Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica. Maio de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica. Maio de 2015"

Transcrição

1 Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica Maio de 2015

2 Do que estamos falando?

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2- FUNDAMENTOS DO PE 2.1. Conceito 2.2. Origem, Função e Características 3 O PROCESSO DE PE 3.1. Níveis 3.2. Etapas 3.3. Ferramentas 3.4. Exercício Objectivo: dominar as etapas do PE e exercitar suas ferramentas, mormente a Declaração de identidade, Plano táctico, plano operacional, organograma e orçamento operacional Estratégia: introdução teórica, demonstração e exercício.

4 1 INTRODUÇÃO O planeamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planeamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e acções serão necessários hoje, para merecermos um futuro. O produto final do planeamento não é a informação: é sempre o trabalho. (Autor desconhecido)

5 O sucesso e a eficácia organizacionais estão intrinsecamente relacionadas com alguns elementos culturais e organizacionais que caracterizam o estilo de pensamento e acção da própria organização, tais como: Estimular e promover uma atitude institucional baseada na flexibilidade, na experimentação e na aprendizagem contínua; Um programa de acção que esteja de acordo com o planeamento estratégico institucional e; Uma metodologia participativa de organização de processos sociais.

6 PE e a aprendizagem organizacional Aprendizagem para melhorar o desempenho, a eficácia e impacto.

7 PE e a aprendizagem organizacional As mudanças que ocorrem no contexto proporcionam inúmeras oportunidades de aprendizagem, que, se forem aproveitadas, permitem adoptar novos programas ou melhorar os que estão a ser implementados, o reposicionamento em relação aos actores chaves ou ainda evitar inteligentemente efeitos desnecessários de mudança (s) na sua organização.

8 O Ciclo da Aprendizagem pela Acção MUDANÇA

9 2.1. Conceito FUNDAMENTOS DO PE O termo Planeamento é usado para designar o processo de planear. Planear significar pensar a respeito do futuro para poder fazer algo a respeito agora É importante não confundir o planeamento do plano, pois, este último é apenas o resultado instrumental do primeiro; Estratégia: termo originalmente concebido no campo militar, do grego antigo stratègós (que significa «a arte do general»), designa opções e posições organizacionais sobre como se quer atingir um ou vários objectivos, ao longo de um determinado lapso de tempo (médio e longo prazos), sempre baseada na missão e visão da própria organização.

10 2.1. Conceito Planeamento Estratégico entenda-se, o processo complexo que tem como expoente máximo a articulação, equilíbrio e conjugação dos planos, programas, projectos e actividade e ainda destes com os recursos disponíveis (humanos, materiais e financeiros) e com a estrutura e cultura da organização. Para Domingos Armani, O planeamento estratégico provê a organização de uma base sólida em termos de análise de contexto, das forças e fraquezas da organização, da viabilidade e dos riscos de diferentes alternativas de acção e, acima de tudo, de um marco estratégico global orientador de todas as actividades institucionais

11 2.2. Origem, Função e Características Origem: Foi no início do século XX, década de 70, que surgiu o planeamento estratégico, em todos os seus aspectos técnicos. Nas décadas de 50 e 60 os administradores empregavam apenas o planeamento operacional, porque o crescimento da demanda total estava controlado, sendo pouco provável que mesmo um administrador inexperiente não fosse bem-sucedido no negócio. Função (orientação): diagnóstico do meio envolvente (percepção e análise de contexto), definição de prioridades, formulação de objectivos e estratégias, preparação táctica e operacional, avaliação da estratégia.

12 2.2. Origem, Função e Características Características: 1. A orientação para o futuro, num horizonte de longo prazo. 2. Abarca todos os sectores e recursos da organização, no sentido de obter efeitos sinérgicos de todas as suas capacidades e potencialidades; 3. O PE está relacionado com a adaptação da organização há um ambiente mutável. Ou seja, a previsão de respostas adequadas às pressões e desafios exteriores, bem como para o aumento da produtividade e da adesão aos produtos e serviços da organização; 4. O estabelecimento claro da visão, missão, valores, objetivos, indicadores, metas, métodos operacionais e os recursos necessários a realização da missão institucional; 5. O planeamento estratégico é um processo de construção de consenso, pois, oferece um meio de atender a todos na direção futura que melhor convenha para que a organização possa alcançar seus objetivos; 6. É uma forma de aprendizagem organizacional. Por estar orientado para a adaptação da organização ao contexto ambiental, o planeamento constitui uma tentativa constante de aprender a ajustar-se a um ambiente complexo, competitivo e suscetível a mudanças.

13 Exercício sobre a importância do planeamento

14 IIIº NÍVEL Planeamento Operacional IIº NÍVEL Planeamento Táctico Iº NÍVEL Planeamento Coorporativo 3 O PROCESSO DE PE 3.1. Os níveis de PE Níveis Características Ferramentas e Conteúdo o É amplo e aborda toda a organização. Declaração de Identidade: o Pode ser desdobrado em vários planos tácticos. Visão, Missão, Valores, o É de longo prazo (cinco a dez anos). Opções Estratégicas, o É definido pela cúpula da organização. Objectivos Estratégicos e o Visa preparar a organização para mudanças e inovações. Financiadores. o É específico e aborda cada unidade da organização. Plano Táctico: o Pode ser desdobrado em vários planos Indicadores, Linha de operacionais. Base, Metas, Meios de o É de médio prazo (dois a quatro anos). Verificação e Directrizes o É executado pelo pessoal intermédio da organização. de Intervenção. o Decompõe dos objectivos e estratégias. o Esmiúça os planos tácticos de cada unidade. Plano de Acção: o Demonstra as actividades para alcançar os Actividades, Cronograma, objetivos. Organograma, Meios e o É de curto prazo (um ano). Orçamento. o É executado pelo pessoal de base da organização. o Orienta a alocação de recursos para consecução da táctica.

15 IIIº NÍVEL Planeamento Operacional IIº NÍVEL Planeamento Táctico Iº NÍVEL Planeamento Coorporativo 3 O PROCESSO DE PE 3.2. Etapas e Ferramentas # Fases Ferramenta 1 Posicionamento Estratégico (p.28) 2 Visão, Missão, Valores (p.28-29) 3 Objectivos Estratégicos (p.30) Declaração de Identidade 4 Análise das Opções Estratégicas (p.30) 5 Directrizes de Intervenção (p.31) 6 Indicadores e Meios de Verificação (p.32) 7 Linha de Base e Meta (p.32) Plano Táctico 8 Plano Operacional (p.33) 9 Estrutura Organizacional (p.34) 10 Orçamento Operacional (p.34) Plano de Acção

16 EXERCÍCIO SOBRE ESTRATÉGIA Introdução: Vocês estão a ser perseguidos por um grupo de bandidos e o único sítio seguro é um rio que se encontra a frente de vocês. Tarefa: desenvolver uma estratégia para que todos os membros da equipa estejam fora de perigo dentro da água. No final, analisar as condições necessárias para o desenvolvimento das estratégias de uma organização (chuva de ideias)

17 3.3. Ferramentas FERRAMENTAS A DESTACAR, NO ÂMBITO DA PLANIFICAÇÃO ESTRATÉGICA

18 Exemplo de Estrutura de uma DI Declaração de Identidade Visão: Missão: Valores: Objectivos 1. Estratégicos: Fontes de Financiamento: 2. Objectivo 1 (especificar) Objectivo 2 (especificar)

19 Exemplo de Estrutura de um PT Plano Táctico Objectivo Estratégico 1 Indicadores Meios de Verificação Linha de Base Meta Custos Diferenciação Focalização Partes interessadas ( stakeholders ) Recursos Humanos Directrizes de Intervenção

20 Exemplo de Estrutura de um PO / Plano de Acção Plano Operacional Objectivo Estratégico 1: Componentes Cronograma Responsável 1º T 2º T 3º T 4º T ACTIVIDADES PRÉVIAS AP1 - AP2 - RESULTADO ESPERADO RESULTADO ESPERADO

21 Organograma Orçamento

22 EXERCÍCIO de GRUPO Em grupos de até 10 participantes, reflectir sobre: 1. As organizações locais têm uma clara definição da visão, missão e valores e existe consenso a respeito dos mesmos? Justifique 2. As organizações, por si só, discutem regularmente seus pontos de fraqueza e suas forças, e suas oportunidades e ameaças em seu ambiente de trabalho? Jstifique 3. As organizações possuem, dentro da sua cultura organizacional, o hábito/preocupação em planear estrategicamente? Justifique 4. Porquê, quando e com quem planear? Execução: 25 minutos Plenária: 7 minutos por grupo

23 Preparado por: Roque Umbar Perito Nacional em M&A do PAANE II

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

Case-study experiência de uma empresa portuguesa

Case-study experiência de uma empresa portuguesa Case-study experiência de uma empresa portuguesa Assistência Técnica à Direcção Nacional de Águas Angola Cláudio de Jesus 8 de Junho de 2015 Índice de conteúdos 1. Enquadramento 2. Estratégia e metodologia

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

Modelo de desenvolvimento

Modelo de desenvolvimento Pensar o Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo 2010-2012 Modelo de desenvolvimento António Tavares Director Departamento de Saúde Pública Ana Dinis Coordenadora da Unidade de Planeamento da Saúde

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO DOCUMENTO DE TRABALHO Grupo de trabalho 2 ÁREAS PROTEGIDAS EM PROCESSO DE ADESÃO À CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL PROGRAMA: Quinta-feira, 23 de Novembro: 10:00-13:00 h Composição e Funcionamento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman A ouvidoria e a prática da boa governança JOÃO ELIAS DE OLIVEIRA

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman A ouvidoria e a prática da boa governança JOÃO ELIAS DE OLIVEIRA Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman A ouvidoria e a prática da boa governança JOÃO ELIAS DE OLIVEIRA Democracia Performance BOA GOVERNANÇA Ordenamento Jurídico Funcionamento Democracia Performance

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PEDSA O PACTO A SER IMPLEMENTADO PELO PEDSA: PRIORIDADES Impacto esperado com a implementação do PEDSA através

Leia mais

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Seminário APCER Maio 2008 Agenda O Modelo CAF o que é; para que

Leia mais

PLANEAMENTO MONITORIA AVALIAÇÃO (PMA) NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL (FP)

PLANEAMENTO MONITORIA AVALIAÇÃO (PMA) NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL (FP) Jornada Internacional O desenvolvimento de competências para aumentar produtividade e emprego 27 28 de Março 2012, Luanda PLANEAMENTO MONITORIA AVALIAÇÃO (PMA) NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL (FP) Julia Giebeler

Leia mais

Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Manuel Teixeira,

Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Manuel Teixeira, Ciclo de Conferências Saber Investir Saber Inovar 2015 Adicionar Valor ao Sistema de Saúde em Portugal 2 de Junho - CCB Intervenção do Presidente da APIFARMA Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde,

Leia mais

IBAP ATELIER DE PLANIFICAÇÃO ESTRATÉGICA DO INSTITUTO DA BIODIVERSIDADE E DAS ÁREAS PROTEGIDAS. (Bissau, 25 a 27 de Setembro de 2006)

IBAP ATELIER DE PLANIFICAÇÃO ESTRATÉGICA DO INSTITUTO DA BIODIVERSIDADE E DAS ÁREAS PROTEGIDAS. (Bissau, 25 a 27 de Setembro de 2006) IBAP ATELIER DE PLANIFICAÇÃO ESTRATÉGICA DO INSTITUTO DA BIODIVERSIDADE E DAS ÁREAS PROTEGIDAS (Bissau, 25 a 27 de Setembro de 2006) RELATÓRIO SÍNTESE Com o objectivo de fazer face aos problemas prementes

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos GESTÃO de PROJECTOS para a maioria dos projectos Gestor de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia 1 atitude positiva dos clientes (empresa, alta direcção) inter-relações e empenho geral as fases de definição

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento 28 de Novembro de 2006 Agenda Como surgiu Missão Objectivos Estrutura organizativa Principais linhas de

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Projeto Educativo/Plano de Atividades

Projeto Educativo/Plano de Atividades COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Projeto Educativo/Plano de Atividades Ano letivo 2014/2015 Índice Introdução Princípios orientadores da ação educativa Horário de funcionamento Clubes

Leia mais

Gestão Estratégica Prof. Charles Pantoja Esteves

Gestão Estratégica Prof. Charles Pantoja Esteves Prof. Charles Pantoja Esteves Administrador de Empresas Analista de Sistemas Msc. PNL e Inteligência Emocional Desenvolvimento 1. Gestão Estratégia: O que é? 2. Direcionamento Estratégico: Conectando o

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

BALANCED SCORECARD. PARA MANUTENÇÃO para melhorar a performance do departamento. Elabore, Planeie, Implemente. Curso.

BALANCED SCORECARD. PARA MANUTENÇÃO para melhorar a performance do departamento. Elabore, Planeie, Implemente. Curso. Curso Elabore, Planeie, Implemente BALANCED SCORECARD PARA MANUTENÇÃO para melhorar a performance do departamento Balanced Scorecard como ferramenta de gestão estratégica Como elaborar o mapa estratégico

Leia mais

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal.

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal. Ficha de Actividade Tipo: Visitas de Estudo Tema: Faz de conta que somos de papel Público-alvo: Alunos Pré-escolar e 1º ciclo Equipa: Serviço Educativo Arquivo Municipal Calendarização: Todo o ano. Agendadas

Leia mais

Principais Aspectos e Benefícios IE - Palestra - 19/04/2016

Principais Aspectos e Benefícios IE - Palestra - 19/04/2016 Principais Aspectos e Benefícios IE - Palestra - 19/04/2016 1 Cenário Mundial Atual Alinhamento Estratégico, Portfólio e PMO Maturidade em Gerenciamento de Projetos Definições Competências Estruturas Organizacionais

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

-Mato. Projecto Corta- Grupo Repo. ortagem. Actividade Refe. Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto

-Mato. Projecto Corta- Grupo Repo. ortagem. Actividade Refe. Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto 11º H Projecto Corta- -Mato Grupo Repo ortagem Actividade Refe erente 3 Professor responsável: André Ramos Realizado por: Carmen Pereira Daniel Sousa Natacha Domingos Nicolau Cardoso Priscila Domingos

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../...

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../... PACTO DE AUTARCAS CONSIDERANDO que o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas confirmou que as alterações climáticas são uma realidade e que a utilização de energia relacionada com actividades

Leia mais

Paulo Magalhães UC.GCI IVE tempo de sucesso. Curso de Empreendedorismo CE APEU 12. (3ª Edição) Organização

Paulo Magalhães UC.GCI IVE tempo de sucesso. Curso de Empreendedorismo CE APEU 12. (3ª Edição) Organização Paulo Magalhães UC.GCI IVE 2006 tempo de sucesso Curso de Empreendedorismo CE APEU 12 (3ª Edição) Organização CURSO DE EMPREENDEDORISMO Resumo O Curso de Empreendedorismo proposto tem como objectivo apoiar

Leia mais

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental 1. Introdução Júlia Fonseca 2010/2011 CICLO DE GESTÃO Planeamento Implementação Controlo de gestão Ciclo de gestão Planeamento Feedback Implementação Controlo Planear Dirigir e Motivar Controlar PLANEAMENTO

Leia mais

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Contexto do Projecto Contexto Ambiental Descrever as calamidades climáticas presentes (eventos e condições) afectando

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS ANO LECTIVO: 2012/2013 INTRODUÇÃO O PROGRAMA EDUCAÇÃO 2015 lançado pelo Ministério da Educação a partir do ano lectivo de 2010-2011 pretende,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS ANO LECTIVO: 2011/2012 INTRODUÇÃO O PROGRAMA EDUCAÇÃO 2015 lançado pelo Ministério da Educação a partir do ano lectivo de 2010-2011 pretende,

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Gestão da qualidade Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa/Escola Superior do Vale do Ave Alguns mitos da qualidade (Pires, 2007) A qualidade não se controla, fabrica-se a qualidade

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Introdução ao gerenciamento de projeto

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Introdução ao gerenciamento de projeto Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública Introdução ao gerenciamento de projeto O que é um Projeto? Um projeto é um complexo e não rotineiro esforço único limitado por tempo, orçamento, recursos

Leia mais

Matriz estratégica do PEE

Matriz estratégica do PEE MEC02-000 MEC02-001 MEC02-002 MEC02-003 Matriz estratégica do PEE Ensino (Pré-) Primário MEC02 Ensino Primário Objectivo Geral Assegurar que todas as crianças tenham oportunidade de concluir uma educação

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas MSc Engenharia do Ambiente Área de especialização Avaliação e Gestão Ambiental Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve 1

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Susana Castelo TIS.pt Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop

Leia mais

PEACEBUILDING PROCESSES AND STATE FAILURE STRATEGIES

PEACEBUILDING PROCESSES AND STATE FAILURE STRATEGIES Núcleo de Estudos para a Paz PEACEBUILDING PROCESSES AND STATE FAILURE STRATEGIES Lessons learned from three former Portuguese colonies Desafios à Cooperação Portuguesa Fundação Cidade de Lisboa 28.05.2007

Leia mais

ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível?

ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível? ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível? Aurora A.C. Teixeira CEF.UP, Faculdade de Economia, Universidade do Porto; OBEGEF; INESC TEC Dimensão do 3º setor e tipos de organizações

Leia mais

Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN)

Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN) Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN) República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional Maputo, 19 de Novembro

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS)

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES TURÍSTICAS (2º CICLO) MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DOS DESTINOS TURÍSTICOS (2º CICLO) DOUTORAMENTO

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS E VIABILIDADE ECONÓMICA E FINANCEIRA

A CONSTRUÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS E VIABILIDADE ECONÓMICA E FINANCEIRA A CONSTRUÇÃO D E VIABILIDADE ECONÓMICA E FINANCEIRA O que é um plano de negócios e para que serve Um Plano de Negócios é um documento base que sintetiza um vasto conjunto de informação essencial sobre

Leia mais

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos do Hospital da Luz Justificação, Finalidade e Objectivos: Os Cuidados Paliativos assumem-se

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE

BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE A MUDANÇA Mudança no Padrão de Procura Mudança no Padrão Demográfico e de Longevidade Mudança nos Factores de Risco Novas Expectativas

Leia mais

Caros Irmãos Escutas,

Caros Irmãos Escutas, Circular 10-1-048 de 06 de Abril De: Para: Assunto: Data: Secretário Nacional Pedagógico JJRR, JJNN, Agrupamentos, Mesas dos Conselhos Nacional, Regionais e Núcleo, Formadores Acções de Formação Membros

Leia mais

Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal

Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal Workshop O hidrogénio na transição para uma economia de baixo carbono: elaboração do roteiro português Lisboa, 13 de março 2017

Leia mais

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AÇÕES ESTRATÉGICAS Ações que objetivam, basicamente, o aproveitamento das oportunidades, e potencialidades, bem como a minimização do impacto das ameaças e fragilidades.

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

SEMINÁRIO Planejamento Estratégico Elaborado por: Jesus Borges (Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional) Fabrício Sobrosa Affeldt (Coordenador de

SEMINÁRIO Planejamento Estratégico Elaborado por: Jesus Borges (Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional) Fabrício Sobrosa Affeldt (Coordenador de SEMINÁRIO Planejamento Estratégico Elaborado por: Jesus Borges (Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional) Fabrício Sobrosa Affeldt (Coordenador de Ensino - Campus Feliz) Cláudia Lorenzon (RH-Reitoria)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO Enquadramento: O ambiente no qual hoje actuam as empresas mudou radicalmente: imprevisibilidade, turbulência, mudança, rapidez,..., são constantes do processo de decisão. Num mundo

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta alterada de REGULAMENTO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta alterada de REGULAMENTO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 10.3.2006 COM(2006) 110 final 2003/0218 (CNS) Proposta alterada de REGULAMENTO DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) nº 1030/2002 que estabelece um modelo

Leia mais

Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF

Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF O que a liderança da organização faz para CRITÉRIO 1: LIDERANÇA Subcritérios () 1.1 Dar uma orientação à organização desenvolvendo e comunicando

Leia mais

Mini MBA Gestão Avançada

Mini MBA Gestão Avançada Mini MBA Gestão Avançada FORMAÇÃO PARA EXECUTIVOS Gestão Curso FEXMMBA 10 Dia(s) 66:00 Horas Introdução Os Cursos de Formação para Executivos, promovidos pela Actual Training, têm por finalidade responder

Leia mais

sistemas de informação

sistemas de informação sistemas de informação organização 2 introdução as organizações são o contexto imediato dos sistemas de informação os SI contribuem para a eficiência e efectividade dos sistemas de actividades humanas

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Planeamento como Ferramenta para a Sustentabilidade. Paulo Teixeira

Planeamento como Ferramenta para a Sustentabilidade. Paulo Teixeira Planeamento como Ferramenta para a Sustentabilidade Paulo Teixeira Pensar Estratégicamente a Organização Há várias razões para uma organização apostar em pensarse estratégicamente mas a principal é Para

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Guia PMBOK

GESTÃO DE PROJETOS. Guia PMBOK Guia PMBOK - O guia PMBOK nada mais é que um conjunto de práticas na gestão de projetos organizado pelo instituto PMI e é considerado a base do conhecimento sobre gestão de projetos por profissionais da

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE CONCEITO DE SAÚDE Saúde é a resultante das condições de alimento, habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade,

Leia mais

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC Titulo da Posição: Período de desempenho: ABRIL A SETEMBRO DE 2014 Dias de trabalho: 110 DIAS EQUIVALENTE A 5 MESES RENOVÁVEIS Nome do consultor: PD ASSESSOR

Leia mais

Programa-Quadro para a Competitividade e Inovação

Programa-Quadro para a Competitividade e Inovação Programa-Quadro para a Competitividade e Inovação Programa de Apoio às Políticas das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2007-2013 AEP - Porto, 12 de Novembro 2011 Ana Ponte UMIC Agência para a

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

Factores-chave para a Gestão da Inovação

Factores-chave para a Gestão da Inovação Factores-chave para a Gestão da Inovação Uma proposta João M. Alves da Cunha CCDR Alg, Maio de 009 Introdução O Innovation Scoring enquanto instrumento de apoio à gestão da Inovação SG IDI Sistema de Gestão

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Planeamento Gestão Estratégica

Planeamento Gestão Estratégica Planeamento Gestão Estratégica Bruno Leote Gui Vale Hugo Jorge Rui Faria Sergio Vasconcelos 31095 30760 28577 25652 21246 Introdução Num mercado tão competitivo como o de hoje em dia, as empresas têm que

Leia mais

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno 40 Tempos Disciplina: Animação Sociocultural Ano Lectivo: 2014/2015 Módulo 6 Deontologia e Animação Sociocultural 1.1 Deontologia: noção, conceitos, fundamentos; 1.2 Valores: conceito e tipos de valores.

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

1. Conceitos Fundamentais

1. Conceitos Fundamentais 1. Conceitos Fundamentais a e os processos de planeamento e desenvolvimento de sistemas de informação 2 planeamento informático planeamento informático análise organizacional organizar o planeamento avaliar

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

Acção de Formação Reforço das capacidades das Autoridades Competentes. Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino

Acção de Formação Reforço das capacidades das Autoridades Competentes. Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino Acção de Formação Reforço das capacidades das Autoridades Competentes Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino ENQUADRAMENTO: As novas leis nacionais aplicáveis ao sector

Leia mais

Projecto Educativo. de Escola

Projecto Educativo. de Escola Projecto Educativo de Escola 2006/2010 Nota Introdutória P.E.E. No seu primeiro ano de implementação 2006/07, com o objectivo de trabalhar os problemas seleccionados: dificuldades sentidas nas relações

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Monitorização dos sinais vitais

Monitorização dos sinais vitais Monitorização dos sinais vitais a gestão de tempo potenciais problemas com a informação técnicas de melhoria na gestão de informação eliminação de burocracia Os planos devem constituir-se como uma ferramenta

Leia mais

Cursos Recomendados TOPIC: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT

Cursos Recomendados TOPIC: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT Cursos Recomendados TOPICS: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT TOPIC: COMMUNICATION SKILLS Módulo: Competências relacionais do gestor M144 Duração 30 min. Adquirir as competências-base

Leia mais

Soft-skills / Comportamental

Soft-skills / Comportamental Soft-skills / Comportamental Liderança e trabalho em equipa Comunicação, gestão de conflitos e negociação Técnicas de apresentação Gestão do tempo e Reuniões eficazes 1 Hire on attitude, Train the skills

Leia mais

Ciência e Inovação Realizar Portugal

Ciência e Inovação Realizar Portugal Programa Operacional Ciência e Inovação Realizar Portugal União Europeia Fundos Estruturais Programa Operacional Ciência e Inovação 2010 No dia 24 de Dezembro de 2004 foi aprovado, por decisão (5706/2004)

Leia mais

SUPERVISÃO DE ESTÁGIO

SUPERVISÃO DE ESTÁGIO Unidade II SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL Profa. Regiane F. Leite Avaliação. O termo avaliação nos leva a diferentes modalidades de estudo. A pesquisa de avaliação sempre emprega uma metodologia

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos

Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos Projecto Mil Escolas Anos Lectivos 2007/2008 e 2008/2009 Programa Integrado de Educação Ambiental: A Água e os Nossos Rios Notas

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL

TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL 1. CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO A informação sanitária tem uma importância crucial

Leia mais

Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos

Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos O curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos visa a despertar o interesse de pessoas que queiram empreender na área social. Trata-se

Leia mais

READ MOÇAMBIQUE E S C H B O R N, A L E M A N H A 2 5 D E O U T U B R O,

READ MOÇAMBIQUE E S C H B O R N, A L E M A N H A 2 5 D E O U T U B R O, Utilizar os Resultados da Avaliação de Estudantes para Reforçar a Qualidade da Educação e dos Sistemas READ MOÇAMBIQUE E S C H B O R N, A L E M A N H A 2 5 D E O U T U B R O, 2 0 1 1 SABER Resultados Comparativos

Leia mais

Índice CONCEITOS E FUNDAMENTOS. Parte I. Capítulo 1 A natureza do problema estratégico 21

Índice CONCEITOS E FUNDAMENTOS. Parte I. Capítulo 1 A natureza do problema estratégico 21 Índice Introdução 15 Parte I CONCEITOS E FUNDAMENTOS Capítulo 1 A natureza do problema estratégico 21 1. Introdução 21 2. A estratégia deve assegurar a satisfação equilibrada das diversas legitimidades

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS 9 ÁREAS DE CONHECIMENTO DE GP / PMBOK / PMI DEFINIÇÃO O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular.

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. O MODELO DE AUTO-AVALIA AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. ESRDL/CREM CREM/Carlos Carlos Carvalho 1 Interacção Sociedade-Escola Escola-NTI Vivemos

Leia mais

2007 Professor Pedro Correia

2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos 2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos Desde 2004 que existe uma cooperação entre a DREER e o Clube Naval do Funchal na inclusão

Leia mais