na identificação e definição pela ASDAN de um conjunto de competências que podiam ser desenvolvidas e avaliadas no ensino secundário, mas que fossem aplicáveis a todos os alunos, quer a sua intenção fosse seguir um percurso académico no ensino superior, estudos especializados ou aprendizados ou entrar diretamente no mercado de trabalho. A ASDAN solicitou os pareceres das partes interessadas, incluindo empregadores, estabelecimentos de ensino superior e escolas. O conteúdo de cinco das seis competências foi desenvolvido a partir de qualificações nacionais existentes (Competências Essenciais Mais Alargadas e Comunicação), ao passo que a Competência de Investigação foi em larga medida definida pelos requisitos do ensino superior. O trabalho foi realizado com as entidades reguladoras dos exames nacionais. Grande parte deste trabalho inicial foi financiada por fundações educativas nacionais. O desenvolvimento de um currículo geral pela ASDAN para disseminação nacional decorreu em simultâneo com a identificação do conjunto de competências. O conteúdo curricular de base assenta no Currículo Nacional de Inglaterra e do País de Gales, mas contém uma abordagem mais prática e orientada para atividades. A maioria dos desafios curriculares foi sugerida e depois refinada em consulta com professores. Foram então desenvolvidos Cursos de Curta Duração complementares e mais especializados para responder às necessidades das escolas especializadas (que foram criadas através de uma iniciativa governamental e que têm uma ênfase especial em questões éticas ou disciplinares). Os Cursos de Curta Duração da ASDAN (30 horas e 60 horas de instrução durante um período de tempo flexível) foram igualmente desenvolvidos em resposta a solicitações de professores para permitir que os alunos exercessem as suas opções e personalizassem a sua educação, centrando-se num número mais reduzido de áreas curriculares. Na essência, o desenvolvimento desta abordagem à aprendizagem e à avaliação enquadra-se perfeitamente nas iniciativas nacionais para alargar a participação na educação e formação após os 16 anos, dispondo de considerável apoio governamental há três décadas. A ASDAN desenvolveu materiais de formação de formadores introdutórios com base em exemplos de boas práticas na sala de aula. A ASDAN identificou professores eficazes e proporcionou-lhes mais formação e apoio. Estes professores tornaram-se subsequentemente membros da rede de formação, apoio e controlo de qualidade da ASDAN. Esta rede nacional presta apoio e aconselhamento locais a professores nas escolas, instituições do ensino superior, contextos de aprendizagem informais, como ambientes de trabalho juvenil, e a prestadores de formação do setor privado. Grupos de professores reúnem-se três vezes por ano para prestar aconselhamento, complementar a formação e apoiar professores/avaliadores nas escolas e instituições do ensino superior. Os professores e avaliadores individuais podem contactar o seu Líder de Grupo, solicitando aconselhamento e apoio em qualquer altura do ano. Foram produzidos, em colaboração com os membros da rede, recursos adicionais, como ferramentas simples para recolha de dados, formação contínua e esquemas de trabalho. Os recursos de 7

8 avaliação são revistos usando o feedback dos professores. Os recursos de ensino, aprendizagem e desenvolvimento são partilhados por toda a rede. A ASDAN possui uma biblioteca de estudos de casos, para informação de alunos, professores, empregadores e instituições de ensino superior, que dá conta do reforço do sucesso e de melhores resultados de empregabilidade dos alunos que concluíram este programa educativo formal baseado em competências. Etapa/fase atual de implementação : O Reconhecimento de Eficácia Pessoal da ASDAN foi inicialmente introduzido apenas ao Nível 1, mas a procura por parte de professores e alunos levou à introdução do Reconhecimento também aos Níveis 2 e 3. O Reconhecimento ao Nível 3 afigura-se especialmente atrativo para os alunos que tencionam entrar no mercado de trabalho, mais do que para aqueles que pretendem seguir estudos superiores. Os estabelecimentos de ensino superior em determinas áreas locais exploraram a integração da metodologia da ASDAN na oferta de formação de formadores. Contudo, esta ainda não foi incorporada em nenhum programa de Formação de Formadores inicial (ITT). O feedback informal nesta fase sugere que a razão reside principalmente no curto horizonte temporal e na pressão sobre os docentes em formação para que adquiram competência no ensino de uma disciplina formal. Consequentemente, há pouco tempo e energia para o complemento opcional em termos de competência nestas aptidões de ensino e avaliação específicas. O outro fator que retarda o progresso nesta área é a escassez de professores do ensino superior com experiência relevante em termos de competências pedagógicas e de avaliação. Questões pedagógicas (questões relacionadas com a forma como as competências essenciais estão a ser ensinadas aos alunos e como os professores estão a ser preparados para ensiná-las) : Segundo a ASDAN, a abordagem mais eficaz para alunos e professores é iniciar o processo, alargando a fase de análise de qualquer atividade na sala de aula. Isto ajuda os alunos a reconhecer de que modo podem melhorar o seu desempenho. Por sua vez, este aspeto ajuda a desenvolver qualidades subjacentes necessárias ao espírito empresarial, como sejam os conhecimentos pessoais, a resiliência e a recetividade ao feedback construtivo. A segunda abordagem fundamental consiste em transferir o ónus do ensino-aprendizagem do professor para o aluno. É importante permitir que os alunos tomem opções e aceitem a responsabilidade fatores claramente associados ao espírito empresarial. Este passo é muito complexo pois os professores que estão habituados a estar em controlo e a funcionar em moldes didáticos são legalmente obrigados a assumir a responsabilidade pela aprendizagem e pelo comportamento na sala de aula/contexto de ensino e são, aliás, avaliados de acordo com um conjunto de critérios que se poderão considerar em contradição com a facilitação da metodologia da ASDAN de aprender a aprender. Vários membros de Grupos de professores estão atualmente envolvidos no desenvolvimento de uma série de avanços mais pequenos para acompanhar o progresso no sentido da consecução de cada competência em cada nível, para que os professores que usam a metodologia 8

9 da ASDAN possam corresponder aos requisitos nacionais de inspeção do ensino secundário e superior. Enquanto organização, a ASDAN está a criar um quadro de referência para ajudar as escolas e as instituições do ensino superior a identificar formas de a sua utilização da metodologia da ASDAN cumprir os critérios de inspeção nacional. Aspetos positivos (para identificar facilitadores) : Envolvimento de partes interessadas Professores: através do envolvimento ativo na conceção de atividades curriculares e recursos relacionados na sala de aula Alunos: através da escolha de atividades de desafios de aprendizagem Empregadores: através de organizações e atividades, como a Task Force para a Educação e as Empresas e os Conselhos Empresas na Comunidade e Competências Sectoriais de Inglaterra Redes: eventos presenciais regulares em que seja possível identificar boas práticas e abordar problemas comuns. É essencial uma abordagem coletiva. Respeito profissional: Os colabores da ASDAN, como os Líderes de Grupo, possuem experiência profissional no uso da metodologia num conjunto de contextos de ensino-aprendizagem; utilizam-na para oferecer aconselhamento prático e eficaz. Desafios e de que modo estão a ser abordados (para identificar obstáculos e soluções) : O principal desafio é que este tipo de abordagem à aprendizagem não se enquadra confortavelmente nas estruturas da educação, que são rigidamente baseadas em disciplinas, dão ênfase a aulas separadas por disciplina, resultados de aprendizagem predefinidos específicos, muitas vezes relacionados com o conteúdo e não com os processos, e em testes escritos formais. O ensino de competências mais brandas é discutivelmente mais difícil ou pelo menos tão difícil, pois o progresso e o sucesso são mais difíceis de descrever e medir. As soluções incluem: disponibilizar mapas que cruzem as competências da ASDAN com áreas disciplinares e o desenvolvimento de currículos específicos baseados em disciplinas, incluindo as competências (Cursos de Curta Duração); o desenvolvimento de um conjunto comum de descritores para patamares de realização (Níveis); a conceção e revisão de materiais para capturar provas essenciais de realização (documentos de registo); e a presente iniciativa para desenvolver uma escala de pequenos avanços para monitorizar o progresso (ver questões pedagógicas acima). Além disso, a deficiente compreensão da metodologia ou abordagem por aqueles que apenas têm experiência de uma educação académica e formal, conduzida pelo professor. A comunidade mais vasta, incluindo os empregadores, tem uma compreensão limitada do conjunto de competências para o CoPE. No entanto, estudos nacionais realizados por organismos patronais líderes no Reino Unido durante os últimos 30 anos identificaram de forma sistemática e consistente estas competências (resolução de problemas, melhoria da aprendizagem, trabalho de equipa, comunicação, competências pessoais de aprendizagem e raciocínio, etc.) como essenciais para a empregabilidade. 9

10 As soluções incluem: relacionar o valor deste conjunto de competências para o sucesso no ensino superior através do aval de instituições de ensino superior, da promoção de estudos de casos e outras provas da relação entre a metodologia da ASDAN e a consecução de outros objetivos fundamentais (investigação do BRILLE sobre o desempenho no GCSE), resumindo cada uma das competências em vocabulário que seja mais amplamente compreendido e difundindo-o junto dos empregadores para incorporação nas formações das empresas e no desenvolvimento do aprendizado. Monitorização e avaliação realizadas/planeadas e que métodos estão a ser usados (designadamente, controlo de qualidade interna/externa, inspeção, avaliações nacionais, testes internacionais, autoavaliação, avaliações formativas ou sumativas) : O resultado da qualificação para esta metodologia está sujeito aos sistemas de controlo de qualidade nacionalmente aprovados, comuns a todas as Organizações de Certificação, e é usado para monitorizar os padrões de avaliação e sucesso em todos os centros, através de moderação externa por avaliadores independentes. A entidade reguladora de exames em Inglaterra realizou uma análise da qualificação CoPE em 2011 e esta foi renovada para certificação até O impacto da metodologia sobre os alunos foi recentemente avaliado por meio do relatório de 2012 do BRILLE e a equipa investigadora está atualmente a preparar um estudo de acompanhamento a ser realizado durante Este estudo de acompanhamento vai investigar todas as ligações entre os níveis de motivação e empenhamento dos alunos (facetas chave do empreendedorismo) e a sua experiência da metodologia da ASDAN. Impacto (designadamente, eventual avaliação do impacto prevista) : Um recente trabalho de pesquisa nacional realizado ao longo de dois anos pela Bristol Research Into Lifelong Learning and Education (BRILLE Centro de Investigação de Bristol sobre Aprendizagem e Educação ao Longo da Vida) da Universidade do Oeste de Inglaterra (UWE) demonstrou uma clara associação entre a obtenção do Certificado de Eficácia Pessoal da ASDAN e a melhoria dos níveis de sucesso na qualificação de referência em Inglês (Certificado Geral do Ensino Secundário - GCSE), geralmente realizado no final do ensino secundário inferior. O estudo examinou os resultados previstos e reais no GCSE relativos a alunos, incluindo alunos que haviam sido identificados como tendo um desempenho abaixo das expetativas, nas idades de 11 e 14 anos. O estudo revelou que os alunos provenientes de contextos mais desfavorecidos e aqueles com origens na população Negra e de Minorias Étnicas (BME) recebiam o maior benefício com a conclusão do CoPE. Verificaram-se provas de um aumento das notas positivas (C ou superior) no GCSE de inglês de alunos comparáveis que, aos 11 anos, tinham dificuldades para atingir metas de escolaridade, mas que aprenderam através da metodologia da ASDAN entre os 14 e os 16 anos. Os alunos que obtiveram a nota C superaram em 10% os alunos com resultados semelhantes aos 11 anos que não seguiram posteriormente a metodologia da ASDAN. Entre os alunos de grupos socioeconómicos mais baixos, o benefício foi maior, com 15% mais a obterem uma nota positiva. 10

11 A pesquisa será apresentada na conferência da Associação de Investigação Educativa Britânica (BERA), no outono de Está a ser preparado um vídeo sobre a mesma pela Taskforce para a Educação e as Empresas (RU), no contexto do desenvolvimento das Competências Empresariais de interesse para o governo. Consultar: Comunicação da iniciativa/disseminação dos resultados e atividades : Foi enviada informação sobre as conclusões da pesquisa a mais de 5000 estabelecimentos de ensino e formação, à comissão parlamentar para a educação do Reino Unido, a autoridades educativas locais, à organização Parceria Pais e Alunos e a outros grupos educativos. A investigação do BRILLE foi avaliada e publicada pelo Centro de Análise das Transições Juvenis (CAYT). Próximos passos/seguimento : Será continuada a pesquisa envolvendo uma avaliação em pequena escala do efeito da metodologia da ASDAN sobre a autoestima e bem-estar dos alunos. Realizar-se-á ainda a disseminação das conclusões da pesquisa através da Taskforce para a Educação e as Empresas. Finalmente, será conduzida mais investigação sobre as razões dos maiores níveis de sucesso entre os alunos que frequentam programas de CoPE. Informações adicionais : Para mais informações, contactar: Kath Grant: or Dave Brockington: The KEYCONET project has been funded with support from the Lifelong Learning Programme of the European Commission. Responsibility for this publication lies solely with the author, and the Commission is not responsible for any use which may be made of the information contained therein. esundheit Verbraucher Health & Consumers Santé & Consommateurs

12 C. RESUMO O sistema do Reino Unido de organismos de certificação, especialmente em Inglaterra, possibilitou que Organizações de Certificação como a ASDAN desenvolvessem uma qualificação, como o Certificado de Eficácia Pessoal (CoPE), no âmbito de um referencial nacional de qualificações. O CoPE visa alargar o acesso ao ensino especializado e superior, desenvolvendo competências de eficácia genéricas e transcurriculares. Estas compreendem competências nacionalmente reconhecidas como Competências Essenciais Mais Alargadas (resolução de problemas, melhoria da aprendizagem e desempenho pessoais, trabalho de equipa) e competências adicionais identificadas pela ASDAN como sendo importantes através de consultas com os empregadores e instituições de ensino superior (competências de investigação, competências de debate e competências de desempenho oral e apresentação). O desenvolvimento destas competências é baseado numa metodologia que envolve a aprendizagem experiencial por meio de desafios pessoais que permitem o desenvolvimento incremental e o reconhecimento de competências através da avaliação formativa e no aprender a aprender através de um processo resumido como PLANIFICAR> FAZER>ANALISAR. A avaliação de portefólios facilita esta metodologia, possibilitando que os alunos documentem o seu progresso com a ajuda dos professores. Encontra-se disponível um exemplo de portefólio que aplica o processo planificar, fazer e analisar no seguinte sítio web: DemoPortfolio.L1.SamplePages.pdf Para implementar os programas CoPE, a ASDAN desenvolveu materiais, realizou workshops e criou uma rede para apoiar os professores no desenvolvimento da metodologia. Alguns prestadores de formação de formadores inicial incorporaram a metodologia nos seus programas, mas esta integração está limitada pelos requisitos de formação de formadores existentes. No entanto, uma avaliação independente concluiu que os alunos em programas CoPE obtiveram melhores resultados na mais estabelecida qualificação nacional baseada em disciplinas. Foi especialmente o caso de alunos de grupos socioeconómicos mais baixos. Está prevista a continuação da pesquisa sobre as causas desta melhoria. A disseminação das conclusões da pesquisa e o reconhecimento por parte dos empregadores e das instituições de ensino superior foram cruciais no encorajamento dos alunos para preferirem estudar com vista ao CoPE. 12

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA SUÉCIA (1) - 2012 ABORDAGEM EMPRESARIAL A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA PORTUGAL (2) - 2012 CLUBE EUROPEU A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA SUÉCIA (2) - 2012 COMPETÊNCIAS FUTURAS A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. Informação básica. Irlanda (1) Irlanda. País : Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico. Título da iniciativa :

A. Informação básica. Irlanda (1) Irlanda. País : Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico. Título da iniciativa : Irlanda (1) - 2012 Competências Essenciais para o 2 e Ciclo do Ensino Básico A. Informação básica País : Título da iniciativa : Irlanda Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico Coordenador(a)/

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA ESTÓNIA (1) - 2012 MODELO DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DAS TIC NAS ESCOLAS A. INFORMAÇÃO BÁSICA País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original

Leia mais

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos.

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. Para efeitos de implementação do Quadro de Referência Europeu de Garantia

Leia mais

Objetivos. Prioridades de temáticos. investimento

Objetivos. Prioridades de temáticos. investimento 1. Reforço da investigação, do desenvolvimento tecnológico e da inovação (objetivo I&D) n.º 1 do artigo 9.º) Todas as prioridades de ao abrigo do objetivo temático n.º 1 1.1. Investigação e inovação: Existência

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO 2015-2016 Avaliação (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho; Despacho Normativo nº 17-A/2015 de 22 de Setembro e Despacho Normativo nº 13/2014 de 15

Leia mais

Inovação & A avaliação

Inovação & A avaliação INOVAÇÃO E ENSINO DA EXCELÊNCIA: AVALIAÇÃO NO AEB, PORQUÊ E COMO Inovação & A avaliação Impacto da avaliação formativa nas aprendizagens (workshop 1) Lisboa, 07 julho 2015 Anabela Serrão PORQUE AVALIAMOS?

Leia mais

Formação de Fundraisers

Formação de Fundraisers Formação de Fundraisers UMA FORMAÇÃO INOVADORA PARA CAPACITAR O TERCEIRO SECTOR Desenvolvido de acordo com o Modelo de Formação Europeu - EFA Certification Parceria ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDRAISING

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017 AEMB - DEPE PROJETO CURRICULAR DE DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR 2013/2017 O Jardim de Infância é um espaço mágico repleto de cores, sons, onde os grandes aprendem com os pequenos o que é ser realmente grande

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012 With the support of the Lifelong Learning Programme of the European Union Identifying Barriers in Promoting the European Standards and Guidelines for Quality Assurance at Institutional Level IBAR Agreement

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Fisioterapeuta, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA NORUEGA (1) - 2012 JUNIOR ACHIEVEMENT YOUNG ENTERPRISE A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas

Leia mais

A. Informação básica

A. Informação básica JA-YE (1) - 2012 Projeto Empresa Global (GEP) A. Informação básica Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : 11 países europeus Projeto Empresa Global (GEP) Coordenador(a)/ Organização

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA POLÓNIA (1) - 2012 ACADEMIA DOS ALUNOS A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência?

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? VOCÊ SABE O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? Setembro 2014 www.in-formacao.com.pt Formador/a O formador é o técnico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS ANOS LETIVOS: 2014/2015 A 2017-2018 Coordenadora do plano: Maria José

Leia mais

Pós-graduação em Turismo e Gestão Hoteleira

Pós-graduação em Turismo e Gestão Hoteleira Pós-graduação em Turismo e Gestão Hoteleira Acreditamos que a educação é essencial para o desenvolvimento das nações. Trabalhamos em conjunto com os alunos para contribuir para o desenvolvimento de líderes

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Fonoaudiólogo, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo Educação Pré Escolar A Educação Pré-Escolar afigura-se como a primeira etapa da educação básica

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução Procedimento simplificado para avaliação do desempenho dos docentes em regime de contrato a termo - Ano letivo 2011/2012 1. Introdução O presente documento decorre do referido no nº 5 do artigo 30º do

Leia mais

PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA ABRIL DE 2016 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 4 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº1... 6 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº2... 8 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº3... 9 FICHA

Leia mais

Taking relevant professional experience into account

Taking relevant professional experience into account Taking relevant professional experience into account Validation of non-formal and informal learning in the EQUAL-CLASS countries Summary Report Engineers Qualified in Higher Non-University VET Institutions

Leia mais

O curso Tafcity na Escola Superior CDEA ESPANHA

O curso Tafcity na Escola Superior CDEA ESPANHA Newsletter3 - maio 2013 Como parte do projeto TAFCity, o curso piloto já foi traduzido para todas as línguas parceiras e está a ser implementado nos cinco países, entre fevereiro e junho. Cada país tem

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO

TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO 3011 Ano Letivo 20-2016 TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO Uma ajuda a alunos e professores para o tratamento da informação 5º, 6º, 7º e 8º e 9º Anos de escolaridade Amélia Macedo & Bernardete Esteves

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

Projecto Educativo. de Escola

Projecto Educativo. de Escola Projecto Educativo de Escola 2006/2010 Nota Introdutória P.E.E. No seu primeiro ano de implementação 2006/07, com o objectivo de trabalhar os problemas seleccionados: dificuldades sentidas nas relações

Leia mais

A. Informação básica. Estónia (2) Estónia. País : Título da iniciativa :

A. Informação básica. Estónia (2) Estónia. País : Título da iniciativa : Estónia (2) - 2012 Com Inteligência na Web A. Informação básica País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em inglês, se possível)

Leia mais

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA Luísa Correia. Modelos e práticas de Auto-avaliação de Bibliotecas Escolares RBE Outubro/Dezembro 2010 Pressupostos

Leia mais

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção:

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: Projecto de Plano de Actividades do CNE para 2008 Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: - A escola, as suas finalidades, os seus contextos e parceiros; - Currículo

Leia mais

A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO

A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO Comissão Europeia A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO PORTUGAL Ano lectivo 2008/09 O ensino básico em Portugal é obrigatório, universal, gratuito e compreende

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação CARATERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ENVOLVIDOS NA CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES Mobilidade E COOPERAÇÃO PROGRAMA COMENIUS vai mais além NOS TEUS HORIZONTES O Programa COMENIUS A O Programa setorial Comenius, que integra o Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (PALV), visa melhorar

Leia mais

ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL)

ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL) ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL) O ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas, instituto superior politécnico, foi a primeira instituição de ensino superior da Região Autónoma

Leia mais

Regulamento do Programa de Tutorias

Regulamento do Programa de Tutorias Regulamento do Programa de Tutorias Escola Secundária Ferreira Dias, Agualva- Sintra Artigo 1º Competências Específicas O professor tutor tem as seguintes competências: Desenvolver medidas de apoio aos

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA NORUEGA (4) - 2012 A MOCHILA CULTURAL A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2017-2018 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento do 1º ciclo CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO 1º CICLO Enquadramento A avaliação interna das aprendizagens

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

Projecto MIMAR O SOLAR

Projecto MIMAR O SOLAR Equipa Star Wars 1 Projecto MIMAR O SOLAR 2 Projecto Mimar o Solar Apresentação O Projecto MIMAR O SOLAR surge como iniciativa promovida pelo Solar do Mimo Centro de Acolhimento Temporário de Crianças

Leia mais

Uma formação dos professores que vai além dos saberes a serem ensinados

Uma formação dos professores que vai além dos saberes a serem ensinados Uma formação dos professores que vai além dos saberes a serem ensinados Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade de Genebra 2012 Endereços Internet http://www.unige.ch/fapse/sse/teachers/perrenoud/

Leia mais

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e DL 433/2014 2014.10.16 De acordo com as prioridades estabelecidas no programa do XIX Governo Constitucional, o Ministério da Educação e Ciência tem vindo a introduzir alterações graduais no currículo nacional

Leia mais

8096/15 jnt/pbp/ms 1 DG E - 1 C

8096/15 jnt/pbp/ms 1 DG E - 1 C Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de abril de 2015 (OR. en) 8096/15 SPORT 14 EDUC 108 JEUN 32 NOTA de: para: Secretariado-Geral do Conselho Comité de Representantes Permanentes/Conselho n.º doc.

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO Nos termos das disposições constantes da legislação em vigor, o Conselho Pedagógico do Agrupamento de Escolas Garcia de Orta aprovou, em sessão ordinária

Leia mais

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1 GABINETE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO ISAG PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO 31 de Outubro de 2012 A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página

Leia mais

TET-SAT. (Technology Enhanced Teaching Self Assessment Tool) - QUADRO DE CONTEÚDOS -

TET-SAT. (Technology Enhanced Teaching Self Assessment Tool) - QUADRO DE CONTEÚDOS - TET-SAT (Technology Enhanced Teaching Self Assessment Tool) - QUADRO DE CONTEÚDOS - ÁREA 1. PEDAGOGIA DIGITAL 1.1. Planear e implementar o ensino com as TIC (Desenho da Aprendizagem) 1.1.1. Desenvolver,

Leia mais

Obrigações de controlo de fornecedor externo. Reclamações de clientes

Obrigações de controlo de fornecedor externo. Reclamações de clientes Obrigações de controlo de fornecedor externo Reclamações de clientes Nota importante: No caso de fornecedores regulamentados, o fornecedor tem de cumprir todos os requisitos específicos definidos pelo

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

Profa. Dra. Maria Inês Fini

Profa. Dra. Maria Inês Fini Profa. Dra. Maria Inês Fini 1 Um dos maiores desafios a serem enfrentados pelas escolas de educação básica na última década é o estabelecimento de uma política para a educação básica formal no Brasil para

Leia mais

Políticas Educativas: O que há de novo?

Políticas Educativas: O que há de novo? V Congresso Internacional Educação, Inclusão e Inovação Políticas Educativas: O que há de novo? Luísa Ucha Filomena Pereira Lisboa, 8 julho 2017 V Congresso Internacional Educação, Inclusão e Inovação

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA Plano de Formação do Agrupamento 2015/2018 Índice 1. Nota Introdutória... 3 2. Enquadramento do Plano de Formação... 4 3. Diagnóstico... 6 4. Objetivos Gerais...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Edital do Processo de Seleção. Mestrado - Edital 2016/2018

Edital do Processo de Seleção. Mestrado - Edital 2016/2018 ov Oi OASTOANTÓNIO AV OUA 27- PR A n UNTVERSIDADE DE CABO VERDE ESCOLA DE NEGÓCIO E GOVERNAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO E ECONOMIA DA SAÚDE Edital do Processo de Seleção Mestrado - Edital 2016/2018

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 (Aprovado

Leia mais

Uma Rede Europeia de Políticas sobre Competências-Chave na Educação Escolar http://keyconet.eun.org Sobre o projeto KeyCoNet KeyCoNet (2012-14) é uma rede centrada na identificação e análise de iniciativas

Leia mais

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENQUADRAMENTO A relação entre o indivíduo e o mundo que o rodeia, construída numa dinâmica constante com os espaços físico, social, histórico

Leia mais

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Guia de monitorização de impactos Nº Direitos Humanos Guia de monitorização de impactos Aplicá vel à EDP Temas incluídos

Leia mais

PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED

PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED 1 Caracterização da escola e suas concepções sobre avaliação O Colégio de Nossa Senhora da Paz é uma escola do EPC (ensino particular e cooperativo), propriedade da Província Portuguesa das Irmãs de Santa

Leia mais

Modelo de autoavaliação (RBE)

Modelo de autoavaliação (RBE) Modelo de autoavaliação (RBE) B I B L I O T E C A S D O A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E E U G É N I O D E C A S T R O E S C O L A B Á S I C A D E E U G É N I O D E C A S T R O Índice 2 1. Pertinência

Leia mais

Como garantir que as pessoas com Osteoartrite e Artrite Reumatóide recebem os melhores cuidados em toda a Europa: Recomendações da EUMUSC.

Como garantir que as pessoas com Osteoartrite e Artrite Reumatóide recebem os melhores cuidados em toda a Europa: Recomendações da EUMUSC. Como garantir que as pessoas com Osteoartrite e Artrite Reumatóide recebem os melhores cuidados em toda a Europa: Recomendações da EUMUSC.NET Em parceria com a EULAR e 22 centros em toda a Europa Apoiado

Leia mais

Para mudar de página, por favor clique num dos cantos.

Para mudar de página, por favor clique num dos cantos. Para mudar de página, por favor clique num dos cantos. A FEMÉDICA é uma empresa privada de Serviços de Emergência Médica. Constituída em 1997, é hoje das empresas mais antigas e credíveis na sua área

Leia mais

Workshop da CT 150 SC 4 Avaliação do desempenho ambiental

Workshop da CT 150 SC 4 Avaliação do desempenho ambiental Workshop da CT 150 SC 1 Sistemas de gestão ambiental SC 2 Auditorias ambientais SC 3 Rotulagem ambiental SC 4 Avaliação do desempenho ambiental SC 5 Avaliação do ciclo de vida SC 6 Termos e definições

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Biomédico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional da área

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

A. Informação básica

A. Informação básica Bélgica (1) - 2012 Objetivos finais transcurriculares @ 2010 A. Informação básica País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em

Leia mais

CHAVE DO FUTURO. Formativa 2015/16. Oferta. está nas tuas mãos. Ensino Secundário Recorrente. Cursos. Educação e Formação de Adultos.

CHAVE DO FUTURO. Formativa 2015/16. Oferta. está nas tuas mãos. Ensino Secundário Recorrente. Cursos. Educação e Formação de Adultos. A CHAVE DO FUTURO está nas tuas mãos Ensino Secundário Recorrente Cursos Educação e Formação de Adultos Cursos Profissionais Cursos Científico-Humanísticos Cursos Vocacionais Orientar Saberes, Desenvolver

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento I Legislação de referência Os Cursos de Educação e Formação de Adultos, na Região Autónoma da Madeira, regem-se segundo o seguinte Enquadramento Legal:

Leia mais

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 Aprovado em Conselho de Docentes em julho de 2016 Diretora Pedagógica Rosa Cândida Gomes Princípios Orientadores

Leia mais

Plano Plurianual de Atividades

Plano Plurianual de Atividades Plano Plurianual de Atividades 2014-2017 Plano Plurianual de Atividades 2014-2017 2 ÍNDICE Introdução 001 Princípios orientadores do Plano Plurianual. Organização, desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens,

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

RESUMO (SUMMARY IN PORTUGUESE)

RESUMO (SUMMARY IN PORTUGUESE) RESUMO (SUMMARY IN PORTUGUESE) Introdução Empresas que são incapazes de gerenciar adequadamente os impactos sociais de suas operações dificilmente conseguirão obter e manter uma licença social para operar,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Sistema Educativo de Portugal

Sistema Educativo de Portugal Departamento de Ciências da Educação Curso de 1.º Ciclo em Ciências da Educação Unidade Curricular: Educação Comparada Ano lectivo - 2009/2010 2.ºAno 1.º Semestre Sistema Educativo de Portugal Investigação

Leia mais

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3 Índice 1. Princípios orientadores e funções da avaliação 2 2. Objetivos da avaliação 2 3. Processos de avaliação 3 3.1. Diagnóstica 3 3.2. Formativa 3 3.3. Instrumentos de avaliação 4 3.3. Períodos de

Leia mais

Desencadeia motivações profundas, onde os comportamentos são mais importantes que o produto final;

Desencadeia motivações profundas, onde os comportamentos são mais importantes que o produto final; ÁREA DE PROJECTO 12º ANO Ano Lectivo 2008/2009 1. O QUÊ, PARA QUÊ? A Área de Projecto é uma área curricular não disciplinar que faz parte do currículo do 12º ano. Tem uma natureza interdisciplinar e transdisciplinar

Leia mais

Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável ( ): balanço e futuro da mesma

Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável ( ): balanço e futuro da mesma Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014): balanço e futuro da mesma Elizabeth Silva Ponto Focal para a DEDS da Comissão Nacional da UNESCO O que sabemos sobre

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras

Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras Relatório de Atividades Ano Letivo 2013-2014 ÍNDICE Nota Introdutória. 1 1. Cumprimento do Plano Estratégico, do Plano Anual e seus Objetivos.. 2

Leia mais

Autonomia, Flexibilidade e Transversalidade Curricular

Autonomia, Flexibilidade e Transversalidade Curricular Autonomia, Flexibilidade e Transversalidade Curricular 1. As escolas, os professores e as aulas organizam-se em função do aluno médio. 2. Os alunos são nivelados e organizados por turmas fixas 3. Os alunos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de Escolas Dr. José Leite de Vasconcelos Av. Dr. Francisco Sá Carneiro - 3610 134 Tarouca CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1º ANO Ano letivo 2016/2017 AEDJLV - Tarouca (Código

Leia mais

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 238/XII Estabelece o regime de acesso e de exercício da profissão de auditor de segurança rodoviária, de emissão dos respetivos títulos profissionais e de acesso e exercício da atividade de

Leia mais

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016 PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016 O programa Talentos da Educação é uma iniciativa da Fundação Lemann para apoiar pessoas talentosas e comprometidas com a melhoria da educação no Brasil. A proposta é

Leia mais

ANEXO 18 A Regulamento Interno

ANEXO 18 A Regulamento Interno ANEXO 18 A Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014

Leia mais

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês Aprender a ser / Aprender a viver com os outros Pilar de Aprendizagem Aprender a conhecer / Aprender a fazer CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de 2.º Ciclo ED. SETEMBRO DE 2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo

Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo Relatório Final Comissão Europeia, 2014 Sumário executivo Através do presente relatório, a Comissão Europeia pretende apoiar a implementação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA REGULAMENTO PROGRAMA DE ATRIBUIÇÃO DE ESTÁGIOS PARA O ENSINO SECUNDÁRIO E SUPERIOR PREÂMBULO

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA REGULAMENTO PROGRAMA DE ATRIBUIÇÃO DE ESTÁGIOS PARA O ENSINO SECUNDÁRIO E SUPERIOR PREÂMBULO REGULAMENTO PROGRAMA DE ATRIBUIÇÃO DE ESTÁGIOS PARA O ENSINO SECUNDÁRIO E SUPERIOR PREÂMBULO A Educação não se extingue na escola, nem com a escolaridade obrigatória. A Educação adquire-se ao longo da

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA

TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA No relatório Science, Technology and Industry Outlook, publicado em dezembro de 2002, a OCDE afirma que os investimentos em ciência, tecnologia e inovação

Leia mais