APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA E ANÁLISE TERMOGRÁFICA NO ESTUDO DE CASO DE UM SISTEMA HIDRÁULICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA E ANÁLISE TERMOGRÁFICA NO ESTUDO DE CASO DE UM SISTEMA HIDRÁULICO"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA E ANÁLISE TERMOGRÁFICA NO ESTUDO DE CASO DE UM SISTEMA HIDRÁULICO Clayton Gonçalves do Nascimento (1) Alex Alves de Barros (2) Luiz Fernando de Carvalho Carneiro (3) Wallace de Souza Lima (4) Geraldo Roberto de Sousa (5) (1) Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), Engenharia Mecânica (2) Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), Engenharia Mecânica (3) Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), Engenharia Mecânica (4) Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), Engenharia Mecânica (5) Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), DEMEC- Departamento de Engenharia Mecânica RESUMO: Este trabalho apresenta um estudo de caso, em que foi implantada a ferramenta Failure Modes and Effects Analysis (FMEA) e análise termográfica, visando à detecção de passagem interna em um sistema hidráulico. O objetivo deste estudo de caso foi determinar ações que minimizem a falha em um dos sistemas hidráulicos de uma máquina GUIA DE COQUE de uma bateria de produção de coque e utilizar análise termográfica como método não invasivo para confirmar passagem interna em componente hidráulico. O ponto específico de implantação da ferramenta foi no cilindro de deslocamento vertical dos ganchos da extratora de portas, a falha ocorrida nesse componente torna o sistema de extração de portas LC (Lado do Coque) inoperante causando parada operacional, conseqüente perda de produção, assim como risco de acidente operacional com danos a pessoas e propriedade. Os resultados do trabalho foram alcançados ao se determinar ações que trazem consigo o objetivo principal deste estudo, isto é, o aumento de confiabilidade e qualidade do cilindro em questão. PALAVRAS-CHAVE: Análise termográfica, sistema hidráulico, anomalia, FMEA. APPLICATION OF FMEA TOOL AND THERMOGRAPHIC ANALYSIS IN CASE STUDY OF A HYDRAULIC SYSTEM ABSTRACT: This work presents a case study in which, was implemented Failure Modes and Effects Analysis tool (FMEA) and thermographic analysis aimed at detecting internal passage in a hydraulic system. The objective of this case study was to determine actions to minimize failure in one of the hydraulic systems of a "COKE GUIDE" machine for a battery of coke production and use thermographic analysis as a noninvasive method to confirm internal passage in hydraulic component. The specific deployment point of the tool was the hook s vertical displacement cylinder of the door s extractor, failure occurred in this component makes the extraction ports system LC (Coke Side) dead, causing operational stop, the consequent loss of production as well as operational risk of accident with damage to persons and property. The results of the study were achieved in determining actions which bring with them the main objective of this study, increased reliability and quality of the cylinder in question. KEYWORDS: Thermographic analysis, hydraulic system, anomaly, FMEA. Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial

2 1. INTRODUÇÃO O principal objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da utilização da FMEA e análise termográfica para rastreio de anomalias em sistemas hidráulicos em atividades necessárias à manutenção desses. A não movimentação de um cilindro, por exemplo, pode ter diversas causas prováveis, a experiência do técnico responsável e a aplicação da ferramenta adequada serão de vital importância na definição da causa raiz do problema. Rastrear de forma criteriosa com base em ferramentas de qualidade efetivas como o FMEA e métodos de diagnóstico como a termografia, evita trocas desnecessárias de componentes e por mais que os testes e as metodologias utilizadas durante esse processo pareçam para um leigo tempo perdido, são na realidade economia de tempo com manutenções inúteis, intervenções desnecessárias e reincidência da falha gerando retrabalho uma vez que o erro na definição do componente a ser trocado pode significar enormes prejuízos como, por exemplo, dias de manutenção, paradas operacionais, etc. Percebe-se uma grande aplicabilidade da ferramenta de qualidade nesse setor, sendo que, uma vez sanado o problema de elevação de carga, evita-se parada da produção. O FMEA deve seguir algumas etapas: Descrição do produto/processo, funções do produto, tipo de falha potencial, efeito de falha potencial, causa da falha em potencial (rastreio, levantamento de hipóteses da causa raiz, verificação do funcionamento dos componentes na ordem de primários para específicos visando à comprovação ou não das hipóteses, testes, caso estes sejam necessários para a comprovação das hipóteses), controles atuais e ações recomendadas (troca de componente com maior probabilidade de ser o defeituoso ou de componente com probabilidade menor, porém cuja troca seja mais viável). Segundo Nogueira e Reis (2010, p.29-35), o emprego da termografia na inspeção preditiva. Arespeito da técnica de análise termográfica,... É a técnica de sensoriamento remoto que utiliza a radiação infravermelha naturalmente emitida pelos corpos, para medição de temperaturas, juntamente com a imagem do local no qual se está realizando a medição.... Altoé e Filho (2012, p.55-59), desenvolveram um estudo de Termografia infravermelha aplicada à inspeção de edifícios. A respeito da técnica de análise termográfica,... A termografia é uma técnica baseada na detecção da radiação infravermelha emitida por objetos, possibilitando a medição de temperaturas e a observação de padrões de distribuição de calor em um determinado sistema MATERIAIS E MÉTODOS 2.1. Gestão da qualidade Segundo Brocka e Brocka (1994, p. 4), de um modo simplificado, a gestão da qualidade é definida como sendo: melhorias sistemáticas e contínuas na qualidade dos produtos, serviços e na vida das pessoas, utilizando todos os recursos humanos e financeiros disponíveis ; uma metodologia de resolução de problemas e aperfeiçoamento de processos sobre toda a empresa ; e um sistema de meios para economicamente produzir bens ou serviços que satisfaçam as necessidades dos clientes Ferramenta FMEA O escopo da ferramenta de auxílio à gestão da qualidade denominada FMEA é determinar um conjunto de ações corretivas ou que minimizem modos de falha em potencial. Puente et al.(2002), a ferramenta FMEA é desenvolvida basicamente em dois grandes estágios. No primeiro estágio, possíveis modos de falhas de um produto, processo ou serviço são identificados e relacionados com as respectivas causas e efeitos. No segundo estágio, é determinado o nível crítico, Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 2

3 isto é, a pontuação de risco destas falhas que posteriormente são colocadas em ordem. As falhas mais críticas serão as primeiras do ranking, e serão consideradas prioritárias para a aplicação de ações de melhoria. A determinação do nível crítico dos modos de falha é realizada com base em três índices que são o índice de severidade dos efeitos dos modos de falha, o índice de ocorrência das causas dos modos de falha e o índice de detecção das causas dos modos de falha. Utilizando a metodologia tradicional da ferramenta, a multiplicação destes três índices, que possuem escalas de 1 a 10, vai resultar no Risk Priority Number (RPN), que será responsável pelo ranking das falhas. Esta metodologia pode ser aplicada tanto no desenvolvimento do projeto do produto como do processo. As etapas e a maneira de realização da análise são similares, ambas diferenciando-se somente quanto ao objetivo. Assim as análises FMEA são classificadas em dois tipos: FMEA DE PRODUTO: na qual são consideradas as falhas que poderão ocorrer com o produto dentro das especificações do projeto. O objetivo desta análise é evitar falhas no produto ou no processo, decorrentes do projeto. É também comumente denominada FMEA de projeto. FMEA DE PROCESSO: são consideradas as falhas no planejamento e execução do processo, ou seja, o objetivo desta análise é evitar falhas do processo, tendo como base as não conformidades do produto com as especificações do projeto. Há ainda um terceiro tipo, menos comum, que é o FMEA de procedimentos administrativos. Nele analisam-se as falhas potenciais de cada etapa do processo com o mesmo objetivo que as análises anteriores, ou seja, diminuir os riscos de falha. 3. Aplicação da FMEA Pode-se aplicar a análise FMEA nas seguintes situações: para diminuir a probabilidade da ocorrência de falhas em projetos de novos produtos ou processos; para diminuir a probabilidade de falhas potenciais (ou seja, que ainda não tenham ocorrido) em produtos/processos já em operação; para aumentar a confiabilidade de produtos ou processos já em operação por meio da análise das falhas que já ocorreram; para diminuir os riscos de erros e aumentar a qualidade em procedimentos administrativos Funcionamento básico O princípio da metodologia é o mesmo independente do tipo de FMEA e da aplicação, ou seja, se é FMEA de produto, processo ou procedimento e se é aplicado para produtos/processos novos ou já em operação. A análise consiste basicamente na formação de um grupo de pessoas que identificam para o produto/processo em questão as funções, os tipos de falhas que podem ocorrer, os efeitos e as possíveis causas desta falha. Em seguida são avaliados os riscos de cada causa de falha por meio de índices e, com base nesta avaliação, são tomadas as ações necessárias para diminuir estes riscos, aumentando a confiabilidade do produto/processo. A Figura 1 ilustra o funcionamento da análise FMEA. Ela consiste de um formulário FMEA em que se pode observar a definição de cada coluna e, abaixo, um fluxograma que mostra a ordem de preenchimento do formulário baseada em perguntas que devem ser feitas pelo grupo em cada etapa. A discussão realizada pelo grupo segue a ordem do fluxograma, ou seja, o grupo segue respondendo cada uma destas perguntas e preenche as colunas do formulário com as respostas encontradas por meio de consenso. Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 3

4 FIGURA1. Definição dos termos e fluxograma de preenchimento do Formulário FMEA Deve-se ter em mente que a análise FMEA é muito mais do que apenas preencher um formulário, o seu verdadeiro valor está na discussão e reflexão dos membros do grupo sobre as falhas potenciais do produto/processo e as ações de melhoria propostas pelo grupo. Para aplicar-se a análise FMEA em um determinado produto/processo, portanto, forma-se um grupo de trabalho que irá definir a função ou característica daquele produto/processo e relacionar todos os tipos de falhas que possam ocorrer e descrever para cada tipo de falha as possíveis causas e efeitos, relacionar as medidas de detecção e prevenção de falhas que estão sendo, ou já foram tomadas, e, para cada causa de falha, atribuir índices para avaliar os riscos e, por meio desses, discutir medidas de melhoria Importância A metodologia FMEA é importante porque pode proporcionar para a empresa: uma forma sistemática de se catalogar informações sobre as falhas dos produtos/processos; melhor conhecimento dos problemas nos produtos/processos; ações de melhoria no projeto do produto/processo, baseado em dados e devidamente monitoradas (melhoria contínua); diminuição de custos por meio da prevenção de ocorrência de falhas; o benefício de incorporar dentro da organização a atitude de prevenção de falhas, a atitude de cooperação, trabalho em equipe e a preocupação com a satisfação dos clientes; 4. ETAPAS PARA APLICAÇÃO 4.1. Planejamento Essa fase é realizada pelo responsável pela aplicação da metodologia e compreende: Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 4

5 descrição dos objetivos e abrangência da análise: em que se identifica qual(ais) produto(s)/processo(s) será(ão) analisado(s); formação dos grupos de trabalho: em que se definem os integrantes do grupo, que deve ser preferencialmente pequeno (entre 4 a 6 pessoas) e multidisciplinar (contando com pessoas de diversas áreas como qualidade, desenvolvimento e produção); planejamento das reuniões: as reuniões devem ser agendadas com antecedência e com o consentimento de todos os participantes para evitar paralisações; preparação da documentação exigida, (conforme Tabela 1). TABELA 1. Documentos Necessários para a Análise FMEA FMEA de Produto FMEA de Processo Lista de Peças; Lista de Peças; Desenhos; FMEA de produto da peça Resultados de Ensaios; Desenhos de Fabricação; FMEA s de produtos similares; Planos de Inspeção; FMEA s já realizados para o produto Estatísticas de Falhas do processo; Estatísticas de Falhas do processo; Estudos de Capacidade de Máquina Análise de falhas em potencial Nessa fase é realizada pelo grupo de trabalho que discute e preenche o formulário FMEA, definindo: Funções e característica(s) do produto/processo (coluna 1 na figura 2); Tipo(s) de falha(s) potencial(is) para cada função (coluna 2); Efeito(s) do tipo de falha (coluna 3); causa(s) possível(eis) da falha (coluna 4); controles atuais (coluna 5); 4.3. Avaliação dos riscos Nesta fase são definidos pelo grupo os índices de severidade (S) (Tabela 2), ocorrência (O) (Tabela 3) e detecção (D) (Tabela 4) para cada causa de falha, de acordo com critérios previamente definidos. Depois são calculados os coeficientes de prioridade de risco (R), por meio da multiplicação dos outros três índices. TABELA 2. Definição do índice de severidade Severidade Índice Severidade Critério 1 Mínima O cliente mal percebe que a falha ocorreu 2 Pequena Ligeira deterioração no desempenho com leve descontentamento do cliente; 3 4 Moderada Deterioração significativa no desempenho de um sistema com Alta descontentamento do cliente; Sistema deixa de funcionar e grande descontentamento do cliente; 8 9 Muito Alta Idem ao anterior, porém afeta a segurança. 10 Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 5

6 TABELA 3. Definição do índice de ocorrência OCORRÊNCIA Índice Ocorrência Proporção Cpk 1 Remota 1: Cpk>1,67 2 Pequena 1: Cpk>1,00 3 1: Moderada 1:1.000 Cpk<1,00 5 1: :80 7 Alta 1:40 8 1:20 9 Muito Alta 1:8 10 1:2 TABELA 4. Definição do índice de detecção DETECÇÃO Índice Ocorrência Critério 1 Remota Certamente será detectado 2 Pequena Grande probabilidade de ser detectado 3 4 Moderada Provavelmente será detectado Alta Provavelmente não será detectado 8 9 Muito Alta Certamente não será detectado 10 Observações Importantes: Quando o grupo estiver avaliando um índice, os demais não podem ser levados em conta, ou seja, a avaliação de cada índice é independente. Por exemplo, se estamos avaliando o índice de severidade de uma determinada causa cujo efeito é significativo, não podemos colocar um valor mais baixo para este índice somente porque a probabilidade de detecção seja alta. No caso de FMEA de processo pode-se utilizar os índices de capacidade da máquina, (Cpk) para se determinar o índice de ocorrência Melhoria Nessa fase, o grupo utilizando os conhecimentos, e criatividade aplicados a outras técnicas como brainstorming, lista todas as ações que podem ser realizadas para diminuir os riscos. Estas medidas podem ser: medidas de prevenção total ao tipo de falha; medidas de prevenção total de uma causa de falha; medidas que dificultam a ocorrência de falhas; medidas que limitem o efeito do tipo de falha; medidas que aumentam a probabilidade de detecção do tipo ou da causa de falha; Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 6

7 Essas medidas são analisadas quanto a sua viabilidade, sendo então definidas as que serão implantadas. Uma forma de se fazer o controle do resultado destas medidas é pelo próprio formulário FMEA, por meio de colunas onde ficam registradas as medidas recomendadas pelo grupo, nome do responsável e prazo, medidas que foram realmente tomadas e a nova avaliação dos riscos Continuidade O formulário FMEA é um documento vivo, ou seja, uma vez realizada uma análise para um produto/processo qualquer, esta deve ser revisada sempre que ocorrerem alterações neste produto/processo específico. Além disso, mesmo que não haja alterações deve-se regularmente revisar a análise, confrontando as falhas potenciais imaginadas pelo grupo com as que realmente vêm ocorrendo no dia-a-dia do processo e uso do produto, de forma a permitir a incorporação de falhas não previstas, bem como a reavaliação, com base em dados objetivos das falhas já previstas pelo grupo. 5. CASO DE SUCESSO DO FMEA EM SISTEMA HIDRÁULICO DE GUIA DE COQUE DE COQUERIA Coqueria de uma usina siderúrgica. Os sistemas hidráulicos da área de coquerias têm por objetivo a movimentação dos diversos dispositivos de máquinas móveis destinados à coqueificação do carvão mineral cujo fim é a produção de coque para utilização como combustível no alto-forno visando à redução do minério de ferro em ferro gusa. Ainda na área de coqueria tem-se os sistemas hidráulicos de maior criticidade da planta (sistemas hidráulicos de reversão de gás coquerias), em que uma eventual falha pode gerar não só uma parada operacional, mas também uma perda de ativo (bateria de coque) uma vez que são responsáveis pelo controle do aquecimento dos fornos e os refratários utilizados na produção destes possuem a característica de que; uma vez aquecidos, não mais podem ser resfriados sob-risco de dano irreversível à estrutura da bateria de fornos em si devido à degradação daqueles. Os sistemas hidráulicos possuem a função de transformar, em situações de controle operacional, energia de pressão gerada nas estações de bombeamento em energia cinética nos atuadores, causando assim as diversas movimentações necessárias à operação dos equipamentos produtores de coque Rastreio de anomalias em sistemas hidráulicos Uma das atividades necessárias à manutenção de sistemas hidráulicos é o rastreamento de anomalias. A não movimentação de um cilindro, por exemplo, pode ter diversas causas prováveis e a experiência do técnico responsável, aliada à aplicação da ferramenta FMEA serão de vital importância na definição da causa raiz do problema. O rastreamento criterioso e bem executado evita trocas desnecessárias de componentes e por mais que os testes durante este processo pareçam para um leigo, tempo perdido, são na realidade economia de tempo com manutenções inúteis e intervenções desnecessárias, uma vez que o erro na definição do componente a ser trocado pode significar enormes prejuízos como, por exemplo, dias de manutenção, paradas operacionais, etc. O rastreio deve seguir algumas etapas, quais sejam: Levantamento de hipóteses da causa raiz; Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 7

8 Verificação do funcionamento dos componentes, no sentido, primários para específicos, visando à comprovação ou não das hipóteses; Testes, caso estes sejam necessários para a comprovação das hipóteses; Troca de componente com maior probabilidade de ser o defeituoso ou de componente com probabilidade menor, porém cuja troca seja mais viável. Segue descrição de rastreio de anomalia em sistema hidráulico aplicando a metodologia do FMEA. Problema inicial: Um cilindro hidráulico de dupla ação; diferencial; vertical; de 200 kg; com haste voltada para cima; que suporta uma carga de aproximadamente 1 tonelada não sobe a carga quando comandado pelo operador. Obs.: O cilindro é situado em local de difícil acesso, sua troca exige planejamento e movimentação de diversos equipamentos (montagem de andaime, caminhão e empilhadeira para transporte do cilindro e guindaste de 50 toneladas devido ao comprimento de lança necessário), mão de obra de 5 mecânicos e 1 soldador por 7,5 horas de parada operacional. Logo, uma falha no rastreio que culmine em troca desnecessária do mesmo causará um grande prejuízo. Rastreio: Levantamento de hipóteses da causa raiz H1 Conjunto motor-bomba inoperantes H2 Falta de óleo H3 Pressão principal do sistema insuficiente H4 Vazamento ao longo da linha H5 Válvulas de bloqueio fechadas H6 Válvula direcional inoperante / bloqueada H7 Válvula de retenção bloqueada H8 Travamento no conjunto cilindro carga H9 Passagem interna no cilindro Verificação do funcionamento dos componentes, sendo no sentido, primários para específicos visando à comprovação ou não das hipóteses. O conjunto motor-bomba está operando (verificação no físico na sala hidráulica da máquina) H1 cai. O nível de óleo está normal (verificação no visor de nível do reservatório Figura 2) H2 cai. FIGURA 2. Visor de nível de óleo de reservatório hidráulico. Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 8

9 A pressão principal do sistema está normal (verificação no manômetro principal Figura 3) H3 cai. FIGURA 3. Manômetro principal para aferição da pressão hidráulica do sistema. Não há vazamentos ao longo da linha (verificação no físico seguindo a tubulação) H4 cai. As válvulas de bloqueio da tubulação principal e das linhas A e B do cilindro estão abertas (verificação no físico) H5 cai. A válvula direcional está magnetizando as bobinas das válvulas solenóides e os led`s dos contatores estão acendendo, escuta-se batida característica da mudança de posição do carretel spool (verificação no físico durante a operação) H6 cai. Testes caso estes sejam necessários para a comprovação das hipóteses. Libera-se a carga do olhal do cilindro e este ainda assim não se movimenta H8 cai. Troca de componente com maior probabilidade de ser o defeituoso ou de componente com probabilidade menor, porém cuja troca seja mais viável. Neste momento ainda são possíveis às hipóteses H7 (Válvula de retenção bloqueada) e H9 (Passagem interna no cilindro), ainda na fase de testes, poder-se-ia executar um teste de passagem interna no cilindro, porém devido à dificuldade de acesso, torna-se mais viável (menos trabalhoso e mais seguro) substituir a válvula de retenção para eventualmente eliminar ou comprovar H7. Substitui-se a válvula de retenção e ainda assim o cilindro não se movimenta H7 cai. Logo, conclui-se que a hipótese provável é H9, como o teste de passagem-interna demanda montagem de andaime, parada da máquina e deslocamento de mão de obra, visando à melhoria do nosso embasamento efetua-se análise termográfica em busca de gradiente de temperatura causado pelo atrito entre óleo e componentes internos. Por meio de imagens termográficas utilizando o aparelho TI25 da Fluke, com valor mínimo de radiação infravermelha conforme Figura 4 e valor máximo de radiação infravermelha na Figura 5 nota-se um gradiente de temperatura no interior do cilindro hidráulico, característico de atrito causado por fluxo contínuo de óleo devido à passagem interna. A hipótese 9 é reforçada. Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 9

10 FIGURA 4. foto Termográfica 1 do cilindro hidráulico FIGURA 5. foto Termográfica 2 do cilindro hidráulico Segue-se para o teste de passagem-interna buscando comprovação. O teste de passageminterna do cilindro é executado soltando a mangueira do cabeçote traseiro do cilindro com a válvula de bloqueio da tubulação de avanço fechada (para evitar retorno de óleo por gravidade) e pressurizando-se a câmara dianteira do cilindro, quando então ocorre grande vazamento de óleo na conexão do cabeçote traseiro do cilindro, comprovando a passagem interna do cilindro por dano ao retentor L dianteiro do êmbolo e corroborando H9. Termina-se assim o rastreio e com embasamento sólido parte-se para a troca do cilindro. Após o término do rastreio e determinação da causa raiz, foram definidas as ações corretivas assim como os prazos para a implantação das mesmas efetuando o preenchimento das ações de melhoria do formulário de FMEA conforme Tabela 5. Finda a checagem foram recalculados os índices e por meio do produto destes, o coeficiente de prioridade de risco obtendo-se o valor 10 que endossa a eficiência do trabalho. Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 10

11 TABELA 5: Formulário de FMEA com os dados do sistema hidráulico Análise do Tipo e Efeito de Falha Cod_pec: Cilindro de deslocamento vertical dos ganchos da extratora de portas das guias de coque da Coqueria 2. Data: 15/05/2014 No. 1 de 1 Nome da Peça: Folha FMEA de Produto FMEA de Processo Descrição do Produto/Processo Função(ões) do produto Tipo de falha Potencial Efeito de Falha Potencial Causa da Falha em Potencial Controles atuais Índices S O D R Ações de Melhoria Ações Responsável/ Medidas Índices atuais Recomendadas Prazo Implantadas S O D R Um cilindro hidráulico de dupla ação diferencial vertical de 200 kg com haste voltada para cima que suporta uma carga de aproximadamente 1 ton. Causar o deslocamento vertical das portas dos fornos de coqueificação de carvão mineral de uma Coqueria visando a abertura/fecha mento e limpeza das mesmas. Inoperabilidade do cilindro hidráulico impossibilitando abertura/fecham ento dos fornos(não sobe a carga quando comandado pelo operador). Parada operacional da Bateria de Coque. Material do elastômero aplicado nas vedações internas do cilindro inadequado( copolímerobutadienoacrilonitrila, borracha nitrilica (-54 a 121 C), BUNA-N 75 SHA) para as condições externas(cal or excessivo) Definição de um elastômero substituto com maior resistência a altas temperaturas Padronizar junto ao fornecedor um material das vedações internas do cilindro em fluorelastômero (CFM, FVSI, FPM) Viton (-29 a 204 podendo chegar até 316 C). Principalmente dos retentores "Tipo Copo" do êmbolo do cilindro Clayton Gonçalves do Nascimento- 30/05/2014 Padronização da Substituição do retentor CONCLUSÃO Corroborando a teoria, por meio da aplicação da metodologia FMEA, obtivemos os resultados esperados. Foram percebidas as causas das falhas e minimizados os efeitos dessas, fazendo com que pudéssemos atuar com precisão na falha raiz, consolidando desta forma a sua eliminação. Através da detecção eficiente, foi possível atuar de forma acertada para que fosse possível planejar as ações necessárias ao desenvolvimento da solução do problema, minimizando os impactos na produção e principalmente mantendo a segurança operacional e dos mantenedores do processo. Foram tomadas ações para que fosse bloqueado o possível reaparecimento da falha. Especificamente neste estudo de caso, o sintoma foi extinto através da eliminação das causas possíveis e prováveis, sendo que foi reduzido o percentual de risco de parada operacional maximizando a confiabilidade da produção. Ainda através da padronização, pôde-se perceber uma melhoria nas características físicas do equipamento, sinalizando a eficácia da metodologia. Por meio da sua aplicação, eliminou-se uma causa do aparecimento da anomalia, porém o problema poderá ocorrer no processo, através de uma fonte desconhecida ao estudo do caso. No entanto o índice de estabilidade operacional do equipamento aumentou significativamente visto as melhorias aplicadas em conjunto com a metodologia. REFERÊNCIAS TOLEDO, J. C.; AMARAL, D. C. FMEA Análise do tipo e efeito de falha. CAPALDO,D.; GUERRERO,V.; ROZENFELD,H. FMEA (Failure Mode and Effect Analysis). Disponivel em:< Acesso em: 31 ago, 2014 BRITO, J. N.; FILHO, P. C. M. L.; ALVES, P. A. S. Implantação do programa de manutenção preditiva de painéis elétricos através da análise termoelétrica, 2002 Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 11

12 ABREU, A. M.; SOARES, I. M.; SOUZA, S. T. O. Termografia em manutenção preditiva:conceitos e aplicabilidades em máquinas e equipamentos industriais v.2, n.1,2012. Disponível em: < 398/1287> Acesso em: 31 ago 2014 NASCIMENTO, G. R.; NAAS, I. A.; BARACHO, M. S.; PEREIRA, D. F.; NEVES, D. P. Termografia infravermelho na estimativa de conforto térmico de frangos de corte. Universidade Federal de Campina Grande UFCG, 2014 ANDRADE, M. R. S.; TURRIONI, J. B. Uma metodologia de análise dos aspectos e impactos ambientais através da utilização do FMEA Agradecimentos Nossos agradecimentos a Deus que nos iluminou durante a execução deste trabalho, à Universidade Federal de São João Del Rei fonte do conhecimento que aplicamos e ao Professor Dr. Geraldo Roberto de Sousa cujas instruções e direcionamento foram o diferencial para a conclusão e refino do mesmo. Anais do XIV CONEMI - Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial 12

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

FMEA (Failure Model and Effect Analysis)

FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Definição FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Conceitos Básicos A metodologia de Análise do Tipo e Efeito de Falha, conhecida como FMEA (do inglês Failure Mode and Effect Analysis), é uma ferramenta

Leia mais

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha.

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha. FMEA Prof. Andréa CONCEITO DE FMEA CONCEITO DE FMEA ABNT, na norma NBR 5462 (1994), adota a sigla originária do inglês FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) e a traduz como sendo Análise dos Modos de

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA Afrânio Quintino da SILVA 1 Denner TRINDADE 1, Eduardo Araújo de PAULA 1, Israel do Nascimento BATISTA 1 Jevion Prates MARTINS 1

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Professores: Diego Mondadori Rodrigues Ernani Matschulat Viviane Dorneles Tobias

Leia mais

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis)

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) seu produto nas unidades respectivas de cada grandeza, isto é, o produto tem $4,50 na característica "custo", 170 mm na característica "dimensão", e assim por diante. As colunas "concorrente };' e "concorrente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES.

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. Atualmente no Brasil estão em operação diversos modelos de locomotivas diesel-elétricas, desde locomotivas mais antigas e de

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Atibaia SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Atibaia 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios

FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios Process FMEA for quality assurance results in a testing laboratory Jéssica Fredi Cocco 1, Carla Hartmann Sturm 1,

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA CODEN - Nova Odessa CODEN 1. OBJETIVO Apresentar ao CODEN a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Nova Odessa 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor

Leia mais

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 Aplicabilidade das Ferramentas Título da da Palestra: Qualidade Data: FMEA Falta de Energia Elétrica 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 História dos Riscos Construção do Empire State 1930 102 andares Cenário

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 6 Favor colocar

Leia mais

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS Flávio Zorzan (FAHOR) fz000872@fahor.com.br Leandro Dorneles (URI-Santo Ângelo) leandro1902@gmail.com Marcos Eduardo

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Renato David 1, Allan James Ferreira Maciel 2 *, Jediel Grangeiro 3, Josenilson Rocha 4 1,2,3,4 Planejamento e recursos

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1 FMA Controle de Qualidade FMA Pág 1 FMA que vamos aprender... FMA Ferramentas de Definição Pág 2 FMA FMA Failure Mode & ffects Analysis FMA é um método sistemático para identificar, analisar, priorizar

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu São Paulo, 01 de Outubro de 2010 Nomes: Cícero Marcelino RA: 200509458 Daniele Teixeira RA: 200605045 Edson Pereira RA: 200607727 Matheus Monteiro RA: 200709765 Rodrigo Pavin

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814 ANÁLISE TERMOGRÁFICA VALINHOS Valinhos DAEV 1. OBJETIVO Apresentar ao DAEV a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Valinhos 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento.

Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento. Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento. Eduardo Ferro dos Santos Universidade Federal de Itajubá/MG

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Emprego da Termografia na inspeção preditiva

Emprego da Termografia na inspeção preditiva Emprego da Termografia na inspeção preditiva Rafaela de Carvalho Menezes Medeiros* Resumo A prática de manutenção preditiva corresponde hoje a um meio eficaz de antever uma parada do equipamento por motivo

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA

INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA ESCOPO DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO IMANTEL ENGENHARIA ELÉTRICA LTDA www.imantel.com.br RESPONSÁVEL: Eng. Edmilson Heitor Ferreira DESENVOLVIMENTO: Fernando A. de Assis SÃO JOÃO DEL-REI MG Prezados Srs, A Imantel

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO.

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO. Válvulas: São os elementos utilizados para comando dos atuadores, exercendo função preponderante dentro dos circuitos fluídicos e são classificadas conforme suas funções. Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO.

Leia mais

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Gil Augusto de Carvalho gilaugusto@uol.com.br UBM Orlando Moreira Guedes Júnior engorlandojunior@yahoo.com.br

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS 1 APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS Bruno Ricardo Duarte 1 João Koji Fujita Ribeiro de José Antonio Bueno 4 Renato Francisco Saldanha Silva 5 RESUMO O presente

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Engenharia de Diagnóstico A engenharia Diagnóstica é a disciplina da ciência que procura a natureza e a causa das anomalias patológicas das construções, com

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA -

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - Técnica que estende a visão humana ao espectro infravermelho, sendo a aquisição e análise das informações térmicas feitas a partir de dispositivos de obtenção de

Leia mais

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários Vitória, 30 de setembro de 2011 SUMÁRIO RESUMO...3 OBJETIVOS...4 INTRODUÇÃO...5

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rev.03-06/23 M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rua Major Carlos Del Prete, 19 - Bairro Cerâmica CEP 09530-0 - São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone/Fax: (11) 4224-3080

Leia mais

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES.

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. . DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. RESUMO Com a evolução dos tempos a técnica ferroviária foi sendo aperfeiçoada de tal maneira que se formar homens

Leia mais

Nota Técnica 001/2010

Nota Técnica 001/2010 Nota Técnica 001/2010 Produto: Sistema Zyggot Temperatura Aplicação: Termografia sem Contato em Painéis Elétricos de Baixa Tensão Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Termografia; 2) Análise

Leia mais

SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL

SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL Obrigado por escolher equipamentos FLUHYDRO SYSTEMS. Os sistemas óleo hidráulicos são hoje, as melhores, mais seguras e econômicas

Leia mais

bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico

bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico Dosadoras a Motor bombas dosadoras a motor Por acionamento hidráulico Serie 600 Serie 500 Há opção de duplo diafragma cabeçotes duplex e válvulas EZE- Serie 700 CLEAN TM consulte-nos! Detalhamento de sistema

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea

Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea PLANO DE CURSO MSOBRFDPTA08 PAG1 Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea Justificativa do Curso A plataforma aérea de trabalho se tornou um dos equipamentos mais comuns em obras e sites de trabalho

Leia mais

Atividades da Empresa

Atividades da Empresa Atividades da Empresa A ELsolutions atua no mercado oferecendo soluções de engenharia e montagem em equipamentos de acesso para execução de grandes obras na construção civil e manutenção de fábrica. Temos

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA 13.12.11

MANUTENÇÃO PREDITIVA 13.12.11 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA conceito 2 É aquela que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação. objetivos 3 determinar, antecipadamente,

Leia mais

Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis

Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis 13017381 Info 166 Cilindros de parada o equipamento compacto e simples para automatizar linhas de transporte Utilização Equipamento rápido e simples

Leia mais

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Engenheiro Mecânico Leandro Botega de Sousa leandro.botega@ig.com.br 33071613 / 81761612 21:50:00 1 FLUXO - GESTÃO

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

Prestar assistencia tecnica no conserto e reparo de equipamentos eletronicos, domesticos, microprocessadores e microcontrolados.

Prestar assistencia tecnica no conserto e reparo de equipamentos eletronicos, domesticos, microprocessadores e microcontrolados. PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 500702 - ELETROTECNICA - MOD. Nivel: Tecnico Area Profissional: 0047 - ELETRICA-ELETRONICA-TEC Area de Atuacao: 0349 - ASSIST.TEC./ELETR.-TEC

Leia mais

GUINCHO HIDRÁULICO G-1000

GUINCHO HIDRÁULICO G-1000 GUINCHO HIDRÁULICO G-1000 MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO GUINCHO HIDRÁULICO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

Metodologia de manutenção

Metodologia de manutenção Metodologia de manutenção Prof. Manoel Henrique Ementa Elementos de manutenção (definições sobre manutenção, tipos e políticas) Introdução à confiabilidade (conceitos, taxa de falhas, e confiabilidade

Leia mais

MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO

MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO São Carlos Novembro de 2008 1 ÍNDICE 1) Introdução... 3 2) Inspeção... 3 3) Aplicação... 3 4) Dados técnicos... 3 5) Componentes principais e funções... 4 6) Advertências...

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P 1 Blocos de segurança para Prensas tipo N e P Conteúdo Introdução Referências normativas Bloco tipo N Bloco tipo P Considerações finais 2 Introdução Prensas hidráulicas são máquinas responsáveis pela conformação,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Pedreira SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Pedreira 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Instruções de Montagem / Operação / Manutenção. Porta de Explosão

Instruções de Montagem / Operação / Manutenção. Porta de Explosão Intensiv-Filter do Brasil Ltda. Av. Água Fria, 648 - Sala 01 CEP 02332.000 - Santana - São Paulo - Brasil Fone: +55 11 6973-2041 / Fax: +55 11 6283 6262 e-mail: intensiv@intensiv-filter.com.br Instruções

Leia mais

Soluções para Manutenção Preditiva e Identificação Industrial. Infraestrutura. Leonardo Vaz Melhado 27/10/2015

Soluções para Manutenção Preditiva e Identificação Industrial. Infraestrutura. Leonardo Vaz Melhado 27/10/2015 Soluções para Manutenção Preditiva e Identificação Industrial Infraestrutura Leonardo Vaz Melhado 27/10/2015 Agenda A importância da manutenção. Tipos de manutenção. Manutenção Preditiva. Soluções Ladder

Leia mais

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica Roteiro de Laboratório: Pneumática Prof. Engº Felipe Amélio de Lucena Catanduva, 25 de julho de 2012. Sumário 1 Objetivo... 3 2 Estrutura para elaboração

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS Darci Barnech Campani Engenheiro Agrônomo, Doutorando em Saneamento Ambiental IPH/UFRGS, Professor Adjunto do Departamento

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva

Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Rafael Moreno Engenheiro Eletricista Campo

Leia mais

KIT HIDRÁULICO CARREGA TUDO

KIT HIDRÁULICO CARREGA TUDO KIT HIDRÁULICO CARREGA TUDO MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. APRESENTAÇÃO PARABÉNS! Você acaba de adquirir um produto Lycos. Desenvolvido e fabricado para atender todos os requisitos de ergonomia

Leia mais

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956 EMTV Elevador de manutenção telescópico vertical MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

USO DA SIMETRIA COMO FORMA DE OTIMIZAÇÃO DO CÁLCULO DA RESISTÊNCIA EQUIVALENTE DE UM CIRCUITO ELÉTRICO

USO DA SIMETRIA COMO FORMA DE OTIMIZAÇÃO DO CÁLCULO DA RESISTÊNCIA EQUIVALENTE DE UM CIRCUITO ELÉTRICO 1 USO DA SIMETRIA COMO FORMA DE OTIMIZAÇÃO DO CÁLCULO DA RESISTÊNCIA EQUIVALENTE DE UM CIRCUITO ELÉTRICO Francisco Lopes Dornela 1 Douglas Henrique Queiroz de Carvalho 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca:

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca: HSO Hidráulica e Pneumática Ltda, e uma empresa constituída de engenheiros, técnicos e projetistas especializados nos setores de hidráulica e pneumática. Atuam fortemente na engenharia e desenvolvimento,

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia O Poder do Conhecimento em Engenharia A única coisa mais intensa que o calor é a sua concorrência Poucos ambientes industriais têm condições

Leia mais

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade A indústria responde por um terço de todo o consumo de energia.

Leia mais

Plano de curso Tecnologia em Trator de Esteira

Plano de curso Tecnologia em Trator de Esteira PLANO DE CURSO MSOBRFDTRE08 PAG1 Plano de curso Tecnologia em Trator de Esteira Justificativa do curso Os tratores de esteira são facilmente reconhecidos dentro do segmento de máquinas e equipamentos pela

Leia mais