Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2

3

4

5

6

7 SERÕES GRAMMATICAES

8

9 LINGUA PORTUGUEZA SEROES GRAMMATICAES ou INOVA GRAMÁTICA PORTUGUEZA 1'ELO DR. ERNESTO CARNEIRO RIBEIRO Lente Jubilado do Gymnasio da Bahia e Director do Gymnasio " Carneiro Ribeiro" "Zr 2f EDICAO Augnientada e cuidadosamente revista pelo Autor Xntt nl Inial, unir, <td ni prostmtu"

10 5 5 LA TROBE UNIVERSrTY LIBRARY

11 offlseus ofílhos Ç/J. ó^viaria CJlivia Cl arneiro de Qjotua (J.J. obviaria rjuditi) Carneiro (J\ibeiro (JJr. C-mes to Carneiro J\ibeiro (JJr. Q/Jeraclito Carneiro (J\ibeiro CJnqenfjeiro Q/2elvecio Carneiro Jyi beiro OFFFIiF.Cr: 0 AUTOR.

12

13 PROLOGO DA PRIMEIRA y) desenvolvimento que nestes últimos annos têm tido os flgfiylos^ grammaticaes, esclarecidos pela grammatica comparada, levotwims a emprehender esto nosso trabalho, que não é senão a grammatjcav portugueza a que damos uma feição histórica,.ampliando-11: base e enriquecendo-a de novas observações, que a longa o estudo da lingua, que, com tanto amor cultivamos, suggerido e ensinado. Hoje todo o estudo da grammatica a que não acompanham as observações sobre a historia da lingua em sua evolução progr iva, como um organismo vivo, que se não podo subtrahir ás leis a que está sujeito tudo o que vive, é incompleto c repellido para o puro domínio dos estudos abstractos e metaphysicos, em nada consoantes á, esphera em que deve girar esc deve manter toda a sciencia que aspira a uma utilidade pratica e real, e se harmoniza e concerta com os sellos que em todos os trabalhos seientifleos vai imprimindo e gravando o século que atravessamos. Neguem-se todos os méritos aos estudos positivos, tão ardentemente sustentados e pleiteados por Comte e Littré, e completados pela orientação que lhes dá a escola ingleza contemporânea, não se lhes poderá contestar o mérito de ter tenaz e instantemente chamado a attenção dos espiritos do ermo somhrio e intrinca.in <las abstracções, vagas e ociosas, para o campo largo e fecundo da observação, aturada e reflectida, que fornece a sciencia o seu ponto de partida, sua base e substraítim. Todos os trabalhos grammaticaes de algum merecimento attestam esta nova tendência no estudo da grammatica. Para o estudo tia nossa lingua eme todas as linguas românicas. foi a grammatica de UYederico Diez o ponto de partida de todos os trabalhos sobre o mesmo assumpto, a grammatica histórica de Brachet, em França, os estudos criteriosos de Adolpho Coelho, em Portugal, e no Brazil os estudos de Pacheco Júnior e a nova gram- \ J^>

14 VIII matiea portugueza de João Ribeiro, são outros tantos exemplos de que em nossa lingua e nos idiomas novo-iatinos essa é a direcção geral que, de alguns annos a esta parte, se vai dando ao estudo da grammatica, assentando-a não no dominio exclusivo do abstracto, senão no concreto e real, que lhe offerecem base ampla e segura. Duas direcções differentes tem dado os escriptores ao estudo da sciencia da linguagem: na primeira o sentido das palavras é tudo, a sua funeção c o seu valor lógico; a grammatica considerada sob esse aspecto e uma sciencia puramente abstracta, como o é a lógica, a que se vincula intimamente e com que se confunde; na segunda attentam mais nos elementos niorphicos das palavras, consideram-nas sob seu aspecto material; a grammatica então se torna uma sorte de anatomia ou histologia: estudam-se as palavras como compostas de órgãos; estudam-se, para nos exprimirmos assim, os tecidos desses órgãos, os elementos desses tecidos, como nascem e vivem, como crescem, prolificam e definham, se encorpam e se apoucam, se engrazam e separam, se modificam, se transformam, estacionam, envelhecem e remoçam, apparecem e morrem. O grammatico não é já um lógico, senão um naturalista. Sob o primeiro aspecto estudaram a grammatica os Gregos e Romanos; sob o segundo, os graminaticos da índia. Por muitos séculos foi aquella primeira direcção que sempre se deu ao estudo da grammatica; a direcção, porem, a que se dá modernamente a preferencia é a segunda; mas, por um excesso, a que tende sempre a humanidade, quando duas opiniões se contrastam e parecem dividir os espíritos, á força de attentar na forma e no material das palavras, tem-se menosprezado o seu lado lógico, o seu sentido e a sua funeção. O verdadeiro estudo da grammatica histórica, como de qualquer grammatica especial, não é perfeito, se essas duas direcções se reputam incompatíveis, antagónicas e inconciliáveis, se não se

15 / IX approximam, auxiliando-se, completando-se, robustecendo-sc, amalgamando-se e fundindo-se, encontrando uma na outra a base em que se levanta e sustenta. Modestos, não visando a outro fito senão á utilidade, ahi subtnettemos os nossos Serões ao juizo dos entendidos: Serões lhes chamamos nós, porque, na vida trabalhada e afanosa que levamos, só cm horas difficil e penosamente subtrahidas ao repouso é que os traçamos e escrevemos, esforçando nos, na esphera limitada de nossas forças, por trazer este escasso óbolo ao thesouro, já liem enriquecido das lettras pátrias: que nas grandes messes ha sempre que respigar, por mais numerosos e precavidos que sejam os segadores. O trabalho que ora trazemos á luz é, se nos não cega a \ aidade, o resumo dos trabalhos modernos mais importantes sobre 0 assumpto. Leiain-no o julguem-no os entendidos. E se desta publicação auferir algum fructo a mocidade, a cuja instrucção temos dedicado a maior parte de nossa obscura existência, pagos, bem pagos nos consideraremos nós de ter, com o sacrifício de longas horas de repouso, comprado o maior e mais profundo contentamento a que visamos, dando á estampa os nossos Serões Grammaticaes. BAHIA

16

17 PROEOGO DA PRESENTE EDIÇÃO > IRAMOS hoje a lume a segunda edição dos nossos Serões Grammaticaes, revistos attentamente em todos os seus capitulos, augmentados e refundidos em todas as suas partes, de tal feitio que constituem antes uma obra nova do ijue uma nova edição propriamente dita. O acolhimento que a primeira edição teve a dita de lograr dos entendidos, que com mão tão larga nos ampararam e animaram os esforços, a continuação dos nossos estudos attinontes a assumptos da lingua, que com entranhado amor e carinho cultivamos, o desenvolvimento que, esclarecidas pela historia, vão tendo em nossos dias as investigações das linguas românicas, a cujo grupo perl a lingua portugueza, induziram-nos, embora nos reconheçamos ténues grandia, a pôr bombros á presente edição, furtando longas horas ao repouso o fechando os olhos a soturna de sacrifícios do que, entrado em annos, já se vai sentindo fraco pari» a publicação de obras de tal fôlego e porte, como a que ora damos á estampa. Bem que se guarde, cm geral, nesta a ordem observada na distribuição dos capítulos da antiga edição, delles ha completamente novos, delles muitos corrigidos, muitos ampliados, muito-- de todo o ponto remodelados, como ao estudioso leitor fácil será de verificar, se porlustrar de assento e sobremão todas as partos e todos os capitulos da presente obra, já de ha muito planeada. Na orthographia não julgamos ainda t\a bom aviso seguir a reforma radical, a que mctteu mãos a Academia Brazileira de Lettras, que exagera, a nosso parecer, as vantagens do systema phonetico, sem lhe rastrear e apontar os defeitos. Todas as reformas orthographicas até hoje feitas, já no portuguez, já no francez, já em qualquer das linguas congéneres, e tendentes a assentar a orthographia na pronuncia, pouco têm logrado em relação aos resultados a que aspiram os reformadores. A unidade e uniformidade de qualquer systema orthographieo é o ideal a que visam todas as reformas intentadas nessa parte gramma-

18 XII tical; entretanto na realização do próprio systema phonetico differenças ha que contrastam com esse desideratum. Esperemos, pois, a sancção do uso, que em coisas de linguagem é soberano dictador, sobrepondo-se não raramente aos avisos e suggestões reflectidas da razão. Estudando a lexieologia, demos maior desenvolvimento á morj)hologia, aprofundando-nos no conhecimento dos prefixos e suffixos dos vocábulos, mostrando quanto influem nas modificações radicaes e thematicas e nas modalidades do sentido mesmo das palavras; que, segundo já o affirmamos algures, esses elementos formativos semelham, no organismo das linguas, os órgãos nos seres vivos, com seus tecidos e elementos anatómicos, que constituem a trama, a estructura intima desses tecidos. Entre os novos capitulos da presente ediçãofiguranessa parte o que trata do esboço histórico da lingua portugueza, desde a sua elaboração até os nossos dias, dando-se ligeira noticia dos mais notáveis escriptores antigos e modernos, que se ligam ás varias phases de desenvolvimento desse idioma, e o capitulo referente á classificação das linguas, onde se assignala o grupo em que elle se filia. É também novo o capitulo que trata das variações de sentido das palavras. As diversas observações sobre a semântica têm hoje em dia attrahido a attenção dos glottologos e grammaticos, os quaes lhe vão reservando lugar distincto nas obras grammaticaes que se não limitam aos estudos puramente rudimentares da grammatica expositiva, nem se embrenham no intrincado de problemas especulativos da linguagem sem nenhum alcance pratico. Por isso é que reputamos de bom conselho não omittir em nossos Serões Grammaticaes as advertências suggeridas pelos vários sentidos que se vão adaptando aos vocábulos da lingua em sua crescente mobilidade, como expoentes do estado social que traduzem

19 XIII e com que se emparelham e identificam, a modo de sombras ou imagens, acompanhando a realidade do ser interior, que reflectem e com que se ajustam na expressão do pensamento. Na syntaxc, onde se notam muitas explanações sobre as leis e regras da concordância e da regência, regular ouanomala, sobre o se, nas construcções de sentido passivo, em que tão de costumo a indole de nossa lingua se compraz e saborèa, encontra-so um capitulo sobre a analyse lógica, jade concerto com a terminologia dos gramniaticos inglezes, já com a dos francezes, por onde bem é de ver que os mesmos factos grammaticaes, designados por nomes differentes e muitas vezes considerados á differente luz, são diversamente interpretados, segundo o systema de analyse que se adopte. Na construcção dos pronomes, empregados como complementos, individuamos com largas minudencias os casos da próclise e enclise pronominal, autorizando as observações e preceitos, referentes a esse importante ponto grammatical, com innumeros exemplos, abonados por nossos escriptores de melhor nota, por forma que não fique o leitor tão atalhado e sem conselho na discriminação dos casos da anteposição ou posposição pronominal. Abi, pela natureza mesma da matéria, fomos, por ventura, alem ila meta em que devêramos suspender a penna, se não confiáramos encontrar escusa na benevolência do leitor generoso. Largo desenvolvimento igualmente demos aos casos de pessoalidade e impessoalidade dos infinitivos, ponto esse de nosso idioma que é, podemos assim dizel-o, mar de vacillações, onde ao que escreve, ainda abeberando-se nos mais límpidos mananciacs, é, por vezes, difficilimo achar fundo. Seria por extremo tedioso indicar aqui todas as fontes que nos forneceram valiosos subsidiospara a traça e feitura desta nossa obra. Á nossa pratica de longos annos do estudos vieram ajuntar-se em ampla contribuição os trabalhos glottologos e grammaticaes de

20 XIV Bopp, Diez, W. Meyer-Lubke, A. Maury, Gaston Paris, S. Reinach, Darmesteter, A. Hovelacque, Max Míiller, Michel Bréal, Delon, Brachet, Brunot, Ayer, II. Torres y Gomez, R. de Vasconcellos, Gonçalvez Viana, Júlio Moreira, J. Leite de Vasconcellos, C. de Figueiredo, João Ribeiro, Adolpho Coelho, que nos offereccram copiosos materiaes para a remodelação desta nossa obra. Abi vão publicados em sua segunda edição os nossos Serões Grammaticaes, que procuramos com afanoso empenho tornar mais dignos da leitura do diligente e estudioso. Dos entendidos desejamos e confiadamente esperamos não lhes falte o bafejo salutar e animador, nem o juizo sincero, sine malitia et studio. Para os que não trabalham por amor á vaidade, sempre inimiga da sciencia, senão por amor ao bem, único fito a que devemos aspirar em nossos commettimentos, é sempre bem vinda a critica que não destilla fel, a critica comedida e bem intencionada, que é elemento de animação e ardimento para os lidadores nessas sementeiras do luz, e incentivo de vida e progresso para as lettras e scien cias que elles cultivam. Sigam, pois, rota desassombrada os nossos Serões Grammaticaes, e se de sua publicação advier ás lettras pátrias um minimo de utilidade, tol-o-emos em muito, e sobejamente indemnizados nos julgaremos nós das fadigas e esforços que nos custou esta segunda edição, comprada por preço ainda mais subido e levando o mesmo intuito da primeira, receiosos ainda assim de não aquilatarmos bem o quid jerre reeusent, quid valeant humeri do poeta venusino.

21 SEROES GRAMMATICAES

22

23 SEROES GRAMMATICAES INTRODUCÇÃO i Considerada de modo theorico, podea grammatica definir-se a sciencia <la linguagem: é seu objecto o estudo das leis ou normas segundo as quaes se exprime o pensamento pela linguagem, quer escripta, quer fallada. Estudando-a, porem, sol) um aspecto pratico, podemos delinil-a a arte da linguagem. Linguagem é o conjuncto dos signaes pelos quaes o homem manifesta seus pensamentos. Entre os signaes contam-so os gestos, os movimentos dos músculos do rosto, os caracteres escriptós, os sons articulados. Os caracteres escriptós ou signaes graphicos formam a eseri/rttira. Os sons articulados ou signaes phonetieos formam a palavra. Sons articulados chamam-se os que são principalmente modificados pela abobada palatina, pela lingua. pelos dentes o lábios. São assim denominados, porque, sahindo o ar dos pulmões e atravessando suecessivamente os brónchios, a trachéa e a larynge, é, em sua passagem pela bocca, submettido á acção de vários órgãos, que o dificrenciam e transformam em sons particulares, de caracter determinado.

24 2 INTROQUCÇAO Á formação de taes sons é que se dá o nome de articulação. Pelo que respeita á grammatica, o vocábulo linguagem é tomado não no seu sentido lato, senão no sentido restricto de linguagem articulada, oral ou escripta; nada lendo que ver a grammatica com os gestos, as pantomimas c os vários movimentos e posturas do corpo a que tão amiúde recorremos, para voluntária ou instinctivamente debuxar ao vivo os sentimentos e paixões, que nos salteam ou as ideias, que nos dominam. Por meio da linguagem, oral ou escripta, é que os homens communicam entre si. Verdade é que, como o fazem os outros animaes, pode o homem exprimir seus sentimentos e pensamentos por gestos, movimentos, gritos inarticujados, interjeições naturaes; mas entre esta linguagem, só por só de alcance tão estreito c limitado c em harmonia com o ser puramente sensível e a linguagem articulada propriamente dita, cava-se um abysmo, tão grande e profundo, que se torna insondável aos olhos do próprio transformismo. A linguagem articulada, o mais nobre, o mais feliz, o mais característico attributo da espécie humana, não é só e puramente um meio de communicaçãa; é um poderosíssimo instrumento, sob cuja influição se analysa, desfia, desenvolve e esclarece o pensamento e se tornam realizáveis as operações do espirito; é nina como que gymnastica natural, que dá ao pensamento toda a sua força e segurança, todo o seu brilho, todo o seu elasterio, toda a sua belleza eflexibilidade.tirai ao homem essa grande alavanca, mais poderosa do que a alavanca do que, em sua elevada concepção, nos falia o mathematico de Syracusa; dcixai-lhe como único meio de communicação, no apertado âmbito de sua existência e relações, o grito e os meios limitadíssimos a que recorrem os outros animaes; e lhe arrancareis da mão e da fronte o sceptro e diadema que o tornam rei da creação, esbulhando-o do instrumento de seus maiores triumphos, de suas mais gloriosas conquistas: não será mais um homem, senão um ser desacompanhado o só, elo solitário e desengrazado da grande cadeia social.

25 SERÕES GRAMMATICAES 3 Como a varias luzes se pode considerar a grammatica, assim recebe esta diversas denominações, consoantes ao objecto a que especialmente visa. Assim que se diz grammatica geral, particular, comparada ou histórica. A (jranimatica geral tem por assumpto os princípios universaes e invariáveis da linguagem ; estuda os factos, as leis reguladoras da linguagem na sua maior amplitude. A particular restringe o estudo dos factos ou leis da linguagem a uma só lingua, fazendo applicação dos princípios, que são o objecto da grammatica geral, aos usos, ás instituições mais ou menos arbitrarias da lingua ou idioma, que especialmente estudamos. A grammatica geral ê unia su; ha, porem, tantas grammaticas particulares, quantas são as linguas no seu período disciplinar ou critico. A grammatica comparada estuda os idiomas investigando-lhes as analogias e semelhanças, as feiçõeseademanes particulares, comparando-lhes os factos, as transformações, a filiação, o desenvolvimento e evolução histórica. Esta recebe lambem a denominação de histórica, porque se não podem comparar dois ou mais idiomas sem os acompanhar em seu desenvolvimento histórico. Isto não obstante, uso ó muito commum entre os grammaticos applicar á grammatica o epitheto de histórica, quando estuda os factos de uma lingua cm todas as suas phases e períodos, reservando-sc a qualificação de comparada ou comparativa, quando estuda dois ou mais idiomas, que se filiam no mesmo grupo ou familia linguistica, relevando-lhes as semelhanças o diííerenças. Mas a grammatica comparada c a histórica ligam-se de tal modo, tanto se auxiliam, que parece não constituem duas sortes de grammaticas, senão uma só, a que se poderá chamar histórico-comparada. De feito, é evidente que, estudando a grammatica comparada as transformações suceessivas por que, atravez do espaço

26 4 ixtronrcção e do tempo, passam as linguas em sua marcha evolutiva, encontra na histórica seu instrumento c auxiliar indispensável, seu antecedente necessário: do mesmo modo que esta, á luz daquella, estuda as linguas, filiando pela comparação as novas formas de um idioma derivado cm formas successivamente mais antigas, até prendei-as á forma ou formas da lingua matriz, donde promanam. A grammatica particular é elementar ou philosoplnca, conforme se limita á exposição tios factos de uma lingua particular, ao estudo das regras e instituições mais ou menos arbitrarias, sem se elevar aos princípios geraes de que se deduzem; ou, ao revez disso, estuda essas instituições arrazoando-as, ligando-as aos princípios geraes, que são os seus fundamentos, princípios de uma verdade immutável, communs a todas as linguas, sempre harmónicos e idênticos como leis constitutivas da humanidade, que é sempre uma, idêntica, igual a si mesma. Agrammaticaparticular, quando elementar, diz-se também expositiva, descripliva ou pratica, porque expõe, descrev classifica, estabelece methodicamente os factos ou phenomenos de uma lingua, estatuindo as regras e preceitos a que se submeltem, sem attentar nas leis e nos princípios geraes que os regem e dominam. Essa é a que geralmente se define a arte de fallar e escrever correctamente uma lingua. Grammatica portugueza é a disciplina ou arte de ler, fallar e escrever correctamente a lingua portugueza. Seu objecto é o estudo methodico dos factos da linguagem e das leis a que esses factos obedecem, no que respeita á nossa lingua. A tendência que actualmente se manifesta em todos os grammaticos a darem ao esludo dessa disciplina uma feição histórica, lem levado alguns modernos, e entre outros Ferdinand Brunot, a criticar a definição tradicional da grammatica a arte de fallar e escrever correctamente uma lingua, julgando inexacta e por demais modesta; «inexacta, porque se julga hoje e parece com razão», diz elle, em sua Grammatica

27 SERÕES GR WIMAIli VES 5 Francesa, «que uma grammatica não deve ensinar apenas a fallar e escrever o francez actual; é mister que nos permitia comprehender a lingua de nossos pais e apreciar as obras de todos os nossos escriptores por velhos de muitos séculos que sejam. A grammatica deve, pois. neste sentido ser histórica»! Pensamos, porem, que se pode dar ao estudo da grammatica portuguseza ou de qualquer grammalica particular a feição histórica, que lhe dão modernamente, não deixando por isso a grammatica especial de sor a disciplina ou arte de ler^fallar e escrever correctamente, pela razão de hão haver Da definição nada que se opponha ao estudo desenvolvido da lingua não só no presente, senão também atravez de todas as transformações, por (pie, por sua mobilidade essencial, tem passado desde a sua origem até o momento actual. Chama-se lingua ou idioma a linguagem articulada de um povo ou de uma nação. Numa grammatica estudam-se os sons constitutivos das palavras, suas modificações e transformações e o unido de represental-os; os elementos que entram no quadro do pensa mento ou no discurso e as formas diversas que esses elementos revestem; as variadas combinações, o concerto o as relações desses mesmos elementos para tecer o discurso. Fm quatro parles, portanto, se divide a grammatica: Phonologia ou Phonetica, Orthographia, Lexioologia e Syataxe ou Phraseologia. Phonologia é a parte da grammatica que estuda os sons da lingua, suas modificações c transformações. Orthographia é a que tem por objecto a. representação dos sons por meio de caracteres graphicos ou lettras. É esta parte um complemento da Phonologia. Lexicologia chama-se a parte que trata das palavras consideradas em relação ao seu valor, a sua etymologia. a sua classificação, as suas formas ou inflexões grammaticaes. A l e cicologia recebe a denominação de morpliologia. quando estuda a palavra considerada em suas formas e estruetura. Syntaxo ou Phraseologia diz-se a que nata da composição

28 6 INTRQDUCÇÃO da proposição e da phrase, das relações que as palavras e as proposições têm entre si, de seu concerto e construcção. A orthographia, que, como dissemos, é um complemento da phonologia, parece, por outra parte, se inclue já na lexicologia já na sgntaxe; porque, ensinando a representar bem os sons das palavras, presuppõe o conhecimento da formação delias, de suas variasflexõese desinências, e a adaptação dessas flexões aos números, géneros, graus, pessoas, modos c tempos das palavras que possuem tacs accidentes, o que tudo pertence ao domínio da lexicologia ou da sgntaxe. Afora a phonologia, a orthographia, que lhe serve de complemento, a lexicologia e a sijntaxe ou phraseologia distingue-se como parto da lexicologia a scinasiologia ou semântica, que estuda o sentido ou significação das palavras e as variações e transformações de sentido que apresentam ou por que vão passando. O estudo da origem e das formas primitivas dos vocábulos constitue o objecto da etymologia. Da classificação das palavras fazem alguns uma parte da lexicologia, que, por analogia com o que se dá na botânica, denominam Taxionomia ou Taxinomia. A etymologia, a semântica ou semasiologia, como a designou Reisig, impropriamente chamada por outros sematologia ou semiologia e que modernamente tem sido objecto de estudos muito importantes, bem que se liguem á grammatica por laços bem estreitos, não são, rigorosamente fallando, partes delia, senão da glottologia ou philologia. A ultima dessas duas partes não se acha ainda radicalmente estabelecida e systematicamente organizada. Isto não obstante, os recentes e preciosos estudos de Bréal, Whitney, Suchier, Darmesteter c outros, enfeixando-lhe e systemando-lhe os factos, constituem valiosos fundamentos em que deve assentar essa moderníssima parle, que figura como importante appendice dos estudos grammaticaes.

29 SERÕES ORAMMATK AES 7 ir <> estudo da grammatica não era de todo desconhecido dos antigos; entre os gregos as investigações grammaticaes originaram-sc da necessidade de explicar, criticar o interpretar os antigos poetas da Grécia, sobretudo Homero; entre os romanos os estudos grammaticaes, considerados sempre na maior estimação, oppuzenam forte represa á torrente invasora da linguagem descurada tio povo, a qual, em lucta incessante com a lingua de Cicero, César e Virgilio, ora vencida, ora triumphadóra, a obrigou atina! a ceder o passo, deixando-a mal ferida e dando nascimento aos idiomas novo-latinos, a cujo grupo pertence a lingua que portuguezes e brazileiros falíamos. Todos os trabalhos da, idade media, têm por fundamento o ensino dado em Poma pelo grammatico Donato, que viveu no século quarto e as ideias contidas nas Inslitutiones gi maticae de Prisciano, quefloresceu no século sexto. Mas o verdadeiro methodo no estudo da sciencia grammatical ainda se não havia descoberto: regras de lodo o ponto em antagonismo com o bom senso, subtilezas mais ou menos engenhosas, uma metaphysica fútil e estéril, uma polyglottia pesada, inconsistente e embaraçosa substituíam os verdadeiros processos no estudo da grammatica. O critério histórico e comparativo data da primeira metade do século lindo. A sabia sociedade asiática, fundada cm Calcuttá por William Jones, com o descobrimento úo sanscrito, levou os doutos investigadores à concepção da unidade indo-europea, estabelecidos os vínculos de parentesco entre essa lingua e os idiomas da Europa. Este descobrimento foi, portanto, de importantíssimos resultados com relação á grammatica histórica ou comparada, (pie tanta luz derrama nos factos da grammatica particular: foi, na phrase judiciosa de Muller, a centelha eléctrica que/es crystallisar em formas regulares os elementos fluctttantes da

30 8 INTRODUCÇAO linguagem, reunidos nas obras immensas de Heroas e de Adelung. (') Dahi uma serie de progressos e conquistas da sciencia grammatical, a que imprimiram os sellos de seu engenho Schlegel, Bopp, Pott, Jacob Grimm, Maury, Benfey.Burnouf, Diez, Max Mttller, Dréal, Lifctré, Brachet, Clédat, Brunot, Suchier, Meyer Ltibkc, Gaston Paris, PaulRegnaud, Darmesteter, Carolina Michaelis, Adolpho Coelho, Pacheco Júnior, Gonçalvez Viana, Ribeiro de Vasconcélloz, João Ribeiro o tantos outros, que deram uma feição inteiramente nova aos estudos grammaticaes, ampliando-lhes os fundamentos, fazendo irradiar muita luz cm todos os factos da sciencia da linguagem. (1) Apud S. Reinach Philologie Classique.

31 PARTE PRIMEIRA Phonologia CAPITULO I Do apparelho vocal. Vogaes e consoantes ou articulações. Diphtho syllaba; vocábulo. Da configuração do tubo sonoro na prolação das vogaes. O apparellio da 002 compõe-se de muitos órgãos, que o tornam maravilhoso e inimitável. E com efleito um dos mais importantes da organização humana: a natureza parece fez de cada homem um musico, dando-lhe um instrumento superior a todos quantos a arte mais aperfeiçoada, O engenho mais próvido e aguçado poderia architectar. 1*] um singiilarissinio instrumento: de uma construcção admirável, a um tempo único e múltiplo: único em sua estruetura; múltiplo em seus vários modos de funecionar; reúne o doce e suave de todos os instrumentos; irmana o simples ao sublime, o triste e lúgubre ao alegre e risonho; vivifica suas notas, aquecendo-as ao fogo das paixões; suaviza seus accentos, affeiçoando-os á ternura dos aílectos e das doces com moções; avigora-os, accommodando-os as energias da vontade, ao brilho dos conceitos, a varonilidade e ao vigor d'aliua. É, em siimma. o instrumento dos instrumentos, o mais fiel traduetor de todas as nossas impressões, instrumento (pie nunca destoa, porque sempre se atina ao diapasão de nossos

32 10 PHONOLOGIA sentimentos, de nossos conceitos e paixões. Cante ou falle, é sempre a voz do homem musical e significativa. Fadando ou cantando, tangemos um instrumento musical, totalmente peculiar, cuja unidade apparente contrasta com a diversidade que lhe imprime a varia configuração do tubo sonoro. Este instrumento tem suas notas graves ou agudas, sua intensidade ou "amplitude, sua duração, sou timbre, seu rhythmo, sua melodia particular. Os sons elementares desse instrumento da voz chamam-se vogaes c consoantes ou articulações. Antes, porem, de mostrarmos qual a differença entre uma vogal e uma consoante, é mister definir o sentido que se liga ao vocábulo som e determinar a differença entre este e o ruido, phenomenos vibratórios a que. ao cabo de tudo, se reduzem as vogaes e consoantes. Som é a sensação produzida por uma vibração rápida e periódica do ar ou de qualquer outro meio elástico; ruido é, pelo contrario, a sensação produzida por vibrações irregulares e não periódicas. As notas que percebe nosso ouvido, quando se toca uma flauta, um piano, uma rabeca, constituem sons; o marulhar das ondas, o ranger das enxárcias, o atroar do canhão, o estampido da mina que rebenta, do edifício que abate, o bramido da fera, do vento, das bombardas, o farfalhar das maravalhas c das sedas, são ruídos. Com os sons podemos formar unta melodia ; com os ntidos podemos apenas marcar um rhythmo; com os. primeiros formam-se aceordes; com os segundos nno se formam aceordes, senão uma mistura indistincta c confusa. Verdade é que se pode conjunctarnente ouvir o som e o ruido. Assim que em uma peça musical, tangida ao piano, podemos distinguir as vibrações regulares que nos dão a sensação dos sons e os ruidos, occasionados pelos dedos ao correr por sobre o teclado. As notas que nos chegam aos ouvidos, quando ouvimos o violino, differem do ruido simultâneo, resultante do roçar tio arco pelas cordas deste instrumento. As vogaes são sons produzidos por uma correnteza de ar,

33 SERÕES GRAMMATICAES 11 modificada, mas não interrompida pelas diversas disposições do tubo pharyngo-buccal. As consoantes são ruidos que se produzem nessa mesma cavidade, em consequência de obstáculos que á correnteza do ar oppõem certas disposições anatómicas. Como cm todo o instrumento musical, no apparelho vocal se distinguem os três elementos seguintes: o elemento vibrante, o elemento motor e o tubo sonoro. 0 elemento vibrante é uma palheta representada pelas curtias vocaes (dobras ttjro-artjtenoides inferiores). O elemento motor é constituído pela correnteza de ar que se escapa dospulmões, e em direcção ao orifício glóttico, atravessa os brónchios -o a trachéa e vai de encontro ás bordas das duas dobras inferiores ou lábios vocaes, fazendo-os vibrar. O tubo sonoro é representado pelas cavidades da pharynge acima da larynge. Tcm-sc comparado o instrumento da voz a um instrumento de palheta, como a clarineta, o oboé c o fagote; a palheta. porem, do instrumento admirável da voz, niodilieandd-se de modos variadíssimos, produz uma serie de sons ascendentes e descendentes, como o não fazem senão imperfeitamente os outros instrumentos da mesma espécie, cm que a palheta vibratória não oflerocc o mesmo grau de mobilidade e elasticidade, nem se dobra, obedece e amolda tão a ponto, tão directa o intimamente ás impulsões da vontade de quem o tange e anima. Coando-sc pelo orifício da glotte, a corrente do ar, que vem dos pulmões, fornia o som chamado glóttico ou in articulado. As cavidades pharijngo-bttccal e nasal, pelas varias posições (pie tomam, representam o papel de tubo sonoro. As diversas partes consoantes do canal aéreo, revestindo de vida, digamol-o assim, o arcabouço ou esqueleto do som inarticulado ou glóttico, reforçam-no, imprimindo-lhe caracteres especiaes. As cartilagens do nariz, a trachéa, os brónchios, o pulmão, a caixa do thorax e até, segundo alguns, os ossos mesmos do

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

ACORDEON MANUAL DO PROPRIETÁRIO

ACORDEON MANUAL DO PROPRIETÁRIO ACORDEON MANUAL DO PROPRIETÁRIO ÍNDICE SOBRE O ACORDEON... 4 ANATOMIA...4 O FOLE...6 PARA TOCAR ACORDEON...6 MOVIMENTO DO FOLE...7 DICAS...7 SOBRE O ACORDEON O acordeon pertence a uma ampla família de

Leia mais

O SOM E SEUS PARÂMETROS

O SOM E SEUS PARÂMETROS O SOM E SEUS PARÂMETROS Você já percebeu como o mundo está cheio de sons? Mas você já parou para pensar o que é o SOM? Pois bem, som é tudo o que nossos ouvidos podem ouvir, sejam barulhos, pessoas falando

Leia mais

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br Fonética e Fonologia Profa. Me. Luana Lemos 1 Fonética e Fonologia Fonética é a parte da gramática que estuda os sons da fala (física) Fonologia estuda os fonemas da língua nas diversas combinações (linguística)

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

. -...-._- -.'..., r,

. -...-._- -.'..., r, # mmmmmízmss . -...-._- -.'...., r, DAS DA que POR DESCUIDO, IGNORÂNCIA, OU NECESSIDADE, SE TEM INTRODUZIDO NA LOCUÇÃO PORTUGUEZA MODERNA; COM O JUÍZO CRITICO DAS QUE SAÕ ADOPTAVEIS NELLA. por D. Fr.

Leia mais

TONALIDADE X FREQUÊNICA

TONALIDADE X FREQUÊNICA Som, notas e tons TONALIDADE X FREQUÊNICA O violão é um instrumento musical e o seu objetivo é fazer música. Música é a organização de sons em padrões que o cérebro humano acha agradável (ou pelo menos

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS

INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E ATOS SINTONIA VIBRATÓRIA E AFINIDADE MORAL Vimos antes que matéria e energia são aspectos de uma mesma realidade. Podem parecer muito diferentes aos nossos

Leia mais

Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar

Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL SOCIALIZAÇÃO Desenvolver atitudes procedimentos e conceitos Interiorizar valores espirituais morais e críticos Desenvolver

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL 2011/2012 5º ANO Timbre: a qualidade do som que permite identificar a sua fonte. Figuras rítmicas: sinais musicais que indicam a duração

Leia mais

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL O Livro dos Espíritos, qq. 1 e 27 Obra codificada por Allan Kardec Figuras: Elio Mollo Deus é a inteligência s uprema, causa primária de todas as coisas. Resposta dada pelos Espíritos

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais).

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais). Ondas Sonoras: - São ondas longitudinais de pressão, que se propagam no ar ou em outros meios. - Têm origem mecânica, pois são produzidas por deformação em um meio elástico. - As ondas sonoras não se propagam

Leia mais

TEXTO. Visual texto em que a comunicação se dá apenas por meio de imagens. Verbal - texto em que a comunicação se dá por meio de palavras escritas.

TEXTO. Visual texto em que a comunicação se dá apenas por meio de imagens. Verbal - texto em que a comunicação se dá por meio de palavras escritas. Língua Portuguesa 1º trimestre Temas para estudo Em nossas primeiras aulas, vimos que, conforme sua configuração/diagramação, um TEXTO pode ser classificado como: Visual texto em que a comunicação se dá

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 10 OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 558 Os Espíritos fazem outra coisa além de se aperfeiçoar individualmente? Eles concorrem para a harmonia do universo ao executar os

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 5º ano Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

LIVRO DOS APAIXONADOS. Dark Night

LIVRO DOS APAIXONADOS. Dark Night LIVRO DOS APAIXONADOS Dark Night Do ponto de vista Hermético, o que é o amor ou paixão. Traz uma abordagem compreensiva de forças e ações humanóide para leigos em magia. Sendo tradado o sentimento mais

Leia mais

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Caracteres do homem de bem Questão: 918 O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto,

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

A Lei de Trabalho Elaboração: www.searadomestre.com.br João 5:17 Meu Pai trabalha até agora e eu também. LE 677. Por que provê a Natureza, por si mesma, a todas as necessidades dos animais? Tudo em a Natureza

Leia mais

Período: Matutino. 1º semestre/2013. Professora: Lara Fernandes Moreira. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo

Período: Matutino. 1º semestre/2013. Professora: Lara Fernandes Moreira. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Memórias de um Grupo 3 Período: Matutino 1º semestre/2013 Professora: Lara Fernandes Moreira Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Baú de guardados (Alice Ruiz) Trago, fechado no peito,

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03 CONCURSO DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE CARGO: PROFESSOR 1 / 2015 A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Ano 02 Unidade 03 ( F

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

Três importantes invenções

Três importantes invenções Três importantes invenções Por Pedro Varanda Para mim o fogo foi a maior conquista do ser humano na pré-história. A partir desta conquista o homem aprendeu a utilizar a força do fogo em seu proveito, extraindo

Leia mais

NOTA FUNDAMENTAL Desse conjunto de sons simultâneos, o que é mais bem identificado é o som da nota principal ou também chamada de nota fundamental.

NOTA FUNDAMENTAL Desse conjunto de sons simultâneos, o que é mais bem identificado é o som da nota principal ou também chamada de nota fundamental. Sons Harmônicos Esse assunto é extenso e bastante complexo, sendo objeto de estudo de diversos cursos especializados e de uma vasta literatura no campo da física e da matemática. Como esse não é nosso

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11 ÍNDICE Breve nota... 9 Prefácio... 11 Minha mãe, que lindas terras!... 23 A pata rainha... 28 Ai... ai... ai...... 32 Coradinha... 37 Joanico... 45 O vento... 56 A serpente... 59 Maria a macha... 65 O

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM

CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM ARAGUAÍNA, DEZEMBRO DE 2015 A FÍSICA NA MÚSICA A música, de um modo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade / Tema) Subdomínio / Conteúdos

Leia mais

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria Eduardo José Gomes No ano de 2004 nasceu entre mim e o valoroso Irmão Gilmar Fernandes da Silva, da Loja Mensageiros da Liberdade, a idéia da criação de um trabalho

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de Vale de Ovil Escola Básica e Secundária do Vale de Ovil Código 345702 CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é qualitativa e contínua com o objectivo de reconhecer

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

A CURA DE UM MENINO Lição 31

A CURA DE UM MENINO Lição 31 A CURA DE UM MENINO Lição 31 1 1. Objetivos: Mostrar o poder da fé. Mostrar que Deus tem todo o poder. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.14-21; Marcos 9.14-29; Lucas 9.37-43 (Leitura bíblica para o professor)

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

The Rosicrucian Fellowship Serviço do Templo por Max Heindel

The Rosicrucian Fellowship Serviço do Templo por Max Heindel The Rosicrucian Fellowship Serviço do Templo por Max Heindel 1. O hino de abertura da the Rosicrucian Fellowship (ou a terceira estrofe sòmente) é cantado por todos os presentes. 2. O leitor descobre o

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ Você vai descobrir o oboé e aprender a tocar e aperfeiçoar a técnica! O objetivo deste documento de Introdução ao Estudo de Oboé é de divulgar e esclarecer os tópicos mais

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Gabarito de respostas para o Estudo de O Livro dos Espíritos FLS 1 de 12

Gabarito de respostas para o Estudo de O Livro dos Espíritos FLS 1 de 12 FLS 1 de 12 Estudo 1: Questão: 1 ( 1 ) ( 2 ) ( 2 ) ( 1 ) a) princípio da vida material e orgânica - a todos os seres vivos b) fluído magnético - fluído nervoso - Resposta livre. Estudo 2: Questão: 1 Os

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Joaquim Costa Jr 1 Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde 2 repouseis, Que comais o pão de dores: Aos seus amados ele o dá enquanto dormem.

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor!

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor! LIÇÕES DE VIDA Regilene Rodrigues Fui uma menina sem riquezas materiais Filha de pai alcoólatra e mãe guerreira. Do meu pai não sei quase nada, Algumas tristezas pela ignorância e covardia Que o venciam

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS De acordo com o PCN e o Referencial Curricular da Educação Infantil, a instituição deve criar um ambiente

Leia mais

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes...

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes... AMOSTRA ATENÇÃO: ESTE DOCUMENTO SE TRATA APENAS DE UMA AMOSTRA. AS PÁGINAS AQUI EXPOSTAS SÃO PÁGINAS ALEATÓRIAS DA APOSTILA, MESCLADAS DO APRENDIZADO ADULTO COM O APRENDIZADO INFANTIL, COM EFEITO APENAS

Leia mais

O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus.

O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus. 2 1 O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus. Ele era manso como os cordeiros e a sua palavra tinha a doçura de uma brisa num dia quente. Nada queria dos humanos, tudo prometia e dava a humanidade. Sua palavra

Leia mais

21-12-2015. Sumário. Comunicações. O som uma onda mecânica longitudinal

21-12-2015. Sumário. Comunicações. O som uma onda mecânica longitudinal 24/11/2015 Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 1.2 - O som uma onda mecânica longitudinal. - Produção e propagação de um sinal sonoro. - Som como onda mecânica. - Propagação de um som harmónico. - Propriedades

Leia mais

Exp 8. Acústica da Fala

Exp 8. Acústica da Fala Exp 8. Acústica da Fala 1. Objetivos Estudar o modelo fonte-filtro da produção da fala; Medir os formantes e relacionar com manobras articulatórias em vogais e ditongos; Utilizar espectrografia de banda

Leia mais

PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical

PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical 1º Ano Sons do meio ambiente e da natureza / silêncio Sons do corpo (níveis corporais) Sons naturais e artificiais Sons fortes e fracos Sons pianos (p), médios (mf)

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM INFORMAÇÃO A PAIS E EDUCADORES SECRETARIADO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2001 Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS

O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS Introdução: Quando uma pessoa não pode ouvir, começa a viver utilizando outros sistemas de comunicação. Os sistemas que utilizam depende do seu tipo de surdez: congênita

Leia mais

A música surgiu com os sons

A música surgiu com os sons Dó A música surgiu com os sons da natureza, já que seus elementos formais - som e ritmo - fazem parte do Universo e, particularmente da estrutura humana O homem pré-histórico deve ter percebido os sons

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL

PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL 1 PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL 2015 ROTEIRO 2 1. O que é Música 2. Para fazer música na creche é preciso: 3. O que devemos evitar 4. Qualidades

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Desenvolvimento Eixo movimento - crianças de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos

Desenvolvimento Eixo movimento - crianças de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos Desenvolvimento Eixo movimento - de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos Papel laminado. Espelho de parede. e elementos do próprio Almofadas.

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO João Alex Ribeiro Paulo Roberto Bao dos Reis Severino Gouveia Duarte

Leia mais

A Música na Antiguidade

A Música na Antiguidade A Música na Antiguidade Josemar Bessa A palavra música deriva de arte das musas em uma referência à mitologia grega, marca fundamental da cultura da antigüidade ocidental. No entanto muitos estudiosos

Leia mais

A Notação Musical no Ocidente: uma História

A Notação Musical no Ocidente: uma História A Notação Musical no Ocidente: uma História O sistema de notação musical moderno teve suas origens nos NEUMAS (do latim: sinal), pequenos símbolos que representavam as notas musicais em peças vocais do

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Apostila de Ensino Violão (Módulo I)

Apostila de Ensino Violão (Módulo I) Apostila de Ensino Violão (Módulo I) APRESENTAÇÃO Esta apostila reúne uma compilação de estudos embasados nas devidas referências bibliográficas, notações complementares e exercícios práticos criados;

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula SÍLABAS. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano. Língua Portuguesa. Gramática. 2 aulas (50 min cada ) Educação Presencial

TÍTULO: Plano de Aula SÍLABAS. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano. Língua Portuguesa. Gramática. 2 aulas (50 min cada ) Educação Presencial Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: SÍLABAS Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano Língua Portuguesa Gramática 2 aulas

Leia mais

Boniteza! Chegou o contador de história!

Boniteza! Chegou o contador de história! Rio de Janeiro / RJ 2015 Boniteza! Chegou o contador de história! Edição Editora Coordenação para desenvolvimento de projeto; organização, concepção editorial, texto e revisão Valéria Pereira Ilustrações

Leia mais