Demonstrações Contábeis em 31/12/2013 e 31/12/2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Demonstrações Contábeis em 31/12/2013 e 31/12/2012"

Transcrição

1 Demonstrações Contábeis em 31/12/2013 e 31/12/2012 Banco Pottencial S.A. Av. Afonso Pena, 4100, 12º- andar, Cruzeiro, Belo Horizonte-MG.

2 Relatório da Administração. Apresentamos as demonstrações contábeis do Banco Pottencial S/A., relativas ao período findo em 31 de dezembro de 2013, elaboradas de acordo com as práticas e diretrizes contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. O Banco Pottencial mantém a política de divulgação de gestão de risco e patrimônio requerido e exigido, de risco de mercado, de risco operacional e, para tanto, possui estrutura de gerenciamento de riscos, capaz de avaliar os riscos associados às posições detidas pela instituição, conforme prescrevem as Resoluções 3.380/06, 3.464/07 e 3.721/09 do Conselho Monetário Nacional. A gestão de riscos e de capital considera as exigências e níveis regulatórios econômicos e estão alinhadas às melhores práticas do mercado e às diretrizes da companhia. As informações das políticas adotadas e as estruturas mencionadas encontram-se disponíveis no endereço eletrônico O Banco tem como principal objetivo a prestação de garantias através da concessão de cartas de fiança bancária em diversas modalidades com foco nas operações para caução de propostas em concorrências e para garantia de obrigações na execução de contratos. Os resultados apresentados no ano refletem os objetivos traçados, as adequações originadas nas exigências do mercado e a política conservadora de gerenciamento dos riscos. Aos nossos clientes, parceiros e colaboradores registramos nossa estima e consideração, firmando nossos agradecimentos pela substancial contribuição para o alcance dos resultados almejados. Belo Horizonte, 03 de fevereiro de A Administração.

3 BANCO POTTENCIAL S/A. CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL Valores expressos em reais A T I V O Ref. Nota 31/12/13 31/12/12 CIRCULANTE Disponibilidades Aplicações interfinanceiras de liquidez Títulos e valores mobiliários Relações interfinanceiras Direitos junto ao Serviço de Compensação Relações com correspondentes Créditos vinculados Operações de crédito Outros créditos Outros valores e bens NÃO CIRCULANTE Realizável a longo prazo Operações de crédito Investimentos Imobilizado de uso Intangível TOTAL DO ATIVO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

4 BANCO POTTENCIAL S/A. CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL Valores expressos em reais P A S S I V O Ref. Nota 31/12/13 31/12/12 CIRCULANTE Depósitos Depósitos à vista Depósitos a prazo Obrigações por operações compromissadas Relações interfinanceiras e interdependências Pagamentos/recebimentos a liquidar Obrigações por empréstimos e repasses no país Outras obrigações Fiscais e previdenciárias Diversas NÃO CIRCULANTE Depósitos a prazo Obrigações por empréstimos e repasses no país PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reservas de Lucros Prejuízos Acumulados ( ) -0- TOTAL DO PASSIVO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

5 BANCO POTTENCIAL S/A. CNPJ / DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO SEMESTRE/EXERCÍCIOS Valores expressos em reais 2º Semestre Exercícios 31/12/13 31/12/13 31/12/12 RECEITAS DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Operações de crédito Rendas de aplicações interfinanceiras DESPESAS DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA ( ) ( ) ( ) Captação no mercado ( ) ( ) ( ) Despesas com obrigações por empréstimos e repasses ( ) ( ) ( ) RESULTADO BRUTO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA OUTRAS RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS ( ) ( ) Receitas de prestação de serviços Despesas administrativas ( ) ( ) ( ) Outras receitas (despesas) operacionais ( ) Aprovisionamentos e ajustes patrimoniais ( ) ( ) ( ) RESULTADO OPERACIONAL ( ) ( ) Outras receitas (despesas) não operacionais ( ) (42.262) ( ) LUCRO ANTES DO IMPOSTO RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL ( ) ( ) Contribuição social corrente e diferida ( ) Imposto de renda corrente e diferido ( ) LUCRO LÍQUIDO (PREJUÍZO) ( ) ( ) LUCRO LÍQUIDO (PREJUÍZO)POR LOTE DE MILHÕES DE AÇÕES - R$ (70,89) (47,13) 60,64 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

6 BANCO POTTENCIAL S.A. CNPJ: N.º / DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva de Capital Reservas de Lucros Reserva Legal Reservas Estatutárias Lucros(Prejuízos) Acumulados Total Saldos em 31 de dezembro de Lucro líquido do semestre Constituição de Reserva Legal ( ) -0- Lucros / Dividendos distribuídos ( ) ( ) Saldos em 30 de junho Lucro líquido do semestre Lucros / Dividendos distribuídos ( ) ( ) Constituição de Reserva Legal ( ) -0- Constituição de Reserva Estatutária ( ) Saldos em 31 de dezembro de ( ) Lucro líquido do semestre Constituição de Reserva Legal ( ) -0- Dividendos distribuídos ( ) ( ) Lucros à disposição da assembleia ( ) -0- Saldos em 30 de junho Resultado líquido do semestre ( ) ( ) Reversão de Reserva Legal ( ) Absorção de prejuízos ( ) Saldos em 31 de dezembro ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

7 BANCO POTTENCIAL S.A. CNPJ: N.º / DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Em reais Preparada pelo método indireto Exercícios 2º- sem/ /12/ /12/ ) Atividades Operacionais Lucro Líquido (Prejuízo) ( ) ( ) Depreciações/Amortizações Resultado de Equivalência Patrimonial ( ) ( ) Amortização de ágio em investimentos Despesas com baixas por obsolescência imobilizado Lucro Líquido Ajustado ( ) ( ) Variação de Ativos e Obrigações ( ) ( ) (Aumento)Redução de Operações de Crédito ( ) (Aumento)Redução de Outros Créditos (Aumento)Redução de Outros Valores e Bens ( ) ( ) ( ) Aumento(Redução) Obrigações Operações Compromissadas -0- ( ) ( ) Aumento(Redução) de Repasses BNDES/FINAME(Passivo) Aumento(Redução) de Outras Obrigações/Rel.Interfinanceiras = Caixa líquido gerado (aplicado) nas atividades operacionais ( ) ( ) 2 ) Atividades de Investimentos Alienação de Investimentos (Aumento) Redução de Imobilizado/ Intangível ( ) ( ) = Caixa líquido gerado (aplicado) nas atividades de investimentos ( ) 3 ) Atividades de Financiamentos Aumento (Redução) de Depósitos Dividendos Pagos/Provisionados -0- ( ) ( ) = Caixa líquido gerado (aplicado) nas atividades de financiamentos ( ) 4 ) Aumento(Redução) do caixa/equivalente de caixa (71.576) ( ) Caixa/equivalente de caixa-disponibilidade início do período Caixa/equivalente de caixa-disponibilidade final do período Aumento(redução) de caixa/equivalente de caixa (71.576) ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

8 BANCO POTTENCIAL S/A. CNPJ / Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis - exercício findo em 31 / 12 / Em Reais - Exceto quando expresso de outra forma. 1 - Contexto operacional. O Banco Pottencial S/A. é uma instituição que opera produtos de uma carteira de banco comercial. 2 - Elaboração das demonstrações contábeis. As informações contidas nas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2013 do Banco Pottencial S/A, banco comercial, foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, associadas às normas do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC, quando aplicáveis, do Conselho Monetário Nacional CMN e do Banco Central do Brasil BACEN, em conformidade com o Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional COSIF. A emissão destas demonstrações contábeis foi autorizada pela administração em 03 de fevereiro de Principais diretrizes contábeis As receitas e despesas, os direitos e obrigações estão reconhecidos e apropriados sob o regime de competência O ativo e o passivo, circulante e não circulante, estão demonstrados pelos valores de realização ou compromissos estabelecidos em instrumentos contratuais Caixa e equivalentes de caixa Na definição de equivalentes de caixa, além do disposto nos itens 7 a 10 do CPC-03, aplicou-se o contido no artigo 3º- da Resolução 3604-CMN, ou seja, para ser considerado equivalente de caixa, um investimento deve ter, na data de aquisição, prazo de vencimento igual ou inferior a noventa dias e investimentos em instrumentos de capital não são considerados equivalentes de caixa, a menos que, em essência, preencham os requisitos previstos no CPC-03 e no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional Aplicações Interfinanceiras de Liquidez - Os títulos e valores mobiliários estão demonstrados pelo custo de aquisição acrescidos dos rendimentos auferidos até a data de 31 de dezembro de Títulos e Valores Mobiliários De acordo com a Circular BACEN nº 3.068/01, e regulamentação complementar, os títulos e valores mobiliários são classificados em três categorias específicas, de acordo com a intenção de negociação pela administração, atendendo aos seguintes critérios de contabilização: 7

9 (i) Títulos para negociação - Incluem os títulos e valores mobiliários adquiridos com o objetivo de serem negociados frequentemente e de forma ativa, os quais são contabilizados pelo valor de mercado, sendo os ganhos e as perdas realizados e não realizados reconhecidos diretamente no resultado do exercício. (ii) Títulos disponíveis para venda - Incluem os títulos e valores mobiliários utilizados como parte da estratégia para a administração do risco de variação nas taxas de juros, que podem ser negociados como resultado dessas variações, por mudanças nas condições de pagamento ou outros fatores. Esses títulos são contabilizados pelo valor de mercado, sendo os seus rendimentos intrínsecos reconhecidos no resultado do período e os ganhos e as perdas decorrentes das variações do valor de mercado, ainda não realizados, reconhecidos em conta específica do patrimônio líquido, Ajuste de Títulos e Valores Mobiliários, líquidos dos correspondentes efeitos tributários. Os ganhos e as perdas, quando realizados, são reconhecidos no resultado do exercício mediante a identificação específica na data de negociação, em contrapartida do patrimônio líquido, em conta destacada, líquidos dos correspondentes efeitos tributários. (iii) Títulos mantidos até o vencimento - Incluem os títulos e valores mobiliários para os quais a administração possui a intenção e a capacidade financeira de mantê-los até o vencimento, sendo contabilizados ao custo de aquisição, acrescido dos rendimentos intrínsecos. A capacidade financeira é definida em projeções de fluxo de caixa, desconsiderando a possibilidade de resgate antecipado de títulos. Os declínios no valor de mercado dos títulos e valores mobiliários disponíveis para venda e mantidos até o vencimento, abaixo dos seus respectivos custos, relacionados a razões consideradas não temporárias, são refletidos no resultado como perdas realizadas As transações ativas e passivas com valores prefixados são registradas pelo valor de realização, retificadas dos rendimentos ou encargos respectivos, a apropriar As operações de crédito estão compostas de empréstimos e repasses de recursos ao setor privado com operações efetuadas a taxas pré e pós-fixadas, são demonstradas pelos valores aplicados, acrescidos dos rendimentos e atualizações monetárias até a data do balanço, retificados das rendas a apropriar quando aplicável Os investimentos em sociedades controladas são avaliados pelo método da equivalência patrimonial, conforme descrito na Nota 09. No que concerne à amortização de ágio na aquisição de investimentos, no exercício a instituição amortizou integralmente o ágio verificado na controlada Pottencial Seguradora S/A. em decorrência da alienação total do investimento. Em relação ao ágio no investimento na Civex Serviços Financeiros Ltda., a amortização é reconhecida mensalmente à razão de 1/60 avos. 8

10 3.9- O imobilizado está demonstrado ao custo de aquisição corrigido monetariamente até 31 de dezembro de 1995, deduzido da depreciação calculada pelo método linear com base no tempo de vida útil estimada, de acordo com as taxas descritas na Nota O intangível está demonstrado ao custo de aquisição, deduzido da amortização calculada mensalmente à razão de 1/60 avos para os ativos já operacionalizados Ativos Não Financeiros a instituição mantém a prática de verificação, por ocasião de levantamento dos balanços semestrais, da recuperabilidade do valor dos ativos não financeiros. Tal prática consiste na comparabilidade do valor de realização do ativo com o seu valor contábil e, na quando o valor de realização apresenta-se maior que o valor contábil nenhum registro é feito, contudo, se o valor realizável do ativo mostra-se menor que o valor contábil a instituição efetua o ajuste via contas de resultado. No exercício de 2013 não foram realizados registros dessa natureza Depósitos A instituição opera de forma pulverizada a captação de depósitos, observando e se comportando dentro dos limites de concentração por investidor definidos pela autoridade monetária e de acordo com a política institucional de captação. Nos termos da legislação em vigor os depósitos são garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito-FGC e, nos depósitos assim contratados, aplica-se a garantia especial do FGC (Depósitos a Prazo com Garantia Especial) Imposto de renda e contribuição social - A provisão para imposto de renda é constituída à alíquota-base de 15% do lucro tributável, acrescida do adicional de 10% e a provisão para contribuição social sobre o lucro líquido ajustado é constituída à alíquota de 15% Provisões (contingências passivas) A instituição reavalia no encerramento de cada semestre a necessidade de constituição de provisões, com vistas a refletir a melhor estimativa corrente de seu valor, não constituindo dessa forma, provisões genéricas. Os valores apresentados na presente demonstração contábil refletem a melhor estimativa de desembolso exigido para liquidar as obrigações presentes na data do balanço Benefícios aos empregados Todas as remunerações concedidas pela instituição em contrapartida aos serviços prestados por seu corpo funcional, encontram-se definidas na legislação trabalhista e previdenciária pertinente, nos acordos emanados das entidades representativas da categoria econômica na qual se incluem os empregados da instituição bem como nos manuais internos e política institucional de recursos humanos Lucros, reservas e dividendos Em conformidade com a legislação aplicável e de acordo com o estatuto social, a instituição destina 5% do lucro líquido à formação de reserva legal até atingir 20% do valor do capital social; após deliberação da Assembleia Geral destina 25% ou mais do lucro líquido à distribuição de dividendos, bem como, pode distribuir lucros e dividendos adicionais ou intermediários e também destinar lucros remanescentes ao aumento do capital social Estimativas contábeis - A elaboração das demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a administração utilize-se de julgamento na determinação e registro de estimativas contábeis. Os principais itens de balanço sujeitos a essas estimativas incluem a provisão para crédito de liquidação duvidosa e os valores de mercado dos títulos e valores mobiliários. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos 9

11 estimados, devido a imprecisões inerentes ao processo de sua determinação. A administração do Banco revisa as estimativas e premissas periodicamente. Entretanto, alguns valores efetivos dessas operações poderão divergir dos valores estimados, em face da subjetividade inerente ao processo de sua apuração. 4 - Aplicações Interfinanceiras de Liquidez. As aplicações interfinanceiras de liquidez estão representadas por operações compromissadas lastreadas em Letras do Tesouro Nacional-LTN e Notas do Tesouro Nacional-NTN, negociadas com instituições financeiras nacionais com vencimento para o primeiro dia útil seguinte à data de encerramento do balanço. Em 31/12/2013: - Letras do Tesouro Nacional-LTN - R$ Venc. final do papel 01/01/2015 Em 31/12/2012: - Letras do Tesouro Nacional-LTN - R$ Venc. final do papel 15/08/ Notas do Tesouro Nacional-NTN R$ Venc. final do papel 01/01/ Carteira de Títulos e Valores Mobiliários. Na composição da carteira estão incluídos os seguintes títulos públicos federais. Vencimento Vr.contábil Vr. mercado Letras Financeiras do Tesouro 07/09/ Carteira de operações de crédito e outros créditos com características de concessão de crédito. Na classificação da carteira estão incluídos os seguintes valores: 31/12/2013 R$ 31/12/2012 R$ Empréstimos Financiamentos Adiantamentos a depositantes Subtotal Provisões para perdas em operações de crédito ( ) ( ) Subtotal de operações de crédito Fianças honradas (nota 7) Outros créditos (nota 7.2) Total operações de crédito/outros créditos

12 Os empréstimos, financiamentos e valores a receber de operações de créditos estão cobertos por garantias suficientes e adequadas às circunstâncias. A rubrica contábil Outros Créditos contém o registro do saldo remanescente do contrato de alienação de imóvel urbano, objeto de recebimento por parte da companhia através de dação em pagamento, cuja liquidação ocorrerá no primeiro semestre do exercício seguinte. A provisão para perdas em operações de crédito é constituída dentro dos limites julgados necessários para fazer face às possíveis perdas na realização dos ativos, tendo por base análises das operações em aberto, considerando-se a conjuntura econômica, a experiência passada, as garantias existentes, os riscos específicos e globais das carteiras e as normas e instruções da autoridade monetária. Em conformidade com as resoluções 2.682/1999 e 2.697/2000 do Conselho Monetário Nacional, Carta-Circulares 2.903/2000 e 2.899/2000 do Banco Central do Brasil, a carteira está assim classificada: Nível INDÚSTRIA OUTRAS ATIVID. PESSOAS FÍSICAS Normal Atraso Normal Atraso Normal Atraso Total AA A B C H Subtotal ( - ) Provisão para perdas em operações de crédito ( ) Total Geral ) Por tipo de operação Dez/13 Dez/12 R$ R$ Empréstimos Financiamentos Rurais e Agroindustriais Fianças Honradas Total das Operações de Crédito

13 6.2) Por segmento Setores Dez/13 Dez/12 Setor Privado R$ R$ Rural Indústria Outros Serviços Pessoas Físicas Total das Operações de Crédito Outros Créditos Descrição Dez/2013 Dez/2012 Avais e Fianças Honradas (nota 6) Adiantamentos e Antecipações Salarias/Fornecedores Depósitos Judiciais Pis e Cofins Outros Depósitos Judiciais Impostos a Compensar/Recuperar Rendas de Riscos de Fianças a Receber Outros Créditos (nota 7.1) Total Composição de Outros Créditos Descrição Dez/2013 Dez/2012 Pagamentos a Ressarcir Devedores Diversos (nota 7.2) Créditos Tributários PIS/COFINS Créditos Tributários Diferidos-s/adições temporárias e prejuízos fiscais PCLD (s/devedores Diversos) ( ) ( ) Total Composição de Devedores Diversos Descrição Dez/2013 Dez/2012 Crédito pela venda de outros valores e bens - imóvel urbano (nota 6) Créditos decorrentes de contratos de assessoria Créditos decorrentes de aluguéis de imóveis / outros créditos Total A provisão para perdas em operações de crédito é constituída dentro dos limites julgados necessários para fazer face às possíveis perdas na realização dos ativos, tendo por base análises das operações em aberto, considerando-se a conjuntura econômica, a experiência passada, as garantias existentes, os riscos específicos e globais das carteiras e as normas e instruções da autoridade monetária. 12

14 8 Outros Valores e Bens A rubrica contábil representativa de Outros Valores e Bens tem seu saldo composto por: Bens não de Uso Próprio, imóveis urbanos no valor de R$ (R$ em 31/12/2012); Almoxarifado no valor de R$ (R$ em 31/12/2012); Despesas Antecipadas a Apropriar no valor de R$ (R$ em 31/12/2012), perfazendo o saldo total de R$ (R$ em 31/12/2012). 9 Investimentos. A companhia detém a seguinte participação societária: Investidas Dez/13 R$ Dez/12 R$ 1) Civex Serviços Financeiros - valor do investimento Ágio sobre o investimento Total ) Pottencial Seguradora S/A valor do investimento 0, Ágio sobre o investimento 0, Total 0, A variação negativa do saldo da rubrica contábil representativa de Investimentos é atribuída à alienação integral das ações de titularidade da instituição, na Pottencial Seguradora S/A., em 29 de abril de Imobilizado e Intangível. Para os ativos que estão sujeitos à amortização, a Companhia analisa a indicação de desvalorização, de acordo com o Pronunciamento Técnico CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos, sobre os quais a administração não constatou indicação de perda. Os ativos que não estão sujeitos a depreciação e amortização, são submetidos ao teste de recuperabilidade, de acordo com o previsto pelo CPC 01, pelo valor de uso, para se identificar perdas por impairment, sendo que o resultado não demonstrou perda por desvalorização. Taxa Deprec./Amortiz. Dez/2013 Dez/2012 Imobilizado de Uso Móveis e Equipamentos de Uso 10% Sistema de Comunicação 10% Sistema de Processamento Dados 20% Alarme 10% Circuito Fechado de TV 10% Leitor Digital 10% Veículos 20% Total (-) Depreciação Acumulada ( ) ( ) Líquido Intangível Software 20% Marcas e Patentes Lista de clientes 20% Total (-) Amortização Acumulada ( ) ( ) Líquido

15 11 - Depósitos. Descrição Dez/2013 Dez/2012 Depósitos à Vista Depósitos a Prazo Total Depósitos a prazo: são representados por captações com vencimentos até 2016, atreladas à variação do CDI. Depósitos a Prazo Dez/2013 Dez/2012 Até 30 dias de 30 a 90 dias de 91 a 180 dias de 181 a 365 dias acima de 365 dias TOTAL Obrigações por Operações Compromissadas A instituição assumiu compromisso de recompra de Notas do Tesouro Nacional-NTN vencível no primeiro dia útil do mês seguinte. Descrição Dez/2013 Dez/2012 Notas do Tesouro Nacional NTN Total Obrigações por Empréstimos e Repasses no País Descrição Dez/2013 Dez/2012 Obrigações por repasses BNDES Comércio Obrigações por repasses BNDES - Outras atividades Obrigações por repasses BNDES - Pessoas físicas Total Obrigações fiscais e previdenciárias. Descrição Dez/2013 Dez/2012 IRPJ e CSLL a Recolher Pis e Cofins a Recolher Impostos Retidos na Fonte ISS, IR e CCPIS INSS a Recolher FGTS a Recolher Outros Impostos e Contribuições Total

16 15 - Compromissos de Revenda LTN Em 31 de dezembro de 2013, os compromissos de revenda de LTN-Letras do Tesouro Nacional assumidos pelo Banco Pottencial S/A. com instituições financeiras possuem vencimento no primeiro dia útil do mês seguinte. 16 Instrumentos Financeiros Derivativos. Em 31 de dezembro de 2013, o Banco Pottencial S/A. não possuía instrumentos financeiros registrados em contas patrimoniais, representados por contratos de SWAP. Não tem sido política da instituição operar com outros derivativos Capital. O capital social é de R$ ,68 e está representado por ações ordinárias nominativas, sem valor nominal Fianças. As responsabilidades por garantias e fianças prestadas, apresentaram saldo em 31 de dezembro de 2013 de R$ (R$ em 31/12/12), para as quais foram registradas provisões para risco de crédito (comissões de fianças) no montante de R$ mil, (R$ 319 mil em 31/12/12) calculada com base nos mesmos critérios adotados para o cálculo da provisão para perdas em operações de crédito, conforme Res.2.682/99-CMN. 19- Responsabilidade e compromissos - Acordo da Basiléia Limites Operacionais. De acordo com a Resolução nº /94 do CMN e normas posteriores, é exigida a manutenção de patrimônio líquido mínimo, correspondente a 11% do montante das operações ativas ponderadas por graus de risco que variam de 0 % a 300 %. a) Indice de Basiléia R$ Descrição Parcela de risco de crédito PEPR Parcela de risco operacional PJUR Parcela de risco operacional POPR Patrimônio de referencia exigido PRE Patrimônio de referencia para limite de compatibilização do PR com PRE Fator de risco - 11% sobre PR Indice de Basiléia (% fator de risco/pre) 13,03% 11,57% b) Limites de imobilização R$ Descrição PR para fins de limite de imobilização Situação Margem de suficiência ( ) 15

17 20 - Ouvidoria. Instituída nos moldes da Resolução nº /10 do Conselho Monetário Nacional e normas complementares a Ouvidoria é um sistema exclusivo de relacionamento com os clientes, destinado a receber e responder a todos os contatos advindos da relação contratual mantida com os mesmos, buscando a prevenção e solução de conflitos e a excelência no atendimento. 21- Risco Operacional, Risco de Mercado e Risco de Crédito. A administração do Banco Pottencial considera a gestão de riscos um instrumento essencial para a maximização da eficiência no uso do capital e para a escolha das oportunidades de negócios, no sentido de obter a melhor relação entre risco e retorno para os mesmos. A manutenção de riscos conhecidos e potenciais dos negócios do Banco busca a não exposição da instituição à possibilidade de perdas relevantes. A estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional assegura políticas e procedimentos de identificação, avaliação e classificação de riscos operacionais, proporcionando um ambiente adequado para o gerenciamento, monitoração consistente e uma mitigação permanente. Essas premissas permitem também a identificação de eventuais fragilidades e melhoria nos processos de controle, garantindo assim melhor desempenho. A estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional está em total aderência com a Resolução nº do Conselho Monetário Nacional. O Gerenciamento do Risco de Mercado observa as disposições da Resolução nº do CMN e contempla premissas fundamentais ao controle e adequação das exposições, através da revisão e aprovação de políticas e estratégias específicas para o gerenciamento do risco de mercado de maneira consistente. As estruturas de Gestão de Riscos, com informações qualitativas e quantitativas, e tabela de tarifas bancárias encontram-se disponíveis no endereço eletrônico Em cumprimento ao disposto nas Resoluções nºs /06 e 3.464/07 do Conselho Monetário Nacional, foram implementados instrumentos de controle na estrutura de gerenciamento de riscos, cujos relatórios e descrições encontram-se à disposição pública na agência matriz da instituição. No que se refere à adequação do Patrimônio de Referência Exigido (PRE) o Banco encontra-se apto e adequado ao cálculo. A Resolução nº do CMN instituiu também a estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito. A estrutura da instituição é compatível com a natureza das nossas operações e a complexidade dos produtos e serviços trabalhados. No gerenciamento dos riscos são adotadas políticas de concessão baseadas na avaliação da capacidade financeira dos clientes, sendo que o nível de exposição das carteiras é definido através dos fatores de ponderação de risco definidos pelo Banco Central do Brasil. 16

18 22 Contingências. O Banco Pottencial S/A. é parte em processos judiciais de natureza trabalhista e cíveis decorrentes do curso normal de suas atividades, como segue: Contingências trabalhistas (passivo) Perdas Valor em risco-r$ Possível -0- Provável -0- Remota Total Contingências Cíveis (passivo) Perdas Valor em risco-r$ Possível -0- Provável -0- Remota Total Partes Relacionadas. Pronunciamento Técnico CPC Divulgação das Partes Relacionadas aprovado pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis em 30/10/ o Banco Pottencial detém 3,27% em participação societária na empresa Civex Serviços Financeiros Ltda. na database 31/12/2013. A empresa presta serviços de correspondente não-bancário, serviços esses cujo custo é da ordem de R$ 18 milhões no exercício, não restando no levantamento do balanço saldos em aberto Remunerações do pessoal chave da administração. Anualmente na Assembleia Geral é estabelecida a remuneração dos administradores conforme determina o Estatuto Social, sendo determinada a remuneração global anual dos administradores para o ano de 2014 de até R$ ,00 (seiscentos mil reais) Cessão de créditos. O Banco realizou no exercício, cessão de créditos, sem coobrigação, originados da sua carteira de operações de crédito, com instituições não integrantes do Sistema Financeiro Nacional no valor de R$ ,47 (Quinze milhões, cento e doze mil, quatrocentos e cinquenta e um reais e quarenta e sete centavos). Os resultados advindos dessas operações encontram-se integralmente registrados nas rubricas contábeis representativas de operações de crédito e de resultado Outros benefícios. A instituição não possui benefícios de longo prazo, de pós-emprego, de contrato de trabalho ou remuneração baseada em ações para o seu pessoal-chave da administração. 17

19 27 - Outras informações. Conforme legislação em vigor, as instituições financeiras não podem conceder empréstimos ou adiantamentos aos seus acionistas controladores, empresas coligadas, administradores, ou parentes de seus administradores até o segundo grau. Dessa forma, não são efetuados pela instituição financeira empréstimos ou adiantamentos a qualquer coligada, membros da Diretoria e seus familiares, considerados pela legislação pertinente como pessoas impedidas de operar com a instituição. BANCO POTTENCIAL S/A. Diretoria: Douglas Martins Godinho - José Almeida de Oliveira - Marcus Vinícius Coelho de Carvalho José Mário Costa Alvim Contador CRCMG

20 Aos Diretores e Acionistas do RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BANCO POTTENCIAL S.A. Belo Horizonte (MG) Examinamos as demonstrações contábeis individuais do BANCO POTTENCIAL S.A., que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2013 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as Demonstrações Contábeis A Administração do BANCO POTTENCIAL S.A. é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil - BACEN e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações contábeis da Instituição para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos do BANCO POTTENCIAL S.A. 19

21 Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião sem ressalvas. Opinião sobre as Demonstrações Contábeis Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do BANCO POTENCIAL S.A. em 31 de dezembro de 2013, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Ênfase Encontra-se em avaliação pela autoridade reguladora a forma de contabilização das Garantias Prestadas pelo BANCO POTTENCIAL S.A., sendo que o resultado pode refletir no Patrimônio de Líquido de Referência e nos limites de exposição de risco de crédito. Outros assuntos. Auditoria dos valores correspondentes ao exercício anterior As demonstrações contábeis encerradas em 31 de dezembro de 2012, apresentadas comparativamente, foram anteriormente por nós examinadas, de acordo com as normas de auditoria vigentes por ocasião da emissão do parecer com ressalvas referentes ao não reconhecimento de prejuízos decorrentes de valores pendentes de recebimento há longa data em montante aproximado de R$ 955 mil, e o não reconhecimento de atualização monetária dos tributos vencidos em montante aproximado de R$ mil. Belo Horizonte (MG), 30 de abril de ALFREDO HIRATA Contador CRC (SC) nº /O-7-T-SP MARTINELLI AUDITORES CRC (SC) nº /O-9 S - MG 20

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores

Leia mais

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Parecer

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) com Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

Acer Consultores em Imóveis S/A

Acer Consultores em Imóveis S/A Acer Consultores em Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e 31 de Dezembro de 2006 e 2005 Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária de Porto Lucena Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores

Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária de Porto Lucena Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária de Porto Lucena Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

BANCO POTTENCIAL S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2015

BANCO POTTENCIAL S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2015 BANCO POTTENCIAL S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2015 Av. Afonso Pena, 4100, 12º- andar, Cruzeiro, Belo Horizonte-MG. Relatório da Administração Apresentamos as demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras CNPJ: 03.922.006/0001-04 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras CNPJ: 03.922.006/0001-04 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores independentes

Leia mais

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 PREPARADOS PARA VENCER RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 RT 007/2015 Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Judô 31 de dezembro de 2014 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

SECULUS CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A.

SECULUS CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. SECULUS CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. Relatório da Administração Senhores acionistas, Cumprindo determinação legal e estatutária, temos o prazer de apresentar-lhes as Demonstrações Financeiras

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013 (Companhia em fase pré-operacional) KPDS 113063 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstração de resultado 6 Demonstração do resultado

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE LEVANTAMENTO DE PESOS

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE LEVANTAMENTO DE PESOS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE LEVANTAMENTO DE PESOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 e 2014 12 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores da

Leia mais

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores

Leia mais

Demonstrações Contábeis Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 10.539.

Demonstrações Contábeis Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 10.539. FFIE - Fundo Fiscal de Investimentos e Estabilização Fundo de Investimento Multimercado Crédito Privado (Anteriormente FFIE - Fundo Fiscal de Investimento e Estabilização Fundo de (Administrado pela BB

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Seis meses findos em 30 de junho de 2013 Exercício findo em 31 de dezembro de 2012

Leia mais

SPE - BRASIL SOLAIR LOCAÇÃO E ARRENDAMENTO DE PAINÉIS SOLARES S.A.

SPE - BRASIL SOLAIR LOCAÇÃO E ARRENDAMENTO DE PAINÉIS SOLARES S.A. SPE - BRASIL SOLAIR LOCAÇÃO E ARRENDAMENTO DE PAINÉIS SOLARES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 SPE - BRASIL SOLAIR LOCAÇÃO E ARRENDAMENTO DE PAINÉIS SOLARES S.A. Demonstrações

Leia mais

Laudo de avaliação do patrimônio líquido da AES Rio PCH Ltda. apurado por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia

Laudo de avaliação do patrimônio líquido da AES Rio PCH Ltda. apurado por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia Laudo de avaliação do patrimônio líquido da AES Rio PCH Ltda. apurado por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia Condomínio São Luiz Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 Torre I

Leia mais

Banco do Povo Crédito Solidário. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes. Em 31 de dezembro de 2012.

Banco do Povo Crédito Solidário. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes. Em 31 de dezembro de 2012. Banco do Povo Crédito Solidário Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012. Índice Página Relatório dos auditores independentes 3 Demonstrações

Leia mais

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.563/0001-33 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS

ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS DEMOSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA PETRÓPOLIS Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2012 e

Leia mais

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2016. DT-P 16-007. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul - SINTRAJUFE RS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 e Relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

SBC Valorização de Resíduos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013

SBC Valorização de Resíduos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013 SBC Valorização de Resíduos S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 Notas explicativas às demonstrações financeiras (Valores expressos em milhares de Reais) 1 Contexto operacional A SBC Valorização de Resíduos

Leia mais

GRADUAL MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A)

GRADUAL MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A) (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Valores em R$ mil, exceto o valor unitário das cotas) 1.

Leia mais

Relações interfinanceiras Pagamentos e recebimentos a liquidar. Créditos vinculados Relações com correspondentes

Relações interfinanceiras Pagamentos e recebimentos a liquidar. Créditos vinculados Relações com correspondentes BALANÇO PATRIMONIAL A T I V O (Em milhares de reais) Exercicios findos em 31.12.05 31.12.04 CIRCULANTE 165.642 131.171 Disponibilidades 1.840 324 Aplicações interfinanceiras de liquidez 57.817 76.474.

Leia mais

Bioflex Agroindustrial Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional)

Bioflex Agroindustrial Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras Período de 26 de maio de 2011 (data de constituição da Empresa) a 31 de dezembro de 2011 (em fase

Leia mais

Relatório dos Auditores independentes sobre as Demonstrações Financeiras Consolidadas do Conglomerado Prudencial

Relatório dos Auditores independentes sobre as Demonstrações Financeiras Consolidadas do Conglomerado Prudencial 2 3 4 Ernst & Young Auditores Independentes S.S Praia de Botafogo, 370 8º andar Botafogo CEP 22250-040 Rio de Janeiro, RJ, Brasil Tel: +55 21 3263 7000 Fax: +55 21 3263 7004 ey.com.br Relatório dos Auditores

Leia mais

RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores da IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A. Araraquara - SP Introdução Revisamos as informações contábeis intermediárias,

Leia mais

CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE. Relatório dos auditores independentes

CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE. Relatório dos auditores independentes CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE Relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010 CAMPANHA LATINO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário CR2-Jardim Botânico. Demonstrações financeiras acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes 1/13

Fundo de Investimento Imobiliário CR2-Jardim Botânico. Demonstrações financeiras acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes 1/13 Fundo de Investimento Imobiliário CR2-Jardim Botânico Demonstrações financeiras acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes 31 de março de 2011 1/13 Relatório dos auditores independentes Aos

Leia mais

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFÓNICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00121-0 BCO EST RIO GRANDE SUL SA 92.702.067/0001-96 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00121-0 BCO EST RIO GRANDE SUL SA 92.702.067/0001-96 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/2 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS

Leia mais

Demonstrações Financeiras BTG Pactual Stigma Participações S.A.

Demonstrações Financeiras BTG Pactual Stigma Participações S.A. Demonstrações Financeiras BTG Pactual Stigma Participações S.A. Período de 13 de setembro a 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório

Leia mais

Austral Resseguradora S.A. 30 de junho de 2011 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as. Demonstrações Financeiras Intermediárias

Austral Resseguradora S.A. 30 de junho de 2011 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as. Demonstrações Financeiras Intermediárias Demonstrações Financeiras Intermediárias Austral Resseguradora S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Intermediárias Demonstrações financeiras Intermediárias

Leia mais

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido.

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido. NUMERAL 80 PARTICIPAÇÕES S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (Valores expressos em milhares de reais - R$) 1. CONTEXTO OPERACIONAL

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de março de 2014 e 30 de setembro de 2013

Demonstrações financeiras em 31 de março de 2014 e 30 de setembro de 2013 BRB - Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (CNPJ: 04.895.888/0001-29) Administrado pela BRB - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. (CNPJ: 33.850.686/0001-69) KPDS 89057 !"

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Administradores e Cotistas BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S/A) (1)

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1. Composição do Capital 1 DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais

Leia mais

RA Catering Ltda. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

RA Catering Ltda. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes RA Catering Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Apurado por Meio dos Livros Contábeis da International Meal Company Holdings S.A., em 30 de Setembro de 2014, para Integralização ao

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 AFMF/LA/KG/GGA 1046/13 Demonstrações

Leia mais

UM TETO PARA MEU PAÍS - BRASIL

UM TETO PARA MEU PAÍS - BRASIL RELATÓRIO SOBRE O EXAME DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e administradores Um Teto Para Meu

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Administradores e Acionistas da Inepar Telecomunicações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Aeroportos Brasil - Viracopos S.A.

Demonstrações Financeiras Intermediárias Aeroportos Brasil - Viracopos S.A. Demonstrações Financeiras Intermediárias Aeroportos Brasil - Viracopos S.A. Período de nove meses findo em 30 de setembro de 2012 com Relatório de Revisão dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras

Leia mais

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, Rolândia - PR CNPJ: /

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, Rolândia - PR CNPJ: / INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 BALANCETE PATRIMONIAL EM 31 DE MARÇO DE 2017 (valores expressos em milhares

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas

Demonstrações Financeiras Consolidadas Demonstrações Financeiras Consolidadas 31 de dezembro de 2010. 1 Página Índice Relatório dos auditores independentes...3 Balanço Patrimonial Consolidado...5 Ouvidoria Demonstrações Financeiras Consolidadas

Leia mais

IPLF Holding S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis

IPLF Holding S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis IPLF Holding S.A Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2016 KPDS 159478 KPMG Assurance Services Ltda. Rua Arquiteto

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO FLUMINENSE-PRO-IFF CNPJ SOB O Nº /

FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO FLUMINENSE-PRO-IFF CNPJ SOB O Nº / FUNDAÇÃO DE APOIO A EDUCAÇÃO PESQUISA DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO FLUMINENSE-PRO-IFF 1 Contexto operacional CNPJ SOB O Nº 04.016.579/0001-31 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 ---

ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 --- ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 --- SUMÁRIO Análise Financeira 04 Resumo Econômico-Financeiro 06 Resultados s 07 Resultado por Área de Negócio 08 Demonstração do Valor Adicionado 08 Liquidez

Leia mais

Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia

Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos Companhia Brasiliana de Energia Condomínio São Luiz Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 Torre I - 8º Andar - Itaim

Leia mais

BR - Capital Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

BR - Capital Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes BR - Capital Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 30 de junho de 2015 BR - Capital Distribuidora de Títulos

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/10/2015 a 31/10/2015. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/10/2015 a 31/10/2015. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 19.244.544,04 49.953.463,53 49.796.021,80 19.401.985,77 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 153.537,84 22.398.892,79 22.439.629,90 112.800,73 1.1.1.00.00-9

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2016

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2016 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A CREDICOAMO CRÉDITO RURAL COOPERATIVA é uma cooperativa de crédito rural singular e sua sede está localizada no município de Campo Mourão/PR, à Rua Fioravante João Ferri,

Leia mais

4. INFORMAÇÕES RELATIVAS À EMISSORA Informações Financeiras Selecionadas da Companhia Análise e Discussão da Administração sobre Demonstrações

4. INFORMAÇÕES RELATIVAS À EMISSORA Informações Financeiras Selecionadas da Companhia Análise e Discussão da Administração sobre Demonstrações 4. INFORMAÇÕES RELATIVAS À EMISSORA Informações Financeiras Selecionadas da Companhia Análise e Discussão da Administração sobre Demonstrações Financeiras e Resultados Operacionais da Emissora Eventos

Leia mais

ÍNDICE. Balanços Patrimoniais 3. Demonstrações de Resultados 4. Demonstrações das Mutações 5. Demonstrações das Origens 5. Notas Explicativas 6

ÍNDICE. Balanços Patrimoniais 3. Demonstrações de Resultados 4. Demonstrações das Mutações 5. Demonstrações das Origens 5. Notas Explicativas 6 ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstrações de Resultados 4 Demonstrações das Mutações 5 Demonstrações das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 AFMF/HHMC/LFCT/JSR 1447/16 Demonstrações

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações Financeiras Exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores e Acionistas da Inepar Telecomunicações

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013 KPDS 111081 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados (sobras e perdas) 6 Demonstrações de resultados abrangentes

Leia mais

Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013

Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 Índice Balanço patrimonial...3 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos de caixa...7 Demonstração

Leia mais

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Presidente Bernardes, Rolândia - PR CNPJ:

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Presidente Bernardes, Rolândia - PR CNPJ: INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Presidente Bernardes, 1000 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 BALANCETE PATRIMONIAL EM 31 DE OUTUBRO DE 2017 (valores expressos

Leia mais

Companhia de Fiação e Tecidos Cedronorte

Companhia de Fiação e Tecidos Cedronorte Companhia de Fiação e Tecidos Cedronorte Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido apurado por meios dos livros contábeis em 28 de fevereiro de 2014 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores independentes Deloitte

Leia mais

Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2014

Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2014 Banco de Câmbio Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2014 KPDS 95680 Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2014 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos

Leia mais

CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE. Relatório dos auditores independentes

CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE. Relatório dos auditores independentes CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO - CLADE Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis JC/CMO/JCO 1013/13 CAMPANHA LATINO AMERICANA PELO DIREITO À EDUCAÇÃO Demonstrações

Leia mais

Ativas Data Center S.A.

Ativas Data Center S.A. Ativas Data Center S.A. Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Brasil Auditores Independentes Ltda. Demonstrações

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos Auditores Independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos Auditores Independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Contábeis HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Demonstrações

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2016 - BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo

Leia mais

Brazilian Mortgages Companhia Hipotecária Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Brazilian Mortgages Companhia Hipotecária Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Brazilian Mortgages Companhia Hipotecária Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Balanços patrimoniais em 30 de junho Ativo Passivo Circulante

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Federação Nacional das Apaes

Demonstrações Financeiras. Federação Nacional das Apaes Demonstrações Financeiras Federação Nacional das Apaes 31 de dezembro de 2012 e de 2011 FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAES - FENAPAES Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Índice Relatório

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 30.06.2014 SICOOB COOPESPE

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 30.06.2014 SICOOB COOPESPE 1. Cooperativas de crédito e suas características A COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS DO SISTEMA S DE PERNAMBUCO E DO SEBRAE DE ALAGOAS LTDA SICOOB COOPESPE - CNPJ 02.039.597/0001-03

Leia mais

Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações

Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações CNPJ 10.199.946/0001-82 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras Para o Exercício

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM

Leia mais

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ /

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ / DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 31/12/2012 E 2011 EM R$ Mil A T I V O 31/12/2012 31/12/2011 ATIVO CIRCULANTE 12.353 2.888 DISPONIBILIDADE 2.718

Leia mais

H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes

H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis JRS/BBC/NLM 1202/15 H. COMMCOR DISTRIBUIDORIA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Relatório da Administração QGMI Construção S.A.

Relatório da Administração QGMI Construção S.A. Relatório da Administração QGMI Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração e as demonstrações financeiras

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE PARÁ DE MINAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013.

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE PARÁ DE MINAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE PARÁ DE MINAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013. CEP 30.140-150 / Savassi BH MG -BR Twitter @consultaudi ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS

Leia mais

GEO - Grêmio Esportivo Osasco Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes

GEO - Grêmio Esportivo Osasco Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Unity Auditores Independentes Av. Prestes Maia, 241 sala 2102 São Paulo- SP CEP: 01031-902 Tel.: 55 11 2869-8358

Leia mais

SGCE Participações Societárias S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e parecer dos auditores independentes

SGCE Participações Societárias S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores e Acionistas SGCE Participações Societárias S.A. 1 Examinamos

Leia mais

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A.

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/AVersão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido DMPL

Leia mais

Construtora Adolpho Lindenberg S.A. e Controladas

Construtora Adolpho Lindenberg S.A. e Controladas Construtora Adolpho Lindenberg S.A. e Controladas Informações Financeiras Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Trimestre Findo em 30 de Junho de 2015 e Relatório sobre a Revisão de Informações

Leia mais

Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. 31 de julho de 2009 com Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. 31 de julho de 2009 com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras ibi Participações S.A. com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Parecer dos auditores independentes...1 Demonstrações financeiras Balanço patrimonial...3

Leia mais

Banco Losango S.A. - Banco Múltiplo

Banco Losango S.A. - Banco Múltiplo O DIA I QUARTA-FEIRA, 15.2.2017 11 Empresa da Organização Bradesco CNPJ 33.254.319/0001-00 Praça XV de Novembro, 20-11 o andar - salas 1.101 e 1.102 e 12 o andar - sala 1.201 e subsolo 201 - Centro - Rio

Leia mais

Brazilian Mortgages Companhia Hipotecária Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes

Brazilian Mortgages Companhia Hipotecária Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes Brazilian Mortgages Companhia Hipotecária Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes BRAZILIAN MORTGAGES COMPANHIA HIPOTECÁRIA Av. Paulista, 1728-3º

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas de 2011 em IFRS

Demonstrações Contábeis Consolidadas de 2011 em IFRS Demonstrações Contábeis Consolidadas de 2011 em IFRS BANESTES S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo 1 ÍNDICE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONSOLIDADAS EM IFRS 1. BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO 2. DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e 2012 CSHG Fix Dinâmico Master Fundo de Investimento Multimercado (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e 2012 KPDS 68396

Leia mais

COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS POTIGÁS CNPJ: 70.157.896/0001-00

COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS POTIGÁS CNPJ: 70.157.896/0001-00 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS POTIGÁS CNPJ: 70.157.896/0001-00 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS PERÍODOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 31 DE DEZEMBRO DE 2010. (Valores expressos em

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras. Demonstrações Contábeis Acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras. Demonstrações Contábeis Acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras Demonstrações Contábeis Acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2014 Índice Página Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Unimed Campinas Cooperativa de Trabalho Médico Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014

Unimed Campinas Cooperativa de Trabalho Médico Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014 Unimed Campinas Cooperativa de Trabalho Médico Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais