CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO"

Transcrição

1 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 23 /2015, de 27 de fevereiro revogou a Portaria nº 9/2013, de 11 de fevereiro referente à avaliação das aprendizagens e competências no ensino básico; Considerando que os critérios de avaliação do ensino básico foram aprovados pelo Conselho Pedagógico (CP) em 07/11/2014; Considerando que a nova portaria de avaliação do ensino básico entrou em vigor a 28 de fevereiro de 2015, em pleno segundo período letivo; Considerando que os principais pressupostos da avaliação patentes nos critérios de avaliação não necessitam de quaisquer reajustamentos face à entrada em vigor da nova Portaria; Determinou o CP, em reunião ordinária de 13 de maio de 2015, apenas efetuar os reajustamentos aos critérios de avaliação nos seguintes capítulos que a seguir se transcrevem: Capítulo I-Enquadramento legal 1- Substituição da referência da Portaria nº 9 /2013 de 11 de fevereiro pela Portaria Nº 23/2015, de 27 de fevereiro. Capítulo II-Pressupostos da avaliação 1. O nº 4 passa a ter a seguinte redação: A avaliação é da responsabilidade do professor, do conselho de núcleo, do conselho de turma, dos órgãos de gestão da unidade orgânica e da direção regional competente em matéria de educação. No processo de avaliação intervêm: a) O professor; b) O aluno; c) O conselho de núcleo, no 1.º ciclo, ou o conselho de turma, no 2.º e 3.º ciclos; d) O órgão executivo da unidade orgânica; e) O Conselho Pedagógico f) O Encarregado de educação; g) O docente de educação especial e outros profissionais que acompanham o desenvolvimento do processo educativo do aluno; h) A Direção Regional da Educação. 1

2 Capítulo V-Modalidades de avaliação 1. O número 3.2 do capítulo da avaliação sumativa interna passa a ter a seguinte redação: A avaliação sumativa interna no final de cada período letivo deve traduzir uma apreciação globalizante sobre o desenvolvimento das competências e a aquisição das aprendizagens, a qual não se esgota na média aritmética da classificação obtida nos instrumentos de avaliação, de modo a valorizar a evolução do aluno e a responsabilidade com que assume o seu processo educativo, com o objetivo de informar o aluno e o encarregado de educação redefinir as estratégias implementadas, com vista à introdução de eventuais reajustamentos ou apresentação de propostas para o ano letivo seguinte. 2 O número 4 do capítulo da avaliação sumativa interna passa a ter a seguinte redação: Para efeitos de classificação final de período dever-se-á considerar nos domínios cognitivo e atitudinal do processo de avaliação, os seguintes indicadores: Domínio Cognitivo Nível 1 /Insuficiente O aluno não desenvolveu as competências chave, nem realizou as aprendizagens necessárias à progressão nos termos definidos nos programas e metas curriculares/aprendizagem. Aprendizagens Revela muitas dificuldades na compreensão e interpretação de enunciados escritos; Revela muitas dificuldades na compreensão e expressão do oral e da escrita; Revela muitas dificuldades ao nível da compreensão, aquisição e aplicação de Revela muita dificuldade em seguir raciocínios simples; métodos de trabalho. Nível 2/ Insuficiente Não revela organização, nem hábitos e Revela dificuldades na compreensão e interpretação de enunciados escritos; O aluno demonstra um atraso significativo no Revela dificuldades na expressão e desenvolvimento das competências chave e na compreensão do oral e da escrita; realização das aprendizagens necessárias à progressão Revela dificuldades ao nível da nos termos definidos nos programas e metas compreensão, aquisição e aplicação de curriculares/aprendizagem. Revela dificuldade em seguir raciocínios simples; Revela pouca organização e poucos hábitos e métodos de trabalho. Nível 3/Suficiente O aluno desenvolveu satisfatoriamente as competências chave e realizou as aprendizagens necessárias à progressão nos termos definidos nos programas e metas curriculares/aprendizagem. Revela algumas dificuldades na compreensão e interpretação de enunciados escritos; Revela algumas dificuldades na compreensão e expressão do oral e da escrita; Revela algumas dificuldades ao nível da compreensão, aquisição e aplicação de 2

3 O aluno desenvolveu de forma bastante satisfatória as competências chave e realizou as aprendizagens necessárias à progressão nos termos definidos nos programas e metas curriculares/aprendizagem. Revela algumas dificuldades em seguir raciocínios simples; Revela alguma organização e alguns hábitos e métodos de trabalho. Nível 4/Bom Revela facilidade na compreensão e interpretação de enunciados escritos; Revela facilidade na expressão e compreensão do oral e da escrita; Revela facilidade ao nível da compreensão, aquisição e aplicação de Revela facilidade em seguir raciocínios; Revela organização e hábitos e métodos de trabalho. Nível 5/Muito Bom O aluno desenvolveu plenamente as competências chave e realizou as aprendizagens necessárias à progressão nos termos definidos nos programas e metas curriculares/aprendizagem. Revela muita facilidade na compreensão e interpretação de enunciados escritos; Revela muita facilidade na expressão e compreensão do oral e da escrita; Revela muita facilidade ao nível da compreensão, aquisição e aplicação de Revela muita facilidade em seguir raciocínios; Revela organização e hábitos e métodos de trabalho. 3

4 3. O número 3.9 do capítulo da avaliação sumativa interna passa a ter a seguinte redação: A informação resultante da avaliação sumativa interna em cada disciplina conduz à atribuição de: a) Menções qualitativas de Insuficiente, Suficiente, Bom e Muito Bom, acompanhadas de uma apreciação descritiva, para todas as áreas do 1º, 2º e 3º anos e para as áreas de Estudo do Meio, Expressões, Inglês e EMRC do 4º ano de escolaridade; b) Classificações na escala de níveis de 1 a 5 valores, para as áreas de Português e de Matemática, do 4º ano de escolaridade, em todos os períodos letivos, acompanhada de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluno; c) Classificação quantitativa, numa escala de níveis de 1 a 5, nos 2º e 3º Ciclos A avaliação sumativa interna final de cada uma das disciplinas nos 4.º e 6.º anos de escolaridade é atribuída no final do 3.º período e antes de serem divulgados os resultados da avaliação externa das disciplinas de Português e de Matemática. 4. O número 3.10 do capítulo da avaliação sumativa interna passa a ter a seguinte redação: Nos 7.º e 8.º anos de escolaridade, a avaliação sumativa interna das disciplinas de Educação Tecnológica e da área de Educação Artística, caso sejam organizadas em regime semestral, processa -se do seguinte modo: a) O professor da disciplina entrega as propostas de avaliação do 1.º semestre ao diretor de turma e ao conselho executivo, sendo as avaliações registadas em ata na reunião do 2.º período. b) As propostas de avaliação referidas na alínea anterior estão sujeitas a aprovação do conselho de turma de avaliação no final do 3.º período. 5. O número 3.12 do capítulo da avaliação sumativa interna passa a ter a seguinte redação: A informação resultante da avaliação sumativa interna na área curricular não disciplinar deve promover e considerar a auto avaliação, expressando-se de forma qualitativa: Insuficiente, Suficiente, Bom e Muito Bom, podendo ser acompanhada de uma apreciação descritiva, sempre que se considere relevante. 6 O capítulo da avaliação sumativa interna passa a contemplar o ponto 3.19 com a seguinte redação: A avaliação sumativa interna do final do 3.º período tem as seguintes finalidades: a) Formalização da classificação correspondente às competências desenvolvidas e às aprendizagens realizadas pelo aluno ao longo do ano letivo; b) Decisão sobre a transição de ano; c) Verificação das condições de admissão à 2.ª fase das provas finais dos 1.º e 2.º ciclos e definição do plano a cumprir no período de acompanhamento extraordinário; d) Verificação das condições de admissão à 1.ª fase das provas finais do 3.º ciclo. 4

5 Capítulo VI-Critérios de Progressão e Retenção Os critérios de avaliação de final de ciclo e de final de ano letivo constituem critérios reguladores (referências comuns) a nível de escola, tendo em vista a uniformização de procedimentos na ponderação da situação escolar dos alunos nos Conselhos de Núcleo e de Turma. 1) Considera-se que o aluno não desenvolve as competências-chave, nem realiza as aprendizagens quando tem nível inferior a três em qualquer disciplina ou menção de Insuficiente na área curricular não disciplinar. 2) As disciplinas de EMRC e DPS não são consideradas para efeitos de progressão/ retenção 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 4º Ano Ano Terminal de Ciclo 1. No final do 3º período, nas reuniões de avaliação, será tomada pelo Conselho de Núcleo/Turma, a decisão de progressão ou de retenção dos alunos, expressa pelas menções de Aprovado ou Não Aprovado; o aluno não é aprovado se: a) Tiver obtido classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português e de Matemática; b) Tiver obtido classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português ou Matemática e menção de Insuficiente às áreas de Estudo do Meio e Expressões. 6º e 9º anos Anos Terminais de Ciclo 1. No final do 2.º e 3.º ciclos, o aluno não aprova se: a) Tiver obtido classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português e de Matemática; b) Tiver obtido classificação inferior a 3 em 3 ou mais disciplinas. Anos Não Terminais de Ciclo 1º Ano de escolaridade 1. No 1.º ano de escolaridade só há lugar a retenção se: a) O aluno tiver ultrapassado o limite de faltas Injustificadas previsto no Estatuto do Aluno do Ensino Básico e Secundário e o professor titular de turma, em articulação com o conselho de núcleo, decida pela retenção do aluno. Restantes anos de escolaridade não terminais de ciclo. 1. Nos anos não terminais de ciclo, a retenção apenas poderá ocorrer quando o progresso no desenvolvimento das aprendizagens demonstrado pelo aluno permite perspetivar que os conhecimentos e as competências definidas para o final do ciclo não serão atingidos. 2 Em anos não terminais de ciclo, a retenção é uma medida de exceção, não havendo lugar à mesma nas situações em que os alunos tenham apenas dois níveis inferiores a 3. 5

6 3 Nos 1.º e 2.º ciclos, a retenção traduz-se na repetição de todas as áreas curriculares ou disciplinas do ano em que o aluno ficou retido. 4 No 3.º ciclo, tanto em anos terminais, como em anos não terminais, por decisão do conselho de turma, a retenção pode traduzir-se: a) Na repetição de todas as áreas curriculares ou disciplinas do ano em que o aluno ficou retido; b) Na repetição apenas das áreas curriculares ou disciplinas a que o aluno com idade igual ou superior a 15 anos não obteve sucesso, mediante a anuência do encarregado de educação ou do aluno quando maior de idade. 5. Não é permitida a segunda retenção no mesmo ano de escolaridade, sem o parecer favorável do conselho pedagógico e homologação pelo órgão executivo que analisa para o efeito a informação disponibilizada pelo CT/CN e quando a avaliação do aluno indicia ser provável a obtenção de aprovação no ano letivo seguinte; a segunda retenção no mesmo ano de escolaridade poder ser requerida pelo encarregado de educação. 6. Qualquer retenção é homologada exclusivamente pelo órgão executivo da unidade orgânica, cumprido o disposto no presente artigo e no nº 5 do artigo 34º da Portaria nº 75/2014, de 18 de novembro. 7. Sempre que se verifique uma segunda retenção em qualquer ciclo do ensino básico, e cumpridos os requisitos etários, o aluno pode ser encaminhado para um programa específico de recuperação ou de conclusão da escolaridade, mediante proposta de orientação vocacional apresentada pelo SPO. 8. Em situações excecionais, devidamente fundamentadas, o conselho de núcleo e o conselho de turma podem propor que um aluno com uma segunda retenção se mantenha no currículo regular, cabendo ao conselho pedagógico emitir parecer favorável e ao órgão executivo a homologação. 9. O encaminhamento referido nos números 4 e 5 deve ser objeto de especial ponderação quando se trate de aluno que frequente o ano terminal de ciclo. 10. Na decisão de progressão/retenção, no Ensino Básico, devem ser considerados os seguintes critérios: a) Domínio da Língua Portuguesa: expressão, compreensão do oral e da escrita nas várias disciplinas; b) Competências em Matemática; c) Educação para a Cidadania: cumprimento de normas e regras, assiduidade, atitudes, comportamentos, respeito no relacionamento com os outros, sentido de responsabilidade ( ); d) Percurso escolar/progressão do aluno ao longo do ano/ciclo; e) Nível de conhecimentos necessários para o ano seguinte; f) Desempenho nas atividades de complemento curricular propostas pela escola; g) Assiduidade; h) Pontualidade; i) Interesse e esforço investido; j) Atitudes e valores demonstrados ao longo do ano; k) Relações interpessoais na turma; l) Fatores afetivos e socioeconómicos; m) Participações disciplinares; 6

7 n) Idade cronológica; o) Número de retenções. IX ALUNOS INTEGRADOS NO REE 1 - A alínea d deste capítulo passa a ter a seguinte redação: os alunos com currículos específicos individuais (CEI) não estão sujeitos ao regime de transição de ano escolar, nem ao processo de avaliação característico do regime educativo comum, ficando sujeito aos critérios específicos de avaliação definidos no respetivo PEI; a informação resultante da avaliação sumativa dos alunos abrangidos pelo CEI ou similar expressa-se numa menção qualitativa de Insuficiente, Suficiente, Bom e Muito Bom, acompanhada de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluno. 2- Alínea e) que passou a contemplar este capítulo: os alunos com necessidades educativas especiais de caráter permanente, abrangidos pela medida do regime educativo especial adequações no processo de avaliação ou por condições especiais de avaliação consagradas nas modalidades de apoio educativo, contempladas no Regulamento de Gestão Pedagógica e Administrativa de Alunos, realizam as provas finais de ciclo e as provas de equivalência à frequência previstas para os restantes examinandos, podendo, no entanto, usufruir de condições especiais de realização de provas, ao abrigo da legislação em vigor. X - Situações especiais de classificação Os números 7 e 8 deste capítulo passam a ter a seguinte redação: 7 Nos 2.º e 3.º ciclos, se, por motivo da exclusiva responsabilidade da escola, apenas existirem em qualquer disciplina, à exceção das disciplinas com prova final de ciclo em anos terminais, elementos de avaliação respeitantes a um dos três períodos letivos, o encarregado de educação do aluno pode optar entre: a) Ser considerada como classificação anual de frequência a obtida nesse período; b) Não ser atribuída classificação anual de frequência nessa disciplina; c) Realizar a PEA de acordo com o ponto 5 deste capítulo. 8 Nos 2.º e 3.º ciclos, sempre que, em qualquer disciplina, à exceção das disciplinas com prova final de ciclo em anos terminais, o número de aulas ministradas durante todo o ano letivo não tenha atingido o número previsto para oito semanas completas, o encarregado de educação do aluno pode optar entre: a) A aprovação do aluno sem atribuição de classificação nessa disciplina; b) A realização de PEA, correspondendo a sua classificação anual de frequência à classificação obtida nesta prova. 7

8 XI - Situações especiais de avaliação 1- Quando um aluno revele capacidades de aprendizagem excecionais e um adequado grau de maturidade, a par do desenvolvimento das competências previstas para o ciclo que frequenta, poderá progredir mais rapidamente no ensino básico, nos termos estabelecidos para os alunos com aprendizagens precoces no Regulamento de Gestão Administrativa e Pedagógica dos Alunos em vigor, podendo: a) concluir o 1.º ciclo do ensino básico em 3 anos de escolaridade; b) transitar de ano de escolaridade antes do final do ano letivo, ao longo dos 2.º e 3.º ciclos. 2 Um aluno retido num dos anos não terminais de ciclo, que demonstre ter adquirido os conhecimentos e ter desenvolvido as capacidades definidas para o final do ciclo poderá concluir o 1.º ciclo nos quatro anos previstos para a sua duração através de uma progressão mais rápida, nos anos letivos subsequentes à retenção. Critérios específicos de avaliação Nos critérios específicos de avaliação das disciplinas afetas ao 1º CEB, com exceção de Português e de Matemática do 4º ano de escolaridade, as menções qualitativas de Não Satisfaz, Satisfaz, Satisfaz Bem e Satisfaz Muito Bem correspondem às menções qualitativas de Insuficiente, Suficiente, Bom e Muito Bom. Critérios de avaliação reajustados e aprovados em reunião do Conselho Pedagógico de 13 de maio de 2015 Pelo Conselho Pedagógico (O Presidente) João Manuel Amaral Silva 8

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO 2015-2016 Avaliação (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho; Despacho Normativo nº 17-A/2015 de 22 de Setembro e Despacho Normativo nº 13/2014 de 15

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) Nos termos da alínea e) do art.º 33.º do Regime de Autonomia, Administração e Gestão, constante do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE ESCOLA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE ESCOLA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas Infanta D. Mafalda Ano Letivo 2014/2015 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 2.1 - PRÉ-ESCOLAR...4 2.2-1º CICLO...4 2.3-2º

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO Nos termos das disposições constantes da legislação em vigor, o Conselho Pedagógico do Agrupamento de Escolas Garcia de Orta aprovou, em sessão ordinária

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Ano letivo 2013-2014 INTRODUÇÃO - Avaliação (Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho) - A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO SETEMBRO DE 2015 ( ) Não me prendas as mãos não faças delas instrumento dócil de inspirações que ainda não vivi Deixa-me arriscar o molde talvez

Leia mais

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Agrupamento de Escolas Dr. Alberto Iria Olhão C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Ano Letivo 2015-2016 Critérios Gerais de Avaliação 2015-2016 1 1. Avaliação A avaliação constitui um processo

Leia mais

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE As normas de transição para os anos não terminais de ciclo constituem normas

Leia mais

I Alunos com NEE que cumprem o currículo comum:

I Alunos com NEE que cumprem o currículo comum: Agrupamento de Escolas de Freamunde (Código 150769) Praceta da Escola Secundária, 21 4590-314 FREAMUNDE Avaliação dos alunos com NEE de carácter permanente, abrangidos pelas medidas educativas especiais

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação Ano letivo 2013/2014

Critérios Gerais de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios Gerais de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Compete ao Conselho Pedagógico definir, no início de cada ano, os critérios gerais de avaliação e aprovar os critérios específicos de cada disciplina

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. JOSÉ DOMINGUES DOS SANTOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. JOSÉ DOMINGUES DOS SANTOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação enquanto elemento integrante da prática letiva deve basear-se na seleção de objetivos e competências definidas por disciplina e ano curricular que, orientarão

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho normativo n.º 13/2014 15 de setembro de 2014 Artigo 1.º Objeto avaliação e certificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I- Introdução Os critérios de avaliação são definidos de acordo com o currículo, os programas das disciplinas e as metas curriculares, sendo operacionalizados pelos professores da

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

2015/16. Critérios Gerais de Avaliação

2015/16. Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Portela e Moscavide Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela 2015/16 Critérios Gerais

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação ÍNDICE 1 - PROCESSO DE AVALIAÇÃO... 3 2 INTERVENIENTES NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO SUMATIVA EXTERNA... 5 3 INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO... 5 4 - ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO... 6 5 - CRITÉRIOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANADIA Critérios Gerais de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 2011/2012. Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANADIA Critérios Gerais de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 2011/2012. Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB 0 Introdução No Ensino Básico A avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certificador das diversas aquisições realizadas

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO Legislação relativa à avaliação Orientação técnica nº 3/2016, de setembro (ANQEP) Cursos de Educação e Formação nível básico (ano letivo 2016/2017). Orientação técnica

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO DE 2017/2018 PORTUGUÊS

Leia mais

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Critérios Específicos de Avaliação 2013/2014 Introdução Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA O 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA O 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA O 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2016/2017 ÍNDICE ÍNDICE... 2 I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO

Leia mais

Ano letivo 2015/2016. Critérios Gerais de Avaliação

Ano letivo 2015/2016. Critérios Gerais de Avaliação Ano letivo 2015/2016 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Projeto Educativo do AEQB Regulamento Interno do AEQB Lei n.º 51/2012, de 5 de setembro aprova o Estatuto do Aluno e Ética Escolar, que estabelece os direitos

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus. Departamento de 1º ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus. Departamento de 1º ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus Departamento de 1º ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2013/2014 A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa, permitindo uma recolha

Leia mais

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 Aprovado em Conselho de Docentes em julho de 2016 Diretora Pedagógica Rosa Cândida Gomes Princípios Orientadores

Leia mais

Critérios específicos de avaliação

Critérios específicos de avaliação Critérios específicos de 1. Aspetos a considerar na específica A sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática no 4º ano

Leia mais

Artigo 1.º. Enquadramento legal da avaliação

Artigo 1.º. Enquadramento legal da avaliação Artigo 1.º Enquadramento legal da avaliação 1 De acordo com o Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Leis 91/2013, de 10 de julho, 176/2014, de 12 de dezembro

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento 1º Ciclo Grupos: 110 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEL CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO UTILIZADOR Critérios

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. Ano letivo de

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. Ano letivo de AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2016-2017 O Agrupamento de Escolas de Aveiro definiu os presentes critérios gerais

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2014-2015 O Agrupamento de Escolas de Aveiro definiu os presentes critérios gerais

Leia mais

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Objetivos Promover o desenvolvimento adequado dos processos de avaliação dos alunos tendo em vista

Leia mais

REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR, MÉRITO E DE EXCELÊNCIA

REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR, MÉRITO E DE EXCELÊNCIA REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR, MÉRITO E DE EXCELÊNCIA O presente regulamento foi apresentado e aprovado em reunião de Conselho Pedagógico de 12/set/2012. 1.ª revisão em 29 de novembro de 2013; 2.ª revisão

Leia mais

AERT CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO 1.º CICLO

AERT CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO 1.º CICLO AERT CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO 1.º CICLO (De acordo com o Despacho Normativo n. 17-A/2015 de 22 de setembro e com o Decreto-Lei n. 139/2012 de 5 de julho) Disposições Gerais A avaliação tem uma

Leia mais

MÉRITO ESCOLAR: QUADROS DE VALOR E EXCELÊNCIA. Regulamento

MÉRITO ESCOLAR: QUADROS DE VALOR E EXCELÊNCIA. Regulamento MÉRITO ESCOLAR: QUADROS DE VALOR E EXCELÊNCIA Regulamento A Escola, enquanto espaço de vivência democrática e agente dinamizador de inovação social e cultural, deve garantir o desenvolvimento pleno e harmonioso

Leia mais

Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA

Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA Governo dos Açores NÚCLEO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA I Caracterização da UNECA-TVA II Identificação e caracterização dos Alunos III Matriz Curricular para

Leia mais

Critérios de avaliação. Departamento de 1.º Ciclo do Ensino Básico

Critérios de avaliação. Departamento de 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação Departamento de 1.º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo 2017 2018 1. Considerações Iniciais A avaliação incide sobre as aprendizagens desenvolvidas pelos alunos, tendo por referência

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo Educação Pré Escolar A Educação Pré-Escolar afigura-se como a primeira etapa da educação básica

Leia mais

Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo do Ensino Básico. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo do Ensino Básico. 1º Ciclo Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo do Ensino Básico 1º Ciclo Ano Letivo 2012/2013 1 - PROCESSO DE AVALIAÇÃO A avaliação dos alunos, enquanto parte integrante do processo de ensino/aprendizagem,

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2014/2015

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 A avaliação, constituindo-se como um processo regulador do ensino, é orientadora do percurso escolar e tem por objetivo a melhoria da qualidade do ensino através

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Artigo 1.º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Artigo 1.º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (Ao abrigo do artigo 41.º do Estatuto da Carreira Docente da Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 (Aprovado

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso ANO LETIVO: 2016/2017 Amadeo de Souza-Cardoso Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento Dando cumprimento ao disposto no Decreto-Lei 139/2012, na sua redação atual, e no Despacho normativo nº 1-F/2016,

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016

ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016 ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016 Avaliação das aprendizagens dos alunos A 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E CURSOS CIENTÍFICOHUMANÍSTICOS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito ARTIGO 1º ÂMBITO E NATUREZA Os Quadros de Excelência, Honra e Mérito destinam-se a reconhecer as competências/ capacidades

Leia mais

REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO O presente Regulamento dos Quadros de Mérito e de Excelência do Agrupamento de Escolas João da

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia REGULAMENTO DO REGIME DE ASSIDUIDADE CURSOS CEF I - CONTEXTUALIZAÇÃO

Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia REGULAMENTO DO REGIME DE ASSIDUIDADE CURSOS CEF I - CONTEXTUALIZAÇÃO REGULAMENTO DO REGIME DE ASSIDUIDADE CURSOS CEF I - CONTEXTUALIZAÇÃO Este Regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação e Formação, no que diz respeito ao Regime

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Este documento contempla as linhas gerais de orientação, para uniformização

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALENTEJO Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Milfontes, Odemira CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO 2016/2017 1 CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS

Leia mais

Professor da área 1 Dramática Expressão, Educação Musical Professor da área 1 Expressão, Educação Físico- Motora

Professor da área 1 Dramática Expressão, Educação Musical Professor da área 1 Expressão, Educação Físico- Motora 2013/2014 1º Ciclo do Ensino Básico ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Tendo como fundamento os princípios da Pedagogia Marista, o Currículo do 1ºCiclo do Externato Marista de Lisboa, promove o desenvolvimento integral

Leia mais

REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR, MÉRITO E DE EXCELÊNCIA

REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR, MÉRITO E DE EXCELÊNCIA REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR, MÉRITO E DE EXCELÊNCIA 1 REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR, MÉRITO E DE EXCELÊNCIA Capítulo I Artigo 1º Objetivo O presente Regulamento destina-se a fixar as regras com

Leia mais

Agrupamento de Escolas Miguel Torga Escola EB1/JI de Massamá

Agrupamento de Escolas Miguel Torga Escola EB1/JI de Massamá Agrupamento de Escolas Miguel Torga Escola EB1/JI de Massamá Agrupamento de Escolas Miguel Torga Escola EB1/JI de Massamá INDICE 1 Introdução.2 2 -Instrumentos de Avaliação. 2 3 - Modalidades da Avaliação.4

Leia mais

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento Quadros de Valor, Mérito e Excelência Regulamento Os quadros de valor e de Excelência são criados no âmbito do Agrupamento de Escolas de Campo Maior, como incentivo ao sucesso escolar e educativo, visando

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP PREÂMBULO Este documento tem por objetivo regulamentar o modo de avaliação das unidades curriculares dos primeiros ciclos, dos ciclos de estudos

Leia mais

Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico

Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico O Programa do Governo assume como objectivo estratégico a garantia de uma educação de base para todos, entendendo-a como início

Leia mais

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 143/2013 Dá nova redação ao Despacho

Leia mais

EPHTL. Critérios Gerais de Avaliação

EPHTL. Critérios Gerais de Avaliação EPHTL Critérios Gerais de Avaliação 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 Introdução A avaliação é um processo regulador do ensino, que orienta o percurso escolar, certifica os conhecimentos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO. Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO. Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO 152640 CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Ano Letivo 2015/2016 Agrupamento de Arcozelo Telef: 258 909 060 - Fax: 258 909 062 www.aearcozelo.pt Vilar Arcozelo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2014/2015 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação

Critérios Específicos de Avaliação Critérios Específicos de Avaliação A avaliação escolar como processo de construção de conhecimento DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CARREGAL

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões Critérios de Avaliação Departamento de Expressões 2015/2016 5.º ano Disciplina Educação Visual instrumental 60% Trabalhos realizados de acordo com a planificação da disciplina Interesse e empenho 10% Comportamento/adequação

Leia mais

ANEXO 18 A Regulamento Interno

ANEXO 18 A Regulamento Interno ANEXO 18 A Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA ANO LETIVO DE 2017 2018 PORTUGUÊS

Leia mais

DISPOSITIVO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO BÁSICO (1º, 2.º e 3.º Ciclos)

DISPOSITIVO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO BÁSICO (1º, 2.º e 3.º Ciclos) ESCOLAS DE MANGUALDE DISPOSITIVO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO (1º, 2.º e 3.º Ciclos) 1 1 - INTRODUÇÃO O dispositivo de avaliação para o ensino básico tem um conjunto de enfoques teóricos que nesta introdução

Leia mais

Critérios e Parâmetros de Avaliação

Critérios e Parâmetros de Avaliação Critérios e Parâmetros de Avaliação Pré-Escolar e 1º ciclo ESCOLA BÁSICA DE 1º CICLO COM PRÉ-ESCOLAR DE BOAVENTURA 2013/2014 A avaliação é encarada numa perspetiva formativa de todo o processo educativo,

Leia mais

REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR E EXCELÊNCIA

REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR E EXCELÊNCIA REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR E EXCELÊNCIA NOV 2012 Preâmbulo 1 Nos termos do despacho normativo 102/90 de 12/09, a Lei de Bases do Sistema Educativo pretende garantir o desenvolvimento pleno e harmonioso

Leia mais

Regulamento - Quadro de Honra e Prémio de Mérito

Regulamento - Quadro de Honra e Prémio de Mérito Regulamento - Quadro de Honra e Prémio de Mérito Regulamento do Quadro de Honra e do Prémio de Mérito Artigo 1.º Objeto O Quadro de Honra e o Prémio de Mérito destinam-se a tornar visível o reconhecimento

Leia mais

Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico

Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico 1. Critérios de avaliação AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS 1.

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de 2008 1 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Conforme o ponto 1 do artigo 128º do Regulamento Interno

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO REGULAMENTO INTERNO - ADENDA Artigo 88º Medidas de recuperação e de integração 8- As atividades de recuperação da aprendizagem, quando a elas houver lugar, são decididas

Leia mais

QUADROS DE MÉRITO ACADÉMICO, DE VALOR E DE EXCELÊNCIA

QUADROS DE MÉRITO ACADÉMICO, DE VALOR E DE EXCELÊNCIA QUADROS DE MÉRITO ACADÉMICO, DE VALOR E DE EXCELÊNCIA PREÂMBULO O reconhecimento do percurso escolar dos alunos é consubstanciado no Agrupamento de Escolas de Fernando Pessoa pela criação dos Quadros de

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

Critérios de Avaliação 2015/2016

Critérios de Avaliação 2015/2016 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Critérios de Avaliação 2015/2016 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

EXAMES º ANO. Provas Finais de Ciclo e Provas de Equivalência à Frequência

EXAMES º ANO. Provas Finais de Ciclo e Provas de Equivalência à Frequência 1 EXAMES 2014 4º ANO Provas Finais de Ciclo e Provas de Equivalência à Frequência Despacho normativo nº 24-A/2012, de 6 de dezembro Despacho nº 8248/2013, de 25 de junho Despacho normativo nº 5-A/2014,

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD.

DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD. 1 DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD. 145348 ESCOLA SECUNDÁRIA C/3.º CICLO DE VILA REAL DE SANTO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de Escolas Dr. José Leite de Vasconcelos Av. Dr. Francisco Sá Carneiro - 3610 134 Tarouca CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1º ANO Ano letivo 2016/2017 AEDJLV - Tarouca (Código

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO Regulamento dos Cursos Vocacionais do

Leia mais

REGULAMENTO DO QUADRO DE MÉRITO

REGULAMENTO DO QUADRO DE MÉRITO Escola-Sede: Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro CÓDIGO: 170239 REGULAMENTO DO QUADRO DE MÉRITO (Integra a 1ª revisão do Regulamento Interno aprovada em reunião do Conselho Geral de 12 de novembro

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e DL 433/2014 2014.10.16 De acordo com as prioridades estabelecidas no programa do XIX Governo Constitucional, o Ministério da Educação e Ciência tem vindo a introduzir alterações graduais no currículo nacional

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento

Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento O Grupo de trabalho: Coordenadoras de Departamento Coordenadoras de Diretores de Turma 14 de julho de 2015 Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento Introdução

Leia mais

Regulamento dos Quadros de Valor, Mérito e Excelência

Regulamento dos Quadros de Valor, Mérito e Excelência Regulamento dos Quadros de Valor, Mérito e Excelência Os Quadros de Valor, de Mérito e Excelência destinam-se a tornar patente o reconhecimento de aptidões e atitudes dos alunos ou de grupos de alunos

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais