Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma"

Transcrição

1 Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma O débito cardíaco Introdução A influência do retorno venoso no débito cardíaco O papel dos barorreceptores Introdução Por estimulação simpática, há um aumento na freqüência cardíaca e uma vasoconstrição das artérias que irrigam o coração. Interrompida a estimulação simpática, há um relaxamento da musculatura cardíaca e uma melhor perfusão arterial para esta musculatura. Na microcirculação, existem esfíncteres pré-capilares que controlam o fluxo sanguíneo para os leitos capilares. A estimulação simpática sobre estas arteríolas faz com que haja a diminuição da perfusão sanguínea para os tecidos. A influência do retorno venoso no débito cardíaco As veias apresentam válvulas, que respondem por uma das suas funções mais importantes na circulação, pois, na ausência de uma pressão distal no sistema circulatório, são as válvulas que garantem o retorno do venoso. Esta é uma adaptação funcional fundamental para o ciclo cardíaco, pois o débito cardíaco só pode ser mantido caso o retorno venoso seja eficiente. Quando um indivíduo encontra-se em posição ortostática, a força da gravidade dificulta o retorno venoso, fazendo com que o enchimento ventricular seja naturalmente menor. Como o débito cardíaco deve ser mantido e há um menor volume diastólico final, deve ser aumentada a freqüência cardíaca. É por isso que, na posição ortostática, a freqüência cardíaca é maior, quando comparada à freqüência de cardíaca de um indivíduo deitado. Desta forma, na posição ortostática, o retorno venoso diminui, porém, como é preciso manter o débito cardíaco num determinado valor, para que possa ser mantida a pressão arterial, o débito cardíaco vai apresentar as seguintes características: 1

2 Menor volume diastólico final e, conseqüentemente, o volume sistólico também será menor; Maior freqüência cardíaca. O papel dos barorreceptores São os barorreceptores que detectam a queda de pressão, ocasionada pela diminuição do débito cardíaco, e promovem uma resposta simpática, que desencadeia as seguintes conseqüências hemodinâmicas: 1. Aumento da freqüência cardíaca; 2. Aumento no inotropismo, ou seja, a força de contração miocárdica; 3. Aumento da resistência vascular periférica devido a uma vasoconstrição arteriolar; 4. Vasoconstrição venular, para que seja aumentado o retorno venoso. Os eventos fisiológicos durante o exercício físico No exercício físico, o mecanismo metabólico produz uma grande vasodilatação na musculatura em atividade. Conseqüentemente, há uma tendência natural de queda de pressão, uma vez que há uma menor resistência vascular, provocada pelo mecanismo metabólico. Os barorreceptores integram então uma alça de retro-alimentação negativa, corrigindo a pressão. É curioso notar que, enquanto o mecanismo metabólico promove vasodilatação, a alça reflexa barorreceptora promove vasoconstrição. Porém, enquanto o mecanismo metabólico atua apenas nos músculos submetidos ao exercício, a alça reflexa, desencadeada pelos barorreceptores, promove uma vasoconstrição no restante do organismo. Ou seja, enquanto nos demais músculos que não se encontram em atividade e nas vísceras, em geral, é promovida uma vasoconstrição, nos músculos em exercício, que também sofrem a influência simpática, ocorre o contrário, ou seja, o mecanismo metabólico patrocina uma vasodilatação. Durante o exercício dinâmico, a resistência vascular periférica total, de um modo geral, cai, ou seja, descontando-se todos os vasos que sofrem constrição e todos aqueles que sofrem dilatação. Sendo assim, a vasodilatação metabólica ocorrida durante o exercício é maior que a estimulação simpática. 2

3 Considerando-se a queda da resistência periférica total no exercício dinâmico é de se esperar que a pressão arterial também caia. Porém, o que se observa durante o exercício dinâmico é que há um aumento na pressão arterial, pois o débito cardíaco aumenta proporcionalmente mais do que diminui a resistência vascular periférica. Como resultado desta proporcionalidade, há um aumento na pressão arterial, que é uma situação absolutamente normal durante o exercício físico. Durante o exercício físico, há uma vasoconstrição do sistema venoso, favorecendo o retorno sanguíneo para o coração e, conseqüentemente, favorecendo o débito cardíaco. Sendo assim, existe um conceito fundamental relacionado ao exercício dinâmico, que é chamado coração periférico, que consiste na contração rítmica da musculatura dos membros inferiores, capaz de produzir a compressão das veias profundas, elevando a pressão no seu interior e promovendo o deslocamento do sangue. Este retorno é garantido, pelo sistema de válvulas que impedem o refluxo do sangue, no interior das veias. O débito cardíaco é uma conseqüência da atividade metabólica e não o contrário. Sendo assim, não é o coração que determina o débito, mas a necessidade dos tecidos, que se fazem expressar através dos mecanismos metabólicos que produzem: Vasodilatação local; Diminuição da resistência vascular, aumentando o fluxo local; Aumento do retorno venoso; Condicionamento do coração a aumentar o débito cardíaco compulsoriamente. O mecanismo de Frank-Starling Existe um mecanismo intrínseco cardíaco que permite o aumento do débito, quando há um maior retorno venoso. Este mecanismo é denominado de Frank- Starling. Estes pesquisadores observaram que o coração, independente de qualquer estímulo externo neural ou hormonal, quando submetido ao estiramento de suas paredes musculares, é capaz de promover uma contração naturalmente mais vigorosa, aumentando, conseqüentemente, o volume sistólico do ciclo e o volume diastólico do ciclo. Segundo o mecanismo de Frank-Starling, quanto maior o enchimento, maior será a ejeção. O coração conta com dois mecanismos que são capazes de interferir na sua automaticidade e na sua ritmicidade. O coração é capaz de gerar estímulos 3

4 automaticamente, mas também é capaz de gerar estímulos rítmicos, com uma freqüência razoavelmente regular ao longo do tempo, gerando fluxo sanguíneo independente de inervação. Indivíduos que receberam transplantes cardíacos, onde o coração é completamente desnervado, são até capazes de se exercitar, porém apresentam uma resposta mais lenta, ou seja, a freqüência cardíaca se eleva mais lentamente. Nestes indivíduos, há uma vasodilatação estimulada pelo mecanismo metabólico, onde ocorrerá um maior retorno venoso por estimulação simpática. Conseqüentemente, haverá um aumento no volume diastólico final, quando é aumentada a força de contração e bem como há um aumento no débito cardíaco, através do mecanismo de Frank-Starling. Os conceitos de pré-carga e pós-carga A fração de ejeção sofre influência das chamadas pré-carga e pós-carga. Como pré e pós-carga entende-se como a dificuldade de ejeção do sangue enfrentada pelo ventrículo, sendo que a pré-carga está relacionada ao momento antes da ejeção, e a pós-carga ao momento durante a ejeção. A pré-carga pode ser medida como o volume diastólico final, ou seja, quanto maior o enchimento, maior será a quantidade de sangue ejetado, ou seja, a pré-carga será aumentada. Quando se aumenta a pré-carga, normalmente há um aumento da ejeção de sangue. A pós-carga deve ser entendida como sendo a dificuldade enfrentada pelo ventrículo, durante o processo de ejeção. Quanto maior a pressão arterial, maior é a pós-carga, ou seja, mais difícil é a ejeção. Na verdade, o fator que mais interfere na pós-carga é a resistência vascular periférica, porém como não se pode medir a resistência vascular periférica, utiliza-se, como parâmetro para avaliar a resistência oferecida à pós-carga, a pressão arterial. Sendo assim, quando a resistência vascular periférica é aumentada, há um conseqüente aumento na pós-carga, ou seja, para o mesmo volume de ejeção é necessário empreender uma força muito maior. Com relação ao efeito da pré-carga sobre a ejeção, quanto maior a pré-carga, pelo mecanismo de Frank-Starling, maior será a distensão das paredes ventriculares e, conseqüentemente, maior a ejeção. 4

5 Volumes sistólico e diastólico Entende-se como fração de ejeção o percentual do volume diastólico final que foi ejetado, e a pré-carga como o enchimento medido pelo volume diastólico final e que tem um reflexo direto no volume de ejeção seguinte. O volume sistólico é o volume diastólico final subtraído do volume sistólico total, quanto maior o volume diastólico final, maior será a ejeção. Considerando um indivíduo que está sendo submetido a um ecocardiograma e que o volume sistólico seja o mesmo, tanto com o indivíduo deitado, como em pé, como poderia ser descrita a relação entre o volume diastólico final e o volume sistólico nas duas posições corporais? Quando o indivíduo encontra-se de pé, o retorno venoso é mais dificultado, fazendo com que o volume diastólico final seja reduzido, e causando, conseqüentemente, uma diminuição no volume sistólico. Sendo assim, o volume sistólico final permanecerá o mesmo. Considerando-se que o mecanismo intrínseco de controle do débito cardíaco foi desenvolvido para que se pudesse manter o volume sistólico final, ou seja, para que o sangue não fique acumulado, com a chegada de grande quantidade de sangue, há um maior bombeamento e, na situação inversa, bombeia-se pouco sangue, para que seja preservado o mesmo volume sistólico final. Insuficiência cardíaca Introdução A estimulação barorreflexa na insuficiência cardíaca A influência da renina na insuficiência cardíaca Insuficiência cardíaca diastólica Introdução Quando se considera um coração com insuficiência na contração, a sua capacidade mecânica de gerar pressão estará diminuída, ou seja, este coração não ejeta o volume sistólico que se deveria esperar numa situação fisiológica. Conseqüentemente, nestas condições, o volume sistólico final será maior, ou seja, o indivíduo encontra-se num estado de congestão. Haverá uma maior dificuldade para o retorno venoso, ou seja, o coração estando mais fraco, com a chegada do sangue, há uma pequena ejeção e, no 5

6 final da sístole, o volume sistólico final é elevado, fazendo com que o indivíduo fique congesto. Este indivíduo apresenta uma debilidade na ejeção, ou seja, há um volume sistólico final elevado e, quando vai chegando o retorno venoso, este encontra uma maior resistência à sua chegada. Considerando-se o coração esquerdo, uma dificuldade no retorno venoso, oriundo dos pulmões, pode levar o indivíduo a um quadro de edema agudo pulmonar. Um paciente que se queixa de falta de ar, apresenta edema nos membros inferiores e é hipertenso, apresenta claramente uma clínica de insuficiência cardíaca. Quando este paciente dorme, ele chega a acordar duas a três vezes por noite para ir ao banheiro urinar, porém, durante o dia, ele não chega a urinar nenhuma vez. Este quadro é chamado de nictúria, ou seja, o aumento da micção à noite. Durante o dia, como este paciente tem um baixo débito, a filtração glomerular é diminuída, porém, à noite, quando ele permanece deitado, todo o edema que estava alojado no interstício, volta à circulação, provocando uma expansão volêmica e, conseqüentemente, uma maior perfusão glomerular, fazendo com que haja uma maior filtração. Este é o paradigma miocárdico da insuficiência cardíaca. A estimulação barorreflexa na insuficiência cardíaca Na insuficiência cardíaca, o débito cardíaco é diminuído, pois o coração está fraco; sendo assim, a tendência natural é que a pressão também esteja diminuída. Com isso, há uma estimulação barorreflexa, fazendo com que haja um aumento na freqüência cardíaca do indivíduo, provocada por uma hiper-estimulação simpática. Há, então, uma vasoconstrição generalizada, provocando palidez nas extremidades corpóreas, uma hiper-estimulação esplâncnica, uma maior dificuldade na perfusão renal e uma congestão sistêmica, provocando, dentre outros sintomas, uma hepatomegalia, que por sua vez acarreta na compressão no estômago, edema pulmonar e edema sistêmico. Uma hiper-estimulação simpática faz com que haja um aumento da resistência vascular periférica, que, do ponto de vista do trabalho do coração, gera um impacto na pós-carga, pois a ejeção do ventrículo está dificultada. Sendo assim, uma hiperestimulação simpática faz com haja um aumento na pós-carga, conduzindo para um quadro progressivo de piora do paciente. Uma fração de ejeção de 60% é algo considerado como fisiologicamente normal, porém, em uma situação de hipervolemia ou de insuficiência na válvula mitral, o ventrículo terá uma fração de ejeção menor, levando a uma insuficiência cardíaca. Desta 6

7 forma, uma insuficiência cardíaca não necessariamente guarda uma relação com uma deficiência muscular dos ventrículos. A influência da renina na insuficiência cardíaca Numa miocardiopatia chagásica, há um processo inflamatório que lesa a musculatura cardíaca. Nesta situação, há uma tendência de queda da pressão, pois o volume sistólico ficou abaixo do normal. A partir deste momento, é disparado o mecanismo barorreflexo que tende a corrigir a pressão. O indivíduo se encontra taquicárdico, com uma resistência vascular periférica aumentada, portanto com uma pós-carga elevada e perfusão renal baixa. Com uma baixa perfusão renal, há o estímulo na produção de uma enzima denominada renina, produzida por uma região renal denominada justaglomerular, que percebe a perfusão renal e também recebe estimulação adrenégica. A renina tem como função básica, transformar o angiotensinogênio em angiotensina I, um vasoconstritor importante. Esta angiotensina I é instável e catalisada pelas células endoteliais, particularmente pulmonares, sendo transformada em angiotensina II, um potente vasoconstritor, que faz aumentar ainda mais a pós-carga. A angiotensina II também está relacionada com a liberação de aldosterona, que promove a reabsorção de sódio, expandindo a volemia. O aumento da pós-carga e da volemia, faz com que este indivíduo, que apresenta uma deficiência na musculatura cardíaca, tenha mais dificuldade ainda em processar adequadamente o ciclo cardíaco. Insuficiência cardíaca diastólica No passado, acreditava-se que uma insuficiência cardíaca só poderia ser causada por uma deficiência sistólica, ou seja, a insuficiência cardíaca somente ocorreria quando o músculo cardíaco estivesse fraco, não conseguindo então empurrar o sangue, na taxa que a demanda metabólica exige. Porém, atualmente, quase que na metade dos casos de queixa de insuficiência cardíaca, a contração ventricular encontra-se normal. O que pode estar ocorrendo é que não está havendo um relaxamento ventricular adequado, ou seja, não se está permitindo o enchimento adequado dos ventrículos. Sendo assim, passa a ocorrer um retorno venoso mais dificultado, uma hipertensão sistêmica e pulmonar, num quadro denominado de insuficiência cardíaca diastólica, pois a dificuldade não está na contração da musculatura, mas sim no seu relaxamento. Este relaxamento vai proporcionar a ausculta das 3ª e 4ª bulhas cardíacas, pois, tanto o sangue vai bater mais fortemente nas paredes ventriculares, quanto o próprio sangue que chega dos átrios 7

8 vai bater no sangue que já existe no ventrículo. O indicado para estes indivíduos é incluir atividade físicas controladas, diminuir a ingestão de sal, parar de fumar, dentre outras medidas. Na hipertensão arterial, o aumento da tensão intramiocárdica pode fazer com que o indivíduo tenha um ventrículo hipertrofiado, porém com uma complacência diminuída. Este coração contrai muito bem, porém não relaxa o suficiente para receber o sangue. Medicamentos utilizados na insuficiência cardíaca Diuréticos β-bloqueadores Cardiotônicos IECA (inibidores da enzima conversora da angiotensina) Diuréticos Além das medidas de modificação do comportamento, podem ser utilizados medicamentos para tratar a insuficiência cardíaca. O primeiro a ser destacados são os diuréticos, que tem como função diminuir a volemia e, conseqüentemente, diminuir o volume diastólico final. Caso o indivíduo interrompa o tratamento, ele passa a manifestar hepatomegalia, edema generalizado e falta de ar. Na posição em decúbito, ocorrerá uma piora do quadro, pois haverá um aumento do retorno venoso. β-bloqueadores Além da diminuição da volemia, pode ser diminuída a freqüência cardíaca, pois ela está sendo ativada pelo barorreflexo, que é uma conseqüência do baixo débito. Sendo assim, há uma ativação do sistema simpático que pode ser inibida pelo uso de uma droga β-bloqueadora, como o Propanolol, que proporciona, assim, uma diminuição da atividade simpática. Ao longo do tempo, pôde-se perceber que o problema da insuficiência cardíaca não estava concentrada na questão do ventrículo enfraquecido, mas também no contexto da ativação simpática, envolvida num quadro típico de insuficiência cardíaca. Por isso, no passado, havia um consenso de que se deveria contra-indicar o uso de β- 8

9 bloqueadores para o tratamento de insuficiência cardíaca. Atualmente, percebe-se que os β-bloqueadores podem atuar diminuindo a estimulação simpática, que é extremamente prejudicial num quadro de insuficiência cardíaca. Cardiotônicos Além dos diuréticos e dos β-bloqueadores, podem ser utilizados os cardiotônicos ou medicamentos que atuam inibindo a bomba de sódio-potássio. A bomba de sódio-potássio está envolvida com a eliminação de sódio e incorporação de potássio para dentro da célula. Uma vez inibida a bomba de sódio-potássio, haverá uma maior concentração de sódio no interior da célula, que atua como um potente estímulo para uma outra proteína de membrana, envolvida na troca de sódio e cálcio. Como conseqüência, há um aumento na concentração de cálcio, fato que promove a contratilidade das fibras musculares cardíacas. Sendo assim, este medicamento faz aumentar a força de contração muscular. IECA (inibidores da enzima conversora da angiotensina) Outro tipo de medicamento são os bloqueadores de uma importante alça reflexa neuro-humoral, ou seja, aquele mecanismo que percebe uma baixa perfusão renal e promove a liberação de renina; esta enzima vai converter o angiotensinogênio em angiotensina I. Sendo assim, utiliza-se um medicamento que tenha como função bloquear a enzima conversora da angiotensina I em angiotensina II, diminuindo a síntese de angiotensina II, que é responsável por provocar vasoconstrição. A ECA enzima conversora da angiotensina, não deveria ter este nome, pois ela não tem apenas esta função; além de converter a angiotensina I em angiotensina II, também degrada a bradicinina, que tem como função produzir vasodilatação. É curioso notar que a mesma enzima que catalisa a formação de um potente vasoconstritor, é também responsável pela inativação de um potente vasodilatador. O nome correto para a ECA deveria ser cininase II, porque ela degrada cininas. Sendo assim, ao inibir a ECA, é possível se inibir tanto a formação de angiotensina, quanto é possível manter-se uma concentração baixa de bradicinina, tendo como efeito a inibição da vasoconstrição, portanto, a inibição da pós-carga e a facilitação da ejeção ventricular. Não se pode adotar medicamentos que enfraqueçam a força de contração, ou mesmo um medicamento que promova uma hipervolemia. 9

10 Os eventos do ciclo cardíaco Quando a pressão no interior dos ventrículos ultrapassa a pressão no interior dos átrios, ocorre o fechamento das válvulas A-V, quando é produzido o som da 1ª bulha cardíaca (B 1 ). A 1ª bulha cardíaca marca o início da sístole; Após o fechamento das válvulas A-V, os ventrículos começam a contrair, marcando o início da fase contração isovolumétrica; Quando a pressão do ventrículo fica superior à pressão na aorta, ocorre a ejeção; Quando cessa a ejeção, a pressão no ventrículo fica menor que a pressão no interior da aorta, fazendo com que se fechem as válvulas semilunares, produzindo um som denominado 2ª bulha cardíaca (B 2 ), marcando o início da diástole. Tem início o período de relaxamento isovolumétrico; Quando a pressão no ventrículo fica menor que a pressão no interior dos átrios, há a abertura das válvulas A-V, ocorrendo o enchimento ventricular passivo. Se, neste momento, a parede ventricular apresentar baixa complacência, será produzido um som característico denominado de 3ª bulha cardíaca (B 3 ). Enquanto nos ventrículos ocorre uma grande variação de pressão, nos átrios esta variação é pequena. O eletrocardiograma O eletrocardiograma nada mais é que um registrador de voltagens, colocado na superfície do corpo e que vai determinar os eventos elétricos, pelos quais passa o coração. O eletrocardiograma registra as ondas de despolarização; como o coração se organiza como um sincício, ocorre uma massa de despolarização tanto atrial, quanto ventricular. No eletrocardiograma, podem ser percebidas ondas de despolarização, e ondas de repolarização. 10

11 A onda P representa a despolarização atrial, ou seja, ela registra o momento em que acontece a contração atrial. Em seguida este estímulo vai passar pelo nodo A-V, não podendo ser detectado no eletrocardiograma, produzindo uma linha isoelétrica, que fica entre a onda P e o complexo QRS. O complexo QRS representa a despolarização do ventrículo, enquanto a onda T representa a repolarização do ventrículo, que acontece ao final do período de ejeção. O tamanho da onda é determinado pelo conjunto dos potenciais de ação que acontecem numa determinada área. Caso a amplitude da onda seja muito grande, significa dizer que pode haver uma hipertrofia cardíaca, como ocorre num indivíduo com hipertensão ou em um atleta que apresenta uma hipertrofia fisiológica. Num indivíduo que sofreu um infarto, a amplitude da onda elétrica é menor, ou seja, um indivíduo infartado raramente vai apresentar uma onda R muito grande. Entre a onda P e o complexo QRS, o estímulo elétrico está passando pelo nodo átrio-ventricular. Nem sempre é possível observar a onda Q, pois ela representa a despolarização da 1ª parte do ventrículo, correspondendo à região do septo. Dependendo da posição da derivação, não é possível se perceber esta onda. Porém, a onda R vai ser sempre percebida, pois ela representa a despolarização da parede dos ventrículos. Um indivíduo com febre reumática apresenta uma fibrose na válvula mitral, que passa então a não fechar adequadamente, caracterizando uma lesão oro-valvular que se denomina insuficiência mitral. Esta lesão vai acelerar o fluxo, produzindo um sopro durante a sístole, mais especificamente entre B 1 e B 2. 11

12 Um indivíduo que possua uma estenose aórtica, ou seja, um estreitamento que vai também produzir um sopro. Quando ocorre a abertura de uma válvula aórtica, produz-se então um sopro durante a sístole, ou seja, entre B 1 e B 2. No lado direito, poderia estar ocorrendo uma insuficiência da válvula tricúspide ou estenose na pulmonar, considerando-se os mesmos eventos. Sendo assim, estes 4 eventos distintos provocam sopros durante a sístole. O processo de fibrilação Quando se diz que um indivíduo apresenta uma fibrilação, significa sua musculatura contrai com pouca amplitude e com uma freqüência muito elevada, ou seja, se contrai de maneira desorganizada. Na fibrilação atrial, ao invés de um ponto gerar um estímulo cardíaco e o potencial de ação disparar por todos os átrios, vários pontos disparam estímulos que se propagam por uma curta distância fazendo com que os átrios fiquem fibrilando. A conseqüência prática deste fenômeno é que os átrios não vão contribuir para o enchimento dos ventrículos na diástole. Como são gerados centenas ou milhares de estímulos por minuto, estes estímulos ficam bombardeando o nódulo A-V, que, além de impedir a contração atrial organizada, acabam gerando uma irregularidade muito grande nos chamados intervalos R-R. Os intervalos R-R, são aqueles compreendidos entre ondas R sucessivas, ou seja, o período cardíaco. É como medir o tamanho do ciclo cardíaco, ao invés de se medir a quantidade de batidas por minuto. Uma onda R corresponde a uma despolarização ventricular, correspondendo a uma onda de pressão. Quanto maior o intervalo R-R, menor será a freqüência cardíaca. Na fibrilação atrial, os intervalos R-R são extremamente irregulares, ou seja, uma freqüência cardíaca muito irregular, produzindo uma ausculta totalmente anárquica, apresentando ciclos mais longos conjugados com ciclos mais curtos. O coração é constituído por um tecido conjuntivo que forma a sustentação orovalvular, pelas fibras cardíacas propriamente ditas e por um tecido especializado de condução com células que se parecem mais com células contráteis do que com células nervosas. Estas células apresentam características eletrofisiológicas fundamentais ao ciclo cardíaco, que são a automaticidade e a ritmicidade. As células do nodo sinusal, do nodo átrio-ventricular, as células do feixe de Hiss e as células das fibras de Purkinje possuem automaticidade e a ritmicidade, enquanto as células miocárdicas 12

13 propriamente ditas não, ou seja, elas apresentam um potencial de repouso estável. As células dos tecidos especializados de condução possuem uma progressiva modificação da sua permeabilidade ao potássio. Apenas vai ocorrer a contração quando houver um potencial de ação, quando houver uma perturbação elétrica de magnitude tal que dispare a contração da fibra muscular. Durante a diástole, ocorre uma despolarização diastólica que não tem representação mecânica, representando uma fase da automaticidade daquele ventrículo. Quando é atingido o limiar de excitação é que haverá a contração das fibras. É por isso que o marca-passo fisiológico do coração é o nodo sinusal. A despolarização diastólica é um fenômeno diferenciado, pois este é um fenômeno regional, que faz com que seja atingido o limiar de excitação, permitindo que se processe o ciclo cardíaco. A freqüência cardíaca e sua medição A freqüência intrínseca do coração é de cerca de 100 batimentos por minuto. Como o coração está continuamente submetido aos fatores neurais e hormonais, a freqüência no repouso é cerca de 60 batimentos por minuto, ou seja, durante o repouso, predomina o tônus parassimpático. Na ausência do nodo sinusal, quem assume o controle autonômico é o nodo A- V, com uma freqüência de aproximadamente 70 a 50 bpm. Na ausência do nodo A-V, assume o feixe de Hiss, com uma freqüência de 40 a 30 bpm. Na ausência do feixe de Hiss assumem as fibras de Purkinje com uma freqüência de cerca de 20 bpm. Neste processo de substituição, pode haver um momento onde o estímulo autonômico não seja suficiente para gerar um débito adequado, exigindo a implantação de um marca-passo artificial. Com relação ao eletrocardiograma são fundamentais os seguintes conceitos: Onda P: despolarização atrial Complexo QRS: despolarização ventricular Onda T: repolarização ventricular Quanto maior o intervalo R-R, menor a freqüência cardíaca. Normalmente se padroniza a velocidade do deslocamento no papel do eletrocardiograma em 25 mm/s. Sendo assim, é possível aferir a freqüência cardíaca avaliando um eletrocardiograma. Como o papel corre a uma velocidade de 25 mm/s, e 13

14 se está ocorrendo um intervalo R-R a cada 25 mm, significa dizer que o coração está batendo uma vez a cada segundo, perfazendo um total de 60 bpm. O papel do eletrocardiograma é um papel milimetrado, tendo a cada 5 mm uma linha mais grossa, de maneira que a cada 5 quadrados tem-se 1 segundo. Se o intervalo entre uma onda R e a próxima deixa de ser de 5 quadrados, ou seja, 25 mm, significa dizer que o coração está batendo a uma freqüência maior que 60bpm. Para se calcular a freqüência cardíaca a partir do exame do eletrocardiograma deve ser feita uma regra de três. 14

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco O músculo cardíaco Introdução As variedades de músculos cardíacos O músculo cardíaco como um sincício O longo potencial de ação e o seu platô no músculo cardíaco Introdução O coração pode ser considerado

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração Objetivos Descrever a estrutura do sistema circulatório. Descrever o ciclo cardíaco e o sistema de condução cardíaca. Citar os mecanismos de controle da atividade cardíaca. A FUNÇÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

Sistema cardiovascular

Sistema cardiovascular Roteiro: Sistema cardiovascular Organizacao do sistema circulatorio coracao, arterias, veias fluxo sanguineo: coracao, tecidos, pulmao, coracao Bomba cardiaca musculo cardiaco e contracao funcionamento

Leia mais

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA 26 2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA O coração normal (Figura 2), é um órgão predominantemente muscular que funciona como uma bomba de ejeção pulsante. A sua função é ejetar o sangue para o sistema

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório ANATOMIA HUMANA II Sistema Circulatório Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Circulatório Conceito Função Divisão Sistemacardiovascular Sistemalinfático 1 CONCEITO O sistema cardiovascular é responsável

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T3 Nesta aula irá estudar-de o ciclo cardíaco (diástole, sístole, pressão sanguínea e arterial) e os meios utilizados para o diagnóstico e prevenção de anomalias que possam

Leia mais

ASPECTOS MORFOLÓGICOS

ASPECTOS MORFOLÓGICOS INTRODUÇÃO GERAL À FISIOLOGIA CARDÍACA CONCEITO O coração é um órgão único, muscular, localizado na região mediastínica, levemente deslocado à esquerda do plano mediano, que possui como principal função

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR.

REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR. REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR. INTRODUÇÃO Como somos complexos seres multicelulares e como todas as nossas células, enquanto vivas, desempenhando suas funções, necessitam constantemente

Leia mais

( ) A concentração intracelular de íons cálcio é o grande determinante da força de contração da musculatura cardíaca.

( ) A concentração intracelular de íons cálcio é o grande determinante da força de contração da musculatura cardíaca. Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul Exercícios: Fisiologia do Sistema Cardiovascular (parte III) 1. Leia as afirmativas abaixo e julgue-as verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) A concentração

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

Sistema de formação e condução de estímulos no coração. Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração

Sistema de formação e condução de estímulos no coração. Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração Sistema de formação e condução de estímulos no coração Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração O sistema condutor Nodo sinusal Potencial de repouso 55 a 60mV Os canais

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante Semiologia Cardiovascular B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico Por Gustavo Amarante 1 Bulhas Acessórias (B3 e B4) A) Revisão do Ciclo Cardíaco e Posição das Bulhas Para entender as bulhas acessórias,

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular.

Fisiologia Cardiovascular. 3 Fisiologia Cardiovascular. 56 - VOL I - FUNDAMENTOS DA CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA A aplicação prática da circulação extracorpórea, inclui uma série de procedimentos repetitivos que podem parecer simples

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. Insuficiência Mitral. Por Matheus Vieira Gonçalves

Semiologia Cardiovascular. Insuficiência Mitral. Por Matheus Vieira Gonçalves Semiologia Cardiovascular Insuficiência Mitral Por Matheus Vieira Gonçalves 1- Etiologia O aparelho da valva mitral consiste dos folhetos valvares, da cordoalha tendínea, dos músculos papilares e do anel

Leia mais

CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE A ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL E A FISIOLOGIA DO APARELHO CARDIOVASCULAR

CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE A ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL E A FISIOLOGIA DO APARELHO CARDIOVASCULAR Página 1 de 16 Universidade de Brasília Faculdade de Medicina Laboratório Cardiovascular - Área de Clínica Médica Serviço de Cardiologia do Hospital Universitário de Brasília CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA () Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo FLUXO DE CORRENTE NO TÓRAX Traçado típico de um normal 1 mv 0,20 s DERIVAÇÕES

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Introdução ao Eletrocardiograma ACD: Damito Robson Xavier de Souza Enganoso é o

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA. Profº Enf Eduwaldo Araújo Ferreira

ELETROCARDIOGRAMA. Profº Enf Eduwaldo Araújo Ferreira ELETROCARDIOGRAMA História do Eletrocardiograma A história do eletrocardiograma (ECG) remonta ao século XIX Acredita-se que o primeiro registro de de ECG tenha sido realizado em 1872, por Alexander Muirhead

Leia mais

O SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA

O SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA O SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA Classicamente, o sistema renina-angiotensina-aldosterona (S-RAA) é descrito como um eixo endócrino no qual cada componente de uma cascata é produzido por diferentes

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS CARDIOVASCULAR Coração Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes O Exame Físico do Coração Neste módulo estudaremos o exame físico do sistema cardiovascular, estabelecendo relações com a fisiologia, anatomia

Leia mais

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma (ECG) é o registro das forças INTERPRETAÇÃO BÁSICA DO ELETROCARDIOGRAMA elétricas produzidas pelo coração. O corpo age como um condutor gigante de corrente elétricas.

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Disciplina: FARMACOLOGIA Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira www.easo.com.br Ano: 2008 APOSTILA Nº 10

Disciplina: FARMACOLOGIA Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira www.easo.com.br Ano: 2008 APOSTILA Nº 10 Disciplina: FARMACOLOGIA Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira www.easo.com.br Ano: 2008 1 APOSTILA Nº 10 FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Introdução. A

Leia mais

Estenose Mitral. Definição e Etiologia

Estenose Mitral. Definição e Etiologia Estenose Mitral Definição e Etiologia A estenose da válvula mitral é um estreitamento da abertura da válvula mitral que aumenta a resistência ao fluxo da corrente sanguínea do átrio esquerdo para o ventrículo

Leia mais

Assistência de enfermagem aos portadores de afecções do sistema cardiovascular: Insuficiência Cardíaca Congestiva e Edema Agudo de Pulmão

Assistência de enfermagem aos portadores de afecções do sistema cardiovascular: Insuficiência Cardíaca Congestiva e Edema Agudo de Pulmão Assistência de enfermagem aos portadores de afecções do sistema cardiovascular: Insuficiência Cardíaca Congestiva e Edema Agudo de Pulmão Profa. Ms Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Insuficiência Cardíaca

Leia mais

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA Aneurisma: dilatação e protusão localizada da parede de um vaso (principalmente artéria) ou do coração, decorrente de uma fragilidade estrutural local. Angina: também

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul AS BASES FISIOLÓGICAS

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica O QUE É CATETERISMO CARDÍACO? O Cateterismo Cardíaco é um procedimento realizado com o objetivo de diagnosticar e/ou tratar inúmeras patologias

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. Estenose Aórtica. Por Gustavo Amarante

Semiologia Cardiovascular. Estenose Aórtica. Por Gustavo Amarante Semiologia Cardiovascular Estenose Aórtica Por Gustavo Amarante 1- Etiologia A obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo na maioria das vezes localizase na valva aórtica. Mas pode haver obstrução

Leia mais

Insuficiência cardíaca congestiva

Insuficiência cardíaca congestiva Insuficiência cardíaca congestiva Insuficiência cardíaca congestiva (ICC), também conhecida como insuficiência ventricular esquerda ou somente insuficiência cardíaca, é uma condição fisiopatológica na

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

Reologia e Mecanismos de Edema

Reologia e Mecanismos de Edema Conceitos Reologia é o estudo do fluxo. Um aspecto importante a ser considerado é a viscosidade sanguínea, que diz respeito à maior ou menor facilidade de fluxo, maior ou menor atrito durante o fluxo sanguíneo.

Leia mais

1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão corretas, com exceção de:

1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão corretas, com exceção de: Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul Exercícios: Fisiologia do Sistema Cardiovascular (parte I) 1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão

Leia mais

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA O defeito

Leia mais

Principais Arritmias Cardíacas

Principais Arritmias Cardíacas Principais Arritmias Cardíacas Arritmia É qualquer mudança na freqüência ou configuração das ondas individuais do eletrocardiograma. Chamamos de arritmias cardíacas toda alteração na condução elétrica

Leia mais

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10 Thyaggo Raphaell 1. Baseado nas propriedades ondulatórias de transmissão e reflexão, as ondas de ultrassom podem ser empregadas para medir a espessura de vasos sanguíneos. A figura a seguir representa

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR ELETROCARDIOGRAMA Professor : Elton Chaves Do ponto de vista funcional, o coração pode ser descrito como duas bombas funcionando separadamente cada uma trabalhando de forma particular e gerando pressões

Leia mais

META Oferecer ao aluno os meios necessários para o entendimento das funções do sistema cardiovascular.

META Oferecer ao aluno os meios necessários para o entendimento das funções do sistema cardiovascular. FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Aula 9 Márcio Roberto Viana dos Santos Lucindo José Quintans Júnior META Oferecer ao aluno os meios necessários para o entendimento das funções do sistema cardiovascular.

Leia mais

AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ. José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br

AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ. José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ ÇÃO O DIASTÓLICA DO VE José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br Funçã ção o Diastólica Normal... A capacidade de enchimento ventricular esquerdo o suficiente

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Funções: Transportar Nutrientes e oxigênio as células; Retirar resíduos do metabolismo; Defender o organismo contra substâncias estranhas e microorganismos. Características Sistema fechado; Constituído

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Cardiologia Veterinária

Cardiologia Veterinária V e t e r i n a r i a n D o c s Cardiologia Veterinária Introdução Anatomia Valva Atrioventricular Esquerda, Mitral ou Bicúspide Veias Pulmonares Veia Cava Cranial Veia Cava Caudal Valva Atrioventricular

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana Daniela Brum Sistema Circulatório Sistema Cardiovascular e Sistema linfático Coração e vasos 3 túnicas Constituição Coração Artérias Capilares Veias Capilares

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL. Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12

EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL. Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12 EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12 OBJETIVOS 1) Revisar Eletrofisiologia Cardíaca 2) Compreender o ECG - Quanto aos valores - Quanto à técnica - Quanto às derivações

Leia mais

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta?

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Como as fezes são formadas? Como a urina é formada no nosso corpo? Sistema Cardiovascular Funções Gerais: Transporte de nutrientes,

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório Nélia Luciana Pires Plano de intervenções

Leia mais

Turmas 1 e 2 2T Aula introdutória. 13:30 às 15:10 29/02/2012 Prático: Turmas 1 e 2 2P Organização de grupos para seminários

Turmas 1 e 2 2T Aula introdutória. 13:30 às 15:10 29/02/2012 Prático: Turmas 1 e 2 2P Organização de grupos para seminários Estrutura e Função de Tecidos e Órgãos II (CBI 706) Cronograma do módulo Fisiologia do Sistema Cardiovascular Medicina 2012 Prof. Dr. Mauro César Isoldi Primeira semana 2T Aula introdutória 29/02/2012

Leia mais

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados - O que são palpitações cardíacas? A palpitação ocorre quando passamos a perceber os batimentos cardíacos ECG demonstrando batimento

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. André Maia

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. André Maia SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. André Maia Nosso sistema circulatório, como o dos outros vertebrados, e fechado, isto e, o sangue circula sempre dentro dos vasos sanguíneos, bombeado por contrações rítmicas

Leia mais

Sistemas de monitorização em UTI

Sistemas de monitorização em UTI Sistemas de monitorização em UTI # Monitorização cardíaca não invasiva; # Noções básicas de eletrocardiograma; Monitorizar visualização freqüente e repetida das variáveis fisiológicas Logo: Prevenir, Avisar,

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

Dissecação de um coração de mamífero

Dissecação de um coração de mamífero Índice Introdução... 3 / 4 Material... 5 Material Biológico... 5 Procedimento... 5 Desenho... 6 Discussão... 7 Conclusão... 7 Bibliografia... 8 Anexos... Ilustrações... 9 / 10 Doenças Cardiovasculares...

Leia mais

Boletim Informativo 6-2006

Boletim Informativo 6-2006 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS NNOVVI IIDDAADDEESS NNO SS IITTEE I Estamos constantemente disponibilizando em nosso site novidades em serviços, dowloads e notícias, visite-o e

Leia mais

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Sistema Circulatório I Coração e Circulação Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definição

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA

PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA CURITIBA 2009 GEOVA E VI ICIUS FERREIRA JHO Y KAESEMODEL PO TES ATRIUS ECG Proposta de trabalho apresentado ao curso

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Fatores de risco para Doenças Cardiovasculares. MSc. Roberpaulo Anacleto

Fatores de risco para Doenças Cardiovasculares. MSc. Roberpaulo Anacleto Fatores de risco para Doenças Cardiovasculares MSc. Roberpaulo Anacleto INSUFICIÊNCIA CARDÍACA Insuficiência Cardíaca A falência do coração geralmente é denominada insuficiência cardíaca congestiva (ICC).

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

ROSEMEIRE APARECIDA VICENTE

ROSEMEIRE APARECIDA VICENTE FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA SEÇÃO TÉC. AQUIS. E TRAT. DA INFORMAÇÃO DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO - CAMPUS DE BOTUCATU - UNESP BIBLIOTECÁRIA RESPONSÁVEL: ROSEMEIRE APARECIDA VICENTE

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

Anatomia- Prof: Renato de Oliveira. Capitulo 3. (Sistema Nervoso E, Sistema Cardiovascular)

Anatomia- Prof: Renato de Oliveira. Capitulo 3. (Sistema Nervoso E, Sistema Cardiovascular) Anatomia- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 3 (Sistema Nervoso E, Sistema Cardiovascular) Sistema Nervoso: OBS: Neurônio: principal componente do sistema nervoso O sistema nervoso humano, além de ser o

Leia mais

Eletrocardiograma. Como interpretar o ECG e fornecer um laudo?

Eletrocardiograma. Como interpretar o ECG e fornecer um laudo? Eletrocardiograma Como interpretar o ECG e fornecer um laudo? (Monitoria 20/05) O laudo é dividido em três partes principais: - medidas eletrocardiográficas (ou seja, analisar a duração e amplitude de

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular (Hemodinâmica) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade

Leia mais

BIOLOGIA IACI BELO. www.iaci.com.br. 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 10:

BIOLOGIA IACI BELO. www.iaci.com.br. 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 10: BIOLOGIA IACI BELO www.iaci.com.br ASSUNTO: FISIOLOGIA Série: 2EM 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 1: 2: 3: 4 5: 6 7: 8 9: 10: 02. Explique por que o ventrículo esquerdo é

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO E LINFÁTICO

SISTEMA CIRCULATÓRIO E LINFÁTICO 1 SISTEMA CIRCULATÓRIO E LINFÁTICO O sistema circulatório, nos vertebrados, inclui o sistema circulatório sanguíneo (sangue) e o sistema circulatório linfático (linfa). Este meio de transporte desempenha

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais