Nesta comunicação analisamos alguns dos temas mais importantes no

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nesta comunicação analisamos alguns dos temas mais importantes no"

Transcrição

1 HÁ FUTURO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA? Luis E. Aragón 1 Introdução Nesta comunicação analisamos alguns dos temas mais importantes no contexto da Amazônia contemporânea, buscando responder à pergunta formulada no título e advertindo, desde já, que o termo Amazônia refere-se à Grande Amazônia, Pan-Amazônia, Amazônia Continental, Amazônia Sul Americana, Amazônia Internacional, ou qualquer outro termo que indique a totalidade da região e não apenas a sua porção nacional, em qualquer país. Trata-se de analisar as possibilidades de se formular e implementar propostas de desenvolvimento sustentável que abarquem a Região como um todo e não somente as Amazônias nacionais. Existem políticas dirigidas ao desenvolvimento da Amazônia em todos os países amazônicos, com maior ou menor sucesso, mas as propostas de desenvolvimento macrorregional são raras. Centraremos nossa discussão em cinco aspectos fundamentais que afetam qualquer iniciativa de desenvolvimento em nível macrorregional ou internacional: Definição, População, Diversidade, Uso da Água, O Tratado de Cooperação Amazônica. Definição Até onde vai a Amazônia? Eis aí a questão. Essa pergunta, que à primeira vista parece trivial, tem infernizado a cabeça de geógrafos, ecólogos, geólogos e muitos outros amazonólogos do mundo inteiro, mas principalmente de tomadores de decisões e gestores públicos que precisam alocar recursos na região amazônica, e mesmo políticos que precisam sobreviver catando votos na Amazônia e pela Amazônia. Há consenso de que a Amazônia é uma região compartilhada por vários países, distinguindo-se, portanto, entre as Amazônias de cada país e a Amazônia de todos os países. Nos dois casos, entretanto, a dificuldade de delimitar a região permanece. Neste trabalho, o termo Amazônia refere-se à Região toda, e quando nos referimos a uma das Amazônias nacionais, o termo será acompanhado do adjetivo respectivo: Amazônia brasileira, Amazônia peruana, Amazônia colombiana, etc. Esse procedimento justifica-se se considerarmos que estamos nos referindo a uma única região compartilhada por várias soberanias, 1 Coordenador do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos UFPA.

2 rompendo o mito, ainda existente em alguns meios, de que a Amazônia é somente Brasileira. Como, pois, delimitar a Amazônia? A verdade é que não existe uma única forma de definir a Amazônia; sua delimitação depende do fator considerado. Dominguez (1987), por exemplo, especifica pelo menos três fatores para definir a Amazônia: a bacia hidrográfica, o ecossistema e a lei. Do ponto de vista da bacia hidrográfica, a delimitação da Amazônia é, talvez, a forma mais simples e fácil. A Amazônia compreende a área dominada pela bacia do Rio Amazonas e das bacias de todos seus afluentes. Uma fonte estima em quilômetros quadrados a superfície da Amazônia definida dessa forma (CDEA, 1992), outra em (Dominguez, 1987), outra em 7 milhões (Branco, 1989) e ainda outra em 7.5 milhões (Braga et. al., 1999), indicando que nem mesmo desta maneira há consenso no que se refere à delimitação da Amazônia. No que todos concordam, entretanto, é que, por este critério, não fariam parte da Amazônia o Suriname nem a Guiana Francesa, e para alguns tampouco a Guiana, considerando que os rios desses territórios desembocam diretamente no Oceano Atlântico e, portanto, não pertencentes à bacia amazônica. Já grandes porções do cerrado brasileiro e a parte oriental das altas montanhas geladas dos Andes seriam consideradas amazônicas, incluindo cidades andinas como Cuzco, no Peru e La Paz, na Bolívia. E alguns vão mais longe, afirmando, por exemplo, que, como o Rio Tocantins e outros rios menores localizados ao leste deste rio não desembocam diretamente no Amazonas, mas na baía do Guajará ou diretamente no Oceano, grande parte do Estado do Pará não seria amazônico, incluindo a cidade de Belém (Branco, 1989). Pelo critério do ecossistema, isto, é pelo domínio da Hiléia, algumas áreas fora da bacia hidrográfica fariam parte da Amazônia, enquanto outras, dentro da bacia hidrográfica, não fariam parte da Região. Neste caso, a região seria definida pelo domínio da selva tropical úmida com altas temperaturas. As altas montanhas andinas e o cerrado brasileiro seriam desconsiderados, agregando-se as Guianas e maiores áreas da Venezuela, chegando alguns a juntar partes da Orinoquia ao domínio amazônico, considerando as características ecológicas. A área da Amazônia, assim definida, foi estimada por Dominguez (1987) em quilômetros quadrados. Uma terceira forma de definir a Amazônia é pela Lei. O melhor exemplo de definição da Amazônia, conforme a lei, é o caso da Amazônia Legal Brasileira. A lei 1806, de 1953, que criou a SPVEA, delimitou uma área específica para sua atuação, que se mantém até hoje: a chamada Amazônia Legal os atuais estados de Rondônia, Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Roraima, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão, ao Oeste do Meridiano 44. A Região Amazônica foi definida, portanto, pela Lei, independentemente se sua área pertenceria à bacia hidrográfica, se seu ecossistema seria de selva úmida tropical ou qualquer outro critério semelhante. Em outros casos, também prevalece o critério da Lei, como naqueles em que se define a questão pelo território das divisões administrativas, tendo como

3 exemplo a Venezuela, quando considera a Amazônia Venezuelana como a área do Território Federal Amazonas. E, finalmente, a Região Amazônica considerada pelo próprio Tratado de Cooperação Amazônica, que a define em seu Artigo 2 o, nos seguintes termos: O presente Tratado se aplicará nos territórios das Partes Contratantes na Bacia Amazônica, assim como, também, em qualquer território de uma Parte Contratante que, pelas suas características geográficas, ecológicas ou econômicas, se considere estreitamente vinculado à mesma (MRE, 1978). Nesse caso, a Guiana Francesa não faz parte da Amazônia, já que esse Departamento da França não faz parte do Tratado. A superfície da Amazônia, conforme esse critério, foi estimada por Dominguez (1982) em quilômetros quadrados. Pelos três critérios, o Brasil possui mais de 60% da superfície da Amazônia, seguido do Peru, com mais de 10%. Mas, afinal, é a definição importante para analisar o desenvolvimento sustentável na Amazônia? Na verdade, depende dos fatores considerados. A proteção de áreas indígenas, por exemplo, certamente requer uma delimitação precisa de região (que não deveria considerar fronteiras políticas), ou a delimitação de parques transfronteiriços e, mesmo, as fronteiras políticas dos países. Em estudos comparativos, o fator escala é sempre importante. Independentemente do fator considerado, a porção de cada país na Amazônia e a porção da Amazônia em cada país variam consideravelmente (Tabela 1). Tabela 1 Superfície da Amazônia conforme três critérios, por país, em Km 2 País Bacia Hidrográfica Hiléia TCA Total % Total % Total % Brasil Peru Bolívia Colômbia Guianas* Equador Venezuel a Total Fonte: Dominguez (1987). Por exemplo, o Estado do Pará é maior que toda a extensão da Colômbia. A conclusão é obvia: não é o mesmo desenvolver políticas públicas numa área da extensão da Amazônia Brasileira, e numa área da extensão da Amazônia Colombiana, por exemplo. Essas realidades são desafios que demandam

4 equacionar-se corretamente quando se trata de desenvolver políticas macrorregionais ou internacionais. População Se não é simples delimitar a área da Amazônia, maior desafio é calcular, ou pelo menos estimar sua população. As estimativas variam de autor para autor e de país para país. Na verdade, não existe um cálculo exato da população da Amazônia. A Amazônia brasileira é, talvez, a que possui dados mais apurados por meio dos censos de população do IBGE, que vêm periodicamente sendo realizados e aperfeiçoados por mais de um século. Isso não se pode dizer de outros países que, por diversas razões, não contam com censos atualizados. Como calcular, por exemplo, a população da Amazônia Colombiana, em áreas controladas pela guerrilha ou pelo narcotráfico? Dessa maneira, o que existe são estimativas rudes e, portanto, pouco exatas, que devem ser tomadas, sempre, com cautela. Dez anos atrás (1992), o TCA estimou a população da Amazônia, conforme o critério de bacia hidrográfica mais o Suriname e a Guiana Francesa, em habitantes (CDEA, 1992). À mesma época, um estudo da UNAMAZ, baseado em levantamentos nacionais, estimava a população dos países amazônicos em habitantes (Aragón, 1993; Yarzábal, Espinal e Aragón, 1992). Se essas estimativas se mantiveram em termos percentuais, a população amazônica representaria 10% da população dos países amazônicos, com uma densidade demográfica de um pouco mais de 3,0 habitantes por quilômetro quadrado; por seu turno, internamente, a população amazônica do Brasil, Peru e Bolívia representaria mais de 90% da população total da região (Tabela 2). Tabela 2 Estimativas da população total da Amazônia segundo duas fontes, por país. Cerca de 1990 Pais TCA* UNAMAZ** Total % Total % Bolívia , ,17 Brasil , ,17 0 Colômbia , ,42 Equador , ,64 Guiana , ,24 Peru , ,98 Venezuela , ,34 Suriname , ,81 Guiana , Francesa Total , ,00 0 Fontes: * CDEA, 1992.

5 ** Aragón, 1993; Yarzábal, Espinal e Aragón, O levantamento da UNAMAZ permite também conferir outras estimativas relacionadas com a distribuição da população rural-urbana e taxas de crescimento demográfico. Nesse sentido, a maioria da população amazônica estaria concentrada em áreas urbanas (52%) (Tabela 3), e crescendo a taxas maiores (mais de 3,0% ao ano) que a dos respectivos países. A população indígena chega aproximadamente a um milhão de pessoas, distribuídas em cerca de 370 grupos (CDEA, 1992). Tabela 3 Densidade Demográfica, População Rural e Urbana da Amazônia, por país amazônico 1990 (em percentagem) Países Amazônicos Densidade Pop/ Km2 País População Urbana População Rural Densidade Pop/K m2 Região Amazônica População Urbana População Rural Bolívia 7,0 51,4 48,6 2,7 52,4 47,6 Brasil 17,0 76,9 23,1 3,4 52,6 47,4 Colômbia 26,3 70,3 29,7 1,4 50,1 49,9 Equador 34,9 56,9 43,1 2,9 25,8 74,2 Guiana 3,5 34,0 66,0 3,5 34,0 66,0 Peru 17,4 70,2 29,8 3,4 58,3 41,7 Suriname 2,6 65,0 35,0 2,6 65,0 35,0 Venezuela 22,0 90,5 9,5 0,4 53,7 46,2 Total 17,4 77,3 22,7 3,4 52,3 47,7 Fonte: Aragón, 1993; Yarzábal, Espinal e Aragón, Diversidade A imensidão do manto verde da Amazônia gerou, em visitantes desavisados, uma visão de uma gigantesca área homogênea, monótona, com ricos solos e demográficamente vazia: o inferno verde, o pulmão do mundo. Hoje, essas visões míticas não se sustentam mais. Cerca de 24 milhões de pessoas moram nessa Região, a diversidade em todos os sentidos é característica marcante, seus solos são na maioria pobres e o oxigênio produzido aqui é consumido pela própria floresta. A diversidade da Amazônia é expressa de diferentes formas: em Yanamono (Amazônia Peruana), foi registrado o maior número de espécies de árvores do mundo, com 300 espécies de mais de 20 centímetros em diâmetro, na altura do peito por hectare (CDEA, 1992). Em 2 km 2 na Amazônia Peruana acharam-se 630 espécies de vertebrados, incluindo 353 espécies de aves (12% do mundo), 70 espécies de peixes, anfíbios, répteis e mamíferos, e 232 espécies de borboletas (Klinge, et. al., 1987). Só na copa de uma árvore em Madre de Dios (Peru), foram encontradas espécies de insetos (CDEA, 1992). Politicamente, a região também apresenta uma grande diversificação. Oito países e um território francês

6 compartilham a região. Cada país tem seu próprio regime político e as políticas para o desenvolvimento da Amazônia variam em cada país, e também o nível de intervenção na região. Culturalmente, os cerca de 24 milhões de habitantes da região estão constituídos de índios (cerca de um milhão e mais de 370 grupos), mestiços, caboclos, brancos, pretos, habitantes de áreas urbanas, migrantes provenientes das mais distintas regiões, com tradições as mais diversas. A Amazônia é, na realidade, um dos maiores, diversos, complexos e ricos domínios do mundo. Vista a partir do cosmos, a Amazônia sul-americana corresponde a 1/20 da superfície da terra, 2/5 da América do Sul, 3/5 do Brasil. Contém 1/5 da disponibilidade mundial de água doce e 1/3 das reservas mundiais de florestas latifoliadas, mas somente 3,5 milésimos da população mundial (Becker, 1990:9). E, vista a partir de seu interior, o cenário é igualmente espetacular (Egg, 1996): a) Dependendo do critério e autor utilizados, sua superfície varia de 5,9 a 7,9 milhões de quilometros quadrados; b) Seu relevo inclui os vales de seus rios, os maciços montanhosos das Guianas, do Brasil e dos Andes; c) Sua hidrografia inclui rios de águas negras, brancas e cristalinas; lagos de diversas origens e características e as águas do Atlântico, que banham sua costa formando praias espetaculares ou áreas de mangue com toda sua riqueza biológica; d) Sua diversidade climática varia desde as zonas tropicais até as temperadas, frias e frígidas, com enorme influência sobre solos, flora, fauna e atividades humanas; e) Sua diversidade biológica de ecossistemas, espécies e germoplasma é a mais intensa, complexa e rica do planeta. Cerca de 30% de todas as espécies de fauna e flora do mundo encontram-se na região; f) Após 20 mil anos de ocupação humana, calcula-se a população da região em cerca de 24 milhões de pessoas, que cresce a mais de 3% ao ano e é composta por um mosaico heterogêneo de povos indígenas e migrantes antigos e recentes de origem européia, asiática, africana e americana, com os mais diferentes tipos resultantes dos cruzamentos desses povos; g) Os processos recentes de ocupação têm culminado com uma população concentrada em áreas urbanas de cidades e povoados, mas alcançando cidades que ultrapassam um milhão de habitantes; h) Cerca de 85% de sua área está ainda pouco ou nada intervinda. À medida que a Amazônia vai sendo desmistificada, os programas de desenvolvimento tendem a mudar, especialmente a partir da Conferência Mundial das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento de Reconhecese, pelo menos no discurso, que a riqueza maior da Amazônia é sua biodiversidade e sua floresta, e que existindo várias Amazônias é mister desenvolver programas que atendam à realidade local. Os jargões de terra sem homens para homens sem terra, e de integrar para não entregar, são

7 substituídos por desenvolver sem destruir ; esboçam-se agendas de desenvolvimento abrangendo a região toda seguindo o ideário do desenvolvimento sustentável (Aragón 1998; Pavan, 1996) e se formulam programas ambiciosos de cooperação, destacando-se o Plano de Ação do Tratado de Cooperação Amazônica (TCA, 1992; De la Torre, 1996). Falta, entretanto, maior vontade política e maior articulação da sociedade civil para levar essas iniciativas avante. Uso da água Certamente o recurso natural mais importante do presente século será a água potável. E o uso desse recurso no mundo é já uma questão geopolítica das mais candentes; especula-se, inclusive, a formação de uma Organização de Países Exportadores de Água. Na Amazônia, o sistema fluvial Amazonas-Solimões-Ucayalli representa o mais extenso rio do mundo, com quilômetros (91 quilômetros a mais que o Nilo, considerado por muitos como o mais extenso rio do mundo). A bacia hidrográfica do Amazonas é constituída por mais de 1000 rios e o Amazonas deságua no Oceano Atlântico entre e metros cúbicos de água por segundo, descarga essa que representa 15,47 por cento de toda a água doce que entra diariamente nos oceanos (Mattos de Lemos, 1990). Sua descarga de sedimentos é tão gigantesca, calculada em 1 bilhão de toneladas por ano (Botto, 1999), que a corrente do Atlântico Norte distribui sedimentos férteis ao longo da Costa até a Venezuela e algumas ilhas do Caribe (Lima, et. al, 2000; Paiva, 2002). Na Amazônia, a água é, realmente, como afirmava da Vinci, o condutor da vida ; sua escassez, contaminação ou manejo inadequado gerariam distúrbios ecológicos, econômicos e ambientais imprevisíveis, e efeitos desastrosos para a saúde humana. A contaminação por mercúrio, a poluição das águas ao redor das grandes cidades, o risco de contaminação dos mananciais que abastecem os centros urbanos, os desequilíbrios ecológicos produzidos pelas grandes barragens e a contaminação por petróleo são reais ameaças que colocam em xeque a gestão dos recursos hídricos na Região. Nesse sentido, a questão dos recursos hídricos não pode ser vista isoladamente, estando relacionada com a gestão dos recursos naturais em geral, ao espaço territorial, ao habitat e, portanto, ao desenvolvimento regional em sentido amplo. A gestão dos recursos hídricos numa região das dimensões da Amazônia exige um enfoque integrado, norteado pela Agenda 21, em que sejam considerados aspectos cruciais, tais como a ética do uso da água, a soberania nacional sobre recursos compartidos, as dimensões globais e locais do uso da água de regiões com abundância desse recurso. É necessário, por outro lado, desenvolver estudos que permitam formular e implementar políticas públicas relacionadas com os impactos das ações antrópicas no ciclo hidrológico da Amazônia, com os fatores, níveis, riscos e conseqüências sócioambientais da contaminação das águas, com a importância dos rios no sistema de transportes da Amazônia, com a geopolítica da água num mundo com distribuição desigual desse recurso, com a economia e ecologia política do uso da

8 água como fonte de energia, com a legislação e sistema institucional de gestão dos recursos hídricos nos países amazônicos, com modelos de gestão, e com o papel da cooperação internacional para o conhecimento e uso sustentável dos recursos hídricos da região. Todos esses aspectos estão na agenda de diversos eventos em nível mundial e a região não pode ficar de fora desse debate. O Tratado de Cooperação Amazônica 2 A discussão sobre possibilidades de desenvolvimento sustentável na Amazônia requer análise do papel do Tratado de Cooperação Amazônica como instrumento de integração regional e mecanismo paraestatal de políticas públicas. Trata-se de um documento de referência que poderá inspirar e liderar iniciativas de desenvolvimento envolvendo todos os países amazônicos. A partir da década de 1960, intensificaram-se os esforços para que a soberania dos países amazônicos sobre seus respectivos territórios fosse exercida, e a assinatura do Tratado de Cooperação Amazônica (TCA) representa o reconhecimento da necessidade da cooperação internacional para garantir esse exercício. O TCA foi assinado em Brasília, em 3 de julho de 1978, pelas repúblicas de Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela. O impacto e o papel preponderante que o Tratado pode e deve jogar no atual processo de globalização dependem, em grande parte, da superação pelos países signatários de seus próprios conflitos (fundamentalmente internos) para pôr em prática os princípios que regem o Tratado, assim resumidos em seu Artigo Primeiro: As partes contratantes convêm em realizar esforços e ações conjuntas a fim de promover o desenvolvimento harmônico de seus respectivos territórios amazônicos, de modo a que essas ações conjuntas produzam resultados eqüitativos e mutuamente proveitosos, assim como para a preservação do meio ambiente e a conservação e utilização racional dos recursos naturais desses territórios (MRE, 1978). Até a reunião do Conselho de Ministros de Relações Exteriores (Máximo Órgão do Tratado), de 1989, realizada em Quito (Equador), o TCA esteve praticamente morto, sem realizar atividades de relevância. A partir desse ano, e principalmente durante a gestão da Secretaria Pró-tempore no Equador, o Tratado ganhou grande impulso e se projeta, hoje, como instrumento fundamental para a integração sub-regional amazônica. O Equador, desde a Secretaria Pró-tempore, precisava preparar o Tratado para assumir a liderança necessária à formulação e a implementação de ações conjuntas e relevantes a fim de alcançar o desenvolvimento da região, ou seja, colocar em 2 Algumas partes deste item foram extraídas de Aragón Para estudos mais profundos sobre o TCA, ver Román, 1998; Aragón, 1994 e Botto, 1999.

9 prática objetivos determinados pelo próprio Tratado e, dessa forma, ser apresentado (o Tratado), durante a UNCED/92, como importante instrumento para viabilizar um desenvolvimento sem destruição na região. Todos os esforços da Secretaria Pró-tempore no Equador concentram-se, portanto, na formulação de um amplo Plano de Ação, que foi concluído e aprovado na reunião do Conselho de Ministros, realizada em Santa Cruz de la Sierra (Bolívia), em novembro de 1991, e levado à Conferência do Rio, em junho de É um Plano constituído de 52 programas e aproximadamente 200 projetos, que abrangem as áreas de Ciência e Tecnologia, Meio Ambiente, Assuntos Indígenas, Transporte, Infra-estrutura e Comunicações, Saúde e Turismo (TCA, 1992) e que, ainda quando elaborado antes da aprovação da Agenda 21, enquadra-se perfeitamente em seus princípios (De La Torre, 1996). Após a Conferência de 1992, o TCA tratou de implementar alguns dos projetos aprovados, mas poucos avanços foram conseguidos. São muitos, e de ordem diversa, os fatores que limitam a implementação dos projetos do TCA, entre os quais se destaca a fragilidade institucional do próprio Tratado (Román, 1998). Como o seu nome indica, o Tratado é um mero documento com a assinatura dos Ministros de Relações Exteriores dos oito países amazônicos. Não é pessoa jurídica e, portanto, não existe como organismo. A Secretaria Pró-tempore é rotativa e exerce funções executivas emanadas do Conselho de Ministros; por conseguinte, não tem autonomia para negociar ou executar ações sem o mandato do Conselho. Mas, como afirma Román (1998), o Tratado define-se como um regime internacional de cooperação entre os países signatários, e seus Presidentes, individualmente ou em conjunto, têm manifestado diversas vezes seu interesse em apoiar suas propostas e buscar formas de implementá-las. Regimes internacionais são instituições sociais compostas de princípios, normas, regras e procedimentos de decisão previamente acordadas para governar, ou com a intenção de governar, a interação de atores em áreas específicas (Román 1998, 137). Como processo dinâmico, o regime internacional do TCA está em formação, mas cada vez aproxima-se mais de um regime internacional clássico, no sentido de efetivamente governar a cooperação internacional dos oito países amazônicos em relação à preservação do meio ambiente e ao desenvolvimento regional. Por isso mesmo, os esforços, a partir de 1992, centraram-se em fortalecer institucionalmente o Tratado. Durante a gestão da Secretaria Pró-tempore no Peru, que seguiu imediatamente a do Equador, elaborou-se e aprovou-se, em reunião do Conselho de Ministros, uma proposta que concretizou uma aspiração antiga de vários países: a criação de uma Secretaria Permanente do Tratado (Botto, 1999). Como resultado dessa proposta, formulou-se a criação da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), com sede permanente no Brasil. O processo tramitou pelos parlamentos dos oito países e a Organização será instalada ainda este ano (2002).

10 O estabelecimento e funcionamento da OTCA representarão um salto qualitativo significativo e a consolidação do Tratado como regime internacional, já que será um organismo multilateral e, portanto, pessoa jurídica, passando a governar a cooperação entre os oito países e a implementar projetos e programas. A OTCA representará, dessa forma, o maior esforço de integração sub-regional na história da Amazônia, por meio do qual será possível acordar os princípios básicos que nortearão o desenvolvimento da Região. Conclusões Como responder à pergunta inicial deste trabalho: há futuro para o desenvolvimento sustentável na Amazônia? Trata-se, como foi mencionado na introdução, da possibilidade de formular e implementar propostas que levem à integração e ao desenvolvimento da região como um todo. Iniciativas nacionais existem muitas, mas poucas propostas existem abrangendo a região como um todo. Nessa abrangência, três iniciativas se destacam: o Plano de Ação aprovado pelo TCA (1992), os resultados da Conferência Amazônia 21: Uma Agenda para um Mundo Sustentável, realizada conjuntamente pela Secretaria da Amazônia do Brasil e pela Associação de Universidades Amazônicas (UNAMAZ) (Aragón, 1998), e os resultados da Conferência Uma Estratégia Latino-Americana para a Amazônia, realizada pela Fundação Memorial da América Latina (Pavan, 1996). As três iniciativas incorporam o ideário do desenvolvimento sustentável e destacam o papel estratégico que o Tratado de Cooperação Amazônica deverá desempenhar como instrumento privilegiado para a implementação de princípios norteadores de políticas de desenvolvimento internacionais. A futura OTCA e os países que a integram deverão estar atentos para incorporar, em qualquer iniciativa de desenvolvimento, as transformações sofridas pela região ao longo dos últimos anos, principalmente produto de políticas mal formuladas, e enfrentar com rigor e compromisso os grandes desafios que hoje apresenta a região, destacando-se, entre outros, os seguintes aspectos 3 : Nos últimos anos houve na Região: Um notável crescimento demográfico, sobretudo de populações urbanas; Um não menos notável crescimento econômico; Um visível crescimento das desigualdades sociais; Em certas porções, avançada depredação da natureza; A superação de mitos ditos científicos; 3 Para ampliar a questão ver Aragón, 1998, especialmente o Relatório Final da Conferência escrito por Mendes e Sachs (1998), de onde se retirou a maioria dessas conclusões e a lista de desafios aqui enumerados.

11 Avanço na discussão geopolítica relacionada com a soberania e com a exploração dos recursos naturais; Importantes avanços em termos de descobertas científicas; Inserção do fator sustentabilidade nas análises e processos decisórios; Avanço da atenção regional por parte de instituições extra-regionais; Avanço na solução de conflitos fronteiriços, mas aumento do narcotráfico; Avanço na construção de parcerias; Avanço do movimento ambientalista ao redor do mundo relacionado com a Amazônia. Entre os desafios a serem superados, incluem-se: Superar lacunas graves no que se refere ao conhecimento da região como um todo; Descobrir formas de difundir apropriadamente o saber e o saber-fazer local; Descobrir alternativas adequadas para a melhoria da qualidade de vida com pleno respeito à diversidade biológica e sócio-cultural e sua justa inserção no mundo. Referências ARAGÓN, Luis E. Amazônia: Questões Globais e Regionais. In: Ferreira, E. J. G., et. al. (Eds.) Bases científicas para estratégias de preservação e desenvolvimento da Amazônia. Manaus: INPA. Vol. 2, p , ARAGÓN, Luis E. The Amazon as a Study Object: Building Regional Capacity for Sustainable Development. Stockholm: Institute of Latin American Studies/Stockholm University, ARAGÓN, Luis E. (Org.). Amazônia 21: Uma Agenda para um Mundo Sustentável. Brasília: UNAMAZ/SCA, ARAGÓN, Luis E. Ciência e educação superior na Amazônia: Desafios e oportunidades de cooperação internacional. Belém: UNAMAZ/NAEA, BECKER, Bertha, K. Amazônia. São Paulo: Ática, BOTTO, Manuel Picasso. The Amazon Cooperation Treaty: A Mechanism for Cooperation and Sustainable Development. In: Biswas, Asit K., et. al. (Editors). Management of Latin American River Basins: Amazon, Plata, and São Francisco. Tokyo, Japan: United Nations University Press. p , BRAGA, B. et. al. Sustainable water-resources development of the Amazon Basin. In: Biswas, Asit K., et. al. (Editors). Management of Latin American River Basins: Amazon, Plata, and São Francisco. Tokyo, Japan: United Nations University Press. p. 3-47, BRANCO, Samuel Murgel. O desafio amazônico. São Paulo: Editora Moderna, 1989.

12 CDEA Commission on Development and Environment for Amazonia, Amazonia without Myths Washington, D.C.: IDB/UNDP/ACT. DE LA TORRE, Luis Carrera. Políticas y estratégias de desarrollo sustentable en la región amazónica. In: Pavan, Crodowaldo (Org.). Uma estratégia Latino-Americana para a Amazônia. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina. Vol. 3, p , DOMINGUEZ, Camilo. Colombia y la Pan-Amazonia. In: Universidad Nacional de Colombia. Colombia Amazónica. Bogotá, D. E.: FEN Colombia. p , EGG, Antonio Brack. La Amazonia posible: Recursos, problemas y posibilidades de uma de las más intrigantes regiones del planeta. In: Pavan, Crodowaldo (Org.) Uma estratégia Latino-Americana para a Amazônia. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina. Vol. 3, p , KLINGE, H. et. al. Alguns elementos básicos do ecossistema amazônico. In: Kohlhepp, G. e Schrader, A. (Eds.) Homem e natureza na Amazônia. Tubingen: Universitat Tubingen, p , LIMA, Rubens Rodrigues, et. al. Várzeas Flúvio-Marinhas da Amazônia Brasileira: Características e Possibilidades Agropecuárias. Belém: Faculdade de Ciências Agrárias do Pará. MATTOS DE LEMOS, H. Amazônia: In Defense of Brazil s Sovereignty. The Fletcher Forum of World Affairs. Vol. 9, N. 2, MENDES, Armando; SACHS, Ignacy. Relatório Final. In: ARAGÓN, Luis E. (Org.). Amazônia 21: Uma Agenda para um Mundo Sustentável. Brasília: UNAMAZ/SCA. p , MRE Ministério das Relações Exteriores. Tratado de Cooperação Amazônica. Brasília: MRE, PAIVA, Rosildo. A importância dos grandes rios da Amazônia para a produtividade da plataforma Problemática do Uso Local e Global da Água da Amazônia. Belém, de junho, ROMÁN, Mikael. The implementation of international regimes: The case of the Amazonian Cooperation Treaty. Uppsala, Sweden: Uppsala University, TCA Tratado de Cooperação Amazônica. Programs and Projects of The Amazon Cooperation Treaty. Quito: TCA, YARZÁBAL, L.; ESPINAL, C.; ARAGÓN, L. E. (Orgs.). Enfoque integral de la Salud humana en la Amazonia. Caracas: UNAMAZ/UCV, 1992.

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade

Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade PLANO DE AÇÃO Preâmbulo: Nós, os participantes do workshop chamado

Leia mais

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul -III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul EM DEFESA DA AMAZÔNIA "ambientes sociais e físicos que destroem ou promovem

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Seminario: Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Papel dos atores regionais Secretaria Permanente da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica Junho de 2010 TCA 1978/1980 Soberanía Navegação Educação

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

Intervenção do Senhor DAS II para o IV Seminário de Direito de Águas Internacionais. Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2015

Intervenção do Senhor DAS II para o IV Seminário de Direito de Águas Internacionais. Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2015 Intervenção do Senhor DAS II para o IV Seminário de Direito de Águas Internacionais Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2015 É para mim uma grande satisfação encerrar este Seminário promovido pela Global

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007.

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007. PROGRAMA LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ACORDOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PLACEA: 2005-2007 1 (DOCUMENTO EM VERSÃO PRELIMINAR) Introdução: Os especialistas em Gestão Pública

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

A Amazônia. 9 países da América do Sul: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela;

A Amazônia. 9 países da América do Sul: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela; A Amazônia 9 países da América do Sul: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela; 60% da área da floresta amazônica está em terras brasileiras; 3 regiões:

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Subsídios à participação brasileira no evento e considerações

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

GEOGRAFIA 7ºano 3º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS

GEOGRAFIA 7ºano 3º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS GEOGRAFIA 7ºano 3º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS 1. Utilizando o mapa abaixo, faça o que se pede: a) Identifique os Estados e Capitais da região b) Traçar no mapa a Linha do Trópico de Capricórnio

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, As águas subterrâneas que formam os aqüíferos

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

América do Sul: América Andina e Guianas

América do Sul: América Andina e Guianas América do Sul: América Andina e Guianas Características gerais da América do Sul A América do Sul compreende a área que se estende do sul do istmo do Panamá ao cabo Horn, perfazendo 7 mil quilômetros

Leia mais

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Ingo Daniel Wahnfried * * Departamento de Geociências, ICE, Universidade Federal do Amazonas Manaus/AM Introdução

Leia mais

HOTSPOTS. As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta

HOTSPOTS. As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta HOTSPOTS As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta PRESERVANDO AS RIQUEZAS MAIS AMEAÇADAS DA TERRA Conservar a biodiversidade do planeta e demonstrar que as sociedades humanas podem viver

Leia mais

O Amazonas e a bacia amazônica

O Amazonas e a bacia amazônica O Amazonas e a bacia amazônica 1. A descoberta do Amazonas Sabemos, por descobertas arqueológicas, que uma parte do Brasil atual foi habitada 12.000 anos atrás por grupos de caçadores e coletores. A foz

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

8º ANO ATIVIDADES ONLINE

8º ANO ATIVIDADES ONLINE 8º ANO ATIVIDADES ONLINE 1) Analise a tabela e responda. a) Entre os países andinos, qual apresenta maior desenvolvimento, de acordo com o IDH? E menor desenvolvimento? b)que tipo de produto predomina

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ INDICADORES Fronteira: Pará, Guiana Francesa e Suriname Municípios: 16 Área: 143.453,71 km 98% de cobertura florestal conservada População: 613.164

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia TE QUERO VERDE Autoria: Ieda Martins de Oliveira Editora: Casa Publicadora Brasileira Turmas: 3º ao 7º ano Temas: Arte, Geografia, História, Ciências, Língua Portuguesa, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural,

Leia mais

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos:

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: Patrimonio Hídrico Brasileiro - Explicação do Abaixo Assinado. Observação: O melhor instrumento para entender essa proposta é o Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2004, Fraternidade e Água, realizada

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Fundo Para o Meio Ambiente Mundial

Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Organização do Tratado de Cooperação Amazônica Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

CP/CAEM/2004 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/20 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 6,0 ) Analisar os fatores fisiográficos da América do Sul, concluindo sobre a influências destes fatores na distribuição

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Amazônia

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Amazônia A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Amazônia Maria Lúcia Absy Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia http://www.panoramio.com/photo/508179 Bioma Amazônia O Bioma Amazônia é um dos

Leia mais

Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil

Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil Comunidade dos países de Língua portuguesa (CPLP) A CPLP foi criada em17 de Julho de 1996 por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal

Leia mais

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA AS LICENCIATURAS NA AMAZÔNIA: NÃO HÁ ENSINO SEM PESQUISA E PESQUISA SEM ENSINO Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MERCOSUL MEIO AMBIENTE - SGT6 - Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Compartilhadas Gisela Forattini Superintendente de Fiscalização Brasília DF setembro/2002 Bacia Amazônica

Leia mais

NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA

NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA ASIL DESIGUALDADES REGIONAIS E SUBREGIONA Mesorregiões TAXA DE CRESCIMENTO Crescimento Médio Anual do Produto

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais