ORDEM: 01 ÁREA: TEMAS LIVRES INSTITUIÇÃO: COMPLEXO HOSPITALAR SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE AUTORES: [CALVETE, FERNANDA P.G.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORDEM: 01 ÁREA: TEMAS LIVRES INSTITUIÇÃO: COMPLEXO HOSPITALAR SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE AUTORES: [CALVETE, FERNANDA P.G."

Transcrição

1 ADESÃO AO TRATAMENTO, CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM FIBROSE CÍSTICA ACOMPANHADAS EM AMBULATÓRIO MULTIPROFISSIONAL ORDEM: 01 INSTITUIÇÃO: COMPLEXO HOSPITALAR SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE AUTORES: [CALVETE, FERNANDA P.G.], [SCHAAN, CAMILA W.], [BEATRICCI, SIMONE], [MOCELIN, HELENA T.], [FISCHER, GILBERTO B.] DATA: 02/07/2015 HORA: 14:40 Resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar a adesão ao tratamento, capacidade funcional e qualidade de vida em crianças e adolescentes com fibrose cística (FC) acompanhadas em um ambulatório multiprofissional de referência no tratamento. Materiais e Métodos: Estudo transversal. Todos os pacientes deveriam ter diagnóstico de FC, estar em acompanhamento no ambulatório de FC do Hospital da Criança Santo Antônio e ter idade entre seis e 18 anos. Foram excluídos os indivíduos que não apresentavam capacidade motora para realizar os testes propostos, eram dependentes de oxigenoterapia e estavam em lista de transplante pulmonar. Foram coletados dados demográficos, medidas antropométricas, adesão ao tratamento através do questionário de adesão ao tratamento, qualidade de vida através do CFQ- R e capacidade funcional através do teste de caminhada dos seis minutos (TC6). Resultados: Foram avaliados 19 indivíduos com média de idade de 10,5 ± 2,3 anos sendo 57,9% do sexo masculino, com média de tempo de acompanhamento no ambulatório de 3,9 ± 0,9 anos. O questionário de adesão ao tratamento mostrou melhor adesão relacionada ao uso de enzimas pancreáticas com média de 91,9 ± 17,1% e pior adesão relacionada à prática de atividade física com média de 64,7 ± 27,5%. No questionário de qualidade de vida, o domínio alimentação apresentou melhor resultado com média de 81,3 ± 18,5 enquanto o domínio físico foi o que apresentou pior resultado com média de 62,1 ± 21,5. No TC6 foi observado que os pacientes percorreram 90,70 ± 14,97% da distância predita. Ao correlacionarmos distância percorrida (m) pelo TC6 e QV, houve uma correlação moderada com r = 0,503 e p = 0,018 no domínio físico e r = 0,537 e p = 0,018 no domínio digestivo do questionário. Quem teve uma melhor capacidade funcional teve uma melhor QV nestes dois domínios. Não houve correlação entre a distância percorrida no TC6 e adesão ao tratamento em nenhum domínio do questionário, nem entre adesão ao tratamento e QV. Conclusão: A adesão ao tratamento foi menor no domínio prática de atividade física e maior no domínio uso de enzimas pancreáticas. A capacidade funcional desses pacientes mostrou-se pouco alterada. Não houve correlação entre distância percorrida no TC6 e adesão ao tratamento em nenhum domínio do questionário, nem entre adesão ao tratamento e QV.

2 RELAÇÃO ENTRE IMC E FUNÇÃO PULMONAR EM ADOLESCENTES COORTE DE NASCIMENTOS DE 1993, PELOTAS, RS ORDEM: 02 INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA AUTORES: [PD OLIVEIRA], [AMB MENEZES], [FW WEHRMEISTER], [H GONÇALVES], [MCF ASSUNÇÃO] DATA: 02/07/2015 HORA: 14:50 A - Objetivo: Verificar a associação entre função pulmonar (FP) e diferentes níveis de estado nutricional. B - Material e Métodos: Análise realizada com dados coletados no acompanhamento dos 18 anos de idade da Coorte de Nascimentos de 1993, incluindo 3909 indivíduos (49,8% do sexo masculino) com espirometria válida. O estado nutricional foi definido pelo índice de massa corporal (IMC) padronizado para a idade, em escores-z. Os parâmetros de FP utilizados foram o volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1) e a capacidade vital forçada (CVF), mensurados através de espirometria. As associações foram verificadas através de regressões lineares, ajustadas por altura, peso e cor da pele e estratificadas por sexo. C - Resultados: 61,8% dos meninos e 60,8% das meninas encontravam-se com IMC entre -1 e 1 escore-z. A média de VEF1 foi 4,1 e 3,0 litros e a média de CVF foi de 4,8 e 3,5 litros para meninos e meninas, respectivamente. Aqueles que apresentaram IMC, inferior a -1 escore-z, apresentaram reduções significativas tanto de VEF1 como de CVF comparado com aqueles com IMC entre -1 e 1 escore-z. A redução média na CVF entre -1,1 e -2 escore-z foi de 151ml (IC95%: -243; -59), p=0,001, para meninos e de 164ml (IC95%: -240; -89), p<0,001, para meninas. Aqueles com IMC menor que -2 escore-z apresentaram redução na CVF de 460ml (IC95%: -675; -245), p<0,001 e 385ml (IC95%: -559; -212), p<0,001, em meninos e meninas, respectivamente. Os indivíduos com maior sobrepeso, acima de 2 escore-z de IMC, também apresentaram reduções significativas tanto para o VEF1 como para a CVF em relação aos indivíduos entre -1 e 1 escore-z (VEF1 meninos: -172ml (IC95%: -338; -5), p= 0,044; meninas: -133ml (IC95%: -251; -14), p= 0,028; CVF meninos: -240ml (IC95%: -417; -63), p=0,008; meninas: - 132ml (IC95%: -261; -4), p=0,028). D - Conclusões: A relação entre os parâmetros de FP e o estado nutricional não apresenta relação linear e sim em um formato semelhante a um U invertido. Aqueles com sobrepeso leve não apresentam prejuízo aos parâmetros de FP. Apesar de o IMC não possuir a capacidade de distinguir componentes corporais, é provável que o achado tenha relação com uma menor massa magra, daqueles presentes nas categorias de baixo IMC e com uma maior deposição de tecido adiposo, aumentando a carga imposta à mecânica ventilatória, naqueles com alto IMC.

3 USO DO CHILDHOOD ASTHMA CONTROL TEST (C-ACT) PARA AVALIAÇÃO DO CONTROLE DA ASMA EM JOVENS BRASILEIROS: PROJETO DE VALIDAÇÃO ORDEM: 03 INSTITUIÇÃO: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: [SOLDATELLI, M.D.], [OLIVEIRA, S.G.], [MALLMANN, G.D.P.], [PITREZ, P.M.], [ESTOROGATO, G.R.], [EIDT, C.S.], [GRUENDLING, M.], [RONCADA, C.], [KALIL, P.S.], [STEIN, R.T.], [SARRIA, E.E.], [MATTIELLO, R.] DATA: 02/07/2015 HORA: 15:00 Objetivo: O questionário Childhood Asthma Control Test (c-act) é um dos instrumentos mais utilizados em diversos países para avaliar o controle da asma em indivíduos com idade entre 4 e 11 anos. Contudo, não existe uma versão para o português que permita seu uso na população brasileira. O objetivo do presente trabalho é, portanto, realizar a validação da versão em língua portuguesa para o Brasil do Childhood Asthma Control Test (c-act) em jovens com idade inferior a 12 anos. Material e Métodos: O estudo foi dividido em duas etapas: a primeira o processo de tradução, adaptação linguística do instrumento. A segunda etapa foi realizada a análise das propriedades psicométricas validade e a confiabilidade. Resultados: Estudo de caráter transversal realizado no Ambulatório de Asma do Hospital São Lucas da PUCRS. Incluíram-se 105 participantes, com idades entre 4 a 11 anos. Validade: todas as correlações entre o escore total e os itens do questionário foram. Não houve correlações entre escore total do c-act e a função pulmonar. O grupo com asma controlado apresenta valores significativamente superiores no c-act ao compararmos ao grupo com asma não controlada (controlada 22±2,9 VS não controlada 16,3±5,3 p < 0,001). Confiabilidade: o coeficiente de Alfa de Cronbach do escore total do c-act foi de 0,677 (IC95% 0, ). Na avaliação da sensibilidade às mudanças o tamanho do efeito foi 0,8 e o coeficiente de correlação intraclasse foi de 0,598. Não foram observados os efeitos teto e chão na amostra estudada. Conclusão: Foi possível desenvolver e validar culturalmente a versão em Português para o Brasil do questionário Childhood Asthma Control Test (c- ACT). Demonstrando-se uma versão válida e confiável para aplicação em crianças brasileiras menores de 12 com diagnóstico de asma.

4 SONOLÊNCIA DURANTE A GESTAÇÃO ASSOCIADA AO RISCO DE PREMATURIDADE ORDEM: 04 INSTITUIÇÃO: HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE AUTORES: [TEDESCO, LM], [MONTANARI, CC], [PEDROSO, MM], [FIORI, CZ], [WENDER, MCO], [GALÃO, AO], [MARTINEZ, D] DATA: 02/07/2015 HORA: 15:10 OBJETIVO: Analisar a associação de sonolência materna durante a gestação com prematuridade. METODOLOGIA: Estudo prospectivo de coorte. Avaliaram-se 158 mulheres entre 8-38 semanas de gravidez durante acompanhamento pré-natal em unidades de saúde pública primária e terciária. Coletaram-se das gestantes: 1) história clínica: peso, altura, pressão arterial, circunferência do pescoço e hábitos de vida; 2) história obstétrica: semana gestacional, gestações anteriores, abortos e cesáreas; e 3) Escala de Sonolência de Epworth (ESS), considerando sonolência excessiva escore>10. Após o nascimento, consultaram-se as notas de parto e os registros hospitalares para avaliar os desfechos materno-fetais. Realizaram-se análises uni e multivariadas para estimar os fatores de risco para prematuridade. RESULTADOS: Obtiveram-se dados completos de 144 mulheres com média (±DP) de idade 29±6,6 anos, índice de massa corporal de 28,7±6,5 kg/m², pressão arterial sistólica de 113±16 mmhg e diastólica de 69±9 mmhg. Dessa amostra, 71 mulheres (45%) apresentaram sonolência excessiva. Fatores de risco gestacionais conhecidos como história de hipertensão e número de gestações anteriores estão associados a risco de ter um recém-nascido prematuro. Sonolência excessiva durante a gestação aumenta três vezes o risco de prematuridade (OR:3,3 CI 95% 1,4-9 P=0,007) mesmo controlando para fatores de risco gestacionais clássicos. CONCLUSÃO: Distúrbios respiratórios do sono são comuns durante a gestação e sonolência excessiva é um sintoma conhecido desses distúrbios. Sonolência excessiva na gravidez está associada a risco de prematuridade neste estudo.

5 MR IMAGING OF PULMONARY EMBOLISM: DIAGNOSTIC ACCURACY OF UNENHANCED MR AND INFLUENCY IN MORTALITY RATES. ORDEM: 05 INSTITUIÇÃO: UFCSPA AUTORES: [SOUZA V.], [MOREIRA A], [MOREIRA J], [IRION KL], [MARCHIORI E], [HOCHHEGGER B], [LIMA TMS], [SELBACH HG], [JUNIOR WA], [GUEDES ACB], [DENADAI PHS], [ROVIERI GMC] DATA: 03/07/2015 HORA: 09:10 Objectives: To determine the effectiveness of unenhanced angiographic MR sequences for pulmonary embolism (PE) diagnosis in symptomatic patients. Methods: This is a prospective investigation including 98 patients (62F: 36 M) with suspect of pulmonary embolism. All patients underwent unenhanced steady-state-free-precession (SSFP) on a 1.5-T unit, in addition to CTA (CT angiography). Two independent readers evaluated each MR study, and consensus was obtained. CT angiography results were analyzed by a third independent reviewer, who retrospectively recorded presence of emboli using the same format; these results served as the reference standard. Sensitivity, specificity, predictive values were calculated. Evidence for death from PE within the 1 year of follow-up was assessed. Results: There were 98 exams performed with 97.9% (96/98) of diagnostic quality. We found 88% MR exams negative for PE. During the 1-year follow-up period, seven patients die and there were no diference between MR and CT embolism detection. MR sequences has sensitivity of 95%, specificity was 94.4% and accuracy was 94,5%. Agreement between readers was high (κ = 0.87).Conclusions: Compared with contrast-enhanced CT, unenhanced MR sequences demonstrate good accuraccy and no differences in mortality rates in 1 year were detected.

6 RESULTADOS INICIAIS DO PROGRAMA DE RASTREAMENTO DE NEPOPLASIA PULMONAR COM TOMOGRAFIA DE BAIXA DOSE DO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE PORTO ALEGRE - RS ORDEM: 06 INSTITUIÇÃO: HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE PORTO ALEGRE - RS AUTORES: [LEITE, MAURÍCIO M. R.], [SVARTMAN, FÁBIO M.], [GUTIERREZ, RENATO S.], [SARTORI, ANA P. G.], [COELHO, ROBERTA S.], [MARQUES, RENATA D.], [HEIDTMANN, CAROLINA B.], [FERREIRA, ROBERTO L. T.], [OLIVEIRA, CARLA T. M.], [SCORNAVACCA, FRANCESCO V.], [PEREIRA, GEISA, C.], [BREDA, FELIPE C.] DATA: 03/07/2015 HORA: 09:20 Objetivo: Avaliar as características da população rastreada e identificar a prevalência de triagem positiva em um programa de rastreamento de neoplasia pulmonar com tomografia computadorizada de baixa dose (TCBD) no Brasil. Material e métodos: Coleta prospectiva de dados demográficos e clínicos dos 62 primeiros pacientes incluídos no protocolo da instituição. As variáveis foram definidas a priori e os dados registrados em formulário específico. Os critérios de inclusão foram: idade entre 55 e 74 anos, carga tabágica a partir de 30 maços-ano e ser fumante atual ou ex-fumante que cessou o hábito há, no máximo, 15 anos. Foram excluídos pacientes com doença estrutural pulmonar ou condição clínica limitante para tratamento de neoplasia pulmonar. A interpretação da TCBD foi feita com base no Lung Imaging Reporting and Data System (LU-RADS). Foram consideradas triagens positivas aquelas classificas como LU-RADS 3 (nódulos indeterminados) ou 4 (nódulos suspeitos). A primeira análise destes resultados é aqui apresentada através de estatística descritiva. Resultados: Houve pequeno predomínio de pacientes do sexo masculino (53%) e a média de idade foi de 62,4 anos. Ex-tabagistas representaram 57% e tabagistas atuais, 43% da população. O índice tabágico médio foi de 68 maços-ano. A média do VEF1, em relação ao previsto, foi de 70%. Informação sobre histórico de neoplasia pulmonar em familiar de primeiro grau foi obtida em 48 casos, sendo positiva em 7 (15%) destes. Enfisema esteve presente na TCBD em 84% dos casos. Nove pacientes (14,5%) tiveram triagem positiva (LU-RADS 3 ou 4). Para os demais (LU RADS 1-2), foi indicado somente novo rastreamento em 1 ano. Entre os pacientes com triagem positiva e conduta definida no momento deste levantamento, optou-se por: punção biópsia (n = 2), controle radiológico em 3 (n=1) ou 6 meses (n=3) e prescrição de antibiótico seguida de TC em 30 dias (n = 1). Resultados de biópsias disponíveis no momento deste levantamento incluem 2 casos de neoplasia pulmonar primária confirmada, sendo um carcinoma não de pequenas células e um carcinoma de pequenas células. Conclusões: A análise dos primeiros casos indica uma população com elevado risco de neoplasia (alto índice tabágico, grande prevalência de enfisema e de histórico familiar). A frequência de triagens positivas foi, consequentemente, elevada. O prosseguimento do programa de triagem poderá revelar se a frequência de neoplasia será maior do que a reportada na literatura internacional.

7 TIPO RESPIRATÓRIO ASSOCIADO AOS RESULTADOS DOS EXAMES DE POLISSONOGRAFIA EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO SONO ORDEM: 07 INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE AUTORES: [GIGOSKI, VANESSA S.], [NIEDERMEYER, CAMILA C.], [SCHUCK, SARA O. P.], [OLIVEIRA, ANA M. M. O.], [GUILHERME, ÍSIS, R.], [VIDOR, DEISI C. G. M.] DATA: 03/07/2015 HORA: 09:30 Objetivo:Descrever os achados quanto ao tipo respiratório associado aos resultados do exame de polissonografia em pacientes com distúrbios do sono.material e métodos:estudo transversal, realizado no ambulatório de neurofisiologia clínica de um hospital de Porto Alegre/RS, no período de agosto a setembro de 2010 e abril a julho de Amostra aleatória, composta por pacientes adultos, de ambos os sexos, encaminhados para realização de polissonografia, que referissem que roncavam e não estivessem recebendo nenhuma forma de tratamento para distúrbio do sono. A coleta foi realizada por 3 pesquisadoras durante o tempo de coleta, após estabelecimento dos padrões do exame. Todos os pacientes submeteram-se a uma Avaliação Fonoaudiológica para Síndrome da Apnéia e Hipopnéia Obstrutiva do Sono(SAHOS), antes de realizar a polissonografia. A análise estatística foi realizada através do Teste de Associação Exato de Fisher. Os resultados para todos os testes aplicados foram considerados significativos a um nível de significância máximo de 5% (p 0,05) e para o processamento e análise destes dados foi utilizado o software estatístico SPSS versão Aprovado pelo CEP nº Resultados:Foram avaliados 97 pacientes, entre 18 e 72 anos, com média de idade de 49,78 anos, sendo 55 do sexo masculino. Destes indivíduos, a maioria apresentou grau de comprometimento elevado em relação ao sono. Sobre o tipo de respiração, encontrou-se significância em relação com o resultado do exame de polissonografia, indicando a SAHOS em seus mais variados graus associada ao tipo respiratório. Foi observado respiração do tipo superior associada ao resultado grave no exame (74,3%), costodiafragmática associada ao resultado leve (34,4%) e abdominal associada ao resultado de Resistência de Vias Aéreas (58,3%), sendo essa uma amostra significativa p 0,01.Conclusão:A apneia do sono é resultado de uma incoordenação do fluxo respiratório causada pela diminuição da coluna de ar, geralmente relacionada a alterações da estrutura, do tônus e do posicionamento dos órgãos fonoarticulatórios. Pode-se configurar em alteração do padrão respiratório destes indivíduos que tentem a possuir um ciclo mais curto, caracterizado pelo modo oral e tipo superior. Nesta amostra, verificou-se relação significativa entre respiração superior e resultado grave de SAHOS, corroborando com os dados da literatura, além de identificar que quanto mais superior o tipo respiratório, maior o grau de severidade da SAHOS.

8 NÍVEL DE GRAVIDADE DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) E O AUMENTO DA FORÇA MUSCULAR ORDEM: 08 INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEEVALE AUTORES: [PESSOA, R. S.], [COSTA, C. C.], [TEIXEIRA, P. J. Z.], [DE SOUZA, R. M.] DATA: 03/07/2015 HORA: 09:40 Introdução: A DPOC é caracterizada por limitação do fluxo aéreo que não é totalmente reversível. A doença tem amplo comprometimento, especialmente sobre a musculatura esquelética, colaborando ainda mais para a limitação das atividades de vida diária. Objetivo: Avaliar o aumento da força muscular em pacientes com DPOC submetidos ao programa de reabilitação pulmonar. Metodologia: Foi aplicado o teste de uma repetição máxima (1RM) antes e após Programa de Reabilitação Pulmonar (PRP) a fim de avaliar se houve aumento da força muscular. Um total de 126 pacientes; 82 (65,08%) sexo masculino e 44 (34,92%) sexo feminino portadores de DPOC (VEF1/CVF < 70%), sendo 9 (7,14%) com doença leve, 31 (24,61%) com doença moderada, 50 (39,68%) com doença grave e 36 (28,57%) com DPOC muito grave. O PRP consistiu em 12 semanas com 3 sessões semanais, onde os pacientes realizaram o treinamento de força. Os exercícios realizados foram com intensidade de 50% a 80% de 1RM, com 2 séries de 8 a 12 repetições: Flexão e extensão de cotovelo, roldana alta, abdução de ombro, flexão e extensão de joelho, dorsal, supino, flexão plantar e abdominais. Do total, Resultados: Todos os pacientes aumentaram significativamente a força muscular em todos os exercícios, exceto os pacientes com DPOC leve no exercício de flexão plantar. No exercício de flexão de cotovelo houve melhora de 35% (p<0,01), dorsal 39% (p<0,01), extensão de joelho 31% (p<0,01), extensão de cotovelo de 48,1% (p<0,01), em supino 39% (p<0,01), abdução de ombro 36% (p<0,01) e abdominal 43% (p<0,01) em pacientes com doença moderada. Já em pacientes com doença muito grave o aumento de força no exercício de flexão de joelho foi de 63% (p<0,01) roldana alta 35% (p<0,01) e flexão plantar 34% (p<0,01). Conclusão: Todos os pacientes aumentaram significativamente a força muscular, sendo assim mostrando a importância do treinamento de força inserido em um programa de reabilitação pulmonar independentemente da gravidade da doença.

TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01

TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01 TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01 5304 ALTERAÇÕES OFTALMOLÓGICAS EM PORTADORES DE SAOS 5305 PERFIL DOS PACIENTES ENCAMINHADOS AO INSTITUTO DO SONO DE CUIABÁ/MT PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA MESTRADO EM PEDIATRIA E SAÚDE DA CRIANÇA Associação

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

NORMA TÉCNICA 02/2013

NORMA TÉCNICA 02/2013 Introdução NORMA TÉCNICA 02/2013 DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA - DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se caracteriza por sinais e sintomas respiratórios associados a obstrução crônica

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA ZANDOMENIGHI, P. M. C.; LOPES, J. Resumo: A reabilitação vestibular com o uso do protocolo de Cawthorne-Cooksey (PCC)

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Subespecialidade: Tórax / Tipo de trabalho: Relato de caso SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Autores: Baptista RM, Nogueira HA, Nothaft MA, Coelho FH Apresentador: Dr. Rodrigo

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO NC, sexo masculino, 66 anos, realiza TC de tórax por suspeita de fibrose pulmonar. Queixa-se de falta

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS

FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS Camila de Moraes Rosa 1 ; Juliana policarpo Teodoro

Leia mais

EFEITO AGUDO DO EXERCÍCIO AQUÁTICO NA FUNÇÃO PULMONAR DURANTE A GESTAÇÃO

EFEITO AGUDO DO EXERCÍCIO AQUÁTICO NA FUNÇÃO PULMONAR DURANTE A GESTAÇÃO 157 EFEITO AGUDO DO EXERCÍCIO AQUÁTICO NA FUNÇÃO PULMONAR DURANTE A GESTAÇÃO Daniela Bonfim Cortês 1, Dionei Ramos 3, Karina Cristina Fernandes 1, Ana Paula Rodrigues Rocha 1, Mariane Fátima da Silva Araujo

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA Kátia Baluz Transplantes realizados no CEMO/INCA Fonte: Ministério da Saúde - INCA. TRANSPLANTE

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Assistência Farmacêutica Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões da

Leia mais

HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Doença Hepática Gordurosa Não-Alcoólica, Obesos Graves & Cirurgia Bariátrica HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA A prevalência de obesidade é crescente nos últimos

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL

EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL Ana Maria Aranha

Leia mais

ANÁLISE DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PACIENTES COM D.P.O.C.

ANÁLISE DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PACIENTES COM D.P.O.C. ANÁLISE DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PACIENTES COM D.P.O.C. MORELLO, Marcos. A 1 MARQUES, Rafael. P 2 NEITZKE, Nataniel. M 3 LUCHESA, Cesar.A 4 RESUMO A doença pulmonar obstrutiva crônica

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

Perda Dental e sua Associação com Obesidade Central em Idosos Independentes de Carlos Barbosa, RS.

Perda Dental e sua Associação com Obesidade Central em Idosos Independentes de Carlos Barbosa, RS. Perda Dental e sua Associação com Obesidade Central em Idosos Independentes de Carlos Barbosa, RS. Renato J De Marchi, MD. Doutorando em Odontologia UFRGS Renato J De Marchi, Juliana B Hilgert, Fernando

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Metodologia. Pesquisa & Ciência. Professora Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Metodologia. Pesquisa & Ciência. Professora Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Metodologia Pesquisa & Ciência Professora Patrícia Cé Classificação Estudos Científicos Revisão Sistemática e Metanálise Revisão Sistemática

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente:

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente: O que mudou? Marcus B. Conde Comissão de Tuberculose/SBPT Instituto de Doenças de Tórax/UFRJ marcusconde@hucff.ufrj.br Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I Lorenna Martins da Silva 1 ; José Gerley Díaz Castro 2 ; Renata Junqueira

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO BURITI¹, Ana CARNEIRO², Cláudia CAVALVANTI³, Hannalice FERREIRA 4, Danilo OLIVEIRA

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Nelson Gouveia Depto. de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo EVIDÊNCIAS DE EFEITOS DA POLUIÇÃO

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15. CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável

PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15. CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15 CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável 38889314.1.0000.5201 Estudo comparativo das representações

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Tema: CPAP NA SÍNDROME DA APNÉIA E HIPOPNÉIA OBSTRUTIVAS DO SONO

Tema: CPAP NA SÍNDROME DA APNÉIA E HIPOPNÉIA OBSTRUTIVAS DO SONO Data: 01/11/2012 Nota Técnica 12 /2012 Solicitante: Dra. Elisandra Alice dos Santos Juíza de Ibiraci-MG Medicamento Material Procedimento Cobertura x Tema: CPAP NA SÍNDROME DA APNÉIA E HIPOPNÉIA OBSTRUTIVAS

Leia mais

Comparação de Medidas de Idade Gestacional

Comparação de Medidas de Idade Gestacional Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Comparação de Medidas de Idade Gestacional Marcia Furquim de Almeida FSP-USP Ana Maria Rigo Silva CCS-UEL Gizelton Pereira Alencar FSP-USP Tiemi Matsuo

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

TESTES DE FUNÇÃO PULMONAR: ESPIROMETRIA

TESTES DE FUNÇÃO PULMONAR: ESPIROMETRIA : ESPIROMETRIA Dra. Adriana Vidal Schmidt Laboratório de Função Pulmonar Hospital Cardiológico Costantini Fundação Francisco Costantini VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES CPT: quantidade ar nos pulmões após

Leia mais

Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas. Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC

Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas. Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC 1 Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC 2 Conceito 3 Obesidade Estilo de vida inadequado #1 café-da-manhã nos EUA Cuidado!

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

IMAGEM NO TEP AGUDO 30/07/2013. " O amor não é aquilo que te pega de surpresa e te deixa totalmente sem ar. O nome disso é asma " TEP

IMAGEM NO TEP AGUDO 30/07/2013.  O amor não é aquilo que te pega de surpresa e te deixa totalmente sem ar. O nome disso é asma  TEP IMAGEM NO TEP AGUDO Dany Jasinowodolinski danyjasino@gmail.com " O amor não é aquilo que te pega de surpresa e te deixa totalmente sem ar. O nome disso é asma " OU TEP RX IMAGEM NO TEP AGUDO TC MN RM 1

Leia mais

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Pneumologista A doença pulmonar

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Pôsteres. Pneumo Sul 2007 - Congresso de Pneumologia da Região Sul R 35

Pôsteres. Pneumo Sul 2007 - Congresso de Pneumologia da Região Sul R 35 Pneumo Sul 2007 - Congresso de Pneumologia da Região Sul R 35 Pôsteres P.001 ASPERGILOSE BRONCO-PULMONAR ALÉRGICA (ABPA) - RELATO DE CASO FAORO C, PORFÍRIO D, RABELO LM, ESCUISSATO DL, FRARE E SILVA RL,

Leia mais

FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN

FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN 182 FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN Elaine Aparecida Lozano da Silva, Giulia Iracelis Passarini da Silva, Renilton José

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Julho 2014 Reduzindo a Obesidade e a Asma em Adolescentes no Hospital de Clínicas Sheila Meneghette (41) 3091-1000 projetos@amigosdohc.org.

Julho 2014 Reduzindo a Obesidade e a Asma em Adolescentes no Hospital de Clínicas Sheila Meneghette (41) 3091-1000 projetos@amigosdohc.org. Julho 2014 Reduzindo a Obesidade e a Asma em Adolescentes no Hospital de Clínicas Sheila Meneghette (41) 3091-1000 projetos@amigosdohc.org.br A REDUZINDO A OBESIDADE E A ASMA EM ADOLESCENTES NO HOSPITAL

Leia mais