O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo."

Transcrição

1 Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. No caso dos aproveitamentos hidrelétricos: a) número do processo; b) órgão concedente; c) nome do aproveitamento hidrelétrico; b) localização do empreendimento; c) inclusão do empreendimento no Programa Nacional de Desestatização PND; d) normas que regem a matéria; e) convocação para o procedimento licitatório. No caso das linhas de transmissão: a) número do processo; b) órgão concedente; c) descrição do empreendimento; d) aprovação pelo Conselho Nacional de Desestatização - CND; e) normas que regem a matéria; f) ato justificatório do empreendimento LEGISLAÇÃO As outorgas de concessão de uso do bem público são regidas pela Lei nº 9.074/95, e seu regulamento, aprovado pelo Decreto nº 2.003/96, e, no que couber, pelas Leis nºs 8.666/93, 8.897/95, 9.427/96 e 9.648/98. Cabe à Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL a execução e o acompanhamento dos procedimentos relativos ao aproveitamento hidrelétrico em epígrafe, consoante estabelece a Lei nº 9.427/96 e o Decreto nº 2.335/97. Sobre a organização processual, a matéria está regulada pela IN TCU nº 27/98, que revogou a IN n 10/95 TCU, definindo as peças que devem compor cada estágio do processo, bem como os prazos que deverão ser observados. 1

2 2 ESTÁGIOS DO PROCESSO DE OUTORGA DA CONCESSÃO As quatro etapas do processo de outorga estão disciplinadas no art. 7º da IN TCU n.º 27/98, da seguinte forma: 2.1. PRIMEIRO ESTÁGIO: A viabilidade técnica e econômica de implantação do serviço é examinada neste estágio. Deve-se verificar no relatório sintético apresentado pela ANEEL as características do empreendimento, aí compreendidos: a) descrição geral do empreendimento; b) infra-estrutura para implantação do empreendimento; d) cronograma de construção; e) orçamentos e índices econômicos apurados; f) estudos ambientais; g) programas de realocação populacional e de infra-estrutura; h) estudos a serem desenvolvidos nas etapas de projeto básico e executivo SEGUNDO ESTÁGIO: Corresponde à análise dos documentos de pré-qualificação e do edital. A préqualificação consiste na seleção das empresas ou consórcios que preencham os pré-requisitos necessários para apresentar proposta na licitação. O edital de licitação deverá observar os princípios gerais da Lei nº 8.666/93, além de conter as cláusulas essenciais previstas no art. 18 da Lei nº 8.987/ TERCEIRO ESTÁGIO: O julgamento da habilitação e das propostas é analisado neste estágio, que consiste em verificar se as exigências para habilitação das licitantes foram compatíveis com as prescrições legais e se foram observados critérios objetivos, pré-estabelecidos no edital, para julgamento das propostas QUARTO ESTÁGIO: O objetivo deste estágio é verificar se o ato de outorga e o contrato de concessão assinado estão de acordo com as características pré-definidas do empreendimento, devendo estar o contrato em consonância com a minuta previamente aprovada. 2

3 3 - DOCUMENTOS QUE COMPÕEM CADA ESTÁGIO O artigo. 7º da Instrução Normativa TCU n.º 27/98 relaciona as peças que devem constar de cada estágio. Além das peças mencionadas na citada instrução, outras poderão ser solicitadas no curso do exame do processo, por meio de diligência, inspeção ou de auditoria, conforme dispõe o 1º do art. 13 da IN TCU n.º 27/98: "Art Para os fins do disposto neste artigo, a Unidade Técnica poderá realizar auditoria, inspeção ou levantamento nos órgãos e entidades encarregadas da execução e acompanhamento do processo de privatização, concessão, permissão e autorização de serviços públicos, bem como na própria empresa em desestatização." 3.1. PRIMEIRO ESTÁGIO: a) relatório sintético sobre os estudos de viabilidade técnica e econômica do empreendimento, com informações sobre o seu objeto, área e prazo de concessão ou de permissão, orçamento das obras realizadas e a realizar, data de referência dos orçamentos, custo estimado de prestação dos serviços, bem como sobre as eventuais fontes de receitas alternativas, complementares, acessórias e as provenientes de projetos associados; b) relatório dos estudos, investigações, levantamentos, projetos, obras e despesas ou investimentos já efetuados, vinculados à outorga, de utilidade para a licitação, realizados ou autorizados pelo órgão ou pela entidade federal concedente, quando houver; c) relatório sintético sobre os estudos de impactos ambientais, indicando a situação do licenciamento ambiental 3.2. SEGUNDO ESTÁGIO: a) edital de pré-qualificação; b) atas de abertura e de encerramento da pré-qualificação; c) relatório de julgamento da pré-qualificação; d) recursos eventualmente interpostos e decisões proferidas referentes à préqualificação; e) edital de licitação; f) minuta de contrato; g) todas as comunicações e esclarecimentos porventura encaminhados às empresas participantes da licitação, bem como as impugnações ao edital, acompanhadas das respectivas respostas. 3

4 3.3. TERCEIRO ESTÁGIO: a) atas de abertura e de encerramento da habilitação; b) relatório de julgamento da habilitação; c) questionamentos das licitantes sobre a fase de habilitação, eventuais recursos interpostos, acompanhados das respostas e decisões respectivas; d) atas de abertura e de encerramento da fase do julgamento das propostas;. e) relatórios de julgamentos e outros que venham a ser produzidos; f) recursos eventualmente interpostos e decisões proferidas referentes à fase do julgamento das propostas QUARTO ESTÁGIO: a) ato de outorga; b) contrato de concessão ou de permissão. 4 - PRAZOS No envio da documentação necessária à análise de cada estágio, deve-se observar os prazos previstos no art. 8º da Instrução Normativa TCU n.º 27/98, da seguinte forma: 4.1. PRIMEIRO ESTÁGIO: 30 (trinta dias), no mínimo, antes da publicação do edital de licitação 4.2. SEGUNDO ESTÁGIO: 5 (cinco) dias, no máximo, após: a) a publicação do edital de pré-qualificação; b) o resultado final do julgamento, para os documentos relacionados nas alíneas b a d do item 3.2; c) a publicação do edital de licitação, acompanhado da minuta do contrato; d) esgotado o prazo de impugnação ao edital, para os documentos relacionados na alínea "g" do item TERCEIRO ESTÁGIO: 5 (cinco) dias, no máximo, após a) esgotado o prazo para a interposição de recursos ao resultado do julgamento da fase de habilitação para os documentos relacionados nas alíneas a e b do item 3.3; b) as decisões proferidas sobre eventuais recursos interpostos para os documentos relacionados na alínea c do item 3.3; 4

5 c) a homologação do resultado do julgamento das propostas para os demais documentos listados no item QUARTO ESTÁGIO: 5 (Cinco) dias, no máximo, após a assinatura do termo contratual. No exame desse estágio deverá ser observado ainda o prazo a que se refere o Parágrafo Único do art. 9º da IN TCU nº 27/95: "Art. 9º... Parágrafo Único. Para fins do devido exame por parte do Tribunal de Contas da União, o órgão ou a entidade federal concedente observará o prazo mínimo de 45 (quarenta e cinco) dias, entre a homologação do resultado do julgamento das propostas e a assinatura do termo contratual." (grifo nosso) Reunida a documentação correspondente aos três estágios iniciais, a Unidade Técnica deverá autuar e instruir o processo em prazo não superior a 30 (trinta) dias e, em seguida, submetê-lo ao Relator, conforme dispõe o art. 9, caput, da IN n 27/98 TCU. 5 - CONCLUSÃO A análise deverá ser conclusiva em cada estágio do processo de outorga. Não havendo indícios de falhas ou irregularidades, os autos serão submetidos ao Relator ao final do terceiro estágio. Todavia, verificando-se qualquer anormalidade, deverá ser observado o disposto no art. 17 da IN TCU nº 27/98: "Art. 17. Em qualquer estágio da fiscalização dos processos de desestatização, verificados indícios ou evidências de irregularidades, os autos serão submetidos de imediato à consideração do Relator da matéria, com proposta de adoção das medidas cabíveis." Modelos de conclusões para cada estágio a seguir: PRIMEIRO ESTÁGIO a) Regularidade: Ante o exposto, considerando que foi apresentada a documentação exigida na IN TCU n.º 27/98 e que foi comprovada a viabilidade do empreendimento, submetemos os autos à consideração superior, propondo que sejam aprovados os procedimentos relativos ao primeiro estágio, devendo os mesmos permanecerem nesta unidade técnica para juntada dos documentos correspondentes aos estágios subseqüentes. 5

6 b) Irregularidade: Ante o exposto, submetemos os autos à consideração superior, propondo que os mesmos sejam encaminhados ao Relator, nos termos da art. 17 da IN TCU nº 27/98, em face das seguintes falhas ou irregularidades:..., para adoção das seguintes providências... SEGUNDO ESTÁGIO a) Regularidade: Ante o exposto, considerando que foi apresentada a documentação exigida na IN TCU nº 27/98 e que foram observadas as formalidades previstas na legislação aplicável quanto à pré-qualificação e ao edital, submetemos os autos à consideração superior, propondo que sejam aprovados os procedimentos relativos ao segundo estágio, devendo os autos permanecerem nesta Unidade Técnica para juntada dos documentos correspondentes aos estágios subseqüentes. b) Irregularidade: Ante o exposto, submetemos os autos à consideração superior, propondo que os mesmos sejam encaminhados ao Relator, nos termos da art. 17 da IN TCU nº 27/98, em face das seguintes falhas ou irregularidades:..., para adoção das seguintes providências... TERCEIRO ESTÁGIO a) Regularidade: Ante o exposto, considerando que foi apresentada a documentação exigida na IN TCU n.º 27/98 e que foi atestada a conformidade legal do julgamento da habilitação e das propostas, submetemos os autos à consideração superior, propondo a aprovação dos procedimentos relativos ao terceiro estágio e o encaminhamento ao Relator. b) Irregularidade: Ante o exposto, submetemos os autos à consideração superior, propondo que os mesmos sejam encaminhados ao Relator, nos termos da art. 17 da IN TCU nº 27/98, em face das seguintes falhas ou irregularidades:..., para adoção das seguintes providências... QUARTO ESTÁGIO a) Regularidade: Ante o exposto, considerando que foi apresentada a documentação exigida na IN TCU n.º 27/98, estando o ato de outorga e o contrato de adesão estão em conformidade com a legislação aplicável 6

7 à matéria, submetemos os autos à consideração superior, propondo a aprovação dos procedimentos relativos ao quarto estágio e encaminhamento ao Relator, com proposta de arquivamento. b) Irregularidade: Ante o exposto, submetemos os autos à consideração superior, propondo que os mesmos sejam encaminhados ao Relator, nos termos da art. 17 da IN TCU nº 27/98, em face das seguintes falhas ou irregularidades:..., para adoção das seguintes providências... 7

8 Tribunal de Contas da União PRIMEIRO ESTÁGIO EXAME DO PROCESSO DE OUTORGA DE CONCESSÕES DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 IDENTIFICAÇÃO No caso dos aproveitamentos hidrelétricos: a) TC nº b) órgão concedente: c) nome do aproveitamento hidrelétrico: d) localização do empreendimento: e) inclusão do empreendimento no Programa Nacional de Desestatização PND: f) normas que regem a matéria: g) convocação para o procedimento licitatório: No caso das linhas de transmissão: a) TC nº b) órgão concedente: c) descrição do empreendimento: d) aprovação pelo Conselho Nacional de Desestatização CND: e) normas que regem a matéria: f) ato justificatório do empreendimento: 2 - CUMPRIMENTO DA IN TCU n 27/ PRIMEIRO ESTÁGIO - da viabilidade da concessão OBJETIVO: verificar as informações relativas à viabilidade técnica e econômica do empreendimento DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA: verificar se constam do processo os elementos exigidos pelo inciso I do art. 7º da IN TCU n.º 27/98: a) relatório sintético sobre os estudos de viabilidade técnica e econômica do empreendimento, com informações quanto a: - objeto...fl. 8

9 - área...fl. - prazo da permissão ou autorização...fl. - orçamento das obras realizadas e a realizar...fl. - data de referência dos orçamentos...fl. - custo estimado de prestação dos serviços...fl. - fontes de receitas alternativas, complementares, acessórias e as provenientes de projetos associados...fl. b) relatório dos estudos, investigações, levantamentos, projetos, obras e despesas ou investimentos já efetuados, vinculados à outorga, de utilidade para a licitação, realizados ou autorizados pelo órgão, quando houver...fl. c) relatório sintético sobre: - estudos de impacto ambiental...fl. - situação do licenciamento ambiental...fl. OBSERVAÇÕES: INFORMAÇÕES SOBRE O SERVIÇO: No caso de aproveitamentos hidrelétricos: a) forma de exploração do aproveitamento (autoprodução ou produção independente)...fl. b) características do empreendimento...fl. c) características da linha de transmissão de interesse restrito...fl. d) estudos de viabilidade técnica e ambiental realizados e respectivos custos...fl. e) conclusões dos estudos de impacto ambiental (EIA-RIMA)...fl. f) cronograma das obras...fl. g) estimativa de custo para implantação do empreendimento...fl. No caso de linhas de transmissão: a) características do empreendimento...fl. b) estudos de viabilidade técnica e ambiental realizados e respectivos custos...fl. 9

10 c) conclusões dos estudos de impacto ambiental (EIA-RIMA)...fl. d) cronograma das obras...fl. e) estimativa de custo para implantação do empreendimento...fl. OBSERVAÇÕES: PRAZOS (inciso I do art. 8º da IN TCU n.º 27/98): VERIFICAR SE FORAM OBSERVADOS OS PRAZOS NO ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO RELATIVA AO PRIMEIRO ESTÁGIO - 30 (trinta dias), no mínimo, antes da publicação do edital de licitação Sim Não OBSERVAÇÕES: 3 - CONCLUSÃO ( ) Ante o exposto, e considerando..., submetemos os autos à consideração superior, propondo a realização de diligência, pelas seguintes razões... ( ) Ante o exposto, considerando que foi apresentada a documentação exigida na IN TCU n.º 27/98, além de ter sido comprovada a viabilidade do empreendimento, submetemos os autos à consideração superior, propondo que sejam aprovados os procedimentos relativos ao primeiro estágio, devendo o processo permanecer nesta unidade técnica para juntada dos documentos correspondentes aos estágios subseqüentes. ( ) Ante o exposto, submetemos os autos à consideração superior, propondo que os mesmos sejam encaminhados ao Relator, nos termos do art. 17 da IN TCU n.º 27/98, em face das seguintes falhas ou irregularidades:..., para adoção das seguintes providências... DATA/LOCAL AFCE/MATRICULA/ASSINATURA 10

11 DE ACORDO (OU PARECER) DIRETOR/CARIMBO/ASSINATURA ( ) De acordo. Encaminhe-se os presentes autos à consideração do Relator. SECRETÁRIO/CARIMBO/ASSINATURA 4 - LEGISLAÇÃO a) Leis n.º 8.666/93, 8.987/95, 9.074/95, 9.427/96 e 9.648/98 b) Decretos n.º 2.003/96 e 2.335/97 c) IN TCU n 27/98 11

12 Tribunal de Contas da União SEGUNDO ESTÁGIO EXAME DO PROCESSO DE OUTORGA DE CONCESSÕES DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 IDENTIFICAÇÃO No caso dos aproveitamentos hidrelétricos: a) TC nº b) órgão concedente: c) nome do aproveitamento hidrelétrico: d) localização do empreendimento: e) inclusão do empreendimento no Programa Nacional de Desestatização PND: f) normas que regem a matéria: g) convocação para o procedimento licitatório: No caso das linhas de transmissão: a) TC nº b) órgão concedente: c) descrição do empreendimento: d) aprovação pelo Conselho Nacional de Desestatização CND: e) normas que regem a matéria: f) ato justificatório do empreendimento: 2 - CUMPRIMENTO DA IN TCU n 27/ PRIMEIRO ESTÁGIO - da viabilidade da concessão O exame relativo ao primeiro estágio do processo encontra-se às fls SEGUNDO ESTÁGIO - da pré-qualificação e do edital OBJETIVO: verificar se as empresas ou os consórcios participantes do certame preenchem os pré-requisitos necessários e se o edital de licitação está em conformidade com os dispositivos legais DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA: verificar se constam do processo os elementos exigidos pelo inciso II do art. 7º da IN TCU n.º 27/98 (quando couber): 12

13 a) edital de pré-qualificação...fl. b) atas de abertura e de encerramento da pré-qualificação...fl. c) relatório de julgamento da pré-qualificação...fl. d) recursos eventualmente interpostos e decisões proferidas referentes à préqualificação...fl. e) edital de licitação...fl. f) minuta de contrato...fl. g) todas as comunicações e esclarecimentos porventura encaminhados às empresas participantes da licitação, bem como as impugnações ao edital, acompanhadas das respectivas respostas...fl. OBSERVAÇÕES: PRAZOS (inciso II do art. 8º da IN TCU nº 27/98) : VERIFICAR SE FORAM OBSERVADOS OS PRAZOS NO ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO REFERENTE AO SEGUNDO ESTÁGIO 5 (cinco) dias, no máximo, após: Sim Não a) publicação, para o edital de pré-qualificação b) resultado final do julgamento, para os documentos relacionados nas alíneas b a d do item c) publicação, para o edital de licitação, acompanhado da minuta do contrato... d) esgotado o prazo de impugnação ao edital, para os documentos relacionados na alínea "g" do item OBSERVAÇÕES: 13

14 3 - EXAME DO EDITAL 3.1. PRINCÍPIOS GERAIS (art. 3º da Lei n 8.666/93) Verificar se as disposições do edital: a) observam o princípio constitucional da isonomia; b) possibilitam a seleção da proposta mais vantajosa para a Administração e para o usuário; c) fixam critérios de julgamento que garantam a observância dos princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são correlatos. EXAME ESPECÍFICO (Lei n.º 8.987/95): EDITAL Fls. - O Edital deverá conter: a) objeto, metas e prazo... b) descrição das condições necessárias à prestação adequada do serviço... c) prazos para recebimento das propostas, julgamento da licitação e assinatura do contrato... d) prazo, local e horário em que serão fornecidos, aos interessados, os dados, estudos e projetos necessários à elaboração dos orçamentos e apresentação das propostas... e) critérios e relação dos documentos exigidos para a aferição da capacidade técnica, da idoneidade financeira e da regularidade jurídica e fiscal... f) possíveis fontes de receitas alternativas, complementares ou acessórias, bem como as provenientes de projetos associados... g) direitos e obrigações do poder concedente e da concessionária em 14

15 relação a alterações e expansões a serem realizadas no futuro, para garantir a continuidade da prestação do serviço... h) critérios de reajuste e revisão da tarifa... i) critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros a serem utilizados no julgamento técnico e econômico-financeiro da proposta... j) a indicação dos bens reversíveis... k) as características dos bens reversíveis e as condições em que estes serão postos à disposição, nos casos em que houver sido extinta a concessão anterior... l) a expressa indicação do responsável pelo ônus das desapropriações necessárias à execução do serviço ou da obra pública, ou para a instituição de servidão administrativa... m) as condições de liderança da empresa responsável, na hipótese em que for permitida a participação de empresas em consórcio... n) nos casos de concessão, a minuta do respectivo contrato, que conterá as cláusulas essenciais referidas no art. 23 desta Lei, quando aplicáveis... o) nos casos de concessão de serviços públicos precedida da execução de obra pública, os dados relativos à obra, dentre os quais os elementos do projeto básico que permitam sua plena caracterização, bem assim as garantias exigidas para essa parte específica do contrato, adequadas a cada caso e limitadas ao valor da obra... p) foro e modo amigável de solução de divergências contratuais... - Quando permitida, na licitação, a participação de empresas em consórcio, observar-se-ão as seguintes normas: a) comprovação de compromisso, público ou particular, de constituição de consórcio, subscrito pelas consorciadas... b) indicação da empresa responsável pelo consórcio... c) apresentação dos documentos exigidos nos itens e) e m) anteriores, por parte de cada consorciada... 15

16 d) impedimento de participação de empresas consorciadas na mesma licitação, por intermédio de mais de um consórcio ou isoladamente... e) O licitante vencedor fica obrigado a promover, antes da celebração do contrato, a constituição e registro do consórcio, nos termos do compromisso referido no item a)... f) A empresa líder do consórcio é a responsável perante o poder concedente pelo cumprimento do contrato de concessão, sem prejuízo da responsabilidade solidária das demais consorciadas... - Os estudos, investigações, levantamentos, projetos, obras e despesas ou investimentos já efetuados, vinculados à concessão, de utilidade para a licitação, realizados pelo poder concedente ou com a sua autorização, estarão à disposição dos interessados, devendo o vencedor da licitação ressarcir os dispêndios correspondentes, especificados no edital... OBSERVAÇÕES: EXAME ESPECÍFICO (Lei n.º 8.987/95): CONTRATO DE CONCESSÃO Fls. - São cláusulas essenciais do contrato de concessão as relativas ao: a) objeto, área e prazo da concessão... b) modo, forma e condições de prestação do serviço... c)critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade do serviço... d) preço do serviço, critérios e procedimentos para o reajuste e revisão das tarifas... e) direitos, garantias e obrigações do poder concedente e da concessionária, inclusive os relacionados às previsíveis necessidades de futura alteração e expansão do serviço e conseqüente modernização, aperfeiçoamento e 16

17 ampliação dos equipamentos e das instalações... f) direitos e deveres dos usuários para obtenção e utilização do serviço... g) forma de fiscalização das instalações, dos equipamentos, dos métodos e práticas de execução do serviço, bem como a indicação dos órgãos competentes para exercê-la... h) penalidades contratuais e administrativas a que se sujeita a concessionária e sua forma de aplicação... i) casos de extinção da concessão... j) critérios para cálculo de indenizações devidas à concessionária e sua forma de pagamento, quando for o caso... k) condições para prorrogação do contrato... l) obrigatoriedade, forma e periodicidade da prestação de contas da concessionária ao poder concedente... m) exigência da publicação de demonstrações financeiras periódicas da concessionária... n) foro e modo amigável de solução de divergências contratuais... - Os contratos relativos à concessão de serviço público precedido da execução de obra pública deverão, adicionalmente: a) estipular os cronogramas físico-financeiros de execução das obras vinculadas à concessão... b) exigir garantia do fiel cumprimento, pela concessionária, das obrigações relativas às obras vinculadas à concessão... OBSERVAÇÕES: 17

18 5 - CONCLUSÃO ( ) Ante o exposto, e considerando..., submetemos os autos à consideração superior, propondo a realização de diligência, pelas seguintes razões... ( ) Ante o exposto, e considerando que foi apresentada a documentação exigida na IN TCU n.º 27/98, além de terem sido observadas as formalidades previstas na legislação aplicável quanto à pré-qualificação e ao edital, submetemos os autos à consideração superior, propondo que sejam aprovados os procedimentos relativos ao segundo estágio, devendo os autos permanecerem nesta Unidade Técnica para juntada dos documentos correspondentes aos estágios subseqüentes. ( ) Ante o exposto, submetemos os autos à consideração superior, propondo que os mesmos sejam encaminhados ao Relator, nos termos da art. 17 da IN TCU n.º 27/98, em face das seguintes falhas ou irregularidades:..., para adoção das seguintes providências... DATA/LOCAL AFCE/MATRICULA/ASSINATURA DE ACORDO (OU PARECER) DIRETOR/CARIMBO/ASSINATURA ( ) De acordo. Encaminhe-se os presentes autos à consideração do Relator. SECRETÁRIO/CARIMBO/ASSINATURA 6 - LEGISLAÇÃO a) Leis n.º 8.666/93, 8.987/95, 9.074/95, 9.427/96 e 9.648/98 b) Decretos n.º 2.003/96 e 2.335/97 c) IN TCU n 27/98 18

19 Tribunal de Contas da União TERCEIRO ESTÁGIO EXAME DO PROCESSO DE OUTORGA DE CONCESSÕES DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 IDENTIFICAÇÃO No caso dos aproveitamentos hidrelétricos: a) TC nº b) órgão concedente: c) nome do aproveitamento hidrelétrico: d) localização do empreendimento: e) inclusão do empreendimento no Programa Nacional de Desestatização PND: f) normas que regem a matéria: g) convocação para o procedimento licitatório: No caso das linhas de transmissão: a) TC nº b) órgão concedente: c) descrição do empreendimento: d) aprovação pelo Conselho Nacional de Desestatização CND: e) normas que regem a matéria: f) ato justificatório do empreendimento: 2 - CUMPRIMENTO DA IN TCU n 27/ PRIMEIRO E SEGUNDO ESTÁGIOS - da viabilidade do empreendimento, da préqualificação e do edital. O exame relativo ao primeiro e segundo estágios do processo encontram-se às fls TERCEIRO ESTÁGIO - do julgamento da habilitação e das propostas OBJETIVO: Verificar se as exigências para habilitação e julgamento das propostas são compatíveis com as prescrições legais e não comprometem o caráter competitivo do certame DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA: verificar se constam do processo os elementos exigidos no inciso III do art. 7º da IN TCU nº 27/98: 19

20 a) atas de abertura e de encerramento da habilitação...fl. b) relatório de julgamento da habilitação...fl. c) questionamentos das licitantes sobre a fase de habilitação, eventuais recursos interpostos, acompanhados das respostas e decisões respectivas...fl. d) atas de abertura e de encerramento da fase do julgamento das propostas...fl. e) relatórios de julgamentos e outros que venham a ser produzidos...fl. f) recursos eventualmente interpostos e decisões proferidas referentes à fase do julgamento das propostas....fl. OBSERVAÇÕES: PRAZOS (inciso III do art. 8º da IN TCU n.º 27/98): VERIFICAR SE FORAM OBSERVADOS OS PRAZOS NO ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO REFERENTE AO TERCEIRO ESTÁGIO - 5 (cinco) dias, no máximo, após: a) esgotado o prazo para a interposição de recursos ao resultado do julgamento da fase de habilitação para os documentos relacionados nas alíneas a e b do item b) as decisões proferidas sobre eventuais recursos interpostos para os documentos relacionados na alínea c do item c) a homologação do resultado do julgamento das propostas para os demais documentos do item Sim Não OBSERVAÇÕES: 20

21 3 - CONCLUSÃO ( ) Ante o exposto, e considerando..., submetemos os autos à consideração superior, propondo a realização de diligência, pelas seguintes razões... ( ) Ante o exposto, e considerando que foi apresentada a documentação exigida na IN TCU n.º 27/98, além de ter sido atestada a conformidade legal do julgamento da habilitação e das propostas, submetemos os autos à consideração superior, propondo a aprovação dos procedimentos relativos ao terceiro estágio e o encaminhamento ao Relator, como prevê o art. 9º, caput, da referida Instrução Normativa.. ( ) Ante o exposto, submetemos os autos à consideração superior, propondo que os mesmos sejam encaminhados ao Relator, nos termos da art. 17 da IN TCU n.º 27/98, em face das seguintes falhas ou irregularidades:..., para adoção das seguintes providências... DATA/LOCAL AFCE/MATRICULA/ASSINATURA DE ACORDO (OU PARECER) DIRETOR/CARIMBO/ASSINATURA ( ) De acordo. Encaminhe-se os presentes autos à consideração do Relator. SECRETÁRIO/CARIMBO/ASSINATURA 4 - LEGISLAÇÃO a) Leis n.º 8.666/93, 8.987/95, 9.074/95, 9.427/96 e 9.648/98 b) Decretos n.º 2.003/ /97 c) IN TCU n 27/98 21

22 Tribunal de Contas da União QUARTO ESTÁGIO EXAME DO PROCESSO DE OUTORGA DE CONCESSÕES DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 IDENTIFICAÇÃO No caso dos aproveitamentos hidrelétricos: a) TC nº b) órgão concedente: c) nome do aproveitamento hidrelétrico: d) localização do empreendimento: e) inclusão do empreendimento no Programa Nacional de Desestatização PND: f) normas que regem a matéria: g) convocação para o procedimento licitatório: No caso das linhas de transmissão: a) TC nº b) órgão concedente: c) descrição do empreendimento: d) aprovação pelo Conselho Nacional de Desestatização CND: e) normas que regem a matéria: f) ato justificatório do empreendimento: 2 - CUMPRIMENTO DA IN TCU n 27/ PRIMEIRO, SEGUNDO E TERCEIRO ESTÁGIOS - da viabilidade do empreendimento, da pré-qualificação, do edital e do julgamento da habilitação e das propostas O exame relativo aos primeiro, segundo e terceiro estágios do processo encontram-se às fls QUARTO ESTÁGIO - da outorga e do contrato OBJETIVO: verificar se o ato de outorga e o contrato de concessão assinado estão de acordo com as características pré-definidas do empreendimento, devendo estar o contrato em consonância com a minuta previamente aprovada DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA: verificar se constam do processo os elementos exigidos pelo inciso IV do art. 7º da IN TCU nº 27/98: 22

23 a) ato de outorga...fl. b) contrato de permissão...fl. OBSERVAÇÕES: DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: VERIFICAR SE CONSTA DO PROCESSO CÓPIA DO COMPROVANTE DE RECOLHIMENTO DO PAGAMENTO DA OUTORGA (DARF) Sim Não PRAZOS (inciso IV do art. 8º da IN TCU n.º 27/98) : VERIFICAR SE FORAM OBSERVADOS OS PRAZOS NO ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO REFERENTE AO QUARTO ESTÁGIO - 5 (cinco) dias, no máximo, após a assinatura do termo contratual Sim Não OBSERVAÇÕES: PRAZOS (Parágrafo único do art. 9º da IN TCU n.º 27/98) : VERIFICAR SE FORAM OBSERVADOS OS PRAZOS ENTRE A HOMOLOGAÇÃO DO RESULTADO DO JULGAMENTO DAS PROPOSTAS E A ASSINATURA DO TERMO CONTRATUAL mínimo de 45 (quarenta e cinco) dias. Sim Não 23

24 OBSERVAÇÕES: 3 - CONCLUSÃO ( ) Ante o exposto, e considerando..., submetemos os autos à consideração superior, propondo a realização de diligência, pelas seguintes razões... ( ) Apresentada a documentação exigida pela IN TCU n.º 27/98, e estando o ato de outorga e o contrato de concessão estão em conformidade com a legislação aplicável à matéria e com a minuta de contrato analisada anteriormente, submetemos os autos à consideração superior, para encaminhamento ao Relator, com proposta de arquivamento. ( ) Ante o exposto, submetemos os autos à consideração superior, propondo que os mesmos sejam encaminhados ao Relator, nos termos da art. 17 da IN TCU n.º 27/98, em face das seguintes falhas ou irregularidades:..., para adoção das seguintes providências... DATA/LOCAL AFCE/MATRICULA/ASSINATURA DE ACORDO (OU PARECER) DIRETOR/CARIMBO/ASSINATURA ( ) De acordo. Encaminhe-se os presentes autos à consideração do Relator. SECRETÁRIO/CARIMBO/ASSINATURA 4 - LEGISLAÇÃO a) Leis n.º 8.666/93, 8.987/95, 9.074/95, 9.427/96 e 9.648/98 b) Decretos n.º 2.003/96 e 2.335/97 c) IN TCU n 27/98 24

CEBGAS Companhia Brasiliense de Gás

CEBGAS Companhia Brasiliense de Gás REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE POSTOSREVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS PARA FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL VEICULAR GNV, PROVENIENTE DO GÁS NATURAL LIQUEFEITO - GNL Considerando que a Companhia

Leia mais

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Capítulo I INTRODUÇÃO Dos Princípios Art.1º- Este regulamento estabelece normas para a aquisição e alienação de bens e para a contratação de obras e serviços

Leia mais

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478 DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478 O Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/Ação Transversal - NOVOS CAMPI - 05/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/Ação Transversal - NOVOS CAMPI - 05/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/Ação Transversal - NOVOS CAMPI - 05/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE PESQUISA NOS NOVOS CAMPI DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador Nacional do Sistema Elétrico, de que trata a Lei n o 9.648, de

Leia mais

Lei n 8.666/93, art. 7º 1.7 Documento assinado pela COMAP com a indicação das empresas a serem convidadas

Lei n 8.666/93, art. 7º 1.7 Documento assinado pela COMAP com a indicação das empresas a serem convidadas CHECK LIST DOS PROCESSOS LICITATÓRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA REITORIA Este documento visa orientar a formalização dos processos licitatórios para contratação de obras e serviços de engenharia,

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DO INSTITUTO ODEON CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DO INSTITUTO ODEON CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DO INSTITUTO ODEON CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento tem por objetivo definir os critérios e as condições a serem observados pelo INSTITUTO

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO PROCESSO Nº. : 117088005 INTERESSADO : AMC INFORMÁTICA LTDA. ASSUNTO : RECURSO ADMINISTRATIVO, Processos nºs. 57280206. PARECER Nº. 012/2006-CPL Nos autos em epígrafe,

Leia mais

CLASSE 12: PLANOS DE SEGUROS DAS CONCESSIONÁRIAS DO STFC

CLASSE 12: PLANOS DE SEGUROS DAS CONCESSIONÁRIAS DO STFC TÍTULO DO DOCUMENTO Nº DO DOCUMENTO METODOLOGIA PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DAS OBRIGAÇÕES DAS SRF.MT. 012 PRESTADORAS DO SERVIÇO TELEFÔNICO VERSÃO VIGÊNCIA FIXO COMUTADO - STFC 1 17/04/2006 CLASSE

Leia mais

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO 1 SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO 1 DO OBJETO 1.1 Aquisição de umidificadores de ar destinados a atender às demandas

Leia mais

Sumário. Objeto da Licitação 2. Base Legal do Processo 3. Requisitos para Participação 3. Modelagem do Processo 3. Formas de Pagamento 4

Sumário. Objeto da Licitação 2. Base Legal do Processo 3. Requisitos para Participação 3. Modelagem do Processo 3. Formas de Pagamento 4 Sumário Objeto da Licitação 2 Base Legal do Processo 3 Requisitos para Participação 3 Modelagem do Processo 3 Formas de Pagamento 4 Etapas do Processo 5 Anexo Ficha de Identificação Comentários e Dúvidas

Leia mais

1 Os contratos de que tratam o caput serão por prazo determinado, com duração de 12 (doze) meses, podendo ser renovado por prazo de igual período.

1 Os contratos de que tratam o caput serão por prazo determinado, com duração de 12 (doze) meses, podendo ser renovado por prazo de igual período. LEI COMPLEMENTAR Nº 250 DE 14 DE OUTUBRO DE 2014. REGULAMENTA A CONTRATAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E DE PROGRAMAS PSF PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E PACS PROGRAMA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE

Leia mais

ILMO (A). SENHOR (A) PREGOEIRO (A) DA FUNDAÇÃO LUÍS EDUARDO MAGALHÃES - FLEM

ILMO (A). SENHOR (A) PREGOEIRO (A) DA FUNDAÇÃO LUÍS EDUARDO MAGALHÃES - FLEM ILMO (A). SENHOR (A) PREGOEIRO (A) DA FUNDAÇÃO LUÍS EDUARDO MAGALHÃES - FLEM REF.: PREGÃO ELETRÔNICO 011/2015 POLICARD SYSTEMS E SERVIÇOS S.A., pessoa jurídica de direito privado inscrita sob o CNPJ nº

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO AUDITORIA GERAL DO ESTADO ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº. 054/2010

ESTADO DE MATO GROSSO AUDITORIA GERAL DO ESTADO ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº. 054/2010 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº. 054/2010 UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS: NÚCLEO SISTÊMICO: TODAS AS UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS TODOS OS NÚCLEOS SISTÊMICOS FINANCEIRO. PROCESSO DE PAGAMENTO. ASSUNTO: CONSÓRCIO. EXIGÊNCIA DE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1.311, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº 1.311, DE 2015 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 1.311, DE 2015 Acrescenta incisos I e II, ao art. 3º, da Lei Federal nº 10.754, de 31 de outubro 2003. Autor: Deputado POMPEO DE MATTOS Relatora: Deputada

Leia mais

0c D-1 ILMA. SENHORA CORDENADORA DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO CONSELHO

0c D-1 ILMA. SENHORA CORDENADORA DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO CONSELHO 0c29.0.2.D-1 ILMA. SENHORA CORDENADORA DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS (CFN) CFN PROTOCOLOS- DATA5J..J25.JZI$ RESPONSAVEL REF.: CONCORRÊNCIA CFN N 1/2015 SANTA CLARA ENGENHARIA

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php Page 1 of 5 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA CONSÓRCIO DE EMPRESAS Considerações Gerais 1. INTRODUÇÃO 2. PROIBIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DE CONSÓRCIOS 3. PERSONALIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Votorantim

Prefeitura Municipal de Votorantim PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 013/2016 PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 006/2016 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2017 e dá outras providências. ERINALDO ALVES DA SILVA, PREFEITO

Leia mais

Numero do Documento: 1037522

Numero do Documento: 1037522 Numero do Documento: 1037522 EDITAL N.º 19/2011 A Escola de Saúde Pública do Ceará, Autarquia vinculada à Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, criada pela Lei Estadual nº 12.140, de 22 de julho de 1993,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO PROCESSO Nº : 23055000625/2007-16 UNIDADE AUDITADA : CEFET-PI CÓDIGO UG : 153022 RELATÓRIO Nº : 189683 UCI EXECUTORA : 170037 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/PI,

Leia mais

Nota Técnica SGE nº 01/2015 Rio de Janeiro, 11 de Agosto de 2015.

Nota Técnica SGE nº 01/2015 Rio de Janeiro, 11 de Agosto de 2015. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria Geral de Controle Externo (SGE) Coordenadoria de Auditorias Temáticas e Operacionais (CTO) Nota Técnica SGE nº 01/2015 Rio de Janeiro, 11 de Agosto

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório do simulador de direção veicular.

Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório do simulador de direção veicular. DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN/PB Portaria nº 496/2014-DS João Pessoa, 15 de setembro de 2014. (Publicada no Diário Oficial de 19 de setembro de 2014) Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul Sistema Cofen/Conselhos Regionais - Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.

Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul Sistema Cofen/Conselhos Regionais - Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5. TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto Prestação de serviços de seguro, para o imóvel locado para a Subseção do Conselho Regional de Enfermagem Coren/MS, localizado em Dourados/MS, bem como o acervo de bens, compreendidos

Leia mais

ASSUNTO: Solicitação de Impugnação de Edital Concorrência SEBRAE/TO Nº 008/2014

ASSUNTO: Solicitação de Impugnação de Edital Concorrência SEBRAE/TO Nº 008/2014 À COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DO SEBRAE/TO AT. SRA. ODEANE MILHOMEM DE AQUINO Presidente da CPL ASSUNTO: Solicitação de Impugnação de Edital Concorrência SEBRAE/TO Nº 008/2014 Prezada Senhora, IDEIA

Leia mais

Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente.

Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente. RESOLUÇÃO Nº 49, DE 28 DE SETEMBRO DE 2004 DOE SP DE 29/09/2004 Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente. O Secretário de Estado do Meio Ambiente,

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006

Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006 Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006 DOU de 5.10.2006 Dispõe sobre a auditoria de sistemas informatizados de controle aduaneiro, estabelecidos para os recintos alfandegados e para os

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/CT-INFRA 03/2003

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/CT-INFRA 03/2003 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS INSTITUCIONAIS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA FÍSICA DE PESQUISA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. Estabelece procedimentos relacionados com a instrução de processos de autorização para funcionamento, alterações

Leia mais

Pelo Presente encaminhamos resposta ao Recurso Administrativo referente Pregão Eletrônico Nº 07/2014 em epígrafe, conforme documento Anexo,

Pelo Presente encaminhamos resposta ao Recurso Administrativo referente Pregão Eletrônico Nº 07/2014 em epígrafe, conforme documento Anexo, Manaus, 12 de março de 2014. Aos interessados. Assunto: PREGÃO ELETRÔNICO SRP Nº 07/2014 RECURSO ADMINISTRATIVO Objeto: Eventual aquisição de licenças perpétuas de softwares Microsoft, através do Sistema

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 181 INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 O, no uso das atribuições que lhe confere o inciso XII do Art. 78 da Constituição Estadual, bem como o inciso

Leia mais

Minuta de Instrução Normativa

Minuta de Instrução Normativa Minuta de Instrução Normativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº [NÚMERO], DE Dispõe sobre o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (Paint), os aspectos relativos aos trabalhos de auditoria e o Relatório Anual

Leia mais

ATA DE ANALISE DE IMPUGNAÇÃO

ATA DE ANALISE DE IMPUGNAÇÃO ATA DE ANALISE DE IMPUGNAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO N 055/2016 PREGÃO PRESENCIAL N 044/2016 OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE CONDICIONADORES DE AR. IMPUGNANTE: ARTEC AR

Leia mais

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 Estabelece normas gerais de consolidação das contas dos consórcios públicos a serem observadas na gestão

Leia mais

LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal

LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal LEI Nº. 1.361/2010 14 de abril de 2010. Autoria: Poder Executivo Municipal ALTERA DISPOSITIVOS NA LEI Nº.1.303, DE 08 DE JULHO DE 2009, QUE REGULAMENTA NO MUNICIPIO DE CAMPO NOVO DO PARECIS O TRATAMENTO

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE OS ARTIGOS ALTERADOS

COMPARATIVO ENTRE OS ARTIGOS ALTERADOS COMPARATIVO ENTRE OS ARTIGOS ALTERADOS PORTARIA RFB Nº 3.518 DE 30 DE SETEMBRO DE 2011 (DOU 03/10/2011) Art. 1º - Os procedimentos para o alfandegamento de locais e recintos devem observar o disposto nesta

Leia mais

Tribunal Superior do Trabalho

Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2016 Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2016 Secretaria de Controle Interno PLANO ANUAL DE AUDITORIA DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO - EXERCÍCIO 2016 Aprovado

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 8, p. 17-22 em 7/8/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015 Regulamenta a licença para tratamento de saúde e a licença por motivo de doença em pessoa

Leia mais

TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N

TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N CHAMADA PÚBLICA N 007/2008 Fortalecimento da Ciência: Pesquisa em Gênero, Relação Étnico-racial e Grupos Sociais TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N 007/2008 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTAGIÁRIO JULHO 2015 abatista@fatecbt.edu.br 03 a 14/08/2015 Matrícula de Estágio Supervisionado para os alunos que não constam no SIGA. 03 a 14/08/2015 Confirmação da

Leia mais

DECRETO Nº 11.103 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2.009

DECRETO Nº 11.103 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2.009 DECRETO Nº 11.103 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2.009 Regulamenta a Lei Municipal n 5.767, de 30 de julho de 2.009 e complementa as Resoluções n 303 e 304, ambas de 18 de dezembro de 2.008 do CONTRAN, dispondo

Leia mais

Edital nº6-2016 Impressão de produtos editoriais

Edital nº6-2016 Impressão de produtos editoriais São Paulo, 12 de maio de 2016 Edital nº6-2016 Impressão de produtos editoriais O Instituto Pólis pretende selecionar uma empresa gráfica para a impressão de três tipos de publicação: cadernos temáticos,

Leia mais

Exmo. Sr. Conselheiro Relator,

Exmo. Sr. Conselheiro Relator, PARECER Nº. : 021/CT/2008-1 - Exmo. Sr. Conselheiro Relator, Tratam os autos de consulta formulada pelo Sr. Prefeito Municipal em exercício, Sr. Manoel Machado, mediante a qual solicita deste Tribunal

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE MARABÁ CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE MARABÁ CONGEM

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE MARABÁ CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE MARABÁ CONGEM PROCESSO Nº 042/2015-CEL/SEVOP/PMM MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 006/2015-CEL/PPE/SEVOP/PMM REQUISITANTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS - SEVOP OBJETO: Aquisição, pelo sistema

Leia mais

São Paulo, 12 de setembro de 2006. Dantogles de Alcantara e Silva Gerente Administrativo

São Paulo, 12 de setembro de 2006. Dantogles de Alcantara e Silva Gerente Administrativo Processo: A 06/200 Interessado: Gerência de Informática Assunto: Aquisição de 21 Notebooks, extensão de garantia por 3 anos para 2 notebooks HP NX 6120 e contratação de 01 ano de seguro para 04 equipamentos

Leia mais

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores 1/15 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 01 26 02 27 03 28 04 29 05 30 06 31 07 32 08 33

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS INTRODUÇÃO Esse documento orienta as aquisições da Agência de Desenvolvimento e Inovação de Guarulhos, doravante denominada AGENDE, inscrita no CNPJ nº

Leia mais

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL 2.1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 2. ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA DE 7 DE MARÇO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 022/2015 ARP - ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

PREGÃO PRESENCIAL Nº 022/2015 ARP - ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 022/2015 ARP - ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Aos 06 (seis) dias do mês de julho do ano de 2015, o Município de Parazinho/RN, através da Prefeitura Municipal, CNPJ nº. 08.113.631/0001-29,

Leia mais

EDITAL. PARA INVESTIMENTO NAS ASSOCIAÇÕES METODISTAS DE AÇÃO SOCIAL AMAS e MINISTÉRIOS DE AÇÃO SOCIAL (MAS)

EDITAL. PARA INVESTIMENTO NAS ASSOCIAÇÕES METODISTAS DE AÇÃO SOCIAL AMAS e MINISTÉRIOS DE AÇÃO SOCIAL (MAS) EDITAL PARA INVESTIMENTO NAS ASSOCIAÇÕES METODISTAS DE AÇÃO SOCIAL AMAS e MINISTÉRIOS DE AÇÃO SOCIAL (MAS) A Câmara de Ação Social da 3ª Região Eclesiástica, visando a aplicação de recursos destinados

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR:

LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR: 1 Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui o Sistema Financeiro de Conta Única do Poder Executivo no Município de Goiânia e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010

CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010 CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº /2010 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ESTANTES E ARMÁRIOS DE AÇO ATRAVÉS DE REGISTRO DE PREÇOS, QUE ENTRE SI FAZEM A DE PRIMEIRO GRAU E A EMPRESA PROCESSO Nº /2010-EOF A DE PRIMEIRO

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO TERMO: FEITO: REFERÊNCIA: RAZÕES: DECISÓRIO RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA Nº 010/2015-CEL/SEVOP/PMM Contra a DESCLASSIFCAÇÃO da proposta comercial da empresa

Leia mais

CONCORRÊNCIA SESC/AR-GO Nº 12/01.00013

CONCORRÊNCIA SESC/AR-GO Nº 12/01.00013 CONCORRÊNCIA SESC/AR-GO Nº 12/01.00013 O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL EM GOIÁS SESC/AR Goiás, sediado em Goiânia GO à Rua 19 nº 260, Setor Central, CEP 74030-090, comunica que será

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS CONCORRÊNCIA DAA Nº 4/2007 ANEXO III

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS CONCORRÊNCIA DAA Nº 4/2007 ANEXO III 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS CONCORRÊNCIA Nº 4/2007 ANEXO III CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO E JULGAMENTO DA PROPOSTA TÉCNICA - CONTENCIOSO JUDICIAL CÍVEL 2

Leia mais

I. mínimo de 3 (três) anos para o mestrado; II. mínimo de 4 (quatro) anos para doutorado

I. mínimo de 3 (três) anos para o mestrado; II. mínimo de 4 (quatro) anos para doutorado MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS CÂMPUS JATAÍ EDITAL Nº 003/2015/IFG-CÂMPUS JATAÍ SELEÇÃO DE SERVIDORES

Leia mais

PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO

PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO PRESTAÇÃO ANUAL DE CONTAS Processo TCM nº 07970-14 Exercício Financeiro de 2013 Prefeitura Municipal de POÇÕES Gestor: Otto Wagner de Magalhães Relator Cons. Paolo Marconi PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO O Parecer

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08012.001249/2007-90 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos REGULAMENTO PRÓPRIO PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E COMPRAS COM RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO. CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer normas de padronização para aquisição de materiais,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO CORRETIVA, COM FORNECIMENTO DE PEÇAS, EM RÁDIOS TRANSCEPTORES DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR - DEPUTADO LUÍS EDUARDO MAGALHÃES.

Leia mais

Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4049, DE 29 DE AGOSTO DE 2013.

Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4049, DE 29 DE AGOSTO DE 2013. 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4049, DE 29 DE AGOSTO DE 2013. Regulamenta a Lei nº 9.322, de 25 de julho de 2013, que autoriza o Chefe do Executivo a Instituir o Programa Passe Livre Estudantil no âmbito

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO

DISPENSA DE LICITAÇÃO DISPENSA DE LICITAÇÃO Processo: Secretaria: Empresa: CNPJ: Objeto: LISTA DE VERIFICAÇÕES Justificativa - deverá ser elaborada pela Secretaria Requisitante, a qual identificará a necessidade administrativa

Leia mais

Lei Municipal Nº 143/2010 De 07 de Junho de 2010

Lei Municipal Nº 143/2010 De 07 de Junho de 2010 Lei Municipal Nº 143/2010 De 07 de Junho de 2010 Autoriza a criação da Junta Médica Oficial do Município de São Francisco do Conde e regulamenta a Concessão de Licença para tratamento de saúde e dá outras

Leia mais

CONVITE Nº 049A/2015

CONVITE Nº 049A/2015 Processo nº 0263.1511/15-2 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 049A/2015 DATA DA ABERTURA: 14/08/2015 HORA DA ABERTURA: 10:00 Horas NOME DA EMPRESA: ORIGINAL

Leia mais

I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a

I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a parcelamentos ordinários ou especiais e a tributos exigidos em lançamentos de ofício; ou II Contribuição

Leia mais

ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS PROJETOS DE LEI QUE CUIDAM DA ADOÇÃO DE MENORES E ADOLESCENTES

ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS PROJETOS DE LEI QUE CUIDAM DA ADOÇÃO DE MENORES E ADOLESCENTES ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS PROJETOS DE LEI QUE CUIDAM DA ADOÇÃO DE MENORES E ADOLESCENTES RONALDO MARTON Consultor Legislativo da Área III Tributação, Direito Tributário NOVEMBRO/2005 Ronaldo Marton 2 2005

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS (TJAM) COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO (CPL)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS (TJAM) COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO (CPL) REFERÊNCIA Pedido de Impugnação ao edital do Pregão Eletrônico nº. 018/2016, processo administrativo nº 2015/20602, cujo objeto é a contratação de empresa especializada para o fornecimento e instalação

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO

MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO DE IBIRAPUITÃ, pessoa jurídica de direito público interno,

Leia mais

Programa de Bolsas de Mestrado e Doutorado

Programa de Bolsas de Mestrado e Doutorado Chamada Pública 07/2012 Programa de Bolsas de Mestrado e Doutorado A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná (Fundação Araucária) em parceria com a Coordenação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 27, DE 2 DE DEZEMBRO DE

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 27, DE 2 DE DEZEMBRO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 27, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1998 1 Dispõe sobre a fiscalização pelo Tribunal de Contas da União dos processos de desestatização. O Tribunal de Contas da União, no exercício de suas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS. Interessado: Coordenação Geral de Recursos Logísticos

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS. Interessado: Coordenação Geral de Recursos Logísticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Processo n.º 23000.014684/2010-11 Interessado: Coordenação Geral de Recursos Logísticos Assunto: Impugnação ao Edital

Leia mais

ENDEREÇO: CIDADE: ESTAD O:

ENDEREÇO: CIDADE: ESTAD O: CARTA CONVITE CONTRATAÇÃO DE SEGURO DE VIDA E ACIDENTES PESSOAIS PARA 600 BOLSISTAS Nº/ANO: 034/2001 CONVIDADO / CGC: TELEFONE / FAX: ENDEREÇO: CIDADE: ESTAD O: Convidamos Vossa Senhoria a apresentar,

Leia mais

Portaria da EPSJV 023/2012-DIR/EPSJV. O Diretor da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, no uso de suas atribuições, RESOLVE: 1.

Portaria da EPSJV 023/2012-DIR/EPSJV. O Diretor da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, no uso de suas atribuições, RESOLVE: 1. 01 O Diretor da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, no uso de suas atribuições, 1. DOS OBJETIVOS RESOLVE: Normatizar o pagamento da Gratificação por Encargo de Curso, no âmbito da Escola Politécnica

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO GABINETE DO CONSELHEIRO ROBSON MARINHO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO GABINETE DO CONSELHEIRO ROBSON MARINHO Segunda Câmara Sessão: 20/5/2014 65 TC-008722/026/11 Contratante: Prefeitura Municipal de Diadema. Contratada: Octógono Serviços Ltda. Autoridade(s) Responsável(is) pela Abertura do Certame Licitatório:

Leia mais

ANEXO III MODELOS DE DECLARAÇÕES E COMPROMISSOS

ANEXO III MODELOS DE DECLARAÇÕES E COMPROMISSOS ANEXO III MODELOS DE DECLARAÇÕES E COMPROMISSOS MODELO 1 - CARTA DE ENCAMINHAMENTO DOS DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO Ref. Concorrência nº. / Campo O (Licitante), (qualificação), por meio de seu representante

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA - SFF.

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA - SFF. VOTO PROCESSO: 48500.006756/2014-61 INTERESSADAS: Tangará Energia S.A. Tangará. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA - SFF. ASSUNTO:

Leia mais

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015. GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA- SEJUSP/MS AGÊNCIA ESTADUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA PENITENCIÁRIO-AGEPEN/MS PORTARIA AGEPEN Nº 4, DE 6 DE

Leia mais

M.S PRESTADORA DE SERVIÇOS EM POÇOS ARTESIANOS

M.S PRESTADORA DE SERVIÇOS EM POÇOS ARTESIANOS CONTRATO 172/2014 CREDOR VALOR 32.010,00 DATA 23.10.2014 M.S PRESTADORA DE SERVIÇOS EM POÇOS ARTESIANOS CONTRATO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT E A EMPRESA M.S PRESTADORA DE SERVIÇOS EM POÇOS

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA N 020/2011-MANUTENÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO DO CRMPR Este Termo de Referência foi elaborado em cumprimento ao disposto na Instrução Normativa nº 02/2008 do MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Breve Relato Sobre Licitações Públicas. Com ênfase na Modalidade Pregão Presencial e Pregão Eletrônico

Breve Relato Sobre Licitações Públicas. Com ênfase na Modalidade Pregão Presencial e Pregão Eletrônico Breve Relato Sobre Licitações Públicas Com ênfase na Modalidade Pregão Presencial e Pregão Eletrônico O que é Licitação? É um procedimento Administrativo para Aquisição de produtos ou Contratação de Serviços

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Autoriza o Poder Executivo a instituir Serviço Social Autônomo denominado Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02/2011

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02/2011 CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02/2011 1- PREÂMBULO 1.1. A PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO MONLEVADE, através da Secretaria Municipal de Administração, por ordem do Prefeito Municipal de João Monlevade, Sr. GUSTAVO

Leia mais

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Versão 01 - Página 1/24 PROCESSO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP- GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Objetivo estratégico:

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO CONTROLADORIA GERAL MUNICIPAL ATO DE APROVAÇÃO

GABINETE DO PREFEITO CONTROLADORIA GERAL MUNICIPAL ATO DE APROVAÇÃO GABINETE DO PREFEITO CONTROLADORIA GERAL MUNICIPAL ATO DE APROVAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 003/2011 VERSÃO 02 UNIDADE RESPONSÁVEL Controladoria Municipal de Guamaré I FINALIDADE Dispor acerca do requerimento

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. O projeto deverá seguir os critérios do projeto básico estabelecido pela Comissão Especial de Obras do CAU/AL (arquivo básico).

TERMO DE REFERÊNCIA. O projeto deverá seguir os critérios do projeto básico estabelecido pela Comissão Especial de Obras do CAU/AL (arquivo básico). 1. OBJETO E JUSTIFICATIVA. TERMO DE REFERÊNCIA Este termo de referência visa estabelecer os critérios mínimos para contratação de profissional e/ou empresa especializada e habilitada para apresentação

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007 Regulamenta as disposições da Lei n 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA), da Lei

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Faixa Azul Indústria de Móveis para Escritório Ltda.

VOTO. INTERESSADO: Faixa Azul Indústria de Móveis para Escritório Ltda. FL. 1 de 6 VOTO PROCESSO: 00000.746624/1983-22. INTERESSADO: Faixa Azul Indústria de Móveis para Escritório Ltda. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom 1. IDENTIFICAÇÃO TC n : Órgão concedente: Objeto da outorga: Local: 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL a Constituição Federal, art. 21, XI; b - Lei n.º 9.472/97; c - Resolução ANATEL n.º 65/98 e 73/98; d - Lei n.º

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ Dispõe sobre a Seleção Pública Simplificada para o cargo de educadores sociais e Ofícineiro de teatro visando atuação no Programa Jovem

Leia mais

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios Anexo 4 Termo de Referência do Plano de Negócios I. Introdução 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo orientar as Proponentes na elaboração de seu Plano de Negócios, conforme definido no Edital,

Leia mais

EDITAL N 034/2016 Referente ao Aviso N 046/2016, publicado no D.O.E. de 15/04/2016.

EDITAL N 034/2016 Referente ao Aviso N 046/2016, publicado no D.O.E. de 15/04/2016. EDITAL N 034/2016 Referente ao Aviso N 046/2016, publicado no D.O.E. de 15/04/2016. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, em conformidade

Leia mais

Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L tda e outro CONCLUSÃO

Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L tda e outro CONCLUSÃO fls. 435 D E C ISÃ O Processo Digital nº: 1066745-48.2014.8.26.0100 Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência Requerente: Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L

Leia mais

RECOMENDAÇÃO nº 16/2016

RECOMENDAÇÃO nº 16/2016 Autos nº 1.14.012.000020/2012-42 Espécie: Inquérito Civil Público ICP Assunto: Recomenda ao Município de Irecê a adoção de medidas e a instalação de instrumentos que permitam o controle social do horário

Leia mais

1.1. Denomina-se chamada técnica o pedido de manutenção corretiva de um aparelho, equipamento etc.

1.1. Denomina-se chamada técnica o pedido de manutenção corretiva de um aparelho, equipamento etc. CARTA-CONTRATO Nº CC20090007 Ref.: Processo nº 005.368/08-1 À empresa VETON ELETROMEDICINA LTDA. CNPJ nº 03610664/0001-60 End.: QE 40, Conjunto D, Lote 37, Guará II, Brasília -DF CEP 71070-042 Telefax:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NORMAS COMPLEMENTARES PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CEFET-BA Normas adicionais

Leia mais

08 a 10/05/2013 - Belo Horizonte MG - CURSO GERAL DE LICITAÇÕES, CONTRATAÇÕES DIRETAS E PREGÃO.

08 a 10/05/2013 - Belo Horizonte MG - CURSO GERAL DE LICITAÇÕES, CONTRATAÇÕES DIRETAS E PREGÃO. Apresentação Como evitar os Principais Vícios (Leis nº 8.666/93, nº 10.520/2002; Decreto nº 3.555/2000, Decreto nº 5.450/2005, Lei Complementar nº 123/2006 e Decreto nº 6.204/2007). Objetivo Preparar todos

Leia mais

DECISÃO DE RECURSO AO JULGAMENTO DAS PROPOSTAS EDITAL TOMADA DE PREÇO Nº 02/2010

DECISÃO DE RECURSO AO JULGAMENTO DAS PROPOSTAS EDITAL TOMADA DE PREÇO Nº 02/2010 DECISÃO DE RECURSO AO JULGAMENTO DAS PROPOSTAS EDITAL TOMADA DE PREÇO Nº 02/2010 Recurso apresentado contra a classificação da empresa TEXAS INFORMÁTICA LTDA., como vencedora do LOTE 1/ITEM1, proposto

Leia mais