Revista de Ciências Empresariais, Políticas e Sociais Nº 11. Canoas n.11, ago./dez

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista de Ciências Empresariais, Políticas e Sociais Nº 11. Canoas - 2003. n.11, ago./dez. 2003 1"

Transcrição

1 Revista de Ciências Empresariais, Políticas e Sociais Nº 11 Canoas n.11, ago./dez

2 COMUNIDADE EVANGÉLICA LUTERANA SÃO PAULO Presidente Delmar Stahnke Vice-Presidente João Rosado Maldonado Revista de Ciências Empresariais, Políticas e Sociais 2 o semestre de Número 11 ISSN Reitor Ruben Eugen Becker Vice-Reitor Leandro Eugênio Becker Pró-Reitor de Administração Pedro Menegat Pró-Reitor de Graduação da Unidade Canoas Nestor Luiz João Beck Pró-Reitor de Graduação das Unidades Externas Osmar Rufatto Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Edmundo Kanan Marques Pró-Reitor de Representação Institucional Martim Carlos Warth Capelão Geral Gerhard Grasel Ouvidor Geral Eurilda Dias Roman OPINIO Comissão Editorial Ana Regina F. Simão Íria Margarida Garaffa Conselho Editorial Cézar Roberto Bitencourt (PUCRS) Clóvis Massaúd B. da Silveira (ULBRA) Irê Silva Lima (ULBRA) Juan José M. Mosquera (PUCRS) Maria Cleci Martins de Carvalho (PUCRS) Marília Morosini (ULBRA) Oscar Claudino Galli (UFRGS) Paulo Schmidt (UFRGS) Rosina Weber (University of Wyoming - Washington) Rui Otávio Berdardes de Andrade (CFA) Editora da ULBRA Diretor Valter Kuchenbecker Capa Eliandro Ramos Editoração Marcos Locatelli Correspondência/Address Universidade Luterana do Brasil PROGRAD/Diretoria de Publicações Periódicas Att. Prof. Paulo Seifert, Diretor Rua Miguel Tostes, Prédio 6 - Sala 120B CEP: Canoas/RS - Brasil Endereço para submissão Rua Miguel Tostes, 101 CEP: Canoas/RS - Brasil Fone: (51) Fax: (51) Solicita-se permuta We request exchange On demande l'échange Wir erbitten Austausch Endereço para permuta/exchange Universidade Luterana do Brasil Biblioteca Martinho Lutero Setor de Aquisição Rua Miguel Tostes, Prédio 5 CEP: Canoas/RS - Brasil Matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. Direitos autorais reservados. Citação parcial permitida, com referência à fonte. R454 Revista Opinio/Universidade Luterana do Brasil - Ciências Empresariais, Políticas e Sociais. - Canoas: Ed. ULBRA, Semestral 1. Ciências políticas-periódicos. 2. Ciências sociais-periódicos. 3. Ciências contábeis-periódicos. 3. Administração-periódicos. I.Universidade Luteran do Brasil-Centro de Ciências Empresariais, Políticas e Sociais. CDU 3+65 Setor de Processamento Técnico da Biblioteca Martinho Lutero - ULBRA/CAnoas

3 Índice 5. Editorial ARTIGOS 7. Atuação Responsável em saúde pública: Levantamento dos dutos com produtos químicos das plantas industriais da área urbana de Canoas-RS e Avaliação de riscos à população Arlete Aparecida Hilebrando Arruda, André Chaves, Eliseu Weber, Márcio Edmundo Kauer 17. As Perspectivas da Política Externa do Governo Lula Rodrigo Perla Martins 25. Tutela Jurisdicional dos Direitos Coletivos Rui Rodrigues Moraes 33. Marketing Internacional e o Contexto da Exportação Adi Regina Kaercher 41. Desenvolvimento de Indicadores de Processos para uma Organização de Manufatura Almiro Ferreira, Alexandre Chini, Antônio César S. De Sousa, Marcos Basso 55. A Sofisticação tecnológica e a Alta Competitividade da Indústria Farmacêutica Mundial - O Advento dos Medicamentos Genéricos Aurélio Jacinto Burhalde 65. As Influências das Teorias Econômicas para a Consolidação do Pensamento Estratégico nas Organizações Breno Augusto Diniz Pereira 77. Desenvolvimento e Crescimento: Elementos Econômicos Fundamentais Sandro Celestino da Rosa Wollenhaupt 85. As Cooperativas Agroindustriais frente ao Ambiente Competitivo: o caso da COSUEL Vanelli Salati Ludwig, Tânia Nunes da Silva, Daniela Loguercio Cánepa, Marcelo de Paula Xavier, Edson Talamini NORMAS EDITORIAIS

4 4 n.11, ago./dez. 2003

5 Editorial Estamos vivendo a era do conhecimento, em que a economia desloca o eixo da riqueza e do desenvolvimento de setores industriais tradicionais - intensivos em mão-de-obra e matéria-prima - para setores cujos produtos, processos e serviços são intensivos em tecnologia e conhecimento, onde a informação é o elemento básico do conhecimento e portanto a base de medida do valor dos negócios da empresa. Mesmo na agricultura e na indústria de bens de consumo e de capital a competição é cada vez mais baseada na capacidade de transformar informação em conhecimento e conhecimento em decisões e ações de negócio. O valor de seus produtos depende cada vez mais do percentual de inovação, tecnologia e inteligência incorporados. Neste contexto, as organizações buscam estratégias criativas visando não somente a própria sobrevivência, mas o sucesso organizacional. No mesmo cenário de complexidade está o universo político, que devido aos novos desafios e fenômenos em curso requer interpretações dinâmicas de uma sociedade marcada pela competitividade e globalização. Neste sentido, compreender esta sofisticada realidade se faz necessário, sobretudo para tomada de decisões certas, como empresários (ou administradores) e como cidadãos, seja para defendermo-nos dos eventuais prejuízos ou obstáculos interpostos por decisões de governos que não escolhemos, ou que decidem contra nossos interesses; seja para nos preservarmos frente ao ritmo tenso e nervoso da economia em fase de globalização, ou, também, para tirarmos partido dessas mudanças, transformando as crises cíclicas e inevitáveis, em oportunidades para o crescimento de nossos negócios. Ao encontro das diversidades próprias de um mundo em mudanças, os artigos desta edição trazem importantes contribuições tanto do ponto de vista teórico como empírico a respeito de diferentes questões do cotidiano, reafirmando a multidisciplinaridade que caracteriza a Revista Opinio. Portanto, cabe observar que esta edição da Revista Opinio apresenta reflexões que transitam por diferentes áreas das Ciências Sociais aplicadas, expressadas através de análises políticas em seu amplo aspecto e através de pesquisas que reforcem o contínuo interesse no desenvolvimento e disseminação de práticas organizacionais, que resultem em aprendizado para futuros profissionais e na investigação não somente do aspecto intra-organizacional, mas também no relacionamento inter-organizacional (empresas, governos, etc.) e com as comunidades, provocando discussões importantes e oferecendo oportunidade à reflexão e a possibilidade de melhoria contínua do nível de produtos e serviços oferecidos à população, assim como da qualidade de vida das comunidades envolvidas. Comissão Editorial n.11, ago./dez

6 6 n.11, ago./dez. 2003

7 Artigo Atuação Responsável em Saúde Pública: Levantamento dos Dutos com Produtos Químicos das Plantas Industriais da Área Urbana de Canoas-RS e Avaliação de Riscos à População Responsible Action in Public Health: A Survey of Pipes with Chemical Products of Industrial Plants at Canoas (RS, Brazil) Urban Area and Risks Evaluation Ms. Arlete Aparecida Hilebrando Arruda 1 Dr. André Chaves 2 Ms. Eliseu Weber 3 Lic. Márcio Edmundo Kauer 4 RESUMO Para dar maior eficiência e governabilidade ao governo local quanto à saúde pública e os riscos químicos, estão sendo desenvolvidos indicadores de desempenho para o diálogo entre indústrias, governo, e a comunidade, assim como a preparação para o atendimento as emergências (CDCPAE). Dar-se-à continuidade ao trabalho de capacitação dos gestores para uso de ferramentas de planejamento, de mapas de riscos geoprocessados e de índices, criando assim estratégias para a tomada de decisões políticas. O presente projeto é uma continuação de duas fases anteriores para facilitar o entendimento, vamos recordar que na 1ª fase do projeto foi feito levantamento dos dutos, correlacionando com as variáveis renda, idade, escolaridade e nº de votantes e a dimensão dos riscos por proximidade através de mapas. Na 2º fase, considerou-se os 1 Professora da Universidade Luterana do Brasil - ULBRA e da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RS - Brasil - e- mail: 2 Professor da Universidade Luterana do Brasil ULBRA 3 Professor da Universidade Luterana do Brasil ULBRA 4 Vice-Prefeito da Cidade de Canoas RS Brasil - Coordenador da Comissão Municipal de Defesa Civil de Canoas RS - n.11, ago./dez. Canoas 2003 n.11 ago./dez. de 2003 p

8 dados sobre a utilização do espaço próximo aos dutos pelas indústrias químicas, trabalhadores e usuários. Iniciou-se a seleção de variáveis que deverão compor os indicadores: EIV (Estudo de Impacto de Vizinhança) e IQVUSQ( Índice de Qualidade de Vida Urbana e Segurança Química). Nesta fase III, propõe-se a consolidação destes para a análise dos diferenciais intra urbanos no municípios de Canoas. O projeto Atuação Responsável visa através de diversas fases, aplicar e desenvolver um pro cesso de preparo da comunidade de Canoas frente aos riscos em acidentes químicos. Sendo o poder público, as indústrias, a população e a universidade os principais atores de um imbricado sistema de acordos e pactos, exigindo para que estes acorram o uso de instrumentos que orientem para a formulação de políticas de precaução w de preservação da saúde coletiva, mas diferenciando espacialmente os riscos. Palavras-Chave: Governabilidade, Ação responsável, Decisões políticas. ABSTRACT To give more efficiency and governance to the local government as to public health and chemicals risks, there are being developed performance indices for the dialogue between industries, government, and the community, as well as for attending to emergencies (CDCPAE). This gives continuity to the program of enhancing managers capacity for the use of planning tools, of risk maps and of indices, thus creating strategies for political decisions making. The present project is a continuation of two earlier stages: in the first, a survey of the pipes was done, correlating with such variables as income, age, schooling, number of voters and risks dimension for proximity through the maps. In the second stage, it was considered the data about the use of spaces next to the pipes by the chemical industries, workers and users. It was initiated a selection of variables for construction of the indices: NIS (Neighborhood Impact Study ) and ULCSI (Urban Life Quality and Chemical Security Index). In this third stage, we propose the consolidation of those indices for analyzing the intra-urban differentials at Canoas City. The Responsible Action project purposes to develop and apply a process of training the city community for chemicals accidents risks. Key words: Governance, Responsible action, Political decisions. INTRODUÇÃO Esta pesquisa relata um estudo sobre as ameaças no município de Canoas RS Brasil. A origem foi a partir da solicitação da população que desejava conhecer e se informar sobre os riscos que traziam os dutos, em maio de 1999 houve um acidente na indústria Agip Liquigas. Ocorreu incêndio, explosões e ocasionou uma grande comoção coletiva mobilizando e levando pessoas em fuga da situação de perigo. Aliado ao pânico havia o temor de que os dutos também explodissem. Desta experiência constatou-se que havia necessidade de um preparo para as emergências. E que este deveria ser composto por uma atuação conjunta entre as indústrias, os bombeiros, a Administração Pública, a Comissão de Defesa Civil e a comunidade do entorno. Para uma gestão dos riscos iniciou-se pelo levantamento dos dutos e por uma simulação do raio de impacto. Identificou-se as áreas críticas. Acrescido de um levantamento a partir dos dados do censo de 2000 do número de pessoas, renda, escolaridade, sexo dos moradores próximos aos dutos. Pode-se dizer que em Canoas há várias áreas críticas. Entre elas a Refinaria Alberto Pasqualine, a Termoelétrica de gás natural, a City Gate do gasbol, 08 engarrafadoras de GLP, transportadoras de produtos perigosos e a sede da Base Aérea da Região Sul. Portanto Canoas é uma cidade estratégica para o Rio Grande do Sul e para o Mercosul. Circula grande quantidade de riqueza e de oportunidades, daí a importância de uma atuação conjunta e responsável. Este estudo é o resultado de um trabalho conjunto entre a Universidade e a Comissão Municipal de Defesa Civil de Canoas. Prestase para uma atuação conjunta dos diversos atores sociais envolvidos e também para es- 8 n.11, ago./dez. 2003

9 tabelecer planos e acordos entre os mesmos. Pode-se dizer que o Poder Público Municipal passa a ter governabilidade e capacidade de gestão sobre as ameaças tecnológicas locais. 2. PORQUE A CIDADE DE CANOAS A segurança em Canoas depende da conjugação de atenções para com todos os tipos de ameaças e vulnerabilidades existentes na localidade. Para isso, é necessária uma modernização do Poder Público frente à gestão pública de riscos, seja través de tecnologias de geoprocessamento ambiental ou de sistemas de comunicação e capacitação de recursos humanos para gerenciar situações de emergências. Entre elas citamos: vazamentos, incêndios, explosões, derramamentos de produtos perigosos, além do monitoramento da água, do ar e das vias de transporte que cruzam o município (BR-116, BR-290, BR-386). Face aos riscos iminentes de caráter público é imprescindível a formação de recursos humanos especializados no atendimento a emergências de grande complexidade, como intoxicação, corrosão, diversos tipos de traumas e queimaduras. Não se pode deixar de enfatizar que as áreas são densamente povoadas devido à urbanização intensiva tanto dos bairros próximos às instalações industriais como junto às rodovias. A cidade de Canoas congrega, hoje, seis empresas que trabalham com transporte de produtos químicos através de dutos, sendo que não há nenhum trabalho visando a unificação de tais dutos num mapa único, a fim de se conhecer a realidade por inteiro. A segurança dos cidadãos que moram, trabalham ou que passam pelas vias de ligação intermunicipais, interestaduais e internacional de transporte em Canoas sera assegurada, se houver um processo ampliado de planejamento público para dar soluções ao levantamento e ao diagnóstico de riscos eminentes no referido município e para capacitar os quadros dos setores públicos que gerenciam situações de emergência provocadas por acidentes industriais. 3. JUSTIFICATIVA Sabe-se que o poder público geralmente trabalha para atenuar os efeitos de situações ameaçadoras à sociedade civil. No entanto, raramente elaboram-se projetos de políticas públicas em nível de prevenção. Na realidade, o que se pode constatar é que somente são promovidas campanhas, quando ocorrem epidemias ou surtos de doenças transmissíveis. As soluções inovadoras para políticas públicas são aquelas que trabalham com os riscos encobertos de tal forma que resultem no seu desvelamento. Para tanto, exigem um planejamento complexo e integrado com diversos setores, ou seja, pressupõe uma ação multidisciplinar. É o caso dos riscos eminentes e ampliados dos produtos químicos perigosos. Nesse sentido, a investigação sobre os desastres tecnológicos e naturais tem sido uma forma de desvelá-los, tornando transparentes as ameaças existentes, latentes e/ou, então, detectando as possíveis decorrências das sinergias que possam acontecer nas áreas urbanas densamente povoadas e altamente industrializadas. Portanto, a definição de perigo é uma construção cognitiva e social, além de inovadora, porque passa a ver o poder público municipal como um gestor de políticas preventivas e de ação diante dos riscos eminentes e ampliados nas áreas urbanas vulneráveis. À medida que se tem consciência das proporções das consequencias geradas por desastres, este conhecimento passa a ser imediatamente necessário, principalmente quando a frequencia dos acidentes começa a fazer parte do cotidiano de indivíduos, transformando-se em fonte de constante temor. Considera-se este projeto original, porque rompe com modelos normatizadores preestabelecidos por gestores municipais para indústrias que lidam com produtos perigosos. Tais gestões, no geral, vêem a indústria como responsável por riscos internos, não acompanhando atividades de prevenção internas, nem exigindo planos de preparo das comunidades adjacentes. 4. OBJETIVO GERAL Levantar e disponibilizar informação para o gerenciamento de riscos relacionados a dutos e plantas industriais que utilizam produtos qu~imicos existentes na cidade de Canoas, vi- n.11, ago./dez

10 sando o desenvolvimento de ferramentas estratégicas para a gestão sócio-política de uma cidade vulnerável a riscos químicos OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Fazer o inventário dos dutos das plantas industriais com produtos químicos perigosos na área de Canoas; - Efetuar uma avaliação do risco na localização das tubulações através de geoprocessamento; - Introduzir o geoprocessamento na pesquisa em Ciência Política voltada à saúde pública; - Representar, através do geoprocessamento, a territorialidade dos riscos tecnológicos através da integração de dados de diferentes origens, escalas e formatos; - Empregar a tecnologia do geoprocessamento como ferramenta de integração dos dados, facilitadora na decisão política em formulação de planos estratégicos de prevenção. 5. METODOLOGIAS I Área de abrangência e localização do estudo - A área de estudo: bairros São Luiz, São José e Rio Branco trajet dos dutos, na cidade de Canoas RS. II Observação controlada da situação das tubulações - Através de formulário para controle das informações sobre situações existentes acima dos dutos e da população do entorno. - Utilização de GPS para municiar o SI. III Percepção e preparo do Poder Público, das comunidades dos referidos bairros e das indústrias com dutos - Serão feitas entrevistas, com perguntas fechadas, dirigidas para a temática, percepção, preparo e formas de atuação responsável, face as emergências advindas dos dutos. Os atores são indústrias com tubulação, sindicatos, associações de moradores, postos de saúde, corpo de bombeiros e setores do poder público (secretarias e comissões de saúde e meio ambiente). IV Inventário e tipologia dos acidentes químicos - Foi realizado um inventário de acidentes com dutos registrados pela imprensa local. As demais informações serão levantadas com dados registradros no corpo de bombeiros, polícia rodoviária e sindicatos relacionados às indústrias químicas com tublações. V Análise e interpretação dos resultados - Será realizada com um software de informação geográfica. Todas as informações levantadas durante a execução do projeto serão relacionadas à sua posição no espaço. A integração será feita pela superposição dos dados na forma de mapas, apontando os riscos e locais que exigem tomadas de decisões por parte das indústrias e do poder público. 10 n.11, ago./dez. 2003

11 6. PRINCIPAIS RESULTADOS E BENEFÍCIOS 6.1. EXPOSIÇÃO DOS MAPAS n.11, ago./dez

12 12 n.11, ago./dez. 2003

13 n.11, ago./dez

14 6.2. A ATUAÇÃO RESPONSÁVEL DOS ATORES SOCIAIS Os atores sociais que tratam de construir um plano de gestão local de risco são os abaixo relacionados. Vejamos a estrela dos atores e seus papéis face as ameaças. comunidade universidade Indústria de petróleo e gás GGLRGGR GLR GG Comissão municipal de Bombeiros Poder público municipal Secretarias Municipais 14 n.11, ago./dez. 2003

15 Destacamos as ações praticadas pela COMDEC como fator de mobilização dos atores, de integração e braço ativo do compromisso do poder público municipal. Atua aliada com o Corpo de Bombeiros e as entidades da sociedade civil. Destacamos as principais ações deste ator: - Painel: Desmistificando os riscos foram feitos relatos tanto das indústrrias quanto da Base Aérea sobre os cuidados e os controles que desenvolvem sobre seus processos de produção, e de atenção a prevenção de acidentes nas plantas industriais; - Curso para tratoristas: visando alertar para a localização e identificação da sinalização dos dutos para que os condutores de trator ao executarem obras de escavação na cidade tenham atenção especial com os dutos; - NUDECs: nos bairros São Luiz e Rio Branco foram criados nucleos de defesa civil comunitário; - Curso sobre equipamentos em dutos: para os representantes das entidades com assento na COMDEC foi dado um curso com o apoio das indústrias sobre a manutenção dos equipamentos e seu sistema de segurança existente nos dutos; - Convênio Transpetro e Prefeitura Municipal de Canoas: o poder público assinou um convênio com a Transpetro para a implantação dos Vigilantes Ambientais Mirins dos dutos capacitando os professores e alunos para alertar sobre qualquer alteração na faixa de domínio; - Palestras: foram realizadas palestras sobre prevenção de incêndio de todo tipo nas escolas municipais; - Visitas as indústrias: a COMDEC visitou todas as indústrias químicas e petroquímicas visando a conhecer seus planos de contingências e de preparo para as emergências. Convidando-as para contribuir para o PGLR; - Aliança corpo de bombeiros-comdec: o corpo de bombeiros de Canoas disponibilizou um espaço para a COMDEC.Também executa uma revisão técnica dos planos de contingência e fiscaliza os equipamentos de segurança para situações de acidentes e de atenção as emergências; - Curso para capacitação de gestores locais de riscos: contratou-se uma consultora para um treinamento de 60 h-a de capacitação de 30 representantes de entidades locais com trabalho na área de segurança química e com capacidade de tomada de decisão em situações de risco. Neste curso foram identificados e localizadas as áreas de perigo assim como as possíveis soluções. Também foi construído o esboço do Plano de Gestão Local de Risco-PGLR. A seguir relataremos as ações da Universidade frente a questão dos dutos. Surgem vários estudos de casos assim como monografias nas áreas de conhecimento e pretende-se compilar as práticas existentes nas indústrias para formar um acervo voltado para a resolução e a tomada de decisão em situações de emergências químicas. Pretende-se criar um Instituto de Estudo e Pesquisa sobre riscos tecnológicos e naturais. Em relação as Indústrias houve uma mudança de mentalidade com maior disponibilidade de diálogo por parte das mesmas. O temor de grandes acidentes e a orientação mundial para que as indústrias se comuniquem com a comunidade para construírem em conjunto os planos de emergência facilitam as parcerias. A comunidade passa a ter um papel importante, se não fundamental, dentro do processo de relação entre os diversos atores. Contudo só haverá sintonia com os interesses de primeira grandeza a partir do momento que o estudo de risco vier através de um desenvolvimento sustentável e como conseguência garantindo uma melhor qualidade de vida. Como fator a ser vencido criar canais de comunicação, intra e inter, os diversos atores no sentido de criar uma consciência pública. Por último trataremos do ator denominado poder público. As ferramentas e as metodologias oferecidas pela pesquisa aliada com a vontade política e a disposição da implantação de políticas públicas voltadas para a atenção dos riscos mudou consideravelmente a percepção do poder público frente aos mesmos. Busca-se construir um processo de entrosamento e de gerenciamento ampliado, agindo em matriz para a construção do Plano de Gestão Local de Riscos e de um desenvolvimento sustentável e solidário local. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Pode-se afirmar que há um processo de governabilidade sobre as ameaças tecnológicas, iniciado a partir dos estudos e mapas e tornado prático pelo compromisso n.11, ago./dez

16 político de uma atuação responsável que leva a revelar os riscos e a ter uma atenção a saúde pública voltada para a segurança química. O poder público se instrumentaliza e ao mesmo tempo consolida um diálogo com os diversos atores sociais para a formulação de um Plano de atuação em emergências químicas e encaminha para a finalização de um plano de gestão local de riscos. Por todo este trabalho pode-se afirmar que as possibilidades e as ofertas sócio ambientais de Canoas poderão transformar as vulnerabilidades em oportunidades. Em especial a compilação e o desenvolvimento de estudos aliados com os pactos e acordos de parcerias entre os atores promovido e articulados pela Comissão de Defesa Civil por certo levarão a uma maior segurança química e a uma melhor qualidade de vida em Canoas. 8. REFERÊNCIAS ARAUJO, Hermetes Reis de. Tecnociência e Cultura. Ed. Estação Liberdade. SP, 1998, p FREITAS, Carlos Machado de. Análise Integrada e Participativa de Acidentes Industriais Ampliados. Rio de Janeiro: Fiocruz, BECK, Ulrich. Autocrítica da Sociedade de Risco. In: GIDDENS, Anthony e BECK, Ulrich. Modernização reflexiva, política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: UNESP, BENEVIDES, Maria Victoria. A Cidadania Ativa. Referendo, Plebiscito e Iniciativa Popular. São Paulo: Ática, FERNANDES, Maria Augusta. Ciudades en Riesgo. Perú, Lima. LA RED, USAID, WILCHES-CHAUX, Gustavo. Guia para la gestión local del riesgo. Perú, Lima, LA RED, ITD, LAVELL, Alan (compilador). Viviendo en riesgo. Comunidades vulnerables y prevención de desastres en América Latina. Perú, Lima, LA RED, CEPREDENAC, FERRARA, Lucrecia. As cidades ilegíveis percepção ambiental e cidadania. In: DEL RIO,Vicente. Percepção Ambiental a experiência brasileira. São Paulo: UFSCAR/ NOBEL, n.11, ago./dez. 2003

17 Artigo As Perspectivas da Política Externa do Governo Lula Prospects for Foreign Policy at Luis Inácio da Silva (Lula) Government Rodrigo Perla Martins RESUMO Este artigo analisa as perspectivas da política externa do governo Lula a partir da comparação com a década de 90 e com o chamado padrão de conduta externo do Brasil. Palavras chave: Política Externa brasileira, Governo Lula, História do Brasil. ABSTRACT This paper analyses the prospects of Lula s foreign policy by comparing it with the nineties and the so called Brazilian external conduct pattern. Key words: Brazilian foreign policy, Lula s government, History of Brazil. INTRODUÇÃO Novo governo, novas políticas. As mesmas podem ser de cunho social, econômico ou político, mas, todos esperam que sejam novas. Sabemos que isso nem sempre acontece. Muitas vezes, há mais continuidades que rupturas. Para além de todas as rupturas e continuidades que esse novo governo pretende na política nacional, nos interessa analisar aqui a política que é (ou será) praticada fora do âmbito interno do estado. A partir disso este ensaio pretende analisar as perspectivas de política externa brasileira no período de governo do presidente Luís Inácio Lula da Silva. Desde já se deixa claro que não é possível analisar a mesma e definir conceitos definitivos e acabados dessa política. Isso porque a gestão se encontra no início. Com apenas seis meses de governo podemos considerar que tanto o governo quanto sua política externa são um work in progress. O máximo que se pretende aqui é mostrar tendências de atuação a partir de uma experiência histórica acumulado tanto pela coalizão no poder (uma idealização de atuação externa quando era oposição), pelos agentes de concretização de tal política (Itamaraty) como pelo histórico acumulado pelo país em sua atuação externa contemporânea. Para tanto, para atingir nossos objetivos prospectaremos discursos, referências bibliográficas e notícias jornalísticas que podem Rodrigo Pereira Martins é Professor de História Contemporânea do Brasil e Ciência Política no Centro Universitário Feevale. n.11, ago./dez. Canoas 2003 n.11 ago./dez. de 2003 p

18 apontar para linhas gerais do comportamento externo do país ao longo desses quatro anos ( ). Nessas fontes analisaremos quais seriam esses caminhos comparando com os governos e suas respectivas atuações externas pós 1990 (Collor-Itamar e Fernando Henrique Cardoso) e com o período , que chamaremos aqui de período Nacional desenvolvimentista. Nesse último caso se pretende comparar a política externa do governo analisado com o chamado padrão de conduta externo do Brasil, buscando com isso as continuidades e rupturas da mesma. A partir disso pretendemos problematizar o seguinte: Quais as continuidades e rupturas da política externa do governo Lula com a atuação brasileira a partir de 1930? Antes de iniciar a análise, propriamente dita, cabe esclarecer rapidamente o referencial teórico desse ensaio. Para isso cito inicialmente Amado Luiz Cervo, onde diz que, no Brasil, existe um pensamento sobre a política externa brasileira sem teoria. Apesar disso é necessário entender a forma pela qual o Brasil se insere no sistema internacional. No que concerne a esse, o mesmo se baseia em uma gama de relações de dominação estruturado a partir de uma divisão mundial do trabalho entre países localizados no centro e na periferia do sistema de relações internacionais. Nessa relação assimétrica e desigual, os países periféricos inserem-se a partir de uma lógica subordinada e dependente guardadas as especificidades de cada caso. Isso é, ou com a função de simples fornecedores de matéria-prima para os países centrais ou com uma dependência tecnológica que determina sua posição no sistema internacional. Entendemos então que o chamado padrão de conduta externo do Brasil é o instrumento utilizado pelo país ao longo de 60 anos ( ) para se relacionar com seus pares no sistema internacional. Explicando melhor, com um sistema internacional baseado na relação centro-periferia, o Brasil se insere como um país periférico no mesmo. Para isso é necessário buscar formas ou janelas de oportunidade, de inserção mais compatível com os interesses desenvolvimentistas. ATUAÇÃO EXTERNA E PROJETO NACIONAL DESENVOLVIMENTISTA Desde 1930 o Brasil construiu uma nova estratégia externa que ficou conhecido como um padrão de conduta no sistema das relações internacionais. Esse tinha por base buscar os recursos financeiros, científicos e tecnológicos para o incremento do desenvolvimento industrial nacional baseado em um processo substitutivo de importações. Essa nova conduta foi sistematizada a partir do final da década de 50 pelo governo Jânio Quadros através do seu ministro das relações exteriores, San Tiago Dantas. A mesma foi resumida em um conceito chamado: Política Externa Independente. Como o nome supõe se pretendeu uma atuação independente do país no sistema internacional. O golpe militar de 1964 rompeu com essa política externa em um primeiro momento de forma absoluta. Mas ao longo dos outros governos militares (Costa e Silva, Médici, Geisel e Figueiredo) se aprofundou essa atuação externa (com algumas defecções na mesma o lado inclusivo do projeto populista, por exemplo). O auge da mesma foi no governo Geisel quando aconteceu a política externa do pragmatismo responsável e ecumênico. Nesse governo, assinou-se um acordo nuclear com a Alemanha Federal, se abriu espaços comerciais no mundo árabe e se reconheceram os governos de caráter marxista da África portuguesa (Angola e Moçambique), restabeleceuse relações diplomáticas com a China de Mão Tse Tung e se rompeu um acordo militar com os EUA datado da década de 50. Para ficar somente nesses exemplos mais clássicos. Junto com essa atuação externa caminhava conjuntamente o projeto nacional desenvolvimentista industrial. Qual era o objetivo de tal atuação externa senão outra a de estabelecer relações diplomáticas e comerciais fora do eixo norteamericano-europeu, abrindo assim mercados consumidores e fornecedores para o projeto nacional brasileiro? Com as crises do petróleo da década de 70, o projeto industrial começou a declinar e o endividamento aumenta em números alarmantes. Uma crise econômica atinge o país e as greves e protestos contra a ditadura avançam A redemocratização aconteceu e o governo Sarney tenta levar adiante essa atuação externa, bem como o projeto industrial desenvolvimentista em uma conjuntura totalmente desfavorável. Pelo lado externo se viu o presidente discursando na ONU em 1987 contra a dominação imperialista nos países periféricos ao mesmo tempo em que, internamente a inflação e crises políticas desestabilizavam o regime, o governo e o projeto de desenvolvimento. Ao longo da década de 90 a hegemonia 18 n.11, ago./dez. 2003

19 neoliberal trouxe outros ventos para o país. Com Fernando Collor e sua abertura comercial desenfreada e sem contra-partidas mínimas, faz com que o projeto nacional deixasse de existir como centro do poder político-econômico estruturante do país. No governo Itamar Franco por sua vez, que se considera um interregno no período neoliberal (Vizentini, 2003), houve medidas diferenciadas na conduta externa do país, bem como na política industrial. Mas como mote do momento mundial era o combate a inflação a qualquer custo, o Plano Real elegeu Fernando Henrique Cardoso e sua nova forma de inserção do país no novo contexto mundial da unipolaridade hegemônica da grande potência vencedora. Na realidade a primeira gestão FHC faz um balanço entre os governos Collor e Itamar. Isso é, freia a abertura comercial (negociando contra-partidas a essa) e tenta estabelecer uma nova relação e inserção do país no contexto mundial. Apesar dessas, o projeto getuliano de industrialização ou o conhecido projeto nacional desenvolvimentista, deixa de existir. Isso foi até mesmo verbalizado pelo presidente em 1995, quando o mesmo diz: Eu vim para acabar com o era getulista. Na segunda gestão FHC a atuação externa muda um pouco, mas nada que trouxesse resultados para o país. Isso porque, ao longo dos oito anos dessa gestão se praticou uma política externa onde o Itamaraty era um agente técnico subordinado à lógica da denominada Diplomacia Presidencial. Hoje se discute se essa servia mais aos interesses do príncipe ou da nação. Não se tem tal resposta, mas que a mesma serviu para o presidente aparecer na mídia internacional (governança progressista etc.) e ganhar vários títulos de Doutor honoris causa isso não deixa dúvida. Apesar dessas duas gestões e do fim do projeto desenvolvimentista, focos de resistência mantiveram partes do projeto de inserção soberana do país. Esse se localizou em setores do Itamaraty. Isso se concretizou em projeto como o Mercosul. Apesar das idas e vindas, garantiu uma atuação regional para o Brasil em um contexto adverso de inserção mundial. GOVERNO LULA: ATUAÇÃO EXTERNA E RETOMADA DO PROJETO NACIONAL DESENVOLVIMENTISTA? Muito se tem ouvido que a gestão de Lula tenta retomar o projeto nacional desenvolvimentista em novos moldes. Apesar dos tempos serem outros, se acredita que seja possível retomar alguns pontos daquele projeto. Já se especulou de tudo um pouco, até mesmo em uma política industrial nos moldes coreanos (Interessante notar que o projeto coreano iniciou na mesma época do regime militar brasileiro, continuou ao longo da década de 80 e hoje a Coréia do Sul é uma economia industrial de muito importância para o mundo). Uma nova política externa em relação ao último governo promete ser um dos motes do novo governo Lula. Essas evidências se tornam fortes quando pegamos os periódicos de antes da posse e já é possível se detectar uma nova atuação externa. No jornal ZH de 15/12/02, vemos Marco Aurélio Garcia afirmar que o novo governo fortalecerá a política externa, não dando continuidade a política de FHC. Fugindo de uma retórica e concretizando projetos importantes de inserção externa para o país. A inserção regional via Mercosul vem dos tempos do governo Collor, quando o Itamaraty, em sua totalidade, buscou resguardar algum espaço de atuação com uma inserção menos dependente e, em alguns casos, com relativa soberania. Nesse ponto cabe ressaltar a quantidade de vezes que o novo governo fala em Mercosul. Bem como as visitas do novo presidente, assim que eleito, iniciaram-se pela América do Sul, de maneira específica pelo Mercosul e de maneira especial pela Argentina, principal parceiro do bloco. No caso argentino as visitas antes da posse da Lula e depois na posse do novo presidente, Nestor Krischner (sendo que o governo Lula torceu por esse contra Menem nas eleições presidenciais argentinas). Para muitos a posse dos novos presidente seria um novo começo do bloco econômico. Conforme o jornal Correio do Povo do dia 02/12/02: A importância da Argentina: A Argentina terá um lugar privilegiado em nossa política externa. O eixo Brasil-Argentina estará para o Mercosul mais ou menos como o eixo França-Alemanha está para a União Européia... (Fala de Marco Aurélio Garcia, assessor para assuntos externos da presidência da república em visita a Argentina nessa data.) É possível até mesmo uma certa relação n.11, ago./dez

20 com os círculos concêntricos do General Golbery do Couto e Silva em seu livro clássico, Geopolítica do Brasil, quando o bruxo afirma que as relações externas do Brasil devem primeiro abranger o cone sul, depois África (abarcando também os Árabes e Ásia) e por último EUA e Europa. Tantas relações quantas tantas possibilidades, se pensarmos que a Política Externa Iindependente de Jânio Quadros e o próprio padrão de conduta externo do país tinham por princípio o aumento da área de atuação do país. Ainda no caso do Mercosul, podemos notar que o bloco se fortaleceu, depois de muitas crises e colapsos e até mesmo uma estagnação total (depois da crise da Argentina), exatamente na sua ampliação. Nesse caso específico podemos notar que as discussões sobre a ALCA avançam dentro de discussões em bloco, isso é, Mercosul negociando em bloco com a ALCA. Além disso, essa ampliação se dá exatamente na área de cobiça dos EUA, no Pacto Andino, principalmente. No caso específico da Venezuela, Chavez tenta algo alternativo à política neoliberal da década de 90. Independente da simpatia a essa se tenta outra coisa naquele país. E o Brasil entra de maneira atuante nesse caso. Os contatos entre os dois presidentes se deram antes mesmo da posse de Lula. A viagem do assessor Marco Aurélio Garcia, a Caracas, em pleno boicote oposicionista ao governo Chavez, se inaugurou uma política de aproximação, mediação e de relações próximas com a Venezuela e que podem resultar em projetos de financiamentos via BNDES (Carta Capital 30 de Abril de 2003). De forma prática o Brasil contribuiu com o governo daquele país com a venda de um navio-tanque de combustível (a pedido pelo próprio governante daquele país, primeiro para o presidente Fernando Henrique e depois para o presidente Lula). No Jornal Folha de São Paulo de 29/12/2002, na coluna Painel Político, podemos ver como foi a articulação política de tal ajuda ao governo Chavez. As relações com os EUA se dão dentro de marcos pacíficos e se tenta não valorizar as divergências de ordem militar, política, comercial e financeira. Resumindo, se Brasil e EUA estão no mesmo campo de atuação, as diferenças são a todo momento minimizadas diplomaticamente. Apesar de alguns analistas mais apressados falarem em colaboração e capitulação de Lula a Bush, consideramos que é cedo tal julgamento. Na discussão sobre a ALCA podemos ver que, ao mesmo tempo em que o governo deixou de lado a perspectiva de que os EUA pretendiam levar adiante uma política de anexação da América Latina como um todo (perspectiva essa ainda no horizonte por parte do movimento social que é a base de apoio interna do governo e que os o presidente e seus assessores falavam antes da vitória), o próprio EUA baixou a guarda e já fala em discutir contrapartidas para as economias do sub-continente americano.tanto é que se falou em se manter a data de 2005 para o início da mesma, mas uma integração mais light. No caso da guerra EUA x Iraque, o governo Lula leva adiante uma conduta externa brasileira de respeito ao direito internacional e a ONU, não concordando com a atuação norteamericana. Para além disso, no caso iraquiano, devemos lembrar que o Brasil ao longo década de 70, no regime militar, e, não esquecendo que o mesmo se inseriu dentro do projeto nacional desenvolvimentista, teve relações por demais de próximas com o governo de Saddam Hussein. Grandes obras de estrutura (ferrovias; rodovias, portos e aeroportos construídos pela construtora Mendes Júnior), exportações de produtos agrícolas (agro-exportação), manufaturados (automóveis Wolkswagen Passat os tão conhecido iraquianos e, por último e por demais de importante a tecnologia militar de ponta (urânio). Nesse último ainda se deve lembrar também dos armamentos vendidos para o Iraque (Armas, mísseis e lançadores móveis Astros da Engesa). Nos dias de hoje, essa região volta a entrar no espaço de atuação brasileiro. Isso porque uma missão comercial brasileira programa uma feira, ainda em Bem como já houve visitas de representantes árabes ao Brasil ao longo do primeiro semestre de Se houve atuação diplomático-comercial ao longo do regime militar nessa região, porque não haveria agora se o governo mudou, mas não certas continuidades estruturais da atuação externa brasileira? Com a União Européia se barganha acordos melhores para uma possível integração interblocos, evitando assim uma única alternativa a ALCA. Na área agrícola, a atuação do Ministério da Agricultura, no comando de Roberto Rodrigues, é forte evidência desse norte de atuação nessa discussão. Aliás o tão sonhado superávit primário nas contas externas do país fazem parte dessa nova etapa da política externa, do desenvolvimento e do setor agrícola. Tanto é que: 20 n.11, ago./dez. 2003

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos PPGEST Título da Disciplina:

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS VISÃO GERAL DE CAPACIDADES SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS AT-RISK International oferece Análise de Riscos, Proteção, Consultoria, Investigações e Treinamento em Segurança, nas Américas,

Leia mais

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso 9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso Mesa de debate: O papel das instituições de ensino superior do ABC no desenvolvimento regional. Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Início Notícias Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Iniciativa é parte do projeto Rios da Serra. Sede provisória da organização é montada no Prado TERÇA FEIRA, 19 DE MAIO

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo A Experiência de Belo Horizonte Claudinéia Ferreira Jacinto Secretaria Municipal Adjunta de Planejamento, Orçamento e Informação Prefeitura de Belo

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

Como o Scup pode ajudar consultores políticos durante o período eleitoral

Como o Scup pode ajudar consultores políticos durante o período eleitoral Como o Scup pode ajudar consultores políticos durante o período eleitoral Primeiros passos no mundo da política Em 1992, o paulista Gilberto Musto iniciou a sua consultoria política na cidade de Fernandópolis.

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS Missão A principal missão do Curso de Relações Internacionais é formar, a partir de pesquisa e desenvolvimento pedagógico próprios, mediante

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 REALIZAÇÃO TABULAÇÃO Quem Somos A WBI BRASIL é uma empresa especializada em planejamento de marketing digital, que presta

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO Silvia A Guarnieri ORTIGOZA Magda Adelaide LOMBARDO Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul

OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul Moderação: Graciane Regina Pereira e Katiuscia Wilhelm Kankerski 13h Apresentação dos objetivos e da metodologia de trabalho.

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Trilha IV Internet e Direitos Humanos

Trilha IV Internet e Direitos Humanos Trilha IV Internet e Direitos Humanos Temas e Posicionamentos Exposições das(os) Painelistas Posicionamentos Cláudio Machado (APAI-CRVS Programa Africano p/ Fortalecimento Registro Civil, terceiro setor)

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais