Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar"

Transcrição

1 Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar Orvalina Ornelas Nascimento Santos Coordenadora-Geral de Contabilidade e Acompanhamento de Prestação de Contas

2 Prestação de Contas: Quem se responsabiliza por dinheiro público, deve prestar contas do uso que faz dele! O parágrafo único do Art. 70 da Constituição Federal, diz que:... Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária.

3 O CONTROLE SOCIAL DAS CONTAS Princípios Legalidade Impessoalidade Publicidade Eficiência Razoabilidade... Posicionamento conclusivo do conselho devidamente embasado e coerente é elemento decisivo para a aprovação ou não das contas.

4 FASES DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Cumprimento da Formalidade: Apresentação da documentação obrigatória. Análise Técnica: Consecução do objeto. Alcance do objetivo. Análise Financeira: Regular aplicação. É preciso fazer a coisa certa do jeito certo!

5 MEDIDAS DE EXCEÇÃO Instauração de Tomada de Contas Especial (TCE); Inscrição no Cadastro Informativo de créditos não quitados do setor público federal (CADIN); Omissão x TCE!!

6 RESULTADOS DA ANÁLISE DAS CONTAS Aprovação: quando foi feita a coisa certa e do jeito certo! Não Aprovação: não foi feita a coisa certa! Aprovação com Ressalvas: quando foi feita a coisa certa com a ocorrência de falhas formais ou ilegalidades que não acarretam prejuízo ao Erário! Aprovação parcial: quando há ocorrências de prejuízos pontuais durante a execução!

7 CONCLUSÕES EXECUTAR CORRETAMENTE: É preciso destacar que só a boa execução do programa permite uma boa prestação de contas, e que a apresentação de todos os documentos, no tempo e no lugar certo, evita dores de cabeça aos gestores e permite à CGCAP uma melhor avaliação das contas. Assim, caminhamos para a consolidação da parceria entre o FNDE e os gestores locais para a execução dos programas e integramos a sociedade na tarefa de zelar pelo bom uso dos recursos públicos. Muito obrigado,

8 Boa e regular aplicação dos recursos: a correta execução. Lara Dantas Medeiros Tomadora de Contas

9 Prestação de Contas: O QUE É? A prestação de contas consiste na comprovação da execução dos recursos recebidos em cada exercício pela EE: - valores repassados no exercício; - saldos reprogramados do exercício anterior; - rendimentos de aplicação financeira.

10 Prestação de Contas do PNAE: Regulamentação. Resolução/CD/FNDE/N 38, de 16 de julho de Lei n , de 16 de junho de 2009.

11 Prestação de Contas: Regulamentação. - Link alimentação escolar - Link legislação - Link Resolução nº 38

12 Prestação de Contas: Execução Agricultura Familiar - no mínimo 30% (trinta por cento) - priorizando os assentamentos da reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas e comunidades quilombolas. - priorizando a proximidade (local, regional, estadual e nacional) - via chamamento.

13 Prestação de Contas: Execução Agricultura Familiar Dispensa-se o procedimento licitatório? - desde que os preços sejam compatíveis com os vigentes no mercado local, observando-se os princípios inscritos no art. 37 da Constituição (princípios administrativos), e que os alimentos atendam às exigências do controle de qualidade estabelecidas pelas normas que regulamentam a matéria.

14 Prestação de Contas: Execução Agricultura Familiar O percentual poderá ser dispensado quando presentes uma das seguintes circunstâncias: I impossibilidade de emissão do documento fiscal correspondente; II inviabilidade de fornecimento regular e constante dos gêneros alimentícios; III condições higiênico-sanitárias inadequadas.

15 Prestação de Contas: MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA Tarifas bancárias Nos termos dos Acordos de Cooperação Mútua celebrados entre o FNDE e os bancos parceiros, a EE é isenta do pagamento de tarifas bancárias pela manutenção e movimentação das contas correntes abertas para as ações do PNAE.

16 A aplicação dos recursos no mercado financeiro é imprescindível! MENOS DE 30 DIAS CURTO PRAZO MAIS DE 30 DIAS POUPANÇA

17 Prestação de Contas: MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA SALDOS O saldo existente na conta do PNAE, apurado no dia 31 de dezembro de cada ano, será reprogramado para o exercício seguinte, e A critério do FNDE, o aceite poderá ser condicionado a análise do parecer do CAE informando se houve oferta regular de alimentos.

18 Prestação de Contas: MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA SALDOS Conta Antiga Conta Nova PNAE(fundamental) PNAE(creche) PNAI PNAQ Creche, pré-escola, fundamental (regular e integral) e ensino médio PNAI PNAQ

19 Prestação de Contas: E SE NÃO FIZER? Quando a prestação de contas não for apresentada, o FNDE notificará a EE e estabelecerá o prazo de 30 (trinta) dias para a sua apresentação ou recolhimento dos recursos devidamente atualizados, sem prejuízo da suspensão dos repasses.

20 Prestação de Contas: É só apresentar? A prestação de contas apresentada em desacordo com as exigências legais não terá o seu recebimento registrado e o gestor será notificado a apresentar documentação complementar ao FNDE/MEC.

21 Prestação de Contas: COMO E PARA QUÊ? A prestação de contas efetiva-se mediante a apresentação de um conjunto de formulários e documentos, instituídos por atos legais e/ou normativos, de forma a comprovar a boa e regular aplicação dos recursos repassados.

22 Prestação de Contas: QUANDO? Da Entidade Executora ao CAE: até 15 de fevereiro do ano subsequente ao repasse. Do CAE ao FNDE: 31 de março do ano subsequente ao repasse.

23 Prestação de Contas: COMO APRESENTAR? Documentação: AO CAE Demonstrativo Sintético Anual da Execução Físico-Financeira; Relatório Anual de Gestão do PNAE; Extratos bancários da conta corrente específica em que os recursos foram depositados e da conta de aplicações financeiras; e Conciliação bancária, se for o caso.

24 Prestação de Contas: COMO APRESENTAR? DOCUMENTAÇÃO: AO CAE Além da documentação acima relacionada, o CAE poderá solicitar à EE outros documentos que julgar necessários para subsidiar a análise da prestação de contas.

25 Prestação de Contas: COMO APRESENTAR? DOCUMENTAÇÃO: AO FNDE Demonstrativo Sintético Anual da Execução Físico-Financeira; Parecer Conclusivo do CAE; Extratos bancários da conta corrente específica em que os recursos foram depositados e das aplicações financeiras realizadas; e Conciliação bancária, se for o caso.

26 Prestação de Contas: Motivos de prejuízo ao Erário! I. Omissão no dever legal de prestar contas; II. Inexecução total ou parcial do objeto pactuado; III. Desvio de finalidade na aplicação dos recursos transferidos; IV. Impugnação de despesas, se realizadas em desacordo com as disposições da Resolução;

27 Prestação de Contas: Motivos de prejuízo ao Erário! V. não-utilização, total ou parcial, dos rendimentos da aplicação financeira ou não-aplicação de rendimentos de aplicações financeiras; VI. ausência de documentos exigidos na prestação de contas que comprometa o julgamento da boa e regular aplicação dos recursos.

28

29

30

31 TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

32 DEFINIÇÃO Tomada de contas especial é um processo devidamente formalizado, com rito próprio, para apurar responsabilidade por ocorrência de dano à administração pública federal e obtenção do devido ressarcimento. Art. 3º IN/TCU nº 56/2007

33 O QUE SE BUSCA?? apurar os fatos que resultaram em prejuízo ao Erário (O QUÊ); identificar e qualificar os agentes causadores do dano (QUEM e COMO); quantificar o prejuízo sofrido pelos cofres públicos (QUANTO); art. 8º-Lei 8443/92

34 COMO EVITAR?? Conhecendo a legislação; Fazendo bons negócios ; Prestando contas corretamente.

35 ONDE ENCONTRAR: BASE LEGAL Instrução Normativa-TCU nº 56/2007 de 05 de dezembro de 2007; Resoluções FNDE; Portaria MPOG/MF/CGU n 127/2008 de 29 de maio de 2008 / Instrução Normativa STN nº 01/1997, de 15 de janeiro de 1997

36 ONDE ENCONTRAR: BASE LEGAL Manual de Tomada de Contas Especial TCU/CGU. Acórdãos: (pesquisa em formulário)

37 O QUE ACONTECE? FASE INTERNA FNDE CGU Ministério Público Cobrança judicial FASE EXTERNA TCU (título executivo)

38 CO-RESPONSÁVEL O responsável é o executor. Co-responsabilidade (responsabilidade solidária): Executou juntamente (agente público e privado); Súmula/TCU 230 : caso omissão Co-responsável somente se o prazo para prestação de contas adentrar o período de gestão deste

39 SÚMULA 230/TCU Compete ao prefeito sucessor apresentar as contas referentes ais recursos federais recebidos por seu antecessor, quando este não o tiver feito ou, na impossibilidade de fazê-lo, adotar as medidas legais Representação visando aojunto resguardo ao MPdo patrimônio público com a instauração da competente Tomada de contas Especial, sob pena de co-responsabilidade.

40 REPRESENTAÇÃO JUNTO AO MP Se o co-responsável ou o Prefeito atual entrar com Representação junto ao Ministério Público Federal: Esta DEVE atender o Manual de Assistência Financeira do FNDE (Resolução CD/FNDE nº 23/2008. Exclui a co-responsabilidade. Suspende a inadimplência. O caso PNAE/2009

41 CADIN (CADASTRO INFORMATIVO DE CRÉDITOS NÃO QUITADOS DO SETOR PÚBLICO FEDERAL) Valor do dano, atualizado monetariamente, inferior a R$ ,00 Dispensa inclusão no CADIN: vedada inscrição: dívidas até R$ 999,99 MAS: Este valor é atualizado IN/TCU nº 56/2007 Lei nº 10522/2002 e Portaria/STN nº 685/2006

42 Muito obrigada pela atenção!

43 Contatos: Atendimento Institucional , 4135, 4253, 4789, 4808 e 4933; (digite 2 e em seguida digite 5); Sítio:

Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar

Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar Prestação de Contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar Orvalina Ornelas Nascimento Santos Coordenadora-Geral de Contabilidade e Acompanhamento de Prestação de Contas Prestação de Contas: Quem

Leia mais

Sistema de Gestão de Conselhos - Sigecon

Sistema de Gestão de Conselhos - Sigecon Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Sistema de Gestão de Conselhos - Sigecon Programa Nacional de Alimentação Escolar Pnae Sistema de Gestão de Conselhos - Sigecon Destinado a todos os conselhos

Leia mais

Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE

Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE ABRANGÊNCIA Extensão territorial:8.514.876,59 9 km 2 Alcance: 5.570 municípios, 26 estados, DF e escolas técnicas federais.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal TUTELA ANTECIPADA NA AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.602 MATO GROSSO RELATORA AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :ESTADO DE MATO GROSSO :PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno NOTIFICAÇÃO UCCI N 002/06 ÓRGÃO: GABINETE DO PREFEITO ASSUNTO: PRESTAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 Estabelece normas gerais de consolidação das contas dos consórcios públicos a serem observadas na gestão

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Prestação de Contas

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Prestação de Contas Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Prestação de Contas Sistema de Gestão de Conselhos - Sigecon Programa Nacional de Alimentação Escolar Pnae Sistema de Gestão de Conselhos - Sigecon Destinado

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2016 (retificado conforme publicação no DOU nº 75, de 20/04/2016, página 80)

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2016 (retificado conforme publicação no DOU nº 75, de 20/04/2016, página 80) FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2016 (retificado conforme publicação no DOU nº 75, de 20/04/2016, página 80) A FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE FUNASA, por intermédio do Departamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO MENOR DE PASSO FUNDO SEPLAN 054/2007 O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica de direito público, inscrito

Leia mais

PARECER Nº 6.615/2013

PARECER Nº 6.615/2013 Fls.239 PROCESSO Nº : 8820-0/2012 UNIDADE : FUNDO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DO ESTADO DE MATO GROSSO ASSUNTO : CONTAS ANUAIS DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2012 GESTOR : ROSELI FÁTIMA MEIRA BARBOSA PARECER Nº

Leia mais

22/01/2014 Art.14 - Lei n.º /2009 Art.24 - Resolução CD/FNDE 26/2013 Seminário da Alimentação Escolar e Agricultura Familiar

22/01/2014 Art.14 - Lei n.º /2009 Art.24 - Resolução CD/FNDE 26/2013 Seminário da Alimentação Escolar e Agricultura Familiar Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar - UFRGS Seminário da Alimentação Escolar e Agricultura Familiar Avaliação e Perspectivas da Agricultura Familiar no PNAE Porto Alegre, 21 de Janeiro

Leia mais

Tomadade Contas Especial. Perspectivas Normativas

Tomadade Contas Especial. Perspectivas Normativas Tomadade Contas Especial Pressupostos, Objetivos e Perspectivas Normativas Atribuições da Auditoria Interna Sobre o Processo de TCE Examinar e emitir parecer sobre a prestação de contas anual da entidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: IIII Encontro Catarinense de Alimentação Escolar

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: IIII Encontro Catarinense de Alimentação Escolar PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: IIII Encontro Catarinense de Alimentação Escolar Atualização sobre a compra da Agricultura Familiar Resolução do FNDE nº04/2015 Olavo Braga COSAN - CECANE/SC

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08012.001249/2007-90 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Tribunal Superior do Trabalho

Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2016 Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2016 Secretaria de Controle Interno PLANO ANUAL DE AUDITORIA DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO - EXERCÍCIO 2016 Aprovado

Leia mais

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO COTAÇÃO DE PREÇOS: Nº 352/2016/300 OBJETO: MATERIAIS P/ FILTRAÇÃO MILLIPORE VENCIMENTO: 18/05/2016 CONDIÇÕES GERAIS Condição de Pagamento: 30 DDL. Os pagamentos serão efetuados por meio de crédito em conta

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 Altera o 2º do art. 4º da Lei nº 10.522, de 19 de julho de 2002, que dispõe sobre o cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO CUIDADOS A SEREM TOMADOS PELOS GESTORES MUNICIPAIS NA APLICAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO CUIDADOS A SEREM TOMADOS PELOS GESTORES MUNICIPAIS NA APLICAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO CUIDADOS A SEREM TOMADOS PELOS GESTORES MUNICIPAIS NA APLICAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS Outubro/2012 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO CUIDADOS A SEREM TOMADOS PELOS GESTORES MUNICIPAIS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Fl. 324 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO PROCESSO Nº : 23055000625/2007-16 UNIDADE AUDITADA : CEFET-PI CÓDIGO UG : 153022 RELATÓRIO Nº : 189683 UCI EXECUTORA : 170037 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/PI,

Leia mais

Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária

Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária Nota Técnica n 009/2011/GECON (Revoga o Roteiro de Contabilização n. 002/2008/GECON) Vitória, 08 de dezembro de 2011. Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária A presente Nota Técnica

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE COORDENÇÃO-GERAL DO PNAE - CGPAE

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE COORDENÇÃO-GERAL DO PNAE - CGPAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE COORDENÇÃO-GERAL DO PNAE - CGPAE 1. PNAE Linha do Tempo 1955 a 1979 Alimentação escolar através de ações pontuais (campanhas) 1995 Recursos distribuídos

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

Guia de Orientação para Associações Escolares Como Gerir Recursos Públicos Parceria Público Privada - EPP

Guia de Orientação para Associações Escolares Como Gerir Recursos Públicos Parceria Público Privada - EPP Domingos Ferreira Curcino Guia de Orientação para Associações Escolares Como Gerir Recursos Públicos Parceria Público Privada - EPP 1ª edição Palmas-Tocantins 2015 Sumário Apresentação... 9 I. Órgãos

Leia mais

ÉDITORIAL. PNATE: novas regras para execução dos recursos. Éstamos lançando agora o Informativo

ÉDITORIAL. PNATE: novas regras para execução dos recursos. Éstamos lançando agora o Informativo ÉDITORIAL Éstamos lançando agora o Informativo do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Éscolar (PNATÉ). Neste primeiro nu mero, queremos alertar os gestores dos estados, Distrito Federal e municípios,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 031, DE 07 DE MAIO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO

PROJETO DE LEI Nº 031, DE 07 DE MAIO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO PROJETO DE LEI Nº 031, DE 07 DE MAIO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO Autoriza subvenção para o CONSEPRO - CONSELHO DE DEFESA E SEGURANÇA COMUNITÁRIA e dá outras providências. Art. 1º. Fica o Poder Executivo

Leia mais

BAHIA. QUARTA-FEIRA, 19 de Setembro de 2012 ANO VI N 379 ORGÃO/SEC./ UNIDADE 03.04.00 - SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO

BAHIA. QUARTA-FEIRA, 19 de Setembro de 2012 ANO VI N 379 ORGÃO/SEC./ UNIDADE 03.04.00 - SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO BAHIA. QUARTA-FEIRA, 19 de Setembro de 2012 ANO VI N 379 Atos Oficiais LEI N. 476/2012 DE 19 DE SETEMBRO DE 2012. Autoriza o Poder Executivo Municipal, proceder, ao Orçamento Fiscal e da Seguridade Social

Leia mais

FUNDAÇÃO TECHNOS. O presente para o seu futuro

FUNDAÇÃO TECHNOS. O presente para o seu futuro FUNDAÇÃO TECHNOS O presente para o seu futuro ASSUNTOS: - A Previdência no Brasil; - Organograma da Technos; - Vantagens para os funcionários; - Histórico de Rentabilidade; - Controle e Fiscalização; -

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SiGPC Sistema de Gestão de Prestação de Contas

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SiGPC Sistema de Gestão de Prestação de Contas Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação SiGPC Sistema de Gestão de Prestação de Contas Resolução nº 02/2012 Estabelece orientações, critérios e procedimentos para a utilização obrigatória a partir

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação O que é o É um sistema de acesso público via internet, operacionalizado pelo Fundo Nacional de

Leia mais

: MIN. MARCO AURÉLIO DECISÃO

: MIN. MARCO AURÉLIO DECISÃO MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.159 MATO GROSSO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) ADV.(A/S) : MIN. MARCO AURÉLIO :ESTADO DE MATO GROSSO :PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Chamada Pública n.º 02/2016, para aquisição de gêneros alimentícios diretamente da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar

Leia mais

I Locação em geral. 30 dias Antecedência mínima necessária para que o Locador denuncie locações de prazo indeterminado.

I Locação em geral. 30 dias Antecedência mínima necessária para que o Locador denuncie locações de prazo indeterminado. I Locação em geral 10 anos Contratos com tal prazo dependem da vênia conjugal, sob pena do período excedente não ser respeitado pelo cônjuge não anuente 30 dias Antecedência mínima necessária para que

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

O QUE É PRESTAÇÃO DE CONTAS?

O QUE É PRESTAÇÃO DE CONTAS? PRESTAÇÃO DE CONTAS O QUE É PRESTAÇÃO DE CONTAS? É UMA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS, RELATÓRIOS E AFINS QUE DETALHAM E COMPROVAM OS GASTOS REALIZADOS POR UM OBJETIVO DE REPASSE FINANCEIRO. QUEM DEVE PRESTAR CONTAS?

Leia mais

Portal dos Convênios

Portal dos Convênios Portal dos Convênios Um novo paradigma nas transferências voluntárias da União Antonio de Brito Vidal Neto Brasília, setembro de 2009 APRESENTAÇÃO Órgão Gestor do Sistema - MP Ministério do Planejamento,

Leia mais

G a b i n e t e d a V e r e a d o r a G R A Ç A A M O R I M TEXTO

G a b i n e t e d a V e r e a d o r a G R A Ç A A M O R I M TEXTO PROJETO DE LEI Nº /2013 EMENDA A LEI ORGÂNICA ( ) LEI COMPLEMENTAR ( ) LEI ORDINÁRIA (X ) RESOLUÇÃO NORMATIVA ( ) DECRETO LEGISLATIVOS ( ) AUTORA/SIGNATÁRIA Vereadora GRAÇA AMORIM-PTB EMENTA Institui o

Leia mais

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998 "Altera a Consolidação das Resoluções do Conselho Federal de Psicologia, aprovada pela Resolução CFP N 004/86, de 19 de outubro de 1986." O CONSELHO FEDERAL

Leia mais

RELATÓRIO DAS MEDIDAS ADOTADAS PARA COBRANÇA DA DIVIDA ATIVA DO MUNICIPIO

RELATÓRIO DAS MEDIDAS ADOTADAS PARA COBRANÇA DA DIVIDA ATIVA DO MUNICIPIO RELATÓRIO DAS MEDIDAS ADOTADAS PARA COBRANÇA DA DIVIDA ATIVA DO MUNICIPIO Com o intuito de melhorar a arrecadação própria do município e receber valor inscrito na divida ativa, o município tomou algumas

Leia mais

GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI

GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI Empresa especializada na prestação de serviços ao Terceiro Setor Consultoria Auditoria Cursos Presenciais e à Banco de Dados sobre o Terceiro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES MC Secretaria de Inclusão Digital SID. Brasília, 11 de outubro de 2011 CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2011

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES MC Secretaria de Inclusão Digital SID. Brasília, 11 de outubro de 2011 CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2011 1 MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES MC Secretaria de Inclusão Digital SID Brasília, 11 de outubro de 2011 CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2011 APOIO À CAPACITAÇÃO NO USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 007 DE 24 DE ABRIL DE 2007 Estabelece os documentos necessários à comprovação de regularidade

Leia mais

08/04/2016 CONTROLE CONTROLE CONTROLE CONTROLE CONTROLE CONTROLE

08/04/2016 CONTROLE CONTROLE CONTROLE CONTROLE CONTROLE CONTROLE - CONCEITO - atividade de verificar se os resultados alcançados com a despesa pública correspondem à determinação legal de sua realização - Origem: - Documentos como a Magna Carta e outros; - Declaração

Leia mais

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL 2.1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 2. ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA DE 7 DE MARÇO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015 DISPÕE SOBRE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DOS CONSÓRCIOS. VERSÃO: 01 DATA: 03 de março de 2015. ATO APROVAÇÃO: Decreto 2.370/2015 UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 932/2010 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social, institui a Coordenadoria Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

1º O parecer do (a) Assistente Social, que deverá estar de acordo com os critérios abaixo:

1º O parecer do (a) Assistente Social, que deverá estar de acordo com os critérios abaixo: Lei 3914/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DE BENEFÍCIO EVENTUAL PARA INDIVÍDUOS E FAMÍLIAS EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE, TEMPORÁRIA NO MUNICÍPIO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ. Prefeito Municipal de Balneário Camboriú,

Leia mais

2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG-GO Nº 002/2014.

2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG-GO Nº 002/2014. 2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG-GO Nº 002/2014. 2ª Chamada Pública para aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar, no âmbito do PAA, para suplementação alimentar de grupos populacionais

Leia mais

Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde

Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde São Paulo, 13 de abril de 2016 No momento em que se aproxima o fim da

Leia mais

ATA DE ANALISE DE IMPUGNAÇÃO

ATA DE ANALISE DE IMPUGNAÇÃO ATA DE ANALISE DE IMPUGNAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO N 055/2016 PREGÃO PRESENCIAL N 044/2016 OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE CONDICIONADORES DE AR. IMPUGNANTE: ARTEC AR

Leia mais

CHAMADA 03/2015 PROEX I FEIRA DE ESTÁGIO E NEGÓCIOS DO IFRO

CHAMADA 03/2015 PROEX I FEIRA DE ESTÁGIO E NEGÓCIOS DO IFRO CHAMADA 03/2015 PROEX I FEIRA DE ESTÁGIO E NEGÓCIOS DO IFRO A Pró-Reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia, no uso de suas atribuições, torna pública a Chamada

Leia mais

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Conhecimentos de interesse do servidor sobre Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007 Regulamenta as disposições da Lei n 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA), da Lei

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016) Dá nova redação à Instrução Normativa n 39, de 19 de dezembro de 2014, do Ministério das Cidades, que Regulamenta o Programa Minha Casa,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2012/SMS/DRCAA

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2012/SMS/DRCAA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2012/SMS/DRCAA DISCIPLINA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA MUNICIPAL DE AUDITORIA NO SUS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO CONTRATO ADMINISTRATIVO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA CONSTRUÇÃO DE ALAMBRADO NO ASILO BETEL, QUE ENTRE SI FAZEM O MUNICÍPIO DE CASTILHO e a empresa A. a Z. COMÉRCIO, REPRESENTAÇÃO E SERVIÇOS

Leia mais

Portaria da EPSJV 023/2012-DIR/EPSJV. O Diretor da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, no uso de suas atribuições, RESOLVE: 1.

Portaria da EPSJV 023/2012-DIR/EPSJV. O Diretor da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, no uso de suas atribuições, RESOLVE: 1. 01 O Diretor da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, no uso de suas atribuições, 1. DOS OBJETIVOS RESOLVE: Normatizar o pagamento da Gratificação por Encargo de Curso, no âmbito da Escola Politécnica

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 181 INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 O, no uso das atribuições que lhe confere o inciso XII do Art. 78 da Constituição Estadual, bem como o inciso

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo Vereador Roberto Trípoli - PV

Câmara Municipal de São Paulo Vereador Roberto Trípoli - PV PROJETO DE LEI Nº 133/09 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE BEM-ESTAR ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - FAN A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO decreta: Capítulo I Da Finalidade ART. 1º - Fica criado no Município

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES DE ÓRGÃOS E ENTIDADES ESTADUAIS Exercício 2011

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES DE ÓRGÃOS E ENTIDADES ESTADUAIS Exercício 2011 Exercício 2011 JANEIRO 17 O titular do Poder Executivo deverá enviar cópia do PPA atualizado, da LOA e da LDO juntamente com os anexos. Órgãos: deverão enviar a prestação de contas do mês de dezembro/2010.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AUDIÊNCIA PÚBLICA Lorena Chaves Nutricionista PNAE/FNDE Obesidade: problema de saúde pública 40% da população brasileira (POF) ESCESSO DE PESO Obesidade infanto-juvenil

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

Funções e Ações do FNDE Frente ao PNAE. Gabriela T.C. Ribeiro

Funções e Ações do FNDE Frente ao PNAE. Gabriela T.C. Ribeiro Funções e Ações do FNDE Frente ao PNAE Gabriela T.C. Ribeiro Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) É uma autarquia do Ministério da Educação que tem como missão prover recursos e executar

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Capítulo I INTRODUÇÃO Dos Princípios Art.1º- Este regulamento estabelece normas para a aquisição e alienação de bens e para a contratação de obras e serviços

Leia mais

DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PARA SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DA UFG PRO QUALIFICAR DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art.1º. O Programa

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS INTRODUÇÃO Esse documento orienta as aquisições da Agência de Desenvolvimento e Inovação de Guarulhos, doravante denominada AGENDE, inscrita no CNPJ nº

Leia mais

1 Os contratos de que tratam o caput serão por prazo determinado, com duração de 12 (doze) meses, podendo ser renovado por prazo de igual período.

1 Os contratos de que tratam o caput serão por prazo determinado, com duração de 12 (doze) meses, podendo ser renovado por prazo de igual período. LEI COMPLEMENTAR Nº 250 DE 14 DE OUTUBRO DE 2014. REGULAMENTA A CONTRATAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E DE PROGRAMAS PSF PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E PACS PROGRAMA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO PROCEDIMENTO PARA EXPLORAÇÃO DE ÁREAS COMERCIAIS NAS ESTAÇÕES DO METRÔ MEDIANTE CREDENCIAMENTO RECEMPE E REGULAMENTO GERAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO PROCEDIMENTO PARA EXPLORAÇÃO DE ÁREAS COMERCIAIS NAS ESTAÇÕES DO METRÔ MEDIANTE CREDENCIAMENTO RECEMPE E REGULAMENTO GERAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO PROCEDIMENTO PARA EXPLORAÇÃO DE ÁREAS COMERCIAIS NAS ESTAÇÕES DO METRÔ MEDIANTE CREDENCIAMENTO RECEMPE E REGULAMENTO GERAL A Companhia do Metropolitano de São Paulo Metrô, com base

Leia mais

1º CICLO DE PALESTRA SOBRE FINAL DE MANDATO A GESTÃO MUNICIPAL E O CONTROLE EXTERNO: ORIENTAÇÃO PARA O FINAL DE MANDATO

1º CICLO DE PALESTRA SOBRE FINAL DE MANDATO A GESTÃO MUNICIPAL E O CONTROLE EXTERNO: ORIENTAÇÃO PARA O FINAL DE MANDATO 1º CICLO DE PALESTRA SOBRE FINAL DE MANDATO A GESTÃO MUNICIPAL E O CONTROLE EXTERNO: ORIENTAÇÃO PARA O FINAL DE MANDATO A fiscalização do TCU na aplicação dos recursos federais nos municípios Processo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 34 DE 6 DE SETEMBRO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 34 DE 6 DE SETEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 34 DE 6 DE SETEMBRO DE 2013 Destina recursos financeiros, nos moldes operacionais e regulamentares

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O nº 1308/12 R E S O L V E:

R E S O L U Ç Ã O nº 1308/12 R E S O L V E: R E S O L U Ç Ã O nº 1308/12 Dispõe sobre os Procedimentos Contábeis Específicos adotados, sobre o cronograma de ações a adotar até 2014, e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO

Leia mais

AO EGRÉGIO TRIBUNAL DE CONTAS DO RIO GRANDE DO SUL RELATÓRIO DO CONSELHO DO FUNDEF-2014 GESTOR MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

AO EGRÉGIO TRIBUNAL DE CONTAS DO RIO GRANDE DO SUL RELATÓRIO DO CONSELHO DO FUNDEF-2014 GESTOR MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AO EGRÉGIO TRIBUNAL DE CONTAS DO RIO GRANDE DO SUL RELATÓRIO DO CONSELHO DO FUNDEF-2014 GESTOR MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Temos a satisfação de apresentar a Vossa Senhoria o incluso Processo de Tomada de Contas,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT Orientação Técnica 0002/2015 UNIDADE ORÇAMENTÁRIA: TODAS AS UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS INTERESSADO: C/ CÓPIA: ASSUNTO: SECRETÁRIOS DE ESTADO E PRESIDENTES DE AUTARQUIAS,FUNDAÇÕES, EMPRESAS E DEMAIS ENTIDADES

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009.

DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009. DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009. REGULAMENTA A JUNTA MÉDICA DO MUNICÍPIO DE GUARANTÃ DO NORTE E DO FUNDO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DE GUARANTÃ DO NORTE PREVIGUAR E

Leia mais

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Hilda Lorena Freitas Agente PNAE/REBRAE Cecane/UNB A partir da Lei n. 11.947/2009 Art. 14. Do total dos recursos financeiros

Leia mais

EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016

EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016 EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016 1 DAS INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 O presente regulamento, baseado na Lei 12.868, de 15/10/2013 e no Decreto 8242, de 26/05/2014, disciplina o processo

Leia mais

Edital PROAD Nº 01, de 18 de março de 2014

Edital PROAD Nº 01, de 18 de março de 2014 Edital PROAD Nº 01, de 18 de março de 2014 O REITOR DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU, no uso de suas atribuições e considerando o disposto no Art. 3º e no Art. 4º da Lei Ordinária do Município de Blumenau

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO

MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO MINUTA DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº. /2015 CAPEAMENTO ASFÁLTICO Pelo presente instrumento particular de prestação de serviços, o MUNICÍPIO DE IBIRAPUITÃ, pessoa jurídica de direito público interno,

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS EDITAL PRAE Nº 04/2015 PROGRAMA DE AUXÍLIO PARA ESTUDANTES PAPE/UNIFESP PROGRAMA BOLSA PERMANÊNCIA PBP/MEC (2016) BAIXADA SANTISTA, DIADEMA, GUARULHOS, OSASCO, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E SÃO PAULO. A Pró-Reitoria

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 125, terça-feira, 2 de julho de 2013 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 125, terça-feira, 2 de julho de 2013 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 125, terça-feira, 2 de julho de 2013 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL PORTARIA Nº 1.495, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre procedimentos

Leia mais

Colégio de Procuradores de Justiça

Colégio de Procuradores de Justiça RESOLUÇÃO nº 003/2009/CPJ Colégio de Procuradores de Justiça Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do Ministério Público do Estado do Tocantins. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA,

Leia mais

PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO

PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO PRESTAÇÃO ANUAL DE CONTAS Processo TCM nº 07970-14 Exercício Financeiro de 2013 Prefeitura Municipal de POÇÕES Gestor: Otto Wagner de Magalhães Relator Cons. Paolo Marconi PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO O Parecer

Leia mais

LEI , DE 31 JULHO DE 2014 PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS NOVIDADES

LEI , DE 31 JULHO DE 2014 PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS NOVIDADES LEI 13.019, DE 31 JULHO DE 2014 PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS NOVIDADES Lei 13.019/2004 link OSCIPS Art. 4 o Aplicam-se as disposições desta Lei, no que couber, às relações da administração pública com entidades

Leia mais

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009 ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009 Dispõe sobre a regulamentação do processamento das consignações em folha de pagamento no Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos e Elaboração de Folha de Pagamento

Leia mais

Utilização das ferramentas disponibilizadas pelo CREA-PR aos Coordenadores de Curso

Utilização das ferramentas disponibilizadas pelo CREA-PR aos Coordenadores de Curso Utilização das ferramentas disponibilizadas pelo CREA-PR aos Coordenadores de Curso 22º Fórum de Docentes Ponta Grossa-PR, 20 de agosto de 2015 Coordenador: Eng. Civ. Hélio Xavier da Silva Filho Gerente

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da

Leia mais

o PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições,

o PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições, 1. PRESIDÊNCIA 1.1. Portaria PORTARIA DE 26 DE FEVEREIRO DE 1998 o PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL no uso das atribuições N" 28/98 - RESOLVE: Art. I Q A utilização dos serviços de Telefonia Celular

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DO INSTITUTO ODEON CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DO INSTITUTO ODEON CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DO INSTITUTO ODEON CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento tem por objetivo definir os critérios e as condições a serem observados pelo INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO Artigo 1º - O FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS, doravante designado, abreviadamente,

Leia mais

DECRETO Nº 19.156, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015.

DECRETO Nº 19.156, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015. DECRETO Nº 19.156, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015. Regulamenta a utilização dos depósitos judiciais e institui o Fundo de Reserva dos Depósitos Judiciais no âmbito do Município de Porto Alegre, conforme dispõe

Leia mais

LEI 14870 2003 de 16/12/2003 (texto atualizado)

LEI 14870 2003 de 16/12/2003 (texto atualizado) LEI 14870 2003 de 16/12/2003 (texto atualizado) Dispõe sobre a qualificação de pessoa jurídica de direito privado como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP - e dá outras providências.

Leia mais

Legislação Específica

Legislação Específica Legislação Específica Controle Interno e Controle Externo Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Legislação Específica CONTROLE INTERNO E EXTERNO Definição de Controle: É o conjunto de instrumentos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015. Aprova o PROGRAMA DE BOLSA-AUXÍLIO À PÓS- GRADUAÇÃO AOS SERVIDORES do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá IFAP. O PRESIDENTE

Leia mais

Centro de Estudos e Pesquisas 28 Organização Social em Saúde - RJ CNPJ nº 33.927.377/0001-40

Centro de Estudos e Pesquisas 28 Organização Social em Saúde - RJ CNPJ nº 33.927.377/0001-40 EDITAL PARA SELEÇÃO DE FORNECEDOR - AUDITORIA CONTÁBIL EXTERNA O Centro de Estudos e Pesquisas 28 (Organização Social em Saúde), entidade privada de utilidade pública, inscrito no, torna pública a realização,

Leia mais