Conselho Local de Acção Social das Caldas da Rainha Núcleo Executivo 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselho Local de Acção Social das Caldas da Rainha Núcleo Executivo 2005"

Transcrição

1 Conselho Local de Acção Social das Caldas da Rainha Núcleo Executivo 2005 Rede Social das Caldas da Rainha, Município das C. Rainha, Praça 25 de Abril Caldas da Rainha

2 INDÍCE INTRODUÇÃO 2 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO 3 2. ENQUADRAMENTO GEODEMOGRÁFICO INDICADORES GERAIS, NACIONAIS, REGIONAIS E CONCELHIOS CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO CARACTERIZAÇÃO DAS FREGUESIAS HABITAÇÃO HABITAÇÃO SOCIAL EDUCAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS 22 EDUCATIVOS DO CONCELHO 4.2. SERVIÇO DE APOIO À FAMÍLIA SUBSÍDIOS ESCOLARES NOVAS TECNOLOGIAS BOLSAS DE ESTUDO SAÚDE CENTRO HOSPITALAR DAS CALDAS DA RAINHA Prestação de Cuidados Proveniência dos Doentes Consultas Externas 2003 (1ªs e Subsequentes) Pessoal Hospital de Dia Movimento Assistencial por Serviços Caracterização Geral Breves Comentários Gerais CENTRO DE SAÚDE DAS CALDAS DA RAINHA Estruturas e Movimentos de Consultas Problemas de Ordem Funcional Análise da Mortalidade Principais Programas TOXICODEPENDÊNCIA Centro de Atendimento de Toxicodependentesde Peniche SAÚDE MENTAL Modelo Comunitário perspectiva actual da saúde mental Censo Psiquiátrico, A doença da discriminação e da estigmatização 82 Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha

3 A reabilitação psicossocial N.I.A.S.M. NÚCLEO DE INTERVENÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE MENTAL Caracterização dos utentes ACÇÃO SOCIAL INFÂNCIA E JUVENTUDE Centro da Juventude de Caldas da Rainha Actividades Sócio-Culturais COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS Caracterização das Crianças e Jovens Caracterização do Agregado Familiar Caracterização Habitacional e Social Entidade que Sinalizou Intervenção DEFICIÊNCIA Serviços e Equipamentos para a deficiência TERCEIRA IDADE Serviços e Equipamentos para a Terceira Idade Grupo Concelhio de Apoio à Pessoa Idosa Clube Sénior Cartão Municipal do Idoso RENDIMENTO SOCIAL DE INSERÇÃO PROJECTOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL JUSTIÇA E SEGURANÇA INSTITUTO DE REINSERÇÃO SOCIAL EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL CENTRO DE EMPREGO DAS CALDAS DA RAINHA TURISMO E CULTURA PATRIMÓNIO NATURAL PATRIMÓNIO CULTURAL ARTESANATO RECURSOS SECUNDÁRIOS (COMPLEMENTARES) Análise do Fluxo Turístico (alojamento) no Concelho ASSOCIATIVISMO AMBIENTE E SALUBRIDADE ACTIVIDADES ECONÓMICAS 171 METODOLOGIA 174 BIBLIOGRAFIA 175 Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha

4 Núcleo Executivo do CLAS: Câmara Municipal das Caldas da Rainha Centro Distrital de Segurança Social de Leiria Centro de Saúde das Caldas da Rainha Instituto de Reinserção Social Junta de Freguesia de Nossa Senhora do Pópulo Associação de Desenvolvimento Social da Freguesia de Alvorninha Centro de Educação Especial Rainha D. Leonor Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 1 de 171

5 INTRODUÇÃO O trabalho em rede revela-se da maior importância, pois tal como o definiu Roque Amaro (1997), a parceria é um processo de acção conjunta com vários actores protagonistas, colectivos ou individuais, que se aglutinam à volta de um objectivo partilhado, disponibilizam recursos para em conjunto definirem e negociarem estratégias e caminhos que viabilizam o referido objectivo, avaliando continuamente os seus resultados. É nesta filosofia de intervenção social que, através da Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro, é criada a Rede Social, sendo uma medida que pretende contribuir quer para a erradicação ou atenuação da pobreza e exclusão social, quer para a melhoria em geral da qualidade de vida de todos os residentes do concelho, a partir do reconhecimento e incentivo da actuação das redes de solidariedade local. A Rede Social no concelho das Caldas da Rainha pretende constituir um espaço de diálogo e congregação de esforços baseado na livre adesão das diferentes entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos a partir da análise e discussão dos problemas sociais do concelho, identificar prioridades e procurar as soluções necessárias, mediante a responsabilização e a participação das várias entidades. O Pré-Diagnóstico visa uma primeira abordagem à realidade concelhia e para tal procedeu-se à recolha, tratamento e sistematização da informação existente sobre o concelho. O presente documento engloba 12 áreas temáticas, de forma a constituir um instrumento de suporte técnico para a elaboração do Diagnóstico Social e do Plano de Desenvolvimento Social. Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 2 de 171

6 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO A cidade das Caldas da Rainha deve a sua fundação às caldas (termas) - daí o nome da cidade, fundada pela Rainha D. Leonor, mulher de D. João II. Diz a história que D. Leonor seguia viagem quando passou por um grupo de pobres andrajosos que se banhavam em nascentes de água quente, em condições tão desumanas que a sensibilizaram. D. Leonor mandou construir logo ali um grande Hospital 1. A construção do Hospital atraiu muita gente e o poder central incentivou o processo, cujos resultados, em 1511, justificavam já o estatuto de vila à localidade. A estabilização política nacional conseguida a partir de 1851 e a retoma das deslocações da corte às termas, recolocou a actividade termal como motor das actividades produtivas e comerciais da vila e áreas envolventes. A chegada da linha ferroviária em 1887 impulsionou o desenvolvimento da região, dando relevo à produção agrícola, e à emergência da indústria, sobretudo cerâmica. O processo registado nos meios de transporte e de comunicação aproximou Caldas da Rainha de Lisboa e do resto do País. A mobilidade de produtos e pessoas teve efeitos virtuosos sobre a malha de influência caldense no plano regional. O comércio impulsionou o andamento e fixou os elementos principais da imagem externa das Caldas: as suas termas e a sua louça. Em 1927 os cerca de habitantes da proclamada cidade de Caldas da Rainha recebiam de 8 a turistas sazonais. A vila expandiu-se, hierarquizou os espaços rurais circundantes e definiu os seus papéis de metrópole. As elites urbanas conduzem a negociação com o centro político e alcançam, ainda nesse mesmo ano, o reconhecimento oficial do estatuto de cidade à vila das Caldas 2. 1 Descobrir o Concelho de Caldas da Rainha, 3ª. Edição, Caldas da Rainha, Concigraf, Lda. 2003, p.6 2 Artigo 1º. Do Decreto-Lei nº de 26 de Agosto de 1927, Constituição da República Portuguesa, Quid Júris - Sociedade Editora, Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 3 de 171

7 Apesar da ( )diminuição da importância das Caldas como centro termal e de veraneio, a partir dos anos 20, a cidade, beneficiando da sua localização, continuou a expandir-se, mercê do seu desenvolvimento comercial, estimulado pelas vias de comunicação que a servem e pela implantação recente de indústrias que se vieram juntar às tradicionais fábricas de cerâmica 3. De 1950 até à actualidade a expansão de Caldas da Rainha está representada no desenvolvimento de alguns bairros periféricos, ao mesmo tempo que se iam expandindo os já existentes. A evolução registada na segunda metade do séc. XX, diversificando o perfil do concelho e da respectiva sede, recolheu no entanto parte substancial da herança anterior. Uma agricultura extremamente sensibilizada ao mercado e uma urbanidade fortemente marcada pela estrutura dos serviços são disso exemplo e constituem, porventura, dois dos vectores característicos das Caldas da Rainha do presente. 3 REIS, Deolinda e FONSECA, Maria Lucinda, Caldas da Rainha Estrutura Funcional e Áreas Sociais, Lisboa, Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, 1981, pp. 24 e 25 Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 4 de 171

8 2. ENQUADRAMENTO GEODEMOGRÁFICO Caldas da Rainha é um município da Estremadura situado na faixa litoral portuguesa, região de Lisboa, sub-região do Oeste e Distrito de Leiria. Pertence à Associação de Municípios do Oeste, Região de Turismo do Oeste e actualmente à recém criada Comunidade Urbana do Oeste (COMURB). É uma Cidade Termal, fundada nos finais do século XV e ascende a sede de concelho em 1821, centro de uma região depositária de um valioso património histórico-cultural. O concelho das Caldas da Rainha possui uma área de 256,0 Km2, conta com habitantes é constituído por 16 freguesias: A-dos-Francos, Alvorninha, Carvalhal Benfeito, Coto, Foz do Arelho, Landal, Nadadouro, Nossa Senhora do Pópulo, Salir de Matos, Salir do Porto, Santa Catarina, Santo Onofre, São Gregório, Serra do Bouro, Tornada e Vidais. A cidade das Caldas da Rainha situa-se entre Alcobaça (a norte) e Óbidos (a sul), fazendo ainda fronteira com o concelho do Bombarral. A 80Km de Lisboa, 240Km do Porto e 45Km de Santarém, possui acesso próximo a itinerários principais, concretamente A8 e A15. Zona de microclima, com temperatura média entre os 15 e 18 graus e pluviosidade fraca, dista 8Km do Oceano e a 66 metros de altitude. Está integrada na unidade territorial NUTS III ( ), em conformidade com o Decretolei nº. 244/2002 de 5 de Novembro, que determina a introdução de ajustamentos pontuais na nomenclatura e no perfil socio-económico das regiões. DIVISÕES ADMINISTRATIVAS QUE O CONCELHO DE CALDAS DA RAINHA INTEGRA Nut I Portugal Nut II Lisboa e Vale do Tejo Nut III Oeste Distrito Leiria Região Agrária e Florestal I Ribatejo e Oeste Região Agrária e Florestal II Alto Oeste Região Turística Costa de Prata - Oeste Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 5 de 171

9 Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 6 de 171

10 2.1. INDICADORES GERAIS, NACIONAIS, REGIONAIS E CONCELHIOS Unidade LEIRIA Indicadores s PORTUGAL OESTE (Distrito) CALDAS DA RAINHA Área Total Km Densidade populacional a) hab./ 2 Km População residente (2001) a) hab Variação da população a) residente % + 5,0 + 7,8 + 9,8 + 13,06 População residente estimada para 2003 hab População < 15 anos População >= 65 anos Índice de dependência de jovens Índice de dependência de idosos 1991 % 19,7 a) 19,7 b) 18, % 15,8 a) /15,9* 15,8 b) 14,9 a) /14,0* 15,7 a) /14,5* 1991 % 13,7 a) 14,5 b) 15,0 a) 2001 % 16,6 a) /16,5* 17,5 b) 17,0 a) /17,3* 18,7 a) / 19,7* 1991 % 29,5 29, % 23,6 23,7 21,9 a) 23, % 20,5 21,7 22, % 24,2 26,3 25,0 a) 28,5 Índice de envelhecimento 2001 % 102,5 a) /103,6* 110,7 b) 114,0 a) /123,9* 119,1 a) /135,8* Taxa de mortalidade a) %o 10,8 10,4 11,6 10, % 69,5 a) 73,6 b) 80,5 a) Taxa de natalidade a) %o 10,9 10,4 10,7 10,2 Mortalidade infantil a) no quiquénio %o 5,7 5,0 5,2 5,2 Esperança de vida ao nascer - H / M anos 73,6 / 80,5 c) Médicos por 1000 habitantes a) Médicos/ 1000 hab 3,3 2,5 1,2 2,6 Taxa de actividade a) % 48,2 45,3 48,2 49,0 Sector a) % 2,8 / 3,7 7,1 4,2 primário Sociedades / Sector População a) % 26,4 32,6 26,6 21,8 secundário empregada Sector a) % 70,8 63,7 66,3 74,0 terciário Taxa de desemprego a) % 6,8 5,4 6,5 Taxa de analfabetismo a) % 9,0 12,4 10,7 10,2 Fonte: a) INE Censos 2001; *) Estimativas da população em 31/12/2001, ajustadas com as taxas de cobertura. b) SRSL Relatório de actividades 2003 c) Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 7 de 171

11 2.2. CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO Segundo o Plano Director Municipal das Caldas da Rainha, a evolução da população residente no Concelho, conheceu entre 1890 e 1989, quatro períodos distintos: O primeiro, de 1890 a 1940, caracterizou-se por um crescimento contínuo; O segundo, de 1940 a 1960, registou uma quebra no crescimento; O terceiro, na década de 60, marcado por uma recessão no crescimento populacional; O quarto, de 1970 a 1986, onde se verificou um aumento da taxa de crescimento. De uma forma geral, durante todo o século XX ocorreu crescimento populacional, apesar de há data dos Censos de 1970 se ter registado um decréscimo populacional de 1552 efectivos. Esta quebra é facilmente justificada pelos fluxos de emigração que ocorreram um pouco por todo o país. A partir da década de 70, com a localização privilegiada desta cidade, começa a notar-se a tendência para a litoralização e sobretudo a cidade das Caldas começa a receber população externa. Gráfico 1 População Residente, entre Censos População Residente População Residente Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 8 de 171

12 Comparando os dados estatísticos do ano de 1991 e 2001, verificamos que o número de população registou um ligeiro aumento. A população residente aumentou indivíduos, o que se reflecte numa taxa de variação da população na ordem dos 13,06%. Freguesias Distância relativa a CR Popul. Área DP Cresc. Popul. IEnv. IDJovens / IDIdosos Popul. Agrícola km hab. km 2 hab/ km 2 % % % % A DO FRANCOS 18 km a SE ,8 91 2,7 160,9 22,8 / 37,1 41,3 ALVORNINHA 12 km a E ,7 83 0,9 154,1 14,3 / 35,4 43,5 CARVALHAL BENFEITO 14 km a NE ,9 96-3,2 106,0 24,5/26,3 46,0 COTO 2 km a N , ,8 91,4 27,3 / 25,2 12,8 FOZ DO ARELHO 9 km a O , ,0 191,2 18,5 / 34,6 5,0 LANDAL 20 km a SE , ,2 140,2 24,6 / 42,2 36,3 NADADOURO 6 km a O , ,9 112,4 27,7 / 25,5 13,6 NOSSA SRA DO PÓPULO , ,4 124,7 22,6 / 28,4 < 1,5 SALIR DE MATOS 6 km a NE , ,6 149,8 22,4 / 33,4 39,8 SALIR DO PORTO 12 km a NO 770 9,9 78 8,0 201,1 23,6 / 47,0 6,4 SANTA CATARINA 18 km a NE , ,4 84,4 27,3 / 23,7 30,5 SANTO ONOFRE , ,4 66,1 26,8 / 18,2 < 1,5 SÃO GREGÓRIO 11 km a SE , ,7 164,4 20,1 / 33,6 31,4 SERRA DO BOURO 5 km a NO , ,2 316,2 18,0 / 56,4 26,0 TORNADA 2 km a N , ,4 122,2 21,7 / 27,2 10,9 VIDAIS 11 km a SE ,2 53 9,3 216,0 20,0 / 44,4 50,6 TOTAL DO CONCELHO ,1 119,1 23,9 / 28,5 Legenda: Popul.- População / populacional; DP - Densidade populacional; Cresc.- Crescimento; IEnv.- Índice de envelhecimento; IDJovens - Índice de dependência de jovens; IDIdosos - Índice de dependência de idosos; Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 9 de 171

13 Os indicadores mostram um decréscimo da população jovem semelhante aos da região e do país e um aumento significativo da população com 65 ou mais anos, denunciando um agravamento do índice de envelhecimento da população. CALDAS DA RAINHA Indicadores HM H HM M População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios Fonte: INE Censos Em relação ao número de famílias clássicas residentes e núcleos familiares estes têm vindo a aumentar. Nos últimos dez anos constituíram-se novas famílias. A mesma tendência verifica-se relativamente ao número de alojamentos familiares e edifícios que apresentam um aumento de e 2644, respectivamente. Assim, este é um concelho que continua a crescer com uma qualidade de vida é bastante razoável. Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 10 de 171

14 2.3. CARACTERIZAÇÃO DAS FREGUESIAS DOS FRANCOS Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios ALVORNINHA Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios CARVALHAL BENFEITO Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios COTO Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios FOZ DO ARELHO Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios LANDAL Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 11 de 171

15 NADADOURO Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios N. SRª. DO PÓPULO Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios SALIR DE MATOS Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios SALIR DO PORTO Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios SANTA CATARINA Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios SANTO ONOFRE Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 12 de 171

16 SÃO GREGÓRIO Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios SERRA DO BOURO Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios TORNADA Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios VIDAIS Indicadores População Residente População Presente Famílias Clássicas Residentes Núcleos Familiares Residentes Alojamentos Familiares Edifícios População Residente (2001) A-dos-Francos Alvorninha Nª Sr.ª Pópulo Santo Onofre Carvalhal Benfeito Coto Foz do Arelho Landal Nadadouro Salir de M atos Salir do Porto Santa Catarina São Gregório Serra do Bouro Tornada Vidais Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 13 de 171

17 A análise dos indicadores sócio-demográficos das freguesias permite-nos verificar uma tendência acentuada para a concentração da população nas freguesias urbanas da cidade Nossa Senhora do Pópulo e Santo Onofre, respectivamente 30% e 22%, representando estes valores mais de metade da população total do concelho. Relativamente às freguesias rurais verifica-se que a população residente representa cerca de 20% do total concelhio. A análise decorrente dos indicadores acima referenciados evidenciam que a freguesia de Santo Onofre aumentou 40,4% o seu número de residentes e é definitivamente a freguesia mais jovem de todo o concelho, em oposição à grande parte freguesias rurais nomeadamente: Serra do Bouro, Vidais, Salir do Porto, Foz do Arelho. Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 14 de 171

18 Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 15 de 171

19 3. HABITAÇÃO Indicador QUADRO RESUMO Valor Licenças de Construção Concedidas 2001 (nº. Edifícios) 335 Licenças de Construção Concedidas para Habitação 2001 (nº. Edifícios) 282 Edifícios Concluídos 2000 (nº.) 272 Edifícios Concluídos para Habitação 2000 (nº.) 243 Licenciamento de Construções Novas para Habitação média de divisões por fogo 2000 (nº.) 5.5 Licenciamento de Construções Novas para Habitação média de superfície habitável das divisões 17.3 por fogo 2000 (m2) Edifícios 2001 (nº.) Índice de Envelhecimento dos Edifícios 2001 (%) Alojamentos Familiares Total 2001 (nº.) Alojamentos Familiares Clássicos por Edifício 2001 (nº.) 1.56 Alojamentos Familiares Clássicos Ocupados como Residência Habitual 2001 (nº.) Alojamentos Familiares Clássicos Ocupados pelo Proprietário 2001 (nº.) Alojamentos Familiares Clássicos Ocupados pelo Proprietário com Encargos de Compra 2001 (nº.) Alojamentos Colectivos 2001 (nº.) 49 Fonte: Censos População Residente População Presente Familias Núcleos familiares Alojamentos familiares Alojamentos HM H M HM H M Clássicas Residentes Institucionais residentes Total Clássicos Outros colectivos Edificios Fonte: Censos O número de alojamentos familiares, teve um aumento de efectivos e a quantidade de edifícios aumentou em Assim, verifica-se que este é um concelho que continua a crescer e que em dez anos (1991/2001) se constituíram novas famílias. Para este facto concorrem, entre outros factores, a localização geográfica e as fáceis acessibilidades a centros abastecedores de maior dimensão. De facto, a proximidade de Leiria e Lisboa torna este centro urbano bastante atractivo, quer pela quantidade de comércio e serviços encontrados na própria cidade, quer pela facilidade de resposta encontrada nestes centros vizinhos. A proximidade da capital reflecte-se sobretudo na tendência de migração para a cidade das Caldas da Rainha, que começa actualmente a procurar centros mais calmos. Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 16 de 171

20 3.1. HABITAÇÃO SOCIAL No concelho das Caldas da Rainha existem três bairros de habitações sociais: Bairro Social Nª Srª do Monte Estrada Nacional nº 8 Freguesia de Tornada Este bairro é composto por 90 fogos, 68 dos quais distribuídos por 8 prédios e 22 moradias geminadas. Foi atribuído em 1978, em regime de Propriedade Resolúvel pelo então Fundo de Fomento de habitação. Bairro Social dos Arneiros Freguesia das Caldas da Rainha Santo Onofre Este Bairro Social (vulgarmente conhecido por Bairro do IGAPHE - Instituto de Gestão e Alienação do Património Habitacional do Estado, visto ser propriedade deste), localiza-se na Rua José Natário. É constituído por 6 blocos de 4 pisos, num total de 96 fogos, sendo 16 fogos por bloco. Numa primeira fase, foram construídos 3 blocos (48 fogos), atribuídos em 1988 em regime de arrendamento, ao abrigo do Decreto Regulamentar nº 50/77, de 11 de Agosto. Numa segunda fase, foram construídos os restantes blocos (48 fogos), atribuídos em 1991 em regime de venda ao abrigo do Decreto-Lei nº 141/88, de 22 de Abril. A configuração dos prédios é discreta, respeitando o tipo de construção praticado na região e não denunciando, logo à partida, tratar-se de um Bairro de Habitação Social. Está inserido num dos bairros de maior dimensão Bairro dos Arneiros localizado numa das freguesias urbanas - Caldas da Rainha Santo Onofre. Assim, a população residente neste local tem ao seu dispor, num raio de 500 a metros, todos os equipamentos que possa necessitar. Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 17 de 171

21 Bairro Rainha D. Leonor Freguesia das Caldas da Rainha - Santo Onofre Este bairro situa-se no Bairro das Morenas, é constituído por 32 fogos distribuídos por 4 blocos. Foi construído por iniciativa da Câmara Municipal e financiado pelo Instituto Nacional de Habitação, ao abrigo do Decreto-lei nº. 220/83, de 26 de Maio Programa de Construção de Habitação a custos controlados. Os fogos foram atribuídos no ano de 1992, em regime de Venda. A Câmara Municipal candidatou-se ao Programa de Realojamento Acordos de Colaboração, ao abrigo dos Decretos-Leis nº 226/87 e nº 197/95, de 29 de Julho, visando o realojamento de famílias que vivem em habitações degradas. Neste sentido, e com a Publicação do Decreto-Lei nº 135/2004, de 03 de Junho, que cria o Programa de Financiamento para Acesso à Habitação (PROHABITA), a Câmara Municipal tem intenção de construir 17 fogos com a seguinte tipologia: - T T T T Total Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 18 de 171

22 4. EDUCAÇÃO O Concelho de Caldas da Rainha, é servido por uma rede de equipamentos escolares, alguns deles de dimensão sub regional e nacional, composta por: Designação dos Equipamentos Número Jardins-de-Infância públicos 27 Jardins-de-Infância privados 11 Escolas Básicas 1º Ciclo 54 Escolas Básicas 2º e 3º Ciclo 3 Escolas com ensino Secundário públicas 2 Escolas com ensino Secundário privadas 3 Ensino Recorrente 1 Ensino Especial 1 Ensino Profissional 3 Formação Profissional 2 Ensino Superior público 1 Ensino Superior privado 1 Total 109 Fonte: C.M.C.R. Conforme podemos verificar, a cidade possui um parque educacional vasto e abrangente, no qual todas as Freguesias se encontram dotadas de ensino básico e préescolar. Em 2004, os equipamentos educativos/escolares apresentavam a seguinte cobertura: 34% de jardins-de-infância, dos quais 24% são públicos; 49% de escolas básicas com 1º ciclo públicas, 3% de escolas básicas de 2º e 3º ciclos públicas; 5% de escolas de ensino secundário, dos quais 2% são públicas; 1% de estabelecimentos de ensino recorrente e 1% vocacionado para o ensino especial; 3% de estabelecimentos de ensino profissional e 2% centros de formação profissional; 2% de equipamentos de ensino superior, sendo 1% público. No Plano Estratégico das Caldas da Rainha, dentro do capítulo das Potencialidades de desenvolvimento do Concelho, encontram-se as seguintes referências: Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 19 de 171

23 Centro educativo qualificado ao nível do ensino superior Formação especializada ao nível do ensino superior Elevada presença de população estudantil Evolução do número de alunos matriculados / / / JI's Publicos JI's Privados 1º Ciclo Publicos 2º/3º Ciclo Publico Secundário Secundário Publico Privado Superior Privado Superior Privado Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 20 de 171

24 Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 21 de 171

25 4.1. IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS EDUCATIVOS O Decreto Lei nº 115-A/98 de 4 de Maio veio criar o conceito de agrupamentos complementares de escolas, no sentido de fomentar condições favoráveis à articulação do funcionamento da rede educativa. Os referidos agrupamentos podem apresentar-se segundo um funcionamento vertical (escolas de níveis complementares de ensino) ou horizontal (escolas do mesmo nível de ensino). Identificação dos agrupamentos do Concelho: 1. Agrupamento D. João II a. Agrupamento Vertical b. Constituído por: E.B. 2,3 D. João II Jardins-de-Infância e Escolas do 1º Ciclo das Freguesias de Salir de Matos, Salir do Porto, Tornada, Coto e Serra do Bouro 2. Agrupamento de Escolas de Santa Catarina a. Agrupamento Vertical b. Constituído por: E.B.I 1,2,3 de Santa Catarina Jardins-de-Infância e Escolas do 1º Ciclo da Freguesia de Santa Catarina e Carvalhal Benfeito 3. Agrupamento de Escolas em Movimento a. Agrupamento Horizontal b. Constituído por: Jardins-de-Infância e Escolas do 1º Ciclo das Freguesias de Alvorninha, Vidais, São Gregório, A-dos-Francos e Landal 4. Agrupamento de Escolas do Avenal a. Agrupamento Horizontal b. Constituído por: Escola do 1º Ciclo e Jardim-de-Infância do Avenal, Jardim-de-Infância e Escola do 1º Ciclo da Lagoa Parceira, Escola nº 1 do 1º Ciclo, Jardim-de-Infância de São Cristóvão Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 22 de 171

26 5. Agrupamento Mestre Francisco Elias a. Agrupamento Horizontal b. Constituído por: Escola do 1º Ciclo e Jardim-de-Infância do Bairro dos Arneiros, Jardim-de-Infância e Escola do 1º Ciclo da Foz do Arelho, Escola do 1º Ciclo e Jardim-de-Infância do Nadadouro e Jardim-de- Infância do Bairro das Morenas 6. Unidade de Organização Autónoma da Escola da Encosta do Sol 7. Unidade de Organização Autónoma da Escola do Bairro da Ponte 8. Escola Secundária Raul Proença 9. Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro 10. E.B.I. 1,2,3 de Santo Onofre O Território Educativo permite organizar o espaço geográfico concelhio em áreas onde a escolaridade obrigatória está assegurada, contendo assim, no próprio conceito, duas vertentes, a pedagógica ou educacional e a de planeamento do território. O Agrupamento de Escolas em Movimento, pelas suas características específicas e pelas distâncias a escolas de maior dimensão e de outros níveis de ensino, abrange toda a área sul do concelho e parte da área nascente. O restante interior/nascente foi possível juntar à E.B.I. 1,2,3 de Santa Catarina. Pela sua localização, à escola Dom João II agruparam-se as escolas do litoral/norte e norte do concelho. A cidade por ser muito populosa, por ter muitos alunos e por ter quatro escolas de 1º ciclo com projectos próprios aglutinaram em seu torno os agrupamentos: Escolas do Avenal; U.O.A. Bairro da Ponte; U.O.A. da Encosta do Sol; Escolas dos Arneiros. Este último agrupamento de escolas abrange também o litoral/sul. Pré-Diagnóstico do Concelho das Caldas da Rainha Página 23 de 171

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

CASA DO POVO DE ÓBIDOS PROJECTO EDUCATIVO

CASA DO POVO DE ÓBIDOS PROJECTO EDUCATIVO CASA DO POVO DE ÓBIDOS PROJECTO EDUCATIVO Índice 1. CARACTERIZAÇÃO DO MEIO... 1 1.1. Breves Notas Histórias sobre Óbidos... 1 1.2 Situação geográfica de Óbidos... 1 2 - BREVE HISTORIAL DA INSTITUIÇÃO...

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE Candidatura ao Programa PROHABITA Programa GPS Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade Convenção Sou de Peniche 12 de Junho de 2009 DIVISÃO DE ACÇÃO SOCIOCULTURAL Sector

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006 Câmara Municipal Habitação Social no Município de LAGOS Programa Global de Realojamento de 56 Famílias 27 de Janeiro de 2006 I. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias Breve Enquadramento Metodológico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

hospital de dia oncológico

hospital de dia oncológico guia do chtmad nota introdutória Sempre a pensar em si e para que possa beneficiar na totalidade de todos os nossos serviços, apresentam-se algumas informações que se consideram ser do seu interesse. Lembramos

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

IV SAÚDE: UM BREVE BALANÇO

IV SAÚDE: UM BREVE BALANÇO IV SAÚDE: UM BREVE BALANÇO Síntese dos Principais Indicadores de Saúde - Dados Comparativos Com a análise deste primeiro quadro (4.1) podemos verificar que Oeiras se encontra entre os concelhos que apresentam

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

santa casa da misericórdia

santa casa da misericórdia santa casa da misericórdia 5 de Outubro de 1945 Inaugurada uma enfermaria, com 6 camas, a juntar às 3 outras já existentes. 14 de Dezembro de 1947 Inauguração do Serviço de Radioscopia. 27 de Agosto de

Leia mais

Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011. População residente 158.269 hab. População jovem 27% População idosa 15% Mulheres 52% Homens 48%

Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011. População residente 158.269 hab. População jovem 27% População idosa 15% Mulheres 52% Homens 48% ARPIFF, 21 DE NOVEMBRO DE 2014 Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011 47.661 30,11% 48.629 30,73% 28886 18,25% 2776 1,75% 13258 8,38% População residente 158.269 hab. População jovem 27% População

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

93858, 75,7 Km2. 2

93858,  75,7 Km2.  2 Ano letivo 2015/2016 Nota Introdutória O concelho de Valongo integra a Área Metropolitana do Porto, sendo limitado a Norte pelo município de Santo Tirso, a nordeste por Paços de Ferreira, a leste por Paredes,

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo Regulamento de Transportes Escolares Preâmbulo O presente regulamento tem por objectivo definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente, no que concerne aos apoios

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

COLINA DE SANTANA. Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente

COLINA DE SANTANA. Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente População de Lisboa e Acesso ao S.N.S: Nº de utentes Caracterização da População Necessidades

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

MAPA ANEXO. Grupos de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria

MAPA ANEXO. Grupos de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria 3464 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 163 17-7-1998 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n. o 413/98 17 Julho O quadro pessoal do Hospital Sousa Martins

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR As modalidades de acção social escolar de que beneficiam os alunos da Região Autónoma dos Açores

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL Circular Normativa Nº 01 Data 12/01/2006 Para conhecimento de todos os serviços e estabelecimentos dependentes do Ministério da Saúde ASSUNO: Regime de trabalho de horário acrescido Critérios. A Circular

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Rede Social de Pombal. IV Saúde. Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Pombal 64/194

Rede Social de Pombal. IV Saúde. Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Pombal 64/194 IV Saúde 64/194 Quadro 1 Equipamentos de Saúde 2003 Hospitais Equipamentos de Saúde no Concelho de Pombal, por Freguesias Centros Saúde Ext. Saúde Farmácias Análises Clínicas Posto de Colheitas Clínicas

Leia mais

- Hospital Visconde de Salreu - Ass. Quinta do Rezende. - Junta de Freguesia de Fermelã - Banda Visconde de Salreu

- Hospital Visconde de Salreu - Ass. Quinta do Rezende. - Junta de Freguesia de Fermelã - Banda Visconde de Salreu A questão da Terceira Idade foi abordada no penúltimo workshop, que teve lugar no dia 26.06.2006, contando com a participação das seguintes instituições/entidades: - ASE Ass. de Solidariedade Estarrejense

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Carta Educativa do Concelho das Caldas da Rainha

Carta Educativa do Concelho das Caldas da Rainha FICHA TÉCNICA Equipa do Projecto A equipa do projecto, é constituída por técnicos da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, coordenada pelo Sr. Vice-Presidente da Câmara, Dr. Fernando Manuel Tinta Ferreira.

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer Programa 1 Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Preâmbulo Os rápidos processos de modernização que Portugal tem conhecido nas últimas décadas, se por um lado trouxeram consigo uma melhoria

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL Associação Amigos da Grande Idade Inovação e Desenvolvimento Posição Institucional 1 LARES DE IDOSOS Desde inicio

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 77/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933. CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º

Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933. CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933 CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º Regime aplicável 1 À entidade pública empresarial criada pelo presente decreto -lei aplica -se,

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais